Combate a fogos pela F.A.P.

  • 1214 Respostas
  • 213149 Visualizações
*

goldfinger

  • Especialista
  • ****
  • 966
  • Recebeu: 354 vez(es)
  • Enviou: 79 vez(es)
  • +126/-10
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1080 em: Agosto 17, 2020, 01:15:21 pm »
A aeronave CL-215 tinha 46 anos de uso. Motores a pistão. Foi adquirida nova pela Força Aérea Espanhola em 1974 e retirada de serviço em 1999 quando atingiu 25 anos de serviço.
 Em 2005 ou 2010 já nem devia estar ao serviço. Quanto mais em 2020.

Mas para o pessoal político sem qualquer preparação ou competência mínima é que decide sobre isto. Não sabem distinguir um CL-215 de um CL-215T ou de um CL-415. Para eles são todos iguais: amarelos e flutuam.

As empresas que alugam meios como a Babcock sabem disto e enfiam-nos estes chaços.


Solo decir 1 questao...

La FA espanhola pasó a CL 215T los CL215 que estaban en mejor estado, vendiendo los que "peor" estaban o mais horas de voo tenian.

No se si me entienden.... :censurado:... si ya en 1999 no compensaba su transformación por el estado en el que estaban, 21 años después no creo que hayan mejorado.
A España servir hasta morir
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 3210
  • Recebeu: 1964 vez(es)
  • Enviou: 1257 vez(es)
  • +1598/-175
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1081 em: Agosto 17, 2020, 02:29:08 pm »
Como esperado, a FAP já está a ser atacada pelo Governo, porque ainda não meteu nenhum drone em operação.


Leiam o correio da manhã de hoje...Questionaram também a ANPC, e remeteram para os  "militares". :bang:


Já se estava a ver, que ia sobrar para a FAP a batata quente, por um lado tenho pena, por outro não é mal feito.

Mas foi precisamente para a FAP fazer má imagem e ficar com as mãos a arder que a passagem dos meios passou para a sua gestão. Como bem disseste, por um lado é uma crítica completamente imerecida, mas por outro é muito bem feito para os carreiristas, seguidistas, lambe-c*s e outros que tais que existem infelizmente em todos os ramos, e à qual a Força Aérea obviamente não é excepção. E quanto pior for a imagem, mais razões para mandar abaixo e desinvestir. Com que propósito obscuro se continua a trilhar este caminho? Pergunto-me há muito tempo qual será.

Está aqui a notícia no DN de hoje.

Citar
Drones de combate a incêndios. Força Aérea debaixo de fogo do governo
17 AGO 2020

Quando se gastam, em concurso urgente, 4,5 milhões de euros em dinheiros públicos para instalar um sistema de drones ultramodernos, se promete que estarão a voar logo no início da época crítica de fogos e se falha o objetivo, de quem é a responsabilidade? O governo, que teve dois ministros (Ambiente e Defesa) a anunciar prazos que não foram cumpridos, atira para a Força Aérea as explicações. Esta, por sua vez, ignora as datas de documentos oficiais e refaz os planos à sua medida com dois meses de atraso em relação ao definido na Resolução de Conselho de Ministros (RCM) que determinou a aquisição das aeronaves.

Resposta à pergunta: não há. Resultado: apesar da volumosa despesa (que até se podia justificar, tendo em conta as capacidades destes drones) e de um contestado ajuste direto, a vigilância da floresta não vai contar com estas aeronaves antes do final do mês, já passados dois terços da fase mais crítica dos incêndios (fase IV - de 1 de julho a 30 de setembro) - e isto se a Força Aérea cumprir a sua própria agenda. A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), que coordena as operações de combate a incêndios, e a sua tutela, o Ministério da Administração Interna, não comentam e reencaminham também para os militares.

Quem não deixou passar as incongruências do processo foi o PSD que pediu uma audição com urgência ao ministro da Defesa para, entre outros temas (como o da derrapagem na despesa das obras do antigo Hospital Militar de Belém, noticiada pelo DN), o questionar sobre esta matéria. João Gomes Cravinho tem a tutela da Força Aérea e já anunciou datas para o início das operações que depois não se verificaram (ver cronologia em baixo). Questionado pelo DN sobre os vários incumprimentos, este remeteu explicações para a Força Aérea.

