O Reapetrechamento da Marinha

  • 786 Respostas
  • 44205 Visualizações
*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 3184 vez(es)
  • Enviou: 1703 vez(es)
  • +1820/-141
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #705 em: Julho 03, 2020, 05:34:37 pm »
Hangar para Lynx e Spike, vocês já estão a viajar na maionese.

Para perceber o armamento dos NPO temos que olhar para os River e para os Holland. Os NPO foram fortemente influenciados pelos River, e ate ao Clyde, os NPO estavam melhor armados. Mesmo no Clyde  a arma passou a ser do mesmo calibre dos NPO, mas foram adicionadas as MiniGuns para proteção contra swarms e convém lembrar que o Clyde foi feito a medida para operar nas Falklands.

Já os Holland foram feitos à medida para o combate a pirataria/operações em mar hostil, logo são muito mais armados e tem os seus tripulantes muito mais protegidos(armas operadas remotamente).

No caso dos próximos lotes dos NPO, se realmente forem para substituir as fragatas no combate a pirataria então devíamos seguir o caminho dos holandeses, mas acho que a utilização destes meios neste tipo de missões tem mais a ver com a incompetência da Marinha.

O que é mais importante para o próximo lote é garantir que os NPO vão ter sensores de OPV e não de traineira.

Os lynx são helis que nunca deverão/deveriam ser usados nos NPO.
A quantidade de lynx que possuimos obriga a que a sua utilização seja exclusiva das fragatas.

O tipo de heli que deveria ser utilizado deveria ser um que TAMBÉM permitisse a sua utilização em TO's terrestres, como meio aéreo de apoio ás FT's empenhadas.

Os tais helis de evakuação a serem adquiridos deveriam possuir essa polivalência, uso naval/terrestre, com capacidade de transporte de uma secção infª e também poderem ser equipados com armas anti navio, anti tanque por exemplo.

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_AS565_Panther

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_EC155

https://en.wikipedia.org/wiki/AgustaWestland_AW139


Abraços

Para operar os Lynx a partir dos NPO, era conveniente que houvesse capacidade de os embarcar. Se for apenas para aterrar lá, qualquer coisa serve, nem precisa de ser um heli "navalizado".

Mas se for para os embarcar, então o AW-139 não pode, tal como tantos outros modelos por falta de capacidade de dobrar a cauda, e mesmo as suas dimensões e peso, não sei se poderão ser um factor limitante para aterrar no NPO.

Isto deixa-nos entre mais Super Lynx, o Panther e alguma versão navalizada de algo como o AW-109. Estes dois últimos, estão numa classe idêntica ao Lynx, por isso compensava mais comprar Lynx extra.

Ainda assim, nenhum destes helis cumpre com todas as funções que se pedem aos futuros helis de evak, especialmente com um orçamento tão limitado.

dc, o facto de alguns modelos de helis não dobrarem a cauda, parte dela, não significa que não possam ser embarcados, existem vários modelos tais como o Panther que tem versões navalizadas.

O PMD do 139, é superior ao do Lynx em cerca de uma tonelada e meia, o que não impede que o um reforço do landing deck, não possa suprir esse aumento de peso.
Quanto a não dobrar a cauda isso nunca seria impeditivo de embarcar num NPO, desde que o hangar fosse telescópico, e com altura suficiente para proteger a parte mais elevada da cauda.
O NPO além disso possui espaço liberto á ré, que ser utilizado para aumentar o landing deck em quase quatro/cinco metros permitindo a operação até, de helis de maior porte e rotores com maior diametro.

Já quanto ao 109M, este heli, não está nem nunca estará, numa classe idêntica aos lynx, se estivesse então os kualitas também estavam, o seu PMD é de cerca 65% dos lynx.

https://www.leonardocompany.com/documents/20142/3159261/body_BROCHURE_AW109M_Mk217.pdf?t=1539937357041

https://pt.wikipedia.org/wiki/Westland_Lynx

Já quanto ao orçamento, coisa que eu não aflorei, se houvesse vontade e saber, ao se adquirir um modelo de heli de 05/07 tons com verdadeira capacidade multifunção, naval e terrestre, várias situações de falta de meios aéreos ficavam solucionadas, de uma assentada.

