O Haiti desde a conquista da independência

  • 11 Respostas
  • 2738 Visualizações
*

Vicente de Lisboa

  • Analista
  • ***
  • 790
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • Enviou: 2 vez(es)
  • +3/-4
O Haiti desde a conquista da independência
« em: Janeiro 19, 2010, 12:44:49 am »
Citação de: "Lusitano89"
(...) o problema disto tudo foi a França dar a independência demasiado cedo a este estado das Caraibas sem desenvolver socialmente e economicamente aquela colónia, infelizmente na altura a França estava mais interessada em conquistar a Europa do que em preocupar-se com as colónias ultramarinas  .... :?
O problema disto tudo é o pessoal nem ler a wikipédia antes de mandar palpite  :wink:

1) A França não deu independência nenhuma ao Haiti - os haitianos é que conquistaram a sua independência à força de armas.

2) Aquando da independência, o Haiti não estava nada subdesenvolvido para a região. Era a colónia Francesa mais rica e povoada das américas, e era tão mais populosa e poderosa que (o que hoje é) a Republica Dominicana que esta passou um século com medo do Haiti, e com razão, que foi ocupada um par de vezes. Agora, verdade seja dita, desde a independência tem sido downhill...
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 8365
  • Recebeu: 583 vez(es)
  • Enviou: 953 vez(es)
  • +346/-295
(sem assunto)
« Responder #1 em: Janeiro 19, 2010, 12:01:30 pm »
Citação de: "Vicente de Lisboa"
Citação de: "Lusitano89"
(...) o problema disto tudo foi a França dar a independência demasiado cedo a este estado das Caraibas sem desenvolver socialmente e economicamente aquela colónia, infelizmente na altura a França estava mais interessada em conquistar a Europa do que em preocupar-se com as colónias ultramarinas  .... :?
O problema disto tudo é o pessoal nem ler a wikipédia antes de mandar palpite  :wink:

1) A França não deu independência nenhuma ao Haiti - os haitianos é que conquistaram a sua independência à força de armas.

2) Aquando da independência, o Haiti não estava nada subdesenvolvido para a região. Era a colónia Francesa mais rica e povoada das américas, e era tão mais populosa e poderosa que (o que hoje é) a Republica Dominicana que esta passou um século com medo do Haiti, e com razão, que foi ocupada um par de vezes. Agora, verdade seja dita, desde a independência tem sido downhill...




Citar
Por que o francês é o idioma oficial do Haiti? A explicação é simples: em 1697, a Espanha entregou aos vizinhos europeus a parte oeste da ilha de São Domingos, onde está o país. Não demorou muito tempo para a França tornar as recém-adquiridas terras na mais próspera colônia da América. Ali produzia e exportava café, cacau, algodão e açúcar.

Na passagem dos séculos 18 para 19, mais de meio milhão de escravos negros labutam nas plantações e engenhos de São Domingo sob o domínio de apenas 30 mil brancos e mestiços.

Até que, em 1789, na França, os miseráveis uniram-se e fizeram a Revolução Francesa. A revolta na França influenciou a História do Haiti. Logo, o país foi palco da maior rebelião negra da História e os escravos tornam-se os primeiros a conquistar a liberdade, nas Américas. Dois anos depois, Toussaint Bréda, um ex-escravo que depois passou a se chamar Toussaint L'Ouverture,torna-se governador geral. Mas os franceses logo interrompem os sonhos revolucionários haitianos. Derrubam o governador e o deportam para Paris, onde foi morto nos calabouços de Napoleão. E prendem os outros líderes.

