Guerra na Síria

  • 4190 Respostas
  • 618323 Visualizações
*

mafarrico

  • Investigador
  • *****
  • 1274
  • Recebeu: 20 vez(es)
  • Enviou: 74 vez(es)
  • +0/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #90 em: Setembro 14, 2013, 07:32:29 pm »
http://rt.com/news/turkey-syria-chemical-weapons-850/

Turkish prosecutors indict Syrian rebels for seeking chemical weapons

Published time: September 14, 2013 04:01

A court indictment by the Turkish prosecutors into the alleged use of chemical weapons by the Syrian rebels has once again highlighted fears this week that sarin toxic gas was used by the opposition and not the Assad government.

The prosecutor in the Turkish city of Adana has issued a 132-page indictment, alleging that six men of the al-Qaeda-linked al-Nusra Front and Ahrar ash-Sham tried to seek out chemicals with the intent to produce the nerve agent, sarin gas, a number of Turkish publications reported.

The main suspect in the case, 35-year-old Syrian-national Hytham Qassap has been charged with “being a member of a terrorist organization” and “attempting to acquire weapons for a terrorist organization.” The other 5, all Turkish nationals are being charged with “attempting to acquire weapons for a terrorist organization.”

The indictment alleges that Qassap tried to setup a network in Turkey in order to obtain chemical materials for the al-Nusra Front and Ahrar al-Sham Brigades. Citing telephone calls made by the cell, the prosecution believes that the group ordered at least ten tons of chemicals, Al-Alam News Network reports.  

The prosecution also dismissed claims that the suspects were unaware of their wrong doing. “The claim that the suspects didn’t know about the possibility of producing sarin nerve gas from the chemicals they tried to buy is not true which was established when they were testifying,” the document reads.

Meanwhile all six suspects have pleaded not guilty. “The suspects have pleaded not guilty saying that they had not been aware the materials they had tried to obtain could have been used to make sarin gas. Suspects have been consistently providing conflicting and incoherent facts on this matter,” the indictment said.

If convicted, Qassab faces a 25 year prison sentence, while his accomplices face 15 years prison terms.

The six men were a part of a group of 11 people arrested in their safe house in Adana on May 23, 2013. Their apprehension came about after surveillance by Turkish police who’d received a tip that Syrian jihadists were trying to acquire two government-regulated military-grade chemical substances. Five of the detained were released from custody after questioning, background checks and after lab tests proved that chemicals seized during the arrest were not sarin gas.

The international community has long been ignoring worrying reports that the rebel fighters in Syria might be capable of carrying out a chemical attack. Russian President, Vladimir Putin also reiterated this week that while no one doubts that poison gas was indeed used in Syria, there is “every reason to believe it was used not by the Syrian Army, but by opposition forces, to provoke intervention by their powerful foreign patrons.”

Evidence that chemical weapons were used by the opposition was also highlighted by the two European hostages that were freed from Syrian rebel captivity last Sunday. In a phone conversation overheard by hostage Pierre Piccinin da Prata, he said it was clear the rebels used gas on civilians in an August 21 attack near Damascus.

“I don’t think that Bashar Al-Assad and the Syrian government are to blame for the chemical attack in Al-Ghouta,” Piccinin told RT. “It would have been absurd for the Syrian government to use chemical weapons.”

The Syrian government has always rejected any accusations of using chemical weapons. After one of the first alleged incidents in Aleppo in March, it was the government that called on UN to send in chemical experts. Another alleged chemical weapons use was reported in Homs in December 2012.

Russian experts flew out to the site of the attack in March to collect samples from the incident. On 9 July 2013, Moscow submitted the results of its inquiry into the use of chemical weapons at Aleppo to the United Nations. Russian scientists analyzing the 19 March 2013 attack found that it was most likely launched by opposition forces, and not the Syrian government.

“It was determined that on March 19 the rebels fired an unguided missile Bashair-3 at the town of Khan al-Assal, which has been under government control. The results of the analysis clearly show that the shell used in Khan al-Assal was not factory made and that it contained sarin,” UN envoy Vitaly Churkin has said.