Volto a referir, que uma opção, já por mim alvitrada anteriormente, seria a aquisição de mais lynx, pelo menos mais cinco/seis, para serem utilizados tanto O/B como em terra, mas, para isso os CSAR que possuimos teriam de ser devidamente artilhados.

Abraços
« Última modificação: Julho 03, 2020, 05:49:41 pm por tenente »
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1349
  • Recebeu: 186 vez(es)
  • Enviou: 179 vez(es)
  • +92/-81
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #706 em: Julho 03, 2020, 07:54:11 pm »
Hangar para Lynx e Spike, vocês já estão a viajar na maionese.

Para perceber o armamento dos NPO temos que olhar para os River e para os Holland. Os NPO foram fortemente influenciados pelos River, e ate ao Clyde, os NPO estavam melhor armados. Mesmo no Clyde  a arma passou a ser do mesmo calibre dos NPO, mas foram adicionadas as MiniGuns para proteção contra swarms e convém lembrar que o Clyde foi feito a medida para operar nas Falklands.

Já os Holland foram feitos à medida para o combate a pirataria/operações em mar hostil, logo são muito mais armados e tem os seus tripulantes muito mais protegidos(armas operadas remotamente).

No caso dos próximos lotes dos NPO, se realmente forem para substituir as fragatas no combate a pirataria então devíamos seguir o caminho dos holandeses, mas acho que a utilização destes meios neste tipo de missões tem mais a ver com a incompetência da Marinha.

O que é mais importante para o próximo lote é garantir que os NPO vão ter sensores de OPV e não de traineira.

Os lynx são helis que nunca deverão/deveriam ser usados nos NPO.
A quantidade de lynx que possuimos obriga a que a sua utilização seja exclusiva das fragatas.

O tipo de heli que deveria ser utilizado deveria ser um que TAMBÉM permitisse a sua utilização em TO's terrestres, como meio aéreo de apoio ás FT's empenhadas.

Os tais helis de evakuação a serem adquiridos deveriam possuir essa polivalência, uso naval/terrestre, com capacidade de transporte de uma secção infª e também poderem ser equipados com armas anti navio, anti tanque por exemplo.

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_AS565_Panther

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_EC155

https://en.wikipedia.org/wiki/AgustaWestland_AW139


Abraços

Não acho que faz muito sentido um OPV operar um helicóptero, acho que o flight deck é muito interessante para missões de SAR. Mas cada vez mais os OPV vão operar UAV.

Acho que os únicos OPV que foram feitos para operar helicopteros foram os Holland, mas esses são um mundo a parte.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 3184 vez(es)
  • Enviou: 1703 vez(es)
  • +1820/-141
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #707 em: Julho 03, 2020, 08:10:58 pm »
Hangar para Lynx e Spike, vocês já estão a viajar na maionese.

Para perceber o armamento dos NPO temos que olhar para os River e para os Holland. Os NPO foram fortemente influenciados pelos River, e ate ao Clyde, os NPO estavam melhor armados. Mesmo no Clyde  a arma passou a ser do mesmo calibre dos NPO, mas foram adicionadas as MiniGuns para proteção contra swarms e convém lembrar que o Clyde foi feito a medida para operar nas Falklands.

Já os Holland foram feitos à medida para o combate a pirataria/operações em mar hostil, logo são muito mais armados e tem os seus tripulantes muito mais protegidos(armas operadas remotamente).

No caso dos próximos lotes dos NPO, se realmente forem para substituir as fragatas no combate a pirataria então devíamos seguir o caminho dos holandeses, mas acho que a utilização destes meios neste tipo de missões tem mais a ver com a incompetência da Marinha.

