ForumDefesa.com

Geopolítica-Geoestratégia-Política de Defesa => Mundo => Tópico iniciado por: JNSA em Janeiro 27, 2005, 10:38:23 am

Título: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: JNSA em Janeiro 27, 2005, 10:38:23 am
Citar
Financial Times, 25 January 2005

How the U.S. Became the World's Dispensable Nation

by Michael Lind

In a second inaugural address tinged with evangelical zeal, George W. Bush declared: "Today, America speaks anew to the peoples of the world." The peoples of the world, however, do not seem to be listening. A new world order is indeed emerging - but its architecture is being drafted in Asia and Europe, at meetings to which Americans have not been invited.

Consider Asean Plus Three (APT), which unites the member countries of the Association of Southeast Asia Nations with China, Japan and South Korea. This group has the potential to be the world's largest trade bloc, dwarfing the European Union and North American Free Trade Association. The deepening ties of the APT member states represent a major diplomatic defeat for the US, which hoped to use the Asia-Pacific Economic Co-operation forum to limit the growth of Asian economic regionalism at American expense. In the same way, recent moves by South American countries to bolster an economic community represent a clear rejection of US aims to dominate a western-hemisphere free trade zone.

Consider, as well, the EU's rapid progress toward military independence. American protests failed to prevent the EU establishing its own military planning agency, independent of the Nato alliance (and thus of Washington). Europe is building up its own rapid reaction force. And despite US resistance, the EU is developing Galileo, its own satellite network, which will break the monopoly of the US global positioning satellite system.

The participation of China in Europe's Galileo project has alarmed the US military. But China shares an interest with other aspiring space powers in preventing American control of space for military and commercial uses. Even while collaborating with Europe on Galileo, China is partnering Brazil to launch satellites. And in an unprecedented move, China recently agreed to host Russian forces for joint Russo-Chinese military exercises.

The US is being sidelined even in the area that Mr Bush identified in last week's address as America's mission: the promotion of democracy and human rights. The EU has devoted far more resources to consolidating democracy in post-communist Europe than has the US. By contrast, under Mr Bush, the US hypocritically uses the promotion of democracy as the rationale for campaigns against states it opposes for strategic reasons. Washington denounces tyranny in Iran but tolerates it in Pakistan. In Iraq, the goal of democratisation was invoked only after the invasion, which was justified earlier by claims that Saddam Hussein had weapons of mass destruction and was collaborating with al-Qaeda.

Nor is American democracy a shining example to mankind. The present one-party rule in the US has been produced in part by the artificial redrawing of political districts to favour Republicans, reinforcing the domination of money in American politics. America's judges -- many of whom will be appointed by Mr Bush -- increasingly behave as partisan political activists in black robes. America's antiquated winner-take-all electoral system has been abandoned by most other democracies for more inclusive versions of proportional representation.

In other areas of global moral and institutional reform, the US today is a follower rather than a leader. Human rights? Europe has banned the death penalty and torture, while the US is a leading practitioner of execution. Under Mr Bush, the US has constructed an international military gulag in which the torture of suspects has frequently occurred. The international rule of law? For generations, promoting international law in collaboration with other nations was a US goal. But the neoconservatives who dominate Washington today mock the very idea of international law. The next US attorney general will be the White House counsel who scorned the Geneva Conventions as obsolete.

A decade ago, American triumphalists mocked those who argued that the world was becoming multipolar, rather than unipolar. Where was the evidence of balancing against the US, they asked. Today the evidence of foreign co-operation to reduce American primacy is everywhere -- from the increasing importance of regional trade blocs that exclude the US to international space projects and military exercises in which the US is conspicuous by its absence.

It is true that the US remains the only country capable of projecting military power throughout the world. But unipolarity in the military sphere, narrowly defined, is not preventing the rapid development of multipolarity in the geopolitical and economic arenas -- far from it. And the other great powers are content to let the US waste blood and treasure on its doomed attempt to recreate the post-first world war British imperium in the Middle East.

That the rest of the world is building institutions and alliances that shut out the US should come as no surprise. The view that American leaders can be trusted to use a monopoly of military and economic power for the good of humanity has never been widely shared outside of the US. The trend toward multipolarity has probably been accelerated by the truculent unilateralism of the Bush administration, whose motto seems to be that of the Hollywood mogul: "Include me out."

In recent memory, nothing could be done without the US. Today, however, practically all new international institution-building of any long-term importance in global diplomacy and trade occurs without American participation.

In 1998 Madeleine Albright, then US secretary of state, said of the U.S.: "We are the indispensable nation." By backfiring, the unilateralism of Mr Bush has proven her wrong. The US, it turns out, is a dispensable nation.

Europe, China, Russia, Latin America and other regions and nations are quietly taking measures whose effect if not sole purpose will be to cut America down to size.

Ironically, the US, having won the cold war, is adopting the strategy that led the Soviet Union to lose it: hoping that raw military power will be sufficient to intimidate other great powers alienated by its belligerence. To compound the irony, these other great powers are drafting the blueprints for new international institutions and alliances. That is what the US did during and after the second world war.

But that was a different America, led by wise and constructive statesmen like Dean Acheson, the secretary of state who wrote of being "present at the creation." The bullying approach of the Bush administration has ensured that the US will not be invited to take part in designing the international architecture of Europe and Asia in the 21st century. This time, the US is absent at the creation.

The writer is senior fellow at the New America Foundation in Washington, DC


fonte: http://fairuse.1accesshost.com/news2/lind-ft.html

Muito bom artigo. Embora tenha algumas reservas em relação à componente económica, esta peça resume muito bem a evolução que a comunidade (ou talvez mais correctamente, sociedade) internacional tem sofrido nos últimos anos.
Título:
Enviado por: JLRC em Janeiro 27, 2005, 12:24:33 pm
Excelente artigo, JNSA. :Palmas:
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: CC em Abril 12, 2005, 10:16:43 pm
World Conquest : The Heartland Theory of Halford J. Mackinder
by MR Ronald Hee

Born in 1861, the eminent lecturer and British MP, Halford J. Mackinder, was a geographer by training. In 1904, he wrote an article that changed how politicians and military men viewed the world. It was a perception that influenced Hitler to send his panzers east against Soviet Russia. It was a perception that, only recently, with the sudden collapse of the Soviet Union and the end of the Cold War, had seemed all too relevant, relevant enough to be part of the intellectual underpinnings for superpower foreign policy. The theory that had so influenced nearly three generations of strategists was called simply, the Heartland Theory.

In a nutshell, Mackinder saw history as a struggle between land-based and sea-based powers. He saw that the world had become a "closed" system, with no new lands left for the Europeans powers to discover, to conquer, and to fight over without affecting events elsewhere. Sea and land-based powers would then struggle for dominance of the world, and the victor would be in a position to set up a world empire.

The determining factor in this struggle was geography; "Man and not nature initiates, but nature in large measure controls".1 The geographical features of the globe, in large measure, is seen as defining the nature of this world struggle, defining the opposing sides, and defining the areas of conflict. Defeat and victory would hinge on the "pivot-state"; the state in control of the "heartland" of the "world-island".

The "world-island" is the landmass of Euro-Asia-Africa. The control of this landmass by any one state would enable it to organise overwhelming human and material resources, to the detriment of the rest of the world. As the "heartland" of this landmass was inaccessible to attacks from sea-based powers, this organisation could take place largely unimpeded.

Once this organisation was underway, victory would be all but inevitable, even if all the sea--based powers were to unite against this "pivot-state". In time, this "pivot-state" would reach open waters, and, with the resources of the "world island" behind it, it would be unstoppable; "the oversetting of the balance of power in favour of the pivot state, resulting in its expansion over the marginal lands of Euro-Asia, would permit of the use of vast continental resources for fleet-building, and the empire of the world would then be in sight".2

A look at Map I perhaps illustrates matters more clearly. 'What Mackinder called in 1904 the "pivot area", he subsequently called the "heartland" by 1919. The "heart" of Mackinder's theory is contained in a famous and succinct dictum:

Who rules Eastern Europe commands the Heartland;

Who rules the Heartland commands the World-Island'

Who rules the World-Island commands the World

In practical terms, this dictum points to a struggle for the control of Eastern Europe (including European Russia) by the land powers. The sea powers would then have to fight the victor to prevent control of the Euro-Asian-African landmass and ultimately the world. At the height of World War II, a good 40 years after this dictum was first coined, it was said that "there is no escape from the logic of this conclusion and it is the most powerful, practical argument for intelligent international organisation that could be presented".4

In retrospect, it might be argued that, during the Napoleonic Wars, Napoleon had nearly succeeded in controlling this heartland, and the British were at times rather desperately raising coalition after coalition to thwart this control. Napoleon's Continental System aimed to unite Europe against England, closing off the continent from English trade. It can be argued farther, that Napoleon came to grief only after the breakdown of the Continental System and his disastrous fight against the other great land power of Europe, Tzarist Russia.

With the defeat of Napoleon, the paramount sea power, Britain, continued its struggle, now against the successor "pivot-state", Russia. Throughout what Kipling called "The Great Game" of 19th century diplomacy, Britain sought to keep Russia bottled up, by preventing access through China and Japan in the east, India in the south, and Turkey in the south-west, with her allies in Europe.

Writing in 1904 while his own British Empire was still the paramount sea power, Mackinder sought to warn that the game was changing, that, as Marxists were once so fond of pontificating, the "correlation of forces" was shifting. This change was being brought about not so much by the heartland's vast wealth and size, but due to technical changes mobilising these resources:

It was an unprecedented thing in the year 1900 that Britain should maintain a quarter of a million men in her war with the Boers at a distance of six thousand miles over the ocean; but it was as remarkable a feat for Russia to place an army of more than a quarter of a million men against the Japanese in Manchuria in 1904 at a distance of four thousand miles by rail. (italics mine)5

What Mackinder foresaw was that the traditional advantage of mobility enjoyed by the sea power, was now being met in equal measure by mobility on land, brought about by the railroad and by the motor vehicle. The British way of war, as explained by Mackinder's contemporary, Alfred T. Mahan, was to land relatively small bodies of troops at points of their choosing, to effect a strategic result. Victory was assured by the control of the seas.

Certainly the British way of war had resulted in one of the world's greatest empires - at its height, covering one quarter of the world's landmass - built at relatively low cost by a small island nation. But the rules were changing. As Mackinder foresaw, by World War I, the equal mobility of the land-based powers would mean bloody stalemates, and a draining of resources from the main effort; the failures at Dardanelles and Gallipoli are bloody examples.

During that war, Germany and her allies were not in undisputed control of Eastern Europe, thanks again to Russia. But what if they were? The history of the world might well have been very much different. In 1902, Mackinder had warned, "In the presence of vast Powers, broad based on the resources of half continents, Britain could not again become mistress of the seas...."6

It is the opinion of this writer that one of the greatest computer games ever designed is Civilization, by MicroProse, surpassed only by its sequel, Civilization II. In this game, the player matches his wits against other powers led by the likes of Genghis Khan, Julius Caesar and Mao Zedong, for control of the world, in a game spanning 6,000 years of human history, from the Stone Age to the Space Age, developing, along the way, all the technologies that make up the modern world. To play the game is to play geopolitics the way Mackinder saw it; to defeat all of one's rivals on the Euro-Asian-African landmass, would ensure victory, for the control of such vast resources meant that even an enemy in control of everything else on earth, could not hope to prevail. World conquest from either the Americas or Australia is, at best, difficult.

With the end of World War I, perhaps Mackinder's most enthusiastic followers could be found among the Germans. Karl Haushofer, another Mackinder contemporary, wrote and lectured widely on geopolitics, and is said to have influenced Hitler's thinking. Of Mackinder's theory, Haushofer exclaimed, "Never have I seen anything greater than these few pages of a geopolitical masterwork."7 For Haushofer, Hitler, and the Nazi leadership, the lessons of World War I were clear - Germany's salvation lay in the subjugation of lebensraum in eastern Europe and beyond, to be wrested from Soviet Russia; "dominate the Heartland, both for its strategic advantages and for its rich resources; then and only then could she match the Anglo-Saxon powers; all other policies, such as [a] ... naval challenge were wasteful and mistaken diversions".8

Mackinder hinted as much in 1904, that a union of the organised brain that was Germany, upon the vast, rich body that was Russia, would put that union in an unassailable position. With this in mind, the Russo-German Non-Aggression Pact of 1939 came as no surprise, nor did the subsequent carving up of Eastern Europe between the two land giants. Hitler had seen the Pact as a means to keep Russia at bay while he built his base in Europe. By 1941, he felt ready to attack Russia, an attack which also should have come as no surprise to a student of Mackinder; nor should Hitler's failure in the vastness of that country, just like Napoleon before him.

It is precisely such a juncture, whether by force or by agreement, that Mackinder sought to forestall in Democratic Ideals and Reality, written in 1919. "It is a vital necessity [for lasting peace]", he wrote, "that there should be a tier of independent states between Germany and Russia".9 If these states remained viable, he reasoned, then Eastern Europe would be broken up, denying Germany, Russia, or any other power, dominance. But this viability, he warned, depended on the cooperation of the sea-based powers.

Written specifically to influence the politicians re-drawing the map of Europe at Versailles, Mackinder was partially successful. It was these sea-based powers that had made these Eastern European states possible after World War I. And it was these sea-based powers' failure to support these states in the 1930s, that led to the dominance of the region by one power, and, in the end, very nearly the creation of the heartland power - Nazi Germany -Mackinder warned of.

Fortunately for the sea-based powers, the two land behemoths of Nazi-controlled Europe, and communist-controlled Russia went for each other throats, instead of keeping a united front against the Anglo-Americans. Despite what the sea-based powers may claim, it was in this clash of titans that Germany was defeated; "the real stuffing was knocked out of the German army on its Eastern Front, where it suffered over four-fifths of its casualties..."10

With Nazi Germany so preoccupied, the sea-based powers could continue in their strategy of the periphery, successfully defeating the Germans in North Africa, landing commando and sabotage forces along the coasts of Europe, and keeping Russia in the fight with vital supplies sent by ship. The best example of the application of sea power was the Normandy landings of 1944. The landings gave the sea powers a short route to the heart of Germany, and the war ended just over a year after the landings. But in 1944 the landings were an extremely perilous undertaking; impossible if the Non-Aggression Pact had still been in force,11 and more likely, an invasion from Normandy across to Britain, had the Germans and Russians been active partners, or if either power had been defeated by the other.

Mention has been made of the sea power theories of Mahan. Of World War II, it has been said that "Mahanite methods were ineffectual against a power which had adopted a Mackinderite programme".12 Yet the theories of the two men are not as opposing as some believe. Boiled down to the bare essentials, the two theories are two sides of the same coin; "the chief difference between Mahan and Mackinder centred around the method of securing command over the world island".13 Mackinder saw Mahanite sea power as on the wane, and his warning of the rising strength of the land power gave rise to the containment school after World War II.

After World War II, the baton passed to a new sea power, from the fatally weakened British Empire, to the US. With Germany in ashes, the great land power rival once again became Russia. In 1943, while Russia had just started to gain the upper hand against the Nazis, Mackinder warned of the rise of Russia, as a land power for the first time, in control of both Eastern Europe as well as the heartland; "the conclusion is unavoidable that if the Soviet Union emerges from this war as conqueror of Germany, she must rank as the greatest land power on the globe," and the heartland "for the first time in history ...is manned by a garrison sufficient both in number and quality".14

Soviet Russia had to be "contained" within the heartland; the world island had to remain at least partially safe for democracy. Writing in 1962, Professor Pearce commented that with the "Cold War [being] waged by carefully limited land, sea and air forces in the peninsulas of the World Island, far from being outdated, [the Heartland Theory] appears to be more relevant than ever".15 Map II shows the American right-wing view of the world; an embattled sea-based Uncle Sam against the colossal land-based Russian Bear.

In the 1980's, Zbigniew Brzezinski, once the National Security Advisor under the Carter Administration, echoed the words of Mackinder; "Whoever controls Eurasia dominates the globe. If the Soviet Union captures the peripheries of this landmass ... it would not only win control of vast human, economic and military resources, but also gain access to the geostrategic approaches to the Western Hemisphere - the Atlantic and the Pacific...."16

Certainly such a Mackinderite view of the world continued under the neo-containment of the Reagan years, little changed since the 1950's:

Whether the underlying process is perceived in the grandiose form of Kissinger's geopolitical mechanics, the Nixon 'game plan' or an anti-Communist crusade, the prevailing American mental map [during the Reagan Administration] is a Mackinderesque projection divided between white and red camps with a contested field of pinkish green between. The image which sustains the insanity of nuclear deterrence is of a violently aggressive Russian heartland which must be held in check ... and other nations become mere dominoes in the hegemonic struggle....17

Yet, is control over such vast territories as the world island really possible?

A number of criticisms have been raised against Mackinder's theories, perhaps the most telling is nationalism. Writing in an era where national strength was determined by the extent of one's imperial possessions, how so vast an empire as the world island could be controlled and exploited over the long term, appeared to not have been taken fully into account. The explosion of nationalism after 194518 created a great many more nation-states than had existed before; the explosion of 1989-91 created several more in Eastern Europe and the former Soviet Union. Rather than falling under the sway of one power, the world island has been heading in the opposite direction. With the 20-20 vision of hindsight, it is easy to accuse the Cold War policy makers of such a Mackinderite fixation, that they failed to see that the "evil empire" had enough difficulties keeping its own nations in line, let alone its satellites in Eastern Europe, to seriously think of adding more nations under its control.

This fixation meant lost opportunities. This fixation saw the communists as a monolithic block, bent on following the Heartland Theory to its final conclusion. This fixation meant that the true nature of the Sino-Soviet split, leading to two rival communist powers in dispute of the heartland, remained unexplored and unexploited for 20 years, until Nixon's 1972 visit to China.

As far back as 1904, at the very first reading of the Heartland Theory, there was already criticism. It was pointed out then that both the ship and the rail were destined to lose in importance to air transport, and this would render the theory partly inoperable.19 In Mackinder's defence, it should be stated that air transport remains, today at least, at best an auxiliary means to project power. At best air transport can only bring the advance, key elements into a trouble spot. The bulk of the troops and supplies must come the usual way.

Against the numbers a land power could muster, the small forces that can be brought in by air, would be grossly insufficient. During the 1990-91 Gulf War, the early deployment of the 82nd Airborne to Saudi Arabia may or may not have saved that country from an Iraqi invasion. Certainly, in those early days, had Saddam Hussein chosen to do so, those few, brave men would have slowed down the Iraqi tank divisions about as much as a speed bump.

Perhaps the worst criticism that can be levelled at the Heartland Theory is that it is based on one view of the globe, for "policy is made in the minds of men; its contours may not concur with a true map of the world".20 See Map I and II and containment looked necessary against the Soviet Union. To see Map III, is to perhaps see the Russian view. The Soviet Union appears surrounded by enemies, and no way is the rodina (or heartland, as the case may be) secure from attack.

During the Malta summit of December 1989, a map similar to Map III may have been presented to President Bush by President Gorbachev. The map is said to show a Soviet Union surrounded by US bases and warships. Bush apparently retorted that the map showed the Soviet Union as a large, white, blob, with no indication of the vast military power contained therein. He concluded by offering a counter-map; "I'll get the CIA to do a map of how things look to us. Then weÕll compare and see whose is more accurate".21

While it remains true that "nature in large measure controls", just geography alone is a limited view of affairs among nations; "relations among states are governed by much more than the extent of their physical proximity.... The way the populations of these countries organise themselves, the resources available and their ability to exploit them, the nature of their beliefs, fears and aspirations still provide the basic raw material of international politics".22 If "man initiates", then it is up to men whether to seek dominance over others, and not the dictates of geography.

Perhaps the secure heartland itself, so vital to Mackinder's theories, has already ceased to exist. Mackinder himself defined "the heartland [as] the region to which, under modern conditions, sea power can be refused access...."23 Under "modern conditions", there is no spot on the Eurasian landmass that cannot be targeted by nuclear missiles fired from submarines; not to mention bombers and missiles flying from American bases. Further, the increasing reach, potency and accuracy of conventional weapons have to be taken into account, as demonstrated so graphically during the Gulf War.

It is with some irony that Mackinder was to pass away in 1947, the year many consider to be the start of the 50-year life-and-death playing out of the Heartland Theory, known as the Cold War. Is Mackinder still relevant today? Despite the vulnerability of the heartland, which, it must be added, will become vulnerable only in the event of all-out war, the evidence seems to suggest so.

The Soviet Union may be gone, but Russia and the Commonwealth of Independent States still remain. The collapse of the land-based superpower may only be temporary. Certainly much of the Soviet Union's military strength is still in place, albeit now split into many hands. It has been suggested that Russia, by letting go of Eastern Europe, had seen it as a liability, and intended that this liability be passed on to Western Europe, which, in turn, lulled into a false sense of security, would disband NATO.24 Perhaps.

Certainly, if Russia is able to get its act together, remove the last vestiges of Marxist dogma, and successfully reclothe itself in free market capitalism, then it might one day, again, become a superpower. And once again, the paramount sea power would be faced with a land power rival for the world. Kipling's "Great Game", now seemingly over, would begin anew in earnest.

Today, with little fanfare, the US is building up its influence and military presence in the Middle East despite a general draw-down in its military commitments and expenditure. Why? Oil is certainly a large part of the answer. But in geopolitical terms, perhaps it is also to ensure that these supplies do not become victim to a new land power aggressor, and to prevent that land power's access to the seas - just as Mackinder argued had to be done, and the British had carried out through the 19th Century. Perhaps Kipling's "Great Game" has not ended after all.

In the end, the basic argument of the Heartland Theory is still relevant; "the great geographical realities remain: land power versus sea power, heartland versus rimland, centre versus periphery.... Mackinder died but his ideas live on"


http://www.mindef.gov.sg/safti/pointer/back/journals/1998/Vol24_3/8.htm
Título:
Enviado por: Yosy em Abril 13, 2005, 11:10:37 am
Grande post
Título:
Enviado por: Marauder em Junho 30, 2006, 11:58:23 am
Talvez...

  Papel americano de fornecedor principal de armas à Turquia está em risco..
  http://www.signonsandiego.com/news/mili ... sales.html (http://www.signonsandiego.com/news/military/20060621-1130-turkey-us-armssales.html)
Título:
Enviado por: Luso em Junho 30, 2006, 02:08:42 pm
Também é essa a minha opinião.
A gestão desse grande país caiu nas mãos de uma clique que defende os interesses de uns poucos, à semelhança do que acontece por aqui.
Além disso, as empresas americanas revelam-se muito pesadas e pouco avessas à inovação (!!!) preferindo a gestão da chico-espertice, que resultará do emprego de gestores cuja formação é exclusivamente universitária e sem interesse directo no campo de intervenção das suas empresas.
Um exemplo disso é o caso da Boeing cuja situação já aqui foi descrita num postal passado. Aliás Há vontades que procuram transformar a Boeing numa empresa... financeira (!!!!!) em vez de uma indústria "a sério". É o que dá as teorias do lá-lá-lá dos académicos e bem falantes.
No entanto tenho fé na capacidade dos Estados Unidos de ultrapassarem esta crise, uma vez que têm muita gente válida.
Título:
Enviado por: NVF em Julho 01, 2006, 01:35:31 am
Citação de: "Luso"
Aliás Há vontades que procuram transformar a Boeing numa empresa... financeira (!!!!!) em vez de uma indústria "a sério".


Foi o que aconteceu com a GM - faz mais guito no sector financeiro e imobiliario que a construir automoveis. E depois cortaram na investigaco e inovacao, comecaram a perder a pedalada para outros construtores (principalmente japas), a dar prejuizo e finalmente entram numa espiral de downsizing.
Título:
Enviado por: me163 em Julho 19, 2006, 11:10:02 pm
Citação de: "NVF"
Citação de: "Luso"
Aliás Há vontades que procuram transformar a Boeing numa empresa... financeira (!!!!!) em vez de uma indústria "a sério".

Foi o que aconteceu com a GM - faz mais guito no sector financeiro e imobiliario que a construir automoveis. E depois cortaram na investigaco e inovacao, comecaram a perder a pedalada para outros construtores (principalmente japas), a dar prejuizo e finalmente entram numa espiral de downsizing.


O que vai valer à GM será a parceria com a Renault e Nissan, para voltar a entrar nos eixos.

E realmente é como o Luso diz, as modas de gestão deram cabo de diversas empresas nos EUA, tal como aqui onde os gestores tendem a seguir os mesmos exemplos do amigo americano.

Passei recentemente por uma situação de downsizing numa companhia norte-americana do sector tecnológico, que não foi muito agradável e é incrivel a forma como eles conduzem a coisa.

E o mais engraçado e ver as mesmas coisas acontecerem internamente no nosso maior banco privado, exactamente pela mesma ordem, com os mesmo métodos, etc...

E ninguém cá em Portugal pára para pensar e questionar os modelos de gestão propostos por empresas como o Gartner Group e outros que tais... enfim...

Enquanto continuarmos a olhar e a endeuzar os modelos de gestão norte-americanos como se fossem o supra-sumo da batata doce, estamos fritos.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Julho 30, 2016, 08:35:46 pm

O topico mais proximo que encontrei daquilo que quero falar - as proximas eleicoes presidenciais americanas

Quem acham que vai ganhar? Quem apoiam? Quais as consequencias duma vitoria de Hillary ou de Trump?

A minha posicao

bem a ultima pergunta requere mais desenvolvimento pelo que de momento me fico pelas mais simples questoes

Aposto numa vitoria de Trump .Os americanos estao cansados da classe politica e querem mudanca. Penso que se projectam mais facilmente em Trump do que em Hillary - homem de negocios bem sucedido, frontal, fora do establishment.

Nao apoio nenhum dos candidatos. Se tivesse que escolher um, escolhia o Trump. A Hillary e ma res.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Agosto 29, 2016, 11:35:42 pm
Trump, Russia, and the Washington Post: Reader Beware
http://www.theamericanconservative.com/articles/trump-russia-and-the-washington-post/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Agosto 31, 2016, 08:40:28 pm
US Election 2016-US election poll tracker
https://ig.ft.com/us-elections/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 01, 2016, 01:44:33 pm

Clinton, Trump Are All In on Ohio
http://www.realclearpolitics.com/articles/2016/09/01/clinton_trump_are_all_in_on_ohio_131672.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 01, 2016, 08:52:55 pm

White House Watch: Trump 40%, Clinton 39%, Johnson 7%, Stein 3%
http://www.rasmussenreports.com/public_content/politics/elections/election_2016/white_house_watch
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 05, 2016, 07:52:37 pm
National debt hits $19.5 trillion
http://www.washingtonexaminer.com/national-debt-hits-19.5-trillion/article/2600823
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 07, 2016, 01:17:35 pm

satanica

engasgando-se no proprio veneno :D

Hillary Clinton Coughing Attack in Cleveland- FULL VERSION (REALLY BAD!)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Setembro 07, 2016, 05:39:19 pm
Notícias da treta!!!!!

A dívida pública do EUA representa cerca de 105% do PIB, já Portugal anda nos 130%!
A dívida pública americana é gigantesca e sem paralelo no mundo, mas eles só precisam do que produzem em talvez 380 dias pagarem toda a dívida!!!!!!

E que dizes da dívida Italiana em 132%? E da Grécia em 175% (apesar dos privados terem perdoado metade da dívida)? E agora.... e o que me dizes da dívida Chinesa que representa 240% do PIB do país????? Isso sim é preocupante!
Já agora o Japão tem um dívida a rondar os 200% e não os vejo preocupados...... obviamente porque os japoneses são donos de 90% da dívida do estado, ao contrário de nós!!!!!!!

Por isso....... balelas e mais balelas!!!!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 07, 2016, 08:01:20 pm

Sim, os EUA, Portugal, Grecia, Italia, Japao tem das dividas publicas mais elevadas do mundo, cada pais com as suas especificidades.
Se achas que isso sao balelas ou mar de rosas compraz-te dessa sabedoria. Eu nao.

Por sinal a Russia tem das mais baixas, nao chega sequer aos 20% do pib. O senhor historiador-geografo-politico-economista de quiosque Viajante sabia disso?
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 07, 2016, 08:40:06 pm

a mare esta a mudar ;)

Poll: Nine weeks out, a near even race
http://edition.cnn.com/2016/09/06/_politics-zone-injection/trump-vs-clinton-presidential-polls-election-2016/index.html

Citar
Trump tops Clinton 45% to 43% in the new survey, with Libertarian Gary Johnson standing at 7% among likely voters in this poll and the Green Party's Jill Stein at just 2%.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Setembro 07, 2016, 09:35:35 pm
Não sejas triste! Quem te disse que a dívida dos EUA é muito elevada?

Achas que a dívida de 17% da Rússia é muito mais baixa (tinhas de trazer a Rússia à baila). Pois bem, os EUA estão a borrifar-se para a dívida e com razão. Se a Rússia vender ou comprar o que quer que seja, em que moeda transacciona? É em dólares não é? E quem é que imprime dólares em todo o mundo? Percebes agora quem manda na economia mundial sem a menor preocupação? Os EUA precisam de dólares? Fabricam camiões de dólares de um dia para outro........... a Rússia quer mercadorias? Tem de ter dólares ou fica a olha para prateleiras vazias....

Já agora, fazes ideia do que são petro-dólares?

Apesar de não agradar-me a verdade é que a dívida dos EUA podem ser 100% ou 1.000.000% que eles estão a borrifar-se para a dívida, controlam a moeda aceite em todo o mundo para o comércio!!!!! A Rússia se quiser vender petróleo, tem de o fazer em dólares ou quando muito em Euros............ portanto, se quiseres medir economias, não encontras nenhuma mais poderosa que a americana.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 07, 2016, 10:43:15 pm
E engracado ouvir-te a falar. Da-se o caso do Irao ter recebido este ano parte da divida americana. E nao quis receber em dollars!!

US made entire $1.7 bn payment to Iran in foreign cash – Treasury
https://www.rt.com/usa/358511-us-debt-iran-cash/

Eu sei o que sao petrodollars. O economista de quiosque Viajante e que parece nao saber que a Russia esta a sair desse esquema. China e outros paises estao a seguir o exemplo.E isso explica em parte o odio de Washington a Putin e os jogos de guerras que os EUA vao fazendo pelo mundo para nao perderem a hegemonia.

Goodbye Petrodollar: Russia Accepts Yuan, Is Now China's Biggest Oil Partner
http://russia-insider.com/en/politics/saudi-arabia-has-lost-asia-russia-now-chinas-biggest-oil-partner/ri12611
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: FoxTroop em Setembro 07, 2016, 10:50:48 pm
Não sejas triste! Quem te disse que a dívida dos EUA é muito elevada?

Achas que a dívida de 17% da Rússia é muito mais baixa (tinhas de trazer a Rússia à baila). Pois bem, os EUA estão a borrifar-se para a dívida e com razão. Se a Rússia vender ou comprar o que quer que seja, em que moeda transacciona? É em dólares não é? E quem é que imprime dólares em todo o mundo? Percebes agora quem manda na economia mundial sem a menor preocupação? Os EUA precisam de dólares? Fabricam camiões de dólares de um dia para outro........... a Rússia quer mercadorias? Tem de ter dólares ou fica a olha para prateleiras vazias....

Já agora, fazes ideia do que são petro-dólares?

Apesar de não agradar-me a verdade é que a dívida dos EUA podem ser 100% ou 1.000.000% que eles estão a borrifar-se para a dívida, controlam a moeda aceite em todo o mundo para o comércio!!!!! A Rússia se quiser vender petróleo, tem de o fazer em dólares ou quando muito em Euros............ portanto, se quiseres medir economias, não encontras nenhuma mais poderosa que a americana.

Olha que não é bem assim. Não só a dívida dos USA está bem acima do PIB mundial como os maiores detentores estão fora dos próprios USA, ao contrário da Ítalia ou do Japão só para dar uns exemplos. E, apesar dos QE's e das impressoras estarem a trabalhar de dia e de noite os USA sabem que não podem simplesmente inundar a economia com Dólares pois o problema não é de falta de liquidez mas sim de insolvência.
Uma das razões de os juros estarem na realidade em terreno negativo tem mesmo a ver com o facto de haver excesso de moeda em circulação e ter de se destruir esse excesso. Num sistema monetário "fiat" quanto mais moeda, mais dívida.

Quanto à Rússia, ou Índia, ou China, Irão, etc, estás completamente enganado. Em muitas praças as commodities já são transaccionadas fora do USD. Para exemplo, a China e a Rússia negoceiam entre elas nas suas próprias moedas, o Irão vendia petróleo à Índia a Ouro e na realidade a nível mundial já se usa um cabaz de moedas várias para fixar os valores das transacções.

Se os USA derem em imprimir à toa para pagar o que na realidade é impagável, a quebra repentina do valor da moeda (passará a valer menos que o papel onde está impressa), aliada à inundação de títulos que China e outros grandes detentores da divida americana lançarão no mercado para se desfazer do colapso do valor dos mesmos, simplesmente detonará a economia americana, assim como boa parte das economias da China, Japão, Arábia, etc.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Setembro 07, 2016, 11:51:22 pm
Pedro, como os teus conhecimentos de Economia são 0, não vale a pena explicar-te o que é a economia.

Foxtroop? Os juros nos EUA estão negativos? Tens a certeza? Olha que não, olha que não..... estão negativos é na Europa.
Não sei se tens a noção de como é que as empresas negoceiam as matérias-primas, mas as bolsas de comodities é expresso em dólares, não é em yuans nem rublos. Alguém quer comprar petróleo, tem de pagar em dólares ou quando muito em euros, mas a cotação do petróleo é feito em dólares, seja em Londres ou NY. Isto independentemente de algum país aceitar vender petróleo em troca de galinhas, de feijões ou do que quer que seja.....

Já agora, Fox, sabes onde é guardado o ouro de quase todas as reservas dos bancos centrais do mundo!!!
Vais a qualquer país da América, que moeda é que aceitam? E em África? E na Ásia?

Como é? A dívida da China que representa 240% da riqueza do país não é preocupante!?!?!!?!!!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 08, 2016, 08:29:25 am
Alguém quer comprar petróleo, tem de pagar em dólares ou quando muito em euros

O Viajante nao esta informado e escreve mentiras. A China nao paga em dollars americanos o petroleo que compra a Russia.
As trocas sao feitas em yuans e rublos.Podes descalcar a bota como quiseres mas esses sao os factos. O imperio americano tem os dias contados.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Setembro 08, 2016, 10:36:18 am
Alguém quer comprar petróleo, tem de pagar em dólares ou quando muito em euros

O Viajante nao esta informado e escreve mentiras. A China nao paga em dollars americanos o petroleo que compra a Russia.
As trocas sao feitas em yuans e rublos.Podes descalcar a bota como quiseres mas esses sao os factos. O imperio americano tem os dias contados.

Não chames aos outros o que és.

Já que não consegues "traduzir" correctamente o que escrevo........... a China até podia pagar o petróleo em galinhas, pedaços de rocha do Tibete ou em processadores de computadores, isso é indiferente, o que interessa (e para pecado dos europeus), é que o petróleo é expresso em dólares. O dólar é que serve de referência. Quer isto dizer que se o yuan desvalorizar em relação ao dólar, vai ter de entregar mais yuans aos Russos para pagar as mesmas quantidades de petróleo. Percebes o poder que isto dá aos americanos?

Precisamente por causa disso, faço todos os votos para que o Euro vença e não seja destruído, como querem americanos e russos........... basta ver de onde vêem as vozes da desgraça: O euro vai acabar..... é melhor Portugal saír do euro........ o euro é um erro......
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 08, 2016, 01:52:00 pm
Deixa de viver no passado Viajante. Acompanha os sinais dos tempos.

China’s new oil contract signals shift from Brent and US dollar
http://www.telegraph.co.uk/finance/newsbysector/energy/oilandgas/11848172/Chinas-new-oil-contract-signals-shift-from-Brent-and-US-dollar.html

Putin's Decade-Old Dream Realized as Russia to Price Its Own Oil
http://www.bloomberg.com/news/articles/2016-04-28/putin-s-decade-old-dream-realized-as-russia-to-price-its-own-oil
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: FoxTroop em Setembro 08, 2016, 09:27:18 pm

........... a China até podia pagar o petróleo em galinhas, pedaços de rocha do Tibete ou em processadores de computadores, isso é indiferente, o que interessa (e para pecado dos europeus), é que o petróleo é expresso em dólares. O dólar é que serve de referência. Quer isto dizer que se o yuan desvalorizar em relação ao dólar, vai ter de entregar mais yuans aos Russos para pagar as mesmas quantidades de petróleo. Percebes o poder que isto dá aos americanos?

Precisamente por causa disso, faço todos os votos para que o Euro vença e não seja destruído, como querem americanos e russos........... basta ver de onde vêem as vozes da desgraça: O euro vai acabar..... é melhor Portugal saír do euro........ o euro é um erro......

Com todo o respeito, estás enganado. As commodities até podem estar tabeladas em denários romanos, caricas da superbock ou cascas de caracol, interessa é a moeda em que depois a transacção é efectuada e quem controla a emissão dessa moeda. Se eu pago em rublos ou yuans e controlo a emissão dessa moeda, tanto faz que a moeda de tabela seja outra.

Agora se o país que vende só aceitasse o USD (como a Arábia Saudita e toda uma série de países antes) aí sim, terias razão no que escreves.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 08, 2016, 09:41:03 pm
The 12 juiciest bits from the FBI's Clinton report
http://www.politico.com/story/2016/09/best-of-clinton-fbi-report-227692

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Setembro 08, 2016, 10:06:16 pm

........... a China até podia pagar o petróleo em galinhas, pedaços de rocha do Tibete ou em processadores de computadores, isso é indiferente, o que interessa (e para pecado dos europeus), é que o petróleo é expresso em dólares. O dólar é que serve de referência. Quer isto dizer que se o yuan desvalorizar em relação ao dólar, vai ter de entregar mais yuans aos Russos para pagar as mesmas quantidades de petróleo. Percebes o poder que isto dá aos americanos?

Precisamente por causa disso, faço todos os votos para que o Euro vença e não seja destruído, como querem americanos e russos........... basta ver de onde vêem as vozes da desgraça: O euro vai acabar..... é melhor Portugal saír do euro........ o euro é um erro......

Com todo o respeito, estás enganado. As commodities até podem estar tabeladas em denários romanos, caricas da superbock ou cascas de caracol, interessa é a moeda em que depois a transacção é efectuada e quem controla a emissão dessa moeda. Se eu pago em rublos ou yuans e controlo a emissão dessa moeda, tanto faz que a moeda de tabela seja outra.

Agora se o país que vende só aceitasse o USD (como a Arábia Saudita e toda uma série de países antes) aí sim, terias razão no que escreves.

