Novidades sobre as OHP!!!

  • 134 Respostas
  • 31933 Visualizações
*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5480
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +1410/-2
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #60 em: Junho 17, 2005, 10:20:21 pm »
O problema, como já referi noutro lado, é que o valor de €240 milhões, não foi nunca referido por ninguém, que não o jornal O Independente.

€ 240 milhões, sería o preço, por alto, que custaria a Portugal modernizar as Perry ao nível das fragatas da Australia, e transforma-las em navios muito mais sofisticados, acrescentando-lhes um lançador vertical para misseis ESSM, e alterando vários outros sistemas.

Estas Perry, ficariam fragatas mais sofisticadas que as Vasco da Gama. O problema, é que se trata de navios antigos, e seria um pouco deitar dinheiro fora ao fazer este tipo de operação. Principalmente porque, por esse dinheiro tinha sido possivel comprar as J.v.Hemsckerk que eram mais modernas, embora sobre as Perry tivesse apenas a vantagem de um radar muito melhor. De resto, as JvH têm as mesmas armas das Perry, e nem sequer têm um canhão.

Sinceramente gostava de saber qual a razão da referência a esses € 240 mihões.

Porque se Paulo Portas estava a pensar de facto na modernização das Perry a um padrão muito mais sofisticado, o que implicaría o gasto de mais dinheiro, então o argumento de que não comprámos as fragatas da Holanda porque não havia dinheiro, deixaria de fazer sentido.

Mas a LPM não previa € 240 milhões para as fragatas e sim € 80 milhões, para a substituição das João Belo,  que eram três, mas seríam  substituidas por duas. Logo €80M a dividir por 2 = €40M.

A aquisição de novas fragatas, custará mais ou menos o mesmo que custou o programa dos submarinos, ou seja, de €800 a €1000 milhões (dependendo do modelo).

A escolha mais lógica, para mim, seria o modelo de fragata anti-aérea holandesa..

O que pode estar a ocorrer, neste momento, é que para conseguir gastar menos dinheiro, nem os €80 milhões previstos para o programa de substituição das João Belo estejam disponíveis. E aí sim, o programa das Perry pode ser afectado.

Não sei também qual será a posição da marinha quanto ao estado das João Belo, e quanto custará tentar extender o periodo de vida util destas fragatas, para mais uns cinco a oito anos, até que se possa pensar em fragatas novas.

Se eu fosse governante, neste momento atrasava ou cancelava as Perry e dizia à opinião pública que as F.A. estão a fazer a sua parte do sacrificio. Até ao fim da legislatura, ía mostrando os NPO's e realçando as suas capacidades. Fazem-se umas conferências de imprensa a bordo, leva-se a criançada no Dia da Defesa Nacional para o mar etc...
Depois, se a situação económica melhorasse, e depois de ganhar as eleições (logo a seguir, que é quando se apresentam as medidas complicadas) tratava de explicar que Portugal só tem três barcos de guerra e que precisa de mais dois.

Mas o mais provável é que vamos andando com uma marinha de NPO's e vá lá com sorte.

Cumprimentos
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7627
  • Recebeu: 577 vez(es)
  • Enviou: 191 vez(es)
  • +232/-520
(sem assunto)
« Responder #61 em: Junho 17, 2005, 10:23:38 pm »
Amigos marinheiros mais sabedores:
Precisaremos de SM1s?
Uma Karel Doorman com SEAPAR não era capaz de dar conta do recado suficientemente?
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 566
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #62 em: Junho 28, 2005, 02:25:16 pm »
Confirma-se que a 1ª OHP chega antes do fim do ano a segunda no início do próximo e que se esta a negociar uma terceira?

Um amigo da Marinha disse-me isso. Alguém confirma?
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

Miguel

  • Investigador
  • *****
  • 2454
  • Recebeu: 25 vez(es)
  • Enviou: 7 vez(es)
  • +14/-18
(sem assunto)
« Responder #63 em: Setembro 12, 2005, 05:36:43 pm »
Faz sentido adquirir Fragatas com 25 anos de idade?
Sabemos que um navio tem uma vida até 30/40 anos ?

