ForumDefesa.com

Outras Temáticas de Defesa => Área Livre-Outras Temáticas de Defesa => Tópico iniciado por: Luso em Junho 04, 2010, 11:27:40 pm

Título: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 04, 2010, 11:27:40 pm
http://www.prisonplanet.com/brzezinski- ... peech.html (http://www.prisonplanet.com/brzezinski-decries-global-political-awakening-during-cfr-speech.html)

At a recent Council on Foreign Relations speech in Montreal, co-founder with David Rockefeller of the Trilateral Commission and regular Bilderberg attendee Zbigniew Brzezinski warned that a “global political awakening,” in combination with infighting amongst the elite, was threatening to derail the move towards a one world government.
Brzezinski explained that global political leadership had become “much more diversified unlike what it was until relatively recently,” noting the rise of China as a geopolitical power, and that global leadership in the context of the G20 was “lacking internal unity with many of its members in bilateral antagonisms.”
In other words, the global elite is infighting amongst itself and this is hampering efforts to rescue the agenda for global government, which seems to be failing on almost every front.
Brzezinski then explained another significant factor in that, “For the first time in all of human history mankind is politically awakened – that’s a total new reality – it has not been so for most of human history.”
Watch the clip.


Brzezinski continued, “The whole world has become politically awakened,” adding that all over the world people were aware of what was happening politically and were “consciously aware of global inequities, inequalities, lack of respect, exploitation.”
“Mankind is now politically awakened and stirring,” said Brzezinski, adding that this in combination with a fractured elite “makes it a much more difficult context for any major power, including currently the leading world power, the United States.”
During a subsequent question and answer session, Brzezinski was asked if he thought another organization should replace the United Nations as the de facto “one world government,” to which Brzezinski responded, “There should be such an organization,” before pointing out that the UN was not it in its current role.



Mas dizer indústria farmacêutica é dizer Rockefeller, e dizer Rockefeller é dizer Council of Foreign Relations, Bilderberg Club e, no fim das contas, Nova Ordem Mundial – as mesmas organizações e entidades que estão por trás do climategate, das campanhas mundiais abortista e gayzista, da nova religião global biônica, da proposta do governo Obama para o controle universal da circulação de capitais, etc. etc. – a lista das maravilhas não tem mais fim. Quem vai dar um basta em tudo isso? Ninguém. A imposição da bestialidade organizada vem precedida de programas educativos calculados para desarmar a inteligência humana, desde a mais tenra infância, contra a força hipnótica das mais tolas mentiras de polichinelo. Henrique VIII mandou cortar a cabeça de Thomas More quando este se recusou a continuar fazendo vista grossa. A Nova Ordem Mundial não corta cabeças: zela para que elas não cresçam até um ponto em que precisem ser cortadas.

http://www.olavodecarvalho.org/semana/100506dc.html (http://www.olavodecarvalho.org/semana/100506dc.html)


sexta-feira, 4 de Junho de 2010
O "estudo"

A ministra da Educação, Isabel Alçada, está na Sic-Notícias a explicar a medida fantástica que é a de permitir a passagem, administrativa ( mas com exames que isto não é só facilidades no M.E...), de alunos que tenham mais de 15 anos e ainda repitam o 8º ano, recalcitrando na cabulice ou na incapacidade.
Disse agora mesmo que "o esforço é essencial. O estudo."
Esta ideia de "estudo" já foi apresentada pelo próprio primeiro-ministro, um estudioso de Domingo e é uma ideia que se contrapõe a "saber". Saber não é preciso. O que importa é o "estudo".
E Isabel Alçada uma improvável ministra da Educação acabou por dizer, depois disto que " Isto não é qualquer facilitismo". E comprova-o: haverá exames. Difíceis, pela certa e nada para cábulas ou incapazes.
Facilitismo no M.E.? Olha que coisa! Quem se lembraria de tal ...


http://portadaloja.blogspot.com/ (http://portadaloja.blogspot.com/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Junho 05, 2010, 11:21:20 am
Citar
At a recent Council on Foreign Relations speech in Montreal, co-founder with David Rockefeller of the Trilateral Commission and regular Bilderberg attendee Zbigniew Brzezinski warned that a “global political awakening,” in combination with infighting amongst the elite, was threatening to derail the move towards a one world government.
Brzezinski explained that global political leadership had become “much more diversified unlike what it was until relatively recently,” noting the rise of China as a geopolitical power, and that global leadership in the context of the G20 was “lacking internal unity with many of its members in bilateral antagonisms.”
In other words, the global elite is infighting amongst itself and this is hampering efforts to rescue the agenda for global government, which seems to be failing on almost every front.
Brzezinski then explained another significant factor in that, “For the first time in all of human history mankind is politically awakened – that’s a total new reality – it has not been so for most of human history.

Então meu caro. À que ter fé na Humanidade. A este bando de eugenistas-assassinos-pedófilos, bastava ler a História da Humanidade para compreenderem que isto não ía lá assim, nem tem maneira de ir. A parábola da Bíblia sobre Babel é o aviso a quem tentar algo do género, mas pelos vistos passou ao lado.

Agora que já viram que assim não vai lá, pensam que a culpa é da população ter uma educação que lhes dá mais do que o deveriam saber. Próximo alvo, a Educação (nos USA vai passar a ser apenas 4 dias por semana, para reduzir custos dizem)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Junho 10, 2010, 07:30:03 pm
http://news.yahoo.com/s/space/20100609/ ... tormsahead (http://news.yahoo.com/s/space/20100609/sc_space/moreactivesunmeansnastysolarstormsahead)

Vá de começar a preparar o pessoal, devagarinho, com bastante vaselina para não doer...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Setembro 06, 2010, 10:07:42 am
Para quem não acredita....

Citar
In addition to the recent PrisonPlanet-exclusive Rockefeller Foundation Developed Vaccines For “Mass-Scale” Fertility Reduction — which outlines the Rockefeller Foundation’s efforts in the 1960s funding research into so-called “anti-fertility vaccines”– another series of documents has surfaced, proving beyond any doubt that the UN Population Fund, World Bank and World Health Organization picked up on it, further developing it under responsibility of a “Task Force on Vaccines for Fertility Regulation”.

Just four years after the Rockefeller Foundation launched massive funding-operations into anti-fertility vaccines, the Task Force was created under auspices of the World Health Organization, World Bank and UN Population Fund. Its mission, according to one of its members, to support:

“basic and clinical research on the development of birth control vaccines directed against the gametes or the preimplantation embryo. These studies have involved the use of advanced procedures in peptide chemistry, hybridoma technology and molecular genetics as well as the evaluation of a number of novel approaches in general vaccinology. As a result of this international, collaborative effort, a prototype anti-HCG vaccine is now undergoing clinical testing, raising the prospect that a totally new family planning method may be available before the end of the current decade.”

In regards to the scope of the Task Force’s jurisdiction, the Biotechnology and Development Monitor reported:

“The Task Force acts as a global coordinating body for anti-fertility vaccine R&D in the various working groups and supports research on different approaches, such as anti-sperm and anti-ovum vaccines and vaccines designed to neutralize the biological functions of hCG. The Task Force has succeeded in developing a prototype of an anti-hCG-vaccine.”

One of the Task Force members, P.D. Griffin, outlined the purpose and trajectory of these Fertility Regulating Vaccines. Griffin:

“The Task Force has continued to coordinate its research activities with other vaccine development programmes within WHO and with other international and national programmes engaged in the development of fertility regulating vaccines.”

Griffin also admitted to the fact that one of the purposes of the vaccines is the implementation in developing countries. Griffin:

“If vaccines could be developed which could safely and effectively inhibit fertility, without producing unacceptable side effects, they would be an attractive addition to the present armamentarium of fertility regulating methods and would be likely to have a significant impact on family planning programmes.”

Also, one of the advantages of the FRVs over “currently available methods of fertility regulation” the Task Force states, is the following (179):

“low manufacturing cost and ease of delivery within existing health services.”

Already in 1978, the WHO’s Task Force (then called Task Force on Immunological Methods for Fertility Regulation) underlined the usefulness of these vaccines in regards to the possibility of “large scale synthesis and manufacture” of the vaccine:

“The potential advantages of an immunological approach to fertility regulation can be summarized as follows: (a) the possibility of infrequent administration, possibly by paramedical personnel; (b) the use of antigens or antigen fragments, which are not pharmacologically active; and (c) in the case of antigens of known chemical structure, there is the possibility of large-scale synthesis and manufacture of vaccine at relatively low cost.”

In 1976, the WHO Expanded Programme of Research, Development and Research Training in Human Reproduction published a report, stating:

“In 1972 the Organization (…) expanded its programme of research in human reproduction to provide an international focus for an intensified effort to improve existing methods of fertility regulation, to develop new methods and to assist national authorities in devising the best ways of providing them on a continuing basis. The programme is closely integrated with other WHO research on the delivery of family planning care by health services, which in turn feeds into WHO’s technical assistance programme to governments at the service level.”

Although the term “Anti-Fertility Vaccine”, coined by the Rockefeller Foundation, was replaced by the more bureaucratic sounding “Fertility Regulating Vaccine (FRV), the programme was obviously the same. Besides, The time line shows conclusively that the WHO, UN Population Fund and World Bank continued on a path outlined by the Rockefellers in the late 1960s. By extensions, it proves that all these organization are perfectly interlocked, best captured under the header “Scientific Dictatorship”. The relationshipbetween the WHO and the Rockefeller Foundation is intense. In the 1986 bulletin of the World Health Organization, this relationship is being described in some detail. While researching the effectiveness of “gossypol” as an “antifertility agent”, the bulletin states:

“The Rockefeller Foundation has supported limited clinical trials in China and smallscale clinical studies in Brazil and Austria. The dose administered in the current Chinese trial has been reduced from 20 mg to 10-15 mg/day during the loading phase in order to see if severe oligospermia rather than consistent azoospermia would be adequate for an acceptable, non-toxic and reversible effect. Meanwhile, both the WHO human reproduction programme and the Rockefeller Foundation are supporting animal studies to better define the mechanism of action of gossypol.”

In August of 1992, a series of meetings was held in Geneva, Switzerland, regarding “fertility regulating vaccines”. According to the document Fertility Regulating Vaccines (classified by the WHO with a limited distribution) present at those meetings were scientists and clinicians from all over the globe, including then biomedical researcher of the American Agency for International development, and current research-chief of USAID, Mr. Jeff Spieler.

In 1986 Mr. Spieler declared:

“A new approach to fertility regulation is the development of vaccines directed against human substances required for reproduction. Potential candidates for immunological interference include reproductive hormones, ovum and sperm antigens, and antigens derived from embryonic or fetal tissue.(…). An antifertility vaccine must be capable of safely and effectively inhibiting a human substance, which would need somehow to be rendered antigenic. A fertility-regulating vaccine, moreover, would have to produce and sustain effective immunity in at least 95% of the vaccinated population, a level of protection rarely achieved even with the most successful viral and bacterial vaccines. But while these challenges looked insuperable just a few years ago, recent advances in biotechnology- particularly in the fields of molecular biology, genetic engineering and monoclonal antibody production- are bringing antifertility vaccines into the realm of the feasible.”

“Vaccines interfering with sperm function and fertilization could be available for human testing by the early 1990s”, Spieler wrote.

In order for widespread use of these vaccines, Spieler writes, the vaccine must conquer “variations in individual responses to immunization with fertility-regulating vaccines”.

“Research”, he goes on to say,”is also needed in the field of “basic vaccinology”, to find the best carrier proteins, adjuvants, vehicles and delivery systems.”

In the 1992 document, the problem of “variations in individual responses” is also discussed:

“Because of the genetic diversity of human populations”, states the document, “immune responses to vaccines often show marked differences from one individual to another in terms of magnitude and duration. These differences may be partly or even completely overcome with appropriately engineered FRVs (Fertility Regulating Vaccines) and by improvements in our understanding of what is required to develop and control the immune response elicited by different vaccines.”

The picture emerging from these facts is clear. The WHO, as a global coordinating body, has since the early 70s continued the development of the Rockefeller-funded “anti-fertility vaccine”. What also is becoming clear, is that extensive research has been done to the delivery systems in which these anti-fertility components can be buried, such as regular anti-viral vaccines. It’s a mass-scale anti-fertilization programme with the aim of reducing the world’s population: a dream long cherished by the global elite.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Setembro 06, 2010, 05:06:37 pm
Pode-se dizer que são muitos pontos para Unir.. muitos mais do que podemos imaginar, é como me vem à cabeça às vezes "está mesmo algo aqui ao contrário", como dizia o autor da 25º hora  - "O primeiro edifício desta sociedade é a prisão", resta saber se os bons prisioneiros ou os maus tomaram controlo.

Talvez o conhecimento seja doloroso.
http://whale.to (http://whale.to)
Mas para quem cresce, resta ganhar uma orientação para deixar este mundo melhor.

Talvez o verdadeiro propósito da história seja mesmo apagar a história, tentar fazer o homem esquecer o seu perturbador passado, e construir algo que não o traga de volta.

Somos todos geridos por números, temos mais ou menos, e matamos-nos por eles... É um desastre, é preciso tentar ter percepção de algo mais, porque é essa percepção que nos vai deixar viver melhor.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Setembro 09, 2010, 11:52:19 am
De que é que nos interessa ter todo o tipo de armas, se nem sequer conseguimos pensar, só vemos uma camada..http://www.youtube.com/watch?v=svUXgyHzZqY

É que precisamos de comer, e nem isso deixam que seja natural..
http://www.documentary-film.net/search/watch.php?&ref=271
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 10, 2010, 02:41:07 pm
Estou a gostar, continuem!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 11, 2010, 03:11:23 pm
http://aeiou.visao.pt/ministros-das-fin ... is=f571452 (http://aeiou.visao.pt/ministros-das-financas-dos-27-aprovam-analise-previa-europeia-dos-orcamentos-nacionais=f571452)

"União Europeia
Ministros das Finanças dos 27 aprovam análise prévia europeia dos orçamentos nacionais
O Ecofin aprovou o novo "semestre europeu", exercício através do qual os projetos de orçamento dos Estados-membros serão discutidos no seio da União antes de serem apresentados aos parlamentos nacionais
11:44 Terça feira, 7 de Set de 2010  

Os ministros das Finanças da União Europeia (UE), reunidos hoje em Bruxelas, aprovaram o novo "semestre europeu", exercício através do qual os projetos de orçamento dos Estados-membros serão discutidos no seio da União antes de serem apresentados aos parlamentos nacionais.

Os ministros das Finanças dos 27 avalizaram hoje o "código de conduta" do chamado "semestre europeu" -- cujo conceito geral havia sido já acordada entre os Estados-membros na primavera passada --, aprovando assim formalmente a entrada em vigor do novo mecanismo já no próximo ano.

A ideia da iniciativa é assegurar que uma maior coordenação no seio da UE providencie orientações para a preparação das políticas orçamentais a nível nacional, com os projetos a serem apresentados aos parlamentos nacionais a resultarem de directrizes acordadas a nível da UE
."
 
Mais uma vez se torna mais óbvio o facto que a discussão sobre Defesa Nacional não pode abranger as Forças Armadas.
Cada um que tire as suas conclusões, mas não me venham com conversa de crianças.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 11, 2010, 03:36:29 pm
Eu já tinha lido este artigo e pensei que ficava muito bem neste tópico...

UE, UE, baixem as calças que agora é sem vaselina..., UE...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 12, 2010, 06:27:42 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Setembro 13, 2010, 09:09:20 am
porreiro pá!

Citar
União
Bruxelas pode vetar orçamentos

por HUGO FILIPE COELHO08 Setembro 2010
Bruxelas pode vetar orçamentos

Bloco e PCP denunciam ataque à democracia e à Constituição. Barroso chama-lhe "coordenação" europeia.

Não está a ser fácil ver PS e PSD dançar o tango sobre a mesa de negociação do Orçamento neste ano. Em 2011, será tudo um pouco mais complicado. Os ministros das Finanças da UE concordaram em dar a Bruxelas o poder de veto aos orçamentos nacionais. Daqui para a frente, a Europa também entra na dança do Orçamento.

A aprovação do novo sistema de coordenação orçamental representa um passo à frente no reforço do controlo que a UE tem sobre as contas dos Estados membros. Com a criação da moeda única, Bruxelas passou a exigir, de quatro em quatro anos, um Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), e impôs um tecto máximo aos défices de três por cento. Agora, a UE ganha o poder de fiscalizar as propostas de Orçamento antes mesmo de serem entregues aos parlamentos nacionais.

Durão Barroso saudou a decisão, que, espera, contribuirá para uma "verdadeira política económica europeia". O presidente da Comissão explicou que não se tratar de uniformizar, apenas coordenar, e frisou que Bruxelas "não quer reduzir as competências dos orçamentos nacionais".

"Os Estados membros, antes de apresentarem os seus orçamentos, comprometem-se a um exercício colectivo de análise", disse Barroso. "Para que haja, na medida do possível, uma verdadeira política económica europeia, para que haja uma coordenação das políticas europeias."

A decisão da UE motivou reacções diferentes em Portugal. PS e PSD saudaram o reforço dessa coordenação europeia enquanto os partidos mais à esquerda denunciaram o ataque à democracia e à Constituição.

Em nome do Governo, Pedro Silva Pereira defendeu a importância do reforço dos instrumentos de coordenação europeus. O ministro da Presidência aproveitou a oportunidade para pressionar os partidos da oposição a negociarem o Orçamento para 2011.

Miguel Macedo, líder parlamentar do PSD, negou que a fiscalização preventiva da UE constitua uma perda de soberania. "Todos vigiam todos ao mesmo tempo. Isso é bom porque permite que o crescimento na Europa seja mais harmonioso."

