Notícias da Marinha do Brasil

  • 1212 Respostas
  • 327265 Visualizações
*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1200 em: Maio 26, 2020, 07:25:41 pm »
Fragata Independência realiza exercício de tiro real no Líbano


Navio Capitânia da FTM-UNIFIL realiza exercício de tiro com a presença do HoM & Force Commander da UNIFIL

Citar
Em 21 de maio, a Fragata “Independência”, Navio-Capitânia da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-UNIFIL) realizou exercício de tiro real com o canhão de 4,5 pol e os canhões de 40mm. O evento contou com a presença do Comandante da Missão, o Major-General Stefano Del Col (Head of Mission & Force Commander – HoM/FC), além do Comandante da FTM-UNIFIL, Contra-Almirante Sergio Renato Berna Salguerinho.

O exercício foi realizado durante a quinta patrulha do Navio Capitânia, em uma área específica para exercícios, próxima a Área Marítima de Operações, com o propósito de manter o nível de adestramento das equipes e manter a capacidade operativa dos sistemas e do armamento do navio.

Após o exercício, o Maj. Gen. Stefano Del Col visitou o Navio-Capitânia, percorrendo diversos compartimentos da Fragata “Independência”.

A FTM, único componente naval atualmente em operação em uma missão de manutenção de paz da Organização das Nações Unidas, tem como uma de suas tarefas assistir o Governo do Líbano na realização da Vigilância Marítima e nas atividades de Operação de Interdição Marítima, a fim de apoiar as Forças Armadas Libanesas no impedimento da entrada de armamento não autorizado no território do Líbano, por via marítima.

O Brasil assumiu o comando da Força-Tarefa há mais de nove anos, em fevereiro de 2011 e, a partir de novembro daquele mesmo ano, passou a enviar regularmente navios para atuarem como seu Capitânia.

Head of Mission & Force Commander observa o exercício do passadiço

 :arrow:  https://www.naval.com.br/blog/2020/05/26/fragata-independencia-realiza-exercicio-de-tiro-real-no-libano/
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 10009
  • Recebeu: 1172 vez(es)
  • Enviou: 1683 vez(es)
  • +1021/-1404
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1201 em: Junho 11, 2020, 05:50:29 pm »
11 JUNE 2020 00:00 GMT+0

Limited ice-going capabilities offer mission flexibility for Brazil's new submarine rescue ship
by Vinod Kumar CV

The Brazilian Navy’s new submarine rescue ship NSS Guillobel (ex-Adams Challenge) is able to operate in mild glacial temperatures, which will enable it to support some Antarctic missions, the service told Janes.


NSS Guillobel (ex- Adams Challenge ) (Brazilian Navy)

Unlike its predecessor, NSS Felinto Perry (K 11), the newly commissioned submarine rescue vessel has received a red-white paint scheme, demonstrating its ice-going capabilities.

A Brazilian Navy spokesperson told Janes on 5 June that certain features of the hull design as well as auxiliary machinery will enable the vessel to operate in mild glacial temperatures such as those recorded in the Antarctic summer. These limited features will offer some mission flexibility that will enable Guillobel to support the Brazilian Antarctic Program (PROANTAR) under specific conditions, the spokesperson said.

The materials used for the construction of the vessel enable operations in cold waters up to 5°C and in ambient shade temperatures as low as –10°C, which enabled the navy to adopt the red-white paint scheme that will increase the chances for the vessel to be used in Antarctic missions. The vessel is designed with the classification requirements for side-impact, has a flared bulbous bow, a transom stern, a round bilge hull, and a double plate skeg in the centreline aft.