O que é mais importante para o próximo lote é garantir que os NPO vão ter sensores de OPV e não de traineira.

Os lynx são helis que nunca deverão/deveriam ser usados nos NPO.
A quantidade de lynx que possuimos obriga a que a sua utilização seja exclusiva das fragatas.

O tipo de heli que deveria ser utilizado deveria ser um que TAMBÉM permitisse a sua utilização em TO's terrestres, como meio aéreo de apoio ás FT's empenhadas.

Os tais helis de evakuação a serem adquiridos deveriam possuir essa polivalência, uso naval/terrestre, com capacidade de transporte de uma secção infª e também poderem ser equipados com armas anti navio, anti tanque por exemplo.

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_AS565_Panther

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_EC155

https://en.wikipedia.org/wiki/AgustaWestland_AW139


Abraços

Não acho que faz muito sentido um OPV operar um helicóptero, acho que o flight deck é muito interessante para missões de SAR. Mas cada vez mais os OPV vão operar UAV.

Acho que os únicos OPV que foram feitos para operar helicopteros foram os Holland, mas esses são um mundo a parte.

podes explicar porque é que não faz muito sentido um NPO operar um heli ??
Não quererias antes dizer embarcar um heli ??

Continuando, pergunto, porque é que o flight deck/LD é muito interessante para operações SAR ??
operações SAR efectuadas como?
Não entendi.

abraços
« Última modificação: Julho 03, 2020, 08:13:18 pm por tenente »
 

*

Kalil

  • Perito
  • **
  • 336
  • Recebeu: 36 vez(es)
  • Enviou: 53 vez(es)
  • +27/-7
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #708 em: Julho 03, 2020, 08:17:39 pm »
Resumindo, o problema é não haver hangar no NPO para um helicóptero que também não existe?🤔🤔🤔?

 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1349
  • Recebeu: 186 vez(es)
  • Enviou: 179 vez(es)
  • +92/-81
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #709 em: Julho 03, 2020, 08:33:10 pm »
Hangar para Lynx e Spike, vocês já estão a viajar na maionese.

Para perceber o armamento dos NPO temos que olhar para os River e para os Holland. Os NPO foram fortemente influenciados pelos River, e ate ao Clyde, os NPO estavam melhor armados. Mesmo no Clyde  a arma passou a ser do mesmo calibre dos NPO, mas foram adicionadas as MiniGuns para proteção contra swarms e convém lembrar que o Clyde foi feito a medida para operar nas Falklands.

Já os Holland foram feitos à medida para o combate a pirataria/operações em mar hostil, logo são muito mais armados e tem os seus tripulantes muito mais protegidos(armas operadas remotamente).

No caso dos próximos lotes dos NPO, se realmente forem para substituir as fragatas no combate a pirataria então devíamos seguir o caminho dos holandeses, mas acho que a utilização destes meios neste tipo de missões tem mais a ver com a incompetência da Marinha.

O que é mais importante para o próximo lote é garantir que os NPO vão ter sensores de OPV e não de traineira.

Os lynx são helis que nunca deverão/deveriam ser usados nos NPO.
A quantidade de lynx que possuimos obriga a que a sua utilização seja exclusiva das fragatas.

O tipo de heli que deveria ser utilizado deveria ser um que TAMBÉM permitisse a sua utilização em TO's terrestres, como meio aéreo de apoio ás FT's empenhadas.

Os tais helis de evakuação a serem adquiridos deveriam possuir essa polivalência, uso naval/terrestre, com capacidade de transporte de uma secção infª e também poderem ser equipados com armas anti navio, anti tanque por exemplo.

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_AS565_Panther

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_EC155

https://en.wikipedia.org/wiki/AgustaWestland_AW139


Abraços

Não acho que faz muito sentido um OPV operar um helicóptero, acho que o flight deck é muito interessante para missões de SAR. Mas cada vez mais os OPV vão operar UAV.

