Espaço Aéreo pode encerrar durante o Euro 2004

  • 8 Respostas
  • 3928 Visualizações
*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 566
  • +1/-0
Espaço Aéreo pode encerrar durante o Euro 2004
« em: Fevereiro 21, 2004, 12:44:41 am »
Correio da Manhã 2004/02/20

Citar
O Governo admite encerrar o espaço aéreo na altura do Euro'2004, de 12 de Junho a 4 de Julho, mas só durante os jogos e nas zonas dos estádios. Trata-se de uma medida extrema de segurança contra o terrorismo, embora o nosso País esteja classificado internacionalmente como sendo de baixo ou médio risco.

 Em entrevista ao Correio da Manhã, o secretário de Estado da Administração Interna, Nuno Magalhães, afirmou que, de facto, a autoridade presente na Comissão de Segurança do Euro'2004 “está a estudar essa possibilidade e encara de forma muito séria o fecho do espaço aéreo durante os jogos e na área correspondente aos estádios do Euro".

Nuno Magalhães nada mais pôde adiantar, porque "é uma matéria confidencial" . No entanto, o CM apurou junto de outras fontes que o espaço aéreo pode mesmo ser encerrado e ficará a cargo da Força Aérea Portuguesa.

Subjacente a esta decisão estão, obviamente, os atentados de 11 de Setembros em Nova Iorque, que aumentaram muito a possibilidade de ataques terroristas. Aliás, ainda não há muito tempo, em Bona, o comissário europeu da Justiça, António Vitorino, referiu-se à possibilidade de um incremento do terrorismo a nível global.

Nuno Magalhães, todavia, desdramatizou a questão dizendo que "neste momento, de acordo com as avaliações, não existe um acréscimo de risco de situações ao nível do terrorismo, para além do risco normal que existe em qualquer país como Portugal de baixo e médio risco, como foi classificado internacionalmente".

Note-se que na Comissão de Segurança para o Euro'2004 estão presentes não só as autoridades marítima e aérea, mas também todas as forças de segurança e de socorro: INEM, PSP, GNR, PJ, SEF, Serviço Nacional de Bombeiros, Protecção Civil , Sociedade Euro’2004, Sociedade Portugal 2004, e ainda o SIS.

Instado a comentar o assunto, o comandante Sousa Monteiro, especialista em assuntos aeronáuticos diz que é “uma medida política e quem a toma deve fundamentar-se em factos concretos”. Sousa Monteiro não acha necessário uma medida desta natureza, embora admita que é possível um atentado usando um avião: “Seria algo de espectacular, que teria repercussão em todo o Mundo”.

E como se previne uma situação deste género? “Estabelecendo, por exemplo, uma zona de segurança de 50 Km, no mínimo, onde não pudesse entrar nenhum avião. Isso daria algum tempo de reacção aos aviões de combate, mas não mais do que cinco minutos. Caso fosse detectada alguma anomalia o coordenador de tráfego dava as coordenadas do objectivo e os caças colocavam-se ao lado do infractor. O caça identificava o avião, fazia sinais com as asas, dando ordem da direcção a seguir. Se ele não obedecesse era abatido”.

Também o capitão Joaquim Carvalho, do Instituto Nacional de Aviação Civil, comentou o assunto. Em sua opinião, o encerramento do espaço aéreo por cima de espaços onde decorrem manifestações culturais ou desportivas importantes é “um procedimento normal”, que ocorre frequentemente durante o ano, “em diferentes locais e por diferentes razões”. “Na vertical desses locais não permitimos movimento de aeronaves a não ser em situações de excepção, como voos policiais ou militares”, esclarece Joaquim Carvalho, adiantando que este tipo de precauções não terá qualquer efeito sobre a normal operação dos aeroportos portugueses, nem mesmo em Lisboa, onde dois estádios do Euro se situam numa das potenciais rotas de aproximação à pista do aeroporto da Portela.


 :r.operator: Especialmente sensíveis, parecem a meu ver, o jogo inicial e a final.

 :?: Que tal pedir 1 ou 2 AWACS à NATO ?

Sugestões?
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

emarques

  • Especialista
  • ****
  • 1177
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Fevereiro 21, 2004, 03:18:44 am »
Bem, penso que se estabelecerem um perímetro de 50 km à volta dos estádios onde não é suposto passarem aviões, acaba por ser muito parecido com fechar o espaço aéreo todo. Um jogo na Luz, em Alvalade ou no "Dragão" (este nome não lembra ao diabo) impedem logo o tráfego nos aeroportos. A que distância fica o estádio Faro-Loulé do aeroporto? Também o deve fechar...
Ai que eco que há aqui!
Que eco é?
É o eco que há cá.
Há cá eco, é?!
Há cá eco, há.
 

