Constituição Europeia: A morte anunciada de Portugal

  • 14 Respostas
  • 5233 Visualizações
*

rsf

  • 19
  • +0/-0
    • http://www.alternativaportugal.org
Constituição Europeia: A morte anunciada de Portugal
« em: Junho 05, 2007, 04:03:19 pm »
CONSTITUIÇÃO EUROPEIA: A MORTE ANUNCIADA DE PORTUGAL

Com o Tratado da Constituição Europeia, a evolução da União Europeia inicia uma etapa decisiva, que é também uma mudança de natureza. Já não se trata de um acordo de cooperação entre Estados soberanos, mas é antes a criação de um super-Estado europeu.

Com efeito, o texto do Tratado estende as competências de Bruxelas aos últimos domínios sobre os quais os tratados existentes são omissos: energia, protecção civil, desporto, etc.; faz desaparecer os procedimentos de decisão por unanimidade em domínios essenciais como a segurança interna ou a imigração; muda a natureza das políticas, ou seja, passa-se da cooperação à uniformização legislativa. Os Estados perdem, ainda mais, a sua independência e a sua soberania no conjunto dos seus domínios de competência. As modificações realizadas nos aspectos institucionais dos tratados favorecem a identidade política da União Europeia e ameaçam os fundamentos nacionais das instituições ao privá-las da representatividade dos Estados.
Estes assuntos, julgados por muitos como demasiado complexos e aborrecidos, não interessam aos Portugueses. É um disparate. Mesmo se o tema parece enfadonho, é importante que nos debrucemos sobre ele alguns instantes. Porque aquilo que está em jogo com esta importante modificação dos tratados, é nem mais nem menos do que a existência de Portugal como país independente, livre e soberano e até mesmo como a sua própria existência enquanto país.

A perda de soberania nacional é um facto consumado

A totalidade da soberania dos Estados será delegada na União Europeia e já não existirá nenhum domínio que escape às competências de Bruxelas, das medidas relativas aos documentos de identificação (bilhete de identidade, passaporte) ao desporto, passando pela política de energia (algo que os Estados sempre recusaram), o espaço ou a protecção civil.
Mas o mais inquietante é que a partir de agora será em Bruxelas que se tomarão as decisões que dizem respeito à soberania e à identidade dos Estados.
A política de imigração, ou seja, a gestão dos fluxos migratórios (autorizações de entrada e de residência dos imigrantes), os direitos dos estrangeiros, incluindo o de votar, o estatuto do direito de asilo, etc., passarão a ser decididos não por unanimidade mas por maioria, sob proposta exclusiva da Comissão Europeia, que está convencida de que a Europa deve acolher sempre mais imigrantes, com a aprovação do Parlamento Europeu, que tem nos seus procedimentos o poder legislador e de uniformização das legislações nacionais.
A política de segurança, quer seja interior (polícia e justiça) ou exterior (defesa) passará a funcionar da seguinte maneira: no primeiro caso, o Tratado prevê nem mais nem menos do que uma uniformização do direito penal dos Estados (definição de crimes, sanções aplicáveis, procedimentos penais a levar a cabo, etc.), bem como a criação de um verdadeiro “FBI europeu”, que poderá levar a cabo investigações no território dos Estados membros, e de um tribunal europeu, que poderá ordenar estas investigações e dar ordens às polícias nacionais. No segundo caso, a União Europeia poderá exigir a alguns dos seus membros que coloquem o seu exército ao serviço de uma política por ela decidida (operação de manutenção da paz, intervenção militar exterior, etc.).
São sempre as competências externas de Bruxelas as que mais se estendem. No futuro, a política europeia e as decisões da União Europeia terão primazia sobre as decisões dos Estados, que não deverão em caso algum entravá-las, e estas decisões dizem respeito às relações comerciais, económicas, monetárias, políticas, judiciais, policiais e militares. Esta nova omnipotência europeia será simbolizada — e incarnada — por um ministro europeu dos Negócios Estrangeiros, encarregue de coordenar todas as acções e de as propor.

