EDP: Notícias

  • 81 Respostas
  • 27375 Visualizações
*

Camuflage

  • Investigador
  • *****
  • 1252
  • Recebeu: 75 vez(es)
  • Enviou: 35 vez(es)
  • +9/-32
Re: EDP: Notícias
« Responder #60 em: Dezembro 23, 2011, 12:35:42 pm »
É preciso entender que o nosso ensino não existe para ensinar, existe acima de tudo para garantir emprego a professores. Quem está no terreno deve ser o primeiro a querer modificar o que está mal, toda a gente contesta o ensino, menos curiosamente o professor... É o único que está satisfeito menos com o seu umbigo no que toca a salários, desconhecem por completo o mercado de trabalho e estão-se a cagar literalmente para o futuro dos jovens.

Actualmente existe um fosso de conhecimentos entre os avós dos jovens actuais e os jovens. Actualmente a esmagadora maioria dos jovens não sabe nada sobre reparações, agricultura, carpintaria, canalização etc. Trabalhos intermédios extremamente necessários em qualquer sociedade, vemos muitos biscateiros, mas profissionais realmente bons nisto é muito dificil encontrar. Não há ensino profissional virado para isto, o que há é virado para "serviços", cursos teoricos que não servem para nada, a não ser sugar fundos comunitários e dar emprego a docentes.
O nosso ensino intermédo lamentavelmente não existe em prol da ideia que todos devem ter ensino superior, o politécnico supostamente em Portugal veio para substituir o ensino intermédio, e deu em nada, porque a esmagadora maioria dos seus cursos não tem saídas no mercado ou então criaram cursos de encher chouriços para angariar fundos e não ter que mandar os amigos docentes embora.
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11117
  • Recebeu: 387 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: EDP: Notícias
« Responder #61 em: Dezembro 23, 2011, 04:03:38 pm »
EDP: Amnistia Internacional preocupada com "negócio da China"




A Amnistia Internacional Portugal alertou hoje para a possibilidade de graves problemas ambientais, de direito à habitação e ao trabalho decorrentes da venda da participação portuguesa da EDP à China Three Gorges Corporation. Em comunicado, a amnistia refere que na China a construção da barragem das Três Gargantas tem dado origem a sérios problemas de poluição do rio Yangtzé com secagem de pântanos, destruição do modo de vida de comunidades piscatórias, alternância de secas e de cheias com a consequente erosão dos terrenos e o aparecimento de doenças tropicais até então quase inexistentes.

Segundo a Amnistia Internacional Portugal a barragem das Três Gargantas foi construída numa grande falha tectónica com grande instabilidade dos terrenos adjacentes: verificam-se grandes deslizamentos de terras até vários quilómetros de distância da barragem por vezes com destruição de aldeias inteiras.

Para a construção da barragem, adianta, foram desalojados um milhão de cidadãos chineses, a maioria dos quais não recebeu uma indemnização justa ou teve direito a realojamento.

“Isto demonstra a falta de respeito pelos direitos humanos e ambientais da companhia em questão. Também é conhecido o desrespeito pelo direito ao trabalho por parte das grandes empresas chinesas”, frisa a organização.

A Amnistia Internacional de Portugal diz ainda temer que “acções futuras de construção ou ampliação de infraestruturas produtoras de energia eléctrica levadas a cabo pela China Three Gorges Corporation venham a reger-se pelos mesmos padrões de desrespeito dos direitos económicos, sociais e ambientais das populações”.

Os chineses da Three Gorges Corporation foram hoje os escolhidos pelo Governo para a aquisição da participação pública de 21,35 por cento na EDP.

A Parpública, detentora da posição do Estado, comunicou que a alienação será efectuada por 2,69 mil milhões de euros, num prémio de 53,6 por cento em relação ao preço de mercado no dia 21 de Dezembro da eléctrica liderada por António Mexia.

Pelo caminho ficaram o grupo alemão E.ON e as empresas brasileiras Eletrobras e Cemig.

Lusa
 

*

Scarto

  • 84
  • +0/-0
Re: EDP: Notícias
« Responder #62 em: Dezembro 23, 2011, 04:11:08 pm »
Se é bom ou mau para Portugal,só o tempo o dirá.

