O galego é unha riqueza que nos abre á lusofonía

  • 66 Respostas
  • 22195 Visualizações
*

comanche

  • Investigador
  • *****
  • 1799
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
O galego é unha riqueza que nos abre á lusofonía
« em: Novembro 05, 2007, 10:54:33 pm »
«O galego é unha riqueza que nos abre á lusofonía»

Alberto Núñez Feijoo, PRESIDENTE DO PPdeG

Citar
1.A lingua galega está nunha difícil situación polo que amosa a revisión do Mapa Sociolingüístico do 2004 que vén de publicarse. ¿Que valoración lle merece este feito?

Debemos seguir cultivando o compromiso e o aprecio pola nosa lingua e facilitar un clima de liberdade de escolla, sendo conscientes de que o galego é unha opción útil e válida en todos os contextos sociais. Persoalmente, decátome de que o galego é unha riqueza que nos axuda a abrir as portas da lusofonía. Pero non debemos perder de vista que, a medio prazo, o castelán consolidarase como lingua franca, tal e como sucede xa co inglés. Ignorar esta realidade revela escaseza de miras pero tamén, e seguramente o máis preocupante, unha nula capacidade dos nosos gobernantes para adiantarse aos acontecementos na procura de máis e mellores oportunidades, sobre todo para nenos e mozos, que, en poucos anos, tomarán o relevo. O uso da lingua, sexa cal sexa, é un exercicio de liberdade e, a nosa historia ensínanos que as linguas non se poden nin impoñer nin prohibir.

2.¿Pensa que é posible reverter o proceso? ¿Como?

O mellor camiño é o da naturalidade, sen obrigas e sen cambios abruptos que xeren incomodidades ao cidadán. Os responsables políticos, encargados de regular a súa introdución na sociedade, temos que xerar agarimo por algo tan noso como é o idioma, sen apropiarnos partidistamente dun patrimonio común. A nosa lingua é de todos e para todos; é incluínte, nunca excluínte; é un tesouro vivo que debemos protexer e querer como unha parte esencial do que somos. O necesario avance da lingua galega debe impulsarse desde o orgullo que supón termos unha lingua propia. Pero sempre respectando a liberdade dos falantes, os seus dereitos, sen imposicións nin guerras lingüísticas que só desgastan e non conducen a ningures. Vivimos nunha sociedade cosmopolita e globalizada na que o feito de ter un idioma propio -sen dúbida, o principal sinal de identidade da nosa cultura- constitúe un elemento enriquecedor. É obvio que os esforzos que poidamos facer para preservar e promocionar o uso do galego deben ser benvidos e apoiados por todos. Pero, non nos enganemos, calquera estratexia de difusión dunha lingua que se base na imposición nace viciada de raíz. Canto máis impoñamos o uso do galego, maiores serán as probabilidades de que este sexa rexeitado como elemento de comunicación.

3.O galego dos líderes sociais ?e o que empregan algúns comunicadores está tan deturpado que crea modelos moi nocivos para o idioma. ¿Vostede, a nivel persoal, que fai para mellorar a súa fala?

Nacín nunha aldea de Ourense e na casa, coa miña avoa, falaba en galego. Léoo e fáloo desde neno. O meu traballo fai que manteña contacto con moitos falantes de galego, dos que tento aprender e comparar os seus diferentes matices. Cando non estou seguro da tradución dalgunhas palabras, procuro ter un dicionario preto ou pregunto. Creo que esta é unha boa maneira de enriquecer o meu vocabulario.


http://www.lavozdegalicia.es/galicia/2007/11/04/0003_6287369.htm

Aqui ficam as declarações do porta voz do PP da Galiza, partido que tanto mal tem feito á língua galega.
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4146
  • Recebeu: 29 vez(es)
  • +61/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Novembro 21, 2007, 12:30:06 pm »
Citar
Governo e Parlamento espanhóis pronunciar-se-ão relativamente ao interesse da Galiza em receber as televisões portuguesas

   
Santiago de Compostela, 21 de Novembro de 2007. – O Governo e Parlamento espanhóis deverão manifestar a sua posição relativamente ao interesse manifestado desde a Galiza em se receberem nesse território as TVs portuguesas em formato digital, pois que hão-de dar resposta a uma proposição de lei e uma pergunta directa ao Governo que recentemente lhes foram colocadas em tal sentido.