As instituições e os procedimentos que desaparecem do papel das Nações e dos governos

Até aqui as instituições europeias, devido à sua composição e ao seu funcionamento, reflectiam o facto de que a União Europeia era composta por Estados membros, desejosos de cooperar entre si. Agora, ao serem criadas duas novas “instituições” (o presidente da União e o ministro dos Negócios Estrangeiros), mas também ao modificar-se a composição das instituições existentes, compromete-se a representatividade nacional e muda-se a sua natureza.
A presidência da UE, hoje assegurada por cada Estado membro segundo uma rotação de seis meses, passará a ser fixa. A presidência será assegurada por uma personalidade eleita pelo Conselho Europeu e que não fará parte do Conselho (não será membro de nenhum governo). O presidente da Comissão Europeia representará a União e já não os Estados membros. O ministro dos Negócios Estrangeiros será uma espécie de super-comissário. Os seus poderes serão tais em matéria de política externa que será ele quem presidirá às reuniões dos ministros de Negócios Estrangeiros dos Estados membros, apesar de não ser mais do que um funcionário europeu. E os Estados que têm assento no Conselho de Segurança da ONU deverão convidá-lo a falar aí em seu nome!
A Comissão será composta por um comissário de cada Estado membro, mas estes terão velocidades variáveis: alguns terão direito de voto e outros não. É a Comissão quem, na maior parte dos casos, tem a exclusividade do poder de proposta da legislação europeia. Com o novo sistema, um comissário português poderá não ter durante vários anos quaisquer poderes ou influência sobre as iniciativas legislativas.
As diferentes pastas do Conselho já não serão presididas pelo ministro do Estado que assegura a presidência da União. Elas serão confiadas anualmente a um Estado por pasta, segundo um sistema de rotação dito “igualitário”, que é como quem diz, que representa o equilíbrio geográfico e político entre os países membros. Mas como nunca haverá tantas pastas quantos Estados, um país como Portugal deverá ver-se privado de uma pasta “importante” ou mesmo de qualquer uma durante vários anos.
A composição das outras instituições (Parlamento Europeu, Comité das Regiões e Comité Económico e Social) deixa de ser estabelecida por tratados, mesmo quanto às suas finalidades, e será objecto de uma lei “europeia”, nada havendo que impeça que essa lei não respeite a representatividade dos Estados.
Por fim, o procedimento de decisão utilizado na imensa maioria dos casos será aquilo a que se chama o procedimento legislativo ordinário, ou seja, uma proposta da Comissão, a adopção por maioria qualificada no Conselho e a votação do Parlamento Europeu. Esta maioria qualificada no Conselho passa a ser definida como a maioria dos Estados representando 60% da população da UE, o que permitirá a implementação de decisões contra a vontade de um grande número de Estados membros.
Acrescente-se que esta alteração dos tratados poderá ser a última nos tempos mais próximos, uma vez que o projecto prevê os meios para ir ainda mais longe na uniformização europeia sem haver necessidade de alterar a legislação.
Poderes em todos os domínios sensíveis, as instituições privadas da sua base nacional e centros de decisão que permitem colocar de lado os interesses dos Estados: o Tratado Constitucional é um verdadeiro salto qualitativo da construção europeia, o elemento fundador de um Estado centralizado e tecnocrático, dirigido em boa verdade por um pequeno grupo de funcionários todo-poderosos. E não é preciso pensar muito para se encontrar as motivações que conduziram à introdução no Tratado da possibilidade de sair, de secessão para os Estados. É que os mais fanáticos europeístas preferem perder alguns membros da União Europeia, seguramente os menos entusiastas, do que colocar em causa o sucesso da sua fabulosa máquina de amordaçar e fundir os Povos e as Nações.
Sem terem ouvido o que o povo português pensa a este respeito, os nossos responsáveis políticos apressaram-se a assinar o Tratado de Constituição Europeia. Exigimos, pois, que quando o assunto voltar à discussão, os Portugueses sejam consultados em referendo.
Os Portugueses têm de ser consultados sobre o seu futuro.
Alternativa Portugal

www.alternativaportugal.org
 

*

ferrol

  • Analista
  • ***
  • 717
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Junho 05, 2007, 05:34:44 pm »
Errr... entendo, rsf, que sabe que a Constitución Europea está morta despois da negativa francesa e que agora se está a buscar outra pola que sí entren os franceses, ¿non?
Tu régere Imperio fluctus, Hispane memento
"Acuérdate España que tú registe el Imperio de los mares”
 

*

Heraklion

  • Membro
  • *
  • 299
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Janeiro 29, 2009, 11:23:19 pm »
Há que salvar Portugal!!
Considero-me Pró-EU e anti-federação europeia.
Actualmente a unica esperança vem da Irlanda, aqueles que ,unicamente, podem impedir este absurdo de se tornar realidade.
Caso contrário:

