F-16 ex-FAP

  • 292 Respostas
  • 74245 Visualizações
*

Crypter

  • Especialista
  • ****
  • 1133
  • Recebeu: 184 vez(es)
  • Enviou: 208 vez(es)
  • +26/-6
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #255 em: Julho 16, 2018, 11:38:31 am »
Citar
Portugal vai vender mais cinco caças F16 à Roménia
Governo português já vendeu 12 caças F16 aos romenos nos últimos anos, num negócio de 180 milhões de euros. Agora deverá vender mais cinco destas aeronaves, revelou o ministro da Defesa da Roménia.

16 DE JULHO DE 2018, ÀS 10:32

Governo português já vendeu 12 caças F16 aos romenos nos últimos anos, num negócio de 180 milhões de euros. Agora deverá vender mais cinco destas aeronaves, revelou o ministro da Defesa da Roménia.

Portugal deverá vender mais cinco caças F16 à Roménia, isto depois de a Força Aérea romena ter adquirido 12 destes aviões ao Governo português nos últimos anos num negócio avaliado em 181 milhões de euros.

Foi o ministro da Defesa da Roménia, Mihai Fifor, quem revelou que ambos os governos tiveram conversações nos últimos meses no sentido de reforçar a Força Aérea romena com mais F16. “Há alguns dias, o secretário de Estado Mircea Dusa realizou uma visita a Portugal. Teve uma conversa lá e eu continuei-a na Cimeira da Nato com os parceiros portugueses para completar o nosso esquadrão de F16. E vamos discutir no futuro sobre 36 caças F16 que queremos comprar para a Força Aérea romena”, adiantou Fifor citado pela BBC.

Em 2013, Portugal celebrou um contrato com os romenos para a venda de 12 caças F16 por 181 milhões de euros, resultando num encaixe líquido para as contas nacionais de 78 milhões de euros. Estas alienações enquadram-se na lei de programação militar desde 2006, depois de as autoridades portuguesas terem decidido vender parte das 39 aeronaves da sua frota.

Em setembro de 2016, após a entrega dos primeiros aviões ao Governo romeno, o ministro da Defesa nacional, Azeredo Lopes, disse que Portugal não estava em condições de vender mais F16 (de origem norte-americana), dado que a Força Aérea nacional dispunha já do número adequado de aeronaves para fazer face às suas responsabilidades operacionais.

Na altura, Azeredo Lopes adiantou que Portugal tem interesse em manter esta parceria, indicando que o país poderia comprar “carcaças” aos EUA e proceder à atualização dos equipamentos, isto no caso de os norte-americanos não estiverem disponíveis parar vender estas aeronaves.

Fonte: https://www.sapo.pt/noticias/economia/portugal-vai-vender-mais-cinco-cacas-f16-a_5b4c66cb3202e8e67d0129f1
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 1217
  • Recebeu: 44 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +56/-821
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #256 em: Julho 19, 2018, 02:49:59 pm »
Ministro confirma: Portugal vende cinco caças F-16 à Roménia
https://www.sapo.pt/noticias/generalista/ministro-confirma-portugal-vende-cinco-cacas-_5b508bf52dc51cfc0257792c

Citar
O Ministério da Defesa confirmou hoje que vai vender mais cinco F-16 à Roménia e adiantou que as aeronaves a alienar sairão do “inventário nacional”.O Ministério da Defesa confirmou hoje que vai vender mais cinco F-16 à Roménia e adiantou que as aeronaves a alienar sairão do “inventário nacional”.

O Ministério da Defesa confirmou esta quinta-feira que vai vender mais cinco F-16 à Roménia e adiantou que as aeronaves a alienar sairão do “inventário nacional”, sendo repostas por outras compradas aos EUA e atualizadas em Portugal.

“Tal como no programa anterior, as aeronaves a alienar fazem parte do inventário nacional, sendo repostas por aeronaves adquiridas aos EUA que são sujeitas a um programa de atualização, `Mid-Life Upgrade´, conduzido pela Força Aérea Portuguesa e pela Indústria de Defesa Nacional”, respondeu o Ministério da Defesa, a uma pergunta enviada pela agência Lusa.

Após um “pedido de informação” da Força Aérea da Roménia, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, deu despacho favorável ao seguimento do processo e a “Força Aérea Portuguesa respondeu à congénere romena” que “haveria a possibilidade de fornecer até cinco aeronaves adicionais”, é referido na resposta do Ministério da Defesa.