NSS Guillobel was commissioned into service with the Brazilian Navy on 12 May. It was acquired by Brazil in October 2019 to support its new submarines being built under the PROSUB programme and to replace its existing submarine rescue vessel Felinto Perry. It was built by Spain’s Balenciaga Shipyard in 2009 and previously operated by Bahraini company Adams Offshore under the name Adams Challenge

https://www.janes.com/defence-news/news-detail/limited-ice-going-capabilities-offer-mission-flexibility-for-brazils-new-submarine-rescue-ship
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1202 em: Julho 15, 2020, 02:58:24 am »
Marinha do Brasil recebe o segundo helicóptero UH-17 para missões antárticas


Citar
A Marinha do Brasil recebeu em 10 de julho de 2020, a segunda aeronave Airbus Helicopter H135 no 1º Esquadrão Geral de Helicópteros de Emprego (HU-1). O helicóptero, número de série N7091, designação local UH-17, foi exibido durante um evento em 29 de agosto na Base Aérea Naval (BAN) São Pedro da Aldeia para marcar o 103º aniversário da Aviação Naval Brasileira. Referido como UH-17 pela marinha, o segundo de três helicópteros a serem entregues sob contrato a partir de 2019 apoiará o Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR), que voa de navios que operam na região.

Os H135s estão substituindo os atuais AS355s de dois motores leves em serviço pela Marinha do Brasil. O helicóptero vem com duas opções de motores equipados com o FADEC, o Arrius 2B2plus da Safran Helicopter Engines e o 206B3 da Pratt & Whitney Canada, e está equipado com um rotor principal sem rolamentos, rotor de cauda encoberto Fenestron, modificações no software do motor e nova entrada de ar lateral. duas aeronaves, N-7090 e N-7091, possuem kits e equipamentos aeromédicos, enquanto as três unidades possuem um gancho de carga, um sistema de flutuação de emergência, um guincho e radar meteorológico. Eles apoiarão uma variedade de missões, como operações especiais, transporte de tropas e mercadorias, inspeção naval, busca e salvamento e evacuação médica. Os helicópteros estão equipados com um gancho de carga, sistema de flutuação de emergência e radar meteorológico;


O Airbus Helicopters H135 (Eurocopter EC135) é um helicóptero utilitário bimotor civil produzido pela Airbus Helicopters (anteriormente conhecido como Eurocopter). É capaz de voar sob as regras de vôo por instrumentos (IFR) e é equipado com um sistema de controle automático de vôo digital (AFCS). Primeiro vôo em 15 de fevereiro de 1994, entrou em serviço em 1996 e 1.300 foram entregues até janeiro de 2018 para 300 operadoras em 60 países, acumulando mais de 4,5 milhões de horas de vôo. É usado principalmente para serviços médicos de emergência em helicópteros, em seguida, para transporte corporativo, aplicação da lei, treinamento eólico offshore e voo militar. Metade deles estão na Europa e um quarto na América do Norte.

O EC135 é um helicóptero bimotor. Como alternativa, ele pode ser alimentado por um par de motores Turbomeca Arrius 2B ou Pratt & Whitney Canada PW206B, dependendo da preferência do cliente (que fornece um T ou um P, respectivamente, no nome da variante). [3] [2] O rotor principal possui um design de compósito de fibra com quatro lâminas e dobradiças; melhorias progressivas no rotor principal aumentaram seu desempenho e reduziram os custos de manutenção desde a introdução do tipo. O novo modelo H135 pode ser equipado com um piloto automático de quatro eixos, incluído como parte do pacote de aviônicos Helionix; essa suíte oferece ao H135 um maior nível de semelhança com vários outros helicópteros produzidos pela Airbus Helicopters, incluindo o H145, H160 e H175.

 :arrow:  https://militaryleak.com/2020/07/13/brazilian-navy-receives-second-uh-17-helicopter-for-antarctic-missions/
 

*

Turlu

  • Membro
  • *
  • 133
  • Recebeu: 44 vez(es)
  • Enviou: 71 vez(es)
  • +20/-0
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1203 em: Agosto 05, 2020, 10:15:59 am »
« Última modificação: Agosto 05, 2020, 10:30:47 am por Turlu »
Com gente tola e toiros, paredes bem altas! - ditado popular da Ilha Terceira
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1204 em: Agosto 05, 2020, 06:02:01 pm »
Fragata brasileira escapa de explosão no porto de Beirute


Citar
Por Alexandre Galante

A fragata Independência – F44 da Marinha do Brasil ficava atracada rotineiramente no cais do porto de Beirute, no Líbano, ao lado do armazém que explodiu no final da tarde de ontem.

