TAP: Notícias

  • 568 Respostas
  • 86592 Visualizações
*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7267
  • Recebeu: 3165 vez(es)
  • Enviou: 1696 vez(es)
  • +1793/-137
Re: TAP: Notícias
« Responder #555 em: Dezembro 11, 2020, 04:53:32 pm »
Como é que um ministro pode afirmar que as rotas de longo curso efectuadas com 321LR, sao uma mais valia e concorrenciais aos operadores que utilizem WB ?
Mas que aldrabão, só  o facto do acft ser a granel.....

Abraços
« Última modificação: Dezembro 11, 2020, 08:48:23 pm por tenente »
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 16437
  • Recebeu: 1491 vez(es)
  • Enviou: 1404 vez(es)
  • +234/-304
Re: TAP: Notícias
« Responder #556 em: Dezembro 12, 2020, 06:54:45 pm »
A TAP é o Novo Banco “com asas”? As diferenças (e as parecenças) entre os dois processos
Tiago Varzim

A ajuda do Estado à TAP tem sido comparada às injeções no Novo Banco. Há diferenças e parecenças, desde os valores em causa às formas de ajuda. Certo é que terão impacto no défice e na dívida pública.
Desde que o Governo decidiu ajudar a TAP no início da pandemia que se fazem comparações com o Novo Banco. Apesar de serem negócios e processos diferentes, ambos absorvem dinheiros públicos para sobreviverem às dificuldades que enfrentam, apesar de teoricamente terem de devolver esses montantes no longo prazo. No caso do Novo Banco, a “fatura” direta do Estado poderá chegar aos 8,4 mil milhões de euros enquanto a da TAP poderá ir até aos 3,7 mil milhões de euros. As reais “faturas” para o erário público estão em aberto, dependendo de uma série de fatores.

Ministro diz que comandantes da TAP ganham até 260 mil euros


Esta sexta-feira, na conferência de imprensa de apresentação do plano de reestruturação, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, fez a comparação política entre os dois dossiers para justificar a defesa de uma votação no Parlamento: “Hoje sabemos que a TAP precisa de um quadro de intervenção de estabilidade e previsibilidade. O que aconteceu com a maioria que decidiu travar as transferências para o Novo Banco… Vemos hoje que o Parlamento pode a qualquer momento travar transferências [para a TAP]“, justificou.

Se por um lado comparou para mostrar semelhanças, Pedro Nuno Santos usou depois o Novo Banco para mostrar as diferenças: “Porque é que a TAP não é um Novo Banco nem vai ser? Na TAP somos nós que lá estamos. A gestão da TAP é da responsabilidade do Estado“, argumentou o ministro das Infraestruturas. De facto, a gestão passará a ser do Estado a partir de agora, mas até ao momento (desde 2016) a gestão tinha ficado maioritariamente nas mãos dos privados.

Pouco tempo depois, em reação, o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), apontou que “já nos compararam inclusivamente aos bancos que foram também sujeitos a reestruturações“. E pegou nessa comparação para dividir o grupo TAP da parte que explora exclusivamente os voos: “Na verdade, podemos comparar a TAP S.A. ao ‘banco bom’, e TAP SGPS, o grupo, ao ‘banco mau’. Neste momento, a TAP S.A. é credora da TAP SGPS, num valor enorme, porque a TAP S.A. produziu a riqueza que permitiu cobrir muitas despesas e negócios ruinosos efetuados pela TAP SGPS”, disse Alfredo Mendonça, presidente da entidade.


O PSD, o maior partido da oposição, também já disse que teme que a TAP se transforme num “Novo Banco com asas” e no mais importante debate do Parlamento, o debate do Estado da Nação, Rui Rio apelidou as empresas de “dois monstros de proporções gigantescas”, tendo chegado a admitir recentemente a liquidação da TAP caso a empresa não mostre que tem viabilidade no futuro.

Sendo assim, a questão coloca-se: o que é igual e diferente no processo da TAP e no do Novo Banco? Do impacto no défice e na dívida ao mecanismo de ajuda, passando pelos valores e as regras europeias, além dos acionistas de cada empresa, o ECO explica-lhe as diferenças e as parecenças entre os dois processos.

Quanto custará “salvar” o Novo Banco?