A iniciativa parte de Francisco Rodríguez, deputado no Congresso espanhol pelo Bloque Nacionalista Galego (BNG), uma força política que faz parte do Governo da Galiza. Tal proposta reage ao apelo lançado no passado 9 de Novembro pela Fundação Via Galego para que o Estado espanhol dê os passos necessários de modo a o Governo galego, a Xunta da Galiza, poder negociar com Portugal a recepção dos meios audiovisuais lusos.

As reivindicações galegas visam que o Estado espanhol cumpra com os compromissos contraídos em 2001 com a Galiza em virtude da Carta Europeia de Línguas Regionais ou Minoritárias, um tratado internacional que em seu artigo 11.2 assevera que deve ser garantida “a recepção directa de emissões de rádio e televisão de países vizinhos numa língua utilizada de forma idêntica ou próxima de uma língua regional ou minoritária” e que em seu artigo 14 ainda compele para a assinatura de acordos bilaterais que promovam o contacto entre as pessoas galegas e portuguesas nas áreas da cultura, do ensino, da informação, da formação profissional e da educação contínua.

O presidente da Fundação Via Galego, Carlos Callón, sublinha que o próprio Conselho de Europa, promotor da Carta Europeia, “tem chamado a atenção, num relatório de 2005, para a passividade do Estado espanhol relativamente aos compromissos com a Galiza sobre cooperação transfronteiriça”.

O presidente da Fundação Via Galego considerava, aliás, “de extremo interesse para a Galiza a recepção dos canais portugueses para consciencializar a população galega sobre a utilidade comunicativa internacional da língua própria do país”, acrescentando que “do maior conhecimento mútuo (entre a Galiza e Portugal) derivar-se-ão maiores hipóteses de relacionamento mutuamente proveitoso em todas as áreas”.

A Fundação Via Galego é uma organização da Galiza vocacionada para a promoção de um mais estreito diálogo do país situado a norte de Portugal com os demais países e territórios do sistema linguístico galego-português. Esta Fundação está promovida pola Mesa pola Normalização Linguística, a organização cultural galega con mais sócias e sócios. Foi declarada “Fundação de Interesse Público” e “Fundação de Interesse Galego” pelo Governo galego.
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

comanche

  • Investigador
  • *****
  • 1799
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Novembro 22, 2007, 02:05:11 pm »
Ainda no seguimento desta notícia, página do BNG (partido que faz parte do governo da Galiza)

Citar
O BNG presenta varias iniciativas para que o Goberno conceda á Xunta un novo múltiplex que permita ver en Galiza as televisións portuguesas

Francisco Rodríguez lembra que o Goberno xa llo concedeu a Catalunya, Valencia e Balears polo mesmo motivo e que no caso de Galiza “tamén debería outorgalo para favorecer os intercambios culturais, educativos, informativos e de formación profesional e permanente entre Galiza e Portugal”

Madrid, 21 Novembro 07. O portavoz do BNG no Congreso dos Deputados, Francisco Rodríguez, ven de presentar varias iniciativas nas que lle demanda ao Goberno Central que concede á Xunta un novo múltiplex que permita a visión en Galiza das televisións portuguesas en formato dixital.

Rodríguez lembra que a Carta Europea de Linguas Rexionais ou Minoritarias, tratado internacional promovido polo Consello de Europea e asumido polo Estado Español en 2001, sinala que “se debe garantir a recepción directa de emisións de radio e televisión de países veciños nunha lingua usada en forma idéntica ou similar a unha rexional ou minoritaria”.

“O Consello de Europa –subliña- estableceu en 2005 que esta disposición afectaba á recepción en Galiza das radios e televisións portuguesas”.

Xa llo outorgou a Catalunya, Valencia e Balears

A este respeito, o deputado do BNG salienta que o Goberno Central outorgou un múltiplex con catro canles a dúas comunidades autónomas, Catalunya e Valencia, por razóns estritamente culturais, o que vai permitir a emisión recíproca das súas televisións autonómicas en formato dixital, unha medida que tamén afectará as illas Baleares.

