Plataforma Naval Multifuncional

  • 1410 Respostas
  • 132363 Visualizações
*

asalves

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 522 vez(es)
  • Enviou: 150 vez(es)
  • +366/-143
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #705 em: Março 21, 2023, 12:20:34 pm »
Eu já vos disse, numa Marinha com problemas de manutenção, vir um hidrográfico maior e mais capaz, com guarnição reduzida, que substituísse os 4 hidrográficos, sem invenções pelo meio, seria uma bênção para o orçamento de manutenção da Marinha.

Eu tb acho o PNM um absurdo, mas em relação aos hidrográficos, precisamos de quantidade, pois para além de missões cientificas em diversos locais e ao mesmo tempo os hidrográficos realizam tarefas de manutenção às Boias e afins (AMN). Ou seja 1 só navio não seria o suficiente, o que ainda demostrar mais estranha esta opção pelo PNM do que adquirir/construir pelos menos 2 unidades "normais" de navios hidrográficos.

PS. Ia consultar umas coisas em relação aos hidrográficos e parece que a pagina da Marinha está em baixo.
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 8187
  • Recebeu: 3690 vez(es)
  • Enviou: 701 vez(es)
  • +4918/-762
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #706 em: Março 21, 2023, 12:28:33 pm »
Eu tb acho o PNM um absurdo, mas em relação aos hidrográficos, precisamos de quantidade, pois para além de missões cientificas em diversos locais e ao mesmo tempo os hidrográficos realizam tarefas de manutenção às Boias e afins (AMN). Ou seja 1 só navio não seria o suficiente, o que ainda demostrar mais estranha esta opção pelo PNM do que adquirir/construir pelos menos 2 unidades "normais" de navios hidrográficos.

PS. Ia consultar umas coisas em relação aos hidrográficos e parece que a pagina da Marinha está em baixo.

Sim, poder-se-ia optar por em vez de um "mega" hidrográfico porta-drones e mais não sei quê, construir 2 navios normais.

Mas para a questão da manutenção de boias e afins, esse tipo de função não podia/devia ser feita por navios como os NPOs? Cada vez mais vemos módulos contentorizados e equipamento que pode ser instalado num navio tipo OPV, para dar aos navios capacidades que outrora não teriam.
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 17838
  • Recebeu: 5309 vez(es)
  • Enviou: 5625 vez(es)
  • +6993/-9210
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #707 em: Março 21, 2023, 12:48:28 pm »
Eu já vos disse, numa Marinha com problemas de manutenção, vir um hidrográfico maior e mais capaz, com guarnição reduzida, que substituísse os 4 hidrográficos, sem invenções pelo meio, seria uma bênção para o orçamento de manutenção da Marinha.

Eu tb acho o PNM um absurdo, mas em relação aos hidrográficos, precisamos de quantidade, pois para além de missões cientificas em diversos locais e ao mesmo tempo os hidrográficos realizam tarefas de manutenção às Boias e afins (AMN). Ou seja 1 só navio não seria o suficiente, o que ainda demostrar mais estranha esta opção pelo PNM do que adquirir/construir pelos menos 2 unidades "normais" de navios hidrográficos.

PS. Ia consultar umas coisas em relação aos hidrográficos e parece que a pagina da Marinha está em baixo.

O site apenas não quer destoar do resto da poderosa frota  :mrgreen:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, asalves

*

asalves

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 522 vez(es)
  • Enviou: 150 vez(es)
  • +366/-143
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #708 em: Março 21, 2023, 01:40:07 pm »
Eu tb acho o PNM um absurdo, mas em relação aos hidrográficos, precisamos de quantidade, pois para além de missões cientificas em diversos locais e ao mesmo tempo os hidrográficos realizam tarefas de manutenção às Boias e afins (AMN). Ou seja 1 só navio não seria o suficiente, o que ainda demostrar mais estranha esta opção pelo PNM do que adquirir/construir pelos menos 2 unidades "normais" de navios hidrográficos.

PS. Ia consultar umas coisas em relação aos hidrográficos e parece que a pagina da Marinha está em baixo.

Sim, poder-se-ia optar por em vez de um "mega" hidrográfico porta-drones e mais não sei quê, construir 2 navios normais.

Mas para a questão da manutenção de boias e afins, esse tipo de função não podia/devia ser feita por navios como os NPOs? Cada vez mais vemos módulos contentorizados e equipamento que pode ser instalado num navio tipo OPV, para dar aos navios capacidades que outrora não teriam.

