A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !

  • 951 Respostas
  • 70039 Visualizações
*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 3830
  • Recebeu: 2074 vez(es)
  • Enviou: 3964 vez(es)
  • +1998/-116
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #870 em: Dezembro 13, 2020, 01:41:41 am »
O VL-ASROC não é muito utilizado fora dos States e do Japão. Nem vale a pena perder tempo com isso. SM-2 Block IIIC, ESSM Block 2, LRASM bastavam para os VLS.

Concordo com o dc: pelo menos 02 navios AAW com 32 VLS; os restantes serviam perfeitamente com 08 ou 16 VLS.

Quanto a ir buscar stocks de emergência à US Navy, acho que há muitas marinha por esse mundo fora com maior prioridade do que nós. Em caso de conflito devíamos estar no fundo da lista, até porque os nossos meios são tão datados. Claro que podem sempre fornecer Sea Sparrow se ainda tiverem alguns dentro do prazo de validade.
Talent de ne rien faire
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7246
  • Recebeu: 637 vez(es)
  • Enviou: 254 vez(es)
  • +631/-3
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #871 em: Dezembro 17, 2020, 10:13:13 am »
Louvor / medalhita só por ser Chefe de Gabinete e "Conselheiro", por outro lado é da Classe Marinha e  não deve saber um "boi" de computadores...

Citar
------- Por despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, de 26 de novembro de 2020, foi considerado como dado por si próprio o louvor concedido, em 29 de outubro de
2020, pelo 20280 Comodoro ECN BENTO MANUEL DOMINGUES, Superintendente das Tecnologias da Informação, ao 28084 Capitão-de-mar-e-guerra JOSÉ AGOSTINHO DOS
SANTOS DA SILVA MATOS, o qual se publica:
O 28084 CMG JOSÉ AGOSTINHO DOS SANTOS DA SILVA MATOS exerce funções de Chefe do gabinete do Superintendente das Tecnologias da Informação desde dezembro de 2016. Ao longo deste período demonstrou elevado empenho, muita dedicação e notável espírito de cooperação, constituindo-se assim como elemento agregador e relevante para a coesão da superintendência e para a qualidade do serviço e dos resultados alcançados no âmbito das Tecnologias da Informação.
A sua atuação é caracterizada por uma atitude de grande lealdade e capacidade de organização, de que tem feito bom uso para manter os níveis de desempenho do gabinete,
circunstância especialmente relevante em face da diminuição crescente do já muito otimizado número de pessoas que o constituem. O comandante Silva Matos tem sido um conselheiro importante do superintendente, sempre presente para participar na discussão das matérias que antecedem a decisão, mantendo assim uma postura e um nível de realização que têm tornado mais fácil assegurar a execução de todas ações e tarefas da competência da Superintendência das Tecnologias da Informação.
Para além da multiplicidade de assuntos que caracterizam o seu cargo, sublinho a tenacidade com que conduziu a coordenação das iniciativas visando reativar as atividades de Planeamento Estratégico dos Sistemas de Informação e Comunicação Automatizados
(PESI), designadamente sistematizando práticas com vista a aumentar a eficiência do respetivo Grupo PESI (GPESI); foi determinante como elemento integrador do processo global de planeamento estratégico setorial e de planeamento e reporte anual das atividades, bem como na dinâmica de harmonização das iniciativas das várias direções ao nível da gestão estratégica e da gestão de projetos, assegurando a integração e a coerência da informação, o que contribuiu de forma muito visível para a melhoria da qualidade da administração dos recursos informacionais.
Na sua qualidade de Chefe do Gabinete do superintendente, o comandante Silva Matos revelou elevadas qualidades e virtudes militares, pela afirmação constante de empenhamento, de abnegação e de pronta disponibilidade.
Assim, é com inteira justiça e satisfação que, ao abrigo da competência que me é conferida pelo n.º 2 do artigo 64.º do Regulamento de Disciplina Militar, louvo o 28084 CMG JOSÉ AGOSTINHO DOS SANTOS DA SILVA MATOS, em reconhecimento pela forma diligente com que exerceu as suas funções, fazendo uso das suas qualidades humanas, técnico-profissionais, militares e de chefia, o que me leva a considerar que os serviços por si
prestados contribuíram de forma relevante para o prestígio e cumprimento da missão da STI e, consequentemente, da Marinha.

