Estarão os EUA a ficar para trás?

  • 317 Respostas
  • 54575 Visualizações
*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 4575
  • Recebeu: 396 vez(es)
  • Enviou: 311 vez(es)
  • +1887/-1221
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #300 em: Agosto 30, 2019, 07:58:48 pm »
SOBERANIA



Com a passagem do 151º aniversário do Canadá, os canadenses desfrutam do habitual aumento de patriotismo. Não é de admirar, pois  nossa nação é muito boa . Nos últimos dois anos, até os canadenses menos patrióticos se orgulham. Até esses malditos tem que admitir ... " Pelo menos não somos os Estados Unidos."

O Canadá ainda, e sempre terá, sua parcela de questões. Isso é de se esperar. Ao contrário de outras nações, ainda temos um ar de otimismo sobre nós. As coisas estão boas e esperamos poder torná-las ainda melhores.

Só é preciso dar uma olhada superficial no resto do mundo para perceber que nem todo mundo compartilha do otimismo do Canadá. As pessoas não estão apenas tendo uma visão pessimista ... Mas estão procurando alguém para culpar.

É por esse motivo que o Canadá como um todo deve assumir um compromisso renovado com sua própria soberania, para não ficarmos atolados na mesma divisão.

Basta olhar para o nosso vizinho do sul para perceber como uma nação pode se perder.



Enquanto a política dos EUA nunca foi um jogo para os tímidos; Nos últimos anos, houve uma tendência muito clara em direção à divisão. Nenhum partido político aspira à unidade nacional, apenas energizando sua 'base' enquanto demoniza o outro lado.

Testemunhe o atual governo americano.

Seu sotaque no poder não era baseado em um líder popular que unifica as massas. Longe disso. A ascensão política do presidente americano se baseou no racismo abominável . Ele continuaria a perder o voto popular ... Apenas para ganhar na Casa Branca.

O índice de aprovação da Câmara dos Deputados americana  raramente quebra 20% . O líder da maioria no Senado dos EUA, Mitch McConnell, é o  membro menos popular. No entanto, os operadores históricos são quase sempre favorecidos para ganhar, graças à prática de longa data da  gerrymandering .

Com o presidente em exercício que está sendo  investigado por possível traição ,  tratamento desumano dos solicitantes de asilo e  inúmeros  outros  escândalos,  os EUA se tornaram um país dividido. No entanto, apesar dos  protestos , as próximas eleições de meio de mandato  podem ser o jogo de qualquer um .

Alguém poderia nos desculpar por pensar que os Estados Unidos da América estão caminhando para uma segunda Guerra Civil ...   Mesmo de brincadeira .

Então, o que um presidente em exercício faz quando é abordado por escândalo? Desvie a atenção convencendo a população de que existe alguma ameaça externa nefasta. Como a "Guerra ao Terror" é uma notícia antiga (e mais do que George W. Bush), Trump decidiu apontar o dedo para ...   Canadá ?



HÃ?

Durante anos, o Canadá e os EUA mantêm um relacionamento próximo. Claro, tivemos nossa parcela de  rivalidades  e  disputas menores , mas uma guerra comercial? Isso nunca  funciona para ninguém .

Depois de iniciar uma guerra comercial com o Canadá, Trump sente que também é o momento certo de dizer ao Canadá que precisa  gastar mais em defesa ... Mesmo que o atual governo já tenha se  comprometido a fazê-lo .

Talvez Trump tenha razão ... Mas  não pelas razões certas .

Trump provavelmente preferiria o Canadá e outras nações da OTAN a gastar mais em militares, a fim de beneficiar empreiteiros de defesa americanos. Seu motivo é claro. Se as nações da OTAN querem a maior força militar do mundo, precisam pagar por isso. Esqueça  a autoridade moral  ou seja uma força para a justiça. Trump transformou a força militar mais poderosa da história em um grupo de mercenários.

Pior ainda é a evidência de que, embora os EUA estejam dispostos a vender a outros países seus equipamentos militares de ponta, esse equipamento nunca é realmente deles.

Isso colocou o Canadá em uma posição incômoda. O atual líder americano está em termos mais amigáveis ​​com o líder russo do que com o nosso. Trump estaria disposto a enviar tropas americanas em nosso auxílio se a Rússia decidisse anexar parte do nosso território ?



Talvez o Canadá deva ter mais medo de que os Estados Unidos da América anexem parte do nosso território. Normalmente isso pareceria ridículo. Hoje não. A era de Trump deve deixar claro que o livro de regras foi jogado fora.

A aplicação draconiana das políticas de imigração de Trump resultou em agentes da Patrulha de Fronteira dos EUA embarcando  em embarcações canadenses em águas canadenses ao largo da Ilha Grand Manaan, em New Brunswick. Não é exatamente um comportamento de vizinhança.

Pode parecer um grito de guerra para os canadenses pegarem em armas e se prepararem para uma possível incursão. Não é. Apenas um aviso de que nossa codependência tradicional nos EUA não é mais uma estratégia sensata. Bons relacionamentos são baseados em confiança, lealdade e confiabilidade. Os Estados Unidos não podem fornecer nenhuma dessas coisas agora.