A alienação daquelas aeronaves exigirá um processo negocial com os EUA, fabricante, que ainda não está concluído, admitiram à Lusa fontes militares e da Defesa Nacional.

Por essa razão, segundo as mesmas fontes, não está ainda definido o planeamento ou a calendarização do novo processo de alienação das aeronaves, sendo certo que a Roménia já manifestou que quer concretizar a compra o mais rapidamente possível.

A intenção foi reforçada junto do Governo português pelo secretário de Estado romeno Mircea Dusa, que esteve na semana anterior em Portugal.

Na resposta enviada à Lusa, o Ministério da Defesa português sublinha que o anterior processo de alienação de 12 aeronaves F-16 para a Roménia, nove monolugares e três bi-lugares, conduzido por Portugal e com o apoio dos EUA, conheceu um sucesso notável” que foi “amplamente reconhecido por todas as partes”.

Após o programa de alienação dos 12 F-16 à Roménia, Portugal ficou com 30 destas aeronaves.
Citado na imprensa internacional, o ministro da Defesa da Roménia, Mihai Fifor, afirmou na segunda-feira, em conferência de imprensa no Ministério, que irá apresentar até ao fim do ano uma iniciativa legislativa no parlamento romeno visando a compra de mais cinco caças, quatro mono-lugares e um bi-lugar, para completar a esquadra de 12 F-16 comprados a Portugal.

O ministro romeno disse que, além dos cinco novos F-16, quer comprar mais 36, visando a substituição integral dos caças de origem russa MiG-21, cujos voos estão, aliás, suspensos até se concluírem as investigações a um acidente com um MiG-21 Lancer que vitimou o piloto, durante um festival aéreo na Roménia no passado dia 07.

O programa da venda de 12 F-16 à Roménia incluiu a formação e treino de cerca de 84 militares romenos, entre pilotos, técnicos e mecânicos entre 2014 e 2018, a preparação e modernização das aeronaves e o envio de uma equipa portuguesa de formação e suporte para apoiar a Força Aérea romena durante dois anos.
A Vida é um teste e uma incumbência de  confiança.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 4281
  • Recebeu: 2043 vez(es)
  • Enviou: 782 vez(es)
  • +555/-71
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #257 em: Julho 19, 2018, 07:00:44 pm »
Ministro confirma: Portugal vende cinco caças F-16 à Roménia
https://www.sapo.pt/noticias/generalista/ministro-confirma-portugal-vende-cinco-cacas-_5b508bf52dc51cfc0257792c

Citar
O Ministério da Defesa confirmou hoje que vai vender mais cinco F-16 à Roménia e adiantou que as aeronaves a alienar sairão do “inventário nacional”.O Ministério da Defesa confirmou hoje que vai vender mais cinco F-16 à Roménia e adiantou que as aeronaves a alienar sairão do “inventário nacional”.

Not a valid vimeo URL[/vimeo]Após um “pedido de informação” da Força Aérea da Roménia, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, deu despacho favorável ao seguimento do processo e a “Força Aérea Portuguesa respondeu à congénere romena” que “haveria a possibilidade de fornecer até cinco aeronaves adicionais”, é referido na resposta do Ministério da Defesa.

A alienação daquelas aeronaves exigirá um processo negocial com os EUA, fabricante, que ainda não está concluído, admitiram à Lusa fontes militares e da Defesa Nacional.

Por essa razão, segundo as mesmas fontes, não está ainda definido o planeamento ou a calendarização do novo processo de alienação das aeronaves, sendo certo que a Roménia já manifestou que quer concretizar a compra o mais rapidamente possível.

A intenção foi reforçada junto do Governo português pelo secretário de Estado romeno Mircea Dusa, que esteve na semana anterior em Portugal.

Na resposta enviada à Lusa, o Ministério da Defesa português sublinha que o anterior processo de alienação de 12 aeronaves F-16 para a Roménia, nove monolugares e três bi-lugares, conduzido por Portugal e com o apoio dos EUA, conheceu um sucesso notável” que foi “amplamente reconhecido por todas as partes”.

Após o programa de alienação dos 12 F-16 à Roménia, Portugal ficou com 30 destas aeronaves.
Citado na imprensa internacional, o ministro da Defesa da Roménia, Mihai Fifor, afirmou na segunda-feira, em conferência de imprensa no Ministério, que irá apresentar até ao fim do ano uma iniciativa legislativa no parlamento romeno visando a compra de mais cinco caças, quatro mono-lugares e um bi-lugar, para completar a esquadra de 12 F-16 comprados a Portugal.

