Porta-Aviões Brasileiro A-12 São Paulo

  • 69 Respostas
  • 38603 Visualizações
*

Brasil

  • 6
  • +0/-0
Porta-Aviões Brasileiro A-12 São Paulo
« em: Setembro 27, 2007, 05:13:17 pm »
Leiam este incrivel texto, retirado de: http://www.areamilitar.net/opiniao/br_A ... &pa=Brasil

[...]"Chegado ao fim dos anos 90, e o ano de 2001, já com 56 anos de idade, o Minas Gerais ainda viu no seu convés, aquilo que foi uma novidade para a marinha brasileira, a incorporação, pela primeira vez, de aeronaves de combate a jacto A-4 Skyhawk da Marinha do Brasil com capacidade para operar a partir da sua única catapulta. Porém, e embora o seu estado geral fosse ainda relativamente aceitável, a velocidade máxima do Minas Gerais (24 nós) não era adequada para um porta-aviões que pretendia passar a utilizar aeronaves como o Skyhawk.

Cerca de um ano antes, o Brasil e a França tinham chegado a acordo para transferir para o Brasil o porta-aviões Foch, da classe Clemanceau, que a França desactivou após a entrada ao serviço do seu novo porta-aviões nuclear "Charles De Gaulle". Esta transferência acabou "matando" o Minas Gerais e selando o seu destino.

O "novo" porta-aviões da marinha do Brasil

Em 15 de Novembro de 2000 foi efectuada a transferência para o Brasil do porta-aviões Foch.

O Foch, na marinha francesa, pode-se dizer que teve uma vida muito menos cansativa que o seu irmão mais velho, o Clemanceau. Na prática, com o objectivo de reduzir custos, a marinha francesa tinha aproveitado o Foch para utilização na maior parte do tempo como Porta-helicopteros, tendo por isso as suas duas catapultas Mitchel Brown, muito menos utilização que as do Clemanceau..

 
Convés de vôo do A-12 São Paulo  
Também as exigências operacionais de um navio que opera essencialmente helicopteros são menores, por não ter a bordo (por não ser necessário) toda a tripulação e meios necessários para operar aeronaves de asa fixa. Todos estes factores acabam concorrendo para preservar o navio.

Assim, a aquisição do novo porta-aviões parece ser do ponto de vista da marinha brasileira, uma compra interessante, ainda mais porque o custo, que rondou na altura os 12 milhões de dolares, foi realmente extremamente convidativo, por um navio que ainda pode ter um muito consideravel valor militar.

Diferenças

O novo porta-aviões, registado com o numero A-12 e baptizado de São Paulo é um navio com características diferentes do anterior Minas Gerais.

A começar pelo tamanho, e pelo deslocamento, que é cerca de 50% maior, e pela capacidade de tansporte de aeronaves, que é igualmente superior. O São Paulo, conta com duas catapultas para o lançamento de aeronaves, contra uma apenas no Minas gerais. O "novo" porta-aviões, ao serviço da marinha francesa, poderia operar até quarenta aeronaves, contra oito aviões e oito helicópteros no porta-aviões anterior.


Uma análise tão distânciada quanto possível, diz que a marinha do Brasil, parece ter delineado planos, no fim dos anos 90, que incluindo ou não a aquisição do A-12 São Paulo, pareciam implicar alguma alteração na visão estratégica que o país tem para a sua marinha de guerra, e especialmente para a força que se constitui à volta do seu único porta-aviões.

A França, transferiu para o Brasil o FOCH, mas não transferiu, naturalmente nenhuma das aeronaves que utilizava, e cabe portanto ao Brasil, entrar na operação de orta-aviões de ataque convencionais, sem ter experiência anterior na operação deste tipo de navios.

De facto, a Argentina, que utilizou um porta-aviões do tamanho do antigo Minas Gerais, mas que o utilizou como porta-aviões de ataque, equipado com aeronaves de asa fixa (Skyhawk e Super Etendard) tinha mais experiência que o Brasil na utilização deste tipo de equipamento.

