Restauro de monumentos nacionais durante o Estado Novo.

  • 4 Respostas
  • 942 Visualizações
*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10129
  • Recebeu: 1390 vez(es)
  • Enviou: 3514 vez(es)
  • +207/-68
    • http://youtube.com/HSMW
Restauro de monumentos nacionais durante o Estado Novo.
« em: Maio 03, 2020, 09:27:03 pm »
Abro este tópico para para juntar informação sobre um tema que durante anos me itrigou.
Como era possível os castelos sendo tão antigos, estarem tão bem conservados conservados?

Pois estão mas não estavam. E vi isso numa placa que lembra quem trabalhou para que assim fosse.
Não um qualquer efémero ministro ou engenheiro que lá foi só para a inauguração, mas dos Portugueses de 1940. 


’Restauração’ foi o termo escolhido para caracterizar os primeiros anos de acção do novo poder político.
Restauração que se devia estender a todos os sectores da vida nacional.
O restauro dos monumentos, além de ser uma actividade visível quase instantaneamente, permitia servir uma nova leitura da História pátria assente nos seus momentos de triunfo, verdadeira lição do valor e da raça lusa, sinais de garantia e confiança no Estado Novo, timoneiro seguro e legítimo da Nação”
.

 - Maria João Baptista Neto, ‘O Restauro dos Monumentos Nacionais (1929-1960)’

https://www.revistapunkto.com/2011/09/a2-dgemn-1929-1960-destruicao-como.html


A antiga Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais foi uma das mais antigas instituições da administração central, integrada na orgânica do Ministério das Obras Públicas (MOP).
Fundada em 1929 e extinta em 2007 foi, durante décadas, a principal instituição responsável pela conservação do património construído em Portugal.

Porém, caso raro de longevidade política, ao longo de quase 80 anos, teve apenas quatro directores-gerais:
Henrique Gomes da Silva (1929-1960),
José Pena Pereira da Silva (1961-1976),
João Miguel Caldeira de Castro Freire (1977-1989)
Vasco Martins Costa (1989-2007)

https://www.publico.pt/2020/04/18/culturaipsilon/opiniao/vasco-martins-costa-dgemn-1912861

No inicio do séc. XX o estado de conservação da maior parte das igrejas e castelos nacionais estavam em pré-ruína




Igreja de São Martinho de Mouros


Índice de boletins que descrevem os trabalhos efetuados em cada monumento de 1935 a 1966 e o mais detalhado, o da Igreja de Leça do Balio.

http://dgemn-digital.wikidot.com/indice-dos-boletins
http://dgemn-digital.wikidot.com/boletim-n-1-igreja-de-leca-do-bailio-setembro-de-1935#toc0

Onde se pode ler que os monumentos estavam irreconhecíveis devido aos atentados cometidos nos séculos 17 e 18.

https://www.revistapunkto.com/2011/09/a2-dgemn-1929-1960-destruicao-como.html






Mesmo o castelo de Guimarães que vemos hoje é o resultado de uma grande intervenção do DGEMN do governo de Salazar.
A maioria do castelo colapsou ao longo dos séculos e as pedras foram usadas para construção civil.
Houve até quem quisesse demolir o castelo e usar as pedras para fazer calçada.



Se não fosse o trabalho desenvolvido pelo DGEMN durante o Estado Novo, os monumentos que hoje são visitados e são memória da nossa História não eram mais que ruínas ou montes de pedras.
Algo que o marxismo cultural tenta censurar nesta Albânia 2.0
« Última modificação: Maio 04, 2020, 12:18:45 am por HSMW »
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10129
  • Recebeu: 1390 vez(es)
  • Enviou: 3514 vez(es)
  • +207/-68
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Restauro de monumentos nacionais durante o Estado Novo.
« Responder #1 em: Agosto 21, 2020, 12:54:58 am »

Este infelizmente não teve a mesma sorte.

