Coronavirus

  • 2912 Respostas
  • 306312 Visualizações
*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 3144
  • Recebeu: 423 vez(es)
  • Enviou: 211 vez(es)
  • +652/-8771
Re: Coronavirus
« Responder #1215 em: Outubro 07, 2020, 01:31:04 pm »
Covid-19: Há 30 milhões de trabalhadores fora das listas oficiais do desemprego, alertam economistas
https://executivedigest.sapo.pt/covid-19-ha-30-milhoes-de-trabalhadores-fora-das-listas-oficiais-do-desemprego-alertam-economistas/
Citar
A pandemia colocou muitos mais trabalhadores no desemprego do que as estatísticas oficiais sugerem, de acordo com estimativas de economistas, o que ameaça as perspectivas de recuperação económica nos próximos meses.

Mais de 25 milhões de pessoas na zona Euro e nos Estados Unidos estão oficialmente desempregadas, de acordo com os números publicados na semana passada.

No entanto, os economistas dizem que o verdadeiro número de pessoas que perderam o emprego devido à pandemia é bastante mais elevado, se tivermos em conta os empregos temporariamente protegidos por esquemas de licença subsidiados pelo Estado, os que abandonaram a força de trabalho e os que não podem trabalhar tantas horas por semana como gostariam.

As estimativas do número exacto de pessoas cujo modo de vida foi afectado variam muito. Mas os governos enfrentam todos o mesmo dilema: o choque económico imediato das medidas iniciais de confinamento diminuiu, porém, o desemprego persistente é susceptível de causar dificuldades generalizadas, manter os salários baixos e abrandar o ritmo de uma recuperação.

“A reacção do mercado de trabalho tem a chave para compreender as últimas ramificações do choque do vírus, semelhante ao papel desempenhado pelos bancos durante a grande crise financeira ou soberanos durante a crise do euro”, disse Marc de Muizon, um economista do Deutsche Bank, em declarações ao Financial Times (FT).

Katharina Utermöhl, economista da Allianz, referiu que as estatísticas oficiais de desemprego eram apenas “a ponta do iceberg”, e que havia provas de que cerca de 30 milhões de trabalhadores não constavam nas estatísticas oficiais em 25 nações da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e economias emergentes.

Parte deste desemprego ‘oculto’ – muito maior do que o verificado em recessões anteriores – é provável que se torne visível nas estatísticas oficiais quando os dados de Setembro forem divulgados no final deste mês, porque os pais voltam a entrar no mercado de trabalho quando as escolas reabream, acrescentou Katharina Utermöhl.

Na zona Euro, a taxa de desemprego oficial que era de 6,5%, em Fevereiro, subiu para 8,1%, em Agosto, de acordo com dados publicados na semana passada – ou seja, 13,2 milhões de pessoas.

Aline Schuiling, economista do ABN Amro, considera que o verdadeiro nível de desemprego na zona Euro é pelo menos 4 a 4,5 pontos percentuais superior à taxa de desemprego oficial, assumindo que até um quinto dos empregados que se estima estarem em esquemas de trabalho a tempo reduzido acabarão por ficar desempregados.

Vai ser Bonito vai, preparem a horta no Quintal que a 3 Guerra esta por vir.. :snip:
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 19318
  • Recebeu: 6005 vez(es)
  • Enviou: 6730 vez(es)
  • +7452/-10113
Re: Coronavirus
« Responder #1216 em: Outubro 07, 2020, 04:02:40 pm »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Luso

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 19318
  • Recebeu: 6005 vez(es)
  • Enviou: 6730 vez(es)
  • +7452/-10113
Re: Coronavirus
« Responder #1217 em: Outubro 07, 2020, 05:03:05 pm »
Richie Allen
@RichieAllenShow
The average age of those who died with Covid in the UK is 82. Yes 82. Majority of those had co-morbidities. It wasn't the infection that killed them. It was an accumulation. This virus is harmless for the vast majority. You are being had. Govt knows this. What is really going on?

https://twitter.com/RichieAllenShow/status/1313817946284797952
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 19318
  • Recebeu: 6005 vez(es)
  • Enviou: 6730 vez(es)
  • +7452/-10113
Re: Coronavirus
« Responder #1218 em: Outubro 08, 2020, 07:20:21 am »