Favorecer os intercambios culturais entre Galiza e Portugal

Neste sentido, Rodríguez considera que “no caso de Galiza, o problema é semellante, se ben é cun Estado colindante”. Defende a necesidade de que o Ministerio de Industria outorgue este novo múltiplex “por motivos culturais, unha parte importante dos intercambios transfronteirizos entre Galiza e Portugal”.

Por último, o deputado do BNG demándalle ao Goberno que asine un protocolo de colaboración co Estado portugués para favorecer os intercambios culturais, educativos, informativos e de formación profesional e permanente entre Galiza e Portugal, un deber que figura no artigo 14 da Carta Europea de Linguas Rexionais e Minoritarias e que aínda está pendente de asinar polo Goberno dende o ano 2005.


http://www.bng-galiza.org/servlet/ContentServer?pagename=R&c=Articulo&cid=1195643970756&pubid=1037366653062&idm=Galego
 

*

O Portugues

  • 7
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Dezembro 08, 2007, 03:21:27 am »
De Espanha nem bons ventos, nem bons casamentos...
Macau - Cidade de Santo Nome de Deus, Não Houve Outra Mais Leal

Macau - a ‘Última Praça Do Império’ !
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15629
  • Recebeu: 1232 vez(es)
  • Enviou: 1162 vez(es)
  • +200/-186
(sem assunto)
« Responder #4 em: Dezembro 11, 2007, 10:10:30 am »
Um texto de grande qualidade sem dúvida "O Portugues". E que tal começares a participar de verdade no fórum em vez de andares a mandar bocas aos Espanhóis?! :roll:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

comanche

  • Investigador
  • *****
  • 1799
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Dezembro 12, 2007, 11:31:07 pm »
Espanha: Governo aberto a estudar transmissão "complexa" de televisões portuguesas na Galiza - Zapatero

Citar
Madrid, 12 Dez (Lusa) - O primeiro-ministro espanhol disse hoje que o governo está aberto a estudar a possibilidade de conseguir a transmissão de televisões portuguesas na Galiza, admitindo porém que esse processo é tecnicamente complexo.

tamanho da letra ajuda áudio
enviar artigo
imprimir
As garantias de José Luis Rodríguez Zapatero foram dadas no parlamento em Madrid, onde referiu que a maior dificuldade do processo se relaciona com a falta de espaço radioeléctrico, dadas as licenças de transmissão já concedidas na Galiza.

"Posso confirmar que o governo está aberto a estudar a possibilidade de dar meios técnicos adicionais para a difusão da televisão portuguesa na Galiza. Mas este é um tema complexo, com dificuldades técnicas, jurídicas e económicas", afirmou.

"A Galiza tem já canais múltiplos e um dos problemas é não haver espaço radioeléctrico para responder a esta petição", disse.

Dada essa dificuldade, uma hipótese alternativa poderá ser a "sobreposição de ambas as redes de difusão na zona fronteiriça", cabendo agora "analisar o custo de instalar infra-estruturas" bem como questões como direitos de gestão, publicidade e temas de relações exteriores".´

"Repito que há vontade do governo para que possamos abordar este tema mas há um conjunto de elementos que torna complexa que esta proposta se materialize", sublinhou.

O assunto foi levantado na sessão de controlo ao governo pelo deputado do Bloco Nacionalista Galego (BNG), Francisco Rodriguez, que recordou a Zapatero que o galego e o português são "duas variantes da mesma língua" e que há razões "de tipo linguístico e cultural" que justificam a sua transmissão.

Rodriguez recordou que o apoio ao espaço galego-português decorre do "estipulado na Carta Europeia das Línguas Minoritárias".

Saudando a declaração de vontade de Zapatero, o deputado galego afirmou que há "que por mão à obra e começar a trabalhar" no sentido de materializar a ideia, sendo para isso necessário "que o tema se começasse a tratar no relacionamento bilateral com Portugal".

"É um tema muito importante para ambas as partes. E do ponto de vista galego é essencial para a unidade e vitalidade da língua", disse.

"Conhece também os prejuízos e estereótipos que temos uns povos sobre os outros, e no caso da Galiza é importante acabar com isso. Ao mesmo tempo pode ajudar a cimentar a relação económica fortíssima que já temos", sublinhou.

Rodriguez afirmou que há "que romper verdadeiramente essa fronteira, que existe a nível politico, social, cultural e comunicativo", não se tratando de "recuperar a história passada" mas de "manter o melhor que houve no passado em que o Norte português e a Galiza estiveram muito próximos".

Zapatero voltou a responder, afirmando que o governo "tem um interesse máximo pelo apoio e difusão das línguas do Estado", sendo que "entre elas o galego necessita de um esforço maior".

Referiu que o tema deverá ser discutido na próxima cimeira luso-espanhola, adiada para Janeiro, em Braga.

O tema acabou por ser usado como arma de arremesso político pelo líder do Mariano Rajoy (Partido Popular) que interveio de seguida e que, antes de questionar o primeiro-ministro sobre temas económicos, ironizou sobre os comentários de Zapatero.

"Preocupa-me que esteja mais preocupado com o português do que com que se possa estudar castelhano em toda a Espanha. É muito importante que se possa ver o português na Galiza, mas é melhor que o governo garanta condições para que os galegos estudem castelhano. Parece-me isso muito mais importante", afirmou.



Video sobre este assunto no parlamento espanhol, deputado do BNG questiona Zapatero, por fim Zapatero e o líder do PP Rajoy envolvem-se em uma discussão política.
http://www.agalega.info/videos/?emi=1122&corte=2007-12-12&hora=20:40:03&canle=tvg1
 

*

nestor

  • Membro
  • *
  • 225
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Dezembro 14, 2007, 03:34:16 am »
En Andalucia yo veo canales en portugues por satelite.

Es mas, los partidos de futbol que en España se retransmiten de pago, los veo en abierto a traves del canal Sport portugues  :wink: y otras veces por Al Yazeera.

El mundo está globalizado, por ese motivo tambien puedo ver todas las cadenas autonomicas de España mediante la plataforma Imagenio de Telefonica, en total cerca de 100 canales tematicos, en diferentes lenguas, etc.

La televisión gallega emite tambien via satelite.

Saludos.
 

*

comanche

  • Investigador
  • *****
  • 1799
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Dezembro 19, 2007, 06:13:31 pm »
Galiza: Movimento Defesa da Língua convicto de que PS(OE) "não mexerá um dedo" para levar televisões portuguesas para a região

Viana do Castelo, 19 Dez (Lusa) - A porta-voz do Movimento Defesa da Língua (MDL) manifestou-se hoje "absolutamente convicta" de que a maioria socialista da Junta da Galiza "não mexerá um único dedo" para possibilitar a recepção das televisões portuguesas naquela região espanhola.

Citar
"O PS(OE) é completamente contra essa possibilidade, por mais que, em público, queira fazer crer que é a favor", disse, à Agência Lusa, Teresa Carro, porta-voz do MDL, uma organização da Galiza que trabalha em defesa da língua e da cultura daquela região autónoma de Espanha.

A Junta da Galiza é liderada por uma coligação formada pelo PS(OE), partido que detém a maioria, e pelo Bloco Nacionalista Galego (BNG), que há poucos dias reclamou no Parlamento espanhol a tomada de medidas para que as televisões portuguesas passem a transmitir na Galiza.

O primeiro-ministro espanhol, José Luís Zapatero, manifestou abertura para estudar essa possibilidade, mas Teresa Carro considera que foram apenas "palavras vãs" e manifesta-se "absolutamente convicta" de que "ninguém no PS mexerá um único dedo" para concretizar aquela medida.

Lembrou que, apesar de a Galiza ser uma região autónoma, o PS tem sede em Madrid, pelo que o Governo de Emílio Perez Touriño "tem muito pouca margem de manobra" neste processo, já que "terá que obedecer às directrizes do partido".

"Cada vez mais se assiste a uma tentativa de abafar o galego, em benefício do castelhano, e a abertura às televisões portuguesas só complicaria este processo. O galego e o português são duas variantes da mesma língua e se os canais portugueses chegarem à Galiza, as pessoas vão começar a perceber que há muita gente importante a falar esta língua, e isso parece que incomoda muita gente", referiu a porta-voz do MDL.

