Novos Sistemas de Defesa Aérea

  • 153 Respostas
  • 16817 Visualizações
*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 1831
  • Recebeu: 415 vez(es)
  • Enviou: 68 vez(es)
  • +87/-25
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #150 em: Janeiro 19, 2020, 01:07:12 am »
Prefiro o NASAMS, que tanto pode levar o AMRAAM, o AIM-9X e o ESSM. Mas para nós que temos zero, qualquer um dos dois seria mais que suficiente.

Os sistemas baseados em Mistral, como o MPCV, seriam sobretudo para apoiar unidades móveis no seu avanço no terreno (CCs, Pandur) e para forças como os Fuzileiros que poderão desembarcar sem o apoio de outras forças terrestres.
 

*

legionario

  • Especialista
  • ****
  • 958
  • Recebeu: 15 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +20/-18
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #151 em: Fevereiro 13, 2020, 08:04:36 am »
Custa a acreditar que no século XXI Portugal não tenha defesa AA.
Umas FA crediveis têm todas as suas unidades dotadas com sistemas de defesa AA , pelo menos de curto e de médio alcance : sistemas moveis para acompanhar as unidades no terreno e sistemas fixos para defesa de posição. O Norte, Centro e Sul do Continente assim como os Açores e a Madeira deveriam ter sistemas de defesa AA de longo alcance que garantissem a cobertura de todo o espaço nacional.
Estar a contar com os misseis das fragatas para a defesa AA do territorio conhecendo a vulnerabilidade e a vetustidade daquelas...

Os sistemas chinês Hongqi-9/FD 2000 ou sobretudo o sistema russo S-400 são particularmente eficazes mas não são compativeis com os sistemas da OTAN...o que não foi obstaculo para a Grécia  que comprou 2 sistemas S300 russos. Recordo qu estes dois sistemas S300 tinham sido adquiridos inicialmente por Chipre ...sim, este "riquissimo" Estado de 9 000 km2 e 800 000 habitantes, teve dinheiro para isso...

Talvez os nossos aliados nos possam facilitar, em sauves prestações mensais, o MEADS (Medium Extended Air Defense)  :)  :)
Para os sistemas de curto e de médio alcance a escolha é enorme...haja dinheiro e vontade politiica. A certeza que ha é que Portugal precisa de estar dotado de sistemas defensivos, muito mais do que ofensivos.
« Última modificação: Fevereiro 13, 2020, 08:07:09 am por legionario »
IN HOC SIGNO VINCES
DEUS VULT
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 1831
  • Recebeu: 415 vez(es)
  • Enviou: 68 vez(es)
  • +87/-25
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Responder #152 em: Fevereiro 13, 2020, 12:50:25 pm »
O Chipre tem baterias AA daquelas dada a situação com a Turquia.

O problema das baterias AA modernas, é que são caras se pretenderem adquirir algo de jeito, o que impossibilita adquirir grandes quantidades de sistemas de médio/longo alcance.

No entanto, dado que não estamos em guerra, diria que duas baterias de médio/longo alcance já davam para as necessidades, nomeadamente para criar valências neste nível. "Criar escola" como se diz muita vez. A ideia de ter apenas 2 baterias AA destas, permitia ter a capacidade, sem estourar metade do orçamento, e ainda dava uma ligeira capacidade de "resposta imediata" neste sentido. Ou seja, caso aumentassem as tensões nesta parte do mundo, e alguém se lembrasse de cobiçar a Madeira por exemplo, uma das baterias seria destacada para esta região. Quando fosse preciso adquirir mais, era mais fácil, já havia a infraestrutura criada.

Sistemas de curto alcance também são necessários, tanto de mísseis como de canhões. Mas estes teriam de ser de várias tipologias, consoante a força/brigada que apoiariam.
 

*

legionario

  • Especialista
  • ****
  • 958
  • Recebeu: 15 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +20/-18
Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea Novo
« Responder #153 em: Fevereiro 13, 2020, 06:36:10 pm »
Se Portugal estiver à espera de estar em guerra para se equipar... Neste caso acabem-se com as FA e desenvolva-se uma Guarda Nacional.
"Fazer escola" :  muito justo !   Trata-se de equipamentos nos quais Portugal não tem tradição. A formação de operadores para tais sistemas leva anos !   Serão homens e mulheres treinados continuamente , forçosamente enquadrados por contratos de serviço longo... o que tambem tem o seu preço.

Isto dito, a posse de sistemas defensivos perfomantes tem um papel essencialmente dissuasivo , ou seja, dentro de uma filosofia de "não utilização" pois possuir tais sistemas faz pensar duas vezes potenciais agressores.

No contexto actual não se vislumbram ameaças que justifiquem a manutenção e o custo de umas FA, com ou sem sistemas AA, submarinos, etc.  mas... a Historia motra-nos que ciclicamente ha sempre os "mas".  Por exemplo : uma catastrofe natural de grande amplitude ou uma epidemia a nivel global que dizimasse parte importantnte da população europeia provocariam desiquilibrios enormes.  Seria o terreno ideal para que os predadores (Paises ou grupos terroristas) entrassem em campo com os seus séculos de rancor anti-europeus acumulados
« Última modificação: Fevereiro 13, 2020, 06:37:19 pm por legionario »
IN HOC SIGNO VINCES
DEUS VULT
 

 

Arma Anti-Aérea para Quando?

Iniciado por antoninho

Respostas: 57
Visualizações: 22078
Última mensagem Setembro 13, 2008, 09:37:16 pm
por old
Sistemas anti-drone

Iniciado por sivispacem

Respostas: 0
Visualizações: 812
Última mensagem Agosto 24, 2018, 11:00:05 am
por sivispacem
Defesa Nuclear Biológica Quimica e Radiológica

Iniciado por tyr

Respostas: 2
Visualizações: 1179
Última mensagem Abril 09, 2011, 01:01:14 am
por tyr
Ciber Defesa no Exército

Iniciado por nelson38899

Respostas: 14
Visualizações: 6227
Última mensagem Janeiro 13, 2018, 01:32:11 am
por HSMW
Novos blindados "chumbam" nos testes

Iniciado por lf2a

Respostas: 11
Visualizações: 5104
Última mensagem Setembro 22, 2004, 07:13:26 pm
por Ricardo Nunes