De entre as questões que se levantam, à marinha brasileira podemos destacar algumas:

Que tipo de aeronaves vai a marinha utilizar e qual a sua função?
Que sistemas de defesa devem estar presentes no São Paulo para o transformar num navio com valor militar e alguma capacidade de defesa?
Que sistemas electrónicos e de defesa deve o São Paulo dispor no futuro?
A primeira questão, parece estar já préviamente respondida, pois, antes mesmo de adquirir o São Paulo, a marinha brasileira tinha adquirido um lote de cerca de duas dezenas de aeronaves Skyhawk-II compradas ao Koweit, e as quais tinham um reduzido numero de horas de utilização e tinham sido utilizadas no clima seco do deserto, o que implica menor desgaste.

No entanto, os Skyhawk do Koweit, embora perfeitamente adaptáveis para a operação a partir de um porta-aviões, são aeronaves relativamente ultrapassadas. Trata-se de aviões de ataque, que dispõem de capacidade para atacar navios com bombas, mais ou menos como o fizeram há mais de 20 anos os argentinos contra as forças britânicas nas Falkland. Os Skyhawk não têm qualquer capacidade de utilizar armamento inteligente, e o seu radar é um simples radar de navegação.

O Brasil, parece ter adquirido os Skyhawk, unica e exclusivamente para criar a sua aviação naval de asa fixa, dado não ser credível que nos dias de hoje, uma marinha considere a possibilidade de operar numa situação real, uma aeronave relativamente desfasada, ainda que em muito bom estado de conservação.

Portanto, ou a marinha do Brasil, efectua uma modernização do Skyhawk, a qual deverá imploicar a adição de um radar que permita ao Skyhawk efectuar missões de patrulha e defesa, ou então será necessário utilizar outra aeronave.

Que aviões podem ser utilizados a partir do São Paulo?

 
Vought F-8E Crusader: O avião de superioridade aérea da marinha francesa, substituido pelo Rafale  
Esta questão, é a mesma que a marinha da França começou por colocar e que levou essa marinha a retirar o Foch de serviço. Ou seja, o problema é bicudo. O principal avião de combate ar-ar que os franceses utilizavam no Foch, era o já vetusto F-8E Crusader. A aeronave tinha uma velocidade máxima de cerca de 1600 Km/h e um peso, que lhe permitia operar a partir das catapultas do Foch ou do Clemanceau, mas mesmo o F-8, precisou de uma versão especial, para poder aterrar nos porta-aviões franceses, exactamente por causa das dimensões destes. A França, efectuou testes com o F-18 em 1988 a partir do Foch (futuro São Paulo) mas o F-18 demonstrou também ser demasiado grande para operar a partir deste tipo de porta-aviões. A França, acabou por optar pelo Rafalle, mas mesmo essa aeronave, que chegou a efectuar testes no Foch, está ligeiramente acima da capacidade das catapultas do navio.[...]


[...] Voltar à página anterior (parte II)

Os sistemas de defesa e as armas do São Paulo

A França vendeu ao Brasil o São Paulo com nenhum tipo de arma. Compete assim à marinha brasileira equipar o São Paulo de forma a transformar o porta-aviões num navio com o valor militar que decorre da operação de aeronaves armadas de combate (Skyhawk) mas também com armas que permitam a sua defesa, nomeadamente contra ataques aéreos.

O São Paulo, estava inicialmente equipado (aquando do seu lançamento) com oito canhões Creusot-Loire de 100mm, mas durante os anos 80, os navios foram alterados para receber misseis anti-aéreos Crotale.naval, juntamente com o pequeno sistema de misseis anti-aéreos Matra SADRAL (misseis Mistral). os misseis Crotale(EDIR), tinham emprego multiplo e capacidade para engajarem misseis anti-navio.Os sistemas SADRAL (lançadores sextuplos) tinham uma missão complementar e um alcance ligeiramente inferior.