[...]

Medalha Militar da Cruz Naval – 1.ª Classe
------- Por despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, de 26 de novembro de 2020:
O Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada faz saber que, nos termos da alínea c) do número 1 do artigo 26.º, da alínea a) do número 1 do artigo 27.º e do número 3 do artigo 34.º, todos do Regulamento da Medalha Militar e das Medalhas Comemorativas das Forças Armadas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 316/2002, de 27 de dezembro, concede a Medalha Militar da Cruz Naval de 1.ª Classe, aos seguintes militares:
28084 Capitão-de-mar-e-guerra JOSÉ AGOSTINHO DOS SANTOS DA SILVA MATOS
[...]


Este desbasta o mato e pinta muros no Alfeite...

Citar
------- Por despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, de 26 de novembro de 2020, foi considerado como dado por si próprio o louvor concedido, em 16 de fevereiro de
2020, pelo 21085 Capitão-de-mar-e-guerra ARMANDO PEREIRA DA COSTA VALENTE TINOCO, Comandante da Base Naval de Lisboa, ao 9825301 Cabo FZV CLÁUDIO ALVES PINTO, o qual se publica:
Presta serviço na Base Naval de Lisboa (BNL), desde 19 fevereiro de 2016, o 9825301 CAB FZV CLÁUDIO ALVES PINTO, nas funções de Condutor no Serviço de Transportes e nos Serviços Gerais.
Militar dedicado, dinâmico e muito responsável, procurou sempre encontrar as melhores soluções que permitissem ultrapassar as dificuldades do serviço, com recurso aos
seus conhecimentos e experiência profissional, assim como a uma grande disponibilidade para a execução das mais variadas tarefas.
Sendo a BNL uma Unidade de implantação territorial com uma elevada área florestal e urbana edificada, a sua manutenção implica um esforço permanente e continuado. Nesse
âmbito, constituiu uma importante mais-valia a sua dedicação e empenho na condução das máquinas agrícolas e alfaias empregues na limpeza dos terrenos, acessos, corta-fogos e
desmatação, não só na área de responsabilidade da BNL como também no apoio a outras unidades.
Para além do trabalho inerente às suas funções de condutor, acrescem outras ações de relevo, de que se salientam a sua colaboração na recuperação e pintura do muro exterior
da Base e o apoio à reabilitação do jardim D. Estefânia.
Militar de trato fácil e conduta irrepreensível, soube granjear a estima e a consideração de todos os que com ele tiveram oportunidade de se relacionar, qualidades que se somam à proficiência e dedicação que o creditam como um valioso recurso humano do serviço onde esta integrado.
Assim, é com especial apreço que, ao abrigo da competência que me é conferida pelo n.º 2 do artigo 64.º, do Regulamento de Disciplina Militar, louvo o 9825301 CABO FZV CLÁUDIO ALVES PINTO, pelo conjunto de aptidões demonstradas, pelo apoio dado a atividades complementares às suas funções específicas, e pela forma empenhada e
dedicada como exerceu as funções de Condutor, considerando que contribuiu de forma determinante e significativa para a eficiência, prestígio e cumprimento da missão da Base Naval de Lisboa e, consequentemente, da Marinha.

[...]