O CDS foi mais ambíguo. Os centristas aceitam o visto prévio de Bruxelas, mas avisam que não deixará que Portugal perca a soberania fiscal. Contra a corrente falaram os partidos de esquerda. Os bloquistas comparam o veto da UE a "um atentado à democracia". O PCP considera-o "uma afronta à soberania nacional" que "subverte a Constituição".

http://dn.sapo.pt/inicio/globo/interior ... cao=Europa (http://dn.sapo.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=1657433&seccao=Europa)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 13, 2010, 06:30:26 pm
Citação de: "P44"
porreiro pá!

Citar
Miguel Macedo, líder parlamentar do PSD, negou que a fiscalização preventiva da UE constitua uma perda de soberania. "Todos vigiam todos ao mesmo tempo. Isso é bom porque permite que o crescimento na Europa seja mais harmonioso."

http://dn.sapo.pt/inicio/globo/interior ... cao=Europa (http://dn.sapo.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=1657433&seccao=Europa)


“O principal problema do “Sistema” da Costa Leste, foi, durante muito tempo, como fazer com que os dois partidos do Congresso fossem mais nacionais e internacionais. O argumento que os dois partidos representariam ideais e políticas opostas, um, talvez, da Direita e o outro da Esquerda, é, para o “Sistema” uma ideia absurda, aceitável apenas por doutrinários e pensadores académicos. Em vez disso, o “Sistema” acredita que os dois partidos deveriam ser quase idênticos, de modo a não conduzir a mudanças profundas nas políticas. O “Sistema” acredita que as políticas que são vitais e necessárias para a América já não são objecto de desacordo significativo, mas apenas discutíveis nos detalhes de procedimento, prioridade ou método (…) Mas qualquer partido no governo torna-se com o tempo corrupto, cansado, desmotivado e sem vigor. Portanto, deveria ser possível substitui-lo, todos os quatro anos se necessário, pelo outro partido, que não será nenhuma destas coisas e mas que ainda assim continuará com novo vigor, basicamente as mesmas políticas.”

Carrol Quigley, Tragedy and Hope - 1966 (tradução minha)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Setembro 13, 2010, 10:27:26 pm
Aquela musiquinha de fundo quando fala o Barroso é que está um bocado deslocada.
É que ele era comuna mas era do lado chinês, ou seja, daquele que rouba mobílias ... :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Setembro 15, 2010, 08:47:00 am
Citar

Aviso
Político alemão avisa que Portugal arrisca seguir o caminho da Grécia

15.09.2010 - 08:05 Por José Manuel Rocha


Michael Meister, dirigente de topo do partido de Angela Merkel, acusa o Governo Sócrates de não fazer o suficiente para impulsionar a economia.

Portugal não está a fazer o que é necessário para evitar cair na mesma situação em que caiu a Grécia. O aviso foi feito ontem por Michael Meister, dirigente de topo do partido da chanceler alemã Angela Merkel.

O recado crítico a Portugal foi passado durante uma entrevista que Meister, porta-voz para as questões financeiras do partido dos democratas-cristãos, concedeu ontem à agência de notícias Bloomberg, em Berlim.

O político germânico teme que Portugal caia numa recessão profunda porque não está a fazer o suficiente para dinamizar a economia e o Governo não avança medidas para tornar as empresas mais competitivas. Meister aconselha Portugal a investir mais na área da educação e da formação, e nas novas tecnologias, como a Alemanha fez, no passado não muito distante, e com bons resultados, conforme sublinhou Meister.

"Cada país tem que fazer a sua parte para impulsionar a sua economia na zona euro, e não apenas cortando nos gastos, como Portugal fez", criticou Michael Meister. O porta-voz da CDU para as questões financeiras acrescentou: "Necessitamos de assinalar aos mercados - não se preocupem, porque estamos a resolver os nossos problemas estruturais e seria desejável mais participação de Portugal."

Apesar de surpreendentes, as declarações de Meister não surgem fora de contexto, porque a Alemanha tem dado sinais de preocupação com a timidez da retoma económica europeia e com os ritmos divergentes a que se está a processar entre os diversos países - particularmente os do Sul.

E, quando a Grécia corria risco de incumprimento, o Governo germânico esticou tanto quanto pôde a corda dos apoios, até que o executivo grego se comprometesse com um rigoroso plano de estabilidade. "Seguramente, não é nosso objectivo ver outro Estado-membro a ter que recorrer aos fundos europeus de emergência", assegurou Meister.

As críticas do dirigente democrata-cristão alemão surgem também em linha com as mais recentes posições do comissário europeu responsável pelos assuntos financeiros. Anteontem, Olli Rehn manifestou preocupação pelo facto de a recuperação económica europeia estar a acontecer "a duas velocidades" e acrescentou que a situação actual poderá pôr em causa a coesão comunitária.

Numa mensagem para o Governo Sócrates, Rehn referiu que é necessário aprofundar a consolidação orçamental e realizar reformas estruturais para que o país regresse a um cenário de crescimento sustentável e de criação de emprego.

Anteontem, a Comissão Europeia reviu em alta as previsões de crescimento para a zona euro (1,8 por cento em 2010). Neste quadro, Portugal acentuará divergências com os seus principais parceiros, uma vez que não é expectável que a economia cresça acima de 1 por cento no corrente ano.

http://economia.publico.pt/Noticia/poli ... ia_1455900 (http://economia.publico.pt/Noticia/politico-alemao-avisa-que-portugal-arrisca-seguir-o-caminho-da-grecia_1455900)


Citar
Contas: Alemanha critica
Merkel avisa Portugal

Portugal não está a fazer o suficiente para evitar o destino da Grécia e precisa de se esforçar mais para conseguir recuperar a economia, afirmou o vice-presidente do partido da chanceler alemã Angela Merkel.


Em entrevista à Bloomberg, o também porta-voz para a área das Finanças do Partido Democrata Cristão, Mechael Meister, considera que "cada país tem de fazer a sua parte para impulsionar a sua economia na Zona Euro, não apenas cortando drasticamente nos gastos, como Portugal fez". Meister acrescentou que "precisamos de dar este sinal aos mercados: ‘não se preocupem, estamos a resolver os nossos problemas', e seria desejável uma maior participação de Portugal".

Para Mechael Meister, o crescimento económico no nosso país está a estagnado, enquanto o Governo enfrenta o desafio de como tornar as empresas e os salários mais competitivos. E sugere que o Governo de Sócrates aposte na Educação e Novas Tecnologias.

Depois da comparação com a Grécia, Mechael Meister garantiu ainda que "certamente não pode ser o nosso objectivo que outro Estado-membro tenha de usar o fundo de ajuda", referindo-se ao pacote de 110 mil milhões de euros que a União Europeia disponibilizou para salvar as contas helénicas.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/notic ... a-portugal (http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/economia/merkel-avisa-portugal)

ou seja, nós vamos ficar na M...... completa porque a ajuda que deram á Grécia NUNCA a darão a Portugal...mas também, conhecendo o "curriculo" do sócas...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: typhonman em Setembro 15, 2010, 04:19:02 pm
Se isso acontecer podemos sair da UE..
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 15, 2010, 05:55:44 pm
E aí o país afundava de vez.

Portugal sacrificou muito para entrar na CEE e agora seria extremamente penoso e ruinoso voltar a ser um país independente (isso também foi sacrificado).

Com isto podem ficar a pensar que eu sou mais um federelista...desenganem-se, sou apenas um realista.

Portugal é neste momento um drogadito que não pode passar sem a dose diária, vendemos tudo, acabamos com tudo, só para termos a nossa dose, agora já não temos nada. Ou a UE acaba de vez e é cada um por si, ou então afundamo-nos na lama e acabou-se tudo.

Uma das alternativas menos dramáticas seria que vários países da UE fossem à banca rota (Espanha, Irlanda, Portugal, RU, etc). Como nem os Alemães nem os Franceses querem ir atrás seria provável que a UE acaba-se. Com isto muita coisa mudaria na UE e no mundo. É provavel que fosse o cenário menos mau para Portugal.

Mas pessoalmente acredito que continue a ser mais do mesmo, como o drogadito cá da rua, basta espancar quem é mais debilitado (classe média) para sacar o dinheiro para a dose seguinte.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 15, 2010, 08:34:28 pm
Cabeça, sobre o que disseste: a partir do minuto 4.10 - http://www.youtube.com/user/TheAlexJone ... b1QJVFRtRQ (http://www.youtube.com/user/TheAlexJonesChannel#p/u/42/Wb1QJVFRtRQ)

Procura "coisas" sobre a "sociedade pós-industrial". O "Cherne" já falou sobre isso.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: cromwell em Setembro 15, 2010, 09:43:33 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
E aí o país afundava de vez.

Portugal sacrificou muito para entrar na CEE e agora seria extremamente penoso e ruinoso voltar a ser um país independente (isso também foi sacrificado).

Com isto podem ficar a pensar que eu sou mais um federelista...desenganem-se, sou apenas um realista.

Portugal é neste momento um drogadito que não pode passar sem a dose diária, vendemos tudo, acabamos com tudo, só para termos a nossa dose, agora já não temos nada. Ou a UE acaba de vez e é cada um por si, ou então afundamo-nos na lama e acabou-se tudo.

Uma das alternativas menos dramáticas seria que vários países da UE fossem à banca rota (Espanha, Irlanda, Portugal, RU, etc). Como nem os Alemães nem os Franceses querem ir atrás seria provável que a UE acaba-se. Com isto muita coisa mudaria na UE e no mundo. É provavel que fosse o cenário menos mau para Portugal.

Mas pessoalmente acredito que continue a ser mais do mesmo, como o drogadito cá da rua, basta espancar quem é mais debilitado (classe média) para sacar o dinheiro para a dose seguinte.

E que tal em vez de ser um realista, ser um lutador e patriota?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 16, 2010, 10:38:34 am
Meu caro sou um Português de classe média roçar a baixa, tenho uma continha a pagar ao banco todos os meses do apartamento que comprei, um carro que já começa a dar problemas e um filho a caminho.

Queres maior luta que pagar tudo a todos?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Setembro 16, 2010, 07:46:09 pm
Citação de: "cromwell"
E que tal em vez de ser um realista, ser um lutador e patriota?

Quando começares a pagar as contas do teu bolso quero ver se ainda dizes isso!  :twisted:
É a diferença entre viver e sobreviver. A maior parte dos portugueses apenas já sobrevive...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 17, 2010, 10:29:31 am
Citação de: "HSMW"
Citação de: "cromwell"
E que tal em vez de ser um realista, ser um lutador e patriota?

Quando começares a pagar as contas do teu bolso quero ver se ainda dizes isso!  :twisted:  :lol:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 17, 2010, 10:30:23 am
Citação de: "Luso"
Cabeça, sobre o que disseste: a partir do minuto 4.10 - http://www.youtube.com/user/TheAlexJone ... b1QJVFRtRQ (http://www.youtube.com/user/TheAlexJonesChannel#p/u/42/Wb1QJVFRtRQ)

Procura "coisas" sobre a "sociedade pós-industrial". O "Cherne" já falou sobre isso.

Ainda não tive tempo, mas assim que ouvir o video, digo-te algo. :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Setembro 19, 2010, 04:26:33 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
E aí o país afundava de vez.

Portugal sacrificou muito para entrar na CEE e agora seria extremamente penoso e ruinoso voltar a ser um país independente (isso também foi sacrificado).

Com isto podem ficar a pensar que eu sou mais um federelista...desenganem-se, sou apenas um realista.

Portugal é neste momento um drogadito que não pode passar sem a dose diária, vendemos tudo, acabamos com tudo, só para termos a nossa dose, agora já não temos nada. Ou a UE acaba de vez e é cada um por si, ou então afundamo-nos na lama e acabou-se tudo.

Uma das alternativas menos dramáticas seria que vários países da UE fossem à banca rota (Espanha, Irlanda, Portugal, RU, etc). Como nem os Alemães nem os Franceses querem ir atrás seria provável que a UE acaba-se. Com isto muita coisa mudaria na UE e no mundo. É provavel que fosse o cenário menos mau para Portugal.

Mas pessoalmente acredito que continue a ser mais do mesmo, como o drogadito cá da rua, basta espancar quem é mais debilitado (classe média) para sacar o dinheiro para a dose seguinte.

assino por baixo!Infelizmente Don Cabeza  :mrgreen:  está coberto de razão.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Setembro 19, 2010, 04:31:00 pm
Citação de: "HSMW"
Citação de: "cromwell"
E que tal em vez de ser um realista, ser um lutador e patriota?

Quando começares a pagar as contas do teu bolso quero ver se ainda dizes isso!  :twisted:  :twisted:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 21, 2010, 01:57:38 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "Luso"
Cabeça, sobre o que disseste: a partir do minuto 4.10 - http://www.youtube.com/user/TheAlexJone ... b1QJVFRtRQ (http://www.youtube.com/user/TheAlexJonesChannel#p/u/42/Wb1QJVFRtRQ)

Procura "coisas" sobre a "sociedade pós-industrial". O "Cherne" já falou sobre isso.

Ainda não tive tempo, mas assim que ouvir o video, digo-te algo. :G-beer2:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 05, 2010, 04:23:57 pm

O que achas Luso?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 05, 2010, 10:30:57 pm
O que acho?
Já distribui umas poucas cópias desse documentário e da versão traduzida para brasileiro no youtube. Para não ouvir o argumento da "densidade"...
Mas é como digo: poucos, muito poucos estão interessados. É a triagem em funcionamento.
Já viste o Endgame?
E Terrorstorm?
Vê estes dois também.

Já agora, Cabeça, o tipo do teu avatar é um grande maroto. Não o convidaria para uma bacalhoada.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Camuflage em Outubro 05, 2010, 11:30:20 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Outubro 05, 2010, 11:59:31 pm
Citação de: "Luso"
Já agora, Cabeça, o tipo do teu avatar é um grande maroto. Não o convidaria para uma bacalhoada.

É o gajo que sente arrepios orgásmicos pela perna acima quando pensa no Bobama?  :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: pedrojoao em Outubro 06, 2010, 09:56:18 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Portugal é neste momento um drogadito que não pode passar sem a dose diária, vendemos tudo, acabamos com tudo, só para termos a nossa dose, agora já não temos nada. Ou a UE acaba de vez e é cada um por si, ou então afundamo-nos na lama e acabou-se tudo.
...
Mas pessoalmente acredito que continue a ser mais do mesmo, como o drogadito cá da rua, basta espancar quem é mais debilitado (classe média) para sacar o dinheiro para a dose seguinte.

Ah, então já percebo de onde me vem esta ansiedade e tremura constante, lol
Melhor descrito de facto não podia estar. Mesmo que nós quisessemos fazer mais, não há margem.
Pagar contas é um tem que ser - e é o contributo para que o país não se afunde ainda mais; continuar a pagar depois de cortes em salários e aumentos de impostos é a maior prova de amor nacional que um português de classe económica média pode dar ao país.
...estou depressivo...vou ver o daily show...e acho que preciso de mais uma dose...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 06, 2010, 01:57:12 pm
Citação de: "Luso"
O que acho?
Já distribui umas poucas cópias desse documentário e da versão traduzida para brasileiro no youtube. Para não ouvir o argumento da "densidade"...
Mas é como digo: poucos, muito poucos estão interessados. É a triagem em funcionamento.
Já viste o Endgame?
E Terrorstorm?
Vê estes dois também.

Já agora, Cabeça, o tipo do teu avatar é um grande maroto. Não o convidaria para uma bacalhoada.

Vou ver assim que puder, é que em minha casa quem manda no PC (como em tudo o resto) é a Maria. :oops:

Não digas mal do senhor, faz-me rir como poucos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 06, 2010, 01:58:06 pm
Citação de: "pedrojoao"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Portugal é neste momento um drogadito que não pode passar sem a dose diária, vendemos tudo, acabamos com tudo, só para termos a nossa dose, agora já não temos nada. Ou a UE acaba de vez e é cada um por si, ou então afundamo-nos na lama e acabou-se tudo.
...
Mas pessoalmente acredito que continue a ser mais do mesmo, como o drogadito cá da rua, basta espancar quem é mais debilitado (classe média) para sacar o dinheiro para a dose seguinte.

Ah, então já percebo de onde me vem esta ansiedade e tremura constante, lol
Melhor descrito de facto não podia estar. Mesmo que nós quisessemos fazer mais, não há margem.
Pagar contas é um tem que ser - e é o contributo para que o país não se afunde ainda mais; continuar a pagar depois de cortes em salários e aumentos de impostos é a maior prova de amor nacional que um português de classe económica média pode dar ao país.
...estou depressivo...vou ver o daily show...e acho que preciso de mais uma dose...

 :G-beer2:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Outubro 14, 2010, 09:58:13 pm
New York, New Yoooork....... Isto já cantava o Sinatra. Pessoalmente, gosto muito de Guano Apes....... Open Your Eyes  :twisted:   :twisted:


Citar
A mysterious shiny object floating high over Manhattan's West Side set off a flurry of reports and wild speculation Wednesday that a UFO was flying over the city.

Police and the FAA said they began getting flooded with calls starting at 1:30 p.m. from people reporting a silvery object hovering high over Chelsea.

Law enforcement sources said they believed the object was likely some sort of balloon, but as of late Wednesday they had not confirmed exactly what it is.

A Daily News reporter could see a tiny, silver dot floating approximately 5,000 feet above 23th St. and Eighth Ave., where dozens of people gathered late in the afternoon to catch a glimpse.

"It's been hovering there for a while. I'm just kind of baffled," said Joseph Torres, 49, of Dyker Heights, Brooklyn, who spotted the object after leaving a movie. "How can it be ordinary? There is something going on."

Despite clear skies, it was not easy to make out the tiny object shimmering overhead.

