Piratas à Abordagem

  • 178 Respostas
  • 50450 Visualizações
*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #90 em: Março 27, 2009, 12:25:49 pm »
Piratas somalis sequestram dois navios-cisternas em 24 horas


Piratas armados com metralhadoras sequestraram hoje um navio-cisterna químico norueguês ao largo da costa da Somália, num ataque que ocorre a menos de 24 horas do sequestro de um navio grego, mais pequeno, na mesma área.
A V Esquadra norte-americana, que patrulha o Golfo de Aden, infestado de piratas, confirmou os dois sequestros e disse que eles ocorreram na mesma área mas em pontos diferentes do Golfo, uma das vias marítimas mais movimentadas e traiçoeiras do mundo.

O navio-cisterna norueguês Bow Asir de 23 mil toneladas foi sequestrado a 400 quilómetros ao largo da costa somali hoje de manhã e o grego Nipayia de nove mil toneladas e com 19 tripulantes foi apresado a 720 quilómetros ao largo da Somália quarta-feira à tarde, disse o porta-voz militar da União Europeia.

Ambas as embarcações são navios-cisternas químicos mas a sua carga ainda não foi divulgada.

A comandante Jane Campbell da V Esquadra norte-americana disse que os dois sequestros tiveram lugar numa vasta extensão do Oceano Índico de mais de 1.9 milhões de quilómetros quadrados.

«Esta actividade mostra a complexidade de se querer tentar controlar uma área desta dimensão», disse.

Campbell disse também que os piratas tentaram sequestrar sem sucesso uma outra embarcação de bandeira panamiana na quarta-feira.

A associação de proprietários de navios da Noruega disse que o Bow Asir tinha uma tripulação de 27 pessoas com um capitão norueguês, mas a V Esquadra afirma que estão 23 a bordo. O navio norueguês arvorava bandeira das Bahamas.

Um diplomata em Nairobi adiantou que o Nipayia tinha 18 filipinos a bordo e um capitão russo.

Os ataques dos piratas ao largo das costas somalis atingiram um nível sem precedente em 2008, quando os piratas perpetraram 111 ataques, sequestrando 42 embarcações, a maioria no Golfo de Aden.

Desde o início do ano foram sequestrados sete navios embora tenha havido 10 vezes mais ataques em Janeiro e Fevereiro de 2009 em relação ao mesmo período de 2008. Em Março os ataques têm sido quase diários.

Também hoje, a NATO anunciou que a sua flotilha de cinco navios retomava as patrulhas ao largo do Corno de África, juntando-se aos 20 navios de guerra da União Europeia, dos Estados Unidos, da China e outros navios que estão a tentar parar os ataques dos piratas na zona.

Graeme Gibbon Brooks, fundador da companhia se segurança privada Dryad Maritime Intelligence, com sede em Londres, disse que os últimos sequestros mostram que os piratas estão a mudar a área onde operam para o Oceano Índico.

A missão da NATO comandada por Portugal, alterada, chega à Somália para combater pirataria no fim de Março.

A fragata «Álvares Cabral» da Marinha Portuguesa assumiu o comando da força naval permanente da Aliança Atlântica - o Standing NATO Maritime Group One (SNMG1) - no final de Janeiro, indo liderar a «Operação Pérola», inicialmente apenas de patrulhamento marítimo no Sudoeste asiático, passando em países com a Índia, o Paquistão e a Austrália.

A fragata portuguesa é constituída por mais de 150 militares e tem ainda um helicóptero «Lynx» integrado.

A NATO alterou a missão da sua força naval permanente, comandada por Portugal, definindo uma intervenção no combate à pirataria na Somália a partir do final de Março, disse à Lusa no final de Fevereiro o Estado-Maior General das Forças Armadas.

«O Conselho do Atlântico Norte, a parte política da NATO, aprovou uma alteração da missão, havia só um trânsito na zona da Somália e agora vai haver uma actuação [contra a pirataria] durante algum tempo», disse à Lusa o porta-voz do chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), o comandante Ramos de Oliveira.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #91 em: Março 27, 2009, 10:11:36 pm »
UE recomenda precauções aos navios que naveguem em frente à Somália

A missão Atalanta da União Europeia, que luta contra a pirataria nas águas do Índico, recomendou hoje aos navios que navegam na zona que se mantenham a mais de 600 milhas da costa somali.