A questão é que teoricamente um navio hidrográfico seria mais barato de construir/comprar operar/manter e precisaria de menos (em teoria) de tripulação por ser um navio de perfil civil/ou mais civil, o problema é que os nossos por serem antigos devem precisar de uma tripulação maior que o normal em navios mais modernos.

Para além de que há tarefas (contagem de espécies marítimas em que usam redes "tradicionais" de pesca) que é preciso um tipo de navio mais civil e com outras valências, seria um desperdício ter um NPO serie 1 ou 3 estar 1 mes no mar a fazer levantamentos da temperatura da água ou a rebocar sonares de levantamento do fundo do mar.

PS: Contudo penso que no projeto Inicial do NPO havia ideia de construir 1 versão especializada para estas tarefas onde penso que não havia o flight deck e havia um grua maior.
 

*

Vicente de Lisboa

  • Especialista
  • ****
  • 1005
  • Recebeu: 168 vez(es)
  • Enviou: 79 vez(es)
  • +48/-18
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #709 em: Março 21, 2023, 01:41:21 pm »
Eu já vos disse, numa Marinha com problemas de manutenção, vir um hidrográfico maior e mais capaz, com guarnição reduzida, que substituísse os 4 hidrográficos, sem invenções pelo meio, seria uma bênção para o orçamento de manutenção da Marinha.

Eu tb acho o PNM um absurdo, mas em relação aos hidrográficos, precisamos de quantidade, pois para além de missões cientificas em diversos locais e ao mesmo tempo os hidrográficos realizam tarefas de manutenção às Boias e afins (AMN). Ou seja 1 só navio não seria o suficiente, o que ainda demostrar mais estranha esta opção pelo PNM do que adquirir/construir pelos menos 2 unidades "normais" de navios hidrográficos.

PS. Ia consultar umas coisas em relação aos hidrográficos e parece que a pagina da Marinha está em baixo.
Pesquisa hidrográfica moderna exige mínimos de tamanho/capacidade. Manutenção regular de equipamentos, incluindo dos hidrográficos, deve ficar para embarcações dedicadas e que podem ser mais pequenas e/ou incluir essa manutenção nas suas funções normais de patrulha.
 

*

asalves

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 522 vez(es)
  • Enviou: 150 vez(es)
  • +366/-143
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #710 em: Março 21, 2023, 01:57:05 pm »
Eu já vos disse, numa Marinha com problemas de manutenção, vir um hidrográfico maior e mais capaz, com guarnição reduzida, que substituísse os 4 hidrográficos, sem invenções pelo meio, seria uma bênção para o orçamento de manutenção da Marinha.

Eu tb acho o PNM um absurdo, mas em relação aos hidrográficos, precisamos de quantidade, pois para além de missões cientificas em diversos locais e ao mesmo tempo os hidrográficos realizam tarefas de manutenção às Boias e afins (AMN). Ou seja 1 só navio não seria o suficiente, o que ainda demostrar mais estranha esta opção pelo PNM do que adquirir/construir pelos menos 2 unidades "normais" de navios hidrográficos.

PS. Ia consultar umas coisas em relação aos hidrográficos e parece que a pagina da Marinha está em baixo.
Pesquisa hidrográfica moderna exige mínimos de tamanho/capacidade. Manutenção regular de equipamentos, incluindo dos hidrográficos, deve ficar para embarcações dedicadas e que podem ser mais pequenas e/ou incluir essa manutenção nas suas funções normais de patrulha.

"Moderna" que conceito é esse?

Estou a brincar, sim eu sei que é possível, estava só a dar um exemplo (que apesar de existir melhores alternativas ainda é praticado na nossa marinha) para justificar que não faz muito sentido (é desejável) ter um patrulha a fazer o trabalho que um navio mais civil pode fazer. De referir (Apesar de em Portugal ser um universo paralelo) que tal como os aviões também existe manutenção programada ao fim de x horas para os navios, e gastar horas de navegação numa missão secundário que um outro navio com custo por hora mais barato podia fazer não é muito eficiente.