Acho que os únicos OPV que foram feitos para operar helicopteros foram os Holland, mas esses são um mundo a parte.

podes explicar porque é que não faz muito sentido um NPO operar um heli ??
Não quererias antes dizer embarcar um heli ??

Continuando, pergunto, porque é que o flight deck/LD é muito interessante para operações SAR ??
operações SAR efectuadas como?
Não entendi.

abraços

É operar mesmo, não é teres um hangar para guardar um helicóptero que vais poder fazer operações com ele. Tens que ter uma estrutura humana e sensores que permitem a operação do helicóptero a partir do OPV.

Permite reabastecimento do meio e o desembarque de vitimas, aumentando a capacidade do helicóptero na missão SAR. Não é por nada que os River 2 tem flight deck preparado para receber os Merlin.
« Última modificação: Julho 03, 2020, 11:35:16 pm por Red Baron »
 

*

Pescador

  • Membro
  • *
  • 194
  • Recebeu: 92 vez(es)
  • Enviou: 31 vez(es)
  • +27/-0
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #710 em: Julho 03, 2020, 08:36:49 pm »
Nas últimas paginas, das discussões mais pertinentes e  enriquecedoras que já vi do forum.

Sem dúvida visões que mostram o estado lamentável e irresponsável a que se chegou na Marinha de Guerra.

Culpas:
Altas patentes acomodadas, seguidores e, políticos irresponsáveis.
Não tem sido só questão de verbas, há mas é muita inércia, laxismo, inoperância, ignorância até.
Uma mentalidade de visão redutora.
Anti patriótico direi. Pois tudo que se apresenta vem da falta desse espírito que impede de pensar mais adiante e acima se si próprio.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: typhonman

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 3184 vez(es)
  • Enviou: 1703 vez(es)
  • +1820/-141
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #711 em: Julho 03, 2020, 09:25:41 pm »
Hangar para Lynx e Spike, vocês já estão a viajar na maionese.

Para perceber o armamento dos NPO temos que olhar para os River e para os Holland. Os NPO foram fortemente influenciados pelos River, e ate ao Clyde, os NPO estavam melhor armados. Mesmo no Clyde  a arma passou a ser do mesmo calibre dos NPO, mas foram adicionadas as MiniGuns para proteção contra swarms e convém lembrar que o Clyde foi feito a medida para operar nas Falklands.

Já os Holland foram feitos à medida para o combate a pirataria/operações em mar hostil, logo são muito mais armados e tem os seus tripulantes muito mais protegidos(armas operadas remotamente).

No caso dos próximos lotes dos NPO, se realmente forem para substituir as fragatas no combate a pirataria então devíamos seguir o caminho dos holandeses, mas acho que a utilização destes meios neste tipo de missões tem mais a ver com a incompetência da Marinha.

O que é mais importante para o próximo lote é garantir que os NPO vão ter sensores de OPV e não de traineira.

Os lynx são helis que nunca deverão/deveriam ser usados nos NPO.
A quantidade de lynx que possuimos obriga a que a sua utilização seja exclusiva das fragatas.

O tipo de heli que deveria ser utilizado deveria ser um que TAMBÉM permitisse a sua utilização em TO's terrestres, como meio aéreo de apoio ás FT's empenhadas.

Os tais helis de evakuação a serem adquiridos deveriam possuir essa polivalência, uso naval/terrestre, com capacidade de transporte de uma secção infª e também poderem ser equipados com armas anti navio, anti tanque por exemplo.

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_AS565_Panther

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_EC155

https://en.wikipedia.org/wiki/AgustaWestland_AW139


Abraços

Não acho que faz muito sentido um OPV operar um helicóptero, acho que o flight deck é muito interessante para missões de SAR. Mas cada vez mais os OPV vão operar UAV.

Acho que os únicos OPV que foram feitos para operar helicopteros foram os Holland, mas esses são um mundo a parte.

podes explicar porque é que não faz muito sentido um NPO operar um heli ??
Não quererias antes dizer embarcar um heli ??

