Sector Ferroviário

  • 215 Respostas
  • 33001 Visualizações
*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 11072
  • Recebeu: 2352 vez(es)
  • Enviou: 3255 vez(es)
  • +739/-1031

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 11072
  • Recebeu: 2352 vez(es)
  • Enviou: 3255 vez(es)
  • +739/-1031
Re: Sector Ferroviário
« Responder #91 em: Março 16, 2023, 06:04:40 am »
Não quero estar a discutir o tema do TGV em Portugal num tópico europeu.

Deixo aqui outro artigo que encontrei onde diz por exemplo o preço de TGV Barcelona - Madrid, se comprado com antecedência, pode ser inferior a 6€.
https://echoboomer.pt/linha-de-alta-velocidade-pode-acabar-ponte-aerea-lisboa-porto/
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 8425
  • Recebeu: 3820 vez(es)
  • Enviou: 714 vez(es)
  • +4982/-785
Re: Sector Ferroviário
« Responder #92 em: Março 16, 2023, 02:18:41 pm »
A questão é mesmo quantas pessoas fazem realmente essa deslocação, seja de avião, seja num futuro TGV. Depois é olhar para o custo da construção, e depois custo de sustentar tal infraestrutura. 6 euros o bilhete parece-me não só muito optimista, como me parece pouco para conseguir cobrir a despesa.

Alguma estimativa foi feita de quantos passageiros por ano andariam no TGV Lisboa-Porto?

Fazendo umas contas de merceeiro, com 100 mil passageiros/dia, com bilhetes a 10 euros, são 365 milhões/ano. Assumindo que o TGV custaria (a preços de há 10 anos) 15 mil milhões a construir, seriam necessários 41 anos para o pagar, sem contar com despesas recorrentes como salários dos trabalhadores, custos da operação do TGV, reparações, etc.

100 mil passageiros por dia parece-me extremamente optimista, sendo que 10 mil deve ser mais realista (e mesmo assim não sei), o que colocaria a fasquia nos 410 anos para pagar o TGV. E isto assumindo que, num Portugal com salários mais altos do que há 10 anos, e em que com a inflação, ficou tudo mais caro, seria um milagre que o TGV custasse o mesmo que se estimava antes (e sem qualquer derrape financeiro).

Entendo que seja apelativa a ideia de viajar entre as duas principais cidades do país com relativa rapidez e a baixo custo, mas é preciso questionar se faz sentido para um país que noutros sectores se diz sempre que não tem dinheiro.
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 4292
  • Recebeu: 2419 vez(es)
  • Enviou: 1394 vez(es)
  • +7369/-4444
Re: Sector Ferroviário
« Responder #93 em: Março 16, 2023, 02:42:07 pm »
A questão é mesmo quantas pessoas fazem realmente essa deslocação, seja de avião, seja num futuro TGV. Depois é olhar para o custo da construção, e depois custo de sustentar tal infraestrutura. 6 euros o bilhete parece-me não só muito optimista, como me parece pouco para conseguir cobrir a despesa.

Alguma estimativa foi feita de quantos passageiros por ano andariam no TGV Lisboa-Porto?

Fazendo umas contas de merceeiro, com 100 mil passageiros/dia, com bilhetes a 10 euros, são 365 milhões/ano. Assumindo que o TGV custaria (a preços de há 10 anos) 15 mil milhões a construir, seriam necessários 41 anos para o pagar, sem contar com despesas recorrentes como salários dos trabalhadores, custos da operação do TGV, reparações, etc.

100 mil passageiros por dia parece-me extremamente optimista, sendo que 10 mil deve ser mais realista (e mesmo assim não sei), o que colocaria a fasquia nos 410 anos para pagar o TGV. E isto assumindo que, num Portugal com salários mais altos do que há 10 anos, e em que com a inflação, ficou tudo mais caro, seria um milagre que o TGV custasse o mesmo que se estimava antes (e sem qualquer derrape financeiro).

Entendo que seja apelativa a ideia de viajar entre as duas principais cidades do país com relativa rapidez e a baixo custo, mas é preciso questionar se faz sentido para um país que noutros sectores se diz sempre que não tem dinheiro.

O problema é que o poder político não faz as contas assim, pensa da seguinte forma, ora a UE vai pagar 85%, logo o custo a ser calculado pelos utilizadores, só precisa de cobrir esses 15% mais a manutenção e se der prejuízo..... o último que feche a porta!

