A330 MRTT para a FAP ?

  • 155 Respostas
  • 5851 Visualizações
*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1248
  • Recebeu: 179 vez(es)
  • Enviou: 170 vez(es)
  • +90/-71
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #75 em: Julho 14, 2020, 11:55:33 pm »
Os checos compraram 100 horas/ano durante 30 anos por 80 milhões. Está bem que a nós não da tanto jeito entrar no negocio da Holanda.

Para quem defende a vinda dos A400M devido ao exemplo do apoio a Moçambique, o MRTT é muito mais indicado para esse tipo de missão.

Mas a não ser que apareça um bom negocio de oportunidade ou fortemente financiado, neste momento existem outra prioridades,
 

*

JohnM

  • Membro
  • *
  • 211
  • Recebeu: 53 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +9/-5
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #76 em: Julho 15, 2020, 03:20:29 am »
E continuam a bat by er na mesma tecla. Já nem sei se é mesmo ignorância ou falta de vontade de saber. Olham para o MRTT como se fosse um mero avião tanque, o que não é.

Depois querem argumentar como se na FAP estas aeronaves andassem a fazer AAR todos os dias. Anda tudo doido?
Então e se AAR é assim tão caro, para que tencionam possuir esta capacidade no KC-390? Só porque sim?

Já nem me vou dar ao trabalho. Já tomou proporções absurdas, quando uma das aeronaves mais versáteis que poderíamos ter, é vista como um mero avião reabastecedor.

Depois vem o típico argumento de "em caso de ataque, não estamos sozinhos". Pois bem, por essa lógica, vendam os F-16, os P-3, os U-214, as fragatas, e por aí fora. Felizmente somos os únicos na NATO que pensamos assim, os outros, que são burros claro, lá gastam uma pipa de massa nas suas forças armadas, quando podiam fazer como o tuga, e depender de terceiros...

Nós somos um país da NATO com um panorama geográfico único. No entanto continuamos com a mentalidade de sermos uma Bélgica, com um pequeno marzinho e espaço aéreo para controlar.

ó dc, essa nem parece sua... A diferença é que esses outros meios que menciona são essenciais, i.e., “must have”, enquanto o MRTT é um “Nice to have” e, ainda por cima, caríssimos de adquirir e operar . Os ingleses pagam-nos a 25000 £/hora, para fazer reabastecimento e transporte estratégico para as Falkland; por comparação, o F-16 custa $8000/hora, ou seja quase 4 vezes menos. Onde é que íamos  ter dinheiro para operar esses bichos? .. dá mais jeito uma fragata,/8 F-16 ou dois MRTT? Porque a questão é essa...

E, sim, o MRTT tem múltiplas valências, mas é principalmente um reabastecedor e continuo a dizer que não precisamos disso para defesa do território e da ZEE, especialmente ao preço que fica operar... lá está, é “Nice to have”, mas é caro para xuxu, como diriam os nossos irmãos de Vera Cruz... por outro lado, se querem transporte estratégico a sério, então adquiram C-17... até ao ano passado havia uns white tails a preço de fábrica... o preço é parecido ($270 milhões para o C-17, enquanto a Austrália deu $300 milhões por cada um dos seus MRTT, além de que o C-17 “só” custa $24000/hora para operar, ou seja, menos 20% que o MRTT)  e é um transporte estratégico incomparavelmente melhor... até leva Leos... para que é que querem algo que não é carne nem peixe e custa os olhos da cara?

Cheers
« Última modificação: Julho 15, 2020, 03:49:51 am por JohnM »
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 3210
  • Recebeu: 1957 vez(es)
  • Enviou: 1257 vez(es)
  • +1558/-175
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #77 em: Julho 15, 2020, 11:26:02 am »
Os checos compraram 100 horas/ano durante 30 anos por 80 milhões. Está bem que a nós não da tanto jeito entrar no negocio da Holanda.

Para quem defende a vinda dos A400M devido ao exemplo do apoio a Moçambique, o MRTT é muito mais indicado para esse tipo de missão.