The United Nations independent commission of inquiry on Syria into the attack in March concluded that no evidence of the use of sarin by Syria’s government troops has so far been uncovered. The lead investigator, Carla Del Ponte, did hint that it was the rebels that most likely used the chemical weapons.

“The Independent International Commission of Inquiry on the Syrian Arab Republic wishes to clarify that it has not reached conclusive findings as to the use of chemical weapons in Syria by any parties to the conflict.  As a result, the Commission is not in a position to further comment on the allegations at this time,” the statement read.

Meanwhile, the UN chemical weapons inspection team has completed the report on the latest chemical attack in Syria on August 21 and will deliver it to UN Secretary General Ban Ki-Moon over the weekend.

"I believe that the report will be an overwhelming report that chemical weapons (were) used, even though I cannot publicly say at this time before I receive this report," Moon said.

Although the team was not authorized to draw any conclusions on who was the perpetrator of the attack, a number of US officials speaking to the media on condition of anonymity over the last couple of days indicated that the report would hint the Assad government was responsible.
"All the world's a stage" William Shakespeare

 

*

mafarrico

  • Investigador
  • *****
  • 1274
  • Recebeu: 20 vez(es)
  • Enviou: 74 vez(es)
  • +0/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #91 em: Setembro 14, 2013, 09:52:26 pm »
http://english.almanar.com.lb/adetails. ... eid=110043

Daoud Rammal – As-Safir

Aggression was over the Moment those Two Missiles were Fired

A well informed diplomatic source told As-Safir newspaper that “the US war on Syria had started and ended the moment those two ballistic missiles were fired, leaving inconsistent information, as Israel denied and Russia confirmed, until an Israeli statement was issued indicating they were fired in the context of an Israeli-US joint drill and fell in the sea, and that they were not related to the Syrian crisis.”

The source further told the Lebanese daily that “the US forces fired these two rockets from a NATO base in Spain, and were instantly detected by the Russian radars and confronted by the Russian defense systems, so one of them exploded in the airspace and the second one diverted towards the sea.”

In this context, the source pointed out that “the statement issued by the Russian Defense Ministry, which stated the detection of two ballistic missiles fired towards the Middle East, intended to neglect two points: the first was the location from which the two rockets were fired, and the second was their downing. Why? Because the moment the full military operation was launched, Head of the Russian Intelligence Service contacted the US intelligence and informed it that “hitting Damascus means hitting Moscow, and we have removed the term “downed the two missiles” from the statement to preserve the bilateral relations and to avoid escalation. Therefore, you must immediately reconsider your policies, approaches and intentions on the Syrian crisis, as you must be certain that you cannot eliminate our presence in the Mediterranean.”

“This unannounced direct confrontation between Moscow and Washington increased the Obama Administration’s confusion and certainty that the Russian side was ready to move until the end with the Syrian cause, and that the US did not have a way out of its impasse except through a Russian initiative which would save America’s face…” he added.

From this point, the diplomatic source clarified that “in order to avoid further US confusion, and after Israel denied knowing anything about the rocket firing in its first statement, which is the truth, Washington demanded Tel Aviv to adopt the rocket firing to save its face in front of the International Community, especially since these two rockets were the beginning of the US aggression on Syria and the announcement of the beginning of military operations, after which US President Barack Obama was supposed to go to the G20 Summit in Russia to negotiate the destiny of Syrian President Bashr Al-Assad. However, he went to find a way out of the impasse he’s in.”

The source further indicated that “after the US-Russia rocket confrontation, Moscow intended to increase its number of military experts in Russia, and added to its military units and destroyers to enhance its military presence in the Mediterranean. It also set a time for announcing about its initiative on stopping the aggression on Syria after the G20 Summit, after drawing a side scene on the sidelines of the summit which was followed by two successive visits for Iranian Foreign Minister, Hussein Amir Abdul Lahyan, and Syrian Foreign Minister, Walid Al-Moallem, in which a way out was agreed on with the Russian side, and it included a Syrian announcement on approving the Russian initiative regarding putting Syrian chemical weapons under international supervision and preparing Syria for joining the non-proliferation treaty.

Finally, the source pointed out that “One of the first results of the US-Russian military confrontation was the British House of Commons’ rejection to participate in a war on Syria. This was followed by European stances, most significantly, the German stance announced by Chancellor Angela Merkel."