Em comunicado, a Atalanta recorda que dois navios de propriedade europeia foram sequestrados nas últimas 48 horas e adverte para o aumento da pirataria no Sul e no Leste da zona compreendida entre o Sul do Mar Vermelho, o Golfo de Aden, e parte do Oceano Índico.

Esta é a vasta área onde a operação da União Europeia desenvolve o seu trabalho de vigilância e dissuasão "fazendo todo o possível para assistir os barcos atacados", realça a nota.

Piratas armados com metralhadoras sequestraram quinta-feira um navio-cisterna químico norueguês ao largo da costa da Somália, ataque que ocorreu a menos de 24 horas do sequestro de um navio grego, mais pequeno, na mesma área.
A Atalanta recomenda "com insistência" que os barcos se registem através da Internet no Centro Europeu de Segurança Marítima para o Corno de África, já que, em alguns casos, poderão aproveitar a protecção militar. ( www.mschoa.eu ).

Oito fragatas e duas aeronaves participam actualmente na missão Atalanta, no âmbito de uma operação da NATO comandada por Portugal, pela Força Combinada 151, criada pelos Estados Unidos, e por barcos de nacionalidade russa, indiana, japonesa e chinesa.

Lusa

 

*

ShadIntel

  • Investigador
  • *****
  • 1509
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #92 em: Abril 13, 2009, 06:04:05 pm »
Citar
Refém americano resgatado

O capitão norte-americano Richard Phillips, que estava desde quarta-feira refém de piratas ao largo da costa da Somália, no Oceano Índico, foi ontem libertado numa operação da Marinha norte-americana, durante a qual foram mortos três dos seus quatro captores. O presidente Barack Obama já felicitou a Marinha pelo sucesso da operação.

'Posso confirmar que o capitão Phillips foi resgatado e está a são e salvo', afirmou um porta-voz do Departamento de Estado norte-americano minutos após a operação de resgate, sem avançar mais pormenores.

A agência noticiosa American Press, citando fontes militares norte-americanas, noticia que Phillips foi resgatado após uma troca de tiros em que morreram três dos quatro piratas que mantinham sob sequestro há dias, num salva-vidas, o comandante norte-americano. O quarto pirata terá sido detido no decurso da operação.

Já a CNN avançou – citando a Marinha americana – que comandos da Marinha norte-americana lançaram o assalto momentos depois de Phillips se ter atirado ao mar. Recorde-se que na sexta-feira o refém já tinha tentado escapar desta maneira, mas foi rapidamente apanhado pelos seus captores.

Após o resgate, Phillips, de 53 anos, foi transportado para o navio ‘USS Boxer’, da Armada norte-americana, onde foi submetido a um exame médico e pôde, finalmente, contactar com a família.

OBAMA FELICITA

Phillips, recorde-se, foi feito refém quarta-feira quando os piratas tomaram de assalto o cargueiro ‘Maersk Alabama’. A tripulação resistiu e envolveu-se em confrontos com os piratas, o que levou o capitão a oferecer-se como refém para salvar os seus homens. Os piratas fugiram então com ele num barco salva-vidas, que imediatamente começou a ser perseguido pelos navios da Marinha norte-americana na região.

Ontem, mal soube do resgate bem-sucedido do capitão Phillips, o presidente norte-americana Barack Obama felicitou a Marinha pelo êxito da operação e prometeu que o governo dos EUA tudo fará ao seu alcance para combater a pirataria no Golfo de Áden.

NATO NÃO VAI USAR A FORÇA

A missão da NATO não vai recorrer à força para resgatar o rebocador italiano que está a ser levado pelos piratas para a costa norte da Somália, assegurou ontem ao CM o comandante Santos Fernandes, porta-voz da força multinacional de combate à pirataria liderada pela fragata portuguesa ‘Côrte-Real’.

'Continuam a decorrer as conversações entre as autoridades italianas, o proprietário do rebocador e os piratas, pelo que não há necessidade para já do uso da força para resgatar o navio', assegurou o comandante Santos Fernandes, adiantando que a embarcação sequestrada 'está a ser seguida por uma fragata inglesa, através do radar'.

Quanto à fragata ‘Côrte-Real’, estava ontem a escoltar um navio com bandeira do Panamá carregado de contentores, 'um tipo de barco apetecível para os piratas', adiantou o porta-voz.