Sejamos honestos, então a CP nem dinheiro tinha para manter as carruagens septuagenárias e vai ter dinheiro para manter um TGV?
A instalação e compra dos comboios até pode ser de borla, mas a manutenção de uma linha de alta velocidade é muito mais elevada do que uma linha normal!

Em qualquer lado, uma linha de alta velocidade só faz sentido explorar se for também utilizada para o transporte de mercadorias!!!!! Ou vamos a andar a subsidiar os turistas estrangeiros a passearem no "nosso" TGV?
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7479
  • Recebeu: 961 vez(es)
  • +4573/-871
Re: Sector Ferroviário
« Responder #94 em: Março 16, 2023, 03:10:27 pm »


Só uma achega ...
Tentando justificar porque tanta gente em Portugal olha com desconfiança para o TGV.

O conjunto do  Benelux é mais pequeno que Portugal, mas tem quase 30 milhões de habitantes, que estão entre os mais ricos do mundo.

O comboio Thalys, que atinge em principio 300km/h leva 1:52 (uma hora e cinquenta e dois minutos) a ir de Bruxelas até à estação central de Amsterdão.  A distância são 172km.

E isto é uma ligação direta, sem paragem em lado nenhum.
Há ligação de comboio entre Bruxelas e Antuerpia, mas é basicamente uma ligação de 40km entre Lisboa e Setubal.(ou menos) Depois a linha passa por Roterdão e finalmente Amsterdão (aeroporto) e depois Amsterdão central.

Em dois trechos, o comboio acelera durante um terço do percurso e logo de seguida começa a travar.
Todas as cidades quiseram ter alta velocidade. Ela existe em Bruxelas, Antuerpia, Roterdão e Amsterdão (duas estações) mas também em pelo menos outras três (Liege, Utreque e Maastricht) .
Creio que nenhuma delas fica a mais de 80km da seguinte.

O Thalys percorre 172km,  atinge uma velocidade média de 92km/h sem paragem nenhuma.
O bilhete custa mais ou menos € 100,00

O comboio que sai às 07:10 de Lisboa-Oriente, demora 2:56 (duas horas e cinquenta e seis minutos) e para em Coimbra-B, Aveiro e Devesas/Gaia.
O Alfa Pendular, percorre 274km, atinge uma velocidade média de 93km/h (com quatro paragens)
O bilhete custa €45,00 em primeira classe.

A rota mais eficiente, parece ser Paris-Bruxelas, sem paragens, são 262km e a viagem dura 1 hora e 22 minutos. Esta rota, parece ser o modelo do ex-ministro Pedro Nuno Santos, para afirmar que podemos ir de Lisboa ao Porto os tais 274km em 1 hora e 19 minutos.
Lisboa vai ter que se transformar em Paris, e o Porto vai ter que se transformar em Bruxelas, para haver gente para ser viável. O preço é de mais ou menos €100,00 em segunda classe.


Quando lhe disseram que o TGV, feitas bem as contas, chegava 15 minutos mais cedo ao Porto, o falecido Belmiro de Azevedo, perguntou quais era os negócios milionários, que se iam perder por causa desses quinze minutos, que justificassem o gasto de tantos milhares de milhões.
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Lightning, Viajante

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 11072
  • Recebeu: 2352 vez(es)
  • Enviou: 3255 vez(es)
  • +739/-1031
Re: Sector Ferroviário
« Responder #95 em: Março 16, 2023, 04:03:52 pm »
Percebo, isto até poderia apenas ficar pela parte das mercadorias, como o Passos Coelho queria, ligar os portos de Sines, Leixões e Aveiro à linha férrea, construir a linha de Évora para Elvas/Badajoz e já está, deve ser os minimos que a UE quer.

Se a CP não tem capacidade de operar comboios tipo TGV, pode aparecer uma outra empresa que o faça, TGV da Renfe a fazer Madrid - Lisboa, por exemplo. Ou então não aparece nenhuma e fica tudo na mesma.
« Última modificação: Março 16, 2023, 04:05:20 pm por Lightning »
 

*

asalves

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 523 vez(es)
  • Enviou: 150 vez(es)
  • +366/-143
Re: Sector Ferroviário
« Responder #96 em: Março 16, 2023, 04:54:31 pm »
Percebo, isto até poderia apenas ficar pela parte das mercadorias, como o Passos Coelho queria, ligar os portos de Sines, Leixões e Aveiro à linha férrea, construir a linha de Évora para Elvas/Badajoz e já está, deve ser os minimos que a UE quer.

