África é novo destino de investimentos do Brasil

  • 0 Respostas
  • 2734 Visualizações
*

Sniper BR

  • Membro
  • *
  • 54
  • +0/-0
África é novo destino de investimentos do Brasil
« em: Julho 13, 2008, 06:11:38 pm »
Quem ouve falar em África e ainda pensa apenas nas selvas repletas de leões e girafas ou em populações em condições subhumanas pode se surpreender com os números que despontam e mostram um continente diferente, ou seja, em plena ebulição e ávido por investimentos. Empresas brasileiras descobriram o mapa do tesouro antes de outras e começam a fazer altos investimentos diretos nessa nova fronteira.

A economia africana, de acordo com relatório do Banco Mundial (Bird), deve crescer 6,3%, este ano, ou seja, acima da meta traçada para o Brasil, que varia de 4% a 5%. Mas as empresas brasileiras que apostaram no desbravamento dos negócios, que são a cada dia mais atrativos por lá, crescem bem acima desses percentuais. Algumas, como a Marcopolo, que já fabrica seus ônibus na África do Sul e agora vai investir US$ 50 milhões em nova unidade no Egito, é uma das que pretendem duplicar sua produção no curto prazo. Construtora Norberto Odebrecht, Petrobras, Vale, entre várias outras, são exemplos de empresas de sangue brasileiro que já têm bons lucros no continente.

A Petrobras vai investir US$ 1,4 bilhão na Nigéria e US$ 900 milhões em Angola. A Vale está em Moçambique desde novembro de 2004, quando venceu a concorrência internacional para realizar estudo de viabilidade para exploração de carvão em Moatize. O projeto saiu do papel e vai consumir, no total, US$ 1,5 bilhão e tem a participação da Odebrecht que, por sua vez, está na África desde 1984 e investiu muitos bilhões por lá. Seu primeiro projeto foi a Hidrelétrica de Capanda, que também teve a participação de Furnas. Depois dela, vieram centenas de outros, que vão desde a construção de aeroportos e ferrovias até condomínios de luxo, como o Atlântico Sul, e o primeiro shopping de Angola, que custou cerca de US$ 35 milhões. Até a Copasa já fincou seu pé na África, primeiro como consultora, num contrato de US$ 250 mil. E agora está com um escritório em Luanda, em Angola, em um projeto novo, de US$ 1,63 milhão.

Estrela

A estrela africana na atração de investimentos diretos brasileiros, inclusive, é Angola. O país, que deve crescer 25,4%, este ano, de acordo com o relatório do Bird, é o que mais tem a presença de empresas brasileiras. O embaixador do Brasil em Angola, Afonso Cardoso, conta que já chegaram a estimar a existência de 25 mil brasileiros vivendo em Angola. Porém, só há 4,4 mil registrados no setor consular da embaixada. O que dificulta a estimativa do número de brasileiros residentes em Angola é o fato de que boa parte dessa população é flutuante, ou seja, fica indo e vindo entre os dois países.

A falta de estatísticas na África ronda todos os países. Nem mesmo nas embaixadas do Brasil nos maiores países africanos há dados concretos sobre os recursos aplicados pelas empresas brasileiras no continente. “Não sabemos exatamente quantas empresas do Brasil atuam aqui”, afirma Cardoso. Mas a força dos empresários brasileiros em Angola pode ser medida por outras fontes. No país, já há até uma Associação de Empresários e Executivos Brasileiros em Angola (Aebran), com 30 empresas cadastradas.

O presidente da Aebran, Alberto Cury Esper Filho, inclusive, é o único que conseguiu fazer uma estimativa dos investimentos de brasileiros em Angola. Segundo ele, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) destinou, este ano, uma linha de crédito de US$ 1,75 bilhões para investimentos em Angola. O Programa de Financiamento às Exportações (Proex) destinou outros US$ 300 milhões. Com isso, são US$ 2,05 bilhões. “Mas há, no mínimo, o dobro desse valor em recursos próprios das empresas”, afirma. Isso significa que são cerca de US$ 4 bilhões de investimentos brasileiros circulando por grandes obras, clínicas e até shopping centers construídos em Angola.

http://www.superavit.com.br/
"Eu não tenho que lhes dizer. Quem ganhou a Guerra os senhores sabem: foi a Artilharia"
(PATTON - sobre a 2ª GM)