Sera a opção certa? :idea:
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1696
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #64 em: Setembro 13, 2005, 05:11:03 pm »
Tiguer:

Não posso confirmar:

O que me foi dito, embora sob reservas, é que a 1ª OHP só cá chegará lá para maio/Junho de 2006 e a segunda 2 meses depois.

______________


Miguel:

Eu também não gosto muito das OHP, mas dado que precisamos de plataformas AAW, foi o que se pode arranjar, já que se prescindiu da possibilidade das JvH.

Vêm tapar uma lacuna na nossa Armada, já que as Vasco da Gama são mais para ASW e ASuW

Não acredito que estejam muitos anos ao nosso serviço, já que têm perto de 26 anos, mas enquanto não houver verba para melhor, acho que teremos que nos governar com elas. :cry:

Quanto ao 3º submarino, concordo consigo.
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5480
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +1410/-2
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #65 em: Setembro 20, 2005, 11:41:00 pm »
A cavalo "quase dado" não se olha o dente.

Neste momento, o problema principal é que continuamos a ter apenas três fragatas com alguma capacidade militar.
O problema é que as Perry ainda não chegaram e por isso ainda não foi possível começar a treinar o pessoal e a incorporar os navios na marinha.

De notar que, no programa prós e contras, foi referido que o esforço do governo anterior seria mantido, o que pode querer dizer que de facto as restrições a que foi feita referência há tempos na imprensa eram um bocado mais para inglês ver.

Portanto, não há razões para pensar que há algum atraso com as Perry, para lá do que seria normal. Do mal o menos.

Cumprimentos
 

*

Duarte

  • Investigador
  • *****
  • 2034
  • Recebeu: 12 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #66 em: Outubro 19, 2005, 03:28:17 am »
Encontrei este pequeno artigo num blog Socialista:

"Novas Silhuetas para a Armada - Se?


Fragata USS FFG-14 "Sides" da Classe "Oliver Hazard Perry".

O Chefe de Estado Maior da Armada, almirante Vidal Abreu, falou recentemente na necessidade de aproveitar a "irrepetível" oferta dos EUA de venda de duas fragatas a um preço extremamente barato para substituir as actuais e já velhas fragatas da classe "Comandante João Belo".

Não sendo propriamente novas, as fragatas FFG 12 “George Philip” e FFG 14 “Sides” que podem ser incorporadas na Armada, são navios muito modernos que darão outro visual à marinha de guerra nacional e um notável poder de combate pois vão substituir as mais que obsoletas “Comandante João Belo”.

As fragatas foram oferecidas a 150 milhões de dólares, um preço de favor que talvez tenha a ver com a gratidão dos EUA relativamente ao apoio dado pelo anterior Governo Português à intervenção no Iraque. São da classe “Oliver Hazard Perry”, uma das mais numerosas da marinha norte-americana com 51 unidades sob o pavilhão americano e mais umas tantas construídas por países aliados como a Espanha, Austrália e Taiwan. Acrescente-se, todavia, que carecem de ser repostas em funcionamento e remuniciadas e reequipadas com novos motores ou com motores recondicionados, o que elevará o preço para mais do dobro. Mesmo assim, ainda serão baratas se compararmos com o custo de navios novos. Resta saber é como o Governo actual vai encontrar a verba necessária sem aumentar o défice das contas públicas.

As duas unidades de um grupo de três que o governo PSD/PP se comprometeu a adquirir podem vir a ser os maiores navios da marinha portuguesa, já que ultrapassam em tamanho as Meko 200 da classe “Vasco da Gama”, 124,4 metros de comprimento contra 115,9 por 14,5 contra 14,8 e 4,4 contra 5,97 m, além de 2648 / 3486 toneladas de deslocamento mínimo e máximo contra 2920 / 3200 das “Vasco da Gama”.

A FFG 12 “George Philip” foi incorporada na US Navy a 18.01.80 e FFG 14 “Sides” a 30.05.81, mas estão desde os anos noventa fora de serviço na reserva, podendo vir a ter um tempo de serviço na Armada de mais de dez anos.