Por sorte, o navio brasileiro desatracou às 10h da manhã para mais uma missão da Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM-UNIFIL) e a explosão ocorreu por volta das 18h.

O armazém continha 2.750 toneladas de nitrato de amônio (NH4NO3) que estava armazenado há seis anos.

O nitrato de amônio é um fertilizante químico e também é um componente de explosivos.

Morreram mais de 100 pessoas e mais de 4.000 ficaram feridas.

Equipes de resgate buscam nesta quarta-feira (5) mais de 100 desaparecidos, segundo a Cruz Vermelha libanesa.

Imagens de drones mostram que a explosão atingiu silos de trigo que ficavam no porto. Estimativas iniciais indicam que cerca de 85% dos grãos do país, que são majoritariamente importados, estavam armazenados nos armazéns que foram destruídos.

O governo do Líbano ordenou a prisão domiciliar de todos os funcionários do porto de Beirute, responsáveis por segurança e armazenamento desde 2014, até que sejam apuradas responsabilidades pelas duas explosões.


 :arrow:  https://www.naval.com.br/blog/2020/08/05/fragata-brasileira-escapa-de-explosao-no-porto-de-beirute/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1205 em: Setembro 11, 2020, 04:31:57 pm »
Plano Estratégico da Marinha do Brasil – 2040


O Plano Estratégico da Marinha – 2040 apresenta os elementos conceituais e doutrinários de alto nível da Marinha do Brasil e respectivas Ações Estratégicas Navais que informam e consolidam o seu Plano Estratégico (PEM 2040).

O Capítulo 1 disserta o ambiente marítimo e fluvial, sua importância e conceitos político-estratégicos que salientam a contribuição desse ambiente para a sobrevivência e prosperidade do Brasil.

No Capítulo 2 constam as principais ameaças no mar e em águas interiores que poderão comprometer a Sobrevivência e a Prosperidade do Brasil.


Na sequência, o Capítulo 3 elabora um conceito estratégico marítimo-naval que fornecerá elementos para a atualização da Doutrina Militar Naval, do Planejamento de Forças e dos planos setoriais decorrentes.

No Capítulo 4 está o Mapa Estratégico da Marinha e respectivos Objetivos Navais, instrumento visual da orientação de alto nível, para que a Marinha, no cumprimento de sua Missão, alcance sua Visão de Futuro no horizonte de vinte anos (2020-2040). Por fim, o Capítulo 5 apresenta as Ações Estratégicas Navais decorrentes.

Clique na imagem abaixo para acessar o documento.:
 :arrow:   https://www.marinha.mil.br/sites/all/modules/pem_2040/book.html
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 10009
  • Recebeu: 1172 vez(es)
  • Enviou: 1683 vez(es)
  • +1021/-1404
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1206 em: Setembro 22, 2020, 10:11:38 am »
18 SEPTEMBER 2020

Brazilian Navy releases new 20-year plan
by Victor Barreira

The Brazilian Navy is looking to acquire medium-sized general-purpose helicopters and attack, anti-submarine (ASW) and reconnaissance helicopters according the recently released Brazilian Navy latest Strategic Plan, the Plano Estratégico da Marinha 2040 (PEM 2040).

The Strategic Plan which was publicly released on 10 September, calls for a host of other new measures to be implemented over the next 20 years.

For example, the navy wants to significantly increase research-and-development (R&D) to develop shipboard systems, such as communications, detection, navigation, and electronic warfare. The R&D increases are also meant to help boost the country's Defence Technological and Industrial Base (DTIB).

The navy also wants to achieve a minimum of 65% of ships and aircraft operational availability, update the service’s leadership organisational structure, create a cyber-warfare squadron, and bolster its satellite ability to intercept maritime communications, according to the plan.