O Foxtroop não percebeu o que eu queria dizer ou não me fiz entender. O Petróleo vendido em todo o mundo é cotado em dólares, seja o Brent ou seja o wti. Outra coisa totalmente diferente é na moeda que ele é transaccionado. Vou tentar explicar em miúdos......

Os EUA têem uma enorme vantagem sobre qualquer outro país, pelo facto dos commodities (maiores bens de consumo como petróleo, ouro, cobre, prata, níquel, alimentos, etc) serem cotados todos eles em dólares! Só este enorme facto faz com que as variações mundiais das economias, principalmente as crises, sejam muito menos sentidas pelos americanos, porque não há variação cambial, é tudo cotado em dólares!!!!!

Pelo contrário, todos os outros países do mundo, para além das crises simétricas ou assimétricas sofridas como os americanos, ainda têem o enorme problema de sofrer com a diferença de câmbio da sua moeda em relação ao dólar!!!! É que só economias muito fortes aguentam uma moeda forte sem desvalorizar (temos o euro, franco suiço, libra, iene e pouco mais), todas as outras economias com moedas mais fracas (tendência para desvalorizar a sua moeda), vão comprar o petróleo cada vez mais caro! (era o que acontecia com Portugal quando tínhamos o escudo, como a nossa moeda estava sempre a desvalorizar, cada vez ficava mais caro comprar o petróleo).

Agora ao petróleo some-lhe o ouro, o cobre, o alumínio, prata, níquel, bens alimentares, etc.......

Percebe agora o poder económico que isto dá aos EUA? É que eles têem uma moeda que é o principal referencial de quase todos os bens no mundo, e são apenas eles que podem imprimir dólares!

Fui claro? Por isso devemos para nosso bem, esperar que o euro vingue, mesmo que nos custe bastante.

Abraço
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 08, 2016, 10:28:10 pm
Hillary Clinton email investigation: FBI notes reveal laptop and thumb drive missing
https://www.theguardian.com/us-news/2016/sep/02/hillary-clinton-emails-laptop-thumb-drive-archive-missing
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 09, 2016, 11:45:38 am
2016 Presidential Debate Schedule
http://www.uspresidentialelectionnews.com/2016-debate-schedule/2016-presidential-debate-schedule/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 09, 2016, 03:04:36 pm
[Full HD] Donald Trump Hillary Clinton Commander in Chief Forum 9/7/16 NBC September 7 2016


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 10, 2016, 12:18:14 pm
Iraq, Hillary and baseball: Donald Trump talks to Larry King (RT EXCLUSIVE)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 11, 2016, 11:12:05 am

War or Peace: The Essential Question Before American Voters on November 8th
http://russia-insider.com/en/politics/war-or-peace-essential-question-american-voters-november-8th/ri15970
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 12, 2016, 12:26:40 am

se ela mentisse menos gozava de melhor saude

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 12, 2016, 01:33:48 pm
Trump and Clinton, Clinton and Trump
https://patrickarmstrong.ca/2016/09/09/trump-and-clinton-clinton-and-trump/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Setembro 12, 2016, 03:31:57 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 12, 2016, 06:07:12 pm
On November 8 Americans Will Decide Whether To Rescue The Bankers Or The Consumer
http://russia-insider.com/en/politics/november-8-americans-will-decide-whether-rescue-bankers-or-consumer/ri16382
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 13, 2016, 11:14:06 am
SPUTNIK EXCLUSIVE: Research Proves Google Manipulates Millions to Favor Clinton
https://sputniknews.com/us/20160912/1045214398/google-clinton-manipulation-election.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 15, 2016, 01:38:16 pm

nem consigo ler estes numeros. how do you read this? 19 trilioes de dolares de divida e muito dolar for sure  :P

http://www.nationaldebtclocks.org/debtclock/unitedstates
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 15, 2016, 08:47:06 pm

Hillary Clinton’s National Security Advisers Are a “Who’s Who” of the Warfare State
https://theintercept.com/2016/09/08/hillary-clintons-national-security-advisors-are-a-whos-who-of-the-warfare-state/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 16, 2016, 01:41:51 pm
Russian hackers leak medical files of US athletes including Venus and Serena Williams and Rio star Simone Biles
Hackers claim to have evidence of doping by US Olympians

http://www.independent.co.uk/news/world/russian-hackers-leak-medical-files-american-athletes-simone-biles-serena-williams-a7257551.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 18, 2016, 09:33:34 am
At Least 29 Injured As Explosion Rocks New York City
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 18, 2016, 11:38:50 pm
candidata presidencial americana Souraya Faas demonstra mais clarividencia que todos os outros candidatos juntos

http://www.sourayafaas.com/

https://twitter.com/sourayafaas/status/777503848382464001
Citar
US Ambassador to the UN Samantha Power MUST RESIGN after speech @ Emergency Security Council! She's a Clinton Puppet serving Saudi interest!

https://twitter.com/sourayafaas/status/777243278093713409
Citar
What are US forces doing in Syria w/out permission? Todays airstrike is no accident & is an act of war against a sovereign country @CNN @BBC

https://twitter.com/sourayafaas/status/775006699057012737
Citar
#HillaryHealth + Email leaks = Justice #Clinton lied & kills ppl exposing truth
#NeverForget Saudi involvement 9/11

https://twitter.com/sourayafaas/status/770483837788889090
Citar
One thing that #unites all #US #PresidentialElection2016 #Candidates is that the only position #HillaryClinton should get is #Hillary4Prison

https://twitter.com/sourayafaas/status/775006699057012737
Citar
I knew #HillaryClinton was fuck'd up in the head, glad its confirmed!! @CNN  #Hillary4Prison
http://www.dailywire.com/news/8880/fbi-documents-hillary-blamed-her-email-lawbreaking-ben-shapiro?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_content=062316-news&utm_campaign=cnews-share#.V8ta9ivd0a8.twitte (http://www.dailywire.com/news/8880/fbi-documents-hillary-blamed-her-email-lawbreaking-ben-shapiro?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_content=062316-news&utm_campaign=cnews-share#.V8ta9ivd0a8.twitte)r

(https://pbs.twimg.com/media/CqznvasWcAEXPnP.jpg)

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 19, 2016, 01:34:12 pm
F.B.I. Treats Minnesota Mall Stabbing Attack as ‘Potential Act of Terrorism’
http://www.nytimes.com/2016/09/19/us/police-shoot-attacker-in-minnesota-mall-after-8-are-stabbed.html?action=click&contentCollection=us&region=rank&module=package&version=highlights&contentPlacement=1&pgtype=sectionfront&_r=0
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 20, 2016, 01:16:46 pm
Ahmad Rahami: Fixture in Family’s Business and, Lately, a ‘Completely Different Person’
http://www.nytimes.com/2016/09/20/nyregion/ahmad-khan-rahami-bombing-suspect.html?hp&action=click&pgtype=Homepage&clickSource=story-heading&module=a-lede-package-region&region=top-news&WT.nav=top-news&_r=0
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 21, 2016, 12:42:27 pm


Is This What Panic Looks Like? Reuters Polls Show Huge Shift In Electoral Map Toward Trump
http://www.zerohedge.com/news/2016-09-18/what-panic-looks-reuters-polls-show-huge-shift-electoral-map-toward-trump
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 22, 2016, 01:33:10 pm
State of emergency called to quell Charlotte unrest over police shooting of black man
http://www.reuters.com/article/us-usa-police-idUSKCN11R1GS
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Alvalade em Setembro 22, 2016, 04:38:42 pm
Mafarrico, quer dizer, Pedro E.

(https://i.imgflip.com/1b2q6h.jpg)

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 22, 2016, 05:53:45 pm
concordo com a analise do artigo

How Trump can knock out Hillary in the first debate
http://www.washingtontimes.com/news/2016/sep/21/how-donald-trump-can-knock-out-hillary-clinton-in-/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 23, 2016, 06:54:47 pm
I Was RFK’s Speechwriter. Now I’m Voting for Trump. Here’s Why.
http://www.politico.com/story/2016/09/donald-trump-secret-service-campaign-travel-payments-228553
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 24, 2016, 12:33:12 am

Obama vetoes bill allowing to sue Saudi Arabia over 9/11
https://www.rt.com/usa/360450-obama-veto-saudi-sue/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 25, 2016, 06:37:11 pm

Ex-Wells Fargo bankers sue over firing amid fraud
http://www.usatoday.com/story/money/2016/09/25/ex-wells-fargo-employees-sue-over-scam/91079158/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 27, 2016, 12:50:34 am
os eua andam a distribuir flores pelo yemen

Senate clears way for $1.15 billion arms sale to Saudi Arabia
http://www.reuters.com/article/us-usa-saudi-defense-congress-idUSKCN11R2LU
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 27, 2016, 01:24:34 pm
primeiro debate presidencial entre hillary e trump

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 28, 2016, 08:00:36 pm

EXPLORE THE DATA: U.S. MASS KILLINGS SINCE 2006
http://www.gannett-cdn.com/GDContent/mass-killings/index.html#explore
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 29, 2016, 08:35:14 pm

Hoboken train station crash: One dead and dozens hurt in New Jersey
http://www.bbc.co.uk/news/world-us-canada-37503920
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 30, 2016, 10:23:20 am

Graphic body cam video shows police shooting that killed 6-year-old boy
http://www.usatoday.com/story/news/nation-now/2016/09/29/louisiana-police-shooting-body-camera-video/91268780/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Setembro 30, 2016, 04:12:29 pm

um pouco de comedia oferecida pelo candidato presidencial Johnson  :o :D

What's Aleppo?

another Aleppo moment
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 02, 2016, 12:08:38 am
Fox News Poll: Clinton ahead of Trump after debate, fear motivating both sides
http://www.foxnews.com/politics/2016/09/30/fox-news-poll-clinton-ahead-trump-after-debate-fear-motivating-both-sides.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 03, 2016, 11:43:13 am
Hillary Clinton Returns to Ohio in a Changed Race
http://time.com/4516138/hillary-clinton-ohio-october/?xid=homepage
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 04, 2016, 09:34:50 pm
Gov. Haley Orders Coast Evacuation, Declares State of Emergency
http://www.wltx.com/weather/forecast/tracking-the-tropics/gov-haley-orders-coast-evacuation-declares-state-of-emergency/328935898
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 05, 2016, 05:50:19 pm
debate vice-presidencial. mais interessante do que o primeiro debate entre hillary e trump.o que faltou de postura ao candidato republicano o seu braco direito pence soube apresentar-se de forma sobria e seria. ainda assim a campanha republicana pode fazer muito melhor. ha tanta ponto por onde atacar a hillary, a sua politica externa e um desastre. o filho do trump, eric trump, quando aparece na televisao e bastante mais incisivo e sabe argumentar competentemente.

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 08, 2016, 03:17:49 pm
WikiLeaks CONFIRMS Hillary Sold Weapons to ISIS… Then Drops Another BOMBSHELL!
http://www.thepoliticalinsider.com/wikileaks-confirms-hillary-sold-weapons-isis-drops-another-bombshell-breaking-news/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 09, 2016, 03:10:32 am
The Podesta Emails
https://wikileaks.org/podesta-emails/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 09, 2016, 09:10:25 pm
Palm Springs shooting: Suspect in killing of 2 officers arrested
http://edition.cnn.com/2016/10/09/us/palm-springs-police-shooting/index.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 10, 2016, 02:00:16 pm

WikiLeaks releases what appear to be Clinton's paid Wall Street speeches
https://www.theguardian.com/us-news/2016/oct/07/wikileaks-hillary-clinton-paid-wall-street-speeches
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 12, 2016, 01:11:32 pm

boa performance do donald, melhor do que no primeiro debate ( que perdeu), neste ganhou, mas nao deve ser suficiente para chegar a Casa Branca quando tanto washington como os media fazem tudo para garantir a vitoria de Hillary. Alguns tiros nos proprios pes do Trump nao ajudam claro. Se ainda esta na corrida imaginem o apreco que os americanos tem pelo que representa a Mrs Clinton.

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 12, 2016, 01:33:25 pm


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 13, 2016, 11:14:31 am
Donald Trump falls behind in the USC/L.A. Times poll, one of his favorites
http://www.latimes.com/nation/politics/trailguide/la-na-trailguide-updates-trump-falls-behind-in-the-usc-la-times-1476283455-htmlstory.html

(https://latimes-graphics-media.s3.amazonaws.com/assets/img/USC_poll/clinton_lead_poll.jpg)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 16, 2016, 10:55:19 pm
North Carolina GOP headquarters firebombed
http://www.foxnews.com/politics/2016/10/16/north-carolina-gop-headquarters-firebombed.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 24, 2016, 12:24:47 am
terceiro e ultimo debate presidencial. o pior na minha opiniao. nenhum dos candidatos acrescentou nada de novo.

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 25, 2016, 12:09:04 am
Poll known for accuracy finds Clinton, Trump locked in dead heat
http://m.washingtontimes.com/news/2016/oct/24/clinton-trump-locked-dead-heat-poll/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 26, 2016, 01:23:43 pm
Donald Trump two points ahead of Hillary Clinton in poll that has accurately predicted last three presidential elections
http://www.independent.co.uk/news/world/americas/us-elections/trump-poll-lead-us-presidential-election-hillary-clinton-investors-business-daily-a7377206.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 27, 2016, 10:34:22 am
Poll: Trump leads Clinton by 2 in Florida
http://www.politico.com/blogs/swing-states-2016-election/2016/10/poll-trump-clinton-florida-230322
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 28, 2016, 09:46:39 am
It’s not over yet: Donald Trump will win, says top forecaster
https://inews.co.uk/essentials/news/world/not-yet-donald-trump-will-win-says-top-forecaster/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Outubro 29, 2016, 01:45:43 pm
Acho que este tópico não é o mais adequado para acidentes de aviação comercial.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 29, 2016, 03:43:34 pm
2006 Audio Emerges of Hillary Clinton Proposing Rigging Palestine Election
Unearthed tape: 'We should have made sure that we did something to determine who was going to win'
http://observer.com/2016/10/2006-audio-emerges-of-hillary-clinton-proposing-rigging-palestine-election/

Hillary Clinton - Palestine rigged election 2006 CLEANED UP audio
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 30, 2016, 11:24:26 am
Hillary Clinton demands answers and Democrats call foul as FBI reopens email investigation over files found on sexting congressman's computer
http://www.telegraph.co.uk/news/2016/10/28/fbi-probe-newly-discovered-hillary-clinton-emails-and-reopen-inv/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 30, 2016, 10:54:23 pm
North Dakota pipeline: 141 arrests as protesters pushed back from site
https://www.theguardian.com/us-news/2016/oct/27/north-dakota-access-pipeline-protest-arrests-pepper-spray
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 31, 2016, 01:57:46 pm
Donald Trump leads Hillary Clinton in USC Dornsife/Los Angeles Times poll
http://www.latimes.com/nation/politics/trailguide/la-na-trailguide-updates-1477778755-htmlstory.html

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Outubro 31, 2016, 05:09:06 pm

Clinton and Trump Even in Latest Poll; Turnout Critical
http://abcnews.go.com/Politics/clinton-trump-turnout-critical-poll/story?id=43159639
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 01, 2016, 12:35:16 am
o vice-presidente Pence ( do lado trump) tem provas dadas como governador de indiana, e uma pessoa equlibrada, ponderada, precisamente o oposto do seu hierarquico. nao fiquem admirados se daqui a 4 anos, a escolha republicana recair neste homem para candidato a casa branca

Full interview: Mike Pence, October 30
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 02, 2016, 01:26:32 pm
please make it happen

Trump in the lead as race enters final week
http://www.thetimes.co.uk/article/trump-in-the-lead-as-race-enters-final-week-xbqm5trcn
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 02, 2016, 08:49:07 pm
discurso bom e consistente de trump na quarta feira passada

Donald Trump Speech Today 10/26/16 at Grand Opening of Trump International Hotel in Washington, DC
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 03, 2016, 10:38:44 am

New CNN / ORC polls suggest new strength for Trump in Nevada, Clinton rise in Florida
http://edition.cnn.com/2016/11/02/politics/polls-hillary-clinton-donald-trump-florida-pennsylvania-nevada-arizona/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 03, 2016, 01:26:42 pm
Ann Coulter on Campaign 2016
Ann Coulter talked about the 2016 election, as well as her new book, In Trump We Trust: E Pluribus Awesome!, on how Donald Trump’s became the Republican presidential nominee.
https://www.c-span.org/video/?417219-5/washington-journal-ann-coulter-campaign-2016
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 03, 2016, 04:31:51 pm


(https://pbs.twimg.com/media/CveVQRaWIAEobi-.jpg)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 03, 2016, 10:12:15 pm
discurso inspirador, mas sentimentalista, de michelle quinta feira passada em suporte a hillary
quantas vezes ela repetiu children e kids? perdi a conta

Full: Michelle Obama Speech 10/27/16 Winston-Salem, NC
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 04, 2016, 10:35:53 am
Trump Down Just 273-265 in RCP's Electoral College: All The Latest Polls
http://www.dailywire.com/news/5361/can-trump-beat-hillary-here-are-latest-polls-james-barrett
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 05, 2016, 03:17:42 pm
Latest Presidential Polls: Does Donald Trump Have The Lead? Hillary Clinton Improving In Swing States? Gary Johnson Gaining Or Fading
http://www.ibtimes.com/latest-presidential-polls-does-donald-trump-have-lead-hillary-clinton-improving-swing-2442122
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 06, 2016, 02:45:50 pm
Trump vs Clinton: who is leading in the US election polls?
https://ig.ft.com/us-elections/polls
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 06, 2016, 07:34:49 pm
Donald Trump gets rescued off of stage in Nevada
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 06, 2016, 09:12:02 pm
Todd Kohlhepp confesses to seven killings in South Carolina
http://www.bbc.co.uk/news/world-us-canada-37887546
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 06, 2016, 10:42:04 pm
Emails Warrant No New Action Against Hillary Clinton, F.B.I. Director Says
http://www.nytimes.com/2016/11/07/us/politics/hilary-clinton-male-voters-donald-trump.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 07, 2016, 11:24:55 am
Our final map has Clinton winning with 352 electoral votes. Compare your picks with ours.
http://www.latimes.com/nation/politics/trailguide/la-na-trailguide-updates-here-s-our-final-electoral-map-of-the-1478473458-htmlstory.html

Trump Leads Clinton By 1 Point With 2 Days Left: IBD/TIPP Poll
http://www.investors.com/politics/donald-trump-leads-hillary-clinton-with-more-states-in-play-ibdtipp-poll/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 07, 2016, 05:11:07 pm
Philippine's Duterte cancels police rifle deal with U.S.
http://www.reuters.com/article/us-philippines-usa-rifles-idUSKBN1320U7
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 07, 2016, 09:14:10 pm

nao admira que o establishment americano queira este homem preso ou morto

'Trump would not be permitted to win' - Assange interview w/John Pilger

aqui a entrevista na integra

Secret World of US Election: Julian Assange talks to John Pilger (FULL INTERVIEW)

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 08, 2016, 01:39:45 pm

tonight is the night

Trump and Clinton Tied in Final Upshot Poll of North Carolina
http://www.nytimes.com/2016/11/08/upshot/trump-and-clinton-tied-in-final-upshot-poll-of-north-carolina.html?_r=0
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 09, 2016, 07:06:44 am

Temos Presidente ! Trump ultrapassou os 270 votos do colegio eleitoral  :)

O Pedro E. fala muito, os ilustrissimos comentadores deste forum retribuem com dezenas de negas , mas o Pedro E. sabe daquilo que fala.

Aposto numa vitoria de Trump .Os americanos estao cansados da classe politica e querem mudanca. Penso que se projectam mais facilmente em Trump do que em Hillary - homem de negocios bem sucedido, frontal, fora do establishment.

Nao imaginam o quao contente estou com esta vitoria. Nos que trabalhamos na sombra, vivemos para momentos como este.
Depois da Crimeia e Brexit este vitoria e o culminar de anos de intenso trabalho nos bastidores.

Tenho estado a seguir em directo a cobertura das eleicoes americanas desde as 11 da noite. Talvez ainda tenha tempo para uma hora de sono antes de me apresentar ao trabalho e fazer uma cara de chocado para os meus colegas nao desconfiarem muito  ;D ;D

Vai ser giro ver o melao deles. Musicas de celebracoes ficam para outro comentario que estou com a agenda/tempo apertado.

Cuidado Donald.  Ve bem onde metes a cabeca. Ha muita gente que nao esta satisfeita com a tua vitoria
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 09, 2016, 10:26:57 am
Grabing the world by the pussy!... 8)

Agora vamos lá ver o que ele faz. Eu fiquei chocado, mas ao mesmo tempo com um sorriso nos lábios. Há muita coisa "estranha" a acontecer nos últimos tempos, há muito abanão ao que as pessoas pensavam o que ia acontecer, as realidades são desafiadas a todo o momento. É uma era bastante interessante, disso não há dúvida.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 09, 2016, 11:33:54 am
http://www.msn.com/pt-pt/video/viral/h%C3%A1-16-anos-j%C3%A1-os-simpsons-previam-vit%C3%B3ria-de-trump/vi-AAk50DC?ocid=mailsignout

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Novembro 09, 2016, 12:59:26 pm
Faz-me uma enorme confusão, que num sistema eleitoral como o Americano, o candidato mais votado (Hilary Clinton) não é Presidente!!!!! Já aconteceu o mesmo com Al Gore........ realmente os EUA são um mundo à parte.

Agora, lá como aqui, Trump vai reverter tudo o que fez Obama (prometeu fazê-lo), nomeadamente o chamado Obama Care.........

Acho que a Europa deve por-se fina. E mesmo Putin que desejava que Trump ganhasse, só para desestabilizar o país que se cuide, porque não me parece que o Trump seja manipulado por nada nem ninguém! E não estou a ver que se intimide com nada do que Putin faça ou possa fazer..... aliado ao Chefe do Estado maior dos EUA........ os próximos tempos vão ser interessantes e perigosos!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 09, 2016, 01:29:50 pm

a different trump?

discurso da vitoria-gregario, sereno, humilde


Faz-me uma enorme confusão, que num sistema eleitoral como o Americano, o candidato mais votado (Hilary Clinton) não é Presidente!!!!! Já aconteceu o mesmo com Al Gore........ realmente os EUA são um mundo à parte.

ainda nao vi todos os resultados, mas com uma diferenca de cerca de 150 mil votos a mais para hillary no voto popular e ainda com alguns votos por apurar pode ser que o trump tambem ganhe nesse capitulo. devo dizer que nao sou adepto do sistema do colegio eleitoral, o voto popular e mais justo e devia prevalecer em qualquer eleicao.


Citar
Acho que a Europa deve por-se fina. E mesmo Putin que desejava que Trump ganhasse, só para desestabilizar o país que se cuide, porque não me parece que o Trump seja manipulado por nada nem ninguém! E não estou a ver que se intimide com nada do que Putin faça ou possa fazer..... aliado ao Chefe do Estado maior dos EUA........ os próximos tempos vão ser interessantes e perigosos!


a europa que se ponha a fino que a proxima surpresa pode bem ser a vitoria da le pen em franca. o putin e a russia esta mais contente com a vitoria de trump porque ele mostrou vontade para reatar relacoes com a russia, apenas isso. (nada tem a ver com a conspiracao de destabilizar, antes pelo contrario. a russia deseja ter boas relacoes com os eua).
com certeza que o trump e manipulado dah (qualquer presidente americano e) nao ouviram o que ele disse no discurso (video acima)? 12m.40s "the secret service people(...) i don't want to mess around with them". ;D ele sabe quem e o boss  ;) 8)
os proximos tempos seriam muito mais perigosos com uma administracao hillary. deem o beneficio da duvida ao trump
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 09, 2016, 05:30:09 pm
Para relembrar este artigo:

http://www.brasilpost.com.br/michael-moore/donald-trump_b_11217240.html

Eles escreveu ponto por ponto, porque o Trump ia ganhar e acertou!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Novembro 09, 2016, 06:01:24 pm
Vejo muitas reacções negativas dos americanos que estão por cá a assistir ao Web Summit. Alguns até têem vergonha de assumirem que são americanos.

O maior problema que vejo aqui, para além do sistema esquisito de eleições americano, é o facto de muitos votantes de Trump não o escolheram porque é o melhor, não, votaram em Trump porque odeiam a Hilary e o sistema!?!?!?! Isso é que é perigoso.

Fazendo uma analogia reboscada, eu prefiro de longe ter amigos porque gosto deles, do que ter amigos só porque são inimigos dos meus inimigos!!!!!!

Mas ganhou o Trump, é assim a democracia.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: perdadetempo em Novembro 09, 2016, 07:26:14 pm
Para mim o mais irónico disto tudo é que os eleitores que votaram contra o "sistema" fazem-no votando num candidato que toda a a sua vida viveu manipulando as regras desse sistema a seu favor. Talvez seja uma ideia a repetir por algumas figuras da nossa praça com o mesmo tipo de background da personagem.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Novembro 09, 2016, 10:48:28 pm
Para mim o mais irónico disto tudo é que os eleitores que votaram contra o "sistema" fazem-no votando num candidato que toda a a sua vida viveu manipulando as regras desse sistema a seu favor. Talvez seja uma ideia a repetir por algumas figuras da nossa praça com o mesmo tipo de background da personagem.

Não digas isso a brincar, que o 44 ainda se sente motivado para concorrer às eleições presidenciais!!!!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 09, 2016, 11:06:31 pm
comentador Perdadetempo

caso para dizer entao nada como alguem que conhece as falhas do sistema para o arranjar!
acredita em mim que a hillary era bem pior para a america. ela tem sangue nas maos. o trump is the lesser of two evils

parece que a Clinton vai mesmo ganhar no voto popular. Para mim e uma aberracao o colegio eleitoral. E em caso de empate nao devia ser o congresso a decidir o presidente, mas sim o total do voto populat. esta democracia americana tem falhas muito graves.

Looks like Clinton will win the popular vote despite losing in electoral college
http://www.latimes.com/nation/politics/trailguide/la-na-election-aftermath-updates-trail-looks-like-clinton-will-win-the-popular-1478698530-htmlstory.html

a reacao de putin a vitoria de trump

ja ha umas semana putin tinha sentido o pulso do eleitorado americano e o que trump representa

America is tired of the Elites - Putin

nao me esqueco de ha um ou dois meses as palavras dum americano da florida com quem falei " i think he's going to win" ou doutro de nova iorque que disse que as sondagens nao sao para ser levadas a serio porque muitos americanos tem medo ou vergonha de assumir que sao apoiantes do trump. tambem previu a vitoria de trump. no fim tudo se confirmou

discurso da derrota de hillary

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 10, 2016, 01:38:19 pm
2011, presidente obama goza com trump num jantar cerimonial


Obama mocks Trump at WH correspondents' dinner

quem ri por ultimo ri melhor

Trump Greets Crowd After Victory Speech

discurso responsavel e maduro de obama apos vitoria de trump
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 10, 2016, 02:05:28 pm
Here Is What Donald Trump Wants To Do In His First 100 Days

What follows is my 100-day action plan to Make America Great Again. It is a contract between myself and the American voter — and begins with restoring honesty, accountability and change to Washington

Therefore, on the first day of my term of office, my administration will immediately pursue the following six measures to clean up the corruption and special interest collusion in Washington, DC:

* FIRST, propose a Constitutional Amendment to impose term limits on all members of Congress;

* SECOND, a hiring freeze on all federal employees to reduce federal workforce through attrition (exempting military, public safety, and public health);

* THIRD, a requirement that for every new federal regulation, two existing regulations must be eliminated;

* FOURTH, a 5 year-ban on White House and Congressional officials becoming lobbyists after they leave government service;

WATCH: Hillary Clinton Concedes Presidential Race To Donald Trump
POLITICS
WATCH: Hillary Clinton Concedes Presidential Race To Donald Trump
* FIFTH, a lifetime ban on White House officials lobbying on behalf of a foreign government;

* SIXTH, a complete ban on foreign lobbyists raising money for American elections.

On the same day, I will begin taking the following 7 actions to protect American workers:

* FIRST, I will announce my intention to renegotiate NAFTA or withdraw from the deal under Article 2205

* SECOND, I will announce our withdrawal from the Trans-Pacific Partnership

* THIRD, I will direct my Secretary of the Treasury to label China a currency manipulator

* FOURTH, I will direct the Secretary of Commerce and U.S. Trade Representative to identify all foreign trading abuses that unfairly impact American workers and direct them to use every tool under American and international law to end those abuses immediately

WATCH: President Obama On Trump Win, Clinton Loss
POLITICS
WATCH: President Obama On Trump Win, Clinton Loss
* FIFTH, I will lift the restrictions on the production of $50 trillion dollars' worth of job-producing American energy reserves, including shale, oil, natural gas and clean coal.

* SIXTH, lift the Obama-Clinton roadblocks and allow vital energy infrastructure projects, like the Keystone Pipeline, to move forward

* SEVENTH, cancel billions in payments to U.N. climate change programs and use the money to fix America's water and environmental infrastructure

Additionally, on the first day, I will take the following five actions to restore security and the constitutional rule of law:

* FIRST, cancel every unconstitutional executive action, memorandum and order issued by President Obama

* SECOND, begin the process of selecting a replacement for Justice Scalia from one of the 20 judges on my list, who will uphold and defend the Constitution of the United States

* THIRD, cancel all federal funding to Sanctuary Cities

* FOURTH, begin removing the more than 2 million criminal illegal immigrants from the country and cancel visas to foreign countries that won't take them back

* FIFTH, suspend immigration from terror-prone regions where vetting cannot safely occur. All vetting of people coming into our country will be considered extreme vetting.

Next, I will work with Congress to introduce the following broader legislative measures and fight for their passage within the first 100 days of my Administration:

Middle Class Tax Relief And Simplification Act. An economic plan designed to grow the economy 4% per year and create at least 25 million new jobs through massive tax reduction and simplification, in combination with trade reform, regulatory relief, and lifting the restrictions on American energy. The largest tax reductions are for the middle class. A middle-class family with 2 children will get a 35% tax cut. The current number of brackets will be reduced from 7 to 3, and tax forms will likewise be greatly simplified. The business rate will be lowered from 35 to 15 percent, and the trillions of dollars of American corporate money overseas can now be brought back at a 10 percent rate.
End The Offshoring Act. Establishes tariffs to discourage companies from laying off their workers in order to relocate in other countries and ship their products back to the U.S. tax-free.
American Energy & Infrastructure Act. Leverages public-private partnerships, and private investments through tax incentives, to spur $1 trillion in infrastructure investment over 10 years. It is revenue neutral.
School Choice And Education Opportunity Act. Redirects education dollars to give parents the right to send their kid to the public, private, charter, magnet, religious or home school of their choice. Ends common core, brings education supervision to local communities. It expands vocational and technical education, and make 2 and 4-year college more affordable.
Repeal and Replace Obamacare Act. Fully repeals Obamacare and replaces it with Health Savings Accounts, the ability to purchase health insurance across state lines, and lets states manage Medicaid funds. Reforms will also include cutting the red tape at the FDA: there are over 4,000 drugs awaiting approval, and we especially want to speed the approval of life-saving medications.
Affordable Childcare and Eldercare Act. Allows Americans to deduct childcare and elder care from their taxes, incentivizes employers to provide on-side childcare services, and creates tax-free Dependent Care Savings Accounts for both young and elderly dependents, with matching contributions for low-income families.
End Illegal Immigration Act Fully-funds the construction of a wall on our southern border with the full understanding that the country Mexico will be reimbursing the United States for the full cost of such wall; establishes a 2-year mandatory minimum federal prison sentence for illegally re-entering the U.S. after a previous deportation, and a 5-year mandatory minimum for illegally re-entering for those with felony convictions, multiple misdemeanor convictions or two or more prior deportations; also reforms visa rules to enhance penalties for overstaying and to ensure open jobs are offered to American workers first.
Restoring Community Safety Act. Reduces surging crime, drugs and violence by creating a Task Force On Violent Crime and increasing funding for programs that train and assist local police; increases resources for federal law enforcement agencies and federal prosecutors to dismantle criminal gangs and put violent offenders behind bars.
Restoring National Security Act. Rebuilds our military by eliminating the defense sequester and expanding military investment; provides Veterans with the ability to receive public VA treatment or attend the private doctor of their choice; protects our vital infrastructure from cyber-attack; establishes new screening procedures for immigration to ensure those who are admitted to our country support our people and our values
Clean up Corruption in Washington Act. Enacts new ethics reforms to Drain the Swamp and reduce the corrupting influence of special interests on our politics.
On November 8th, Americans will be voting for this 100-day plan to restore prosperity to our economy, security to our communities, and honesty to our government.

This is my pledge to you.

And if we follow these steps, we will once more have a government of, by and for the people.

http://www.npr.org/2016/11/09/501451368/here-is-what-donald-trump-wants-to-do-in-his-first-100-days?utm_source=facebook.com&utm_medium=social&utm_campaign=npr&utm_term=nprnews&utm_content=202709
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 10, 2016, 06:19:59 pm

doesn't look too bad, does it?
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 10, 2016, 06:52:55 pm
First pictures of Donald Trump and Barack Obama in the Oval Office after lengthy meeting
http://www.ibtimes.co.uk/first-pictures-donald-trump-barack-obama-oval-office-after-lengthy-meeting-1590945

(https://d.ibtimes.co.uk/en/full/1566081/barack-obama-donald-trump.jpg?w=736)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 10, 2016, 11:49:25 pm
muito triste, mas era esperado que cenas destas acontecessem

White Trump Voter Attacked & Car Stolen by Blacks for "Voting Trump"
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 11, 2016, 01:14:47 pm


Analysis: Donald Trump's foreign policy expectations
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 11, 2016, 06:34:00 pm
deploravel jornaleco

Intelligence community is already feeling a sense of dread about Trump
https://www.washingtonpost.com/world/national-security/with-trump-about-to-learn-the-nations-deepest-secrets-a-sense-of-dread-in-the-intelligence-community/2016/11/09/e4206810-a676-11e6-ba59-a7d93165c6d4_story.html?tid=pm_world_pop_b
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 12, 2016, 11:14:36 am
History tells us what may happen next with Brexit & Trump

It seems we’re entering another of those stupid seasons humans impose on themselves at fairly regular intervals. I am sketching out here opinions based on information, they may prove right, or may prove wrong, and they’re intended just to challenge and be part of a wider dialogue.

My background is archaeology, so also history and anthropology. It leads me to look at big historical patterns. My theory is that most peoples’ perspective of history is limited to the experience communicated by their parents and grandparents, so 50–100 years. To go beyond that you have to read, study, and learn to untangle the propaganda that is inevitable in all telling of history. In a nutshell, at university I would fail a paper if I didn’t compare at least two, if not three opposing views on a topic. Taking one telling of events as gospel doesn’t wash in the comparative analytical method of research that forms the core of British academia. (I can’t speak for other systems, but they’re definitely not all alike in this way).

So zooming out, we humans have a habit of going into phases of mass destruction, generally self imposed to some extent or another. This handy list shows all the wars over time. Wars are actually the norm for humans, but every now and then something big comes along. I am interested in the Black Death, which devastated Europe. The opening of Boccaccio’s Decameron describes Florence in the grips of the Plague. It is as beyond imagination as the Somme, Hiroshima, or the Holocaust. I mean, you quite literally can’t put yourself there and imagine what it was like. For those in the midst of the Plague it must have felt like the end of the world.

But a defining feature of humans is their resilience. To us now it seems obvious that we survived the Plague, but to people at the time it must have seemed incredible that their society continued afterwards. Indeed, many takes on the effects of the Black Death are that it had a positive impact in the long term. Well summed up here: “By targeting frail people of all ages, and killing them by the hundreds of thousands within an extremely short period of time, the Black Death might have represented a strong force of natural selection and removed the weakest individuals on a very broad scale within Europe,“ …In addition, the Black Death significantly changed the social structure of some European regions. Tragic depopulation created the shortage of working people. This shortage caused wages to rise. Products prices fell too. Consequently, standards of living increased. For instance, people started to consume more food of higher quality.”

But for the people living through it, as with the World Wars, Soviet Famines, Holocaust, it must have felt inconceivable that humans could rise up from it. The collapse of the Roman Empire, Black Death, Spanish Inquisition, Thirty Years War, War of the Roses, English Civil War… it’s a long list. Events of massive destruction from which humanity recovered and move on, often in better shape.

At a local level in time people think things are fine, then things rapidly spiral out of control until they become unstoppable, and we wreak massive destruction on ourselves. For the people living in the midst of this it is hard to see happening and hard to understand. To historians later it all makes sense and we see clearly how one thing led to another. During the Centenary of the Battle of the Somme I was struck that it was a direct outcome of the assassination of an Austrian Arch Duke in Bosnia. I very much doubt anyone at the time thought the killing of a European royal would lead to the death of 17 million people.

My point is that this is a cycle. It happens again and again, but as most people only have a 50–100 year historical perspective they don’t see that it’s happening again. As the events that led to the First World War unfolded, there were a few brilliant minds who started to warn that something big was wrong, that the web of treaties across Europe could lead to a war, but they were dismissed as hysterical, mad, or fools, as is always the way, and as people who worry about Putin, Brexit, and Trump are dismissed now.

Then after the War to end all Wars, we went and had another one. Again, for a historian it was quite predictable. Lead people to feel they have lost control of their country and destiny, people look for scapegoats, a charismatic leader captures the popular mood, and singles out that scapegoat. He talks in rhetoric that has no detail, and drums up anger and hatred. Soon the masses start to move as one, without any logic driving their actions, and the whole becomes unstoppable.

That was Hitler, but it was also Mussolini, Stalin, Putin, Mugabe, and so many more. Mugabe is a very good case in point. He whipped up national anger and hatred towards the land owning white minority (who happened to know how to run farms), and seized their land to redistribute to the people, in a great populist move which in the end unravelled the economy and farming industry and left the people in possession of land, but starving. See also the famines created by the Soviet Union, and the one caused by the Chinese Communists last century in which 20–40 million people died. It seems inconceivable that people could create a situation in which tens of millions of people die without reason, but we do it again and again.

But at the time people don’t realise they’re embarking on a route that will lead to a destruction period. They think they’re right, they’re cheered on by jeering angry mobs, their critics are mocked. This cycle, the one we saw for example from the Treaty of Versaille, to the rise of Hitler, to the Second World War, appears to be happening again. But as with before, most people cannot see it because:

1. They are only looking at the present, not the past or future

2. They are only looking immediately around them, not at how events connect globally

3. Most people don’t read, think, challenge, or hear opposing views


Trump is doing this in America. Those of us with some oversight from history can see it happening. Read this brilliant, long essay in the New York magazine to understand how Plato described all this, and it is happening just as he predicted. Trump says he will Make America Great Again, when in fact America is currently great, according to pretty well any statistics. He is using passion, anger, and rhetoric in the same way all his predecessors did — a charismatic narcissist who feeds on the crowd to become ever stronger, creating a cult around himself. You can blame society, politicians, the media, for America getting to the point that it’s ready for Trump, but the bigger historical picture is that history generally plays out the same way each time someone like him becomes the boss.