Se a CP não tem capacidade de operar comboios tipo TGV, pode aparecer uma outra empresa que o faça, TGV da Renfe a fazer Madrid - Lisboa, por exemplo. Ou então não aparece nenhuma e fica tudo na mesma.

Em 2014 quando foi anunciada a linha de Alta Velocidade de Mercadorias a ideia principal era ter uma linha para transporte de mercadorias e à mesma ter uma linha de transporte de passageiros que permitisse atingir os 250 Km/h (nos traçados construidos/atualizados) entretanto por uma questão de custos e mais um conjunto de desculpas (ambientais), a parte de alta velocidade para passageiros caiu. Contudo isso não implica que a linha tenha um desempenho Superior ao da linha do Norte e do Sul onde por exemplo o Alfa-Pendular só consegue atingir velocidade máximo em algumas zonas.

Entretanto sei/lembro-me de que na altura do Sócrates chegou a haver um estudo sobre a viabilidade económica do TGV projetado para a altura, e acho que o resultado não era favorável pois o preço dos bilhetes era altíssimo e tinha de haver uma forte afluência ao serviços para este ser viável economicamente. (Contudo nunca consegui encontrar este estudo, por isso não posso confirmar isto)

PS: O que encontrei sobre os estudos:
https://observador.pt/2015/01/05/projeto-tgv-custou-153-milhoes-mesmo-sem-sair-papel/
https://www.dn.pt/portugal/estudo-do-tgv-foi-feito-antes-da-crise-rebentar-1559252.html
https://www.tsf.pt/portugal/alta-velocidade-nao-teria-viabilidade-financeira---tribunal-de-contas-4324198.html

PS2: Nunca percebi pk que estes estudos não são publicos
« Última modificação: Março 16, 2023, 05:00:36 pm por asalves »
 

*

Malagueta

  • Analista
  • ***
  • 655
  • Recebeu: 171 vez(es)
  • Enviou: 225 vez(es)
  • +129/-101
Re: Sector Ferroviário
« Responder #97 em: Março 24, 2023, 04:39:00 pm »
https://jornaleconomico.pt/noticias/stadler-avalia-construcao-de-fabrica-de-comboios-em-portugal-1010426

A Stadler Rail está a avaliar a construção de uma fábrica de comboios, carruagens e outros componentes de material circulante ferroviário, apurou o Jornal Económico junto de fonte do sector. O grupo helvético é um dos três concorrentes que passaram à fase final do concurso para o fornecimento de 117 comboios para a CP, no valor de 819 milhões de euros, juntamente com o consórcio franco-luso Alstom/DST e a espanhola CAF. As regras do concurso preveem que sejam atribuídos mais pontos às propostas que apresentem maior incorporação de tecnologia nacional, com a eventual instalação de uma unidade industrial junto à oficina de manutenção da CP em Guifões, no Porto. Até ao momento, apenas a Alstom manifestou intenção de instalar essa unidade industrial em Portugal, que deverá dar emprego a mil pessoas.

https://expresso.pt/economia/transportes/2023-03-22-Governo-anuncia-pelo-menos-uma-fabrica-para-comboios-da-CP-e-reforma-legislativa-de-portos-a29d8956

Governo anuncia pelo menos uma fábrica para comboios da CP e reforma legislativa de portos

O ministro das Infraestruturas anunciou que será criada, pelo menos, uma nova fábrica para construção de comboios da CP, que criará mil empregos

O ministro das Infraestruturas anunciou, esta quarta-feira, a criação de "pelo menos uma" nova fábrica para construção de comboios da CP, que criará mil empregos, bem como "um novo capítulo para os portos nacionais" com reforma legislativa no setor.

Falando numa audição regimental na comissão parlamentar de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação, em Lisboa, João Galamba destacou os "investimentos na área de recuperação de material circulante e aquisição de novos comboios", divulgando que "a CP vai reforçar a oferta com 117 novos comboios, garantindo simultaneamente, pelo menos, uma nova fábrica em Portugal".

Questionado na ocasião sobre esta nova instalação fabril, o ministro da tutela indicou que, "na melhor das hipóteses, haverá uma fábrica, mas pode ser melhor".

A questão foi feita pelo deputado socialista Hugo Costa, que apontou que a nova fábrica para o setor ferroviário poderá gerar 1000 postos de trabalho.

Para João Galamba, a ferrovia "é uma maneira de industrializar o país", defendendo a criação de iniciativas que se "traduzam em investimento", desde que em articulação com as unidades existentes.