No caso do Novo Banco é preciso recuar até 2014, ano em que foi concretizada a resolução do banco. O então BES foi dividido em dois, o banco ‘mau’ e o banco ‘bom’, o Novo Banco, no qual foram injetados 4,9 mil milhões de euros por parte do Fundo de Resolução, uma entidade pública que vive das contribuições do setor bancário. Contudo, como as contribuições dos bancos — o FdR, que foi criado em 2012, tinha 380 milhões em 2014 — não eram suficientes, o Estado teve de emprestar o remanescente, cerca de 4,5 mil milhões de euros, os quais vieram da linha de capitalização para os bancos do empréstimo da troika.

Posteriormente, ao abrigo do acordo feito com as autoridades europeias, o Novo Banco tinha de ser vendido, caso contrário era liquidado. Em 2017, foi oficializada a venda ao fundo norte-americano Lone Star com condições: o fundo americano injetava mil milhões de euros, sendo criado um mecanismo de capital contingente de 3,9 mil milhões de euros que obriga o Fundo de Resolução a injetar dinheiro para repor os rácios do Novo Banco em caso de perdas com um conjunto de ativos (até 2020 foram usados três mil milhões). Mais uma vez, como o FdR não tem contribuições da banca suficientes, o Estado tem emprestado anualmente ao FdR para cumprir o contrato. Ao todo, a “fatura” pode ir, para já, até aos 8,4 mil milhões de euros.

E quanto custará “salvar” a TAP?

No caso da TAP, o plano de reestruturação prevê uma ajuda de, no máximo, 3.725 milhões de euros entre 2020 e 2024. Em 2020, o Estado já emprestou 1.200 milhões de euros à transportadora aérea e prevê-se que seja dada, “em princípio” (segundo o Governo), uma garantia pública entre 970 a 1.164 milhões de euros em 2021.

Além disso, este ano o Estado também gastou 55 milhões de euros para comprar a posição de David Neeleman e a Azul na TAP, ficando com 72,5% do capital da empresa. Acresce que, se se recuar a 2016, ano em que o Estado voltou a ficar com uma posição na TAP após a privatização, o Estado desembolsou 1,9 milhões de euros e o acordo com os acionistas privados definiu que o Estado constituiu uma garantia da dívida financeira da TAP no valor de 615 milhões de euros. Ao todo, a “fatura” poderá ir até aos 4.396 milhões de euros se incluirmos a renacionalização (parcial) de 2016 e a compra da posição de Neeleman.

Ambos têm impacto no défice?

Sim, tanto o Novo Banco como a TAP têm impacto no défice porque, apesar de serem empréstimos (em teoria têm de ser devolvidos), como são empresas com situações debilitadas as autoridades estatísticas tendem a registar já no saldo orçamental o impacto das operações por ter dúvidas sobre a recuperação dos valores. No Novo Banco tem sido assim todos os anos. O tratamento estatístico da TAP ainda não está definido, mas antecipa-se que vá tanto ao défice como à dívida pública.

Défice a caminho de 5% em 2021 com mais garantias para a TAP


No caso das garantias, estas servem para a TAP financiar-se junto do mercado ou banca, mas podem vir a ser acionadas (ou seja, o Estado terá de pagar) no futuro se a empresa não tiver capacidade para reembolsar o empréstimo. No caso do empréstimo feito pelo Estado à TAP, o Jornal de Negócios noticiou em agosto que a empresa poderia converter os 1,2 mil milhões de euros em capital. Caso tal aconteça, e os restantes acionistas não acompanhem o Estado, a posição pública na empresa aumentará, mas o Estado não receberá o empréstimo de volta e haverá uma perda efetiva (já contabilizada no défice de 2020).

Tanto o Novo Banco como a TAP vão marcar os Orçamentos?

Tal como o Novo Banco tem sido um assunto anual nos Orçamentos do Estado, a TAP também deverá passar a ser uma vez que o plano de reestruturação — se for aprovado pela Comissão Europeia — prevê ajudas (em principio garantias estatais, mas podem ter outra forma) até 2024. No caso do Novo Banco, o mecanismo de capital contingente está quase a ser esgotado e o CEO do banco, António Ramalho, indiciou que a injeção de 2021 poderá ser a última.

Governo vai vender empresa de manutenção da TAP no Brasil


No Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021), o Governo previa uma garantia estatal de 500 milhões de euros para a TAP no próximo ano. Agora com o plano de reestruturação já se sabe que o valor poderá ser o dobro, mas se for em forma de garantia não será necessário um retificativo uma vez que o Parlamento autorizou o Executivo a prestar garantias até um máximo de cinco mil milhões de euros, o que permite acomodar esta necessidade adicional para a transportadora aérea.