O castelhano e o galego são línguas oficiais de Espanha, mas Teresa Carro lembrou que neste momento, na Galiza, dos seis canais públicos, apenas um canal de televisão "tem alguns programas em galego", enquanto os restantes cinco são "100 por cento em castelhano".


"Para defesa da nossa língua, considero completamente imprescindível que as televisões portuguesas cheguem à Galiza, e esta é, aliás, uma luta que o MDL vem desenvolvendo há uns cinco ou seis anos a esta parte", acrescentou.

Teresa Carro considera que, apesar do "alheamento" do PS, ainda será possível conseguir levar as televisões portuguesas para a Galiza, em sinal aberto, desde que se crie "um movimento social muito forte" que apoie e dê força ao BNG, "esse sim com sede na Galiza e firmemente empenhado neste processo".

A Lusa tentou, insistentemente, obter a posição do presidente da Junta da Galiza sobre este assunto, mas ainda não foi possível.

O primeiro-ministro de Espanha já referiu que a maior dificuldade do processo se relaciona com a falta de espaço radioeléctrico, dadas as licenças de transmissão já concedidas na Galiza.

"Posso confirmar que o governo está aberto a estudar a possibilidade de dar meios técnicos adicionais para a difusão da televisão portuguesa na Galiza. Mas este é um tema complexo, com dificuldades técnicas, jurídicas e económicas", afirmou.

Esta abertura foi elogiada pela Fundação Via Galega (FVG) - organização da Galiza vocacionada para a promoção de um mais estreito diálogo entre Espanha e os demais países e territórios do sistema linguístico galaico-português - que defendeu a necessidade de haver vontade política para que as dificuldades técnicas sejam "facilmente" superadas.

Para a FVG, cabe agora à Junta da Galiza "dar um passo em frente" e proceder à "análise rigorosa e profunda" que o primeiro-ministro espanhol sublinhou ser necessária antes de se proceder à efectiva materialização do processo de recepção das televisões portuguesas em território galego.

O ministro dos Assuntos Parlamentares português, Augusto Santos Silva, já disse que o Governo português segue "com interesse" a possibilidade das televisões portuguesas passarem a transmitir para a Galiza e que irá colaborar no desenvolvimento do projecto.

"No âmbito das minhas competências e no respeito das normas legais aplicáveis, colaborarei nesse desenvolvimento", assegurou o ministro português que tutela a pasta da Comunicação Social.

Também o presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, Carlos Lage, considerou "interessante" a ideia de transmissão das televisões portuguesas na Galiza, tendo afirmado que vai analisar o assunto com o governo galego.





http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=315065&visual=26&tema=4
 

*

ferrol

  • Analista
  • ***
  • 717
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Dezembro 19, 2007, 07:10:22 pm »
Citar
O castelhano e o galego são línguas oficiais de Espanha, mas Teresa Carro lembrou que neste momento, na Galiza, dos seis canais públicos, apenas um canal de televisão "tem alguns programas em galego", enquanto os restantes cinco são "100 por cento em castelhano".
Matizando ó canto...5 emisoras emiten desde Madrid, logo están en castelán. Unha delas, a Televisión Española emite 2 horas diarias desde Compostela, logo en galego. E a 6ª emisora, a Televisión de Galicia emite 24 horas ó día en galego...que para eso foi creada...

Hai ademáis emisoras locáis ou provinciais que emiten ambivalentemente en castelán ou galego.

Outra cousa será que o "galego" que fala a señora Carro non se fale en ningures, cousa doada de entender cando fala unha reintegracionista, aquelas persoas que cren na reunificación do galego e o portugués, que evidentemente, non se fala en ningures en Galicia, perdon, "Galiza"...

Polo demáis entendo que a MdL e a tal Via Galega debe ter polo menos tantos seguidores como a AGAL da que aquí xa falamos... 70 ou 80  :wink:

O estraño do asunto é que a mesma RTP se faga eco de semellante e estratosférica nova...
Tu régere Imperio fluctus, Hispane memento
"Acuérdate España que tú registe el Imperio de los mares”
 

*

nestor

  • Membro
  • *
  • 225
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Dezembro 20, 2007, 12:57:45 am »
Yo quisiera saber si en Portugal existe algun movimiento que pida ver la TVG de Galicia.