Continuando, pergunto, porque é que o flight deck/LD é muito interessante para operações SAR ??
operações SAR efectuadas como?
Não entendi.

abraços

É operar mesmo, não é teres um hangar para guardar um helicóptero que vais poder fazer operações com ele. Tens que ter uma estrutura humana e sensores que permitem a operação do helicóptero a partir do OPV.

Permite reabastecimento do meio e o desembarque de vitimas, aumentando a capacidade do helicóptero na missão SAR. Não é por nada que os River 2 tem hangar preparado para receber os Merlin.

Só podes estar a brincar.

Então quando um navio é adquirido possuindo um hangar, essa aquisição não implica que se tenha decidido também ter os meios humanos e materiais para o poder operar ?

Quando se compraram as VdG, não se formou a EHM, como a componente aerea das Fragatas ?

Até dois dos nossos NPO, Tem instaladas as ajudas as operacoes com helis e não tem hangar.

E onde leste que os River tem hangar, para eu aprender um pouco mais, é que nenhum dos  navios da classe river tem hangar !

E já agora não precisas de um LD, para reabastecer um heli, nem para ele desembarcar as vitimas.

« Última modificação: Julho 03, 2020, 09:32:03 pm por tenente »
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1349
  • Recebeu: 186 vez(es)
  • Enviou: 179 vez(es)
  • +92/-81
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #712 em: Julho 03, 2020, 10:21:08 pm »
Hangar para Lynx e Spike, vocês já estão a viajar na maionese.

Para perceber o armamento dos NPO temos que olhar para os River e para os Holland. Os NPO foram fortemente influenciados pelos River, e ate ao Clyde, os NPO estavam melhor armados. Mesmo no Clyde  a arma passou a ser do mesmo calibre dos NPO, mas foram adicionadas as MiniGuns para proteção contra swarms e convém lembrar que o Clyde foi feito a medida para operar nas Falklands.

Já os Holland foram feitos à medida para o combate a pirataria/operações em mar hostil, logo são muito mais armados e tem os seus tripulantes muito mais protegidos(armas operadas remotamente).

No caso dos próximos lotes dos NPO, se realmente forem para substituir as fragatas no combate a pirataria então devíamos seguir o caminho dos holandeses, mas acho que a utilização destes meios neste tipo de missões tem mais a ver com a incompetência da Marinha.

O que é mais importante para o próximo lote é garantir que os NPO vão ter sensores de OPV e não de traineira.

Os lynx são helis que nunca deverão/deveriam ser usados nos NPO.
A quantidade de lynx que possuimos obriga a que a sua utilização seja exclusiva das fragatas.

O tipo de heli que deveria ser utilizado deveria ser um que TAMBÉM permitisse a sua utilização em TO's terrestres, como meio aéreo de apoio ás FT's empenhadas.

Os tais helis de evakuação a serem adquiridos deveriam possuir essa polivalência, uso naval/terrestre, com capacidade de transporte de uma secção infª e também poderem ser equipados com armas anti navio, anti tanque por exemplo.

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_AS565_Panther

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_EC155

https://en.wikipedia.org/wiki/AgustaWestland_AW139


Abraços

Não acho que faz muito sentido um OPV operar um helicóptero, acho que o flight deck é muito interessante para missões de SAR. Mas cada vez mais os OPV vão operar UAV.

Acho que os únicos OPV que foram feitos para operar helicopteros foram os Holland, mas esses são um mundo a parte.

podes explicar porque é que não faz muito sentido um NPO operar um heli ??
Não quererias antes dizer embarcar um heli ??

Continuando, pergunto, porque é que o flight deck/LD é muito interessante para operações SAR ??
operações SAR efectuadas como?
Não entendi.

abraços

É operar mesmo, não é teres um hangar para guardar um helicóptero que vais poder fazer operações com ele. Tens que ter uma estrutura humana e sensores que permitem a operação do helicóptero a partir do OPV.

