Luís Amado assina contrato para lanchas costeiras

  • 102 Respostas
  • 20712 Visualizações
*

pedro

  • Investigador
  • *****
  • 1437
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #15 em: Dezembro 21, 2005, 07:00:54 pm »
obrigado pela informacao jorge
caro luis silva eu acho que voce tem razao :cry:
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5480
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +1499/-2
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #16 em: Dezembro 21, 2005, 07:11:04 pm »
A possibilidade de a marinha ficar apenas com três fragatas é real.

O argumento é o de que, o que Portugal precisa é de uma guarda costeira ou guarda com capacidade oceânica, e para isso, passamos a ter uma força de 15 navios modernos.

Portugal deixará, naturalmente, de possuir qualquer capacidade de intervenção independente onde quer que seja.

As três fragatas servem apenas para disponibilizar para operações internacionais, conforme as tropas forem sendo solicitadas ao governo em Madrid.

Talvez tenhamos alguma capacidade para intervir na Madeira, mas mesmo aí teremos que pedir ajuda.

No entanto, não se preocupem.

O governo já nos está a habituar a colocar militares sob o comando espanhol (vide o triste e patético envio de cinco militares da GNR para Gaza, sob comando total dos espanhóis). Por isso não se preocupem.

No hay ningun problema  :twisted:
 

*

TOMKAT

  • Especialista
  • ****
  • 1173
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #17 em: Dezembro 21, 2005, 07:26:08 pm »
Citação de: "luis filipe silva"
....
 Além disso os políticos apontarão sempre o exemplo da Bélgica que está a desarmar a sua marinha.
....

Luis Filipe Silva


Luis Filipe, a um qualquer político que se sirva, como termo de comparação, do exemplo belga para daí retirar conclusões acerca das necessidades de meios da marinha portuguesa, apenas se lhe poderá chamar ignorante, para não lhe chamar outra coisa pior.
Será comparar o imcomparável.

Portugal

Área territorial:
92391km2

Extensão de costa marítima:
Portugal continental: 943km
Açores: 667km
Madeira: 250km

Bélgica

Área territorila:
30518km2

Extensão de costa marítima: 66km

Nem valerá a pena falar da extensão das águas territoriais de cada país por ser demasiado óbvia a enorme diferença que existe entre os dois países.
A acrescentar a isto só um "cego" não repara na posição geográfica portuguesa, bem diferente, estratégicamente, da belga.

Mas com os políticos "tontos" que temos neste país, não será de admirar aparecer um dia um "iluminado" a saír-se com tão disparatada comparação para justificar cortes na despesa.
IMPROVISAR, LUSITANA PAIXÃO.....
ALEA JACTA EST.....
«O meu ideal político é a democracia, para que cada homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado»... Albert Einstein
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5480
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +1499/-2
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #18 em: Dezembro 21, 2005, 08:31:29 pm »
Temos politicos que defendem o TGV apontando os exemplos da França e da Espanha.

Nenhum deles nos fala do TGV da Dinamarca, do TGV da Holanda, do TGV da Suecia, do TGV da Finlandia, do TGV da Austria, ou do TGV da Suiça.

Acho que as pessoas que nos governam, ganharam o hábito de mentir. Por isso, tornou-se fácil distorcer a verdade.

De nada conta a tradição atlântica, quando o governo começa a governar conforme as ordens que vêm do estrangeiro.

Portugal não passa de um pequeno apêndice da Europa continental. Sempre fomos vistos como tal. Apenas deixámos de ser apêndice se fizermos valer o nosso posicionamente estratégico.
Está nos manuais básicos de estratégia.

O governo parece ler pelos manuais de estratégia da Europa continental, a qual, hoje como ontem não nos reconhece como país, mas sim como parte da Espanha.

É por isso que é da maior gravidade o envio de militares portugueses para Gaza, sob o comando dos espanhóis.
Os espanhóis vão ter portugueses sob o seu comando directo.
Bruxelas deu a ordem para Madrid, e Madrid aproveitou a cimeira ibérica para dár ordens ao regedor Socrates. Assim, perante Bruxelas Madrid afirmou quem manda na península. E os tontos dos palhaços que nos governam, saltaram como palhacinhos extasiados com a honra que lhe concedeu o sapateiro.

