Sector Aeroportuario/Aeronautica

  • 256 Respostas
  • 44970 Visualizações
*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6095
  • Recebeu: 2739 vez(es)
  • Enviou: 1225 vez(es)
  • +1057/-96

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6095
  • Recebeu: 2739 vez(es)
  • Enviou: 1225 vez(es)
  • +1057/-96
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #241 em: Abril 27, 2020, 07:23:57 am »
Espaço Aéreo da Peninsula hoje 07:15




Abraços
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6095
  • Recebeu: 2739 vez(es)
  • Enviou: 1225 vez(es)
  • +1057/-96
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #242 em: Abril 27, 2020, 07:34:31 am »
Aeroporto de Lisboa, sala principal chkin, hoje 06:30, sem comentários !!!








Abraços
« Última modificação: Abril 27, 2020, 07:35:45 am por tenente »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11456
  • Recebeu: 415 vez(es)
  • Enviou: 230 vez(es)
  • +70/-59

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1871
  • Recebeu: 718 vez(es)
  • Enviou: 322 vez(es)
  • +583/-21
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #244 em: Maio 19, 2020, 11:26:45 pm »



 :arrow: https://www.cavok.com.br/desaer-firma-acordo-com-centro-de-pesquisa-de-portugal-para-aeronave-atl-100?fbclid=IwAR2GgBWivWmHEZTlaDIcBXjmK08UZRUvN0fIuIGFs2UDmxu7NeL-Av1UGDc

O parceiro português é o Centro de Investigação CEIIA de Matosinhos, que criou recentemente os ventiladores doados ao estado.
O CEIIA cria protótipos complexos de muitas áreas, desde a indústria automóvel, aeronáutica (pelos vistos desenvolveu várias peças do KC-390 que compramos por catálogo), entre outras.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6095
  • Recebeu: 2739 vez(es)
  • Enviou: 1225 vez(es)
  • +1057/-96
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #245 em: Maio 20, 2020, 06:52:07 am »



 :arrow: https://www.cavok.com.br/desaer-firma-acordo-com-centro-de-pesquisa-de-portugal-para-aeronave-atl-100?fbclid=IwAR2GgBWivWmHEZTlaDIcBXjmK08UZRUvN0fIuIGFs2UDmxu7NeL-Av1UGDc

O parceiro português é o Centro de Investigação CEIIA de Matosinhos, que criou recentemente os ventiladores doados ao estado.
O CEIIA cria protótipos complexos de muitas áreas, desde a indústria automóvel, aeronáutica (pelos vistos desenvolveu várias peças do KC-390 que compramos por catálogo), entre outras.

Ainda estou cá para ver se vão, e quando vão chegar, a ver vamos.

Abraços
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6095
  • Recebeu: 2739 vez(es)
  • Enviou: 1225 vez(es)
  • +1057/-96
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #246 em: Maio 21, 2020, 06:06:52 am »
Chegada do TAP8189/dte PEK-LIS com material médico.
Aproximação efectuada pela base leg da 03, sem ir a CP, por cima de LIS e rasando a Ponte sobre o Tejo, apenas possível em situações como as de hoje, sem trafego.



Abraços e protejam-se
« Última modificação: Maio 21, 2020, 06:08:06 am por tenente »
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 1513
  • Recebeu: 66 vez(es)
  • Enviou: 21 vez(es)
  • +151/-1304
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #247 em: Maio 23, 2020, 09:29:57 am »
"Investimento do CEiiA traz fábrica de aeronáutica para o Alentejo"
https://www.jn.pt/economia/investimento-do-ceiia-traz-fabrica-de-aeronautica-para-o-alentejo-12230325.html

Citar
O avião ATL-100 vai permitir criar uma nova unidade de aeronáutica em Portugal com um investimento inicial de 20 milhões de euros, diz o diretor do CEiiA, para a Aeronáutica e Defesa, Miguel Braga. Há clientes interessados em todo o mundo e as características do avião podem ser ainda mais atrativas com a pandemia.

O protótipo da aeronave ATL-100 foi apresentado em 2019 na maior feira de aeronáutica de São Paulo. Em que parte do projeto entra o CEiiA?

O CEiiA é um centro de engenharia e desenvolvimento de produto com uma já longa experiência na aeronáutica. Começamos há mais de 12 anos a trabalhar com um dos maiores fabricantes de helicópteros do mundo, prosseguindo com uma fortíssima envolvência na aeronave KC390, o avião cargueiro militar brasileiro da Embraer, no qual continuamos a trabalhar em várias actividades de certificação civil e militar. A semana passada fechámos com a Desaer, uma empresa brasileira focada na industria aeronáutica, um contrato no qual seremos corresponsáveis pelo desenvolvimento da ATL 100, que será fabricada, montada e comercializada por ambas as empresas. O CEiiA alocará uma equipa de 60 engenheiros, em crescendo, à medida das diferentes fases de desenvolvimento. Do lado da Desaer o número de engenheiros será, pelo menos, duas vezes superior. A equipa de engenharia do CEiiA estará fixada no Parque de Ciência e Tecnologia de Évora, uma cidade também ela cluster aeronáutico.