PORMENORES

VINGANÇA

Os piratas somalis já juraram vingança pela morte dos seus companheiros, não só na operação de ontem, mas também no ataque da véspera levado a cabo por fuzileiros franceses para resgatar um grupo de turistas sequestrados na mesma região.

GOVERNO APLAUDE

O governo da Somália congratulou-se cm o sucesso da operação de resgate do capitão Richard Phillips. 'Esta acção mostra que não haverá qualquer tolerância para com os criminosos', afirmou fonte oficial.

PRIMEIRO AMERICANO

O capitão Phillips foi o primeiro norte-americano a ser sequestrado pelos piratas somalis, que têm na sua posse mais de 200 reféns e dezenas de embarcações de vários países.

MÓBIL É O LUCRO

Os piratas somalis agem fundamentalmente para ganhar dinheiro com os milionários resgates que recebem dos armadores e proprietários de navios. Normalmente tratam bem os reféns.
Correio da Manhã

Citar
Somália: Um morto em operação francesa

Uma operação militar francesa contra piratas somalis, que sequestraram um iate no passado fim-de-semana, causou um morto entre os reféns, mas outros quatro foram libertados.

Durante a operação de resgate, dois piratas perderam também a vida.

A Presidência francesa justificou a intervenção militar com as ameaças infligidas pelos sequestradores sobre os reféns, apesar das negociações que estavam em curso.

O ‘Tanit', com cinco pessoas a bordo, incluindo uma criança de três anos, foi sequestrado no passado fim-de-semana.
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #93 em: Abril 14, 2009, 03:37:22 pm »
Fragata portuguesa regressa em Junho ao combate à pirataria na Somália


A fragata portuguesa "Corte Real", que comanda a força naval da Aliança Atlântica na operação de combate à pirataria, vai regressar em Junho às águas da Somália, após uma interrupção de cerca de dois meses para participar noutras missões.

De acordo com fonte militar, o navio português parte no início da próxima semana juntamente com os restantes navios da NATO com destino ao Paquistão e a Singapura, onde irá "participar em exercícios conjuntos" e "testar a inter-operabilidade" com os meios navais de países situados numa região para onde a Aliança pretende alargar a sua influência.

Em Junho, a força de oito navios que compõe a "Standing NATO Maritime Group One (SNMG1)" regressa à região da Somália para prosseguir a missão de combate à pirataria.

As águas da Somália, onde está destacada a força naval da NATO, bem como de outros países, têm sido palco de intensa actividade de piratas visando navios mercantes que atravessam aquela região.

Na semana passada o cargueiro norte-americano "Maersk Alabama", transportando 232 contentores com alimentos do Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU, foi atacado por piratas somalis e o comandante do navio foi feito refém a bordo de um barco salva-vidas durante cinco dias, no Oceano Índico.

Richard Phillips, 53 anos, acabaria por ser libertado numa mediática operação da Marinha dos Estados Unidos durante a qual foram mortos três piratas e um outro capturado.

Esta madrugada, 22 marinheiros filipinos foram feitos reféns de piratas somalis que apresaram o cargueiro grego Irene, no Golfo de Aden.

Segunda-feira, piratas somalis apresaram dois pesqueiros egípcios no Golfo de Aden, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros egípcio.

Recentemente, o Presidente norte-americano, Barack Obama, prometeu um combate determinado contra a pirataria ao largo da costa africana e apelou à cooperação internacional para que os piratas sejam responsabilizados pelos "crimes".

"Quero dizer de forma muito clara que estamos determinados a travar o aumento da pirataria na região",

Portugal exerce o comando da força naval multinacional permanente da NATO por um ano, até Janeiro de 2010 - sendo a fragata portuguesa o navio-almirante da força.

A "Corte Real" é comandada pelo almirante português José Domingos Pereira da Cunha.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #94 em: Abril 15, 2009, 11:38:31 pm »
Navio francês captura 11 piratas na costa do Quénia


Um navio francês que patrulha o Oceano Índico anunciou nesta quarta-feira a captura 11 piratas nas proximidades da costa do Quénia.

Militares franceses disseram que o navio militar Nivose detectou uma grande embarcação pirata na terça-feira, manteve-a sobre vigilância durante a noite e atacou de manhã.