"You really have to look up to see it," said one witness, who gave only his first name, Rico. "It's a little crazy. I guess that's why they call it an unidentified flying object because they don't know what it is."

Not long after the first sightings, messages began appearing on Twitter linking to a month-old press release announcing the publication of a book by a retired NORAD officer predicting that UFOs would buzz the earth's major cities on Oct. 13.

The Federal Aviation Administration said it received several calls to its operations center but after reviewing radar data, the agency could not find anything out of the ordinary.

"We re-ran radar to see if there was anything there that we can't account for but there is nothing in the area," said spokesman Jim Peters. "There was some helicopter traffic over the river at that time and we checked with LaGuardia Tower. And they said they had nothing going low at that time."

"Nothing that we can account for would prompt this kind of response," he said.

Peters said if it was a weather balloon or any kind of organized balloon release, authorities should have been notified in advance. Police officials said they had received no notification.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 15, 2010, 12:15:15 pm
Fox, gostou do "ritual mineiro"? :twisted:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Outubro 16, 2010, 01:05:14 pm
Citação de: "Luso"
Fox, gostou do "ritual mineiro"? :twisted:  :twisted:  :D  :twisted:   :twisted:  ), Rússia (Moscovo), China (Hangzhou) e agora USA (New York). Apostas para o local da próxima?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 16, 2010, 03:15:56 pm
Citação de: "FoxTroop"
Citação de: "Luso"
Fox, gostou do "ritual mineiro"? :twisted:  :twisted:  :D  :twisted:   :mrgreen:  :mrgreen:
Também tinhas as medidas quase certas! :mrgreen:  :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 16, 2010, 03:19:46 pm
Eu não estou a perceber nada... c34x

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.chinasmack.com%2Fwp-content%2Fuploads%2F2008%2F10%2Fmen-in-black-edgar.jpg&hash=1cd12546939a5d40f0f311ac3911cdf8)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 16, 2010, 05:42:15 pm
Não serão baratas disfarçadas, oh Martelo... :wink:
Tantas coisas que nos passam mesmo à frente dos olhos e não as vemos...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 16, 2010, 05:49:32 pm
Olha estou a sacar, quer dizer...a comprar o  End Game.


Mais 2 horas a ouvir a minha mulher a queixar-se que passo o dia à frente do portátil... :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 16, 2010, 06:08:16 pm
Boa, Martelo! Tens mesmo que ver isso, acredita-me!

Entretanto, uma confirmação da treta que se avizinha:


http://www.newsnet5.com/dpp/news/local_ ... -york-city (http://www.newsnet5.com/dpp/news/local_news/water_cooler/people-spot-ufo-over-new-york-city)
http://www.huffingtonpost.com/2010/10/1 ... 61717.html (http://www.huffingtonpost.com/2010/10/13/new-york-ufo-sighting_n_761717.html)

Retired NORAD Officer's New Book Predicts a Tentative Worldwide UFO Display on October 13, 2010
Submitted by Anisha on Tue, 09/14/2010 - 14:55
in Videos
Winnipeg, Manitoba, Canada (PRWEB) September 13, 2010

http://www.prweb.com/releases/2010/09/prweb4491804.htm (http://www.prweb.com/releases/2010/09/prweb4491804.htm)

A newly-published book by a retired NORAD officer predicts October 13, 2010 as the tentative date for a fleet of extraterrestrial vehicles to hover for hours over the earth's principal cities. Author says the event to be the first in a series intended to avert a planetary catastrophe resulting from increasing levels of carbon-dioxide in the earth's atmosphere dangerously approaching a "critical mass."

Quote start[This event will] occur this year, in what will surely be one of the great dramas of our galaxy, the introduction of their alien civilizations and technologies to mankind. We are not alone, and our world will have changed forever.Quote end

A newly-published 352-page book by a retired Air Force officer, Stanley A. Fulham, tentatively predicts October 13, 2010 as the date for a massive UFO display over the world’s principal cities. According to the author, the aliens will neither land nor communicate on that date; they are aware from eons of experience with other planets in similar conditions their sudden intervention would cause fear and panic.


Ahhhhhh... que queridos estes "extra-terrestres" que nos querem avisar do aquecimento global provocado pelo Co2... :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 16, 2010, 06:13:28 pm
Desculpa-me mas esse texto nem sequer faz sentido. Acredita quem é muito santinho. :?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Outubro 16, 2010, 06:42:42 pm
Citar
Já agora, Fox, viu o "maior foguete do mundo"?  
Também tinhas as medidas quase certas!  

Posso estar enganado, mas a mim parece estarem certissimos  :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 16, 2010, 07:00:57 pm
13,65Kg?...
Hum...
Alguma coisa me escapa...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 19, 2010, 03:36:06 pm
Estou a ler o "Brave New World" de Aldous Huxley.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Outubro 19, 2010, 04:17:10 pm
Citar
tentatively predicts October 13, 2010 as the date for a massive UFO display over the world’s principal cities.

Cadê os UFOs que eu não os vi????????
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 19, 2010, 04:39:26 pm
Ó Berbére, desde quando é que o deserto é:

Citar
world’s principal cities

 :twisted:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Outubro 19, 2010, 04:51:45 pm
Shame on Me!!!!!  :oops:  :oops:  :oops:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Dr Oliveira Salazar em Outubro 25, 2010, 12:20:10 am
A Oligarquia.

Citar
Se todos os ricos se entenderem, terão aos seus pés os pobres patetas que pensam que mandam. Quem os subsidia? Quem lhe paga as contas? Quem lhes dá dinheiro para as eleições fatídicas? Justamente aqueles que, depois, vão exigir pagamento do dinheiro aplicado.

De muitos anos para cá, e neste decénio particularmente, a política apresenta um singular aspecto: uma centena de homens, sempre os mesmos, possui alternadamente o poder político. Perdem-no e vão para bons lugares e depois voltam a ganhá-lo, enquanto os outros avançam para directores de bancos ou outras para-públicas. O poder acaba por não sair de um círculo de ferro.

Enquanto beneficiam do poder, são acusados de corruptos, esbanjadores, despesistas, ignorantes pelos que lá não estão, passando-se o inverso quando a situação se inverte. Mas o que interessa é que os nomes são sempre os mesmos, com diversas variações nas camadas mais jovens da gerontocracia.

Os que se encontram fora das alavancas do poder são os amigos do povo, incorruptíveis, sensatos, que querem zelar pelos interesses do povo. Mas os que ocupam o poder fazem tudo para serem os esbanjadores dos bens da Fazenda, durante a maior parte possível de tempo. E os que não estão no poder, mas querem ir para esses postos chave, movem-se, cansam-se, para deixarem de ser, o mais depressa que puderem, os incorruptíveis, os salvadores, os verdadeiros Estadistas ostracizados.

Era assim o jogo civilizado, já no livro de Eça, “Uma Campanha Alegre”. Na realidade, pouca diferença há nos diversos Sistemas políticos. A única mudança possível entre a realidade observada por Eça e aquela que hoje temos diante dos olhos é que o número dos envolvidos aumentou consideravelmente. Se o núcleo central permaneceu pequeno como convém, o núcleo duro, o “inner circle”, os serventuários, bajuladores, conselheiros e dependentes, aumentou exponencialmente.

Jornal O Diabo: FOGO AMIGO: por António Marques Bessa (http://http)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Novembro 03, 2010, 03:50:47 pm
Este artigo fala de como o pessoal da Goldman Sachs deixa o banco aos 40 anos para ingressar em posições de poder como a regulamentação e administração financeira dos estados..
http://www.dailymail.co.uk/debate/artic ... place.html (http://www.dailymail.co.uk/debate/article-1200481/ALEX-BRUMMER-As-Goldman-Sachs-posts-huge-profits-economic-crisis-question-Did-cause-problems-place.html)

The perestroika deception .. Como o sistema comunista é idêntico, e apenas fez uma actualização para parecer que mudou de ideologia.. Fala em como toda a oposição foi eliminada e vemos apenas o discurso de uma oposição falsa..
http://video.google.com/videoplay?docid ... 275072579# (http://video.google.com/videoplay?docid=3331772831275072579#)

Subversão ideológica
http://righteousalliance.blogspot.com/ (http://righteousalliance.blogspot.com/)

THE EMPIRE OF "THE CITY" -Começa com o 9 11 e continua a falar sobre vários conflictos e a razão/forças desconhecidas por de traz..
http://video.google.com/videoplay?docid ... 139148549# (http://video.google.com/videoplay?docid=4675077383139148549#)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 05, 2010, 07:07:52 pm
Regressando aqui à terrinha:

http://www.jornaldenegocios.pt/home.php ... &id=452249 (http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=452249)

Henrique Neto
Sócrates está no topo da pirâmide dos que dão cabo disto
05 Novembro 2010 | 00:01
Jornal de Negócios  Online  - negocios@negocios.pt

É uma entrevista arrasadora. Henrique Neto, histórico do PS, diz que Sócrates "é um vendedor de automóveis" que "está no topo da pirâmide dos que dão cabo disto".
Revela que Sócrates disse que cortar na Função Pública era atacar a base eleitoral do partido. A maçonaria "é a coisa pior que pode existir na política". "Ser empresário hoje é ser herói."

Acusando o primeiro-ministro de "mentira" e falando também de Mários Soares, Jorge Sampaio ou Pina Moura, Henrique Neto critica a actual forma de direcção do Partido Socialista: "Isto é uma máfia com experiência na maçonaria".
Não perca em exclusivo na edição impressa, uma grande entrevista a Henrique Neto a Anabela Mota Ribeiro.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Novembro 09, 2010, 09:27:30 pm
Citar
November 9, 2010


-"It could be a test firing of an intercontinental ballistic missile from a submarine underwater submarine, to demonstrate mainly to Asia, that we can do that."

 
Pacific Ocean: A mysterious missile launch off the southern California coast was caught on video Monday evening by a KCBS news helicopter.

The spectacular contrail could easily be seen up in Los Angeles, but who launched this missile and why, remain a mystery for now.

The magnificent images were captured from the KCBS chopper around 5pm. The location of the missile was described as west of Los Angeles, north of Catalina Island, and approximately 35 miles out to sea.

A Navy spokesperson tells News 8, this wasn't its missile. He said there was no Navy activity reported in that part of the region.

On Friday, November 5, Vandenberg Air Force Base launched a Delta II rocket, carrying the Thales Alenia Space-Italia COSMO SkyMed satellite, but a sergeant at the base tells News 8, there have been no launches since then.
 
News 8 showed the video to Robert Ellsworth, former U.S. Ambassador to NATO and a former Deputy Secretary of Defense.
 
He said it didn't appear to be a Tomahawk missile and said it would be safest to wait for definitive answers to come from the military.
 
Based on pure speculation, however, Ambassador Ellsworth said, with President Obama in Asia, perhaps this could have been a show of our military muscle.
 
"It could be a test firing of an intercontinental ballistic missile from a submarine underwater submarine, to demonstrate mainly to Asia, that we can do that," he said, stressing that it was just a theory.

http://www.cbsnews.com/stories/2010/11/ ... 6716.shtml (http://www.cbsnews.com/stories/2010/11/09/national/main7036716.shtml)

CBS News
November 9, 2010

Mystery Missile Launch Seen off Calif. Coast


A mysterious missile launch off the southern California coast was caught by CBS affiliate KCBS's cameras Monday night, and officials are staying tight-lipped over the nature of the projectile.

CBS station KFMB put in calls to the Navy and Air Force Monday night about the striking launch off the coast of Los Angeles, which was easily visible from the coast, but the military has said nothing about the launch.

KFMB showed video of the apparent missile to former U.S. Ambassador to NATO Robert Ellsworth, who is also a former Deputy Secretary of Defense, to get his thoughts.

"It's spectacular… It takes people's breath away," said Ellsworth, calling the projectile, "a big missile".

Magnificent images were captured by the KCBS news helicopter in L.A. around sunset Monday evening. The location of the missile was about 35 miles out to sea, west of L.A. and north of Catalina Island.

A Navy spokesperson told KFMB it wasn't their missile. He said there was no Navy activity reported in the area Monday evening.

On Friday night, Vandenberg Air Force Base, in California, launched a Delta II rocket, carrying an Italian satellite into orbit, but a sergeant at the base told KFMB there had been no launches since then.

Ellsworth urged American to wait for definitive answers to come from the military.

When asked, however, what he thought it might be, the former ambassador said it could possibly have been a missile test timed as a demonstration of American military might as President Obama tours Asia.

"It could be a test-firing of an intercontinental ballistic missile from a submarine … to demonstrate, mainly to Asia, that we can do that," speculated Ellsworth.

Ellsworth said such tests were carried out in the Atlantic to demonstrate America's power to the Soviets, when there was a Soviet Union, but he doesn't believe an ICBM has previously been tested by the U.S. over the Pacific.

Officially, at least, the projectile remains a mystery missile.

 :lol:   :lol:

Caro Luso, esta é que eu não esperava, será que pode ser assim tão à vista?!!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Vicente de Lisboa em Novembro 09, 2010, 10:39:35 pm
Hehe, também vinha postar essa aqui. É para fazer mais juristas.  :lol:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 09, 2010, 11:12:09 pm
Citação de: "Luso"
Regressando aqui à terrinha:

http://www.jornaldenegocios.pt/home.php ... &id=452249 (http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=452249)

Henrique Neto
Sócrates está no topo da pirâmide dos que dão cabo disto
05 Novembro 2010 | 00:01
Jornal de Negócios  Online  - negocios@negocios.pt

É uma entrevista arrasadora. Henrique Neto, histórico do PS, diz que Sócrates "é um vendedor de automóveis" que "está no topo da pirâmide dos que dão cabo disto".
Revela que Sócrates disse que cortar na Função Pública era atacar a base eleitoral do partido. A maçonaria "é a coisa pior que pode existir na política". "Ser empresário hoje é ser herói."

Acusando o primeiro-ministro de "mentira" e falando também de Mários Soares, Jorge Sampaio ou Pina Moura, Henrique Neto critica a actual forma de direcção do Partido Socialista: "Isto é uma máfia com experiência na maçonaria".
Não perca em exclusivo na edição impressa, uma grande entrevista a Henrique Neto a Anabela Mota Ribeiro.

É interessante a referência feita à Mafia com experiência na Maçonaria.
A impressão que é passada ao cidadão, pelo menos comigo é o que acontece, é a de que os vários grupos qu tomaram o poder, utilizam as relações que são possibilitadas pelos contactos através das sociedades secretas.

A partir daí, quando os contactos são estabelecidos, o desenvolvimento dos negócios passa para estruturas paralelas, que essas sim são basicamente organizações mafiosas.
Isto explica o aparecimento destes Armandos Varas ligados aos sucateiros e restante corja ligada ao processo Face Oculta (apenas para referir o caso mais conhecido).

A experiência vem da Maçonaria: Ou seja: a Maçonaria, ou as Maçonarias, funcionariam como uma espécie de Agência de Contactos, que depois de estabelecido o contacto e de dar a benção, abandona o barco e olha para o lado.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 10, 2010, 09:40:15 pm
Não é só olhar para o lado.
Também para pela obrigação de ajudar, activa ou passivamente, o filho da viúva.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Novembro 12, 2010, 03:09:35 pm
Como traumatizam as crianças e as transformam..
http://projectcamelot.org/svali.html (http://projectcamelot.org/svali.html)
http://www.whale.to/m/map.html (http://www.whale.to/m/map.html)

School of darkness
http://genus.cogia.net/index.htm (http://genus.cogia.net/index.htm)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 24, 2010, 02:37:27 pm
Já conheciam este canal?

 :arrow: http://www.youtube.com/user/MaxKeiserTV (http://www.youtube.com/user/MaxKeiserTV)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 16, 2010, 05:25:50 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Dezembro 20, 2010, 07:45:37 pm
Nigel Farage on voting in the EU parliament
http://www.youtube.com/watch?v=ax-sDZisMag (http://www.youtube.com/watch?v=ax-sDZisMag)


...musica é muito melhor..
All things to all Men
http://www.youtube.com/watch?v=xjSScD7Z8q4 (http://www.youtube.com/watch?v=xjSScD7Z8q4)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Dezembro 28, 2010, 11:37:15 am
Pontos Críticos
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Janeiro 03, 2011, 11:26:22 pm
"Everything we are told is a lie"  é meramente uma anedota
 
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 05, 2011, 10:05:03 am
Confesso que não vi o video até ao fim, mas ainda não percebi muito bem qual é o problema se ele é cristão ou muçulmano.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Janeiro 05, 2011, 05:24:25 pm
Não é problema porque é falso na mesma. As religiões principais são para o povo em geral de maneira a que eles construam uma própria religião para sí que os permita aproveitar-se dos "gentis", dos que são bem educados. Ou seja, eles não têm moral, propagam a sua falsa utopia de modo a que possa alienar o maior numero de pessoas possíveis.

E continuando a Unir os pontos..
http://video.google.com/videoplay?docid ... 663975672# (http://video.google.com/videoplay?docid=-5357942718663975672#)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Janeiro 06, 2011, 10:56:20 pm
Why Nazism Was Socialism and Why Socialism is Totalitarian
http://mises.org/media/1552 (http://mises.org/media/1552)

" The selection of the worst"

Muito Bom conteúdo este site, para quem quiser perceber de economia, e não caí na retórica sem conteúdo real que é propagandeada nestes dias...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Janeiro 24, 2011, 02:33:29 am
Qual o propósito das fundações livres de impostos ?
Obscuro.. " O inimigo cá dentro" http://www.archive.org/details/TaxExemp ... anMonteith (http://www.archive.org/details/TaxExemptFoundationsTheEnemyWithin-NormanDoddDrStanMonteith)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Janeiro 24, 2011, 02:11:43 pm
"Moses Hess quickly transformed young Marx into a freemason, a socialist agitator and his minion."

