Batalhas Navais Decisivas: Diu - 3 de Fevereiro 1509

  • 6 Respostas
  • 6933 Visualizações
*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7643
  • Recebeu: 597 vez(es)
  • Enviou: 196 vez(es)
  • +236/-633
Batalhas Navais Decisivas: Diu - 3 de Fevereiro 1509
« em: Fevereiro 02, 2006, 09:20:20 pm »
Batalha de Diu
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A batalha naval de Diu ocorreu a 3 de Fevereiro de 1509, perto de Diu, Índia, entre Portugal e uma frota conjunta do Sultanato Burji do Egipto, Império Otomano, Calecute, e o Sultão de Gujarat que assumiu um papel de vingança pessoal de D. Francisco de Almeida, por ter perdido o seu filho D. Lourenço no desastre de Chaul, em 1508

Esta batalha marca o início do dominio europeu no oceano Índico, semelhante à batalha de Lepanto (1571), do Nilo (1798), de Trafalgar (1805) e de Tsushima (1905 em termos de impacto. O poder dos Turcos Otomanos na Índia é seriamente abalado, enquanto os Portugueses depois desta batalha conquistam rapidamente portos/localidades costeiras a volta do oceano Índico como Mombaça, Socotora, Mascate, Ormuz, Goa, Colombo e Malaca. O monopólio português no Índico dura até a chegada dos Ingleses (|Companhia das Índias Orientais inglesa) com a Batalha de Swally perto de Surate em 1612.

Ao aproximar-se do inevitável confronto, D. Francisco de Almeida envia uma carta a Meliqueaz, que dizia:

«Eu o visorei digo a ti honrado Meliqueaz, capitão de Diu, e te faço saber que vou com meus cavaleiros a essa tua cidade, lançar a gente que se aí acolheram, depois que em Chaul pelejaram com minha gente, e mataram um homem que se chamava meu filho; e venho com esperança em Deus do Céu tomar deles vingança e de quem os ajudar; e se a eles não achar não me fugirá essa tua cidade, que me tudo pagará, e tu, pela boa ajuda que foste fazer a Chaul; o que tudo te faço saber porque estejas bem apercebido para quando eu chegar, que vou de caminho, e fico nesta ilha de Bombaim, como te dirá este que te esta carta leva».
Sabe-se que um dos feridos foi Fernão de Magalhães.

Dos destroços da batalha constavam três bandeiras reais do Sultão Mameluque do Cairo, que foram transladadas para o Convento de Cristo, em Tomar, Portugal, sede espiritual dos Cavaleiros Templários, onde constam até aos dias de hoje.
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

TOMKAT

  • Especialista
  • ****
  • 1173
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Fevereiro 02, 2006, 10:24:01 pm »
Citar
...
Em relação aos cativos turcos, D. Francisco de Almeida, foi inclemente, mandando enforcar, queimar vivos ou despedaçar amarrando-os à boca das bombardas a maior parte deles.
....
A Batalha de Diu, apesar de ensombrada pelo tratamento cruel dado por D. Francisco de Almeida aos prisioneiros turcos, é, indubitavelmente, a mais importante de toda a História da Marinha Portuguesa e uma das mais importantes da História Naval Universal.
Sob o ponto de vista tático, foi uma batalha de aniquilamento qu esó encontra paralelo em Lepanto (1571), Aboukir (1798), Trafalgar (1805) ou Tsuchima (1905).
sob o ponto de vista estratégico, não yterá sodo menos importante do que qualquer destas, antes pelo contrário, porquanto: assegurou aos Portugueses, durante quase um século, o domínio absoluto do oceano Índico; abateu consideravelmente o poder e o prestígio dos Turcos, que eram o terror da Europa; marca o início de um longo período de domínio da Ásia pelos Europeus, que só terminou com a entrada do Japão na Segunda Guerra Mundial.

