Roubo de armas nos Comandos?

  • 178 Respostas
  • 32945 Visualizações
*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1583
  • Recebeu: 417 vez(es)
  • Enviou: 303 vez(es)
  • +193/-758
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #30 em: Janeiro 06, 2011, 06:49:31 pm »
Citação de: "Miguel"
Como diz o Luso muito bem: Como podem defender um Pais, sem conseguir impor a ordem na casa e numa unidade de elite?
Quantos elementos ne quartel talvez 200 ??? Oficiais e sargentos incapazes de impor a ordem como nos bairros?

Por isso digo que o melhor neste momento é extinguir de imediato a unidade e sançoes/passagem a reserva dos quadros.
Deve servir de exemplo para as outras unidades.

Basta ver no videos do Youtube, para entender que a maioria dos ditos "comandos" deviam ser tratados em psiquiatria.


Eia pá, já agora Berlengas com eles (já não há Tarrafal) e como trabalhos forçados, espantar as gaivotas e apanhar o guano..... Não penso que isto seja razão para acabar seja com o que for. Se assim fosse já não existiam FA's em Portugal, pois casos destes já aconteceram em quase todo o lado (embora não na quantidade de armamento desaparecido). Encontrar e punir os responsáveis, verificar procedimentos e corrigir as falhas de segurança, sacando as devidas responsabilidades por essas falhas (embora eu saiba que isso mexe com as amarelas) e a vida segue o seu caminho. Acho até que, atendendo ao que se passa nas unidades, muito raros são estes casos e muito pacata é a situação.
 

*

Camuflage

  • Investigador
  • *****
  • 1360
  • Recebeu: 107 vez(es)
  • Enviou: 71 vez(es)
  • +20/-54
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #31 em: Janeiro 06, 2011, 07:25:09 pm »
Desde o 25 de Abril que os crimes dentro de unidades militares dispararam e estão sem controlo. Podem alegar o que quiserem e virem com paninhos quentes ou usar a desculpa do sistema de contratados etc. A realidade é que não existe justiça militar e há muito que as sanções disciplinares não são aplicadas. Contratados ou não existem critérios legais onde se pode actuar e ninguém quer saber disso. A PJM que nunca tem controlo sobre nada e chora-se pela falta de meios, vai investigar este crime com que credibilidade? Trancaram supostamente os militares no quartel, já dias depois do acto, mesmo assim a informação já vai na boca de toda a gente. Vão fazer o quê com os culpados? Sim porque não foi um certamente que o fez e o mais provável será arranjarem um bode expiatório. Até uma empresa privada está a "auxiliar". Ao menos se queriam credibilidade chamavam a PJ e faziam uma investigação independente, até porque é quase certo que o material tenha passado para mãos de civis ou esteja escondido para fazer mais tarde (após a poeira assentar) a devida transacção.

Quanto ao não ter quem vigie o quartel, isso são balelas, existem leis e existe muito boa gente em regime de contrato a ser (bem) paga, se é por falta de praças, certamente não faltarão oficiais que em vez de estarem atrás das secretárias em RC, podem muito bem passar umas horas de guarda. Para tratar de papeladas ou recadinhos não falta gente no excedente da função pública especializada.
Contudo admito que o Regulamento de Disciplina Militar é uma autentica treta onde parece tratar todos como meninos, mas já o Código de Justiça Militar está bastante actualizado e é até mais duro. Comecem a chover umas penas de prisão que pode ser que as coisas mudem.

Ainda no mês de Dezembro um colega meu foi com um amigo (ambos civis) e um oficial ao quartel, entraram, foram ao cacifo desse oficial buscar o vinho desviado, encheram um saco com garrafas e trouxeram. Ninguém lhes fez perguntas, ninguém foi revistado. Alias até estavam militares por lá sentados a jogar cartas e outros na paródia. Depois como é que o povo não dirá "estão nos quartéis fechados o dia todo e não fazem nada" é a publicidade que os mesmos pelos vistos transmitem.
« Última modificação: Janeiro 06, 2011, 07:49:41 pm por Camuflage »
 

*

corapa

  • 261
  • +0/-0
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #32 em: Janeiro 06, 2011, 07:41:33 pm »
Citar
Os Comandos foram extintos em 1993 por causa de problemas identicos e ainda piores.