Fundamentalmente, as “Oliver Hazard Perry” de “short hull”, casco curto, como são designadas para as diferenciar de outras mais recentes com 135,7 m de comprimento, são navios à americana, isto é, com mais tonelagem e mais casco que armamento e maquinaria. Diz-se isso por possuírem um único lançador de mísseis do tipo Mk 13 para lançar a dotação máxima de 40 mísseis SM-1 SAM (anti-aéreos) e “Harpoon” SSM (anti-navios) e uma única peça de artilharia, o famoso canhão italiano Oto Melara de 76 mm, completada com um sistema “Vulcan-Phalanx” de combate a curta distância contra mísseis ou aviões. Além disso estão equipadas com 12 tubos lança-torpedos anti-submarinos Mk 32 de 12,75 polegadas.

O sistema propulsor é constituído por duas turbinas a gás LM 2500 GE de 40 mil cavalos-vapor ligadas a um único veio e hélice, permitindo uma velocidade máxima de 28,5 nós e 4.500 milhas de navegação a 20 nós. Estas turbinas têm a vantagem de serem iguais às das fragatas “Vasco da Gama”, mas falta um motor diesel para uma navegação mais económica de cruzeiro. Não são navios de patrulha, mas para isso estão implementadas outras soluções para a Marinha de Guerra.

Em caso de avaria das turbinas, há dois motores retractáveis de 325 cavalos que permitem a navegação de emergência a 6 nós.

As “Oliver Perry” possuem um elevado grau de redundância, nomeadamente dois sistemas de controlo de fogo, dois radares de pilotagem bem separadas e muita mais duplicação pouco apreciada em tempos de paz, mas bem útil em operações militares.

O sonar de casco SQS-56 é muito limitado, sendo de feixe directo, mas em compensação levam um sonar rebocado SQR-19 de maior alcance a ser eventualmente completado por um sonar hélio-transportado.

A FFG 12 e a FFG 14 foram concebidas para levarem dois helicópteros “Lamps III”, mas de facto não levam mais que um, pois falta-lhes para efeito algum equipamento que só apareceu a partir das fragatas FFG 36 de casco mais longo. Mesmo assim, possuem um excelente hangar que deverá dar para um hélio do tipo do “Lynx” das “Vasco da Gama”.

O casco é de alumínio com liga especial de 19 mm na zona dos mísseis e de aço de 16 mm no envolvimento da casa das máquinas.

Sendo navios aparentemente ligeiros e pouco protegidos, a realidade é que uma fragata igual às que vêm para a Armada, a FFG 31 “Stark” sobreviveu ao impacto de dois mísseis “Exocet” verificado a 17.05.87 e lançados por engano por um “Mirage F-1” iraquiano no decurso da guerra entre o Iraque e o Irão e que causou a morte de 37 membros da guarnição da “Stark”.

A FFG 31 estava então no Golfo Pérsico, a menos de 100 milhas das costas do Irão, numa zona frequentemente atacada pelos jactos iraquianos para impedir as exportações petrolíferas do país do Ayatola Komeni. A 12 milhas de distância e a 5 mil pés de altitude, o “Mirage F-1” iraquiano disparou o primeiro “Exocet” que à velocidade de 900 km por hora atingiu o casco por baixo da ponte de comando sem que no navio americano tivesse havido tempo para pôr a funcionar o sistema “Vulcan-Phalanx” que estava no modo operativo manual. A ogiva explodiu em plena camarata da guarnição, fazendo com que muitos marinheiros tivessem sido projectados para o mar pelo enorme buraco aberto pelo míssil. As chamas desenvolveram-se através de parte da estrutura de alumínio e atingiram a central de combate e, como tal, paralisaram toda a capacidade combativa do navio. O míssil foi visto da ponte 10 segundos antes e poucos segundos depois da explosão do primeiro míssil verificou-se o segundo impacto na super-estrutura. Deste segundo “Exocet”, a ogiva não explodiu, mas o carburante não consumido do motor foguete provocou um incêndio enorme.

Posteriormente, os americanos disseram que o sistema “Vulcan-Phalanx” estava avariado com um defeito no computador, mas a realidade deverá ser que o ataque não era esperado ou que, talvez, contra este tipo de ataque a defesa não seja possível. Nessa época, Sadam Hussein era considerado “amigo” dos americanos e comprava armas e munições a todos os países do Ocidente, incluindo a Portugal que também fornecia o Irão.