*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 566
  • +1/-0
Segurança - F-16 serão arma determinante no Euro 2004
« Responder #2 em: Março 15, 2004, 01:47:29 am »
Correio da Manhã 2004/03/14

Citar
AVIÕES HOSTIS ABATIDOS  
Qualquer avião que cruze o espaço aéreo nacional durante o Euro’2004 sem para tal ter autorização será abatido pelos F-16, segundo adiantou ao Correio da Manhã uma fonte militar, num comentário às medidas de segurança que vão envolver o evento desportivo, agravadas com o atentado em Madrid. Portugal pode mesmo pedir o apoio da NATO para o controlo do espaço aéreo se tal for julgado necessário.  
 
É que embora continue sem haver uma ameaça clara para Portugal na sequência do Euro’2004, o evento é encarado como um momento de alto risco, numa altura em que o terrorismo internacional promete novas acções.

Sabe-se que vão ser estabelecidas áreas de reserva de voo e que não inccluirão apenas os estádios: passam também pelos grandes centros urbanos. O porquê destas precauções tem a ver com o facto de os serviços de informações encararem o “espaço aéreo como uma zona de risco tão importante quanto o espaço terrestre”, como se verificou durante o 11 de Setembro.

E a melhor arma para combater esta hipótese é a esquadra de F-16, dezanove caças estacionados na Base Aérea de Monte Real, que já patrulharam o espaço aéreo que rodeia a Figueira da Foz, aquando da Cimeira Ibérica, em Novembro de 2003, e onde a presença dos governantes espanhóis era factor de risco. Os mesmos caças foram também usados durante o jogo Portugal-Inglaterra, em Faro.

A Força Aérea Portuguesa (FAP) admite que os F-16 possam vir a ser empenhados na segurança do Euro’2004 e já quanto ao abate de aeronaves hostis reconhece a opção, mas sustenta que “só em última instância”. No entanto, salienta a FAP, “tudo será feito para garantir a soberania nacional”. “É essa a nossa missão”, frisa. De acordo com fonte militar, o processo de decisão de abater uma aeronave hostil passa pelo Estado e constitui um último recurso, “mas deve ter a flexibilidade suficiente para permitir uma acção em tempo útil”.

Mas a acção dos F-16 não vai ser isolada, uma vez que os caças operam em ligação com o sistema de vigilância e controlo do espaço aéreo, o SICAP, uma infra-estrutura de radares em Fóia, Montejunto e Paços de Ferreira ligados ao Comando Operacional da Força Aérea, em Monsanto. E uma vez que o território nacional continental é muito estreito – a chamada falta de profundidade estratégica –, a defesa do espaço aéreo começa logo em Espanha, em conjugação com a Força Aérea espanhola, assim como no Atlântico. Daí que, admitem fontes militares, navios da Armada possam vir a ser colocados ao largo da costa portuguesa em vigilância-radar, para complementar os radares terrestres e o nosso País pode sempre recorrer aos aviões AWAC da NATO para ajudar na vigilância. As atenções não vão apenas cingir-se ao espaço aéreo. Há indicações de um maior rigor do controlo de aeronaves de pequeno porte, mas por razões que se prendem também com a segurança de voo: “Com mais restrições haverá maior tráfego nos corredores autorizados, com o aumento do risco.”

ARNAUT CAUTELOSO

O ministro-adjunto do primeiro- ministro, José Luís Arnaut, admitiu ontem que "nenhum governo nem nenhum país pode garantir total segurança contra actos como aqueles que aconteceram em Espanha", salientando que a segurança durante o Euro’2004 "é a questão mais sensível e importante" do evento, garantindo que "as autoridades portuguesas estão a tomar todas as medidas preventivas".

O governante salientou que face aos riscos com o terrorismo, o ‘hooliganismo’ e a pequena criminalidade "as autoridades nacionais estão atentas e a tomar as medidas necessárias". Arnaut disse, ainda, que "é necessário passar uma imagem de serenidade e confiança nas forças de ordem e nos serviços de inteligência portugueses”, pelo que, “não há necessidade de tomar medidas suplementares”, referiu.


 :roll:   :!:  :idea: E Atenção ao Rock in Rio  :!:  :!:
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

Guilherme

  • Perito
  • **
  • 379
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Março 16, 2004, 01:24:08 pm »
Rock in Rio ? Onde será esse evento ?
 