Miguel,
então explique-me lá quais foram esse ditos problemas que levaram à extinção, que agora fiquei curioso em saber o que é que isso tem a ver com o que se passou agora.

Citar
Extinçao imediata dessa formaçao. Passagem a reserva dos oficiais e sargentos com sançoes

Você por acaso é ou foi militar?
É que esse discurso faz-me lembrar o recalcamento de alguns que lá passaram e chumbaram no curso e depois passavam o tempo a denegrir a imagem dos Cmds.

Citar
Não é uma questão disso, mas mais de admitir que as coisas são cada vez mais uma fantochada pegada e que devem ser reformadas (leia-se transformadas).
Porque o que quero são instituições que funcionem. Mais que brios ofendidos

Luso,
sim, concordo plenamente que há muita coisa a fazer, e eu sou o primeiro a defender que há certas coisas que a existirem sem condições para tal, mais vale acabarem, não vamos e por em causa todos os que lá estão.
Não sei o que faz nem me interessa, mas se no seu oficio alguem roubar, falsificar, subornar,não cumprir a sua tarefa, etc.é identificado como ladrão, vigarista, incompetente, etc. - você tambem o é?
Mas volto a utilizar o que escrevi à pouco:
acabar com as entidade onde há graves falhas ou crimes, então temos que acabar com todos os órgãos do estado, forças armadas, de segurança, empresas publicas, privadas e emigramos para a Lua e começamos de novo.
Pois infelizmente não conheço nenhuma instituição que não tenha telhados de vidro.
« Última modificação: Janeiro 06, 2011, 09:30:49 pm por corapa »
 

*

markseia

  • 61
  • +0/-0
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #33 em: Janeiro 06, 2011, 08:15:31 pm »
Como ex Sargento Comando, eu (e com certeza todos os Comandos) sinto-me envergonhado por tudo isto.

Agora todos nós sentimos que é impensável, mas que não impossível uma situação destas acontecer e que nos deixa imensamente feridos no orgulho.
Mas tenho a certeza que os militares que lá estão, são o que se sentem mais envergonhados por tudo isto. È nobre reconhecer que algo errado se fez e que abriu esta lacuna na segurança.
Impossível de acontecer? Nada é impossível no nosso exercito… Todos que por lá passaram alguns anos, percebem a facilidade com que se monta um esquema para se trazer material bélico.
Quem é o responsável?  
Já foram quase todos apontados por este fórum…
Aqui começa-se no CEME e passa-se pelo MDN, o PM, o PR, a Lei, o Psicólogo, o Médico, o CMDT e… acaba-se no CEMGFA.

 Quem vai preso (de 4 a 10 anos segundo o RDM)?
 O Quarteleiro? o Sargento de materiais? ou o Capitão?

A CULPA É DO SISTEMA…
Mas como tudo é inconclusivo, é esperar para ouvir a verdade, porque até agora é só suposições e nada de fonte segura… aposto que agora numa próxima ida a casa quando regressarem ao quartel, as armas vão aparecer… num sitio qualquer… elas vão aparecer dentro do CTC…

(Agora deixo aqui um lembrança ao extremista Pára-quedista que por aqui anda, que ainda à poucos anitos atrás em Sarajevo, dois dos “seus” também ficaram sem 2 Galil, enquanto foram beber uns copitos e lhes “desapareceram” do jeep, e depois andaram à pancada um com o outro, para “encenarem” que tinham sido assaltados e feitos prisioneiros.)
Abraço

"MAMA SUMAE"
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 16423
  • Recebeu: 1487 vez(es)
  • Enviou: 1400 vez(es)
  • +234/-301
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #34 em: Janeiro 06, 2011, 09:28:25 pm »
Quem é o extremista Pára-quedista?! :?
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4079
  • Recebeu: 346 vez(es)
  • Enviou: 246 vez(es)
  • +488/-342
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #35 em: Janeiro 06, 2011, 09:34:17 pm »
Uma vergonha, mas o que esperar de pessoal que já andava na má vida antes de entrar nos comandos ?

O crivo tem de funcionar efectivamente.....
Talent de rien fair
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1583
  • Recebeu: 417 vez(es)
  • Enviou: 303 vez(es)
  • +193/-758
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #36 em: Janeiro 06, 2011, 09:39:40 pm »
Citar
Desde o 25 de Abril que os crimes dentro de unidades militares dispararam e estão sem controlo.