"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 3144
  • Recebeu: 423 vez(es)
  • Enviou: 211 vez(es)
  • +652/-8771
Re: Coronavirus
« Responder #1219 em: Outubro 08, 2020, 01:15:35 pm »
[Centenas de médicos de todo o mundo assinam uma declaração alertando que a Covid-19 “é a maior fraude de saúde do século 21”/b]
https://www.pagina1pb.com.br/centenas-de-medicos-de-todo-o-mundo-assinam-uma-declaracao-alertando-que-a-covid-19-e-a-maior-fraude-de-saude-do-seculo-21/
Citar
Centenas de médicos e profissionais de saúde de todo o mundo, reunidos no Coletivo “United Health Professionnals”, emitiram um extenso comunicado ( em francês e inglês ) em que pedem que “o clima de terror, o irracionalidade, manipulação e mentiras ”ligadas ao“ maior golpe de saúde do século 21 ” , acabe

Medidas sem base cientifica
No comunicado, divulgado em diferentes idiomas por meio do Change.org , os signatários dizem “‘pare’ com todas as medidas insanas e desproporcionais que foram tomadas desde o início para combater o (coronavírus) SARS-CoV-2(lockdown, na economia e na educação, distanciamento social, uso de máscaras para todos, etc.) porque são completamente injustificados, não se baseiam em nenhuma evidência científica e violam os princípios básicos da medicina baseada em evidências. Por outro lado, é claro, apoiamos medidas razoáveis, como recomendações para lavar as mãos, espirrar ou tossir no cotovelo, usar um lenço de papel, etc. ”

Casos semelhantes já existiram
Os signatários iniciais do documento , mais quase mil profissionais que o fizeram através do Change.org , lembram que a Humanidade já se deparou com novos vírus em inúmeras ocasiões, e que não é verdade que desta vez seja diferente para um maior contágio de Covid. “É absolutamente falso. Uma comparação simples com outros vírus mostra que a contagiosidade do SARS-CoV-2 é moderada. São doenças como o sarampo que podem ser descritas como altamente contagiosas. Por exemplo, uma pessoa com sarampo pode infectar até 20 pessoas, enquanto uma pessoa infectada com este coronavírus infecta apenas 2 ou 3: 10 vezes menos que o sarampo ”.

Baixa taxa mortalidade.
Profissionais de saúde da Europa e da América que até agora aderiram à declaração também negam a premissa principal: “É absolutamente falso que o Covid-19 seja muito mais mortal do que outros vírus.” Apenas em comparação com a gripe, explicam esses especialistas, e se levarmos em consideração o período entre 1º de novembro de 2019 e 31 de março de 2020, ocorreram 860.000 casos e 40.000 mortes por Covid-19 em todo o mundo, enquanto a gripe, no mesmo período de cinco meses, infectou, em média, 420 milhões de pessoas e matou 270.000. Além disso, o índice de mortalidade anunciado pela OMS (3,4%) foi “superestimado e rejeitado desde o início por eminentes especialistas em epidemiologia. Mas, mesmo aceitando essa taxa de fatalidade.

Saturação de hospitais
Os signatários do documento explicam que é absolutamente falso que a Covid-19 leve à saturação dos hospitais. “A saturação atinge apenas alguns hospitais, mas as pessoas são levadas a crer que todo o sistema hospitalar está saturado ou que a saturação é iminente, quando há milhares de hospitais em alguns países. É razoável e verdadeiro atribuir, por exemplo, 1.000 ou 2.000 hospitais uma situação que afeta apenas 4 ou 5 hospitais? Também não é surpreendente que alguns hospitais estejam saturados por serem centros epidêmicos (como a região da Lombardia na Itália ou Nova York nos Estados Unidos). Não se deve esquecer que hospitais em muitos países ficaram sobrecarregados (incluindo cuidados intensivos) em epidemias de gripe anteriores e que naquela época também se falava de ‘tsunami’ de pacientes em hospitais, ‘hospitais saturados’, tendas armadas fora dos hospitais, ‘zonas de guerra’, ‘hospitais destruídos’ e um ‘estado de emergência’. E ainda assim não confinamos países inteiros, não bloqueamos a economia mundial, não paralisamos o sistema educacional, não praticamos o distanciamento social e não mandamos as pessoas saudáveis ​​usarem máscaras ”.

Notícias falsas em grandes Revistas
Graves consequências para a agricultura, desestabilização de países e paz social e risco de eclosão de guerras. Um editorial publicado noO European Journal Of Clinical Investigation denunciou, desde o início, os prejuízos de medidas extremas tomadas sem fundamento em provas, informações exageradas sobre o perigo real do vírus e a divulgação de notícias falsas (mesmo por revistas de prestígio). Alguns chegam a comparar esta pandemia com a gripe de 1918, o que é uma mentira e uma manipulação, pois matou 50 milhões de pessoas, o que não tem absolutamente nada a ver com a taxa de mortalidade deste coronavírus ”.