Entretanto encontrei mais informações sobre a ideia de ter uma sub-versão do NPO que era suposto substituir o NRP Schultz Xavier que foi extinto e nunca substituído por nenhum, as suas missões passaram para os navios hidrográficos e para os patrulhas.
https://barcoavista.blogspot.com/search/label/Navio%20de%20Combate%20%C3%A0%20Polui%C3%A7%C3%A3o
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 8187
  • Recebeu: 3690 vez(es)
  • Enviou: 701 vez(es)
  • +4918/-762
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #711 em: Março 21, 2023, 04:01:49 pm »
A questão é que teoricamente um navio hidrográfico seria mais barato de construir/comprar operar/manter e precisaria de menos (em teoria) de tripulação por ser um navio de perfil civil/ou mais civil, o problema é que os nossos por serem antigos devem precisar de uma tripulação maior que o normal em navios mais modernos.

Para além de que há tarefas (contagem de espécies marítimas em que usam redes "tradicionais" de pesca) que é preciso um tipo de navio mais civil e com outras valências, seria um desperdício ter um NPO serie 1 ou 3 estar 1 mes no mar a fazer levantamentos da temperatura da água ou a rebocar sonares de levantamento do fundo do mar.

PS: Contudo penso que no projeto Inicial do NPO havia ideia de construir 1 versão especializada para estas tarefas onde penso que não havia o flight deck e havia um grua maior.

Não digo eliminar os hidrográficos, para fazer as suas funções todas com NPOs. Estou a dizer é certas funções específicas (como a manutenção de boias), poder ser canalizada para outos meios.

A parte científica, aí compete a quem gere a coisa perceber qual a frequência me que estes estudos são feitos, e se exigem que haja mais que um navio, ou se pode ser o mesmo navio e ir fazendo ao longo dos anos.
 

*

mafets

  • Investigador
  • *****
  • 8535
  • Recebeu: 3176 vez(es)
  • Enviou: 990 vez(es)
  • +4054/-6362
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #712 em: Março 21, 2023, 04:36:40 pm »
Existem muitas formas de usar o PRR para meios civis na marinha. Desde hidrográficos, passando por fazer os dois NPO de combate à poluição ou Balizador e acabando na classe vigilante em que o Bach 2 custa cada um, um milhão e meio. Mas como temos um lunático com ideias da treta, apoiados por uns quantos "yes man", que acham que o homem é muita fixe, baril, o maior, ou lhes pode impulsionar a carreira, aplaudem de pé.  ::) Acredito que o Rogeiro em alguma coisa tenha razão e o Porta-Drones tenha caído,  face ao estado desta espécie de marinha e ao facto do Mr. Picas ter ido à Madeira "Lixado" aparentemente da vida com os "revoltosos", mas esquecer a miséria de navio em que aqueles membros da guarnição serviam.  :mrgreen: Velhos tempos em que o Lemos Ferreira, os tinha no sítio e recusou missões porque não tinha dinheiro, para garantir a operacionalidade dos meios.  :-P

https://observador.pt/opiniao/elogio-funebre-general-piloto-aviador-jose-lemos-ferreira/ 

Saudações

P.S. https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/37830

Citar
Este trabalho tem como objeto de estudo a capacidade hidro-oceanográfica costeira das Forças Armadas, procurando retratar como a atual capacidade se constitui como uma vulnerabilidade no atual contexto político, estratégico e operacional, culminando na apresentação de uma solução com recurso à formulação de requisitos operacionais de um novo meio. Neste sentido, foi conduzida uma investigação baseada num raciocínio dedutivo e numa estratégia qualitativa, adotando-se o estudo de caso como desenho de pesquisa, com recurso à análise documental e a entrevistas semiestruturadas. Foi possível concluir através desta investigação que os atuais navios hidrográficos costeiros apresentam um empenhamento progressivamente menor em missões de âmbito científico, em detrimento das missões de âmbito operacional. Constatou-se ainda a relevância destes meios nas atuais grandes linhas orientadoras da política e estratégia nacional e internacional, assim como nas três principais funções da Marinha. Por fim, demonstrou-se que a edificação de uma nova capacidade, comporta uma grande quantidade de oportunidades para a organização, em contraste com a não renovação dos atuais navios. A investigação culmina com a apresentação dos requisitos operacionais de um novo navio hidrográfico costeiro, com enfoque nas principais características e capacidades necessárias para o desempenho das missões científicas.