Desconheço esses dados estatisticos. Notei um aumento de pequenos crimes (roubo de telemoveis, dinheiro ou cartões de crédito) apenas a partir de 2001/02.  Devo dizer que até essa data era praticamente residual esses acontecimentos.


Citar
A realidade é que não existe justiça militar e há muito que as sanções disciplinares não são aplicadas.


Muitas das vezes porque se for verificar a coisa a fundo, quem manda também leva a castanhada, daí vai a passar um pano por cima e o castigo é meramente admistrativo. Já foi comentado neste fórum o porquê de algumas coisas.


Citar
Sim porque não foi um certamente que o fez e o mais provável será arranjarem um bode expiatório.

Também não acredito que tenha sido trabalho só de um e também temo que alguém vai levar a cacetada e expiar uma falha que começa no preciso momento em que se recorre a privados, para garantir a segurança de material de guerra, dentro de uma unidade militar (parece cómico mas não é).


Citar
Quanto ao não ter quem vigie o quartel, isso são balelas, existem leis e existe muito boa gente em regime de contrato a ser (bem) paga

Temo bem que não conheça a realidade da maioria das unidades militares no nosso País. Além de não serem "bem" pagos (embora eu concorde que, para a realidade do País, eles não se deveriam queixar) a verdade é que existem homens para assegurar a Porta de Armas e pouco mais, a não ser que se coloque as guarnições de serviço a três ou quatro divisões. As unidades estão muito abaixo do que seria o minimo e muitas companhias estão reduzidas a pouco mais que um pelotão reforçado e os batalhões andam pelos niveis de uma companhia reforçada.


Citar
Contudo admito que o Regulamento de Disciplina Militar é uma autentica treta onde parece tratar todos como meninos

Não, não é. Se for aplicado em conformidade não tem nada de meigo. De todos os modos o que se passou é da área do CJM e dos tribunais e não do RDM.


Citar
Ainda no mês de Dezembro um colega meu foi com um amigo (ambos civis) e um oficial ao quartel, entraram, foram ao cacifo desse oficial buscar o vinho desviado

Disse tudo. O exemplo tem de vir de cima e muitas vezes o toque para o caos é dado por quem deveria zela,r em primeira instância, pelo curro. Um oficial desses vai aplicar o RDM a quem? No meu tempo, um gajo desses, sem a autoridade moral para o que fosse, sujeitava-se era a umas boas pauladas num canto escuro se se quisesse armar em moralista de repente.
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7640
  • Recebeu: 596 vez(es)
  • Enviou: 195 vez(es)
  • +236/-624
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #37 em: Janeiro 06, 2011, 09:55:00 pm »
"Os partidos ao deixarem entrar gente que quer subir na vida fácilmente e sem mérito transformaram-se em associações de malfeitores. O pior é que isso contaminou o resto da sociedade e hoje temos gente reles e sem qualidade a ocupar as mais elevadas funções do estado e espalhadas em todas as instituições."

Ora aí está, Zawevo.
Da análise que faço de tudo isto é que "o espírito dos tempos" e a cultura nacional não estão aptas para forças especiais ou profissionais, Principalmente devido falta de ética de trabalho e conduta, começando no Primeiro Ministro (para não falar no PR que o tenho como um mero parolo e quando muito um chiquito esperto). O sistema educativo que moldou a juventude que pretende ingressar nas forças armadas é disso exemplo. A cultura da irresponsabilidade também é aqui decisiva. A bandalheira na Justiça assim o demonstra.
Depis temos o carreirismo político e a malandrice que resulta de um sistema que não exige esforço. Basta ver os oficiais de topo que, além de não parecerem ser capazes de esboçar um raciocínio mais profundo - ou pleo menos directo e viril - são mais dados a rodriguinhos de aparatchik partidário. Típico de carreirista de tacho. E são barrigudos.