"O governo já apresentou mais vezes estes drones do que os utilizou. Nenhuma data do que anunciou bateu certo com o que está a funcionar", assinala o deputado Duarte Marques, membro da 1º comissão parlamentar (Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias), responsável pela área de Proteção Civil e incêndios."É mais uma manobra de propaganda e de má gestão de dinheiros públicos. Transparência a menos e propaganda a mais", critica. "Se o dinheiro investido nestes drones tivesse sido utilizado para reequipar os bombeiros, teria sido mais útil", completa. O PSD não concorda com esta opção estratégica. "Há um deslumbramento com os drones, como se fossem resolver o problema dos fogos, quando o principal problema é o combate. Enquanto se compram drones com tecnologia de ponta, a dos bombeiros é do século passado", assevera.


Datas muito ultrapassadas

A 11 de maio passado foi o ministro do Ambiente a dar o tiro de partida deste processo e a cometer o primeiro deslize (ver cronologia em baixo). João Matos Fernandes anunciou a aquisição, com financiamento do Fundo Ambiental, e afirmou que estariam a funcionar a 1 de julho. Esse objetivo foi de novo reforçado na RCM, sete dias depois. "Assegurar a disponibilidade da utilização dos UAS classe 1 em momento anterior ao nível de maior empenhamento reforçado, nível IV, do DECIR 2010", está escrito. Este "nível IV" começa a 1 de julho e termina a 30 de setembro, de acordo com a tabela da ANEPC relativa aos "níveis de empenhamento operacional".

Questionado sobre o incumprimento desta data e como avaliava a gestão destes fundos do Ambiente, fonte oficial do gabinete de Matos Fernandes remeteu para o Ministério da Defesa e para a Força Aérea. O concurso lançado e o seu desfecho também levantaram muitas dúvidas: só uma das empresas, a UAVision que tinha já trabalhado com a Força Aérea noutros projetos com drones iguais, conseguia cumprir todos os requisitos. Numa reportagem que o DN fez na sua fábrica, a 19 de julho último, o diretor Nuno Simões assumia que podia haver atrasos. Contactado agora para dizer se a derrapagem das datas para os drones começarem a operar eram da responsabilidade da sua empresa, recusou fazer comentários.


Força Aérea: "processos complexos"

A Força Aérea não respondeu a nenhuma das perguntas específicas colocadas pelo DN sobre incumprimentos de prazos. Nem a questões sobre porque comprou 12 drones , quando só podem operar três em simultâneo (só há três bases), nem porque não foram aproveitados pilotos da Marinha e do Exército, o que permitiria ter estes recursos disponíveis mais cedo. Na sua resposta, não assume nenhum atraso e apresenta o seu road map, que indica o final deste mês como prazo para os 12 drones estarem a operar, ignorando assim as datas da RCM, do contrato e as prometidas pelos ministros. Na informação distribuída à imprensa no passado dia 4 de agosto, a Força Aérea afiançava que, nessa data, prosseguiam "as atividades planeadas de formação e entrega dos equipamentos", acrescentando que "durante esta fase, desenrola-se o processo de aceitação, certificação e testes necessários para iniciar a implementação operacional nas três bases de operação: Lousã, Macedo de Cavaleiros e Foia" - isto mais de um mês depois do prazo estipulado para o sistema estar operacional e no dia limite para a entrega de todos os equipamentos por parte da empresa.

A Força Aérea, comandada atualmente pelo general Joaquim Borrego, garante que, "de forma célere e cumulativa, adaptou-se e está a edificar uma nova capacidade, identificou requisitos, definiu processos complexos, concretizou um procedimento pré-contratual, disponibilizou recursos humanos, efetuou cursos de formação de operadores e vem acompanhando a execução do contrato pelo adjudicatário, em especial quanto a qualificação, certificação e aceitação das aeronaves, não abdicando de rigorosos critérios de segurança de voo, tudo isto num período de tempo extremamente reduzido". Promete que "nos casos em que o cocontratante não cumprir as obrigações contratuais, por factos que lhe sejam imputáveis, serão aplicadas as penalidades previstas".


