A Batalha de Alcácer-Quibir

  • 28 Respostas
  • 18247 Visualizações
*

Yosy

  • Especialista
  • ****
  • 1086
  • +0/-0
A Batalha de Alcácer-Quibir
« em: Maio 06, 2006, 09:33:24 pm »
Interessante o artigo na Wikipedia. Digam o que pensam.

BATTLE OF ALCAZARQUIVIR

The Battle of Alcazarquivir (variant spellings are legion: Alcácer-Quivir, Alcácer-Quibir, Al Quasr al-kibr, Alcassar and so on, meaning grand palace in Arabic), also known as Battle of Three Kings, was a major battle fought in Morocco, near the modern town of Ksar-el-Kebir between Tangier and Fez, on 4 August 1578. The combatants were the army of King Sebastian of Portugal, and a large Moorish army nominally under the Emir of Morocco, Abd Al-Malik. The campaign may be viewed from a 21st century perspective as a 16th-century attempt at regime change in the Muslim world, and the result was one of the most devastating defeats ever inflicted on a nation of Christian Europe. The militantly Christian king had planned a crusade that would eject the Moors from North Africa and place Portugal at the head of Catholic Europe. It was an act of breathtaking folly. In the event his defeat led irrevocably not just to the humbling and ruin of his country but to the actual disappearance of Portugal as an independent nation for 60 years.

Background

D. Sebastian, known in Portugal as the Desired, was the son of the Infante John, son of John III of Portugal, and Joanna, daughter of the Emperor Charles V. His father died before he was born, and he became King at the age of three after the death of his grandfather in 1557. He was educated almost entirely by Jesuits and by his guardian, Catherine of Austria, sister of Charles V. Under these influences his youthful idealism soon mutated into religious fanaticism. In order to distinguish himself from other monarchs he assumed the title of "Most Obedient King", signifying his obedience to the Catholic Church. This obedience was equalled by his hatred for all schismatics and unbelievers, and while still a teenager he convinced himself he was to be Christ's captain in a new crusade against the Moors in North Africa.

Up to that time Portuguese military action in Africa had been confined to small expeditions and raids; Portugal had built its vast maritime empire from Brazil to the East Indies by a combination of trade, sea exploration and technological superiority, with Christian conversion of subject peoples being one, but by no means the only, end in view. Sebastian proposed to change this strategy entirely. In 1574 he led a raid to Tangier, whose success encouraged him to grander designs against the Saadian rulers of Morocco. He offered his support to Mulay Mohammed, who was engaged in a civil war to wrest the throne of Morocco from his uncle, the Emir Abd Al-Malik. Despite the admonitions of his mother and his uncle Philip II of Spain, and despite Abd Al-Malik's offers to treat and even to cede him part of the coast of Morocco, Sebastian used much of Portugal's imperial wealth to equip a large fleet and gather an army including mercenaries from Spain, England and Germany, as well as 2,000 Italians initially recruited to aid an insurrection in Ireland under the leadership of the English adventurer, Thomas Stukley. It is said that his expeditionary force numbered 500 ships, and his army in total numbered about 23,000 men, including the flower of the Portuguese nobility.

The campaign

After haranguing his troops from the windows of the church of Santa Maria in Lagos, Sebastian departed that port in his armada on 24 June 1578. He landed at Arzila, where Mulay Mohammed joined him with some additional forces, and marched into the interior. The Emir, who was gravely ill, had meanwhile collected a large army – sources put it at 100,000 men – and the two armies approached each other near Alcazarquivir, camping on opposite sides of a river. Athough he had obvious superiority in numbers the Emir again attempted to negotiate a peace, but without success. Sebastian's army was low on provisions and in a poor tactical position as the Moors had occupied all the surrounding high ground, but he could not be persuaded to temporize or withdraw, even by Mulay Mohammed.

The battle

On 4 August the Portuguese troops were drawn up in battle array, and Sebastian rode round encouraging the ranks. But the Moors advanced on a broad front and encircled his army. The Emir had 10,000 cavalry on the wings, and in the centre he had placed Moors who had been driven out of Spain and thus bore a special grudge against Christians. Despite his illness the Emir left his litter and led his forces on horseback. The ensuing battle ended in the total defeat of the Portuguese, with 8,000 dead, including the slaughter of almost the whole of the country’s nobility, and 15,000 taken prisoner; perhaps 100 survivors escaped to the coast. Thomas Stukley, commanding the Portuguese centre, was killed by a cannon-ball early in the battle. The body of King Sebastian, who led a charge into the midst of the enemy and was then cut off, was never found. The Emir Abd Al-Malik also died during the battle, but from natural causes (the effort of riding was too much for him), and the news was concealed from his troops until total victory had been secured. Mulay Mohammed attempted to flee but was drowned in the river. For this reason the battle was known in Morocco as the Battle of the Three Kings.