Mas a não ser que apareça um bom negocio de oportunidade ou fortemente financiado, neste momento existem outra prioridades,

O importante era também saber se de facto ainda fazemos parte ou não do programa MMF, ou se somos "observadores" ::). Que se saiba apenas a Polónia saiu em 2016, porém com a política de cortar (a torto e) a direito do Aguiar-Branco não me admiraria nada se esse acordo assinado em 2012 fosse hoje letra morta, e conveniente e confortavelmente (e estupidamente) estivéssemos encostados ao KC-390 como pareceu dar a entender um artigo na AFM do início deste ano.

É um aparelho caro - as últimas estimativas apontam para um valor que pode rondar entre os 210 e 280M€/unidade -, mas extremamente necessário no nosso contexto. E mais do que servir para reabastecer F-16, F-35A, etc, etc, é a sua polivalência estratégica a nível de missões militares e civis que pesa bastante no factor relevância; é que para além de se tornar um activo importante no seio da própria NATO, seria sempre um meio vital para activar imediatamente em situações de emergência, sejam elas uma evacuação de cidadãos nacionais de um qualquer país estrangeiro ou o socorro a um desastre natural nos arquipélagos, por exemplo.

Há mais sítios onde gastar uma hipotética verba para a compra de 2 aeronaves? Há, é verdade, mas têm de se começar a elencar prioridades e sobretudo identificar as graves lacunas existentes. É que neste momento nem já há o Bérrio para fazer de navio de evacuação, pelo que uma vez mais na eventualidade de um imprevisto grave teremos de ou abrir os cordões à bolsa e alugar meios privados, ou estender a mão para amigos e aliados nos fazerem de novo o favor de ajudar. E isto é algo que já farta quando, com vontade, existem soluções que saltam à vista.
« Última modificação: Julho 15, 2020, 11:28:29 am por Charlie Jaguar »
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

         "PER ASPERA AD ASTRA"
               (Por Caminhos Árduos, Até Às Estrelas)
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, tenente, dc

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1248
  • Recebeu: 179 vez(es)
  • Enviou: 170 vez(es)
  • +90/-71
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #78 em: Julho 15, 2020, 12:57:26 pm »
E continuam a bat by er na mesma tecla. Já nem sei se é mesmo ignorância ou falta de vontade de saber. Olham para o MRTT como se fosse um mero avião tanque, o que não é.

Depois querem argumentar como se na FAP estas aeronaves andassem a fazer AAR todos os dias. Anda tudo doido?
Então e se AAR é assim tão caro, para que tencionam possuir esta capacidade no KC-390? Só porque sim?

Já nem me vou dar ao trabalho. Já tomou proporções absurdas, quando uma das aeronaves mais versáteis que poderíamos ter, é vista como um mero avião reabastecedor.

Depois vem o típico argumento de "em caso de ataque, não estamos sozinhos". Pois bem, por essa lógica, vendam os F-16, os P-3, os U-214, as fragatas, e por aí fora. Felizmente somos os únicos na NATO que pensamos assim, os outros, que são burros claro, lá gastam uma pipa de massa nas suas forças armadas, quando podiam fazer como o tuga, e depender de terceiros...

Nós somos um país da NATO com um panorama geográfico único. No entanto continuamos com a mentalidade de sermos uma Bélgica, com um pequeno marzinho e espaço aéreo para controlar.

ó dc, essa nem parece sua... A diferença é que esses outros meios que menciona são essenciais, i.e., “must have”, enquanto o MRTT é um “Nice to have” e, ainda por cima, caríssimos de adquirir e operar . Os ingleses pagam-nos a 25000 £/hora, para fazer reabastecimento e transporte estratégico para as Falkland; por comparação, o F-16 custa $8000/hora, ou seja quase 4 vezes menos. Onde é que íamos  ter dinheiro para operar esses bichos? .. dá mais jeito uma fragata,/8 F-16 ou dois MRTT? Porque a questão é essa...

E, sim, o MRTT tem múltiplas valências, mas é principalmente um reabastecedor e continuo a dizer que não precisamos disso para defesa do território e da ZEE, especialmente ao preço que fica operar... lá está, é “Nice to have”, mas é caro para xuxu, como diriam os nossos irmãos de Vera Cruz... por outro lado, se querem transporte estratégico a sério, então adquiram C-17... até ao ano passado havia uns white tails a preço de fábrica... o preço é parecido ($270 milhões para o C-17, enquanto a Austrália deu $300 milhões por cada um dos seus MRTT, além de que o C-17 “só” custa $24000/hora para operar, ou seja, menos 20% que o MRTT)  e é um transporte estratégico incomparavelmente melhor... até leva Leos... para que é que querem algo que não é carne nem peixe e custa os olhos da cara?