Ou seja, perante o discurso que um país alegadamente pobre (pois sim!) como o nosso que só pode ter poucas tropas mas de qualidade, o que se vê é que alegadas tropas de qualidade são uma mera farsa que pelos vistos apenas existem para justificar lugares de oficiais superiores (e eventualmente assim se garantir uma pax militare) e contingentes para servirem como material ao serviço de uma alegada política externa que eu ainda não percebi muito bem onde pretende chegar.
Pelos vistos esta gente que manda encara os militares como o Kissinger, que os vê como "dumb, stupid animals to be used" as pawns for foreign policy

A situação parece ser esta:

Capital Humano deficiente em qualidade e quantidade;
Material obsoleto e em reduzida quantidade;
Estrutura pesada, burocrática e ineficiente;
Cultura e ética mediocres.

Não devo andar longe da verdade, aposto.
Isto é MUITO grave!
Um pais fraco como o nosso não se pode dar ao luxo disto.
Se é que isto ainda é um país, claro.


Já agora, Martelo, fiz a tropa no castelo da Vila da Feira.  :wink:
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1583
  • Recebeu: 417 vez(es)
  • Enviou: 303 vez(es)
  • +193/-758
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #38 em: Janeiro 06, 2011, 10:12:00 pm »
Citação de: "typhonman"
Uma vergonha, mas o que esperar de pessoal que já andava na má vida antes de entrar nos comandos ?

O crivo tem de funcionar efectivamente.....


Typhonman, eu, no meu curso, tinha pessoal de todo o sitio mal afamado. Desde gandins da Pedreira dos Húngaros ao Pica Pau, passando pelo Casal Ventoso ou a Cova da Moura. Nunca houve um caso que fosse de faltar nada a ninguém. O "esfreganço" do curso e a capacitação de que eramos um grupo e que sem o grupo nada eramos, limou tudo o que havia para limar e os que não se capacitaram disso foram excluidos (alguns na última semana de curso, quando já todos pensavamos que estava feito). Já na Base, quando passámos a receber um salário razoável (pouco mais de 40 contos) íamos à secretaria receber o dinheiro que era pago quase todo em notas de 2.000$00. Levavamos o ordenado para os cotés, cada um tirava uma nota de 2 contos do seu salário e íamos para o bar esturar a nota entre nós (geralmente uma grade de cervejas era 1.200$00 e o resto era para uma garrafa de Martini ou outra coisa do género) e deixavamos o dinheiro nos cotés dentro dos cacifos e nem cadeado usavamos. Nunca nada desapareceu. Pessoal a quem ainda hoje basta telefonar e está ali ao lado.

Por incrível que pareça, os pequenos roubos começaram com o aparecimento dos "meninos de bem" com os seus A3 oferecidos pelos papás e de Ralf Lauren e com a aliviar da instrução ministrada mas isso são outros 500....

O maior e melhor crivo é uma instrução duríssima. Endireita até o mais gandim. Se ela não tiver força para isso não é depois de ter uma boina na cabeça que o gajo vai ao sitio.
« Última modificação: Janeiro 06, 2011, 10:13:38 pm por FoxTroop »
 

*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2215
  • Recebeu: 62 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +28/-0
    • http://forumdefesa.com
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #39 em: Janeiro 06, 2011, 10:12:28 pm »
Deixo-vos com um pequeno excerto de um trabalho que muito recentemente conclui sobre Ética Militar:

Citar
Em relação aos dilemas éticos e morais em situações de combate o mais provável é que aquilo que foi incutido ao soldado é aquilo que prevalecerá. Incutido refere-se ao reconhecimento do que está certo e errado, e que nos foi sendo transmitido pela família e pela própria sociedade desde criança. Esta compreensão converte-se num reflexo e num guia das nossas acções quando não somos capazes ou quando não temos tempo para pensar e reflectir. É assim em combate. O treino militar, para perceber e actuar de acordo com as leis da guerra, é a última fase em que o comportamento ético e moral do soldado se baseia.

Por outro lado, a maior parte dos indivíduos quando ingressam nas forças armadas já têm uma percepção do que está certo e errado. A ética já orienta as suas acções! Esta profunda e fundamental compreensão do certo e do errado, e suas acções consequentes virão ao de cima quando as situações surgirem, influenciadas em maior ou menor forma pelo treino militar recebido.

No seu livro "Moral issues in military decision making" o Coronel Anthony E. Harlte estabeleceu três factores que determinam a Ética Profissional Militar:

1.   A sociedade
2.   Os requisitos da profissão militar
3.   O direito internacional

Quando estes três factores são interiorizados na conduta individual dos soldados numa batalha ou em qualquer outra operação militar, estas serão a coluna vertebral que irá guiar as suas acções.