 Translated by Sara Taha Moughnieh
12-09-2013 - 16:04 Last updated 12-09-2013 - 16:04
"All the world's a stage" William Shakespeare

 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1599
  • Recebeu: 427 vez(es)
  • Enviou: 310 vez(es)
  • +200/-851
Re: Guerra na Síria
« Responder #92 em: Setembro 14, 2013, 10:42:28 pm »
Citação de: "mafarrico"
Aggression was over the Moment those Two Missiles were Fired

A well informed diplomatic source told As-Safir newspaper that “the US war on Syria had started and ended the moment those two ballistic missiles were fired, leaving inconsistent information, as Israel denied and Russia confirmed, until an Israeli statement was issued indicating they were fired in the context of an Israeli-US joint drill and fell in the sea, and that they were not related to the Syrian crisis.”.............

Caro mafarrico, uma das melhores maneiras de contar um acontecimento verdadeiro mas humilhante para nós, é enfiar o mesmo como facto numa mentira. Cabe a nós, simples "zezinhos" que não passam de massa de manobra, tentar discernir o que é do que não é, cruzando informação, indagando, estruturando e sempre, e acima de tudo, perguntado-nos a quem é que isto convém.

Um abraço.

 :G-beer2:
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11816
  • Recebeu: 507 vez(es)
  • Enviou: 236 vez(es)
  • +80/-67
Re: Guerra na Síria
« Responder #93 em: Setembro 15, 2013, 02:08:54 pm »
Oposição síria quer estender proibição a mísseis e aviação


A oposição síria exigiu hoje que, além de controlar as armas químicas, a comunidade internacional proíba o regime de Damasco de usar mísseis balísticos e a aviação contra civis.

"A Coligação Nacional Síria insiste que a proibição das armas químicas, cuja utilização deixou mais de 1400 civis mortos, seja estendida ao uso de mísseis balísticos e aviões contra áreas urbanas", disse a organização em comunicado.

A oposição não comentou diretamente o acordo alcançado no sábado entre a Rússia e os EUA para eliminar o arsenal químico sírio, mas justificou o facto de Damasco aceitar a destruição das suas armas químicas com "o medo de um ataque militar".

A coligação reconheceu a necessidade de "aproveitar esta oportunidade de parar a campanha do regime contra zonas residenciais e de pôr fim ao sofrimento do povo sírio".

A juntar à proibição da ameaça aérea por parte do regime, a oposição pediu a recuperação de um plano para afastar o armamento pesado das áreas habitadas e para proibir o seu uso contra cidades, vilas e aldeias.

"Não devemos deixar que o regime sírio use a aceitação da Convenção de Armas Químicas como desculpa para continuar a matar sírios e escapar impune", acrescentou o comunicado.

"O controlo das armas químicas do regime deve ser acompanhado de uma busca de justiça para os autores dos ataques químicos, que devem ser levados ao Tribunal Penal Internacional".

A coligação pede também aos seus apoiantes árabes e internacional para que reforcem a capacidade militar da oposição, o que lhe permitiria neutralizar o poder aéreo do regime e forçar o presidente, Bashar al-Assad, a acabar com a campanha militar e aceitar uma solução política que garanta uma transição democrática.

Os EUA e a Rússia chegaram no sábado a acordo sobre um plano de eliminação das armas químicas sírias que dá uma semana a Damasco para apresentar a lista destas armas e prevê a adoção de uma resolução da ONU.

Os Estados Unidos e a Rússia "estão de acordo que a resolução da ONU se refira ao capítulo 07 sobre o recurso à força", anunciou hoje em Genebra o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, ao fim de três dias de discussões com o seu homólogo russo, Sergei Lavrov, em Genebra.

O acordo entre Washington e Moscovo prevê para o regime de Damasco prazos muito mais curtos do que aqueles que estão estabelecidos na Convenção para a Proibição de Armas Químicas para a eliminação de arsenais químicos.

Segundo o acordo agora alcançado, inspetores deverão estar no terreno, na Síria, até novembro, com o objetivo de eliminar as armas químicas do país até meados de 2014.