Assim que reconquistaram a liberdade, os revolucionários voltaram à ativa. E tornaram-se cruéis como seus feitores: invadiram casas, massacraram famílias inteiras de fazendeiros e envenenaram a água para exterminar pessoas e animais. Como resposta, as tropas formadas por franceses e espanhóis queimaram vivos muitos rebelados. Para vingá-los, os revolucionários enforcaram centenas de soldados e civis. O sangue jorrou durante anos nos confrontos dos negros contra franceses e espanhóis. Até que, em 31 de dezembro de 1803, os haitianos comemoram grande vitória. Sob a proteção da Inglaterra, Jacques Dessalines declara a independência do país, o rebatiza com o nome indígena de Haiti (que significa "terra da montanha") e se proclama imperador.



http://www.portalsaofrancisco.com.br/al ... aiti-3.php
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5510
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +18/-0
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #2 em: Janeiro 19, 2010, 02:15:28 pm »
Citação de: "Vicente de Lisboa"
O problema disto tudo é o pessoal nem ler a wikipédia antes de mandar palpite
Também podemos dizer que o problema são as pessoas que consultam a Wikipedia, mas que não aprenderam ainda a ler um livro e a pensar pela sua cabeça.

Todas as potências coloniais tinham obrigações. A França pura e simplesmente encolheu os ombros e deixou andar porque sabia que a riqueza do Haiti não era suficiente para pagar uma guerra para recuperar aquele território.

O problema é que o Haiti ascendeu à condição de país independente, como a primeira nação de escravos do mundo.
O problema é que a primeira nação de escravos do mundo demonstrou ser um estado falhado.
É um estado falhado desde que se tornou independente.
O Haiti, é um Estado fundado numa sociedade africana que não tinha condições de assumir o governo e a gestão de um Estado.
Durante anos, puseram as culpas no neo colonialismo dos americanos, esquecendo convenientemente o problema nuclear da questão Haitiana.

O problema finalmente, e especificamente para os portugueses, é o de que quando Portugal afirmava nos anos 60 que as sociedades africanas precisavam de mais tempo antes de ascender à independência porque não havia estruturas, estava coberto de razão. Se tinha razão nos anos 60 do século XX, então podemos concluir que a situação seria muito mais grave no inicio do século XIX.

As sociedades africanas, tenderam todas para o domínio de uma tribo sobre a outra, governando à vez e tomando os recursos do país para si própria.
Veja Angola e depois compare com o Haiti...

Cumprimentos
 

*

Cabecinhas

  • Investigador
  • *****
  • 1508
  • Recebeu: 5 vez(es)
  • Enviou: 11 vez(es)
  • +4/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Janeiro 19, 2010, 03:23:26 pm »
http://octopedia.blogspot.com/

Citar
Haiti: Um país à deriva...
O Haiti foi o palco de mais uma catástrofe natural, com um sismo de intensidade 7 na escala de Richter. A solidariedade mundial está mobilizada.

Altura para lembrar a hipocrisia dos Estados Unidos e da França que são os principais responsáveis da miséria em que o povo do Haiti vive.
A história recente deste povo, não pode ser lembrada apenas pela propaganda mediática das ajudas alimentares...

De um país autosuficiente à dependência alimentar.

Na realidade, o Haiti nunca conseguiu ser autosuficiente, sempre correu atrás de prejuizo. A agricultura representa 60% da população activa e 35% do PNB, mas apesar do PIB agrícola crescer 1% por ano, a população aumenta nesse período 2%.

O Haiti é um país das caraíbas que ocupa o terço ocidental da ilha Hispaniola (assim chamada por Cristóvão Colombo pela semelhança da sua paisagem com a de Espanha), o resto da ilha é ocupada pela República Dominicana. O Haiti tem cerca de 8 milhões de habitantes e é um dos países mais pobres do mundo.
Apesar de tudo, nos anos 70, o Haiti era autosuficiente em açucar e até exportava para os USA, agora importa anualmente 100 000 toneladas de açucar.
Em 1990 era autosuficiente em arroz, hoje importa 80% do arroz que consome.



Como é que foi possível o Haiti chegar a esta situação?

O Haiti foi a primeira república negra do mundo, proclamada no dia 1 de janeiro de 1804.