Fundamentalmente, as “Oliver H. Perry” são actualmente escoltadores oceânicos anti-aéreos com alguma capacidade anti-navio e anti-submarina. Foram a dada altura consideradas excedentários na marinha norte-americana e propostos para venda a vários países aliados, mas posteriormente, a US “Navy” reconsiderou e voltou a valorizar estes navios como indispensáveis para o combate mundial ao terrorismo e a eventuais países que o apoiam. Permitem multiplicar a presença norte-americana em muitos locais do globo, considerando que o número de países altamente equipados com sistemas como a dupla “Mirage F-1 – Exocet” tende a diminuir dado o seu alto custo e a URSS não existe mais para fornecer algum equipamento bélico a países pobres. A doutrina táctica de utilização deixou de ser de escolta oceânica para passar a ser de patrulhamento anti-aéreo e anti-navio em zonas mais ou menos costeiras e, nesse aspecto, estariam perfeitamente adequadas às missões da marinha portuguesa.

Acrescente-se que os meios bélicos que Portugal pode vir a dispor são muito discutidos por comentadores e políticos, dado ser considerados como desnecessários para a defesa nacional por serem insuficientes contra alguma nação poderosa e por não se vislumbrar no horizonte qualquer perigo de guerra.

Contudo, as nações europeias, incluindo as pequenas, querem ser participantes activas num esforço comum de defesa, o qual, por existir, afasta qualquer perigo de guerra. E, de resto, há dois Séculos que as guerras são ganhas sempre pelos mesmos, os chamados Aliados, que além de derrotarem Napoleão e a Alemanha do kaiser e de Hitler, derrotaram a URSS na guerra virtual que se chamou de fria. A poderosa aliança Nato afastou o perigo de guerra da Europa durante o mais de meio Século da sua existência e continuará a fazê-lo no futuro.


Publicado por Jornalblog.aLuta em 08:01 PM |"
 

*

psychocandy

  • Membro
  • *
  • 109
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #67 em: Outubro 22, 2005, 08:05:35 pm »
Citação de: "Tiger22"
Confirma-se que a 1ª OHP chega antes do fim do ano a segunda no início do próximo e que se esta a negociar uma terceira?

Um amigo da Marinha disse-me isso. Alguém confirma?


O pessoal pelo menos ja foi nomeado ;p
"The nation which forgets its defenders will be itself forgotten."
 

*

Miguel

  • Investigador
  • *****
  • 2454
  • Recebeu: 25 vez(es)
  • Enviou: 7 vez(es)
  • +14/-18
(sem assunto)
« Responder #68 em: Outubro 22, 2005, 10:08:14 pm »
:sil:  :sil:

a FFG12 entrou em serviço em 1979!!!

o tempo de chegar ca, ser renovada e tudo, esta pronta no melhor dos casos em final 2006

vamos substituir reformados por outros reformados :cry:

andarem a pedinchar , e o busheco envia 2 latas podres, e os nabos dos nossos ... todos contentes

no minimo era umas Arleigh Burke!! afinal a gente apoio essa gente, fizemos a cimeira dos açores etc...
e eles agradeçem-nos com 2 tachos velhos...pffff
 

*

NotePad

  • Perito
  • **
  • 578
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #69 em: Outubro 22, 2005, 10:22:32 pm »
SE não me engano elas ja foram modernizadas nos EUA...
 

*

pedro

  • Investigador
  • *****
  • 1437
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #70 em: Outubro 23, 2005, 12:27:52 am »
ola a todos.
caros amigos vosses tem razao quando dizem que grande gratidao dos eua quando nos vendem o oferecem uma coisa que acho que ninguem intende duas fragatas ja com 25 anos de idade eu acho que mais valia a pena negociar uns cruzadores (que os americanos tem  demasiado).
o entao oferecer o entao vender o entao fazer um preco especial.
espero as vossas opinioes. :G-deal:  :G-clever:
 

*

komet

  • Investigador
  • *****
  • 1663
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-1
(sem assunto)
« Responder #71 em: Outubro 23, 2005, 12:50:00 am »
:?

