Brigada de Intervenção

  • 106 Respostas
  • 27010 Visualizações
*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 10461
  • Recebeu: 5813 vez(es)
  • Enviou: 4485 vez(es)
  • +8506/-1865
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #60 em: Maio 15, 2022, 07:42:14 pm »
O 777 é muito superior ao 114 mas continua a não ser o material indicado para uma brigada como a BrigInt.

https://mil.in.ua/en/news/skify-the-ukrainian-armed-forces-have-developed-a-battery-that-fights-with-the-m777/

Abraços

Ok, opinião polémica. Podes elaborar?

 PS: Não tenho opinião formada em relação ao M777 vs Ceaser 6x6, pois é uma questão mais complexa do que aparenta.

Mais ainda ??
Será muito mais fácil e rapido se leres os meus posts sobre os SA rebocados vs os AP.
Quem defende um material rebocado para uma brigada mecanizada está mesmo muito longe da realidade do emprego das unidades mec(R) e da necessidade que tem da rapidez do emprego do apoio de fogos indirecto.

Os 114 foram colocados na BrigInt por desenrascanso/falta verba para meios adequados assim como irá acontecer com os 777.

Abraços

« Última modificação: Maio 15, 2022, 07:43:05 pm por tenente »
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 11180
  • Recebeu: 2403 vez(es)
  • Enviou: 3369 vez(es)
  • +762/-1037
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #61 em: Maio 15, 2022, 08:30:06 pm »
O 777 é muito superior ao 114 mas continua a não ser o material indicado para uma brigada como a BrigInt.

https://mil.in.ua/en/news/skify-the-ukrainian-armed-forces-have-developed-a-battery-that-fights-with-the-m777/

Abraços

Ok, opinião polémica. Podes elaborar?

 PS: Não tenho opinião formada em relação ao M777 vs Ceaser 6x6, pois é uma questão mais complexa do que aparenta.

Não me parece que seja polémica.
O M777 é melhor que o M114. Mas para uma Brigada que possui mobilidade própria (não está à espera da aviação para isso), dentro das possibilidades com rodas, é melhor a artilharia ser autopropulsionada do que rebocada.
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 2894
  • Recebeu: 591 vez(es)
  • Enviou: 360 vez(es)
  • +161/-472
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #62 em: Maio 15, 2022, 09:33:17 pm »
O 777 é muito superior ao 114 mas continua a não ser o material indicado para uma brigada como a BrigInt.

https://mil.in.ua/en/news/skify-the-ukrainian-armed-forces-have-developed-a-battery-that-fights-with-the-m777/

Abraços

Ok, opinião polémica. Podes elaborar?

 PS: Não tenho opinião formada em relação ao M777 vs Ceaser 6x6, pois é uma questão mais complexa do que aparenta.

Mais ainda ??
Será muito mais fácil e rapido se leres os meus posts sobre os SA rebocados vs os AP.
Quem defende um material rebocado para uma brigada mecanizada está mesmo muito longe da realidade do emprego das unidades mec(R) e da necessidade que tem da rapidez do emprego do apoio de fogos indirecto.

Os 114 foram colocados na BrigInt por desenrascanso/falta verba para meios adequados assim como irá acontecer com os 777.

Abraços
Pode ser que seja eu que percebi mal. 8)
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 10461
  • Recebeu: 5813 vez(es)
  • Enviou: 4485 vez(es)
  • +8506/-1865
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #63 em: Maio 16, 2022, 08:15:56 am »
Capitulo 4
O Sistema de Artilharia de Campanha Nacional. Uma solução para a BrigInt.
 
4.1. O Sistema de Artilharia de Campanha Nacional 
 
Em Portugal, à semelhança de um pouco por toda a Europa, consequência do incremento das FND em Operações de Apoio À Paz (OAP), genericamente consideradas operações de baixos custos, a Artilharia tem sido secundarizada face ao conjunto de valências que a Arma revela. Para esta situação concorrem dois motivos: a situação político-económica, potenciando a existência de lacunas significativas em equipamentos essenciais, designadamente no comando e controlo ou de aquisição de objetivos, valências cultivadas desde sempre pela Arma e extremamente valorizadas em contexto multinacional.
No cumprimento da sua missão, a AC constitui-se como um sistema integrado, englobando o C2, vigilância e aquisição de objetivos e armas e munições. Os sistemas próprios da AC são essenciais em todo o espetro de conflitos, estando o seu empenho e modo de emprego condicionado às regras de empenhamento (ROE – Rules of Engagement) determinadas para a operação.

