Pacificação da Somália à vista?

  • 12 Respostas
  • 4836 Visualizações
*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2093
  • +1/-0
Pacificação da Somália à vista?
« em: Junho 06, 2006, 02:48:28 pm »
Citar
Somália: Fundamentalistas islâmicos anunciam tomar Mogadiscio
Os fundamentalistas islâmicos da Somália anunciaram esta segunda-feira ter tomado a capital do país, Mogadíscio, após cerca de quatro meses de intensos combates contra uma milícia de chefes de guerra, indicou a estação britânica BBC online.

Citando estações de rádios captadas a partir de Mogadíscio, a BBC online informa que a União dos Tribunais Islâmicos (UIC, na sigla inglesa) anunciou ter tomado, domingo a noite, o controlo da capital da Somália das mãos dos «senhores da guerra», convidando os residentes a aceitarem a nova liderança do país.

O líder da UTI seria Sheikh Sharif Sheikh Ahmed, que afirmou estar disposto a implementar a paz e a segurança na Somália, antes de consolidar qualquer mudança que - sublinhou - «será a vitoria do povo com o apoio de Alá».

«Esta é a nova era para Mogadíscio. Estamos prontos para o diálogo», disse Sheikh Ahmed.

A Somália vive uma situação de guerra civil há mais de 15 anos com combates persistentes que opõem uma milícia islâmica e grupos armados controlados por senhores de guerra.

Desde então, o país vive sem um Governo efectivo, sendo dirigido por um executivo provisório que funciona na cidade de Baidoa, 245 quilómetros a noroeste de Mogadíscio.

Devido aos combates, a capital somali foi dividida em pequenos feudos controlados pelos senhores de guerra que se dizem à volta de uma Aliança Antiterrorista para travar as acções do UTI, alegadamente financiada pela rede terrorista Al Qaeda.

Diário Digital / Lusa

05-06-2006 17:09:00


de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=231033

Será que é desta que a Somália será pacificada? Embora realmente ao nível dos direitos humanos, os fundamentalistas islâmicos não sejam boa opção, a meu ver podem trazer um pouco de estabilidade a esse país.
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2093
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Julho 07, 2006, 11:54:57 am »
Aparentemente não...

 Acerca da intervenção etíope.
 http://www.strategypage.com/htmw/htlog/ ... 60705.aspx
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4088
  • Recebeu: 346 vez(es)
  • Enviou: 252 vez(es)
  • +488/-362
(sem assunto)
« Responder #2 em: Agosto 02, 2006, 12:04:56 am »
A etíopia anida opera caças russos pilotados por pilotos da Ucrânia?
Talent de rien fair
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2093
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Agosto 02, 2006, 12:08:53 am »
Citação de: "Typhonman"
A etíopia anida opera caças russos pilotados por pilotos da Ucrânia?


Provavelmente...

Sei que estavam lá na ultima guerra com a Eritreia, e eles ainda continuam a ter material sovietico.

Ou vai na volta os pilotos russos são sazonais, isto é, são verdadeiros mercenários, que são contratados apenas durante as guerras :wink:
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4088
  • Recebeu: 346 vez(es)
  • Enviou: 252 vez(es)
  • +488/-362
(sem assunto)
« Responder #4 em: Agosto 02, 2006, 12:11:56 am »
Provavelmente.. Contra isso os Somalis não podem fazer muito.. desta vez não vão lá com RPGs como fizeram em 1993
..
Talent de rien fair
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2093
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Agosto 02, 2006, 12:16:17 am »
Citação de: "Typhonman"
Provavelmente.. Contra isso os Somalis não podem fazer muito.. desta vez não vão lá com RPGs como fizeram em 1993
..


Eles no outro dia receberam armamento....da Eritreia...tenho essa info num email perdido na minha conta hotmail (se encontrar entretanto meto no tópico criado pelo Azraael acerca desse conflicto)
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4088
  • Recebeu: 346 vez(es)
  • Enviou: 252 vez(es)
  • +488/-362
(sem assunto)
« Responder #6 em: Agosto 02, 2006, 12:21:13 am »
Peças AAA/SAM?
Talent de rien fair
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2093
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Agosto 02, 2006, 12:25:06 am »
Citação de: "Typhonman"
Peças AAA/SAM?