The navy is now going to focus more heavily on operations in the Southern Atlantic Ocean, paying particular attention to threats such as piracy, illegal fishing, organised crimes, urban conflicts, natural resources dispute, cyber warfare, terrorism, the illegal access to knowledge, pandemics, natural disasters, and environmental issues, according to PEM 2040. The idea is to control the maritime access to Brazil.

The document, which does not describe exact schedules, also covers a range of modernisation projects that were previously planned or initiated but not yet effectively implemented or concluded such as acquiring mine-hunting ships, escort ships, aircraft carriers, a logistics support ship, coastal, and offshore patrol ships, Antarctic support ship, training ships, survey ships, unmanned aerial vehicles (UAVs), fighter jets, and lightweight training and utility helicopters; enlarge and modernise equipment of the Marines Corps; developing the Míssil Antinavio de Superfície (MANSUP) and Míssil Antinavio Aéreo (MANAER) anti-ship missiles; and the local construction of the country’s first nuclear-powered submarine SN Álvaro Alberto.

https://www.janes.com/defence-news/news-detail/brazilian-navy-releases-new-20-year-plan
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1207 em: Outubro 08, 2020, 08:15:43 pm »
Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas participa de treinamento com helicópteros


Citar
Brasília (DF), 08/10/2020 - Militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica prosseguem o adestramento para o emprego de helicópteros em embarcações da Força Marítima. A atividade acontece entre os dias 5 e 9 de outubro, no Porta-Helicópteros Multipropósito (PHM) “Atlântico”, que se encontra fundeado no litoral sul do Rio de Janeiro. O objetivo da missão é aprimorar o emprego conjunto e a interoperabilidade das Forças Armadas.

Nessa quarta-feira (7), o Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (CEMCFA), Tenente-Brigadeiro do Ar Raul Botelho, embarcou no navio, junto à comitiva, e ressaltou a importância das atividades executadas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica. “A integração das três Forças só se dá por intermédio de exercícios e operações conjuntas, de modo que nós identifiquemos quais são os aperfeiçoamentos que podemos realizar no futuro. Nós acreditamos que a entrega para o nosso País, para a sociedade brasileira, se faz por intermédio de estarmos sempre preparados para qualquer demanda. Acreditamos, ainda, que defender a Pátria é garantir a soberania nacional, e isso depende de Forças Armadas bem capacitadas”, concluiu. O Tenente-Brigadeiro do Ar também acompanhou os exercícios de qualificação realizados no PHM “Atlântico”, e parabenizou o trabalho desempenhado.

Fazem parte da comitiva do CEMCFA o General de Exército Luiz Dias Freitas, Comandante de Operações Terrestres (COTER), o Almirante de Esquadra Alipio Jorge Rodrigues da Silva, Comandante de Operações Navais, e o Almirante de Esquadra Petronio Augusto Siqueira de Aguiar, Chefe de Operações Conjuntas do EMCFA (CHOC).

De acordo com o Comandante de Operações Terrestres (COTER), a interoperabilidade entre as Forças Armadas é um fator importante: “Nós precisamos saber como as [Forças] coirmãs operam, para trabalharmos juntos. Esse exercício faz com que possamos potencializar os trabalhos uns dos outros”, disse.

O Comandante de Operações Navais ressaltou que a realização do adestramento conjunto é positiva para o setor operativo da Marinha. O Almirante de Esquadra ainda destacou a importância da missão para o País: “Essa atividade marca a preparação das Forças Armadas não só para a defesa da Pátria, mas, também, para estarmos prontos para contribuir no desenvolvimento do Brasil”, finalizou.

Operações Conjuntas

Cerca de 60 homens especializados em Operações Especiais participam do adestramento. Na terça-feira (6), pela primeira vez, as aeronaves HM-4 JAGUAR, do Exército, e a H-36 CARACAL, da Força Aérea, pousaram no PHM “Atlântico”. Nessa fase do exercício, os militares treinaram a “Qualificação de Pouso a Bordo”, que capacita os pilotos para aterrissarem as aeronaves no convés de voo. Uma vez qualificados, eles também podem ministrar instruções.