R.I.P.
Portugal
1139-2009

A resistencia tem de começar por algum lado, e o facto de Portugal ser positivo ao tratado é vergonhoso e humilhante, mostrando que só damos luta ao invasor quando este vem de espada em punho. Quando vem de fato e gravata mascarado de progresso e modernidade nimguém percebe o que se passa, e deixamos o inimigo marchar pelas ruas da Capital.
A solução passa por acabar com o ridiculo Tratado, não por abandonar a UE, na minha opinião.
Aguardo resposta;
Cumprimentos
Heraklion
Nos liberi sumus;
Rex noster liber est;
Manus nostrae nos liberverunt
 

*

dannymu

  • 79
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Fevereiro 26, 2009, 09:02:05 pm »
Receio que a Irlanda desta vez vote "Sim" pois a UE já deve ter arranjado maneira de "subordinar" os Irlandeses com promessas que no fundo são falsas e com mais subsídios. E os Irlandeses irão atrás desses "benefícios" da UE. Só que passado uns anos a UE volta e irá impôr o Tratado de Lisboa que é mais de 90% (o Tratado de Lisboa apenas retirou referências a bandeiras e hinos da UE e acabou com o nome de "Constituição") do extinto e rejeitada Constituição Europeia.

E não se esqueçam que a UE de agora é dominada pelos "grandes" aka França, Alemanha, Itália, Holanda, Reino Unido e claro ESPANHA. Esses reúnem-se entre si e decidem políticas que depois são impostas por toda a UE e os países ditos "pequenos". Isso não é uma UE de iguais mas uma UE para os "grandes" influenciarem os "pequenos" sem qualquer respeito pela vontade dos cidadãos de tais países e apenas com o seu próprio interesse em mente.

Meus amigos, os nossos antepassados derramaram sangue em numerosas batalhas e guerras para que Portugal continuasse a ser um país independente e soberano. Não deviamos deixar que Portugal perca essa independência e soberania através dumas folhas de papel escritas por burrocratas em Bruxelas (ao serviço dos "grandes") e sem um referendo (que tinha sido prometido pelo Sócrates nas eleições legislativas de 2005). Além disso eu achei humilhante o Sócrates fazer a vontade dum país mais pequeno (a Eslovénia) ao aceitar o pedido do PM ou Presidente Esloveno para não fazer o prometido referendo....

Em Setembro vou votar mas não sei em que partido pois apenas o Nova Democracia e PNR são anti-Tratado de Lisboa. Todos os grandes partidos, isto é, os que têm representação parlamentar são pró-UE.
 

*

Heraklion

  • Membro
  • *
  • 299
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Março 01, 2009, 02:49:25 am »
De facto é triste ver que de tantos, só o PNR defende Portugal.
O que o Sócrates fez não merece qualquer perdão.
Mas se queremos mudar alguma coisa a unica coisa que vejo como plausivel é dar força ao PNR...
Cumprimentos
Nos liberi sumus;
Rex noster liber est;
Manus nostrae nos liberverunt
 

*

teXou

  • 436
  • +0/-3
(sem assunto)
« Responder #5 em: Março 02, 2009, 07:57:55 pm »
Citação de: "Heraklion"
... a unica coisa que vejo como plausivel é dar força ao PNR...

OMFG !
 :N-icon-Axe:  :censurado:
"Obviamente, demito-o".

H. Delgado 10/05/1958
-------------------------------------------------------
" Não Apaguem a Memória! "

http://maismemoria.org
 

*

MARIA JOSE

  • Membro
  • *
  • 155
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Março 02, 2009, 08:17:23 pm »
Si tanto miedo les da, tienen otra opción ,abandonar la Union Europea.
« Última modificação: Março 02, 2009, 08:54:17 pm por MARIA JOSE »
 

*

teXou

  • 436
  • +0/-3
(sem assunto)
« Responder #7 em: Março 02, 2009, 08:48:17 pm »
Que queres, são pessoas quem esquecem onde estava Portugal antes de entrar na CEE !  nx2l1
"Obviamente, demito-o".

H. Delgado 10/05/1958
-------------------------------------------------------
" Não Apaguem a Memória! "

http://maismemoria.org
 

*

Heraklion

  • Membro
  • *
  • 299
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Abril 14, 2009, 07:43:14 pm »
Lamento, mas acredito que a Pátria não se vende, seja a Espanha, seja á UE seja á R.Popular da China.
Cumps
Nos liberi sumus;
Rex noster liber est;
Manus nostrae nos liberverunt
 

*

zeNice

  • 258
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Abril 16, 2009, 02:45:14 pm »
Gosto e desgosto de algumas das medidas do PNR.

