Declaração de IRS

  • 78 Respostas
  • 12647 Visualizações
*

LM

  • Especialista
  • ****
  • 907
  • Recebeu: 137 vez(es)
  • Enviou: 858 vez(es)
  • +110/-1
Re: Declaração de IRS
« Responder #75 em: Dezembro 10, 2019, 11:57:47 am »
E esperar que, algo repentinamente, não avancem com englobamento total dos rendimentos que hoje estão sujeitos a taxas especiais... porque entre "vender" tudo que seja fundos em Dezembro ou depois pode ser muito diferente em termos de taxas de IRS. Desvantagem de as regras de IRS em 2020 só serem conhecidas já em 2020.
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1495
  • Recebeu: 481 vez(es)
  • Enviou: 222 vez(es)
  • +181/-13
Re: Declaração de IRS
« Responder #76 em: Dezembro 10, 2019, 02:15:58 pm »
E esperar que, algo repentinamente, não avancem com englobamento total dos rendimentos que hoje estão sujeitos a taxas especiais... porque entre "vender" tudo que seja fundos em Dezembro ou depois pode ser muito diferente em termos de taxas de IRS. Desvantagem de as regras de IRS em 2020 só serem conhecidas já em 2020.

Eu próprio quando ouvi a notícia, não queria acreditar em tamanha imbecilidade (englobamento). Mas como este governo negoceia com a extrema esquerda e é uma das bandeiras da extrema esquerda, já não digo nada!!!!!

O que ouço da ala mais moderada e centrista do partido socialista, são também totalmente contra esta ideia imbecil de englobar todos os rendimentos, como por exemplo o Professor e ex-deputado socialista: Dr. Paulo Trigo Pereira. Mas esta notícia surgiu/foi plantada na comunicação social e quer dizer que o governo veio sondar a reacção das pessoas a tal medida, o que prova que estão a ponderar aplicar a medida!!!!!

Quando digo imbecilidade, para não dizer outro nome pior, refiro só a este facto/exemplo:
O A, empresário, declara que ganha 10.000€ por ano e está enquadrado no escalão de 23% de IRS.
O B, é quadro superior de uma empresa, tem obrigatoriamente de declarar rendimentos de 70.000€ por ano, está enquadrado no escalão de 45% de IRS.
O A e o B são donos de 50% de um apartamento em Lisboa, que rende 35.000€ por ano. Com o englobamento, o A passa a ser tributado em todos os seus rendimentos à taxa de 37% (10.000 + 17.500 = 27.500€, cai no escalão dos 37% de IRS), já o B passa a ser tributado à taxa de 50,50% (70.000 + 17.500 = 87.500€, cai no escalão dos 50,50% de IRS). Quer isto dizer que o mesmo rendimento (e neste caso até o mesmo bem) é tributado a taxas diferentes, os 17.500€ ganhos em rendas pelo A pagar 37% de IRS e os restantes 17.500€ de rendas ganhas pelo B pagam IRS à taxa de 50,50%!!!!!! Isto é um absurdo só concebido em pessoas desprovidas de senso comum!!!!!!

Ainda por cima este englobamento ía prejudicar ainda mais os particulares em relação a uma empresa, que pode ser por exemplo uma imobiliária. Pois se o IRS é um imposto progressivo, o IRC tem uma taxa de 17% para os primeiros 15.000€ de lucro e 21% para o excedente sobre os 15.000€. E coloca muita gente a pensar se vale a pena arrendar a sua antiga habitação ou investir numa poupança, porque todos esses rendimentos vão agravar o seu IRS!!!!!!

Isto é de absolutos loucos!!!!! Num país que até isentamos de impostos os estrangeiros, nos vistos Gold!!!!!