A influência da sociedade na Ética Profissional Militar dá-se de duas formas: em primeiro lugar através da influência formal sobre os padrões estabelecidos para os militares. Em segundo lugar pelas vias informais que a sociedade tem de influenciar o individuo, cujos valores são depois trazidos para o interior da instituição militar, continuando esta a influenciá-lo durante a sua permanência ao serviço.

Assim sendo, é legítimo questionar qual das duas influências é a mais importante?

Sem dúvida alguma a formal, dado que define as normas formais e escritas.

Quando a diferença entre os valores formais da sociedade (nas Forças Armadas, a Ética Profissional Militar e as ROE) e os valores éticos individuais aumenta, as pessoas tendem a ficar confusas. Este conflito pode não ser visível nem na camarata nem no treino, mas pode ser visível nas violações do código de conduta durante situações stressantes.

O grande desafio de hoje na nossa sociedade é que é muito difícil considerar que algo está certo ou errado por todos. A fragmentação da cultura nas últimas décadas teve um grande impacto na sociedade. Uma das consequências é que cada um é livre para definir o seu próprio entendimento do que está certo ou errado.

A solução para a sociedade está em cada vez mais leis pormenorizadas, para além de mecanismos que sejam capazes de as fazer cumprir. Estamos a tentar compensar a falta de bases éticas para um comportamento moral aceitável, com regras pormenorizadas para nos guiarem. Curiosamente, essa mesma sociedade espera que os seus soldados obedeçam a diferentes tipos de regras fixas (leis da guerra, ROE), mas ao mesmo tempo e das mais diversas formas, essa mesma sociedade expressa que tudo é relativo.
Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7640
  • Recebeu: 596 vez(es)
  • Enviou: 195 vez(es)
  • +236/-624
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #40 em: Janeiro 06, 2011, 10:41:01 pm »
Esse texto é excelente.

Meus senhores: ESTE é que é o tipo de questões de fundo que nos devem preocupar, mais que os acessórios.
Mas creio que cada vez mais os foristas estão a despertar cada vez mais para a importância do que é FUNDAMENTAL (de fundação, bases, alicerces, aquilo onde tudo assenta).
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

carlospires

  • Membro
  • *
  • 43
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #41 em: Janeiro 07, 2011, 02:58:33 am »
Pelos vistos já há novos desenvolvimentos sobre este triste assunto...


TVI 24 horas:

"As autoridades suspeitam que quem roubou as armas de guerra, na Carregueira, foi um grupo de militares ligados ao tráfico de armas. Os suspeitos pertencem aos Comandos e aos pára-quedistas.

Para chegar às armas foi preciso passar por um rigoroso sistema de segurança, com códigos, alarmes e vigilância 24 horas por dia. Um acesso restrito, pelo que todos os passos estão registados.

350 militares continuam retidos no quartel da Carregueira, onde estão a ser interrogados."

Vamos deixar a PJM trabalhar e depois se tirarão as conclusoes  e ilaçoes que há a tirar.
 :G-bigun:
Carlos Pires
mama sumae
 

*

chaimites

  • 1663
  • Recebeu: 61 vez(es)
  • Enviou: 2 vez(es)
  • +1297/-0
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #42 em: Janeiro 07, 2011, 08:28:21 am »
Citar
Armas furtadas. Ladrão conhecia códigos de acesso à arrecadação
por André Rito, Publicado em 07 de Janeiro de 2011  

O dia escolhido para o furto não foi por acaso. Durante o período de Natal, uma boa parte dos militares ao serviço no Quartel da Carregueira estava a gozar uns dias de férias. Noutra altura do ano, dificilmente alguém conseguiria sair da unidade, que serve de abrigo aos Comandos portugueses, com dez armas de guerra sem levantar suspeitas. A arrecadação onde estão guardadas é um lugar de acesso restrito e vigiado: poucos militares podem atravessar as portas blindadas que a protegem, e os códigos de acesso e a desactivação do alarme são conhecidos apenas pelos mais graduados. Mesmo assim, entre 23 de Dezembro e a passada segunda-feira, alguém furou o sistema de segurança,

 "Estamos a falar de uma zona de acesso muito limitado, com portas blindadas e fechaduras de alta segurança", garante ao i o general Loureiro dos Santos.

