Artilharia do Exército

  • 1004 Respostas
  • 232345 Visualizações
*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 3115
  • Recebeu: 2152 vez(es)
  • Enviou: 1583 vez(es)
  • +5090/-2315
Re: Artilharia do Exército
« Responder #915 em: Fevereiro 26, 2023, 01:20:29 pm »
Eu sei e compreendo o poder que qualquer país fabricante tem; neste caso a agenda de Israel tornou-se complicada para quem tem Spike. Prefiro ficar mas mãos de países da UE/ NATO.

Vai dar quase ao mesmo, vê na Guerra do Ultramar.

Na Guerra do Ultramar a Alemanha cedeu os Fiat enquanto os EUA recusaram os A6

Mas no caso nacional sendo para uso caseiro, como aqui foi também referido, o importante é ter algo com manutenção e munições mais garantida e de preferencia feito na Europa, onde seja mais difícil haver potenciais constrangimentos futuros

Israel é apetecível por ter certas soluções de equipamento muito interessantes, mas........
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6512
  • Recebeu: 829 vez(es)
  • Enviou: 454 vez(es)
  • +8870/-10120
Re: Artilharia do Exército
« Responder #916 em: Fevereiro 26, 2023, 07:21:16 pm »
Citar
Certo é que ter um MLRS de longo-alcance a complementar a artilharia AP convencional, e que ainda possa ser adaptado para funções de defesa costeira, seria um incremento interessante de capacidades.

Solução a se pensar:



Empresa em falência é sempre um mau negocio.

E tem um problema não ser NATO.

Avibrás não é uma empresa em falência. Está em recuperação judicial. Há um diferenciação conceitual grande entre as dois termos. 

Os espanhóis (NATO) parece que não se importaram:

 :arrow:  https://www.defesaaereanaval.com.br/defesa/avibras-e-a-espanhola-sms-unem-forcas-para-desenvolverem-solucoes-na-area-de-foguetes-guiados-e-sistemas-de-misseis
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 2729
  • Recebeu: 537 vez(es)
  • Enviou: 336 vez(es)
  • +139/-450
Re: Artilharia do Exército
« Responder #917 em: Fevereiro 26, 2023, 07:54:33 pm »
Citar
Certo é que ter um MLRS de longo-alcance a complementar a artilharia AP convencional, e que ainda possa ser adaptado para funções de defesa costeira, seria um incremento interessante de capacidades.

Solução a se pensar:



Empresa em falência é sempre um mau negocio.

E tem um problema não ser NATO.

Avibrás não é uma empresa em falência. Está em recuperação judicial. Há um diferenciação conceitual grande entre as dois termos. 

Os espanhóis (NATO) parece que não se importaram:

 :arrow:  https://www.defesaaereanaval.com.br/defesa/avibras-e-a-espanhola-sms-unem-forcas-para-desenvolverem-solucoes-na-area-de-foguetes-guiados-e-sistemas-de-misseis

Citar
A empresa acumula prejuízos nos últimos dois anos e tem endividamento que supera os R$ 395 milhões.

O pedido de proteção contra a falência foi protocolado no fórum de Jacareí, interior de São Paulo, onde a empresa possui uma fábrica. Na petição, a Avibras afirma que as exportações de equipamentos, que correspondem a cerca de 85% de sua receita, minguaram durante a pandemia.
A empresa está falida. O pedido é para proteger a empresa dos credores.

Quantos aos espanhóis, a ideia deles entrarem no projeto é para adaptar o meio aos padrões NATO. Mas a ideia é trazer parte da produção para a Espanha.

 

*

PTWolf

  • Perito
  • **
  • 532
  • Recebeu: 241 vez(es)
  • Enviou: 953 vez(es)
  • +670/-181
Re: Artilharia do Exército
« Responder #918 em: Fevereiro 26, 2023, 08:13:19 pm »

O Astros tem muitas similariedades com o Himars. O ultimo tem vantagem de ter maior alcance e de não precisar de outro veiculo para retirar os foguetes e colocar outros. Tem ainda a vantagem de ser comercializado por um país parceiro de Portugal e NATO.

A unica coisa que poderia pender o peso para o Astros seria o seu custo ou o custo dos foguetes.

Olhando apenas para dados da Wikipedia (vale o que vale) um Astros custa ~10M$, enquanto um Himars custa menos de metade ~5M$

A não ser que os foguetes sejam realmente muito baratos, não vejo vantagens em adquirir o Astros (e ja descontando o estado de pré-insolvência)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Astros_II
https://en.wikipedia.org/wiki/M142_HIMARS
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 7567
  • Recebeu: 3437 vez(es)
  • Enviou: 663 vez(es)
  • +4292/-662
Re: Artilharia do Exército
« Responder #919 em: Fevereiro 26, 2023, 08:52:01 pm »
Eu acho que existiriam 4 candidatos realistas:
-Astros II
-K239 Chunmoo
-Lynx/PULS
-HIMARS

É fácil partir do princípio que o HIMARS será o mais caro dos 3, mas depois teria a vantagem da interoperabilidade com os aliados que já usam/irão usar M270 ou HIMARS. De resto, creio que a escolha deveria ser quase inteiramente ligada à qualidade e utilidade das diferentes munições.

Eu pessoalmente colocaria como obrigatório que o sistema tivesse rockets capazes de atingir alvos a pelo menos 70/80km. Eventualmente colocava dois patamares de alcance, com a capacidade de lançar foguetes a alcances de 70/80, e rockets com alcances a rondar os 150km. Comprar um MLRS para depois lançar rockets com alcances similares aos da artilharia de 155mm, é um desperdício de dinheiro e potencial.

Capacidade anti-navio (existente ou futura) também seria outro factor a ter em conta.
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 2729
  • Recebeu: 537 vez(es)
  • Enviou: 336 vez(es)
  • +139/-450
Re: Artilharia do Exército
« Responder #920 em: Fevereiro 26, 2023, 09:18:21 pm »

O Astros tem muitas similariedades com o Himars. O ultimo tem vantagem de ter maior alcance e de não precisar de outro veiculo para retirar os foguetes e colocar outros. Tem ainda a vantagem de ser comercializado por um país parceiro de Portugal e NATO.

A unica coisa que poderia pender o peso para o Astros seria o seu custo ou o custo dos foguetes.

Olhando apenas para dados da Wikipedia (vale o que vale) um Astros custa ~10M$, enquanto um Himars custa menos de metade ~5M$

A não ser que os foguetes sejam realmente muito baratos, não vejo vantagens em adquirir o Astros (e ja descontando o estado de pré-insolvência)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Astros_II
https://en.wikipedia.org/wiki/M142_HIMARS

Não podes comparar assim. Os 10M$ do ASTROS é para uma bateria inteira, os 4M$ do HIMARS é para o lançador e o carregador.
 

*

PTWolf

  • Perito
  • **
  • 532
  • Recebeu: 241 vez(es)
  • Enviou: 953 vez(es)
  • +670/-181
Re: Artilharia do Exército
« Responder #921 em: Fevereiro 26, 2023, 10:34:09 pm »

O Astros tem muitas similariedades com o Himars. O ultimo tem vantagem de ter maior alcance e de não precisar de outro veiculo para retirar os foguetes e colocar outros. Tem ainda a vantagem de ser comercializado por um país parceiro de Portugal e NATO.

A unica coisa que poderia pender o peso para o Astros seria o seu custo ou o custo dos foguetes.

Olhando apenas para dados da Wikipedia (vale o que vale) um Astros custa ~10M$, enquanto um Himars custa menos de metade ~5M$

A não ser que os foguetes sejam realmente muito baratos, não vejo vantagens em adquirir o Astros (e ja descontando o estado de pré-insolvência)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Astros_II
https://en.wikipedia.org/wiki/M142_HIMARS

Não podes comparar assim. Os 10M$ do ASTROS é para uma bateria inteira, os 4M$ do HIMARS é para o lançador e o carregador.

Tens razão, só olhei para o valor final  ;D
 

*

Kalil

  • Analista
  • ***
  • 788
  • Recebeu: 263 vez(es)
  • Enviou: 194 vez(es)
  • +54/-220
Re: Artilharia do Exército
« Responder #922 em: Fevereiro 27, 2023, 09:39:33 am »
O Reino de Marrocos também adquiriu o PULS, e Espanha está a ponderar a mesma opção, basta acertar a produção local com a Elbit
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1983
  • Recebeu: 499 vez(es)
  • Enviou: 2476 vez(es)
  • +168/-21
Re: Artilharia do Exército
« Responder #923 em: Fevereiro 27, 2023, 04:29:14 pm »
Não conhecia o PULS, mas não está nada mau. Agora depende muito do preço. (vontade já se sabe que não há nenhuma....)


https://elbitsystems.com/product/puls/

 :-P
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 6974
  • Recebeu: 791 vez(es)
  • +3714/-770
Re: Artilharia do Exército
« Responder #924 em: Fevereiro 27, 2023, 04:31:16 pm »
Não parece haver grande similaridade entre os sistemas ASTROS e o Himars ou MLRS.
A principal diferença a acreditar nos dados que são públicos está no tipo e capacidade dos foguetes utilizados.

Não há no sistema da empresa brasileira - que realmente passa por dificuldades para continuar a existir - nada de equivalente.
Com o alcance dos foguetes de 227mm  M31 americanos (cada sistema pode disparar seis) .
Pare encontrar qualquer coisa parecida, seria necessário comparar com um foguete de artilharia de 300mm que são muito mais volumosos, e do qual só podem ser disparados quatro de cada vez.
E claro, haveria que considerar a tecnologia que está gerações disfasada.

Além de tudo isto, há as questões politicas. Creio que se tornou evidente porque é que precisamos utilizar sistemas europeus ou americanos. Não podemos ficar dependentes dos humores de governos que podem até simpatizar com aquele que é o nosso potencial inimigo ...

É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

Stalker79

  • Investigador
  • *****
  • 1983
  • Recebeu: 499 vez(es)
  • Enviou: 2476 vez(es)
  • +168/-21
Re: Artilharia do Exército
« Responder #925 em: Fevereiro 27, 2023, 04:41:17 pm »
Não parece haver grande similaridade entre os sistemas ASTROS e o Himars ou MLRS.
A principal diferença a acreditar nos dados que são públicos está no tipo e capacidade dos foguetes utilizados.

Não há no sistema da empresa brasileira - que realmente passa por dificuldades para continuar a existir - nada de equivalente.
Com o alcance dos foguetes de 227mm  M31 americanos (cada sistema pode disparar seis) .
Pare encontrar qualquer coisa parecida, seria necessário comparar com um foguete de artilharia de 300mm que são muito mais volumosos, e do qual só podem ser disparados quatro de cada vez.
E claro, haveria que considerar a tecnologia que está gerações disfasada.

Além de tudo isto, há as questões politicas. Creio que se tornou evidente porque é que precisamos utilizar sistemas europeus ou americanos. Não podemos ficar dependentes dos humores de governos que podem até simpatizar com aquele que é o nosso potencial inimigo ...


Por essa razão especificamente é que acho que devia-se ter mais em conta sistemas de paises em que de maneira alguma iriamos entrar em conflito seja porque razão for.
Como a Coreia do Sul ou Israel. Paises europeus ou os Estados Unidos podem simpatizar mais com um nosso potencial inimigo do que propriamente conosco.
Cough, cough, Espanha, Marrocos, cough, cough....
 :-P
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 18773
  • Recebeu: 2497 vez(es)
  • Enviou: 1950 vez(es)
  • +637/-3203
Re: Artilharia do Exército
« Responder #926 em: Março 07, 2023, 11:02:46 am »

Citação de: Nicholas Drummond
The Mk 2 Caesar (CAmion Equipe d'un Systeme d'ARtillerie or gun on a truck) 155 mm 52 calibre howitzer. Range 42 km. Crew 5 or 6. It carries 18 rounds. The new Arquus truck platform has 460 bhp plus an armoured cab with Level 2 STANAG protection. This increases system weight to 25 tonnes. The cost is €6.9 million per system.

7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 2348
  • Recebeu: 833 vez(es)
  • Enviou: 2787 vez(es)
  • +444/-69
Re: Artilharia do Exército
« Responder #927 em: Março 07, 2023, 11:35:05 am »
Se tem 25 ton. deve estar próximo do limite do KC390... 26 ton.?
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 5174
  • Recebeu: 654 vez(es)
  • Enviou: 631 vez(es)
  • +433/-2523
Re: Artilharia do Exército
« Responder #928 em: Março 07, 2023, 01:53:29 pm »
Da para comprar 3.
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6512
  • Recebeu: 829 vez(es)
  • Enviou: 454 vez(es)
  • +8870/-10120
Re: Artilharia do Exército
« Responder #929 em: Março 07, 2023, 02:23:27 pm »
Citar
Não há no sistema da empresa brasileira - que realmente passa por dificuldades para continuar a existir - nada de equivalente.

 :arrow:  https://www.infodefensa.com/texto-diario/mostrar/4194902/entrevista-joo-brasil-director-general-presidente-avibras-aeroespacial-e-defesa