Citar
O Palácio de Manique do Intendente, no concelho da Azambuja, é um palácio de estilo neo-clássico, inacabado e parcialmente em ruina.
A sua construção deve-se ao intendente Pina Manique, criador da Casa Pia em Lisboa e homem da confiança de Sebastião José de Carvalho e Melo.
Em 1791, a rainha D. Maria I doou a povoação de Alcoentrinho ao Intendente Diogo Inácio de Pina Manique.
Este alterou a sua  toponomia para Manique do Intendente.
Neste lugar, Pina Manique iniciou a construção da sua cidade ideal, mas os únicos vestigios que ficaram deste sonho inacabado foram o seu palácio e a praça dos imperadores.
O palácio alberga, actualmente, a igreja matriz de Manique do Intendente, o posto dos correios e a Casa do Povo.
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2292
  • Recebeu: 1029 vez(es)
  • Enviou: 455 vez(es)
  • +1038/-51
Re: Restauro de monumentos nacionais durante o Estado Novo.
« Responder #2 em: Agosto 21, 2020, 06:56:47 pm »
Aqui perto de mim temos o 1º Mosteiro Cisterciense do país, Século XII e que está em ruínas!!!!! O Mosteiro de São João de Tarouca.









O Mosteiro que remonta ao início da criação do nosso país está neste estado, apesar de já ter sido recuperada a Igreja.

https://culturanorte.gov.pt/pt/patrimonio/mosteiro-de-sao-joao-de-tarouca/

"A construção do Mosteiro de São João de Tarouca iniciou-se em 1154, sendo este o primeiro mosteiro masculino cisterciense edificado em território português.

Com a sua fundação intimamente ligada à fundação da nacionalidade e à figura de D. Afonso Henriques, o complexo monástico foi largamente ampliado no século XVII e XVIII com a construção de novos edifícios, de entre os quais se destaca um novo e colossal dormitório, de dois pisos, único em Portugal.

O ano de 1834 viria a ditar a sucessiva decadência do edificado, consequência direta do decreto da extinção das Ordens Religiosas. A igreja foi convertida em igreja paroquial e as dependências monásticas foram vendidas em hasta pública e os seus edifícios explorados como pedreira até aos inícios do século XX.

Classificado de Monumento Nacional, o complexo monástico integra desde 2009, juntamente com mais dois monumentos (Mosteiro de Santa Maria de Salzedas e Convento de Santo António de Ferreirim) o Projeto Vale do Varosa, que já permitiu a requalificação da Igreja do Mosteiro e, desde 2013, a musealização das ruínas, resultado de uma exaustiva escavação arqueológica que decorreu entre 1998 e 2007. Na Casa da Tulha, antigo celeiro monástico, o visitante pode ver a reconstituição tridimensional do Mosteiro, sendo este o espaço que acolhe o centro interpretativo do sítio. O Mosteiro de São João de Tarouca é um dos lugares mais procurados por quem visita a região do Douro e do Varosa."
« Última modificação: Agosto 21, 2020, 06:57:32 pm por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10129
  • Recebeu: 1390 vez(es)
  • Enviou: 3514 vez(es)
  • +207/-68
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Restauro de monumentos nacionais durante o Estado Novo.
« Responder #3 em: Agosto 27, 2020, 11:17:35 pm »

Reconstituição 3d do Mosteiro de Santa Maria das Júnias
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10129
  • Recebeu: 1390 vez(es)
  • Enviou: 3514 vez(es)
  • +207/-68
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Restauro de monumentos nacionais durante o Estado Novo.
« Responder #4 em: Abril 02, 2021, 01:04:56 am »



















Citar
As imagens mostram o Castelo de S. Jorge enquanto quartel militar no século XX, antes dos trabalhos de restauro iniciados pela DGEMN em 1938.

https://www.facebook.com/castelodesaojorge/photos/pcb.4234846989882160/4234819633218229
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."