Its consequences

Abd Al-Malik was succeeded as Emir by his brother Ahmad al-Mansur, also known as Ahmed Saali, who obtained great wealth for his lands through the ransoms of the Portuguese prisoners.
For Portugal the battle was an unmitigated disaster. Most of its outposts on the North African coast were abandoned. Despite the lack of a body Sebastian was presumed dead, at the age of 24. In his piety he had remained unmarried and had sired no heir. His aged, childless uncle Henry of Portugal, a Cardinal of the Roman church, succeeded to the throne as closest legitimate relative. His brief reign (1578-1580) was devoted to attempting to raise the crippling ransoms for the survivors of the battle held captive in Morocco. After his death no legitimate claimant remained from the House of Avis, which had ruled Portugal for 200 years. Philip II of Spain, a grandson of Manuel I of Portugal invaded Portugal, defeating the troops of Anthony, Prior of Crato at the Battle of Alcântara and was crowned Philip I of Portugal by the Cortes of Tomar in 1581. Portugal and its Empire were de facto incorporated into the Spanish Empire, and remained as another province of the Habsburgs until 1640. Despite his disastrous misjudgments, a cult of 'Sebastianism', with the young monarch as Portugal's "Once and Future King" who will one day, like King Arthur, return to save his nation, has ebbed and flowed in Portuguese life ever since, and was particularly strong in the later 19th century. For 40 years after the battle a series of impostors attempted to claim that they were Sebastian returned from the dead.

http://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Alcacer-Quibir
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7640
  • Recebeu: 596 vez(es)
  • Enviou: 195 vez(es)
  • +236/-617
(sem assunto)
« Responder #1 em: Maio 06, 2006, 10:00:57 pm »
Simmm??!! :mrgreen:
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1458
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Dezembro 03, 2008, 01:05:34 am »
Rei Sebastião...
A que derradeira desgraça queres arrastar a tua Pátria?



Apenas D. Sebastião chegou aos 14 anos, a rainha-avó tanto se moveu que conseguiu que fosse proclamada a maioridade.
O preceptor foi o padre Luís Gonçalves da Câmara. Para aio escolheu-se D. Aleixo de Menezes, homem de são critério e espírito superior. Os que detestavam a influencia jesuítica imaginaram que D. Aleixo de Menezes, com a sua autoridade exerceria maior influência no ânimo do discípulo. Mas não sucedeu assim, Sem o querer, é certo, D. Aleixo contribuiu para completar a educação do jesuíta. O padre Câmara fez de D. Sebastião um monge, e D. Aleixo um militar brioso; essas duas educações combinadas deram em resultado esse monge militar coroado, esse templário entusiasta, que arrastou Portugal é, ultima cruzada, e que nessa cruzada o perdeu.



Com o seu temperamento ao mesmo tempo guerreiro e contemplativo, D. Sebastião facilmente recebeu as lições do preceptor e do aio. O padre Câmara desenvolvia no seu espírito o fervor ascético e religioso para poder fazer do rei, confiado aos seus cuidados, o fiel escravo da Companhia; D. Aleixo de Menezes, cumprindo o seu dever, ensinava lhe os brios cavalheirescos que eram próprios de um rei, e com as suas lições e com os exemplos gloriosos da sua vida ensinava-o a prezar a gloria das armas e a não temer os perigos. Ao mesmo tempo ouvia o jovem monarca a cada instante em torno de si lamentar a resolução de D. João III, que entregara aos mouros algumas praças que tinham sido conquistadas pelos nossos à custa de tanto sangue; era bem criança ainda, mas já com o espírito aberto a todas as impressões, pela sua notável precocidade, quando a defesa heróica de Mazagão exaltou o reino todo e precipitou dentro das muralhas da praça africana a flor da fidalguia portuguesa. Tudo isto concorria para o exaltar e para o excitar.  



Muito inteligente, muito impressionável, aprendendo tudo de relance, D. Sebastião era por isso mais acessível do que qualquer outro é, influencia de todas estas causas. Dividia o seu tempo pelas caçadas, pelos exercícios religiosos e pela leitura de livros de história, principalmente da história portuguesa. O seu grande prazer era desafiar o perigo e procurar as agruras e os descómodos da vida montesina. Ia de Inverno para Sintra, de Verão para Salvaterra e Almeirim, em dias de temporal é que ele folgava de embarcar nas galés e de ir fora da barra contemplar, da popa dos navios, o mar embravecido. Fugia do amor com uma insensibilidade notável, tanto porque julgava esse sentimento efeminado incompatível com os seus hábitos guerreiros, porque o seu espírito religioso lhe fazia ver o ideal da vida humana na castidade ascética. Tudo concorria pois para perder o rei e o país; as qualidades de D. Aleixo de Menezes e os defeitos de Luís Gonçalves da Câmara, os seus hábitos de caçador semi-selvagem que lhe faziam desprezar a um tempo o amor e o perigo e que o impediram de deixar um herdeiro da coroa e de salvar-se por ocasião da derrota de Alcácer Quibir, quando isso lhe era ainda tão fácil.



E porque em D. Sebastião o valor era uma questão de temperamento e não de consciência; não tinha o valor reflectido, que afronta os perigos para cumprir um dever, tinha o valor brutal do caçador e do soldado, a quem o perigo embriaga como um vinho ardente. Durante uma viagem que fez pelas províncias, fugindo da peste de Lisboa, praticou as maiores extravagâncias. Mandava abrir os túmulos dos reis seus antepassados, extasiava-se diante dos que tinham sido guerreiros, mostrava o mais completo desdém pelos pacíficos, principiando a inspirar a todos os mais sérios receios esta sua índole destemperada e bravia que se curvava ao jugo dos jesuítas.