No SF nacional, o apoio de fogos orgânico das Brigadas assenta preferencialmente no GAC. O calibre de 155 mm é atualmente o calibre padrão definido pela NATO para apoio das Brigadas Médias e Pesadas, pois garante os fogos de massa, a profundidade necessária às forças de manobra (maior disponibilidade de alcances ≥ 40 km), bem como a utilização de todo o espetro de munições especiais existentes. O calibre de 105 mm, outrora considerado como o mais adequado para garantir o apoio de fogos a forças aerotransportadas e aeromóveis, bem como para emprego em cenários montanhosos e especialmente nos urbanos pela sua maior flexibilidade de emprego (peso), tem vindo a ser preterido face ao calibre 155 mm. Tal fato deve-se não só aos reduzidos alcances providenciados por este calibre, insuficientes dadas a descontinuidade das atuais Áreas de Operações (AOp) e distâncias entre Forças (com implicações no respetivos apoios de fogos e combate) que caraterizam os Teatros de Operações do atual cenário de conflitualidade.
Concorre para este “desinteresse” o facto da evolução tecnológica ao nível das munições registar significativos desenvolvimentos somente no calibre 155 mm, como são o caso das munições “Excalibur” e das espoletas de precisão guiadas “XM1156 Precision Guidance Kit (PGK)” (Grilo & Mimoso, 2010).
No âmbito da aquisição de objetivos, são considerados como meios próprios da AC a seguinte tipologia de sistemas: radares de localização de armas (RLA), radares de localização de alvos móveis (RLAM), e sistema acústico de localização de armas (SALA). Em termos nacionais, o GAC dispõe de 1 Pelotão de Aquisição de Objetivos (PAO). 
As forças solicitadas a Portugal no âmbito do NATO Defence Planning Process (NDPP) são um GAC 155 AP, uma BtrAAA e meios de aquisição de objetivos do Agrupamento ISTAR (UAV, OAv, RLAM, RLA e SALA). 
Relativamente à BrigInt, esta poderá constituir-se como a Brigada especialmente apta para ser disponibilizada para a NATO, consequência direta dos meios disponíveis, tecnologicamente mais evoluídos. 
Pela mesma ordem de razões consideradas para a BrigMec, o atual GAC 155 M114 e a BtrAAA que se encontram atribuídos à BrigInt respondem à organização para o combate. Contudo, sobre este GAC pendem três vulnerabilidades significativas:
alcance insuficiente face aos atuais desenvolvimentos táticos;
Exigência de um volume significativo de pessoal ao nível das guarnições de obuses;
E não inserção no AFATDS
.
Esta realidade ditaria a sua descontinuidade, caso houvessem alternativas.


4.2. A Artilharia de Campanha na Revisão da Lei de Programação Militar 2014
 
No Sistema de Forças Nacional, as vulnerabilidades e riscos mais significativos para a Artilharia de Campanha (AC), passam por não se dispor do Apoio de fogos de AC adequado na BrigInt, ou seja, incapaz de atingir os requisitos mínimos de certificação NATO (Targets).
Relativamente à estratégia genética da AC, o objetivo passa por efetuar upgrades aos dois sistemas não obsoletos, M119 LightGun e M109 A5, proporcionando-lhes um acréscimo de capacidade no que às pontarias e direção do tiro diz respeito, e à aquisição de um obus para substituir o material obsoleto (M114 A1) com o correspondente Sistema Automático de Comando e Controlo, compatível com o sistema AFATDS que equipa os restantes grupos .
Os planos de implementação dos GAC dos Sistema de Forças Nacional, apontam para os seguintes investimentos principais :
1   Capacidade de Forças ligeiras (GAC BrigRR) o Melhoramento dos equipamentos dos Observadores Avançados de Artilharia e de topografia do Grupo;
2   Upgrade Obus M119 LightGun (tipo LINAPS  ou DINAPS ); o Aquisição de Morteiros estriados 120 mm (12), com as respetivas lunetas e calculadora de tiro;
3   Aquisição do Sistema de Mobilidade Tática Terrestre (tipo PAMU) (12).
   Capacidade de Forças Médias (GAC BrigInt) o Melhoramento dos equipamentos dos Observadores Avançados de Artilharia e de topografia do grupo;
1   Aquisição de 18 sistemas Obus 155 mm de acordo com as especificações técnicas a elaborar;
2   Aquisição de Sistema Automático de Comando e Controlo compatível com o Obus a adquirir e com os restantes equipamentos dos outros GAC;
3      O Upgrade Simulador Infront 3D
.
 