Nesta audição, o ministro das Infraestruturas anunciou ainda que o executivo está a "ultimar um pacote de medidas que iniciará um novo capítulo para os portos nacionais", que passa por realizar uma reforma legislativa para simplificação das regras, definir linhas estratégias, alterar o limite do prazo das concessões portuárias, promover a valorização profissional e ainda por rever o modelo de governação portuária.

"Tendo em conta que Portugal se prepara para ser um relevante produtor de hidrogénio e os seus derivados - amónia e metanol - e ainda de combustíveis sintéticos como o jet fuel, os portos nacionais podem constituir-se como uma das principais plataformas de bunkering [abastecimento] na Europa", justificou, salientando ser "urgente que o setor incorpore rapidamente respostas e medidas tendo em conta os efeitos e impacto da pandemia e do conflito na Ucrânia, apostando no reforço da industrialização".

Vincando que "Portugal beneficia de condições naturais e de uma posição geoestratégica única da qual se deve tirar ainda mais partido", João Galamba adiantou ser "este o caminho a seguir" para "reduzir a dependência externa e aumentar as exportações".

O atual enquadramento legal do sistema portuário nacional foi criado nos anos 1990 e tem permanecido inalterado.
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20857
  • Recebeu: 2474 vez(es)
  • Enviou: 257 vez(es)
  • +1157/-1484
Re: Sector Ferroviário
« Responder #98 em: Abril 04, 2023, 12:16:57 pm »
Greve da CP decorre até ao final do mês


 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 11072
  • Recebeu: 2352 vez(es)
  • Enviou: 3255 vez(es)
  • +739/-1031
Re: Sector Ferroviário
« Responder #99 em: Abril 05, 2023, 01:43:35 pm »
Stadler e Salvador Caetano vão construir fábrica de comboios em Ovar (se ganharem o concurso).

https://jornaleconomico.pt/noticias/stadler-e-salvador-caetano-vao-construir-fabrica-de-comboios-em-portugal-1015046
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW, Viajante, PTWolf

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20857
  • Recebeu: 2474 vez(es)
  • Enviou: 257 vez(es)
  • +1157/-1484
Re: Sector Ferroviário
« Responder #100 em: Abril 06, 2023, 01:33:08 pm »
Protesto no setor ferroviário


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20857
  • Recebeu: 2474 vez(es)
  • Enviou: 257 vez(es)
  • +1157/-1484
Re: Sector Ferroviário
« Responder #101 em: Abril 14, 2023, 12:19:27 pm »
Trabalhadores da CP protestam frente à sede da empresa


 

*

Malagueta

  • Analista
  • ***
  • 655
  • Recebeu: 171 vez(es)
  • Enviou: 225 vez(es)
  • +129/-101
Re: Sector Ferroviário
« Responder #102 em: Abril 19, 2023, 03:28:43 pm »
https://eco.sapo.pt/2023/04/19/cp-fecha-2022-com-os-primeiros-lucros-da-sua-historia/

CP fecha 2022 com os primeiros lucros da sua história

CP – Comboios de Portugal registou resultados líquidos positivos, de oito milhões de euros, em 2022, avança o Público (acesso condicionado). São os primeiros lucros da história da empresa, que resultam da aplicação do Contrato de Serviço Público assinado com o Estado, prevendo uma compensação pelos serviços que dão prejuízo.

Nos últimos quatro anos a CP registou, em média, cerca de 80 milhões de euros de prejuízos, mas com as compensações pelas operações que é obrigada a fazer fica agora com as contas no verde. Aquando da assinatura do documento, em 2019, a indemnização compensatória prevista para este ano era de 85,3 milhões de euros.

Este foi também um ano em que a CP transportou 148 milhões de passageiros, o maior número de passageiros nos últimos 20 anos. Do lado das receitas, destacam-se os comboios Urbanos de Lisboa (95 milhões de euros) e dos Intercidades (49 milhões). Mas o resultado também reflete ganhos de gestão do lado das despesas, nomeadamente devido à fusão da EMEF – Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário com a CP e respetivas sinergias
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 4292
  • Recebeu: 2419 vez(es)
  • Enviou: 1394 vez(es)
  • +7369/-4444
Re: Sector Ferroviário
« Responder #103 em: Abril 19, 2023, 05:20:31 pm »
https://eco.sapo.pt/2023/04/19/cp-fecha-2022-com-os-primeiros-lucros-da-sua-historia/

CP fecha 2022 com os primeiros lucros da sua história

CP – Comboios de Portugal registou resultados líquidos positivos, de oito milhões de euros, em 2022, avança o Público (acesso condicionado). São os primeiros lucros da história da empresa, que resultam da aplicação do Contrato de Serviço Público assinado com o Estado, prevendo uma compensação pelos serviços que dão prejuízo.