Mas já em 1825, para obter o seu reconhecimento pela França, antigo colonizador, o presidente Jean-Pierre Boyer, teve de pedir um emprestimo com taxas de juros altíssimas a esse país, para pagar as indemnizações aos agricultores franceses espoliados. Esse emprestimo iria condicionar a economia do Haiti durante mais de um século.


Recentemente, o Haiti foi pressionado para recorrer ao emprestimo do Fundo Monetário Internacional (FMI). O problema é que, como sempre, este estava condicionado a certas condições, uma das quais era a sua liberalização comercial. O governo não tinha outra saída se não aceitar.
Foi imposta a redução das taxas nas importações. No arroz, por exemplo, estas passaram de 50 para 3%. Resultado, o Haiti foi inundado pelo arroz importado dos Estados Unidos a baixo custo, com a queda da produção local, agravada pela duplicação dos preços mundiais desse produto.


Ocupação americana e ditadura.


O Haiti foi ocupado militarmente pelos Estados Unidos em 1915, um ano após a inauguração do Canal de Panama.
Este país ocupa uma situação previligiada na vigilância desta area maritima de primordial importância.
Mais tarde durante a "guerra fria", com a ameaça de Cuba, o Haiti que fica a escassos quilómetros, tornou-se numa plataforma estratégica fundamental.
Em 1922, é contraído um novo emprestimo aos Estados Unidos que afunda ainda mais a economia.


Em 1957, os Estados Unidos, colocam no poder o ditador François Duvalier e mais tarde o seu filho Jean-Claude Duvalier até 1986.

Estes são anos de terror com os 40 000 membros das temíveis milícias de voluntários paramilitares, os "tontons macoutes".


Jean-Claude Duvalier deposto, refugia-se em França, terá acumulado uma fortuna estimada em 900 milhões de Dólares, soma superior à dívida externa do Haiti.



Uma esperança de democracia liquidada pela CIA.




Pela primeira vez, em 1990, é eleito o primeiro presidente democrático com 67% dos votos, o padre Jean-Bertrand Aristide.


Este padre, ideologicamente de esquerda, representa um perigo eminente para os Estados Unidos. Estes organizam um golpe de estado, simulando uma "oposição popular" que na realidade é fomentada pelo patronato e organizada pela CIA. Oito meses depois da tomada de posse é deposto por um golpe de estado.


Perante a instabilidade do país, os Estados Unidos aceitam o seu regresso em 1994, com a condição de não voltar a exacerbar a luta de classes e de aplicar as recomendações do FMI. Não podendo concorrer a um novo mandato, deixa o poder recandidatando-se em 2000, onde obtem 91% dos votos numa participação de apenas 10% da população.


Desta vez, exige à França o pagamento de 90 milhões de Francos "robados" durante o período de 1825 a 1885. Os Estados Unidos, com a ajuda da França, decidem a realização de um novo golpe de estado.


Novamente, é fabricada uma contestação a Aristide, este é acusado de trafico de droga e de querer instalar uma ditadura.


No dia 29 de fevereiro de 2004, às 2 horas da manhã, forças americanas invadem o palácio presidencial e levam Aristide para Miami para ser julgado por tráfico de droga. É obrigado a demetir-se para salvar a vida.


Ainda antes de uma decisão da ONU, os Estados Unidos e a França, instalam tropas no Haiti.

Um país em morte lenta.