Mas primeiro que tudo,Portugal não é a China,para começarem com estas histórias.Se fossem os alemães a ganhar,será que a amnistia viria com a história do exterminio?Ou se fossem os brasileiros,com a história da ditadura militar???

Perdoem-me a franqueza,mas às vezes as pessoas faziam melhor em estar caladas.Pelo menos até agora,nenhum dos concorrentes se queixou de algo na venda,pareceu tudo correcto e era sem dúvida a melhor oferta.
Porra,se cumprirem o acordado,vão investir milhões,e criar postos de trabalho!Não é o que o país precisa desesperadamente neste momento??
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7809
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 668 vez(es)
  • +251/-235
Re: EDP: Notícias
« Responder #63 em: Dezembro 23, 2011, 04:37:54 pm »
Citação de: "Camuflage"
É preciso entender que o nosso ensino não existe para ensinar, existe acima de tudo para garantir emprego a professores. Quem está no terreno deve ser o primeiro a querer modificar o que está mal, toda a gente contesta o ensino, menos curiosamente o professor... É o único que está satisfeito menos com o seu umbigo no que toca a salários, desconhecem por completo o mercado de trabalho e estão-se a cagar literalmente para o futuro dos jovens.


Engraçado, não sabia que eram os professores que definiam os programas a dar. Pensava que eram os burocratas do Ministério. As coisas que se aprendem por aqui :roll:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7809
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 668 vez(es)
  • +251/-235
Re: EDP: Notícias
« Responder #64 em: Dezembro 23, 2011, 04:39:41 pm »
Citação de: "nelson38899"
Citação de: "Miguel"
Portugal precisa neste momento de pessoas a produzir.

Se os jovens "doutores" e "engenheiros" nao querem trabalhar nos campos, nao contam com o estado para os pagar para estar em casa a dormir, ou em gabinetes cursos fantasmas.

O tempo dos malandros acabou.

Todos ao trabalho.

Pois pois, é esse trabalho que dará a Portugal o valor acrescentado nos seus produtos, que tanto precisamos. Acho incrível, como após 37 anos depois do fim da ditadura, ainda haja pessoas com a mentalidade de pão e vinho sobre a mesa.

Não percebo o que fazes em França, quando em Portugal há tantos campos para lavrar a um custo de 3,3€ por hora.

Embrulha  :!:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

miguelbud

  • Analista
  • ***
  • 701
  • Recebeu: 25 vez(es)
  • Enviou: 15 vez(es)
  • +1/-1
Re: EDP: Notícias
« Responder #65 em: Dezembro 23, 2011, 06:29:33 pm »
Eu nao gosto de ser velho do restelo mas esta movimentaçao dos bancos chineses cria-me muita, mas mesmo muita desconfiança. O BPN esteve á venda e nao mostraram interesse em entrar no mercado europeu através de Portugal. Agora passado 1 dia depois da Three Gorges ter comprado a EDP, os bancos chineses mostram interesse nos bancos nacionais. E nao num, mas em 2, que por acaso até sao os únicos que detem participaçoes relevantes na EDP (BES 2.12% e BCP 3.37%), pois a CGD apenas tem 0.61%.


Citar
BES e BCP disparam com interesse da China em Portugal

O BES valorizou 6,82% para 1,175 euros por acção e chegou a ganhar, durante a sessão, 7,18% para 1,179 euros.

Já o BCP apreciou 4,46% para 0,117 euros por acção, depois de ter chegado a disparar 8,04% para 0,121 euros por acção, durante a manhã de hoje.

A tendência das acções nacionais e europeias é positiva mas, ainda assim, os dois bancos destacam-se pela positiva.

O BCP foi o primeiro a sobressair e negociou 110 milhões de acções. Um volume de negociação que compara com a média diária dos últimos seis meses de 60 milhões de acções. Isto, num período em que muitos investidores e agentes do mercado já se encontram em período de férias, por ocasião do Natal.

A banco liderado por Santos Ferreira foi impulsionado pela notícia do "Público" que, na sequência da venda de uma posição de 21,35% na EDP, deu conta de que um dos temas mais abordados entre o Governo português e o chinês é a eventual entrada de um banco da China no capital do BCP.

Os bancos chineses já manifestaram interesse na compra de posições em bancos nacionais e esse pode ser recíproco, já que estes se têm debatido para cumprir os requisitos de capital exigidos pela troika internacional.