"In 1844 Marx wrote in his article "On the Jewish Question", that the Jews more or less controlled Europe, that their worldly god was money and that their most important business was to swindle money from people by means of extortionate interest rates. He also firmly asserted: "Behind every tyrant there is always a Jew."

http://www.fourwinds10.com/siterun_data ... 1295718066 (http://www.fourwinds10.com/siterun_data/history/zionism/news.php?q=1295718066)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Janeiro 28, 2011, 06:45:35 pm
De actores de Tv para presidentes de Países..
http://www.youtube.com/watch?v=7C56dgYz978 (http://www.youtube.com/watch?v=7C56dgYz978)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 12, 2011, 08:56:51 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Fevereiro 12, 2011, 09:40:29 pm
Bravo, Cabeça!  :G-beer2:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Fevereiro 18, 2011, 12:32:55 pm
O monopólio mundial das drogas tá explicado aqui e é exactamente o mesmo monopólio do tráfego de droga ilegal !
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Fevereiro 21, 2011, 10:55:37 am
Mais uma aula. The total onslaught of Jesus - A woman rides the beast
http://video.google.com/videoplay?docid ... 117463744# (http://video.google.com/videoplay?docid=-8764803852117463744#)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Maio 24, 2011, 11:15:26 pm
A Grande Decepção ( demasiado complexo para comentar)
http://z4.invisionfree.com/The_Great_De ... topic=5810 (http://z4.invisionfree.com/The_Great_Deception/index.php?showtopic=5810)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Maio 26, 2011, 10:23:39 pm
Subversão sovietica ou guerra psicologica é o que hoje destroi as sociedades do ocidente.

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Maio 27, 2011, 12:49:44 pm
Quando colocar textos e imagens, se quiser ter alguma credibilidade, pelo menos indique quando os textos ou imagens foram produzidos.

Todo o video perde completamente o sentido, porque foi feito, ou refere-se a um periodo anterior à chegada de Gorbachov ao poder na União Soviética (o que aconteceu em 1985).

O resto é História.
Todos sabemos que a Russia comunista subsidiava movimentos políticos sociais e culturais na Europa e mesmo na América.
Os movimentos «VERDES» europeus foram todos mais ou menos subsidiados pela Russia comunista.
Em Portugal, o PC recebia dinheiro sem fim dos russos (também por causa das zangas no pós 25 de Novembro).

E era uma guerra que funcionava nas duas direcções.
Os americanos e os ingleses emitiam sinais de rádio de grande potência, para enviar mensagens para lá da cortina de ferro.
A televisão em Berlim ocidental era um instrumento tão poderoso, que os comunistas alemães tinham que fazer programas ao estilo ocidental para concorrer.

A isto tudo chamou-se «Guerra Fria».

Acabou há mais de 20 anos.

Os pontos já foram todos unidos e já debotaram.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 11, 2011, 12:40:23 pm
Bilderberg 2011

Os Portugueses que vão participar, são:

Balsemão, Francisco Pinto ( http://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_ ... sem%C3%A3o (http://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Pinto_Balsem%C3%A3o) );
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Faeiou.caras.pt%2Fusers%2F0%2F10%2Ffrancisco-pinto-balsemao-648b.jpg&hash=1068af1e0fa50a927ac956edbfed3069)

Ferreira Alves, Clara ( http://pt.wikipedia.org/wiki/Clara_Ferreira_Alves (http://pt.wikipedia.org/wiki/Clara_Ferreira_Alves) );
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fliberal.sapo.cv%2Ffotos%2F64%2F55556.JPG&hash=b008f24f3fafbc9c6dc588a5f1ca7b3e)

Nogueira Leite, António ( http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3n ... eira_Leite (http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3nio_Nogueira_Leite) )
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.dn.pt%2Fstorage%2FDN%2F2010%2Fbig%2Fng1348049.jpg%3Ftype%3Dbig%26amp%3Bpos%3D0&hash=3c65954be3b962037a5353c554170370)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Junho 12, 2011, 02:32:47 pm
De volta ai inicio da panóplia.
William Cooper (Mystery Babylon) Isis & Osiris

E agora para o meio.. http://www.conspiracyarchive.com/NewAge ... balist.htm (http://www.conspiracyarchive.com/NewAge/Plato_Kabbalist.htm)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Junho 17, 2011, 01:20:31 am
De volta aos filósofos e à escola deles

Para cá
Perto
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Junho 17, 2011, 09:16:14 pm
The first thing to be borne in mind is that negative, unintelligent Mediumship and psychism reduces its exponent to the level of an automaton; it is dangerous and inadvisable because it deprives man of his free will and his positivity, and militates against his acting as a free intelligent human being. The man is not acting in these cases as a channel for his own soul, but is little better than an instinctual animal, if he is not literally an empty shell, which an obsessing entity can occupy and use.
http://www.bibliotecapleyades.net/socio ... tents.html (http://www.bibliotecapleyades.net/sociopolitica/externalisation/contents.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Junho 23, 2011, 05:21:49 pm
Mais uma aula para quem quiser sair da gruta.
William Cooper (Mystery Babylon) Maitreya 1/4
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Julho 29, 2011, 07:55:09 pm
And what is "mindwar?"
For Aquino, "mindwar" is a permanent state of strategic psychological warfare against the populations of friend and foe nations alike. "In its strategic context, mindwar must reach out to friends, enemies and neutrals alike across the globe ... through the media possessed by the United States which have the capabilities to reach virtually all people on the face of the Earth. These media are, of course, the electronic media-television and radio. State of the art developments in satellite communication, video recording techniques, and laser and optical transmission of broadcasts make possible a penetration of the minds of the world such as would have been inconceivable just a few years ago." Above all else, Aquino argues, mindwar must target the population of the United States, "by denying enemy propaganda access to our people, and by explaining and emphasizing to our people the rationale for our national interest. ... Rather it states a whole truth that, if it does not now exist, will be forced into existence by the will of the United States."
http://www.theforbiddenknowledge.com/ha ... ersion.htm (http://www.theforbiddenknowledge.com/hardtruth/satanic_subversion.htm)
É debaixo disto descrito que existimos.

Roman Empire Rules Today 3
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Julho 29, 2011, 11:18:56 pm
Mas na Noruega deixam-no aceder à internet ?  :shock:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Julho 29, 2011, 11:29:43 pm
Papatango, vêm-me à cabeça duas palavras: esquizofrenia galopante .  :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Agosto 03, 2011, 10:39:28 am
We never won the war
Porque quem a provocou ficou com o controlo aumentado no fim.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Agosto 24, 2011, 12:59:52 am
Mentiras globais deliberadamente propagadas para a máfia nos proteger delas.
http://globalfire.tv/nj/11en/politics/c ... l_lies.htm (http://globalfire.tv/nj/11en/politics/collapse_global_lies.htm)

""All parties of industrialized nations, whether right or left, are adopting the theory of the Carbon-induced global warming. It is the unique opportunity to tax the very air we breathe, as politicians are even being applauded for supposedly preventing the world from suffocating from excess heat. No party can possibly resist this temptation.""

E justificar a nossa destruição.

"Let us not forget the World wide robbery instituted in the so-called financial crisis. This is especially with regard to the supposed saving of the Euro, all of which is based on lies and could never have happened without the original lie which the enemies of mankind utilised to gain their all-embracing immunity from harm. We have to focus on these facts: The enemies of humanity triumph by Lies and die with the Truth."
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 07, 2011, 03:50:22 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg40.imageshack.us%2Fimg40%2F1736%2F200905amusingourselvest.png&hash=a0683a5fcd518bc6458184e39f84b9b1)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Vicente de Lisboa em Setembro 08, 2011, 12:55:09 am
Ia dizer que finalmente os crazies tinham postado algo de jeito, mas não... foi o nosso Martelo.

Já tinha ouvido essa discussão, e deveras é bem possível que o Huxley tenha acertado. Mas then again, embora hoje em dia estas coisas estejam exageradas, elas sempre existiram, pelo que se calhar é possível que se esteja a ser pessimista sem razão.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 08, 2011, 11:15:46 am
"Crazies"...
 :mrgreen:  :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Setembro 08, 2011, 12:07:16 pm
O Huxley dizia que 20% das pessoas são facilmente hipnotizadas e não conseguem pensar, e o bush dizia que era nessas pessoas que ele se tinha de focar!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 10, 2011, 11:22:07 pm
Outra dos "crazies": http://www.eubusiness.com/news-eu/poland-politics.c3p (http://www.eubusiness.com/news-eu/poland-politics.c3p)

Que ideia tão boa e tão oportuna! :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 13, 2011, 01:37:25 pm
Ah pois é... mas não se passa nada.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 16, 2011, 10:10:09 pm
http://oinsurgente.org/

Lesa-Pátria

Filed under: Diversos — Ricardo Arroja @ 11:03

“O preço da electricidade para as famílias portuguesas promete registar, no próximo ano, um aumento sem precedentes. As estimativas preliminares da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), segundo o Diário Económico apurou, apontam para um agravamento que andará na casa dos 30% (…) A justificar esta escalada dos preços da electricidade, que vai ainda ter de incorporar o agravamento da carga fiscal, derivado da subida do IVA de 6 para 23%, a partir de 1 de Outubro, está, não só os custos com a produção de energia, mas acima de tudo os encargos com os chamados custos de interesse económico. Este pacote inclui um vasto conjunto de medidas que derivam de opções de política energética, levadas a cabo nos últimos anos. É o caso dos encargos com as energias renováveis e a cogeração, a garantia de potência, assim como os custos de manutenção do equilíbrio contratual (CMEC) ou as rendas entregues aos municípios (…) à luz das regras em vigor, as centrais da EDP que antes da liberalização total do sector possuíam contratos de aquisição de energia com a REN, garantindo-lhes a compra de toda a produção, são compensadas pela cessação dos mesmos. Esta compensação resulta da diferença entre as receitas líquidas obtidas pela venda de electricidade em mercado e aquelas que resultariam do quadro contratualmente estabelecido nos contratos de aquisição de energia (…) Pressionado pela troika, que exige uma revisão deste mecanismo, o qual contou com o aval do anterior Governo, o Executivo de Passos Coelho não conseguiu convencer a EDP a abrir mão de um compromisso contratual, que no final do primeiro semestre, atingia 1.056 milhões de euros”, na edição de hoje do Diário Económico (páginas 4 e 5).
 
A peça do Diário Económico é esclarecedora: 1) a chamada “liberalização total” do sector foi uma farsa porquanto a EDP, ainda o principal player no mercado residencial, foi blindada através de uma renda bilionária que foi estipulada vigorar até 2017; 2) Portugal que, incluindo todos os custos sobre a electricidade, de acordo com o Eurostat, já exibe preços ajustados pelo poder de compra bem acima da média europeia, arrisca-se agora a estourar em definitivo com a escala e; 3) o Governo, que tanto fala numa agenda de competitividade, continua a percorrer o caminho contrário ao que seria desejável.
 
Enfim, há muito que o diagnóstico está feito (ler Vítor Bento em “Perceber a crise para encontrar o caminho”): em Portugal, os preços dos bens e serviços regulados, protegidos da concorrência, como a electricidade, têm evoluído nas últimas décadas a um ritmo excessivo quando comparados com a evolução dos preços de bens e serviços não regulados e sujeitos a verdadeiros ambientes concorrenciais (e não ao simulacro concorrencial que, internamente, serve os interesses da EDP). É, portanto, sobre estes interesses especiais, que capturam o Estado e aprisionam os cidadãos, que é crucial actuar.
 
Ora, nos últimos anos, parece ter existido no nosso País uma especial determinação em executar contratos lesa-Pátria. Assim, o mínimo que se deve exigir é que este tipo de contratos, como os CMEC e afins bem como a generalidade das PPP’s, sejam imediatamente revogados, sem mais. Trata-se de um caminho estreito e repleto de perigos, nomeadamente o perigo de se resvalar para exageros e para caças às bruxas (embora as pessoas, cujos nomes e assinaturas constam de muitos desses contratos, devessem ser, pelo menos, acossadas…), porém, do mesmo modo que certos interesses se aproveitaram da inércia do Estado, abusando da sua incapacidade, também agora o Estado tem de responder na mesma moeda. Repito, o caminho é estreito e repleto de perigos, mas não é aceitável que tantos interesses privados se tenham sentado à mesa do Orçamento com o simples propósito de comer e beber à grande sem incorrerem num só risco. Enfim, ganhar dinheiro assim é fácil. Mas não é aceitável.
 
Portanto, regressando à EDP (uma empresa detida maioritariamente por accionistas privados), rasgue-se essa treta dos CMEC’s e criem-se condições, através da regulação, para que o sector, efectivamente, se abra à real concorrência entre operadores, pois só assim é que os cidadãos e empresas poderão beneficiar de melhor serviço e menor preço. E se a EDP é realmente essa máquina super eficiente que o talented Mr. Mexia tanto publicita, então, há-de se safar e continuar, sem ajudas, a prosperar.



Não sei se vale a pena fazer algum comentário.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Vicente de Lisboa em Setembro 17, 2011, 05:04:33 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2F1.bp.blogspot.com%2F_Yh92CV4rH84%2FSqhftaxhdEI%2FAAAAAAAADu8%2FTagtZS0RdfQ%2Fs400%2Fpooh_07.gif&hash=11e14147dea9dcdbd730ba4018358235)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 17, 2011, 09:48:41 pm
Ainda não os uniste, Vicente. Queres ajuda?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Vicente de Lisboa em Setembro 18, 2011, 03:35:19 am
Sim. Ainda pensei em seguir os números mas isso é o que eles querem... (https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fforum.backupot.com%2FSmileys%2Fclassic%2Fninja-disappearing-smiley.gif&hash=bb3e8593c1bc866c0f79ec52324bf34c)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Setembro 19, 2011, 01:30:09 am
They celebrate death, not life.
Not fun.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Setembro 27, 2011, 12:50:13 pm
" A última coisa que pode passar pela cabeça de uma americano é que ele vive de baixo de comunismo "
http://z4.invisionfree.com/The_Great_De ... topic=2905 (http://z4.invisionfree.com/The_Great_Deception/index.php?showtopic=2905)

O Poder e a Influência das Fundações livres de impostos, aqui está o que eles fazem com dinheiro criado a partir do nada.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: nelson38899 em Setembro 27, 2011, 01:54:49 pm
Bem linergy, para ser sincero eu ja te chamei de maluco e que devias estar internado num hospicio, mas hoje reconheço que o que andas a dizer é quase verdade. :oops:

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Jorge Pereira em Setembro 28, 2011, 06:03:36 pm
Citar
"Trader" que "sonha com outra recessão" é um amador que "procura atenção"

A imprensa mundial deu ontem conta da intervenção de um "trader" da City londrina na BBC. Afinal, reporta hoje o "The Telegraph", Alessio Rastani é um amador dos mercados que procurava atenção.

O especulador da City que ontem apareceu na BBC a confessar “que todas as noites vou para a cama sonhar com outra recessão” disse hoje que não é, afinal, um “trader” profissional.

A sua identidade foi prontamente posta em causa nas redes sociais e nas caixas de comentários dos “sites” noticiosos que davam conta da entrevista. Hoje, o “The Telegraph” desfez as dúvidas falando com ele – desta vez por telefone.

“Eu procuro atenção. Esse é o principal motivo por que falo. Essa é a razão porque aceitei ir à BBC. O ‘trading’ é como um ‘hobby’, não é um negócio. Eu falo muito, adoro a ideia de falar em público”, acrescentou.

O prazer que retira de falar em público pode tê-lo levado à BBC para falar de mercados na qualidade de especulador profissional. Mas a verdade é que não o é. Alessio Rastani tem uma participação de 99% na Sontoro Projects, cuja actividade se prende com discursar em público.

Em qualquer dos casos o “trading” é um “hobby” que lhe tem saído caro. Segundo o “The Telegraph”, o resultado líquido dos seus investimentos no mercado é de 10.048 libras esterlinas (11.560 euros) e o último recibo bancário do convincente oradora dá conta de um saldo de conta de 985 libras.

Outro aspecto interessante é o sitio onde mora. Na entrevista à BBC, Alessio Rastani é descrito como um “‘trader’ independente” da City de Londres. No entanto, este vive e negoceia a partir de casa da namorada, que está a ser paga a prestações. E esta não fica no prestigiado centro financeiro mas sim no Sul de Londres, refere o “The Telegraph”.

A identidade do pretenso especulador foi posta em causa ainda ontem. Mas a sua presença em directo num programa da BBC emprestou-lhe credibilidade e a cadeia de televisão negou os rumores. Entre as publicações que deram conta desta entrevista esteve o Negócios.

“Levámos a cabo investigações detalhadas e não conseguimos encontrar indícios que sugiram que a entrevista com Alessio Rastano foi uma farsa”, disse o canal de televisão britânico.

Na sua intervenção, Rastani, disse que o sistema financeiro não iria aceitar as medidas de apoio ao euro que estão a ser consideradas. Das suas declarações uma das que fez mais títulos foi: “Os governos não mandam no mundo. O Goldman Sachs é que manda no mundo.”

Fonte (http://http)


Cromo!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Miguel em Setembro 28, 2011, 09:20:05 pm
Citar
O Goldman Sachs é que manda no mundo.”


Isto todos sabem que é totalmente verdade. Apenas devia esclarecer dizendo que a GS é o braço armado/financeiro do movimento. :N-icon-Axe:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 28, 2011, 09:33:18 pm
Mais vale assassinar o carácter que dar-lhe um tiro na mona.
Limpinho.
E volta tudo à normalidade.
Regressemos, pois, às competições europeias.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Setembro 29, 2011, 12:52:33 am
Citação de: "Luso"
Mais vale assassinar o carácter que dar-lhe um tiro na mona.
Limpinho.
E volta tudo à normalidade.
Regressemos, pois, às competições europeias.