D. Sebastião continuou a dar prova da mais rematada loucura. 0 pior, porém, foi a primeira expedição a África, em que logo ao sentiu a que loucas temeridade se poderia arrojar essa criança coroada. Em Agosto de 1574 embarcou secretamente e passou a África, sem prevenir pessoa alguma. Houve grande terror, quando se soube do seu desaparecimento sem se poder suspeitar para onde ele fora. Finalmente apareceu uma carta régia, em que participava a sua expedição, nomeando regente do reino na sua ausência o cardeal D. Henrique. As pessoas mais autorizadas lhe mandaram suplicas repetidas, pedindo-lhe que voltasse. D. Sebastião voltou, mas não foi por esse motivo, foi porque nem em Ceuta nem em Tânger encontrou ocasião de combater. Os marroquinos, apenas souberam da sua chegada, retraíram-se supondo que D. Sebastião era acompanhado de todas as suas forças do reino. D. Sebastião regressou por conseguinte a Portugal, mas decidido a voltar em estado de tentar empresas sérias.  



O resultado mais importante desta expedição africana foi a convivência mais íntima que travou com uns fidalgos moços e com D. Álvaro de Castro, que, sem ser moço, era o chefe do partido juvenil, convivência de que resultou o golpe de estado que deu apenas chegou a Lisboa, e pelo qual Martim Gonçalves da Câmara caiu no régio desagrado. A influência passou então a D. Álvaro de Castro, mas D. Sebastião que em nada se importava com os negócios públicos, que tudo deixava entregue aos seus ministros, só numa coisa era intransigente, no que dizia respeito à expedição africana. Esse era o seu grande, o seu decidido empenho.



Debalde todos, sem excepção, instaram com ele para que desistisse de tão louco intento; debalde o conselho de Estado unanimemente lhe declarou que não aprovava semelhante procedimento; debalde a rainha D. Catarina lhe suplicou e o cardeal D. Henrique e o senado da Câmara de Lisboa e os próprios embaixadores de Filipe II instaram com ele, que desistisse do intento, debalde o próprio Muley Moluk lhe ofereceu as condições mais honrosas para que a paz se não rompesse, de ninguém fez caso na sua extraordinária monomania. Ao conselho de Estado disse que o reunira, não para deliberar sobre a questão de se saber se era ou não oportuna a sua passagem à África, essa já, não admitia discussão, estava perfeitamente resolvida. Do que se tratava era de se saber o modo como se havia de realizar a expedição projectada. A Muley Moluk exigiu que lhe entregasse primeiro umas poucas de praças, ditando condições a um inimigo poderoso, mas prudente, como as ditaria a um vencido.  



Se a empresa era insensata, o modo de a levar a efeito foi mais insensato ainda. No levantamento do dinheiro preciso para a expedição cometeram-se as maiores exacções que irritavam o povo extraordinariamente. Depois fizeram-se grandes levas no estrangeiro a peso de ouro, e reuniram-se terços espanhóis, alemães e irlandeses, com todos os inconvenientes das tropas mercenárias, recrutaram-se no reino uns 9 mil soldados bisonhos, fracos, que não ofereciam a mínima garantia. 0 corpo de voluntários da nobreza era brilhante, sem dúvida, pela bravura dos que o compunham, mas era ao mesmo tempo indisciplinado, e depois equipava-se com um luxo completamente impróprio para uma expedição militar. D. Sebastião, não só tolerava esse luxo, apesar das severas pragmáticas que promulgara em tempo, mas animava-o.



Completamente desvairado, tendo-se munido da espada de D. Afonso Henriques que mandara pedir a Santa Cruz de Coimbra, e de uma coroa de ouro que devia colocar na cabeça quando se proclamasse imperador de Marrocos, partiu finalmente a 25 de Junho com uma armada de 800 velas e um exército de 18.000 homens, em que entravam soldados de todas as proveniências, que já em Lisboa haviam tido varias e gravíssimas rixas. Ao chegar a África, as loucuras continuaram. Foi D. Sebastião quem tudo quis dirigir. Para tomar Larache, que é um porto de mar, desembarcou em Tânger a 17 de Julho de 1578, e seguiu por terra, passando por Arzila e Alcácer Quibir. A marcha em Agosto era pesadíssima para os nossos soldados, que ao chegarem a Alcácer Quibir iam já mortos de fadigas.



Seguiu-se a batalha desastrosa de 4 de Agosto, que já está descrita minuciosamente nesta obra, vol. I, pág. 149; acrescentaremos que D. Sebastião, apenas sentiu o cheiro da pólvora, esqueceu tudo, os seus deveres de comandante, as ordens que dera, e arrojou se ao inimigo do espada em punho, praticando verdadeiros prodígios de valor. Quando a derrota começou, D. Sebastião nem deu por ela, mas do repente, quando percebeu que as hostes portuguesas estavam em completa debandada, compreendendo então a enormidade dos seus erros, soube expiá-los os heroicamente. Era um novo erro, porque a sua morte ia deixar o trono vago, sem sucessão. Soube morrer com brio, com uma intrepidez verdadeiramente extraordinária. Acompanhado apenas por uma porção de fidalgos, arrojou-se loucamente ao inimigo, procurando salvar a artilharia que os marroquinos levavam.