Drones da GNR ativos

Entretanto, a GNR, entidade que tem a competência, desde 2016, para "a coordenação das ações de prevenção relativas à vertente da vigilância, da deteção e fiscalização", sublinhou ao DN que "as 70 ações de vigilância com recurso aos drones da GNR resultaram três alertas relativos a ignições, que não haviam sido detetadas por outros meios". A GNR, atualmente comandada pelo tenente-general Rui Clero, dispõe atualmente de 14 drones e desde 2015, quando iniciou o "Sistema de Vigilância do Ambiente e da Natureza no Alto Minho" (Projeto VIANA), no âmbito de um protocolo de cooperação assinado entre a GNR e um grupo tecnológico português, que tem vindo a aperfeiçoar este sistema de vigilância.

Na RCM que determinou a aquisição dos 12 novos drones, a GNR é indicada como "coordenadora" da operação das aeronaves, em conjunto com a Força Aérea. A sua intervenção, no entanto, ainda não passou da fase dos preparativos. "Após diversas reuniões de coordenação com a Força Aérea Portuguesa (FAP), foram identificadas as entidades que irão monitorizar as imagens captadas pelos UAS da FAP, prevendo-se a realização de operações de vigilância e deteção a partir de três bases (Macedo de Cavaleiros, Lousã e Fóia)", sublinha o porta-voz oficial desta força de segurança. Quando as aeronaves da Força Aérea estiverem operacionais, será a GNR a fazer a "coordenação dos dias/horas e locais/áreas a visionar".

Acrescenta que "foram já criadas duas equipas: uma apoiada pela Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF) e Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), para garantir esse mesmo objetivo de coordenação nacional, pronta a realizar as análises estratégicas, por forma a que o empenhamento destes meios UAS possa ser mais eficiente; e uma segunda equipa para visionamento e análise das imagens recebidas e transmissão das ocorrências detetadas".


Compromissos falhados

Cronologia

MAIO
11
Governo promete reforço da vigilância e aposta em drones com maior raio de ação. O ministro do Ambiente faz o anúncio de aquisição de 12 drones por 4,5 milhões, detalhando algumas características muito específicas no mercado. Afirma que estarão a funcionar a 1 de julho. Estas declarações foram públicas e estão registadas pela comunicação social.

18
Resolução do Conselho de Ministros n.º 38-A/2020, que autoriza a Força Aérea a realizar despesa com a aquisição de sistemas aéreos não tripulados para vigilância aérea no âmbito do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais:
1. Determina a aquisição imediata de 12 sistemas de aeronaves não tripuladas (UAS) Classe 1.
2. Define dia 1 de julho como inicio das operações.
3. Autoriza a Força Aérea a realizar em 2020 a despesa até ao montante de 4 545 000,00 euros.
4. Considera urgentes e de interesse público os procedimentos de contratação pública, de maneira a assegurar a disponibilidade de utilização dos UAS "em momento anterior ao nível de maior empenhamento operacional reforçado, nível IV, do DECIR 2020" - ou seja, 1 de julho.
5. Determina que a operação dos UAS é coordenada entre a Força Aérea e a GNR, para operações de vigilância, e com a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), no quadro do combate a incêndios rurais, incluindo as operações de rescaldo e de vigilância ativa pós-rescaldo.

JUNHO
9
Abertura do concurso por convite limitado a três empresas com envio do caderno de encargos a UAVision, Tekever e Ceiia. A data para entrega e discussão de propostas foi de apenas sete dias e coincidiu com a semana dos feriados de 10 e 13.

12
As empresas convidadas fazem perguntas sobre os requisitos.

15
Força Aérea envia esclarecimentos.

16
Apenas uma empresa, a UAVision, apresenta uma proposta, enquanto as outras duas empresas apresentam uma declaração de protesto sobre o caderno de encargos que, no seu entender, apontava para uma "solução única", da UAVision. "Consideram não estarem reunidas as condições (desde logo de sã, aberta e efetiva concorrência) para a apresentação de uma proposta, optando assim por não o fazer."