Medina Carreira salva Portugal sff!
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15861
  • Recebeu: 1327 vez(es)
  • Enviou: 1223 vez(es)
  • +210/-194
(sem assunto)
« Responder #10 em: Abril 16, 2009, 03:29:55 pm »
Citação de: "Heraklion"
De facto é triste ver que de tantos, só o PNR defende Portugal.
O que o Sócrates fez não merece qualquer perdão.
Mas se queremos mudar alguma coisa a unica coisa que vejo como plausivel é dar força ao PNR...
Cumprimentos


Não sei se hei-de rir ou de chorar... :roll:  :evil:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15861
  • Recebeu: 1327 vez(es)
  • Enviou: 1223 vez(es)
  • +210/-194
(sem assunto)
« Responder #11 em: Abril 16, 2009, 03:32:37 pm »
Citação de: "Morkanz"
Gosto e desgosto de algumas das medidas do PNR.

Medina Carreira salva Portugal sff!


Se o tipo já confessou que não sabe o que fazer ias entregar o poder a ele? Ok, estás no meio da tempestade, não concordas com as decisões do comandante do navio, destituas o mesmo do comando e metes um tipo que só diz mal e não sabe como passar pela tormenta.

Faz sentido...a sério, faz mesmo sentido. :roll:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

zeNice

  • 258
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Abril 17, 2009, 02:03:05 am »
Citação de: "Cabeça de Martelo"
e metes um tipo que só diz mal e não sabe como passar pela tormenta.

Faz sentido...a sério, faz mesmo sentido. :roll:


Aconselho a pesquisar mais um pouco.

edit: entao vamos deixar como está, Sócrates rullez.
 

*

Camuflage

  • Investigador
  • *****
  • 1346
  • Recebeu: 103 vez(es)
  • Enviou: 63 vez(es)
  • +20/-51
(sem assunto)
« Responder #13 em: Abril 17, 2009, 02:09:24 am »
Citação de: "Heraklion"
De facto é triste ver que de tantos, só o PNR defende Portugal.
O que o Sócrates fez não merece qualquer perdão.
Mas se queremos mudar alguma coisa a unica coisa que vejo como plausivel é dar força ao PNR...
Cumprimentos


Falso, o BE, CDS-PP e PND defendem um referendo nacional para a constituição/tratado europeu, CDU, PCTP/MRPP e POUS são contra o tratado.

PS, PSD, PH e MEP são favoráveis à constituição/tratado europeu.
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15861
  • Recebeu: 1327 vez(es)
  • Enviou: 1223 vez(es)
  • +210/-194
(sem assunto)
« Responder #14 em: Abril 17, 2009, 10:30:07 am »
Citação de: "Morkanz"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
e metes um tipo que só diz mal e não sabe como passar pela tormenta.

Faz sentido...a sério, faz mesmo sentido. :roll:

Aconselho a pesquisar mais um pouco.

Todos os textos, entrevistas, artigos de opinião que eu vi com esse senhor, vai nesse sentido. Diz mal, mas não aponta soluções.

Citar
edit: entao vamos deixar como está, Sócrates rullez.


Se fizer o favor de citar-me onde eu disse tal coisa eu agradecia. Será que está a aprender com o senhor acima referido, e só já diz mal...por dizer?!
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

 

Portugal "sem fronteiras"

Iniciado por TOMKAT

Respostas: 6
Visualizações: 3926
Última mensagem Maio 10, 2006, 10:15:52 pm
por superbuzzmetal
"Erasmus militar" Portugal/Espanha

Iniciado por Lancero

Respostas: 8
Visualizações: 5324
Última mensagem Julho 22, 2009, 10:29:57 pm
por dannymu
Mísseis de Cruzeiro para a Espanha:Implicações para Portugal

Iniciado por Tiger22

Respostas: 135
Visualizações: 31343
Última mensagem Setembro 10, 2005, 12:17:42 am
por NotePad
Mirage 2000 para Marroccos!!! implicações para Portugal!!!

Iniciado por Miguel

Respostas: 25
Visualizações: 8631
Última mensagem Fevereiro 03, 2005, 08:27:23 pm
por capelo
Portugal «deve ser» país participante nas áreas militares

Iniciado por Fábio G.

Respostas: 29
Visualizações: 9783
Última mensagem Junho 17, 2004, 12:17:24 pm
por Rui Elias