Talvez a era Trump acabe sendo um pontinho momentâneo na história americana. Talvez a eleição de 2016 tenha sido simplesmente uma tempestade perfeita que levou uma estrela da realidade a acabar sendo a pessoa mais poderosa do mundo. Talvez a ascensão de Trump ao poder tenha sido o "salto de gato morto" de um aspecto que desaparece da sociedade americana.

Talvez não.

De qualquer maneira, ficou claro que, embora o Canadá deva exercer um pouco mais de independência no que diz respeito à nossa identidade nacional. A experiência do Canadá no Afeganistão deve ser motivo suficiente para deixar para trás os dias de seguir cegamente o exemplo dos EUA. Em vez disso, devemos fazer nossas próprias coisas. Apresentar o Canadá como um  modelo global  que exerce autoconfiança e alta moral.

Como exemplo, não precisamos procurar além da Suécia . Apesar de um orçamento de defesa que é uma  fração do que o Canadá gasta , a Suécia é capaz de montar uma força militar invejável com alguns aviões de combate impressionantes,  submarinose outros ativos. Melhor ainda, a Suécia mantém a capacidade de projetar e construir seu próprio hardware militar. Não se esquivou da participação global quando solicitado.

(Parece que sou fã da Suécia? Sou.)

Lembre-se de que soberania não significa nacionalismo. Uma abordagem nacionalista, como os EUA sob Trump ou o Brexit do Reino Unido, serve apenas para alienar o resto do mundo. Trump e sua galera têm a crença equivocada de que a vida na Terra é um  jogo de soma zero,  onde quanto mais você deixa outra pessoa ter, menos consegue guardar para si. Isto simplesmente não é verdade. A globalização é uma  questão controversa , muito complicada para simplesmente se transformar em "vencedores" e "perdedores".

Há também a questão da OTAN.

Apesar de alguns ridicularizarem a OTAN como  "obsoleta" , ela ainda tem seus benefícios. Poderia usar uma reformulação séria para se alinhar com o mundo pós-Guerra Fria, mas certamente não vale a pena abandonar. O Artigo Cinco, que trata um ataque a uma nação da OTAN como um ataque a todos, ainda é um poderoso impedimento. É bom lembrar que, nos 69 anos de história da OTAN, seu único uso do Artigo Cinco foi em resposta aos ataques terroristas de 11 de setembro ... Promulgados pelos EUA, nada menos.

Pode-se argumentar facilmente que o questionável compromisso dos EUA com a OTAN  é mais um motivo para mantê-lo. Uma nação da OTAN que não pode mais confiar na intervenção americana ainda estaria bem defendida com as forças restantes da OTAN chegando em seu auxílio.



Atualmente, estamos vivendo uma época em que o presidente americano tem uma melhor relação com líderes autoritários como Kim Jong Un e Vladimir Putin, então aliados democraticamente eleitos como Angela Merkel , Theresa May e Emmanuel Macron. Apesar do vitríolo direcionado a aliados de longa data, Trump os incentiva a " comprar americanos " quando se trata de gastos militares. Parece uma tática de vendas bastante estranha. O recente cancelamento da compra do Super Hornet no Canadá , a Itália encerrando o JSF e a ascensão de  novos programas de caça  como o Tempest Parece indicar que os aliados da América se cansaram de serem vistos como engrenagens no Complexo Industrial Militar Americano.

O cansaço é muito mais profundo do que isso, no entanto.

Nos anos que se seguiram à Guerra Fria, a América ainda era vista como a superpotência benevolente. Claro, ele sujou as mãos  várias vezes, mas isso poderia ser justificado conforme necessário para o bem maior. As coisas mudaram depois de 11 de setembro de 2001, no entanto. Embora uma resposta fosse certamente justificada, a interminável " Guerra ao Terror " comprometeu os Estados Unidos a um caminho sombrio de guerras e ocupações injustificáveis ​​e injustificadas. Aliados que caminharam ao longo dos EUA por esse caminho logo foram recompensados ​​com pouco mais que baixas  e defeitos em seu próprio código moral.



Anos de apoio aos EUA durante a Guerra Fria e a seguinte Guerra ao Terror causaram danos aos aliados dos Estados Unidos. Parece que essa lealdade e comprometimento foram tomados como garantidos por Trump e sua classe. Os aliados da América não são vistos como parceiros aos seus olhos. Em vez disso, somos vistos como subservientes (na melhor das hipóteses) ou parasitas (na pior das hipóteses) prosperando apenas porque os EUA nos permitem. 

Simplificando, os aliados da América se cansaram desse "excepcionalismo americano".

Trumps conversa dura pode apelar para sua base (conservadores sem instrução à procura de um bode expiatório), mas é veneno absoluto para qualquer outra pessoa. Os EUA não se tornaram a nação mais poderosa do mundo no vácuo; pelo contrário, de fato. A história americana é construída sobre suas relações internacionais. Gerações de imigração, duas guerras mundiais e uma guerra fria que ajudaram a fortalecer sua economia e forças militares fizeram com que os EUA se tornassem o "centro" que mantinha o resto do mundo unido. Agora esse hub está começando a rachar e se separar.