Quem detém cada empresa?

No caso do Novo Banco, o Lone Star ficou com 75% do capital, sendo que os restantes 25% pertencem ao Fundo de Resolução. Esta é uma entidade pública, mas vive das contribuições da banca. No caso da TAP, o Estado tinha 50% do capital antes da pandemia, mas para viabilizar a empresa comprou a posição de David Neeleman e da Azul, ficando com 72,5% do capital. Os restantes 27,5% dividem-se da seguinte forma: 22,5% para o português Humberto Pedroso e 5% estão nas mãos dos trabalhadores.

Ao abrigo de que regras estão a ser ajudadas estas empresas?

Ambas as operações tiveram de ser escrutinadas pela Comissão Europeia através da Direção-Geral da Concorrência (DGComp), cuja liderança política continua a ser da comissária dinamarquesa Margrethe Vestager. Como se tratam, ainda de formas diferentes, de ajudas de Estado — as quais são limitadas pelas regras europeias, tal como acordadas entre todos os Estados-membros –, era necessária a aprovação por parte da Comissão, que tem o poder executivo de fazer cumprir as regras da UE. No caso do Novo Banco, sendo um banco de transição e já tendo recebido ajudas públicas em 2014, este teria de fazer uma reestruturação e depois ser vendido (ou liquidado, o que poderia ter consequências para a banca e a economia), para evitar distorções da concorrência

Por estar em dificuldades antes da crise pandémica, a TAP não é elegível ao Quadro temporário da Comissão relativo aos auxílios estatais (criado na sequência da pandemia), destinado a apoiar empresas europeias que de outro modo seriam viáveis. Assim, a empresa será ajudada pelo Estado português ao abrigo das regras gerais para os auxílios estatais de emergência e à reestruturação. Estas permitem que haja um apoio desde que seja limitado no tempo e no seu âmbito. Não se sabe que implicação terá para o futuro da TAP em concreto. Tal só deverá saber após a negociação em Bruxelas do plano de reestruturação apresentado esta sexta-feira pelo Governo.

O que implica o plano de reestruturação?

No essencial, a ajuda de Estado é aprovada se a empresa conseguir provar que tem viabilidade futura, o que implica a apresentação de um plano de reestruturação. Foram fixadas metas ao Novo Banco, o que incluía a redução de pessoal e agência, a venda de subsidiárias e outros negócios. Na TAP, o plano original (que poderá ser modificado nas negociações com Bruxelas) define uma redução dos postos de trabalho, dos aviões em circulação e a alienação de negócios, como é o caso de uma operação de manutenção no Brasil.

https://eco.sapo.pt/2020/12/12/a-tap-e-o-novo-novo-banco-as-diferencas-e-as-parecencas-entre-os-dois-processos/
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4082
  • Recebeu: 346 vez(es)
  • Enviou: 247 vez(es)
  • +488/-345
Re: TAP: Notícias
« Responder #557 em: Dezembro 12, 2020, 09:36:27 pm »
A TAP é o Novo Banco “com asas”? As diferenças (e as parecenças) entre os dois processos
Tiago Varzim

A ajuda do Estado à TAP tem sido comparada às injeções no Novo Banco. Há diferenças e parecenças, desde os valores em causa às formas de ajuda. Certo é que terão impacto no défice e na dívida pública.
Desde que o Governo decidiu ajudar a TAP no início da pandemia que se fazem comparações com o Novo Banco. Apesar de serem negócios e processos diferentes, ambos absorvem dinheiros públicos para sobreviverem às dificuldades que enfrentam, apesar de teoricamente terem de devolver esses montantes no longo prazo. No caso do Novo Banco, a “fatura” direta do Estado poderá chegar aos 8,4 mil milhões de euros enquanto a da TAP poderá ir até aos 3,7 mil milhões de euros. As reais “faturas” para o erário público estão em aberto, dependendo de uma série de fatores.

Ministro diz que comandantes da TAP ganham até 260 mil euros


Esta sexta-feira, na conferência de imprensa de apresentação do plano de reestruturação, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, fez a comparação política entre os dois dossiers para justificar a defesa de uma votação no Parlamento: “Hoje sabemos que a TAP precisa de um quadro de intervenção de estabilidade e previsibilidade. O que aconteceu com a maioria que decidiu travar as transferências para o Novo Banco… Vemos hoje que o Parlamento pode a qualquer momento travar transferências [para a TAP]“, justificou.