 Não o conseguiu, e os fidalgos que o rodeavam, esquecendo também a sua própria salvação, resgatando lambem heroicamente as culpas da sua temeridade, não pensavam senão em dar a vida para o salvar. 0 prior do Crato, a pé, com a espada embotada dos golpes que vibrara, todo coberto de sangue, indicava-lhe um claro nas fileiras muçulmanas por onde podia ainda salvar-se, mas D. Sebastião não o atendia. Já não tinha a exaltação febril da coragem, mas a resolução fria de lavar com todo o seu sangue a sua culpa enorme. Já não podia fugir, mas podia comprar a vida com a perda da liberdade.
-Rendei-vos, senhor, dizia-lhe D. Francisco de Mascarenhas, e ele, meneava trinta e negativamente a cabeça



Só nos resta morrer, acudiu D. João de Portugal.
-Morrer, sim, respondeu o monarca com voz abafada,
-Morrer, sim, mas devagar.
Cristóvão de Távora, querendo salvá-lo à viva força, acenou a um mouro que viu próximo, para que viesse tomar-lhe a espada, mas D. Sebastião percebendo, disse bruscamente:
-Não, não a liberdade real só se há de perder com a vida.
E metendo esporas ao cavalo com verdadeira fúria, sumiu-se nas fileiras muçulmanas vibrando para um e outro lado as mais formidáveis cutiladas. Debalde, os fidalgos tentaram segui-lo, mas D. Sebastião tomara-lhes tão grande avanço, que foi impossível alcançá-lo. Desapareceu, e da sua sorte nunca mais se soube. O povo não quis acreditar na sua morte, e formou se em torno do seu nome, não só uma lenda, mas uma seita, que ficou conhecida por Sebastianistas. Mas a morte do infeliz monarca foi oficialmente reconhecida, e a coroa caiu por infelicidade em seu tio, o cardeal D. Henrique. Em 1582 o cadáver suposto ou verdadeiro, veio para Portugal, e foi enterrado num túmulo da igreja de Belém, onde se escreveu um pequeno epitáfio em latim, que deixa transparecer a dúvida, porque diz: Aqui jaz, si vera est fama ...


http://www.arqnet.pt
O Quinto Império
Non ou vã glória de mandar
Medieval 2 Total War
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1458
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Dezembro 08, 2008, 01:58:07 am »
Para aqueles que se interessam por história e estratégia militar, deixo-vos aqui o dispositivo inicial apresentado por ambos os exércitos na Batalha de Alcácer Quibir. Retirei-o de um livro que me passou pelas mãos, do qual não me recordo o nome exacto.

De frisar que este é apenas um esboço de como poderá ter acontecido, fruto de vários estudos sobre a batalha. Os dados sobre o exército mouro são ainda mais fracos, existindo contudo uma certa ideia da sua disposição táctica.

Notar:
-Embora não pareca de imediato, a desvantagem numérica dos portugueses;
-Os poucos canhões portugueses em relação aos do inimigo, a sua má colocação (ainda os portugueses manobravam os seus canhões já o inimigo disparava)
-Abundância da cavalaria na hoste inimiga, Formariam uma " meia-lua" à volta dos portugueses, cercando-os.
- Não aparece "directamente" na imagem, mas a falta de um comandante competente para liderar os Portugueses. Esse cargo estava a cabo do Rei D.Sebastião, valente cavaleiro, mas fraco capitão.
Sobre o que se seguiu, tentarei encontrar mais informação.
 
« Última modificação: Dezembro 09, 2008, 03:30:59 pm por TOMSK »
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 8528
  • Recebeu: 1027 vez(es)
  • Enviou: 1195 vez(es)
  • +143/-46
(sem assunto)
« Responder #4 em: Dezembro 08, 2008, 12:26:06 pm »
Esta batalha quase de certeza, foi a pior derrota militar da historia portuguesa e a que teve piores consequências para o pais.
 

*

tyr

  • Analista
  • ***
  • 880
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Dezembro 08, 2008, 01:36:13 pm »
se olharmos para a história de portugal vê se isso mesmo, nates de alcacer quibir, portugal foi sempre a crecher, após alcacer quibir, foi sempre a minguar.

antes de alcacer quibir eramos uma potencia, após alcacer quibir tornamo nos num jogador de 2º plano (com um imperio em decadencia)

antes de alcacer quibir os tugas tinham um espirito guerreiro, após alcacer quibir ficamos com o espirito fadista.
A morte só é terrivel para quem a teme!!
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1458
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Dezembro 08, 2008, 02:15:10 pm »
Efectivamente, para muitos esta batalha marca o inicío do fim do "Glorioso Portugal".

Em pouco mais de  uma hora morreram 30 mil soldados portugueses e mercenários estrangeiros.E os mouros também.

Por volta das 16:00 da tarde chegava a vez de Dom Sebastião e a sua guarda pessoal ser completamente rodeada pelo inimigo. Um dos fidalgos que com ele estavam, rasgou um lenço branco que trazia consigo, coloca-o na ponta da espada, e acena bem alto, em sinal de rendição daquela unidade.

Quando Dom Sebastião vê isto, irritado, acena negativamente com a cabeça, e metendo as esporas ao seu cavalo, investe enraivecido contra os soldados mouros que o rodeavam. Só a força do cavalo deita dois inimigos ao chão, seguindo-se golpes de espada para cá e para lá, conseguindo assim, romper o cerco. Os fidalgos não o conseguem seguir, tendo que se render aos Mouros.
E lá foi Dom Sebastião, sozinho, com o seu cavalo real, deixando os seus companheiros para trás, desparecer no meio dos Mouros, envolto numa nuvem de poeira e pólvora, que ardia a poucos metros.
Nenhum dos portugueses que com ele estavam o viu mais...
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 8528
  • Recebeu: 1027 vez(es)
  • Enviou: 1195 vez(es)
  • +143/-46
(sem assunto)
« Responder #7 em: Dezembro 08, 2008, 02:32:06 pm »
Citação de: "tyr"
antes de alcacer quibir eramos uma potencia, após alcacer quibir tornamo nos num jogador de 2º plano (com um imperio em decadencia)

antes de alcacer quibir os tugas tinham um espirito guerreiro, após alcacer quibir ficamos com o espirito fadista.