*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 566
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Março 16, 2004, 01:28:36 pm »
Será em Lisboa.
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 566
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Março 26, 2004, 01:26:03 am »
Portugal enviou ontem à OTAN o pedido de aviões AWACS para a vigilância do espaço aéreo nacional durante a realização do festival Rock in Rio e do campeonato de futebol Euro 2004. O anúncio foi feito ontem pelo Primeiro-Ministro na Assembleia da República, durante o debate mensal dedicado ao terrorismo.
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 566
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Junho 08, 2004, 08:13:17 pm »
La Razón 2004/06/08

Citar
Máxima alerta en Portugal ante un posible atentado de Al Qaida en el europeo de fútbol

Los servicios de Inteligencia europeos creen que Abu Musab, lugarteniente de Ben Laden, se ha fijado como objetivo un gran evento deportivo como la Eurocopa Envió a Europa a un terrorista llamado «El Jeque» para reclutar suicidas magrebíes

El jefe militar y de operaciones suicidas de Al Qaida, el terrorista jordano Mohamed Al Zarqawi, alias Abu Musab «El Cojo», estaría planeando un macroatentado durante la celebración de la Eurocopa de Portugal, que se disputará del 12 de junio al 4 de julio, según datos que manejan los servicios antiterroristas europeos y a los que ha tenido acceso LA RAZÓN. Abu Musab envió a Europa después de la guerra de Iraq a su lugarteniente, el argelino Abdelzarrak Mahjoub, conocido como «El Jeque», para reclutar terroristas suicidas magrebíes y planificar atentados en la península Ibérica. Con estos datos sobre la mesa, Portugal ha puesto en marcha un amplio despliegue de seguridad que incluye el sobrevuelo de Awacs y el cierre de fronteras.

Madrid- Los servicios antiterroristas investigan si los viajes a Portugal del lugarteniente de Abu Musab están relacionados con las amenazas de atentados de Al Qaida en Portugal, a través de Ansar Al Islam (Seguidores del islam) durante la próxima celebración de la Eurocopa, el Campeonato de Europa de fútbol organizado por la UEFA. El salafista argelino Abdelzarrak Mahjoub, de 33 años, alias «El Jeque» o Abu Asur, realizó continuos viajes por Portugal y España, antes y después de la guerra de Iraq, utilizando un pasaporte alemán auténtico, ya que está casado con Nicole Nogel, una ciudadana germana con la que tiene dos hijos, según han podido confirmar tras su pasada detención en Hamburgo los investigadores que seguían su rastro por media Europa. El lugarteniente de Abu Musab mantuvo encuentros en diversas mezquitas controladas por radicales islamistas ubicadas en Lisboa, Oporto, Madrid, Pamplona, Barcelona, y Valencia, donde se presentaba como el supuesto imán de Hamburgo. De esta manera, consiguió reclutar a integristas magrebíes para la «yihad».
   Las fuentes han asegurado que, nada más producirse el 11-M, supuestos grupos vinculados a Al Qaida amenazaron con cometer un atentado en Portugal durante la Eurocopa de fútbol. En concreto, los comunicados incriminatorios fueron realizados por presuntos islamistas argelinos, donde los integristas destacaban el apoyo dado por el gobierno portugués a la guerra de Iraq y el envío de tropas. Asimismo, el Gobierno portugués del liberal José Manuel Durao Barroso, considerado por Washington como un firme aliado de la coalición, ha asegurado que sus tropas permanecerán en Iraq tras la transferencia de poderes, prevista para el 30 de junio. Este hecho y la celebración de la Cumbre de las Azores, donde se aprobó el plan de ataque a Iraq, serviría de excusa para que terroristas suicidas marroquíes y argelinos ayudados por las «células durmientes» en suelo europeo, cometan atentados suicidas. Según los expertos, para esta acción Al Qaida utilizaría a grupos terroristas de salafistas argelinos, en lugar de los marroquíes que ejecutaron el 11-M.
   El jefe militar de Ben Laden en Iraq, Abu Musab, estaría obsesionado con la realización en Europa de un macroatentado durante la celebración de un evento deportivo, retransmitido en directo por las cadenas de televisión. A juicio de las fuentes antiterroristas, la celebración de la Eurocopa en Portugal es una oportunidad que Al Qaida trataría de aprovechar, ya que su desarrollo coincide con el traspaso de la autoridad a los iraquíes por parte de la coalición encabezada por EE UU.
   La seguridad de la Eurocopa está siendo el principal quebradero de cabeza de los dirigentes de la UEFA y el Gobierno portugués. Los organizadores han solicitado ayuda a la OTAN que tiene previsto desplegar un avión radar «Awacs», como ya hizo en Madrid durante la boda del Príncipe de Asturias. Se trata de un Boeing 707 de reconocimiento y vigilancia del espacio aéreo, que lleva un potente radar alojado en una cúpula giratoria sobre el fuselaje. Para completar este «blindaje» aéreo, el Gobierno luso ha tenido que invertir más de 21 millones de euros en modernizar y actualizar su Fuerza Aérea, compuesta principalmente por cazas F¬16 «Falcon». Los organizadores esperan que acudan a la Eurocopa cerca de 800.000 turistas, de los que casi medio millón serán españoles. La selección española jugará la fase de clasificación en las ciudades de Oporto, Lisboa y Faro. «El Jeque» fue detenido en Hamburgo (Alemania) el pasado 27 de noviembre y extraditado a Italia por su presunta implicación en el reclutamiento de los terroristas suicidas que atacaron el cuartel general italiano en Nasiriya (Iraq) el 12 de noviembre de 2003, donde fueron asesinados 18 «carabinieri» y 9 iraquíes. La Justicia italiana le acusa de ser uno de los jefes de Al Qaida, a través de Ansar Al Islam.
   Viajes a Portugal y España. La División Contraterrorista del FBI destacaba en uno de sus últimos informes sobre Abdelzarrak Mahjoub, realizado antes de su detención, que era conocido como «El Jeque» dentro de la organización islamista Al Tahwid en Europa y estaba bajo las órdenes directas de Abu Musab. Sobre «El Jeque» argelino señalaba: «Habla árabe, alemán y español. Ha residido y visitado un buen número de países, utilizando sin problemas su pasaporte alemán, incluidos Portugal, España, Francia, Italia, Siria y Jordania».
   La Policía Federal de Hamburgo detuvo a este terrorista por primera vez el 25 de julio de 2003, cuando planeaba perpetrar inminentes atentados con explosivos en el sur de España. A instancias de la Policía y la Justicia alemana, fue detenido en Gerona su cómplice, el también salafista argelino Djaouat Audelhai. Las investigaciones policiales se centraron, en un principio, en la posibilidad de que los terroristas tuvieran objetivos turísticos en la Costa del Sol, pero esta pista quedó en «vía muerta». Según datos facilitados a este periódico, a mediados del pasado mes de octubre el supuesto terrorista, que residía legalmente en Hamburgo, fue liberado por la justicia alemana al acusarle únicamente por delitos relacionados con la posesión de explosivos y de sustancias estupefacientes. Un mes después, y tras el atentado suicida en Nasiriya (Iraq), volvió a ser detenido por la Policía alemana, al requerir las autoridades judiciales italianas su extradición.