« Última modificação: Março 21, 2023, 05:03:38 pm por mafets »
"Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos." W.Churchil

http://mimilitary.blogspot.pt/
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: P44, NVF, Stalker79, Pescador, Subsea7

*

Visitante123

  • Analista
  • ***
  • 894
  • Recebeu: 312 vez(es)
  • Enviou: 177 vez(es)
  • +31/-138
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #713 em: Março 21, 2023, 06:22:17 pm »
Agora que a entrega da extensão da plataforma continental já ocorreu ainda precisamos de quatro hidrográficos? Atenção que não é pergunta retórica é uma pergunta sincera porque não faço ideia.
 

*

asalves

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 522 vez(es)
  • Enviou: 150 vez(es)
  • +366/-143
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #714 em: Março 21, 2023, 07:54:06 pm »
Agora que a entrega da extensão da plataforma continental já ocorreu ainda precisamos de quatro hidrográficos? Atenção que não é pergunta retórica é uma pergunta sincera porque não faço ideia.

Teoricamente agora é que precisamos, pois agora toda aquela área é oficialmente nossa responsabilidade.

Em relação ao que se fala, pois é meio off-topic mas tem a ver diretamente com o Multi-funcional.

Incêndio em navio-tanque ao largo da Foz do Douro

https://www.marinha.pt/pt/media-center/Noticias/Paginas/Incendio-em-navio-tanque-ao-largo-da-Foz-do-Douro-.aspx
Citar
Esta tarde, cerca das 15h30, o Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo (MRCC) de Lisboa, da Marinha, recebeu um alerta, via plataforma 112 e através do MRCC Madrid, de um incêndio no navio-tanque GRETA K, com bandeira de Malta, que se encontrava a navegar a cerca de uma milha e meia de costa, cerca de três quilómetros, junto à praia dos Ingleses, na Foz do Douro, com 19 pessoas a bordo, todas de nacionalidade filipina.

A Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), que tinha a bordo um piloto de barra no apoio ao navio que se dirigia para Leixões, conseguiu rapidamente colocar no local três navios-rebocadores a ajudar no combate ao incêndio. Também o Capitão do Porto do Douro e de Leixões empenhou duas embarcações da Estação Salva-vidas de Leixões.

O incêndio continua ativo e 12 dos tripulantes foram resgatados por embarcações das Estações Salva-vidas de Leixões, da Póvoa de Varzim e do Comando-local da Polícia Marítima de Leixões. Os outros 7 tripulantes mantiveram-se a bordo.

Neste momento, o navio está a ser rebocado uma zona afastada de costa. O navio tem a bordo gasóleo e combustível destinado a aviões (jet fuel) e não tem crude.

A Autoridade Marítima Nacional está a reforçar o material e as equipas de combate à poluição para alguma eventualidade de foco de poluição.

O Instituto Hidrográfico, da Marinha, também se encontra a acompanhar a situação para a eventual necessidade de cálculo da deriva, em caso de foco de poluição.

Não percebo nada disto e para bem de todos espero que se consiga controlar a situação antes de maiores problemas, mas se houver fuga ainda vamos ver a Marinha afundar-se mais um pouco, pois acho que os kits para exercícios que existem de combate à poluição não vão ser suficientes.

E como foi falado não há navio especializados na marinha para isso.
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 8187
  • Recebeu: 3690 vez(es)
  • Enviou: 701 vez(es)
  • +4918/-762
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #715 em: Março 21, 2023, 09:29:27 pm »
A função de combate à poluição não estava, pelo menos em parte, dependente da última LDG que tivemos ao serviço? Falou-se de muito coisa, inclusive módulos contentorizados para o NPO ao invés de NPC dedicados e afins. Mas deve estar tudo por águas de bacalhau, e nem os módulos das SF300 para esse fim foram adquiridos.
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 17838
  • Recebeu: 5309 vez(es)
  • Enviou: 5625 vez(es)
  • +6993/-9210
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #716 em: Março 22, 2023, 09:26:34 am »
Agora que a entrega da extensão da plataforma continental já ocorreu ainda precisamos de quatro hidrográficos? Atenção que não é pergunta retórica é uma pergunta sincera porque não faço ideia.

Teoricamente agora é que precisamos, pois agora toda aquela área é oficialmente nossa responsabilidade.

Em relação ao que se fala, pois é meio off-topic mas tem a ver diretamente com o Multi-funcional.