Permite reabastecimento do meio e o desembarque de vitimas, aumentando a capacidade do helicóptero na missão SAR. Não é por nada que os River 2 tem hangar preparado para receber os Merlin.

Só podes estar a brincar.

Então quando um navio é adquirido possuindo um hangar, essa aquisição não implica que se tenha decidido também ter os meios humanos e materiais para o poder operar ?

Quando se compraram as VdG, não se formou a EHM, como a componente aerea das Fragatas ?

Até dois dos nossos NPO, Tem instaladas as ajudas as operacoes com helis e não tem hangar.

E onde leste que os River tem hangar, para eu aprender um pouco mais, é que nenhum dos  navios da classe river tem hangar !

E já agora não precisas de um LD, para reabastecer um heli, nem para ele desembarcar as vitimas.

Em lado nenhum disse que os River têm hangar. Mas um flight deck como tem os River capaz de operar Merlin é importante para o NPO para a missão de SAR.

Ter hangar e helicóptero orgânico não faz sentido para o NPO por diversas razões.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7301
  • Recebeu: 3184 vez(es)
  • Enviou: 1703 vez(es)
  • +1820/-141
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #713 em: Julho 03, 2020, 10:24:14 pm »
Hangar para Lynx e Spike, vocês já estão a viajar na maionese.

Para perceber o armamento dos NPO temos que olhar para os River e para os Holland. Os NPO foram fortemente influenciados pelos River, e ate ao Clyde, os NPO estavam melhor armados. Mesmo no Clyde  a arma passou a ser do mesmo calibre dos NPO, mas foram adicionadas as MiniGuns para proteção contra swarms e convém lembrar que o Clyde foi feito a medida para operar nas Falklands.

Já os Holland foram feitos à medida para o combate a pirataria/operações em mar hostil, logo são muito mais armados e tem os seus tripulantes muito mais protegidos(armas operadas remotamente).

No caso dos próximos lotes dos NPO, se realmente forem para substituir as fragatas no combate a pirataria então devíamos seguir o caminho dos holandeses, mas acho que a utilização destes meios neste tipo de missões tem mais a ver com a incompetência da Marinha.

O que é mais importante para o próximo lote é garantir que os NPO vão ter sensores de OPV e não de traineira.

Os lynx são helis que nunca deverão/deveriam ser usados nos NPO.
A quantidade de lynx que possuimos obriga a que a sua utilização seja exclusiva das fragatas.

O tipo de heli que deveria ser utilizado deveria ser um que TAMBÉM permitisse a sua utilização em TO's terrestres, como meio aéreo de apoio ás FT's empenhadas.

Os tais helis de evakuação a serem adquiridos deveriam possuir essa polivalência, uso naval/terrestre, com capacidade de transporte de uma secção infª e também poderem ser equipados com armas anti navio, anti tanque por exemplo.

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_AS565_Panther

https://en.wikipedia.org/wiki/Eurocopter_EC155

https://en.wikipedia.org/wiki/AgustaWestland_AW139


Abraços

Não acho que faz muito sentido um OPV operar um helicóptero, acho que o flight deck é muito interessante para missões de SAR. Mas cada vez mais os OPV vão operar UAV.

Acho que os únicos OPV que foram feitos para operar helicopteros foram os Holland, mas esses são um mundo a parte.

podes explicar porque é que não faz muito sentido um NPO operar um heli ??
Não quererias antes dizer embarcar um heli ??

Continuando, pergunto, porque é que o flight deck/LD é muito interessante para operações SAR ??
operações SAR efectuadas como?
Não entendi.

abraços

É operar mesmo, não é teres um hangar para guardar um helicóptero que vais poder fazer operações com ele. Tens que ter uma estrutura humana e sensores que permitem a operação do helicóptero a partir do OPV.