O Nivose integra uma operação da União Europeia para proteger a travessia do Golfo do Aden, a sul da Península Arábica - uma importante e perigosa passagem da rota comercial entre a Europa e a Ásia.

O Nivose impediu ainda o ataque a um navio da Libéria, segundo os militares franceses.

O governo grego disse que um navio do país com 24 tripulantes, que tinha sido sequestrado por piratas somalis em Março, foi libertado nesta quarta-feira. Não tendo sido revelado se houve pagamento de resgate.

Cada vez mais navios têm sido atacados na região por piratas que procuram refúgio na costa da Somália.

Nesta semana, quatro navios foram capturados e outros, atacados.

Na manhã da quarta-feira, um navio americano que levava ajuda humanitária para África foi atacado por piratas com granadas e armas automáticas.

O enviado da ONU para a Somália, Ahmedou Abdallah, disse que os ataques têm ameaçado a paz internacional.

Abdallah apelou a que a comunidade internacional identifique e combata as pessoas que apoiam a pirataria.

Abdallah pediu ainda ajuda para os pobres da Somália, país que não tem um governo central desde 1991. «Muitos destes pobres estão a ser explorados pelos piratas», afirmou.

SOL

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #95 em: Abril 18, 2009, 04:43:21 pm »
NATO resgatou 20 reféns e embarcação de pesca do Iémen


A NATO resgatou hoje 20 reféns e uma embarcação de pesca com bandeira do Iémen que tinham sido capturados por piratas da Somália no golfo Aden, segundo o comandante português Santos Fernandes.
 
Em declarações à Agência Lusa, o comandante Santos Fernandes, porta-voz da NATO, que se encontra a bordo da fragata Corte-Real, disse que um navio holandês da NATO detectou às 8h45 (hora de Lisboa) uma embarcação de pesca com bandeira do Iémen com 20 reféns e sete piratas da Somália armados com metralhadoras.

De acordo com o comandante Santos Fernandes, a embarcação de pesca estava a ser usada pelos piratas como navio mãe para conduzir os ataques.

Os 20 reféns e a embarcação de pesca tinham sido capturados pelos piratas da Somália na passada quinta-feira nas águas do golfo Aden, situado entre a Somália e o Iémen, adiantou.

Segundo o porta-voz da NATO, os 20 reféns do Iémen foram soltos, estão bem e encontram-se a bordo da embarcação.

Os sete piratas foram identificados e após ser desarmados foram libertados. O comandante Santos Fernandes desconhece se um navio belga foi atacado por piratas na costa da Somália.

Os meios de comunicação social belgas noticiaram hoje que um navio belga, com uma tripulação de belgas e holandeses, foi atacado por piratas na costa da Somália.

Os piratas da Somália atacaram mais de 80 embarcações este ano e mantêm capturados 15 navios de carga e mais de 280 reféns.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #96 em: Abril 21, 2009, 10:01:25 pm »
Assaltos no mar duplicaram no 1º trimestre


Os assaltos no mar quase duplicaram no primeiro trimestre deste ano face a período homólogo de 2008 devido essencialmente ao aumento dos ataques de piratas no Golfo de Aden e na costa leste da Somália, foi esta terça-feira anunciado.

Segundo a Organização Marítima Internacional (IMB), com sede em Kuala Lumpur, Malásia, o número de assaltos no mar atingiu 102 no primeiro trimestre deste ano, mais 92,4% que em período homólogo de 2008 (53 incidentes).

Nos primeiros três meses deste ano, duas pessoas morreram e nove ficaram feridas nos 102 incidentes registados contra embarcações no mar, que incluem 34 abordagens e que resultaram na tomada como reféns de 178 membros de tripulação das embarcações.

Na maioria dos incidentes, os piratas estavam fortemente armados e os actos violentos contra membros das tripulações também registaram um aumento neste período, refere a organização.

“O aumento no primeiro trimestre de 2009 é resultante quase inteiramente do crescimento da actividade dos piratas somalis no Golfo de Aden e na costa leste da Somália. Estas duas zonas em conjunto representam 61 dos 102 assaltos” e todos os nove sequestros, refere o relatório da IMB.

Analistas referem que o aumento da actividade dos piratas somalis resulta da inexistência há quase 20 anos de qualquer Estado de direito na Somália.