Actualmente 70% da população vive abaixo do limiar de pobreza, com menos de 2 Dólares por dia, 54% vive com menos de 1 Dólar por dia. A taxa de desemprego é de 65% e 4% da população possui 66% das riquezas do país.
Longe da expansão turística do seu vizinho, a República Dominicana, o Haiti vive uma agonia lenta. Só nos momentos de catástrofe é que é ajudado pelos que durante dois séculos tudo fizeram para o empobrecer sem nunca lhe perdoarem a ousadia de ter sido a primeira república negra do mundo.
Um galego é um português que se rendeu ou será que um português é um galego que não se rendeu?
---
 

*

Vicente de Lisboa

  • Analista
  • ***
  • 790
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • Enviou: 2 vez(es)
  • +3/-4
(sem assunto)
« Responder #4 em: Janeiro 19, 2010, 05:54:38 pm »
Citação de: "papatango"
Também podemos dizer que o problema são as pessoas que consultam a Wikipedia, mas que não aprenderam ainda a ler um livro e a pensar pela sua cabeça.
"Um livro"? E qual foi esse "um livro" que o caro papatango leu e lhe diz que os Franceses "deram independência" ao Haiti e que este era pobre aquando da mesma? Ou será que o caro papatango tem tanta mas tanta capacidade para "pensar pela sua cabeça", ao contrário de nós mortais, que não precisa de livros nem wikis nenhuns, e deduz todo o passado como exercício mental, estilo Doctor House da História?

Citar
Todas as potências coloniais tinham obrigações. A França pura e simplesmente encolheu os ombros e deixou andar porque sabia que a riqueza do Haiti não era suficiente para pagar uma guerra para recuperar aquele território.
O Haiti era, no fim do sec XIX, 25% dos rendimentos Franceses (link). Peanuts deveras. Deve ter sido por isso que perdeu dezenas de milhares de soldados em combate contra os revoltosos e depois deixou coisa de centena de milhar de brancos e mestiços entregues à sua própria sorte? Parece eu quando falo do Benfica - "nós nunca perdemos, e se perdemos foi porque assim quisemos."  :lol:

Citar
O problema é que o Haiti ascendeu à condição de país independente, como a primeira nação de escravos do mundo.
O problema é que a primeira nação de escravos do mundo demonstrou ser um estado falhado.
É um estado falhado desde que se tornou independente.
Bullshit. Nunca funcionou muito bem, mas se isso é a sua definição de Estado Falhado, vivemos num. E nem quero saber o que chamaria a Portugal no fim da Monarquia ou na Primeira Republica. Hoje é deveras EF, e nem estou a ver como resolver o problema sem uma dose do good old Imperialismo Americano, mas não na fundação, nem nas décadas seguintes.

Citar
O Haiti, é um Estado fundado numa sociedade africana que não tinha condições de assumir o governo e a gestão de um Estado.
Durante anos, puseram as culpas no neo colonialismo dos americanos, esquecendo convenientemente o problema nuclear da questão Haitiana.
Meh. Tinha tantas condições como qualquer outra sociedade na região. Deu para o torto por várias razões, e de facto sofreu neo-colonialismo. Se o efeito deste foi positivo ou negativo nem eles concordam, não vou ser eu a mandar palpite.

Citar
O problema finalmente, e especificamente para os portugueses, é o de que quando Portugal afirmava nos anos 60 que as sociedades africanas precisavam de mais tempo antes de ascender à independência porque não havia estruturas, estava coberto de razão. Se tinha razão nos anos 60 do século XX, então podemos concluir que a situação seria muito mais grave no inicio do século XIX.
Está a comparar a situação social, económica e politica duma província rica das Caraíbas do inicio do sec XIX com a das as colónias pobres-miseráveis Africanas da 2ª metade do sec XX? Como uma situação linear ainda por cima? Porque não comparar com os Reinos africanos pré-coloniais já agora? Ou com os EUA de agora? Se tudo o que tem preto à cabeça é comparável, não haja limites!