Pois não sei, o autor da notícia também especula acerca desse avião de transporte, um Antonov, que se pensa que terá tido origem da Eritreia.

A carga que transportava..não se sabe, mas pressume-se ser militar..chupa-chupas não era de certeza!
 

*

Bravo Two Zero

  • Especialista
  • ****
  • 1007
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Dezembro 24, 2006, 12:58:36 pm »
Do Diário Digital:

Citar
Etiópia bombardeia a Somália

A Etiópia acaba de confirmar o bombardeio da Somália, justificando a medida como defesa contra a acção das milícias islâmicas.
A Somália vive em anarquia desde a queda do regime do ditador Siad Barre, em 1991, com constantes lutas entre os senhores da guerra pelo controlo do território.

O governo de transição funcionou a partir do vizinho Quénia e está há quase um ano instalado em Baidoa, que era até agora considerada uma região mais segura.

24-12-2006 11:00:26


http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=255634
"Há vários tipos de Estado,  o Estado comunista, o Estado Capitalista! E há o Estado a que chegámos!" - Salgueiro Maia
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4088
  • Recebeu: 346 vez(es)
  • Enviou: 252 vez(es)
  • +488/-362
(sem assunto)
« Responder #9 em: Dezembro 24, 2006, 02:03:53 pm »
Força nisso Somalis e Etíopes.. :)
Talent de rien fair
 

*

pedro

  • Investigador
  • *****
  • 1436
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Dezembro 24, 2006, 05:46:48 pm »
A ver o que que sai de ali.
Cumprimentos
 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3571
  • Recebeu: 35 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +11/-5
(sem assunto)
« Responder #11 em: Dezembro 25, 2006, 09:33:52 pm »
Aviões etíopes bombardearam aeroporto de Mogadiscio

Citar
A Etiópia, que apoia as forças do Governo de transição somali, bombardeou hoje o aeroporto internacional de Mogadíscio, capital da Somália controlada pelas milícias islâmicas, anunciaram as autoridades a eroportuárias.
 


"A Etiópia bombardeou o aeroporto hoje. Morreu uma pessoa e outra ficou ferida", afirmou Abdurahim Adan Weheliye, director-geral do aeroporto de Mogadí scio, citado pela agência de notícias francesa AFP.

Segundo a mesma fonte, o ataque provocou danos na pista de aterragem e na zona de estacionamento das aeronaves, que foi encerrado.

O aeroporto de Mogadíscio, que estava sem operar há vários anos, foi re abilitado pouco depois das milícias das cortes islâmicas assumirem o controlo da cidade, no início de Junho.

De acordo com a agência espanhola EFE, que cita testemunhas locais, par ticiparam no bombardeamento dois aviões, um proveniente do norte de Mogadíscio, situada junto ao Oceano Indico, e outro desde o mar.

A AFP indica apenas a existência de um avião.

No domingo, o Governo da Etiópia confirmou, pela primeira vez, que os s eus efectivos estavam a combater em quatro pontos diferentes na Somália.

"As nossas Forças de Defesa viram-se obrigadas a entrar em guerra para nos defendermos dos ataques das forças extremistas e anti-etíopes e proteger a n ossa soberania", afirmou o primeiro-ministro etíope, Meles Zenawi.

Especialistas locais calculam que a Etiópia tenha mais de 10.000 soldad os dentro da Somália, apoiando o Governo de transição somali.

As cortes islâmicas, por seu lado, receberam armamento da Eritreia, que também terá enviado cerca de dois mil homens.

Os milicianos islâmicos da Somália ocuparam em Junho passado Mogadíscio e começaram a estender-se para o centro e sul do país, que vive sem uma autorid ade central desde que em 1991 foi derrotado o ditador Mohamed Siad Barré.

A Etiópia teme que o conflito somali atravesse as suas fronteiras e con tamine zonas do leste do país, de maioria muçulmana e onde existem sentimentos s eparatistas.

Nos combates de domingo, tanto nos bombardeamentos aéreos como noutras operações, morreram cerca de 80 pessoas, segundo fontes islâmicas, e outras 300 ficaram feridas.

Entretanto, o governo da Somália anunciou o encerramento das fronteiras depois do ataque da Etiópia.

Agência LUSA
2006-12-25 09:05:08
 
Potius mori quam foedari
 

*

JoseMFernandes

  • Perito
  • **
  • 394
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Dezembro 26, 2006, 11:26:12 am »
Editorial no PUBLICO de 26/12/2006:

Citar
Uma nova guerra em África

Amílcar Correia


O tabuleiro geoestratégico africano, de importância reduzida no pós-guerra fria, ganha novas proporções com a abertura de uma terceira frente jihadista na Somália

Há uma nova guerra em curso em África. A Etiópia confirmou o que há muito já se suspeitava: a sua colaboração com o Governo da Somália no combate que este trava contra a União dos Tribunais Islâmicos, cujas ramificações com o terrorismo da Al-Qaeda são motivo de forte preocupação regional. A Somália, em permanente tensão desde a derrocada da ditadura de Siad Barre, que foi um títere do Kremlin de então, é um país retalhado entre vários senhores da guerra, um Governo sem autoridade e uma guerrilha terrorista em ascensão.
Em Junho passado, o Governo internacionalmente reconhecido foi desalojado de Mogadíscio pelos rebeldes e encontra-se cercado em Baidoa, impotente para exercer qualquer controlo sobre o resto do território somali. Aparentemente, a intervenção etíope na Somália estancou o avanço islamista em direcção a Baidoa, o que significaria a estocada final do seu poder legítimo, e a consequente instauração da Sharia. A intervenção da Etiópia, que bombardeou os aeroportos da capital conquistada pelos fundamentalistas, justifica-se pela ameaça que poderá constituir para a sua segurança a formação de um Governo inspirado e orientado pelos radicais que se aninham segundo o credo de Osama bin Laden, que têm contado com a ajuda da população deste país muçulmano, mas que podem arrastar a região para um conflito mais vasto, caso a Eritreia decida intervir. Uma interpretação secundada por Washington, que é já o principal aliado de Addis-Abeba no intempestivo corno de África.
Mas este novo conflito regional tem inevitáveis implicações religiosas que lhe dão contornos mais globais. O xeque Aweys, líder do Conselho Supremo Islâmico da Somália, tem multiplicado os seus apelos à guerra santa contra os cristãos da Etiópia e à união dos somalis espalhados pelo Djibouti, Quénia e Etiópia, na região de Ogaden, palco de um conflito entre os dois países vizinhos. A guerra de Ogaden, entre 1977 e 1978, deveu-se a isso mesmo: ao sonho da Grande Somália e à sede de conquista daquela região do Leste da Etiópia, mas que custou a Siad Barre a queda e o exílio. E à Somália uma sucessão imparável de catástrofes, conflitos civis e golpes de Estado. Hoje, a história repete-se, mas o invasor é agora o cristão etíope.
O tabuleiro geoestratégico africano, de importância reduzida no pós-guerra fria, ganha novas outras proporções com a abertura de uma terceira frente jihadista, tal com Bin Laden previra, depois da "guerra santa" no Afeganistão e no Iraque. Mas a Somália é para os Estados Unidos um local de más recordações, cuja invasão em 1993 deixou traumas que os norte-americanos não esqueceram. Mesmo assim, Washington tem apoiado alguns dos chamados senhores da guerra nesta luta contra os radicais islamistas, mas em vão. Os EUA têm, igualmente, defendido o envio de capacetes azuis para aquela região do continente africano, contra a vontade da União Europeia, mas a verdade é que o Conselho de Segurança das Nações Unidas nunca deu um passo em frente nesse sentido. Uma guerra em África é sempre uma guerra perigosa e longínqua.