Na tarde de ontem (7), os militares realizaram o “Adestramento Conjunto de Emprego de Helicópteros na Infiltração de Forças de Operações Especiais”, que treina o processo de infiltração e retirada de homens por terra. Também foram executados o processo de infiltração por Fast Rope, em que os homens descem do helicóptero por uma corda, o “tiro de aeronave” e o “tiro de caçador na aeronave”.

Covid-19

Durante todo o período do exercício, têm sido observados os protocolos regulamentares de medidas profiláticas no combate à Covid-19, tais como: realização de teste em todos que estão a bordo, medição de temperatura, utilização de máscara de proteção, disponibilização de álcool gel 70% e higienização constante das áreas.

Por Laylla Santos
Fotos: Tenente-Coronel André e Soldado Igor Soares

 :arrow: https://www.gov.br/defesa/pt-br/assuntos/noticias/chefe-do-estado-maior-conjunto-das-forcas-armadas-participa-de-treinamento-com-helicopteros






 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1208 em: Novembro 10, 2020, 08:08:37 pm »
10 de Novembro: 198 anos da Esquadra Brasileira


“Os povos sãos e fortes, as nações másculas e livres amam nas suas Esquadras a imagem de sua própria existência.”
Rui Barbosa

Histórico

A Esquadra Brasileira foi criada quando o governo do Brasil – Independente reconheceu a imprescindibilidade do compromisso de adotar todas as providências, que se faziam necessárias, para o nascente Império possuir uma ESQUADRA apta a defender-lhe, face à extensão da costa, ao rico e fértil território e também capaz de assegurar o comércio contínuo entre seus portos, de vez que a Providência talhara para o BRASIL os mais altos destinos de glória e prosperidade, que só poderiam ser defendidos por uma Marinha respeitável.


Nessa ocasião, em 10 de novembro de 1822, foi solenemente içado, pela primeira vez, na Nau Martim de Freitas (rebatizada Pedro Primeiro), capitânia da Esquadra em formação, o Pavilhão Nacional criado após a Independência. A cerimônia foi revestida de toda pompa, sendo dada a salva de 101 tiros.

Ato de Criação


O Comando-em-Chefe da Esquadra foi criado pelo Decreto No 16.623, de 1º de outubro de 1924, que definiu a Esquadra Brasileira como “força de combate organizada, juntamente com as esquadrilhas de aviões e os navios auxiliares necessários às suas operações”.


A Ordenança Geral para o Serviço da Armada conceitua a ESQUADRA como “o conjunto de Forças e navios soltos, postos sob Comando único, para fins administrativos. O Comandante da Esquadra terá todas as prerrogativas de Comandante de Força e o título de Comandante-em-Chefe”.
 
Missão do ComemCh


O Comando-em-Chefe da Esquadra tem por propósito a manutenção das Forças subordinadas no mais elevado grau de aprestamento para as operações navais de guerra, de acordo com o Decreto 16.623, de 1º de outubro de 1924.


Para a consecução de seu propósito, cabem ao Comando-em-Chefe da Esquadra as seguintes tarefas:

a) planejar as operações navais e aeronavais que lhe forem designadas;

b) Supervisionar, no nível da Esquadra, o emprego das Forças subordinadas;

c) Supervisionar as atividades adminsitrativas relativas às OM subordinadas;

d) Submeter aos escalões superiores, as normas relativas ao emprego, organização e manutenção das Forças e Estabelecimentos subordinados; e

e) Supervisionar, no âmbito da Esquadra, o emprego dos recursos necessários ao aprestamento das Forças e Órgãos subordinados.

O atual Comandante-em-Chefe da Esquadra é o Vice Almirante Claudio Henrique Mello de Almeida.


