THE CAUSES AND CURES OF ISLAMOFASCISM

  • 14 Respostas
  • 3546 Visualizações
*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +7/-12
THE CAUSES AND CURES OF ISLAMOFASCISM
« em: Novembro 05, 2005, 04:39:39 pm »
Este artigo foi escrito por um historiador Americano para o "WallStreet Journal"; Ele ganhou fama na América do Norte devido a um livro que escreveu -"The end of history"-. Leiam com atenção porque os pontos de vista que ele apresenta em relação ao crescimento do islamismo na Europa estão corretíssimos.

===============================================

A Year of Living Dangerously
Remember Theo van Gogh, and shudder for the future.

BY FRANCIS FUKUYAMA
Wednesday, November 2, 2005 12:01 a.m.

One year ago today, the Dutch filmmaker Theo van Gogh had his throat ritually slit by Mohamed Bouyeri, a Muslim born in Holland who spoke fluent Dutch. This event has totally transformed Dutch politics, leading to stepped-up police controls that have now virtually shut off new immigration there. Together with the July 7 bombings in London (also perpetrated by second generation Muslims who were British citizens), this event should also change dramatically our view of the nature of the threat from radical Islamism.

We have tended to see jihadist terrorism as something produced in dysfunctional parts of the world, such as Afghanistan, Pakistan or the Middle East, and exported to Western countries. Protecting ourselves is a matter either of walling ourselves off, or, for the Bush administration, going "over there" and trying to fix the problem at its source by promoting democracy.

There is good reason for thinking, however, that a critical source of contemporary radical Islamism lies not in the Middle East, but in Western Europe. In addition to Bouyeri and the London bombers, the March 11 Madrid bombers and ringleaders of the September 11 attacks such as Mohamed Atta were radicalized in Europe. In the Netherlands, where upwards of 6% of the population is Muslim, there is plenty of radicalism despite the fact that Holland is both modern and democratic. And there exists no option for walling the Netherlands off from this problem.

We profoundly misunderstand contemporary Islamist ideology when we see it as an assertion of traditional Muslim values or culture. In a traditional Muslim country, your religious identity is not a matter of choice; you receive it, along with your social status, customs and habits, even your future marriage partner, from your social environment. In such a society there is no confusion as to who you are, since your identity is given to you and sanctioned by all of the society's institutions, from the family to the mosque to the state.

The same is not true for a Muslim who lives as an immigrant in a suburb of Amsterdam or Paris. All of a sudden, your identity is up for grabs; you have seemingly infinite choices in deciding how far you want to try to integrate into the surrounding, non-Muslim society. In his book "Globalized Islam" (2004), the French scholar Olivier Roy argues persuasively that contemporary radicalism is precisely the product of the "deterritorialization" of Islam, which strips Muslim identity of all of the social supports it receives in a traditional Muslim society.

The identity problem is particularly severe for second- and third-generation children of immigrants. They grow up outside the traditional culture of their parents, but unlike most newcomers to the United States, few feel truly accepted by the surrounding society.

Contemporary Europeans downplay national identity in favor of an open, tolerant, "post-national" Europeanness. But the Dutch, Germans, French and others all retain a strong sense of their national identity, and, to differing degrees, it is one that is not accessible to people coming from Turkey, Morocco or Pakistan. Integration is further inhibited by the fact that rigid European labor laws have made low-skill jobs hard to find for recent immigrants or their children. A significant proportion of immigrants are on welfare, meaning that they do not have the dignity of contributing through their labor to the surrounding society. They and their children understand themselves as outsiders.

It is in this context that someone like Osama bin Laden appears, offering young converts a universalistic, pure version of Islam that has been stripped of its local saints, customs and traditions. Radical Islamism tells them exactly who they are--respected members of a global Muslim umma to which they can belong despite their lives in lands of unbelief. Religion is no longer supported, as in a true Muslim society, through conformity to a host of external social customs and observances; rather it is more a question of inward belief. Hence Mr. Roy's comparison of modern Islamism to the Protestant Reformation, which similarly turned religion inward and stripped it of its external rituals and social supports.

If this is in fact an accurate description of an important source of radicalism, several conclusions follow. First, the challenge that Islamism represents is not a strange and unfamiliar one. Rapid transition to modernity has long spawned radicalization; we have seen the exact same forms of alienation among those young people who in earlier generations became anarchists, Bolsheviks, fascists or members of the Bader-Meinhof gang. The ideology changes but the underlying psychology does not.

Further, radical Islamism is as much a product of modernization and globalization as it is a religious phenomenon; it would not be nearly as intense if Muslims could not travel, surf the Web, or become otherwise disconnected from their culture. This means that "fixing" the Middle East by bringing modernization and democracy to countries like Egypt and Saudi Arabia will not solve the terrorism problem, but may in the short run make the problem worse. Democracy and modernization in the Muslim world are desirable for their own sake, but we will continue to have a big problem with terrorism in Europe regardless of what happens there.

The real challenge for democracy lies in Europe, where the problem is an internal one of integrating large numbers of angry young Muslims and doing so in a way that does not provoke an even angrier backlash from right-wing populists. Two things need to happen: First, countries like Holland and Britain need to reverse the counterproductive multiculturalist policies that sheltered radicalism, and crack down on extremists. But second, they also need to reformulate their definitions of national identity to be more accepting of people from non-Western backgrounds.

The first has already begun to happen. In recent months, both the Dutch and British have in fact come to an overdue recognition that the old version of multiculturalism they formerly practiced was dangerous and counterproductive. Liberal tolerance was interpreted as respect not for the rights of individuals, but of groups, some of whom were themselves intolerant (by, for example, dictating whom their daughters could befriend or marry). Out of a misplaced sense of respect for other cultures, Muslims minorities were left to regulate their own behavior, an attitude which dovetailed with a traditional European corporatist approaches to social organization. In Holland, where the state supports separate Catholic, Protestant and socialist schools, it was easy enough to add a Muslim "pillar" that quickly turned into a ghetto disconnected from the surrounding society.

New policies to reduce the separateness of the Muslim community, like laws discouraging the importation of brides from the Middle East, have been put in place in the Netherlands. The Dutch and British police have been given new powers to monitor, detain and expel inflammatory clerics. But the much more difficult problem remains of fashioning a national identity that will connect citizens of all religions and ethnicities in a common democratic culture, as the American creed has served to unite new immigrants to the United States.

Since van Gogh's murder, the Dutch have embarked on a vigorous and often impolitic debate on what it means to be Dutch, with some demanding of immigrants not just an ability to speak Dutch, but a detailed knowledge of Dutch history and culture that many Dutch people do not have themselves. But national identity has to be a source of inclusion, not exclusion; nor can it be based, contrary to the assertion of the gay Dutch politician Pym Fortuyn who was assassinated in 2003, on endless tolerance and valuelessness. The Dutch have at least broken through the stifling barrier of political correctness that has prevented most other European countries from even beginning a discussion of the interconnected issues of identity, culture and immigration. But getting the national identity question right is a delicate and elusive task.

Many Europeans assert that the American melting pot cannot be transported to European soil. Identity there remains rooted in blood, soil and ancient shared memory. This may be true, but if so, democracy in Europe will be in big trouble in the future as Muslims become an ever larger percentage of the population. And since Europe is today one of the main battlegrounds of the war on terrorism, this reality will matter for the rest of us as well.

Mr. Fukuyama is professor of international political economy at Johns Hopkins and chairman of the editorial board of The American Interest.
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7082
  • Recebeu: 546 vez(es)
  • Enviou: 244 vez(es)
  • +481/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Novembro 05, 2005, 09:34:51 pm »
Este cromo é aquele que disse que com o fim da União Soviética, havia o fim das ideologias e consequentemente o fim da história...e agora, face ao avanço dos extermismos religiosos, nomeadamente muçulmanos, rendeu-se à evidência, que afinal a história não acabou :? ...também nos EUA qualquer "tótó" chega a Professor Catedrático... 8)

Cumprimentos
B. Pereira Marques
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7604
  • Recebeu: 546 vez(es)
  • Enviou: 186 vez(es)
  • +224/-270
(sem assunto)
« Responder #2 em: Novembro 05, 2005, 11:39:36 pm »
Citação de: "PereiraMarques"
também nos EUA qualquer "tótó" chega a Professor Catedrático... 8)
B. Pereira Marques


Aliás, tal como acontece aqui...
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7082
  • Recebeu: 546 vez(es)
  • Enviou: 244 vez(es)
  • +481/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Novembro 06, 2005, 12:08:40 am »
Há muitos Catedráticos que são "tótós" em Portugal, mas não é qualquer "tótó" que chega a Catedrático...nos EUA as universidades não têm grandes limitações quantitativas para Catedráticos, por isso é que eu digo que é qualquer um chega a essa categoria...

Cumprimentos
B. Pereira Marques
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 3465
  • Recebeu: 1856 vez(es)
  • Enviou: 3577 vez(es)
  • +1365/-98
(sem assunto)
« Responder #4 em: Novembro 06, 2005, 04:29:43 am »
Isso nao e' bem verdade. Nos EUA para se chegar a catedratico tem que se trabalhar (leccionar, investigar e publicar) muito. Pelo contrario, em Portugal e' norma os profs nao fazerem nada assim que chegam a associados. Porque? Porque a partir de associados ja' tem vinculo definitivo 'a funcao publica; e' a velha busca do tacho perdido. Felizmente a tendencia tem vindo a inverter-se.
Talent de ne rien faire
 

*

JoseMFernandes

  • Perito
  • **
  • 394
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Novembro 06, 2005, 10:19:20 am »
Apenas uma breve nota.O Publico de hoje (6/11/05) transcreve o artigo em causa de Fukuyama, intitulando-o ' A Jihad dentro de casa'.Esta também acessivel on-line mas penso que apenas para os assinantes, como é o meu caso.
Cumprimentos
 

*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +7/-12
(sem assunto)
« Responder #6 em: Novembro 06, 2005, 11:21:35 pm »
Citação de: "PereiraMarques"
Este cromo é aquele que disse que com o fim da União Soviética, havia o fim das ideologias e consequentemente o fim da história...e agora, face ao avanço dos extermismos religiosos, nomeadamente muçulmanos, rendeu-se à evidência, que afinal a história não acabou :? ...também nos EUA qualquer "tótó" chega a Professor Catedrático... 8)

Cumprimentos
B. Pereira Marques


Vc nem se deu ao trabalho de comentar os comentários do homem, limitou-se a chamar-lhe nomes.

E qualquer um é prof. catedrático na USA!? Acho que vc ou mal conhece, ou não conhece a ética de trabalho dos Americanos.

De qualquer forma a sua generalização é tão absurda que penso que vc se calhar nem pensou no que escreveu antes de escrever. A América no século XX recebeu algo como 70 prémios nobel, então se os institutos académicos deles são assim tão rascas, e com padrões de qualidade tão baixa, tendo em conta os resultados obtidos, o que se pode dizer dos nossos, que só produziram um.

===============================================

Zezoca:

Seria possível vc por aqui o artigo traduzido pelo Público?
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7082
  • Recebeu: 546 vez(es)
  • Enviou: 244 vez(es)
  • +481/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Novembro 06, 2005, 11:41:09 pm »
Tem razão no que se refere ao facto de não ter comentado os comentários do sr...

E a quantidade de universidades que existem nos EUA? E o dinheiro investido nas mesmas? E quantos dos principais investigadores/professores não são indíviduos estrangeiros, posteriormente naturalizados norte-americanos?

Quanto a ética de trabalho americana, que produz muitos professores catedráticos que não sabem falar uma única língua estrangeira e/ou têm uma cultura geral mediocre, bem podem ficar com ela...

Será assim tão importante ter índividuos que sabem todo sobre um determinado assunto e nada sobre o que se passa à sua volta?

Cumprimentos
B. Pereira Marques
 

*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1254
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +7/-12
(sem assunto)
« Responder #8 em: Novembro 06, 2005, 11:50:27 pm »
Citação de: "PereiraMarques"
Tem razão no que se refere ao facto de não ter comentado os comentários do sr...

E a quantidade de universidades que existem nos EUA? E o dinheiro investido nas mesmas? E quantos dos principais investigadores/professores não são indíviduos estrangeiros, posteriormente naturalizados norte-americanos?

Quanto a ética de trabalho americana, que produz muitos professores catedráticos que não sabem falar uma única língua estrangeira e/ou têm uma cultura geral mediocre, bem podem ficar com ela...

Será assim tão importante ter índividuos que sabem todo sobre um determinado assunto e nada sobre o que se passa à sua volta?

Cumprimentos
B. Pereira Marques


Tudo bem, respeito o seu ponto de vista que os Americanos tendem a ser insulares na forma como olham para o mundo, mas isso não invalida o facto que existe muita gente brilhante na USA, e com opiniões válidas, às quais se devem dar atenção. É claro que as teses e opiniões nem sempre estarão corretas, mas muitas vezes estão.

Neste caso sugiro que vc leia o artigo pois apresenta bons pontos de vista sobre a "questão" Islamica na Europa.
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 7082
  • Recebeu: 546 vez(es)
  • Enviou: 244 vez(es)
  • +481/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Novembro 07, 2005, 12:21:12 am »
Citar
Many Europeans assert that the American melting pot cannot be transported to European soil. Identity there remains rooted in blood, soil and ancient shared memory. This may be true, but if so, democracy in Europe will be in big trouble in the future as Muslims become an ever larger percentage of the population. And since Europe is today one of the main battlegrounds of the war on terrorism, this reality will matter for the rest of us as well.


Aqui é que se coloca o busílis da questão...a Europa devido à sua diversidade histórico-cultural, não consegue reproduzir o modelo de "assimilação (mais ou menos) hegemónica" protagonizado nos EUA e conhecida como "melting pot", se é que é desejável essa tal "assimilação". Por outro lado, o "Multiculturalismo" pode ser mais desejável, ao procurar respeitar as especificidades culturais dos emigrantes, contudo implica que os próprios emigrantes respeitem quer a cultura do país de acolhimento, quer, eventualmente, a cultura de todos os grupos de emigrantes existentes no país de acolhimento...

Em resumo, dum ponto de vista ideal, será preferivel o "Multiculturalismo", contudo torna-se bem mais dificil de implementar...

Sobre o "Melting Pot" e o "Multiculturalismo" ver, por exemplo: http://en.wikipedia.org/wiki/Melting_pot

Cumprimentos
B. Pereira Marques
 

*

JoseMFernandes

  • Perito
  • **
  • 394
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Novembro 07, 2005, 12:54:09 am »
A jihad dentro de casa
Francis Fukuyama



Fez a 2 de Novembro um ano que o realizador holandês Theo van Gogh foi degolado ritualmente por Mohamed Bouyeri, um muçulmano nascido na Holanda e que fala fluentemente neerlandês. Este acontecimento transformou inteiramente a política holandesa, provocando um aumento dos controlos policiais que praticamente interromperam a chegada de novos imigrantes ao país. Em conjunto com os atentados bombistas de 7 de Julho em Londres (também perpetrados por muçulmanos de segunda geração que eram cidadãos britânicos), este acontecimento deve levar-nos a repensar a ameaça do islamismo radical.
A nossa tendência tem sido olhar para o terrorismo jihadista como uma coisa produzida em partes disfuncionais do mundo como o Afeganistão, o Paquistão ou o Médio Oriente, e exportada para países ocidentais. Proteger-nos seria uma questão de nos encerrarmos atrás de muros ou, para a administração Bush, de "ir lá" e tentar resolver o problema na fonte, através da promoção da democracia.
Há contudo razões para pensar que uma fonte crítica do islamismo radical contemporâneo reside não no Médio Oriente, mas na Europa Ocidental. Além de Bouyeri e dos bombistas londrinos, os bombistas do 11 de Março em Madrid e cabecilhas dos ataques de 11 de Setembro como Mohamed Atta radicalizaram-se na Europa. Na Holanda, onde mais de seis por cento da população é muçulmana, há muito radicalismo apesar de o país ser ao mesmo tempo moderno e democrático.
Quando vemos a ideologia islamista contemporânea como uma afirmação dos valores ou da cultura muçulmana tradicional estamos a cometer um profundo erro de compreensão. Num país muçulmano tradicional, a identidade religiosa de cada um não é uma questão de escolha; é recebida, juntamente com o estatuto social, os hábitos e costumes, até o futuro cônjuge, do próprio entorno social. Numa sociedade destas não há confusão sobre quem se é, já que a identidade de cada um é dada e sancionada por todas as instituições da sociedade, da família à mesquita e ao Estado.
O mesmo não é verdade para um muçulmano que vive como imigrante num subúrbio de Amsterdão ou de Paris. De repente, a identidade é uma questão em aberto; existem infinitas escolhas quanto à decisão do ponto a que se quer chegar para atingir a integração na sociedade não muçulmana em redor. No seu livro Globalized Islam, de 2004, o académico francês Olivier Roy defende que esse radicalismo contemporâneo é precisamente o produto da "desterritorialização" do Islão, que priva a identidade muçulmana de todo o apoio que recebe numa sociedade muçulmana tradicional.
O problema de identidade é particularmente grave para imigrantes de segunda ou terceira geração. Crescem fora da cultura tradicional dos pais mas, ao contrário da maior parte dos recém-chegados aos Estados Unidos, são poucos os que se sentem aceites pela sociedade que os rodeia. Os líderes europeus dão pouco relevo à identidade nacional em favor de uma "europeidade" aberta, tolerante, "pós-nacional". Mas holandeses, alemães, franceses e outros mantém todos um forte sentido da sua identidade nacional e, em graus diferentes, ela não é acessível a pessoas que chegam da Turquia, de Marrocos ou do Paquistão. A integração é ainda mais inibida pelo facto de as rígidas leis laborais europeias terem tornado difícil que imigrantes recentes ou os seus filhos encontrem trabalho. Uma proporção significativa de imigrantes vive da segurança social, o que quer dizer que não têm a dignidade de contribuir com o seu trabalho para a sociedade que os rodeia. Eles e os filhos vêm-se como outsiders.
É neste contexto que aparece alguém como Osama bin Laden, a oferecer aos jovens convertidos uma versão pura e universal do Islão, despojada dos seus santos, costumes e tradições locais. O islamismo radical diz-lhes exactamente quem são - membros respeitados de uma umma muçulmana global à qual podem pertencer apesar de viverem em terras de infiéis. A religião já não apoiada, como acontece numa sociedade muçulmana verdadeira, através da conformidade com uma série de costumes e observâncias externas; em vez disso, é mais uma questão de fé interior. Daí a comparação que Olivier Roy faz entre o islamismo moderno e a reforma protestante, que do mesmo modo voltou a religião para o interior do homem e a privou dos seus rituais e apoios sociais externos.
Se esta é de facto uma descrição acertada de uma fonte importante de radicalismo, há que tirar conclusões. Em primeiro lugar, o desafio que o Islão representa não é estranho nem novo. A rápida transição para a modernidade tem desde há muito gerado radicalização; temos visto das mesmas formas de alienação entre os jovens que, em gerações anteriores, se tornaram anarquistas, bolchevistas, fascistas ou membros do grupo Baader-Meinhof [organização de guerrilha urbana na Alemanha ocidental, nos anos 1970]. A ideologia muda, mas a psicologia que lhe está associada não.
Mais ainda, o islamismo radical é tanto um produto da modernização e da globalização como um fenómeno religioso; não seria nunca tão intenso se os muçulmanos não pudessem viajar ou navegar pela internet ou se desligassem da sua cultura. Isto quer dizer que "resolver" o Médio Oriente levando a modernização e a democracia a países como o Egipto e a Arábia Saudita não resolverá o problema do terrorismo, pode até a curto prazo tornar o problema pior. A democracia e a modernização no mundo muçulmano são desejáveis por si, mas continuaremos a ter um grande problema com o terrorismo na Europa independentemente do que lá aconteça.

O verdadeiro desafio à democracia reside na Europa, onde se coloca o problema da integração dos jovens muçulmanos revoltados sem que tal desencadeie uma oposição ainda maior dos populistas de direita. É preciso que aconteçam duas coisas: primeiro, países como a Holanda e a Grã-Bretanha precisam de inverter políticas multiculturalistas contraproducentes que criaram refúgios para o radicalismo e têm de reprimir os extremistas. Mas, em segundo lugar, precisam de reformular as suas definições de identidade nacional para as tornarem mais aceitáveis para pessoas de origem não ocidental.
A primeira já começou a acontecer. Nos últimos meses, tanto holandeses como britânicos já reconheceram que a sua velha versão de multiculturalismo era perigosa e contraproducente. A tolerância liberal era interpretada como respeito pelos direitos não dos indivíduos mas de grupos, alguns dos quais eram eles próprios intolerantes (por exemplo, ao ditarem com quem podiam as filhas namorar ou casar). Por causa de um sentido de respeito por outras culturas completamente deslocado, era permitido a minorias muçulmanas que regulassem o seu próprio comportamento. Na Holanda, onde o Estado já apoiava escolas católicas, protestantes e socialistas separadas, era razoavelmente fácil juntar-lhes um "pilar" muçulmano, que rapidamente se transformou num gueto.
Agora os holandeses criaram novas políticas para reduzir o isolamento da comunidade muçulmana, como leis que desencorajam a importação de noivas do Médio Oriente. A polícia holandesa e britânica tem mais poderes para vigiar, deter e expulsar religiosos de discurso incendiário. Permanece contudo o problema muito mais difícil de criar uma identidade nacional que ligue cidadãos de todas as religiões e etnias numa cultura democrática comum, como o credo americano tem servido para atrair novos imigrantes para os Estados Unidos.
Após o assassínio de Van Gogh, os holandeses empreenderam um debate vigoroso e muitas vezes não político sobre o que significa ser holandês, com alguns a exigirem aos imigrantes não apenas a capacidade para falar neerlandês, mas um conhecimento pormenorizado da história e da cultura da Holanda. Porém a identidade nacional tem de ser uma fonte de inclusão, não de exclusão; nem pode basear-se, ao contrário da argumentação de Pym Fortuyn, que foi assassinado em 2003, numa tolerância e ausência de valores absolutas. Os holandeses, pelo menos, quebraram a barreira asfixiante do politicamente correcto que tem impedido a maior parte dos outros países europeus de iniciarem sequer uma discussão sobre as questões de identidade, cultura e imigração, que estão todas ligadas. Mas acertar na questão da identidade nacional é uma tarefa difícil.
Muitos europeus asseguram que o "melting pot" americano não pode ser transplantado para solo europeu. A identidade, aqui, continua enraizada no sangue, na terra e em memórias antigas partilhadas. Isto pode ser verdade mas, se é assim, a democracia na Europa terá grandes problemas no futuro, à medida que os muçulmanos representam uma parte da população cada vez maior. E se a Europa é, hoje, um dos principais campos de batalha da guerra ao terrorismo, esta realidade terá importância para todo o mundo. Professor de economia política na Universidade de Johns Hopkins, autor de O Fim da História e o Último Homem e, em 2004, de State-Building: Governance and World Order in the 21st Century
 

*

Normando

  • Perito
  • **
  • 339
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #11 em: Novembro 07, 2005, 03:53:33 am »
Citar
PereiraMarques disse:

a Europa devido à sua diversidade histórico-cultural, não consegue reproduzir o modelo de "assimilação (mais ou menos) hegemónica" protagonizado nos EUA e conhecida como "melting pot", se é que é desejável essa tal "assimilação". Por outro lado, o "Multiculturalismo" pode ser mais desejável, ao procurar respeitar as especificidades culturais dos emigrantes, contudo implica que os próprios emigrantes respeitem quer a cultura do país de acolhimento, quer, eventualmente, a cultura de todos os grupos de emigrantes existentes no país de acolhimento...


E eu estou completamente de acordo.
"If you don't have losses, you're not doing enough" - Rear Admiral Richard K. Turner
 

*

JoseMFernandes

  • Perito
  • **
  • 394
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Novembro 12, 2005, 03:50:11 pm »
EXPRESSO- 12/11/2005 - Pedro Anunciaçao referindo o artigo em causa de Fukuyama

Citar
O simplismo de Paulo Dentinho

 «Foi a Televisão que nos mostrou bem como os bairros em que a violência estalou estão longe das barracas miseráveis em que alguns acreditavam, e são antes urbanizações de classe média, bem ajardinadas, com casas dignas, boas escolas, infantários (que a fúria dos revoltados não hesitava em destruir).»  

Alterar tamanho    
D. JOSÉ POLICARPO tirou-me as palavras da boca, quando (no último «Prós e Contras») qualificou de «simplista» a análise feita por Paulo Dentinho sobre os desacatos em França.

Curiosamente, as primeiras notícias de jornais e televisões, baseadas essencialmente em serviços de agências, tinham a vantagem da objectividade. O problema surgiu com as habituais revoadas de comentários, baseados já em ideias muito feitas sobre «o Estado Social» e «a exclusão». Pintavam-se magotes de imigrantes e seus descendentes, ensardinhados numa espécie de bairros de lata dos subúrbios de Paris, apanhados por um desemprego sem soluções à vista, a sofrerem todas as misérias - que tinham de explodir assim, mais vítimas que culpados.

Não foi só Paulo Dentinho que caiu no simplismo. Também Pedro Coelho, da SIC, soçobrou. Nesse aspecto, pelo menos nos dias em que os vi, outros jornalistas da SIC (Lúcia Gonçalves, Isabel Osório) e da TVI (João Maia Abreu, Hugo Matias), cingindo-se aos noticiários e aos ambientes, e evitando as teorias, acabaram por fazer melhor trabalho.

Ainda assim, foi a Televisão que nos mostrou bem como os bairros em que a violência estalou estão longe das barracas miseráveis em que alguns acreditavam, e são antes urbanizações de classe média, bem ajardinadas, com casas dignas, boas escolas, infantários (que a fúria dos revoltados não hesitava em destruir).

ANA NAVARRO PEDRO, uma das melhores correspondentes da imprensa portuguesa, numa das reportagens que publicou no «Público», mostrava que os jovens exaltados dos subúrbios africanizados de Paris se dedicam ao tráfico de drogas, com que ganham quantias muito razoáveis. E mesmo as crianças que evitam a vida escolar riem-se da professora que ganha menos num mês, a lidar com alunos difíceis, do que elas próprias numa semana, a vender drogas.

Digamos pois que os jovens revoltados neste Outono de 2005 têm isto de parecido com os rebeldes do Maio de 68: não passam necessidades.

FRANCIS FUKUYAMA, num artigo saído no «Público» de domingo passado, mas escrito certamente há mais tempo, dentro de uma reflexão sobre o cultivo do terrorismo muçulmano na Europa, e longe ainda de imaginar esta explosão em França, focava já pontos do problema.

Citava o académico francês Olivier Roy, no seu livro Globalized Islam, a defender que o radicalismo contemporâneo é precisamente o produto da «desterritorialização» do Islão, que priva a identidade muçulmana de todo o apoio que recebe numa sociedade muçulmana tradicional.

As famílias de imigrantes muçulmanos, mesmo quando passam à terceira geração num país europeu, e se integram na sua vida económica e de apoios sociais do Estado, mantêm e aumentam o ódio a uma civilização mais rica e de valores diferentes, em que evitam integrar-se, e em que não se sentem realmente aceites.

Estão em causa as políticas liberais e progressistas de incentivarem os imigrantes a manterem-se juntos, com os seus costumes (incluindo as «burkas»), dando-lhes bairros, apoios sociais, escolas e templos - «políticas multiculturalistas contraproducentes, que criaram refúgios para o radicalismo», segundo Fukuyama - em vez de procurarem integrá-los (obrigando-os a aprender as línguas e culturas dos países em que se instalam e aí se diluírem). Mas, para isso, e ainda segundo Fukuyama, «precisam de reformular as suas definições de identidade nacional, para as tornarem mais aceitáveis para pessoas de origem não ocidental».

Foi uma tolerância mais virada para grupos do que para indivíduos que conduziu à segregação - e que explodiu agora nos subúrbios urbanos franceses.

 

*

Paisano

  • Especialista
  • ****
  • 901
  • Recebeu: 6 vez(es)
  • +1/-0
    • http://defesabrasil.com/forum
(sem assunto)
« Responder #13 em: Dezembro 07, 2005, 04:07:47 pm »
Um sentido para a vida*

Fonte: www.jb.com.br

Citar
Não se trata de sociólogo, filósofo ou teólogo, mas de policial, o autor de uma das frases mais concisas sobre as razões da expansão do terrorismo islâmico na Europa. Ao comentar a ação da belga Muriel Degauque, que morreu no Iraque, ao explodir artefato que levava no corpo, um alto oficial do Setor de Antiterrorismo da Polícia Belga, Alain Grignard, disse ao jornalista Craig Smith, do New York Times: ''São pessoas que buscam, na religião, como a do Islã, um caminho para o exercício da solidariedade''.

Muriel nasceu e foi criada como católica, em região pobre da Bélgica, com uma economia fundada no carvão e na pequena siderurgia. Para ajudar um turco a obter residência, casou-se com ele por dois anos. Conheceu um argelino que a converteu ao islamismo e casou-se com um filho de pai belga e mãe marroquina. Isso pode explicar a adesão ao islamismo, mas não basta para levar ao martírio a jovem e bela mulher de 39 anos.

A visão comum que se tem do islamismo é a de que as mulheres vivem sob a opressão masculina, submetidas à poligamia, em regime de quase escravidão. Não obstante tudo isso, os serviços de informação da Europa estão certos de que outras européias, de milhares que são relacionadas com muçulmanos, seguirão o exemplo de Muriel. Provavelmente, de acordo com o policial belga, a Europa tenha perdido o senso da solidariedade. Não há mais, como havia nos anos 60 e 70, os movimentos de apoio às utopias revolucionárias da América do Sul e da África. Parecem já distantes da razão ocidental as gerações que se destacaram na luta pela igualdade e pela liberdade, com as brigadas internacionais contra o franquismo, e na resistência ao fascismo e ao nazismo, e no apoio aos movimentos revolucionários para a descolonização da África e da Ásia e às guerrilhas latino-americanas. Che Guevara parece ter sido o último herói daqueles anos gloriosos do século passado, em que se buscava construir um novo Ocidente, fraterno e solidário.

A cultura muçulmana é, desde as cruzadas, malvista e mal-entendida pela nobreza e pela hierarquia católica. Durante os quase 1.400 anos da nova religião, o desenvolvimento histórico foi marcado pelas guerras e pelo desconhecimento mútuo. Somente nos últimos dois séculos, o Oriente Médio passou a ser visto com mais atenção pela Europa do Norte, embora os países do Sul do continente tivessem convivido bem com os muçulmanos em muitas ocasiões históricas. A influência islâmica sobre o Ocidente é muito mais poderosa, do que a cristã sobre o Oriente Médio. Durante a Idade Média, coube aos árabes recuperar o pensamento greco-romano e o conhecimento científico e difundi-los nos países europeus. Há pouco tempo, o cardeal Biffi previa que, dentro de algum tempo, a Europa recuperaria o cristianismo ou se tornaria muçulmana - mas, com um nome ou com outro, Deus não a desertaria. Podemos ter outra leitura da advertência do cardeal de Bolonha: a Europa voltará a ser humanista, pelo menos da forma precária que era antes, tenha esse humanismo o nome que tiver. Os homens necessitam de oferecer e receber solidariedade, chave da sobrevivência da espécie, mesmo que essa solidariedade seja maculada pelo horror periódico das guerras.

Se o cristianismo de hoje não oferece a essa solidariedade a interpretação correta de seus textos, e se a fé não se encarna em atos reais, é natural que se busquem outros caminhos. O cristianismo continua sendo, para a razão ocidental, o melhor testemunho de amor e de fraternidade, e o seu grande inimigo não é o Islã.

O inimigo moderno tanto do cristianismo, quanto do islamismo, é a transformação do egoísmo e da ambição em sistema capitalista alucinado, no qual o mercado, e não os templos, o mercado, e não a razão, move os demônios do ódio racial e da ''guerra infinita''. É necessário impor limites éticos ao fundamentalismo do dinheiro. Se algumas pessoas não encontram o caminho da solidariedade na vida, é possível que venham a buscá-lo na morte - como parece ter feito a belga Muriel Degauque. A sua pode não ter sido a melhor causa, mas foi, enfim, uma causa.

*Mauro Santayana
As pessoas te pesam? Não as carregue nos ombros. Leva-as no coração. (Dom Hélder Câmara)
_________________
Volta Redonda
_________________
 

*

Leonidas

  • Analista
  • ***
  • 618
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +1/-2
(sem assunto)
« Responder #14 em: Dezembro 08, 2005, 12:25:30 am »
Saudações guerreiras.

Caro Paisano, muito obrigado por ter colocado este excelente texto. Mais palavras não serão necessárias pois aquilo que destacou a vermelho vem ao encontro de muito que temos vindo a debater mesmo em outros tópicos.

Valeu.

Cumprimnetos