Citar
As sociedades africanas, tenderam todas para o domínio de uma tribo sobre a outra, governando à vez e tomando os recursos do país para si própria.
Veja Angola e depois compare com o Haiti..
.
Comparemos, comparemos. Para começar, fale-me das tribos africanas do Haiti. Depois podemos discutir a influência da URSS, EUA e China nos conflitos pós-independência do dito, o papel da burocracia e dos vários intelectuais educados em Lisboa, Pequim, Washington e Moscovo, etc...

edit: isto saiu mais agressivo do que era minha intenção e por isso peço desculpa. Mas a minha oposição a análises superficiais da História baseadas em apenas uma variável (cor, neste caso) mantem-se.
« Última modificação: Janeiro 19, 2010, 07:36:54 pm por Vicente de Lisboa »
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5510
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +18/-0
    • http://www.areamilitar.net
Re: O Haiti desde a conquista da independência
« Responder #5 em: Janeiro 20, 2010, 01:05:32 am »
não estou com muita paciência hoje :roll:  :shock:
É por isso que eu continuo a achar que talvez fosse melhor ler um livrito ou outro, quanto mais não seja para perceber a diferença entre século DEZOITO e século DEZANOVE.  :roll:  :roll:

Citar
Bullshit. Nunca funcionou muito bem, mas se isso é a sua definição de Estado Falhado, vivemos num.
Quando você me provar que o Salazar fazia cerimónias de Vudu para tentar recuperar a economia, eu acredito.
Até lá, desculpe-me a boçalidade, mas devolvo-lhe o inicio do seu comentário.

Citar
Comparemos, comparemos. Para começar, fale-me das tribos africanas do Haiti. Depois podemos discutir a influência da URSS, EUA e China nos conflitos pós-independência do dito, o papel da burocracia e dos vários intelectuais educados em Lisboa, Pequim, Washington e Moscovo, etc...
As influências das nações europeias são as que são. Mas a verdade é que tiveram uma acção civilizadora nos países colonizados, porque garantiram a criação de estruturas minimas.
Quando as ditaduras africanas dos anos 60 ascenderam ao poder, tinham um modelo para contrapor ao modelo ocidental.
Esse modelo demonstrou ser terrível, mas pelo menos tinham um (o Marxismo).
Quando o Haiti se tornou independente, não havia modelo, porque Karl Marx ainda nem sequer tinha nascido.

Por isso o Haiti, nasceu e cresceu à deriva.
Não podia seguir um modelo mercantilista, não podia ter como referência o Marxismo e por isso, derivou para uma sociedade africana de características feudais, onde as várias tribos se formaram e começaram à porrada umas com as outras.

Eles viveram como podiam e como sabiam, e mostraram dessa forma o que acontece quando houve influência civilizadora das potências coloniais.

O Haiti, é uma demonstração de que efectivamente os africanos não estavam preparados para ascender à independência, enquanto não fosse possível criar estruturas de um estado minimamente funcional, criando uma classe média ou mesmo uma classe baixa.
 

*

Vicente de Lisboa

  • Analista
  • ***
  • 790
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • Enviou: 2 vez(es)
  • +3/-4
Re: O Haiti desde a conquista da independência
« Responder #6 em: Janeiro 20, 2010, 12:17:54 pm »
Citação de: "papatango"
EXPLIQUE-ME, ONDE FOI QUE EU DISSE QUE A FRANÇA DEU A INDEPENDÊNCIA AO HAITI ????
É COM LETRAS MAIUSCULAS DE PROPOSITO, PARA VER SE OUVE MELHOR.
As suas afirmações são de uma obscenidade ao melhor estilo de Goebels, ao tentar distorcer as afirmações dos outros para depois as poder criticar.
...? Amnésia?  :shock:
É por isso que eu continuo a achar que talvez fosse melhor ler um livrito ou outro, quanto mais não seja para perceber a diferença entre século DEZOITO e século DEZANOVE.  :roll:  :?