Se os Portugueses não fossem um povo que pouca atenção presta à sua História Marítima á provável que sentissem, em relação à batalha naval de Diu, um sentimento semelhante ao nutrem os espanhóis por Lepanto, os ingleses pelo Nilo (Aboukir) ou Trafalgar e os japoneses por Tsuchima.


Diu


Ilha de Diu


Situação provável das forças em confronto na véspera ao fim da tarde


Batalha de Diu


Saturnino Monteiro
em «Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa» (Vol.I)


Uma grande batalha, um grande feito da Marinha Portuguesa, com promenores que mereciam ser contados aqui no fórum, mas ficaria um texto demasiado longo...
IMPROVISAR, LUSITANA PAIXÃO.....
ALEA JACTA EST.....
«O meu ideal político é a democracia, para que cada homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado»... Albert Einstein
 

*

TOMKAT

  • Especialista
  • ****
  • 1173
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Setembro 27, 2006, 06:38:29 pm »
Comemorando 500 anos da Batalha de Ormuz

Citar
BATALHAS E COMBATES
da Marinha Portuguesa


Ormuz - 27 de Setembro de 1507

Ao raiar do dia 25 de Setembro do ano de 1507 começou a aproximar-se do fundeadouro principal da cidade de Ormuz uma estranha esquadra de seis naus, coberta de bandeiras e pendões que nunca haviam sido vistos por aqueles mares.
Tratava-se de uma esquadra portuguesa que partira de Lisboa no fim do Inverno de 1506, integrada na armada de Tristão da Cunha. O seu capitão-mor chamava-se Afonso de Albuquerque!
Pelo meio-dia, os navios portugueses alcançaram o porto e fundearam, em ar de desafio, junto das maiores naus que ali se encontravam, ao mesmo tempo que salvavam à terra com toda a sua artilharia e as suas guarnições atroavam os ares com enorme algazarra.
Ormuz era então a cidade mais importante do golfo Pérsico e chave do comércio marítimo entre a Arábia, a Pérsia e a Índia. Os seus palácios e casas de habitação em nada ficavam a dever aos da Europa. As suas ruas eram numerosas e nelas proliferavam as lojas e os mercados, onde se podiam encontrar todos os produtos do Oriente, desde os mais modestos, como as tâmaras e os limões, até aos mais sumptuosos, como as pérolas de Barém, os cavalos e as tapeçarias da Pérsia ou as sedas e as porcelanas da China.
Pois fora precisamente esta cidade, rica e poderosa entre todas, que o rei D. Manuel de Portugal decidira subjugar, erguendo nela uma fortaleza, e era a isso que vinha a esquadra de Afonso de Albuquerque.
Ormuz era nessa época um reino praticamente independente, embora vagamente vassalo do xá da Pérsia. Quem o governava não era o rei, que tinha apenas quinze anos, mas sim um grão-vizir todo poderoso chamado Cogeatar.