JULHO
3
Força Aérea assina contrato com a UAVision. De acordo com o documento, apenas disponibilizado no portal base.gov a 1 de agosto (e incompleto), todos os 12 drones, juntamente com um conjunto de viaturas adaptadas ao seu transporte, até 2 de agosto. Nesta data, ao contrário do que definia a RCM e o ministro do Ambiente, nenhum dos drones estava a operar.

17
O ministro da Defesa Nacional anuncia dois drones a voar a 21 de julho a partir da Lousã. E em dez dias, dois a partir de Monchique e dois a partir de Macedo de Cavaleiros. Nada foi cumprido.

19
Numa reportagem do DN, o diretor da UAVision assume que pode haver atrasos na entrega dos drones e do restante equipamento.

AGOSTO
4
Na data em que todos os drones, segundo o contrato, deveriam estar entregues, os ministros do Ambiente e da Defesa protagonizam uma ação de promoção do novo sistema de vigilância florestal, com ampla difusão na comunicação social. Foi apenas mostrado um dos drones em voo de teste no aeródromo da Lousã. Cravinho adiantou que o sistema começou a funcionar em finais de julho, com algum atraso relativamente ao previsto, o que se deveu à "necessidade de aperfeiçoar as máquinas". Nesta altura, porém, o sistema não estava a funcionar. Apenas havia um drone de teste. Por seu lado, o ministro do Ambiente afirmou que o sistema seria "constituído por dez aeronaves em funcionamento, ficando duas de reserva".

Esta informação não está rigorosa. Segundo a própria Força Aérea, vão estar a operar em missões de vigilância sete aeronaves, distribuídas pelas três bases (embora só possam funcionar uma de cada vez). Outras três são para formação e, sim, duas para reserva. Neste dia, a Força Aérea distribui o seu planeamento ("road map"), indicando que as 12 aeronaves só estarão totalmente operacionais a 31 de agosto.

10
Este era o dia apontado pela Força Aérea para a instalação da base da Foia. Não há notícia de ter sido cumprido. Desde 4 de agosto, o dia da ação do governo em que foi feito um voo de teste, que não se registaram nos sistemas de controlo aéreo quaisquer voos operacionais com estes drones. Apenas foi registado um voo na Ota com um destes aparelhos, de formação ou validação, que pode ter sido com uma das aeronaves "Ogassa" que levanta e aterra verticalmente (uma das capacidades que distinguem estes drones da concorrência).

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/17-ago-2020/drones-de-combate-a-incendios-forca-aerea-debaixo-de-fogo-do-governo-12524461.html?fbclid=IwAR16udLK_42U-8NUBWGsdGeiys1sJyGWe22a7-Ng9VK7Ig-oSksZytPyff4


Daqui a uns anos as Forças Armadas Portuguesas nada mais serão do que uma Guarda Nacional com vertente marítima, aérea e terrestre... se tanto...
« Última modificação: Agosto 17, 2020, 02:35:27 pm por Charlie Jaguar »
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

         "PER ASPERA AD ASTRA"
               (Por Caminhos Árduos, Até Às Estrelas)
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, Get_It, tenente, HSMW, ocastilho

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1820
  • Recebeu: 243 vez(es)
  • Enviou: 451 vez(es)
  • +13/-1
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1082 em: Agosto 17, 2020, 03:38:05 pm »
Nem mais, Charlie Jaguar. Isto tudo vai de encontro ao que várias pessoas têm comentado aqui ao longo dos anos no fórum. Impressionante. É que já nem dá apenas para teoria da conspiração.

Caminhamos cada vez mais a passo certo para este futuro: http://www.passarodeferro.com/2017/11/futurologia-pesadelo-ou-provavel_29.html.

E notem que a notícia refere que a GNR já tem 14 drones. Já não falta muito para num futuro próximo ter uma componente aérea, eventualmente com aeronaves de vigilância marítima e helicópteros ligeiros - até porque os 5 Koala da FAP não deverão chegar para tudo que lhes é pedido.

Cumprimentos,
« Última modificação: Agosto 17, 2020, 03:38:55 pm por Get_It »
:snip: :snip: :Tanque:
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Charlie Jaguar, ocastilho

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 3900
  • Recebeu: 310 vez(es)
  • Enviou: 158 vez(es)
  • +471/-165
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1083 em: Agosto 17, 2020, 07:15:28 pm »
GNR... GNR...GNR....


É bem feito a FAP, que deixem de querer ser bombeiros e deixem isso para a GNR, as FA foram feitas para combater e devem estar modernas e prontas para isso, agora quando se envereda pela via da proteção civil Arco-Iris, os resultados estão a vista.


Cumprimentos,
Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Charlie Jaguar

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 3571
  • Recebeu: 836 vez(es)
  • Enviou: 188 vez(es)
  • +172/-83
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1084 em: Agosto 18, 2020, 12:32:57 am »
Acho uma piada como é que ninguém se questiona como é que um "concurso urgente" só é realizado em Maio quando já se sabe de todos os anos anteriores da situação crítica dos incêndios.

Um problema que eu vejo nas notícias, é mais uma técnicalidade que outra coisa, é a forma como se fala em "drones" como um todo, sem qualquer distinção entre os diversos modelos, dimensões, capacidades... Certamente que operar um AR4 não será o mesmo que operar um UAV de maiores dimensões.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6989
  • Recebeu: 3067 vez(es)
  • Enviou: 1622 vez(es)
  • +1662/-127
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1085 em: Agosto 19, 2020, 09:47:24 am »
Koala 03 da FAP ontem no Gerês, callsign Fire 01.



para pouco mais servem que este tipo de missões !!

Abraços
 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 6204
  • Recebeu: 1409 vez(es)
  • Enviou: 680 vez(es)
  • +1119/-258
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1086 em: Agosto 19, 2020, 11:03:56 am »
A aeronave CL-215 tinha 46 anos de uso. Motores a pistão. Foi adquirida nova pela Força Aérea Espanhola em 1974 e retirada de serviço em 1999 quando atingiu 25 anos de serviço.
 Em 2005 ou 2010 já nem devia estar ao serviço. Quanto mais em 2020.

Mas para o pessoal político sem qualquer preparação ou competência mínima é que decide sobre isto. Não sabem distinguir um CL-215 de um CL-215T ou de um CL-415. Para eles são todos iguais: amarelos e flutuam.

As empresas que alugam meios como a Babcock sabem disto e enfiam-nos estes chaços.


Solo decir 1 questao...

La FA espanhola pasó a CL 215T los CL215 que estaban en mejor estado, vendiendo los que "peor" estaban o mais horas de voo tenian.

No se si me entienden.... :censurado:... si ya en 1999 no compensaba su transformación por el estado en el que estaban, 21 años después no creo que hayan mejorado.

Depende do estado dos aparelhos. No caso da Viking o caminho para o Cl515 começa com o 415 EaF, que vêm de 11 Cl215 comprados no mercado de usados. Do total comprado só 9 receberam o Upgrade.

http://www.seaplaneinternational.com/2020/03/11/viking-cl-415eaf-enhanced-aerial-firefighter-seaplane-inaugural-flight/

Citar
Manufacturer’s serial number MSN 1081 is the first Canadair CL-215 to undergo the major modification to CL-415EAF “Enhanced Aerial Firefighter” configuration by Longview Aviation Services (LAS) in collaboration with Cascade Aerospace. Cascade was awarded a contract to assist with the CL-415EAF “Enhanced Aerial Firefighter” modification program in 2018 that included carrying out the first aircraft modification using Viking-supplied conversion kits and providing on-site process training to LAS personnel.





Cumprimentos
« Última modificação: Agosto 19, 2020, 11:08:44 am por mafets »
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

asalves

  • Perito
  • **
  • 573
  • Recebeu: 207 vez(es)
  • Enviou: 72 vez(es)
  • +36/-9
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1087 em: Agosto 21, 2020, 05:43:15 pm »
Acho uma piada como é que ninguém se questiona como é que um "concurso urgente" só é realizado em Maio quando já se sabe de todos os anos anteriores da situação crítica dos incêndios.

Um problema que eu vejo nas notícias, é mais uma técnicalidade que outra coisa, é a forma como se fala em "drones" como um todo, sem qualquer distinção entre os diversos modelos, dimensões, capacidades... Certamente que operar um AR4 não será o mesmo que operar um UAV de maiores dimensões.

Aqui culpo a FAP, pois em vez de esclarecer que uma coisa são as datas políticas e propaganda e outra coisa é fazer as coisas como deve ser ficou calada, assim está a consentir tudo e daqui a uns dias/semanas quando emitir um comunicado já passou o tempo e já ficou com a imagem manchada.
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1290
  • Recebeu: 182 vez(es)
  • Enviou: 176 vez(es)
  • +91/-71
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1088 em: Agosto 21, 2020, 10:24:31 pm »
Acho uma piada como é que ninguém se questiona como é que um "concurso urgente" só é realizado em Maio quando já se sabe de todos os anos anteriores da situação crítica dos incêndios.

Um problema que eu vejo nas notícias, é mais uma técnicalidade que outra coisa, é a forma como se fala em "drones" como um todo, sem qualquer distinção entre os diversos modelos, dimensões, capacidades... Certamente que operar um AR4 não será o mesmo que operar um UAV de maiores dimensões.

Aqui culpo a FAP, pois em vez de esclarecer que uma coisa são as datas políticas e propaganda e outra coisa é fazer as coisas como deve ser ficou calada, assim está a consentir tudo e daqui a uns dias/semanas quando emitir um comunicado já passou o tempo e já ficou com a imagem manchada.

A FAP só pode falar livremente no parlamento. Temos que esperar por essa altura.
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 3210
  • Recebeu: 1964 vez(es)
  • Enviou: 1257 vez(es)
  • +1598/-175
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1089 em: Agosto 23, 2020, 08:12:42 pm »
Não há drones, há menos um velhinho Canadair, e continua a não haver Kamovs...

Citar
Substituir helicópteros para incêndios parados há dois anos já custa 12,6 milhões ao Estado
ECO
22 Agosto 2020

Há seis helicópteros Kamov parados, devido a avarias, desde janeiro de 2018, sendo que a Força Aérea, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) estão a avaliar desde então se compensar reparar os equipamentos. Os custos associados à situação atingem, até este ano, 12,6 milhões de euros, segundo noticia este sábado o Público (acesso pago).

Em causa estão seis aeronaves comprados em 2006 pelo Estado português e que estão inoperacionais. Para as substituir, escreve o diário, têm sido alugados três Kamov mais antigos durante pelo menos quatro meses, no período mais crítico dos incêndios rurais. Estes alugueres já custaram mais de 12,6 milhões de euros ao erário público e o contrato é válido até 2023. Ou seja, a despesa adicional deverá ser de, pelo menos, 13,4 milhões de euros.

Além do contrato de aluguer, também as reparações poderão vir a ser mais caras devido ao tempo de espera. “Devido ao tempo de imobilização dos equipamentos, poder-se-á antever que a generalidade dos componentes terá que sofrer revisão geral“, diz a Força Aérea ao Público. A ANAC acrescenta que “as condições de preservação de uma aeronave podem ter impacto no seu estado de conservação e na sua aeronavegabilidade, bem como na vida útil dos seus componentes”.

https://eco.sapo.pt/2020/08/22/substituir-helicopteros-para-incendios-parados-ha-dois-anos-ja-custa-126-milhoes-ao-estado/
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

         "PER ASPERA AD ASTRA"
               (Por Caminhos Árduos, Até Às Estrelas)
 

*

Camuflage

  • Investigador
  • *****
  • 1352
  • Recebeu: 103 vez(es)
  • Enviou: 67 vez(es)
  • +20/-52
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1090 em: Agosto 23, 2020, 10:31:20 pm »
E não podem fazer replicas das peças em falta em Portugal? Lembro-me de há uns anos dar na tv que faziam replicas de peças para viaturas militares descontinuadas, não vejo porque não fazem para os Kamov.
Já toda a gente sabe que querem os Kamov na sucata rapidamente, quanto mais eficientes forem os meios pior.