Que vantagens traz esta parceria?

A grande vantagem para o CEiiA, para Portugal e para a própria Desaer será a criação de competências novas, que o CEiiA não possui e não desenvolveu até hoje. O centro tem fortíssimas competências de engenharia de desenvolvimento, na área do desenho e do cálculo estrutural de segmentos e componentes de aviões, que adquiriu ao longos destes últimos 12 a 13 anos e a participação no projeto ATL 100 permitirá desenvolver competências ao nível dos sistemas e, particularmente, da integração de sistemas, mas também ganhar competências ao nível dos aviónicos e da integração de motores e de outras fases do que é tipicamente um processo de desenvolvimento de um avião, que Portugal passará a ter através do CEiiA e através da sua envolvência nesta aeronave.

O que representa este projeto em matéria de investimento e emprego?

O investimento do CEIIA, exclusivamente na fase de desenvolvimento da aeronave, é da ordem dos 20 milhões de euros para os próximos três anos. Mais à frente evoluirá. A estimativa de criação de novos postos de trabalho é uma grande satisfação. Contamos ter uma equipa de 65 engenheiros envolvidos em diferentes projetos de engenharia aeronáutica com diferentes clientes e parceiros, designadamente a Embraer, a Leonardo Helicopters, a Coptar, a Desaer, entre outros, que estimamos que obrigue a uma alocação plena e permanente da capacidade de engenharia. É emprego altamente qualificado. Na fase de industrialização pretendemos ter uma unidade cá e outra no Brasil e ainda a criação de uma unidade para o fabrico de componentes em Portugal que terá seguramente um efeito muito relevante de replicação num tecido de empresas que já hoje estão a trabalhar neste setor em Portugal. Algumas pequenas e médias empresas, outras até consideradas grandes e este será o efeito da criação de emprego direto, pelo facto de trazermos uma fábrica de peças de aeronaves. O objetivo é igualmente montar a aeronave em Portugal, o que terá um efeito muito grande do ponto de vista do emprego indireto pela estabilização na região do Alentejo, em Évora, em Beja, em Ponte de Sôr, cidades que estão seguramente preparadas, em termos de infraestruturas para receber um projeto desta natureza. O Alentejo poderá muito rapidamente aumentar significativamente aquilo que já hoje é o emprego muito qualificado criado à boleia de um cluster aeronáutico bastante potente.

O que torna esta aeronave sustentável e competitiva?

É uma aeronave de transporte leve e daí o nome ATL, para uso civil, de transporte de passageiros, de carga, de serviços postais e inclusivamente de suporte ao agronegócio, que em alguns países, quer da América do sul, quer de África, é bastante relevante. Também é de uso militar e aqui pode dar apoio a missões a bases remotas, evacuação médica, transporte de tropas, lançamento de paraquedistas, são tudo missões que se enquadram na tipologia desta aeronave. O ATL 100 está preparado para cumprir uma gama muito variada de missões. É mais do que aeronave, é um sistema logístico pré-preparado, ágil, para poder no mesmo dia, em curtos espaços de tempo, alterar as suas missões, quer de passageiros para carga, quer para missões de emergência médica, como de transporte de mercadorias diversas e portanto, pretende-se que seja um sistema logístico e muito flexível. Tem igualmente características muito relevantes de operação. Levanta e aterra em pistas de dimensão muito reduzida, onde a grande maioria de aeronaves não conseguiria aterrar ou levantar. Inclusivamente não se exige grande preparação dessas pistas, que podem ser em terra batida, para a aeronave poder aterrar e levantar. Por isso, também tem custos aeroportuários muito baixos.

Como é que o vosso plano de negócios se enquadra num mercado afetado pela pandemia?

O consórcio agora criado dirige-se a um mercado que está em franco crescimento. Vários fabricantes deste tipo de aeronaves, porque foram apostando em aeronaves maiores, acima dos 120 passageiros, foram abandonando esta tipologia de aeronaves que continuam a voar, mas que têm obviamente um tempo de vida útil que está estimado. Portanto, os planos de negócio que construimos em conjunto apontam para que mais de 5 mil aeronaves com esta tipologia deixem de voar nos próximos 15 anos, porque terminam o seu ciclo de vida. Isto constitui uma oportunidade para o aparecimento desta aeronave. Se a isto juntarmos o crescimento que já prevíamos, mais a tendência pós-pandemia do transporte aéreo com menos passageiros, isto pode significar um crescimento ainda maior. Portanto, estamos muito seguros que se conseguirmos cumprir o calendário de desenvolvimento e de industrialização que temos, o ATL-100 aparecerá no mercado num momento de grande fulgor para este tipo de aeronaves e com capacidade para recuperar rapidamente o investimento.