De acordo com as Nações Unidas, o conflito na Síria - em que a contestação popular ao regime degenerou em guerra civil - fez mais de 100 mil mortos desde 2011 e perto de dois milhões de refugiados, que têm sido acolhidos sobretudo na Jordânia, Turquia e Líbano.

Os EUA estimam que a Síria possua mil toneladas de vários agentes químicos, incluindo gás mostarda e gás sarin.

Lusa
 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 6358
  • Recebeu: 1486 vez(es)
  • Enviou: 712 vez(es)
  • +1478/-413
Re: Guerra na Síria
« Responder #94 em: Setembro 15, 2013, 04:08:07 pm »
A evolução dos combates na Siria:

Fevereiro 2012


Março


Julho


Outubro


Novembro


Janeiro de 2013


Março


Maio


Junho


Julho


Agosto


 :G-beer2:
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 11816
  • Recebeu: 507 vez(es)
  • Enviou: 236 vez(es)
  • +80/-67
Re: Guerra na Síria
« Responder #95 em: Setembro 15, 2013, 04:28:00 pm »
Obama, como comandante-em-chefe, na crise síria
Alexandre Reis Rodrigues


Para vários especialistas e comentadores internacionais, quase todos “pesos pesados” nos jornais e revistas de maior circulação mundial, a Síria constitui hoje um “case study” de como a política externa americana não deve ser conduzida. De facto, o que é conhecido da forma como a administração americana tem lidado com o conflito sírio, incluindo a possibilidade de uma intervenção militar, revela um processo demasiado inconsistente para ser verdade, estando a falar da maior potência mundial.

O assunto é importante porque, no final, é a imagem dos EUA e do seu atual Presidente que sai fragilizada. Falta ver, no entanto, como o político brilhante que é Obama vai conseguir sair do imbróglio em que se deixou envolver e alterar a perceção de líder indeciso e pouco afirmativo, que tem hoje, principalmente aos olhos árabes. Para já conseguiu tornear com sucesso os problemas que tinha para o curto prazo, evitando, pelo menos nos tempos mais próximos, uma intervenção militar que, contra os seus desejos, se estava a tornar inevitável e suspendendo uma votação do Congresso que tinha alta probabilidade de lhe não ser favorável (segundo uma sondagem, na Câmara dos Representantes não se esperavam mais de 203 “sins”, quando o mínimo necessário para a resolução passar seriam 217. No Senado, Obama ficaria mais longe do seu objetivo; conseguiria 22 votos a favor quando precisaria de 50).~

Vamos ter que esperar para ver como vai funcionar na prática o acordo conseguido em Genebra entre Kerry e Lavrov, segundo o qual um grupo de inspetores internacionais procederá, durante o mês de novembro, a uma inventariação de todo o arsenal de armas químicas, a partir de uma listagem inicial a ser facultada pelo regime sírio até 21 de setembro. A destruição de todo o material relacionado, ainda segundo o acordo, deverá estar concluída até meados de 2014. Como será possível concluir esta tarefa num cenário de guerra civil que obrigará garantir a segurança dos inspetores e será, muito provavelmente, interferida pela oposição que esperava
uma intervenção militar dos EUA para enfraquecer o regime? Conseguirá a ONU obter colaboração para reunir o número necessário de inspetores?

São cerca de 1000 toneladas de material espalhadas por mais de 50 locais, alguns dos quais situados em zonas de guerra. Será possível reunir as condições necessárias para que o processo decorra de forma rápida, verdadeira e verificável como Kerry exigia, em declarações iniciais? («It has to be swift, it has to be real, and it has to be verifiable») ou estará os EUA sob o risco de ver mais uma vez as suas exigências ignoradas? Até que ponto estará o regime sírio disposto a encarar as suas obrigações com seriedade? Segundo o general Selim Idriss, líder do Free Syrian Army, as forças governamentais terão começado a mover parte das armas em questão para o Líbano e Iraque, numa tentativa de evitar o seu controlo pelos inspetores das Nações Unidas. Se esta acusação é verdadeira ou apenas uma forma de a oposição síria alimentar o ceticismo que grassa entre os ocidentais quanto à vontade de Assad fazer “jogo limpo” é algo que falta ver.