On a wider stage, zoom out some more, Russia is a dictatorship with a charismatic leader using fear and passion to establish a cult around himself. Turkey is now there too. Hungary, Poland, Slovakia are heading that way, and across Europe more Trumps and Putins are waiting in the wings, in fact funded by Putin, waiting for the popular tide to turn their way.

We should be asking ourselves what our Archduke Ferdinand moment will be. How will an apparently small event trigger another period of massive destruction. We see Brexit, Trump, Putin in isolation. The world does not work that way — all things are connected and affecting each other. I have pro-Brexit friends who say ‘oh, you’re going to blame that on Brexit too??’ But they don’t realise that actually, yes, historians will trace neat lines from apparently unrelated events back to major political and social shifts like Brexit.

Brexit — a group of angry people winning a fight — easily inspires other groups of angry people to start a similar fight, empowered with the idea that they may win. That alone can trigger chain reactions. A nuclear explosion is not caused by one atom splitting, but by the impact of the first atom that splits causing multiple other atoms near it to split, and they in turn causing multiple atoms to split. The exponential increase in atoms splitting, and their combined energy is the bomb. That is how World War One started and, ironically how World War Two ended.

An example of how Brexit could lead to a nuclear war could be this:

Brexit in the UK causes Italy or France to have a similar referendum. Le Pen wins an election in France. Europe now has a fractured EU. The EU, for all its many awful faults, has prevented a war in Europe for longer than ever before. The EU is also a major force in suppressing Putin’s military ambitions. European sanctions on Russia really hit the economy, and helped temper Russia’s attacks on Ukraine (there is a reason bad guys always want a weaker European Union). Trump wins in the US. Trump becomes isolationist, which weakens NATO. He has already said he would not automatically honour NATO commitments in the face of a Russian attack on the Baltics.

With a fractured EU, and weakened NATO, Putin, facing an ongoing economic and social crisis in Russia, needs another foreign distraction around which to rally his people. He funds far right anti-EU activists in Latvia, who then create a reason for an uprising of the Russian Latvians in the East of the country (the EU border with Russia). Russia sends ‘peace keeping forces’ and ‘aid lorries’ into Latvia, as it did in Georgia, and in Ukraine. He annexes Eastern Latvia as he did Eastern Ukraine (Crimea has the same population as Latvia, by the way).

A divided Europe, with the leaders of France, Hungary, Poland, Slovakia, and others now pro-Russia, anti-EU, and funded by Putin, overrule calls for sanctions or a military response. NATO is slow to respond: Trump does not want America to be involved, and a large part of Europe is indifferent or blocking any action. Russia, seeing no real resistance to their actions, move further into Latvia, and then into Eastern Estonia and Lithuania. The Baltic States declare war on Russia and start to retaliate, as they have now been invaded so have no choice. Half of Europe sides with them, a few countries remain neutral, and a few side with Russia. Where does Turkey stand on this? How does ISIS respond to a new war in Europe? Who uses a nuclear weapon first?
This is just one Arch Duke Ferdinand scenario. The number of possible scenarios are infinite due to the massive complexity of the many moving parts. And of course many of them lead to nothing happening. But based on history we are due another period of destruction, and based on history all the indicators are that we are entering one.

It will come in ways we can’t see coming, and will spin out of control so fast people won’t be able to stop it. Historians will look back and make sense of it all and wonder how we could all have been so naïve. How could I sit in a nice café in London, writing this, without wanting to run away. How could people read it and make sarcastic and dismissive comments about how pro-Remain people should stop whining, and how we shouldn’t blame everything on Brexit. Others will read this and sneer at me for saying America is in great shape, that Trump is a possible future Hitler (and yes, Godwin’s Law. But my comparison is to another narcissistic, charismatic leader fanning flames of hatred until things spiral out of control). It’s easy to jump to conclusions that oppose pessimistic predictions based on the weight of history and learning. Trump won against the other Republicans in debates by countering their claims by calling them names and dismissing them. It’s an easy route but the wrong one.

Ignoring and mocking the experts , as people are doing around Brexit and Trump’s campaign, is no different to ignoring a doctor who tells you to stop smoking, and then finding later you’ve developed incurable cancer. A little thing leads to an unstoppable destruction that could have been prevented if you’d listened and thought a bit. But people smoke, and people die from it. That is the way of the human.

So I feel it’s all inevitable. I don’t know what it will be, but we are entering a bad phase. It will be unpleasant for those living through it, maybe even will unravel into being hellish and beyond imagination. Humans will come out the other side, recover, and move on. The human race will be fine, changed, maybe better. But for those at the sharp end — for the thousands of Turkish teachers who just got fired, for the Turkish journalists and lawyers in prison, for the Russian dissidents in gulags, for people lying wounded in French hospitals after terrorist attacks, for those yet to fall, this will be their Somme.

What can we do? Well, again, looking back, probably not much. The liberal intellectuals are always in the minority. See Clay Shirky’s Twitter Storm on this point. The people who see that open societies, being nice to other people, not being racist, not fighting wars, is a better way to live, they generally end up losing these fights. They don’t fight dirty. They are terrible at appealing to the populace. They are less violent, so end up in prisons, camps, and graves. We need to beware not to become divided (see: Labour party), we need to avoid getting lost in arguing through facts and logic, and counter the populist messages of passion and anger with our own similar messages. We need to understand and use social media. We need to harness a different fear. Fear of another World War nearly stopped World War 2, but didn’t. We need to avoid our own echo chambers. Trump and Putin supporters don’t read the Guardian, so writing there is just reassuring our friends. We need to find a way to bridge from our closed groups to other closed groups, try to cross the ever widening social divides.
(Perhaps I’m just writing this so I can be remembered by history as one of the people who saw it coming.)

https://medium.com/@theonlytoby/history-tells-us-what-will-happen-next-with-brexit-trump-a3fefd154714?inf_contact_key=8c16632de1fe6967ef8db5ef7f42dbf56d7ba245203212d0cf70250e77536db0#.efhasnd3g
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 12, 2016, 01:10:37 pm

a vitoria de trump foi notavel a todos os niveis. tinha contra ele os media, wall street, cia, e ate o proprio partido. nestas circunstancias as hipoteses dele seriam de 1/10. para uma vitoria destas suceder da para ver a frustracao do comum americano com o establishment.

viva a democracia americana :D

abaixo os seus despreziveis media, que andam ha decadas a contaminar as massas com falsa informacao.

os media americanos sao dos mais tendencioso, arrogantes e cinicos que se podem encontrar

Newsweek recalls 125,000 copies of its souvenir Madam President issue
http://www.telegraph.co.uk/news/2016/11/10/newsweek-recalls-125000-copies-of-its-souvenir-madam-president-i/

o tiro saiu-lhes pela culatra   :) 8)
(https://i.guim.co.uk/img/media/9e841fcf6489e23b01847995998c972de0aa4875/0_100_750_450/master/750.jpg?w=620&q=55&auto=format&usm=12&fit=max&s=8f179d32b3160530efc30c7f6aa3c791)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Novembro 12, 2016, 01:51:11 pm

a vitoria de trump foi notavel a todos os niveis. tinha contra ele os media, wall street, cia, e ate o proprio partido. nestas circunstancias as hipoteses dele seriam de 1/10. para uma vitoria destas suceder da para ver a frustracao do comum americano com o establishment.

viva a democracia americana :D


E até tinha contra os votos dos americanos. Sem duvida viva a democracia americana....
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 12, 2016, 02:39:51 pm
Mas parece que ele já começou a deixar cair algumas das suas promessas, estilo isto:

http://www.independent.co.uk/news/world/americas/us-elections/donald-trump-obamacare-repeals-latest-policies-quote-replacement-president-elect-a7412621.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 12, 2016, 04:19:54 pm

a vitoria de trump foi notavel a todos os niveis. tinha contra ele os media, wall street, cia, e ate o proprio partido. nestas circunstancias as hipoteses dele seriam de 1/10. para uma vitoria destas suceder da para ver a frustracao do comum americano com o establishment.

viva a democracia americana :D


E até tinha contra os votos dos americanos. Sem duvida viva a democracia americana....

e o sistema deles. (viva ohio e florida  ;)) se a clinton tivesse ganho o colegio eleitoral e perdido no voto popular os seus apoiantes com certeza achavam o resultado justissimo e a vitoria meritoria.

numa nota mais negativa a violencia anti trump continua pelos eua

Anti-Donald Trump protest: Man shot dead during rally in Portland, Oregon
http://www.belfasttelegraph.co.uk/news/world-news/antidonald-trump-protest-man-shot-dead-during-rally-in-portland-oregon-35209766.html



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 12, 2016, 05:42:46 pm
Painful Choices

Thomas Sowell
By Thomas Sowell

Let's talk sense about the election. Nothing is to be gained by refusing to face the hard facts. What are those facts?

First of all, neither Hillary Clinton nor Donald Trump has the qualifications, the track record or the personal character to be President of the United States.

Most of us could probably think of a number of people who would be better in the White House. But here, as elsewhere in life, we can only make our choices among the alternatives actually available.

Those of us who have been disgusted by some of the things that Donald Trump has said and done need to face the fact that he is not running against Mother Teresa. His sins have been matched and exceeded by Hillary Clinton and her husband.

As for accomplishments, Trump has none in politics, and business accomplishments do not automatically transfer into government.

Hillary Clinton has been in politics for decades. But does she have even a single serious accomplishment to show for it? In the Senate, she accomplished nothing, and as Secretary of State far worse than nothing.

Secretary Clinton carried out the foreign policy that destroyed two governments of countries which posed no threat whatever to America or to American interests in the Middle East. Each country is now moving in the direction of one of our two most dangerous enemies, Iran and Russia.

Egypt is now planning joint military exercises with Russian forces. Libya has already seen the rise of Islamic terrorists who killed the American ambassador whom the Clinton State Department refused to provide the security he asked for repeatedly.

So much for track records. As for personal character, would you want either of them living next door to your family?

Donald Trump seems to think that it is OK for the government to seize someone else's home and turn the property over to him, so that he can build something — without having to pay what it would cost him to buy the home. We can't even discuss what he has said about women in a family newspaper. Add an almost childish egomania and you have a 70-year-old adolescent.

Hillary Clinton is fundamentally very similar. But, having spent decades in the political limelight, she is far more experienced at concealing her ruthless and cunning contempt for anything and anybody that gets in the way of her personal enrichment and power. That includes contempt for the law.

Long before her e-mails became an issue, Mrs. Clinton was evading subpoenas for records she had somehow "lost" in the White House when she was first lady. Both she and her husband perfected the tactic of stalling and stalling, until enough time had passed that they could say that an issue was now "old news" and that it was time to "move on."

The issue before the voters, however, is not which of the two is the worse person. The issue is which is more dangerous to the future of America. Nor is this just a question of what will happen in the next four years.

Whoever becomes President of the United States can appoint Supreme Court justices able to destroy the Constitution by "interpreting" its protections of freedom out of existence — not just for the next four years, but thereafter.

Hillary Clinton is already on record as wanting a Supreme Court that will overturn recent decisions protecting free speech and upholding the right to bear arms. Everything in her past shows a contempt for law that makes her a very credible threat to dismantle the Constitution, whenever it gets in the way of her agenda.

All it takes is a Senate controlled by fellow Democrats to let a President Clinton's judicial nominees be confirmed automatically, no matter how little regard for the Constitution those nominees have demonstrated.

Donald Trump shows no such ideological agenda and has no such automatic support from Congressional Republicans as to have them rubber stamp either his judicial nominees or whatever other agenda he has. More than that, Trump can be impeached if he oversteps the bounds, without either the Republicans or the media screaming loud protests.

Trump seems to pose much less danger — which, unfortunately, is the most we can expect this particular election year.

http://jewishworldreview.com/cols/sowell110816.php3
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 12, 2016, 07:27:43 pm
Mas parece que ele já começou a deixar cair algumas das suas promessas, estilo isto:

http://www.independent.co.uk/news/world/americas/us-elections/donald-trump-obamacare-repeals-latest-policies-quote-replacement-president-elect-a7412621.html

estilo o que ?

"It will be repealed and replaced" - trump
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 12, 2016, 07:31:49 pm
Donald Trump's argument for America

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 13, 2016, 09:31:57 pm

Here's What Trump's Foreign Policy Will Look Like
https://sputniknews.com/columnists/201611111047332898-us-trump-foreign-policy/

What Will a Trump Foreign Policy Look Like?
http://www.theamericanconservative.com/larison/what-will-a-trump-foreign-policy-look-like/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Novembro 14, 2016, 01:12:53 pm
Newt Gingrich: Trump needs to have a “very, very aggressive first year”
http://www.cbsnews.com/news/newt-gingrich-trump-needs-to-have-a-very-very-aggressive-first-year/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 18, 2017, 01:40:43 pm

leram o famoso relatorio?

Background to “Assessing Russian Activities and Intentions in Recent US Elections”: The Analytic Process and Cyber Incident Attribution
https://www.dni.gov/files/documents/ICA_2017_01.pdf

estava a espera que falassem com substancia sobre o hacking afinal e sobretudo sobre as noticias da rt.
estes servicos de inteligencia americanos sao assim um pouco para o fraquinho

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 18, 2017, 02:56:03 pm
Na minha perspectiva é simples, os EUA fartam-se de fazer isso, agora não podem estar armar-se em virgens.

Afinal a NSA serve para quê?!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 19, 2017, 01:48:22 pm

boa pergunta. para que serve a nsa afinal?

parece que so se lembraram de invocar o hacking russo ( o guciffer e romeno btw) quando a querida do establishment perdeu.
se a clinton tivesse ganho todo este burburinho tinha sido evitado. sempre a procura de desculpas e a culpabilizar a russia.

ainda bem que o trump ganhou. vai ser uma lufada de ar fresco. o odio a russia so e bom para a industria de armamento americano e os servicos de informacao (sem papoes perdem o emprego).

ter boas relacoes com outros paises (especialmente uma superpotencia como a russia)  claro que e bom.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 19, 2017, 03:05:20 pm

ainda bem que o trump ganhou. vai ser uma lufada de ar fresco. o odio a russia so e bom para a industria de armamento americano e os servicos de informacao (sem papoes perdem o emprego).

ter boas relacoes com outros paises (especialmente uma superpotencia como a russia)  claro que e bom.

Claro, é por isso é que ele está a começar uma guerra comercial com a China... 8)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 20, 2017, 01:36:28 pm

Inauguration of Donald Trump Coverage Guide: Where to Watch and Stream
https://www.yahoo.com/tv/inauguration-donald-trump-coverage-guide-where-watch-stream-033548862.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 20, 2017, 01:46:52 pm

ainda bem que o trump ganhou. vai ser uma lufada de ar fresco. o odio a russia so e bom para a industria de armamento americano e os servicos de informacao (sem papoes perdem o emprego).

ter boas relacoes com outros paises (especialmente uma superpotencia como a russia)  claro que e bom.

Claro, é por isso é que ele está a começar uma guerra comercial com a China... 8)


acho que vai comecar primeiro uma guerra comercial com a uniao europeia (alemanha)  :) ;)

Trump ameaca industria automovel alema com tarifas punitivas

Trump droht deutschen Autobauern mit Strafzöllen
http://www.zeit.de/politik/ausland/2017-01/trump-droht-deutschen-autokonzernen-mit-hohen-strafzoellen
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 20, 2017, 03:11:54 pm
Americanas em Lisboa: “Trump vai ser um fantoche na Casa Branca”

20 jan, 2017 - 08:00 • Ricardo Vieira

Duas cidadãs norte-americanas a viver em Portugal acompanham à distância o fim da era Obama e ascensão de Donald Trump ao poder. Não querem a Casa Branca transformada num “reality show” e estão apreensivas.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fmediaserver4.rr.pt%2Fnewrr%2Funtitled_28390d57a_base.jpg&hash=69321df615b0cf2fb9d3fb5ee634236c)

Abigail Santana, 26 anos, é do Alabama, um estado rural que compara, de certa forma, ao Alentejo. “Tecnicamente republicana”, foi o amor que a trouxe a Lisboa. Casada com um português, é atleta de triatlo e criou a Ela Pedala, uma marca de equipamentos para elas.
Ashi Damvar, 29 anos, trocou o Texas por Lisboa e posiciona-se à esquerda do Partido Democrata, de Barack Obama e Hillary Clinton. É uma norte-americana com raízes iranianas e com mundo. Professora e tradutora, já viveu em Espanha, na Turquia e agora Portugal, onde está a tirar um mestrado.

Populista ou pragmático? Para Ashi, o Presidente eleito dos Estados Unidos, que toma posse esta sexta-feira, não passa de alguém que gosta de “dar espectáculo” e será um “fantoche” na Casa Branca.

“Há pessoas que vão estar atrás dele a fazer o trabalho. Trump só vai ser o fantoche, a dizer coisas chocantes de vez em quando, a escrever coisas ridículas no Twitter, a atrair multidões, mas, em termos das políticas concretas, quem faz os discursos dele é que tem o poder”, diz a texana de Austin, que abriu as portas da sua casa em Lisboa para falar sobre a nova era na América.

Sentada à sua frente num fim de tarde de Inverno, a amiga conservadora Abigail concorda. Não gosta do lado “sensacionalismo” de Trump e espera que o homem das mil e uma polémicas, que ameaça países e empresas pelas redes sociais, consiga vestir o fato de estadista.
“Trump deve apagar a conta do Twitter, se calhar, arranjar outro cabeleireiro. Agora a sério: acho que ele tem de aprender a pensar antes de falar, porque todas as coisas que ele diz têm impacto. Qualquer comentário pode começar uma coisa horrível. O resto do mundo vai dar um bocado de desconto porque sabe que ele não é deste sistema, vem de outra área, mas só até um ponto”, afirma Abigail, que se absteve nas eleições de Novembro passado devido a problemas burocráticos e porque não confiava em nenhum candidato.

Para a triatleta habituada a desafios, “Trump não pode dizer coisas sensacionalista sempre, tem que ficar mais sério, aceitar a responsabilidade e encarar o cargo com seriedade. Este é o trabalho mais difícil do mundo, não pode ser tratado como um jogo que ele ganhou”.

Ashi está politicamente longe de Abigail, mas reforça a ideia. Defende que a primeira prioridade de Donald Trump é deixar de ser um “animador”, que diz “coisas chocantes, e transformar-se num “Presidente a sério”, focado nas políticas necessárias a “fazer as coisas acontecer”.

“Ninguém devia gostar desta amizade de Trump com Putin”

O novo Presidente quer enterrar o machado da “guerra fria” com a Rússia e, se possível, cultivar uma boa relação com Vladimir Putin, acusado pelas secretas americanas de tentar influenciar as eleições nos EUA através de ataques informáticos.

“Não gosto desta amizade que o Trump tem com o Putin e ninguém devia gostar”, afirma a republicana Abigail Santana.

Ashi Damvar destaca que uma eventual aproximação de Washington a Moscovo pode ajudar a resolver o problema da guerra e da crise humanitária na Síria, que se arrasta há cinco anos e já provocou milhares de vítimas e refugiados.

“A dada altura na Síria podia ter sido pior se tivesses ido contra os russos e a boa relação que ele tem com Putin pode ser uma coisa boa, porque pode acabar com mais conflitos na região, ajudar a aproximar os dois lados para resolver algumas coisas, mesmo que não seja uma boa parceria por causa do que eles têm feito e dos seus interesses, mas, pelo menos, pode ajudar a evitar mais guerra”, defende a professora.

Mas simultaneamente, prevê Ashi, com Trump aos comandos os Estados Unidos vão relacionar-se de forma drasticamente diferente com o resto do mundo – criticou a ONU e desvalorizou a NATO – e vão deixar de ser, definitivamente, a maior potência mundial.

“Os EUA têm ocupado a liderança há bastante tempo e têm muito poder, mas com um palhaço como Chefe de Estado, alguém que se sente bem a agir desta maneira, acho que muitos países vão tratá-lo como uma criança.”

“Classe média ficou ferida com o Obamacare”

Trump anunciou que uma das suas primeiras medidas como Presidente vai ser “rasgar” o “Obamacare”, que deu acesso à saúde a cerca de 20 milhões de americanos pobres, e criar um novo sistema “muito melhor”.

Ashi tem “sentimentos contraditórios em relação ao ‘Obamacare’”, devido ao aumento dos encargos para a classe média. Conta que quando estava desempregada “tinha que pagar um valor elevado”, cerca de 150 euros por mês.

“Acho que o ‘Obamacare’ não está a resolver a situação de muitas pessoas. Foi bom para pessoas que não conseguiam ter seguro de saúde nos seus empregos. Isso foi bom. Mas depois há uma parte da classe média que ficou ferida, sem opções. É um bocado desequilibrado.”

Filha de um cirurgião que “aprecia” o “Obamacare”, Abigail considera que o actual plano de saúde “é impossível de pagar para a classe média”. E dá um exemplo próximo: “No actual sistema, a minha mãe e o meu padrasto têm que pagar 1.500 euros por mês para seguros, duas pessoas, sem mais ninguém. As empresas de seguros privadas estão a aproveitar o ‘Obamacare’ para enganar as pessoas e para aumentar os preços”.


“EUA não são uma democracia, mas uma oligarquia”

No seu discurso de despedida, em Chicago, Barack Obama falou na necessidade de cuidar e defender a democracia e prometeu estar vigilante.

Ashi considera que são meras “palavras para encher o discurso”, porque “os Estados Unidos não são uma democracia, são uma oligarquia”, e dá o exemplo do sistema de voto.

Abigail considera que os alertas de Obama são direccionados para os americanos que, por acção ou falta dela, ajudaram “criaram o monstro” Trump.

“Não foi feito só por uma pessoa ou por um grupo de pessoas. Foi feito pelos média, pelos média sociais, pelas pessoas que achavam que a Hillary era uma candidata imbatível, pelos republicanos que não disseram não, que não foram contra o Trump em situações em que podiam”.

A mulher do Alabama concorda que os EUA são uma oligarquia. Para haver uma democracia a sério é preciso “criar um ambiente para deixar participar mais pessoas”.


“Da minha universidade de Georgetown, em Washington, vão muitas pessoas para o poder, muitas pessoas que estão a trabalhar com os políticos, mas sei bem que não são as pessoas do meu estado. Se nos sentíssemos mais representados, isto se calhar não acontecia”, sublinha.

Travões a Trump

Apesar das críticas ao sistema, as duas amigas americanas acreditam que os eventuais excessos de Donald Trump pode ser travados através do Congresso e da vigilância dos norte-americanos.

“Espero que os congressistas continuem a pensar no melhor para as pessoas que eles estão a representar, apesar do partido a que pertencem. Ainda há muitos congressistas que estão contra o Trump e não vão beijar os pés do Trump só porque ele é Presidente”, acredita Abigail.

Ashi vê uma “luz ao fundo do túnel”. A dura corrida eleitoral que culminou com a eleição de Trump mobilizou muitos americanos que não queriam saber de política.

O novo Presidente não vai ter margem de manobra nem estado de graça e “tem que responder ao povo”, que vai estar vigilante.

“Obama e outros presidentes, talvez, pudessem fazer coisas fora do escrutínio público, porque as pessoas estavam mais apáticas. Talvez não gostassem do Presidente, mas pensavam: ‘Ele ganhou e não posso controlar isto’. Mas agora as pessoas dizem: ‘Nós podemos fazer alguma coisa e temos que fazer alguma coisa, porque esta é a última oportunidade da política, porque é demasiado maluco e temos que fazer alguma coisa’. É o lado positivo. Gosto do que vejo na maioria das pessoas”, conclui Ashi Damvar, uma americana em Lisboa.

http://rr.sapo.pt/noticia/73863/americanas_em_lisboa_trump_vai_ser_um_fantoche_na_casa_branca?utm_source=rss
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 20, 2017, 09:08:55 pm

acho uma certa piada a esta onda de noticias anti-trump ( do genero das que o forista Cabeca nos traz) com que somos brindados diariamente. o homem ainda nao tem um dia na casa branca mas ja esta vaticinado que vai ser um desastroso presidente.

a quem e que interessa bombardear as massas com todos os prognosticos catastroficos resultante da sua presidencia ? tenho umas ideias nesta materia mas nao me vou adiantar (aqui).

deixem-no implementar o seu plano, critiquem-no depois. a partida as linhas chave sao animadoras- proteccao das fronteiras, investimento na infra-estrutura,reatar dos lacos com a Russia, renegociacao dos tratados comercias (como a noticia que deixo abaixo)

o publico americano que e zombado pelo mundo fora pela sua ignorancia percebeu o caminho que tinha a frente e optou (bem na minha opiniao) em arriscar que um homem de negocios (que nao gosta de ser comido por parvo) seja o seu presidente. com obama nada mudou, com bush foi uma tragedia, com hillary seria um cocktail explosivo. pode ser que este  donald nao seja assim tao mauzinho como as mas bocas (sao muitas na europa) dao a entender. talvez as suas politicas ate acabem por ter mais impacto positivo no comum americano. vamos la ver.

 :G-Ok:
Trump trade strategy starts with quitting Asia pact -White House
http://www.cnbc.com/2017/01/20/reuters-america-trump-trade-strategy-starts-with-quitting-asia-pact-white-house.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 21, 2017, 10:58:35 am

acho uma certa piada a esta onda de noticias anti-trump ( do genero das que o forista Cabeca nos traz) com que somos brindados diariamente. o homem ainda nao tem um dia na casa branca mas ja esta vaticinado que vai ser um desastroso presidente.

Da minha parte ele é uma carta em branco, será ele que vai escrever o que vai ser o seu mandato. Para mim já começou mal ao nomear certas pessoas. Ex: Rex Tillerson.

Citar
a quem e que interessa bombardear as massas com todos os prognosticos catastroficos resultante da sua presidencia ? tenho umas ideias nesta materia mas nao me vou adiantar (aqui).

Porque ele é e sempre foi um homem pouco concensual, até no próprio Partido repúblicano. Alguma das coisas que ele já disse, é uma viragem de 180 graus na politica externa desde a 2ª GM. Isso pode ser bom e mau... depende da forma como vai ser feita.

Citar
deixem-no implementar o seu plano, critiquem-no depois. a partida as linhas chave sao animadoras- proteccao das fronteiras, investimento na infra-estrutura,reatar dos lacos com a Russia, renegociacao dos tratados comercias (como a noticia que deixo abaixo)

Em principio a única coisa boa que vai sair dai vai ser mesmo a pacificação das relações com os Russos, tudo o resto pode ter resultados pouco ou nada esperados. Já se anuncia uma guerra económica com a China e a Alemanha (como tu já tinhas dito e bem anteriormente).

Citar
o publico americano que e zombado pelo mundo fora pela sua ignorancia percebeu o caminho que tinha a frente e optou (bem na minha opiniao) em arriscar que um homem de negocios (que nao gosta de ser comido por parvo) seja o seu presidente. com obama nada mudou, com bush foi uma tragedia, com hillary seria um cocktail explosivo. pode ser que este  donald nao seja assim tao mauzinho como as mas bocas (sao muitas na europa) dao a entender. talvez as suas politicas ate acabem por ter mais impacto positivo no comum americano. vamos la ver.

O povo Norte-Americano está farto do "sistema", tal como grande parte do Ocidente. O "sistema" produz lideranças que dizem uma coisa e depois fazem outra, que têm reuniões à porta fechada e depois fingem que as coisas são feitas às claras. Para mim os Democratas perderam as eleições assim que deram um pontapé no traseiro do Bernie. Ele como candidato "fringe" tinha muito mais hipóteses que a Hillary.

Como já escrevi antes, há coisas no seu programa que eu próprio acho que são boas ideias, que podem ter excelentes resultados, mas outras nem por isso. Já agora, eu sou daqueles que acredita que ele vai mesmo construir o muro/vedação.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Crypter em Janeiro 21, 2017, 11:21:10 am
Citar
As primeiras horas do mandato do 45º Presidente dos Estados Unidos da América já estão envolvidas em polémica. A página dedicada às conquistas dos direitos LGBT desapareceu do site da Casa Branca.
http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/trump-tomou-posse-e-a-pagina-de-direitos-lgbt-desapareceu-do-site-da-casa-branca

The White House website's page on climate change just disappeared
http://www.cnbc.com/2017/01/20/the-white-house-websites-page-on-climate-change-just-disappeared.html

Enfim
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 21, 2017, 01:24:48 pm

Cabeca

Discordo. A escolha do rex tillerson e acertada. E um virar de pagina. Quem melhor para uma nova era de relacoes internacionais do que alguem que conhece intimamente os meandros da russia?
como trump disse - “To me a great advantage is that he knows many of the players in the world and he knows them well.”

(https://i.guim.co.uk/img/media/b0e5e93fbc29b4b3a6a3d2608d68c30c7f489d33/0_87_2934_1761/master/2934.jpg?w=860&q=55&auto=format&usm=12&fit=max&s=7864a870ff1215f376319f27e0f3640a)

Para mim o maior problema da america e a sua politica externa baseada na coaccao, guerras, destruicao da identidade doutros paises. Se as palavras inaugurais de trump se concretizarem sera um muito bom comeco

http://www.zerohedge.com/news/2017-01-20/trumps-inugural-address-full-transcript

Citar
We will seek friendship and goodwill with the nations of the world, but we do so with the understanding that it is the right of all nations to put their own interests first. We do not seek to impose our way of life on anyone, but rather to let it shine as an example, we will shine for everyone to follow. We will reinforce old alliances and form new ones, and you night the civilized world against radical islamic terrorism, which we will eradicate completely from the face of the Earth.

os trilioes de dollars que sao canalizados para a maquina de guerra se forem investidos internamente (infra-estrutura,industria, saude, educacao) podem transformar um pais para melhor ( sao aos milhoes os americanos que vivem actualmente  a custa do welfare - cheques sociais). com empreendimento  ai sim a america pode voltar a ser grande
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 21, 2017, 04:31:56 pm

Donald Trump era begins with Obamacare rollback and missile defence plan
https://www.theguardian.com/us-news/2017/jan/21/donald-trump-era-begins-with-obamacare-rollback-and-missile-defence-orders
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 21, 2017, 06:30:44 pm
Trump não perde tempo e assina decreto para revogar o Obamacare

Decreto destina-se a “minizar o peso” financeiro do sistema de saúde criado por Barack Obama antes da sua “revogação imediata”, conforme prometeu Trump durante a campanha eleitoral

http://expresso.sapo.pt/internacional/2017-01-21-Trump-nao-perde-tempo-e-assina-decreto-para-revogar-o-Obamacare

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Janeiro 21, 2017, 06:42:02 pm
Citar
As primeiras horas do mandato do 45º Presidente dos Estados Unidos da América já estão envolvidas em polémica. A página dedicada às conquistas dos direitos LGBT desapareceu do site da Casa Branca.
http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/trump-tomou-posse-e-a-pagina-de-direitos-lgbt-desapareceu-do-site-da-casa-branca

The White House website's page on climate change just disappeared
http://www.cnbc.com/2017/01/20/the-white-house-websites-page-on-climate-change-just-disappeared.html

Enfim

Vem aí uma verdadeira shit storm.
 :o
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 21, 2017, 11:20:52 pm

nao me considero anti-lgbt, antes pelo contrario respeito as outras orientacoes sexuais.
agora o que acho absurdo e este choradinho dos grupos e governos que ficam ofendidos quando a causa que promovem e desapreciada mediaticamente. que tal um site da casa branca sobre os poligamos muculmanos cidadaos americanos, ou os direitos dos swingers, ou dos solteiros, ou heterossexuais ou metrosexuais.ja agora. precisamente porque os lgbt  tem os mesmos direitos (nos eua tanto quanto sei tem maioritariamente plenos direitos e liberdades) e que nao ha necessidade de exuberancia oficial.
se tem igualdade e querem igualdade porque trata-los de maneira diferente e dar-lhes uma atencao especial?

quanto ao climate change, ha muito boa gente que diz que e treta ( o Cabeca e um deles penso)
talvez ele possa dar-nos aqui a sua opiniao sobre este tema tao sensivel
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 21, 2017, 11:44:52 pm
vai ser um jogo perigoso

Trump speaks at the C.I.A.
https://www.nytimes.com/video/us/politics/100000004886212/watch-live-trump-at-the-cia.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 22, 2017, 10:25:37 pm


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 23, 2017, 01:36:57 pm
damm right

"You Are Fake News!" Donald Trump Destroys CNN & Buzzfeed

i like his style

FULL White House Press Secretary Sean Spicer SLAMS Media for Coverage Of The Inauguration 1/21/2017
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 23, 2017, 10:58:51 pm
trump - "great thing for the american worker, what we just did"

Sanders, joined by Rust Belt Democrats, praises Trump for nixing TPP
https://www.washingtonpost.com/news/powerpost/wp/2017/01/23/sanders-praises-trump-for-nixing-tpp-delighted-to-work-with-him-on-pro-worker-policies/?utm_term=.12a82df7861c

SENATOR BERNIE SANDERS: THE TRANS-PACIFIC TRADE (TPP)
AGREEMENT MUST BE DEFEATED
https://www.sanders.senate.gov/download/the-trans-pacific-trade-tpp-agreement-must-be-defeated?inline=file
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 24, 2017, 11:44:57 am
Verdade seja dita, o Trump está a cumprir itém a itém o seu programa. Pode ser bom, pode ser mau, mas quem votou nele está a ter exactamente o que queria e quem achava que ele era um bluff já percebeu que estava enganado.

O tipo vai para a frente... com tudo!

Já agora:

Citar
Seven actions to protect
American workers:
★ FIRST, I will announce my intention to renegotiate NAFTA or withdraw from the deal under Article 2205.
★ SECOND, I will announce our withdrawal from the Trans-Pacifi c Partnership.
★ THIRD, I will direct the Secretary of the Treasury to label China a currency manipulator.
★ FOURTH, I will direct the Secretary of Commerce and U.S. Trade Representative to identify all foreign trading abuses that unfairly impact American workers and direct them to use every tool under American and international law to end those abuses immediately.
★ FIFTH, I will lift the restrictions on the production of $50 trillion dollars’ worth of job-producing American energy reserves, including shale, oil, natural gas and clean coal.
★ SIXTH, lift the Obama-Clinton roadblocks and allow vital energy infrastructure projects, like the Keystone Pipeline, to move forward.
★ SEVENTH, cancel billions in payments to U.N. climate change programs and use the money to fi x America’s water and environmental infrastructure.

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 24, 2017, 01:39:31 pm

se olharmos para o conteudo do programa trump com atencao e nao nos deixarmos levar pelo frenesim apocaliptico mediatico, chega-se a conclusao que as suas iniciativas a serem postas em pratica vao trazer grandes beneficios para o povo americano. mas agora vive-se um tempo (mediatico) em que quem tenta proteger os seus interesses, a sua identidade (veja-se brexit, veja-se grecia, veja-se frente nacional francesa, veja-se russia, veja-se siria etc ) e atacado e rebaixado sem quartel pelos media do costume. 
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 24, 2017, 01:43:36 pm
trump deposita grande confianca neste homem, vamos ver o que vai sair daqui

Mike Pompeo Is Confirmed to Lead C.I.A., as Rex Tillerson Advances
https://www.nytimes.com/2017/01/23/us/politics/mike-pompeo-cia-director.html?_r=0

(https://static01.nyt.com/images/2017/01/24/us/24confirm-pompeo/24confirm-pompeo-master768.jpg)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 24, 2017, 01:49:41 pm
poupa-se dinheiro e salvam-se vidas - can't be that bad

Trump reverses abortion-related U.S. policy, bans funding to international health groups
https://www.washingtonpost.com/news/to-your-health/wp/2017/01/23/trump-reverses-abortion-related-policy-to-ban-funding-to-international-health-groups/?utm_term=.a9ccf0887b57
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 24, 2017, 08:43:46 pm

mais uma promessa que nao ficou esquecida

Trump Revives Keystone Pipeline Rejected by Obama
https://www.nytimes.com/2017/01/24/us/politics/keystone-dakota-pipeline-trump.html?_r=0
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 25, 2017, 12:18:31 pm

mais uma promessa que nao ficou esquecida

Trump Revives Keystone Pipeline Rejected by Obama
https://www.nytimes.com/2017/01/24/us/politics/keystone-dakota-pipeline-trump.html?_r=0

E isto é bom?! Para quem?
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 25, 2017, 01:43:39 pm
Vai criar muito emprego e optimizar a distribuicao de petroleo na america. Esses sao os beneficios mais directos
Estes links respondem a tua pergunta Cabeca

http://www.energyxxi.org/benefits-keystone-xl
https://www.wallstreetdaily.com/2015/02/02/keystone-xl-pipeline-benefits/
http://www.heritage.org/research/reports/2015/01/more-than-six-years-later-keystone-xl-is-still-a-good-idea
http://blog.transcanada.com/five-reasons-to-support-building-the-keystone-xl-pipeline/
http://www.chron.com/opinion/outlook/article/U-S-needs-the-Keystone-pipeline-2252675.php

estava a espera que te pronunciasses

quanto ao climate change, ha muito boa gente que diz que e treta ( o Cabeca e um deles penso)
talvez ele possa dar-nos aqui a sua opiniao sobre este tema tao sensivel
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 25, 2017, 03:20:03 pm
Uma coisa é as mudanças climatéricas, outra coisa é se o homem é ou não o responsável pelas mesmas e ainda outra coisa é a criação de um oleoduto com todos os perigos latentes ao mesmo. Muito emprego... eles falam em cerca de 20.000 empregos, isto num país com quantos milhões?

Isso e isto é uma vergonha para os Norte-Americanos!

http://www.popularmechanics.com/technology/infrastructure/a23658/dakota-pipeline-protests/

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Janeiro 25, 2017, 04:08:04 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 25, 2017, 08:55:27 pm
Uma coisa é as mudanças climatéricas, outra coisa é se o homem é ou não o responsável pelas mesmas e ainda outra coisa é a criação de um oleoduto com todos os perigos latentes ao mesmo. Muito emprego... eles falam em cerca de 20.000 empregos, isto num país com quantos milhões?