O ministro romeno disse que, além dos cinco novos F-16, quer comprar mais 36, visando a substituição integral dos caças de origem russa MiG-21, cujos voos estão, aliás, suspensos até se concluírem as investigações a um acidente com um MiG-21 Lancer que vitimou o piloto, durante um festival aéreo na Roménia no passado dia 07.

O programa da venda de 12 F-16 à Roménia incluiu a formação e treino de cerca de 84 militares romenos, entre pilotos, técnicos e mecânicos entre 2014 e 2018, a preparação e modernização das aeronaves e o envio de uma equipa portuguesa de formação e suporte para apoiar a Força Aérea romena durante dois anos.

e porque não ir vendendo os F16 e substituindo-os por aeronaves da versão V ????
Não seria melhor para nós, desde que se mantivessem os já parcos 30 ?

https://www.lockheedmartin.com/en-us/products/f-16/f-16-block-70.html

https://thedefensepost.com/2018/04/28/greece-upgrade-85-f-16-fighter-jets-viper/



Abraços
« Última modificação: Julho 19, 2018, 07:13:49 pm por tenente »
 

*

Stalker79

  • Especialista
  • ****
  • 1095
  • Recebeu: 226 vez(es)
  • Enviou: 1092 vez(es)
  • +105/-11
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #258 em: Julho 20, 2018, 12:44:47 am »
Nem os 500 milhões de € para os upgrades dos que cá estão quanto mais comprar V´s novos....
 :-\
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 4281
  • Recebeu: 2043 vez(es)
  • Enviou: 782 vez(es)
  • +555/-71
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #259 em: Julho 20, 2018, 06:09:31 am »
Nem os 500 milhões de € para os upgrades dos que cá estão quanto mais comprar V´s novos....
 :-\

Pois não porque existem as CATIVAÇÕES, basta fazer as contas aos orçamentos de cada Ramo das FFAA, juntando-os ver o que sobra em relação aos 1,32% do PIB e deduzir para onde foi o que lá deveria estar e não está, a seguir, somar a parcela referente aos investimentos e............ver a chulice que para aqui vai, as centenas, sim centenas de milhões que anualmente fogem do dito orçamento e ver o que se poderia adquirir/melhorar com essas quantias !!!!

Este discurso faz-me lembrar as nossas FND e outras intervenções a cargo da ONU e afins onde alguns ainda dizem que os custos são pagos na integra por essas organizações............olhem para os items do orçamento das FFAA e tirem as conclusões devidas !

https://www.tsf.pt/economia/interior/oe2018-defesa-com-21513-me-mais-75-face-a-estimativa-de-2017-8842435.html

Abraços
« Última modificação: Julho 20, 2018, 06:14:29 am por tenente »
 

*

oi661114

  • Membro
  • *
  • 150
  • Recebeu: 29 vez(es)
  • Enviou: 152 vez(es)
  • +15/-182
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #260 em: Julho 20, 2018, 03:11:59 pm »
Estou a ver o filme, tiram 5 da FA para vender e a reposição fica em águas de bacalhau... :(
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente, jorgeshot1, Stalker79

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 4281
  • Recebeu: 2043 vez(es)
  • Enviou: 782 vez(es)
  • +555/-71
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #261 em: Julho 20, 2018, 03:40:49 pm »
Estou a ver o filme, tiram 5 da FA para vender e a reposição fica em águas de bacalhau... :(

És bem capaz de ter razão !!!!!
Lá vamos ficar com 24/25 aeronaves .

Abraços
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15126
  • Recebeu: 1050 vez(es)
  • Enviou: 983 vez(es)
  • +177/-170
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #262 em: Julho 20, 2018, 03:59:01 pm »
A mim dá-me 28 caças F-16 AM/BM.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

asalves

  • Perito
  • **
  • 455
  • Recebeu: 155 vez(es)
  • Enviou: 56 vez(es)
  • +21/-8
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #263 em: Julho 20, 2018, 04:36:44 pm »
Segundo o pássaro de ferro neste momento ainda só temos 27 disponíveis.