 :arrow: https://www.defesaaereanaval.com.br/naval/10-de-novembro-198-anos-da-esquadra-brasileira
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1209 em: Dezembro 03, 2020, 02:12:54 pm »
EUA aprovam venda de kits de torpedos Mk.54 ao Brasil


Citar
WASHINGTON — O Departamento de Estado tomou a decisão de aprovar uma possível Venda Militar Estrangeira (FMS) ao Governo do Brasil de torpedos leves MK.54 e equipamentos relacionados por um custo estimado de US$ 70 milhões. A Defense Security Cooperation Agency entregou hoje a certificação exigida notificando o Congresso desta possível venda.

O Governo do Brasil solicitou a compra de vinte e dois (22) kits de conversão MK.54 – para converter torpedos MK.46 Mod 5 A (S) em torpedos leves MK.54 Mod 0.

Também estão incluídos contêineres de torpedo, Torpedos de exercício recuperáveis ​​(REXTORP) com contêineres, Fleet Exercise Section (FES) e tanques de combustível, acessórios de lançamento aéreo para asa rotativa, peças sobressalentes de torpedo, propelente, faixas de suspensão de montagem, baterias térmicas, treinamento, publicações, suporte e equipamento de teste, engenharia do governo dos EUA e de contratados, serviços de suporte técnico e logístico e outros elementos relacionados de logística e suporte de programa. O valor total estimado é de US$ 70 milhões.



Esta venda proposta apoiará os objetivos de política externa e segurança nacional dos Estados Unidos, melhorando a segurança de um importante parceiro regional que é uma força importante para a estabilidade política e o progresso econômico na América do Sul.

O governo do Brasil pretende utilizar torpedos leves MK.54 em suas aeronaves Sikorsky S-70B “Seahawk” e navios de superfície.

A proposta de venda deste equipamento e suporte não alterará o equilíbrio militar básico da região.

O contratado principal será o Raytheon Integrated Defense System, Portsmouth, RI. Não há acordos de compensação conhecidos propostos em relação a essa venda potencial.

A implementação desta proposta de venda não exigirá cessão de longo prazo de qualquer governo dos EUA ou representantes contratados adicionais para o Brasil; no entanto, os serviços técnicos e de engenharia do governo dos EUA podem ser necessários provisoriamente para treinamento e assistência técnica.

Não haverá impacto adverso sobre a prontidão da defesa dos EUA como resultado desta venda proposta.

Este aviso de venda potencial é exigido por lei. A descrição e o valor em dólares são para a maior quantidade estimada e valor em dólares com base nos requisitos iniciais. O valor real em dólares será menor dependendo dos requisitos finais, autoridade orçamentária e acordo(s) de venda assinado(s), se e quando concluído.


 :arrow:  https://www.naval.com.br/blog/2020/12/02/eua-aprovam-venda-de-kits-de-torpedos-mk-54-ao-brasil/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1210 em: Dezembro 03, 2020, 02:40:15 pm »
Marinha do Brasil adquire novas viaturas para o Corpo de Fuzileiros Navais


A Marinha do Brasil (MB) formalizou, no dia 24 de novembro, a compra de 90 caminhões UNIMOG 5000, junto à empresa alemã Daimler Truck AG. Os veículos “no estado da arte” militar são apropriados a operações em qualquer terreno e indicados, especialmente, para as operações anfíbias realizadas por tropas do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN). Os lotes anuais de viaturas pesadas UNIMOG 5000, incluindo veículos de transporte de tropas e material, cisternas de água e combustível, frigoríficas e basculantes, serão recebidos de 2021 a 2027.

Essa aquisição, que representará considerável ampliação do poder de combate do CFN, sucede-se a outro contrato recentemente celebrado entre a MB e o governo dos Estados Unidos, para a obtenção de um sistema composto por 12 Viaturas Blindadas Leves Sobre Rodas 4×4 Oshkosh “Joint Light Tactical Vehicle” (JLTV), com entregas previstas a partir de 2022.