Há fortes indícios de que o furto tenha sido cometido por alguém de dentro, conhecedor das rotinas de segurança do espaço. A possibilidade de alguém ter tido acesso indevido aos códigos não estará a ser descartada pelos investigadores. "Até porque todas as entradas e saídas da arrecadação ficam registadas em nome do titular do código", avança fonte militar. Em casos de emergência - quando, por exemplo, os diferentes titulares dos códigos se encontram fora do quartel - existe um envelope lacrado com os vários códigos disponíveis

É neste cenário que a PJM estará a trabalhar: quem furtou as armas era conhecedor do espaço e estava "consciente de que a descoberta só aconteceria vários dias depois". Contactado pelo i, o general Duarte Reis, director da Polícia Judiciária Militar, limitou-se a dizer que as investigações estão a decorrer, recusando-se a avançar mais pormenores. "Temos o número de elementos necessário para investigar. Os procedimentos são semelhantes à investigação de um crime que envolve civis: procuram-se indícios, seguem-se pistas, interrogam-se pessoas e testemunhas."

Parte dos 300 militares que se encontram no quartel da Carregueira integra a 3.a Companhia de Comandos, tendo recebido o crachá da unidade no passado dia 17 de Dezembro.


 

*

corapa

  • 261
  • +0/-0
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #43 em: Janeiro 07, 2011, 09:39:39 am »
Citar
deixavamos o dinheiro nos cotés dentro dos cacifos e nem cadeado usavamos. Nunca nada desapareceu. Pessoal a quem ainda hoje basta telefonar e está ali ao lado.


Em 1988 na minha Comp Cmds as praças eram obrigadas a deixar os armarios abertos e nunca desapareceu nada.
Hoje em dia, mesmo fechados desaparecem coisas, em qualquer unidade.

O texto do Jorge Pereira é elucidativo e mostra como evoluiu a sociedade em termos de valores, ou melhor da falta deles.
O que dantes era inaceitavel e condenavel hoje é comum.
Por isso e que hoje se engana, rouba e até mata cada vez mais, pois quem o faz não o vê como um grave crime em termos morais, mas como uma coisa normal.
E isso acontecia apenas nos países subdesenvolvidos, e por necessidade o que me faz crer que em vez de evoluir, regredimos

Quero chamar a atenção para outra coisa, não acreditem em tudo o que leem nos jornais ou veem na TV.
Eu costumo dizer por experiencia própria - e podia dar aqui enumeros exemplos de casos - que no minimo, 50% do que eles dizem ou escrevem é mentira.
Basta ver o CM que ainda ontem eram umas armas e hoje já são outras.

Não tenho duvidas que os culpados hão-de ser encontrados, agora quanto às armas já depende do motivo porque as roubaram e dizer que foi por isto ou aquilo, todos temos a liberdade para o fazer, mas são apenas especulações.

 :G-beer2:
 

*

Desertas

  • Perito
  • **
  • 338
  • +0/-0
Re: Roubo de armas nos Comandos?
« Responder #44 em: Janeiro 07, 2011, 09:54:11 am »
Citação de: "corapa"


Quero chamar a atenção para outra coisa, não acreditem em tudo o que leem nos jornais ou veem na TV.
Eu costumo dizer por experiencia própria - e podia dar aqui enumeros exemplos de casos - que no minimo, 50% do que eles dizem ou escrevem é mentira.
Basta ver o CM que ainda ontem eram umas armas e hoje já são outras.

Não tenho duvidas que os culpados hão-de ser encontrados, agora quanto às armas já depende do motivo porque as roubaram e dizer que foi por isto ou aquilo, todos temos a liberdade para o fazer, mas são apenas especulações.


Concordo plenamente . Os meios de comunocaçáo em Portugal por vezes não fazem os trabalhos de casa e publicam o que acham estar correcto.
Quanto a todas as especulações que têem vindo a ser feitas pelos mídia ao longo deste processo , julgo que não ajudam em nada a investigação .


Um Abraço
God and the soldier all men adore
in time of trouble and no more
for when war is over and all things righted
God is neglected and the old soldiers slighted