   Capacidade de Forças Pesadas (GAC BrigMec) o Melhoramento dos equipamentos dos Observadores Avançados de Artilharia e de topografia do grupo;
1   Upgrade Obus M109 A5 para a tipologia M109 A5+;
2      Upgrade Simulador Infront 3D.
As verbas que ficaram planeadas em sede de revisão da Lei de Programação Militar (Lei Orgânica 7/2015) relativas à AC, devido à sua priorização no contexto das unidades da componente operacional e face aos cenários e missões atribuídas ao Exército, inviabilizam a edificação sustentada da AC, tendo sido atribuídas verbas simbólicas aos projetos (face ao seu valor de referência), de forma a mantê-los visíveis junto da tutela, manifestando assim a intenção do Comando do Exército de continuar a considerar a sua edificação.

De realçar que o objetivo de efetuar o reajustamento dos projetos do Exército com financiamento, teve por finalidade, permitir a margem de manobra necessária ao Comando do Exército, garantindo verbas em todas as capacidades e projetos, de forma a poder redirecionar o esforço de investimento, se necessário.

A AC das Forças ligeiras tem financiamento planeado em 2023, e a das Forças Médias em 2023 e 2024, mas com verbas apenas simbólicas, muito aquém das necessárias, nomeadamente para o reequipamento do GAC da BrigInt. O GAC da capacidade das Forças Pesadas ficou sem financiamento planeado .

Perspetivando-se nova revisão da LPM em 2018, é urgente reavaliar os planos de implementação destes três projetos, no sentido de, aproveitando a oportunidade entretanto encontrada de partição dos projetos na ferramenta Microsoft Entreprise Project Management (MS-EPM), poder inserir alguns dos subprojectos dos três GAC do sistema de forças para que, aquando da respetiva análise de portefólio anual, o mesmo possa ser financiado pela LPM.

Ou seja as putas das LPM. como eu venho afirmando há anos, não servem para rigorosamente, coisa nenhuma a não ser o veiculo utilizado para a divulgação do continuo rol de aldrabices/mentiras atrás de mentiras sobre o reequipamento das FFAA, neste caso o Exército, que os (DES)governantes utilizam como propaganda politica sobre o seu interessa nas FFAA ! !!


Abraços
« Última modificação: Maio 16, 2022, 08:20:03 am por tenente »
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 10461
  • Recebeu: 5813 vez(es)
  • Enviou: 4485 vez(es)
  • +8506/-1865
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #64 em: Maio 18, 2022, 07:21:36 am »
Já que os especialistas Militares, andam ás voltas com o triple seven aqui vai esta opção, mas que não deixa de ser o que é, Artilharia Rebocada, pois a definição de portee não se aplica na integra.


The M777 Portee was developed by BAE Systems as a private venture to meet a British Army requirement for LIMAWS (G) or Lightweight Mobile Artillery Weapon System – Gun program.
The M777 Portee uses a revolutionary M777 155 mm/L39 lightweight field howitzer, adopted by the US Army, US Marine Corps, and a number of other countries. Maximum range of fire is 30 km with rocket-assisted projectile.
This howitzer also fires Excalibur precision guided extended range projectiles with a maximum range of 40 km. Intense rate of fire is 5 rounds per minute, sustained rate is 2 rounds per minute.
The advantage of such design is that the M777 Portee is more mobile than ordinary towed howitzers.
Cab of the M777 Portee provides light armor protection and NBC protection for the crew. It accommodates the driver plus the gun crew of 5 men.
The M777 Portee is based on a Supacat HMT 800 8×6 high mobility truck chassis. Vehicle can be carried by a C-130 transport aircraft. Also it can be carried underslung by two CH-47 Chinook helicopters.

https://militaryleak.com/2017/10/19/m777-portee-155-mm-howitzer/

PS : este SA não foi avante no Exercito Britânico por falta de verba

Abraços

« Última modificação: Maio 18, 2022, 07:35:32 am por tenente »
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 5441
  • Recebeu: 4093 vez(es)
  • Enviou: 10664 vez(es)
  • +8484/-248
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #65 em: Maio 18, 2022, 08:37:06 am »
Este Portee é uma solução de preguiçosos. Podiam ter ido um pouco mais além e ter utilizado a mesma peça numa solução tipo CAESAR. Mas o que é mesmo impressionante é o Archer — quase ao nível dos obuses AP de lagartas. Infelizmente, também é bastante caro.

Talent de ne rien faire
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente, PTWolf

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 10461
  • Recebeu: 5813 vez(es)
  • Enviou: 4485 vez(es)
  • +8506/-1865
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #66 em: Maio 18, 2022, 08:55:35 am »
Este Portee é uma solução de preguiçosos. Podiam ter ido um pouco mais além e ter utilizado a mesma peça numa solução tipo CAESAR. Mas o que é mesmo impressionante é o Archer — quase ao nível dos obuses AP de lagartas. Infelizmente, também é bastante caro.


Uma missão de tiro de apenas uma BF, com entrada em posição, três disparos, e saida da posição num minuto e vinte, fabuloso !!!
O Caesar é mais lento mas comparando com qq sistema de artilharia rebocado é muito bom.
fui ver o custo do archer e fiquei espantado, é mais barato que o Caesar ??!!