Neste momento no entanto, para considerar a integração do São Paulo na esquadra brasileira, e para manter o São Paulo ao nível do que se espera venha a ser o padrão, já definido pelo programa ModFrag das fragatas da classe Niteroi, os sistemas de armas que fazem mais sentido no São Paulo parecem ser aqueles que já estão instalados nas Niteroi.

Logo, a solução mais lógica, sería a instalação de dois lançadores octuplos Albatros equipados com o missil ASPIDE-2000 (um em cada bordo do navio), bem assim como dois ou quatro canhões anti-aéreos Bofors Trinity, que têm na marinha do Brasil a função de Sistema de Armas de Defesa Aproximada ou (Close In Weapon System) CIWS.

Estes dois tipos de arma, permitiriam ao navio uma maior capacidade de defesa contra ataques aéreos, e contra ataques provenientes de mísseis anti-navio do tipo do Exocet ou do Harpoon.

Finalmente, e para que este tipo de armamento possa ser utilizado, será necessário substituir os directores de tiro DRBC-32B, por exemplo pelo mesmo equipamento que está utilizado a bordo das fragatas Niterói, o ALENIA RNT-30X.

Os restantes radares, de navegação e os radares 3D DRBI-10 de altimetria para controlo de trafego aéreo, continuam, pelo menos em principio a ter capacidade para fazer aquilo que foram pensados, ou seja, pesquisar a área em torno do São Paulo e gerir e apoiar a aproximação e gestão do trafego de aeronaves em volta do porta-aviões.

A integração destes sistemas onde for possivel, com o sistema de combate que já estava instalado a bordo do Minas Gerais, terá que ser feita de uma forma ou de outra. Ou com o recurso aos actuais radares de pesquisa aérea, ou se necessário, recorrendo a um novo radar de pesquisa aérea.


--------------------------------------------------------------------------------

A título de conclusão, o São Paulo ainda pode vir a ser um equipamento com elevado valor militar, nomeadamente no cenário da América Latina. A utilização deste navio, juntamente com fragatas da classe Niteroi, e submarinos, permite a constituição de um grupo de combate com capacidade acima do que quer que seja que qualquer país a sul do equador lhe pode opor. No entanto, essas alterações, modernizações e adições não podem esperar muito mais tempo, sob pena de o são Paulo se transformar num elefante branco, por razões politicas.

Também é necessário admitir, por óbvio, que o São Paulo, com a actual estrutura e sem alterações radicais, nunca estará à altura de marinhas do hemisfério norte, mesmo possuindo um navio almirante ocm o tamanho e capacidade do A-12, porque este está equipado com equipamentos que não são de primeira linha.

A possibilidade de alterações politicas a nivel governamental alterarem o posicionamento estratégico da marinha brasileira, pode no entanto ser mais debilitante para o São Paulo que qualquer falta de verbas.

Aguardemos portanto serenamente os desenvolvimentos que seguramente virão.

(c) areamilitar.net 2005 "
AD ASTRA PER ASPERA
 

*

Brasil

  • 6
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Setembro 27, 2007, 05:14:53 pm »
AS FOTOS DO A-12 QUE ACABOU DE SER MODERNIZADO



Nae São Paulo com a fortaleza de Sta Cruz ao fundo.


Nae São Paulo com a prai do Flamengo ao fundo.


Convôo do Nae São Paulo.














O navio-aeródromo além de todas as alterações internas teve seu convôo reformado passando a utilizar o mesmo meterial usado na Classe Nimitz, tendo inclusive sua pintura modificada, perdendo o “triangulo” branco característico do seu passado na Marine Nationale francesa, e ganhando uma delineação grossa na pista diagonal em amarelo canário. O NAe São Paulo também recebeu dois lançadores SIMBAD oriundos do A-11 Minas Gerais. Nas próximas semanas o São Paulo iniciará o programa de re-certificação do navio e da sua tripulação pelo CAAML, passo indispensável para que ele possa voltar a participar das operações e exercícios da Marinha.