Medalha Militar da Cruz Naval – 4.ª Classe
------- Por despacho do Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada, de 26 de novembro de 2020:
O Almirante Chefe do Estado-Maior da Armada faz saber que, nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 26.º, da alínea d) do n.º 1 do artigo 27.º e do n.º 3 do artigo 34.º, todos do Regulamento da Medalha Militar e das Medalhas Comemorativas das Forças Armadas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 316/2002, de 27 de dezembro, concede a Medalha Militar da Cruz Naval de 4.ª Classe, aos seguintes militares:
[...]
9825301 Cabo FZV CLÁUDIO ALVES PINTO
[...]
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4131
  • Recebeu: 354 vez(es)
  • Enviou: 296 vez(es)
  • +555/-433
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #872 em: Dezembro 21, 2020, 11:43:08 pm »
Agora que já acabou o riso, leiam esta entrevista do nosso MDN:

 :arrow: https://eurodefense.pt/we-became-complacent/ :bang:
« Última modificação: Dezembro 21, 2020, 11:44:59 pm por typhonman »
Talent de rien fair
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 3830
  • Recebeu: 2074 vez(es)
  • Enviou: 3964 vez(es)
  • +1998/-116
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #873 em: Dezembro 22, 2020, 02:16:39 am »
O domínio da arte de chutar para o lado em todo seu esplendor.
Talent de ne rien faire
 

*

Lusitan

  • Perito
  • **
  • 524
  • Recebeu: 192 vez(es)
  • Enviou: 190 vez(es)
  • +162/-13
  • Hic et Ubique
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #874 em: Dezembro 22, 2020, 09:46:49 am »
Agora que já acabou o riso, leiam esta entrevista do nosso MDN:

 :arrow: https://eurodefense.pt/we-became-complacent/ :bang:

Pelo menos clarificou que há intenção de fazer o Reabastecedor cá em Portugal em vez de comprar em segunda mão.
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4131
  • Recebeu: 354 vez(es)
  • Enviou: 296 vez(es)
  • +555/-433
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #875 em: Dezembro 22, 2020, 10:02:45 am »
Agora que já acabou o riso, leiam esta entrevista do nosso MDN:

 :arrow: https://eurodefense.pt/we-became-complacent/ :bang:

Pelo menos clarificou que há intenção de fazer o Reabastecedor cá em Portugal em vez de comprar em segunda mão.

Projeto Alemão ?
Talent de rien fair
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 10199
  • Recebeu: 1241 vez(es)
  • Enviou: 1744 vez(es)
  • +1045/-1619
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #876 em: Dezembro 22, 2020, 10:06:37 am »
Mais promessas estilo os 6 NPOs? Nem vou perder tempo, cansado de aldrabões.
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 4068
  • Recebeu: 982 vez(es)
  • Enviou: 220 vez(es)
  • +209/-132
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #877 em: Dezembro 22, 2020, 11:17:32 am »
Cansei de ler mal cheguei à resposta sobre o estar satisfeito ou não com o estado das FA. Falar em modernizar as forças armadas quando vemos helis sem FLIR e fragatas com mastro oco e os sucessivos adiamentos da construção de NPOs e o habitual empurrar com a barriga de programas críticos...
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 16609
  • Recebeu: 1559 vez(es)
  • Enviou: 1454 vez(es)
  • +250/-318
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #878 em: Dezembro 22, 2020, 11:21:50 am »
Pois, mas pelo menos soube algumas coisas interessantes.

Citar
ESD: What effects did the establishment of Permanent Structured Cooperation (PESCO) have on Portugal’s defence policy? What developments are yet to be expected in this context?

Minister Cravinho: Portugal is deeply committed to European defence in general and to PESCO in particular. PESCO is a major positive development towards a more coordinated investment in defence across Europe, allowing us to address our needs in defence capabilities. We are full participants in 10 PESCO projects, we are observers in 14 other projects, and we will continue to evaluate future opportunities to participate in more projects. Portugal currently leads 2 PESCO projects: on anti-submarine warfare (MUSA); and the Cyber Academy and Innovation Hub. We believe a collective collaborative effort like PESCO is even more important in a context that is going to be marked, probably, by greater budgetary constraints, due to the economic crisis created by the impact of Covid-19. Portugal is also a strong supporter of the vital role that the EDA plays in promoting a coordinated response to vital strategic gaps and has argued for the need to ensure that the EDF will be adequately funded in the new EU budget.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 4068
  • Recebeu: 982 vez(es)
  • Enviou: 220 vez(es)
  • +209/-132
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #879 em: Dezembro 22, 2020, 09:35:08 pm »
Somos observadores nos projectos "a sério", como o caso das EPC.  ::)