Vómito.
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5480
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +1499/-2
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #19 em: Dezembro 21, 2005, 08:43:27 pm »
Voltando ao tema:

Ainda não se sabe com alguma certeza qual o deslocamento destas "lanchas"

Se o desenho se confirmar, trata-se mais de uma pequena corveta que de uma lancha, mas hoje em dia há uma tendência a referir navios de deslocamentos superiores pelas designações imediatamente abaixo.

Há contra-torpedeiros apelidados de fragatas e há fragatas apelidadas de corvetas, corvetas apelidadas de patrulhas etc...

Como já referi noutro lado, estes navios parecem-me (em dimensões) idênticos aos Flyvefisken da Dinamarca.


Se as proporções dos semi-rigidos estiverem correctas, o seu deslocamento será mesmo superior.

É o tipo de navio destinado a substituir os Cacine, que tinham e têm (os que sobram), péssimas qualidades para o mar do Atlântico, especialmente no inverno.

Ainda vai aparecer alguma cabeça inteligente a propor que se utilizem estas lanchas como NPO's e que se aumentem as capacidades dos últimos três NPO's, com capacidades ASW.

Desta maneira, os recursos seriam dirigidos para modernizar as VDG, únicos navios combatentes de superficie com que Portugal ficará.

Cumprimentos
 

*

Miguel

  • Investigador
  • *****
  • 2454
  • Recebeu: 25 vez(es)
  • Enviou: 7 vez(es)
  • +14/-19
(sem assunto)
« Responder #20 em: Dezembro 21, 2005, 08:49:33 pm »
Parece me, que a peça de artilharia das LFC e uma 20mm??

portanto a ARMADA vai ser:

2 Submarinos U209PN
3 Fragatas Meko200 Modernizadas em 2010

10 NPO/NCP
5 LFC

10 Lanchas Argos,Centauro

em duvida: Navpol e AOR :gren:

Vale a pena ter um CFuzileiros Navais sem meios de projecção?
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5480
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +1499/-2
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #21 em: Dezembro 21, 2005, 09:05:11 pm »
Teremos vinte e cinco navios destinados à fiscalização.

A Marinha será uma Guarda Costeira.

Nem é preciso criar nenhuma lei :mrgreen:

Cumprimentos
 

*

Miguel

  • Investigador
  • *****
  • 2454
  • Recebeu: 25 vez(es)
  • Enviou: 7 vez(es)
  • +14/-19
(sem assunto)
« Responder #22 em: Dezembro 21, 2005, 09:10:17 pm »
Citação de: "papatango"
Teremos vinte e cinco navios destinados à fiscalização.

A Marinha será uma Guarda Costeira.

Nem é preciso criar nenhuma lei :mrgreen:

Cumprimentos


E os Submarinos?? nao vale? :G-clever:

Duvidas é a necessidade de manter o CFN sem ter meios de projecção!!
a Bacamarte ta quase no final da sua vida....
 

*

TOMKAT

  • Especialista
  • ****
  • 1173
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #23 em: Dezembro 21, 2005, 09:25:45 pm »
Citação de: "Miguel"
....
em duvida: Navpol e AOR :gren:

Vale a pena ter um CFuzileiros Navais sem meios de projecção?


Claro que não Miguel, vamos acabar com os Fuzileiros.
Para quê Fuzileiros se não há meios para eles utilizarem...
Acabados os Fuzileiros, para quê adquirir meios navais se não há meios humanos para os utilizar....
...e por aí a fora.

Miguel tens uma visão errada do que é um Fuzileiro.
O Corpo de Fuzileiros é uma força de infantaria que se destingue duma força de infantaria normal(*) essencialmente por duas razões:
Estão muito melhor preparados técnica e táticamente para actuarem em qualquer meio seja aquático ou terrestre.
Utilizam como meio de técnicos para se deslocarem normalmente meios navais ou anfibíos, e refiro normalmente pois um fuzileiro tanto está preparado para actuar numa qualquer praia ou zona costeira, como em qualquer zona montanhosa, bem longe do seu meio natural que é próximo
de zonas costeiras, podendo por isso utilizar outros meios que não os navais ou anfibíos.
É esta a grande vantagem de um Fuzileiro, mesmo em relação a tropas com um grau de especialização técnica ou téctica equivalente.