Ao menos Portugal ainda existe, ao contrário de tantas outras Nações/Reinos que existiram no passado e desaparecem com os tempos.
 

*

tyr

  • Analista
  • ***
  • 880
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Dezembro 08, 2008, 02:43:34 pm »
eu ainda sonho que o espirito tuga pré alcacer quibir volte, mas...
A morte só é terrivel para quem a teme!!
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 1729
  • Recebeu: 114 vez(es)
  • Enviou: 31 vez(es)
  • +173/-2009
(sem assunto)
« Responder #9 em: Dezembro 08, 2008, 03:00:59 pm »
Os erros pagam-se caro, e Portugal pagou caro, com a  batalha de alcacer quibir, foi um erro muito grave, pelas consequências trágicas que teve, o desastre de Alcácer-Quibir, foi a  ruína financeira da Coroa portuguesa, a independência nacional ameaçada, enfim, não ouve ninguém na corte, com a capacidade de convencer o menino, da idéia tão louca, que foi a batalha de alcacer quibir, ficamos sem Rei, sem dinheiro sem glória etc etc. c34x
A Vida é um teste e uma incumbência de  confiança.
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1458
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Dezembro 08, 2008, 09:04:54 pm »
Daniel, quase todos os que privavam com Dom Sebastião tentaram demovê-lo do seu projecto. Os conselheiros, os fidalgos, os capitães, a sua avó, o Rei de Espanha...mas já o "sonho demasiado grande tinha surgido no seu espírito e crescido a ponto de lhe tapar qualquer reflexão", como disse Antão de Albuquerque,  seu conselheiro.

E a situação torna-se ainda mais evidente quando Dom Sebastião anuncia que iria fazer reunir o seu Conselho, não para ouvir conselhos, mas sim para comunicar a sua grande decisão, que já estava tomada...

É bastante interessante esta frase de Luís Vaz de Camões, quando foi informado do desastre africano:
"Enfim acabarei a vida e verão todos que fui tão afeiçoado à minha Pátria que não só me contentei de morrer nela, mas com ela"
Dá que pensar...
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1458
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #11 em: Dezembro 09, 2008, 01:44:15 am »
Será que Dom Sebastião morreu mesmo em Alcácer-Quibir?




Terá o monarca morrido mesmo no dia da Batalha?
Será que fugiu com os sobreviventes?
Terão os prisioneiros portugueses mentindo na identificação do corpo do seu Rei?
E acima de tudo, qual o envolvimento de Espanha neste mistério?
Vale a pena ler:

"Segundo o cronista Frei Bernardo da Cruz, que acompanhou a expedição ao norte de África: “... El Rei, tanto que se vio livre das mãos daquelles pagãos, deu em andar pera detraz, e se foi sahindo do campo e da batalha ...”

Neste ponto do texto, o cronista ilustra a intenção clara do monarca em fugir do campo de batalha, no mesmo momento em que esta decorria. Dom Sebastião não era alguém que pretendesse combater até à última gota de sangue. Este passo mostra pelo menos que o rei queria escapar vivo ao combate.

“Luiz de Brito voltando os olhos para o caminho que el-rei tomara o vio hir hum pedão desviado, já sem haver mouro algum que o seguisse, nem apareceram outros adiante, que tão prestes o pudessem encontrar, pera lhe impedir o caminho que levava, que era mui distante do lugar aonde depois dizião que o acharão morto.”
O cronista cita uma testemunha ocular que viu o rei afastar-se da batalha e distanciar-se do inimigo, mas mais importante é a referência da distância que medeia entre este último avistamento e o local onde segundo o cronista “dizião que o acharão morto”. O cronista insinua aqui que não crê que o cadáver encontrado e o corpo do rei fossem um só. Se o faz numa obra “oficial”, facilmente se deduz qual o espírito reinante entre aqueles que tinham acompanhado o monarca na Campanha de África.

É sugestivo o relacionamento deste depoimento com o episódio do “embuçado de Arzila”. Foi este o caso que na noite seguinte ao combate foram bater à porta da fortaleza fugitivos portugueses, pedindo entrada. A recusa ou hesitação dos de dentro foi vencida ante a declaração de estar ali El-Rei D. Sebastião (que seria o embuçado) conseguindo assim entrarem na praça de Arzila.

Foi dito que dali D. Sebastião passou a um barco da esquadra que levantou ferro com destino à costa de Portugal. Pode tratar-se de apenas uma lenda, e mesmo que relate factos reais pode tratar-se de um grupo de fugitivos que para entrarem dentro das muralhas inventaram o embuste. Seja como for, D. Sebastião não chegou com toda a certeza a Portugal, nenhum dos que afirmaram ser o Desejado, como o “rei de Penamacor”, um noviço carmelita; o “rei da Ericeira”, um tal de Mateus Álvares; nem Gabriel de Espinosa, apresentaram provas definitivas de o serem. Quanto a Marco Túlio Catizone, muito embora Oliveira Marques negue liminarmente que fosse o monarca desaparecido, a verdade é que os textos que citamos mais abaixo nos transmitiram outra idéia.