Isso e isto é uma vergonha para os Norte-Americanos!

http://www.popularmechanics.com/technology/infrastructure/a23658/dakota-pipeline-protests/

esses 20 mil empregos sao trabalho directo. com trabalho indirecto ha estimativas que falam em mais de 100 mil postos de trabalho. acho isso mais produtivo do que andar a passar cheques sociais para os desempregados.

a tua evasiva fez-me lembrar a teresa maio quando lhe perguntaram ha dias na televisao se ela sabia ou nao do falhanco do teste com o missil nuclear

esquece o trump, esquece o oleoduto e responde se quiseres . o aquecimento global e treta ou nao?
(quase que posso jurar que li algures uma publicacao tua neste forum a dizer que sim)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 25, 2017, 09:11:18 pm
o septuagenario nao anda a dormir

Trump orders wall to be built on Mexico border
http://www.bbc.co.uk/news/world-us-canada-38740717
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 26, 2017, 03:47:26 pm
Uma coisa é as mudanças climatéricas, outra coisa é se o homem é ou não o responsável pelas mesmas e ainda outra coisa é a criação de um oleoduto com todos os perigos latentes ao mesmo. Muito emprego... eles falam em cerca de 20.000 empregos, isto num país com quantos milhões?

Isso e isto é uma vergonha para os Norte-Americanos!

http://www.popularmechanics.com/technology/infrastructure/a23658/dakota-pipeline-protests/

esses 20 mil empregos sao trabalho directo. com trabalho indirecto ha estimativas que falam em mais de 100 mil postos de trabalho. acho isso mais produtivo do que andar a passar cheques sociais para os desempregados.

Estimativas... e quantos empregos eles conseguiam criar se apoiassem da mesma forma as empresas que produzem painéis solares, ou outras formas de produção de electricidade RENOVÁVEIS?

Citar
a tua evasiva fez-me lembrar a teresa maio quando lhe perguntaram ha dias na televisao se ela sabia ou nao do falhanco do teste com o missil nuclear

esquece o trump, esquece o oleoduto e responde se quiseres . o aquecimento global e treta ou nao?
(quase que posso jurar que li algures uma publicacao tua neste forum a dizer que sim)

A isso chama-se virar o bico ao prego que é basicamente mudar de assunto propositadamente, desviar a conversa por conveniência! O que raio tem o que eu penso ou não sobre o aquecimento global tem a haver com os oleodutos a serem construídos nos EUA?! Qual a relevância?!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 27, 2017, 12:55:46 am
o bill gates que e democrata e tem projectos nas energias verdes ate nao se mostra muito pessimista com a administracao trump.
o caminho das energias renovaveis na america ja esta em marcha quer o novo presidente goste ou nao. havera oportunidades para ambos os lados.


eu ate disse para ignorares a questao do trump e dos oleodutos, mesmo assim nao quiseste responder a questao do aquecimento global e ainda dizes que os outros mudam de conversa.
para mim o principal entrave com a construcao do oleoduto tem a ver com a ameaca ao territorio de reservas indias nao tanto com questoes ambientais ou de seguranca que sao debativeis.
mesmo esse conflito "cultural" pode ser ultrapassado com bom senso.

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 27, 2017, 12:59:15 am

Mexican President Cancels Meeting With Trump After Border Wall Order
http://abcnews.go.com/Politics/mexican-president-cancels-meeting-trump-twitter/story?id=45065210
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 27, 2017, 11:03:38 am
o bill gates que e democrata e tem projectos nas energias verdes ate nao se mostra muito pessimista com a administracao trump.
o caminho das energias renovaveis na america ja esta em marcha quer o novo presidente goste ou nao. havera oportunidades para ambos os lados.


Há toda uma série de empresários/multinacionais Norte-Americanas que apostam e bem nas novas tecnológicas e energias renováveis, mas isso é um fenómeno global. Quando Portugal que é um pequeno país Europeu, consegue ter milhares de empregos directos relacionado com as energias renováveis, imagina num país com o tamanho dos EUA. O meu problema não é se ele acredita ou não que o homem é responsável pelas mudanças climatéricas no mundo, mas sim com isto:


Citar
Uma área onde Trump quer avançar com mudanças substantivas é a de energia. Obama deu um ímpeto às energias renováveis que o novo inquilino da Casa Branca pretende inverter, apostando nas energias fósseis como o petróleo e o carvão, com características poluentes. E durante a campanha eleitoral garantiu mesmo que iria acabar com as normas ambientais que destroem o ambiente.

Por outro lado temos uma Alemanha que quando a Toyota lançou o Prius, o Presidente da VW disse que era um carro de nicho e que o futuro não passava pelos carros eléctricos. Passado uns poucos anos vemos que 2030 eles vão proibir a comercialização, de automóveis novos movidos por motores de combustão, a gasolina ou a gasóleo. Todos as marcas Alemãs estão a apostar nas viaturas híbridas e eléctricas. Tenho um membro da minha família que é praticamente auto-suficiente energéticamente falando porque tem um painel solar orientável para a produção de electricidade e tubos de vácuo para o aquecimento das águas. Imagina isto repetido por todo um país. isso dava às pessoas uma elevadíssimo grau de independência. O que o Trump está a apoiar é o oposto, é a dependência das pessoas nas grandes empresas do sector petrolifero e do carvão. Já há um estado que prepara-se para aprovar multas às empresas que produzem a sua própria energia (renovável). E provavelmente será a primeira de muitas.

Citar
eu ate disse para ignorares a questao do trump e dos oleodutos, mesmo assim nao quiseste responder a questao do aquecimento global e ainda dizes que os outros mudam de conversa.
para mim o principal entrave com a construcao do oleoduto tem a ver com a ameaca ao territorio de reservas indias nao tanto com questoes ambientais ou de seguranca que sao debativeis.
mesmo esse conflito "cultural" pode ser ultrapassado com bom senso.

Não meu caro, o que tu queres é mesmo mudar de assunto propositadamente, desviar a conversa por conveniência, porque um momento estamos a debater um assunto no outro começas a falar de outra coisa completamente diferente. Para mim a questão é de LEI. Eles por LEI tinham que pedir autorização à reserva e tal coisa não foi feito. Para além disso este tipo de obras nos EUA dá sempre problemas com derrames. Olha o rio que ele vai passar:

(https://insideclimatenews.org/sites/default/files/styles/colorbox_full/public/DakotaAccessNDSioux800px.png?itok=4nWsj5Ue)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 27, 2017, 02:04:10 pm


Citar
Já há um estado que prepara-se para aprovar multas às empresas que produzem a sua própria energia (renovável).
fonte?

Citar
Para além disso este tipo de obras nos EUA dá sempre problemas com derrames. Olha o rio que ele vai passar:
os oleodutos sao considerados meios mais seguros de transporte/distribuicao do que os comboios

Citar
E durante a campanha eleitoral garantiu mesmo que iria acabar com as normas ambientais que destroem o ambiente.
sugiro que des uma vista de olhos ao documento abaixo que ajuda a desdramatizar as calamidades dos velhos do restelo
http://www.keystone-xl.com/wp-content/uploads/2014/01/Keystone-XL-Project-Final-SEIS-01-31-2014.pdf

Citar
Para mim a questão é de LEI. Eles por LEI tinham que pedir autorização à reserva e tal coisa não foi feito.
e preciso haver um dialogo amplo entre os dois lados para se chegar a um entendimento. em ultimo caso a rota pode ser alterada
https://www.justice.gov/opa/pr/joint-statement-department-justice-department-army-and-department-interior-regarding-standing
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 27, 2017, 02:06:44 pm
http://www.jn.pt/mundo/interior/estado-americano-quer-multar-empresas-que-produzam-eletricidade-com-vento-e-sol-5628589.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 28, 2017, 12:47:43 am

No, Wyoming is Not Banning Wind and Solar Energy
http://townhall.com/columnists/sarahhunt/2017/01/19/no-wyoming-is-not-banning-wind-and-solar-energy-n2273594

http://www.powercompanyofwyoming.com/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 28, 2017, 10:08:47 am
Nieto, Trump agree to stop speaking about border wall payment, Mexico says; Pair have long phone call
http://www.cnbc.com/2017/01/27/trump-has-long-phone-chat-with-mexico-president.html

Trump promises ‘great rebuilding of the Armed Forces’ while signing executive order at the Pentagon
https://www.washingtonpost.com/news/checkpoint/wp/2017/01/27/draft-executive-order-shows-how-trump-wants-to-grow-the-u-s-military-significantly/?utm_term=.d7acfc062fb7
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 28, 2017, 11:55:13 am
Citar
Senate File 71 does indeed penalize utility scale wind and solar. The bill punishes these energy sources by charging utilities a fine for their usage at a rate that makes utility scale wind and solar uncompetitive in today’s Wyoming electricity market.

Ou seja, até aqui eles tinham que vender a electricidade com uma certa percentagem de electricidade de fontes de energia renovável. Agora eles querem abolir essa obrigatoriedade e para além disso se alguém vender electricidade usando fontes mais caras, leva uma multa em cima. Porreiro, o que eles esquecem-se de dizer é que as fontes mais poluentes são subsidiadas nos EUA. Ou seja, passamos de um espectro ao outro.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 28, 2017, 02:26:10 pm

a) a proposta de lei ainda nao foi aprovada

b) as companhias de Wyoming vao continuar a exportar energia obtida de renovaveis para outros estados

c) a multa nao aplica-se a quem utilize energias verdes em pequena escala para uso domestico
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 28, 2017, 10:23:00 pm

Trump and Putin discuss coordinating on ISIS and Syria, Kremlin says
https://www.washingtonpost.com/politics/trump-holds-calls-with-putin-leaders-from-europe-and-asia/2017/01/28/42728948-e574-11e6-a547-5fb9411d332c_story.html?utm_term=.cec6a761de39

Trump Orders Pentagon to Send Plan to Defeat Daesh Within 30 Days
https://sputniknews.com/us/201701291050116609-trump-orders-isis-plan/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 30, 2017, 01:21:18 pm
ora ai esta um bom pretexto para a ue por sancoes aos eua. cada vez que falam e nao agem mais se vez o tamanho dos pigmeus politicos de bruxelas

Trump executive order: Million sign petition to stop UK visit
http://www.bbc.co.uk/news/uk-38795998
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 31, 2017, 10:46:05 am
Trump Fires Acting Attorney General Who Defied Him
https://mobile.nytimes.com/2017/01/30/us/politics/trump-immigration-ban-memo.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Janeiro 31, 2017, 01:56:26 pm

Iran to ban US citizens after Trump order
http://thehill.com/policy/national-security/316684-iran-will-ban-us-citizens-from-entering-the-country-report
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 01, 2017, 01:28:36 pm
Army Corps ordered to issue final Dakota Access pipeline permit, two lawmakers say
https://www.washingtonpost.com/news/energy-environment/wp/2017/01/31/army-corps-ordered-to-issue-final-dakota-access-pipeline-permit-two-lawmakers-say/?utm_term=.14155c40df8d#a-1a5a30df-dbf7-42d5-b2c5-d1c70af00cb0
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 01, 2017, 07:54:45 pm

Trump White House says it's 'putting Iran on notice'
http://www.cnbc.com/2017/02/01/trump-white-house-says-its-putting-iran-on-notice.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 03, 2017, 12:18:31 am
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimgur.com%2FOLdsAh1.jpg&hash=96bab4b313679edb568246eed141a525)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 03, 2017, 12:21:16 pm


More Americans support Donald Trump's immigration ban than oppose it, poll shows
http://www.telegraph.co.uk/news/2017/02/01/americans-support-donald-trumps-immigration-ban-oppose-poll/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 04, 2017, 12:48:25 am
Trump administration tightens Iran sanctions, Tehran hits back
http://www.reuters.com/article/us-iran-usa-idUSKBN15H253
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 04, 2017, 10:23:15 am
Justice Department to challenge judge's halt of travel ban
http://edition.cnn.com/2017/02/03/politics/federal-judge-temporarily-halts-trump-travel-ban-nationwide-ag-says/index.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 05, 2017, 11:12:49 am
US Court Denies Trump Administration's Request to Restore Entry Suspension Order
https://sputniknews.com/us/201702051050362533-us-appeals-court-denies-request-to-restore-entry-order-suspension/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 05, 2017, 11:22:16 am
"you think our country is so innocent?" wow  :G-Ok:

PREVIEW: Trump Tells O'Reilly He 'Respects' Putin in Super Bowl Interview
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 06, 2017, 05:00:31 pm
Trump gives America's 'poorest white town' hope
http://money.cnn.com/2017/02/06/news/economy/donald-trump-beattyville-kentucky/index.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 08, 2017, 05:49:40 pm
US Senators Introduce Bill Requiring Approval for Lifting Anti-Russia Sanctions
https://sputniknews.com/us/201702081050481495-russia-sanctions-us-congress/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 11, 2017, 11:07:20 pm

Democrats, advocates question ICE enforcement raids after hundreds of arrests
http://edition.cnn.com/2017/02/10/politics/democrats-question-ice-enforcement-raids/index.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 12, 2017, 10:36:08 am
Donald Trump adviser Michael Flynn 'discussed sanctions with Russian ambassador' then denied it
http://www.telegraph.co.uk/news/2017/02/10/donald-trump-adviser-michael-flynn-discussed-sanctions-russian/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Pedro E. em Fevereiro 13, 2017, 11:15:45 pm

Justin Trudeau and Donald Trump Try to Bridge Some Gaps While Avoiding Others
https://mobile.nytimes.com/2017/02/13/world/canada/justin-trudeau-donald-trump.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Fevereiro 14, 2017, 11:19:49 am

Está muito bem conseguido a partir dos 21:40 :)
Lições para o Trump :)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 14, 2017, 12:56:18 pm
Michael Flynn resigns: Trump's national security adviser quits over Russia links

https://www.theguardian.com/us-news/live/2017/feb/14/flynn-resigns-donald-trump-national-security-adviser-russia-links-live

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 08, 2017, 12:36:21 am
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 02, 2017, 03:48:51 pm
Pessoal, acho que se há título corretíssimo neste momento para um tópico é este.

Como sabemos, o Presidente Trump decidiu retirar os EUA do acordo de Paris e desde a sua conferência de impressa, o mundo reagiu com uma verdadeira palete de emoções… todas elas negativas.

Para mim é uma má decisão e não, não é por causa de motivos ecológicos que eu penso que é uma má decisão, mas simplesmente porque marca o fim de um status quo que existe desde o fim da 2ª GM. Esse status quo é a liderança Norte-Americana nas relações transatlânticas e os EUA como factor de progresso no mundo.

Se calhar a esta hora temos muitos dos que estão a ler estas páginas a exclamar que isso é bom, que os EUA só fazem é porcaria, ou que o Trump é um lunático, ou que os Norte-Americanos são… (colocar à frente o insulto que vos der jeito). Na prática isto é muito mau não só para os EUA como para o mundo, porque é a partir daqui e não da reunião do G7 que o Trump limita de uma forma bastante óbvia o que será a influência dos EUA no mundo. Ou seja, com os EUA claramente isolados no contexto mundial, é provável que a China vá ocupar o espaço vago e que se torne na super-potência diplomática e comercial que influencia tudo e todos.

Quando temos membros do governo contra esta medida como o Rex Tillerson que veio da Industria Petrolífera (Exxon) e o Gary Cohn (Goldman Sachs), sabemos que há pessoas ligadas às mesmas indústrias que serão beneficiadas, do outro lado da barricada.

Esta questão é uma entre muitas que se coloca à actual administração e que eles falharam completamente no trabalho de recolher apoios internacionais à mesma.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Junho 26, 2017, 09:00:10 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 01, 2017, 06:13:16 pm
União Europeia e Estados Unidos: o primeiro confronto a sério
António Freitas de Sousa

A cimeira do G20, agenda para esta semana em Hamburgo, pode redundar numa acesa troca de argumentações entre o bloco europeu e os Estados Unidos. Angela Merkel, numa cimeira preparatória na semana passada, quis assumir uma posição de força.

Desde o primeiro instante – o da campanha eleitoral – ficou claro que uma possível vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais iria colocar em causa o tradicional bom relacionamento entre a União Europeia e os Estados Unidos. Para além das idiossincrasias avulsas do discurso do rei do imobiliário, Trump foi taxativo no apoio ao Brexit, na condenação do nível de envolvimento dos parceiros europeus na NATO e no desprezo pelo aprofundamento do processo de federalização da União Europeia.

Depois da surpreendente eleição para a Casa Branca, Trump limitou-se a transpor para a política externa as ideias, ou parte substancial delas, que tinha consolidado durante a campanha eleitoral. Tudo isto teve o seu momento alto na cimeira da NATO em Bruxelas e na do G7 em Itália, há umas semanas atrás, ocasião em que Trump decidiu passear o seu desprezo por algumas das capitais da Europa – culminando com o anúncio de que os Estados Unidos iriam desvincular-se do Acordo de Paris sobre Alterações Climatéricas; para, disse, propor uma nova entrada, mais favorável aos interesses e às empresas norte-americanas.

A resposta interna a esta decisão não terá sido a que Trump esperava – uma infinidade de organismos, empresas, governos federais, universidades, etc., desvinculou-se da ‘desvinculação’ e assumiu que iria continuar a perseguir as metas de Paris.

É neste quadro de relações cada vez mais abespinhadas entre a União Europeia e os Estados Unidos que ocorrerá, já esta semana, mais uma cimeira do G20, em Hamburgo, Alemanha. Mas, desta vez – e ao contrário do que é tradicional – o bloco da União Europeia não quer ser apanhado desprevenido.

Na semana que ontem acabou, Angela Merkel decidiu chamar os líderes dos países da União Europeia com lugar no G20 – para além da Alemanha, a França, Itália, a União enquanto conjunto e o Reino Unido (parece que ainda conta…) – para acertar azimutes para a cimeira. Nada de novo, portanto. Mas o que transpirou dessa minicimeira preparatória parece ser, essa sim uma novidade: os países europeus e a União Europeia preparam-se para mostrar a Donald Trump que os seus tirocínios internacionais não são propriamente reconhecidos do lado de cá do Atlântico como uma excelência em termos diplomáticos.

E a questão do Acordo de Paris é apenas uma das facetas da reserva com que o agregado europeu observa a evolução do posicionamento internacional dos Estados Unidos. Como não poderia deixar de ser, Angela Merkel afirmou em conferência de imprensa que não está interessada em nenhum confronto com os Estados Unidos. Mas a envolvente indica, se mais não for, que o bloco europeu do G20 esgotou a paciência para a titubeante evolução do presidente norte-americano no plano internacional.

Cimeira? Qual cimeira?

Do seu lado, Trump – como já fez antes, nomeadamente em relação à referida cimeira da NATO em Bruxelas – tem feito declarações de menosprezo pelo encontro de Hamburgo. Como se quisesse retirar impacto ao que lá se vai passar – escudando-se sempre, como é seu hábito, naquilo que continua a referir como ‘interesse americano’, algo que à posteriori não tem confirmação sequer no interior das fronteiras do seu próprio país (como ficou evidente no cado do Acordo de Paris, mas também no do encerramento das fronteiras com sete países muçulmanos).

Na conferência de imprensa, parece ter ficado a cargo do presidente francês, Emmanuel Macron, responder, por vias transversais, a essa tentativa de desqualificação da cimeira do G20. Fica à escolha de cada um seguir os nossos passos, disse Macron, para se referir especificamente ao Acordo de Paris – como que querendo dizer que quem decidir ficar para trás não deverá depois queixar-se das consequências.

Para alguns analistas, pode mesmo suceder que Trump decida, à última da hora, nem sequer se dignar aparecer em Hamburgo. A suceder – o que não será provável – isso seria um grave precedente em relação ao andamento dos trabalhos. Mas o grau de imprevisibilidade da agenda do presidente dos Estados Unidos é de tal ordem, que tudo pode acontecer.

Seja como for, a cimeira deverá ser pródiga em acontecimentos políticos, com soundbites à mistura e, possivelmente, muitas declarações desencontradas. A não perder, portanto.

http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/uniao-europeia-e-estados-unidos-o-primeiro-confronto-a-serio-177866
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Julho 23, 2017, 12:37:43 am
Donald Trump avisa que "poder militar norte-americano é insuperável"

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, avisou hoje que "o poder militar norte-americano é insuperável" e exigiu ao Congresso o aumento do orçamento da defesa, durante a inauguração do mais moderno e caro porta-aviões nuclear.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fthumbs.web.sapo.io%2F%3Fepic%3DNTRjLVQ4HsipUJm6M5%2Bl5cQNToN%2FO0G0uW9kBu5sy7S2DPo8pD7PqMr%2FczUlVGeXK2lmgFMqSCl2dOHNglvVV6nLPzvZ%2F%2B03d%2FEWyFyvcvGISG8%3D%26amp%3BW%3D800%26amp%3BH%3D0%26amp%3Bdelay_optim%3D1&hash=d6492425caccc349cad01b9587ac5aa4)

Donald Trump inaugurou, em Norfolk, estado norte-americano da Virgínia, um porta-aviões nuclear da Marinha, com capacidade para 4.500 tripulantes e 70 aeronaves, que custou quase 13.000 milhões de dólares, e que é definido como “a melhor embarcação mundo”.

“Os norte-americanos construíram uma mensagem para o mundo de 100 mil toneladas: que o poder militar dos Estados Unidos é insuperável e que nos estamos a tornar maiores, melhores e mais fortes todos os dias sob o meu governo”, disse Trump, sublinhando que os aliados do país “estão tranquilos”, mas “os inimigos tremem de medo”.

O novo porta-aviões “é um elemento dissuasor” para evitar que os Estados Unidos tenham que realizar ações militares, mas também assegurar que, quando se chegar ao combate, o país “ganhará, ganhará e ganhará e nunca perderá”, adiantou.

Segundo a Marinha norte-americana, o novo porta-aviões não deverá realizar missões militares até 2020.

O presidente do Estados Unidos defendeu também um aumento de dez por cento do orçamento da defesa no próximo ano.

“Precisamos que o congresso faça o seu trabalho e aprove o orçamento”, disse, pedindo aos militares e apoiantes presentes na inauguração para exigirem aos seus representantes para aumentarem os gastos militares e aprovarem também a lei da saúde, uma das suas promessas eleitorais que até agora não foi concretizada.

http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/donald-trump-avisa-que-poder-militar-norte-americano-e-insuperavel

13 mil milhões de dólares cada porta-aviões!!!!!!!!! São 6 anos de orçamento da nossa defesa!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: perdadetempo em Julho 23, 2017, 12:11:30 pm
13000M USD por um porta-aviões que tem problemas a lançar e a recuperar aviões e que só vai ser declarado operacional em 2020.

https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-06-15/new-u-s-carrier-hobbled-by-flaws-in-launching-landing-planes (https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-06-15/new-u-s-carrier-hobbled-by-flaws-in-launching-landing-planes)

Com tantos tiros no pé, leia-se LCS, F-35, Zumwalt e outros que nem se fala a somar às múltiplas guerrinhas em que fazem questão de se meter  os USA se calhar até precisavam do dobro do orçamento da defesa para não ficarem para trás.

Cumprimentos
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Julho 24, 2017, 10:33:58 am
13000M USD por um porta-aviões que tem problemas a lançar e a recuperar aviões e que só vai ser declarado operacional em 2020.

https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-06-15/new-u-s-carrier-hobbled-by-flaws-in-launching-landing-planes (https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-06-15/new-u-s-carrier-hobbled-by-flaws-in-launching-landing-planes)

Com tantos tiros no pé, leia-se LCS, F-35, Zumwalt e outros que nem se fala a somar às múltiplas guerrinhas em que fazem questão de se meter  os USA se calhar até precisavam do dobro do orçamento da defesa para não ficarem para trás.

Cumprimentos

Por isso é que normalmente compramos material usado, para evitarmos esses problemas :)

Realmente, gastarem tanto dinheiro em navios revolucionários e em caso de necessidade, o adversário nem precisa de fazer nada que eles avariam sozinhos. Todos os navios têem problemas graves com os motores e o zumwalt pode virar numa tempestade forte!?!?!?!

Por isso referi à uns tempos, que a próxima potência militar vai ser a China. Eles lançam mais de 10 navios novos por ano e têem um orçamento militar muito maior que a Rússia. Eles podem não ter petróleo, mas a maior parte da indústria está lá instalada. Têem tecnologia de ponta, é só uma questão de tempo até eles terem poderio militar de ponta também. Dinheiro não lhes falta!

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_largest_Chinese_companies
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: perdadetempo em Julho 24, 2017, 07:43:35 pm
A manterem-se as condições actuais e senão tiverem acidentes de percurso muito graves, não deve ser de todo impossível atingirem a paridade nos próximos 20/30 anos, tanto mais que provavelmente só devem precisar  de metade do orçamento da defesa dos EUA para alcançarem os mesmos resultados.
Goza-se muito com os materiais chineses, mas talvez se devesse antes olhar para os sul-coreanos e os seus equipamentos a preços módicos, que até já chegaram aos países bálticos, e tirar as devidas ilações para o futuro. Ou ainda melhor ir a uma loja dos chineses actualmente e lembrar-se da fancaria que aquilo era à uma dúzia de anos atrás.
Senão ganharem os maus hábitos de alguns países que querem o ultimo grito e aqueles 5/10% a mais de performance do equipamento que fazem o preço aumentar em 100% e continuarem a  construir dois/três pelo preço de um em termos de material ainda poderão fazê-lo mais cedo. Em relação à doutrinas tácticas e pessoal é que poderá haver diferenças, mas isso é uma questão de aprendizagem.

Cumprimentos,
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Julho 25, 2017, 11:26:11 am
A manterem-se as condições actuais e senão tiverem acidentes de percurso muito graves, não deve ser de todo impossível atingirem a paridade nos próximos 20/30 anos, tanto mais que provavelmente só devem precisar  de metade do orçamento da defesa dos EUA para alcançarem os mesmos resultados.
Goza-se muito com os materiais chineses, mas talvez se devesse antes olhar para os sul-coreanos e os seus equipamentos a preços módicos, que até já chegaram aos países bálticos, e tirar as devidas ilações para o futuro. Ou ainda melhor ir a uma loja dos chineses actualmente e lembrar-se da fancaria que aquilo era à uma dúzia de anos atrás.
Senão ganharem os maus hábitos de alguns países que querem o ultimo grito e aqueles 5/10% a mais de performance do equipamento que fazem o preço aumentar em 100% e continuarem a  construir dois/três pelo preço de um em termos de material ainda poderão fazê-lo mais cedo. Em relação à doutrinas tácticas e pessoal é que poderá haver diferenças, mas isso é uma questão de aprendizagem.

Cumprimentos,

É uma questão de tempo. Eles já têem tecnologia de ponta. Quase tudo o que é electrónico é construído na China, só o iphone vai deixar de ser feito na China e passa a ser feito ali perto em Taiwan.......
Os maiores supercomputadores à face da terra e os mais potentes são chineses..... com a particularidade do nº 1 ser todo construído com tecnologia chinesa (nem precisaram de processadores da Intel!!!!!!!).

Dinheiro não falta à China, indústria de ponta também não, logo não vai demorar muito a ultrapassar qualquer outro país. Deixo uma pergunta, o iphone é construído na China, não tem qualidade? A Volvo é chinesa, desaprenderam? O mesmo vai acontecer com os estaleiros vai acontecer o mesmo e já está a acontecer com a aviação (http://www.bbc.com/news/world-asia-china-39814146). Têem ogivas nucleares (quase 300), misseis intercontinentais que percorrem 14.000km......

Portanto só falta tempo a esta equação para termos outra super potência.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: mayo em Julho 29, 2017, 11:23:17 am
Se não fosse os federastas da UE, qualquer pais ocidental ( França, UK , Alemanha , Italia, Espanha ) faria a mesma coisa ! :(
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 19, 2017, 11:49:41 am
O Steve Bannon deu uma entrevista ao "The American Prospect", onde contradisse o Trump em relação à Coreia. Como ele era uma personagem muito pouco consensual dentro da própria administração e o ego do trump deve ter sido ferido, ele foi despedido pelo chefe.

http://prospect.org/article/steve-bannon-unrepentant

Agora o governo Norte-Americano tem como homens fortes o Mike Pence, o General Mattis (USMC), o General John F. Kelly (USMC), o General H. R. McMaster (Exército) e o Rex Tillerson (ExxonMobil). Qualquer um destes homens pode ser o próximo alvo e verdade seja dita, o Mattis tem uma autonomia total e controla as Forças Armadas de uma forma como nenhum Ministro da Defesa alguma vez o fez. Para além disso ele tem desdito repetidamente o Trump, será ele o próximo?
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Agosto 19, 2017, 01:55:29 pm
Podia estar tudo tão sossegado com a Hilary...  ::)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Setembro 07, 2017, 08:59:31 pm
Vai criar muito emprego e optimizar a distribuicao de petroleo na america. Esses sao os beneficios mais directos
Estes links respondem a tua pergunta Cabeca

http://www.energyxxi.org/benefits-keystone-xl
https://www.wallstreetdaily.com/2015/02/02/keystone-xl-pipeline-benefits/
http://www.heritage.org/research/reports/2015/01/more-than-six-years-later-keystone-xl-is-still-a-good-idea
http://blog.transcanada.com/five-reasons-to-support-building-the-keystone-xl-pipeline/
http://www.chron.com/opinion/outlook/article/U-S-needs-the-Keystone-pipeline-2252675.php

estava a espera que te pronunciasses

quanto ao climate change, ha muito boa gente que diz que e treta ( o Cabeca e um deles penso)
talvez ele possa dar-nos aqui a sua opiniao sobre este tema tao sensivel

Então ó Trump, o combate à alterações climatéricas não interessa para nada?!?
O furacão Harvey na semana passada e agora mama lá com mais 3!!!
 :2gunsfiring:
(https://pbs.twimg.com/media/DJIusVrXoAAVToD.jpg)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Outubro 10, 2017, 02:42:29 am
US Boosts Defense Spending – To What End?
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 14, 2017, 02:09:52 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 27, 2017, 01:01:38 pm
Citar
Trump’s Many Accomplishments So Far

The mainstream media should be thankful that President Donald Trump is in office. Look at all the attention they are getting. Look at all the stories and theories about him they are writing, tin foil hat conspiracy stories and all.  They can’t seem to get enough of him. They criticize him left and right and people wonder how much can he take and will he resign? Therein lies the rub sort of speak.
The other night on Sean Hannity’s show Monica Crowley stated that Trump really enjoys and gets off on all this criticism because it is a major distraction by the media so he can get things done.
Notice the media never mentions all the things he’s accomplished to make it look like he’s not doing anything, but if you do some research like I have you can see what he has accomplished, more than any other president in the shortest period of time. Trump is a workaholic and only gets four hours of sleep a night.
Here’s a list of all his accomplishments so far.

1) He got conservative judge Neil Gorsuch on the Supreme Court.
2) The stock market is at an all-time high.
3) Consumer confidence is at an all-time high.
4) He created more than a million jobs by undoing Obama’s regulations.
5) Mortgage applications for new homes is  at a 7 year high.
6) Unemployment rate is at a 16 year low.
7) Signed the promoting women in entrepreneurship act.
8) Gutted 800 Obama era regulations thus freeing up companies to hire again and get the economy moving once again.
9) Ended the war on coal and caused a new mine for coal mining to open that will mine clean coal. He also put the miners back to work.
10) Weakened Dodd-Frank regulations.
11) Promotes buying and hiring American.
12) Investments from major businesses such as Foxconn, Ford ,Toyota, Intel amd others will build here now.
13) Reduced illegal immigration by over 70%.
14) Bids for the border wall are underway.
15) He’s fighting back against sanctuary cities.
16) Changed the rules of engagement against ISIS.
17) Drafted a plan to defeat ISIS.

18) Worked to reduce the cost of the F-35 fighter jets.
19) Imposed a five year lobbying plan.
20) Sanctioned Iran over its’ missile program.
21) Responded to Syria’s use of chemical weapons.
22) Reduced tax reform plan.
23) He’s renegotiating NAFTA.
24) He withdrew from the Trans Pacific Partnership thus keeping jobs here.
25) He pulled us out of the Paris Climate Accords thus saving us millions of dollars every year.
26) Created a task force to reduce crime.
27) The DOJ is targeting dangerous gangs like MS-13.
28) Signed independence and economic growth law.
29) Signed an executive order to protect police officers and target drug cartels.
30) Signed an executive order for religious freedom.
31) His administration is working on sending education back to the states.
32) He’s fixing the dept. of Veterans affairs so now vets can choose their own doctors and be covered. This also protects whistle blowers and allows VA to terminate bad employees..
33) Authorized construction of the Keystone and Dakota pipelines. The Dakota pipeline is up and running without harming the environment.
34) Created commissions on election fraud and opioid addiction.
35) Food stamp use is the lowest level in seven years.
36) Reduced the White House payroll saving taxpayers millions of dollars.
37) He’s donating his salary to various causes.
38) Signed 52 pieces of legislation.
39)  Cut 600 billion from UN peacekeeping mission.
40) Gas prices lowest in more than 12 years
.

https://www.conservativedailynews.com/2017/08/trumps-accomplishments-so-far-and-they-are-many/

Muitos destes pontos são discutíveis. Um exemplo claro disso é o ataque à "Dodd–Frank Wall Street Reform and Consumer Protection Act"!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Luso em Outubro 27, 2017, 05:35:03 pm
Citar
Muitos destes pontos são discutíveis. Um exemplo claro disso é o ataque à "Dodd–Frank Wall Street Reform and Consumer Protection Act"!

Muito bem.
Para este tipo de malta, eles são bem capazes de nos dar 10 para ir buscar um milhão.
Mais então sendo mosaicos.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 31, 2017, 12:49:07 pm
Todo este cenário parece-me tirado do House of cards...

George Papadopoulos pode ser a verdadeira pedra no sapato de Trump
MANUEL LOURO

O antigo conselheiro para a política externa da campanha do actual Presidente foi detido em Julho e admitiu que mentiu ao FBI. Papadopoulos estará a colaborar com a investigação há meses e pode ser o primeiro ponto de ligação entre a campanha de Trump e Moscovo.

Os Estados Unidos entraram nesta segunda-feira em alvoroço com as primeiras consequências práticas da investigação sobre a interferência russa nas eleições norte-americanas de 2016 liderada pelo procurador especial Robert Mueller. A detenção de Paul Manafort, antigo chefe de campanha de Donald Trump, é o acontecimento que ocupa grande parte do destaque da comunicação social americana e internacional. Mas, também nesta segunda-feira, ficou a saber-se que George Papadopoulos se declarou culpado por ter mentido às autoridades sobre os contactos que manteve com a Rússia. E isso pode ser, para já, a verdadeira dor de cabeça da Casa Branca de Trump.

O Presidente norte-americano já reagiu às notícias, afirmando que as acusações que recaem sobre Manafort são irrelevantes para as suspeitas de conluio entre a actual Administração e Moscovo, pois os factos relatados remontam a um período durante o qual o consultor político e lobista nada tinha a ver com a campanha de Trump. E, pelo que se sabe, o Presidente norte-americano tem razão. Resta saber se, no caso de Manafort, as acusações apresentadas por Mueller são apenas o início e se serão utilizadas para catapultar a investigação e chegar ao círculo próximo de Trump ou se, pelo contrário, o procurador especial encarregue da investigação sobre a ingerência russa não tem mais do que aquilo que foi apresentado.

Mas existiram dois factos que pouca atenção mereceram perante a importância de Manafort na caminhada de Trump rumo à Casa Branca: primeiro, George Papadopoulos, que foi conselheiro para a política externa da campanha do actual Presidente dos EUA, foi detido em Julho. E, em segundo lugar, admitiu formalmente ter mentido ao FBI quando foi questionado sobre os contactos que manteve com um russo conhecido como o “Professor”.

Estes dois factores poderão implicar um incómodo maior para Trump do que a própria detenção de Manafort. Isto porque, por um lado, Papadopoulos disse às autoridades que manteve estes contactos com o “Professor” antes de entrar na equipa de campanha do agora Presidente. Ora, o documento divulgado pelo FBI nesta segunda-feira, onde se explica a confissão, diz que “Papadopoulos encontrou-se com o Professor pela primeira vez no dia 14 de Março, de 2016, depois de Papadopoulos saber que iria ser conselheiro para a política externa da campanha”. Além disso, explica-se que o “Professor” apenas “mostrou interesse em Papadopoulos depois de saber do seu papel na campanha”.

Mas há mais. O FBI relata um encontro entre o “Professor” e Papadopoulos em Abril de 2016, um mês depois de este se ter juntado à campanha de Trump, onde o primeiro o informou de que os russos tinham na sua posse informação “suja” sobre Hillary Clinton. “Os russos têm emails de Clinton”, “eles têm milhares de emails”, terá dito o “Professor”.

Por outro lado, o facto de Papadopoulos ter sido detido em Julho indica que este poderá estar a colaborar com as autoridades há meses, sem se saber ainda que tipo de informações ofereceu relativamente ao alegado conluio entre a campanha republicana e Moscovo.

Ou seja, se Trump poderá dizer, e com razão, à luz do que sabe neste momento, que o caso contra Manafort nada tem a ver consigo, no caso de Papadopoulos a argumentação fica mais difícil. Isto porque, pela primeira vez, a investigação de Mueller terá conseguido ligar a campanha de Trump com Moscovo, e que essa relação tinha um objectivo: prejudicar Hillary Clinton. E, além disso, os problemas para a Administração norte-americana podem ainda vir a crescer. Aqui, a Administração enfrenta um factor ainda mais preocupante: o desconhecimento. É que, apesar de saber da elevada probabilidade de Papodopoulos ter vindo a colaborar com a investigação nos últimos meses, ninguém sabe o que o antigo conselheiro da campanha de Trump ofereceu a Robert Mueller. "O interesse da justiça criminal que está aqui a ser reivindicado é que há uma investigação em larga escala da qual este caso é uma pequena parte", referiu Aaron Zelinsky, membro da equipa do procurador especial, durante a audiência onde Papadopoulos realizou a admissão de culpa, e cujas transcrições foram divulgadas nesta segunda-feira.

 :arrow: https://www.publico.pt/2017/10/30/mundo/noticia/george-papadopoulos-pode-ser-a-verdadeira-pedra-no-sapato-de-trump-1790881
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 07, 2017, 01:45:42 pm
EUA reconhecem riscos do aquecimento global


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 15, 2017, 03:11:26 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Novembro 17, 2017, 04:14:55 pm

Completamente a andar para trás...  >:(
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 18, 2017, 04:52:20 pm
Trump adia lei que permite a importação de "troféus" de elefantes


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 19, 2017, 06:52:13 pm
Moscovo e Pequim criticam estratégia norte-americana


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 29, 2017, 04:15:12 pm
Trump quer usar "um pouco" do aquecimento global para combater vaga de frio no país


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 09, 2018, 10:43:37 am
Donald Trump pode vir a ser interrogado devido à questão russa


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 11, 2018, 01:35:58 pm
Donald Trump admite que EUA podem voltar ao Acordo de Paris


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 12, 2018, 10:40:18 am
Canadá apresenta queixa “sem precedentes” contra os EUA na Organização Mundial do Comércio

Ottawa submeteu documento de 32 páginas a acusar Washington de violar as regras do comércio internacional, citando práticas de dumping e outras violações cometidas desde 1996

O governo do Canadá apresentou esta semana uma longa queixa na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra os Estados Unidos na qual acusa o país de estar há décadas a quebrar as regras de comércio internacional. Entre outras coisas, Ottawa questiona as formas como os EUA têm investigado produtos para subsidiárias e vendas abaixo do preço de mercado. Washington já reagiu, falando em acusações "infundadas".