Para já, o Presidente Putin conseguiu oferecer ao Presidente Obama uma alternativa que evitou a intervenção militar americana. Se vai resultar ou não é assunto que não preocupa Moscovo. Não faltarão bodes expiatórios para apontar como responsáveis pelo falhanço. Se está ou não a contribuir para o prolongamento do conflito também não é assunto relevante. Putin não tem como objetivo principal proteger Assad, muito embora com a sua iniciativa, esteja a ajudá-lo a reforçar a
sua posição e a proporcionar-lhe um sopro de vida na sua capacidade de resistir. O que move Moscovo são interesses estratégicos: regressar ao grande jogo
geopolítico com um estatuto semelhante ao dos EUA, tornar-se indispensável na procura de soluções para o conflito sírio, disputar áreas de influência dos EUA e
dividir os seus aliados, etc.

O mais extraordinário aspeto deste processo é o facto de a ideia de eliminação das armas químicas sírias pertencer a Obama, quando, há um ano atrás na Cimeira do G-20 no México, apresentou uma proposta que Moscovo rejeitou. Não se compreende como os EUA não voltaram ao assunto, na sequência dos ataques empreendidos por Assad em março e agosto, para exigir a colaboração de Putin. Caso Moscovo continuasse a recusar, os EUA teriam uma base mais sólida para intervir militarmente, podendo assim alegar ter esgotado todas as possíveis iniciativas diplomáticas. Acabaram por conseguir a saída por que Obama ansiava mas com o custo elevado de perda de iniciativa a favor de Moscovo, às mãos de quem ficam nos tempos mais próximos no que respeita à Síria. Curiosamente, no dia nove de setembro, em resposta a um jornalista que o interrogava sobre se haveria alguma coisa que Assad pudesse fazer para evitar a intervenção, Kerry respondia do seguinte modo: «Sure. He could turn over every bit of his chemical weapons to the international community in the next week». Mas como esclareceu o Departamento de Estado logo a seguir, Kerry não estava a fazer qualquer proposta. Quem fez a proposta foi Moscovo no dia seguinte! Não se compreende a inépcia dos EUA, a menos que existam factos de bastidores que expliquem este desenlace.

O presidente Obama é quase o oposto do seu antecessor. A imagem de Bush era a de um Presidente que depois de tomar uma decisão nunca voltava atrás e esforçava-se sempre por mostrar não ter dúvidas, mesmo quanto decidiu recorrer ao uso da força, sem consenso internacional nem autorização do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Obama conduziu as suas campanhas eleitorais e tem orientado a sua presidência sob uma clara preocupação de se demarcar da postura de Bush. Os seguintes extratos de declarações suas, no passado recente sobre a crise síria, retratam muito claramente o seu pensamento:

«I was elected to end wars, not to start them. I’ve spent the last four and a half years doing everything I can to reduce our reliance on military power as a means of meeting our international obligations and protecting American people».


«My goal is maintain the international norm on banning chemical weapons. I want that enforcement to be real».


«I am not itching for military action … and if there are good ideas that worth pursuing, then I’m going to be open to them».


«I fervently hope that this can be resolved in a nonmilitary way».

Aparentemente, o caminho que traçou é o que a opinião pública americana esperava, em especial no que respeita ao emprego de tropas no terreno em conflitos prolongados e de desfecho incerto. Ao contrário de Bush, Obama mostrasse extremamente relutante em intervir neste tipo de conflitos mas não hesita, de novo em oposição ao que fazia Bush, em envolver-se nas chamadas “guerras secretas” com intervenções em territórios estrangeiros, através do emprego de “drones” armados, que tem conduzido à revelia de vários tipos de escrutínios internos a que se devia ter sujeitado mas que, afinal, tem ignorado.

Esta situação mostra que, ao contrário das acusações que lhe fazem alguns opositores, nomeadamente o senador republicano Bob Corker - um insistente defensor da intervenção militar - Obama não é um comandante-em-chefe que se sente desconfortável no seu papel. Apenas não quer envolver-se em operações de contra-insurreição exigindo prolongados e dispendiosos empenhamentos militares no terreno. Rege-se, sobretudo, por princípios de pragmatismo que também têm pouco ou mesmo nada a ver com preocupações com questões de Direito Internacional ou de obtenção de concordância do Congresso para intervir militarmente. Usou estes expedientes no caso da Síria apenas porque lhe convinha ganhar tempo para a procura de uma saída não-militar. Escudou-se em declarações do general Dempsey, Chefe da Junta de Chefes de Estado Maior, que considerou que a operação não era «time sensitive», isto é, que não precisaria de ser executada imediatamente e tentou passar o ónus da decisão de intervir para o Congresso.