Abraço
« Última modificação: Maio 18, 2022, 10:44:09 am por tenente »
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 

*

PTWolf

  • Analista
  • ***
  • 835
  • Recebeu: 378 vez(es)
  • Enviou: 1887 vez(es)
  • +1034/-197
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #67 em: Maio 18, 2022, 11:44:49 am »
Citar
The howitzer is operated by three or four crew. The system also includes a munition carrier consisting of a removable, modified standard container mounted on a ballistic-proofed all-terrain lorry. The unit cost is approximately $4,500,000.
Fonte: Wikipédia  c56x1
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 9144
  • Recebeu: 4457 vez(es)
  • Enviou: 793 vez(es)
  • +5131/-852
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #68 em: Maio 18, 2022, 02:51:26 pm »
O único, ou principal, impedimento do Archer, parece-me o facto de não poder ser transportado pelos nossos actuais e futuros "cargueiros estratégicos".
 

*

CruzSilva

  • Investigador
  • *****
  • 1511
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 2335 vez(es)
  • +720/-131
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #69 em: Maio 18, 2022, 03:10:54 pm »
O único, ou principal, impedimento do Archer, parece-me o facto de não poder ser transportado pelos nossos actuais e futuros "cargueiros estratégicos".

Nós já alugamos meios aéreos para tudo... mais aluguer menos aluguer mais vale comprar o Archer.
"Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens fracos - homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis criam homens fortes."
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 5441
  • Recebeu: 803 vez(es)
  • Enviou: 802 vez(es)
  • +563/-2618
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #70 em: Maio 18, 2022, 03:45:10 pm »
Começo apoiar a compra do CAESER, pelo menos a saída do posição é mais facil.

"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LuisPolis

*

CruzSilva

  • Investigador
  • *****
  • 1511
  • Recebeu: 594 vez(es)
  • Enviou: 2335 vez(es)
  • +720/-131
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #71 em: Maio 18, 2022, 08:37:16 pm »
Começo apoiar a compra do CAESER, pelo menos a saída do posição é mais facil.


Também me agrada essa opção até porque a Brigada de Intervenção é constituida fundamentalmente por meios sobre rodas.
"Homens fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens fracos - homens fracos criam tempos difíceis e tempos difíceis criam homens fortes."
 

*

LuisPolis

  • Especialista
  • ****
  • 1162
  • Recebeu: 398 vez(es)
  • Enviou: 575 vez(es)
  • +201/-2377
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #72 em: Maio 19, 2022, 10:58:25 am »
Existe alguma razão para os modelos Eslovacos como o Eva nunca entrarem nas possibilidades? É que pelo menos com esses (tal como o Archer) não é preciso o pessoal sair para fora do carro.



https://militaryleak.com/2020/12/30/eva-8x8-155mm-self-propelled-howitzer/
« Última modificação: Maio 19, 2022, 10:59:44 am por LuisPolis »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Pescador

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 10461
  • Recebeu: 5813 vez(es)
  • Enviou: 4485 vez(es)
  • +8506/-1865
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #73 em: Maio 20, 2022, 08:10:05 am »
O único, ou principal, impedimento do Archer, parece-me o facto de não poder ser transportado pelos nossos actuais e futuros "cargueiros estratégicos".

Nós já alugamos meios aéreos para tudo... mais aluguer menos aluguer mais vale comprar o Archer.

Se os preços que tenho estão correctos um Archer andará á volta dos 4,5 milhões e um Caesar por 7,5 milhões.
Um GAC Archer, ficaria por 81 milhões e um GAC Caesar ficaria por 135 milhões.



Abraços
« Última modificação: Maio 20, 2022, 09:23:29 am por tenente »
Quando um Povo/Governo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: CruzSilva

*

PTWolf

  • Analista
  • ***
  • 835
  • Recebeu: 378 vez(es)
  • Enviou: 1887 vez(es)
  • +1034/-197
Re: Brigada de Intervenção
« Responder #74 em: Maio 20, 2022, 09:55:43 am »
O único, ou principal, impedimento do Archer, parece-me o facto de não poder ser transportado pelos nossos actuais e futuros "cargueiros estratégicos".

Nós já alugamos meios aéreos para tudo... mais aluguer menos aluguer mais vale comprar o Archer.

Se os preços que tenho estão correctos um Archer andará á volta dos 4,5 milhões e um Caesar por 7,5 milhões.
Um GAC Archer, ficaria por 81 milhões e um GAC Caesar ficaria por 135 milhões.



Abraços

É o que todo o bom tuga gosta: Bom, Bonito e Barato  :D
(sem ironia)