Supercomputação

  • 62 Respostas
  • 8443 Visualizações
*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2019
  • Recebeu: 816 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +751/-31
Re: Supercomputação
« Responder #60 em: Junho 06, 2020, 05:02:43 pm »
Faça uma visita guiada ao “Hawk” supercomputador da AMD

Recentemente, a AMD, fabricante de circuitos integrados, processadores e GPUs, disponibilizou um site, onde é possível fazer uma visita guiada em 360º ao seu mais recente supercomputador “Hawk”.

Atualmente, este supercomputador encontra-se instalado no High Performance Computing Center, da Universidade de Stuttgart, na Alemanha.



Hawk da AMD tem um desempenho de 26 petaflops

O supercomputador da gigante norte-americana, apresenta um sistema de uso geral para computação científica e industrial e encontra-se entre os mais rápidos do mundo.

Durante a visita, para além de ser possível observar toda a sua estrutura, existem ainda, diversos pontos de interação, onde são disponibilizados mais detalhes e tecnologias que se encontram presentes no mesmo. Outro ponto relevante, é a entrevista dada pelo Dr. Bastian Koller, diretor administrativo do HLRS, onde demonstra como todo o sistema e aplicações funcionam.


Esta poderosa máquina, conta com 44 racks fornecidos através de 5600 compute nodes, o que no total contabiliza mais de 720.000 núcleos computacionais de processadores Amd EPYC de segunda geração. Este, fora projetado de modo a aprimorar aplicações nos mais diversos segmentos como: energético, climático, mobilidade e saúde, com um desempenho máximo de aproximadamente 26 petaflops.

De modo a ter uma ligeira noção do poder desta supermáquina, um humano teria de realizar um cálculo a cada segundo, por cerca 31.688.765 anos, para que se pudesse equiparar a um sistema de computação petaflop, que é capaz de o fazer num único segundo.

Link para uma visita 360º ao Supercomputador: https://my.matterport.com/show/?m=r51nuVms6ch

https://pplware.sapo.pt/internet/faca-uma-visita-guiada-ao-hawk-supercomputador-da-amd/
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2019
  • Recebeu: 816 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +751/-31
Re: Supercomputação
« Responder #61 em: Junho 24, 2020, 02:51:14 pm »
Fugaku – Supercomputador mais poderoso do mundo vai combater a COVID-19

Os dias passam e, até agora, ainda não existe uma solução para a COVID-19. Os cientistas trabalham arduamente na descoberta de uma vacina ou medicamento e a computação pode ser uma enorme ajuda.

De acordo com notícias recentes, o supercomputador mais rápido do mundo vai dar uma preciosa ajuda no combate à COVID-19. Vamos conhecer melhor o Fugaku.



A 55ª edição do TOP500 das máquinas mais poderosas do mundo sofreu algumas alterações. Desde logo o destaque para o supercomputador japonês Fugaku, que é o novo líder do ranking. Face ao poder computacional, há informações que indicam que o Fugaku irá ajudar no combate à COVID-19. Mas afinal quais as características desta máquina?



Fugaku –  415 triliões de cálculos por segundo

Como referido, o Fugaku é atualmente o mais poderoso computador do mundo e consegue realizar 415 triliões de cálculos por segundo (um valor quase inimaginável). O Fugaku foi financiado pela Fujitsu e tem 48 SoC A64FX, sendo o primeiro da lista dos mais poderosos mas também o primeiro com processadores ARM.

O desempenho máximo de Fugaku é superior a 1000 petaflops (1 exaflops). O novo sistema está instalado no Centro RIKEN de Ciência da Computação (R-CCS) em Kobe, Japão. O desenvolvimento desta nova supermáquina custou cerca de 1,08 mil milhões de euros. O Fugaku conseguirá testar milhares de substâncias por semana.

Developers of Japanese supercomputer that has been named world's fastest say they will continue to sharpen its performance to ensure it is always at forefront of new research frontiers#Fugaku #supercomputer #Riken #Fujitsuhttps://t.co/AAsLYC7r8x
Kyodo News | Japan (@kyodo_english) June 23, 2020

De referir também que este novo supercomputador é 3x mais rápido que o anterior líder, o norte-americano Summit pertencente à IBM.

Esta nova máquina irá ajudar a desenvolver um tratamento para a COVID-19. O Fugaku foi criado para simular sismos e tsunamis, mas já conseguiu identificar como é que as gotículas do novo coronavírus se espalham. Por agora, este supercomputador irá ajudar a encontrar uma solução para a COVID-19, tendo por base os cerca de dois mil fármacos existentes, incluindo os recentemente desenvolvidos e que ainda não chegaram à fase de testes.

https://pplware.sapo.pt/high-tech/fugaku-supercomputador-mais-poderoso-do-mundo-vai-combater-a-covid-19/

É neste momento o mais poderoso Supercomputador do mundo! Vai entrar em funcionamento pleno em 2021, apesar de parte do Fugaku já ter entrado em funcionamento este mês de Junho.
« Última modificação: Junho 24, 2020, 02:53:17 pm por Viajante »
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2019
  • Recebeu: 816 vez(es)
  • Enviou: 351 vez(es)
  • +751/-31
Re: Supercomputação
« Responder #62 em: Setembro 10, 2020, 04:46:07 pm »
Supercomputador da IBM analisou dados da COVID-19 e traz uma nova explicação

Summit é um supercomputador desenvolvido pela IBM tão poderoso que é capaz de completar mais de 200.000 biliões de cálculos por segundo. Esta unidade é usada pelo Laboratório Nacional de Oak Ridge, nos Estados Unidos. Assim, numa tentativa de obter informação essencial para atacar a pandemia, os investigadores recorreram ao seu poder. Durante duas semanas, a poderosa máquina analisou cerca de 40 mil genes de 17 mil amostras genéticas para tentar compreender melhor o novo coronavírus.