Nos últimos quatro anos a CP registou, em média, cerca de 80 milhões de euros de prejuízos, mas com as compensações pelas operações que é obrigada a fazer fica agora com as contas no verde. Aquando da assinatura do documento, em 2019, a indemnização compensatória prevista para este ano era de 85,3 milhões de euros.

Este foi também um ano em que a CP transportou 148 milhões de passageiros, o maior número de passageiros nos últimos 20 anos. Do lado das receitas, destacam-se os comboios Urbanos de Lisboa (95 milhões de euros) e dos Intercidades (49 milhões). Mas o resultado também reflete ganhos de gestão do lado das despesas, nomeadamente devido à fusão da EMEF – Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário com a CP e respetivas sinergias

Somos governados por anormais!

Ainda têem a lata de virem publicitar esta informação em toda a comunicação social.
Realmente uma empresa que tem receitas, a rondar os 200 milhões de euros e depois tem indemnizações compensatórias de mais de 80 milhões de euros (representa quase 1/3 das receitas totais), vir gabar-se de que deu um lucro de 8 milhões!!!!!!!

Para quem não saiba ver um Relatório de Gestão!
Então quantos anos são precisos para eliminarem a dívida de 2,5 mil milhões de euros?!  :mrgreen:

Basta referir que os capitais próprios somam a simpática quantia de 2 mil milhões de euros negativos para percebermos as tretas que nos contam da CP!!!!!!!
« Última modificação: Abril 19, 2023, 05:22:27 pm por Viajante »
 

*

asalves

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 523 vez(es)
  • Enviou: 150 vez(es)
  • +366/-143
Re: Sector Ferroviário
« Responder #104 em: Abril 27, 2023, 05:02:47 pm »
https://eco.sapo.pt/2023/04/19/cp-fecha-2022-com-os-primeiros-lucros-da-sua-historia/

CP fecha 2022 com os primeiros lucros da sua história

CP – Comboios de Portugal registou resultados líquidos positivos, de oito milhões de euros, em 2022, avança o Público (acesso condicionado). São os primeiros lucros da história da empresa, que resultam da aplicação do Contrato de Serviço Público assinado com o Estado, prevendo uma compensação pelos serviços que dão prejuízo.

Nos últimos quatro anos a CP registou, em média, cerca de 80 milhões de euros de prejuízos, mas com as compensações pelas operações que é obrigada a fazer fica agora com as contas no verde. Aquando da assinatura do documento, em 2019, a indemnização compensatória prevista para este ano era de 85,3 milhões de euros.

Este foi também um ano em que a CP transportou 148 milhões de passageiros, o maior número de passageiros nos últimos 20 anos. Do lado das receitas, destacam-se os comboios Urbanos de Lisboa (95 milhões de euros) e dos Intercidades (49 milhões). Mas o resultado também reflete ganhos de gestão do lado das despesas, nomeadamente devido à fusão da EMEF – Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário com a CP e respetivas sinergias

Somos governados por anormais!

Ainda têem a lata de virem publicitar esta informação em toda a comunicação social.
Realmente uma empresa que tem receitas, a rondar os 200 milhões de euros e depois tem indemnizações compensatórias de mais de 80 milhões de euros (representa quase 1/3 das receitas totais), vir gabar-se de que deu um lucro de 8 milhões!!!!!!!

Para quem não saiba ver um Relatório de Gestão!
Então quantos anos são precisos para eliminarem a dívida de 2,5 mil milhões de euros?!  :mrgreen:

Basta referir que os capitais próprios somam a simpática quantia de 2 mil milhões de euros negativos para percebermos as tretas que nos contam da CP!!!!!!!

Não deixo de concordar consigo sobre a fanfarrice, mas as indeminizações compensatórias ao fim ao cabo são receitas normais que a CP ao operar em rotas/linhas não lucrativas e só o faz porque é serviços publico, e como tal esse serviço tem de ser pago pelo estado.

De referir que parte da divida da CP vem de anos e anos onde era "obrigada" a fazer serviço publico em rotas nada lucrativas e não recebia nada por isso.