Citar
O Haiti, é uma demonstração de que efectivamente os africanos não estavam preparados para ascender à independência, enquanto não fosse possível criar estruturas de um estado minimamente funcional, criando uma classe média ou mesmo uma classe baixa.
Logo a utilização do conceito "os Africanos" denota o bitaitismo de toda a sua análise. Querer englobar os povos de todo um continente, cujas estruturas politicas pré-coloniais variam entre os Reinos propriamente ditos e o grupo de caçadores-recolectores, só porque partilham a cor de pele (estou a excluir o Magrebe claro) é pura e simplesmente não sério. Querer depois saltar disso para analisar situações pós-coloniais influenciadas pela cultura europeia e depois pelo choque da Revolução Francesa é apenas risível.
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5510
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +18/-0
    • http://www.areamilitar.net
Re: O Haiti desde a conquista da independência
« Responder #7 em: Janeiro 20, 2010, 02:26:06 pm »
Citação de: "Vicente de Lisboa"
...? Amnésia? :? 3º posta deste Tópico.
ESTUPIDEZ ?
REPITO:
ONDE É QUE EU DISSE QUE A FRANÇA CONCEDEU A INDEPENDÊNCIA AO HAITI ?
COMECE POR LER O QUE ESTÁ ESCRITO ANTES DE NOS BENEFICIAR COM OS SEUS DEVANEIOS.

Você está a afirmar que eu disse uma coisa que eu não disse e posteriormente faz elaborações imbecis.
Citar
Parabéns, viu que me enganei quando escrevi o século. O Haiti era 25% dos rendimentos Franceses no fim do século XVIII (dezoito), como poderia ver se tivesse seguido o link. Agora que respondi à sua manobra dilatória já pode responder com argumentos, ou vai procurar virgulas fora do sitio?
Limitei-me a demonstrar que você nem sequer se deu ao trabalho de ler o que escreveu.
O que não é estranho, dado também não ler o que os outros escrevem
No final do século XVIII temos a ascenção de Napoleão. A independência do Haiti ocorre antes da batalha de Trafalgar, altura em que a França tinha um esquadra capaz de projectar poder se necessário até ao Haiti.
Não o fez, porque os beneficios eram inferiores aos custos.

Citar
O seu argumento é, portanto, que a crença no sobrenatural por parte dos lideres políticos define o Estado Falhado?
O que eu defendo, como qualquer criança do ensino secundário poderia concluir, é que um estado feudal africano não tem possibilidade de funcionar no mundo «europeu» que começou a ser construído na Idade Moderna.
O Vudu, é apenas uma demonstração disso. Os africanos não tinham nenhum modelo que não fosse o que trouxeram de África.
A estrutura de organização política do Haiti, foi a mesma do Quilombo de Palmares no Brasil.

Citar
Hepa, a sério? Então se calhar - se calhar, apenas - as situações são de todo incomparáveis!

O que é que é comparável ou incomparável ?
Se os portugueses não tivessem destruído os Quilombos (o de Palmares é o exemplo mais significativo), também teríamos um Haiti no nordeste brasileiro. Mas o resultado seria sempre o mesmo. Os africanos dividiam-se em tribos e começavam a guerrear entre si, como no Haiti.
Só que os portugueses estavam no Brasil para construir um Estado, e os franceses estavam no Haiti para sacar dinheiro.

Citar
E aqui voltamos ao tal "livro". As tribos? "Feudais"? No Haiti? Mas de que Haiti estamos a falar? Ou se calhar é o "feudal" que significa outra coisa...
Estamos a falar dos grupos e seitas que controlaram sempre o Haiti, e que são resultado da organização social que se implantou com a independência, que foi basicamente uma sociedade africana sub-sahariana pré-colonial.
Citar
Logo a utilização do conceito "os Africanos" denota o bitaitismo de toda a sua análise.
Eu creio que o que denota é a ignorância da sua análise, desprovida de qualquer senso, e claramente vinda de quem não está de boa fé.
Sabendo nós (pensava eu) que os africanos do Haiti, criaram uma nação de escravos, não podíamos estar a falar de nada mais que dos povos africanos da África Ocidental e do golfo da Guiné, de onde os franceses importavam as peças que utilizavam na suas plantações.