Fraude nos números de óbitos
Os profissionais que assinaram o recurso (ver lista no final desta informação) apontam que “partilhamos a opinião dos especialistas que denunciam o fato de não se fazer distinção entre pessoas que morreram ‘do’ vírus e pessoas que morreram ‘ com ‘o vírus (com patologias concomitantes), o fato de que a causa da morte é atribuída ao SARS-CoV-2 sem um teste ou autópsia e que os médicos são pressionados a marcar Covid-19 como a causa de morte, apesar do paciente ter morrido por outras causas. Isso leva a uma superestimação do número de mortes e constitui uma manipulação escandalosa dos números porque durante epidemias de gripe sazonal, por exemplo, não agimos da mesma forma. Mais de 20% dos pacientes com Covid-19 também estão coinfetados com outros vírus respiratórios. Após a reavaliação, apenas 12% das declarações de óbito em um país europeu (Itália) mostraram uma causa direta do coronavírus. O diretor do CDC (Centros para Controle e Prevenção de Doenças) de um país da América do Norte reconheceu em 31 de julho que os hospitais tiveram um incentivo financeiro perverso para inflar os números de mortes de coronavírus “.

Uso desnecessários de máscaras
“Dizemos aos governos: levantem todas as restrições e obrigações dos cidadãos (estado de emergência, uso obrigatório de máscara, distanciamento social, etc.) porque eles são estúpidos e puramente ditatoriais e não têm nada a ver com medicina ou higiene ou preservação da saúde pública. Não há nenhuma razão científica ou médica para que cidadãos não doentes usem máscaras. O Dr. Pascal Sacré, anestesiologista-ressuscitador, disse: ‘forçar todos a usá-los o tempo todo, enquanto a epidemia desaparece, é uma aberração científica e médica‘. O professor Didier Raoult diz: ‘A decisão de confinar, como a decisão de usar máscaras… não é baseada em dados científicos…’. Os especialistas em proteção respiratória Dra. Lisa Brosseau e Margaret Sietsema dizem: ‘Não recomendamos exigir do público em geral que não apresenta sintomas da doença de Covid-19 o uso regular de panos ou máscaras cirúrgicas porque: não há evidências científicas de que sejam eficazes na redução do risco de transmissão de SARS-CoV-2 … ‘. O professor Maël Lemoine também apontou que a mudança no discurso sobre as máscaras é “política, não científica”. Em alguns países asiáticos, as pessoas usam máscaras o ano todo (para se proteger da poluição, entre outras coisas). Esse uso generalizado de máscaras nesses países os impede de ter epidemias de coronavírus? Esse uso generalizado de máscaras nesses países evita que a cada ano surjam epidemias de influenza ou outros vírus respiratórios? A resposta é, obviamente, não. Por outro lado, Com os 8 milhões de toneladas de plástico já despejados nos oceanos todos os anos, as máscaras e luvas acrescentam uma nova ameaça e constituem uma poluição particularmente perigosa para a nossa saúde e vida selvagem. Só na Itália, se apenas 1% das máscaras atualmente em uso fossem jogadas na selva, 10 milhões de máscaras acabariam no oceano todos os meses. Além disso, as máscaras cirúrgicas levam até 450 anos para se decompor. Portanto, dizemos aos governos: parem com essas medidas ilegais e perigosas de uso obrigatório de máscaras ”.

Papel da OMS
“Dizemos que é necessária uma reforma total da OMS. Os sucessos da OMS são indiscutíveis: milhões de vidas foram salvas graças aos programas de vacinação contra a varíola e o uso do tabaco foi reduzido em todo o mundo. Mas o maior problema com a OMS é que por vários anos ela foi financiada 80% por empresas (especialmente farmacêuticas) e doadores privados (especificamente uma fundação bem conhecida) e os escândalos estão se acumulando: falso alarme sobre o H1N1 sob o influência dos lobbies farmacêuticos, perturbadora complacência com o glifosato que a OMS declarou seguro, apesar das vítimas de herbicidas, cegueira para as consequências da poluição ligada às empresas de petróleo na África, subestimação da mortalidade humana pelos desastres nucleares de Chernobyl a Fukushima e os desastres do uso de munições de urânio empobrecido no Iraque ou nos Bálcãs, nenhum reconhecimento de ‘Artemísia’ para proteger os interesses das empresas farmacêuticas, apesar de sua eficácia comprovada no tratamento da malária. A independência da organização está comprometida tanto pela influência de grupos de pressão industriais, especialmente farmacêuticos, quanto pelos interesses de seus estados membros, em particular: China. O presidente de um país disse: ‘Acho que a Organização Mundial da Saúde deveria ter vergonha de si mesma porque se tornou um porta-voz da China.’ A instituição de Genebra, que havia subestimado a ameaça do ebola (mais de onze mil mortos) também é acusado de negligenciar doenças tropicais em busca de mercados mais suculentos. Uma pesquisa realizada em 2016 (A OMS nas garras dos lobistas ) forneceu uma radiografia edificante da OMS, pintando o retrato de uma estrutura enfraquecida, sujeita a múltiplos conflitos de interesse. Esta pesquisa mostrou o quanto e como os interesses privados predominam sobre as questões de saúde pública na OMS. Não é aceitável que o dinheiro que o financia venha principalmente de uma única pessoa e que esteja infiltrado por ‘lobbies’ ”.