Lamentavelmente, também não foi consistente ao impor “linhas vermelhas” quando não tinha qualquer intenção de intervir. Errou desastradamente na gestão do “bluff” que fez com a questão do emprego de armas químicas pelo regime sírio ao partir do princípio de que era muito baixa a probabilidade de Assad tomar qualquer iniciativa que pudesse desencadear uma intervenção externa. Pôs em causa a credibilidade dos EUA e não conseguiu evitar que entre os seus mais diretos colaboradores, em especial, os Secretários de Estado e da Defesa, deixassem transparecer para o exterior flagrantes diferenças de discurso. Pode, em teoria, argumentar que foi graças à pressão militar que fez que acabou por conseguir uma saída diplomática. Mas o que fica é uma imagem negativa de uma postura apenas reativa e levada ao extremo de se deixar “empurrar” por Moscovo para uma solução que deveria ter explorado.


Extrato de algumas opiniões de especialistas e comentadores


Fareed Zakaria, num comentário para a CNN antes do ponto de viragem que levou à suspensão da ideia de uma intervenção em função da proposta russa, considerava que o Presidente Obama tinha acabado por perder-se numa retórica que o deixou sem qualquer saída senão intervir, malgrado a sua evidente relutância em recorrer ao uso da força. A questão da “linha vermelha” que estabeleceu para a hipótese de virem a ser usadas armas químicas, logo que se começou a aventar essa possibilidade, transformou-se numa espécie de “armadilha” criada por si próprio. Deixou-o sem qualquer saída senão intervir se o limite imposto fosse violado, o que acabou por acontecer. Há dois anos, Obama tinha declarado que Assad deveria abandonar o poder mas nada fez diretamente dirigido a esse objetivo. Na verdade, nunca mostrou ter uma estratégia desenhada para esse fim. (Comentário do autor: A credibilidade da sua postura começou a ser posta em causa ainda antes do 21 de agosto, a data dos ataques que alegadamente mataram mais de 1400 pessoas, quando em março houve um primeiro ataque de menor dimensão. Por essa altura, torneou o problema com a promessa de apoio em armamento à oposição, mas essa promessa só começou a concretizar-se há apenas duas semanas.)

Richard N. Hass, também muito crítico do caminho seguido por Obama, realça, em especial, dois aspetos: 1. O facto de o Presidente não estar a garantir que o que anuncia em público é para ser acreditado por todos, amigos e inimigos; 2. A falta de uma estratégia clara, tendo em conta que não fazer nada é uma opção política com sérias implicações. Hass considera que a estratégia a seguir não pode limitar-se à questão da intervenção militar mas que esta, a verificar-se tem que ser mais do que simbólica; tem que ter em custo para Assad que o desencoraje a repetir.

Kenneth Pollack, tem uma posição em parte semelhante quanto à necessidade de uma intervenção minimamente robusta. Se for para fazer algo muito limitado, como anunciou o Presidente, então será preferível não fazer nada («Go big or stay home»). Pollack chamava também a atenção para o facto de o Presidente estar a querer tudo ao mesmo tempo mas sem passar de meias medidas que afinal o estavam a envolver cada vez mais no conflito sem lhe permitirem avançar o que quer que seja. (Comentário do autor: Algumas declarações do Secretário da Defesa e outras notícias vindas a público por essa mesma altura, referindo que o Pentágono estaria a rever os seus planos para garantir que a intervenção não será apenas simbólica, foram associadas à necessidade de desfazer a perceção que entretanto se tinha instalado sobre a natureza limitada e pontual da intervenção.)