A divulgação do relatório da IMB coincidiu hoje com a libertação pelos piratas no Golfo de Aden de um navio tanque, que transportava produtos químicos, e da tripulação deste composta por 23 filipinos.

O navio estava sequestrado há cinco meses.

O relatório da IMB refere que muitas tentativas de assalto foram travadas pelo aumento de medidas de precaução anti-pirataria adoptadas pelos navios e pela presença da coligação naval internacional no Golfo de Aden.

As forças da Nato presentes no Golfo de Aden ajudaram a evitar alguns assaltos nos últimos dias, refere o relatório.

Anualmente, cerca de 20.000 embarcações passam pelo Golfo de Aden, que liga o Mar Vermelho ao Oceano Índico.

“Os piratas têm menos esperança em sequestrar navios. Os padrões dos últimos ataques revelam que os piratas estão a atacar navios na costa sudeste da Somália” e a estender estes para as costas do Quénia, da Tanzânia, das Seicheles e de Madagáscar, refere o relatório.

A IMC apela aos navegadores para se afastarem o máximo possível da costa da Somália e manterem activas medidas contra a pirataria.

A organização refere ainda que a costa da Nigéria continua a ser outra zona de alto risco de assalto para a navegação e que no período em referencia também foi registado um aumento de incidentes no Peru.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #97 em: Abril 24, 2009, 07:49:58 pm »
EUA transferem para a Turquia comando de força naval anti-pirataria


A V esquadra norte-americana, com base no Bahrein, anunciou hoje a transferência a 03 de Maio para a marinha turca do comando da "Combined Task Force" (CTF) 151, uma força naval internacional encarregue da luta contra a pirataria.

"A marinha norte-americana transferirá o comando da CTF 151 para a marinha turca a 3 de Maio de 2009", refere um comunicado da V Esquadra, acrescentando que a Turquia se tornará o segundo país a comandar esta força anti-pirataria.

A CTF 151 foi lançada pelos Estados Unidos em Janeiro como uma operação internacional contra a pirataria, sendo uma das três forças navais internacionais na região.

Em Fevereiro, a agência turca Anatolia anunciou que a fragata TGC Giresun, com 263 homens a bordo, se juntaria à CTF 151.

Mais de 130 navios mercantes foram vítimas de piratas somalis no Golfo de Aden no ano passado, um aumento de 200 por cento em relação ao número de ataques registados em 2007, segundo o Bureau Marítimo Internacional.

Em 2008, mais de 150 pessoas suspeitas de pirataria foram detidas por patrulhas navais.

Lusa

 

(sem assunto)
« Responder #98 em: Maio 05, 2009, 09:16:12 am »
Fragata portuguesa obrigada a libertar piratas somalis detidos

O Direito Internacional autoriza o combate à pirataria, mas não qualifica os seus autores como criminosos.

A fragata portuguesa Corte Real, que comanda a frota da NATO estacionada nos mares da Somália, está impedida de prender piratas excepto se o próprio navio ou algum português forem atacados.
Esta é a conclusão do chefe do Departamento Jurídico Operacional e Internacional da Armada, comandante Neves Correia, a que o DN teve ontem acesso. "Se não estiver em causa um cidadão português ou factos praticados a bordo de um navio de pavilhão português, a detenção só se poderá efectuar-se" se for possível extraditar os piratas para um país com legitimidade para os julgar, serem polícias somalis a bordo que detém os piratas, se "for celebrado um Acordo Internacional para entrega dos detidos a um Estado que se disponibilize" para os julgar ou "for criado um tribunal internacional ad hoc que julgue" os piratas, escreve aquele responsável.
Recorde-se que a fragata portuguesa libertou piratas detidos na passada sexta-feira, depois de impedir o ataque a um navio mercante no golfo de Áden.
A Convenção da ONU sobre o Direito do Mar qualifica a pirataria mas "não declara criminosos" os seus autores, pelo que "a competência permitida pelo Direito Internacional [para lutar contra essa ameaça] tem de ser legislada internamente" pelo Estado.


Diário de Notícias
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #99 em: Maio 10, 2009, 06:41:37 pm »
Imbróglio jurídico em Espanha sobre piratas capturados pela Marinha


A detenção em quase flagrante delito de sete piratas somalis por um navio de guerra espanhol deu origem a um imbróglio jurídico em Espanha, com o governo a opor-se hoje à decisão de um juiz de os libertar.