Quais são os potenciais clientes? Já existem manifestações de interesse ou contratos assinados?

O ATL-100 recebeu, ao longo dos últimos seis meses, manifestações de interesse de vários clientes, da área da defesa, da área do transporte logístico. Estamos a falar de empresas que atuam em mercados, em países, em regiões em que as áreas são muito grandes e a rede viária, na grande maioria dos casos, não permite que passageiros e carga cheguem ao destino rapidamente. Países e regiões onde existem imensos milhares de aeródromos com fraquíssimas condições para uma aeronave aterrar. Portanto, as aeronaves convencionais não têm essa capacidade. De resto, o ATL-100 é uma aeronave de trem de poiso fixo, não retrátil, não pressurizada, com alcance até 1600 kms de distância e preparado para ser muito simples. De facto, criado para fazer chegar mercadorias e passageiros do ponto A ao ponto B e que esses pontos se localizem tipicamente em zonas mais remotas, recônditas e onde é difícil uma aeronave maior, mesmo as médias, ou até um helicóptero, poder operar.

Apresentam o projeto como um "contra-ataque" aos efeitos adversos da pandemia, porquê?

Pelo emprego que vai poder criar. Pelo facto de criar emprego numa região que será especialmente afectada, porque está muito dependente de indústrias que estão a ser afetadas pela queda abrupta do tráfego aéreo e doutros impactos que sabemos na aviação comercial. Também pelo facto de poder criar muito rapidamente cadeias de fornecimento, permitindo um sem-número de empresas, algumas bem pequenas mas com potencial de crescimento significativo, empresas que já hoje integram o cluster da aeronáutica nacional e, portanto, estamos especialmente satisfeitos por ter conseguido levar a bom porto todas as negociações e equilíbrios necessários com a Desaer para podermos ter o ATL 100 em Portugal. Como objetivo final deste projeto, ambicionamos trazer para o nosso país a primeira " Final Assembly Line ", o que significa pela primeira vez em Portugal poder haver a participação de empresas nacionais, desde o princípio até ao fim no desenvolvimento do avião. Desde o momento em que ele é concebido, passando por todas as fases de engenharia e desenvolvimento, pelas fases de ensaios, pelas fases de testes, mas também pelas fases de industrialização e de montagem. Portanto, a grande ambição deste projeto é Portugal ter pela primeira vez - e ao fim de vários anos de investimento de diferentes governos, de muitos investidores privados e empresas que arriscaram - um avião a sair daqui a voar, desenvolvido, fabricado e montado em território nacional. Juntamo-nos, assim, a um lote restrito de países europeus que conseguem ter nos seus territórios, um produto desenvolvido pelas suas indústrias, suas fábricas, seus centros de engenharia. Neste caso, um avião montado de princípio ao fim. E esta é de facto, a cereja no topo do bolo. É um percurso recente, não muito, quando comparado com o espanhol, mas coloca-nos noutra escala, numa outra fasquia, enquanto país mais preparado e com condições internas para fazer um avião do princípio ao fim.
A Vida é um teste e uma incumbência de  confiança.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6095
  • Recebeu: 2739 vez(es)
  • Enviou: 1225 vez(es)
  • +1057/-96
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #248 em: Maio 29, 2020, 09:13:04 am »
e este drone da Tekever a pairar a 650 FT, no canal da mancha???



Abraços
« Última modificação: Maio 29, 2020, 09:14:27 am por tenente »
 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1795
  • Recebeu: 231 vez(es)
  • Enviou: 447 vez(es)
  • +11/-1
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #249 em: Maio 29, 2020, 05:38:31 pm »
e este drone da Tekever a pairar a 650 FT, no canal da mancha???

Já tinha sido noticiado aqui no fórum:

Reino Unido está a usar drone produzido em Portugal para detectar imigrantes ilegais (15 de Janeiro de 2020)
Citação de: Hugo Séneca, Visão
As autoridades britânicas têm usado um drone AR5, da Tekever, para monitorizar imigrantes ilegais e acções de contrabando no Canal da Mancha. Autoridades britânicas e marca portuguesa preferem manter discrição sobre a matéria.

Desde o início de Dezembro que as autoridades britânicas têm vindo a patrulhar o Canal da Mancha, com um drone que tem como principal objectivo tentar detectar imigrantes ilegais e contrabandistas a bordo de embarcações. O patrulhamento tem vindo a ser feito com, pelo menos, um drone AR5, da marca portuguesa Tekever, tendo como principal ponto de referência o Aeroporto de Lydd, na região de Kent.

(...)

A prova de que o governo britânico decidiu recorrer a drones para monitorizar as fronteiras marítimas foi publicada no início desta semana pela versão britânica da revista Wired, depois de aceder a registos e mapas da plataforma FlightAware, que indicam que um drone identificado com o acrónimo G-TEKV voou a mais de 240 metros de altitude no Canal da Mancha, às 21h59 de 9 de Dezembro. A Wired deslocou-se ao aeroporto de Lydd, e não só viu um drone da Tekever em plena descolagem, como recolheu informação que leva a crer que o drone da marca portuguesa é usado especialmente em missões nocturnas. O acrónimo G-TEKV, que figura na cauda do drone, foi registado junto das autoridades britânicas pelos escritórios que a marca portuguesa abriu no parque de ciência da Universidade de Southampton.

(...)

O uso de drones para a monitorização do Canal que separa Reino Unido e França começou por ser notícia na BBC, que dava conta de uma notificação enviada para os pilotos de aviação civil que costumam voar naquela região. Nessa notícia, a BBC deu conta de que o uso destes drones apenas deveria ser levado a cabo nas denominadas «zonas de perigo temporárias», que mantêm esse estatuto entre Dezembro de 2019 e Março de 2020.

A Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido e o Ministério do Interior ainda não se pronunciaram sobre a marca e o modelo de drone usado na monitorização do Canal da Mancha – mas não refutaram esse tipo de patrulhamento que é feito a altitudes máximas de 365 metros, fora das rotas usadas pela aviação comercial.

[continua]
Fonte: https://visao.sapo.pt/exameinformatica/2020-01-15-reino-unido-esta-a-usar-drone-produzido-em-portugal-para-detetar-imigrantes-ilegais/

Cumprimentos,
« Última modificação: Maio 29, 2020, 05:39:55 pm por Get_It »
:snip: :snip: :Tanque:
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6095
  • Recebeu: 2739 vez(es)
  • Enviou: 1225 vez(es)
  • +1057/-96
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #250 em: Maio 30, 2020, 10:48:42 am »
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6095
  • Recebeu: 2739 vez(es)
  • Enviou: 1225 vez(es)
  • +1057/-96
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #251 em: Maio 31, 2020, 06:46:00 pm »
Espero que os dois pilotos recuperem rapidamente e na totalidade.

https://expresso.pt/sociedade/2020-05-31-Helicoptero-cai-em-Gois.-Acidente-faz-dois-feridos-leves

Abraços
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 6095
  • Recebeu: 2739 vez(es)
  • Enviou: 1225 vez(es)
  • +1057/-96
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #252 em: Junho 30, 2020, 06:12:10 pm »
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1871
  • Recebeu: 718 vez(es)
  • Enviou: 322 vez(es)
  • +583/-21
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #253 em: Julho 07, 2020, 09:34:23 pm »
SATA pediu auxílio ao Estado no valor de 163 milhões de euros

https://observador.pt/2020/07/07/sata-pediu-auxilio-ao-estado-no-valor-de-163-milhoes-de-euros/

Pois é! Como eu previa, assim que estava segura a ajuda do estado à TAP no valor de 120 000€ por cada trabalhador da TAP, eis que a SATA pede uma ajuda equivalente!

Se o estado ajuda uma empresa que só era 50% pública, como pode recusar ajudar uma empresa 100% estatal!!!!!

Mais valia fechar as 2 e criar uma nova mais pequena!!!!!
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 9264
  • Recebeu: 1032 vez(es)
  • Enviou: 2022 vez(es)
  • +141/-46
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #254 em: Julho 07, 2020, 10:16:00 pm »
Ainda mais pequena que a SATA?!  :mrgreen:

http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

 

Sector público nacional melhorou nos anos 90

Iniciado por Tiger22

Respostas: 0
Visualizações: 1805
Última mensagem Fevereiro 06, 2004, 02:12:50 am
por Tiger22
Sector do Turismo e Hotelaria

Iniciado por Marauder

Respostas: 207
Visualizações: 61769
Última mensagem Maio 14, 2020, 01:44:21 pm
por Lusitano89
Sector da Saude - Hospitais, etc..

Iniciado por Marauder

Respostas: 131
Visualizações: 27238
Última mensagem Abril 09, 2019, 05:37:51 pm
por Lusitano89
Sector da Agricultura e pecuária

Iniciado por Marauder

Respostas: 12
Visualizações: 4789
Última mensagem Dezembro 25, 2006, 06:54:01 pm
por Luso
Sector da Imprensa Escrita

Iniciado por TOMKAT

Respostas: 0
Visualizações: 1801
Última mensagem Agosto 31, 2006, 01:04:22 am
por TOMKAT