Sujar ainda mais as mãos de sangue para quê? Assim passa por um simples pateta e qualquer crédito fica assassinado à partida. Espantoso é que nem com todos estes últimos acontecimentos a malta se atreve a desconfiar de nada. Creio que é mesmo uma questão de fé, um acreditar cego de que "tal coisa não é possível". Afinal, os que caminhavam mansamente para dentro das câmaras de gás, recusaram até à última que tal fosse possível, iam só tomar duche........ porque não estes actualmente?!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: nelson38899 em Setembro 29, 2011, 09:58:36 am
Esta news faz me lembrar as noticias lançadas pelos governos para esconder a merda que fazem.

Eu acredito no tipo!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Setembro 29, 2011, 01:05:07 pm
British Brainwashing Corporation...
Vejam antes isto,
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Setembro 29, 2011, 02:38:18 pm
Citação de: "Luso"
Mais vale assassinar o carácter que dar-lhe um tiro na mona.
Limpinho.
E volta tudo à normalidade.
Regressemos, pois, às competições europeias.
:G-beer2:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Vicente de Lisboa em Setembro 29, 2011, 04:31:50 pm
Citação de: "linergy"
British Brainwashing Corporation...
Vejam antes isto,

Britons Broadcasting Communism é mais giro.  :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Jorge Pereira em Setembro 29, 2011, 09:04:59 pm
Citar
O corretor que deu uma entrevista à BBC a garantir que é possível ganhar dinheiro com a crise mundial, é afinal um pequeno empresário com pouco mais de mil euros na conta. Alessio Rastani falou três minutos à cadeia britânica e agitou mercados e governos. Descobriu-se agora que se estava a fazer passar por quem não era.

http://sicnoticias.sapo.pt/economia/article774043.ece (http://sicnoticias.sapo.pt/economia/article774043.ece)

Citar
Polémica
Alessio Rastani, o homem que não é corretor, mas também não é impostor
O homem que, na última segunda feira, deixou o mundo de boca aberta não é, afinal, corretor nem ganha milhões com a crise. Mas também não é o impostor que chegaram a dizer. É apenas alguém que "gosta de chamar à atenção"
12:37 Quinta feira, 29 de Set de 2011
   
REVEJA AQUI A POLÉMICA ENTREVISTA À BBC

Desde segunda feira que, na Internet, não se fala de outra coisa. Gente de todo o mundo, através das redes sociais, comenta as afirmações de Alessio Rastani, alegado corretor da bolsa de Londres, que, numa curta entrevista à BBC deixou todos de boca aberta com afirmações do género: "Esta crise é um sonho para fazer dinheiro"; "há três anos que sonhava todas as noites com uma recessão como esta para poder ganhar mais dinheiro; "Os governos não dominam o mundo. O Goldman Sachs domina o mundo"

Numa primeira fase, Alessio foi acusado de ser impostor. Um sociopata, mesmo. Alguma imprensa britânica sugeriu que Rastani pertenceria aos The Yes Man, grupo de ativistas conhecidos por terem já realizado vários embustes nos media Os The Yes Man vieram prontamente desmentir esta informação.

A BBC, por seu lado, emitiu um comunicado garantindo que Rastani não é um impostor. Mas a verdade é que ele também não corretor. De acordo com uma investigação do The Telegraph, Alessio nunca obteve a autorização por parte da entidade reguladora dos serviços financeiros britânicos.

A este jornal, Rastani acaba por declarar-se "investidor independente", mas a verdade é que nem a casa em que vive está totalmente paga e não chega a ter mil libras depositadas na sua conta.

Rastani admite ao Telegraph que gosta de chamar à atenção "Esta é a razão por que eu aceitei falar na BBC. Investir é como um hobby, não é um negócio. Eu sou um falador. Eu falo bastante. Eu adoro a ideia de falar em público. Mas eu quis dizer cada uma daquelas palavras", assegura o britânico, de 34 anos, que conseguiu chegar à BBC pelo que escreve num blogue.

Ler mais: http://aeiou.visao.pt/alessio-rastani-o ... z1ZNDHgzDL (http://aeiou.visao.pt/alessio-rastani-o-homem-que-nao-e-corretor-mas-tambem-nao-e-impostor=f624916#ixzz1ZNDHgzDL)

Quem quiser acreditar, acredita. Quem quiser viver em mundos paralelos cheios de sombras, que viva, mas não façam dos outros parvos. :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Setembro 30, 2011, 12:08:31 am
Voltando ao tópico, Já pus este link, mas aqui tive o trabalho de traduzir em Português a primeira parte. Não está excelentemente traduzido...

Dialéctica Hegeliana e Conspiração

Existe uma relação entre as Finanças, a centralização, e a hegemonia mundial. Até à eclosão da Primeira Guerra Mundial, o dinheiro parecia ser um mero mecanismo. Mas as medidas tomadas para financiar a guerra revelam que o sistema monetário foi de facto o veículo de uma política, política essa que foi a centralização do poder, conduzindo progressivamente a um Governo Mundial.

Antes da eclosão da guerra, a Grã-Bretanha foi o CENTRO (mas não o SER) de controlo financeiro do mundo, com a guerra, o controlo financeiro foi transferido para Nova Iorque e de lá usada para desmantelar o Império Britânico que, por força das tradições britânicas e o carácter anglo-saxónico, tinha sido a grande barreira para o domínio do mundo por aqueles que operam através do sistema financeiro mundial. A queda do império britânico foi uma realização financeira, e não uma militar. Mas os termos de "paz" impostos à "vitoriosa" Grã-Bretanha são aqueles que se poderia esperar após a derrota militar.

Mas o Poder que surgiu na abertura deste século teve o seu nascimento muito antes disso. Foi incubado (mas não concebido) nas Sociedades Secretas da Europa, apareceu brevemente na Revolução Francesa, e espalhou-se para a Inglaterra na forma do Fabianismo, e para os Estados Unidos na forma de diversas sociedades socialistas. Após a primeira fase da guerra, tomou conta da Rússia, e desde então tem-se visivelmente espalhado como Comunismo Internacional, até que assumiu controlo da maior parte do globo.

A história actual, que parece feita de episódios, é de facto a culminação de etapas de uma política de longo prazo que se move internacionalmente, mas apenas visível na perspectiva do tempo.

O que nós pensamos que vemos é muitas vezes uma ilusão intencionalmente apresentada, como o ilusionista que te faria acreditar que ele tem uma laranja na mão direita, quando na verdade é na mão esquerda. Cidadãos do mundo, quer as suas simpatias sejam de esquerda ou de direita, monarquistas ou republicanas, têm sido usados como peões no seu jogo de psicologia hegeliana pela mão escondida que rege.

Na realidade, a laranja nem está na mão esquerda nem na direita. O processo da dialéctica hegeliana é a noção de que o conflicto cria história. (Vê http://www.biblebelievers.org.au/brain2 ... SCIOUSNESS (http://www.biblebelievers.org.au/brain2.htm#MANIPULATING%20CONSCIOUSNESS) "Brainwash").

A partir deste axioma, segue-se que um conflicto controlado pode criar uma história predeterminada. Por exemplo, quando a Comissão Trilateral discute "conflicto conduzido", como faz extensivamente na sua literatura, que implica o uso gerenciado de conflictos de longo prazo para fins pré-determinados  - não apenas para o mero exercício de controlo aleatório de manipulação para resolver um problema.

A dialética leva este processo Trilateral de "conflicto conduzido"  um passo adiante. Em termos hegelianos, uma força existente (a tese) gera uma força contrária (a antítese). Conflicto entre as duas forças resulta na formação de uma síntese. Em seguida, o processo começa todo de novo: Tese x antítese resulta em síntese.

É como duas empresas com accionistas comuns não revelados, a apresentar propostas competitivas para um projecto num sitio para o qual os seus acionistas tem planos completamente diferentes. Independentemente do resultado, os accionistas estão no controlo em beneficio.

Aqui estão algumas ilustrações do processo de dialética hegeliana: -

                                                        A Elite Globalista

                                                |                                        |

                                              Tese                              Anti-tese

                                                |                                        |

                                     Rússia Marxista                  Alemanha Nazi

                                                |     Conflito da Segunda  |

                                                |       Guerra Mundial        |

                      1917 Revolução Bolchevique            1933 Ascensão de Hitler ao poder

                      EUA Constrói e subsidia                    EUA Constrói e subsidia

               União Soviética 1920 -- presente            o Socialismo Nacional

                                                  |                                    |

                                                                Lucro

                                                                   |

                                                              Síntese

                                                                   |

    Pós II Guerra Mundial das Nações Unidas, um passo a caminho da Nova Ordem Mundial

Primeira parte, http://www.biblebelievers.org.au/bb970219.htm (http://www.biblebelievers.org.au/bb970219.htm)
O esquema no fim não ficou bem, vejam o link original, tem vários esquemas do processo dialetico.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Outubro 02, 2011, 02:03:03 pm
As sociedades secretas e o hitler
http://poorrichards-blog.blogspot.com/2 ... m-and.html (http://poorrichards-blog.blogspot.com/2011/03/adolf-hitler-agent-of-zionism-and.html)

Uma coisa que não está correcta é que não foi o hitler que escreveu " a luta dele" , esse livro foi escrito por um padre jesuíta chamado Bernard Staempfle.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 02, 2011, 04:05:26 pm
Citação de: "Oziris"
Escândalo de venda de armas dos EUA a traficantes mexicanos abala governo Obama



(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fmsnbcmedia3.msn.com%2Fj%2Fafp%2Fdv_to_getty_2617324_0.grid-6x2.jpg&hash=7753211681493228b4763bcab4586171)

O objetivo era investigar o tráfico de armas dos Estados Unidos para organizações criminosas mexicanas. Mas a operação “Fast and Furious” (Velozes e Furiosos), orquestrada pelo ATF (Departamento de Álcool, Tabaco e Armas de Fogo dos EUA, na sigla em inglês), em 2009, acabou sendo um enorme fracasso. E, após recentes revelações de congressistas norte-americanos, tem potencial para se tornar um dos maiores escândalos da administração de Barack Obama.

A ideia era vender, de forma controlada, armas norte-americanas de alto calibre a membros de cartéis de drogas. Com isso, os agentes de segurança dos EUA esperavam rastrear o armamento no México até os chefões do tráfico e desarticular as sofisticadas redes de criminosos. Só que o plano não saiu como o esperado: cerca de duas mil armas sumiram do radar dos EUA e hoje circulam livremente em território mexicano.

Grande parte das armas oriundas da operação da ATF, instituição cujas ligações com o lobby de produtores de armas norte-americanos são investigadas, foi vinculada com mais de 200 delitos no México, entre eles o assassinato do agente da Patrulha da Fronteira Brian Terry, em 14 de dezembro de 2010, morto com um AK-47.

A pergunta que as autoridades nos EUA e no México agora se fazem é: de quem é a culpa? Com o passar dos meses, seguem saindo elementos cada vez mais assombrosos, que revelam aspectos inquietantes da operação. Agentes da ATF admitiram a periculosidade da falha, acusando superiores de terem tomado decisões incorretas. Porém, nesta terça-feira (27/09), o tema ganhou novo fôlego com revelações feitas por uma comissão investigadora do Congresso dos EUA sobre o caos entre a ATF e a DEA (Força Administrativa de Narcóticos, na sigla em inglês) e o FBI.

Segundo as investigações dos congressistas, a falta de comunicação entre as agências federais aconteceu e foi documentada. A DEA e o FBI, em particular, haviam ocultado da ATF a identidade do mais importante comprador de armas em Ciudad Juarez – um dos principais alvos da operação – e de um dos principais informantes das duas agências, cujo nome em código era CI #1 (Informante Confidencial Número 1).

O agente John Dodson foi instruído a comprar quatro unidades de AK-47 em dinheiro e ainda recebeu uma carta do supervisor, David Voth, o autorizando a vendê-las para criminosos mexicanos. Essencialmente, os contribuintes norte-americanos pagaram pelo armamento de traficantes mexicanos.



Acordo com traficantes?



A notícia chega justamente depois da declaração, da emissora Fox News,  de que há documentos que atestam que o governo dos EUA, utilizando dinheiro público, comprou armas no arsenal Lone Wolf, no estado do Arizona, que foram entregues a traficantes mexicanos e acabaram nas mãos de integrantes do Cartel de Sinaloa, liderado por Joaquín “El Chapo” Guzmán.

Segundo declarações de Vicente Jesús Zambada Niebla, filho do número dois do Cartel de Sinaloa, Ismael El Mayo Zambada, e atualmente preso nos EUA, a situação é muito mais complexa e teria características ainda mais obscuras. Através de seu advogado, Vicente disse que a operação “Velozes e Furiosos” seria parte de um acordo mais amplo, com a DEA e o FBI como protagonistas e com a aprovação do Departamento de Justiça, que teria oferecido imunidade aos integrantes do Cartel de Sinaloa em troca de informações sobre outros cartéis.

A defesa de Vicente, ex-encarregado da logística do cartel, se baseia na afirmação de que ele atuava como agente dos EUA quando cometeu os delitos pelos quais é acusado, em nome do Departamento de Justiça dos EUA, da DEA, da Segurança Nacional e do FBI. Washington não negou que o filho de Mayo Zambada foi apoiado pelo Departamento de Justiça.

Com as novas revelações, o governo Obama enfrenta uma avalanche de críticas direcionadas a uma história que parece ainda não ter mostrado todas as facetas. Articulistas de jornais e intelectuais norte-americanos exigem que a opinião pública saiba quais são as verdadeiras relações  relações entre o gabinete presidencial e os cartéis, considerando também a batalha declarada pela Secretário de Estado, Hillary Clinton, contra o “narcoterrorismo” e “narcoinsurreição”.

Certo é que os parentes de Brian Terry querem justiça e pretendem ir quem é responsável pela morte do policial.

Fonte: OperaMundi

[]'s

Esta noticia já é velha e quem primeiro disse o que se estava a acontecer foi o Alex Jones, depois disso até os media mais "convencionais" divulgaram o mesmo.

Este video é de 2009

 :twisted:  [003]




E o "damage control":

http://townhall.com/columnists/katiepav ... ion_of_atf (http://townhall.com/columnists/katiepavlich/2011/09/30/bombshell_doj_considering_elimination_of_atf)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: vmpsm em Outubro 04, 2011, 12:27:23 pm
French history erased in new wave of revisionism

Parents and teachers across France are up in arms over new textbooks which carry accounts of French history revised to avoid insulting ethnic minority pupils. They say common sense has been sacrificed to political correctness in French schools.

­Natives of France now fear their identity will soon disappear along with their history.

A modern French history textbook now boasts no less than 20 pages on the history of black slavery while devoting a mere six pages to the achievements of Napoleon – shown here sitting on a toilet.

France's new history textbooks are enraging parents and teachers who call it political correctness gone mad.

Dimitri Casali, history professor and best-selling author on the newly-banished giants of France warns of dire consequences of the new educational policy.

“If we don't teach our minorities the history of their adopted country, they won't feel French. We're already seeing riots on our streets,” Casali exclaims.

In the new textbook, the Crusades are now called insulting to Muslims, the Sun King Louis 14th is labeled imperialist and Napoleon is mocked as the Colonel Gaddafi of his day. The star of the new school books is  Mali's previously little-known King Kankou Musa  who ruled over the West African country in the 13th century.

The purge even extends to literary giants like Victor Hugo, author of the world classic, Les Miserables.

France is already breaking up, believes Professor Casali, because its young people have no sense of identity. Parents are deeply concerned too.

Father-of-three Jean-Noel Villemin from Paris says, “We need to study even the worst pages of our history because you cannot understand politics today if you don't understand history, if they want to understand and vote properly.”

Legal action is seen as the only way to stop the erasure of France’s national history.

“Schools now give 10 per cent of their schedule to the medieval African Mali Empire. I've studied it, and what exactly is its contribution to world development?” asks Parisian lawyer Marcel Ceccaldi.

Thousands signed a petition after lessons on the French Revolution were replaced by study of the African kingdom of Monomotapah, which many say they have never heard of. The Ministry of Education refused to be interviewed, but gave RT this statement:

“We are changing the school curriculum to reflect globalization. Monomotapah is being taught because it is important to have a view on other world cultures such as Egypt, China and India,” the statement reads.

A new European Parliament report has backed compulsory school lessons on the benefits of the EU, from “a very young age.” Critics say pupils are learning less and less about their own countries and warn that states which stop teaching their past will simply consign themselves to history.

http://rt.com/news/french-history-revisionism-political-correctness-889/
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 07, 2011, 05:29:11 pm
E a corroborar ou melhor, a complementar o importante postal do vmpsm, fica aqui um "testemunho" correlacionado, enunciado por uma das muitas prostitutas que por aqui (Portugal) polulam:

sexta-feira, 7 de Outubro de 2011 | 13:24
 
Populismos nacionalistas são «único risco verdadeiro» na UE

O antigo ministro das Finanças Luís Campos e Cunha alertou hoje para os «populismos nacionalistas» na União Europeia, que são «o único risco verdadeiro» que o projeto europeu enfrenta, mesmo para lá da zona euro.
«As economias da União Europeia (UE) são política e economicamente tão interligadas que o fim da UE é um custo muito maior do que qualquer populismo à volta do problema do euro nalgum país. E este é o único risco verdadeiro que nós corremos, mas é o risco da UE», disse Campos e Cunha durante a sua intervenção sob o título «Economia portuguesa numa encruzilhada», no primeiro dia do Fórum de Bolsa organizado pela NYSE Euronext no Porto.
Para o professor universitário, o euro não está em risco, nem Portugal coloca nenhuma ameaça à moeda única, comparando a economia nacional a metade da cidade de Paris: «Se metade de Paris estivesse em crise financeira alguém ia dizer que o euro estava em crise?»