Os ganhos bolsistas do BES acompanharam o avanço do seu principal concorrente em Portugal. Isto num dia em que foi divulgado que o banco utilizou obrigações portuguesas no valor de mil milhões de euros para contrair um empréstimo junto do Banco Central Europeu (BCE).

O BES foi um dos assessores da China Three Gorges na oferta que acabou por vencer o concurso pela aquisição dos 21,35% que o Estado privatizou da EDP.

Na restante banca portuguesa, o BPI progrediu 2,07% para 0,443 euros e o Banif perdeu 3,24% para 0,328 euros. Os bancos representados no índice de referência para a Europa, o Stoxx 600, apreciaram 0,29%

http://www.jornaldenegocios.pt/home.php ... &id=527463
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11117
  • Recebeu: 387 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: EDP: Notícias
« Responder #66 em: Maio 22, 2012, 08:42:11 pm »
EDP vai investir 269 milhões de euros no Brasil até 2015


A EDP Brasil vai investir cerca de 700 milhões de reais (269 milhões de euros) no Brasil nos próximos três anos, um valor abaixo do registado nos últimos anos, anunciou hoje a empresa no Dia do Investidor, no Porto.

António Mexia, presidente da empresa, referiu que, para o Brasil, a estratégia é "um crescimento sustentável e com boa remuneração" e sublinhou que, ao longo de 15 anos de presença da EDP no país, "nunca estivemos muito excitados nem muito deprimidos".

"Uma das chaves para estar num mercado como o Brasil é a paciência", disse Mexia.

A maior fatia do investimento no Brasil será direcionada para projetos de produção de eletricidade, e menos para a distribuição.

A EDP espera que a Energias do Brasil, subsidiária do grupo deverá crescer em média até 2015 cerca de 2 mil milhões de reais (767,4 milhões de euros) por ano, beneficiando de "um portfolio integrado de ativos e de contratos de aquisição de energia".

O presidente da EDP recordou que, desde que a empresa está no Brasil, investiu 5,9 mil milhões de reais (2,3 mil milhões de euros) e pagou em dividendos aos acionistas 1,8 mil milhões de reais (691 milhões de euros), sendo que "mais de 60 por cento da Oferta Pública de Venda (IPO) foram devolvidos como dividendo".

Considerando os projetos ainda em desenvolvimento, António Mexia fez questão de frisar que a capacidade instalada de geração de energia da EDP no Brasil aumentou cinco vezes desde o IPO.

Lusa
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11117
  • Recebeu: 387 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: EDP: Notícias
« Responder #67 em: Dezembro 20, 2012, 06:50:58 pm »
China Three Gorges compra 49% da EDP Renováveis


A EDP Renováveis anunciou hoje um acordo com a China Three Gorges (CTG) para a venda de participação acionista de 49% da EDP Renováveis Portugal e de 25% dos suprimentos, por 359 milhões de euros. Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP Renováveis, detida em 77,5% pela EDP, anunciou que chegou hoje a acordo com a Chine Three Gorges International (CTGI), subsidiária da China Three Gorges (CTG) "para a venda de uma participação acionista representativa de 49% do capital social da EDP Renováveis Portugal e de 25% dos suprimentos" realizados pela empresa.

O valor total da operação é de 359 milhões de euros.

"A transação está sujeita à prévia obtenção de autorizações regulatórias das entidades competentes, sendo esperada a sua conclusão durante o primeiro semestre de 2013".

De acordo com o comunicado, a operação inclui 615 megawatts de parques eólicos em operação em Portugal, com uma vida média de seis anos, assim como 29 megawatts em desenvolvimento, "que beneficiam de uma remuneração em regime de 'feed-intariff'".

Entre setembro de 2011 e setembro último, o resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) e o lucro da EDP Renováveis em Portugal alcançou 116 milhões de euros e 43 milhões de euros, respetivamente.

"O valor total de ativos fixos líquidos, por referência a setembro de 2012, é de 558 milhões de euros", refere a energética, adiantando que a EDP Renováveis "irá manter a consolidação integral dos ativos".

Tendo em conta o preço global da transação, o valor da empresa (entreprise value) implícito para a totalidade dos ativos da EDP Renováveis Portugal ascende a 1,011 milhões de euros.

Este montante é dividido entre 513 milhões de euros de capitais próprios, 478 milhões de euros relativos a empréstimos acionistas e dívida externa (incluindo o montante de investimento esperado para os 29 megawatts em desenvolvimento) e ainda os 20 milhões de euros relativos a interesses acionistas minoritários em quatro parques eólicos.

"O múltiplo EV/MW [entreprise value/megawatt] implícito da transação ascende a 1,57 milhões de euros por megawatt. Adicionalmente, o 'portfolio' de ativos acima mencionados, desde a sua entrada em operação até esta data gerou um cash-flow operacional de 528 milhões de euros".

Esta operação acontece no âmbito da parceria estratégica entre a EDP e a China Three Gorges acordada em dezembro do ano passado e que se iniciou em maio último.

Lusa
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11117
  • Recebeu: 387 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: EDP: Notícias
« Responder #68 em: Setembro 14, 2013, 01:48:50 pm »
Moreira da Silva chama ainda este mês responsáveis da China Three Gorges


O ministro responsável pela Energia, Jorge Moreira da Silva, vai chamar ainda este mês os responsáveis da China Three Gorges, accionista maioritário da EDP, para pedir informações sobre investimentos, como a instalação de uma fábrica de eólicas em Portugal. «O ministro solicitou à China Three Gorges um ponto da situação sobre esses investimentos a apresentar numa reunião a realizar ainda em Setembro», disse fonte oficial do gabinete do ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva.

Isto porque, acrescentou, «por ocasião da privatização da EDP, foram criadas expectativas de investimento, nomeadamente, na instalação de uma unidade industrial de aerogeradores [fábrica de turbinas eólicas]» em Portugal.

O compromisso de instalação da fábrica de turbinas eólicas no país foi anunciado a 30 de Novembro de 2011, através da Goldwind, empresa participada pela China Three Gorges (CTG) que concorria na altura à privatização da EDP [aquisição de 21,35% da EDP], e segundo a qual a unidade contribuiria em 500 milhões de euros para as exportações portuguesas.

Em comunicado, a Goldwind, um dos maiores produtores mundiais de turbinas eólicas e a segunda maior empresa do sector da China, especificou na altura que a fábrica avançaria «até ao Verão de 2013" e que previa começar os trabalhos de instalação da nova unidade já no início de 2012, "com a contratação de uma equipa local».

Segundo a empresa chinesa, a nova unidade produziria «800 turbinas eólicas por ano ocupando uma área de cerca de oito hectares e terá um forte impacto na criação de postos de trabalho especializados em Portugal», sendo que a nova fábrica teria «ainda um impacto positivo no sector da construção civil, estando prevista a entrega da empreitada da nova fábrica a empresas locais».

Contudo, na passada quarta-feira o jornal de Negócios avançou que a fábrica de turbinas eólicas em causa «não vai sair do papel» e «fica na gaveta» e que os chineses «desistiram de investir na unidade de turbinas eólicas que foi incluída nas propostas com que a CTG ganhou a privatização da EDP».

O Expresso  na sua edição deste sábado, divulga ainda que a construção da fábrica «não fez parte das claúsulas vinculativas que constaram no processo de privatização da EDP».

«O que o novo acionista maioritário da EDP tinha dito em Novembro de 2011, numa adenda ao contrato (antes de saber quem seria o ganhador dos 21,35% da EDP então em venda pelo Estado português) era que se comprometia a estudar a hipótese de construção de uma fábrica de eólicas em território nacional», frisa o Expresso, citando uma fonte próxima do processo, que reforça ainda tratar-se «apenas de um processo de intenções, nada de vinculativo».

O semanário adianta ainda que as cláusulas do processo de privatização da EDP eram o acesso a financiamento no valor de dois milhões de euros, já efectuado a 50%, a compra de várias participações minoritárias em parques eólicos da EDP, o que está em curso, a criação de um centro de investigação na área das renováveis (ainda por cumprir) e a abertura de sucursais de dois bancos (no caso, chineses) em Portugal, sendo que o Bank of China já abriu uma representação em Lisboa.