A queixa formal, apresentada num documento de 32 páginas, surge num momento em que os dois países estão envolvidos numa série de disputas relacionadas com a venda de laticínios, madeira serrada e aviões, e a tentar renegociar o NAFTA, o tratado de livre comércio da América do Norte (a Reuters noticiou ontem que o Canadá está cada vez mais convencido de que Trump vai abandonar esse acordo, implementado em 1994).

Segundo Eric Miller, presidente do Grupo Estratégico Potomac Rideau, que faz consultoria sobre questões de trocas comerciais na América do Norte, diz que a abrangência desta queixa "não tem precedentes" na história da organização mundial. "É global, abrange vários anos [há queixas que remontam a 1996], é sistemática e portanto é certamente algo que, no que toca aos casos da OMC, está fora das normas em termos do seu alcance e da sua ambição."

A queixa tem como alvo primordial um processo comercial a que a administração proteccionista de Donald Trump recorre muitas vezes, aponta a BBC, e cita o facto de o Departamento de Comércio dos EUA ter aberto em 2017 mais de 80 investigações a práticas de dumping, uma prática comercial que consiste numa ou mais empresas venderem bens ou mercadorias a preços muito inferiores aos estipulados nos mercados em que fazem negócios.

O número de investigações no ano passado representa um aumento de 46% em comparação com 2016, investigações essas que são, na maioria das vezes, abertas na sequência de queixas de empresas privadas competidoras e que podem conduzir à subida das tarifas comerciais.

Em reação ao passo do Canadá, o representante norte-americano para as Trocas Comerciais, Robert Lightizer, acusou o país de estar a lançar um "ataque abrangente e imprudente contra o sistema de trocas dos EUA", garantindo que "as alegações do Canadá são infundadas e só podem levar à perda de confiança dos EUA no empenho do Canadá em alcançar um acordo mutuamente benéfico".

A petição foi apresentada por Ottawa à OMC a 20 de dezembro e partilhada com os restantes membros da organização na quarta-feira. Seguem-se 60 dias de "consultas" para tentar resolver a disputa de forma pacífica. Caso isso não aconteça, o assunto será ajudicado por um painel de especialistas da OMC.

Questionado sobre isto, o chefe do Departamento do Comércio dos EUA, Wilbur Ross, disse ter "toda a confiança" de que Washington vai vencer o processo por adjudicação. "Estes casos [que estão na base da queixa] foram conduzidos de forma aberta e transparente de acordo com as leis, regulações e práticas administrativas aplicáveis para garantir uma revisão total e justa dos factos."
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 12, 2018, 12:09:35 pm
Nações Unidas dizem que palavras de Trump são "racistas"


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 18, 2018, 03:34:24 pm
How to Build a Wall and Lose an Empire
The world according to Donald Trump

As 2017 ended with billionaires toasting their tax cuts and energy executives cheering their unfettered access to federal lands as well as coastal waters, there was one sector of the American elite that did not share in the champagne celebration. Washington’s corps of foreign policy experts.

Across the political spectrum, many of them felt a deep foreboding for the country’s future under the leadership of Pres. Donald Trump.

In a year-end jeremiad, for instance, conservative CNN commentator Fareed Zakaria blasted the “Trump administration’s foolish and self-defeating decision to abdicate the United States’ global influence — something that has taken more than 70 years to build.”

The great “global story of our times,” he continued, is that “the creator, upholder and enforcer of the existing international system is withdrawing into self-centered isolation,” opening a power vacuum that will be filled by illiberal powers like China, Russia and Turkey.”

The editors of The New York Timesremarked ruefully that the president’s “boastfulness and belligerence and tendency to self-aggrandizement are not only costing America worldwide support, but also isolating it.”

Discarding the polite bipartisanship of Washington’s top diplomats, Pres. Barack Obama’s former national security adviser, Susan Rice, ripped Trump for dumping “principled leadership — the foundation of American foreign policy since World War II” — for an “America first” stance that will only “embolden rivals and weaken ourselves.”

Yet no matter how sharp or sweeping, such criticism can’t begin to take in the full scope of the damage the Trump White House is inflicting on the system of global power Washington built and carefully maintained over those 70 years.

Indeed, American leaders have been on top of the world for so long that they no longer remember how they got there. Few among Washington’s foreign policy elite seem to fully grasp the complex system that made U.S. global power what it now is, particularly its all-important geopolitical foundations.

As Trump travels the globe, tweeting and trashing away, he’s inadvertently showing us the essential structure of that power, the same way a devastating wildfire leaves the steel beams of a ruined building standing starkly above the smoking rubble.

The architecture of the world order that Washington built after World War II was not only formidable but, as Trump is teaching us almost daily, surprisingly fragile. At its core, that global system rested upon a delicate duality. An idealistic community of sovereign nations equal under the rule of international law joined tensely, even tenuously, to an American imperium grounded in the realpolitik of its military and economic power. In concrete terms, think of this duality as the State Department versus the Pentagon.

At the end of World War II, the United States invested its prestige in forming an international community that would promote peace and shared prosperity through permanent institutions, including the United Nations, the International Monetary Fund and the General Agreement on Tariffs and Trade, the predecessor to the World Trade Organization.

To govern such a world order through the rule of law, Washington also helped establish the International Court of Justice at The Hague and would later promote both human rights and women’s rights.

On the realpolitik side of that duality, Washington constructed a four-tier apparatus — military, diplomatic, economic, and clandestine — to grimly advance its own global dominion. At its core was an unmatched military that circled the globe, the most formidable nuclear arsenal on the planet, massive air and naval forces and an unparalleled array of client armies.

In addition, to maintain its military superiority, the Pentagon massively promoted scientific research, producing incessant innovation that would lead, among so many other things, to the world’s first system of global telecommunications satellites, which effectively added space to its apparatus for exercising global power.

Complementing all this steel was the salve of an active worldwide diplomatic corps, working to promote close bilateral ties with allies like Australia and Britain and multilateral alliances like NATO, SEATO and the Organization of American States.  In the process, it distributed economic aid to nations new and old.

Protected by such global hegemony and helped by multilateral trade pacts hammered out in Washington, America’s multinational corporations competed profitably in international markets throughout the Cold War.

Adding another dimension to its global power was a clandestine fourth tier that involved global surveillance by the National Security Agency and covert operations on five continents by the Central Intelligence Agency. In this way, with remarkable regularity and across vast expanses of the globe, Washington manipulated elections and promoted coups to insure that whoever led a country on our side of the Iron Curtain would remain part of a reliable set of subordinate elites, friendly to and subservient to the United States.

In ways that to this day few observers fully appreciate, this massive apparatus of global power also rested on geopolitical foundations of extraordinary strength. As Oxford historian John Darwin explained in his sweeping history of Eurasian empires over the past 600 years, Washington achieved its “colossal imperium … on an unprecedented scale” by becoming the first power in history to control the strategic axial points “at both ends of Eurasia” through its military bases and mutual security pacts.

While Washington defended its European axial point through NATO, its position in the east was secured by four mutual defense pacts running down the Pacific littoral from Japan and South Korea through The Philippines to Australia. All of this was, in turn, tied together by successive arcs of steel that ringed the vast Eurasian continent — strategic bombers, ballistic missiles, and massive naval fleets in the Mediterranean, the Persian Gulf, and the Pacific. In the latest addition to this apparatus, the United States has built a string of 60 drone bases around the Eurasian landmass from Sicily to Guam.

The dynamics of decline

In the decade before Trump entered the Oval Office, there were already signs that this awesome apparatus was on a long-term trajectory of decline, even if the key figures in a Washington shrouded in imperial hubris preferred to ignore that reality. Not only has the new president’s maladroit diplomacy accelerated this trend, but it has illuminated it in striking ways.

Over the past half-century, the American share of the global economy has, for instance, fallen from 40 percent in 1960 to 22 percent in 2014 to just 15 percent in 2017, as measured by the realistic index of purchasing power parity. Many experts now agree that China will surpass the United States, in absolute terms, as the world’s number-one economy within a decade.

As its global economic dominance fades, its clandestine instruments of power have been visibly weakening as well. The NSA’s worldwide surveillance of a remarkable array of foreign leaders, as well as millions of the inhabitants of their countries, was once a relatively cost-effective instrument for the exercise of global power.

Thanks in part to Edward Snowden’s revelations about the agency’s snooping and the anger of targeted allies, the political costs have risen sharply. Similarly, during the Cold War, the CIA manipulated dozens of major elections worldwide. Now the situation has been reversed with Russia using its sophisticated cyberwarfare capabilities to interfere in the 2016 American presidential campaign — a clear sign of Washington’s waning global power.

Most striking of all, Washington now faces the first sustained challenge to its geopolitical position in Eurasia. By opting to begin constructing a “new silk road,” a trillion-dollar infrastructure of railroads and oil pipelines across that vast continent, and preparing to build naval bases in the Arabian and South China seas, Beijing is mounting a sustained campaign to undercut Washington’s long dominance over Eurasia.

During just 12 months in office, Trump has accelerated this decline by damaging almost all the key components in the intricate architecture of American global power.

If all great empires require skilled leadership at their epicenter to maintain what is always a fragile global equilibrium, then the Trump administration has failed spectacularly. As the State Department is eviscerated and Secretary of State Rex Tillerson discredited, Trump has — uniquely for an American president — taken sole control of foreign policy, with the generals he appointed to key civilian posts in tow.

How, then, do those who have been in close contact with him in this period assess his intellectual ability to adapt to such a daunting role?

Although since his election campaign Trump has repeatedly bragged about his excellent education at the University of Pennsylvania’s Wharton School as a qualification for office, he started there in the late 1960s thinking he already knew everything about business, prompting his marketing professor, who taught for more than 30 years, to brand him “the dumbest God-damn student I ever had.”

That brash unwillingness to learn carried into the presidential campaign. As political consultant Sam Nunberg, sent to tutor the candidate on the Constitution, reported, “I got as far as the Fourth Amendment before … his eyes are rolling back in his head.”

As Michael Wolff has recounted in his bestselling new book on the Trump White House, Fire and Fury, at the close of a phone conversation with the president-elect about the complexities of the H-1B visa program for skilled immigrants, media mogul Rupert Murdoch hung up and said, “What a fucking idiot.”

And in July 2017, as no one is likely to forget, after a top-secret Pentagon briefing for the White House principals on worldwide military operations, Tillerson seconded that view by privately labeling the president a “fucking moron.”

“It’s worse than you can imagine — an idiot surrounded by clowns,” one White House aide wrote in an email, according to Wolff. “Trump won’t read anything; not one-page memos, not the brief policy papers; nothing. He gets up half-way through meetings with world leaders because he is bored.”

White House Deputy Chief of Staff Katie Walsh claimed that dealing with the president was “like trying to figure out what a child wants.”

Those qualities of mind are amply evident in the administration’s recent National Security Strategy report, a vacuous document that wavers between the misguided and the delusional. “When I came into office,” Trump (or at least whoever was impersonating him) writes darkly in a personal preface, “rogue regimes were developing nuclear weapons … to threaten the entire planet. Radical Islamist terror groups were flourishing … Rival powers were aggressively undermining American interests around the globe … Unfair burden-sharing with our allies and inadequate investment in our own defense had invited danger.”

In just 12 short months, however, the president — so “his” preface indicates — had singlehandedly saved the country from almost certain destruction. “We are rallying the world against the rogue regime in North Korea and … the dictatorship in Iran, which those determined to pursue a flawed nuclear deal had neglected,” that preface continues in a typically Trumpian celebration of self.

“We have renewed our friendships in the Middle East … to help drive out terrorists and extremists … America’s allies are now contributing more to our common defense, strengthening even our strongest alliances … We are making historic investments in the United States military.”

Reflecting his administration’s well-documented difficulties with the truth, almost every one of those statements is either inaccurate, incomplete or irrelevant. Setting aside such details, the document itself reflects the way the president and his generals have abandoned decades of confident leadership of the international community and are now trying to retreat from “an extraordinarily dangerous world” into a veritable Fortress America behind concrete walls and tariff barriers — in some eerie way conceptually reminiscent of the Atlantic Wall of beachfront bunkers Hitler’s Third Reich constructed for its failed Fortress Europe.

But beyond such an obviously myopic foreign policy agenda, there are vast areas, largely overlooked in Trump’s strategy, that remain critical for the overall maintenance of American global power.

All you have to do is note headlines in the daily media over the past year to grasp that Washington’s world dominion is crumbling, thanks to the sorts of cascading setbacks that often accompany imperial decline. Consider the first seven days of December 2017, when The New York Times reported that nation after nation was pulling away from Washington.

First, there was Egypt, a country which had received $70 billion in U.S. aid over the previous 40 years and was now opening its military bases to Russian jet fighters. Then, despite Obama’s assiduous courtship of the country, Myanmar was evidently moving ever closer to Beijing. Meanwhile, Australia, America’s stalwart ally for the last 100 years, was reported to be adapting its diplomacy, however reluctantly, to accommodate China’s increasingly dominant power in Asia.

And finally, there was the foreign minister of Germany, that American bastion in Europe since 1945, pointing oh-so-publicly to a widening divide with Washington on key policy issues and insisting that clashes will be inevitable and relations “will never be the same.”

And that’s just to scratch the surface of one week’s news without even touching on the kinds of ruptures with allies regularly being ignited or emphasized by the president’s daily tweets. Just three examples from many will do. Pres. Peña Nieto’s cancelation of a state visit after a tweet that Mexico had to pay for Trump’s prospective “big, fat, beautiful wall” on the border between the two countries.

Outrage from British leaders sparked by the president’s retweet of racist anti-Muslim videos posted on a Twitter account by the deputy leader of a neo-Nazi political group in that country, followed by his rebuke of British Prime Minister Theresa May for criticizing him over it. Or his New Year’s Day blast accusing Pakistan of “nothing but lies & deceit” as a prelude to cutting off U.S. aid to that country.

Considering all the diplomatic damage, you could say that Trump is tweeting while Rome burns.

Since there are only 40 to 50 nations with enough wealth to play even a regional, much less a global role on this planet of ours, alienating or losing allies at such a rate could soon leave Washington largely friendless — something Trump found out in December 2017 when he defied numerous U.N. resolutions by recognizing Jerusalem as Israel’s capital.

The White House soon got a 14-to-one reprimand from the Security Council, with close allies such as the Germans and the French voting against Washington. This came after U.N. Ambassador Nikki Haley had ominously warned that “the U.S. will be taking names” to punish countries that dared vote against it and Trump had threatened to cut aid to those that did. The General Assembly promptly voted 128 to nine, with 35 abstentions, to condemn the recognition — eloquent testimony to Washington’s waning international influence.

Next, let’s consider the “historic investments” in a central pillar in the architecture of American global power, the U.S. military, mentioned in Trump’s National Security Strategy. Don’t be distracted by the proposed whopping 10-percent increase in the Pentagon budget to fund new aircraft and warships, much of which will go directly into the pockets of giant defense contractors.

Focus instead on what once would have been inconceivable in Washington: that the proposed Trump budget would slash funding for basic research in strategic areas like “artificial intelligence” likely to become critical for automated weapons systems within a decade.

In effect, the president and his team, distracted by visions of shimmering ships and shiny planes are ready to ditch the basics of global dominion. The relentless scientific research that has long been the cutting edge of U.S. military supremacy. And by expanding the Pentagon while slashing the State Department, Trump is also destabilizing that delicate duality of U.S. power by skewing foreign policy ever more toward costly military solutions.

Starting on the campaign trail in 2016, Trump has also hammered away at another pillar of American power, attacking the system of global commerce and multilateral trade pacts that have long advantaged the country’s transnational corporations.

Not only did he cancel the Trans-Pacific Partnership, which promised to direct 40 percent of world trade away from China and toward the United States, but he’s threatened to void the free-trade pact with South Korea and has been so insistent on recrafting NAFTA to serve his “America first” agenda that ongoing negotiations may well fail.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 18, 2018, 03:36:10 pm
Continuação:

The crumbling U.S. geopolitical position

As serious as all that might be, Trump revealed the deepest damage he was capable of doing to the geopolitical foundations of the country’s global power in two key moments on his trips to Europe and Asia last year. In both places, he signaled his willingness to deliver hammer blows to Washington’s position at those strategic axial ends of Eurasia.

During a visit to NATO’s new headquarters in Brussels in May, he chastised European allies, whose leaders reportedly listened “stone-faced,” for failing to pay their “fair share” of the military costs of the alliance and, while he was at it, refused to reaffirm NATO’s core principle of collective defense.

Despite later attempts to ameliorate the damage, that sent shudders across Europe and for good reason. It signaled the end of more than three-quarters of a century of unchallenged, unquestioned American supremacy there.

Then, at an Asian-Pacific Economic Cooperation meeting in Vietnam in November, the president launched “a tirade” against multilateral trade agreements and insisted that he would always “put America first.” It was as if, in an Asia in which China was rising fast, he were again announcing that Washington’s post-World War II supremacy was an artifact of history.

Appropriately enough, at that same meeting, the remaining 11 Trans-Pacific partners, led by Japan and Canada, announced major progress in finalizing the TPP agreement he had so symbolically rejected — and did so without the United States. “The U.S. has lost its leadership role,” commented Jayant Menon, an economist at the Asian Development Bank. “And China is quickly replacing it.”

Under Trump, in fact, Washington’s close relations with three key Pacific allies continue to weaken in visible ways. During a courtesy phone call upon taking office, Trump gratuitously insulted Australia’s prime minister, an act that only highlighted that country’s mounting alienation from the U.S. and a growing inclination to shift its primary strategic alliance toward China.

In recent polls when asked what country they preferred as a primary ally, 43 percent of all Australians chose China — a once-unimaginable transformation that Trump’s version of diplomacy is only reinforcing.

In The Philippines, the inauguration of President Rodrigo Duterte in June 2016 brought a sudden shift in the country’s foreign policy, ending Manila’s opposition to Beijing’s bases in the South China Sea. Despite an aggressive courtship by Trump and a certain temperamental affinity between the two leaders, Duterte has continued to scale down the joint military maneuvers with the United States that were an annual event for his country and has refused to reconsider his decisive tilt toward Beijing.

That realignment was already evident in a leaked transcript of an April phone call between the two presidents in which Duterte insisted that the resolution of the North Korea nuclear issue should rest solely with China.

It is, however, on the Korean peninsula that Trump’s limitations as a global leader have been most evident. In two uncoordinated, ill-informed initiatives — denigrating the Korean War-era U.S. alliance with South Korea and demanding total nuclear disarmament by the North — Trump fostered a diplomatic dynamic that has allowed Beijing, Pyongyang and even Seoul to outmaneuver Washington.

During his presidential campaign and first months in office, Trump repeatedly insulted South Korea, demeaning its culture and demanding a billion dollars for installing an American missile defense system. No one should then have been surprised when Moon Jae-in won that country’s presidency last year on a “say no” to America platform and on promises to reopen direct negotiations with the North Korea of Kim Jong Un.

Then, during a state visit to Washington last June, the new South Korean leader was blindsided when Trump called the free-trade agreement between their two countries “not fair to the American worker” and blasted Moon’s proposal for negotiating with Pyongyang.

Meanwhile, Kim Jong Un oversaw 16 rocket tests in 2017 that left his country with missiles that could potentially deliver a nuclear weapon to Honolulu, Seattle or even by year’s end New York and Washington, while testing its first hydrogen bomb.

Convinced that North Korea “seeks the capability to kill millions of Americans,” Trump became obsessed with curtailing Pyongyang’s nuclear program by any means, even threatening last August to unleash on that country “fire and fury like the world has never seen.”

Within days, however, then-White House strategist Steve Bannon exposed the empty bluster of all of this by telling the press, “There’s no military solution until somebody solves the part of the equation that … 10 million people in Seoul don’t die in the first 30 minutes from conventional weapons.”

So the threats failed and Trump flailed, repeatedly trash-tweeting Kim Jong-un as “little Rocket Man” and bragging that his own “nuclear button” is “much bigger” than the North Korean leader’s. These 12 months of bizarre, destabilizing presidential twists and tweets, almost without precedent in the annals of modern diplomacy, have pushed Seoul toward direct talks with Pyongyang — excluding Washington and weakening what had been a rock-solid alliance.

In the war of nerves with North Korea over its missile tests, Trump’s strategy of triangulation with China — that is, Washington nudges Beijing, Beijing shoves Pyongyang — has already inflicted a major, unrecognized defeat on American power in the Pacific.

For the last six months, to encourage Beijing to pressure Pyongyang, the White House has suspended the “freedom of navigation” patrols that challenge Beijing’s spurious claims to territorial control over the South China Sea, effectively conceding this strategic waterway to China.

In a deft bit of dissimulation, Beijing has made a show of cooperation with Washington by expressing “grave concerns” over Pyongyang’s missile tests and imposing nominal sanctions, while playing a longer, smarter strategic hand. In the process, it has been working to curtail joint American-South Korean military maneuvers and neutralize the U.S. Navy in what China considers its home waters.

In this diplomatic edition of The Art of the Deal, Beijing is trumping Washington.

Taking down the empire

Quite understandably, many Americans have focused on the damage Trump’s first months in office have done domestically, from opening pristine wilderness areas and offshore waters to oil and natural gas drilling to threatening access to medical care, skewing the progressive tax code to favor the rich, cancelling net neutrality and voiding environmental protections of every sort.

Most if not all of these regressive policies can, however, be repaired or reversed if the Democrats ever take control of Congress and the White House.

Trump’s strikingly inept version of one-man diplomacy in the context of America’s ongoing global decline is an altogether different matter. World leadership lost is never readily recovered, particularly when rival powers are prepared to fill the void.

As Trump undercuts the U.S. strategic position at the axial ends of Eurasia, China is pressing relentlessly to displace the United States and dominate that vast continent with what New York Times correspondent Edward Wong calls “a blunt counterpoint … synonymous with brute strength, bribery and browbeating.”

In just one extraordinary year, Trump has destabilized the delicate duality that has long been the foundation for U.S. foreign policy. Favoring war over diplomacy, the Pentagon over the State Department and narrow national interest over international leadership. But in a globalizing world interconnected by trade, the Internet and the rapid proliferation of nuclear-armed missiles, walls won’t work. There can be no Fortress America.

Alfred McCoy is the Harrington professor of history at the University of Wisconsin-Madison. He is the author of the now-classic book The Politics of Heroin: CIA Complicity in the Global Drug Trade, which probed the conjuncture of illicit narcotics and covert operations over 50 years, and the just-published In the Shadows of the American Century: The Rise and Decline of U.S. Global Power. This story originally appeared at TomDispatch.

https://warisboring.com/49333-2/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Janeiro 18, 2018, 04:35:52 pm
Pelo menos podemos ficar tranquilos que o Trump não está maluquinho, passou no teste cognitivo com distinção, com uma pontuação de 30 em 30 possíveis! Quem será o conselheiro que lhe fez o teste!?

https://www.publico.pt/2018/01/17/mundo/noticia/trump-esta-de-excelente-saude-e-passou-num-teste-cognitivo-de-dez-minutos-1799684/amp
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 07, 2018, 03:32:29 pm
Trump quer um desfile nos EUA igual ao que viu em Paris


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 15, 2018, 12:55:26 pm
"Tiroteios em escolas tornaram-se parte do quotidiano"


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 17, 2018, 12:45:24 pm
Treze russos acusados de influenciar eleições dos EUA em 2016


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 18, 2018, 04:42:43 pm
Protesto na Flórida pede mais controlo na venda de armas


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 21, 2018, 11:13:44 pm
Manifestações contra o uso de armas nos EUA continuam


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 22, 2018, 02:03:25 pm
Trump quer professores armados


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 23, 2018, 01:50:52 pm
Professores contra ideia das armas de Donald Trump


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 27, 2018, 05:08:37 pm
Trump diz que teria agido mesmo desarmado na Florida


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 27, 2018, 05:40:30 pm
Professores contra ideia das armas de Donald Trump



How Texas is a model for Trump's gun-toting teachers
The state created a program to intensively train and arm 'school marshals.' Its creator thinks it could well be the inspiration for the president's endorsement of arming educators.

By BENJAMIN WERMUND

President Donald Trump’s vision of a force of armed teachers, “highly trained” and ready to stop school shooters, already exists — in Texas.

State lawmakers have created a program to train and arm “school marshals” — teachers, principals, coaches, custodians and others ready to defend a school. And the program’s creator thinks it could well be the inspiration for Trump’s endorsement of armed teachers, following the murder of 17 people at Marjory Stoneman Douglas High School in Parkland, Fla.


“I was watching the press conference ... and realized quickly he was talking about our bill, and had described in exquisite detail what the bill does, even going so far as to use our talking points,” state Rep. Jason Villalba, a Dallas Republican, told POLITICO. “It looks like the president of the United States is looking to Texas as a model for the nation.”

Villalba said that he texted Energy Secretary Rick Perry, who, as Texas governor, signed the bill that created the school marshal program, and “congratulated him.” Perry did not respond.

“I know he’s got the president’s ear. In Texas when we’ve got a good idea, we share it,” Villalba said. “We’re excited about expanding what we believe to be the model for the nation.” Perry aides did not respond to a request for comment on Friday.

Under the program, schools in districts that participate can designate marshals who undergo background checks and active-shooter training. “This is not some insignificant, go-to-a-weekend class and all of a sudden you’re Rambo,” Villalba said. “This is a serious requirement.”

It's not clear how many marshals there are because it is a secret force. The few districts that are thought to have authorized them typically won’t even say they have done so — so gunmen can’t target them. Students don’t know if their teacher is a marshal. Neither do parents. It’s based on the theory of secret flight marshals — which Trump has also referenced.

But its backers insist it’s been effective, pointing to the lack of active shooter assaults at schools in the state, though there's no research or concrete evidence to make the case.

Supporters concede it wouldn’t be right in school districts where parents and teachers object to the concept, which likely would be many.

Texas already was one of a handful of states that allow districts to choose whether to let teachers carry guns at school, even without the intensive training that comes along with the school marshals program. Lawmakers in at least a half-dozen other states — including Florida — are considering legislation this year that would ease restrictions on firearms on campus.

"When we declare our schools to be gun-free zones it just puts our students in more danger, far more danger — well-trained, gun-adept teachers and coaches should be able to carry concealed firearms," Trump said Friday. He added that if concealed carry had been allowed at Marjory Stoneman Douglas High School when the gunman entered last week, “a teacher would have shot the hell out of him before he knew what happened."

After the Sandy Hook mass school shooting in 2012, Villalba, who had children in kindergarten at the time, had feelings similar to Trump’s: If people had been armed in that school, maybe they could have stopped it sooner.

“The problem is, most school districts and parents and trustees are not comfortable with that,” Villalba said. “We wanted something that would give parents some comfort.”

That led to the marshals program, signed into law in 2013. Schools can designate one marshal for every 400 students, or one per building in schools that don’t have that many students. Marshals go through a series of background checks and psychological evaluations and undergo the same active shooter training as police — an 80-hour program created by the same state agency that enforces standards for law enforcement. And they do that every two years.

The full process cost between $5,000 and $7,000 per marshal. Districts are allowed to offer marshals a stipend, if they choose. The state initially created a small grant program to help districts that took part cover training costs or stipends, but the money ran out and lawmakers have not reauthorized the funding.

The marshals are technically a new class of police officer who are deputized only in an active shooting situation. They are not legally authorized to break up fights, for instance. If students are around, they have to keep their guns in a lockbox. They can only use frangible ammo, which breaks apart upon impact — theoretically stopping bullets from blasting into other classrooms.

Because of the anonymity required, there aren’t solid numbers on the size of the program. Villalba said there are roughly 100 marshals in the state.

Some estimates put the number of districts with marshals at about 20. Villalba said he believes it’s more districts than that, but fewer than 50. Most of them are smaller, more rural districts that don’t have their own police forces, and in some cases are far from law enforcement. The state has nearly 1,300 districts.

In addition, Texas districts have long been allowed to let school staff carry guns, with or without the marshal training.

The tiny Harrold school district, near the Oklahoma border, decided to let some staff carry more than a decade ago, after the Virginia Tech shooting.

These staffers aren’t marshals, so they don’t follow the same rules. But David Thweatt, the superintendent, said they’re also trained by local law enforcement. The staff who carry guns (Thweatt wouldn’t say how many) have to keep their guns on them, though hidden, at all times.

The district is in a fairly large county, geographically, and Thweatt says his schools are all on one campus, which is about 30 minutes from first responders. He thought arming his staff was necessary.

Thweatt said he picks the staff members who he thinks would be best for the job and the school board approves them.

“The problem we hear from opponents to our plan — they all picture that absent-minded teacher they had in high school who couldn’t find her pens on a regular basis,” he said. “We aren’t doing that. We have personalities in mind. It would be people who are good in a crisis, would run in direction of gunfire, are willing to protect others.”

The district drew a lot of attention when it created the program and Thweatt says he “would be hard-pressed to say I have not spoken to people over the last 11 years in every state.”

But many doubt how effective arming teachers would be. Teachers’ unions have said educators have too much on their plate already.

A school resource officer at Marjory Stoneman Douglas High School, meanwhile, resigned Thursday after it was revealed he stayed outside of the school as the shooting unfolded inside. Trump on Friday told reporters the officer "trained his whole life but when it came time to do something he didn't have the courage."

None of the Texas officials POLITICO interviewed were aware of teachers or other school staff having to respond to an active shooter situation. Thweatt said “the only thing we have are wild hogs that on occasion we have to discourage.”

But proponents of the Texas programs argue the lack of shootings is evidence they’re working — that they’re deterring would-be shooters.

They also concede it might not be right for all schools.

“It’s just based on the needs of our community, the wishes of our school board. I think if there’s not parental support for it, it’s not going to be effective,” said Kevin Dyes, the superintendent of the Holliday school district, about an hour east of Harrold, which has a similar program.

Their program works, in part, because the town is small enough for law enforcement to know virtually everyone in the school, Dyes said. That would cut down on confusion for police responding to a school shooting, he argued.

But also, he pointed out: “We know if there ever is a situation when law enforcement are coming, we’re somewhat at risk. If one of our employees is running around with a gun and law enforcement has been told there’s someone with a gun, they’re looking for someone with a gun.”

Dyes said he carries a gun, but only at work. He sees it as part of his job, and he locks the gun away when he goes home.

“There’s a lot of people with a lot of guns out there and there are a lot of people out there who are unstable,” Dyes said. “We don’t believe everybody ought to be toting guns or anything, but let’s be practical. If somebody harbors ill will and comes on our campus, how are we going to stop that person?”

https://www.politico.com/story/2018/02/24/armed-teachers-texas-trump-362397
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 01, 2018, 10:23:13 am
Diretora de comunicação de Donald Trump demitiu-se


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 03, 2018, 12:45:16 pm
UE prepara retaliação sobre produtos icónicos dos EUA


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 07, 2018, 11:28:01 am
Atriz pornográfica "Stormy Daniels" decide processar Donald Trump


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 08, 2018, 01:43:10 pm
Flórida: Projeto-lei sobre controlo de armas mais perto de ser aprovado


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 08, 2018, 11:30:26 pm
Donald Trump anuncia taxas sobre importação de aço (25%) e alumínio (10%)


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 10, 2018, 12:05:46 pm
"Lobby" das armas dos EUA processa estado da Florida


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 10, 2018, 11:12:54 pm
Vai mesmo haver uma parada militar em Washington (mas sem tanques)


Trump pediu e o Pentágono concedeu. Só há uma limitação: não haverá tanques na parada militar de Washington para minimizar estragos nas "infra-estruturas". Não se sabe ao certo quanto vai custar aos contribuintes norte-americanos.

Em Janeiro, Trump pediu uma parada como a do Dia da Bastilha, em Paris, com tanques, armas e aviões a sobrevoar Washington. O Pentágono concedeu a parada – mas sem tanques, para minimizar estragos nas ruas. A data já está marcada: 11 de Novembro, Dia dos Veteranos nos EUA, fez saber um memorando do Pentágono, tornado público esta sexta-feira.

De acordo com o memorando do Departamento de Defesa norte-americano, a parada de Novembro pode incluir “veículos com rodas”, com excepção de tanques, de forma a “minimizar os perigos às infra-estruturas locais”, cita a AP. Apesar desta proibição, há autorização para “incluir uma componente aérea no final da parada”, fez saber o secretário norte-americano da Defesa, Jim Mattis, no memorando.

Esta parada vai ser parte integrante de uma celebração que já existe, dedicada aos veteranos de guerra norte-americanos. O comunicado do Pentágono desenha ainda um rascunho para o chefe do Estado-maior, o general Joseph Dunford, cuja equipa vai planear o desfile, escreve a CNN. Fica a saber-se que a parada vai percorrer a totalidade da Avenida da Pensilvânia, da Casa Branca ao Capitólio, e vai celebrar as contribuições dos veteranos norte-americanos na História das Forças Armadas, desde a Guerra da Independência, com “ênfase no preço da liberdade”, lê-se no memorando. O destaque irá também para a evolução das mulheres veteranas desde a 2.ª Guerra Mundial até ao presente. A música vai ficar a cargo dos Old Guard Fife and Drums, um grupo musical conhecido por desfilar com uniformes de época.

O Presidente vai assistir à parada na companhia de veteranos e condecorados com a medalha de honra, a maior distinção atribuída a elementos das Forças Armadas norte-americanas.

O memorando do Pentágono não avança quaisquer valores para esta demonstração. Contudo, o director de Orçamento da Casa Branca estimou que o custo total se situasse entre os 10 milhões e os 30 milhões de dólares (entre oito e 24 milhões de euros, aproximadamente), de acordo com os valores disponibilizados ao Congresso. Os críticos (incluindo a maioria dos democratas) afirmam que é um valor muito elevado numa altura em que as Forças Armadas norte-americanas são obrigadas a apertar o cinto. “Que desperdício de dinheiro”, tweetou o representante democrata Jim McGovern, em Janeiro, quando a ideia do Presidente foi conhecida.

Já o secretário da Defesa, Jim Mattis, considera que a parada demonstra “o carinho do Presidente e o respeito pelas Forças Armadas”, cita a BBC.

O pedido desta parada foi feito numa reunião com o Pentágono, a 18 de Janeiro. Meses antes, em Julho, Trump foi convidado por Macron para estar presente no desfile militar de celebração da tomada da Bastilha, o Dia Nacional em França. A mais antiga e a maior parada militar na Europa impressionou de tal forma o Presidente norte-americano que este quis replicá-la. “Vamos ter de experimentar também e fazer ainda melhor”, disse, segundo a BBC.

Trump não esconde a sua admiração pelas Forças Armadas, uma das prioridades de financiamento da sua Administração.

As paradas militares são raras nos EUA. A última foi há quase 27 anos, em Junho de 1991. Nessa altura, o inquilino da Casa Branca era George Bush e festejava-se a vitória na Guerra do Golfo, travada entre os EUA e o Iraque, contra as forças de Saddam Hussein.


>>>>>>>>  https://www.publico.pt/2018/03/10/mundo/noticia/vai-mesmo-haver-uma-parada-militar-em-washington-mas-sem-tanques-1806209
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 13, 2018, 03:22:58 pm
EUA. Donald Trump despede Rex Tillerson

Será substituído por Mike Pompeo, até agora diretor da CIA.

O Presidente norte-americano anunciou a substituição de Rex Tillerson por Mike Pompeo à frente do Departamento de Estado dos EUA.

Donald Trump anunciou a saída de Rex Tillerson através de uma publicação no Twitter e avançou que este será substituído pelo até agora diretor da CIA, Mike Pompeo.

“Mike Pompeo diretor da CIA, vai ser o nosso novo secretário de Estado. Ele vai fazer um trabalho fantástico! Obrigado a Rex Tillerson pelos seus serviços!”, escreveu Trump.

Gina Haspel, que tinha sido nomeada como subdiretora da CIA há um ano, assumirá o papel de líder dos serviços secretos externos dos EUA. Será a primeira vez que a agência terá uma mulher como diretora.

“Gina Haspel vai ser a nova diretora da CIA e a primeira mulher a ser escolhida. Parabéns a todos!”, acrescentou no Twitter o Presidente americano.

Citar
Mike Pompeo, Director of the CIA, will become our new Secretary of State. He will do a fantastic job! Thank you to Rex Tillerson for his service! Gina Haspel will become the new Director of the CIA, and the first woman so chosen. Congratulations to all!

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) 13 de março de 2018

https://ionline.sapo.pt/artigo/604066/eua-donald-trump-despede-rex-tillerson?seccao=Mundo_i
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 13, 2018, 07:10:02 pm
Trump sobre Rex Tillerson: "nós não estávamos em sintonia"


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 14, 2018, 10:49:43 am
Gina Haspel: primeira mulher à frente da CIA liderou uma prisão secreta na Tailândia

Veterana da agência, Haspel, de 61 anos, é muito respeitada pelos colegas. Vai substituir Mike Pompeo, nomeado por Donald Trump para substituir Rex Tillerson

Em 2002, Gina Haspel era a responsável pela prisão secreta da CIA na Tailândia conhecida pelo nome de código Cat's Eye. Ali encontravam-se vários suspeitos de terrorismo, detidos pelos EUA depois dos atentados de 11 de Setembro de 2001, entre os quais Abd al-Rahim al-Nashri e Abu Zubaydah. Relatórios do Senado mais tarde divulgados revelam que ambos foram sujeitos a afogamento simulado (waterboarding) e a outras técnicas de interrogatório hoje proibidas e consideradas tortura. Tudo isto sob a supervisão de Haspel, hoje nomeada para substituir Mike Pompeo à frente da CIA, tornando-se a primeira mulher a dirigir a agência secreta americana.

Segundo um perfil publicado pelo New York Times, Haspel, de 61 anos, terá mais tarde dado ordens para apagar os vídeos de torturas praticadas na Tailândia.

O desaparecimento das gravações, em 2013, impediu a promoção de Gina Haspel a diretora das operações clandestinas dos serviços de informações norte-americanos, um cargo que tinha de ser confirmado pelo Senado dos Estados Unidos, e desencadeou uma longa investigação, que terminou sem acusações.