Foi no ano de 1597 que chegou a Veneza um português que dizia ser o “Cavaleiro da Cruz” e que viria a dar muito que falar. Eis a sua história contada por ele próprio, a pedido dos poucos portugueses residentes na cidade que com ele logo contactaram. Demoradamente instado, o “Cavaleiro da Cruz” acabou por declarar ser D. Sebastião, e assim relatou o seu drama. Disse que, embora ferido, conseguira salvar-se, tendo sido acompanhado pelo duque de Aveiro, pelos condes de Redondo e de Sortelha, por Cristovão de Távora e ainda por outro fidalgo; que embarcara num navio em Arzila, que o conduziu ao Algarve; que não quis dar-se a conhecer “por lhe custar mais a afronta da derrota do que a perda do Trono, tendo resolvido correr o mundo com os seus companheiros”.

Nas nossas investigações não conseguimos determinar quais os nobres aqui referidos, mas o facto de um grupo acompanhar o rei concorda com a lenda do “embuçado de Arzila”, assim como concorda o seu embarque nessa praça. Por outro lado, não é suspeito o facto destes nobres da alta nobreza acompanharem o monarca, visto que não seria provável que estes nobres tivessem abandonado o rei em alguma ocasião, excepto em caso de morte ou de impossibilidade absoluta; como o cronista refere que ele se “afastou” podemos crer que se afastou sozinho, mas essa seria uma leitura precipitada: com efeito, o grupo que comandou do exército, segundo a “Crónica de D. Sebastião” nunca deixou o monarca, e esse mesmo grupo pode ter acompanhado o rei no exílio.

O monarca teria entrado nalgumas guerras contra os infiéis no oriente da Europa e na Ásia, recebendo vários ferimentos e tencionando por fim recolher-se em penitência a um ermitério em companhia de um santo homem que por lá conhecera, e acabar aí a vida. Tendo confidenciado com o velho eremita a sua identidade, foi aconselhado por este a regressar à pátria. Resolveu então ir a Roma expôr a sua situação ao Papa. Como a sua estadia em Veneza tomasse proporções de relevo, imediatamente se pôs em acção o embaixador do rei de Espanha pedindo ao Doge a prisão do “Cavaleiro da Cruz” a pretexto de ser mais um falsário.

Em 1599, partindo de Roma, onde residia, e constando-lhe o que se passava, vai a Veneza o dominicano Frei Estevão de Sampaio com o fim de saber se o “Cavaleiro da Cruz” seria realmente D. Sebastião. Debalde o tentou porque, estando em Veneza, não lhe foi permitido avistar-se com o prisioneiro, mantido incomunicável. Em resultado vem a Portugal para obter os sinais físicos de identificação do soberano, que lhe pediram, o que conseguiu do notário Tomé da Cruz.

Regressando à cidade dos doges foi de novo impedido de ver o prisioneiro português em resultado dos impedimentos conseguidos pelo embaixador de Espanha, sempre muito activo neste caso. Movimentando cortes estrangeiras e implorando a ajuda da Igreja, volta a Roma, depois de novo a Veneza, para no fim de constantes recusas visitar em segredo o prisioneiro por especial favor do Doge.

A conclusão a que chegou Frei Estevão de Sampaio e que consta da carta dirigida ao Padre José Teixeira (protegido de Henrique IV de França) é que os sinais se verificavam exactamente no misterioso prisioneiro. Transcrevemos a carta:

“O rei de Portugal está detido, como prisioneiro nesta cidade, há vinte e dois meses, por um julgamento secreto de Deus, que permitiu que tenha chegado aqui pobre, por ter sido roubado, mas esperando encontrar auxílio nesta república. O embaixador de Castela persegui-o vivamente persuadindo a Senhoria de que é um ladrão calabrês, o que ele prometia provar e imediatamente procedeu contra ele, conforme as informações do embaixador. Tem-no sepultado na prisão, sem o deixar ver nem o querer soltar, nem fazer algum acto de justiça… Juro-lhe, pela Paixão de Jesus Cristo, que ele é tão verdadeiramente o rei D. Sebastião como eu sou o Frei Estevão. Se isto não é assim, eu seja condenado não somente por mentiroso, mas por renegado, blasfemador e herético. Fiz grandes diligências em Portugal por este motivo. Fui lá e regressei. Soube secretamente que dos dezasseis sinais que tinha no seu corpo desde a infância, de que trouxe certificado autêntico de Portugal, ele os tem todos, sem falhar algum e sem contar as cicatrizes das feridas da batalha. ”

De vital importância para este trabalho é esta carta. Na época, além do conhecimento pessoal, também se recorria ao método dos sinais. Tamanha coincidência não parece crível, e o facto de frei Estevão de Sampaio ter observado as cicatrizes no corpo do preso mostra que não se tratava de um simples embustor, mas de alguém que tinha combatido. Tais cicatrizes não as deve ter ganho na fatídica batalha, mas nas peregrinações no Oriente, pois a “Crónica de D. Sebastião” não refere que o rei tenha sido ferido antes de ter fugido do campo de batalha. Por outro lado, o espírito de cruzada era forte na alma do monarca e não surpreende que depois de humilhado pela derrota tenha aliviado a sua consciência combatendo os muçulmanos no Oriente.

O certo é que ao fim de muitas tentativas de julgamento, e em consequência de 27 interrogatórios minuciosos a que foi sujeito, o senado da República de Veneza, convencido de que se tratava realmente do infortunado rei de Portugal, limitou-se inesperadamente a soltá-lo na noite de 15 de Dezembro de 1600 mas, receoso de complicações com o poder castelhano, pôs-lhe a condição de abandonar a cidade no prazo de 24 horas e os limites da República Veneziana no prazo de 3 dias. Se fosse um impostor e dado o peso de Espanha junto de Veneza, não parece crível que tivesse sido solto e muito menos que tivesse merecido 27 interrogatórios.