FONTE:
http://www.alide.com.br/noticias/tamandare200/index.htm
AD ASTRA PER ASPERA
 

*

Johnnie

  • Analista
  • ***
  • 657
  • Recebeu: 54 vez(es)
  • Enviou: 19 vez(es)
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Setembro 27, 2007, 07:52:47 pm »
E porque não tentam comprar uns Super Etandart com exocet?
«When everything is coming your way... You are in the wrong lane!!!!"
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15958
  • Recebeu: 1357 vez(es)
  • Enviou: 1250 vez(es)
  • +210/-198
(sem assunto)
« Responder #3 em: Setembro 27, 2007, 08:15:13 pm »
Para? Temos os F-16 para alguma coisa, se é para equipá-lo melhor para missões anti-superficie, então basta adquirir o armamento disponível para tal.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Johnnie

  • Analista
  • ***
  • 657
  • Recebeu: 54 vez(es)
  • Enviou: 19 vez(es)
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Setembro 27, 2007, 08:23:45 pm »
A pergunta era para os irmãos brasileiros cabeça, nós já estamos servidos  :D
«When everything is coming your way... You are in the wrong lane!!!!"
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15958
  • Recebeu: 1357 vez(es)
  • Enviou: 1250 vez(es)
  • +210/-198
(sem assunto)
« Responder #5 em: Setembro 27, 2007, 08:26:18 pm »
:wink:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Johnnie

  • Analista
  • ***
  • 657
  • Recebeu: 54 vez(es)
  • Enviou: 19 vez(es)
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Setembro 27, 2007, 09:14:59 pm »
Pois, mas ao que parece o Hornet não pode operar do Foch/S. Paulo devido ao seu peso  :roll:


Dado o A-4 estar completamente desfasado no presente, só me ocorrem:

Sea Harrier

Super Etandart
«When everything is coming your way... You are in the wrong lane!!!!"
 

*

Brasil

  • 6
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Setembro 28, 2007, 01:15:44 am »
Citação de: "Johnnie"
Pois, mas ao que parece o Hornet não pode operar do Foch/S. Paulo devido ao seu peso  :roll:


Dado o A-4 estar completamente desfasado no presente, só me ocorrem:

Sea Harrier

Super Etandart


há um tempo foi feito um estudo para o A-12 quando ainda era da armada francesa. Foi constado que o A-12 pode levar os F-18 sem restrições. Seria uma boa alternativa, e agora que o A-12 ja acabou de ser modernizado, a marinha já esta preparando um plano para equipa-lo novamente.. parece que será o S-70 como helicoptero ASW/ASuW (que já foi aprovado pelo congresso dos EUA). Estão em estudo tambem aeronaves AEW REVO e as de caça.. seria mais logico, a MB optar pelo mesmo caça que a FAB vai optarm, no caso, o más cogitado é o Dassault Rafale. Mais precisariam ser feitas alterações nas catapultas.



Um abraço

SAPS
AD ASTRA PER ASPERA
 

*

luis filipe silva

  • Investigador
  • *****
  • 2051
  • Recebeu: 4 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Setembro 28, 2007, 02:52:56 am »
Brasil escreveu:
Citar
parece que será o S-70 como helicoptero ASW/ASuW (que já foi aprovado pelo congresso dos EUA). Estão em estudo tambem aeronaves AEW REVO e as de caça.. seria mais logico, a MB optar pelo mesmo caça que a FAB vai optarm, no caso, o más cogitado é o Dassault Rafale. Mais precisariam ser feitas alterações nas catapultas.


Conclusão: Tudo em estudo, nada de concreto, e essa obsessão em ter navio aeródromo, submarino nuclear, mas dado porque grana não há.