Diário Digital / Lusa


http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_d ... ews=167401 (http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_digital/news.asp?section_id=19&id_news=167401)


Lentamente, o pessoal está a tirar-lhes a pinta e a ver ao que eles andam.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: fagulhas em Outubro 07, 2011, 07:55:27 pm
Concordo em muito com aquilo que escreves (anteriormente, não neste post).

Acredito ter, uma linha de pensamento com a mesma directriz que a tua, mas, permite discordar deste teu ultimo texto. Parece-me, que estás a 'meter' tudo no mesmo 'saco' (não que esteja a defender este elemento), apenas e só, que o personagem em causa sempre se mostrou contras as actuais e anterior medidas.
Como em tudo, é apenas a minha simples opinião, que poderá estar errada.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 07, 2011, 10:11:46 pm
Fagulhas, é claro que pode discordar. :wink:

Este personagem, na posição em que está, faz passar a ideia que "populismos nacionalistas" são motivos para preocupação.
Resta saber o significado que LCC atribui a esse conceito: serão, por exemplo, "populistas nacionalistas" os que aqui, neste espaço, defendem a ideia de um país digno, consciente da sua história, da sua identidade e da necessidade de manter, respeitar e fazer-se respeitar a sua identidade e existência?
Podemos considerar LCC, pelo que diz, em dois prismas:

1.º a do "idiota útil" (http://en.wikipedia.org/wiki/Useful_idiot (http://en.wikipedia.org/wiki/Useful_idiot)), em que o personagem, ingénuamente faz passar um conceito que serve interesses ou um objectivo que não contempla, certamente tendo em vista uma ideia nebulosa de uma união de países "bonzinhos" que se unem em torno de um ideal "comum";

2.º a do agente a serviço de interesse internacionalistas que querem e trabalham objectivamente para o desaparecimento dos Estados-Nação.

Pessoalmente, inclino-me para o primeiro, até porque tenho preconceito contra este tipo de gente, que considero utilitaristas e meros especialistas na sua "ciência" e quase sempre ignorantes da Historia, cultura e ciência.
Seja como for, objectivamente contribuem para o mesmo efeito.

Repare, se tiver algum conhecimento acima da média e contactar com instituições de ensino superior, verificará que muitas mentiras são vendidas como verdades "verdadinhas" por professores bem intencionados mas mal informados que ignoram boa parte da realidade. Ou seja, anda por aí muita caixa de ressonância que, ou por ignorância, ou por moda, ou pressão dos colegas, de conselhos científicos, ou medo de perder o emprego ou promoção, alinham no esquema.

Assim se faz subversão cultural e científica de forma eficaz. Basta promover em grande meia-dúzia de cabeças (dar-lhes ums prémios, uns "nobéis", umas capas de revista, umas entrevistas bem conduzidas na TV, um marketing associado bem conduzido) e muitas cabeças pensantes - e muitas cabeças decisoras (nem sempre pensantes) e a coisa faz-se.

Portanto, a mim tanto se me dá: de boas intenções está o inferno cheio.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Outubro 08, 2011, 11:07:38 pm
Os políticos são pessoas com uma grande lavagem cerebral, e são escolhidos mesmo por isso.
Ouçam com atenção, isto é o que se passa duas horas a Norte de avião.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 09, 2011, 01:21:29 am
Excelente video. Desconhecia completamente este senhor.
Espanta-me a velocidade com que as coisas estão a avançar.
Uma coisa me parece clara: não vai ser com falinhas mansas que isto "vai lá".
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 09, 2011, 11:00:34 am
Começo a suspeitar da existência de um (mais um) cavalo de Tróia desta subversão civilizacional em Portugal.

Parecendo absurdo, esta notícia estará relacionada com o vídeo acima mencionado: http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/falo- ... -4071.html (http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/falo-gigante-mercado-aveiro-penis-peixeiras-tvi24/1285099-4071.html)

As coisas começam a fazer sentido.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 09, 2011, 01:57:36 pm
Em relação com parte do conteúdo do vídeo do Linergy, a revista suplemento do Público de domingo (a "Pública") dedica 12 páginas (13 com a capa) - a Carlos Cruz e seu eventual regresso à televisão.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 09, 2011, 02:32:57 pm
Temas "interessantes": http://www.demos.co.uk/projects (http://www.demos.co.uk/projects)
O logo também o é. :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 09, 2011, 10:20:34 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Outubro 10, 2011, 04:17:38 pm
Claro que este é só um palhaço, mas foi assim que o ensinaram, e para Portugal os políticos também querem trazer este cag....., e dar-lhe prémios...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 11, 2011, 09:41:46 am
Alienação, impunidade, irresponsabilidade: Ministério Público, um cancro.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/notic ... sa-justica (http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/exclusivo-cm/amigo-de-socrates-atrasa-justica)
http://desporto.sapo.pt/futebol/primeir ... tista.html (http://desporto.sapo.pt/futebol/primeira_liga/artigo/2011/10/11/minist_rio_p_blico_quer_portista.html)


Pelos vistos, a investigação ao Socas deve ter estado parada para permitir a investigação aos "acontecimentos do túnel" (que não é do Marão).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 11, 2011, 12:56:18 pm
Ora aqui está uma sistematização que há muito procurava:

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.fishdontthink.com%2Fwp-content%2Fuploads%2F2011%2F02%2FBezmenov-LLTA-07.jpg&hash=073c05a7b26042227d5b59e40a3d7c0e)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Outubro 11, 2011, 01:45:27 pm
psychopolitics
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: linergy em Outubro 12, 2011, 01:41:46 am
O hitler gostava da sensação de superioridade que tinha por controlar as pessoas como gado, é a mesma sensação que os psicopatas mentirosos têm.
Não é só a russia que foi dominada  pelo socialismo, o comunismo, ou o internacionalismo.
O dominio monetário desenvolveu uma utópia para para iludir quem tivesse em oposição à ordem regente.
Desta forma milhões aderiram à armadilha. Hoje apenas 1 em mil percebem que toda a sociedade vive num armadilha, uns têm gozo em enganar os outros, o resto tem dificuldade em acorda-los.
A armadilha consiste em perpetuar a guerra. No centro do mundo consiste em controlar ambos os lados.
Não é na línguagem do ocidente que o mundo é dirigido, todos aqui estamos a ser pulverizados com veneno, o mundo é gerido por um mito árabe desenvolvido por árabes, mesmo hoje o Português está a ser destruido, o plano é reduzir a línguagem dos gentis para de forma mais facil os afastar da possibilidade de perceber a guerra contra sí.
 Na palestina ambas as forças politicas foram criadas por israelitas, desta forma os eventos e a retórica do conflicto é totalmente controlada, e assim o povo do ocidente é estupidificado em relação ao conflicto existente.
A armadilha é demasiado complexa, para explicar ou perceber porque quem está dentro dela vê a sua perpectiva e olha para reacções de pessoas com perspectivas muito diferentes. Não existe na verdade nenhuma história real do conflicto, e nunca vai haver.
Uma história imaginada por um criminoso ontem aparece nos meis de comunicação social para esconder um conflicto de mais de 5000 anos em que 999 em mil dormem.
O sistema em cada parte do mundo divide para conquistar, unifica para escravizar, a verdadeira guerra é a manipulação do pensamento, hoje cada vez mais pessoas não conheceram a sociedade de que fizeram parte, alguns são educados para ser bons e outros educam-se para se aproveitar dos bons. A manipulação consiste em criar uma história que pareça coerente ao longo do tempo. Contudo é falsa, e a mentira é repetida e premiada todos os dias. Toda esta gente importante que pensa fazer parte da história é insignificante.O insignificante é glorificado,a decadência é premeditada, a miséria é planeada, todos mentem sem saber, todos pensam sem conhecimento, algo está para acontecer nesta terra.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 25, 2011, 03:16:17 pm
Citação de: "Jorge Pereira"
Citar
O corretor que deu uma entrevista à BBC a garantir que é possível ganhar dinheiro com a crise mundial, é afinal um pequeno empresário com pouco mais de mil euros na conta. Alessio Rastani falou três minutos à cadeia britânica e agitou mercados e governos. Descobriu-se agora que se estava a fazer passar por quem não era.

http://sicnoticias.sapo.pt/economia/article774043.ece (http://sicnoticias.sapo.pt/economia/article774043.ece)

Citar
Polémica
Alessio Rastani, o homem que não é corretor, mas também não é impostor
O homem que, na última segunda feira, deixou o mundo de boca aberta não é, afinal, corretor nem ganha milhões com a crise. Mas também não é o impostor que chegaram a dizer. É apenas alguém que "gosta de chamar à atenção"
12:37 Quinta feira, 29 de Set de 2011
   
REVEJA AQUI A POLÉMICA ENTREVISTA À BBC

Desde segunda feira que, na Internet, não se fala de outra coisa. Gente de todo o mundo, através das redes sociais, comenta as afirmações de Alessio Rastani, alegado corretor da bolsa de Londres, que, numa curta entrevista à BBC deixou todos de boca aberta com afirmações do género: "Esta crise é um sonho para fazer dinheiro"; "há três anos que sonhava todas as noites com uma recessão como esta para poder ganhar mais dinheiro; "Os governos não dominam o mundo. O Goldman Sachs domina o mundo"

Numa primeira fase, Alessio foi acusado de ser impostor. Um sociopata, mesmo. Alguma imprensa britânica sugeriu que Rastani pertenceria aos The Yes Man, grupo de ativistas conhecidos por terem já realizado vários embustes nos media Os The Yes Man vieram prontamente desmentir esta informação.

A BBC, por seu lado, emitiu um comunicado garantindo que Rastani não é um impostor. Mas a verdade é que ele também não corretor. De acordo com uma investigação do The Telegraph, Alessio nunca obteve a autorização por parte da entidade reguladora dos serviços financeiros britânicos.

A este jornal, Rastani acaba por declarar-se "investidor independente", mas a verdade é que nem a casa em que vive está totalmente paga e não chega a ter mil libras depositadas na sua conta.

Rastani admite ao Telegraph que gosta de chamar à atenção "Esta é a razão por que eu aceitei falar na BBC. Investir é como um hobby, não é um negócio. Eu sou um falador. Eu falo bastante. Eu adoro a ideia de falar em público. Mas eu quis dizer cada uma daquelas palavras", assegura o britânico, de 34 anos, que conseguiu chegar à BBC pelo que escreve num blogue.

Ler mais: http://aeiou.visao.pt/alessio-rastani-o ... z1ZNDHgzDL (http://aeiou.visao.pt/alessio-rastani-o-homem-que-nao-e-corretor-mas-tambem-nao-e-impostor=f624916#ixzz1ZNDHgzDL)

Quem quiser acreditar, acredita. Quem quiser viver em mundos paralelos cheios de sombras, que viva, mas não façam dos outros parvos. :arrow: http://economico.sapo.pt/noticias/afina ... 29681.html (http://economico.sapo.pt/noticias/afinal-o-goldman-sachs-manda-no-mundo_129681.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Vicente de Lisboa em Novembro 03, 2011, 12:47:02 pm
Luso, linergy e PCP - a mesma luta (http://http)!  :P
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 22, 2011, 03:48:54 pm
Do suspeito John Stuart, mas cujo conteúdo é surpreendente.

http://www.thedailyshow.com/watch/mon-o ... come-a-law (http://www.thedailyshow.com/watch/mon-october-31-2011/how-a-bill-doesn-t-become-a-law)

Eugenia.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 23, 2011, 02:05:09 pm
Interessante não é?!

E este video?

 :arrow: http://www.thedailyshow.com/watch/mon-n ... share_copy (http://www.thedailyshow.com/watch/mon-november-21-2011/on-topic---gop-presidential-candidates---ron-paul?xrs=share_copy)

Behind who?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 02, 2012, 04:29:43 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 03, 2012, 02:16:14 pm
Citar
03.01.2012 12:55
País
Expresso revela que Luís Montenegro faz parte da Maçonaria tal como ex-chefe do SIED
 
O jornal Expresso está a adiantar na edição online que o líder parlamentar do PSD faz parte da loja maçónica Mozart, a que pertence também o ex-diretor do SIED, Jorge Silva Carvalho. São informações de um documento da Grande Loja Legal de Portugal a que o Expresso teve acesso. Luís Montenegro integra igualmente a Comissão Parlamentar que investigou as irregularidades nas secretas e que censurou as alusões negativas à maçonaria.

A Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Liberdades e Garantias, investigou, desde Agosto do ano passado, um conjunto de irregularidades nos serviços secretos que tiveram como protagonista Jorge Silva Carvalho, incluindo o acesso ilegal à lista de chamadas de um jornalista do Público, Nuno Simas.

A mesma Comissão investigou igualmente a passagem de informações sobre empresários ao ex-diretor do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) quando ele transitou para o grupo privado Ongoing.

A revelação sobre a ligação do deputado do PSD à loja maçónica de Silva Carvalho surge numa altura em que o jornal Público avança que o relatório preliminar sobre a investigação parlamentar às Secretas proposto pela vice-presidente da bancada social-democrata, Teresa Leal Coelho, foi alterado de forma a deixar de fora as alusões negativas à relação da maçonaria com as Secretas.


http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2012/01 ... fe-do-sied (http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2012/01/03/expresso-revela-que-luis-montenegro-faz-parte-da-maconaria-tal-como-ex-chefe-do-sied)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 03, 2012, 04:16:08 pm
De acordo com raciocínios pêtêanos, isso não passam de teorias de conspiração, P44...
Se essa gente não aparecer nos livros do Oliveira Martins ou nos manuais escolares da primária e do secundário (ou nas publicações patrocinadas pela FLAD ou Reader´s Digest), é porque não existe.
Tudo conspiração.
"Não se passa nada: é circular, é circular!"
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 03, 2012, 04:18:57 pm
Longos são os tentáculos do polvo...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 03, 2012, 05:13:59 pm
Secretas, juizes, advogados...para controlar algo não se precisa ter um homem/mulher em cada esquina, basta controlar os setores/posições chave.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 06, 2012, 01:47:27 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Janeiro 06, 2012, 04:00:41 pm
Devo confessar que já começo a olhar para estas teorias da conspiraçao com uns olhos diferentes. Senao vejamos.

No final de Setembro, a BBC transmitiu esta "entrevista".

Passado uma semana a comunicaçao social descredibiliza totalmente o indivíduo, dizendo q ele só tem meia duzia de trocos na conta bancaria, e vive no apartamento alugado pela namorada. Em suma: um falhado.

E se: Os tais Rockafellers soubessem desta conferencia de imprensa na comissao europeia? A melhor solucao teria sido com certeza descredibilizar antecipadamente um individuo que partilha a mesma teoria, de modo a deixar a deixar a conferencia do Daniel Estulin sem o devido impacto, pois as pessoas imediatamente associariam esta com a "entrevista" do bronco.

Enfim, será tudo coincidencia ou terei de ir ao psiquiatra?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 07, 2012, 10:29:41 am
Declarações à SIC Notícias
Fernando Nobre assume-se maçon e diz que todos devem fazer o mesmo

07.01.2012 - 08:49 Por PÚBLICO

O antigo candidato à Presidência da República, Fernando Nobre, assumiu-se como maçon e defendeu que os membros dessa organização devem fazer o mesmo.

Fernando Nobre, ex-candidato à Presidência da República e ex-cabeça-de-lista por Lisboa do PSD, reconheceu, no entanto, em declarações na última noite na SIC Notícias, que nesta altura não tem uma participação activa nas actividades da maçonaria.

“Sou [maçon] embora adormecido, não vou à loja do Grande Oriente Lusitano há mais de dois anos e faço minhas inteiramente as palavras de António Arnaut. As pessoas que se assumam porque os maçons durante todo um percurso histórico foram violentamente perseguidos por todas as ditaduras”, referiu.

“Os maçons criaram certas reservas de protecção sempre com medo que uma ditadura se pudesse instalar e que eles pudessem ir, como foram na Alemanha, para os campos de concentração. Agora, penso que o mundo mudou. Se nós demonstrarmos que estamos num movimento por valores e não por carreirismos, nem por ambições, não temos que ter vergonha do que somos”, defendeu aquele que foi também deputado do PSD por um período de tempo muito curto.

As declarações de Fernando Nobre surgem numa semana em que as ligações da classe política à Maçonaria têm sido um tema em destaque depois de ter sido avançado que o líder da bancada parlamentar do PSD, Luís Montenegro, pertence à mesma loja maçónica do antigo director do SIED Jorge Silva Carvalho, cuja alegada passagem de informações a empresas privadas e o acesso ao registo telefónico de um antigo jornalista PÚBLICO foram discutidas e alvo de audições na comissão de Assuntos Constitucionais.

Também o PÚBLICO avançou em primeira mão que o líder parlamentar do PSD e quadros da Ongoing estiveram juntos num encontro maçónico. Montenegro não desmentiu nem confirmou pertencer à mesma loja maçónica de Jorge Silva Carvalho. Já o líder parlamentar do PS, Carlos Zorrinho, cujo nome também surgiu em alguns documentos, afirmou na quinta-feira que a sua vida é “absolutamente pautada pela transparência”, depois de interrogado se pertence a alguma das obediências maçónicas portuguesas.
http://www.publico.pt/Pol%C3%ADtica/fer ... mo-1528022 (http://www.publico.pt/Pol%C3%ADtica/fernando-nobre-assumese-macon-e-diz-que-todos-devem-fazer-o-mesmo-1528022)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Janeiro 09, 2012, 08:06:55 pm
Pois é caro Luso, pois é.......