Segundo os dados obtidos, a supermáquina devolveu um resultado apontando para a “hipótese de Bradicinina”.



Summit esteve duas semanas a analisar milhares de dados

Um estudo genético de pacientes COVID-19, desenvolvido pelo supercomputador, pode ter dado um novo passo importante em direção à compreensão de como o coronavírus causa doenças. Segundo o especialista em IA Thomas Smith, o Summit, que opera no Laboratório Nacional de Oak Ridge, já analisou mais de 40 mil genes de 17 mil amostras genéticas no início deste verão numa tentativa de entender o vírus.

Embora a máquina seja o segundo computador mais rápido do mundo, o processo exigiu que ela analisasse 2,5 mil milhões de combinações genéticas – um feito que levou mais de duas semanas. Posteriormente, os resultados apontaram para o facto de que a bradicinina, um composto químico natural que regula a pressão arterial, poderia explicar muitas facetas da COVID-19 e alguns dos seus sintomas.

Compreender a COVID-19 é uma corrida contra o tempo

Em grosso modo, a bradicinina é um mediador da inflamação. A sua atividade vasodilatadora e permeabilizadora facilita a migração dos leucócitos para o tecido afetado a partir do sangue. Tem um importante papel na iniciação e manutenção da dor.

Assim, as descobertas podem esclarecer a razão do vírus causar problemas vasculares em certos pacientes. Além disso, pode explicar o aparecimento de derrames, inflamação da pele, dos dedos dos pés, além de indicar novas terapias potenciais para tratar os seus piores sintomas.

Diante de um novo vírus e de uma doença desconhecida, as autoridades de saúde e as equipas médicas têm aprendido à medida que tratam o novo coronavírus. No início, o vírus parecia manifestar-se como uma síndrome respiratória. Aliás, o seu nome científico completo ainda é Síndrome Respiratória Aguda Grave 2, SARS-CoV-2 – com sintomas semelhantes a uma forte constipação ou gripe e os tratamentos refletiam isso.

Contudo, depressa os médicos da linha de frente começaram a relatar outros sintomas que eram mais graves. Apareceram os derrames, problemas cardíacos, problemas de pele e problemas circulatórios, principalmente nos pés. Problemas hormonais também foram detetados em alguns casos.

Os profissionais de saúde começaram a perceber que nem sempre ao ministrar oxigénio ou entubar pacientes críticos, que é o protocolo inicial para insuficiência respiratória, obtinham os resultados desejados. Havia algo que não estava a ser percebido!

COVID-19: As mortes pela doença e pela “cura”

Aos poucos, os sinais apontavam para os casos mais graves e as mortes devidas a uma tempestade de citocinas. No fundo, era uma resposta exagerada do sistema imunológico do paciente, capaz de lesar órgãos vitais.

Os cientistas que interpretaram os dados do Summit, que publicaram as suas descobertas no jornal eLife, acreditam que uma tempestade de bradicinina – uma disfunção do sistema vascular que causa rompimento dos vasos sanguíneos – pode ser a culpada.

No entanto, acrescentaram que é possível que as duas tempestades estejam “intimamente ligadas”.



A hipótese de bradicinina sugere que uma tempestade de bradicinina é responsável por muitos dos sintomas mais mortais do COVID-19. A teoria é baseada na noção comummente aceite de que a infeção começa com o vírus a entrar no corpo através de recetores ACE2. Estes recetores existem em grande quantidade no nariz, mas também nos intestinos, rins e coração.

O supercomputador mostrou à equipa de investigadores que os efeitos da COVID-19 não se limitam aos causados ​​pela colonização dos recetores ACE2: o vírus também é capaz de manipulá-los.

Quando os ventiladores são inúteis

Uma vez que a pressão arterial não é controlada e os vasos sanguíneos aumentam a sua permeabilidade, o corpo abre as portas para disfunções em quase todo o corpo. Como tal, os pacientes com COVID-19 são afetados por uma tempestade de bradicinina “afogam-se” porque os seus alvéolos pulmonares são revestidos por uma substância gelatinosa.

Muitos profissionais de saúde relataram danos aos vasos sanguíneos do sistema respiratório e outros órgãos. Isso explicaria porque, nalguns casos, administrar oxigénio ou ligar ventiladores aos pacientes era inútil.



A hipótese de bradicinina pode nos ajudar a entender quem corre maior risco de ser gravemente afetado pelo vírus. Assim, os investigadores sugeriram que os esforços para encontrar um tratamento para os sintomas devem concentrar-se em conter as tempestades de bradicinina.

https://pplware.sapo.pt/ciencia/supercomputador-da-ibm-analisou-dados-da-covid-19-e-traz-uma-nova-explicacao/