Em fevereiro de 2017, Haspel, que entrou para a agência em 1985, foi nomeada vice-diretora da CIA, dando um sinal de que com a Administração Trump o seu passado ligado ao programa de extraordinary renditions, a captura de suspeitos de terrorismo (os chamados combatentes inimigos) em vários locais do mundo sem passar pelos tribunais, não travou a sua carreira.

Em declaçaões ao The Washington Post, Haspel agradeceu a oportunidade para liderar a CIA. "Após 30 anos como agente da CIA, foi uma honra servir como vice-diretora com Mike Pompeo no último ano.

Com Lusa
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 14, 2018, 10:55:38 am
Trump examina protótipos do muro entre protestos


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 14, 2018, 07:45:38 pm
Estudantes viram as costas a Donald Trump


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 20, 2018, 08:37:25 pm
Príncipe saudita promete a Trump investimentos chorudos nos EUA


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 21, 2018, 10:22:11 am
Analista militar sai da Fox alegando que esta é máquina de propaganda


Coronel reformado estava na estação há dez anos, mas agora diz estar envergonhado

Um analista militar da cadeia televisiva norte-americana Fox News revelou na terça-feira a sua saída da estação, porque acredita que esta se tornou numa máquina de propaganda do governo de Donald Trump.

Ralph Peters, um coronel reformado do Exército, afirmou que disse à Fox, no início do mês, que não queria o seu contrato renovado.

"Ao longo da minha década na Fox, estive muito orgulhoso da associação", escreveu Peters, em mensagem de correio eletrónico que foi distribuída internamente na Fox News, e noticiada em primeiro lugar pelo sítio noticioso BuzzFeed News.

"Agora, estou envergonhado", contrapôs.

Em comunicado, a Fox declarou que Peters tinha direito à sua opinião, "apesar do facto de ele ter escolhido usá-la como forma de obter atenção".

Peters justificou a sua decisão por entender que a Fox "degenerou, ao passar de uma muito necessária plataforma de vozes conservadoras para uma máquina de propaganda de um governo destrutivo e eticamente em ruínas".

Peters criticou ainda os apresentadores do horário nobre por "ataques profundamente desonestos" à polícia federal (FBI, na sigla em Inglês), o Departamento de Justiça, a comunidade das informações e o procurador especial Robert Mueller, que está a dirigir a investigação às relações do governo de Trump com a Federação Russa.


>>>>>>>>>  https://www.dn.pt/media/interior/analista-militar-da-fox-sai-da-estacao-alegando-ser-maquina-de-propaganda-de-trump-9202564.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Março 21, 2018, 11:50:22 am
Trump ignorou avisos de assessores para não felicitar Putin por reeleição


O presidente norte-americano, Donald Trump, ignorou as recomendações dos seus assessores para a segurança nacional para não felicitar Vladimir Putin pela sua reeleição como chefe de Estado russo.

Segundo o jornal The Washington Post, funcionários da Casa Branca que tiveram acesso à chamada telefónica, na segunda-feira, entre Trump e Putin, revelaram que o documento preparatório desta conversa, elaborada pelos assessores para a segurança nacional, tinha em letras maiúsculas: "Não felicitar".

Além disso, a equipa também tinha incentivado Trump a abordar com Putin o recente ataque a um ex-espião russo e à sua filha, em Inglaterra, algo que o presidente norte-americano também ignorou.

Em declarações aos jornalistas, na segunda-feira, Trump descreveu a "muito boa chamada [telefónica]" que manteve com o líder do Kremlin: "Falei por telefone com o presidente Putin e felicitei-o pela sua vitória, a sua vitória eleitoral", disse.

"A chamada teve a ver também com o facto de que provavelmente vamos reunir-nos num futuro não muito distante para que possamos falar sobre armamento", acrescentou o presidente dos EUA.

A felicitação a Putin motivou novas críticas a Trump, como a do senador republicano e antigo candidato presidencial, John McCain. A felicitação é "um insulto a cada cidadão russo que viu negado o seu direito de votar numas eleições livres e justas", defendeu. "Um presidente norte-americano não lidera o mundo livre felicitando ditadores", condenou.

O Kremlin (Presidência russa) também confirmou na segunda-feira que o presidente dos Estados Unidos tinha felicitado por telefone Vladimir Putin pela sua reeleição nas eleições presidências de domingo passado e que os dois líderes tinham abordado a possível realização de um encontro ao mais alto nível e a coordenação de esforços entre Washington e Moscovo para "limitar a corrida ao armamento".

"Em termos gerais, a conversa foi construtiva (...), focada na resolução de problemas acumulados no contexto das relações russo-americanas", referiu o Kremlin.

Putin e Trump encontraram-se pela última vez em novembro passado, à margem da cimeira da Cooperação Económica Ásia-Pacífico (APEC), que decorreu na cidade vietnamita de Danang.

Ainda sobre a conversa telefónica desta segunda-feira, o Kremlin esclareceu que os dois líderes não conversaram sobre o caso do envenenamento do ex-agente duplo russo Serguei Skripal e a sua filha, Yulia, com um agente neurotóxico em solo britânico, cuja responsabilidade está a ser atribuída a Moscovo.

Vladimir Putin foi reeleito Presidente da Rússia no domingo passado com 76,67% dos votos.


>>>>>>>>  https://www.jn.pt/mundo/interior/trump-ignorou-avisos-de-assessores-para-nao-felicitar-putin-por-reeleicao-9202735.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 03, 2018, 11:32:38 am
Agência de Proteção Ambiental dos EUA rejeita medida de Obama


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 17, 2018, 07:47:08 pm
Livro de Comey sobre administração Trump chega às livrarias


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Camuflage em Abril 17, 2018, 09:05:27 pm
Foi director do FBI desde 2013 a 2016 e só tem memórias do Trump?  ::)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 17, 2018, 03:23:10 pm
Comité do Senado confirma interferência da Rússia


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 13, 2018, 09:48:52 pm
Centro de Londres enche-se com protestos anti-Trump


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 14, 2018, 11:55:40 pm
Donald Trump sob protestos na Escócia


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 16, 2018, 09:16:08 pm
Putin confessa preferência por Trump, mas nega ingerência


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 17, 2018, 12:43:53 pm
Adiada parada militar desejada por Trump


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 17, 2018, 06:37:15 pm
Sem parada militar nos EUA, Trump estará em Paris a 11 de novembro


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 23, 2018, 05:27:51 pm
Trump: "destituição provocaria queda dos mercados"


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 23, 2018, 11:47:04 am
Trump's Withdrawal from the INF Treaty Formalized What Was Already True

The treaty was already dead, and Moscow cannot afford new weapons systems. Now with the INF treaty officially buried, Washington can turn the screws on Beijing.

by Salvatore Babones

President Donald Trump announced on October 20 that he would withdraw from the Intermediate-Range Nuclear Forces Treaty (INF) agreed upon by Ronald Reagan and Mikhail Gorbachev more than thirty years ago. Inspired by the nuclear near-miss of the Cuban Missile Crisis, the agreement was designed as a de-escalation measure in what turned out to be the final days of the superpower standoff between the United States and the Soviet Union.

It is widely assumed that Trump’s National Security Advisor, John Bolton, is behind the move. Bolton is visiting Moscow this week for talks on foreign policy and national security. He has long advocated that the United States should withdraw from the INF Treaty.

From a military standpoint, the INF Treaty was a dead letter right from the start. For example, it covered only land-based missiles. So even under the INF Treaty , both the United States and the Soviet Union (later Russia) could position intermediate-range, nuclear-armed ships and submarines right off each other’s coasts. And the treaty doesn’t prohibit missiles with ranges greater than 5500 kilometers. (3418 miles), which of course can hit targets within that range if required.

The treaty also doesn’t prohibit drones, drone-launched missiles, air-launched missiles, or sea-launched missiles. It doesn’t prohibit America’s North Atlantic Treaty Organization or Pacific allies from deploying their own intermediate-range missiles. And if Russia is ever able to attract willing allies, it doesn’t bind them. Perhaps most importantly, it doesn’t stop China from developing land-based intermediate-range missiles that can strike both Russia on land and the United States in the Pacific.

So why would anyone sign such an empty treaty in the first place? The answer is simple: money. On the American side, Ronald Reagan was desperately trying to climb out of the deficit hole he had dug in his first term. Banning entire weapons systems like the Pershing II ballistic missile and the BGM-109G cruise missile allowed Reagan to make massive cuts to defense procurements without seeming soft on the Soviets. And as we now know, Mikhail Gorbachev and the Soviet Union were facing a system-wide economic meltdown. They couldn’t even afford the weapons they had, never mind developing new ones.

 
Fast forward thirty years and the resulting gaps in each country’s arsenal have largely been filled. While sticking to the letter of the treaty, both sides have infringed on the spirit of the treaty to such an extent that the agreement itself is now mostly meaningless—so far as the United States and Russia are concerned.

Today’s Russia, with no real allies and an economy less than one-tenth the size of America’s economy, cannot possibly hope to compete with the United States in a high-technology arms race . But China is another matter. The Trump administration is pressing hard for reform in China just as China’s planned economy is starting to falter, and China can ill afford significant new defense spending on top of its existing buildup.

As things stood last week, China was free to develop intermediate-range carrier-killer missiles at its own pace, with no direct pressure from the United States or Russia. China’s DF-26 ballistic missile and DH-10/CJ-10 cruise missile seem to fall squarely inside the parameters of the INF Treaty. Now China may face some competition.

If Xi Jinping is smart, then he will back down on expensive weapons systems development before China goes too far down the Soviet road—and he finds himself in the same retirement home as Gorbachev. China should come to the table and endorse the status quo in the Pacific. For as the Soviet Union found out thirty years ago, expansionism comes at a steep cost. Bolton seems prepared to teach Xi that simple historical lesson.

Salvatore Babones is the author of The New Authoritarianism: Trump, Populism, and the Tyranny of Experts .

https://nationalinterest.org/feature/trumps-withdrawal-inf-treaty-formalized-what-was-already-true-34092
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 25, 2018, 11:25:39 am
Intercalares geram tensão em Nova Iorque


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 28, 2018, 11:28:13 am
Ataque a sinagoga nos EUA deixa 11 mortos


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 04, 2018, 07:39:53 pm
Vejam até ao fim!

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 09, 2018, 09:24:36 pm
"Não quero orações, quero controlo de armas"


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 21, 2018, 10:45:18 am
Secretário de Defesa norte-americano abandona o cargo em Fevereiro


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 21, 2018, 11:05:41 am
Isto são péssimas noticias, já que o Mattis era um (dos poucos) elementos estabilizadores no governo Norte-Americano e alguém em quem as Forças Armadas tinham em grande conta.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 21, 2018, 02:26:00 pm
Mattis is out, and Blackwater is back: ‘We are coming’
By: Tara Copp

(https://www.armytimes.com/resizer/coBIaVqkViVjIXG4hguUM490vac=/1200x0/filters:quality(100)/arc-anglerfish-arc2-prod-mco.s3.amazonaws.com/public/IKKFLOHQXNALHOXN6KYPHNYOCY.png)

Secretary of Defense Jim Mattis is out.

Mattis' resignation comes amid news that President Donald Trump has directed the drawdown of 2,000 U.S. forces in Syria, and 7,000 U.S. forces from Afghanistan, a U.S. official confirmed to Military Times, a story first reported by the Wall Street Journal.

This month, in the January/February print issue of the gun and hunting magazine “Recoil," the former contractor security firm Blackwater USA published a full-page ad, in all black with a simple message: “We are coming.”

Is the war in Afghanistan — and possibly elsewhere ― about to be privatized?

If Blackwater returns, it would be the return of a private security contractor that was banned from Iraq, but re-branded and never really went away. By 2016 Blackwater had been re-branded several times and was known at the time as Constellis Group, when it was purchased by the Apollo Holdings Group. Reuters reported earlier this year that Apollo had put Constellis up for sale, but in June the sale was put on hold.

Blackwater’s founder and former CEO Erik Prince has courted President Donald Trump’s administration since he took office with the idea that the now 17-year Afghan War will never be won by a traditional military campaign. Prince has also argued that the logistical footprint required to support that now multi-trillion dollar endeavor has become too burdensome. Over the summer and into this fall Prince has engaged heavily with the media to promote the privatization; particularly as the Trump administration’s new South Asia Strategy, which was crafted with Mattis, passed the one-year mark.

Prince has no connection to the current Constellis group; if Blackwater does return to operations, it is not clear what, if any tie, Prince would have to the endeavor.

Constellis, which had maintained a footprint at Camp Integrity by the Kabul Airport through its previous iteration as “Academi” has leased land at the facility to hold another 800 personnel, Military Times learned.

The news of a leaning on a smaller number of privatized forces, instead of a larger U.S. military footprint — and contracted support for U.S. forces that knew few bounds and at times included coffee shops, base exchanges, restaurants, a hockey rink and local vendor shops — may be welcomed by current U.S. military leadership on the ground. That includes former Joint Special Operations Command chief Army Lt. Gen. Scott Miller, a source familiar with Miller’s approach told Military Times. Miller replaced Gen. John Nicholson as the head of all U.S. and NATO forces in Afghanistan in September.

In an previous exclusive interview with Military Times, Prince said he would scrap the NATO mission there and replace the estimated 23,000 forces in country with a force of 6,000 contracted personnel and 2,000 active-duty special forces.

The potential privatization of the Afghan War was previously dismissed by the White House, and roundly criticized by Mattis, who saw it as a risk to emplace the nation’s national security goals in the hands of contractors.

“When Americans put their nation’s credibility on the line, privatizing it is probably not a wise idea,” Mattis told reporters in August.

But Mattis is out now, one in a series of moves that has surprised most of the Pentagon.

Drastic change would “be more likely” now, one DOD official said.

https://www.militarytimes.com/news/your-military/2018/12/21/mattis-is-out-and-blackwater-is-back-we-are-coming/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 21, 2018, 03:03:53 pm
Lawmakers dismayed over Mattis’ sudden departure
By: Leo Shane III

(https://www.armytimes.com/resizer/VZtc5aVNo1CxNkY5-jJMQg2Iy24=/1200x0/filters:quality(100)/arc-anglerfish-arc2-prod-mco.s3.amazonaws.com/public/DNRSFRJP2VHKBJKK7WUPIWCVQA.jpg)
Defense Secretary Jim Mattis walks through the Capitol before a House Appropriations hearing on April 25, 2018. <strong>Lawmakers from both parties expressed concerns about Mattis' sudden resignation announcement this week.</strong> (Pablo Martinez Monsivais/AP)

WASHINGTON — Congressional leaders reacted with shock and dismay at the sudden resignation announcement of Defense Secretary Jim Mattis on Thursday, with many blasting President Donald Trump’s reckless policies for forcing the popular former general out of office.

In a resignation letter released Thursday, Mattis said he will step aside in February so Trump can select a new military leader “whose views are better aligned with yours.” The letter appeared to contradict recent White House decisions to withdraw troops from Syria and Afghanistan, and Trump’s overall views on traditional U.S. alliances.

White House press secretary Sarah Sanders downplayed the disagreements in a meeting with reporters Thursday night.

“Secretary Mattis has served the country admirably for over four decades,” she said. “He and the president have a good relationship, but sometimes they disagree. The president always listens to the members of his national team, but at the end of the day it’s the president’s decision to make."

But both Republicans and Democrats on Capitol Hill called Mattis’ departure a severe blow for the administration and the country. Senate Majority Leader Mitch McConnell, R-Ky., called it “regrettable” that Mattis won’t be in the middle of the White House’s key national security discussions anymore.

“It’s essential that the United States maintain and strengthen the post-World War II alliances that have been carefully built by leaders in both parties,” he said in an unusual rebuke of Trump. “We must also maintain a clear-eyed understanding of our friends and foes, and recognize that nations like Russia are among the latter.”

House minority leader and presumed next House Speaker Nancy Pelosi, D-Calif., said she was “shaken” by the announcement.

"There is something very wrong with this picture," she told reporters, noting Mattis’ resignation letter raises serious concerns about instability in the administration. “Our troops look to Secretary Mattis as a leader, and now he is going to be leaving them. This is very serious for our country.”

Citar
Old Marines never die, but they do resign after the President ignores their advice, betrays our allies, rewards our enemies, and puts the nation’s security at risk. Turn out the lights when Mattis leaves; we will not see his like again while Trump remains in office.
  https://t.co/fKUTe5nPIR— Adam Schiff (@RepAdamSchiff) December 20, 2018

Senate Minority Leader Chuck Schumer, D-N.Y., called Mattis “one of the few symbols of strength and stability in this administration.” Senate Armed Services Committee ranking member Jack Reed, D-R.I., called the resignation a sign of Trump’s misguided defense policies run amok.

“(Mattis) didn’t resign because he grew weary from the fight,” Reed said in a statement. “I think he saw this as his last best chance to focus the nation’s attention on the serious missteps President Trump is making and get him to change course.”

Citar
As @realDonaldTrump drives away the grownups in the room, there is cause for genuine concern.

I thank & honor Secretary Mattis for a lifetime of service.
— Sheldon Whitehouse (@SenWhitehouse) December 21, 2018

Sen. Lindsey Graham, R-S.C., a prominent supporter of the president who spent much of this week sparring with him over the decision to withdraw 2,000 U.S. troops from Syria in coming months, called Mattis “one of the great military leaders in American history” and urged Trump to “listen to your national security team, who are immensely talented.”

Citar
Just read Gen. Mattis resignation letter. It makes it abundantly clear that we are headed towards a series of grave policy errors which will endanger our nation,damage our alliances & empower our adversaries
. 1/2 pic.twitter.com/ztc0Yihccn— Marco Rubio (@marcorubio) December 20, 2018

Sen. Ben Sasse, R-Neb., said Mattis “was giving advice that (Trump) needs to hear” and that the president’s policies of isolationism are “weak strategy that will harm Americans.”

Focus on Capitol Hill now turns to who Trump’s pick to replace Mattis may be, and what kind of confirmation fight that nominee will face.

Mattis was so highly regarded among lawmakers that they overwhelmingly approved a waiver allowing him to serve in the civilian defense leadership post even though by law his did not have enough time since his military service to be eligible. The Senate confirmed him by a 99-1 vote just hours after Trump was inaugurated.

A Military Times poll conducted in late September found that nearly 84 percent of troops had a favorable view of Mattis' work leading the armed forces. Among officers, the figure was almost 90 percent.

https://www.militarytimes.com/news/pentagon-congress/2018/12/21/lawmakers-dismayed-over-mattis-sudden-departure/

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 22, 2018, 07:30:35 pm
Enviado dos EUA para coligação contra o Estado Islâmico demite-se


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 22, 2018, 09:55:41 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 23, 2018, 09:45:39 pm
Trump "apressa" nomeação da pasta da defesa


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 25, 2018, 12:12:31 pm
Trump "à espera" dos democratas


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 26, 2018, 11:46:32 am
Rapaz guatemalteco morre em detenção nos EUA


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 27, 2018, 12:18:09 pm
Os efeitos da paralisação parcial do governo dos EUA



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 04, 2019, 03:14:48 pm
Sem muro, democratas tentam por termo a "shutdown" nos EUA


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 04, 2019, 10:32:26 pm
Braço-de-ferro entre Republicanos e Democratas está para durar


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 05, 2019, 02:50:16 pm
The clash between Trump and his generals

(https://www.armytimes.com/resizer/VbeBhwAjmdY9vvvvAgSGoNXjKho=/1200x0/filters:quality(100)/arc-anglerfish-arc2-prod-mco.s3.amazonaws.com/public/V3XB6OFRZBHVRNK73FJZPCWBP4.jpg)
President Donald Trump selected retired Marine Gen. Jim Mattis as his secretary of defense. With Republicans in charge of Congress, a priority of the new team is to boost the military budget by tens of billions of dollars. The administration has also loosened the rules of engagement and increased the number of U.S. troops in Afghanistan. (Susan Walsh/AP)

A prominent retired four-star admiral says that several former generals have left President Donald Trump’s administration because their advice and many years of military experience did not make a difference in swaying the White House on key national security issues.

Former NATO Supreme Allied Commander Adm. James Stavridis noted in Time Magazine Thursday that former Marine Corps Gen. Jim Mattis, Trump’s former defense secretary, is only the latest high-profile departure. That list now includes his former chief of staff, retired Marine Corps Gen. John Kelly, and his former national security adviser, retired Army Lt. Gen. H.R. McMaster.

“The President famously does not actually read the voluminous policy papers with which he is presented. From the perspective of a senior military mind, this would be akin to a car refusing to be gassed up,” Stavridis wrote.

“In the end, each of them had to ask himself, At what point does my serving in this White House become less a guardrail and more an enabler? And what will it ultimately mean that the hard-won credibility of my life and career supported the work of this administration,” Stavridis wrote.

Trump made no secret of his skepticism of military leadership even before he took office, telling voters in 2015 “I know more about ISIS than the generals do. Believe me.”

In the time that’s followed, Trump has lashed out at some of the most revered military generals of the most recent generation.

In November he called retired Navy Adm. Bill McRaven, a career SEAL who led the raid against Osama bin Laden a “Hillary Clinton fan” and chided McRaven for not getting bin Laden “sooner.”

In January, Trump questioned even the value of retired Army Gen. Stanley McCrystal’s four-star rank, putting “general” in quotation marks in a debasing tweet.

Citar
“General” McChrystal got fired like a dog by Obama. Last assignment a total bust. Known for big, dumb mouth. Hillary lover! https://t.co/RzOkeHl3KV— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) January 1, 2019

Last, on Wednesday, after much backlash on the departure of Mattis, Trump said during a cabinet meeting that his former defense secretary didn’t actually resign, but was fired, despite Mattis releasing a much-publicized letter announcing his policy splits with the White House.

Trump also questioned Mattis' accomplishments.

“What’s he done for me?” Trump said Wednesday to reporters during a White House cabinet meeting. “How has he done in Afghanistan? Not too good. Not too good. I’m not happy with what he’s done in Afghanistan. And I shouldn’t be happy.”

“I mean, I wish him well. I hope he does well,” Trump said. “But as you know, President Obama fired him, and essentially so did I. I want results.”

“I think I would’ve been a good general, but who knows,” Trump said.

https://www.militarytimes.com/news/your-military/2019/01/04/the-clash-between-trump-and-his-generals/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 07, 2019, 01:45:22 pm
Donald Trump pede muro de aço em vez de cimento



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 09, 2019, 11:23:58 am
Trump exige financiamento para muro na fronteira com o México


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 10, 2019, 11:46:03 am
Trump visita fronteira sem solução para o "shutdown"


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 11, 2019, 12:15:24 pm
Trump na fronteira com o México e fora de Davos



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 12, 2019, 11:15:07 am
Paralisação nos EUA já é a maior de sempre


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 13, 2019, 06:45:54 pm
O aviso dos EUA às empresas alemãs que participam no Nord Stream 2


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 18, 2019, 10:17:54 am
Trump "corta asas" a Pelosi



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 10, 2019, 05:12:54 pm
Apoiantes de Trump formam muro humano na fronteira


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 12, 2019, 11:17:39 am
Acordo no Congresso dos EUA pode evitar novo "shutdown"



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 15, 2019, 07:20:11 pm
Trump declara emergência nacional para poder construir muro



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 19, 2019, 12:11:41 pm
16 Estados em tribunal contra declaração de emergência de Trump


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 18, 2019, 07:48:15 pm
Divulgado Relatório Mueller



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 27, 2019, 11:24:24 am
Trump retira EUA de tratado de armas da ONU



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 28, 2019, 04:47:22 pm
Um morto e três feridos em tiroteio em sinagoga nos EUA



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 28, 2019, 06:28:12 pm
Papa doa meio milhão para ajudar migrantes


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 29, 2019, 11:18:40 am
Polícia investiga circunstâncias de ataque a sinagoga na Califórnia



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 30, 2019, 10:52:34 pm
Trump processa bancos para travar divulgação de informações financeiras



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 03, 2019, 08:46:22 pm
Ativistas recolhem queixas de migrantes na fronteira com os EUA



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 12, 2019, 02:58:03 pm
Empresas farmacêuticas processadas nos Estados Unidos


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 13, 2019, 10:50:07 pm
Trump recebe Orbán na Casa Branca


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 14, 2019, 12:26:19 pm
Trump acusa: "A China têm-se aproveitado dos EUA"



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 14, 2019, 10:00:33 pm
Trump classifica guerra comercial com a China de "pequena zanga"


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 17, 2019, 03:27:26 pm
Plano de Trump para a imigração alvo de protestos


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 17, 2019, 05:42:26 pm
Trump adia tarifas à importação no setor automóvel


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 29, 2019, 07:54:53 pm
Mueller recusa-se a declarar Trump inocente de obstrução à justiça


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Junho 01, 2019, 09:54:55 am
México apela ao diálogo face a ultimato de Trump



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Junho 03, 2019, 11:18:40 am
Trump lança nova polémica no início de visita ao Reino Unido



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 06, 2019, 04:27:50 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Srgdoido em Junho 10, 2019, 11:12:53 pm
Mike Pompeo deseja “as maiores felicidades ao povo de Portugal no seu dia nacional”
https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/mike-pompeo-deseja-as-maiores-felicidades-ao-povo-de-portugal-no-seu-dia-nacional-454777
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Junho 26, 2019, 11:44:14 am
Tragédia no Rio Grande


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Junho 27, 2019, 09:24:40 am
Batalha política na crise migratória dos EUA


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 13, 2019, 11:47:47 am
Mike Pence elogia centros de detenção de migrantes na fronteira


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 15, 2019, 05:47:42 pm
Theresa May critica Trump por comentários xenófobos


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Vitor Santos em Agosto 30, 2019, 07:58:48 pm
SOBERANIA

(https://2.bp.blogspot.com/-TwBYksJscXk/Wz-VG-2i86I/AAAAAAAAHDE/Lgh33a0t8eExXxVJE33gSbAUJSf23wU3ACLcBGAs/s1600/Swallowtail_Lighthouse_Grand_Manan_Island_NB_2009_2.jpg)

Com a passagem do 151º aniversário do Canadá, os canadenses desfrutam do habitual aumento de patriotismo. Não é de admirar, pois  nossa nação é muito boa . Nos últimos dois anos, até os canadenses menos patrióticos se orgulham. Até esses malditos tem que admitir ... " Pelo menos não somos os Estados Unidos."

O Canadá ainda, e sempre terá, sua parcela de questões. Isso é de se esperar. Ao contrário de outras nações, ainda temos um ar de otimismo sobre nós. As coisas estão boas e esperamos poder torná-las ainda melhores.

Só é preciso dar uma olhada superficial no resto do mundo para perceber que nem todo mundo compartilha do otimismo do Canadá. As pessoas não estão apenas tendo uma visão pessimista ... Mas estão procurando alguém para culpar.

É por esse motivo que o Canadá como um todo deve assumir um compromisso renovado com sua própria soberania, para não ficarmos atolados na mesma divisão.

Basta olhar para o nosso vizinho do sul para perceber como uma nação pode se perder.

(https://2.bp.blogspot.com/-_BFJ-eo6Et0/Wz-lymX8OsI/AAAAAAAAHDQ/j3tn5l76mOYtlgXGiEUl1sIVJFg4iQNVACLcBGAs/s1600/image.jpg)

Enquanto a política dos EUA nunca foi um jogo para os tímidos; Nos últimos anos, houve uma tendência muito clara em direção à divisão. Nenhum partido político aspira à unidade nacional, apenas energizando sua 'base' enquanto demoniza o outro lado.

Testemunhe o atual governo americano.

Seu sotaque no poder não era baseado em um líder popular que unifica as massas. Longe disso. A ascensão política do presidente americano se baseou no racismo abominável . Ele continuaria a perder o voto popular ... Apenas para ganhar na Casa Branca.

O índice de aprovação da Câmara dos Deputados americana  raramente quebra 20% . O líder da maioria no Senado dos EUA, Mitch McConnell, é o  membro menos popular. No entanto, os operadores históricos são quase sempre favorecidos para ganhar, graças à prática de longa data da  gerrymandering .

Com o presidente em exercício que está sendo  investigado por possível traição ,  tratamento desumano dos solicitantes de asilo e  inúmeros  outros  escândalos,  os EUA se tornaram um país dividido. No entanto, apesar dos  protestos , as próximas eleições de meio de mandato  podem ser o jogo de qualquer um .

Alguém poderia nos desculpar por pensar que os Estados Unidos da América estão caminhando para uma segunda Guerra Civil ...   Mesmo de brincadeira .

Então, o que um presidente em exercício faz quando é abordado por escândalo? Desvie a atenção convencendo a população de que existe alguma ameaça externa nefasta. Como a "Guerra ao Terror" é uma notícia antiga (e mais do que George W. Bush), Trump decidiu apontar o dedo para ...   Canadá ?

(https://media.giphy.com/media/EFyxFNTW9KTx6/giphy.gif)

HÃ?

Durante anos, o Canadá e os EUA mantêm um relacionamento próximo. Claro, tivemos nossa parcela de  rivalidades  e  disputas menores , mas uma guerra comercial? Isso nunca  funciona para ninguém .

Depois de iniciar uma guerra comercial com o Canadá, Trump sente que também é o momento certo de dizer ao Canadá que precisa  gastar mais em defesa ... Mesmo que o atual governo já tenha se  comprometido a fazê-lo .

Talvez Trump tenha razão ... Mas  não pelas razões certas .

Trump provavelmente preferiria o Canadá e outras nações da OTAN a gastar mais em militares, a fim de beneficiar empreiteiros de defesa americanos. Seu motivo é claro. Se as nações da OTAN querem a maior força militar do mundo, precisam pagar por isso. Esqueça  a autoridade moral  ou seja uma força para a justiça. Trump transformou a força militar mais poderosa da história em um grupo de mercenários.

Pior ainda é a evidência de que, embora os EUA estejam dispostos a vender a outros países seus equipamentos militares de ponta, esse equipamento nunca é realmente deles.

Isso colocou o Canadá em uma posição incômoda. O atual líder americano está em termos mais amigáveis ​​com o líder russo do que com o nosso. Trump estaria disposto a enviar tropas americanas em nosso auxílio se a Rússia decidisse anexar parte do nosso território ?

(https://1.bp.blogspot.com/-knkNQE14UqE/Wz_VimqekxI/AAAAAAAAHDc/-S4ft4sxgLoHqSIZa6mlW5onfI93QM9EQCLcBGAs/s1600/main-qimg-388ed481cee97d05496c635c2a1bdd73.png)

Talvez o Canadá deva ter mais medo de que os Estados Unidos da América anexem parte do nosso território. Normalmente isso pareceria ridículo. Hoje não. A era de Trump deve deixar claro que o livro de regras foi jogado fora.

A aplicação draconiana das políticas de imigração de Trump resultou em agentes da Patrulha de Fronteira dos EUA embarcando  em embarcações canadenses em águas canadenses ao largo da Ilha Grand Manaan, em New Brunswick. Não é exatamente um comportamento de vizinhança.

Pode parecer um grito de guerra para os canadenses pegarem em armas e se prepararem para uma possível incursão. Não é. Apenas um aviso de que nossa codependência tradicional nos EUA não é mais uma estratégia sensata. Bons relacionamentos são baseados em confiança, lealdade e confiabilidade. Os Estados Unidos não podem fornecer nenhuma dessas coisas agora.

Talvez a era Trump acabe sendo um pontinho momentâneo na história americana. Talvez a eleição de 2016 tenha sido simplesmente uma tempestade perfeita que levou uma estrela da realidade a acabar sendo a pessoa mais poderosa do mundo. Talvez a ascensão de Trump ao poder tenha sido o "salto de gato morto" de um aspecto que desaparece da sociedade americana.

Talvez não.

De qualquer maneira, ficou claro que, embora o Canadá deva exercer um pouco mais de independência no que diz respeito à nossa identidade nacional. A experiência do Canadá no Afeganistão deve ser motivo suficiente para deixar para trás os dias de seguir cegamente o exemplo dos EUA. Em vez disso, devemos fazer nossas próprias coisas. Apresentar o Canadá como um  modelo global  que exerce autoconfiança e alta moral.

Como exemplo, não precisamos procurar além da Suécia . Apesar de um orçamento de defesa que é uma  fração do que o Canadá gasta , a Suécia é capaz de montar uma força militar invejável com alguns aviões de combate impressionantes,  submarinose outros ativos. Melhor ainda, a Suécia mantém a capacidade de projetar e construir seu próprio hardware militar. Não se esquivou da participação global quando solicitado.

(Parece que sou fã da Suécia? Sou.)

Lembre-se de que soberania não significa nacionalismo. Uma abordagem nacionalista, como os EUA sob Trump ou o Brexit do Reino Unido, serve apenas para alienar o resto do mundo. Trump e sua galera têm a crença equivocada de que a vida na Terra é um  jogo de soma zero,  onde quanto mais você deixa outra pessoa ter, menos consegue guardar para si. Isto simplesmente não é verdade. A globalização é uma  questão controversa , muito complicada para simplesmente se transformar em "vencedores" e "perdedores".

Há também a questão da OTAN.

Apesar de alguns ridicularizarem a OTAN como  "obsoleta" , ela ainda tem seus benefícios. Poderia usar uma reformulação séria para se alinhar com o mundo pós-Guerra Fria, mas certamente não vale a pena abandonar. O Artigo Cinco, que trata um ataque a uma nação da OTAN como um ataque a todos, ainda é um poderoso impedimento. É bom lembrar que, nos 69 anos de história da OTAN, seu único uso do Artigo Cinco foi em resposta aos ataques terroristas de 11 de setembro ... Promulgados pelos EUA, nada menos.

Pode-se argumentar facilmente que o questionável compromisso dos EUA com a OTAN  é mais um motivo para mantê-lo. Uma nação da OTAN que não pode mais confiar na intervenção americana ainda estaria bem defendida com as forças restantes da OTAN chegando em seu auxílio.

(https://2.bp.blogspot.com/-QDf__opJcXc/W1R95rQma_I/AAAAAAAAHFE/Vo4A2doLVf0gCt7CLENR5bZZp2TESTx5gCLcBGAs/s1600/Bruce%2B07%2B14%2B2018%2BRGB.jpg)

Atualmente, estamos vivendo uma época em que o presidente americano tem uma melhor relação com líderes autoritários como Kim Jong Un e Vladimir Putin, então aliados democraticamente eleitos como Angela Merkel , Theresa May e Emmanuel Macron. Apesar do vitríolo direcionado a aliados de longa data, Trump os incentiva a " comprar americanos " quando se trata de gastos militares. Parece uma tática de vendas bastante estranha. O recente cancelamento da compra do Super Hornet no Canadá , a Itália encerrando o JSF e a ascensão de  novos programas de caça  como o Tempest Parece indicar que os aliados da América se cansaram de serem vistos como engrenagens no Complexo Industrial Militar Americano.

O cansaço é muito mais profundo do que isso, no entanto.

Nos anos que se seguiram à Guerra Fria, a América ainda era vista como a superpotência benevolente. Claro, ele sujou as mãos  várias vezes, mas isso poderia ser justificado conforme necessário para o bem maior. As coisas mudaram depois de 11 de setembro de 2001, no entanto. Embora uma resposta fosse certamente justificada, a interminável " Guerra ao Terror " comprometeu os Estados Unidos a um caminho sombrio de guerras e ocupações injustificáveis ​​e injustificadas. Aliados que caminharam ao longo dos EUA por esse caminho logo foram recompensados ​​com pouco mais que baixas  e defeitos em seu próprio código moral.

(https://1.bp.blogspot.com/-CV2XPJQ9pGk/W1SOYNNnUUI/AAAAAAAAHFQ/DvM5LUkMRlcyXjR_OMP26dMd6l-0YP95ACLcBGAs/s1600/image.jpg)

Anos de apoio aos EUA durante a Guerra Fria e a seguinte Guerra ao Terror causaram danos aos aliados dos Estados Unidos. Parece que essa lealdade e comprometimento foram tomados como garantidos por Trump e sua classe. Os aliados da América não são vistos como parceiros aos seus olhos. Em vez disso, somos vistos como subservientes (na melhor das hipóteses) ou parasitas (na pior das hipóteses) prosperando apenas porque os EUA nos permitem. 

Simplificando, os aliados da América se cansaram desse "excepcionalismo americano".

Trumps conversa dura pode apelar para sua base (conservadores sem instrução à procura de um bode expiatório), mas é veneno absoluto para qualquer outra pessoa. Os EUA não se tornaram a nação mais poderosa do mundo no vácuo; pelo contrário, de fato. A história americana é construída sobre suas relações internacionais. Gerações de imigração, duas guerras mundiais e uma guerra fria que ajudaram a fortalecer sua economia e forças militares fizeram com que os EUA se tornassem o "centro" que mantinha o resto do mundo unido. Agora esse hub está começando a rachar e se separar.

Para prosperar (possivelmente até sobreviver) ao caos que se aproxima, os aliados da América precisarão reduzir sua dependência dos EUA e fortalecer seus vínculos entre si. Em vez de sermos raios em torno de um hub, nos tornamos uma malha interconectada. Como uma teia de aranha, se um desses vínculos se romper, a malha permanece forte.

O estado atual da política americana pode ser nada mais do que um breve "pontinho" após os anos de Obama. Então, novamente, pode não. Primárias recentes mostraram que a política americana mudou ... Possivelmente não para melhor . O que é importante para o Canadá e nossos aliados agora é nos colocar em uma posição em que a angústia da América tem pouco ou nenhum efeito sobre nós.

Essa é a verdadeira soberania. Quando a tagarelice de outra nação NÃO IMPORTA.

Fonte: http://bestfighter4canada.blogspot.com/2018/07/sovereignty-rant_22.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: JM1906 em Agosto 31, 2019, 08:43:20 am
Relacionado com o último post, bastante interessante diga-se, um trabalho acerca do que hoje é impensável... Conflito militar na fronteira norte dos EUA..