Lusa
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11117
  • Recebeu: 387 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: EDP: Notícias
« Responder #69 em: Dezembro 14, 2013, 01:06:27 pm »
EDP ganha adjudicação de projectos de energia renovável no Brasil


A EDP informou hoje que ganhou a adjudicação de projectos de produção de energia renovável no Brasil, através de subsidiárias locais, em leilão realizado pela Agência Nacional de Energia Eléctrica (ANEEL).

Em comunicado divulgado no sítio da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários na internet, a empresa revelou que o consórcio Terra Nova, constituído pela EDP -- Energias do Brasil, S.A. ("EDP Brasil") com a Companhia Furnas Centrais Eléctricas S.A. ("Furnas"), obteve a concessão para a central hidroeléctrica de São Manoel.

Esta central, pormenorizou-se no texto, vai ter uma capacidade instalada de 700 MW e ser construída na fronteira entre os Estados do Mato Grosso e Pará, no rio Teles Pires.

O contrato de aquisição de energia (CAE) que foi adjudicado inclui a venda de 409,5 MW médios por um período de 30 anos, a partir de maio de 2018.

O investimento associado ascende a 2,7 mil milhões de reais (843 milhões de euros) - 10% em 2014, 30% em 2015, 32% em 2016, 19% em 2017 e 9% em 2018 -, que a empresa tenciona financiar em dois terços com dívida de longo prazo.

A eléctrica acrescentou que também a EDP Renováveis (EDPR), através da EDP Renováveis Brasil (EDPR Brasil), assegurou quatro CAE por um período de 20 anos para a venda de electricidade no mercado regulado.

Estes contratos, pormenorizou, estão associados à energia renovável equivalente a ser produzida por quatro parques eólicos num total de 116 MW a instalar no Estado do Rio Grande do Norte, no Brasil.

A EDP acrescentou ainda que estes projectos eólicos são adjacentes a outros parques eólicos em fase de desenvolvimento pela EDPR no Brasil.

Lusa
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11117
  • Recebeu: 387 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: EDP: Notícias
« Responder #70 em: Fevereiro 04, 2014, 08:12:15 pm »
EDP e China Three Gorges fazem parceria para centro de investigação


A EDP e a China Three Gorges discutiram os termos do acordo para criar o CNET R&D Centre, um centro de investigação e desenvolvimento para as tecnologias das novas energias, anunciou hoje a empresa liderada por António Mexia.

Em comunicado, a elétrica refere que, "no âmbito do desenvolvimento da parceria estratégica em vigor", os presidentes da China Three Gorges, Cao Guangjing, e da EDP, António Mexia, reuniram-se hoje, em Lisboa, "para discutir os termos do documento que institui as bases para a criação de um centro de investigação e desenvolvimento para as tecnologias das novas energias (CNET R&D Centre)".

O acordo foi celebrado entre a subsidiária da EDP Labelec -- Estudos, Desenvolvimento e Atividades Laboratoriais e a SIDRI - Shanghai Investigation, Design & Research Institute, subsidiária da China Three Gorges.

O acordo visa a "exploração conjunta de oportunidades em três áreas": cooperação em atividades de investigação e desenvolvimento em tecnologias para as novas energias, participação conjunta em projetos internacionais desenvolvidos por outras entidades e assistência técnica mútua.

O CNET R&D Centre "permitirá aumentar a capacidade tecnológica de ambas as empresas e aprofundar o potencial de desenvolvimento conjunto de oportunidades de negócio", lê-se no comunicado, que acrescenta que a criação do centro coloca em evidência a execução e desenvolvimento da parceria estratégica entre as duas empresas, estabelecida no âmbito do processo de privatização da EDP, em dezembro de 2011.

A China Three Gorges tem 21,35% do capital da EDP.

Lusa
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11117
  • Recebeu: 387 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: EDP: Notícias
« Responder #71 em: Setembro 19, 2014, 07:32:05 pm »
Barragem da EDP no Brasil inicia actividade, investimento de 360 milhões de €€€


A nova barragem da EDP no Brasil, a hidroelétrica de Santo António do Jari, acaba de receber autorização para iniciar a operação comercial da sua primeira unidade geradora, com uma potência de 373,4 MW, anunciou hoje a empresa.

Em comunicado, a EDP adianta que esta capacidade representa um investimento de 1,1 mil milhões de reais (cerca de 360 milhões de euros). Localizada no rio Jari, na fronteira entre os Estados do Pará e do Amapá, a hidroelétrica "acaba de receber autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) do Brasil para iniciar a operação comercial de sua primeira unidade geradora", acrescenta.