Da cidade adriática passou disfarçado para Itália, o que não o livrou de voltar a estar preso em Florença e Nápoles, sempre sob a perseguição de Madrid. “O conde de Lemos, vice-rei de Nápoles, teve com ele largas conferências, em que falaram das maiores particularidades relativas a duas embaixadas com que Filipe II o enviara a D. Sebastião. O conde ficou tão crente que ele era o próprio rei, que lhe suavizou muito a prisão, e à hora da morte disse a seu filho e sucessor: “Declaro que este homem é o verdadeiro Sebastião rei de Portugal”.”

Continuemos a transcrever, agora o seguinte e extraordinário episódio:
“O duque e a duqueza de Medina Sidonia quiserão vê-lo; e depois de larga conversação, Sebastião perguntou ao duque se ainda possuia uma espada que lhe dera quando passou a África. (…) O rei D. Sebastião, respondeu o duque, deu-me uma espada, que eu ainda conservo.” E dizendo que a reconheceria, posto que fossem passados vinte e quatro anos, o duque mandou trazer doze espadas, as quais assim que D. Sebastião viu, disse que não vinha ali. O duque mandou trazer mais algumas, e tanto que D. Sebastião para ellas olhou, logo apontou para a mesma. “À duquesa, sua prima, perguntou Sebastião se ainda tinha o anel que lhe dera. A duqueza lho mostrou, elle o reconheceu e disse: “Este anel tem debaixo da pedra gravado o meo nome. Foi desencravado e achou-se efectivamente o que Sebastião dissera.”

A par destes curiosos episódios de identificação temos os dos Três Breves Pontifícios, de sucessivos três Papas. O primeiro é de Clemente VIII datado de 1598 e reza assim:

“Clemente VIII, por divina providência servo dos servos de Deus: Saúde e paz em Jesus Christo Nosso Senhor, que de todos é verdadeiro remédio e salvação: Fazemos saber a todos os nossos filhos caríssimos, que debaixo da protecção do Senhor vivem com fervosa fé, em especial aos do reino de Portugal, que o nosso mui amado filho D. Sebastião Rey de Portugal se apresentou pessoalmente n`esta Cúria Romana no Sacro palácio, fazendo-nos com muita instância e supplica o mandassemos meter na posse do seu reino de Portugal pois era o verdadeiro e legítimo Rey d`elle; que por peccados seus e juiso divino se perdera em África indo peleijar com El Rey Maluco na campo de Alcácere Quibir, e até agora estivera oculto e não quizera dar conta de si por meter tempo em meio dos males que succederam por seu conselho, e que para justificar ser o próprio estava prestes para dar toda a satisfação que lhe fosse pedida: E considerando nós o cazo, como somos juiz universal entre os príncipes cathólicos, mandamos por conselho dos cardeaes em conclave que apparecesse; e, feito, se fez examinar com muita miudeza como convinha a tal cazo de que se fizeram processos em várias naçons e no dito Reyno de Portugal por pessoas qualificadas, assim dos signaes do seu corpo, como de outros mais miudos do seu reino, ajunctando as partes por onde andou, e de sua vida e costumes, como outras particularidades importantes para a verdade ser mui claramente sabida, não nos fiando por uma só vez, mas por muitas, e por pessoas constituidas em dignidade sacerdotal, e por seculares titulares, do que se fizeram os processos que no Archivo desta curia se pozeram, e que uns e outros se conferiram a 23 de Dezembro de 1598.”

O segundo Breve é do Papa seguinte, Paulo V, sentenciado 19 anos depois de Clemente VIII, e que copiamos:

“Paulo V, Bispo de Roma, servo dos servos de Deus: Ao nosso mui amado filho Phelipe III. Rei de Hespanha, Saúde em Jesus Christo Nosso Senhor, que de todos é verdadeiro remédio e salvação: fazemos saber que por parte de El Rey D. Sebastião, que se dizia ser de Portugal, nos foi apresentada uma sentença Appostólica de nosso antecessor Clemente outavo, de que constou estar julgado pelo verdadeiro Rey e legítimo de Portugal, nos pedia humildemente mandássemos por nosso Núncio assim o declarasse para effeito de se lhe dar a posse pacifica; mandamos a vós Philipe III, Rey de Hespanha, em virtude da sancta obediência que dentro de nove mezes, depois da notificacão d’esta, largueis o dito Reyno de Portugal a seu legítimo successor D. Sebastião mui pacificamente sem efusão de sangue e sob pena de excommunhão maior lata sentêntia da maneira que está julgada: Dada em esta Cúria Romana sob o signal do Pescador a 17 de Março de 1617.

Terceiro Breve, do Papa Urbano VIII, este 32 anos depois do antecedente. D. Sebastião teria 76 anos de idade quando por esta última vez reclamou os seus direitos em Roma. Eis o texto do Breve:

“Urbano VIII por Divina Providência Bispo de Roma, Servo dos Servos de Deus. A todos os arcebispos e Bispos e pessoas constituidas com dignidade que vivem debaixo do amparo da Igreja Cathólica, em especial aos do Reyno de Portugal e suas conquistas, saúde e paz em Jesus Christo nosso Salvador que de todos é verdadeiro remédio e salvação: Fazemos saber que por parte do nosso filho D. Sebastião Rey de Portugal nos foi aprezentado pessoalmente no Castello de Sancto Angelo duas sentenças de Clemente Outavo e Paulo Quinto nossos antecessores, ambas encorporadas, em que constava estar justificado largamente ser o próprio Rey e nesta conformidade estava sentenciado para lho largar Felipe III Rey de Hespanha, ao que não quiz nunca satisfazer; pedindo-nos agora tornassemos de novo a examinar os processos, e constando ser o próprio o mandassemos com effeito investir da posse do Reyno. Dada em esta Cúria Romana sob o signal do Pescador aos 20 de Outubro de 1630.”