Defence of the Undefended Border: Planning for War in North America, 1867-1939
De Richard Arthur Preston

https://en.m.wikipedia.org/wiki/War_Plan_Red

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 02, 2019, 03:10:36 pm
“Se Trump não ganhar, pode acabar na prisão”

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimages.impresa.pt%2Fvisao%2F2019-06-17-trump-1%2Foriginal%2Fmw-860&hash=77440ae3e08c26fc670ef2e221772587)
Alex Wong/ Getty Images

Cargos por ocupar, falta de competências e conflitos de interesse. Uma mistura de negligência com sabotagem deliberada. É assim que Donald Trump tem gerido o governo federal. O Quinto Risco, o novo livro de Michael Lewis, um dos mais conceituados escritores de não-ficção norte- americanos, deixa-nos um retrato aterrador. A VISÃO entrevistou-o

Nuno Aguiar


O medo de Donald Trump tem quase sempre que ver com aquilo que propõe (“construam o muro!”), com aquilo que diz (“há boas pessoas de ambos os lados”, referindo-se a neonazis) ou com os escândalos em que se envolve (“grab them by the pussy”). Mas talvez a sua principal marca esteja a passar-nos despercebida: a forma displicente como gere o dia a dia do Governo norte-americano. O jornalista Michael Lewis, autor de Moneyball e de A Queda de Wall Street, mergulhou nalguns dos departamentos mais importantes do governo federal e o que encontrou deixou-o aterrorizado. Após a vitória eleitoral, Trump não tinha equipas preparadas para ocupar posições cruciais na energia, no comércio e na agricultura. As pessoas acabariam por chegar a conta-gotas, mas algumas não conheciam as áreas pelas quais seriam responsáveis, outras estavam mais preocupadas em impedir referências a alterações climáticas e havia ainda aquelas que tinham interesses financeiros diretos na área que deviam gerir. Em causa estão questões tão essenciais como a segurança nuclear do país, a proteção face a desastres naturais e o combate à pobreza. “Algumas das coisas com que o novo Presidente deve preocupar-se são rápidas: pandemias, furacões, ataques terroristas. No entanto, a maioria dos riscos não pertence a este tipo de ameaças. A maioria é como bombas com rastilhos compridos”, escreve Lewis em O Quinto Risco (editado pela Presença). A VISÃO entrevistou-o por telefone, sobre o legado de Trump no Governo dos EUA.

Ao ler o livro, fiquei um pouco assustado com aquilo que descreve. Enquanto ia descobrindo o que estava a acontecer, também ficou com medo?
Sim. Mas à medida que aprendemos sobre algo, aliviamos os nossos medos, portanto o mais aterrador para mim são as coisas sobre as quais não escrevi. Estou mais preocupado com aquilo que não sei, porque se esta negligência e este ataque institucional existem em todo o governo… Haverá uma história interessante a escrever quando Donald Trump sair e entrar alguém que se preocupe, porque aquilo que está a acontecer não tem precedentes.

Os críticos de Trump costumam focar-se na dimensão ideológica do Presidente, mas o seu livro concentra-se na vertente mais prática, a da governação. Esse lado acaba por ser mais perigoso?
Sim, é mais eficaz, porque ninguém está a olhar para ele. Se pensar no governo norte-americano como uma entidade responsável por gerir vários riscos – e que até o faz bem, se o deixar em paz –, miná-lo por dentro exacerba esses riscos. Do lado ideológico e partidário, existem travões àquilo que Trump é capaz de fazer. Os tribunais já o travaram, o Congresso pode travá-lo… Mas dentro do governo federal, nesse lado da gestão, não existe quem possa travá-lo. É engraçado que, antes da última eleição, eu dizia que não deviam ser apenas os norte-americanos a votar no Presidente, porque vocês em Portugal têm tanta exposição como eu às coisas horríveis que podem acontecer
se o meu governo fizer porcaria.

O desinvestimento na Ciência, por exemplo?
Exato. O mundo depende do governo norte-americano para o investimento de longo prazo em Investigação e Desenvolvimento. Portugal também depende, de certa forma, do arsenal nuclear norte-americano e não se consegue prever o estado do tempo na Europa sem bons dados meteorológicos dos EUA. Trump percebeu que, qualquer problema que crie por não gerir ou gerir mal o governo, terá consequências no longo prazo, quando ele já estiver morto.

Estamos a assistir a casos de incompetência ou a tentativas deliberadas de sabotar o Governo?
Estão a acontecer três coisas diferentes. A primeira é simplesmente incompetência e indiferença. Trump não quer saber. E isso vê-se ao colocar certas pessoas em certos cargos, como Rick Perry à frente do Departamento da Energia [que Perry assumiu que queria eliminar]. A segunda é que existe muita gente com interesses financeiros naquilo que o Governo faz e, quando se tem um Presidente com tão pouco interesse na missão pública, essas pessoas aparecem aos magotes, porque sabem que podem usar este momento para servir os seus interesses. Isso vê-se no serviço meteorológico. Ele pôs à frente da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) uma pessoa que lidera uma empresa que tem interesse em tornar esses serviços privados. A terceira é a existência de uma corrente libertária, que acredita que deve haver muito pouco governo. São poucos, mas influentes. Vê essa corrente em pessoas como Peter Thiel [cofundador do PayPal], na The Heritage Foundation… A visão deles é a de um governo que prejudica as pessoas. Se explicar os problemas a Donald Trump, ele dirá que têm de ser resolvidos. Mas ele passa o dia a ver a Fox News e a responder ao ciclo noticioso.

De onde vem esse preconceito em relação ao setor público?
A primeira pessoa eleita com ataques ao governo foi Ronald Reagan. Foi aí que se percebeu que havia mercado para isso. Mas sempre houve uma dimensão antigoverno nos EUA. Grande parte tem que ver com a complexidade da sociedade e com a dimensão do país. As pessoas não percebem o que o governo faz. Essa ignorância significa que existe um mercado para o comentário negativo. Se for a pequenas cidades norte-americanas, elas não existiriam sem o governo federal. Não teriam escolas, hospitais, bombeiros… Mas se falar com as pessoas, dizem-lhe que o governo é o inimigo. Não fazem ideia de que é a infraestrutura das suas vidas. É o que acontece quando o governo está a milhares de quilómetros de distância.

Fala-se da Solyndra, mas não se fala da Tesla.
Exato. Existe um mercado para as notícias sobre a Solyndra, mas não para o facto de a Tesla ter sido apoiada pelo Governo.

Pergunta isto a várias pessoas que entrevista. Agora pergunto-lhe eu: de todos os riscos que identifica, qual é o que mais o preocupa?
Diria duas coisas. A primeira é que já existe uma narrativa que diz que o governo é incompetente e que tudo aquilo em que se envolve é mau. Quando colocamos alguém incompetente a liderá-lo, essa narrativa vai reforçar-se. Temo que estejamos a cair neste círculo vicioso, em que se tornará impossível confiar no governo. O problema é que há coisas que apenas o setor público pode fazer. O risco específico que me preocupa mais é provavelmente o ataque à Ciência. Há tanta Ciência que o setor público financia e que o privado não apoia que me preocupa que estejamos a perder essa capacidade, que daqui a 30 anos tenhamos um clima a ferver e que não sejamos capazes de cultivar alimentos. Mas existem tantos riscos para escolher! [Risos.] Eu não estou despreocupado com a possibilidade de uma bomba nuclear explodir acidentalmente. Isso é possível. Acho que é totalmente possível que o sistema de meteorologia perca a capacidade de comunicar com o povo norte-americano. Em relação ao setor financeiro, acho possível que Trump desencadeie sozinho uma crise. Para a resolver, seria preciso um governo no qual as pessoas confiassem.

É um exagero dizer que o governo federal está a ser destruído por dentro?
Não é um exagero. O governo é que é muito grande… É como pegar num martelo para partir um camião gigante. Demora algum tempo, mas eventualmente vai destruí-lo. Nesta altura, ele já tem algumas amolgadelas e [Trump] continua a bater.

A história que conta no prólogo sugere que Trump não queria ser Presidente.
É verdade que todas as pessoas próximas dele, incluindo ele próprio, não esperavam que pudesse vencer as eleições. Era um exercício inteligente de marketing. Essa é a única forma de explicar o seu comportamento até à vitória, como o facto de não se ter preparado para governar. Para quê preparar-te se achavas que nunca irias ganhar? Foi apanhado de surpresa. Outra questão é se ele queria ganhar. Não sei a resposta. Se dissessem a Trump que ele podia ganhar, talvez ele tivesse pensado melhor acerca das suas declarações de impostos, por exemplo. Atualmente, parece-me claro que ele quer ganhar. Parece desesperado por ficar na administração. Ficar é a única forma de controlar o seu destino. Se não ganhar, pode acabar na prisão. Tornou-se uma questão de sobrevivência pessoal. Foi amaldiçoado e tem de continuar a vencer para não ficar em apuros.

Desde que terminou de escrever o livro [no final de 2018], houve algum progresso?
Não, só tem piorado! Ainda agora, um ótimo exemplo de como é importante quem detém certos cargos é esta crise sobre a Ucrânia. Trump queria colocar como diretor dos Serviços Nacionais de Informação um ideólogo do Texas: o Congresso não deixou. Portanto, foi lá posto um tipo que ainda não está confirmado e até tem sido muito honesto. Se Trump tivesse colocado lá quem queria, nós nem saberíamos disto. Se andar pelos departamentos, percebe que as vagas não são preenchidas, que os funcionários públicos estão a reformar-se a um ritmo veloz, que não existe direção de cima e que, em muitos sítios, ainda estão a operar com as instruções da Administração Obama, porque ninguém lhes disse o que fazer.

A crise na Ucrânia também nos faz regressar ao debate acerca de incompetência vs. ação deliberada, certo?
Sim. Estão relacionados. Se quiser fazer algo sinistro na Ucrânia, é mais fácil se remover toda a gente do Departamento de Estado ou dos serviços de informação. Eliminar a especialização e quem está a tentar fazer um bom trabalho torna mais fácil fazer coisas más.

Este caso com a Ucrânia vai prejudicar Trump? Ele já sobreviveu a muito.
Parece um filme de terror, não é? Pensamos que a criatura assustadora está morta, mas abrimos o armário e ela está lá com um machado. Há muito tempo que desisti de tentar descobrir o que vai mandar abaixo Donald Trump. Acho que ele tinha razão quando dizia que podia disparar sobre alguém na 5ª Avenida e continuar a ser Presidente. A nossa sociedade está tão polarizada que os seus apoiantes mais fiéis não vão abandoná-lo. Com esse apoio, ele é assustador para os republicanos no Congresso, porque pode arruinar as suas carreiras. Não vejo como isto [crise da Ucrânia] pode acabar com ele a ser afastado.

Pode sair mais forte?
Acho que não. Aquilo que torna este caso diferente dos outros é que é muito claro e persuasivo. Ninguém diz: “Ah! Trump nunca faria isso.” Toda a gente sabe, mesmo os seus apoiantes, que é assim que ele atua. Como envolve estrangeiros e uma tentativa de interferir nas eleições norte-americanas, o caso vai criar uma dissonância cognitiva no seu eleitorado, que gosta de agitar a bandeira dos EUA. Ainda agora passei uma semana no Dakota do Sul. Há cartazes de Trump e bandeiras norte-americanas por todo o lado. São muito patriotas. Se colocar na cabeça deles a ideia de que o tipo que eles apoiam está a conspirar com ucranianos para interferir nas eleições norte-americanas, isso não será bom. Podem racionalizar ou pô-lo de lado, mas vão questionar-se. A ideia de traição é importante para aquelas pessoas.

Esta questão acerca do filho e Joe Biden será o novo “emails da Clinton”?
[Risos.] Quando olham para os EUA, os portugueses acham que isto é uma loucura, não é?

Também temos casos próximos de confusão política. Neste momento, apostaria na reeleição de Trump?
Apostaria contra ele. Embora seja verdade que 35% do país está com ele, aconteça o que acontecer, metade está contra ele, aconteça o que acontecer. A hostilidade é tal que não creio que ele consiga recuperar. Sei que parece uma coisa estúpida de se dizer, porque as pessoas têm apostado há muito tempo contra ele, mas acho que está em apuros.

Barack Obama comprou os direitos do seu livro para fazer um documentário para a Netflix. Já está mais do que habituado a este tipo de adaptações, mas esta é especial, não?
É diferente, por vários motivos. Quando escrevi sobre ele [Obama] para a Vanity Fair há uns cinco anos, fiquei a conhecê-lo relativamente bem. Como gosto dele, fico contente por entrar no mundo do entretenimento, porque acho que ele será muito bom. Da minha perspetiva, aquilo que quero saber quando vendo estes livros para adaptação é se [o filme] vai ou não ser feito. E, como Obama quer muito fazê-lo, vai ser feito. Os meus outros livros foram adaptados a filmes, este será um documentário de oito ou dez partes. Nesse sentido, é menos glamoroso, não vai ter estrelas de cinema.

Brad Pitt não vai entrar neste.
Sim, o Brad Pitt não vai fazer de Rick Perry. Mas pode ter efeitos. Quando comecei a explicar às pessoas o que o governo faz, elas ficaram interessadas. Trump tornou tudo possível, até um reforjar da ligação entre os norte-americanos e o governo, por sentirem que Trump é uma ameaça tão grande. Um dos motivos para as coisas estarem como estão é o facto de as pessoas serem ignorantes. Achavam que não precisavam de saber como as coisas funcionam porque elas funcionaram sempre mais ou menos bem. É como voltar a apaixonar-se pela sua mulher quando ela fica doente. Passa a apreciar algo que está em risco de desaparecer.

Alguma vez ficou chateado com a forma como um livro seu foi adaptado?
Não. Quando vi pela primeira vez Um Sonho Possível, percebi que estava a congratular-me por aquilo de que gostava e a culpar o realizador por aquilo de que não gostava. Assim que percebi o que estava a fazer, parei. Tive uma sorte incrível com a qualidade dos filmes. Foram nomeados para Oscars, foram vistos por muitas pessoas… Portanto, não posso queixar-me.

Além dos livros, este ano decidiu fazer um podcast chamado Against the Rules, sobre a falência dos árbitros na sociedade norte-americana. Dos média e do desporto à arte e ao setor financeiro – essa degradação também ajuda a explicar a ascensão de Donald Trump?
O declínio do árbitro é também um declínio da confiança na sociedade. Se for forte, o árbitro é uma fonte de confiança, leva as pessoas a pensarem que o jogo “foi justo”. Mas as pessoas sentem que hoje o jogo não é justo e a sua incapacidade de aceitar qualquer tipo de árbitro torna Donald Trump possível. Aquilo que ele explora é um ambiente de desconfiança. Toda a sua vida foi vivida sem confiar em ninguém. Pessoas que sentem estar a ser vítimas de muitas decisões erradas respondem à sua mensagem. As duas coisas estão muito relacionadas.

http://visao.sapo.pt/actualidade/mundo/2019-11-02-Se-Trump-nao-ganhar-pode-acabar-na-prisao
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 16, 2019, 02:31:48 pm
Trump Restores Rank to SEAL, Grants Clemency for Soldiers in War Zone Crimes Cases

(https://images03.military.com/sites/default/files/styles/full/public/2019-11/golsteyn-gallagher-lorance-900.jpg?itok=N_ZoYGJU)
From left: Maj. Matthew Golsteyn, pictured in a 2011 photo as a captain; Navy Special Operations Chief Edward Gallagher, walking into his trial, June 18, 2019; Army 1st Lt. Clint Lorance. (Photo Credits from left: The Fayetteville Observer via AP; Associated Press; Courtesy photo via Free Clint campaign)

15 Nov 2019

President Trump has granted a full pardon to two soldiers who faced murder charges in war zone deaths, and reinstated the chief petty officer rank of a Navy SEAL convicted of posing with a dead detainee.

In a statement released Friday by White House Press Secretary Stephanie Grisham, Trump announced that former Army 1st Lt. Clint Lorance and Maj. Matt Golsteyn would receive Executive Clemency, or a presidential pardon.

Lorance is more than six years into a 19-year sentence received after being found guilty of ordering soldiers to fire on three men on a motorcycle during a 2012 patrol in Afghanistan. Golsteyn faced a February 2020 court-martial, accused of murder in connection with the killing of a suspected Afghan bomb-maker in 2010.

SEAL Eddie Gallagher was acquitted in July of killing a captive ISIS fighter, but found guilty of taking improper war zone photos and demoted to petty officer 1st class. Trump has ordered his reinstatement to chief.

"The President, as Commander-in-Chief, is ultimately responsible for ensuring that the law is enforced and when appropriate, that mercy is granted," Grisham said in the White House statement. "For more than two hundred years, presidents have used their authority to offer second chances to deserving individuals, including those in uniform who have served our country. These actions are in keeping with this long history. As the President has stated, 'when our soldiers have to fight for our country, I want to give them the confidence to fight.'"

Trump's Friday announcement had been expected for more than a week; Fox News personality Pete Hegseth, an Army veteran, announced in early November that Trump planned to intervene on behalf of the men.

Golsteyn's attorney, Phil Stackhouse, said in a statement that Trump had called the major directly and spoken with him for several minutes to share the news of the pardon.

"Our family is profoundly grateful for the President's action," Golsteyn said in a statement. "We have lived in constant fear of this runaway prosecution. Thanks to President Trump, we now have a chance to rebuild our family and lives. With time, I hope to regain my immense pride in having served in our military. In the meantime, we are so thankful for the support of family members, friends and supporters from around the nation, and our legal team."

Gallagher's attorney, Timothy Parlatore, said that both Trump and Vice President Mike Pence had called the SEAL to tell him the news of his promotion. Gallagher, Parlatore said, was excited and grateful for their intervention, although he said some things, like the peace of relative anonymity, could not be restored.

"Eddie Gallagher wasn't one of those SEALs you would expect to come out and write a book," Parlatore said. "He loved doing his job, he loved serving his country."

Parlatore said the restoration of chief's rank made a "tremendous difference" to Gallagher, not only in the value of retirement pension, but also in the prestige that comes with the rank. Gallagher has submitted retirement paperwork, and hopes to complete the retirement process by the end of the month.

"He's very grateful to be able to go into retirement as a chief," Parlatore said.

Lorance, who has been serving his sentence at the U.S. Disciplinary Barracks in Fort Leavenworth, Kansas, may be a free man as soon as tonight, his attorney, John Maher, told Military.com.

"The Lorance family is jubilant, as you can imagine, as are we," Maher said. "We think the pardon is wonderful. Right now arrangements are being made for the release of Lt. Lorance, and we will receive him in the dark. It’s looking like that."

While Golsteyn and Lorance now face no legal action, pardons do not wipe their records clean. Attorneys for both men had previously said they wanted Trump to assume authority over the cases in order to disapprove sentence and charges, which would allow them to retain military and veteran benefits to which they were entitled.

John Maher said Lorance's record will still reflect his dismissal -- the officer equivalent of a dishonorable discharge. He indicated they planned to petition the U.S. Army Board for Correction of Military Records to upgrade Lorance's discharge status.

"This is uncharted waters, because not too many folks get a presidential pardon," he said.

The statement from the White House noted that many have advocated on behalf of the three men accused of war zone crimes and misbehavior.

Some 124,000 signed a White House petition on behalf of Lorance, and 20 legislators have requested clemency for him, the statement noted. Lorance's sentence was upheld by the Army Court of Criminal Appeals in 2017 despite attorney arguments that one or more of the men on the motorcycle had links to prior attacks on U.S. troops. The case, however, was set to be reviewed once more by a civilian federal court.

Golsteyn's case was originally resolved administratively by the Army as amounting to conduct unbecoming an officer rather than murder. He was recalled to active duty in 2018 by U.S. Army Special Operations Command after it found sufficient evidence existed to charge him. Golsteyn admitted to killing the Afghan man in Marjah, but has maintained it was part of combat operations.

"After nearly a decade-long inquiry and multiple investigations, a swift resolution to the case of Major Golsteyn is in the interests of justice," the White House announcement stated. "Clemency for Major Golsteyn has broad support, including from Representatives Louie Gohmert, Duncan Hunter, Mike Johnson, Ralph Abraham, and Clay Higgins, American author and Marine combat veteran Bing West, and Army combat veteran Pete Hegseth."

While some have called all three of these cases extraordinary -- and government and prosecutorial misconduct has been alleged at various points in each -- others have alleged Trump's intervention in the workings of military justice sets a troubling precedent.

"He is legally allowed to do this; he has the constitutional authority to pardon whomever he wants. So, at the end of the day, this is not a legal issue; this is a moral issue," Rachel VanLandingham, a professor at Southwestern Law School in Los Angeles, told Military.com earlier this month.

"Trump is breaking his bond trust with the rest of those military members that have to live by those rules. ... He is destroying the difference between us and ISIS; he is destroying the difference between our troops and al-Qaida, between our troops and all of those extremist, anarchist groups that believe anything goes in war."

-- Hope Hodge Seck can be reached at hope.seck@military.com. Follow her on Twitter at @HopeSeck.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 04, 2019, 03:50:02 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 05, 2019, 12:08:49 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: P44 em Dezembro 05, 2019, 07:18:47 pm
O futuro à China pertence...

https://www.technologyreview.com/s/614842/china-us-ai-military-spending/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lightning em Dezembro 05, 2019, 07:31:54 pm
Penso que num comentário do Paulo Portas na TVI, ele colocou gráficos em que se vê que o PIB da Ásia (não é só a China, tem Japão, Coreia do Sul, etc), equivale a cerca de 50% do PIB mundial, e que as trocas comerciais (importações e exportações) da Ásia, já são superiores à dos EUA e Europa juntas.

O quê se percebe nesses gráficos, é que a ultrapassagem foi entre 1990 e 2000.

Agora é lá está o dinheiro.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: dc em Dezembro 06, 2019, 12:56:53 am
É o que dá ter praticamente todo o tipo de produtos, usados no dia-a-dia por esse mundo fora, a ser feito por aqueles lados. Mão de obra barata e produção em massa tem os seus benefícios.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Dezembro 06, 2019, 10:23:53 am
Também já referi isso aqui algures. A China pode não ser a maior potência militar à face da terra, mas a imensa riqueza e poder que está a acumular apontam para ser a maior superpotência à face da terra!

Este link mostra o PIB gerado por país em 2018 e a China já lidera muito destacada de qualquer país ou bloco:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_pa%C3%ADses_por_PIB_(Paridade_do_Poder_de_Compra)

O Japão que era à uns anos a 3ª maior economia do mundo, se considerarmos a EU como um bloco, já vai em 5º lugar e a produzir metade da riqueza da Índia que está em 4º lugar!!!!!!

A crise que o ocidente está a sofrer desde o final da década passada (EUA e Europa), não é mais do que o resultado da nossa triste decisão de deslocalizar a produção industrial dos EUA e Europa para a Ásia e principalmente para a China, porque lá é tudo mais barato e a indústria polui muito. O reverso da medalha é que os ocidentais não percebem porque estão a empobrecer, ou porque é que os seus salários não aumentam. Não aumentam porque quase tudo o que exige produção industrial é feito na Ásia.

Nenhum país enriquece só com a agricultura ou serviços, porque é a indústria quem tem de longe maiores índices de criação de riqueza. Não é com o turismo a pagar salários mínimos e a ocupar meio ano, ou a pagar os salários mínimos como empregado de balcão ou a pagar salários mínimos na agricultura que um país enriquece. Vejam por exemplo os salários que paga uma indústria com alguma dimensão, como por exemplo a Vulcano, Autoeuropa, PSA, Bosch, Siemens, o salário de um quadro superior destas empresas a funcionarem em Portugal, deixa envergonhado um funcionário público que esteja no topo de carreira. Então a Gestão de Topo tem salários de várias vezes o do Presidente da República!!!!!!

Mas enquanto isso e enquanto a nossa preocupação for apenas o ambiente, sem criarmos riqueza e que até compramos tudo vindo da Ásia e sabe-se lá em que condições e que poluição produziu para termos esses produtos, passando pelas miseráveis condições de trabalho. E enquanto quisermos apenas taxar as empresas e os empresários, esses malandros que querem enriquecer……. A China comunista, pragmaticamente recebe essas empresas de braços abertos e que abre uma auto-estrada (nova rota da Seda), para colocar os produtos na Europa quase sem pagarem impostos nenhuns e nós achamos bem e concordamos com isso!!!!!!! Somos uns visionários!!!!!!!!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: P44 em Dezembro 06, 2019, 10:27:58 am
A globalização foi o prego final
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: LM em Dezembro 27, 2019, 05:39:22 pm
=> PPP Military Expenditure - 2019 (https://www.globalsecurity.org/military/world/spending.htm)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 21, 2020, 12:18:17 pm
Manifestantes pró-armas saem à rua na Virgínia


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Janeiro 21, 2020, 07:43:28 pm
Não será permitido comprar mais que uma arma por mês!!!!
Isto é surreal...  Gosto muito de armas e não tenho nada contra mas este pessoal tem problemas psicológicos...
E se as medidas principais forem aquelas três não vejo problema nenhum.
Isto é mais negócio que outra coisa...
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: P44 em Fevereiro 13, 2020, 10:12:12 am
Military Capabilities
Manila to terminate Visiting Forces Agreement with Washington

Gabriel Dominguez, London - Jane's Defence Weekly
12 February 2020


The Philippine government announced on 11 February that it has signed a notice of termination for the Visiting Forces Agreement (VFA) with the United States that came into force in May 1999.

Philippine Foreign Affairs Secretary Teodoro Locsin Jr, who signed the document on the order of President Rodrigo Duterte, announced via Twitter that the Deputy Chief of Mission of the Embassy of the United States in Manila, John Law, had received the notice.

During a press briefing held that same day Presidential Spokesperson Salvador Panelo said that Manila's unilateral move means that the VFA, which, among other things, exempts US forces and personnel from passport and visa regulations and allows them to use their driving permits and licenses in the Philippines, will effectively end in 180 days.

https://www.janes.com/article/94265/manila-to-terminate-visiting-forces-agreement-with-washington
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Fevereiro 15, 2020, 10:42:09 pm

2021 US Defense Budget Overview
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitan em Fevereiro 20, 2020, 02:36:20 pm
https://www.rand.org/pubs/research_reports/RR2533.html (https://www.rand.org/pubs/research_reports/RR2533.html)

Understanding the Deterrent Impact of U.S. Overseas Forces

The results of the analysis provide consistent evidence for the deterrent effects of heavy ground forces and air defense capabilities, especially when deployed in the general theater of interest but not necessarily on the front lines of a potential conflict.
The more mobile forces are, the less evidence there is that they deter. This is possibly because mobile forces represent a lesser degree of high-level or long-term U.S. commitment or possibly because measuring their effects is more difficult.
When U.S. forces, particularly light ground forces, are stationed inside the borders of the ally or partner to be defended rather than in nearby states in the broader theater, they are associated with an increased likelihood of militarized disputes.
Analysis shows that, when the United States has surged forces forward in an international crisis, there has been a large decline in the incidence of major clashes or war. Deployments of ground and air forces, in particular, were associated with an extremely low incidence of further escalation.
Countries supported by U.S. crisis deployments appear no more likely to achieve their strategic goals in a crisis than countries that do not enjoy such support. These results suggest that U.S. crisis deployments can help maintain the status quo at reduced risk of war, but they do not readily translate into bargaining leverage or improved long-term positions for partner states.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitan em Junho 26, 2020, 12:41:54 pm
https://warontherocks.com/2020/06/the-100-ship-navy/

Um artigo sobre uma potencial redução do número de navios da US Navy. Um exercício especulativo muito interessante.

THE 100-SHIP NAVY

Finally, given narrowed mission sets, what would a 100-ship Navy look like? This is an unlikely scenario but serves as a useful thought experiment. The number “100” is intentionally restrictive; it tests what trade-offs are possible if assumptions about future force levels are not just slightly wrong, but catastrophically so. And when it comes to imagining a future where defense dollars are scarcer, ship quantities are easier to grasp — for policymakers and practitioners alike — than labyrinthine defense appropriation categories, all operating on different timelines.

These younger Americans’ foreign policy preferences bode poorly for military spending. For instance, a 2020 poll found that among millennials and Generation Z (Americans born after 1996), only about 14 percent believe America is “exceptional.” That proportion is two to three times higher among their elders. Faith in American exceptionalism has underpinned decades of consensus in the U.S. foreign policy community on the wisdom of America’s overseas security commitments.

[...]

Meanwhile, at least half the members of the silent generation (born between 1928 and 1945)  believe that the rise of China and political instability in the Middle East are serious threats to the United States. For millennials, those numbers are 35 percent and 27 percent, respectively. By contrast, 62 percent of millennials consider climate change a grave threat. Millennials are also the least likely generation to support deploying American troops if South Korea, Taiwan, or a NATO ally were invaded. The new voters, Generation Z, also care more about climate change than most other threats. At the same time, they are both less confident in the military and more supportive of redistributive economic policies.

[...]

Some of these missions are already diminishing in importance. During the first Gulf War, the United States was a net energy importer; today it is a net producer, with oil imports at their lowest level since the 1980s. Natural gas, which the United States has in abundant supply, will comprise most growth in hydrocarbon usage in the coming decades, and worldwide demand for oil will likely start declining by 2030. The transport of hydrocarbons through the Persian Gulf will remain important, but its disruption may not require the instantaneous response that justifies today’s forward presence.

The urgency of U.S. contributions to missile defense and deterrence has also fallen as regional partners’ capabilities grow. Israel has fielded the Arrow 3 missile system, capable of exo-atmospheric engagement of ballistic missiles. It already has nuclear and conventional deterrent capacity, deliverable by ballistic missile and strike aircraft. Saudi Arabia will soon acquire high-altitude intercept capability with the Terminal High Altitude Area Defense (THAAD) system. The kingdom has also upgraded its air force and embarked upon domestic ballistic missile production to supplement existing inventory.

The growth of Israeli and Saudi organic capacity in strike and missile defense reduces the demand for on-station U.S. Navy guided missile submarines, aircraft carriers, cruisers, and destroyers. This could permit the Navy to retire aging platforms or redeploy others to different theaters. Strike capacity will remain possible with the U.S. Air Force’s “Global Strike” capability, which already provides the bulk of coverage. Finally, given Americans’ evaporating interest in Middle Eastern escapades, maintaining local expeditionary capability (with amphibious warfare ships) is a declining priority.

In U.S. Indo-Pacific Command, the objective is ensuring a stable balance of power that dissuades China from making revisionist territorial claims. To this end, ships conduct freedom-of-navigation operations, ballistic missile defense of allies and U.S. territories, and theater security cooperation. Relying on dispositions like the carrier strike group and amphibious readiness group, these activities aim to reassure partners of U.S. commitments.

The challenge is that China’s attempts to outmaneuver U.S.-led partnerships often summon nonmilitary instruments of national power, such as tactically oriented trade agreements exemplified by its Belt and Road Initiative. Many of these economic agreements carry security implications. Beijing undermines local states’ diplomatic ties with Taiwan, eroding their incentive to aid Taiwan militarily and limiting U.S. capacity to use these states as staging areas for the same purpose. Kiribati, for instance, the site of the Battle of Tarawa, severed diplomatic relations with Taipei prior to joining the Belt and Road Initiative.

China’s drive for “reunification” with Taiwan threatens the regional balance of power not just because of Taiwan’s strategic location but because Japan and South Korea consider Washington-Taipei relations a barometer of U.S. credibility. If Japan began to question the U.S. security commitment, Tokyo might finally adopt a more muscular defense posture. A militarized Japan would upset already-fraught Seoul-Tokyo relations, and a South Korean counter-buildup could destabilize the Korean peninsula.

But survey data indicate that U.S. military intervention on behalf of Taiwan is highly politically unpopular. So how could the United States prevent Chinese aggression against Taiwan if U.S. amphibious warfare ships, with their ability to provide air and ground support, were withdrawn from the region? The key will be raising the costs of a Chinese invasion.

First, this means increasing Taiwan’s self-defenses on its west coast. Next, the U.S. Navy could shift away from “big deck”-centric operations, since China has already prepared for that fight. Rather than aspiring to the increasingly difficult mission of sea control, which relies on multiple carrier strike groups or amphibious readiness groups deployed simultaneously, the Navy could flip the script. Shifting to denial capabilities provided by multimission surface action groups, subsurface forces, and unmanned technologies could help make it prohibitively expensive for Chinese forces to cross the strait.

Ballistic missile defense of Japan, Guam, and the homeland would remain a core mission area due to the persistent North Korean threat. A redeployment of ballistic missile ships from Central Command, as described previously, could help meet this need in addition to augmenting Japanese capacity through its Kongo-class destroyer. Secondary missions like maritime security, humanitarian response, and protection of shipping can shift to regional partners like India and Australia, whose capacity-building efforts the United States must continue to support.

[...]

If shifting public attitudes forced the Navy to limit its ambitions to immediate natural security priorities, the following might be possible: in Central Command, reducing ballistic missile defense and deterrent strike forces while retaining minimal multimission surface combatant capability for response to oil-shipment disruptions; and in Indo-Pacific Command, meeting ballistic missile defense requirements with redeployed assets from Central Command while replacing sea-control capabilities with sea-denial ones. Given these reimagined missions, we consider the impact of simultaneously freezing essential capabilities in place, eliminating the platforms underlying the most politically unpopular mission sets, and proportionally shrinking the remaining force.

The first consideration is what missions are both essential and beyond political reproach. Nuclear deterrence is a safe bet; even strict isolationists assume the United States will maintain secure second-strike capability. The nuclear industrial base must also be retained because it is among the most difficult sectors to rapidly scale in the event of full mobilization. Moreover, preserving nuclear vessels is advantageous because they do not depend on combat oilers, although carriers will still need to be supplied with aviation fuel. The ballistic missile submarines will thus remain untouched; per the 355-ship plan, their numbers will settle at 10 in 2037.

The second parameter is the cost-effectiveness of programs. Among the large surface combatants, the Navy will need to decommission the aging and maintenance-intensive Ticonderoga-class cruisers favored by Congress. In contrast, the Arleigh Burke-class destroyers are cost-effective, especially with multiyear procurement and block-buy options.

Third, proportions matter. Individual ships do not exist in a vacuum; they are organized into task-oriented groups, chiefly the carrier strike group. Perhaps the simplest way to reduce the Navy’s size is to reduce its number of carriers, which scales down the required number of escorts. Managing fleet size by proportional adjustment to a fixed number of capital ships is consistent with historical practice.

Because the carrier’s primary mission is power projection, reducing carriers to six would dovetail handily with the public’s declining taste for American presence abroad. The Navy can then reduce escort coverage with cruiser retirements and controlled replacement of older destroyers with the newer Flight III variants. Indeed, the carrier’s future role in U.S. Navy force structure, given advances in anti-access and area-denial technologies, is already under debate.

Similarly, expeditionary missions are increasingly unpopular. Amphibious warfare ships could be reduced to parity with the new number of aircraft carriers, allowing similar maintenance, training, and operational rotations while retaining limited forward-basing and joint forcible entry options. The Marine Corps itself has acknowledged the obsolescence of the requirement that previously determined the number of these ships.

[...]
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 10, 2020, 12:21:00 am
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 04, 2020, 02:51:10 pm
(https://i.ibb.co/JKFQyhC/EUA.jpg)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Novembro 04, 2020, 10:23:16 pm
Quando acabarem de contar os votos já o Biden morreu.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 05, 2020, 12:41:02 pm
Joe Biden bate o recorde e já é o candidato presidencial com maior número de votos de sempre nos EUA

Enquanto os olhos do mundo continuam pregados no mapa eleitoral americano e ainda tudo é possível, o candidato democrata já pode gabar-se de um recorde (que estava nas mãos de Obama): recebeu mais votos do que qualquer outro candidato à presidência dos EUA na história do país

Os mais de 70 milhões de votos já contabilizados para Joe Biden, nesta noite de quarta-feira, podem não lhe garantir a vitória nas eleições presidenciais dos Estados Unidos, mas asseguram-lhe um lugar na história: o candidato com maior número de votos populares.

O recorde anterior pertencia a Barack Obama, na eleição de 2008, quando recebeu 69,4 milhões de votos (e 365 votos do colégio eleitoral), que lhe garantiram o lugar na Casa Branca, com o agora candidato Joe Biden como vice-presidente.

Com os Estados Unidos a caminho, por sua vez, do recorde da maior afluência do último século, aos 70 milhões de votos já contabilizados para o democrata, juntam-se os 67 milhões já ultrapassados por Donald Trump, na mesma hora.

https://visao.sapo.pt/atualidade/mundo/eleicoes-eua/2020-11-04-joe-biden-bate-o-recorde-e-ja-e-o-candidato-presidencial-com-maior-numero-de-votos-de-sempre-nos-eua/
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 05, 2020, 11:15:13 pm
(https://funkyimg.com/i/38seN.jpg)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Novembro 06, 2020, 12:05:14 am
https://twitter.com/i/status/1323807795364417541
 :o :o :o

Mais um maluco...
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: P44 em Novembro 06, 2020, 06:29:45 am
https://twitter.com/i/status/1323807795364417541
 :o :o :o

Mais um maluco...

Ya think?

https://mobile.twitter.com/RightWingWatch/status/1324175651515949056

:o
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 06, 2020, 04:02:22 pm
DW fact checks wild claims about the vote count

As states continue to count ballots, DW Fact Check helps break down what is true and false when it comes to how ballots are counted and claims of fraud in US elections.

With counting still going on in many states, people are understandably getting jittery about the results of the US election. 

Unfounded accusations of widespread fraud and deceitful vote counting have spread across social media. With cherry-pick information or manufactured videos, these claims have often painted an inaccurate picture of wrongdoing. 

DW Fact Check has looked into a few of the most viral claims.

1. Ballots burned?
Claim:

President Donald Trump's son Eric Trump retweet a video that he described as showing 80 mail-in ballots being burned.

Fact check:

The video went viral on social media with more than a million views, and was then deleted and reposted again and again.

Tens of thousands of accounts retweeted the video, for many because it was alleged proof for what several Republicans — including the president — had falsely claimed for weeks: That mail-in ballots lead to fraud and are more susceptible to tampering. But the video shows just sample ballots from Virginia Beach, as the City confirmed on its website.

City officials pointed out that the burned sample ballots didn't have any bar code on them, which can be found on actual ballots.

The video, according to officials, does not show valid votes for Trump being destroyed.

2. One-sided vote counts?
Claim:

In a viral Tweet subsequently shared on Facebook, a user claimed:

"Wisconsin took a break, and when they returned, Biden coincidentally came back ahead by 100k...this is how it happens people."

Fact check:

This and similar claims in other states have been made about batches of primarily mail-in votes being one-sided in favor of former Vice President Joe Biden. Throughout the election, Trump and other Republicans cast doubt on mail-in ballots and concerns over the coronavirus. However, for vulnerable populations and those concerned about COVID-19's risk to their family's health, mail-in ballots may have been the safest way to vote.

Many, including DW, predicted ahead of the election that initial vote counts on Election Day would give a lead for Trump — but would later the vote tallies would swing back in Biden's favor once valid mail-in votes were counted. Pew Research Center's survey ahead of the election indicated 25% of Trump supporters planned to vote by absentee or mail-in ballot, whereas 51% of Biden supporters planned to vote this way. Moreover, some states do not allow mail-in ballots to be counted until Election Day, and this includes the key battleground states of Wisconsin, Georgia, Nevada and Pennsylvania. And because there is an unprecedented avalanche of mail-in votes — in large part due to the pandemic — counting these votes takes more time than usual.