Permite reabastecimento do meio e o desembarque de vitimas, aumentando a capacidade do helicóptero na missão SAR. Não é por nada que os River 2 tem hangar preparado para receber os Merlin.

Só podes estar a brincar.

Então quando um navio é adquirido possuindo um hangar, essa aquisição não implica que se tenha decidido também ter os meios humanos e materiais para o poder operar ?

Quando se compraram as VdG, não se formou a EHM, como a componente aerea das Fragatas ?

Até dois dos nossos NPO, Tem instaladas as ajudas as operacoes com helis e não tem hangar.

E onde leste que os River tem hangar, para eu aprender um pouco mais, é que nenhum dos  navios da classe river tem hangar !

E já agora não precisas de um LD, para reabastecer um heli, nem para ele desembarcar as vitimas.

Em lado nenhum disse que os River têm hangar. Mas um flight deck como tem os River capaz de operar Merlin é importante para o NPO para a missão de SAR.

Ter hangar e helicóptero orgânico não faz sentido para o NPO por diversas razões.

Ao menos lê o que escreves, e não digas o que disseste, lê o que escreves.

Mas quem está a falar de helicóptero orgânico és tu, o facto de um NPO ter hangar não significa que tenha de ter um heli orgânico significa que ESTÁ apto a operar um heli, quando a missão a isso obrigar.

« Última modificação: Julho 03, 2020, 10:29:00 pm por tenente »
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4089
  • Recebeu: 346 vez(es)
  • Enviou: 250 vez(es)
  • +488/-362
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #714 em: Julho 03, 2020, 11:11:01 pm »
Nas últimas paginas, das discussões mais pertinentes e  enriquecedoras que já vi do forum.

Sem dúvida visões que mostram o estado lamentável e irresponsável a que se chegou na Marinha de Guerra.

Culpas:
Altas patentes acomodadas, seguidores e, políticos irresponsáveis.
Não tem sido só questão de verbas, há mas é muita inércia, laxismo, inoperância, ignorância até.
Uma mentalidade de visão redutora.
Anti patriótico direi. Pois tudo que se apresenta vem da falta desse espírito que impede de pensar mais adiante e acima se si próprio.



Sem dúvida !

Lesa Pátria !
Talent de rien fair
 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 6304
  • Recebeu: 1458 vez(es)
  • Enviou: 702 vez(es)
  • +1278/-357
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #715 em: Julho 03, 2020, 11:24:45 pm »
Os OPV 80 iniciais eram mais  baratos que o VdC e têm hangar. Um de vários  exemplos ;)









Cumprimentos
« Última modificação: Julho 03, 2020, 11:25:48 pm por mafets »
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 3826
  • Recebeu: 904 vez(es)
  • Enviou: 208 vez(es)
  • +189/-94
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #716 em: Julho 04, 2020, 12:04:31 am »
dc, o facto de alguns modelos de helis não dobrarem a cauda, parte dela, não significa que não possam ser embarcados, existem vários modelos tais como o Panther que tem versões navalizadas.

O PMD do 139, é superior ao do Lynx em cerca de uma tonelada e meia, o que não impede que o um reforço do landing deck, não possa suprir esse aumento de peso.
Quanto a não dobrar a cauda isso nunca seria impeditivo de embarcar num NPO, desde que o hangar fosse telescópico, e com altura suficiente para proteger a parte mais elevada da cauda.
O NPO além disso possui espaço liberto á ré, que ser utilizado para aumentar o landing deck em quase quatro/cinco metros permitindo a operação até, de helis de maior porte e rotores com maior diametro.

Já quanto ao 109M, este heli, não está nem nunca estará, numa classe idêntica aos lynx, se estivesse então os kualitas também estavam, o seu PMD é de cerca 65% dos lynx.

https://www.leonardocompany.com/documents/20142/3159261/body_BROCHURE_AW109M_Mk217.pdf?t=1539937357041

https://pt.wikipedia.org/wiki/Westland_Lynx

Já quanto ao orçamento, coisa que eu não aflorei, se houvesse vontade e saber, ao se adquirir um modelo de heli de 05/07 tons com verdadeira capacidade multifunção, naval e terrestre, várias situações de falta de meios aéreos ficavam solucionadas, de uma assentada.