Citar
Ao contrário do que sucedeu com a primeira encomenda para a Roménia, em que nove aeronaves estavam no mercado como excedentes, a frota em uso na Força Aérea Portuguesa está actualmente reduzida ao número considerado ideal para as necessidades nacionais (30 células). Na verdade está ainda abaixo desse número, dado que as três células adquiridas aos EUA para completar as três dezenas definidas, não foram ainda entregues à FAP pela OGMA, onde se encontram em processo de modernização.
http://www.passarodeferro.com/2018/07/f-16-para-romenia-sairao-da-fap.html
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 4281
  • Recebeu: 2043 vez(es)
  • Enviou: 782 vez(es)
  • +555/-71
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #264 em: Julho 20, 2018, 05:07:21 pm »
Segundo o pássaro de ferro neste momento ainda só temos 27 disponíveis.

Citar
Ao contrário do que sucedeu com a primeira encomenda para a Roménia, em que nove aeronaves estavam no mercado como excedentes, a frota em uso na Força Aérea Portuguesa está actualmente reduzida ao número considerado ideal para as necessidades nacionais (30 células). Na verdade está ainda abaixo desse número, dado que as três células adquiridas aos EUA para completar as três dezenas definidas, não foram ainda entregues à FAP pela OGMA, onde se encontram em processo de modernização.
http://www.passarodeferro.com/2018/07/f-16-para-romenia-sairao-da-fap.html

OKAPA, então quando escrevi que ficávamos com 24/25 aeronaves se os possíveis cinco fossem vendidos á Roménia sem substituição estava certo, obrigado pela clarificação.

Abraços
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4176
  • Recebeu: 264 vez(es)
  • Enviou: 268 vez(es)
  • +54/-14
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #265 em: Julho 21, 2018, 08:20:39 am »
Segundo o pássaro de ferro neste momento ainda só temos 27 disponíveis.

Citar
Ao contrário do que sucedeu com a primeira encomenda para a Roménia, em que nove aeronaves estavam no mercado como excedentes, a frota em uso na Força Aérea Portuguesa está actualmente reduzida ao número considerado ideal para as necessidades nacionais (30 células). Na verdade está ainda abaixo desse número, dado que as três células adquiridas aos EUA para completar as três dezenas definidas, não foram ainda entregues à FAP pela OGMA, onde se encontram em processo de modernização.
http://www.passarodeferro.com/2018/07/f-16-para-romenia-sairao-da-fap.html

OKAPA, então quando escrevi que ficávamos com 24/25 aeronaves se os possíveis cinco fossem vendidos á Roménia sem substituição estava certo, obrigado pela clarificação.

Abraços

Acredito que o PAII seja para despachar por completo!

Agora será que o dinheiro da venda não ficará no banco à espera de melhores dias?
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 3069
  • Recebeu: 133 vez(es)
  • Enviou: 11 vez(es)
  • +129/-32
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #266 em: Julho 21, 2018, 11:47:23 pm »
Segundo o pássaro de ferro neste momento ainda só temos 27 disponíveis.

Citar
Ao contrário do que sucedeu com a primeira encomenda para a Roménia, em que nove aeronaves estavam no mercado como excedentes, a frota em uso na Força Aérea Portuguesa está actualmente reduzida ao número considerado ideal para as necessidades nacionais (30 células). Na verdade está ainda abaixo desse número, dado que as três células adquiridas aos EUA para completar as três dezenas definidas, não foram ainda entregues à FAP pela OGMA, onde se encontram em processo de modernização.
http://www.passarodeferro.com/2018/07/f-16-para-romenia-sairao-da-fap.html

OKAPA, então quando escrevi que ficávamos com 24/25 aeronaves se os possíveis cinco fossem vendidos á Roménia sem substituição estava certo, obrigado pela clarificação.

Abraços

Acredito que o PAII seja para despachar por completo!

Agora será que o dinheiro da venda não ficará no banco à espera de melhores dias?

O ideal seria vender os 30 F-16MLU e comprar um mix F-16V+F-35A.

Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele
 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 5506
  • Recebeu: 1132 vez(es)
  • Enviou: 604 vez(es)
  • +383/-136
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #267 em: Julho 22, 2018, 01:26:13 pm »
Segundo o pássaro de ferro neste momento ainda só temos 27 disponíveis.