Duvido que dos 10 que estamos directamente envolvidos, algum dê resposta às nossas graves lacunas. Mas a ver vamos, entrar no programa é uma coisa, ir até ao fim é outra.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: typhonman, NVF, Stalker79

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 10199
  • Recebeu: 1241 vez(es)
  • Enviou: 1744 vez(es)
  • +1045/-1619
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #880 em: Dezembro 23, 2020, 10:07:40 am »
Este ministro consegue ser mais incompetente que os outros todos juntos, o que não é tarefa fácil, é um demagogo de mão cheia que fala muito e não diz nada, escola socrática no seu melhor!!!!!
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: typhonman, Major Alvega, NVF, Stalker79

*

Major Alvega

  • Analista
  • ***
  • 703
  • Recebeu: 658 vez(es)
  • Enviou: 379 vez(es)
  • +1861/-123
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #881 em: Dezembro 23, 2020, 08:04:33 pm »
Agora que já acabou o riso, leiam esta entrevista do nosso MDN:

 :arrow: https://eurodefense.pt/we-became-complacent/ :bang:

O filho do Cravinho é o típico burocrata inútil português. É ministro não por ser competente ou por possuir skills apropriados para a função, mas por ser fiel e da confiança do Costa. Não sabe rigorosamente nada de nada e muito menos da pasta que tutela. É o comissário político do PS no MD.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, mayo

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1430
  • Recebeu: 195 vez(es)
  • Enviou: 186 vez(es)
  • +95/-86
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #882 em: Dezembro 23, 2020, 08:13:49 pm »
Este ministro consegue ser mais incompetente que os outros todos juntos, o que não é tarefa fácil, é um demagogo de mão cheia que fala muito e não diz nada, escola socrática no seu melhor!!!!!

Ao menos não atrapalha, simplesmente é a "cara bonita" da defesa. Quem gere a defesa são as forças armadas e o ministro das finanças.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 3254 vez(es)
  • Enviou: 1782 vez(es)
  • +1988/-147
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #883 em: Janeiro 02, 2021, 08:46:20 am »
Lembram-se desta noticia de 20JUL2018 ??
O primeiro NPO iria entrar ao serviço em 2022, não era ???


Portugal vai construir sete novos navios para a Marinha

O Primeiro-Ministro António Costa anunciou a construção de sete novos navios para a Marinha, no âmbito da revisão da Lei de Programação Militar. O anúncio foi feito no batismo no navio patrulha oceânico «Sines», lançado nos estaleiros navais, em Viana do Castelo.

O Primeiro-Ministro afirmou que o aumento ao efetivo da Marinha deste navio «é um dia de parabéns para a indústria portuguesa de construção e reparação naval», que confirma a «vitalidade dos estaleiros» de Viana do Castelo e honra a sua «longa atividade».

António Costa sublinhou que «a tecnologia usada foi desenvolvida em Portugal e está ao nível do melhor que se faz em todo o mundo», sendo, assim, «um exemplo muito feliz do que pretendemos fazer para reforçar as nossas Forças Armadas».

Os sete navios são seis patrulhas oceânicos, juntar-se-ão aos seus congéneres «Viana do Castelo» e «Figueira da Foz», já ao serviço da Armada, permitindo a Portugal uma presença significativa no triângulo Continente-Açores-Madeira. Cada navio patrulha oceânico custa cerca de 60 milhões de euros. Será ainda construído um navio logístico.

Este investimento integra-se no compromisso de reforço do dispositivo das Forças Armadas, assumido por Portugal junto da NATO, disse o Primeiro-Ministro.