Com esta decisão, a EDP "antecipa em três meses a sua entrada em funcionamento", já que a central hidroelétrica de Jari "negociou parte de sua energia no Leilão A-5 de 2010, com início de atividade prevista a 1 de janeiro de 2015", acrescenta.

"Os restantes grupos geradores da central, dois deles também com capacidade instalada de 123,3 MW e um de 3,4 MW, estão em fase avançada de comissionamento para obtenção gradual da licença para operação em carácter de teste e comercial", conclui.

Lusa
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11117
  • Recebeu: 387 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: EDP: Notícias
« Responder #72 em: Outubro 28, 2014, 11:57:47 pm »
EDP e China Three Gorges criam empresa para construir barragens em África e América Latina


A EDP e a China Three Gorges (CTG) vão criar uma nova participada para conceber, construir e operar barragens em África e na América Latina, disse à Lusa fonte oficial da empresa chinesa, maior acionista da elétrica. “Esta parceria permite criar uma nova empresa participada em 50% por cada uma das empresas, que será localizada em Macau, e deverá candidatar-se a oportunidades do mercado global de energia que possam ser satisfeitas com a conceção, construção e operação de pequenos e médios projetos hidrelétricos”, adiantou a mesma fonte à Lusa.

O acordo, assinado na segunda-feira durante a primeira visita a Portugal do novo presidente da CTG, Lu Chun, prevê o desenvolvimento de negócios de energia na área hídrica em países de África e da América Latina, conforme a Lusa avançou no domingo. Em nota de imprensa, a EDP informou na segunda-feira sobre a inauguração das instalações do New Energy World (NEW), que assinalam o arranque da cooperação tecnológica com a CTG anunciada no início do ano.

China Three Gorges, uma empresa estatal diretamente tutelada pelo governo central chinês, tornou-se o maior acionista da EDP em 2012, quando pagou 2,7 mil milhões de euros por 21,3% do capital da elétrica portuguesa.

O novo centro, instalado em Sacavém, vai “dedicar-se à investigação nas novas energias, assistência técnica mútua, apoiando ainda a participação conjunta em projetos internacionais desenvolvidos por outras entidades”. Lu Chun assumiu a presidência da CTG em março passado, depois de inspetores da Comissão Central de Disciplina do Partido Comunista Chinês terem detetado “irregularidades” na gestão da empresa, nomeadamente “abuso de poder em licitações e contratos de projetos”.

O anterior presidente da CTG, Cao Guangjing, foi nomeado vice-governador da província de Hubei, onde se situa a Barragem das Três Gargantas do rio Yangtze. Em Portugal, Li Chun vai encontrar-se com o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, e o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. A China Three Gorges, uma empresa estatal diretamente tutelada pelo governo central chinês, tornou-se o maior acionista da EDP em 2012, quando pagou 2,7 mil milhões de euros por 21,3% do capital da elétrica portuguesa.

Lusa
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11117
  • Recebeu: 387 vez(es)
  • Enviou: 227 vez(es)
  • +62/-47
Re: EDP: Notícias
« Responder #73 em: Setembro 26, 2015, 07:00:51 pm »
EDP promete na ONU investimento de 200 milhões de €€€ em investigação de energias limpas


"O empenho em fornecer energia competitiva, baseada em soluções de baixos níveis de carbono capazes de assegurar crescimento económico sustentável é central na estratégia da EDP. Mas achamos que temos todos de fazer mais. Ao comprometer-se, com metas quantificadas, perante o mundo, a EDP está a dar o seu contributo e a mostrar que é possível ser mais ambicioso no combate às alterações climáticas", disse à Lusa o presidente executivo da EDP, António Mexia.

Durante o fórum, o responsável comprometeu-se ainda com outras quatro medidas: ultrapassagem de 75% de energias renováveis em capacidade instalada até 2020, a promoção de ganhos de eficiência energética junto da base de clientes equivalentes a 1TWh até 2020, o reforço da instalação de contadores inteligentes atingindo os 90% dos pontos de entrega baixa tensão na Península Ibérica até 2030 e, finalmente, uma redução de 75 por cento nas emissões de CO2 entre 2005 e 2030.