E então o testemunho de D. João de Castro (o neto do grande Vice-Rei da India) sobre o prisioneiro de Veneza? “Eu me obrigo desde aqui e respondo pelo Altíssimo até o fazer bom com todo o tormento em meu corpo como é verdade que é aquele Preso o verdadeiro Rei de Portugal Dom Sebastião.”

Pelo que acima escrevemos, pelos documentos que citamos ficou-nos uma forte convicção de que o prisioneiro de Veneza seria de facto o rei português.

De especial peso temos os três Breves dos três papas e o ocorrido com o Conde de Lemos.

 Vimos como o rei quis fugir da batalha, vimos como o pode ter feito, e mencionamos a lenda do seu embarque em Arzila para a costa do Algarve.

Vimos também como são numerosas as provas que indicam tratar-se realmente do nosso monarca desaparecido, desde a semelhança física, à presença de todos os sinais do monarca, a identificação da espada de entre doze outras, e o ainda mais convincente episódio do anel, são as provas que convenceram o tribunal veneziano, Frei Estevão Sampaio, o Conde de Lemos, e acima de tudo, os três Papas; estes últimos estavam na posse de todos os dados, de todos os inquéritos e reuniam toda a informação reunida pelos restantes. Foi justamente na posse destes dados que emitiram estes Breves.

Conforme vimos, tudo indica que se tratasse efectivamente do nosso monarca desaparecido. Após três anos de permanência em Itália, o pretendente ao trono português acabou por ser aprisionado por agentes de Espanha e pouco depois executado juntamente com alguns dos partidários que conseguira reunir à sua volta."

E vocês, o que acham? Uma teoria da conspiração, ou uma verdade escondida?
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 1729
  • Recebeu: 114 vez(es)
  • Enviou: 31 vez(es)
  • +173/-2009
(sem assunto)
« Responder #12 em: Dezembro 09, 2008, 11:47:30 am »
TOMSK
Citar
Conforme vimos, tudo indica que se tratasse efectivamente do nosso monarca desaparecido. Após três anos de permanência em Itália, o pretendente ao trono português acabou por ser aprisionado por agentes de Espanha e pouco depois executado juntamente com alguns dos partidários que conseguira reunir à sua volta."

E vocês, o que acham? Uma teoria da conspiração, ou uma verdade escondida?
¨

 :shock:  realmente da que pensar, teoria de conspiração, ou verdade escondida, conspiração acima de tudo, claro que não interessava a castela que o rei volta-se, ao ponto da verdade ser escondida, mas ainda assim foi apanhado de supresa com esse comentário. c34x
A Vida é um teste e uma incumbência de  confiança.
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1458
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #13 em: Dezembro 09, 2008, 11:59:27 am »
Exactamente, e de facto, as pressões de Espanha neste caso em particular levam-nos a pensar que seria mesmo Dom Sebastião que ali estava, e não um simples impostor.
Terá o nosso Rei morrido em mãos espanholas?


E ainda mais importante, as 3 breves dos Papas confirmando a sua identidade. São eles que tinham todas e as mais importantes provas, relatos e informações e podiam decidir com mais certeza. E todos eles confirmaram o que se diz aqui.
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5480
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +1499/-2
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #14 em: Dezembro 10, 2008, 11:36:20 pm »
Citar
Em 1599, partindo de Roma, onde residia, e constando-lhe o que se passava, vai a Veneza o dominicano Frei Estevão de Sampaio com o fim de saber se o “Cavaleiro da Cruz” seria realmente D. Sebastião. Debalde o tentou porque, estando em Veneza, não lhe foi permitido avistar-se com o prisioneiro, mantido incomunicável. Em resultado vem a Portugal para obter os sinais físicos de identificação do soberano, que lhe pediram, o que conseguiu do notário Tomé da Cruz.


Isto serão sempre teorias conspirativas e neste caso como noutros haverá sempre teorias de conspiração umas melhores que outras.

No trecho acima, realço a data de 1599.
Esta data é a data do ano que se seguiu à morte de Filipe I (Felipe-II de Castela). E é uma altura conveniente para aparecer um rei.

As lendas do rei desejado ou esperado e que deverá aparecer numa manhã de nevoeiro, fazem parte da tradição nórdica e esta lenda foi adaptada à realidade de Portugal no século XVI e XVII.

A mais conhecida lenda deste tipo é a lenda do Rei Artur, que desapareceu numa manhã de nevoeiro num lago, mas que voltará sempre que a Inglaterra estiver em perigo.

Ouve várias pessoas que reclamaram o Direito ao trono de Portugal, por isso dificilmente alguma vez poderemos saber se o D. Sebastião poderia ter chegado a Roma.
Na altura não havia fotografias nem impressões digitais. Nenhum Papa alguma vez viu o monarca, pelo que dificilmente se poderia ter chegado a um conclusão clara.

Também se sabe que D. Sebastião não sofria de boa saúde, pelo que a possibilidade de um individuo que sofria de várias doenças ter conseguido atingir a provecta idade de 76 anos, numa altura em que a esperança média de vida se devia situar entre 40 e 50 anos, não deixa de ser algo que nos permite duvidar.