Citar
Responsável pela investigação da morte de Presidente polaco tenta suicidar-se
09.01.2012 - 15:26 Por Agências, Polícia guarda gabinete do investigador que se tentou matar

O responsável por uma investigação militar sobre o acidente que vitimou o então Presidente da Polónia, Lech Kaczynski, há dois anos, tentou suicidar-se com um tiro depois de ter abruptamente interrompido uma conferência de imprensa, mas foi rapidamente socorrido e está agora fora de perigo.

Aos jornalistas, Mikolaj Przybyl tinha criticado especificamente as fugas de informação da investigação ao acidente de 10 de Abril de 2010, em Smolensk, na Rússia (Oeste), em que morreram o então presidente e outras 95 pessoas, entre elas vários altos responsáveis polacos.

“Durante todo o meu serviço como investigador primeiro civil e agora militar nunca envergonhei a República da Polónia", afirmou, antes de resolver interromper as declarações, dizendo: "Obrigado, por favor dêem-me uma pausa de cinco minutos, preciso de descansar.”

Przybyl pediu aos jornalistas para abandonarem o seu gabinete, mas uma câmara de televisão tinha sido deixada a gravar. Mostra Przybyl a deslocar-se para o canto do gabinete, saindo do enquadramento. De seguida, ouve-se um tiro.

Ouvindo o disparo, os jornalistas entraram no gabinete, encontrando Przybyl deitado no chão numa poça de sangue.

Vários meios de comunicação social da Polónia mostraram imagens do responsável, no chão, atrás da secretária, antes de ter sido levado por uma ambulância.

A investigação ao acidente de Smolensk continua a ser uma questão política muito sensível, com o líder do maior partido da oposição, Jaroslaw Kaczynski, que é o irmão gémeo do defunto presidente, a acusar o Governo de conivência com a Rússia para encobrir a real causa do acidente.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 09, 2012, 12:30:39 pm
:arrow: http://octopedia.blogspot.com/2012/02/p ... iados.html (http://octopedia.blogspot.com/2012/02/poder-associados.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 09, 2012, 02:01:42 pm
:arrow: http://wakeup-world.com/2012/01/29/mons ... es-tested/ (http://wakeup-world.com/2012/01/29/monsanto%E2%80%99s-infertility-linked-roundup-discovered-in-all-urine-samples-tested/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Fevereiro 25, 2012, 10:24:20 am
Mais uma, com os cumprimentos do "maluquinho":

http://crisisboom.com/2011/08/22/gm-foods-not-served-in-monsanto-cafeteria/

Bom proveito.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 25, 2012, 12:03:47 pm
Por acaso já conhecia isso. Eu no meu facebook tenho um contacto que me mantém à alerta dessa máfia...ups, perdão, dessa empresa.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Março 02, 2012, 11:53:52 am
Mais um avanço, insidioso e nojento. Sobre a capa do "devemos promover o debate" ou do "apenas publicamos a opinião" a coisa avança. Leiam, é esta a antevisão do "admirável mundo novo" que a nossa inércia e apatia está para legar aos nossos filhos (se não forem eugenizados antes). Todos sabemos como começa, onde vai acabar......ninguém sabe.....


http://www.publico.pt/Sociedade/artigo- ... do-1536079 (http://www.publico.pt/Sociedade/artigo-cientifico-defende-como-moralmente-aceitavel-a-morte-de-um-recemnascido-1536079)

Citar
Bioética
Artigo científico defende como moralmente aceitável a morte de um recém-nascido

Um artigo publicado na última semana de Fevereiro pelo Journal of Medical Ethics defende que deveria ser permitido matar um recém-nascido nos casos em que a legislação também permite o aborto. A polémica segue em crescendo. A autora do texto já recebeu ameaças de morte.


O artigo em causa (clique aqui para a versão html , ou aqui para descarregar uma versão pdf, ambas em inglês), aceite por aquela publicação científica ligada ao British Medical Journal intitula-se “After-birth abortion: why should the baby live?”, que se poderia traduzir como “Aborto pós-parto: por que deve o bebé viver?”. É assinado por Francesca Minerva, formada em Filosofia pela Universidade de Pisa (Itália) com uma dissertação sobre Bioética, que se doutorou há dois anos em Bolonha e é uma investigadora associada da Universidade de Oxford, em Inglaterra. A sua polémica tese é a de que o “aborto pós-nascimento” (matar um recém-nascido”) deve ser permitido em todos aqueles casos em que o aborto também é, incluindo nas situações em que o recém-nascido não é portador de deficiência”.........

O artigo em questão.
http://static.publico.pt/docs/sociedade ... 100411.pdf (http://static.publico.pt/docs/sociedade/JMed%20Ethics-medethics100411.pdf)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 02, 2012, 12:27:06 pm
Pelos vistos, as nossas indignações são mais "coisas" próprias "extrema direita americana", Fox.
Pois então que o sejam. As coisas estão aí para que todas as vejam e para que todos optem.

Mais uma achega do Orlando Braga do "Perspectivas"


«The editor of an ethics journal that recently published an article advocating infanticide (what the authors call “post-birth abortion”), has responded to widespread criticism by pointing out that promoting the killing of newborns is nothing new: in fact, in the Netherlands infant euthanasia is already legal and practiced.
 
Editor Julian Savulescu also criticizes what he calls the “hate speech” directed at the authors of the article, arguing that the public’s response to the piece shows that “proper academic discussion and freedom are under threat from fanatics opposed to the very values of a liberal society.”»

 
via Journal editor defends pro-infanticide piece: Killing newborns is already legal in Holland | LifeSiteNews.com.

 

Segundo o grande académico ateísta Julian Savulescu, o infanticídio não é infanticídio: antes, é “aborto pós-nascimento”; e quem critica a defesa do “aborto pós-nascimento” é um fanático que utiliza um “discurso de ódio”, e que se opõe aos “valores da sociedade liberal”.

Segundo o ateísta Savulescu, o “aborto pós-nascimento” deveria ser permitido por lei para todos o casos em que o aborto já é permitido, incluindo o “aborto de crianças saudáveis que já nasceram”.

Segundo o ateísta Savulescu e os ateístas Daniel Dennett, Richard Dawkins, Christopher Hitchens, Sam Harris e Anthony Cashmore, “uma criança nascida não tem o estatuto moral de pessoa” e, por isso, “uma criança nascida é irrelevante do ponto de vista moral”.

Esta defesa do “aborto pós-nascimento” também é defendida pelo “grande eticista” Peter Singer que dá aulas na universidade de Harvard, o que revela a “alta qualidade” intelectual dos professores universitários contemporâneos. Peter Singer diz, com a “sabedoria” que o caracteriza, que uma criança nascida tem o estatuto de um peixe, e por isso pode ser “abortada” depois de ter nascido.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 02, 2012, 01:41:03 pm
Eu sei que estou a entrar em caminhos perigosos, mas alguém devia fazer um “aborto pós-nascimento” nas pessoas que escrevem esse tipo de barbaridades...eles já nasceram, certo?!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Março 03, 2012, 01:35:45 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Eu sei que estou a entrar em caminhos perigosos, mas alguém devia fazer um “aborto pós-nascimento” nas pessoas que escrevem esse tipo de barbaridades...eles já nasceram, certo?!

Cabeça, a ladeira onde isto rola pode levar a impensáveis (para nós, porque para eles esse é o fito). O nojo começa logo por qualificar um artigo destes como "cientifico". Um tese (se lhe podemos chamar isso) pura e simplesmente filosófica é embrulhadinha como artigo cientifico e servida como se fosse algo testado e provado, sujeito a toda a experimentação que algo realmente cientifico é, antes de ser publicado. Depois o nojo de como a coisa pode ser aplicada. Se um recém-nascido não passa de um "peixe", um papel em branco e, moralmente (na moral destes animais), não há razão para que, mesmo completamente saudável, se for considerado um fardo à sociedade, não possa ser "eugenizado", onde podemos parar, seguindo essa lógica? No tipo que teve um acidente e ficou com uma deficiencia, passando a ser "um fardo para a sociedade"? No velhote que já não consegue trabalhar após uma vida de contributo para a sociedade e agora é "um fardo para a sociedade"? No desempregado que após 1, 2 ou 3 anos não consegue trabalho sendo "um fardo para a sociedade"? Nos filhos dos pobres visto que o futuro dififilmente lhes será risonho e "são um fardo para a sociedade"?

Atenção, muita atenção, os campos de extreminio nazis foram suportados "cientificamente" por animais que parecem meninos de coro ao pé desta gente, que nutre um ódio nada discreto pela Humanidade.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: typhonman em Março 03, 2012, 03:24:44 pm
Não sei aonde isto irá parar... Continuem entretidos com os "futebois"...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 03, 2012, 07:41:09 pm
Mais uns pontinhos a juntar...

http://www.guardian.co.uk/world/2012/ma ... asia-units (http://www.guardian.co.uk/world/2012/mar/01/dutch-mobile-euthanasia-units)

Dutch mobile euthanasia units to make house calls

New scheme called 'Life End' will respond to sick people whose own doctors have refused to help them end their lives at home
Kate Connolly in Berlin

guardian.co.uk, Thursday 1 March 2012 16.45 GMT


A controversial system of mobile euthanasia units that will travel around the country to respond to the wishes of sick people who wish to end their lives has been launched in the Netherlands.
The scheme, which started on Thursday , will send teams of specially trained doctors and nurses to the homes of people whose own doctors have refused to carry out patients' requests to end their lives.

The launch of the so-called Levenseinde, or "Life End", house-call units – whose services are being offered to Dutch citizens free of charge – coincides with the opening of a clinic of the same name in The Hague, which will take patients with incurable illnesses as well as others who do not want to die at home.

The scheme is an initiative by the Dutch Association for a Voluntary End to Life (NVVE), a 130,000-member euthanasia organisation that is the biggest of its kind in the world.
"From Thursday, the Life End clinic will have mobile teams where people who believe they are eligible for euthanasia can register," Walburg de Jong, a NVVE spokesman, said.

"If they do comply, the teams will be able to carry out the euthanasia at patients' homes should their regular doctors be unable or refuse to help them," he added.

The Netherlands was the first country to legalise euthanasia in 2002 and its legislation on the right to die is considered to be the most liberal in the world.
But doctors cannot be forced to comply with the wishes of patients who request the right to die and many do refuse, which was what prompted NVVE to develop a system to fill the gap.
Sick people or their relatives can submit their applications via telephone or email and if the patient's request fulfils a number of strict criteria, the team is then dispatched.

Legal guidelines state that the person must be incurably sick, be suffering unbearable pain and have expressed the wish to die voluntarily, clearly and on several occasions.
According to De Jong, the team will make contact with the doctor who has refused to help the patient to die and ask what his or her reasons were.
More often than not, he said, the motivations are religious or ethical, adding that sometimes doctors were simply not well enough informed about the law.
If the team is satisfied that the patient's motives are genuine, they will contact another doctor with whom they will start the euthanasia process.

"They will first give the patient an injection, which will put them into a deep sleep, then a second injection follows, which will stop their breathing and heart beat," De Jong said.

Every year 2,300 to 3,100 mercy killings are carried out in the Netherlands, although opponents of the practice claim the figure is much higher because many cases are not registered. The Royal Dutch Medical Association (KNMG) supports euthanasia in principle if there is no alternative, but has distanced itself from the NVVE initiative, arguing that giving it the name Life End will foster the idea that it is for those who it said are simply "weary of life" rather than those who are sick.

It has also questioned whether Life End doctors will have the chance to forge the necessary relationship with a patient to be able to ascertain whether or not his or her life should be ended.
But Jan Kuyper, of the Life End Clinic Foundation, said: "We're not trying to push any boundaries here." He said it was quite possible that the mobile teams would not end up carrying out a mercy killing, either due to medical questions about the case or if doubt is cast on the patient's motives.
Little is known about the Life End teams. But one of the team leaders is believed to be a 67-year-old retired doctor who carried out 20 mercy killings during his medical career.

The teams would be limited to one house visit a week to minimise the psychological burden on them.
In neighbouring Germany, where mercy killings are strictly illegal, euthanasia opponents were particularly vocal in expressing their outrage at the developments. "This is an inhumane proposal," said the German Hospice Foundation, while the group Life Rights for Everyone called it a "warped understanding of [the meaning of] autonomy".


Vamos estar atentos à situação do princípe holandês Johan Friso. Vamos ver o que a Família Real Holandesa vai fazer. Irá aproveitar o facto para passar a idea da virtude da eutanásia, da qual nenhum grupo social vai estar a salvo? (pois sim!)  
Cuidado com os ventos que vêm da Holanda e do Norte da Europa.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Março 03, 2012, 08:50:13 pm
O princípe Johan Friso está de momento na Inglaterra, que não permite isso e onde deve ficar. Esta malta defende esta "solução" mas é para os outros, que eles, por incrível que pareça, têm um estranho horror a que a medida lhes seja aplicada. E também, visto serem tão criticos do "excesso de humanos" no Planeta, não se coibem de ter filhos que nem ratos.... Tal como Frei Tomás, façam o que ele diz e não o que ele faz, mas...... se as coisas derem naquilo que dizes, meu caro.... então sim, deveremos ter (ainda) mais medo desta gente e do que estão dispostos a fazer para impor a sua "visão"
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 03, 2012, 11:52:03 pm
E a propósito do tema, mais um vídeo fresquinho, vindo directamente da "extrema direita americana":

http://www.youtube.com/user/TheAlexJone ... pqo9FbKLsU (http://www.youtube.com/user/TheAlexJonesChannel#p/u/1/Bpqo9FbKLsU)

http://www.youtube.com/user/TheAlexJone ... Xuh4j7aQXw (http://www.youtube.com/user/TheAlexJonesChannel#p/u/0/fXuh4j7aQXw)

Eu assumo que sou um destes maluquinhos e que concordo com a "extrema direita americana".
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: nelson38899 em Março 05, 2012, 10:18:30 am
Sinceramente não sei mais a onde este mundo vai parar!

Se por um lado vejo pessoas a defender mortes em massa, por outro lado vejo pessoas a construir armas de destruição em massa, como fosse o melhor do mundo. Existem tantos métodos contraceptivos, tanta informação e ainda existem aberrações que defendem politicas de aborto pós-parto.

Qual é o problema de usar pílulas ou preservativos?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: vmpsm em Março 05, 2012, 04:57:57 pm
Citar
Monsanto's Roundup herbicide found to destroy testosterone, male fertility

A recent study published in the Journal of Toxicology in Vitrohas found that, even at very low levels, Monsanto's herbicide formula Roundup destroys testosterone and ultimately leads to male infertility. The findings add to the more than 25 other diseases known to be linked to Roundup, which include DNA damage, birth defects, liver dysfunction, and cancer.

http://www.naturalnews.com/035135_Roundup_herbicide_testosterone.html#ixzz1oBbzRyxt
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Março 05, 2012, 04:59:37 pm
Citar
Reino Unido estuda privatização da polícia
Empresas privadas de segurança poderão começar a investigar crimes e deter suspeitos.Para já, vai ser feita uma experiência em dois condados.

Vários serviços prestados pela polícia podem passar para as mãos de privados, no Reino Unido. Segundo o projeto dos governos de Surrey e West Midlands, a investigação de crimes, o patrulhamento de bairros e a detenção de suspeitos podem passar a ser feitos por empresas de segurança, numa privatização que o jornal "Guardian" classifica como radical.

O contrato, com duração inicial de sete anos, envolve uma verba de 1,5 mil milhões de libras (1,8 mil milhões de euros), podendo o seu valor triplicar em função do número de forças envolvidas. Interessados não devem faltar, incluindo a G4S, uma das empresas mundiais de referência no setor.

Theresa May, secretária de Estado do Interior, que já tinha vindo a público defender o recurso a mais parcerias público-privadas na área da segurança pública, diz esperar que a experiência nestes dois condados possa concretizar-se "já na próxima primavera".
A decisão promete acender a polémica e as críticas já começaram a fazer-se ouvir. "Chamar o setor privado para o policiamento é uma experiência perigosa com a segurança e o dinheiro dos contribuintes", considera Bem Priestley, da Unison, o Sindicato dos Serviços Públicos do Reino Unido

Ler mais: http://aeiou.expresso.pt/reino-unido-es ... z1oGJNZy8o (http://aeiou.expresso.pt/reino-unido-estuda-privatizacao-da-policia=f709267#ixzz1oGJNZy8o)

Isto só pode ser invenção dos "maluquinhos das teorias". Ter G4S ou Blackwater a patrulhar as nossas ruas......Talvez a malta aprenda o que é ser iraquiano ou afegão embora duvique que tenha bolas para ripostar como esses povos respondem. Nos US estão a  lançar um projecto piloto para colocar drones a patrulhar "o crime".......Mas, "num passa nada".
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 06, 2012, 11:14:01 am
Vocês são todos tontinhos, alguma vez...isso de usarem o que certas e determinadas pessoas disseram e fizeram contra elas é de doidos. Ah espera, se eles disseram e fizeram algo, quer dizer que defendem esse tipo de iniciativa. Certo?!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Março 06, 2012, 11:50:42 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Vocês são todos tontinhos, alguma vez...isso de usarem o que certas e determinadas pessoas disseram e fizeram contra elas é de doidos. Ah espera, se eles disseram e fizeram algo, quer dizer que defendem esse tipo de iniciativa. Certo?!