Mas a ladainha da extrema esquerda ainda vai mais longe e quer aumentar as taxas sobre “os lucros fabulosos das empresas”! Eu não sei se essa gente lê os relatórios das finanças, mas se lerem, viam que dos 3 grandes impostos (IVA, IRS e IRC), o IRC por acaso está a caír, o que indicia que a saúde das empresas não está lá grande coisa!!!!!
Pior, uma empresa que dê de lucro por exemplo em 200 milhões de euros e distribua metade aos sócios, a extrema esquerda esquece-se de referir que esses 200 milhões vão pagar IRC à taxa de 21% (excepto os primeiros 15.000€ que pagam 17%), mas quem receber os dividendos, os tais 100 milhões que eu referi, vai ter retido logo 28% de IRS pela empresa que distribui o lucro e se for empresa é igual. Resumindo, o lucro distribuído aos sócios, pagou 21% + 28% o que perfaz 49% de imposto!!!!! E a extrema esquerda ainda acha pouco!!!!!!!
Se for avante o englobamento, estes 28% passam a ser variáveis, depende de quem recebe, se é rico ou pobre!

Se esta medida for à vante, eu quero ver o que vai acontecer às poupanças dos portugueses e ao mercado do arrendamento!!!!!! Só visionários a afundarem mais o país!!!!!!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

*

LM

  • Especialista
  • ****
  • 907
  • Recebeu: 137 vez(es)
  • Enviou: 858 vez(es)
  • +110/-1
Re: Declaração de IRS Novo
« Responder #77 em: Dezembro 11, 2019, 10:12:28 am »
Um esclarecimento: quem tenha uma coleta líquida positiva qualquer euro colocado em PPR (dentro dos limites para cada idade, escalão) é equivalente a diminuir a coleta liquida em 20% (do colocado no PPR)? No fundo é como o estado "oferecer" 20% do que lá colocamos no ano (para além de outros benefícios "à saída"), de forma directa? 
« Última modificação: Dezembro 11, 2019, 12:08:48 pm por LM »
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1495
  • Recebeu: 481 vez(es)
  • Enviou: 222 vez(es)
  • +181/-13
Re: Declaração de IRS
« Responder #78 em: Dezembro 11, 2019, 11:40:03 am »
Um esclarecimento: quem tenha uma coleta líquida positiva qualquer euro colocado em PPR (dentro dos limites para cada idade, escalão) é equivalente a diminuir a coleta liquida em 20% do colocado no PPR? No fundo é como o estado "oferecer" 20% do que lá colocamos no ano (para além de outros benefícios "à saída"), de forma directa?

Exactamente!
Os PPR, apesar de terem taxas de juro miseráveis, temos a grande vantagem da dedução fiscal de 20% de todos os valores aplicados no PPR, até ao limite legal (400€ até aos 35 anos, 350€ dos 35 aos 50 anos e 300€ para mais de 50 anos). E isto por cada elemento do agregado familiar.

Ou seja, na prática, e para esgotarmos este benefício fiscal, tinhamos de aplicar os seguintes montantes:
- Até 35 anos aplicamos até 2.000€, para deduzirmos 400€ (20%);
- Dos 35 aos 50 anos até 1.750€, para deduzirmos 350€ (20%);
- Mais de 50 anos até 1.500€ anuais, para deduzirmos 300€ (20%).

Obviamente para termos estes 20% do benefício fiscal, temos de descontar IRS, quem não desconta, não consegue obter o benefício fiscal.

Com todas as pessoas com quem falo, aconselho sempre em fazerem um PPR, porque para uma emergência, pode ser mobilizado e na pior das hipóteses, só temos de devolver o benefício fiscal, mas por exemplo quem tem empréstimo à habitação e tem alguma prestação em atraso, o PPR pode ser mobilizado para liquidar as prestações em falta sem penalização!!!!
Também podem ser movimentados no caso de desempregados de longa duração (mais de 1 ano sem trabalho).

Por todos estes motivos, aconselho toda a gente ter um PPR, mesmo a render 0%!!!!!