Os sete piratas, capturados na quinta-feira no Oceano Índico, continuam a bordo do Marques de la Enseñada, navio militar que participa na operação anti-pirataria europeia Atalante. Um dia antes, o mesmo navio já tinha capturado outros sete piratas.

O juiz espanhol Fernando Andreu ordenou sexta-feira a sua libertação «por imperativo legal», na sequência de instruções do Ministério Público de que renunciasse a decidir que fossem mantidos prisioneiros em Espanha e os entregasse à justiça queniana.

O juiz manifestou, na decisão, a sua «total discordância» com o Ministério Público.

Fontes do governo citadas pela agência espanhola EFE indicaram que há uma acção concertada dos ministérios da Defesa, Negócios Estrangeiros e Justiça para impedir que os piratas sejam libertados, tendo sido dadas instruções à Procuradoria-Geral para que interponha recurso da decisão do juiz Andreu.

Este recurso foi hoje confirmado pela ministra da Defesa, Carme Chacón, enquanto o ministro dos Negócios Estrangeiros, Miguel Moratinos, afirmou, por seu lado, estar em contacto com as autoridades do Quénia para uma «eventual entrega» dos piratas a esse país para que sejam aí julgados.

O juiz Fernando Andreu opôs-se formalmente a uma entrega dos prisioneiros às autoridades quenianas, argumentando que violaria os direitos dos piratas na medida em que já foi aberto um inquérito judicial em Espanha.

O estatuto jurídico dos piratas capturados pelos navios de guerra internacionais envolvidos no patrulhamento do Golfo de Áden é uma questão recorrentemente referida pelos diferentes países.

A 1 de Maio, a fragata portuguesa Corte-Real impediu o sequestro de um petroleiro norueguês ao largo da Somália, mas, apesar de ter abordado a embarcação dos piratas, limitou-se a identificá-los e a apreender as suas armas, por estar impedida de fazer detenções.

O comandante da fragata portuguesa, Santos Fernandes, explicou que o delito de pirataria não está tipificado na lei portuguesa, pelo que a força portuguesa só está autorizada a fazer detenções se os piratas forem portugueses, se o navio vítima de ataque tiver bandeira portuguesa ou se uma das vítimas de sequestro for portuguesa.

Em 2008, os piratas atacaram mais de 130 navios mercantes ao largo da Somália, o dobro dos ataques registados no ano anterior, segundo a Organização Marítima Internacional.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #100 em: Maio 12, 2009, 12:03:58 am »
Piratas detidos por navio espanhol serão entregues ao Quénia


O imbróglio judicial causado em Espanha pela detenção de piratas somalis pela Marinha espanhola no Oceano Índico terminou hoje com a decisão de os entregar às autoridades do Quénia, informou o Ministério da Defesa.

Os 14 presumíveis piratas foram presos em duas operações distintas, na quarta e na quinta-feira, pelo navio militar Marques de la Enseñada e, segundo o chefe da diplomacia espanhola, Miguel Angel Moratinos, serão imediatamente entregues às autoridades do Quénia, no âmbito de um acordo que este país assinou com a UE no início de Março.

A decisão foi tomada após a resposta positiva do juiz espanhol Fernando Andreu ao pedido do chefe de Estado-Maior do Exército espanhol José Julio Rodriguez.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #101 em: Maio 13, 2009, 10:42:42 pm »
Ataques ao largo da Somália são coordenados


Investigações aos barcos capturados que operam ao largo da Costa da Somália revelaram pela primeira vez que os piratas coordenam os ataques aos navios comerciais, disse hoje o comandante da operação europeia Atalanta, vice-almirante Philip Jones.

Jones disse que, nas últimas semanas, a sua frota capturou quatro dos barcos de apoio - traineiras reconvertidas ou pequenos navios de carga - usados pelos piratas para reabastecer as pequenas lanchas rápidas que operam numa vasta área do Oceano Índico.

As evidências mais recentes, disse, mostram que esses barcos comunicam uns com os outros sobre potenciais alvos.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #102 em: Maio 25, 2009, 08:23:19 pm »
NATO intercepta alegados piratas e apreende armas e munições


A força naval da NATO destacada no Golfo de Áden, ao largo da Somália, interceptou no domingo vários homens em duas embarcações suspeitos de actividades de pirataria e apreendeu armas e munições, divulgou hoje aquela organização militar.