Incêndio em navio-tanque ao largo da Foz do Douro

https://www.marinha.pt/pt/media-center/Noticias/Paginas/Incendio-em-navio-tanque-ao-largo-da-Foz-do-Douro-.aspx
Citar
Esta tarde, cerca das 15h30, o Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo (MRCC) de Lisboa, da Marinha, recebeu um alerta, via plataforma 112 e através do MRCC Madrid, de um incêndio no navio-tanque GRETA K, com bandeira de Malta, que se encontrava a navegar a cerca de uma milha e meia de costa, cerca de três quilómetros, junto à praia dos Ingleses, na Foz do Douro, com 19 pessoas a bordo, todas de nacionalidade filipina.

A Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), que tinha a bordo um piloto de barra no apoio ao navio que se dirigia para Leixões, conseguiu rapidamente colocar no local três navios-rebocadores a ajudar no combate ao incêndio. Também o Capitão do Porto do Douro e de Leixões empenhou duas embarcações da Estação Salva-vidas de Leixões.

O incêndio continua ativo e 12 dos tripulantes foram resgatados por embarcações das Estações Salva-vidas de Leixões, da Póvoa de Varzim e do Comando-local da Polícia Marítima de Leixões. Os outros 7 tripulantes mantiveram-se a bordo.

Neste momento, o navio está a ser rebocado uma zona afastada de costa. O navio tem a bordo gasóleo e combustível destinado a aviões (jet fuel) e não tem crude.

A Autoridade Marítima Nacional está a reforçar o material e as equipas de combate à poluição para alguma eventualidade de foco de poluição.

O Instituto Hidrográfico, da Marinha, também se encontra a acompanhar a situação para a eventual necessidade de cálculo da deriva, em caso de foco de poluição.

Não percebo nada disto e para bem de todos espero que se consiga controlar a situação antes de maiores problemas, mas se houver fuga ainda vamos ver a Marinha afundar-se mais um pouco, pois acho que os kits para exercícios que existem de combate à poluição não vão ser suficientes.

E como foi falado não há navio especializados na marinha para isso.

Aplique-se o lema oficioso da marinheca

"Deixa arder*
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 3719
  • Recebeu: 2486 vez(es)
  • Enviou: 1954 vez(es)
  • +5691/-2730
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #717 em: Março 22, 2023, 09:44:31 am »
Eu já vos disse, numa Marinha com problemas de manutenção, vir um hidrográfico maior e mais capaz, com guarnição reduzida, que substituísse os 4 hidrográficos, sem invenções pelo meio, seria uma bênção para o orçamento de manutenção da Marinha.

Eu tb acho o PNM um absurdo, mas em relação aos hidrográficos, precisamos de quantidade, pois para além de missões cientificas em diversos locais e ao mesmo tempo os hidrográficos realizam tarefas de manutenção às Boias e afins (AMN). Ou seja 1 só navio não seria o suficiente, o que ainda demostrar mais estranha esta opção pelo PNM do que adquirir/construir pelos menos 2 unidades "normais" de navios hidrográficos.

PS. Ia consultar umas coisas em relação aos hidrográficos e parece que a pagina da Marinha está em baixo.
Pesquisa hidrográfica moderna exige mínimos de tamanho/capacidade. Manutenção regular de equipamentos, incluindo dos hidrográficos, deve ficar para embarcações dedicadas e que podem ser mais pequenas e/ou incluir essa manutenção nas suas funções normais de patrulha.

"Moderna" que conceito é esse?

Estou a brincar, sim eu sei que é possível, estava só a dar um exemplo (que apesar de existir melhores alternativas ainda é praticado na nossa marinha) para justificar que não faz muito sentido (é desejável) ter um patrulha a fazer o trabalho que um navio mais civil pode fazer. De referir (Apesar de em Portugal ser um universo paralelo) que tal como os aviões também existe manutenção programada ao fim de x horas para os navios, e gastar horas de navegação numa missão secundário que um outro navio com custo por hora mais barato podia fazer não é muito eficiente.

Entretanto encontrei mais informações sobre a ideia de ter uma sub-versão do NPO que era suposto substituir o NRP Schultz Xavier que foi extinto e nunca substituído por nenhum, as suas missões passaram para os navios hidrográficos e para os patrulhas.
https://barcoavista.blogspot.com/search/label/Navio%20de%20Combate%20%C3%A0%20Polui%C3%A7%C3%A3o

Este projecto fazia parte da ideia inicial de construir 2 desses. A pergunta que fazia é: Será que esses não podiam ser feitos com as tais verbas da UE?
Afinal a base do navio é combate a poluição e pode fazer outras tarefas mais civis, como tratar das boias, apoio a investigação, etc e até fazer a patrulha interna.
Estes até podiam estar armados só como os da 2ª série estão, mesmo que de raiz possa levar o mesmo que os da 1ª
« Última modificação: Março 22, 2023, 09:45:54 am por Pescador »
 

*

asalves

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 522 vez(es)
  • Enviou: 150 vez(es)
  • +366/-143
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #718 em: Março 22, 2023, 11:45:48 am »
Eu já vos disse, numa Marinha com problemas de manutenção, vir um hidrográfico maior e mais capaz, com guarnição reduzida, que substituísse os 4 hidrográficos, sem invenções pelo meio, seria uma bênção para o orçamento de manutenção da Marinha.