Volto a referir, que uma opção, já por mim alvitrada anteriormente, seria a aquisição de mais lynx, pelo menos mais cinco/seis, para serem utilizados tanto O/B como em terra, mas, para isso os CSAR que possuimos teriam de ser devidamente artilhados.

Abraços

Mas tenente, se o AW-139 por si só, modelo básico, já não cabe no orçamento para 5 unidades, muito menos caberá totalmente equipado, achas que ainda iam arranjar dinheiro para tanta modificação no NPO? Quanto muito pegam no que há, metem um hangar telescópico e está a andar. Mas se nem os Lynx certificaram ainda, quanto mais futuros hipotéticos helis...

O Panther tem uma versão naval pura, e sempre haveria a chance de adquirir alguns usados e é mais pequeno e muito mais leve que o 139. Nestes aspectos tem vantagens claras.

O problema de comprar mais Lynx, é que ou tentava arranjar-se uns Lynx usados já com o upgrade idêntico aos nossos (mais concretamente motores), ou adquiriam-se e modernizava-se tudo para o mesmo padrão, o que com base no valor do upgrade dos nossos Lynx, não cabe no tal orçamento dos 53 milhões, e isto é sem ECM, RWR, FLIR etc, ou então usavamos 10 Lynx em duas versões completamente diferentes em termos de aviónica e motores.

Se ignorarmos o orçamento, então o céu é o limite, como é óbvio, e podíamos fantasiar com duas FREMM com hangar para 1 Lynx + 1 Merlin. Ou podíamos pensar nas Arleigh Burke sem hangar, que libertava 3 Lynx para outros navios, como o AOR, LPD, NPOs...

A melhor opção a nível de "faz tudo" talvez fosse o UH-1Y. Pois é bom em praticamente tudo, e é amplamente utilizado a bordo de navios. O principal problema seria o peso, se quisessem que aterrasse no NPO. Talvez pelo preço de 5 AW139s full, conseguiam ir buscar ao USMC 6 Venom e 4 Viper.  ::)
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 3826
  • Recebeu: 904 vez(es)
  • Enviou: 208 vez(es)
  • +189/-94
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #717 em: Julho 04, 2020, 12:07:59 am »
Quanto à necessidade/utilidade de embarcar um heli num NPO... É sem dúvida uma mais valia, nem que seja para combate à pirataria, SAR, e todas aquelas missões em que um meio aéreo pode dar jeito, sem que se justifique enviar uma fragata. Mas seria sempre uma coisa temporária.

Em situações normais, ter os NPOs com VSR700 era um luxo.
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1349
  • Recebeu: 186 vez(es)
  • Enviou: 179 vez(es)
  • +92/-81
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #718 em: Julho 04, 2020, 12:42:10 am »
As corvetas germânicas vão operar UMS Skeldar V-200.
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 16459
  • Recebeu: 1495 vez(es)
  • Enviou: 1416 vez(es)
  • +237/-306
Re: O Reapetrechamento da Marinha
« Responder #719 em: Julho 04, 2020, 10:54:05 am »
Nós por cá:





https://www.uavision.com/copy-of-ogassa-ogs42


Citar
Performance:

​Flight range: 100 km

Endurance: 6 to 8 hours

Service ceiling: 8000 feet

Cruise speed: 51 knots

Max speed: 70 Knots

Stall speed @ 38 Kg: 42 knots

Propulsion: 70CC Combustion engine

Fuel Tank: 11 Litre

Fuel Type: Gasoline

Electrical power: On-board generator

Two redundant batteries

Wind limit: 35 knots

Take-off : Vtol

Recovery: Vtol

Maximum take-off weight: 36 kg

Maximum payload weight: 5 kg
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.