Influência que a indústria farmacêutica
Recentemente, a OMS desacreditou-se ainda mais ao cair na armadilha de Lancet Gate quando um mero estudante poderia ter descoberto que era um estudo fraudulento. Na época da gripe H1N1, o Dr. Wolfgang Wodarg, presidente do Comitê de Saúde da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, criticou a influência da indústria farmacêutica sobre cientistas e funcionários da OMS, dizendo que isso levou a um uma situação em que ‘desnecessariamente milhões de pessoas saudáveis ​​corriam o risco de vacinas mal testadas’ (…) Ele também culpou a OMS por alimentar temores de uma ‘falsa pandemia’, chamando-a de ‘um dos maiores escândalos médicos deste século’ e solicitou a abertura de uma investigação. Na verdade, a OMS mudou os critérios para declarar uma pandemia (bem como a gravidade) sob a influência de lobistas farmacêuticos para que eles possam vender vacinas a países ao redor do mundo. De acordo com um relatório da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa sobre a gestão da gripe H1N1, incluído pela OMS, ‘o desperdício de fundos públicos importantes e a existência de receios injustificados relacionados com riscos para a saúde… Foram identificadas lacunas graves em relação à transparência dos processos de tomada de decisão relacionados à pandemia, levantando preocupações sobre a possível influência que a indústria farmacêutica poderia ter exercido nas principais decisões relacionadas à pandemia. A Assembleia teme que esta falta de transparência e responsabilidade enfraqueça a confiança dos cidadãos nas opiniões das principais organizações de saúde pública. ‘ ‘o desperdício de fundos públicos significativos e a existência de receios injustificados relacionados com os riscos para a saúde… Sérias lacunas foram identificadas no que diz respeito à transparência dos processos de tomada de decisão relacionados com a pandemia, ‘o desperdício de fundos públicos significativos e a existência de receios injustificados relacionados com os riscos para a saúde.

Exemplo da China ?
“Dizemos que deve ser aberta uma investigação e que alguns funcionários da OMS sejam interrogados, em particular aquele que vem promovendo o confinamento internacional, o que é uma heresia do ponto de vista médico e um golpe que tem levado o mundo acrise. Na verdade, em 25 de fevereiro de 2020, o chefe da missão internacional de observação do coronavírus na China elogiou a resposta de Pequim à epidemia. Ele disse que a China teve sucesso com métodos ‘antiquados’, enfatizando que ‘o mundo precisava das lições da China’, que deveriam ser aprendidas e que se ele tivesse Covid-19, procuraria tratamento com prazer na China. Novamente, ele também descreveu a China como “muito aberta” e “muito transparente”. Como podemos acreditar nessas declarações? Como alguém pode acreditar que, se tivesse COVID-19, ele iria para a China para tratamento? Como alguém pode acreditar que o mundo deve ser inspirado pela China e que o combate à epidemia deve ser feito “por métodos antiquados”? O que é incrível é que ele conseguiu fazer o mundo inteiro engolir suas mentiras. Porque, infelizmente, desde suas declarações e o relatório que supervisionou (onde podemos ler que os métodos chineses são: ‘ágeis e ambiciosos’), os países do mundo implementaram medidas desproporcionais e seguiram cegamente a OMS de confinamento de suas populações. O medo e a psicose se espalharam apresentando o SARS-CoV-2 como um vírus muito perigoso ou uma mortalidade em massa, quando não o é. Felizmente, uma entrevista com ele revelou uma parte significativa da verdade e do conflito de interesses da OMS com a China quando um jornalista o questionou sobre a recusa da adesão de Taiwan (que está em conflito com a China) pela OMS: ele fingiu que não escute a pergunta e, quando for feita novamente, a comunicação será cortada! (o vídeo foi visto mais de 8 milhões de vezes). Ele também disse no final de fevereiro: ‘Atualmente, há apenas um medicamento que achamos que poderia ter alguma eficácia real: Remdesivir.’ Como você pode dizer isso antes mesmo de os resultados saírem? E por que ele disse isso? “
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 20991
  • Recebeu: 3289 vez(es)
  • Enviou: 2381 vez(es)
  • +1620/-3526
Re: Coronavirus
« Responder #1220 em: Outubro 08, 2020, 02:02:43 pm »
[Centenas de médicos de todo o mundo assinam uma declaração alertando que a Covid-19 “é a maior fraude de saúde do século 21”/b]
https://www.pagina1pb.com.br/centenas-de-medicos-de-todo-o-mundo-assinam-uma-declaracao-alertando-que-a-covid-19-e-a-maior-fraude-de-saude-do-seculo-21/
Citar
Centenas de médicos e profissionais de saúde de todo o mundo, reunidos no Coletivo “United Health Professionnals”, emitiram um extenso comunicado ( em francês e inglês ) em que pedem que “o clima de terror, o irracionalidade, manipulação e mentiras ”ligadas ao“ maior golpe de saúde do século 21 ” , acabe