Para prosperar (possivelmente até sobreviver) ao caos que se aproxima, os aliados da América precisarão reduzir sua dependência dos EUA e fortalecer seus vínculos entre si. Em vez de sermos raios em torno de um hub, nos tornamos uma malha interconectada. Como uma teia de aranha, se um desses vínculos se romper, a malha permanece forte.

O estado atual da política americana pode ser nada mais do que um breve "pontinho" após os anos de Obama. Então, novamente, pode não. Primárias recentes mostraram que a política americana mudou ... Possivelmente não para melhor . O que é importante para o Canadá e nossos aliados agora é nos colocar em uma posição em que a angústia da América tem pouco ou nenhum efeito sobre nós.

Essa é a verdadeira soberania. Quando a tagarelice de outra nação NÃO IMPORTA.

Fonte: http://bestfighter4canada.blogspot.com/2018/07/sovereignty-rant_22.html
 

*

JM1906

  • Membro
  • *
  • 19
  • Recebeu: 7 vez(es)
  • +0/-0
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #301 em: Agosto 31, 2019, 08:43:20 am »
Relacionado com o último post, bastante interessante diga-se, um trabalho acerca do que hoje é impensável... Conflito militar na fronteira norte dos EUA..

Defence of the Undefended Border: Planning for War in North America, 1867-1939
De Richard Arthur Preston

https://en.m.wikipedia.org/wiki/War_Plan_Red

 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15580
  • Recebeu: 1217 vez(es)
  • Enviou: 1141 vez(es)
  • +197/-184
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #302 em: Novembro 02, 2019, 03:10:36 pm »
“Se Trump não ganhar, pode acabar na prisão”


Alex Wong/ Getty Images

Cargos por ocupar, falta de competências e conflitos de interesse. Uma mistura de negligência com sabotagem deliberada. É assim que Donald Trump tem gerido o governo federal. O Quinto Risco, o novo livro de Michael Lewis, um dos mais conceituados escritores de não-ficção norte- americanos, deixa-nos um retrato aterrador. A VISÃO entrevistou-o

Nuno Aguiar


O medo de Donald Trump tem quase sempre que ver com aquilo que propõe (“construam o muro!”), com aquilo que diz (“há boas pessoas de ambos os lados”, referindo-se a neonazis) ou com os escândalos em que se envolve (“grab them by the pussy”). Mas talvez a sua principal marca esteja a passar-nos despercebida: a forma displicente como gere o dia a dia do Governo norte-americano. O jornalista Michael Lewis, autor de Moneyball e de A Queda de Wall Street, mergulhou nalguns dos departamentos mais importantes do governo federal e o que encontrou deixou-o aterrorizado. Após a vitória eleitoral, Trump não tinha equipas preparadas para ocupar posições cruciais na energia, no comércio e na agricultura. As pessoas acabariam por chegar a conta-gotas, mas algumas não conheciam as áreas pelas quais seriam responsáveis, outras estavam mais preocupadas em impedir referências a alterações climáticas e havia ainda aquelas que tinham interesses financeiros diretos na área que deviam gerir. Em causa estão questões tão essenciais como a segurança nuclear do país, a proteção face a desastres naturais e o combate à pobreza. “Algumas das coisas com que o novo Presidente deve preocupar-se são rápidas: pandemias, furacões, ataques terroristas. No entanto, a maioria dos riscos não pertence a este tipo de ameaças. A maioria é como bombas com rastilhos compridos”, escreve Lewis em O Quinto Risco (editado pela Presença). A VISÃO entrevistou-o por telefone, sobre o legado de Trump no Governo dos EUA.

Ao ler o livro, fiquei um pouco assustado com aquilo que descreve. Enquanto ia descobrindo o que estava a acontecer, também ficou com medo?
Sim. Mas à medida que aprendemos sobre algo, aliviamos os nossos medos, portanto o mais aterrador para mim são as coisas sobre as quais não escrevi. Estou mais preocupado com aquilo que não sei, porque se esta negligência e este ataque institucional existem em todo o governo… Haverá uma história interessante a escrever quando Donald Trump sair e entrar alguém que se preocupe, porque aquilo que está a acontecer não tem precedentes.

Os críticos de Trump costumam focar-se na dimensão ideológica do Presidente, mas o seu livro concentra-se na vertente mais prática, a da governação. Esse lado acaba por ser mais perigoso?
Sim, é mais eficaz, porque ninguém está a olhar para ele. Se pensar no governo norte-americano como uma entidade responsável por gerir vários riscos – e que até o faz bem, se o deixar em paz –, miná-lo por dentro exacerba esses riscos. Do lado ideológico e partidário, existem travões àquilo que Trump é capaz de fazer. Os tribunais já o travaram, o Congresso pode travá-lo… Mas dentro do governo federal, nesse lado da gestão, não existe quem possa travá-lo. É engraçado que, antes da última eleição, eu dizia que não deviam ser apenas os norte-americanos a votar no Presidente, porque vocês em Portugal têm tanta exposição como eu às coisas horríveis que podem acontecer
se o meu governo fizer porcaria.