Eu parto do principio de que falo com quem conhece minimamente um assunto e não me passaria pela cabeça ter que referir de que africanos estariamos a falar, quando isso deveria ser óbvio (mais uma vez, pensava eu).
 

*

Vicente de Lisboa

  • Analista
  • ***
  • 790
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • Enviou: 2 vez(es)
  • +3/-4
Re: O Haiti desde a conquista da independência
« Responder #8 em: Janeiro 20, 2010, 06:00:23 pm »
Citação de: "papatango"
Citação de: "Vicente de Lisboa"
...? Amnésia? :lol: Vá lá - andavam todos ao mesmo. Portugal talvez tivesse uma abordagem mais cultural, mais a longo termo e menos centrada na economia a curto prazo... mas no fim de contas também era pela industria e fazenda do Reino que se investia no Brasil. E também se pode argumentar que Portugal só não explorava mais porque não sabia como... mas ok, já estamos muito offtopic.

Citar
Estamos a falar dos grupos e seitas que controlaram sempre o Haiti, e que são resultado da organização social que se implantou com a independência, que foi basicamente uma sociedade africana sub-sahariana pré-colonial.
Grupos sim. Ex-Escravos, Homens livres, Hulatos e Brancos eram grupos. Mas esses existem em toda a região, não têm nada que ver com "uma sociedade africana sub-sahariana pré-colonial" - não só porque não existe tal coisa, como as varias e diferentes sociedades que engloba não incluíam conceitos como República, Assembleia Geral, Senado, Constituição Escrita, etc etc. Quanto a "seitas" não sei do que fala. Que eu saiba a religião ser X ou Y não classifica um Estado como Falhado, Feudal, ou qualquer outro titulo.

Citar
Eu creio que o que denota é a ignorância da sua análise, desprovida de qualquer senso, e claramente vinda de quem não está de boa fé.
Sabendo nós (pensava eu) que os africanos do Haiti, criaram uma nação de escravos, não podíamos estar a falar de nada mais que dos povos africanos da África Ocidental e do golfo da Guiné, de onde os franceses importavam as peças que utilizavam na suas plantações.
Região que tinha reinos independentes quando os Europeus lá chegaram - as quais, alias, nos vendiam os escravos. Decida-se, os pretos estavam ou não estavam "preparados para ascender à independência"?

Citar
Eu parto do principio de que falo com quem conhece minimamente um assunto e não me passaria pela cabeça ter que referir de que africanos estariamos a falar, quando isso deveria ser óbvio (mais uma vez, pensava eu).
Esse argumento não colhe depois de fingir que não percebeu a troca entre XIX e XVIII anteriormente. Mas va bene.  :wink:
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5510
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +18/-0
    • http://www.areamilitar.net
Re: O Haiti desde a conquista da independência
« Responder #9 em: Janeiro 20, 2010, 07:15:20 pm »
O terceiro post diz o seguinte:

Citar
Todas as potências coloniais tinham obrigações. A França pura e simplesmente encolheu os ombros e deixou andar porque sabia que a riqueza do Haiti não era suficiente para pagar uma guerra para recuperar aquele território.

ONDE É QUE ESTÁ ESCRITO QUE A FRANÇA DEU A INDEPENDÊNCIA AO HAITI ?
A pouca vergonha deveria ter limites senhor Vicente de Lisboa.

Citação de: "Vicente de Lisboa"
E os Portugueses estavam a fazer trabalho Humanitário?
A isto chama-se má fé
Daqui a uns posts está a acusar-me de ter dito que os portugueses faziam trabalho humanitário.
Eu não tenho tempo para perder com putos ! ! !

Cresça !

Nota, para quem provavelmente já nem sequer entende o que é que este senhor Lisboa está a dizer, porque como é normal neste tipo de Troll, o objectivo é criar problemas, distorcer factos, inventas afirmações para reinar no meio da confusão...