         Ormuz - 1507

A chegada dos portugueses, com todo o seu aparato bélico, constituiu um choque mas não propriamente uma surpresa para este. Na verdade, durante as últimas cinco semanas não tinham cessado de chegar a Ormuz notícias alarmantes, mesmo aterradoras, acerca de uma esquadra de frangues (cristãos) e de um terrível capitão que estava pondo a ferro e fogo a costa de Omã. Sabia-se que Calaiate, Curiate, Mascate, Soar e Corfação se haviam tornado vassalas do rei de Portugal; que aquelas que tinham resistido tinham sido tomadas à viva força e saqueadas; que aos prisioneiros de guerra tinham sido cortados os narizes e as orelhas. Dizia-se mesmo que os Portugueses comiam gente!
Por tudo isto Cogeatar se sentia apreensivo e tratara de tomar as suas precauções. Proibira a saída de qualquer das cerca de sessenta naus que estavam fundeadas em Ormuz e guarnecera-as com muita gente de armas, ao mesmo tempo que mandava chamar a sua armada, constituída por cerca de cem terradas (navios parecidos com fustas) que se encontravam na costa da Pérsia.
O que ele felizmente não sabia é que a esquadra de Afonso de Albuquerque, apesar da fama de que vinha precedida, era muito menos forte do que aparentava. Essa esquadra tinha passado um longo inverno na costa oriental da África. Integrada na armada de Tristão da Cunha, colaborara nos assaltos a Hoja e Brava e na conquista de Socotorá. Tendo perdido muita gente por doença, restavam-lhe apenas quatrocentos e sessenta homens, metade dos quais doentes ou debilitados. Todos os navios estavam a precisar de grandes reparações, tanto no casco como no aparelho. Pior que tudo, havia grandes dissensões entre Albuquerque e os seus capitães.
Mas Afonso de Albuquerque era um actor consumado e um mestre na arte da guerra psicológica. Apesar de ter os navios e as guarnições a cair aos bocados e de os seus capitães estarem à beira da rebelião, comportou-se como se dispusesse da maior e mais bem equipada armada do mundo e acabou por convencer disso os seus adversários, criando neles um complexo de inferioridade e de receio.
Uma hora depois de ter fundeado, como não tivesse aparecido ninguém a cumprimentos, Albuquerque mandou recado à maior nau que estava no porto, junto da qual tinha largado ferro, para que o seu capitão viesse imediatamente a bordo, caso contrário a meteria no fundo!
Tratava-se de uma nau enorme, pertencente ao rei de Cambaia, que tinha a bordo perto de mil homens entre marinheiros e soldados. Pois o que aconteceu é que, perante o ultímatum de Afonso de Albuquerque, o seu capitão acobardou-se e foi-se apresentar imediatamente no navio daquele. Para o receber, Albuquerque montou uma encenação grandiosa, aparecendo ricamente vestido, rodeado de fidalgos e homens de armas cobertos com armaduras reluzentes e empunhando lanças e espadas, no meio de bandeiras, colgaduras e almofadas de seda, à mistura com pelouros, bestas e machados de abordagem.
Aproveitando o efeito produzido por todo este aparato, explicou amavelmente ao capitão da nau de Cambaia que ele, capitão-mor daquela esquadra, tinha vindo por mandado de el-rei D. Manuel de Portugal apenas para tomar Ormuz sob a sua protecção e autorizar todos os navios que navegavam por aqueles mares que o continuassem a fazer livremente desde que, evidentemente, o reconhecessem por soberano e senhor. Pediu-lhe que levasse o recado a Cogeatar e que lhe dissesse mais o seguinte: que, no caso de estar disposto a aceitar tão generosa oferta, se devia apresentar no dia seguinte naquela mesma nau para assentar pormenores; caso contrário, que teria muita pena, mas que se veria obrigado a queimar todas as naus que estavam no porto e a tomar Ormuz pela força das armas como havia feito com as cidades da costa de Omã que lhe tinham resistido. E acrescentou, à laia de confidência, que a si tanto lhe fazia, mas até que preferia que Cogeatar recusasse porque ele próprio, assim como os fidalgos e soldados que ali via, já estavam com saudades de um bom combate!
Ao receber a mensagem de Albuquerque, Cogeatar pensou que ele devia ser doido para se atrever a desafiá-lo, apenas com seis pequenas naus metidas no meio de sessenta muito maiores e bem guarnecidas de gente de armas. Mas o capitão da grande nau do rei de Cambaia aconselhou-o a que tivesse cautela. O capitão português o os fidalgos e soldados que estavam com ele pareciam gente muito perigosa. Que se lembrasse do que tinha acontecido às cidades da costa de Omã!
Cogeatar era um político hábil e prudente. Por isso não se precipitou. Foi consumindo todo o dia 26 com respostas evasivas e dilatórias, procurando ganhar tempo, para que a sua armada de terradas pudesse chegar a Ormuz, o que veio a acontecer nessa mesma noite.
Notando que a coberto da escuridão as naus que estavam mais perto dos navios portugueses mudavam de posição e ouvindo o rumor provocado pelo intenso movimento dos batéis que traziam reforços de armas e soldados, Afonso de Albuquerque compreendeu que Cogeatar não se assustara suficientemente e decidira combater.