A Viatura Blindada Leve JLTV é um projeto de última geração das Forças Armadas dos EUA, que incorpora elevados ganhos tecnológicos, em atendimento às demandas operativas da atualidade. A blindagem, aliada à mobilidade, ao poder de fogo e às potencialidades de comando e controle dessas viaturas, possibilitará a ampliação da capacidade dos Grupamentos Operativos de Fuzileiros Navais em conduzir Operações Anfíbias, Operações de Garantia da Lei e da Ordem, Missões de Paz e outras variadas ações dentro do amplo espectro das operações militares.

Os contratos preveem, ainda, o estabelecimento de estruturas de manutenção, com sobressalentes, equipamentos, ferramentas e cursos necessários. A obtenção dessas novas viaturas ocorre no âmbito do PROADSUMUS, o Subprograma de Meios de Fuzileiros Navais componente do Programa Estratégico da Marinha “Construção do Núcleo do Poder Naval”.


O Subprograma PROADSUMUS foi criado para consolidar e ampliar as capacidades operativas do CFN, garantindo-lhe atuar como a Força Naval de caráter anfíbio e expedicionário, por excelência, contribuindo para as demais tarefas do Poder Naval brasileiro. A obtenção desses meios de última geração, na fronteira da tecnologia militar, assegura um elevado grau de versatilidade e flexibilidade ao CFN, ampliando sua prontidão operacional e sua capacidade de projeção de poder em áreas de interesse estratégico nacional.

FONTE: MB
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1211 em: Dezembro 21, 2020, 07:54:27 pm »
Marinha se prepara para receber seus “drones” ScanEagle

O Scan Eagle navalizado inclui um lançador Mark 4 compacto para operações marítimas, uma estação de trabalho de controle único do operador/piloto e o sistema de recuperação independente de pista SkyHook.

Citar
No dia 15 dezembro, em Washington (DC), Estados Unidos, foi ativado o Grupo de Fiscalização e Recebimento do Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Embarcado (GFRARP), do Programa ARP-E, na sede da Comissão Naval Brasileira em Washington (CNBW).

O grupo irá executar as tarefas referentes à fiscalização e ao recebimento do Sistema de ARP-E  ScanEagle, da Boeing/Insitu, equipamentos de lançamento, recolhimento e serviços de Suporte Logístico e de Treinamentos associados, contribuindo para o processo de garantia de qualidade na obtenção do meio junto ao Foreign Military Sales (FMS) do Departamento de Defesa do Governo dos Estados Unidos.

O GFRARP é subordinado ao Diretor de Aeronáutica da Marinha e será apoiado administrativamente pela CNBW, onde será baseado, e trabalhará em conjunto com o Small Tactical Unmanned Aircraft Systems program office (PMA-263). As primeiras aeronaves deverão chegar ao Brasil no segundo semestre de 2021, acompanhando a formação dos pilotos e pessoal de manutenção.

Para a Marinha, a obtenção do Sistema ScanEagle é mais um importante passo na renovação dos meios aeronavais e os resultados alcançados permitirão que a Aviação Naval dê um importante passo para o incremento da eficiência operativa do novo trinômio Navio-Aeronave-Aeronave Remotamente Pilotada, entrando definitivamente na 5ª fase da História da Aviação Naval.

 :arrow:  https://tecnodefesa.com.br/marinha-se-preparando-para-receber-seus-drones-scaneagle/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 5197
  • Recebeu: 492 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +3325/-2493
Re: Notícias da Marinha do Brasil
« Responder #1212 em: Dezembro 28, 2020, 07:15:17 pm »
Fragata Independência retorna do Líbano após cumprir missão de manutenção de paz


Niterói (RJ), 26/12/2020 – Após nove meses empregada em missão de paz no Líbano, a Fragata Independência da Marinha do Brasil atracou na Base Naval do Rio de Janeiro, na manhã deste sábado (26). Com tripulação composta por aproximadamente 200 militares, a embarcação integrou o 20º Contingente da Força Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FTM – Unifil). Criada em 2006, por solicitação do governo libanês, a FTM-Unifil visa impedir a entrada de armamento não autorizado no país e treinar o componente naval local.