Citar
Ao contrário do que sucedeu com a primeira encomenda para a Roménia, em que nove aeronaves estavam no mercado como excedentes, a frota em uso na Força Aérea Portuguesa está actualmente reduzida ao número considerado ideal para as necessidades nacionais (30 células). Na verdade está ainda abaixo desse número, dado que as três células adquiridas aos EUA para completar as três dezenas definidas, não foram ainda entregues à FAP pela OGMA, onde se encontram em processo de modernização.
http://www.passarodeferro.com/2018/07/f-16-para-romenia-sairao-da-fap.html

OKAPA, então quando escrevi que ficávamos com 24/25 aeronaves se os possíveis cinco fossem vendidos á Roménia sem substituição estava certo, obrigado pela clarificação.

Abraços

Acredito que o PAII seja para despachar por completo!

Agora será que o dinheiro da venda não ficará no banco à espera de melhores dias?

O ideal seria vender os 30 F-16MLU e comprar um mix F-16V+F-35A.
Deixem ver se percebi... Não devemos comprar Kc390 para já (em alguns casos à quem diga nunca) porque é novo, ainda por testar e pode trazer problemas técnicos inesperados numa aeronave ainda em desenvolvimento face ao C130J com provas dadas, etc, etc, e vamos comprar o F35A, que além do preço, são problemas atrás de problemas (mas vale só comprarmos o F16V, pelo menos está numa plataforma que já nada tem a provar)?  ::) ;)

https://breakingdefense.com/2018/01/f-35-problems-late-iote-f-35a-gun-inaccurate-f-35b-tires-threat-data-cyber/
Citar
WASHINGTON: Perhaps the most damning thing a director of Operational Test and Evaluation can say about a weapon is that it is not “operationally suitable.”

Here’s what the new DOTE, Robert Behler, says about the F-35 Joint Strike fighter in his office’s latest annual report:

The operational suitability of the F-35 fleet remains below requirements and is dependent on work-arounds that would not meet Service expectations in combat situations (emphasis added). Over the previous year, most suitability metrics have remained nearly the same, or have moved only within narrow bands which are insufficient to characterize a change in performance.
Overall fleet-wide monthly availability rates remain around 50 percent, a condition that has existed with no significant improvement since October 2014, despite the increasing number of new aircraft. One notable trend is an increase in the percentage of the fleet that cannot fly while awaiting replacement parts – indicated by the Not Mission Capable due to Supply rate.
Reliability growth has stagnated. It is unlikely that the program will achieve the JSF ORD (Operational Requirements Document) threshold requirements at maturity for the majority of reliability metrics. Most notably, the program is not likely to achieve the Mean Flight Hours Between Critical Failures threshold without redesigning aircraft components (emphasis added).
While the majority of the testing done occurred before Behler was approved by the Senate, he says in his introduction to the annual report that he reviewed the contents — and you can be sure he reviewed the F-35 information especially closely.

Among the other significant issues the program faces, the program is unlikely to enter the legally-required Initial Operational Test and Evaluation (IOT&E) milestone until late this year because developmental testing may not finish until as late as this May.

The biggest problem it faces right now are ones that have been remarkably persistent. Here’s what Michael Gilmore, the previous DOTE, told the House Armed Services Committee in March 2016:

“Significant, correctable deficiencies exist in the U.S. Reprogramming Laboratory (USRL) that will preclude development and adequate testing of effective mission data loads for (software) Block 3F.”

Those problems have not changed much, according to Behler’s report:

“The U.S. Reprogramming Laboratory (USRL) continues to operate with cumbersome software tools and outdated or incomplete hardware. The lab began creating Block 3F mission data les (MDFs) in the summer of 2017, and it will take 12 to 15 months to deliver a fully-verified mission data load (MDL), made up of a compilation of MDFs, for IOT&E.” This is the F-35’s threat library, with which Breaking D readers are very familiar.

The ALIS logistics and planning system remains vulnerable to cyber attacks, Behler writes. They and the threat to the system are so bad “the F-35 program and Services should conduct testing of aircraft operations without access to ALIS for extended periods of time.” Behler says the plane can operate up to 30 days at a time without hooking up to ALIS. We hear the program is doing all it can to plug the cyber vulnerabilities. While there is certainly an endless cycle of threat, fix, new threat, fix etc, ALIS has been identified as an important cyber vulnerability for the F-35 for years and the program must do something to alter this cycle.