Cheers

Porque é que o MRTT é principalmente um reabastecedor e o KC-390 não é?

Onde fazes essa distinção?
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 3253
  • Recebeu: 740 vez(es)
  • Enviou: 164 vez(es)
  • +158/-62
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #79 em: Julho 15, 2020, 01:36:55 pm »
E continuam a bat by er na mesma tecla. Já nem sei se é mesmo ignorância ou falta de vontade de saber. Olham para o MRTT como se fosse um mero avião tanque, o que não é.

Depois querem argumentar como se na FAP estas aeronaves andassem a fazer AAR todos os dias. Anda tudo doido?
Então e se AAR é assim tão caro, para que tencionam possuir esta capacidade no KC-390? Só porque sim?

Já nem me vou dar ao trabalho. Já tomou proporções absurdas, quando uma das aeronaves mais versáteis que poderíamos ter, é vista como um mero avião reabastecedor.

Depois vem o típico argumento de "em caso de ataque, não estamos sozinhos". Pois bem, por essa lógica, vendam os F-16, os P-3, os U-214, as fragatas, e por aí fora. Felizmente somos os únicos na NATO que pensamos assim, os outros, que são burros claro, lá gastam uma pipa de massa nas suas forças armadas, quando podiam fazer como o tuga, e depender de terceiros...

Nós somos um país da NATO com um panorama geográfico único. No entanto continuamos com a mentalidade de sermos uma Bélgica, com um pequeno marzinho e espaço aéreo para controlar.

ó dc, essa nem parece sua... A diferença é que esses outros meios que menciona são essenciais, i.e., “must have”, enquanto o MRTT é um “Nice to have” e, ainda por cima, caríssimos de adquirir e operar . Os ingleses pagam-nos a 25000 £/hora, para fazer reabastecimento e transporte estratégico para as Falkland; por comparação, o F-16 custa $8000/hora, ou seja quase 4 vezes menos. Onde é que íamos  ter dinheiro para operar esses bichos? .. dá mais jeito uma fragata,/8 F-16 ou dois MRTT? Porque a questão é essa...

E, sim, o MRTT tem múltiplas valências, mas é principalmente um reabastecedor e continuo a dizer que não precisamos disso para defesa do território e da ZEE, especialmente ao preço que fica operar... lá está, é “Nice to have”, mas é caro para xuxu, como diriam os nossos irmãos de Vera Cruz... por outro lado, se querem transporte estratégico a sério, então adquiram C-17... até ao ano passado havia uns white tails a preço de fábrica... o preço é parecido ($270 milhões para o C-17, enquanto a Austrália deu $300 milhões por cada um dos seus MRTT, além de que o C-17 “só” custa $24000/hora para operar, ou seja, menos 20% que o MRTT)  e é um transporte estratégico incomparavelmente melhor... até leva Leos... para que é que querem algo que não é carne nem peixe e custa os olhos da cara?

Cheers

Não, a questão não é essa. O problema é que se está a colocar a opção MRTT, como quem tem que abdicar de outro equipamento para os ter. Como se para ter a perna esquerda, eu tivesse que abdicar da direita, ou vice-versa.

De todos os investimentos que menciona, a LPM não prevê nem substituição/novo upgrade dos F-16, nem fragatas novas. Prevê sim esbanjar um monte de dinheiro em 5 KC-390 mono-missão, apesar de nos tentarem vender a ideia que o KC faz muito mais que o C-130 já fazia. A realidade é esta, ao custo de 100-120 milhões unidade, é uma compra de país rico, e com os 200/240 milhões dos dois últimos KC, pagavas praticamente um MRTT. Não esquecer que estamos aqui a falar na conversão de dois A330 civis em MRTT.

Aliás, eu propunha que se analise a seguinte ideia. Com a reestruturação da TAP, quantos A330 em regime de Leasing a empresa deixará de operar, aviões estes que, dado o estado do sector, dificilmente terão outro contrato de leasing à sua espera, portanto ficarão parados. Será que por um preço aceitável, não conseguíamos 2 destas aeronaves, e depois converter? É que todas as partes envolvidas ganham. Ganha Portugal (capacidade estratégica militar e civil), ganha a Airbus (novo cliente e manutenção de postos de trabalho), a UE (circulação de dinheiro num sector afectado pelo COVID) e a NATO (reforço de capacidade estratégica de um membro). Com tanta vantagem para tanta gente, nem ficava surpreendido se houvesse financiamento da UE/NATO para avançar com esta ideia.

Os custos de h/voo do C-17 vs o MRTT, cheiram-me um pouco a esturro. Mas sou eu a ser céptico. Facto é que, se o C-17 é assim tão "barato", não teria compensado desde logo ter 3 destes em vez dos originais 6 C-130 ou futuros 5 KC?

Concordo que há prioridades, mas eu estou a falar do ponto de vista estratégico. E todos os outros temas já forma mais que debatidos, o caso dos caças, chegou-se uma mão cheia de alternativas, apenas uma financeiramente viável de executar nesta década, substituição das VdG idem. A LPM actual precisa de ser urgentemente renovada, 4200 milhões dá para muito mais do que o que está planeado, se as coisas forem bem feitas.
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 3748
  • Recebeu: 287 vez(es)
  • Enviou: 89 vez(es)
  • +464/-60
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #80 em: Julho 15, 2020, 09:43:24 pm »
Recordo que em 2003, foram propostos 2 C-17 mais o MLU a 6 C-130H, esta via a ser seguida, estávamos agora noutro patamar.
Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Red Baron

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 3253
  • Recebeu: 740 vez(es)
  • Enviou: 164 vez(es)
  • +158/-62
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #81 em: Julho 15, 2020, 10:21:28 pm »
Provavelmente não quiseram os C-17 devido aos custos.  ::)

Mas hoje nem precisávamos de 8 aeronaves de transporte táctico/estratégico. Algo como 12/15 C-295, 2/3 C-17 e 2 MRTT e era um sonho.
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 3748
  • Recebeu: 287 vez(es)
  • Enviou: 89 vez(es)
  • +464/-60
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #82 em: Julho 15, 2020, 10:23:32 pm »
Provavelmente não quiseram os C-17 devido aos custos.  ::)

Mas hoje nem precisávamos de 8 aeronaves de transporte táctico/estratégico. Algo como 12/15 C-295, 2/3 C-17 e 2 MRTT e era um sonho.

Não sei. na altura era a LM que "lobbie" mandava, e estava-se na onda dos C-130J, tendo o Exército rejeitado o A-400M, devido a "não capacidade" de lançamento de paras, isto claro em 2003.
Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 3253
  • Recebeu: 740 vez(es)
  • Enviou: 164 vez(es)
  • +158/-62
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #83 em: Julho 15, 2020, 10:31:47 pm »
Desculpas para não comprar arranja-se sempre. Entretanto, nem A-400, nem C-130J, nem nada. Andamos a fazer um mini-upgrade aos C-130, e depois atiramo-nos de cabeça a um projecto novo, que só daqui a 3 anos entra o primeiro ao serviço.  ::)

Mas nós queremos é MRTTs agora. c56x1
 

*

raphael

  • Investigador
  • *****
  • 1331
  • Recebeu: 242 vez(es)
  • Enviou: 202 vez(es)
  • +41/-4
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #84 em: Julho 15, 2020, 11:03:00 pm »
Gosto do vosso positivismo em relação ao meios aéreos...
Um abraço
Raphael
__________________
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 3464
  • Recebeu: 1853 vez(es)
  • Enviou: 3571 vez(es)
  • +1358/-98
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #85 em: Julho 15, 2020, 11:57:27 pm »
O custo H/V do MRTT, para efeitos desta discussão, passou miraculosamente a exorbitante. Como se a aeronave não fosse baseada numa plataforma comercial, com custos de operação intrinsecamente baixos, quando comparados com aeronaves militares.
Talent de ne rien faire
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1248
  • Recebeu: 179 vez(es)
  • Enviou: 170 vez(es)
  • +90/-71
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #86 em: Julho 16, 2020, 01:33:45 am »
O custo H/V do MRTT, para efeitos desta discussão, passou miraculosamente a exorbitante. Como se a aeronave não fosse baseada numa plataforma comercial, com custos de operação intrinsecamente baixos, quando comparados com aeronaves militares.

Divide a hora de voo por 335 passageiros. :mrgreen:
O aviões militares voam menos logo ficam mais cara a manutenção/hora de voo.
 

*

JohnM

  • Membro
  • *
  • 211
  • Recebeu: 53 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +9/-5
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #87 em: Julho 16, 2020, 02:48:53 am »
O custo H/V do MRTT, para efeitos desta discussão, passou miraculosamente a exorbitante. Como se a aeronave não fosse baseada numa plataforma comercial, com custos de operação intrinsecamente baixos, quando comparados com aeronaves militares.
São dados púbicos, passíveis de encontrar na net em 5 minutos... não inventei nada... as duas situações são absolutamente Incomparáveis...
 

*

JohnM

  • Membro
  • *
  • 211
  • Recebeu: 53 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +9/-5
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #88 em: Julho 16, 2020, 03:00:20 am »
E continuam a bat by er na mesma tecla. Já nem sei se é mesmo ignorância ou falta de vontade de saber. Olham para o MRTT como se fosse um mero avião tanque, o que não é.

Depois querem argumentar como se na FAP estas aeronaves andassem a fazer AAR todos os dias. Anda tudo doido?
Então e se AAR é assim tão caro, para que tencionam possuir esta capacidade no KC-390? Só porque sim?

Já nem me vou dar ao trabalho. Já tomou proporções absurdas, quando uma das aeronaves mais versáteis que poderíamos ter, é vista como um mero avião reabastecedor.

Depois vem o típico argumento de "em caso de ataque, não estamos sozinhos". Pois bem, por essa lógica, vendam os F-16, os P-3, os U-214, as fragatas, e por aí fora. Felizmente somos os únicos na NATO que pensamos assim, os outros, que são burros claro, lá gastam uma pipa de massa nas suas forças armadas, quando podiam fazer como o tuga, e depender de terceiros...

Nós somos um país da NATO com um panorama geográfico único. No entanto continuamos com a mentalidade de sermos uma Bélgica, com um pequeno marzinho e espaço aéreo para controlar.

ó dc, essa nem parece sua... A diferença é que esses outros meios que menciona são essenciais, i.e., “must have”, enquanto o MRTT é um “Nice to have” e, ainda por cima, caríssimos de adquirir e operar . Os ingleses pagam-nos a 25000 £/hora, para fazer reabastecimento e transporte estratégico para as Falkland; por comparação, o F-16 custa $8000/hora, ou seja quase 4 vezes menos. Onde é que íamos  ter dinheiro para operar esses bichos? .. dá mais jeito uma fragata,/8 F-16 ou dois MRTT? Porque a questão é essa...

E, sim, o MRTT tem múltiplas valências, mas é principalmente um reabastecedor e continuo a dizer que não precisamos disso para defesa do território e da ZEE, especialmente ao preço que fica operar... lá está, é “Nice to have”, mas é caro para xuxu, como diriam os nossos irmãos de Vera Cruz... por outro lado, se querem transporte estratégico a sério, então adquiram C-17... até ao ano passado havia uns white tails a preço de fábrica... o preço é parecido ($270 milhões para o C-17, enquanto a Austrália deu $300 milhões por cada um dos seus MRTT, além de que o C-17 “só” custa $24000/hora para operar, ou seja, menos 20% que o MRTT)  e é um transporte estratégico incomparavelmente melhor... até leva Leos... para que é que querem algo que não é carne nem peixe e custa os olhos da cara?

Cheers

Não, a questão não é essa. O problema é que se está a colocar a opção MRTT, como quem tem que abdicar de outro equipamento para os ter. Como se para ter a perna esquerda, eu tivesse que abdicar da direita, ou vice-versa.

De todos os investimentos que menciona, a LPM não prevê nem substituição/novo upgrade dos F-16, nem fragatas novas. Prevê sim esbanjar um monte de dinheiro em 5 KC-390 mono-missão, apesar de nos tentarem vender a ideia que o KC faz muito mais que o C-130 já fazia. A realidade é esta, ao custo de 100-120 milhões unidade, é uma compra de país rico, e com os 200/240 milhões dos dois últimos KC, pagavas praticamente um MRTT. Não esquecer que estamos aqui a falar na conversão de dois A330 civis em MRTT.

Aliás, eu propunha que se analise a seguinte ideia. Com a reestruturação da TAP, quantos A330 em regime de Leasing a empresa deixará de operar, aviões estes que, dado o estado do sector, dificilmente terão outro contrato de leasing à sua espera, portanto ficarão parados. Será que por um preço aceitável, não conseguíamos 2 destas aeronaves, e depois converter? É que todas as partes envolvidas ganham. Ganha Portugal (capacidade estratégica militar e civil), ganha a Airbus (novo cliente e manutenção de postos de trabalho), a UE (circulação de dinheiro num sector afectado pelo COVID) e a NATO (reforço de capacidade estratégica de um membro). Com tanta vantagem para tanta gente, nem ficava surpreendido se houvesse financiamento da UE/NATO para avançar com esta ideia.

Os custos de h/voo do C-17 vs o MRTT, cheiram-me um pouco a esturro. Mas sou eu a ser céptico. Facto é que, se o C-17 é assim tão "barato", não teria compensado desde logo ter 3 destes em vez dos originais 6 C-130 ou futuros 5 KC?

Concordo que há prioridades, mas eu estou a falar do ponto de vista estratégico. E todos os outros temas já forma mais que debatidos, o caso dos caças, chegou-se uma mão cheia de alternativas, apenas uma financeiramente viável de executar nesta década, substituição das VdG idem. A LPM actual precisa de ser urgentemente renovada, 4200 milhões dá para muito mais do que o que está planeado, se as coisas forem bem feitas.
A questão não é KC vs MRTT, porque um é transporte/reabastecedor estratégico e outro é táctico, a questão é o custo de aquisição e operação de meios estratégicos orgânicos para umas forças armadas como as nossas e com a (In)disponibilidade financeira que existe. O que eu digo é que fazemos muito melhor juntarmo-nos a consórcios internacionais na questão dos meios estratégicos... apenas isso... quantos países com a dimensão e riqueza do nosso têm meios destes orgânicos? Não são muitos e alguns são partilhados... basta ir ver as listas de utilizadores de C-17, MRTT, A-400, etc.

Quanto à opção táctica, aí sim, podemos discutir o mérito técnico e financeiro das opções, mas não misturemos as águas...

Cheers
João
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Lightning

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 3464
  • Recebeu: 1853 vez(es)
  • Enviou: 3571 vez(es)
  • +1358/-98
Re: A330 MRTT para a FAP ?
« Responder #89 em: Julho 16, 2020, 09:12:57 am »
O custo H/V do MRTT, para efeitos desta discussão, passou miraculosamente a exorbitante. Como se a aeronave não fosse baseada numa plataforma comercial, com custos de operação intrinsecamente baixos, quando comparados com aeronaves militares.
São dados púbicos, passíveis de encontrar na net em 5 minutos... não inventei nada... as duas situações são absolutamente Incomparáveis...

A renda do leasing de uma aeronave não é o mesmo que custo de H/V. Um inclui depreciação, o outro não.
Talent de ne rien faire
 

 

Qual as prioridades para a Força Aérea entre 2011-2020 ?

Iniciado por dc

Respostas: 38
Visualizações: 11074
Última mensagem Novembro 15, 2010, 02:34:53 pm
por bokaido
Concurso de aluguer de meios aereos para combate aos incendios 2020

Iniciado por luis simoes

Respostas: 15
Visualizações: 1339
Última mensagem Julho 15, 2020, 11:26:09 pm
por Red Baron
Sistemas de defesa antiaérea de longo alcance para Portugal

Iniciado por Tiger22

Respostas: 24
Visualizações: 12583
Última mensagem Agosto 21, 2006, 08:26:19 pm
por Pedro Monteiro
CDS propõe 12 anos de serviço para pilotos da Força Aérea

Iniciado por Marauder

Respostas: 19
Visualizações: 9391
Última mensagem Setembro 12, 2007, 02:40:44 am
por raphael
A voar contra o tempo para tentar salvar vidas

Iniciado por Jorge Pereira

Respostas: 21
Visualizações: 12121
Última mensagem Abril 01, 2010, 11:40:11 am
por Ricardo Nunes