A construção destes navios deverá ser feita nos estaleiros portugueses: Assim, «cada euro investido passará a valer por três porque reforçaremos a Defesa nacional, o sistema científico e o tecido industrial», disse.
Construídos em estaleiros nacionais

O «Sines» foi tal como os outros dois navios da sua classe construído nos estaleiros de Viana, presentemente subconcessionados à empresa West Sea, que construirá ainda um outro navio semelhante.
O Navio da República Portuguesa (NRP) «Sines» integra o efetivo da Marinha desde 6 de julho, sendo o terceiro navio da classe «Viana do Castelo», todos construídos em Portugal.
Os Navios Patrulha Oceânicos destinam-se a substituir as corvetas das classes «João Coutinho» e «Baptista de Andrade» reforçando as capacidades operacionais da Marinha em domínios essenciais para o cumprimento da sua missão, como a busca e salvamento, a vigilância, fiscalização e afirmação nacional nos espaços marítimos sob soberania ou jurisdição nacional, e assegurando a Portugal a utilização do seu mar de uma forma sustentável, próspera e segura.

O navio, que teve como madrinha Fernanda Tadeu, é comandado pela capitã-tenente Mónica Martins, e tem uma guarnição de 44 marinheiros.

A cerimónia contou a presença dos Ministros da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, e do Mar, Ana Paula Vitorino, e do Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante António Mendes Calado.

https://www.portugal.gov.pt/pt/gc21/comunicacao/noticia?i=portugal-vai-construir-sete-novos-navios-para-a-marinha

Em 28JUN2019.........deixem-me rir

João Cravinho anunciou que vai começar a trabalhar nos contratos e na adjudicação de seis navios-patrulha oceânicos, uma vez que a lei de programação militar já foi publicada.

https://observador.pt/2019/06/28/ministro-da-defesa-prepara-contrato-para-aquisicao-de-seis-navios-patrulha-oceanicos/

Mas em 10AGO2020 :

Estaleiros de Viana com "melhor ano de sempre" e 100 milhões de vendas

O administrador da Martifer disse hoje que 2020 é o "melhor ano de sempre" desde 2014, quando assumiu a subconcessão dos estaleiros navais de Viana do Castelo, apontando uma faturação de 100 milhões de euros.
"Este ano vai ser o melhor ano de sempre dos estaleiros, quer na construção, quer na reparação naval. Vamos ficar com um valor de vendas na casa dos 100 milhões de euros", afirmou hoje Carlos Martins.

O responsável, que falava aos jornalistas à margem de uma visita do ministro do Mar à empresa, disse que a carteira de encomendas é "muito sólida", tanto na construção como na reparação naval e que, este ano, trabalham, em média, nos estaleiros, por dia, mais de 1.200 trabalhadores.

"Na reparação, a carteira está plena até meados de 2021. É um desafio que nos vem sendo colocado todos os dias e que estamos a responder de forma positiva. Relativamente à carteira de encomendas, estamos a construir quatro navios polares, em simultâneo", especificou.

Acrescentou que, na construção naval, o empresário Mário Ferreira é, nesta altura, o único cliente.

O administrador da Martifer, que detém a West Sea, subsconcessionária dos estaleiros de Viana do Castelo, apontou o primeiro trimestre de 2021 para o início da construção de uma nova doca, num investimento de 15 milhões de euros, que quando estiver concluída, no segundo trimestre de 2022, permitirá criar mais 120 postos de trabalho diretos.

Em causa está a empreitada de aprofundamento do anteporto e do canal de acesso aos estaleiros navais e ao cais do Bugio, lançada em junho.


Com 220 metros de comprimento e 45 metros de largura, o aprofundamento do canal de acesso aos estaleiros, que acontecerá, em simultâneo com as obras a realizar pela Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), no porto de mar, vai permitir construir "navios com mais qualidade e tecnologicamente mais evoluídos".

Questionado sobre a possibilidade de os estaleiros de Viana do Castelo construírem os seis novos Navio Patrulha Oceânico (NPO), previstos na Lei de Programação Militar, Carlos Martins disse que a empresa está "ansiosa" por esse projeto.

"Esperamos que o Governo lance o programa de construção de mais seis navios patrulha. Estamos ansiosos e queremos esse projeto para Viana do Castelo. Achamos que, em 2021, podemos vir a ter encomendas e que se irão desenvolver ao longo de meia dúzia de anos", referiu.