Elliott Abrams abordava, em especial, a decisão de submeter ao Congresso um projeto de resolução a autorizar formalmente uma intervenção militar. Chamava a atenção para a inconsistência de o Presidente não ter dado esse passo por ocasião da intervenção na Líbia, em Março de 2011, caso em que estiveram empenhados doze navios de guerra, 75 aviões, incluindo bombardeiros B-2, possivelmente mais do que então se calculava irem ser empregue na Síria. Abrams considera que não pode tratar-se de uma questão de princípio, à luz do processo de decisão seguido no caso da Líbia. (Comentário do autor: É preciso reconhecer que há uma diferença importante que Abrams não referiu. A intervenção na Líbia foi coberta por uma Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o que não acontecerá no caso da Síria, mesmo que houvesse um consenso relativamente amplo sobre a responsabilidade do regime).

Jornal Defesa
« Última modificação: Setembro 15, 2013, 05:46:01 pm por Lusitano89 »
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 9950
  • Recebeu: 1296 vez(es)
  • Enviou: 3241 vez(es)
  • +191/-58
    • http://youtube.com/HSMW

*

mafarrico

  • Investigador
  • *****
  • 1274
  • Recebeu: 20 vez(es)
  • Enviou: 74 vez(es)
  • +0/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #97 em: Setembro 15, 2013, 11:50:47 pm »
http://www.telegraph.co.uk/news/worldne ... eport.html

Syria: nearly half rebel fighters are jihadists or hardline Islamists, says IHS Jane's report

Nearly half the rebel fighters in Syria are now aligned to jihadist or hardline Islamist groups according to a new analysis of factions in the country's civil war.


Opposition forces have fragmented into as many as 1,000 bands Photo: Rex Features

By Ben Farmer, Defence Correspondent, and Ruth Sherlock in Beirut
7:17PM BST 15 Sep 2013

Opposition forces battling Bashar al-Assad's regime in Syria now number around 100,000 fighters, but after more than two years of fighting they are fragmented into as many as 1,000 bands.

The new study by IHS Jane's, a defence consultancy, estimates there are around 10,000 jihadists - who would include foreign fighters - fighting for powerful factions linked to al-Qaeda..

Another 30,000 to 35,000 are hardline Islamists who share much of the outlook of the jihadists, but are focused purely on the Syrian war rather than a wider international struggle.

There are also at least a further 30,000 moderates belonging to groups that have an Islamic character, meaning only a small minority of the rebels are linked to secular or purely nationalist groups.

The stark assessment, to be published later this week, accords with the view of Western diplomats estimate that less than one third of the opposition forces are "palatable" to Britain, while American envoys put the figure even lower.

Fears that the rebellion against the Assad regime is being increasingly dominated by extremists has fuelled concerns in the West over supplying weaponry that will fall into hostile hands. These fears contributed to unease in the US and elsewhere over military intervention in Syria.

Charles Lister, author of the analysis, said: "The insurgency is now dominated by groups which have at least an Islamist viewpoint on the conflict. The idea that it is mostly secular groups leading the opposition is just not borne out."

The study is based on intelligence estimates and interviews with activists and militants. The lengthy fighting has seen the emergence of hundreds of separate rebel bands, each operating in small pockets of the country, which are usually loyal to larger factions.


Rebels from Jabhat al-Nusra at Taftanaz air base, Idlib, in 2011 (AP)

Two factions linked to al-Qaeda, Jabhat al-Nusra and the Islamic State in Iraq and the Levant (ISIL) - also know as the Islamic State of Iraq and al-Shams (ISIS) - have come to dominate among the more extremist fighters, Mr Lister said. Their influence has risen significantly in the past year.

"Because of the Islamist make up of such a large proportion of the opposition, the fear is that if the West doesn't play its cards right, it will end up pushing these people away from the people we are backing," he said. "If the West looks as though it is not interested in removing Assad, moderate Islamists are also likely to be pushed further towards extremists."

Though still a minority in number, ISIL has become more prominent in rebel-held parts of Syria in recent months. Members in northern Syria have sought to assert their dominance over the local population and over the more moderate rebel Free Syrian Army (FSA).

The aim of moderate rebel fighters is the overthrow of their country's authoritarian dictator, but jihadist groups want to transform Syria into a hard-line Islamic state within a regional Islamic "caliphate".