Preocupante mas estou confiante :r.operator: .
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

Ricardo Nunes

  • Investigador
  • *****
  • 1257
  • Recebeu: 4 vez(es)
  • Enviou: 5 vez(es)
  • +2/-0
    • http://www.falcoes.net/9gs
(sem assunto)
« Responder #7 em: Junho 08, 2004, 09:24:13 pm »
Realmente preocupante. Que tudo corra bem independentemente dos sacrifícios que teremos de tomar durante o Euro.

Encontram-se de momento 2 E-3 AWAC´s ( NATO ) na base aérea do Montijo. Mas penso que mais 2 ( de origem inglesa ) irão estar baseados em Monte Real.
Quem sabia mais sobre esta questão era o Pedro Figueiredo ( FFAP ). Talvez ele possa confirmar ou desmentir aquilo que eu disse.
Ricardo Nunes
www.forum9gs.net
 

*

FFAP

  • 98
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Junho 08, 2004, 09:45:02 pm »
Esperemos que nada aconteça em Portugal, mas em Portugal tudo é possivel...
   Quanto aos AWACS estarão em Portugal 4. Em primeiro lugar são 2 E-3A da NATO que estão no Montijo, ao fim de duas semanas de permanência em Portugal serão substituidos por um destacamento de 2 E-3D da RAF que também ficará duas semanas no nosso país.
Um abraço

EX MERO MOTU
 

 

AWACS já estão em Portugal para o Euro

Iniciado por JNSA

Respostas: 9
Visualizações: 3963
Última mensagem Junho 16, 2004, 12:30:27 pm
por Rui Elias
«Crise pode pôr em causa independência nacional»

Iniciado por Dinivan

Respostas: 21
Visualizações: 5411
Última mensagem Setembro 13, 2005, 01:09:05 pm
por C. E. Borges
Governo fixa em 23.636 o limite máximo de militares em 2004

Iniciado por Tiger22

Respostas: 2
Visualizações: 1644
Última mensagem Abril 15, 2004, 07:46:21 pm
por TazMonster
Exportação e importação de bens militares em 2004

Iniciado por ricardonunes

Respostas: 14
Visualizações: 5045
Última mensagem Agosto 02, 2006, 09:36:23 am
por Rui Elias
LPM-2004

Iniciado por typhonman

Respostas: 7
Visualizações: 2047
Última mensagem Julho 03, 2004, 01:43:54 am
por emarques