Medidas sem base cientifica
No comunicado, divulgado em diferentes idiomas por meio do Change.org , os signatários dizem “‘pare’ com todas as medidas insanas e desproporcionais que foram tomadas desde o início para combater o (coronavírus) SARS-CoV-2(lockdown, na economia e na educação, distanciamento social, uso de máscaras para todos, etc.) porque são completamente injustificados, não se baseiam em nenhuma evidência científica e violam os princípios básicos da medicina baseada em evidências. Por outro lado, é claro, apoiamos medidas razoáveis, como recomendações para lavar as mãos, espirrar ou tossir no cotovelo, usar um lenço de papel, etc. ”

I rest my case... :rir:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 19318
  • Recebeu: 6005 vez(es)
  • Enviou: 6730 vez(es)
  • +7452/-10113
Re: Coronavirus
« Responder #1221 em: Outubro 08, 2020, 03:48:30 pm »
Mais de 3 mil pessoas terão morrido devido à gripe em Portugal no último inverno

https://www.dn.pt/vida-e-futuro/mais-de-3-mil-pessoas-terao-morrido-devido-a-gripe-em-portugal-no-ultimo-inverno-11396230.html

Isto na época 2018/2019. E no artigo também fala de 2017/2018 em que morreram 3700 pessoas de gripe.



Pneumonia comum mata 16 pessoas por dia em Portugal

Em média, há mais de 400 mortes por pneumonia em Portugal na população adulta, todos os meses.

https://www.publico.pt/2020/01/29/sociedade/noticia/pneumonia-comum-mata-16-dia-portugal-1902159


Em média 16 pessoas por dia. Em média dá 5840 mortes por pneumonia por ano.


E isto, volto a dizer, quando os números da COVID estão a ser incrivelmente inflacionados e a fiabilidade do teste muitas vezes é risível.


Ninguém pode olhar para estes números e continuar a achar que tudo isto que se passa, com todas as consequências que acarretam, é normal e justificável.
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 19318
  • Recebeu: 6005 vez(es)
  • Enviou: 6730 vez(es)
  • +7452/-10113
Re: Coronavirus
« Responder #1222 em: Outubro 08, 2020, 04:20:26 pm »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 3144
  • Recebeu: 423 vez(es)
  • Enviou: 211 vez(es)
  • +652/-8771
Re: Coronavirus
« Responder #1223 em: Outubro 09, 2020, 10:46:43 am »
Trump garante que medicamento que tomou é cura para a Covid-19 e diz que foi uma "bênção" ter sido infetado
https://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/donald-trump-garante-que-medicamento-que-tomou-e-a-cura-para-a-covid-19-e-diz-que-foi-uma-bencao-ter-sido-infetado?ref=Pesquisa_Destaques

Citar
Presidente dos EUA avançou que cocktail experimental vai ser distribuído pelos norte-americanos gratuitamente.
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse esta quarta-feira que contrair covid-19 foi uma "bênção de Deus" e garantiu que isso ajudará a "curar" outros norte-americanos, apesar de o próprio ainda não ter superado a doença.
Embora os seus médicos afirmem que o presidente não estará fora de perigo antes de segunda-feira, Trump explicou que, desta forma, pôde comprovar em si mesmo o efeito do cocktail experimental de anticorpos sintéticos da farmacêutica Regeneron, que foi aplicado a menos de 10 pessoas fora dos ensaios clínicos.
"Para mim não foi algo terapêutico, fez com que me sentisse melhor, chamo a isso uma cura. E quero que toda a gente tenha o mesmo tratamento que o seu presidente", afirmou Trump num vídeo publicado no Twitter.

Nesse sentido, Trump explicou que o seu governo planeia aprovar com caráter de urgência o cocktail da Regeneron que lhe foi administrado e garantiu que o mesmo será distribuído gratuitamente.

A declaração foi feita um dia depois de a Agência do Medicamento dos Estados Unidos (FDA) estabelecer critérios de aprovação de uma futura vacina contra a covid-19, que tornam improvável a sua autorização antes das eleições presidenciais em 03 de novembro.

O vídeo onde Donald Trump produziu estas declarações foi gravado fora da ala oeste da Casa Branca, onde o presidente norte-americano esteve hoje a trabalhar na sala oval, apenas seis dias depois de ter testado positivo à covid-19.

O comportamento do presidente, desde que abandonou o hospital, na segunda-feira à noite, tem sido alvo de críticas e escrutinado com particular atenção no momento em que o número de trabalhadores da Casa Branca que testaram positivo para o novo coronavírus não para de aumentar.
« Última modificação: Outubro 09, 2020, 10:48:10 am por Daniel »
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 20991
  • Recebeu: 3289 vez(es)
  • Enviou: 2381 vez(es)
  • +1620/-3526
Re: Coronavirus
« Responder #1224 em: Outubro 09, 2020, 02:10:00 pm »
Filipe Froes. "Estamos duas a três semanas atrás de Espanha, se tanto"

Pneumologista alerta que o risco de rutura do SNS continua a existir. Defende que o país tem de aumentar a capacidade de testagem e rastreio para evitar uma segunda onda maior e confinamentos.

Nos últimos meses tornou-se uma cara mais conhecida do grande público mas há anos que, por esta altura, alerta que sempre que começa uma época de gripe, “prognósticos só no fim do jogo”. Filipe Froes acredita que com a covid-19 essa ideia de um vírus também benigno para a maioria das pessoas tem mascarado ainda mais o esforço feito para tratar os doentes, que não são só idosos, e que sem medidas seriam muito mais e avisa que mesmo nos casos ligeiros e assintomáticos poderá haver sequelas a longo prazo. Explica por que não tolera a ideia de uma gripezinha e considera errado comparar as mortes da época gripal com esta pandemia. Os assintomáticos são neste momento uma das suas maiores preocupações. Defende que o país tem de aumentar a capacidade de testagem e começar a fazer testes periódicos nos setores mais expostos, como lares e escolas, para evitar um novo confinamento. Na semana em que o país volta a passar a barreira dos mil casos diários, alerta que o risco de rutura do SNS se mantém – e afetaria todos os doentes, covid e não covid – e dá o exemplo de Espanha, onde em pouco tempo a epidemia se tornou explosiva. “Temos pouco tempo para fazer tudo o que é preciso fazer”, apela. Defende que não é agora o tempo de fazer contas ou avaliar o Governo mas de coesão e deixa desde já um repto: no final, deve ser feita uma auditoria internacional à forma como o país e todos os intervenientes geriram esta crise, para tirar lições para o futuro.

A primeira vez que falámos sobre este vírus, em fevereiro, dizia que uma pandemia era um jogo de preparação, paciência e conhecimento. Notava-se no entanto uma certa ideia geral de que o problema não chegaria cá com a dimensão que estava a ter na China, na altura com 17 mil casos. Houve uma desvalorização?

Revelámos provavelmente que não estávamos suficientemente preparados e que não tínhamos aprendido as lições das pandemias anteriores. E portanto repetimos os mesmos erros e continuámos a viver naquilo que muitos autores designam por ciclos de pânico e de negligência. Pânico durante a pandemia e indiferença e negligência entre pandemias. Que é um bocado o que começámos já a viver nesta pandemia, à medida que o tempo foi avançado começámos a assistir a ciclos de indiferença e negligência. Friedrich Hegel tem uma citação que diz: o que a história nos ensina é que não aprendemos nada com a história.

Vê-o em quê neste momento?

Há cem anos, na pandemia de gripe espanhola, tivemos uma primeira onda que, curiosamente, começou também em março/abril. O pico em Portugal foi em junho/julho de 1918. Depois tivemos uma segunda onda que começou em setembro/outubro e o pico foi outubro/novembro. Na segunda onda houve cem vezes mais mortes do que na primeira. A 25 de outubro morreria o pintor modernista Amadeo de Souza-Cardoso. Houve depois uma terceira onda que se iniciou em fevereiro/março, que teve o pico em Portugal entre março/abril. Morrem nessa altura os pastorinhos de Fátima, Jacinta e Francisco Marto, com nove e dez anos.

Hoje os recursos da medicina e as medidas em vigor são incomparáveis.

Mas o que não aprendemos foi que, da primeira para a segunda onda, houve uma diminuição da adoção das medidas de prevenção e uma maior saturação das pessoas, que fez com que o pico de atividade tivesse sido muito mais elevado, bem como a mortalidade.

Receia que isso aconteça nesta segunda onda? Passámos esta sexta-feira a barreira dos mil casos diários.

Espero que não, mas há sinais preocupantes. Na última semana já tínhamos ultrapassado a taxa de incidência semanal máxima atingida na primeira onda. Acabámos com mais de 55 novos casos por 100 mil habitantes na janela temporal de sete dias. Se havia dúvidas, o exame chegou. Temos de perceber que para comparar a atividade entre países temos de usar métricas semelhantes tendo em conta a população. Mil casos em Portugal, e serão mais, representam mais de 8 mil casos na Alemanha e perto de 5 mil casos em Espanha.

Tem sido assinalado pela DGS que existe agora um padrão diferente, com menos casos em idosos, mas analisando os dados percebe-se que estão também a aumentar. O padrão pode alterar-se?

Infelizmente vai alterar-se. Neste momento temos de facto mais transmissão através dos grupos nas comunidades mais jovens, que são os mais ativos e mais móveis, mas necessariamente, aumentando a transmissão, vão levar o vírus a todos os grupos etários e progressivamente vamos ter mais doença nos mais vulneráveis. Isto não é estanque. Estamos a comparar o que está a acontecer agora com uma primeira onda em que tínhamos menos capacidade de testagem, isso é verdade, mas tínhamos também um menor envolvimento de pessoas jovens na transmissão porque estávamos em confinamento. Agora as pessoas vieram das férias, a atividade escolar reabriu. As pessoas mais expostas terão mais facilidade em adquirir o vírus. São as primeiras. Mas depois essas pessoas vão criar cadeias de transmissão, que até podem ser assintomáticas, até que vão transmitir a pessoas que acabarão por ter a doença. Neste momento nos hospitais sente-se já um aumento enorme da pressão de internamento, vindo da comunidade e de outros hospitais que começam a entrar em dificuldades, o que justifica uma necessidade imperiosa de maior coordenação a nível regional perante o que temos pela frente.

Outros destaques

“Se o SNS entrasse em rutura, afetaria todos: doentes covid e não covid. Isto não é  um trade-off”

“Precisamos de aumentar a frequência de transportes públicos. Vamos sofrer as consequências”

“Se Trump tivesse adoecido entre março e maio, não teria recebido nenhum destes fármacos”

“Não existe gestão de recursos humanos no SNS. Quem faz a gestão é o privado, que pesca  à linha quem precisa"

“Uma das maiores machadadas no SNS foi a criação de grandes centros hospitalares.  É um tabu”

"Seria útil auditar quem e como fragilizou a nossa autoridade nacional de saúde"

https://ionline.sapo.pt/artigo/711229/filipe-froes-estamos-duas-a-tr-s-semanas-atras-de-espanha-se-tanto?seccao=Portugal_i
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 19318
  • Recebeu: 6005 vez(es)
  • Enviou: 6730 vez(es)
  • +7452/-10113
Re: Coronavirus
« Responder #1225 em: Outubro 09, 2020, 03:53:42 pm »
MILAGRE JÁ NÃO HÁ GRIPE



Epa vão gozar com o crl 🖕
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Lusitan

  • Analista
  • ***
  • 702
  • Recebeu: 331 vez(es)
  • Enviou: 300 vez(es)
  • +275/-171
  • Hic et Ubique
Re: Coronavirus
« Responder #1226 em: Outubro 09, 2020, 04:21:28 pm »
MILAGRE JÁ NÃO HÁ GRIPE



Epa vão gozar com o crl 🖕

Quando só queremos ver o que nos interessa (ou nem sequer sabemos o que queremos ver) fica mais fácil criticar.
A actividade gripal é por norma medida a partir da semana 40 em diante, uma vez que é a partir desta semana que se começam a registrar os primeiros casos de gripe nas urgências (neste caso estamos a falar da época 20/21). Se não existir indicação de gripes na primeira semana (que é comum) a actividade gripal é 0. Aliás é comum se for verificar anos anteriores:

http://www.insa.min-saude.pt/category/informacao-e-cultura-cientifica/publicacoes/atividade-gripal/

Em 2019 a actividade gripal também era de 0 na semana 40:

http://www.insa.min-saude.pt/wp-content/uploads/2019/10/S40_2019.pdf

Agora a gripe, não é uma constipação, não é um nariz a correr, não é uma febre com tosse. E uma grande percentagem das pessoas confunde tudo isso com gripe.
Mas se tiver dados que contradigam estes relatórios estou pronto a olhar para eles com toda a calma.
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 19318
  • Recebeu: 6005 vez(es)
  • Enviou: 6730 vez(es)
  • +7452/-10113
Re: Coronavirus
« Responder #1227 em: Outubro 10, 2020, 06:14:47 pm »
Como podem ver, os ricos não foram afetados pela pandemia.
Muito pelo contrário...


https://www.bbc.com/news/business-54446285

Billionaires have seen their fortunes hit record highs during the pandemic, with top executives from technology and industry earning the most.