     Distribuição das forças
(esquema sem escala)



Ao amanhecer do dia 27, os portugueses puderam constatar que as naus inimigas tinham ido fundear mais junto à praia, muito próximas umas das outras, tendo a maior parte delas os costados protegidos com arrombadas feitas com sacos de algodão. Em algumas, já as guarnições estavam tocando trombetas, fazendo grande alarido e agitando as armas. Detrás das naus, saiam em grupos compactos as terradas de Ormuz que vinham tomar posição pelo outro bordo dos nossos navios, de modo a cercá-los completamente. Ao longo da praia viam-se muitos esquadrões formados e alguns baluartes com artilharia.
Afonso de Albuquerque não perdeu tempo. Como o vento era muito fraco, ordenou aos batéis que tomassem as suas naus a reboque e foi fundear a curta distância da grande nau do rei de Cambaia e das outras naus que lhe pareceu serem as principais da armada inimiga. E, sem mais detença, abriu fogo!
O inimigo respondeude imediato, travando-se um furioso duelo de artilharia, acompanhado por contínuas descargas das espingardas e arremessos de flechas, tudo isso no meio de um barulho ensurdecedor e de uma densa fumarada que o vento, por ser muito fraco, não conseguia dissipar.
Aproveitando o empenhamento dos portugueses no combate com as naus e as nuvens de fumo que, em parte, cobriam os seus movimentos, as terradas de Ormuz atacaram várias vezes pelo bordo contrário. Começaram então as nossas naus a experimentar algumas dificuldades, pois tinham pouca gente e viam-se obrigadas a sustentar o combate de artilharia com as naus adversas por um bordo e, ao mesmo tempo, repelir os ataques das terradas pelo outro. Porém, como estas, devido ao seu número, eram forçadas a avançar em massas compactas, ofereciam um alvo ideal aos nossos bombardeiros, que não perdiam um tiro. Depois de algumas delas terem sido afundadas e outras terem sofrido avarias graves e terem tido muitos mortos e feridos, desistiram dos seus ataques e regressaram à praia.
Andava ali Cogeatar, num batel, providenciando o envio de reforços para as naus que estavam sofrendo mais baixas. Ao ver aparecer as terradas, recompletou as suas guarnições e tornou-as a mandar ao ataque das naus portuguesas. Elas assim o fizeram mas, de novo, sem qualquer êxito. Nos dois ataques perderam as terradas de Ormuz quinze a vinte unidades afundadas e muitas mais gravemente avariadas.
Entretanto, prosseguia o combate de artilharia com nítida vantagem para os portugueses, cujos canhões de bronze eram muito mais potentes que os canhões de ferro dos adversários. Das naus que estavam sendo alvejadas pelos nossos navios, duas já tinham sido afundadas e as restantes, tinham o convés juncado de mortos e feridos. Vendo a sorte que as naus mais poderosas tinham tido, muitas outras começaram a aproximar-se ainda mais da praia para onde as suas guarnições fugiam a nado antes que as nossas naus se aproximassem delas.
Albuquerque tinha dado ordens rigorosas aos seus capitães para que ninguém se lançasse à abordagem antes de ele pr6prio o fazer, pois que, dada a superioridade numérica do inimigo, pensava ser mais prudente desgastá-lo e desmoralizá-lo primeiro com o fogo da artilharia. Porém, quando verificou que a maioria das naus inimigas já não respondia ao fogo das nossas e que as suas guarnições começavam a debandar, deu o sinal de abordagem, pelo qual os fidalgos esperavam ansiosamente, mandando o batel da sua nau aferrar a nau do rei de Cambaia.
A tomada desta nau não foi fácil. Por um lado, a altura do seu costado tornava muito difícil a escalada dos portugueses carregados de armas; por outro, ainda havia nela muitos soldados aguerridos que durante o combate de artilharia tinham permanecido abrigados nos pavimentos inferiores e que agora surgiam no convés dispostos a repelir os nossos. Travou-se então um violento combate à arma branca, em que, mais uma vez, o maior valor, a maior experiência e as armaduras e capacetes dos portugueses acabaram por levar a melhor. Logo que os capitães dos persas foram mortos, os soldados lançaram-se à água.
