Mensagens recentes

Páginas: [1] 2 3 4 5 6 ... 10
1
Exército Português / Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Última mensagem por tenente em Hoje às 05:46:51 am »
Sempre fidelis  :Soldado2:

Ora bem, faz parte do contrato !

Abraços
3
Exército Português / Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Última mensagem por tenente em Hoje às 05:33:00 am »
Citar
Desta forma, o Regimento de Artilharia Antiaérea Nº1 (RAAA1), através do Grupo de Artilharia Antiaérea (GAAA), encontra-se a desenvolver e implementar Técnicas, Táticas e Procedimentos (TTP´s) de modo a preparar e formar as Unidades para reagir contra uma ameaça SANT.

Citar
No decorrer na presente semana, o GAAA encontra-se a treinar e validar as medidas ativas para a autodefesa antiaérea C-SANT, com o emprego de uma Seção equipada com a espingarda automática FN SCAR –L 5,56 mm, esta a mais recente do Exército Português.
O desenvolvimento e treino destas medidas é feito simulando técnicas e procedimentos da ameaça através do contributo indispensável da secção de alvos aéreos.

Citar

Simultaneamente, encontra-se em fase final de aprovação no Estado-Maior do Exército a Publicação Doutrinária do Exercito “5-36-00 - Planeamento CSANT” pelo que será publicada em breve.

O que leio aqui é que o RAAA1 está a validar métodos para esta arma ser ou não viável para C-SANT.
Tipo de mira, tipo de munição a utilizar, cadência de tiro e quantas armas para ter uma elevada probabilidade de abate.
Isto é o mais básico, o mais barato, e a primeira reação.

Imagino a situação de um drone andar a sobrevoar a base portuguesa na RCA ou no Afeganistão para corrigir azimutes e ângulos para uns morteiros.
Vou reagir com a arma que tenho? Ou "espera aí que vou buscar a mini-gun"...

E, eu já me estou a rir com esta Palhaçada, porque não passa disso, pura palhaçada!!  :mrgreen: yu23x1

Abraço
4
Força Aérea Portuguesa / Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Última mensagem por tenente em Hoje às 05:30:31 am »
Deus queira que não, mas, se ambos falecerem já sabem de quem é a culpa!

Se os inspectores Espanhóis pois serão eles a fazer a investigação, porque a aeronave é Espanhola, forem tão competentes como o nosso pessoal do GPIAA(af), penso que sim, de certeza que a verdade virá ao de cima !!!!

E o acidente geograficamente deu-se em Espanha, o Canadair estava a recolher agua de uma barragem que faz fronteira e o avião caiu do lado espanhol...

Se o acidente ocorresse no lado Português seriam  os inspectores Espanhóis a efectuar as investigações acompanhados por elementos Portugueses. O que interessa é a Nacionalidade do Registo da Aeronave.

Abraços
5
Exército Português / Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Última mensagem por NVF em Hoje às 04:16:09 am »
Sempre fidelis  :Soldado2:
6
Exército Português / Re: Pandur II
« Última mensagem por NVF em Hoje às 04:14:19 am »
Então estes trabalhos “académicos” de qualidade duvidosa são a “doutrina” das FFAA? Estranho, porque na capa dos documentos diz exactamente o contrário.
7
Exército Português / Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Última mensagem por HSMW em Hoje às 01:09:11 am »
Citar
Desta forma, o Regimento de Artilharia Antiaérea Nº1 (RAAA1), através do Grupo de Artilharia Antiaérea (GAAA), encontra-se a desenvolver e implementar Técnicas, Táticas e Procedimentos (TTP´s) de modo a preparar e formar as Unidades para reagir contra uma ameaça SANT.

Citar
No decorrer na presente semana, o GAAA encontra-se a treinar e validar as medidas ativas para a autodefesa antiaérea C-SANT, com o emprego de uma Seção equipada com a espingarda automática FN SCAR –L 5,56 mm, esta a mais recente do Exército Português.
O desenvolvimento e treino destas medidas é feito simulando técnicas e procedimentos da ameaça através do contributo indispensável da secção de alvos aéreos.

Citar

Simultaneamente, encontra-se em fase final de aprovação no Estado-Maior do Exército a Publicação Doutrinária do Exercito “5-36-00 - Planeamento CSANT” pelo que será publicada em breve.

O que leio aqui é que o RAAA1 está a validar métodos para esta arma ser ou não viável para C-SANT.
Tipo de mira, tipo de munição a utilizar, cadência de tiro e quantas armas para ter uma elevada probabilidade de abate.
Isto é o mais básico, o mais barato, e a primeira reação.

Imagino a situação de um drone andar a sobrevoar a base portuguesa na RCA ou no Afeganistão para corrigir azimutes e ângulos para uns morteiros.
Vou reagir com a arma que tenho? Ou "espera aí que vou buscar a mini-gun"...
8
Marinha Portuguesa / Re: A Marinha Portuguesa e o Zero Naval !
« Última mensagem por dc em Hoje às 12:55:53 am »
1930s  :mrgreen:

Resumindo, no money no party!
9
Força Aérea Portuguesa / Re: Combate a fogos pela F.A.P.
« Última mensagem por Lightning em Hoje às 12:47:32 am »
Deus queira que não, mas, se ambos falecerem já sabem de quem é a culpa!

Se os inspectores Espanhóis pois serão eles a fazer a investigação, porque a aeronave é Espanhola, forem tão competentes como o nosso pessoal do GPIAA(af), penso que sim, de certeza que a verdade virá ao de cima !!!!

E o acidente geograficamente deu-se em Espanha, o Canadair estava a recolher agua de uma barragem que faz fronteira e o avião caiu do lado espanhol...
10
Exército Português / Re: Novos Sistemas de Defesa Aérea
« Última mensagem por dc em Hoje às 12:43:28 am »

Parece que estamos na Ucrânia...  c56x1

No entanto é o método mais expedito para abater um drone a voar baixo.
Os militares não andam todos com um sistema anti-drone às costas...  Nem com uma minigun no bolso.

Penso que isto seja no caso de um drone entrar no perímetro da unidade.

Se fosse o caso, não faria sentido ministrar o treino desta "valência" a todas as tropas e não só ao RAAA1? A mim quer-me parecer que é uma capacidade específica.
Páginas: [1] 2 3 4 5 6 ... 10