The world's richest saw their wealth climb 27.5% to $10.2trn (£7.9trn) from April to July this year, according to a report from Swiss bank UBS.

That was up from the previous peak of $8.9trn at the end of 2017 and largely due to rising global share prices.

UBS said billionaires had done "extremely well" in the Covid crisis.

It also said the number of billionaires had hit a new high of 2,189, up from 2,158 in 2017.

...

Portanto, para eles, que as pessoas "normais" sofram, é igual ao litro
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 19318
  • Recebeu: 6005 vez(es)
  • Enviou: 6730 vez(es)
  • +7452/-10113
Re: Coronavirus
« Responder #1228 em: Outubro 11, 2020, 02:02:16 pm »
BCG: a vacina criada em 1921 contra a tuberculose pode proteger da covid-19

A hipótese está a ser estudada há meses, com resultados encorajadores, e o Reino Unido já iniciou ensaios clínicos para perceber se a velhinha BCG pode salvar vidas à covid-19.

DN
11 Outubro 2020 — 11:54

Em agosto, o Diário de Notícias dava conta das várias investigações em curso sobre uma possível relação entre a administração generalizada da vacina da BCG (contra a tuberculose) e um perfil epidémico menos gravoso da covid-19.

A ideia foi aventada pouco tempo depois de a pandemia ter assolado o mundo e os vários estudos levados a cabo reforçaram a hipótese, abrindo novos caminhos a explorar no combate à covid-19.

Uma das investigações, realizada por cientistas de Israel, das universidades Ben-Gurion do Negev e de Jerusalém, mostrava uma associação entre a vacina e uma menor severidade da covid-19.

Tendo analisado dados de 55 países, incluindo de Portugal, que concentram 63% da população mundial, confirmou que os programas de vacinação para a BCG estão sistematicamente associados a menores taxas, não apenas da infeção pelo novo coronavírus mas também da mortalidade por milhão de habitantes devido à infeção.

Explorando a mesma hipótese, a universidade do Exeter, no Reino Unido, vai iniciar agora ensaios clínicos, com mil pessoas, para apurar se de facto a vacina BCG, desenvolvida em 1921 para combater a tuberculose, tem um efeito protetor relativamente à covid-19, noticia a BBC.

"Pode ser importantíssimo a nível global", disse o professor John Campbell, da Faculdade de Medicina da universidade do Exeter ao canal britânico. "Embora não pensemos que [a proteção] seja específica em relação à covid-19, tem o potencial de ganhar muito tempo até que existam vacinas contra a covid-19 e sejam desenvolvidos outros tratamentos".


O ensaio clínico no Reino Unido faz parte de estudo internacional, realizado também na Austrália, Holanda, Espanha e Brasil e que envolverá cerca de 10 mil pessoas no total.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor geral da Organização Mundial de Saúde, também acredita que esta seja uma solução temporária e intermédia. Co-autor de um artigo da Lancet que defende que a vacina da BCG pode preencher o vazio até que uma vacina específica contra o novo coronavírus seja desenvolvida, afirma que aquela "pode ser um instrumento importante na resposta à covid-19 e futuras pandemias".

A generalidade dos portugueses tem a vacina da BCG, que durante cerca de 50 anos fez parte do Plano Nacional de Vacinação até ser retirada, em 2017, mas os dados apontam para que a possível proteção da mesma contra a covid-19 e outras infeções respiratórias - que não é direta e mais do que prevenir a doença, parece evitar estados mais graves - aconteça sobretudo quando foi administrada nos últimos 15 anos.



https://www.dn.pt/vida-e-futuro/bcg-a-vacina-criada-em-1921-contra-a-tuberculose-pode-proteger-da-covid-19-12907453.html
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 19318
  • Recebeu: 6005 vez(es)
  • Enviou: 6730 vez(es)
  • +7452/-10113
Re: Coronavirus
« Responder #1229 em: Outubro 12, 2020, 07:17:49 am »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas