EMBRAER

  • 232 Respostas
  • 92760 Visualizações
*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6151
  • Recebeu: 747 vez(es)
  • Enviou: 419 vez(es)
  • +7870/-7131
Re: EMBRAER
« Responder #225 em: Agosto 31, 2021, 02:52:38 am »
Brazilian Aerospace Manufacturer Embraer Opens an Office in Budapest, Hungary


Embraer announced the opening of an office in Budapest, the capital of Hungary. The main objective is to foster cooperation in Hungary, which could result in future developments under new partnerships. The office also creates an administrative hub for projects development in Central and Eastern Europe. This initiative is part of Embraer’s strategy to establish new partnerships in select markets. Some of the key aspects of this future cooperation are the collaborative efforts with new partners, long-term projects, and investment in reliable dual-use technology.

“Less than a year ago, we started to work together in building the tanker-transport capabilities of our air force. We look forward to expand this cooperation with engineering and industrial activities between Embraer and the evolving Hungarian aerospace-defense sector,” said Gáspár Maróth, Government Commissioner for Defense Development.


“Embraer is keen to increase its presence in Hungary and to expand our network with Hungarian high-technology representatives and other stakeholders, aiming to establish a deep and well-structured cooperation with some of the most qualified and innovative companies in the country,” said Jackson Schneider, President and CEO of Embraer Defense & Security.

The office will employ Hungarian personnel, administrative and engineering staff that will work in close cooperation with Embraer’s teams in Brazil. Embraer S.A. is a Brazilian multinational aerospace manufacturer, that produces commercial, military, executive and agricultural aircraft, and provides aeronautical services. It was founded in 1969 in São José dos Campos, São Paulo, where its headquarters are located. The company is the third largest producer of civil aircraft, after Boeing and Airbus.

 :arrow:  https://militaryleak.com/2021/08/30/brazilian-aerospace-manufacturer-embraer-opens-an-office-in-budapest-hungary/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6151
  • Recebeu: 747 vez(es)
  • Enviou: 419 vez(es)
  • +7870/-7131
Re: EMBRAER
« Responder #226 em: Novembro 09, 2021, 04:55:12 pm »
Embraer apresenta a Energia Family – quatro novos conceitos de aeronaves com tecnologias de propulsão de energia renovável


São José dos Campos – SP, 8 de novembro de 2021 – A Embraer anunciou hoje uma família de aeronaves conceito, concebida para ajudar a indústria a atingir sua meta de zero emissões líquidas de carbono até 2050. Os detalhes da “Energia Family”, a mais recente da iniciativa da empresa denominada Sustainability in Action, foram transmitidos ao vivo pelo YouTube, direto da fábrica da Embraer em São José dos Campos.

A empresa fez parceria com um consórcio internacional de universidades de engenharia, institutos de pesquisas aeronáutica e pequenas e médias empresas para entender melhor a captação, armazenamento e gerenciamento térmico de energia, e suas aplicações para a propulsão sustentável de aeronaves.

A “Energia Family” é composta por quatro aeronaves conceito de tamanhos variados que incorporam diferentes tecnologias de propulsão – eletricidade, célula de combustível de hidrogênio, turbina a gás de duplo combustível e híbrido-elétrico.

Energia Hybrid (E9-HE)


 :arrow: propulsão híbrida-elétrica

 :arrow: até 90% de redução das emissões de CO2

 :arrow: 9 assentos

 :arrow: motores montados na parte traseira

 :arrow: disponibilidade da tecnologia –2030

Energia Electric (E9-FE)


 :arrow: propulsão elétrica completa

 :arrow: emissões zero de CO2

 :arrow: 9 assentos
 
:arrow: hélices contra-rotativas traseiras

 :arrow: disponibilidade da tecnologia – 2035

Energia H2 Fuel Cell Gas Turbine (E19-H2FC)


 :arrow: propulsão elétrica de hidrogênio

 :arrow: emissões zero de CO2

 :arrow: 19 assentos

 :arrow: motores elétricos montados na parte traseira

 :arrow: disponibilidade da tecnologia – 2035

Energia Gas Turbine (E50-H2GT)


 :arrow: propulsão de hidrogênio ou SAF / JetA

 :arrow: redução de emissões de CO2 em até 100%

 :arrow: 35 a 50 assentos

 :arrow: motores montados na parte traseira

 :arrow: disponibilidade da tecnologia – 2040

Cada aeronave está sendo analisada de acordo com sua viabilidade técnica e comercial


Luis Carlos Affonso, vice-presidente sênior de Engenharia, Tecnologia e Estratégia Corporativa da Embraer, explicou a razão por trás da Energia Family. “Vemos nosso papel como desenvolvedor de novas tecnologias para contribuir com a indústria em suas metas de sustentabilidade. Não há solução fácil ou única para chegar à emissão zero. Novas tecnologias e sua infraestrutura de suporte serão disponibilizadas com o tempo. Estamos trabalhando agora para ajustar os primeiros conceitos de avião, aqueles que podem começar a reduzir as emissões o quanto antes. Aeronaves pequenas são ideais para testar e comprovar novas tecnologias de propulsão para que elas possam, posteriormente, ser aplicadas em aeronaves maiores. É por isso que nossa Energia Family é uma plataforma tão importante”.

Arjan Meijer, Presidente e CEO da Embraer Aviação Comercial, comentou sobre a estratégia da empresa em relação à sustentabilidade “Veremos uma grande transformação em nosso setor para uma aviação mais sustentável. Com 50 anos de experiência no desenvolvimento, certificação e suporte de aeronaves regionais, a Embraer está em uma posição ímpar para viabilizar a introdução de novas tecnologias inovadoras e sustentáveis”.

Embora os aviões da Energia Family ainda estejam na fase de projeto, a Embraer já avançou na redução das emissões de suas aeronaves. A empresa testou combustível sustentável de aviação (SAF), misturas de cana de açúcar e combustível derivado da planta de camelina e combustível fóssil, na sua família de E-Jets. A meta da empresa é ter todos os aviões da Embraer compatíveis com SAF até 2030.

Em agosto passado, a Embraer fez voos com seu Demonstrador Elétrico, um monomotor EMB-203 Ipanema, 100% movido a eletricidade. Já um demonstrador de célula de combustível de hidrogênio está planejado para 2025 e o eVTOL, um veículo de decolagem e pouso vertical totalmente elétrico e com zero emissões, está sendo desenvolvido para entrar em operação em 2026.

Para obter informações completas sobre a iniciativa da Embraer Sustainability in Action e as especificações de cada aeronave-conceito Energia, acesse:

https://www.embraercommercialaviation.com/sustainabilityinaction.

Sobre a Embraer

Empresa aeroespacial global com sede no Brasil, a Embraer atua nos segmentos de Aviação Comercial, Aviação Executiva, Defesa & Segurança e Aviação Agrícola. A Companhia projeta, desenvolve, fabrica e comercializa aeronaves e sistemas, além de fornecer Serviços & Suporte a clientes no pós-venda.

Desde sua fundação, em 1969, a Embraer já entregou mais de 8 mil aeronaves. Em média, a cada 10 segundos uma aeronave fabricada pela Embraer decola de algum lugar do mundo, transportando anualmente mais de 145 milhões de passageiros.

A Embraer é líder na fabricação de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A empresa mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

DIVULGAÇÃO: Embraer
 :arrow: https://www.aereo.jor.br/2021/11/08/embraer-apresenta-a-energia-family-quatro-novos-conceitos-de-aeronaves-com-tecnologias-de-propulsao-de-energia-renovavel/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6151
  • Recebeu: 747 vez(es)
  • Enviou: 419 vez(es)
  • +7870/-7131
Re: EMBRAER
« Responder #227 em: Novembro 16, 2021, 08:11:03 pm »
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6151
  • Recebeu: 747 vez(es)
  • Enviou: 419 vez(es)
  • +7870/-7131
Re: EMBRAER
« Responder #228 em: Abril 27, 2022, 01:42:10 pm »

Embraer E190F e E195F cargueiros
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6151
  • Recebeu: 747 vez(es)
  • Enviou: 419 vez(es)
  • +7870/-7131
Re: EMBRAER
« Responder #229 em: Junho 07, 2022, 06:41:42 pm »
Aposto que você nunca viu um jato particular voar uma aproximação a um porta-aviões antes


Citar
Não é todo dia que você vê um jato particular Phenom da Embraer fazer uma aproximação em um porta-aviões da Marinha dos EUA, mas Top Gun: Maverick fez isso acontecer

Embora o enredo do sucesso de bilheteria Top-Gun: Maverick provavelmente já seja conhecido por muitos leitores, a história completa de como o filme foi feito ainda está se desenrolando. Dois anos e meio atrás, The War Zone relatou quantas das sequências aéreas que se tornariam os momentos mais impressionantes do filme estavam sendo filmadas. Mais recentemente , discutimos como a Skunk Works da Lockheed deu vida à fictícia aeronave 'Dark Star' do filme. Agora estamos vendo como sequências aéreas especiais e estendidas foram filmadas, incluindo esta filmagem maravilhosamente bizarra de um jato particular Phenom da Embraer voando em uma aproximação perdida do super porta-aviões USS Theodore Roosevelt (CVN-71) da Marinha dos EUA.

O vídeo completo, originalmente postado no Instagram por Kevin LaRosa II, Top-Gun: Maverick's Aerial Coordinator, dá uma visão dos bastidores de como algumas das fotos aéreas do filme ao redor do porta-aviões foram capturadas. Imagens de câmeras de mão de dentro do cockpit de um jato leve Embracer Phenom 300E revelam uma visão do piloto de como as imagens da aeronave se aproximando e zumbindo sobre o porta-aviões foram obtidas para o filme. Aqui, LaRosa voou com o co-capitão Jonathan Spano e os operadores de câmera Michael FitzMaurice e David Nowell.

Claro, de fato, pousar um caça a bordo de um porta-aviões é uma tarefa notoriamente difícil, que The War Zone cobriu em profundidade aqui . Mas, como você pode ver pela 'almôndega' no vídeo na primeira passagem, que foi incrivelmente dramática, bem no sol poente, o pequeno Phenom estava um pouco baixo no glideslope enquanto cruzava a cauda do navio, antes de ligar -se e indo ao redor.


A cena do pequeno Phenom da ilha do porta-aviões, voando sobre a área de pouso acima de um trio de Super Hornets, é quase cômica. Certamente é diferente de tudo o que vimos antes. A segunda passagem parecia ainda melhor e parecia ideal para emular o ponto de vista de um lutador para os cinéfilos.


LaRossa vem de uma família preocupada com o ar. Seu avô e seu pai eram pilotos, e foi o trabalho de seu pai como piloto de dublês e coordenador aéreo na indústria cinematográfica que o inspirou a se tornar um operador de câmera a jato em primeiro lugar. LaRosa é creditado por trabalhar em uma série de grandes sucessos de Hollywood nos últimos anos; incluindo vários filmes da Marvel e Jurassic World: Fallen Kingdom (2018.)   

Comparado a outros jatos de câmera, notadamente o L-39 Cinejet usado para capturar sequências de luta de cães de alta octanagem, o Phenom 300E provou ser fundamental para filmar cenas mais longas.

“Eu voei com o Phenom extensivamente no filme e a plataforma se destacou quando precisávamos de mais tempo na estação ou da confiabilidade e segurança adicional de dois motores para operações sobre a água”, postou LaRosa no Instagram.


“Ele [a aeronave] também era único, pois o Phenom carregava dois gimbals de câmera F1 da @team5aerials, permitindo que voássemos duas opções de lente totalmente diferentes no mesmo voo.” Ele passou a creditar Brian 'Ferg' Ferguson, consultor técnico da Marinha no filme, por ajudar a fazer a sequência acontecer do ponto de vista de planejamento e logística.

O Phenom foi especialmente útil no set, afirmou LaRossa em outro lugar , porque também “nos deu tempos de surtida mais longos. O Phenom carregava mais combustível e conseguia ficar mais tempo na estação. A parte traseira da aeronave foi configurada com duas estações operacionais [para filmagem.]”     

Imagens de bastidores como essa fornecem um vislumbre único de como o filme foi feito para a equipe de produção e os pilotos encarregados de capturar suas fotos aéreas de tirar o fôlego. É claro que os envolvidos na produção do filme gostaram de fazê-lo tanto quanto o público gostou de vê-lo nos cinemas – talvez até mais! 



 :arrow:  https://www.thedrive.com/the-war-zone/i-bet-youve-never-seen-a-private-jet-fly-an-approach-to-a-supercarrier-before
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6151
  • Recebeu: 747 vez(es)
  • Enviou: 419 vez(es)
  • +7870/-7131
Re: EMBRAER
« Responder #230 em: Junho 08, 2022, 02:46:17 am »
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6151
  • Recebeu: 747 vez(es)
  • Enviou: 419 vez(es)
  • +7870/-7131
Re: EMBRAER
« Responder #231 em: Junho 17, 2022, 12:53:32 pm »
Embraer Media Day 2022: Na meca da indústria aeroespacial latino-americana


Citar
Voltamos a visitar três das principais matrizes da Embraer, São José dos Campos, Eugênio de Melo e Gavião Peixoto, onde pudemos ver em profundidade tudo o que a fabricante brasileira está realizando não só na área produtiva, mas, mais importante, em relação inovação, aspecto em que apostam fortemente

Entre 30 de maio e 1º de junho, a Embraer convidou diversas mídias especializadas de todo o mundo para conhecer suas principais fábricas no Brasil e conversar com gestores das diversas áreas da empresa, que relataram os projetos que estão realizando, como veem a diferentes mercados do setor aeroespacial e de defesa e as perspectivas que eles têm para o futuro.

Conforme explica Francisco Gomes Neto, presidente e CEO da Embraer, a empresa, já com 53 anos, já entregou mais de 8.000 aeronaves em mais de cem países e hoje conta com cinco áreas: comercial, executiva, defesa e segurança, serviços e suporte e Embraer X.

Quanto aos recursos humanos, Gomes Neto destacou que a Embraer conta com mais de 18.000 funcionários, dos quais 2.400 estão fora do Brasil. Além disso, 1.300 possuem mestrado, doutorado ou pós-graduação, e a empresa lançou um programa de mestrado em engenharia aeronáutica e outro especializado em desenvolvimento de software, entre os diversos esforços realizados para aprimorar as competências de quem o integra.

Gomes Neto explicou que 2020 foi um ano difícil para a Embraer, tendo que enfrentar os problemas gerados pela pandemia e o colapso do acordo de fusão com a Boeing, reduzindo as receitas em 30%, o que levou à reestruturação e foco na proteção dos empregos e na manutenção da renda fluindo. Assim, em 2021 a empresa se recuperou, com um aumento de 12% no faturamento, chegando a 4,2 bilhões de dólares e praticamente eliminando perdas, e focada em trabalhar duro em projetos de inovação, principalmente no Eve, para que isso acontecesse. Agora, eles esperam passar dos 4,5 bilhões de faturamento em 2022 e retomar o crescimento entre 2023 e 2026. Gomes Neto ressaltou que o plano de recuperação visa primeiro vender mais, depois focar na eficiência da empresa, associações estratégicas e por fim na inovação.


Atualmente, eles também visam reduzir os custos dos produtos para reduzir o impacto da inovação.

Quanto a estes últimos, apostam primeiro na utilização da eletricidade para a propulsão das aeronaves, no voo autónomo e na inteligência artificial, e salientou que 40% da receita da empresa nos últimos cinco anos foi proveniente da inovação.

Antonio García, vice-presidente de finanças e relações com investidores, explicou que atualmente 75% dos acionistas da empresa são estrangeiros e que 90% da receita da empresa é gerada fora do Brasil, enquanto antes da pandemia esse valor era de 85%.


Um mundo que gasta mais em defesa

Jackson Schneider, presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança, descreveu como o investimento em defesa está mudando no mundo, tanto pelas necessidades logísticas geradas pela pandemia quanto, mais recentemente, pela guerra na Ucrânia. “ O mundo não será o mesmo depois da guerra na Ucrânia ”, afirmou, e sublinhou que hoje se gasta cada vez mais na defesa, ultrapassando pela primeira vez em 2021 a cifra de 2 mil milhões de dólares, quase o dobro do que era o mundo. gastos no ano 2000. “ Temos perguntas para as quais não temos respostas ”, disse sobre os novos desafios que surgem à medida que a guerra cria novas realidades, acrescentando que “ os gastos aumentarão e durarão algum tempo, não será algo curto”, para explicar posteriormente que os sistemas logísticos das forças estão a ser analisados ​​e modernizados e que esta é uma oportunidade para os aviões de transporte KC-390, cuja procura se estima ter duplicado ou triplicado. Além disso, ele acrescentou que há muitos conflitos potenciais e a logística será considerada de uma maneira diferente. Assim, o crescimento dos gastos com defesa inclui uma mudança nas prioridades e no que se gasta, buscando novas soluções.


Embraer em defesa

Embora não seja um dos setores que mais renda a empresa, com 15% do faturamento, é um que está nas raízes da própria Embraer, pois nasceu junto com ela. Schneider fez uma apresentação completa dos diferentes projetos e produtos da empresa, não só no setor aeronáutico, mas também no espaço, naval e ciberespaço. A empresa, que começou apenas com aviões, em 2011 agregou a área de radares, para continuar em 2012 com o SISFRON, o sistema brasileiro de monitoramento de fronteiras, que está a todo vapor. Depois, em 2017 entraram na área espacial com a Visiona, enquanto em 2019 integraram, juntamente com sua subsidiária Atech, o consórcio que produzirá as corvetas classe Tamandaré para a Marinha do Brasil, integrando os diferentes sistemas de navios. Finalmente,

Até o momento, a empresa já entregou mais de 1.400 aeronaves para operadores de defesa, além de 58 radares, que atuam em mais de 60 Forças Armadas e governos.


KC-390

A aeronave já ultrapassou as 5.000 horas de voo, com 22 encomendas da Força Aérea Brasileira (FAB), cinco da portuguesa e duas da húngara. O primeiro exemplar português, que pudemos apreciar durante o passeio de Gavião Peixoto, já está em fase de acabamento e será entregue em breve. As aeronaves dessa ordem possuem sistemas de comunicação, datalink e outras capacidades para operar dentro da OTAN.


Embora a FAB tenha indicado que quer reduzir o contrato para 15 unidades, para isso teria que renegociá-lo, já que a legislação brasileira só permite que ele seja reduzido ou ampliado em 25%, e o contrato original era de 28 unidades . Destes, encontram-se em fase final de produção as aeronaves FAB 2858 e 2859, que são as aeronaves de série 9 e 10 respectivamente (uma aeronave de série está sendo utilizada para testes e posteriormente será entregue à FAB. A primeira aeronave destinada a Portugal é o 11º da série).


Schneider observou que atualmente acredita que existe uma frota global de cerca de 1.500 transportes táticos no segmento KC-390, que tem uma idade média de 31,2 anos, portanto, uma boa porcentagem dessa frota precisará ser reformada em breve. O mercado havia parado com a pandemia, mas, como explicou Schneider, tudo mudou rapidamente devido à guerra na Ucrânia e eles receberam muitos contatos de diferentes países que precisam de aeronaves no curto prazo, alguns dos quais, explicou ele, a Embraer não mesmo considerado possível.


A empresa está atualmente realizando uma missão comercial para promover o avião a oito países do Oriente Médio, dois na Europa e dois na África, com base nos contatos recebidos desses estados, que esperam concluir até 10 de junho. Lá estão avaliando missões específicas que esses países exigem, como o reabastecimento em voo de determinadas aeronaves que ali operam ou o transporte de veículos que suas Forças Armadas operam. Além disso, eles estão participando da competição na Holanda para substituir quatro C-130H Hercules da Força Aérea Holandesa.


STOUT não é cancelado

Consultamos Schneider sobre o projeto STOUT para uma aeronave de transporte leve com motor híbrido, após a FAB anunciar o cancelamento por falta de orçamento e necessidade de foco nos programas KC-390 e caças. Schneider indicou que, depois de terminar a etapa que inicialmente havia planejado com força, que era a fase preliminar de desenvolvimento, analisando o sistema de propulsão e parceiros estratégicos, a empresa por enquanto apenas a considera suspensa e explicou que espera retomá-la o mais breve pois há condições, mesmo com outros potenciais parceiros, que podem estar fora do Brasil.


Outros produtos

Sobre o Super Tucano, ele destacou que mais de 260 já foram entregues a 16 forças aéreas e ultrapassaram 500 mil horas de voo, incluindo operações de combate. Além disso, Schneider indicou que estão em negociações com dois países africanos interessados ​​no modelo.

Também destacou aeronaves para missões especiais, como o Phenom para treinamento, o Phenom e Legacy para evacuação aeromédica, o Legacy para verificação de auxílio à navegação, VIP e AEW&C (na sua variante P600 AEW&C) e o Lineage para voos VIP. O P600 AEW&C teve seu desenvolvimento lento devido à pandemia, mas eles esperam retomá-lo agora e ver uma grande oportunidade.

Em termos de sistemas terrestres, destacou os radares, com alcances de 20, 60, 200 e 370 km, o primeiro para vigilância terrestre, o segundo para defesa aérea, os 200 km para vigilância de longo alcance e os 370 km para alcance para espaço aéreo. ao controle. Eles já venderam sistemas de monitoramento de fronteiras para um país da África e estão negociando sistemas de solo com três países da África, dois na América Latina e um na Ásia.

Na área espacial, com a Visiona estão trabalhando em conjunto com a Telebras no desenvolvimento de nanossatélites, esperando lançar os primeiros ainda este ano.

Quanto aos drones, Schneider indicou que esse é um objetivo da Embraer, mas por enquanto eles estão focados no desenvolvimento de sistemas e componentes.


Aviação Civil

No segmento aéreo comercial, um fato relevante foi que o desenvolvimento da nova família de turboélices deverá ser lançado em 2023, que terá fuselagem com a mesma seção da família E2, com capacidade para 50 a 90 lugares. Atualmente, a família de E-Jets (E170 a 195 incluindo E2) já passou de 1.500 aeronaves em serviço e cada uma leva cerca de dois meses para fabricar no total.

Ao mesmo tempo, apostam na sustentabilidade, área em que começaram a atuar há 20 anos e agora almejam a meta de emissão zero em 2050. Mas, além de os aviões serem sustentáveis, a empresa já emprega em suas plantas no Brasil 100% de energia elétrica produzida de forma renovável, valor que é de 67% em suas plantas no mundo.

Nesse sentido, a empresa segue apostando no projeto eVTOL para mobilidade urbana, que faz parte do projeto EmbraerX Eve, que é o braço disruptivo da empresa, criado em 2017. Daniel Moczydlower, CEO da EmbraerX destacou que “a inovação só serve se gerar impacto ”, se a ideia permitir criar um novo produto ou serviço, e embora tenha acrescentado que é difícil medir o impacto da inovação, eles o medem de acordo com o rendimento gerado por um novo produto durante cinco anos, apesar do fato de que o impacto Pode chegar a 10 ou 15 anos. Assim, como mostrou Moczydlower, na última década entre 30 e 52% da receita da Embraer foi gerada pela inovação.


Para avançar no conceito, definiu a existência de três horizontes, sendo o primeiro deles investir em produtos ou serviços conhecidos e em mercados conhecidos, mas com maior eficácia e produtividade. O segundo horizonte envolve a introdução de um produto que eles sabem fazer, mas em um mercado novo, como o Phenom e a entrada da Embraer no setor de aviação executiva. Outro caso poderia ser a entrada de um produto inovador em um mercado já conhecido, como satélites e o projeto da corveta Tamandaré no mercado de defesa. Mas em 2016 eles concluíram que talvez não fossem inovadores o suficiente e chegaram ao terceiro horizonte, que é um novo produto em um novo mercado, que em alguns casos nem existe.

Em 2016 visitaram o Vale do Silício e pensaram em criar uma empresa disruptiva que transformaria a forma como se pensa a mobilidade aérea e assim nasceu a EmbraerX em 2017 e a Eve como seu primeiro spin-off para repensar a mobilidade urbana, com eVTOL e UATM gestão de tráfego aéreo sistema. Paralelamente, criaram o Beacon, uma plataforma de gestão de manutenção, enquanto criaram o Aerospace Fund, um fundo de investimento para participar de diferentes empresas de alta tecnologia aeroespacial, entre as quais se destaca a já mencionada Tempest. Eles também criaram outro fundo chamado Catapult no Vale do Silício, focado em empresas de inteligência artificial, internet das coisas, automação, robótica e sistemas embarcados.

Entre as empresas com as quais fizeram parceria está a Pyka, startup californiana que desenvolveu o Pelican, aeronave aeroaplicadora autônoma que já iniciou testes de voo nos Estados Unidos, América Central e Brasil e em pouco tempo espera ter um plano para avançar com a certificação.

Quanto ao eVTOL, eles estão testando os sensores em um helicóptero, para avaliá-los em ambiente urbano e para que as máquinas comecem a aprender, detectando obstáculos de todos os tipos e locais de interesse e medindo a distância até eles da aeronave, por meio de de um LIDAR e sete câmeras. Eles esperam ter o eVTOL pronto até 2026, para o qual planejam investir cerca de 400 milhões de dólares. Além disso, anunciaram a associação com a Porsche Consulting para pensar em logística, estratégia de atendimento e produção.


 :arrow:  https://www.pucara.org/post/embraer-media-day-2022-en-la-meca-de-la-industria-aeroespacial-latinoamericana
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6151
  • Recebeu: 747 vez(es)
  • Enviou: 419 vez(es)
  • +7870/-7131
Re: EMBRAER
« Responder #232 em: Agosto 05, 2022, 03:07:35 pm »