Que pancada pelos cruzadores... com tipo de guerra que se faz hoje em dia não fazem o mínimo de sentido, já para não falar que é um alvo perfeito... faz-me lembrar a mania do Bismarck e Tirpitz, caros, grandes, mas na prática, inúteis. Tal como diria Doenitz à 60 anos, mais valia uma frota de submarinos sofisticados.
"History is always written by who wins the war..."
 

*

E-migas

  • Membro
  • *
  • 123
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #72 em: Outubro 23, 2005, 04:19:09 am »
Citação de: "Miguel"
:sil:  :sil:  :cry:

andarem a pedinchar , e o busheco envia 2 latas podres, e os nabos dos nossos ... todos contentes

no minimo era umas Arleigh Burke!! afinal a gente apoio essa gente, fizemos a cimeira dos açores etc...
e eles agradeçem-nos com 2 tachos velhos...pffff


Desde que flutuem e disparem...Se são velhas já não interessa!
A Armada precisa de números!
De navios...
Não precisa de: É velho não queremos!

Miguel!
Só pode estar a brincar?! Quer DDGs? Para?

Comecemos pelo essencial...
Que venham as FFG's!!

Mais vale 2 FFG ( ou 3 reza-se) com 30 anos e mais 10 ou 15 anos em cima para servir Portugal, do que apenas 3 Meko!

Sinceramente, não compreendo por vezes o que se diz....

Se vêm é porque vêm!
Se não vêm é por que não vêm!
Se são velhas é porque são velhas...

Precisamos de pelo menos de "6" Fragatas, ponto final!

Se as FFG OHP trazem uma mais valia, mesmo sendo velhotas...
Que venham!

Mas querem uma Armada ou não?
Acho que neste momento mais vale uma Armada "velhota", do que nenhuma!
Cumprimentos,
e-Migas
---------------------------------------------------
Una Salus Victus
 

*

Miguel

  • Investigador
  • *****
  • 2454
  • Recebeu: 25 vez(es)
  • Enviou: 7 vez(es)
  • +14/-18
(sem assunto)
« Responder #73 em: Outubro 23, 2005, 10:40:34 am »
Citação de: "papatango"

Se eu fosse governante, neste momento atrasava ou cancelava as Perry e dizia à opinião pública que as F.A. estão a fazer a sua parte do sacrificio. Até ao fim da legislatura, ía mostrando os NPO's e realçando as suas capacidades. Fazem-se umas conferências de imprensa a bordo, leva-se a criançada no Dia da Defesa Nacional para o mar etc...
Depois, se a situação económica melhorasse, e depois de ganhar as eleições (logo a seguir, que é quando se apresentam as medidas complicadas) tratava de explicar que Portugal só tem três barcos de guerra e que precisa de mais dois.

Cumprimentos


esta seria a minha opção tambem...
 

*

pedro

  • Investigador
  • *****
  • 1437
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #74 em: Outubro 23, 2005, 12:11:22 pm »
caros amigos um ao dois cruzadores talvez nao mas dois contra-torpedeiros digam la que nao faz falta e a tao agora com a entrada dos novos sumarinos por que eu nao acredito que portugal os vai comprar novos.mas talvez uns americanos que tem bom material. :lol:
 

 

Artigo sobre o veleiro "BLAUS VII"

Iniciado por Ricardo

Respostas: 2
Visualizações: 2071
Última mensagem Outubro 21, 2013, 12:26:49 am
por JQT
Novo artigo sobre a Esquadrilha de Helicópteros da Marinha

Iniciado por Pedro Monteiro

Respostas: 0
Visualizações: 2393
Última mensagem Maio 06, 2009, 09:03:24 pm
por Pedro Monteiro
Questão sobre paraquedismo CTOE e Marinha.

Iniciado por Vitaminar

Respostas: 9
Visualizações: 626
Última mensagem Junho 04, 2020, 02:43:06 pm
por Vitaminar
Novidades sobre as OHP?

Iniciado por P44

Respostas: 6
Visualizações: 3082
Última mensagem Abril 19, 2004, 11:52:28 pm
por papatango