Cumprimentos
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: oi661114

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 4281
  • Recebeu: 2043 vez(es)
  • Enviou: 782 vez(es)
  • +555/-71
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #268 em: Julho 22, 2018, 02:35:21 pm »
Ministro confirma: Portugal vende cinco caças F-16 à Roménia
https://www.sapo.pt/noticias/generalista/ministro-confirma-portugal-vende-cinco-cacas-_5b508bf52dc51cfc0257792c

Citar
O Ministério da Defesa confirmou hoje que vai vender mais cinco F-16 à Roménia e adiantou que as aeronaves a alienar sairão do “inventário nacional”.O Ministério da Defesa confirmou hoje que vai vender mais cinco F-16 à Roménia e adiantou que as aeronaves a alienar sairão do “inventário nacional”.

Not a valid vimeo URL[/vimeo]Após um “pedido de informação” da Força Aérea da Roménia, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, deu despacho favorável ao seguimento do processo e a “Força Aérea Portuguesa respondeu à congénere romena” que “haveria a possibilidade de fornecer até cinco aeronaves adicionais”, é referido na resposta do Ministério da Defesa.

A alienação daquelas aeronaves exigirá um processo negocial com os EUA, fabricante, que ainda não está concluído, admitiram à Lusa fontes militares e da Defesa Nacional.

Por essa razão, segundo as mesmas fontes, não está ainda definido o planeamento ou a calendarização do novo processo de alienação das aeronaves, sendo certo que a Roménia já manifestou que quer concretizar a compra o mais rapidamente possível.

A intenção foi reforçada junto do Governo português pelo secretário de Estado romeno Mircea Dusa, que esteve na semana anterior em Portugal.

Na resposta enviada à Lusa, o Ministério da Defesa português sublinha que o anterior processo de alienação de 12 aeronaves F-16 para a Roménia, nove monolugares e três bi-lugares, conduzido por Portugal e com o apoio dos EUA, conheceu um sucesso notável” que foi “amplamente reconhecido por todas as partes”.

Após o programa de alienação dos 12 F-16 à Roménia, Portugal ficou com 30 destas aeronaves.
Citado na imprensa internacional, o ministro da Defesa da Roménia, Mihai Fifor, afirmou na segunda-feira, em conferência de imprensa no Ministério, que irá apresentar até ao fim do ano uma iniciativa legislativa no parlamento romeno visando a compra de mais cinco caças, quatro mono-lugares e um bi-lugar, para completar a esquadra de 12 F-16 comprados a Portugal.

O ministro romeno disse que, além dos cinco novos F-16, quer comprar mais 36, visando a substituição integral dos caças de origem russa MiG-21, cujos voos estão, aliás, suspensos até se concluírem as investigações a um acidente com um MiG-21 Lancer que vitimou o piloto, durante um festival aéreo na Roménia no passado dia 07.

O programa da venda de 12 F-16 à Roménia incluiu a formação e treino de cerca de 84 militares romenos, entre pilotos, técnicos e mecânicos entre 2014 e 2018, a preparação e modernização das aeronaves e o envio de uma equipa portuguesa de formação e suporte para apoiar a Força Aérea romena durante dois anos.

e porque não ir vendendo os F16 e substituindo-os por aeronaves da versão V ????
Não seria melhor para nós, desde que se mantivessem os já parcos 30 ?

https://www.lockheedmartin.com/en-us/products/f-16/f-16-block-70.html

https://thedefensepost.com/2018/04/28/greece-upgrade-85-f-16-fighter-jets-viper/



Abraços

Mafets, também penso ser a melhor opção para nós um País de tesos !!!!
Venham de lá os F16 Victor
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 3069
  • Recebeu: 133 vez(es)
  • Enviou: 11 vez(es)
  • +129/-32
Re: F-16 ex-FAP
« Responder #269 em: Julho 22, 2018, 03:12:42 pm »
O que se fala na FAP a este nível é " se não és interoperável com os teus parceiros NATO, não contribuis, logo não serves para muito", basta ver as EPAF e concluir que:

Holanda -> F-35A

Noruega -> F-35A

Dinamarca -> F-35A

Bélgica-> Ainda nada decidido, mas tudo aponta para F-35A.

Portugal, como sempre, 1 passo atrás, F16MLU ou com muita sorte F-16V.

Daí apostar:

- 10 a 12 F-35A

- 20 F-16V, aviões do PAI, modernizados.

Aeronaves geração 4++ e 5, sendo que o F-35A, nos poderá incluir nas missões NATO, e os F-16V, cumprir as missões nacionais, de defesa aérea, TASMO, CAS e interdição.

Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele