Líbia - conflitos pós Khadafi

  • 93 Respostas
  • 7601 Visualizações
*

Lusitan

  • Perito
  • **
  • 510
  • Recebeu: 186 vez(es)
  • Enviou: 180 vez(es)
  • +162/-12
  • Hic et Ubique
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #75 em: Maio 28, 2020, 12:55:37 pm »
https://greekcitytimes.com/2020/05/20/mastermind-of-blue-homeland-to-steal-greek-maritime-space-resigns/

Mastermind of “Blue Homeland” to steal Greek maritime space resigns

Turkish media has been full of speculation of a potential coup against President Recep Tayyip Erdoğan, including from state-run Anadolu Agency, and other major outlets like Sabah and Haberturk. Erdoğan already survived a 2016 coup attempt against him that he blames on his ex-ally, Fethullah Gülen, who leads the FETÖ Islamic movement. It is likely that Erdoğan will conduct another purge of the Turkish military.

Although the 2016 coup was orchestrated mostly by the Air Force, it appears that one of the first victims could have been Rear Admiral Cihat Yaycı. On May 15, Yaycı was demoted from the Chief of Staff’s to the General Staff, prompting him to resign from the military completely on Monday. Although some speculated it could have been because of the coup rumours circulating, Yaycı proved to be one of the most loyal Chief of Staff’s to Erdoğan and played a significant role in purging so-called FETÖ elements from the Turkish military.

It is likely that Yaycı was actually demoted because of Turkey’s complete failure to project its power in the Eastern Mediterranean. Yaycı is known as the architect of Turkey’s “Blue Homeland” theory that aims to annex Greece’s Eastern Aegean islands and maritime space. To achieve the “Blue Homeland,” Ankara in November 2019, with recommendation from Yaycı, sealed the “Marine Jurisdictions” maritime boundary delimitation deal with Libya’s Muslim Brotherhood Government of National Accords (GNA) to split Greek maritime space between Turkey and Libya.

A detailed report by New Economy found that “Turkey’s probability of bankruptcy is extremely high,” along with its three big banks of Garanti, Akbank and the Mustafa Kemal Atatürk-founded İşbank. “The country’s commercial banks, its last stronghold, have dried up from foreign exchange currency,” meaning that Turkey has nearly no money for its import and export companies.

Another report found that failed wars against Libya and Syria have been a major problem for its economy, making Turkey’s bankruptcy probability over 30% in the forthcoming period, putting them behind only Venezuela and Argentina, but “without having the US embargo that Venezuela has, nor the vast debt that Argentina brings.”

Mostly startling however for Turkey is that it has to find $80 billion by August, according to New Economy, or else it faces bankruptcy.

“There is also the additional 0.5-1 billion dollar cost per month for the wars in Syria and Libya, which seems to exacerbate the existing situation, leading to a huge state budget hole and escalating the probabilities of bankruptcy,” the report said.

Os turcos para sair desta alhada vão ter de negociar com a UE e os EUA.
https://www.al-monitor.com/pulse/originals/2020/05/turkey-israel-egypt-libya-uae-ankara-moderate-diplomacy.html

While the COVID-19 pandemic has badly aggravated its economic woes, Ankara feels pressed to open new chapters with estranged partners, trying to turn this extraordinary global turmoil into an opportunity. Atop gestures to the United States, Ankara has asserted commitment to its ties with the European Union and messaging with Israel has warmed amid rising stakes in the energy rivalry in the eastern Mediterranean.
Not all of those steps have underlying economic rationales. Since the botched coup attempt in 2016, President Recep Tayyip Erdogan has been increasingly surrounded by Euroasianists who support Ankara’s drift away from the West and are said to be influential in the military. Erdogan appears fearful now that this could trigger a fresh coup scenario that would bring his own end; hence, another reason to seek a reset with Washington.
The COVID-19 pandemic came as a godsend in this respect, providing the pretext for Turkey to postpone the activation of the Russian S-400 air defense systems, which was scheduled for April. The postponement makes it much easier for President Donald Trump to maintain his lenient attitude toward Erdogan in the face of congressional pressure for sanctions. And as a gesture of solidarity against the pandemic, Ankara sent medical gear to Washington in late April. In an accompanying letter to Trump, Erdogan said regional developments, especially in Syria and Libya, “have shown how important it is to maintain the Turkey-US alliance and cooperation in the strongest way.”
Furthermore, former Turkish Defense Minister Fikri Isik told a panel in Washington on May 13 that Turkey’s ties with Russia “are not strategic but tactical” — a statement that was certainly not detached from the current air in Ankara. Previously, government officials did describe ties with Russia as a “strategic partnership.”
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1591
  • Recebeu: 423 vez(es)
  • Enviou: 307 vez(es)
  • +197/-776
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #76 em: Junho 08, 2020, 09:21:51 am »
Os egipcios estão, desde ontem, a concentrar carros de combate e artilharia na fronteira com a Líbia. As probabilidades de aquilo escalar estão a subir exponencialmente.

https://geopolitics.news/africa/sisi-going-to-war/
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

*

Lusitan

  • Perito
  • **
  • 510
  • Recebeu: 186 vez(es)
  • Enviou: 180 vez(es)
  • +162/-12
  • Hic et Ubique
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #77 em: Junho 19, 2020, 04:03:21 pm »
https://euobserver.com/foreign/148704

France and Turkey fracture Nato on Libya

Nato is to investigate French allegations that Turkish warships targeted a French one in a confrontation over the Libya conflict, which has divided allies.
"The incident in the Mediterranean [Sea] was addressed in the meeting by several allies", Nato secretary general Jens Stoltenberg said after Nato defence ministers held video-talks on Thursday (18 June).
"Nato authorities are investigating the incident", Nato head Jens Stoltenberg said.
"We have made sure that Nato military authorities are investigating the incident to bring full clarity to what happened," he said.

Turkish warships locked their weapons systems on to a French frigate called the Courbet, which was part of a Nato monitoring mission called Sea Guardian, on 10 June, according to France.
And they did it in order to slip through yet another illegal shipment of arms to Turkey's ally in the Libya civil war, the Tripoli-based Government of National Accord (GNA), France said.
"Turkey's support for the Government of National Accord's offensive goes directly against the efforts to secure a ceasefire, which we support," the French foreign ministry also said on Wednesday.
"This support is aggravated by the hostile and unacceptable actions of Turkish naval forces toward Nato allies," it said.
"This conduct, like all foreign interference in the Libyan conflict, must cease," it added.
And France had the support of eight other Nato countries against Turkey, the French defence minister, Florence Parly, told her parliament on Thursday.
The Courbet incident was the latest in a line of irritants between Turkish president Recep Tayyip Erdogan and his Western friends.

But, at the same time, France's complaint on "foreign interference" in Libya must have looked like crocodile tears in the Nato talks.
Turkey might be violating a UN arms embargo, but, at least, it was fighting on the side of the EU and UN-recognised GNA.

Meanwhile, French special forces have been fighting alongside a warlord from eastern Libya, Khalifa Haftar, in a hybrid alliance involving also Russian mercenaries and African militias.
And if Turkey is to face a Nato inquiry about the Courbet incident, then France's ally, Haftar, also faces tough questions after a medical charity, the Red Crescent, last week, discovered mass graves in formerly Haftar-controlled zones, which the GNA had liberated with Turkish support.
French diplomats declined to speak to EUobserver about the blatant war crime.
But the French foreign ministry, earlier this week, told French media in Paris: "The discovery of mass graves in Tarhouna [a Libyan town] is deeply shocking".
"A thorough investigation must be conducted into this very serious matter and those responsible must be brought to justice", it said.
It remains to be seen how or if any Tarhouna probe goes ahead.
But Italy, the other main European power in the region, said on Wednesday: "In line with the recent statements of UN secretary general Antonio Guterres ... Italy calls for an independent and transparent inquiry in order to identify perpetrators and hold them accountable".

For his part, Stoltenberg did not mention Tarhouna on Thursday.
But he noted, in more general terms, that: "Nato, of course, supports the implementation of UN decisions, including UN arms embargoes".
"We also support the efforts of the UN to find a peaceful, negotiated solution to the conflict," he said.
The rival Libyan authorities, and their foreign backers, have been waging war for the past six years, in what has come to replace Syria and Ukraine as the most urgent crisis in Europe's neighbourhood.
But prospects of a "peaceful, negotiated solution" seemed dimmer than ever, with Italy, this week, also embedding military experts, to help clear mines, with the GNA-Turkey forces, multiplying the number of Nato divisions on the crisis and foreign boots on the battlefield.

 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1837
  • Recebeu: 252 vez(es)
  • Enviou: 453 vez(es)
  • +13/-1
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #78 em: Junho 20, 2020, 12:08:29 am »
Se as coisas não mudarem a médio-prazo, a Turquia vai acabar por ser uma nova ameaça para a NATO e a Europa.

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 8537
  • Recebeu: 1029 vez(es)
  • Enviou: 1200 vez(es)
  • +144/-46
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #79 em: Junho 20, 2020, 01:38:43 am »
Parece-me que a Turquia quer ser um "player" autónomo na região, fazendo acordos com a Europa, Rússia, Egipto, etc, tentando ganhar vantagens aqui e ali.

É o resultado do enfraquecimento dos EUA e da Europa, outros sentem que têm espaço de manobra para ir atrás das próprias ambições, não se sentem obrigados a se juntar a um lado para protecção.
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 9833
  • Recebeu: 1236 vez(es)
  • Enviou: 3046 vez(es)
  • +184/-56
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #80 em: Junho 22, 2020, 12:04:12 am »
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4087
  • Recebeu: 346 vez(es)
  • Enviou: 250 vez(es)
  • +488/-351
Talent de rien fair
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Lusitan

  • Perito
  • **
  • 510
  • Recebeu: 186 vez(es)
  • Enviou: 180 vez(es)
  • +162/-12
  • Hic et Ubique
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #82 em: Julho 08, 2020, 10:50:51 am »
https://www.cavok.com.br/jatos-rafale-de-forca-aerea-estrangeira-desconhecida-atacam-alvos-turcos-em-base-aerea-na-libia


França vs Turquia?  ::)

Para haver essa afirmação por parte da Turquia é porque existem sinais de radar para confirmar a origem dos aviões. É sabido que os AWACS turcos têm estado em acção no Mediterrâneo em apoio à GNA. No entanto, para terem tido a capacidade de abater sistemas de radar sem terem sido detectados, tanto por radares terrestres como pelos AWACS, seria estranho terem vindo de França, a não ser que tenham tido o OK para sobrevoar a Tunísia (o que é possível).
No entanto, parece-me mais certo que tenham sido os egípcios a atacar. Estão mais dispostos a mostrar aos turcos que não estão a fazer bluff em relação a Sirte e al Jufra.
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 8537
  • Recebeu: 1029 vez(es)
  • Enviou: 1200 vez(es)
  • +144/-46
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #83 em: Julho 08, 2020, 11:09:23 pm »
seria estranho terem vindo de França, a não ser que tenham tido o OK para sobrevoar a Tunísia (o que é possível).

Os Rafale Franceses não precisam de descolar da França.
Onde anda o PA Charles de Gaulle?
« Última modificação: Julho 08, 2020, 11:09:47 pm por Lightning »
 

*

Lusitan

  • Perito
  • **
  • 510
  • Recebeu: 186 vez(es)
  • Enviou: 180 vez(es)
  • +162/-12
  • Hic et Ubique
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #84 em: Julho 09, 2020, 01:14:05 pm »
seria estranho terem vindo de França, a não ser que tenham tido o OK para sobrevoar a Tunísia (o que é possível).

Os Rafale Franceses não precisam de descolar da França.
Onde anda o PA Charles de Gaulle?