O desinvestimento na Ciência, por exemplo?
Exato. O mundo depende do governo norte-americano para o investimento de longo prazo em Investigação e Desenvolvimento. Portugal também depende, de certa forma, do arsenal nuclear norte-americano e não se consegue prever o estado do tempo na Europa sem bons dados meteorológicos dos EUA. Trump percebeu que, qualquer problema que crie por não gerir ou gerir mal o governo, terá consequências no longo prazo, quando ele já estiver morto.

Estamos a assistir a casos de incompetência ou a tentativas deliberadas de sabotar o Governo?
Estão a acontecer três coisas diferentes. A primeira é simplesmente incompetência e indiferença. Trump não quer saber. E isso vê-se ao colocar certas pessoas em certos cargos, como Rick Perry à frente do Departamento da Energia [que Perry assumiu que queria eliminar]. A segunda é que existe muita gente com interesses financeiros naquilo que o Governo faz e, quando se tem um Presidente com tão pouco interesse na missão pública, essas pessoas aparecem aos magotes, porque sabem que podem usar este momento para servir os seus interesses. Isso vê-se no serviço meteorológico. Ele pôs à frente da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) uma pessoa que lidera uma empresa que tem interesse em tornar esses serviços privados. A terceira é a existência de uma corrente libertária, que acredita que deve haver muito pouco governo. São poucos, mas influentes. Vê essa corrente em pessoas como Peter Thiel [cofundador do PayPal], na The Heritage Foundation… A visão deles é a de um governo que prejudica as pessoas. Se explicar os problemas a Donald Trump, ele dirá que têm de ser resolvidos. Mas ele passa o dia a ver a Fox News e a responder ao ciclo noticioso.

De onde vem esse preconceito em relação ao setor público?
A primeira pessoa eleita com ataques ao governo foi Ronald Reagan. Foi aí que se percebeu que havia mercado para isso. Mas sempre houve uma dimensão antigoverno nos EUA. Grande parte tem que ver com a complexidade da sociedade e com a dimensão do país. As pessoas não percebem o que o governo faz. Essa ignorância significa que existe um mercado para o comentário negativo. Se for a pequenas cidades norte-americanas, elas não existiriam sem o governo federal. Não teriam escolas, hospitais, bombeiros… Mas se falar com as pessoas, dizem-lhe que o governo é o inimigo. Não fazem ideia de que é a infraestrutura das suas vidas. É o que acontece quando o governo está a milhares de quilómetros de distância.

Fala-se da Solyndra, mas não se fala da Tesla.
Exato. Existe um mercado para as notícias sobre a Solyndra, mas não para o facto de a Tesla ter sido apoiada pelo Governo.

Pergunta isto a várias pessoas que entrevista. Agora pergunto-lhe eu: de todos os riscos que identifica, qual é o que mais o preocupa?
Diria duas coisas. A primeira é que já existe uma narrativa que diz que o governo é incompetente e que tudo aquilo em que se envolve é mau. Quando colocamos alguém incompetente a liderá-lo, essa narrativa vai reforçar-se. Temo que estejamos a cair neste círculo vicioso, em que se tornará impossível confiar no governo. O problema é que há coisas que apenas o setor público pode fazer. O risco específico que me preocupa mais é provavelmente o ataque à Ciência. Há tanta Ciência que o setor público financia e que o privado não apoia que me preocupa que estejamos a perder essa capacidade, que daqui a 30 anos tenhamos um clima a ferver e que não sejamos capazes de cultivar alimentos. Mas existem tantos riscos para escolher! [Risos.] Eu não estou despreocupado com a possibilidade de uma bomba nuclear explodir acidentalmente. Isso é possível. Acho que é totalmente possível que o sistema de meteorologia perca a capacidade de comunicar com o povo norte-americano. Em relação ao setor financeiro, acho possível que Trump desencadeie sozinho uma crise. Para a resolver, seria preciso um governo no qual as pessoas confiassem.

É um exagero dizer que o governo federal está a ser destruído por dentro?
Não é um exagero. O governo é que é muito grande… É como pegar num martelo para partir um camião gigante. Demora algum tempo, mas eventualmente vai destruí-lo. Nesta altura, ele já tem algumas amolgadelas e [Trump] continua a bater.

A história que conta no prólogo sugere que Trump não queria ser Presidente.
É verdade que todas as pessoas próximas dele, incluindo ele próprio, não esperavam que pudesse vencer as eleições. Era um exercício inteligente de marketing. Essa é a única forma de explicar o seu comportamento até à vitória, como o facto de não se ter preparado para governar. Para quê preparar-te se achavas que nunca irias ganhar? Foi apanhado de surpresa. Outra questão é se ele queria ganhar. Não sei a resposta. Se dissessem a Trump que ele podia ganhar, talvez ele tivesse pensado melhor acerca das suas declarações de impostos, por exemplo. Atualmente, parece-me claro que ele quer ganhar. Parece desesperado por ficar na administração. Ficar é a única forma de controlar o seu destino. Se não ganhar, pode acabar na prisão. Tornou-se uma questão de sobrevivência pessoal. Foi amaldiçoado e tem de continuar a vencer para não ficar em apuros.