Se por um lado comparou para mostrar semelhanças, Pedro Nuno Santos usou depois o Novo Banco para mostrar as diferenças: “Porque é que a TAP não é um Novo Banco nem vai ser? Na TAP somos nós que lá estamos. A gestão da TAP é da responsabilidade do Estado“, argumentou o ministro das Infraestruturas. De facto, a gestão passará a ser do Estado a partir de agora, mas até ao momento (desde 2016) a gestão tinha ficado maioritariamente nas mãos dos privados.

Pouco tempo depois, em reação, o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), apontou que “já nos compararam inclusivamente aos bancos que foram também sujeitos a reestruturações“. E pegou nessa comparação para dividir o grupo TAP da parte que explora exclusivamente os voos: “Na verdade, podemos comparar a TAP S.A. ao ‘banco bom’, e TAP SGPS, o grupo, ao ‘banco mau’. Neste momento, a TAP S.A. é credora da TAP SGPS, num valor enorme, porque a TAP S.A. produziu a riqueza que permitiu cobrir muitas despesas e negócios ruinosos efetuados pela TAP SGPS”, disse Alfredo Mendonça, presidente da entidade.


O PSD, o maior partido da oposição, também já disse que teme que a TAP se transforme num “Novo Banco com asas” e no mais importante debate do Parlamento, o debate do Estado da Nação, Rui Rio apelidou as empresas de “dois monstros de proporções gigantescas”, tendo chegado a admitir recentemente a liquidação da TAP caso a empresa não mostre que tem viabilidade no futuro.

Sendo assim, a questão coloca-se: o que é igual e diferente no processo da TAP e no do Novo Banco? Do impacto no défice e na dívida ao mecanismo de ajuda, passando pelos valores e as regras europeias, além dos acionistas de cada empresa, o ECO explica-lhe as diferenças e as parecenças entre os dois processos.

Quanto custará “salvar” o Novo Banco?

No caso do Novo Banco é preciso recuar até 2014, ano em que foi concretizada a resolução do banco. O então BES foi dividido em dois, o banco ‘mau’ e o banco ‘bom’, o Novo Banco, no qual foram injetados 4,9 mil milhões de euros por parte do Fundo de Resolução, uma entidade pública que vive das contribuições do setor bancário. Contudo, como as contribuições dos bancos — o FdR, que foi criado em 2012, tinha 380 milhões em 2014 — não eram suficientes, o Estado teve de emprestar o remanescente, cerca de 4,5 mil milhões de euros, os quais vieram da linha de capitalização para os bancos do empréstimo da troika.

Posteriormente, ao abrigo do acordo feito com as autoridades europeias, o Novo Banco tinha de ser vendido, caso contrário era liquidado. Em 2017, foi oficializada a venda ao fundo norte-americano Lone Star com condições: o fundo americano injetava mil milhões de euros, sendo criado um mecanismo de capital contingente de 3,9 mil milhões de euros que obriga o Fundo de Resolução a injetar dinheiro para repor os rácios do Novo Banco em caso de perdas com um conjunto de ativos (até 2020 foram usados três mil milhões). Mais uma vez, como o FdR não tem contribuições da banca suficientes, o Estado tem emprestado anualmente ao FdR para cumprir o contrato. Ao todo, a “fatura” pode ir, para já, até aos 8,4 mil milhões de euros.

E quanto custará “salvar” a TAP?

No caso da TAP, o plano de reestruturação prevê uma ajuda de, no máximo, 3.725 milhões de euros entre 2020 e 2024. Em 2020, o Estado já emprestou 1.200 milhões de euros à transportadora aérea e prevê-se que seja dada, “em princípio” (segundo o Governo), uma garantia pública entre 970 a 1.164 milhões de euros em 2021.

Além disso, este ano o Estado também gastou 55 milhões de euros para comprar a posição de David Neeleman e a Azul na TAP, ficando com 72,5% do capital da empresa. Acresce que, se se recuar a 2016, ano em que o Estado voltou a ficar com uma posição na TAP após a privatização, o Estado desembolsou 1,9 milhões de euros e o acordo com os acionistas privados definiu que o Estado constituiu uma garantia da dívida financeira da TAP no valor de 615 milhões de euros. Ao todo, a “fatura” poderá ir até aos 4.396 milhões de euros se incluirmos a renacionalização (parcial) de 2016 e a compra da posição de Neeleman.