Mexia participava num fórum com empresas do setor privado que acontece no âmbito da Cimeira do Desenvolvimento Sustentável, que acontece entre sexta-feira e domingo.

"Digamos que estamos a assumir a responsabilidade inerente à posição de líder mundial nas renováveis e de comercializador consciente das necessidades dos seus clientes e, no limite, de todos os cidadãos do mundo hoje aqui representados pelas Nações Unidas", explicou Mexia.

Perante uma plateia de empresários, organizações não-governamentais e governantes de vários países, António Mexia apresentou ainda o caminho já percorrido pela EDP neste domínio.

Participaram nesta cimeira o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg.

Durante a cimeira, na tarde de sexta-feira, foram aprovados os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que incluem o combate as alterações climáticas como um dos 17 objetivos que substituem os 8 Objetivos do Milénio, concluídos este ano.

Lusa
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1407
  • Recebeu: 414 vez(es)
  • Enviou: 204 vez(es)
  • +153/-13
Re: EDP: Notícias
« Responder #74 em: Julho 03, 2017, 08:38:57 pm »
Espanhola Gas Natural quer avançar para uma fusão com a EDP

A agência noticiosa avança que a companhia espanhola já abordou a eléctrica portuguesa para criar um campeão ibérico de produção de energia avaliado em 35 mil milhões de euros.



A espanhola Gas Natural quer fundir-se com a EDP, numa operação avaliada em 35 mil milhões de euros. Este negócio daria origem à quarta maior companhia de gás e electricidade na Europa.

A notícia está a ser avançada pela Reuters esta segunda-feira, 3 de Julho. A agência adianta que o presidente da companhia espanhola, Isidre Fainé, já terá inclusivamente abordado o líder da EDP, António Mexia.

O objectivo seria criar um campeão ibérico da energia para competir com grandes empresas europeias como as francesas Engie e EDF, a espanhola Iberdrola e a italiana Enel.

O interesse de Gas Natural na EDP surge porque a portuguesa tem vindo a desenvolver o seu negócio na área das energias renováveis, um sector que falta no portefólio da empresa espanhola, mais focada na produção de electricidade a partir de gás natural e de carvão.

Contactada pelo Negócios, a EDP não faz comentários à notícia avançada pela Reuters.

A notícia da Reuters surge numa altura em que as acções da EDP têm apresentado uma tendência negativa na bolsa, devido sobretudo à investigação das autoridades às rendas excessivas que a eléctrica eventualmente beneficiou.

Além da forte presença na Península Ibérica, as duas empresas também estão focadas em desenvolver negócios nas Américas. A Gas Natural está presente no Chile e no México, enquanto a EDP está no mercado brasileiro e é uma das maiores empresas de produção de energia eólica nos Estados Unidos.
 

A EDP conclui hoje uma série de 10 sessões consecutivas de perdas, período em que desvalorizaram 6,5%, estando agora a negociar em mínimos de 20 de Março.

Esta queda atirou a capitalização bolsista da eléctrica liderada por António Mexia para 10,44 mil milhões de euros. Um valor que corresponde a quase metade do valor de mercado da Gas Natural, que ascende a 20,56 mil milhões de euros. As acções da cotada espanhola acumulam uma subida de 14,7% este ano na bolsa de Madrid. No mesmo período a EDP desce 1,31%  na praça portuguesa.

http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/energia/detalhe/reuters-espanhola-gas-natural-quer-avancar-para-uma-fusao-com-a-edp?ref=DestaquesTopo

Já resta muito pouco das empresas estratégicas em mãos nacionais ou do estado!!!!
 

 

Estaleiros Navais de Viana do Castelo: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 11
Visualizações: 4617
Última mensagem Maio 13, 2008, 10:27:57 am
por P44
Espírito Santo Turismo: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 0
Visualizações: 1220
Última mensagem Julho 29, 2006, 03:28:00 pm
por Marauder
Sonae Indústria: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 4
Visualizações: 1528
Última mensagem Julho 29, 2006, 09:33:44 am
por Marauder
Jerónimo Martins: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 1
Visualizações: 1337
Última mensagem Junho 27, 2006, 03:39:14 pm
por Marauder
Sonae Sierra: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 4
Visualizações: 1925
Última mensagem Julho 18, 2006, 08:42:56 pm
por Marauder