Desde que terminou de escrever o livro [no final de 2018], houve algum progresso?
Não, só tem piorado! Ainda agora, um ótimo exemplo de como é importante quem detém certos cargos é esta crise sobre a Ucrânia. Trump queria colocar como diretor dos Serviços Nacionais de Informação um ideólogo do Texas: o Congresso não deixou. Portanto, foi lá posto um tipo que ainda não está confirmado e até tem sido muito honesto. Se Trump tivesse colocado lá quem queria, nós nem saberíamos disto. Se andar pelos departamentos, percebe que as vagas não são preenchidas, que os funcionários públicos estão a reformar-se a um ritmo veloz, que não existe direção de cima e que, em muitos sítios, ainda estão a operar com as instruções da Administração Obama, porque ninguém lhes disse o que fazer.

A crise na Ucrânia também nos faz regressar ao debate acerca de incompetência vs. ação deliberada, certo?
Sim. Estão relacionados. Se quiser fazer algo sinistro na Ucrânia, é mais fácil se remover toda a gente do Departamento de Estado ou dos serviços de informação. Eliminar a especialização e quem está a tentar fazer um bom trabalho torna mais fácil fazer coisas más.

Este caso com a Ucrânia vai prejudicar Trump? Ele já sobreviveu a muito.
Parece um filme de terror, não é? Pensamos que a criatura assustadora está morta, mas abrimos o armário e ela está lá com um machado. Há muito tempo que desisti de tentar descobrir o que vai mandar abaixo Donald Trump. Acho que ele tinha razão quando dizia que podia disparar sobre alguém na 5ª Avenida e continuar a ser Presidente. A nossa sociedade está tão polarizada que os seus apoiantes mais fiéis não vão abandoná-lo. Com esse apoio, ele é assustador para os republicanos no Congresso, porque pode arruinar as suas carreiras. Não vejo como isto [crise da Ucrânia] pode acabar com ele a ser afastado.

Pode sair mais forte?
Acho que não. Aquilo que torna este caso diferente dos outros é que é muito claro e persuasivo. Ninguém diz: “Ah! Trump nunca faria isso.” Toda a gente sabe, mesmo os seus apoiantes, que é assim que ele atua. Como envolve estrangeiros e uma tentativa de interferir nas eleições norte-americanas, o caso vai criar uma dissonância cognitiva no seu eleitorado, que gosta de agitar a bandeira dos EUA. Ainda agora passei uma semana no Dakota do Sul. Há cartazes de Trump e bandeiras norte-americanas por todo o lado. São muito patriotas. Se colocar na cabeça deles a ideia de que o tipo que eles apoiam está a conspirar com ucranianos para interferir nas eleições norte-americanas, isso não será bom. Podem racionalizar ou pô-lo de lado, mas vão questionar-se. A ideia de traição é importante para aquelas pessoas.

Esta questão acerca do filho e Joe Biden será o novo “emails da Clinton”?
[Risos.] Quando olham para os EUA, os portugueses acham que isto é uma loucura, não é?

Também temos casos próximos de confusão política. Neste momento, apostaria na reeleição de Trump?
Apostaria contra ele. Embora seja verdade que 35% do país está com ele, aconteça o que acontecer, metade está contra ele, aconteça o que acontecer. A hostilidade é tal que não creio que ele consiga recuperar. Sei que parece uma coisa estúpida de se dizer, porque as pessoas têm apostado há muito tempo contra ele, mas acho que está em apuros.

Barack Obama comprou os direitos do seu livro para fazer um documentário para a Netflix. Já está mais do que habituado a este tipo de adaptações, mas esta é especial, não?
É diferente, por vários motivos. Quando escrevi sobre ele [Obama] para a Vanity Fair há uns cinco anos, fiquei a conhecê-lo relativamente bem. Como gosto dele, fico contente por entrar no mundo do entretenimento, porque acho que ele será muito bom. Da minha perspetiva, aquilo que quero saber quando vendo estes livros para adaptação é se [o filme] vai ou não ser feito. E, como Obama quer muito fazê-lo, vai ser feito. Os meus outros livros foram adaptados a filmes, este será um documentário de oito ou dez partes. Nesse sentido, é menos glamoroso, não vai ter estrelas de cinema.

Brad Pitt não vai entrar neste.
Sim, o Brad Pitt não vai fazer de Rick Perry. Mas pode ter efeitos. Quando comecei a explicar às pessoas o que o governo faz, elas ficaram interessadas. Trump tornou tudo possível, até um reforjar da ligação entre os norte-americanos e o governo, por sentirem que Trump é uma ameaça tão grande. Um dos motivos para as coisas estarem como estão é o facto de as pessoas serem ignorantes. Achavam que não precisavam de saber como as coisas funcionam porque elas funcionaram sempre mais ou menos bem. É como voltar a apaixonar-se pela sua mulher quando ela fica doente. Passa a apreciar algo que está em risco de desaparecer.

Alguma vez ficou chateado com a forma como um livro seu foi adaptado?
Não. Quando vi pela primeira vez Um Sonho Possível, percebi que estava a congratular-me por aquilo de que gostava e a culpar o realizador por aquilo de que não gostava. Assim que percebi o que estava a fazer, parei. Tive uma sorte incrível com a qualidade dos filmes. Foram nomeados para Oscars, foram vistos por muitas pessoas… Portanto, não posso queixar-me.

Além dos livros, este ano decidiu fazer um podcast chamado Against the Rules, sobre a falência dos árbitros na sociedade norte-americana. Dos média e do desporto à arte e ao setor financeiro – essa degradação também ajuda a explicar a ascensão de Donald Trump?
O declínio do árbitro é também um declínio da confiança na sociedade. Se for forte, o árbitro é uma fonte de confiança, leva as pessoas a pensarem que o jogo “foi justo”. Mas as pessoas sentem que hoje o jogo não é justo e a sua incapacidade de aceitar qualquer tipo de árbitro torna Donald Trump possível. Aquilo que ele explora é um ambiente de desconfiança. Toda a sua vida foi vivida sem confiar em ninguém. Pessoas que sentem estar a ser vítimas de muitas decisões erradas respondem à sua mensagem. As duas coisas estão muito relacionadas.

http://visao.sapo.pt/actualidade/mundo/2019-11-02-Se-Trump-nao-ganhar-pode-acabar-na-prisao
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW, Viajante

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15580
  • Recebeu: 1217 vez(es)
  • Enviou: 1141 vez(es)
  • +197/-184
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #303 em: Novembro 16, 2019, 02:31:48 pm »
Trump Restores Rank to SEAL, Grants Clemency for Soldiers in War Zone Crimes Cases


From left: Maj. Matthew Golsteyn, pictured in a 2011 photo as a captain; Navy Special Operations Chief Edward Gallagher, walking into his trial, June 18, 2019; Army 1st Lt. Clint Lorance. (Photo Credits from left: The Fayetteville Observer via AP; Associated Press; Courtesy photo via Free Clint campaign)

15 Nov 2019

President Trump has granted a full pardon to two soldiers who faced murder charges in war zone deaths, and reinstated the chief petty officer rank of a Navy SEAL convicted of posing with a dead detainee.

In a statement released Friday by White House Press Secretary Stephanie Grisham, Trump announced that former Army 1st Lt. Clint Lorance and Maj. Matt Golsteyn would receive Executive Clemency, or a presidential pardon.

Lorance is more than six years into a 19-year sentence received after being found guilty of ordering soldiers to fire on three men on a motorcycle during a 2012 patrol in Afghanistan. Golsteyn faced a February 2020 court-martial, accused of murder in connection with the killing of a suspected Afghan bomb-maker in 2010.

SEAL Eddie Gallagher was acquitted in July of killing a captive ISIS fighter, but found guilty of taking improper war zone photos and demoted to petty officer 1st class. Trump has ordered his reinstatement to chief.

"The President, as Commander-in-Chief, is ultimately responsible for ensuring that the law is enforced and when appropriate, that mercy is granted," Grisham said in the White House statement. "For more than two hundred years, presidents have used their authority to offer second chances to deserving individuals, including those in uniform who have served our country. These actions are in keeping with this long history. As the President has stated, 'when our soldiers have to fight for our country, I want to give them the confidence to fight.'"

Trump's Friday announcement had been expected for more than a week; Fox News personality Pete Hegseth, an Army veteran, announced in early November that Trump planned to intervene on behalf of the men.

Golsteyn's attorney, Phil Stackhouse, said in a statement that Trump had called the major directly and spoken with him for several minutes to share the news of the pardon.

"Our family is profoundly grateful for the President's action," Golsteyn said in a statement. "We have lived in constant fear of this runaway prosecution. Thanks to President Trump, we now have a chance to rebuild our family and lives. With time, I hope to regain my immense pride in having served in our military. In the meantime, we are so thankful for the support of family members, friends and supporters from around the nation, and our legal team."

Gallagher's attorney, Timothy Parlatore, said that both Trump and Vice President Mike Pence had called the SEAL to tell him the news of his promotion. Gallagher, Parlatore said, was excited and grateful for their intervention, although he said some things, like the peace of relative anonymity, could not be restored.

"Eddie Gallagher wasn't one of those SEALs you would expect to come out and write a book," Parlatore said. "He loved doing his job, he loved serving his country."

Parlatore said the restoration of chief's rank made a "tremendous difference" to Gallagher, not only in the value of retirement pension, but also in the prestige that comes with the rank. Gallagher has submitted retirement paperwork, and hopes to complete the retirement process by the end of the month.

"He's very grateful to be able to go into retirement as a chief," Parlatore said.

Lorance, who has been serving his sentence at the U.S. Disciplinary Barracks in Fort Leavenworth, Kansas, may be a free man as soon as tonight, his attorney, John Maher, told Military.com.

"The Lorance family is jubilant, as you can imagine, as are we," Maher said. "We think the pardon is wonderful. Right now arrangements are being made for the release of Lt. Lorance, and we will receive him in the dark. It’s looking like that."

While Golsteyn and Lorance now face no legal action, pardons do not wipe their records clean. Attorneys for both men had previously said they wanted Trump to assume authority over the cases in order to disapprove sentence and charges, which would allow them to retain military and veteran benefits to which they were entitled.

John Maher said Lorance's record will still reflect his dismissal -- the officer equivalent of a dishonorable discharge. He indicated they planned to petition the U.S. Army Board for Correction of Military Records to upgrade Lorance's discharge status.

"This is uncharted waters, because not too many folks get a presidential pardon," he said.

The statement from the White House noted that many have advocated on behalf of the three men accused of war zone crimes and misbehavior.

Some 124,000 signed a White House petition on behalf of Lorance, and 20 legislators have requested clemency for him, the statement noted. Lorance's sentence was upheld by the Army Court of Criminal Appeals in 2017 despite attorney arguments that one or more of the men on the motorcycle had links to prior attacks on U.S. troops. The case, however, was set to be reviewed once more by a civilian federal court.

Golsteyn's case was originally resolved administratively by the Army as amounting to conduct unbecoming an officer rather than murder. He was recalled to active duty in 2018 by U.S. Army Special Operations Command after it found sufficient evidence existed to charge him. Golsteyn admitted to killing the Afghan man in Marjah, but has maintained it was part of combat operations.

"After nearly a decade-long inquiry and multiple investigations, a swift resolution to the case of Major Golsteyn is in the interests of justice," the White House announcement stated. "Clemency for Major Golsteyn has broad support, including from Representatives Louie Gohmert, Duncan Hunter, Mike Johnson, Ralph Abraham, and Clay Higgins, American author and Marine combat veteran Bing West, and Army combat veteran Pete Hegseth."

While some have called all three of these cases extraordinary -- and government and prosecutorial misconduct has been alleged at various points in each -- others have alleged Trump's intervention in the workings of military justice sets a troubling precedent.

"He is legally allowed to do this; he has the constitutional authority to pardon whomever he wants. So, at the end of the day, this is not a legal issue; this is a moral issue," Rachel VanLandingham, a professor at Southwestern Law School in Los Angeles, told Military.com earlier this month.

"Trump is breaking his bond trust with the rest of those military members that have to live by those rules. ... He is destroying the difference between us and ISIS; he is destroying the difference between our troops and al-Qaida, between our troops and all of those extremist, anarchist groups that believe anything goes in war."

-- Hope Hodge Seck can be reached at hope.seck@military.com. Follow her on Twitter at @HopeSeck.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15580
  • Recebeu: 1217 vez(es)
  • Enviou: 1141 vez(es)
  • +197/-184
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #304 em: Dezembro 04, 2019, 03:50:02 pm »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 15580
  • Recebeu: 1217 vez(es)
  • Enviou: 1141 vez(es)
  • +197/-184
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #305 em: Dezembro 05, 2019, 12:08:49 pm »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 8931
  • Recebeu: 754 vez(es)
  • Enviou: 1254 vez(es)
  • +683/-630
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #306 em: Dezembro 05, 2019, 07:18:47 pm »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 8204
  • Recebeu: 902 vez(es)
  • Enviou: 1060 vez(es)
  • +127/-43
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #307 em: Dezembro 05, 2019, 07:31:54 pm »
Penso que num comentário do Paulo Portas na TVI, ele colocou gráficos em que se vê que o PIB da Ásia (não é só a China, tem Japão, Coreia do Sul, etc), equivale a cerca de 50% do PIB mundial, e que as trocas comerciais (importações e exportações) da Ásia, já são superiores à dos EUA e Europa juntas.

O quê se percebe nesses gráficos, é que a ultrapassagem foi entre 1990 e 2000.

Agora é lá está o dinheiro.
« Última modificação: Dezembro 05, 2019, 07:33:53 pm por Lightning »
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 2893
  • Recebeu: 634 vez(es)
  • Enviou: 135 vez(es)
  • +136/-52
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #308 em: Dezembro 06, 2019, 12:56:53 am »
É o que dá ter praticamente todo o tipo de produtos, usados no dia-a-dia por esse mundo fora, a ser feito por aqueles lados. Mão de obra barata e produção em massa tem os seus benefícios.
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1841
  • Recebeu: 702 vez(es)
  • Enviou: 313 vez(es)
  • +568/-21
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #309 em: Dezembro 06, 2019, 10:23:53 am »
Também já referi isso aqui algures. A China pode não ser a maior potência militar à face da terra, mas a imensa riqueza e poder que está a acumular apontam para ser a maior superpotência à face da terra!

Este link mostra o PIB gerado por país em 2018 e a China já lidera muito destacada de qualquer país ou bloco:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses_por_PIB_(Paridade_do_Poder_de_Compra)

O Japão que era à uns anos a 3ª maior economia do mundo, se considerarmos a EU como um bloco, já vai em 5º lugar e a produzir metade da riqueza da Índia que está em 4º lugar!!!!!!

A crise que o ocidente está a sofrer desde o final da década passada (EUA e Europa), não é mais do que o resultado da nossa triste decisão de deslocalizar a produção industrial dos EUA e Europa para a Ásia e principalmente para a China, porque lá é tudo mais barato e a indústria polui muito. O reverso da medalha é que os ocidentais não percebem porque estão a empobrecer, ou porque é que os seus salários não aumentam. Não aumentam porque quase tudo o que exige produção industrial é feito na Ásia.

Nenhum país enriquece só com a agricultura ou serviços, porque é a indústria quem tem de longe maiores índices de criação de riqueza. Não é com o turismo a pagar salários mínimos e a ocupar meio ano, ou a pagar os salários mínimos como empregado de balcão ou a pagar salários mínimos na agricultura que um país enriquece. Vejam por exemplo os salários que paga uma indústria com alguma dimensão, como por exemplo a Vulcano, Autoeuropa, PSA, Bosch, Siemens, o salário de um quadro superior destas empresas a funcionarem em Portugal, deixa envergonhado um funcionário público que esteja no topo de carreira. Então a Gestão de Topo tem salários de várias vezes o do Presidente da República!!!!!!

Mas enquanto isso e enquanto a nossa preocupação for apenas o ambiente, sem criarmos riqueza e que até compramos tudo vindo da Ásia e sabe-se lá em que condições e que poluição produziu para termos esses produtos, passando pelas miseráveis condições de trabalho. E enquanto quisermos apenas taxar as empresas e os empresários, esses malandros que querem enriquecer……. A China comunista, pragmaticamente recebe essas empresas de braços abertos e que abre uma auto-estrada (nova rota da Seda), para colocar os produtos na Europa quase sem pagarem impostos nenhuns e nós achamos bem e concordamos com isso!!!!!!! Somos uns visionários!!!!!!!!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, P44

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 8931
  • Recebeu: 754 vez(es)
  • Enviou: 1254 vez(es)
  • +683/-630
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #310 em: Dezembro 06, 2019, 10:27:58 am »
A globalização foi o prego final
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

LM

  • Especialista
  • ****
  • 1180
  • Recebeu: 220 vez(es)
  • Enviou: 1073 vez(es)
  • +193/-6
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #311 em: Dezembro 27, 2019, 05:39:22 pm »
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11443
  • Recebeu: 412 vez(es)
  • Enviou: 230 vez(es)
  • +70/-59
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #312 em: Janeiro 21, 2020, 12:18:17 pm »
Manifestantes pró-armas saem à rua na Virgínia


 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 9245
  • Recebeu: 1028 vez(es)
  • Enviou: 1990 vez(es)
  • +140/-46
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #313 em: Janeiro 21, 2020, 07:43:28 pm »
Não será permitido comprar mais que uma arma por mês!!!!
Isto é surreal...  Gosto muito de armas e não tenho nada contra mas este pessoal tem problemas psicológicos...
E se as medidas principais forem aquelas três não vejo problema nenhum.
Isto é mais negócio que outra coisa...
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 8931
  • Recebeu: 754 vez(es)
  • Enviou: 1254 vez(es)
  • +683/-630
Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
« Responder #314 em: Fevereiro 13, 2020, 10:12:12 am »
Military Capabilities
Manila to terminate Visiting Forces Agreement with Washington

Gabriel Dominguez, London - Jane's Defence Weekly
12 February 2020


The Philippine government announced on 11 February that it has signed a notice of termination for the Visiting Forces Agreement (VFA) with the United States that came into force in May 1999.

Philippine Foreign Affairs Secretary Teodoro Locsin Jr, who signed the document on the order of President Rodrigo Duterte, announced via Twitter that the Deputy Chief of Mission of the Embassy of the United States in Manila, John Law, had received the notice.

During a press briefing held that same day Presidential Spokesperson Salvador Panelo said that Manila's unilateral move means that the VFA, which, among other things, exempts US forces and personnel from passport and visa regulations and allows them to use their driving permits and licenses in the Philippines, will effectively end in 180 days.

https://www.janes.com/article/94265/manila-to-terminate-visiting-forces-agreement-with-washington
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

 

Coreia do Norte prepara-se para testar nova arma

Iniciado por Ricardo Nunes

Respostas: 15
Visualizações: 4917
Última mensagem Maio 09, 2004, 01:22:03 pm
por Luso
Israel aponta as suas ogivas nucleares para a Europa

Iniciado por casimir

Respostas: 3
Visualizações: 2224
Última mensagem Março 26, 2010, 11:34:41 am
por Duarte
Espanha: 8500 novas vagas para militares

Iniciado por Lancero

Respostas: 0
Visualizações: 1356
Última mensagem Fevereiro 03, 2006, 03:14:31 pm
por Lancero
Irão apoia Bush para a Presidência

Iniciado por JNSA

Respostas: 0
Visualizações: 1442
Última mensagem Outubro 20, 2004, 11:17:14 am
por JNSA
América Latina: caminho para a guerra?

Iniciado por cromwell

Respostas: 6
Visualizações: 2265
Última mensagem Agosto 22, 2009, 11:02:32 am
por Cabeça de Martelo