Eu tb acho o PNM um absurdo, mas em relação aos hidrográficos, precisamos de quantidade, pois para além de missões cientificas em diversos locais e ao mesmo tempo os hidrográficos realizam tarefas de manutenção às Boias e afins (AMN). Ou seja 1 só navio não seria o suficiente, o que ainda demostrar mais estranha esta opção pelo PNM do que adquirir/construir pelos menos 2 unidades "normais" de navios hidrográficos.

PS. Ia consultar umas coisas em relação aos hidrográficos e parece que a pagina da Marinha está em baixo.
Pesquisa hidrográfica moderna exige mínimos de tamanho/capacidade. Manutenção regular de equipamentos, incluindo dos hidrográficos, deve ficar para embarcações dedicadas e que podem ser mais pequenas e/ou incluir essa manutenção nas suas funções normais de patrulha.

"Moderna" que conceito é esse?

Estou a brincar, sim eu sei que é possível, estava só a dar um exemplo (que apesar de existir melhores alternativas ainda é praticado na nossa marinha) para justificar que não faz muito sentido (é desejável) ter um patrulha a fazer o trabalho que um navio mais civil pode fazer. De referir (Apesar de em Portugal ser um universo paralelo) que tal como os aviões também existe manutenção programada ao fim de x horas para os navios, e gastar horas de navegação numa missão secundário que um outro navio com custo por hora mais barato podia fazer não é muito eficiente.

Entretanto encontrei mais informações sobre a ideia de ter uma sub-versão do NPO que era suposto substituir o NRP Schultz Xavier que foi extinto e nunca substituído por nenhum, as suas missões passaram para os navios hidrográficos e para os patrulhas.
https://barcoavista.blogspot.com/search/label/Navio%20de%20Combate%20%C3%A0%20Polui%C3%A7%C3%A3o

Este projecto fazia parte da ideia inicial de construir 2 desses. A pergunta que fazia é: Será que esses não podiam ser feitos com as tais verbas da UE?
Afinal a base do navio é combate a poluição e pode fazer outras tarefas mais civis, como tratar das boias, apoio a investigação, etc e até fazer a patrulha interna.
Estes até podiam estar armados só como os da 2ª série estão, mesmo que de raiz possa levar o mesmo que os da 1ª

Secalhar dava, até mesmo as lanchas para o ISN ou a esticar muito até as lanchas de fiscalização costeira (LFC) que também estiveram "planeadas" e nunca saíram do papel.

PS: Até 1 ou 2 Lancha Desembarque Médio (ou algo parecido) com a desculpa de apoiar as ilhas.
« Última modificação: Março 22, 2023, 11:47:19 am por asalves »
 

*

Vicente de Lisboa

  • Especialista
  • ****
  • 1005
  • Recebeu: 168 vez(es)
  • Enviou: 79 vez(es)
  • +48/-18
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #719 em: Março 22, 2023, 12:51:12 pm »
Agora que a entrega da extensão da plataforma continental já ocorreu ainda precisamos de quatro hidrográficos? Atenção que não é pergunta retórica é uma pergunta sincera porque não faço ideia.
A ciência nunca acaba. Para fazer a extensão da plataforma continental foi preciso explorar os limites da mesma, mas continua a ser preciso conhecer o que está no fundo, o que mudou desde a última vez que se olhou, conhecer melhor as correntes, como estão a mudar, etc. Estás a falar do país ficar com uns 3 milhões de km2 de mar, a maioria dos quais praticamente desconhecidos, por estarem a grandes profundidades. Já para não falar de que oceanografia não é só conhecer o que está no fundo mas tudo o que está entre ele e a superfície, como varia ao longo dos tempos, e como interage com a atmosfera. O IPMA, o IH, a EMEPC, mais a privadas, todas juntas, têm séculos de trabalho pela frente.