Da última vez que soube dele estava em Toulon parado no mês passado.
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11685
  • Recebeu: 472 vez(es)
  • Enviou: 235 vez(es)
  • +78/-65
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #85 em: Julho 22, 2020, 01:47:29 pm »
Aumentam as tensões entre o Egito e a Turquia



 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 8537
  • Recebeu: 1029 vez(es)
  • Enviou: 1200 vez(es)
  • +144/-46
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #86 em: Agosto 04, 2020, 09:51:45 pm »
Alarme geopolítico no Mediterrâneo
Afrontam-se dois blocos de países árabes. As intervenções da Rússia e da Turquia significam uma perigosa escalada do conflito, cuja internacionalização ameaça a segurança da Europa, o “actor ausente” da presente crise.


https://www.publico.pt/2020/07/25/mundo/analise/alarme-geopolitico-mediterraneo-1925777

Levantou-se no Mediterrâneo uma tempestade geopolítica que ameaça a segurança da Europa. A guerra civil líbia mudou de dimensão várias vezes, com a intervenção da Rússia e, agora, com a entrada em cena da Turquia, em campos opostos. Falam alguns numa “nova Síria”. O Egipto ameaça responder à Turquia. A União Europeia, para quem o Mediterrâneo Ocidental constitui sempre uma preocupação, é o autor ausente.
Ao longo dos últimos anos, verificou-se uma escalada que conduziu a uma perigosa competição geoestratégica pela influência regional e pela disputa dos recursos — o petróleo. De um lado, estão os Emirados Árabes Unidos (EAU), a Arábia Saudita e o Egipto, inimigos da Irmandade Muçulmana (influente em Trípoli), apoiados pela Rússia e, indirectamente, pela França. Do lado do Governo de Tripoli, estão o Qatar e a Turquia, com apoio diplomático da Itália.
A manutenção do statu quo permite pensar numa divisão do país: a Cirenaica, sob influência do Egipto, e da Rússia; e a Tripolitânia sob influência turca. São regiões historicamente rivais. A Cirenaica e a Tripolitânia fizeram parte do Império Otomano até 1911, data da invasão colonial italiana.
O general Khalifa Haftar apoia-se nas principais tribos da Cirenaica (Bengazi), mas tem uma base débil no resto do país. Deve a sua força ao Egipto e à Rússia. Moscovo não lhe forneceu apenas armas e aviões, mas também centenas de mercenários da “companhia Wagner”. Quando Trípoli estava prestes a cair nas mãos de Haftar, a Turquia interveio, através de mercenários sírios que se revelaram eficazes. Disputam-se agora o porto estratégico de Sirte, a meio do país, e a base militar de Al-Jufra, nas mãos da aviação russa.
Ambas as coligações apostam em negociar, mas em posição de força. A posição de força passa pelo controlo destes dois objectivos, que são a chave do acesso à renda do petróleo, o que faz admitir uma intensificação dos combates.
O Parlamento do Cairo respondeu com uma ameaça de intervenção militar caso Trípoli e os turcos se apoderem dos terminais petrolíferos de Sirte e de Al-Jufra. O interesse egípcio na Líbia tem a ver com segurança: os dois países partilham uma porosa fronteira de 1200 quilómetros e não querem ver Trípoli nas mãos da Irmandade Muçulmana.
O interesse da Turquia é de outra ordem: reafirmar-se como potência mediterrânica. Já celebrou acordos importantes com a Argélia e a Tunísia. Disputa os recursos de gás na costa líbia e noutros locais do Mediterrâneo, contra os interesses da Grécia, Chipre e Egipto, que celebraram um acordo sobre a matéria.
Em contrapartida, escreve o Washington Post, os estrategas turcos vêem o risco de formação de um arco de rivais — desde a Grécia, a UE, o Egipto e Israel — que poderiam agir concertadamente contra a Turquia. “Não há um único político em Ancara, incluindo os que odeiam Erdogan, que não esteja preocupado com a ideia de ficarem cercados no Mediterrâneo”, resume o analista turco Soner Cagaptay.
Há quem pense o contrário. “Erdogan e alguns dos seus aliados acreditam que a Turquia está a restaurar a sua importância aos olhos dos aliados ocidentais”, declara ao Financial Times o politólogo turco Ozlem Kaygusuz. “Acreditam que, quanto mais assertivamente a Turquia jogar, mais difícil ou impossível de ignorar pelos interesses ocidentais na região.”