Ao cumprimentar a tripulação e desejar um bom regresso, o Comandante de Operações Navais, Almirante de Esquadra Alipio Jorge Rodrigues da Silva, ressaltou os desafios enfrentados pelos integrantes da Força ao desempenharem uma missão real em uma situação de combate à pandemia. “As tripulações estiveram envolvidas em uma rotina intensa e contínua para cumprir tarefas para contribuição da paz mundial, pelo incremento para capacitação da marinha do Líbano e para o desenvolvimento social e econômico daquele país”, enfatizou.

O Almirante Alipio ressaltou que os ensinamentos serão fundamentais ao cumprimento de novas missões em 2021. “Em maio, um Almirante com seu Estado-Maior estarão se dirigindo para assumir o Comando de outra Força Tarefa Marítima. Desta vez, no Nordeste da África, nas proximidades da Somália”, informou.

Primeira participação do Suboficial escrevente Estevam Frinhani em operação de paz, ele exerceu função destinada a estabelecer um elo entre o Comando do navio e as Praças. “Fazíamos reuniões, palestras e conversávamos com os militares para assessorar o comando e melhorar a vida do pessoal no navio”, relatou o marinheiro.

O Suboficial Frinhani recebeu manifestação de carinho de sua esposa ao chegar ao Brasil. “Dessa vez foi mais difícil ainda, por causa dessa pandemia. Ficamos preocupados com ele, e ele conosco. Estamos agradecidos a Deus”, disse Sandra Frinhani.

Em decorrência da pandemia de Covid, neste ano não ocorreu a tradicional recepção dos familiares na chegada ao porto. O encontro ocorreu no estacionamento da Base Naval, sendo as famílias orientadas a aguardar dentro de seus veículos.

A tripulação da Fragata Independência participou da importante operação de mitigação aos estragos causados por explosões, no início de agosto, em Beirute. Em apoio ao governo libanês, os brasileiros realizaram patrulhas nas proximidades do Porto e apoiaram um navio de Bangladesh.

O Comandante da Fragata Independência, Capitão de Fragata André Carvalho, relatou que no momento da explosão a embarcação estava a cerca de 16 quilômetros da região portuária de Beirute. “O navio estava em patrulha. Desde o início tentamos prestar a ajuda necessária”, referiu-se ao navio de Bangladesh.


A FTM-UNIFIL

Única missão de paz da ONU de caráter naval, a FTM-UNIFIL passou a ser comandada por um Contra-Almirante brasileiro a partir de 2011. Seis navios de diferentes nacionalidades constituem a esquadra das Nações Unidas operando em prol da paz na região. São eles: Alemanha, Bangladesh, Grécia, Indonésia, Turquia e Brasil.

Durante mais de nove anos na missão, cerca de quatro mil brasileiros das Forças Armadas estiveram operando com a UNIFIL no Oriente Médio. Foram dezoito participações de navios da Marinha do Brasil, com os militares sendo substituídos a cada seis meses.

Instituída em 1978, a UNIFIL possui o propósito de manter a estabilidade na região. Até 1º de janeiro do próximo ano, o Comandante da FTM Unifil é um brasileiro, o Contra-Almirante Sergio Renato Berna Salgueirinho.

Operações de paz

O Brasil possui histórico de participação em operações de manutenção de paz. Atualmente cerca de sessenta brasileiros estão operando em oito diferentes missões de paz da ONU. Mais de 37 mil militares de nosso país estiveram na Operação de Paz no Haiti, entre 2004 e 2017. A missão no Haiti foi a maior mobilização de tropas brasileiras no exterior, numa missão real, desde da guerra da Tríplice Aliança.

As fragatas União e Liberal também participaram da FTM-UNIFIL

FONTE: Ministério da Defesa

 :arrow:  https://www.naval.com.br/blog/2020/12/27/fragata-independencia-retorna-do-libano-apos-cumprir-missao-de-manutencao-de-paz/