(*)Não incluo nesta referência a forças de infantaria, forças mais especializadas tais como Comandos, etc. por serem forças militares com um grau de preparação equivalente.
IMPROVISAR, LUSITANA PAIXÃO.....
ALEA JACTA EST.....
«O meu ideal político é a democracia, para que cada homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado»... Albert Einstein
 

*

luis filipe silva

  • Investigador
  • *****
  • 2051
  • Recebeu: 4 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #24 em: Dezembro 22, 2005, 12:43:51 am »
Como o PapaTango escreveu, baseado no tamanho do RIB (no qual também me baseei) deve ser do tamanho dos FLYVEFISKEN cerca dos 45 a 50 metros, e uma tonelagem entre 450 e 500 Tons.
o armamento é uma Oerlikon de 20mm. poderá no entanto embarcar uma de 40. A pista parece ter espaço para um heli tipo Allouette III.
Segundo a maquete que o ministro segurava na foto do CM, os navios deverão ter esta configuração.

 
-----------------------------
saudações:
Luis Filipe Silva
 

*

luis filipe silva

  • Investigador
  • *****
  • 2051
  • Recebeu: 4 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #25 em: Dezembro 22, 2005, 01:52:58 am »
Mas mais modernos nas linhas do que os Serviola, assim como os NPO. Mas isso é só o conceito básico.Os NPOs são maiores, têm maior automatismo, menos tripulação.O projecto dos nossos LFC são o tal desenvolvimento que se preconizava neste Fórum (corvetas etc... etc...), mas para baixo (apenas patrulhas). Mesmo assim estou de acordo com a substituição de 2 NPO por 5 LFC.

Saudações

Lui F. Silva
-----------------------------
saudações:
Luis Filipe Silva
 

*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2215
  • Recebeu: 62 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +28/-0
    • http://forumdefesa.com
(sem assunto)
« Responder #26 em: Dezembro 22, 2005, 11:15:06 am »
Não  acredito que as OHP sejam rejeitadas. 3 fragatas para um país como Portugal é claramente insuficiente.

Além do mais, já muita coisa foi feita no sentido de receber as OHP. A credibilidade da marinha e do próprio país ficaria posta em causa perante os EUA e a NATO, já que seria a segunda vez que um país com  tal carência de meios, rejeitava uma oferta desse género.

O PS também não quererá com certeza  ficar com o óbice de ser o partido que deu a machadada final nas capacidades oceânicas da marinha portuguesa.

Não devemos esquecer que foi no governo do Eng. Guterres que os EUA fizeram a primeira oferta de 3 OHP “longas” relativamente novas, fragatas estas que foram rejeitadas  de forma irresponsável.

Vão rejeitá-las pela segunda vez  :?:
Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos
 

*

Miguel

  • Investigador
  • *****
  • 2454
  • Recebeu: 25 vez(es)
  • Enviou: 7 vez(es)
  • +14/-19
(sem assunto)
« Responder #27 em: Dezembro 22, 2005, 12:11:16 pm »
Jorge Pereira

Qual é o mal em rejeitar, duas sucatas com 30 anos de idade??

Acho nos merecemos algo melhor... Agora se eles querem nos oferecer 3 OHP "longas" isso é outra conversa :wink:

FFG12,FFG14 lançadas em 1980!!!! =velharias
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7233
  • Recebeu: 629 vez(es)
  • Enviou: 254 vez(es)
  • +605/-2
(sem assunto)
« Responder #28 em: Dezembro 22, 2005, 12:15:27 pm »
Citação de: "Miguel"
FFG12,FFG14 lançadas em 1980!!!! =velharias


Eu também foi "lançado" em 1980 :?:  :toto:

Cumprimentos
B. Pereira Marques
« Última modificação: Dezembro 22, 2005, 12:35:44 pm por PereiraMarques »
 

*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2215
  • Recebeu: 62 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +28/-0
    • http://forumdefesa.com
(sem assunto)
« Responder #29 em: Dezembro 22, 2005, 12:31:07 pm »
Citação de: "Miguel"
Jorge Pereira

Qual é o mal em rejeitar, duas sucatas com 30 anos de idade??

Acho nos merecemos algo melhor... Agora se eles querem nos oferecer 3 OHP "longas" isso é outra conversa :wink:

FFG12,FFG14 lançadas em 1980!!!! =velharias


Miguel, tem uma melhor opção para nós neste momento?

Acredite que ainda têm muito "valor" militar para nós.
Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos