Petróleo bate recordes absolutos

  • 54 Respostas
  • 11621 Visualizações
*

manuel liste

  • Especialista
  • ****
  • 1053
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #45 em: Outubro 26, 2004, 09:07:26 am »
Citação de: "fgomes"
Temos dois problemas: a subida do preço do petróleo e as emissões de CO2.
Tanto num caso como no outro não se tem feito nada de siginificativo para ultrapassar estes problemas. No caso do CO2 estou a ver que houve muita leviandade na assinatura do protocolo de Quioto, ou seja assina-se um acordo internacional, não se avaliam convenientemente as suas consequências económicas e depois não se tomam quaisquer medidas para o poder cumprir !

Estarão os americanos com razão ao não assinarem o protocolo de Quioto ?


Recomiendo el siguiente enlace (lo siento, está en español): http://www.liberalismo.org/articulo/273/

Copio una pequeña parte:

<<En un estudio reconocidamente moderado en sus conclusiones, Price Waterhouse & Coopers estima que el cumplimiento del protocolo costará como mínimo a los españoles la friolera de 19.000 millones de euros entre 2008 y 2012. Además, sus autores se muestran convencidos de que provocará un incremento adicional de la inflación de 2,7% en el año de su puesta en marcha, una reducción inmediata del PIB de casi un 1%, una previsible deslocalización de parte de la industria española hacia países donde el protocolo no se haya firmado o en los que tengan excedentes de derechos de emisión, y un fuerte encarecimiento de la energía. A estas consecuencias inmediatas sólo pueden seguirle el aumento del desempleo, la desaparición de industrias relativamente pequeñas y estancamiento económico general.
 
Además, a nivel internacional se producirá una distorsión de la competencia y una disminución de la productividad global que sufrirían especialmente los países más pobres. Por un lado, las empresas terminarán estableciéndose en lugares donde, a pesar de haber peores condiciones de negocio, la ausencia de limitaciones irracionales sobre la emisión de GEI (gases de efecto invernadero) las hace más atractivas. Por el otro lado, los países con exceso de derechos podrán subvencionar aquellas industrias que los gobernantes consideren necesario. El resultado no es otro que una gigantesca patada a la estructura de la división del trabajo internacional que dejará de tener relación con la productividad relativa de los factores de producción según las distintas regiones.
 
Visto el enorme coste económico y, como tanto gusta decir a nuestros intervencionistas, social, la pregunta salta a la vista hasta del más ciego: ¿qué es lo que se espera conseguir si afrontamos esos enormes costes del cumplimiento de la imposición de limitaciones a la emisión de gases GEI y, por consiguiente, a la producción industrial y energética? ¿En cuántos grados lograríamos mitigar el hipotético aumento de las temperaturas? Pues bien, aún aceptando a efectos dialécticos las previsiones del IPCC, que han demostrado ser sistemáticamente exageradas, de un incremento de 2 grados centígrados para el año 2100 –tomando 1990 como base- los expertos calculan que si todos los países firman y cumplen el protocolo la temperatura media de la tierra se reduciría 0,07 grados centígrados. Esta cifra es tan pequeña que ni los termómetros terrestres pueden medirla de manera fiable. Si tenemos en cuenta la hipótesis más probable según los climatólogos, de un calentamiento hasta el año 2100 de un grado centígrado, el ahorro de calentamiento sería tan sólo de 0,04 grados centígrados y si tenemos en cuenta que no todos los países piensan cumplir con el protocolo, la reducción en la temperatura global de la tierra gracias al plan de Kyoto resultaría estar muy por debajo de 0,03 grados centígrados; probablemente menos de 0,02. ¿Y para esa despreciable reducción de la temperatura media del planeta vamos a destrozar de manera salvaje nuestra economía? Esta actitud suicida es lo que hizo retirarse a EE.UU. y es uno de los argumentos que esgrime Rusia para su reticencia a la hora de ratificar el protocolo. Asi, los EEUU, guiados por la responsabilidad y la racionalidad seguirán la senda de progreso mientras que Europa, instalada en el radicalismo ecologista y la irracionalidad más absoluta conducirá a sus habitantes a una auténtica travesía por el desierto.
 
Y es que las consecuencias del tratado no podían ser otras si tenemos en cuenta que el protocolo de Kyoto no es más que un nuevo intento de planificación central de la economía a través de nuevos medios. Un plan que a juzgar por sus evidentes y nefastas consecuencias inmediatas sobre la actividad industrial y energética de los países desarrollados, parecería estar diseñado minuciosamente por enemigos del capitalismo de la talla de Lenin o Stalin. Sin embargo, cuando se trataba de su imperio comunista ambos trataron de incrementar la producción energética e industrial porque sabían que sin ese incremento no había ninguna posibilidad de mejora de la calidad de vida.
 
Afortunadamente, ningún estudio científico ha descubierto la existencia de un calentamiento global del planeta que pueda ser considerado peligroso para el hombre. Pero cuando lo haya, y lo habrá algún día porque el clima siempre ha sido cambiante y el ser humano no tiene capacidad para evitarlo, sólo será posible mitigar sus efectos sobre la salud y la economía de los seres humanos si los individuos pueden ejercer su ingenio en un entorno de libre mercado donde poder poner a prueba las diferentes formas de salvarnos. Esto es así de sencillo porque sólo el mercado libre incentiva el ahorro de los recursos que serán necesarios en esos momentos difíciles y sólo en el mercado libre los empresarios, o sea, todos nosotros, nos encontramos con la auténtica estimación de los recursos para sus distintos usos en necesidades urgentes para individuos concretos y para la raza humana en su conjunto. Si algún día nos encontramos ante una catástrofe climática global, posiblemente la podamos afrontar. Pero sólo mediante más libertad y más capitalismo y no mediante planes salvajemente colectivistas como el Protocolo de Kyoto.>>
 

*

Normando

  • Perito
  • **
  • 339
  • +0/-0
Senado dos EUA aprova exploração petrolífera no Alasca
« Responder #46 em: Março 22, 2005, 06:59:25 pm »
www.publico.pt
22 de Março de 2005

A maioria dos senadores norte-americanos declarou-se ontem favorável à exploração petrolífera numa reserva natural no norte do Alasca, permitindo a produção de um milhão de barris por dia.

Numa votação renhida, com 51 votos a favor e 49 contra, o Senado colocou no Orçamento para o próximo ano a exploração petrolífera no Artic National Wildlife Refuge (ANWR).

George W. Bush congratulou-se com esta decisão, estimando que "permite a exploração responsável do ponto de vista ambiental de uma pequena parte do ANWR".

Em comunicado, o Presidente dos Estados Unidos declara que "um abastecimento energético nacional estável é importante para a segurança e prosperidade da América. Este projecto vai permitir à economia continuar a crescer ao criar postos de trabalho e garantir o crescimento das empresas".

Bush salienta que as perfurações vão "permitir diminuir até um milhão de barris por dia a dependência dos Estados Unidos em relação às fontes de energia estrangeiras".

John Kerry, ex-candidato do Partido Democrata à Presidência, considera que este é um dia triste para o povo americano, porque "o Senado vendeu os territórios públicos do país a quem ofereceu mais", garantindo que vai continuar a lutar contra as perfurações.

As organizações ecologistas já reagiram à decisão do Senado. O Sierra Club receia que os Estados Unidos sacrifiquem "um dos seus maiores tesouros naturais" e outras organizações afirmam que esta exploração vai ameaçar o ecossistema de uma das últimas regiões totalmente selvagens dos Estados Unidos.

Situada a norte do círculo polar, esta ampla planície costeira alberga ursos polares, lobos e mais de 150 espécies de aves. A única presença humana é a dos 210 habitantes da aldeia Kaktovik.
"If you don't have losses, you're not doing enough" - Rear Admiral Richard K. Turner
 

*

soultrain

  • Membro
  • *
  • 71
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #47 em: Maio 22, 2005, 01:10:41 pm »
Boas,

Caso os caros colegas não saibam, Portugal tem desde há muitos anos um dos poucos Tokamak do mundo. Este encontra-se no Instituto Superior Técnico. A questão é que, se introduz mais energia, que se retira actualmente. Pode ser visitado.

Já em 1995, quando lá fui aluno, havia noticias e mais noticias que alguem tinha conseguido e até agora nada.

http://oldwww.cfn.ist.utl.pt/isttok_jpg.htm

Nós temos também....uma Central Nuclear em Sacavem.

Ok,ok. Mini.

http://www.itn.pt/

O falecido avô da minha esposa, foi lá, director do departamento de desenho.

Pelo que ele me disse, existiam planos na altura de Salazar para avançar para o Nuclear.

Espero não vos ter assustado.

Cump.
 

*

TestDummie

  • Membro
  • *
  • 20
  • +0/-0
Tokamak no IST
« Responder #48 em: Maio 22, 2005, 03:49:09 pm »
Caro soultrain

Eu não sabia que o IST tinha um Tokamak, obrigado pela informação. Sabia sim, que Portugal é um dos países que participa no projecto JET (Joint European Torus) http://www.jet.efda.org/, o mais importante projecto sobre Fusão Nuclear a nível mundial.  Sabia sim que o Reactor Nuclear em Sacavém é um reactor de investigação de fusão nuclear.

O que, tomando em consideração o CERN, a maior instituição científica mundial, e a ESA, me faz confusão, porque é que muita gente diz que a Europa está a perder o comboio do desenvolvimento científico e tecnológico. Se calhar o problema é não "materializar" este desenvolvimento em empresas e produtos de sucesso.

Mas relativamente à produção de energia não me parece que a fusão nuclear esteja no nosso (Humanidade) futuro próximo. Porque para que a fusão nuclear ocorra, partículas têm de ser aceleradas a velocidades incríveis através do aumento de temperatura a milhões de graus celsius.

O problema está, que para confinar o plasma (matéria a milhões de graus celsius) são necessárias bobines supercondutoras capazes de produzir fortíssimos campos magnéticos, o que requer uma enorme quantidade de energia.

Parece-me que a Europa e Portugal devem investir mais nas Energias Renováveis de modo a se tornarem independentes a nível energético mesmo que o Petróleo dure ainda por mais alguns anos além dos que os ambientalistas preveêm.
http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=2078
 

*

soultrain

  • Membro
  • *
  • 71
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #49 em: Maio 22, 2005, 04:08:34 pm »
Boas,

Embora não conheça o assunto profundamente, a questão parece-me ser exactamente, os materiais super-condutores.

Hoje em dia os que existem, só tem propriedades interssantes a muito baixas temperaturas, o que implica um enorme dispendio de energia.

Só será viável, quando se produzir um super-condutor, a uma temperatura razoável.

Quando isso acontecer, um copo de água alimentará de energia, o nosso País, durante algum tempo.

A história e princípios:

http://oldwww.cfn.ist.utl.pt/port/expof ... efacio.htm

é so fazer página seguinte em baixo.

Cump.
 

*

soultrain

  • Membro
  • *
  • 71
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #50 em: Maio 22, 2005, 05:56:56 pm »
Boas,

Peço desculpa pelos link's. Como poderam reparar são a oldwww.
Estou a ficar velho :wink: . Esta era realmente a página que conhecia.

Fiquem descansados, que embora velha, a informação é a correcta.

Mas aqui vai, a nova página do Centro de Fusão Nuclear:

http://www.cfn.ist.utl.pt/pt/index.html

Cump.
 

*

TestDummie

  • Membro
  • *
  • 20
  • +0/-0
O problema não são os supercondutores.
« Responder #51 em: Maio 22, 2005, 07:14:19 pm »
Actualmente as bobines supercondutoras, são bobines "normais" mas arrefecidas a temperaturas muito baixas (já se conseguem supercondutores a temperaturas de -60º C até menos) usando hélio ou azoto líquidos  que segundo um professor meu não são assim tão "caros". Dizia ele, que um litro de hélio líquido custa o mesmo que uma garrafa de whisky, cerca de 15 €!

Mesmo com materiais supercondutores (materiais cuja resistência eléctrica é nula) a temperaturas mais elevadas, próximas de 0º C, é necessário uma grande quantidade de energia para criar fortes campos magnéticos para impedir que o plasma entre em contacto com o reactor, senão!  :twisted:

Boas a todos
TestDummie
 

*

soultrain

  • Membro
  • *
  • 71
  • +0/-0
Re: O problema não são os supercondutores.
« Responder #52 em: Maio 22, 2005, 11:34:07 pm »
Citação de: "TestDummie"
Actualmente as bobines supercondutoras, são bobines "normais" mas arrefecidas a temperaturas muito baixas (já se conseguem supercondutores a temperaturas de -60º C até menos) usando hélio ou azoto líquidos  que segundo um professor meu não são assim tão "caros". Dizia ele, que um litro de hélio líquido custa o mesmo que uma garrafa de whisky, cerca de 15 €!



Bom não são bobines normais, continuam a ser super-condutoras.

-60º C Tem a certeza disso?

Já há muito tempo que não acompanho o assunto, mas recordo-me perfeitamente do Irmão do Carlos Pimenta (não me lembro do nome), meu professor de Física, dizer e sustentar que quando chega-se a esse ponto os problemas seriam resolvidos!!

A ser verdade é um avanço na física e nos materiais espantoso!

Cump.
 

*

TestDummie

  • Membro
  • *
  • 20
  • +0/-0
-60ºC ooops C ou K?
« Responder #53 em: Maio 23, 2005, 01:49:24 am »
Raio de unidades!

Citar
-60º C Tem a certeza disso?

Desculpe, erro meu, era bom era!  :(

Parece que os "futebulenos" C60 e outras formas alotrópicas do carbono podem ser supercondutoras a altas temperaturas mas ainda não li nada sobre o assunto.

Citar
Bom não são bobines normais, continuam a ser super-condutoras.


Quando eu disse normais escrevi entre parêntesis, claro que não são bobines normais  :wink:

Boas a todos
TestDummie
 

*

manuel liste

  • Especialista
  • ****
  • 1053
  • +0/-0
Re: Petróleo bate recordes absolutos
« Responder #54 em: Setembro 08, 2005, 08:40:33 pm »
Citação de: "JNSA"
Citar
Recordes absolutos em Londres e Nova Iorque
Tanto no mercado de Londres, que interessa directamente às trocas comerciais portuguesas, como no de Nova Iorque, o crude voltou a atingir recordes absolutos. Pela primeira vez na história, o barril de petróleo atingiu os 50 dólares na capital inglesa.  
 
( 12:15 / 11 de Outubro 04 )
 
 
O barril de Brent do mar do Norte trocava-se a 50 dólares, no final da manhã de hoje, em Londres, o mais alto valor desde o início da cotação do petróleo em Londres, no ano de 1988.

Também em Nova Iorque, o barril de petróleo bruto chegou, esta segunda-feira, a um novo recorde absoluto. No mercado electrónico está a ser trocado a 53, 42 dólares.

A subida do preço do petróleo está relacionada com o risco de greve geral na Nigéria e com o conflito social no sector petrolífero na Noruega, dois países produtores de um tipo de petróleo actualmente muito procurado.

fonte: http://www.tsf.pt/online/economia/interior.asp?id_artigo=TSF154907


Depois de quase um ano, mensagens como o anterior se lêem com saudade  :shock: .
 

 

OPEP: Irão sugere fim da transação de petroleo em Dólares

Iniciado por P44

Respostas: 0
Visualizações: 2899
Última mensagem Novembro 19, 2007, 02:42:42 pm
por P44
Escalada do petróleo continuará a dominar mercados, diz IMD

Iniciado por Marauder

Respostas: 0
Visualizações: 895
Última mensagem Maio 11, 2006, 10:34:40 am
por Marauder
Dúvida: o Preço do Petróleo

Iniciado por P44

Respostas: 25
Visualizações: 19129
Última mensagem Julho 10, 2008, 05:10:57 pm
por oultimoespiao