Ambos têm impacto no défice?

Sim, tanto o Novo Banco como a TAP têm impacto no défice porque, apesar de serem empréstimos (em teoria têm de ser devolvidos), como são empresas com situações debilitadas as autoridades estatísticas tendem a registar já no saldo orçamental o impacto das operações por ter dúvidas sobre a recuperação dos valores. No Novo Banco tem sido assim todos os anos. O tratamento estatístico da TAP ainda não está definido, mas antecipa-se que vá tanto ao défice como à dívida pública.

Défice a caminho de 5% em 2021 com mais garantias para a TAP


No caso das garantias, estas servem para a TAP financiar-se junto do mercado ou banca, mas podem vir a ser acionadas (ou seja, o Estado terá de pagar) no futuro se a empresa não tiver capacidade para reembolsar o empréstimo. No caso do empréstimo feito pelo Estado à TAP, o Jornal de Negócios noticiou em agosto que a empresa poderia converter os 1,2 mil milhões de euros em capital. Caso tal aconteça, e os restantes acionistas não acompanhem o Estado, a posição pública na empresa aumentará, mas o Estado não receberá o empréstimo de volta e haverá uma perda efetiva (já contabilizada no défice de 2020).

Tanto o Novo Banco como a TAP vão marcar os Orçamentos?

Tal como o Novo Banco tem sido um assunto anual nos Orçamentos do Estado, a TAP também deverá passar a ser uma vez que o plano de reestruturação — se for aprovado pela Comissão Europeia — prevê ajudas (em principio garantias estatais, mas podem ter outra forma) até 2024. No caso do Novo Banco, o mecanismo de capital contingente está quase a ser esgotado e o CEO do banco, António Ramalho, indiciou que a injeção de 2021 poderá ser a última.

Governo vai vender empresa de manutenção da TAP no Brasil


No Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021), o Governo previa uma garantia estatal de 500 milhões de euros para a TAP no próximo ano. Agora com o plano de reestruturação já se sabe que o valor poderá ser o dobro, mas se for em forma de garantia não será necessário um retificativo uma vez que o Parlamento autorizou o Executivo a prestar garantias até um máximo de cinco mil milhões de euros, o que permite acomodar esta necessidade adicional para a transportadora aérea.

Quem detém cada empresa?

No caso do Novo Banco, o Lone Star ficou com 75% do capital, sendo que os restantes 25% pertencem ao Fundo de Resolução. Esta é uma entidade pública, mas vive das contribuições da banca. No caso da TAP, o Estado tinha 50% do capital antes da pandemia, mas para viabilizar a empresa comprou a posição de David Neeleman e da Azul, ficando com 72,5% do capital. Os restantes 27,5% dividem-se da seguinte forma: 22,5% para o português Humberto Pedroso e 5% estão nas mãos dos trabalhadores.

Ao abrigo de que regras estão a ser ajudadas estas empresas?

Ambas as operações tiveram de ser escrutinadas pela Comissão Europeia através da Direção-Geral da Concorrência (DGComp), cuja liderança política continua a ser da comissária dinamarquesa Margrethe Vestager. Como se tratam, ainda de formas diferentes, de ajudas de Estado — as quais são limitadas pelas regras europeias, tal como acordadas entre todos os Estados-membros –, era necessária a aprovação por parte da Comissão, que tem o poder executivo de fazer cumprir as regras da UE. No caso do Novo Banco, sendo um banco de transição e já tendo recebido ajudas públicas em 2014, este teria de fazer uma reestruturação e depois ser vendido (ou liquidado, o que poderia ter consequências para a banca e a economia), para evitar distorções da concorrência

Por estar em dificuldades antes da crise pandémica, a TAP não é elegível ao Quadro temporário da Comissão relativo aos auxílios estatais (criado na sequência da pandemia), destinado a apoiar empresas europeias que de outro modo seriam viáveis. Assim, a empresa será ajudada pelo Estado português ao abrigo das regras gerais para os auxílios estatais de emergência e à reestruturação. Estas permitem que haja um apoio desde que seja limitado no tempo e no seu âmbito. Não se sabe que implicação terá para o futuro da TAP em concreto. Tal só deverá saber após a negociação em Bruxelas do plano de reestruturação apresentado esta sexta-feira pelo Governo.

O que implica o plano de reestruturação?

No essencial, a ajuda de Estado é aprovada se a empresa conseguir provar que tem viabilidade futura, o que implica a apresentação de um plano de reestruturação. Foram fixadas metas ao Novo Banco, o que incluía a redução de pessoal e agência, a venda de subsidiárias e outros negócios. Na TAP, o plano original (que poderá ser modificado nas negociações com Bruxelas) define uma redução dos postos de trabalho, dos aviões em circulação e a alienação de negócios, como é o caso de uma operação de manutenção no Brasil.

https://eco.sapo.pt/2020/12/12/a-tap-e-o-novo-novo-banco-as-diferencas-e-as-parecencas-entre-os-dois-processos/

Esqueçam os F-35...
Talent de rien fair
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7267
  • Recebeu: 3165 vez(es)
  • Enviou: 1696 vez(es)
  • +1793/-137
Re: TAP: Notícias
« Responder #558 em: Dezembro 13, 2020, 12:21:28 pm »
Quem chama a esta conversaozita, da caca, uma aeronave de carga, não sabe o que diz, nem o que escreve.

Até onde se sabe a adaptação da aeronave refere-se apenas à remoção de todos os assentos, que está sendo feita na TAP M&E de Lisboa. Não existem planos para a instalação de uma porta de carga, que tenham sido divulgados

https://www.aeroin.net/primeiro-airbus-a330-da-tap-air-cargo-esta-ficando-pronto/

Abraços
Aqui temos a famosa aeronave de pax convertida para cargueiro.
Porta de carga nem vê-la, então como é que os espertos resolvem a situação ??
Encostam um loader á porta #2, desfazem as paletes, e carregam volume a volume á mão na aeronave, fazem as paletes e fecham-nas.
este pessoal esquece-se de um pequeno pormenor, as normas de segurança dizem, que o STAFF não deve efectuar passagens do Loader=>ACFT e vice versa quando este está em posição elevada, por todos os motivos emais algum, o único elemento na posição de condução/operação do Loader, será o seu operador.
CABECINHAS PENSADORAS !!!!!!


O tempo que demora a efectuar estes procedimento, o numero de staff necessário para tal, encarece, e de que maneira a operação.
Uma aeronave de carga com capacidades semelhantes ao 339, demorará em média por rotação, descarregar/carregar, cerca de uma hora a uma e quinze, máximo.
No caso deste 339 " convertido ", o tempo necessário para uma rotação, se a aeronave tiver umas dez/quinze tons no main deck, será no minimo mais do dobro, até mesmo praticamente o triplo.
Se a operação decorrer num aeroporto cujas taxas de estacionamento sejam cobradas como em LIS, a partir das 03H00 de chão e a cerca de €7/Ton, de certeza que a médio prazo alguém na TAP, chegará á conclusão que as centenas de milhares de euros necessárias para se colocar uma porta de carga teriam valido a pena !!!





Abraços
« Última modificação: Dezembro 13, 2020, 12:45:50 pm por tenente »
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7267
  • Recebeu: 3165 vez(es)
  • Enviou: 1696 vez(es)
  • +1793/-137
Re: TAP: Notícias
« Responder #559 em: Dezembro 14, 2020, 02:54:11 pm »
Sr ministro o Estado ficará com 95% da TAP, como é logico o único privado presente no capital, não irá acompanhar os 1200 milhões que foram injectados na TAP, e como nunca serão restituídos ao Estado, serão convertidos em capital.
Não é preciso ser-se muito inteligente para ver onde estes 1200 vão ficarr, ou é??
Não nos dê mais música.

https://www.noticiasaominuto.com/economia/1646273/estado-ficara-com-90-e-muitos-por-cento-da-tap-diz-pedro-nuno-santos

Abraços
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 10018
  • Recebeu: 1176 vez(es)
  • Enviou: 1685 vez(es)
  • +1023/-1413
Re: TAP: Notícias
« Responder #560 em: Dezembro 16, 2020, 08:10:17 am »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 1742
  • Recebeu: 114 vez(es)
  • Enviou: 32 vez(es)
  • +173/-2048
Re: TAP: Notícias
« Responder #561 em: Dezembro 19, 2020, 12:00:01 pm »
Portugália poderá mudar de nome para TAP Express
https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/portugalia-podera-mudar-de-nome-para-tap-express-678987

Citar
A companhia aérea vai fazer parte do plano de reestruturação da TAP. Segundo o “Expresso”, empresa poderá mudar o nome de Portugália para TAP Express.
A Portugália vai ser uma peça central na estratégia da nova TAP. Com uma operação mais barata, a companhia vai assumir um novo protagonismo. De acordo com a notícia avançada pelo “Expresso“, esta sexta-feira, a companhia aérea nacional poderá mudar o nome de Portugália para TAP Express.

Com custos mais baixos, é a ela que a TAP tem recorrido nos últimos meses para sobreviver à escassez de passageiros e à necessidade de corte de despesas. Estima-se que o custo por quilómetro de voos feitos pela Portugália fique 25% abaixo do custo de um voo feito pela TAP. Não obstante, o custo por assento é, em média, 7% mais caro num Embraer da Portugália do que nos A320 Neo usados pela casa-mãe.

O objetivo do Governo, e que já consta, aliás, da proposta de plano de reestruturação entregue em Bruxelas, é transformar a Portugália numa companhia para o curto e médio curso
A Vida é um teste e uma incumbência de  confiança.
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 3785
  • Recebeu: 897 vez(es)
  • Enviou: 205 vez(es)
  • +187/-93
Re: TAP: Notícias
« Responder #562 em: Dezembro 28, 2020, 07:25:45 pm »
https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/transportes/aviacao/detalhe/ramiro-sequeira-quase-dobra-salario-na-tap-em-reestruturacao

 ::)

Acho ainda mais piada ao salário do antecessor, com 14 mil euros extra para a educação dos filhos e casa. Só de pensar que há famílias que têm de pagar os estudos dos filhos e todas as outras despesas, com rendimento mínimo...
« Última modificação: Dezembro 28, 2020, 08:24:40 pm por dc »
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2183
  • Recebeu: 930 vez(es)
  • Enviou: 408 vez(es)
  • +924/-46
Re: TAP: Notícias
« Responder #563 em: Dezembro 28, 2020, 09:23:06 pm »
https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/transportes/aviacao/detalhe/ramiro-sequeira-quase-dobra-salario-na-tap-em-reestruturacao

 ::)

Acho ainda mais piada ao salário do antecessor, com 14 mil euros extra para a educação dos filhos e casa. Só de pensar que há famílias que têm de pagar os estudos dos filhos e todas as outras despesas, com rendimento mínimo...

Considero a notícia quase inventada! O que os jornaleiros querem passar ao público é que o novo CEO duplica o salário antes de levar com o corte que pode chegar a 30%! Mas quem for ler a notícia dos próprios jornaleiros, percebe que não é nada disso que se trata, o senhor tinha um salário quando era Director na TAP de metade de 35 000€, agora que passou a ser o CEO (nomeado pelo Governo, note-se), o seu novo salário passa a ser de 35 000€ (o dobro do que ganhava antes). É normal alguém que sobe de posto passar a ganhar mais e neste caso até ganha menos 10 000€ por mês que o brasileiro e já nem falo nas ajudas de custos!!!!!

Podemos discutir se 35 000€ é muito ou pouco, o que o jornal não pode é colocar um título daqueles que engana quem não for ler o conteúdo da própria notícia!!!!!! Até podemos discutir se uma empresa pública pode ou deve pagar tal salário (uma empresa privada paga o que entender). Não é inédito no Estado português, o estado foi buscar um antigo Director do BCP para chefiar o Fisco (Paulo de Macedo), a ganhar 23 000€ por mês, à 15 anos atrás...... aliás era esse o salário que auferia quando deixou de ser Director do BCP!!!!!! Também podemos achar que é muito dinheiro e é, mas é verdade é só uma, o Fisco deixou de ser o morto-vivo (semelhante à actual Segurança Social) e passou a ser o todo poderoso fisco actual, que vai cobrar impostos a quem quer que seja!!!!!!

Quem está à frente de uma empresa destas, tem de ter perfil e ser bem remunerado, para não ser tentado....... (corrupção). Se não mostrar o que vale é despedido! É essa a vida de um gestor, ora está empregado e a ganhar muito bem ora está desempregado! E não tem direito a subsídio de desemprego (um Administrador)!

Mas o estado pode sempre poupar uns cobres e contratar um boy qualquer por um salário muito mais baixo  :mrgreen:
Pode é o custo final ser muito maior para a empresa. Já agora, para ter uma noção do que falamos, com um salário bruto de 35 000€ mensais, aplicados os impostos devidos (45% de IRS + 11% de Segurança Social), fica com meros 15 000€ líquidos!!!!!! Ainda ganha mais o estado sem fazer nada!!!!!!!!

Mas eu preferia que a fúria tuga se virasse mais para certos atletas com salários pagos por offshores...... que chegam a ganhar 500 000€........ por mês! Pagos por clubes tugas falidos!!!!!!! E já que se fala de clubes, o pintinho ganha pelo menos o dobro do Presidente da TAP!!!!!!!
« Última modificação: Dezembro 28, 2020, 09:30:11 pm por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 10018
  • Recebeu: 1176 vez(es)
  • Enviou: 1685 vez(es)
  • +1023/-1413
Re: TAP: Notícias
« Responder #564 em: Dezembro 29, 2020, 02:50:58 pm »
Um balazio nos cornos dessa escumalha era pouco
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7267
  • Recebeu: 3165 vez(es)
  • Enviou: 1696 vez(es)
  • +1793/-137
Re: TAP: Notícias
« Responder #565 em: Dezembro 30, 2020, 05:08:44 pm »
Do melhor revela e bem o caracter dos gestoreszecos da TAP.

https://www.publico.pt/2020/12/29/politica/editorial/aumentos-tap-sao-indigencia-moral-1944578

Abraços
« Última modificação: Dezembro 30, 2020, 05:09:50 pm por tenente »
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2183
  • Recebeu: 930 vez(es)
  • Enviou: 408 vez(es)
  • +924/-46
Re: TAP: Notícias
« Responder #566 em: Janeiro 02, 2021, 12:18:19 pm »
A nacionalização da TAP é um disparate e um erro de casting.
A comunicação social está a desviar o problema para o salário do actual CEO...... escolhido por este governo em 2020!!!!!!

Mas quem sabe fazer contas, pega no Relatório de Gestão da TAP de 2019 (https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=&ved=2ahUKEwjUh5KJmv3tAhWsRBUIHT7mD0kQFjAAegQIARAC&url=https%3A%2F%2Fwww.tapairportugal.com%2Fen%2F-%2Fmedia%2FInstitucional%2FPDFs%2FInvestidores%2FComunicados%2FRC-TAP-SA-Individual-2019.pdf%3Fla%3Den%26hash%3DA088BB48EFC46D2818595D1DE9627BDE357D3468&usg=AOvVaw0rfKzHH72GKhFmd1Xjc3wm)

Divide os salários pagos em 2019 (700 milhões de euros) pelos 9 006 funcionários da companhia e dá um bonito número de 78 000€ de salários médio por cada funcionário da TAP!!!!!!!!

Ou seja, o problema não está só nos Administradores da TAP, está em todo o pessoal que ganha muito acima do comum mortal!!!!!!!
Mesmo com um corte de 25 ou 30% nos salários, continuam a ganhar mais de 50 000€ por ano!!!!!!!

Se calhar o nível salarial até será este para uma companhia aérea...... mas não para um país como Portugal, com a empresa a ser resgatada com os descontos dos contribuintes!!!!!!

Continuamos a resgatar "os ricos"!!!!! Não aprendemos nada com a crise do subprime, nem com a vinda da troika!!!!!
Como é que um estado justifica congelar por exemplo os salários dos seus funcionários (públicos) e vai resgatar uma empresa com gastos sumptuosos? Não percebo!!!!!!!
« Última modificação: Janeiro 02, 2021, 12:43:28 pm por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, Get_It, HSMW

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7267
  • Recebeu: 3165 vez(es)
  • Enviou: 1696 vez(es)
  • +1793/-137

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 7267
  • Recebeu: 3165 vez(es)
  • Enviou: 1696 vez(es)
  • +1793/-137
Re: TAP: Notícias Novo
« Responder #568 em: Janeiro 15, 2021, 10:34:36 am »
Deve conseguir financiar-se em 2022, deve.
Nem para pagar os 1200 milhões que receberam quanto mais, andam todos a fumar e do bom.

https://eco.sapo.pt/2021/01/15/tap-a-financiar-se-sozinha-ja-em-2022-so-com-regresso-do-turismo-e-vai-pagar-caro/

Abraços
« Última modificação: Janeiro 15, 2021, 10:54:44 am por tenente »