Y otra cuestión, este topico trata de paises lusofonos entre los cuales no se encuentra Galicia.

Saludos
 

*

manuel liste

  • Especialista
  • ****
  • 1053
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Dezembro 20, 2007, 07:49:21 am »
Esa señora debe ser otra 'galega autêntica', amiga de los terroristas que pillaron el otro día. Toda sociedad tiene su cuota de chiflados y Galicia no es excepción, por desgracia. Más o menos el 0,1% de los votantes, qué se le va a hacer.

La RTP entrevista a esa gente porque son noticia, como el hombre que muerde al perro del ejemplo que dan en la facultad de periodismo. Es disculpable, pero así luego salen algunos portugueses creyendo las tonterías y alucinaciones de esos chiflados sobre que 'A Galisa' es un trocito perdido de Lusitania. Les sube el patriotismo a la cabeza y aquí podemos leer las tristes consecuencias.
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15629
  • Recebeu: 1232 vez(es)
  • Enviou: 1162 vez(es)
  • +200/-186
(sem assunto)
« Responder #11 em: Dezembro 20, 2007, 10:27:18 am »
Sabes como é a democracia, temos de ouvir o que as pessoas dizem. Por vezes são coisas acertadas e outras vezes são "tonterías". O que difere uma coisa da outra são as pessoas que a ouvem.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

manuel liste

  • Especialista
  • ****
  • 1053
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Dezembro 20, 2007, 11:14:24 am »
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Sabes como é a democracia, temos de ouvir o que as pessoas dizem. Por vezes são coisas acertadas e outras vezes são "tonterías". O que difere uma coisa da outra são as pessoas que a ouvem.


Verdade, mas as vezes uns pregam tanto o ódio que convencem a outros para fazer delitos como pôr bombas em lugares públicos. Isso não está nada bem. Na Galiza todos estamos unidos contra o terrorismo e contra os radicais, também os nacionalistas galegos. E isso não vai mudar.

Somos um só povo, não dois diferentes, e quem pense o contrário é um miserável saco de complexos de uma minoria violenta e irrelevante. Por desgraça alguns dos assim chamados 'lusistas' (comunistas totalitários em realidade, eles utilizam a Portugal como desculpa para contruir um país dictatorial) estão pela violência, já que não aceitam os resultados eleitorais que lhes deixam em abrumadora minoria. Não se pode passar da opinião ao delito em nenhum país, nem sequer em Espanha.

Eu, como quase todos os galegos desde os "castelhaniçados" até os nacionalistas, respeito e apreço a Portugal e aos portugueses (sejam ou não "autênticos"). A língua portuguesa é irmã da galega e por suposto não tenho o menor problema de do que as tv de Portugal possam ver-se aqui ainda que a grande maioria da gente não as entenda. O problema é que há um número limitado de possíveis canais de emissão, e estão controlados pelas autoridades estatais e regionais. As autoridades como é lógico vão favorecer às empresas de tv locais que emitem em idioma local, com conteúdos locais e que criam emprego aqui frente às estrangeiras que emitem em seu próprio idioma e com conteúdos destinados a outra audiência. É singelo de compreender, penso eu.

A tv portuguesa já se vê por satélite.
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5510
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +597/-2
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #13 em: Dezembro 20, 2007, 02:15:15 pm »
Citação de: "nestor"
Yo quisiera saber si en Portugal existe algun movimiento que pida ver la TVG de Galicia.


Não precisamos de um movimento para ver uma coisa a que qualquer pessoa que tenha televisão por cabo já tem acesso.

Há anos que vejo a programação da TV galega.

O meu programa televisivo chama-se "pratos combinados" ou qualquer coisa assim do género...
:mrgreen:
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15629
  • Recebeu: 1232 vez(es)
  • Enviou: 1162 vez(es)
  • +200/-186
(sem assunto)
« Responder #14 em: Dezembro 20, 2007, 02:22:28 pm »
O meu pai de vez enquando tb vê a TV Galega.

Manuel, falas-te curto e grosso, como se costuma dizer. :wink:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

 

CPLP debate força de paz da lusofonia

Iniciado por Fábio G.

Respostas: 26
Visualizações: 13509
Última mensagem Outubro 19, 2007, 11:38:13 pm
por PereiraMarques