Em abril de 2019, durante uma visita aos estaleiros de Viana do Castelo, o primeiro-ministro disse que, "se tudo correr bem", o Governo encomendará "mais seis novos NPO e outros navios previstos na Lei de Programação Militar", recordando que, nos estaleiros de Viana do Castelo, outros quatro NPO já foram construídos para a Marinha portuguesa, dois dos quais pela WestSea.

Hoje, aos jornalistas, Carlos Martins, admitiu que o mercado "está mais comprimido", devido à pandemia causada pelo novo coronavírus, mas garantiu que o "currículo" da empresa "permite-lhe apresentar outras soluções e testar outros clientes".

"Os estaleiros atravessaram a pandemia de covid-19 com mais trabalho e com mais trabalhadores do que no passado.

Estamos atentos ao que o mercado nos tem para trazer. Uma parte da nossa carteira de encomendas depende muito do setor do turismo, que está a sofrer. Mas estamos a adaptar-nos para que este caminho continue dentro das exigências que o mercado nos coloca, também a pensar na agenda da descarbonização e da sustentabilidade", adiantou.

Carlos Martins destacou que a empresa passou a fase mais crítica da pandemia de covid-19, nos meses de abril e maio, com "distinção".

"Reagimos bem à pandemia. Rapidamente começamos a trabalhar por turnos, muito atentos ao que ia acontecendo", assegurando não ter ocorrido num "foco" da doença, apenas "um ou outro caso isolado".

2020-10-08 11:27 Notícias ao Minuto


E termino com esta noticia de 22SET2017 :

Governo compra sistemas de armas para os NPO Viana do Castelo no valor de 6.500 ME
O governo autorizou a aquisição, através da agência de compras da NATO, de dois sistemas de armas e sensores eletrónicos para os dois navios patrulha oceânicos em construção, no valor de 6.500 milhões de euros.

Lusa 22 Setembro 2017 — 15:33
 
Segundo um despacho de 04 setembro, hoje publicado, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, entregou à NSPA (Nato Suport and Procurement Agency) a compra dos sistemas eletrónicos e de artilharia, incluindo manuais, formação e instalação para equipar os Navios de Patrulha Oceânicos da classe Viana do Castelo.

O montante máximo autorizado, 6.500 milhões de euros, "inclui os `fees´ [pagamento] a pagar à NSPA pelos serviços de `procurement´, bem como eventuais impostos que venham a incidir sobre esta aquisição", refere o despacho.

No despacho, o ministro justifica a opção pela NSPA referindo que aquela agência de compras permite "satisfazer a aquisição de material de guerra, com a economia de tempo, segurança, confidencialidade e qualidade".

Segundo o governo, a NSPA permite "um célere e seguro acesso ao mercado internacional e uma potencial integração de requisições de vários países" e satisfaz a "procura concorrencial no mercado respetivo".

Quanto ao equipamento a adquirir, Azeredo Lopes refere a necessidade de garantir "a uniformização logística e conhecimento técnico e operacional do sistema já existente na Marinha".

A Marinha conta receber o segundo par de navios de patrulha oceânicos, em construção nos estaleiros WeastSea, em Viana do Castelo, até ao final de 2018. Cada navio ronda um investimento público de 35 milhões de euros, segundo afirmou o secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos Perestrello, em janeiro passado.

https://www.dn.pt/lusa/governo-compra-sistemas-de-armas-para-os-npo-viana-do-castelo-no-valor-de-6500-me-8790435.html

Hoje é dia 02JAN2021.

Abraços
« Última modificação: Janeiro 02, 2021, 09:06:28 am por tenente »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: typhonman, HSMW

*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 1544
  • Recebeu: 339 vez(es)
  • Enviou: 1321 vez(es)
  • +230/-8
Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Responder #884 em: Janeiro 02, 2021, 10:45:46 am »
A complexidade do projecto, em especial agora que decidiram incorporar algumas modificações da experiência com os primeiros... a complexidade...  ::)
Quidquid latine dictum sit, altum videtur