A fragata canadiana SGUM Winnipeg interceptou as duas embarcações perto do corredor internacional utilizado pelos navios para transporte de mercadorias e após perseguição com recurso a um helicóptero, de acordo com o comandante naval da NATO, Chris Davies.

A bordo das duas lanchas utilizados pelos alegados piratas somalis a força militar da NATO apreendeu várias armas semi-automáticas e de calibre de guerra, como duas granadas foguete com lançadores (RPG-7), sete metralhadoras de assalto AK 47 e uma M-16, além de dezenas de munições, divulgou aquele militar.

O comandante da fragata SGUM Winnipeg, Craig Baines, afirmou que "apesar de não ter sido cometido nenhum acto de pirataria conhecido" pelos homens daquelas duas embarcações, "o objectivo da NATO é evitar qualquer ameaça à navegação", pelo que neutralizaram a capacidade em armamento dos alegados piratas.

Os homens foram entretanto soltos pela força militar internacional, em virtude de não existir acordo entre a NATO e o Quénia para julgamento dos alegados piratas, concluiu o comandante Craig Baines.

A fragata SGUM Winnipeg é um dos cinco navios militares enviados pela NATO, designados por "Maritime Group 1" (SNMG1) e integra a Operação Allied Protector, que realiza operações de contra-pirataria no Golfo de Aden e é comandada pela fragata portuguesa "Corte Real".

De acordo com estatísticas compiladas pela Organização Internacional Marítima em 2008 houve 111 incidentes, nas águas ao largo da Somália, incluindo 42 navios sequestrados.

Durante os primeiros cinco meses de 2009, os piratas somalis executaram 29 ataques bem sucedidos a vários navios e tentaram mais 114 ataques, ainda de acordo com aquela organização internacional.

Em reconhecimento ao crescente impacto da pirataria sobre navios comerciais e de ajuda humanitária, no Corno de África, os Estados Unidos e seus parceiros internacionais criaram o Grupo de Contacto sobre a pirataria ao largo da costa da Somália, a 14 de Janeiro deste ano.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #103 em: Junho 09, 2009, 06:05:18 pm »
Pirataria é «a ponta do icebergue» da Somália, diz Frattini


A pirataria é apenas "a ponta do icebergue" dos problemas do Estado somali, declarou esta terça-feira em Roma o chefe da diplomacia italiana, Franco Frattini, na abertura da reunião de dois dias do Grupo Internacional de Contacto para a Somália.

"A pirataria é apenas uma parte do problema, a ponta do icebergue. As principais causas da pirataria têm origem nas crises políticas, económicas e sociais no território, e não no mar", disse Frattini em conferência de imprensa.

Para o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, a pirataria "é um crime que atingiu um nível intolerável" e que assume contornos como "o terrorismo, a imigração clandestina e o tráfico de seres humanos, uma ameaça para a segurança humana e, em última instância, para a segurança europeia".

Segundo a Ecoterra International, uma organização não governamental (ONG) ambientalista que observa as actividades marítimas ilegais na região do golfo de Aden, os piratas somalis realizaram 126 ataques durante este ano, incluindo 44 apresamentos de navios bem sucedidos.

Cerca de 40 países e organizações internacionais participam até quarta-feira, em Roma, na 15ª reunião do grupo de contacto para a Somália, formado em 2005.

O primeiro-ministro somali Omar Abdirashid Sharmarke participará na reunião, enquanto o Presidente Sharif Cheikh Ahmed acabou por não se deslocar a Roma devido à situação de crise em Mogadíscio, cenário de intensos combates entre milícias os pró-governamentais e rebeldes islâmicos.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +24/-0
(sem assunto)
« Responder #104 em: Junho 12, 2009, 10:18:18 pm »
Piratas atacam navio alemão em águas de Omã


O navio de carga alemão, de bandeira Antigua e Barbados, «Charelle», foi hoje à tarde atacado por piratas em águas territoriais de Omã, confirmou à agência Lusa Santos Fernandes, do staff NATO a bordo da Corte-Real.

Este ataque, que ocorreu às 16:20 (hora local, 14:20 em Lisboa), foge aos padrões habituais da actividade dos piratas somalis, uma vez que é registado em águas territoriais de outro País, em Omã, e muito longe da costa da Somália.

Lusa