A aquisição de peças pode ser facilmente feita através das chamadas operações triangulares circundando facilmente o embargo à Rússia.
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1290
  • Recebeu: 182 vez(es)
  • Enviou: 176 vez(es)
  • +91/-71
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1091 em: Agosto 23, 2020, 10:37:32 pm »
E não podem fazer replicas das peças em falta em Portugal? Lembro-me de há uns anos dar na tv que faziam replicas de peças para viaturas militares descontinuadas, não vejo porque não fazem para os Kamov.
Já toda a gente sabe que querem os Kamov na sucata rapidamente, quanto mais eficientes forem os meios pior.

A aquisição de peças pode ser facilmente feita através das chamadas operações triangulares circundando facilmente o embargo à Rússia.

Nos temos 3 Kamov parados, mas alugamos essa quantidade de empresas estrangeira.

Uma instigação de uma TV dava no mesmo, o ministério publico é que nunca investiga. Sabe-se porque. ::)
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: oi661114

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6989
  • Recebeu: 3067 vez(es)
  • Enviou: 1622 vez(es)
  • +1662/-127
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1092 em: Agosto 23, 2020, 11:15:31 pm »
E não podem fazer replicas das peças em falta em Portugal? Lembro-me de há uns anos dar na tv que faziam replicas de peças para viaturas militares descontinuadas, não vejo porque não fazem para os Kamov.
Já toda a gente sabe que querem os Kamov na sucata rapidamente, quanto mais eficientes forem os meios pior.

A aquisição de peças pode ser facilmente feita através das chamadas operações triangulares circundando facilmente o embargo à Rússia.

Fazer replicas de pecas para as aeronaves ??
Estás a gozar correcto ?

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Lightning

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 3571
  • Recebeu: 836 vez(es)
  • Enviou: 188 vez(es)
  • +172/-83
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1093 em: Agosto 24, 2020, 04:12:25 pm »
Arriscar-me-ia a dizer que para a aviação as regras são um pouco diferentes das usadas nos transportes terrestres. Só o trabalho de arranjar licenças para produzir as peças, mais a matéria prima, mais os testes e certificações das peças criadas, possível resolução de problemas/deficiências e produção em massa, demorava tanto ou mais tempo que ir de carro directamente à Rússia buscar as peças.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Camuflage

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6989
  • Recebeu: 3067 vez(es)
  • Enviou: 1622 vez(es)
  • +1662/-127
Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Responder #1094 em: Agosto 24, 2020, 05:35:03 pm »
Para a aviação as regras são muito diferentes das que vigoram nos transportes terrestres, muito mais restritivas e também de exigência muito superior, não há comparação possivel.

Os Kamov já eram, se alguém pensa que arranjar peças para essas aeronaves é fácil está muito mas muito enganado, só o facto de serem oriundas de um País do leste dificulta e muito a sua aquisição, mas se houver um inteligente que fale com algum chinês, se calhar ate arranjam replicas de kamovs, os amigos amarelos klonam tudo, a qualidade das klonagens é que deixa muito mas muito a desejar e, neste caso, é agravada pelo facto de estarmos a falar de klonagem de uma aeronave russa, aí então que Deus nos acuda !!!!

Abraços
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Charlie Jaguar

 

Concurso de aluguer de meios aereos para combate aos incendios 2020

Iniciado por luis simoes

Respostas: 15
Visualizações: 1448
Última mensagem Julho 15, 2020, 11:26:09 pm
por Red Baron
Puma fora dos fogos

Iniciado por Lancero

Respostas: 17
Visualizações: 6414
Última mensagem Maio 22, 2006, 10:12:07 am
por Rui Elias
Pumas no combate a incêndios

Iniciado por TOMKAT

Respostas: 128
Visualizações: 33981
Última mensagem Setembro 19, 2005, 10:24:30 pm
por TOMKAT
Capacidade de Combate Efetiva da FAP

Iniciado por typhonman

Respostas: 15
Visualizações: 3848
Última mensagem Dezembro 24, 2017, 05:31:14 pm
por Stalker79