Os europeus vislumbram dois riscos estratégicos. O primeiro é o controlo dos fluxos migratórios que poderão voltar a explodir em força quando a pandemia covid-19 estiver controlada. Uma hegemonia turca em Trípoli significaria deixar a Ancara não só o controlo dos fluxos migratórios vindos da Anatólia mas também os do Norte de África. Erdogan tem usado este dispositivo como meio de pressão, ou até de chantagem, sobre a Europa.
A outra preocupação tem a ver com o regresso da Rússia às margens do Mediterrâneo após uma longa ausência. Moscovo quer confirmar o papel de potência mediterrânico. Depois de estabelecida na Síria, tenta fixar-se na Líbia. Criaria uma nova linha de competição: base russa em Al-Jufra, em frente à base americana e da NATO na Sicília. Vladimir Putin tem explorado com inteligência a “ausência” americana na questão síria. Ora, há sinais de que Washington possa mudar de atitude. O Departamento de Estado denunciou as “ingerências externas”. Donald Trump falou por telefone com o Presidente egípcio, Abdel al-Sissi, e com Erdogan.
Uma das principais razões da passividade europeia deve-se à rivalidade franco-italiana. Três países europeus exploram o petróleo líbio, de alta qualidade: a Espanha (Repsol), a França (Total e GDF-Suez) e a Itália (ENI). Os italianos estão presentes na Líbia desde os anos 1950 e têm a “parte de leão”. Setenta por cento do abastecimento energético italiano depende da Líbia. Roma apoiou desde início o Governo de Trípoli. Paris apoiou abertamente o exército rebelde de Haftar. Emmanuel Macron simulou nos últimos tempos uma posição de neutralidade. A “ausência” europeia e americana deixou as mãos livres a dois outros actores: a Rússia e a Turquia.
Ancara aproveitou a crise da covid-19 para intervir em Trípoli. No pico da pandemia, não havia espaço para a política externa. Seguiu-se a crise económica e institucional da UE, que culminou no passado fim-de-semana.
“A estranha guerra da Líbia é um sinal de alarme”, escreve a analista italiana Marta Dassù. “Ou a Itália e a Europa resolvem ocupar-se da estabilidade nas fronteiras ou muito depressa descobrirão que não conseguem defendê-las. (…) Ocupar-se da Líbia é uma prioridade ineludível da política externa.” Ainda há espaço de reacção. A Europa deve aproveitar “as permanentes tensões entre Ancara e Moscovo e a sua dificuldade em controlar os actores móveis no terreno, tribos e milícias”.
A internacionalização da guerra civil líbia tornou-se um problema de segurança para a Europa. A Líbia “é aqui ao lado”, ensina a geografia. Não podemos imaginar uma “nova Síria” a menos de 500 quilómetros das costas italianas. Os europeus, passado o mórbido fascínio pelo coronel Kadhafi, olham a Líbia como terreno de folclore. O Mediterrâneo não é o muro que nos separa do Norte de África. É o mar que nos une ao Grande Magrebe. A Líbia é uma ponte, não é uma barreira. A dolorosa memória das “migrações bíblicas” de 2015 e 2016 ter-nos-á ensinado alguma coisa?
« Última modificação: Agosto 04, 2020, 10:16:33 pm por Lightning »
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 8537
  • Recebeu: 1029 vez(es)
  • Enviou: 1200 vez(es)
  • +144/-46
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #87 em: Agosto 04, 2020, 10:28:28 pm »
Macron propõe cimeira de países do sul da UE sobre segurança no Mediterrâneo
Emmanuel Macron denunciou a "violação" das soberanias grega e cipriota pela Turquia e defendeu uma reunião dos países do sul da Europa sobre a segurança na região, incluindo a questão líbia.


https://observador.pt/2020/07/23/macron-propoe-cimeira-de-paises-do-sul-da-ue-sobre-seguranca-no-mediterraneo/
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 8537
  • Recebeu: 1029 vez(es)
  • Enviou: 1200 vez(es)
  • +144/-46
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #88 em: Agosto 04, 2020, 10:31:46 pm »
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 8537
  • Recebeu: 1029 vez(es)
  • Enviou: 1200 vez(es)
  • +144/-46
Re: Líbia - conflitos pós Khadafi
« Responder #89 em: Agosto 04, 2020, 10:41:38 pm »
Turquia rejeita acusação de que esteja a invadir águas no Mediterrâneo oriental

https://observador.pt/2020/07/22/turquia-rejeita-acusacao-de-que-esteja-a-invadir-aguas-no-mediterraneo-oriental/