(https://static.dw.com/image/55495306_401.jpg)
Election officials count absentee ballots on November 04, 2020 in Milwaukee, Wisconsin.

This is a factor that played out in Wisconsin and in other states. According to reporting by the Green Bay Gazette, Trump had a lead of more than 100,000 votes before the city of Milwaukee reported its absentee vote results, but once Milwaukee reported those results, Biden gained a lead of about 8,000 votes statewide. His lead then widened to 20,000 when the cities of Green Bay and Kenosha reported their results.

Some counties in this state count in-person and absentee votes together, so all of their results are released at once. Others, like the large metro-area of Milwaukee, count their absentee ballots in a central location and the totals aren't released until the last one is tabulated. This is what accounted for an increase in votes for Biden.

To the first part of the claim, Wisconsin election officials did not take a break. Vote counting continued through the night there.

Meagan Wolfe, Wisconsin's chief election official, said in a press conference on November 4: "Our municipal and county clerks have worked tirelessly throughout the night to make sure that every valid ballot has been counted and reported accurately."

3. 'Finding' ballots
Claim:

A viral video shows a man rolling a wagon into a vote tallying center in Detroit, which people on social media later claimed had contained 130,000 votes in a black box.

Fact check: 

This is false. The man in the video was a local TV videographer wheeling in equipment to cover the night of vote counting. The station WXYZ debunked the claim by showing the suspicious red wagon and the black box of camera material. 

The article on the conservative site Texas Scorecard claiming this was a case of fraud went viral — but has since been taken down.

Kellye SoRelle, a lawyer based in Texas who recorded the video, in an interview on a conservative YouTube show on 4 November suggested the box could contain invalid ballots, but stopped short of confirming it was what she saw, saying the box being transferred was "very similar to the box we had seen and been watching and monitoring."

"The concern was just a security concern. We don't really know what was going on, with or what items they were bringing in or who was going in."

When asked if it's possible that people could be walking in with fake ballots, she replies: "Absolutely. This is a battleground state. We came up here to Michigan to help Trump because this is a state that's under fire."

The update from WXYZ, however, indicates the fraud suggestion is false.

Stay tuned for further updates and fact checks on this topic.

https://www.dw.com/en/dw-fact-checks-wild-claims-about-the-vote-count/a-55518780
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: dc em Novembro 06, 2020, 04:14:11 pm
País de malucos, parece um reality show.  :o
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 06, 2020, 04:45:01 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 07, 2020, 12:42:24 am
Isto sim era um Homem, um Republicano e um Patriota!

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=4005900792833348&id=341163402640457

Qualquer semelhança com o Trump é mera coincidência
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 07, 2020, 05:00:51 pm
Principais meios norte-americanos declaram Joe Biden como novo Presidente dos Estados Unidos

Joe Biden, candidato democrata às eleições presidenciais nos Estados Unidos da América, foi declarado o novo Presidente dos Estados Unidos da América pela CNN, New York Times e Associated Press.

(https://thumbs.web.sapo.io/?W=775&H=0&delay_optim=1&webp=1&epic=YWMwBl5NWNPi0GLJh1yHff7N6NYjeeuWMcPIow+qJPkvTU2yWeq4ylmTa7VYDJPRRcXjdLrWtokVYkqi/Sz8Q2Z3Y906Sv+cBtARfLygMjqjhoU=)

A declaração de vitória surge depois da atualização das contagens no estado da Pensilvânia, decisivo para as contas finais.

Joe Biden soma agora 273 votos no Colégio Eleitoral, enquanto Donald Trump contabiliza 214. São necessários 270, no mínimo, para ganhar a presidência.

Ao longo dos últimos dias, os olhos do mundo estiveram postos nos Estados Unidos da América (EUA), numa interminável noite eleitoral.

Dia 3 de novembro, os norte-americanos votaram em massa para escolher o novo presidente (e um recorde de 100 milhões de eleitores votaram antecipadamente).

De um lado, Donald Trump, presidente nos últimos quatro anos e candidato pelo partido Republicano; do outro, Joe Biden, candidato democrata e ex-vice-presidente de Barack Obama.

Joseph R. Biden, de 77 anos, é agora considerado pelos principais meios norte-americanos o 46.º Presidente dos Estados Unidos da América, o mais velho de sempre a entrar na Casa Branca.

Com quase 50 anos de vida política, Biden ocupa um lugar no centro moderado do partido Democrata, tendo sido essa a bandeira que usou durante a campanha para ser nomeado o candidato pelos democratas às eleições.

Ao seu lado terá Kamala Harris. A agora vice-presidente é a primeira mulher negra a ocupar ao cargo. Harris, de 55 anos, senadora pelo estado da Califórnia e procuradora-geral do mesmo estado, foi uma das rivais de Joe Biden nas primárias, mas desistiu da corrida e declarou publicamente o seu apoio ao agora presidente.

Trump tem uma bateria de centenas de juristas a colocar várias ações judiciais em diferentes estados, para tentar impugnar o processo eleitoral. Donald Trump tinha avisado na noite eleitoral que iria recorrer ao Supremo Tribunal para contestar o resultado das eleições.

Os democratas acreditam que as queixas são infundadas, mas dependendo das decisões de vários juízes estaduais e municipais, os recursos podem atrasar a formalização dos resultados, por dias ou semanas.

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/cnn-declara-joe-biden-como-novo-presidente-dos-estados-unidos
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 07, 2020, 07:26:14 pm
Principais meios norte-americanos declaram Joe Biden como novo Presidente dos Estados Unidos

Joe Biden, candidato democrata às eleições presidenciais nos Estados Unidos da América, foi declarado o novo Presidente dos Estados Unidos da América pela CNN, New York Times e Associated Press.

(https://thumbs.web.sapo.io/?W=775&H=0&delay_optim=1&webp=1&epic=YWMwBl5NWNPi0GLJh1yHff7N6NYjeeuWMcPIow+qJPkvTU2yWeq4ylmTa7VYDJPRRcXjdLrWtokVYkqi/Sz8Q2Z3Y906Sv+cBtARfLygMjqjhoU=)

A declaração de vitória surge depois da atualização das contagens no estado da Pensilvânia, decisivo para as contas finais.

Joe Biden soma agora 273 votos no Colégio Eleitoral, enquanto Donald Trump contabiliza 214. São necessários 270, no mínimo, para ganhar a presidência.

Ao longo dos últimos dias, os olhos do mundo estiveram postos nos Estados Unidos da América (EUA), numa interminável noite eleitoral.

Dia 3 de novembro, os norte-americanos votaram em massa para escolher o novo presidente (e um recorde de 100 milhões de eleitores votaram antecipadamente).

De um lado, Donald Trump, presidente nos últimos quatro anos e candidato pelo partido Republicano; do outro, Joe Biden, candidato democrata e ex-vice-presidente de Barack Obama.

Joseph R. Biden, de 77 anos, é agora considerado pelos principais meios norte-americanos o 46.º Presidente dos Estados Unidos da América, o mais velho de sempre a entrar na Casa Branca.

Com quase 50 anos de vida política, Biden ocupa um lugar no centro moderado do partido Democrata, tendo sido essa a bandeira que usou durante a campanha para ser nomeado o candidato pelos democratas às eleições.

Ao seu lado terá Kamala Harris. A agora vice-presidente é a primeira mulher negra a ocupar ao cargo. Harris, de 55 anos, senadora pelo estado da Califórnia e procuradora-geral do mesmo estado, foi uma das rivais de Joe Biden nas primárias, mas desistiu da corrida e declarou publicamente o seu apoio ao agora presidente.

Trump tem uma bateria de centenas de juristas a colocar várias ações judiciais em diferentes estados, para tentar impugnar o processo eleitoral. Donald Trump tinha avisado na noite eleitoral que iria recorrer ao Supremo Tribunal para contestar o resultado das eleições.

Os democratas acreditam que as queixas são infundadas, mas dependendo das decisões de vários juízes estaduais e municipais, os recursos podem atrasar a formalização dos resultados, por dias ou semanas.

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/cnn-declara-joe-biden-como-novo-presidente-dos-estados-unidos


(https://media.giphy.com/media/mpfMDb6MB6EWQ/giphy.gif)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Luso em Novembro 07, 2020, 10:08:13 pm

O povo gosta é aldrabões e de cangas, desde que sejam fofinhos e patuscos.
É disso e de palha dos média.
O problema é que quem não quer comer leva por tabela. E está a ficar sem alternativas.

Quem alinha com os Bidens da vida vem a este fórum fazer o quê, afinal?

... dâ-se...
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Novembro 08, 2020, 04:08:04 pm
(https://pbs.twimg.com/media/EmTU2IrWEAMkZ8h?format=jpg&name=medium)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: dc em Novembro 08, 2020, 04:21:33 pm
Estava tudo com uma ânsia de tirar de lá o Trump.  :mrgreen:
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 08, 2020, 09:50:16 pm
It’s over. Donald Trump is history.

For millions of Americans – a majority, by almost 5 million popular votes – it’s a time for celebration and relief. Trump’s cruelty, vindictiveness, non-stop lies, corruption, rejection of science, chaotic incompetence, and gross narcissism brought out the worst in America. He tested the limits of American decency and democracy. He is the closest we have come to a dictator.

Democracy has had a reprieve, a stay of execution. We have another chance to preserve it, and restore what’s good about America.

It will not be easy. The social fabric is deeply torn. Joe Biden will inherit a pandemic far worse than it would have been had Trump not played it down and refused to take responsibility for containing it, and an economic crisis exacting an unnecessary toll.

The worst legacy of Trump’s term of office is a bitterly divided America.

Judging by the number of ballots cast in the election, Trump’s base of support is roughly 70 million. They were angry even before the election (as were Biden supporters). Now, presumably, they are angrier.

The nation was already divided when Trump became president – by race and ethnicity, region, education, national origin, religion, and class. But he exploited these divisions to advance himself. He didn’t just pour salt into our wounds. He planted grenades in them.

It is a vile legacy. Although Americans have strongly disagreed over what we want the government to do, we at least agreed to be bound by its decisions. This meta-agreement required enough social trust for us to regard the views and interests of those we disagree with as equally worthy of consideration as our own. But Trump continuously sacrificed that trust to feed his own monstrous ego.

Elections usually end with losing candidates congratulating winners and graciously accepting defeat, thereby demonstrating their commitment to the democratic system over the particular outcome they fought to achieve.

But there will be no graciousness from Trump, nor a concession. He is incapable of either.

He will be president for another two and a half months. He is still charging that the election was stolen from him, mounting legal challenges and demanding recounts, maneuvers that could prevent states from meeting the legal deadline of December 8th for choosing electors.

If he continues, America could find itself in a situation similar to what it faced in 1876, when claims about ballot fraud forced a special electoral commission to decide the winner, just two days before the inauguration.

I wouldn’t be surprised if Trump refuses to attend Biden’s inauguration and stages a giant rally instead.

He’ll send firestorms of aggrieved messages to his followers – questioning Biden’s legitimacy and urging that they refuse to recognize his presidency. This will be followed by months of rallies and tweets containing even more outlandish charges: plots against Trump and America by Biden, Nancy Pelosi, “deep-state” bureaucrats, “socialists,” immigrants, Muslims, or any other of his standard foes.

It could go on for years, Trump keeping the nation’s attention, remaining the center of controversy and divisiveness, sustaining his followers in perpetual fury, titillating them with the possibility he might run again in 2024, making it harder for Biden to do any of the national healing he’s promised and the nation so desperately needs.

How can Biden heal the nation when Trump doesn’t want it healed?

The media (including Twitter, Facebook, and even Fox News) could help. They have begun to call out Trump’s lies in real time and cut off his press conferences, practices that should have started years ago. Let’s hope they continue to tag his lies and otherwise ignore him – a fitting end to a reality TV president who tried to turn America into a reality warzone.

But the responsibility for healing America falls to all of us.

For starters, we’d do well to recognize and honor the selflessness we have observed during this trying time – starting with tens of thousands of election workers who have worked long hours under difficult and sometimes dangerous circumstances.

Add to them the hospital workers across the nation saving lives from the scourge of Covid-19; the thousands of fire fighters in the west and the emergency responders on the Gulf coast battling the consequences of climate change; the civil servants getting unemployment checks out to millions of jobless Americans; social workers dealing with family crises in the wake of evictions and other hardships; armies of volunteers doling out food from soup kitchens.

These are the true heroes of America. They embody the decency of this land. They are doing the healing, rebuilding trust, reminding us who we are and who we are not.

Donald Trump is not America.

Robert Reich
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Novembro 08, 2020, 10:49:39 pm
(https://images.impresa.pt/expresso/2020-11-06-c3a81873-4903-4073-9a4a-f25b9da77063.jpg/original/mw-1024)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Viajante em Novembro 09, 2020, 12:01:03 am
A vitória de Biden não significa necessariamente que tudo volta ao tempo Pré-Trump!

Como vai ser o futuro relacionamento entre os membros da NATO, pós-Trump, depois deste quase desmantelar a Aliança? A confiança regressa assim com um estalar de dedos? Parece-me que a Europa irreversivelmente terá de ser auto-suficiente na defesa, o foco dos EUA está focado mais para oriente.

Trump via a UE como uma das maiores ameaças aos interesses americanos (em termos económicos até tinha razão), mas com Biden vai ser diferente? Como é que faz a conciliação interna e ao mesmo tempo normaliza as relações com a UE, que é o seu maior rival económico?

Biden como Presidente, ao contrário do que os media pensam (especialmente na Europa), não vai trazer a relação com os EUA para uma altura anterior a Trump, Biden vai ter de fazer muito para unir o país...... se é que consegue! E..... será Biden muito diferente de Trump?........

Fora dos EUA, o aliado que mais vai sentir a diferença é o Reino Unido. Baiden já afirmou que o Boris é um Mini-Trump!!!!!!!

Se Biden ignorar a Europa, continuamos a ser uma superpotência económica mas quase sem qualquer relevância no mundo, o foco de interesse estará no pacífico!!!!! E continuamos com os mesmos problemas de sempre. Também vai ser interessante ver o relacionamento com a problemática Turquia, com Israel, a China e a Rússia.

https://www.aljazeera.com/news/2020/11/8/how-will-biden-impact-nato-and-brexit
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 09, 2020, 10:44:24 am
(https://pbs.twimg.com/media/EmV-4LRW8AEYUMB?format=jpg&name=900x900)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Luso em Novembro 11, 2020, 02:15:53 pm
(https://drive.google.com/uc?id=1RUUNJKxixuXbzb-WF-E1M-Njky6P-trp)

E assim se sintetiza a guerra surda de sobras que TODOS NÓS vivemos, de uma forma ou de outra.
Quem poder compreender, compreenda.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 11, 2020, 04:31:35 pm
Luso, muito sinceramente, entre uma família e a outra é como comparar matéria defecante com estrume...vai dar ao mesmo!

Não gosto nem de uns nem dos outros, especialmente porque ambas querem o mesmo.

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 13, 2020, 04:06:44 pm
E agora?

Agências oficiais confirmam que não houve fraude na contagem de votos nos EUA

As agências do Governo que Trump ainda lidera já vieram garantir que as últimas eleições americanas foram as mais seguras de sempre. Enquanto isso, a equipa de Biden continua a correr riscos de espionagem.

Donald Trump continua a recusar os resultados das eleições norte-americanas, a alegar fraude nos votos e a negar o acesso do presidente eleito e da sua equipa a informação crítica e recursos da Casa Branca, mas as vozes que o contradizem são cada vez mais.

O conselho eleitoral (Elections Infrastructure Government Coordinating Council) já reagiu às acusações de que 2,7 milhões de votos foram apagados do sistema de contagem, garantindo que não há indícios de fraude ou de falhas no sistema de contagem. O relatório divulgado pelo presidente ainda em funções alegava falhas no sistema de contagem que teriam simplesmente eliminado milhões de votos.

Uma declaração do conselho que inclui representantes federais, estaduais e locais de diferentes agências, incluindo a Agência Federal para a Cibersegurança, bem como membros da indústria de sistemas de voto veio agora assegurar que as últimas eleições norte-americanas “foram as mais seguras na história da América”, como relata o The New York Times. O relatório assegura também que não foram detetados sinais de fraude, interferência na infraestrutura, ou falhas de hardware ou software em qualquer Estado.

“Embora saibamos que existem muitas queixas infundadas a gerar desinformação sobre o processo da nossa eleição, podemos assegurar-vos que temos a maior confiança na segurança e integridade das nossas eleições e vocês também devem ter”, refere ainda a declaração, onde se sublinha que as respostas às questões que possam surgir sobre a integridade do processo eleitoral devem ser procuradas junto das entidades oficiais que o administram.

A declaração foi divulgada pelo Departamento de Segurança Interna e pela Agência para a Segurança das Infraestruturas, que apoia os Estados na verificação das condições de segurança do sistema de contagem dos votos, duas entidades do Governo federal, o que acaba por isolar ainda mais o responsável republicano.

Trump entretanto mantém a posição, e o acesso de Joe Biden e da sua equipa aos recursos da Casa Branca continuam vedados, o que significa não ter para já acesso a comunicações seguras ou aos briefings que os serviços de inteligência fornecem diariamente à Administração.

As potenciais consequências negativas destas restrições, que podem facilitar ações de espionagem ou privar o presidente eleito de alertas de segurança nacional, sobre eventuais ameaças terroristas físicas ou virtuais, são cada vez mais abordadas, até por responsáveis do partido republicano, que têm vindo a público manifestar-se contra.

O NYT cita fontes próximas ao processo para referir que Biden e uma equipa de mais de 500 especialistas e colaboradores já trabalham em conjunto, usando para isso aplicações comerciais que permitem comunicações encriptadas e reunindo-se muitas vezes em cafés e outros locais públicos.

https://tek.sapo.pt/noticias/internet/artigos/agencias-oficiais-confirmam-que-nao-houve-fraude-na-contagem-de-votos-nos-eua
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 14, 2020, 06:39:28 pm
Debunk da fraude nas eleições:

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=3401856109861382&id=142474049098533
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 18, 2020, 03:10:03 pm
Trump fires director of Homeland Security agency who had rejected President's election conspiracy theories

https://www.cnn.com/2020/11/17/politics/chris-krebs-fired-by-trump/index.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 27, 2020, 04:37:42 pm
Trump axed campaign lawyer Sidney Powell because 'she was too conspiratorial even for him,' report says
https://www.businessinsider.com/trump-lost-patience-with-conspiracy-theorist-attorney-powell-nyt-2020-11

The Trump Campaign Fired QAnon Lawyer Sidney Powell But She's Tweeting Through It
Last week she was part of Trump's "elite strike force." Now she's "practicing law on her own."
November 23, 2020, 11:22am
https://www.vice.com/en/article/bvxm7z/the-trump-campaign-fired-qanon-lawyer-sidney-powell-but-shes-tweeting-through-it

Trump campaign cuts Sidney Powell from president’s legal team
The abrupt shake-up comes as Sidney Powell makes far-fetched and unsupported claims of voter fraud in the 2020 elections.
https://www.politico.com/news/2020/11/22/trump-campaign-sidney-powell-legal-439357

Citar
Powell had made headlines in recent weeks for her increasingly outrageous and unsupported claims of voter fraud in the 2020 election, repeatedly vowing to “release the kraken” of evidence, only to refuse to produce it when asked by reporters.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 09, 2020, 11:54:07 am

O contra-ataque : https://www.cnn.com/videos/politics/2020/12/09/chris-krebs-intv-lawsuit-trump-campaign-attorney-defamation-threats-sot-ac360-vpx.cnn


Career

Krebs's professional work has focused on cybersecurity and risk management issues. He served as Senior Advisor to the Assistant Secretary of Homeland Security for Infrastructure Protection, and later worked in the private sector as Director for Cybersecurity Policy for Microsoft.[1][2][3]

In March 2017, he became Senior Counselor to the Secretary of Homeland Security. In August 2017, he was appointed Assistant Secretary for Infrastructure Protection, and performed the duties of the Under Secretary of Homeland Security for National Protection and Programs until he was confirmed to that position on a permanent basis on June 15, 2018. In November 2018, the National Protection and Programs Directorate was replaced by the Cybersecurity and Infrastructure Security Agency (CISA), and Krebs remained as director of the agency.[1]

It was reported that Krebs was being considered to serve as Acting Secretary of Homeland Security after the departure of Kevin McAleenan, although he was reported to be uninterested in the position.

2020 dismissal

On November 12, 2020, it was reported that Krebs expected to be fired from his position; in part, this expectation was due to Krebs's role in creating a CISA website to debunk election-related disinformation, much of which was being promoted by President Donald Trump and his allies. As CISA's director, Krebs was the "administration's most senior cybersecurity official responsible for securing the presidential election". Sidney Powell, an attorney for Trump and Michael Flynn, asserted on the Lou Dobbs and Maria Bartiromo Fox News programs that a secret government supercomputer program had switched votes from Trump to Biden in the election, a claim Krebs dismissed as "nonsense" and a "hoax."

On November 17, 2020, Krebs said in a tweet that "59 election security experts all agree, 'in every case of which we are aware, these claims (of fraud) either have been unsubstantiated or are technically incoherent.'" Trump fired Krebs via Twitter the same day, because the "recent statement by Chris Krebs on the security of the 2020 Election was highly inaccurate, in that there were massive improprieties and fraud". Trump provided no evidence of this fraud.

Later that month, a lawyer for the Trump campaign, Joseph diGenova, called for Krebs to be "drawn and quartered. Taken out at dawn and shot". diGenova's specific criticism was that Krebs "thinks the election went well". Krebs responded to diGenova's tweet in a Washington Post op-ed, saying "I am not going to be intimidated by these threats from telling the truth to the American people."

On December 8, Krebs filed a civil lawsuit against diGenova, the Trump campaign, and Newsmax TV, accusing them of "defamation, intentional infliction of emotional distress, aiding and abetting, and civil conspiracy". He said that he has received "a barrage of threats and harassment" as a result of diGenova's comments and "faces a genuine risk of imminent harm".
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 09, 2020, 06:02:59 pm
Polícia faz buscas na casa de cientista despedida por recusar manipular números da covid-19 na Florida

Rebekah Jones tinha sido despedida do Departamento de Saúde por recusar censurar os números da covid-19 - continua a publicar a sua própria contagem dos casos na Florida.

 :arrow: https://www.dn.pt/mundo/eua-policia-faz-buscas-na-casa-de-cientista-despedida-por-recusar-censurar-numeros-da-covid-19-13117395.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 12, 2020, 02:46:19 pm
Supremo dos EUA rejeita processo republicano para travar vitória de Biden

O Supremo Tribunal indeferiu o caso sem abordar a maioria das alegações do processo.

Supremo Tribunal dos Estados Unidos rejeitou, na sexta-feira, um processo apoiado pelo Presidente cessante Donald Trump para anular a vitória eleitoral de Joe Biden.

A decisão põe fim a uma tentativa de invocar, sem provas, fraude eleitoral, para anular milhões de votos por correspondência em quatro Estados.

Esta foi a segunda decisão judicial esta semana a rejeitar o pedido dos republicanos para invalidar os resultados eleitorais, depois de um recurso na Pensilvânia, na terça-feira, ter sido desfavorável aos partidários de Trump.

O Supremo Tribunal declarou que "o Texas não demonstrou um interesse judicialmente reconhecível na forma como os outros Estados conduziram as eleições".

O Supremo Tribunal indeferiu o caso sem abordar a maioria das alegações do processo.

Os juízes consideraram que o Texas não tinha o direito de apresentar o caso, porque não lhe cabe pronunciar-se sobre a forma como outros Estados conduzem as suas eleições e porque não sofreu qualquer dano real. Mesmo se a queixa fosse legítima, foi entregue demasiado tarde, dizem os peritos, segundo a Associated Press (AP).


O processo alegava, por exemplo, que a Pensilvânia "eliminou inconstitucionalmente requisitos legais de verificação de assinaturas", mas o Supremo Tribunal da Pensilvânia decidiu unanimemente, em outubro, que a lei estatal apenas deixa claro que o envelope do boletim de voto exige a assinatura do eleitor, mas não uma assinatura correspondente.

Entre os Estados que mudaram as práticas de votação sem ação legislativa este ano está o Texas, que prolongou a votação antecipada por seis dias devido à pandemia.

Estimava-se que os votos presenciais, contados mais rapidamente, provavelmente favoreceriam Trump e os votos por correspondência, contados mais tarde, seriam favoráveis a Biden.

Os democratas, durante meses, aconselharam os eleitores a submeter votos por correspondência, que seriam contados mais tarde, enquanto Trump atacou o voto por correspondência, considerando-o fraudulento, apesar de ter votado dessa forma, na Florida.

Na terça-feira, o procurador-geral do Texas, o republicano Ken Paxton, pediu ao Supremo Tribunal que impedisse a Geórgia, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin, todos Estados onde Biden ganhou, de apoiar a sua vitória no Colégio Eleitoral, argumentando que os seus governadores usaram a pandemia como "pretexto" para alterarem as regras eleitorais, com o intuito de permitir mais votações por correspondência, uma opção escolhida por milhões de americanos.


O processo judicial do Texas procurava impedir que quatro Estados em que Biden ganhou - Geórgia, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin - certifiquem na próxima segunda-feira a vitória do democrata, data em que Colégio Eleitoral reúne para ratificar formalmente o próximo presidente.

Os quatro Estados-chave envolvidos no processo, juntos, representam 62 votos do Colégio Eleitoral.

O Supremo Tribunal é composto por três juízes progressistas e seis conservadores, três dos quais nomeados por Trump.

Dezoito outros Estados onde Donald Trump ganhou as eleições de 03 de novembro, 126 membros do Partido Republicano no Congresso e o próprio presidente cessante juntaram-se ao Texas para apelar aos juízes para que se ocupassem do caso que procurava invalidar a vitória do Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden.

A procuradora geral do Michigan, Dana Nessel, considerou, perante a decisão do tribunal, que se a ação judicial do Texas tivesse tido acolhimento, seria "o fim da democracia nos Estados Unidos da América".

https://www.tsf.pt/mundo/supremo-dos-eua-rejeita-processo-republicano-para-travar-vitoria-de-biden-13131410.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 07, 2021, 10:03:08 am
Isto é o que acontece quando temos um miúdo mimado aos comandos de um país. Estas pessoas foram instigadas horas antes pelo Trump para fazerem isto mesmo, como tal ele tem que responder por estes acontecimentos na justiça.

Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: P44 em Janeiro 07, 2021, 10:13:44 am
A cerimónia de tomada de posse do Biden promete ser interessante...vou já armazenar as pipocas  8)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 07, 2021, 03:53:56 pm
(https://www.thedrive.com/content-b/message-editor%2F1609981200929-screenshot2021-01-06at4.57.08pm.png?quality=60)

(https://www.thedrive.com/content-b/message-editor%2F1609981599496-screenshot2021-01-06at5.05.47pm.png?quality=60)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 07, 2021, 04:09:52 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 08, 2021, 02:34:10 pm
Quem invadiu o Capitólio? Há caras famosas da extrema-direita, mas o FBI pede ajuda

(https://static.globalnoticias.pt/jn/image.aspx?brand=JN&type=generate&guid=a0276bb8-ff1d-4d32-aa59-a619fb0cbdb1&w=744&h=495&t=20210108131059)
Jake Angeli (ao centro) é dos membros mais conhecidos do QAnon

O FBI está a pedir ajuda ao público para identificar as pessoas que invadiram o Capitólio e tentaram travar a validação da vitória de Joe Biden pelo Congresso, esta quarta-feira à tarde, nos EUA. Entre os apoiantes de Donald Trump, que participaram no ataque, estão conhecidos membros de grupos neonazis, conspiracionistas e supremacistas brancos.

Um dos principais departamentos de investigação dos Estados Unidos quer reunir toda a informação possível sobre a invasão do Capitólio, que provocou cinco mortes, entre eles, um polícia, e dezenas de feridos. Para tal, o FBI publicou uma série de fotografias dos invasores e pediu ajuda para identificá-los. "Estamos a aceitar dicas e material digital que mostre o tumulto e a violência em redor do Capitólio dos EUA a 6 de janeiro", escreveu esta polícia no Twitter, que acrescenta que são bem-vindos quaisquer tipos de informações, fotografias ou vídeos das "ações violentas".

No entanto, não é preciso ir muito longe para descobrir alguns dos apoiantes de Donald Trump que tentaram impedir a validação da vitória de Joe Biden pelo Congresso. Muitos dos invasores surgiram com a cara destapada, orgulhosos do ataque feito, e apresentam-se nas redes sociais como uma tropa leal ao ainda presidente dos EUA. Apesar da motivação que os une, entre eles, há uma diversidade de conspiracionistas, neonazis, grupos de extrema-direita e nacionalistas. Mas todos queriam o mesmo.

Jake Angeli, mais conhecido por "Q Shaman", apareceu em inúmeras fotografias, vestido com peles e um capacete com chifres, a percorrer os corredores do Capitólio e sentado numa das cadeiras do Congresso. Angeli é um dos membros proeminentes do grupo QAnon, que idolatra Donald Trump como o salvador da América e acusa os democratas de abusar de crianças e de adorar Satanás. "Q Shaman" tem liderado os protestos a favor de Donald Trump no estado do Arizona e, de acordo, com o jornal "The New York Times" (NYT) terá sido um dos principais instigadores, com outros ativistas de extrema-direita, da violência ocorrida na quarta-feira.

Vários líderes dos Proud Boys, grupo de extrema-direita que condena a imigração e exalta a misoginia, foram também vistos no ataque. Um deles foi Nick Ochs , que concorreu a um cargo na câmara de Waikiki, no estado do Havai, e fracassou. Faz ainda parte do coletivo "Murder The Media" ("Matem os Media"), uma frase que foi aliás escrita numa das portas do Capitólio e cujos alvos são jornalistas.

Várias pessoas do "National Socialist Club", que se identificam como neonazis, publicaram vários vídeos dentro do Capitólio na aplicação Telegram. Já o grupo armado de extrema-direita "Three Percenters" foi visto na terça-feira à noite junto ao Capitólio, a usar capacetes e coletes antibala, adornados com o "três" escrito em numeração romana.

Outro dos mais conhecidos apoiantes de Trump é "Baked Alaska", que se filmou dentro do Capitólio e foi visto em direto por 16 mil pessoas. O responsável desta façanha é Tim Gionet, conhecido por defender ideias de supremacia branca e antissemitas na Internet. Gionet teve um canal no YouTube, cuja conta foi cancelada depois de gravar-se a cometer crimes e a assediar pessoas. A ousadia e o sentido de impunidade na quarta-feira foi notório quando afirmou em direto que poderia dormir dentro do edifício e até ligar a Donald Trump através de um telefone do Congresso.

Apesar das inúmeras caras conhecidas entre a tropa leal de Trump, muitas facilmente localizadas através de uma simples pesquisa nas redes sociais, permanecem ainda centenas de invasores por identificar. Ou pelo menos, assim diz o FBI. Vários internautas estão a criticar a força policial por estar a pedir informações ao público na conta de Twitter, quando conseguem facilmente "ter as fotografias, os nomes e as moradas" daqueles que atacaram o Capitólio, por estes serem personalidades bem conhecidas nos meios extremistas. Pelo menos, 82 pessoas foram detidas nos distúrbios na quarta-feira, avança o "NYT".

A falta de polícia no local continua a ser apontada como um dos fatores que agravou o caos junto a um dos símbolos maiores da democracia nos EUA. Enquanto centenas entravam no Capitólio, cá fora permaneciam milhares de apoiantes de Donald Trump. Alguns foram incentivados pelo presidente dos EUA a juntar-se à "luta" em Washington e a defender, por ele, uma falsa alegação de fraude eleitoral. Para muitos, era a primeira vez na capital dos Estados Unidos.

https://www.jn.pt/mundo/quem-invadiu-o-capitolio-ha-caras-famosas-mas-o-fbi-pede-ajuda-13207473.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 08, 2021, 07:43:15 pm
Donald Trump não vai assistir à investidura de Joe Biden


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 10, 2021, 12:22:41 pm
Democratas querem demissão de Donald Trump



Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 12, 2021, 11:30:25 am
https://twitter.com/Schwarzenegger/status/1348249481284874240
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 12, 2021, 11:30:45 am
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 14, 2021, 11:08:03 am
(https://cdn.oantagonista.net/uploads/2021/01/carta-joint_chiefs_12.jan_.2021-791x1024.gif)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 14, 2021, 03:12:56 pm
Soldados dormem armados no chão do Capitólio

(https://static.globalnoticias.pt/jn/image.aspx?brand=JN&type=generate&guid=4d482480-5c1c-4ca9-99f2-59c9dec9bb81&t=20210113164135)

(https://static.globalnoticias.pt/jn/image.aspx?brand=JN&type=generate&guid=302b8f67-e58c-4f9d-ace0-94c7b46ba37d&t=20210113164135)

Centenas de militares da Guarda Nacional dos EUA foram fotografados a dormir no chão de pedra do Capitólio, muitos agarrados às suas armas, na manhã desta quarta-feira, dia em que a Câmara dos Representantes vota a instauração do segundo processo de "impeachment" (destituição) a Donald Trump.

Uma semana após o assalto ao Capitólio e uma semana antes da tomada de posse do presidente eleito Joe Biden, as autoridades reforçam a segurança em Washington DC, preparando-se para uma potencial onda de violência nos próximos dias. Foi a primeira vez que os soldados montaram acampamento no Capitólio desde a Guerra Civil.

A Guarda Nacional vai enviar um total de 15 mil soldados para Washington para ajudar a proteger a capital até à tomada de posse de Biden, no dia 20 de janeiro. Pelo menos 6.200 já estão no terreno e 10 mil estarão até ao próximo sábado, de acordo com a imprensa norte-americana.

Os soldados foram autorizados a usar armas para garantir a segurança do complexo de edifícios do Capitólio, anunciou em comunicado, esta quarta-feira, a Guarda Nacional dos EUA. O pedido foi feito pelas autoridades federais e aprovado pelo secretário do Exército, Ryan McCarthy.

Os membros do Congresso mostraram-se preocupados com o seu regresso ao Capitólio, devido às várias ameaças existentes contra eles. O FBI também alertou para potenciais atos violentos em todos os 50 edifícios daquela casa.

A Câmara de Representantes dos EUA iniciou, esta quarta-feira, a discussão e votará de seguida a instauração do processo de destituição ao presidente Donald Trump, acusado de "incitação a insurreição" por ter induzido os seus apoiantes a assaltar o Capitólio.

O artigo para o novo processo de "impeachment" de Donald Trump - que a ser aprovado, como tudo indica, será o único presidente dos EUA a ser alvo de dois processos de destituição durante o mandato - foi apresentado na Câmara de Representantes, na última segunda-feira.

https://www.jn.pt/mundo/soldados-dormem-armados-no-chao-do-capitolio-13226622.html
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: dc em Janeiro 14, 2021, 03:40:37 pm
15 mil soldados?! Isso é mais que todo o Exército Português.  :o
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: FoxTroop em Janeiro 14, 2021, 04:29:56 pm
Soldados dormem armados no chão do Capitólio

(https://static.globalnoticias.pt/jn/image.aspx?brand=JN&type=generate&guid=4d482480-5c1c-4ca9-99f2-59c9dec9bb81&t=20210113164135)

https://www.jn.pt/mundo/soldados-dormem-armados-no-chao-do-capitolio-13226622.html

Se fosse por cá, já estariam os grunhos pseudo-militares que pululam nas fileiras das nossas FA e FS a colocar fotos disto no FB e a gritar "vergonha", "falta de respeito", e outras barbaridades do género, por estarem a dormir no chão (oh!!! horrores dos horrores, nem sei como sobreviveram aos exercicios de campo) em vez de estarem hospedados no Ritz ou Palace Plaza. E com o chefe do "bosta" logo a vir para fazer aproveitamento politico à pala dos grunhos.

Como nos EUA, um membro das FA ou FS que venha para as redes sociais grunhir, sabe que leva logo pela medida grande, ao contrário daqui onde o RDM e o CJM é para limpar o rabo depois de obrar, as FA e FS ainda vão tendo o respeito que merecem.
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: dc em Janeiro 14, 2021, 04:50:49 pm
https://www.jn.pt/mundo/invasores-do-capitolio-terao-feito-visitas-de-reconhecimento-com-republicanos-13230251.html (https://www.jn.pt/mundo/invasores-do-capitolio-terao-feito-visitas-de-reconhecimento-com-republicanos-13230251.html)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: P44 em Janeiro 15, 2021, 10:13:22 am
Bem pelo menos para a semana vai haver circo
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 15, 2021, 10:41:23 am
Com 15.000 militares e com o Trump sob pressão para ser julgado por o que aconteceu? Esperemos bem que não, mas se ele quiser fazer uma fuga para frente...nem quero imaginar!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 15, 2021, 03:30:36 pm
Invasores do Capitólio teriam intenção de matar alguns dos eleitos


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Janeiro 16, 2021, 11:00:26 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 18, 2021, 11:03:03 am
EUA: FBI investiga guarda destacada para a tomada de posse de Biden


Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: dc em Janeiro 18, 2021, 04:20:17 pm
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: HSMW em Janeiro 18, 2021, 10:48:04 pm

Vamos lá que o Trump já foi embora!!
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: dc em Janeiro 19, 2021, 04:53:02 pm
https://www.dn.pt/internacional/fbi-diz-que-invasora-do-congresso-esperava-vender-computador-de-pelosi-a-russia-13246753.html (https://www.dn.pt/internacional/fbi-diz-que-invasora-do-congresso-esperava-vender-computador-de-pelosi-a-russia-13246753.html)

Patriota.  ::)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: P44 em Janeiro 20, 2021, 07:27:09 am
(https://i.postimg.cc/Cx0vbbg4/Sem-t-tulo.png)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 20, 2021, 12:47:41 pm
DEPARTMENT OF THE NAVY

A Strategic Blueprint for the Arctic

 :arrow: https://media.defense.gov/2021/Jan/05/2002560338/-1/-1/0/ARCTIC%20BLUEPRINT%202021%20FINAL.PDF/ARCTIC%20BLUEPRINT%202021%20FINAL.PDF
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: dc em Janeiro 22, 2021, 10:37:31 pm
https://www.cnn.com/2021/01/22/politics/congressman-gun-capitol/index.html (https://www.cnn.com/2021/01/22/politics/congressman-gun-capitol/index.html)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: P44 em Janeiro 30, 2021, 08:20:37 pm
(https://i.postimg.cc/fLVTWw9T/Sem-t-tulo.png)
Título: Re: Estarão os EUA a ficar para trás?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 19, 2021, 10:35:19 pm