E esqueci-me do mais importante!... Bem vindo ao FD.
-----------------------------
saudações:
Luis Filipe Silva
 

*

Brasil

  • 6
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Setembro 28, 2007, 04:59:02 pm »
Citação de: "luis filipe silva"
Brasil escreveu:
Citar
parece que será o S-70 como helicoptero ASW/ASuW (que já foi aprovado pelo congresso dos EUA). Estão em estudo tambem aeronaves AEW REVO e as de caça.. seria mais logico, a MB optar pelo mesmo caça que a FAB vai optarm, no caso, o más cogitado é o Dassault Rafale. Mais precisariam ser feitas alterações nas catapultas.

Conclusão: Tudo em estudo, nada de concreto, e essa obsessão em ter navio aeródromo, submarino nuclear, mas dado porque grana não há.

E esqueci-me do mais importante!... Bem vindo ao FD.



bom.. para o sub nuclear o dinheiro já foi liberado... ou seja.. teremos sem sombra de dúvidas um sub nuclear.


A ala aérea do A-12 é a segunda fase de sua modernização.


Ah.. e obrigado pelas boas vindas.
AD ASTRA PER ASPERA
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7614
  • Recebeu: 562 vez(es)
  • Enviou: 190 vez(es)
  • +228/-350
(sem assunto)
« Responder #10 em: Setembro 28, 2007, 05:31:44 pm »
Já agora, fala-se já numa versão navalizada do Grippen, caso o F35 falhe.
Quem diria...
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15958
  • Recebeu: 1357 vez(es)
  • Enviou: 1250 vez(es)
  • +210/-198
(sem assunto)
« Responder #11 em: Setembro 28, 2007, 05:37:21 pm »
Uma coisa é certa, pode não ser a coisa mais racional, mas que o PA está espectacular, lá isso está! :wink:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1818
  • Recebeu: 241 vez(es)
  • Enviou: 450 vez(es)
  • +12/-1
(sem assunto)
« Responder #12 em: Setembro 28, 2007, 06:12:54 pm »
Citação de: "Luso"
Já agora, fala-se já numa versão navalizada do Grippen, caso o F35 falhe.
Quem diria...

Fala-se nisso para o PA brasileiro? Fiquei especialmente admirado com a opção do F-35.

O A-12 não terá capacidade para operar o Rafale?

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7614
  • Recebeu: 562 vez(es)
  • Enviou: 190 vez(es)
  • +228/-350
(sem assunto)
« Responder #13 em: Setembro 28, 2007, 06:37:51 pm »
Citação de: "Get_It"
Citação de: "Luso"
Já agora, fala-se já numa versão navalizada do Grippen, caso o F35 falhe.
Quem diria...
Fala-se nisso para o PA brasileiro? Fiquei especialmente admirado com a opção do F-35.

O A-12 não terá capacidade para operar o Rafale?

Cumprimentos,


Erro meu por faciitar a confusão. Não falo que se esteja efectivamente a ponderar um Grippen Navalizado para o S. Paulo, mas apenas a possibilidade de haver uma oferta para esse mercado.

The least probable option mentioned by Flight International, but perhaps the most interesting, involves the possible creation of a carrier-capable Gripen that would take advantage of the Gripen's natural short take-off and landing capabilities (it can function on a 6m x 900m runway). The most likely sales target would be India, with a possible future role in Brazil as a naval aircraft or as a backup choice to Britain's F-35B Lightning II STOVLs on its new CVF carriers. Though the concept is intriguing, these sales prospects may not be enough to justify the expenditure involved.

http://www.defenseindustrydaily.com/the ... 2401/#more
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1818
  • Recebeu: 241 vez(es)
  • Enviou: 450 vez(es)
  • +12/-1
(sem assunto)
« Responder #14 em: Setembro 28, 2007, 06:58:27 pm »
Entendido.

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 

 

Porta-Helicópteros Multipropósito "Atlântico"

Iniciado por Lusitano89

Respostas: 57
Visualizações: 3140
Última mensagem Maio 29, 2019, 01:08:42 pm
por Vitor Santos