These competing visions have caused rancour which last week erupted into fighting between ISIL and two of the larger moderate rebel factions.

A statement posted online by Islamists announced the launch of an ISIL military offensive in the eastern district of Aleppo which it called "Cleansing Evil". "We will target regime collaborators, shabiha [pro-Assad militias], and those who blatantly attacked the Islamic state," it added, naming the Farouq and Nasr factions.

Al-Qaeda has assassinated several FSA rebel commanders in northern Latakia province in recent weeks, and locals say they fear this is part of a jihadist campaign to gain complete control of the territory.

As well as being better armed and tougher fighters, ISIL and Jabhat al-Nusra have taken control of much of the income-generating resources in the north of the country, including oil, gas and grain.

This has given them significant economic clout, allowing them to "win hearts and minds" by providing food for the local population in a way that other rebel groups cannot.

ISIS has also begun a programme of "indoctrination" of civilians in rebel-held areas, trying to educate Syria's traditionally moderate Sunni Muslims into a more hard-line interpretation of Islam.

In early September, the group distributed black backpacks with the words "Islamic State of Iraq" stamped on them. They also now control schools in Aleppo where young boys are reportedly taught to sing jihadist anthems.

"It seems it is some sort of a long-term plan to brainwash the children and recruit potential fighters," said Elie Wehbe, a Lebanese journalists who is conducting research into these activities.
"All the world's a stage" William Shakespeare

 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 9950
  • Recebeu: 1296 vez(es)
  • Enviou: 3241 vez(es)
  • +191/-58
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Guerra na Síria
« Responder #98 em: Setembro 16, 2013, 12:57:49 am »
Raras imagens da marinha Síria.
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Nuno Bento

  • Perito
  • **
  • 339
  • Recebeu: 7 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +2/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #99 em: Setembro 16, 2013, 12:09:39 pm »
Citação de: "HSMW"
Raras imagens da marinha Síria.

Uma anedota de Marinha, até parece material de museu.
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 9950
  • Recebeu: 1296 vez(es)
  • Enviou: 3241 vez(es)
  • +191/-58
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Guerra na Síria
« Responder #100 em: Setembro 16, 2013, 04:34:13 pm »
Citação de: "HSMW"
:arrow: http://www.youtube.com/watch?v=YnZXrrj9YnU
E em resposta ao vídeo anterior.

Se estiverem a comer é melhor parar...
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 6358
  • Recebeu: 1486 vez(es)
  • Enviou: 712 vez(es)
  • +1478/-413
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5460
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +1500/-3
    • http://www.areamilitar.net
Re: Guerra na Síria
« Responder #102 em: Setembro 16, 2013, 06:40:23 pm »
Estou espantado  :shock:

Ninguém ainda aqui veio criticar as Nações Unidas, por terem promovido um relatório fascista.



PS: Fui eu que disse ao Ban Ki-moon que era óbvio que tinha sido o Assad.
Portanto as Nações Unidas estão compradas.

Continuem com os sites das teorias da conspiração, eles é que têm razão.
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 9950
  • Recebeu: 1296 vez(es)
  • Enviou: 3241 vez(es)
  • +191/-58
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Guerra na Síria
« Responder #103 em: Setembro 16, 2013, 07:27:20 pm »
Citação de: "papatango"
Portanto as Nações Unidas estão compradas.
Really?!
http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional ... t_id=33447
  :shock: Só para relembrar.
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

FoxTroop

  • Investigador
  • *****
  • 1599
  • Recebeu: 427 vez(es)
  • Enviou: 310 vez(es)
  • +200/-851
Re: Guerra na Síria
« Responder #104 em: Setembro 16, 2013, 07:48:14 pm »
Pois é.... Eu, assim como milhares de milhões de pessoas, tenho de tornar a fazer o ECL.. :roll:  :roll:

Citar
The inspectors cautioned that the five sites they investigated had been "well traveled by other individuals prior to the arrival of the mission."

"During the time spent at these locations, individuals arrived carrying other suspected munitions indicating that such potential evidence is being moved and possibly manipulated," the report said. The areas were under rebel control, but the report did not elaborate on who the individuals were.

http://news.yahoo.com/un-convincing-evidence-syria-chemical-attack-131653691.html