Uma outra grande nau, pertencente à cidade de Fartaque, ofereceu denodada resistência ao assalto dos nossos batéis, mas acabou por ser igualmente dominada. Cerca de vinte naus foram capturadas praticamente sem oposição.
Desbaratadas as naus que se encontravam mais longe da praia, os batéis começaram a perseguir às lançadas os numerosos soldados e marinheiros inimigos que a nado tentavam chegar a terra. Foi uma verdadeira carnificina, em que foram mortos mais de um milhar de homens, perante o olhar horrorizado dos habitantes da cidade que seguiam com ansiedade todas as peripécias da batalha.
Por sobre as águas tintas de sangue dirigiram-se então os batéis portugueses para as naus que tinham ido fundear junto da praia e lançaram-lhes fogo, ao mesmo tempo que lhes cortavam as amarras. Arrastadas pela brisa, cerca de trinta naus, ardendo como archotes, foram descaindo lentamente para a costa da Pérsia, onde se acabaram de consumir.
Afonso de Albuquerque, que se mudara para um batel, andava de um lado para o outro, procurando coordenar as acções dos seus homens. Ao passar perto da praia, Cogeatar mandou atirar-lhe com um canhão de um dos baluartes. Mas o tiro falhou. Respondeu-lhe imediatamente o «berço» do batel, que acertou em cheio no palanque donde o rei de Ormuz estava assistindo ao combate. Aterrorizado, o rei fugiu para a cidade. Cogeatar, vendo que os nossos batéis punham as proas em terra, receou que os portugueses fossem acometer a cidade e deu ordem às tropas que estavam na praia para se recolherem a ela. Isso permitiu aos nossos desembarcar à vontade e tomar de assalto uma pequena povoação que havia no extremo da ribeira onde alguns soldados de Ormuz se tinham entricheirado numa mesquita. Seguidamente, começaram a queimar as naus, perto de uma centena, que estavam em reparação ou em construção na ribeira.
Se essas naus fossem queimadas, seria a ruína completa da cidade de Ormuz, cuja prosperidade se devia exclusivamente ao comércio marítimo. Por isso Cogeatar apressou-se a pedir a paz, enviando um «mouro» com uma bandeira branca a Afonso de Albuquerque. Em altos gritos, increpava aquele os soldados portugueses para que cessassem de queimar as naus... que pertenciam ao rei de Portugal!
Albuquerque aceitou a rendição a troco do pagamento de um pesado tributo anual e da autorização para construir uma grande fortaleza na ponta norte da ilha, destinada a assegurar em definitivo o domínio do Golfo Pérsico e regiões circundantes pelos Portugueses.
Na batalha naval de Ormuz perderam os Ormuzinos cerca de oitenta naus, entre as que foram afundadas, queimadas no mar ou em terra, ou capturadas bem como cerca de trinta terradas afundadas ou capturadas e cerca de três mil mortos além de muitos mais feridos. Do lado português houve apenas onze feridos, entre os quais alguns graves.
Terminada a batalha os soldados portugueses puderam verificar que muitos dos inimigos mortos tinham flechas espetadas no corpo, arma que os portugueses não usavam. Supomos que terão sido flechas disparadas pelas terradas que, passando por cima das naus portuguesas, terão ido atingir as guarnições das naus de Ormuz que estavam do lado contrário. A versão que correu entre os nossos para explicar o facto foi que Deus tinha enviado os anjos, armados com arcos e flechas, para combater a seu lado!
Poucos dias depois, Albuquerque deu início à construção da fortaleza. Mas, algumas semanas mais tarde, teve de desistir e abandonar Ormuz, por três dos seus capitães terem desertado para a Índia com as suas naus. Tentou no ano seguinte (1508) recuperar a cidade, dispondo apenas de quatro navios, mas também não o conseguiu. Parecia então que a grande vitória que alcançara em 27 de Setembro de 1507 não servira para nada.
Mas não foi isso que aconteceu. A fama que nela alcançara perdurou. E, quando no Outono de 1515 ali voltou, aureolado pelas conquistas de Goa e de Malaca, Ormuz entregou-se sem a menor resistência, declarando que nunca deixara de ser vassala do rei de Portugal!