Aquilo que afirmo é:

- O Haiti ascendeu à condição de Estado Independente no inicio do século XIX.
- A independência do Haiti, ocorreu sem que houvesse uma sociedade organizada e capaz de resistir no mundo moderno (a Idade Moderna, é o periodo correspondente ao século XVIII) e absolutamente incapaz de passar pela revolução industrial.
- Sem marxismo (que também se transformou em corrupção, mas isso é outra estória) para testar como sistema alternativo, o Haiti, tinha uma unica solução: gerir a sociedade como era normal entre as tribos africanas.
- Mas as sociedades que continuassem na idade da pedra, estariam naturalmente condenadas ao fracasso.
- O fracasso do estado Haitiano, é uma clara demonstração do fracasso e da incapacidade das sociedades africanas em entrar no século XX e no século XXI como sociedades modernas.

A catástrofe decorrente do terremoto haitiano é resultado do abalo de grau 7 da escala de Richter, mas também de dois séculos de uma independência condenada a fracassar, como fracassaram todas as sociedades da África sub-sahariana que tentaram seguir caminhos alternativos.

No Zimbabwe, por exemplo, temos outra demonstração disso.
Só quem for cego é que não vê.


Cumprimentos
 

Re: O Haiti desde a conquista da independência
« Responder #10 em: Janeiro 24, 2010, 12:00:50 pm »
Sem querer entrar em grandes discussões até porque do assunto apenas sei generalidades, podemos afirmar que a historia do Haiti, tem algumas semelhanças com a a Liberia, pelo menos no ponto em que tambem se trata de um estado formado por ex-escravos.
Sendo um aficionado de cinema, recomendo vivamente o visionamente do filme  "Queimada" ou "Burn" (1969) de Gillo Pontecorvo ( o mesmo realizador do excelente  "Battle of Algiers") com Marlon Brando no papel principal, é ficção obviamente, os Franceses aqui são os Portugueses, mas não deixa de ser interessante e é claramente inspirada na historia do Haiti.

Um abraço

Vitor Louçã
 

*

gaia

  • 54
  • +0/-0
Re: O Haiti desde a conquista da independência
« Responder #11 em: Janeiro 25, 2010, 12:13:32 pm »
A visão do Papatango está correcta , o Haiti, teve uma importância na economia francesa , mas era um dos mais temíveis e cruel  sistema esclavagista da época , e que originou a revolta ,e que mesmo  Napoleão com elevadas perdas não consegue abafar.
É curioso que o sistema colonial , no Haiti foi abalado com a revolução francesa , e a nobreza foge para outras ilhas , ainda hoje se pode encontrar descendentes , a viver na maior pobreza .
Quando era miúdo , tenho uma breve recordação de uma estória em banda desenhada, em que o "rei" haitiano para provar o seu poder a um visitante europeu, ordena , que alguns soldados , se mandem abaixo de um penhasco (aonde ficava o forte), para uma morte certa. Se foi verdade não sei , mas deve haver algo de verdade.
 

 

EUA ofereceram milhões pela independência das ex-colónias

Iniciado por P44

Respostas: 13
Visualizações: 4247
Última mensagem Novembro 20, 2004, 05:10:21 pm
por JoseMFernandes
«Invasões francesas aceleraram independência do Brasil»

Iniciado por Lancero

Respostas: 6
Visualizações: 4627
Última mensagem Novembro 21, 2006, 07:13:45 pm
por Spectral
1 de Dezembro / 25 de Abril / Independência nacional

Iniciado por dremanu

Respostas: 9
Visualizações: 3612
Última mensagem Setembro 10, 2006, 11:23:46 am
por Farinha
A Independência da RODESIA, o apoio de Portugal

Iniciado por scrupulum

Respostas: 3
Visualizações: 3591
Última mensagem Dezembro 10, 2012, 01:50:19 pm
por scrupulum
A perca da Independência

Iniciado por dremanu

Respostas: 0
Visualizações: 1455
Última mensagem Março 01, 2004, 11:48:01 pm
por dremanu