                Saturnino Monteiro                
em «Batalhas e Combates da Marinha Portuguesa» (Vol.I)




http://www.ancruzeiros.pt/anchistoria-comb-1507.html
IMPROVISAR, LUSITANA PAIXÃO.....
ALEA JACTA EST.....
«O meu ideal político é a democracia, para que cada homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado»... Albert Einstein
 

*

TOMSK

  • Investigador
  • *****
  • 1458
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +1/-0
Re: Batalhas Navais Decisivas: Diu - 3 de Fevereiro 1509
« Responder #3 em: Agosto 21, 2009, 12:50:20 am »
Citação de: "Luso"
Dos destroços da batalha constavam três bandeiras reais do Sultão Mameluque do Cairo, que foram transladadas para o Convento de Cristo, em Tomar, Portugal, sede espiritual dos Cavaleiros Templários, onde constam até aos dias de hoje.


Desenterrando este tópico, e porque já não é a primeira vez que vejo esta informação, estas bandeiras capturadas por D. Francisco encontram-se de facto ainda em Tomar? E estão acessíveis ao público? Alguém já as viu? Se ainda existem 500 anos depois, trata-se de uma notável pérola histórica! :shock:
 

*

João Vaz

  • 193
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +1/-0
Re: Batalhas Navais Decisivas: Diu - 3 de Fevereiro 1509
« Responder #4 em: Setembro 01, 2010, 01:28:05 pm »
Já agora, aproveiro para actualizar este tópico da maior e mais importante batalha naval envolvendo forças navais da Coroa portuguesa no século XVI, eliminando de facto o perigo naval turco e consagrando o domínio português no Oceano índico.

Do meu colega José Virgílio Pissarra, um especialista da História Naval Portuguesa para a primeira metade do século XVI, existe um belíssimo livro da colecção "Batalhas de Portugal" dedicado à Batalha de Diu:
Chaul e Diu 1508 e 1509 : o domínio do índico, Lisboa: Tribuna da História, 2004.

Eis um resumo do mesmo (inclui um vídeo): http://aeiou.expresso.pt/batalha-de-diu-a-maior-vitoria-naval-portuguesa-com-video=f521206
"E se os antigos portugueses, e ainda os modernos, não foram tão pouco afeiçoados à escritura como são, não se perderiam tantas antiguidades entre nós (...), nem houvera tão profundo esquecimento de muitas coisas".
Pero de Magalhães de Gândavo, História da Província Santa Cruz, 1576
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 9829
  • Recebeu: 1236 vez(es)
  • Enviou: 3043 vez(es)
  • +184/-56
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Batalhas Navais Decisivas: Diu - 3 de Fevereiro 1509
« Responder #5 em: Julho 03, 2020, 10:59:26 pm »

Um daqueles vídeos que o viajante colocou noutro tópico.
São muito bons e numa coisa concordo em pleno.... Como é que ainda não fizeram um filme sobre esta batalha?!
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 9829
  • Recebeu: 1236 vez(es)
  • Enviou: 3043 vez(es)
  • +184/-56
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Batalhas Navais Decisivas: Diu - 3 de Fevereiro 1509
« Responder #6 em: Outubro 11, 2020, 08:15:38 pm »

No seguimento da batalha de Diu em 1509 e após 30 anos de domínio do Indico veio o cerco de Diu em 1538
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."