 :)  :)  Não, não defendem, porque Defender (com letra grande), implica conhecimento. Conhecimento de saber o que se está a defender, optando em consciência e auto-ponderação. Ora a defesa (com letra pequena) que muitos "Rebelos de Sousa" fazem do que nem sequer sabem o que é, ou pode ser não pode ser levado como Defesa. Tal como o papagaio, limitam-se a debitar a linha "oficial" e um papagaio, por muito bem que fale, não defende nada, limita-se a repetir o que ouviu, mas é "bicho inteligente" para quem o ouve.

Contudo não deixo de saudar o facto de haver cada vez mais pessoas neste fórum (que infelizmente tem vindo a esmorecer em participação) que antes se mostravam profundamente avessas a certas coisas colocadas aqui pelos "maluquinhos das teorias" e agora já mostram uma postura diferente. Digo salutar, porque estão a ir lá por eles próprias, construindo o seu próprio entendimento e Consciência. Pena tenho que tenha sido necessário chegar ao este ponto sócio-economico para abrir a resistencia formatada que instintivamente temos (como animais sociais que somos aceitamos que o que o Alfa faz é sempre no interesse de todo o grupo) e que é afinada pelo sistema de ensino e informação que nos chega.

Não há nada que o Poder mais tema, que um Povo informado e consciente. Façamos o trabalho que nos compete como Cidadãos de uma Democracia, tomando em nós a responsabilidade que nos cabe.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: vmpsm em Março 06, 2012, 12:30:38 pm
Não é só no Reino Unido

Citar
Falta de meios na Polícia favorece privatização

A privatização da Polícia, como está a acontecer no Reino Unido, "tem riscos", mas pode ser o futuro também em Portugal. À falta de investimento do Estado, ganha terreno a segurança privada, diz presidente da Associação Sindical.
"Nos últimos anos, as políticas seguidas em Portugal têm conduzido a polícia a uma falta de condições e de meios que favorece o florescimento da segurança privada", disse ao Expresso o presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP).
É por isso que Paulo Rodigues não se surpreende com a discussão da privatização de alguns serviços da polícia: "Não digo que seja amanhã, mas este é um caminho que nos pode levar ao cenário agora discutido no Reino Unido".

http://aeiou.expresso.pt/falta-de-meios-na-policia-favorece-privatizacao=f709329

Mais uma

Citar
Australian Bill allows for sterilization at any age without parental consent

Following the call by ethicists for after-birth abortions and the press explosion surrounding the ‘Euthanasia Coaster‘, new legislation from Australia is now paving the way for children of any age to consent to sterilization — without parental consent. That’s right, if a psychiatrist determines that a child under the age of 18 years is ‘sufficiently mature’, they will be sterilized without any say from the parents.

http://naturalsociety.com/australian-bill-allows-for-sterilizations-without-parental-consent-at-any-age/
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Março 09, 2012, 08:39:28 am
A 24 de Fevereiro O ministro do emprego disse
Citar
O secretário de Estado do Emprego, Pedro Martins, disse na quinta-feira que o governo admite financiar "serviços privados de emprego" que coloquem no mercado de trabalho desempregados que não recebem subsídio de desemprego, medida criticada pela oposição e pelos sindicatos.
http://www.ionline.pt/portugal/santos-p ... -principal (http://www.ionline.pt/portugal/santos-pereira-centros-emprego-formacao-vao-ter-papel-principal)

Ontem saiu esta notícia:

Citar
Geserfor – Nortempo é o nome da nova empresa de trabalho temporário que resulta da fusão entre a portuguesa Geserfor e a espanhola Nortempo. Esta detém já 20% do capital da plataforma lusa, devendo adquirir mais 31% dentro de dois anos.
A espanhola Nortempo, que factura cerca de 65 milhões de euros em Espanha, chegou a acordo com a portuguesa Geserfor para a tomada do controlo desta empresa no espaço de dois anos.

Para já, adquiriu 20% da sociedade, mas o acordo de compra prevê o controlo total da operação para dentro de dois anos, quando o grupo galego elevar a sua participação para 51%.

A Geserfor defende que esta operação “fortalecerá a sua posição no mercado português, agora com a chancela de uma grande ‘holding’ empresarial que dispõe de mais de 40 escritórios distribuídos por toda a Península Ibérica”.

Portugal representa o pontapé de saída da internacionalização da Nortempo, servindo de base para chegar a outros países do mundo lusófono, como o Brasil.

Durante o exercício de 2012, a Geserfor – Nortempo prevê aumentar a sua facturação em cerca de 27% em relação ao exercício anterior, com um total de cerca de 10,5 milhões de euros, e ultrapassar os 4.300 contratos anuais, com um crescimento de 20%.
http://www.jornaldenegocios.pt/home.php ... &id=543357 (http://www.jornaldenegocios.pt/home.php?template=SHOWNEWS_V2&id=543357)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 09, 2012, 07:22:29 pm
As sombras que mandam.
Os gaguejos sobre um assunto fundamental, vindos do gestor militar da maior potência do planeta.

Cuidado: Vídeo para maluquinhos

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: typhonman em Março 09, 2012, 11:56:14 pm
Louco é o de cabelo branco
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 10, 2012, 09:40:37 am
Louco porquê, Typhoonman?

Se é o parlamento, que representa o povo, que deve dar autorização ao Presidente para executar a guerra?
Não é tido nem achado?

A ocorrerem negociações é com o parlamento.
Nem que seja pelo mero facto de ser mais difícil comprar todo um parlamento que um presidente.

Admitir o contrário é aceitar a possibilidade de interesses obscuros poderem lidar directamente com o Presidente para fazerem o que querem.

Mas se calhar o louco sou eu.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Março 10, 2012, 02:21:16 pm
A interpretação mais simples é normalmente a mais correcta. Será que a administração Obama prefer distanciar-se da prévia que iniciou uma guerra sem autorização da comunidade internacional? Alguém lembra-se da invasão do Iraque e dos resultados na opinião internacional e doméstica dos EUA?

Porque razão iria Panetta admitir que os EUA estão sob o controle de poderes internacionais em público, perante cameras, se fosse este de facto o caso? Seria um erro muito estúpido da parte dele.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 29, 2012, 02:02:51 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Abril 11, 2012, 11:04:25 pm
Mais um passo. Cada vez mais às claras, ostentivamente e logo aqui ao lado. Pedro Taxas Coelho, já tens o mote, se este povo se lembrar de acordar e grunhir..... (mais fácil me sai o Euromilhões 3 vezes seguidas e sem jogar)


http://www.publico.pt/Mundo/espanha-con ... to-1541679 (http://www.publico.pt/Mundo/espanha-convocar-manifestacoes-violentas-via-internet-sera-considerado-delito-1541679)

Citar
Internet
Espanha: Convocar manifestações violentas via Internet será considerado delito

O governo espanhol anunciou nesta quarta-feira que a convocação de manifestações violentas através da Internet será considerada um “delito de integração em organização criminosa” por alterar gravemente a ordem pública.

sta medida é tornada pública numa altura em que o novo Governo de direita de Mariano Rajoy adoptou um duro programa de austeridade.

“Parece-nos fundamental para fazer frente a estes movimentos que actuam concertadamente (...), e com técnicas de guerrilha urbana, incluir como delito de integração em organização criminosa as acções cuja finalidade seja alterar gravemente a ordem pública e aquelas que, com tal fim, sejam concertadas através de qualquer meio de comunicação”, indicou o Ministério espanhol do Interior à Europa Press.

“Também pretendemos incluir nos delitos de desordem pública os apelos a que se penetre em estabelecimentos públicos ou se obste o acesso aos mesmos ampliando o tipo de danos com alteração da ordem pública (...)”, acrescentou a tutela.

O ministério quer incluir nos delitos de “atentado contra a autoridade” quaisquer actos de “resistência activa ou passiva diante das forças de segurança” e incluir entre as modalidades de delito as “ameaças e comportamentos intimidatórios, a investida e lançamento de objectos perigosos”.

O ministro do Interior, Jorge Fernández Díaz, anunciou, ele próprio, que a pena mínima por convocar manifestações violentas pela Internet será de dois anos.

O ministro fez saber que este tipo de manifestações urbanas tem vindo ao aumentar, como se viu na Catalunha durante a greve geral do passado dia 29 de Março. “O fenómeno está a generaliza-se”, disse o ministro, adiantando que não há uma resposta “adequada”.

“É preciso tornar mais robusta a autoridade legítima de quem legitimamente tem o exclusivo da actuação com força, que são a Polícia Nacional, a Guarda Civil e as polícias das regiões autónomas”, disse o ministro, acrescentando que “não se pode permanecer de forma passiva diante de actuações de algumas pessoas que depreciam, injuriam e desobedecem às forças de segurança”.

O sublinhado é de minha autoria.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Abril 11, 2012, 11:35:13 pm
Incluem até a resistência passiva.
É comer, calar e votar apenas nos candidatos préviamente escolhidos pelo sistema.
E se calhar está bem assim.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Abril 16, 2012, 06:15:13 pm
A saudação "nazi" do Breivik, segundo os "jornalistas"

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fc3.quickcachr.fotos.sapo.pt%2Fi%2FB2109e8b2%2F11445829_6SRG1.jpeg&hash=94560e5ea5c5c7a1c226d2eeb9896245)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 24, 2012, 05:59:02 pm
Não se passa nada, é favor de continuar...

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fforumdacasa.com%2Fextensions%2FInlineImages%2Fimage.jpg.php%3FAttachmentID%3D38350&hash=07e8b5cee6539813495fe690bda4a7df)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fforumdacasa.com%2Fextensions%2FInlineImages%2Fimage.jpg.php%3FAttachmentID%3D38356&hash=31b5a28c2ef8b0b0822ce26e15c24a1f)

 :arrow: http://www.independent.co.uk/news/busin ... 64091.html (http://www.independent.co.uk/news/business/analysis-and-features/what-price-the-new-democracy-goldman-sachs-conquers-europe-6264091.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Abril 25, 2012, 02:25:47 pm
E para recordar o objectivo final...

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 27, 2012, 11:15:08 am
:arrow: http://www.donosdeportugal.net/ (http://www.donosdeportugal.net/)

VEJAM!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 30, 2012, 12:02:36 pm
Todos sabem o que é uma "loja", certo?! Todos sabem o que era a "Mozart" e quem a integrava, certo?!

Quem é que conhece a "Universalis" e quem a compõe? Pesquisem, meus senhores, pesquisem quem manda em Portugal (não começa por P, mas por M).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Maio 31, 2012, 06:10:14 pm
Mais outro "teórico das conspirações".

http://sicnoticias.sapo.pt/economia/201 ... rise-atual (http://sicnoticias.sapo.pt/economia/2012/05/31/jornalista-frances-escreveu-livro-sobre-culpa-do-goldman-sachs-na-crise-atual)

Quem diria ser na SIC.
Há mais gente a abrir os olhos. Não tantas como seria desejável, mas...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 01, 2012, 03:49:47 pm
:arrow: http://www.infowars.com/bilderberg-2012 ... ticipants/ (http://www.infowars.com/bilderberg-2012-the-official-list-of-participants/)

Amado, Luís Chairman, Banco Internacional do Funchal (BANIF); Balsemão, Francisco Pinto President and CEO, Impresa; Former Prime Minister; Moreira da Silva, Jorge First Vice-President, Partido Social Democrata (PSD).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 01, 2012, 06:19:16 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 01, 2012, 06:22:30 pm
Cabeça, topa-me este moço, o Jorge Moreira da Silva:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Jorge_Moreira_da_Silva (http://pt.wikipedia.org/wiki/Jorge_Moreira_da_Silva)

Jorge Manuel Lopes Moreira da Silva GOIH (Vila Nova de Famalicão, 1971) é um engenheiro e político português.
Licenciou-se em Engenharia Electrotécnica, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, em 1994 tem uma pós-graduação em Alta Direcção de Empresas (PADE) pela AESE/IESE Business School – Universidade de Navarra.
É vice-presidente da Comissão Política Nacional do PSD, na liderança de Passos Coelho, desde 2010. [1].
Actualmente exerce funções como Director nas Nações Unidas [2]. Iniciou a sua carreira nas Nações Unidas, em Abril de 2009, como Conselheiro Senior na área da energia e alterações climáticas no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. No início de 2011, foi nomeado Director da área de Economia das Alterações Climáticas, Grupo de Energia e Ambiente, no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento,UNDP, em Nova Iorque. [3] Nessas funções, coordena a área dos novos mecanismos financeiros e novos mecanismos de mercado na área da energia e alterações climáticas.Foi presidente da Comissão Política Nacional da Juventude Social Democrata, de 1995 a 1998, deputado ao Parlamento Europeu, de 1999 a 2003, à Assembleia da República, de 2005 a 2006.
Enquanto Deputado ao Parlamento Europeu, destacou-se como Relator Permanente para as Alterações Climáticas. Foi autor, entre 1999 e 2003, de todos os Relatórios do PE sobre Alterações Climáticas, tendo sido o relator, negociador e autor da Directiva que estabeleceu o novo Sistema Europeu de Comércio de Emissões de Gases com efeito de Estufa, aprovada em 2003 (esse sistema cobre, hoje, metade das emissões europeias de CO2). Presidiu às delegações do Parlamento Europeu às Conferências das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, UNFCCC realizadas em Haia, Bona e Marraquexe, onde se definiu a versão final do Protocolo de Quioto, e à Cimeira de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável (2002).Presidiu ainda às negociações UE/Rússia sobre o Protocolo de Quioto, em 2001.Entre 2003 e 2005, foi Secretário de Estado da Ciência e do Ensino Superior (XV Governo Constitucional) e Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamento do Território (XVI Governo Constitucional)[4].
Entre 2006 e 2009, desempenhou as funções de: Consultor do Presidente da República de Portugal, Prof. Cavaco Silva, para a Ciência, Ambiente e Energia; Consultor do Banco Europeu de Investimento (BEI), na área da Biodiversidade; Consultor da Comissão Europeia na área das alterações climáticas.
Em 2009, deixou a Casa Civil do Presidente da República para exercer as funções de Conselheiro Senior na área da energia e alterações climáticas do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, UNDP [5] [6].
No início de 2011, foi nomeado Director da área de Economia das Alterações Climáticas, Grupo de Energia e Ambiente, no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento,UNDP, em Nova Iorque. [7] Nessas funções, coordena a área dos novos mecanismos financeiros e novos mecanismos de mercado na área da energia e alterações climáticas.
É autor dos livros Genética Humana – a hora do legislador (2002) e As alterações climáticas no mediterrâneo (2003).
 
Foi distinguido, em 2006, com a Comenda da Ordem de Mérito Civil atribuída pelo Rei de Espanha, e, em 2009, com a insígnia de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, atribuída pelo Presidente da República Portuguesa.


Não é preciso fazer um desenho.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 02, 2012, 04:29:39 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 02, 2012, 05:19:09 pm



Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 06, 2012, 11:23:26 am
Terrorismo financeiro: http://www.redicecreations.com/radio/20 ... 120520.php (http://www.redicecreations.com/radio/2012/05/RIR-120520.php)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Junho 06, 2012, 07:40:59 pm
Corrupção e Crise
Portugal entre os que menos se esforçam para combater a corrupção

06.06.2012 - 16:08 Por André Arede Sebastião

    A corrupção está a minar a confiança nas instituições e os conceitos crise e corrupção andam cada vez mais a par, revela um relatório da Organização Transparência Internacional, hoje divulgado, que aponta Portugal, Espanha, Grécia e Itália como os países na Europa que menos se esforçam para combater a corrupção.

O relatório  :arrow: http://www.transparency.org/enis/report (http://www.transparency.org/enis/report) , que diz ter encontrado uma “forte correlação entra a corrupção e os défices fiscais”, conclui que as estreitas ligações entre as empresas e os governos favorecem o abuso de poder, o desvio de fundos e a fraude, minando a estabilidade económica. Adianta ainda que os processos de corrupção em tribunais gregos e portugueses têm baixas taxas de condenação, 2% e 5%, respectivamente.

A par do relatório principal, a organização produziu no seu site relatórios específicos para cada país. Em relação a Portugal são apontadas as fraquezas de vários sectores, quanto à sua permeabilidade à corrupção, sendo que a organização destaca como ponto mais negativo o facto de não existir uma agência de combate à corrupção em território nacional.

A Organização Transparência faz ainda uma série de recomendações a Portugal, que incluem a adopção de um sistema de anticorrupção e a concepção de novas leis sobre conflitos de interesses e que simplifiquem as declarações de activos.

O relatório apela ainda a que se "revogue a última alteração à lei do financiamento político" e que se "adopte um código de conduta para membros e gabinetes do governo de acordo com o artigo 117.2 da Constituição que aborda o estatuto dos titulares de cargos políticos, os seus deveres, responsabilidades e incompatibilidades"

Um dos principais problemas

O documento, intitulado “Dinheiro, Política e Poder: Riscos de Corrupção na Europa” estende-se ao longo de 60 páginas, citando por exemplo, inquéritos realizados na Europa, que constatam que 74% dos europeus consideram que a corrupção é um grande problema nos seus países.

Durante dois anos foram analisados dados de trezentas instituições em 25 países da Europa. “Nós medimos a capacidade e eficácia de combate à corrupção de uma série de instituições, desde partidos políticos, sistema judiciário, políicia, empresas de comunicação social e sociedade civil.”, afirma o site da organização, que cita também o seu Director, Cobus de Swardt , que avisa que “ a luta contra a corrupção tem que começar pelo topo, e é aí que a Europa falha o teste.”

http://economia.publico.pt/Noticia/corr ... se-1549223 (http://economia.publico.pt/Noticia/corrupcao-e-crise-1549223)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Junho 07, 2012, 04:01:54 pm
How to Bring Down a Nation

If you were intent on bringing down a powerful rival whose philosophy, as originally founded, was strong, independent and entirely opposite from your own—a country that you would not want to confront militarily—how would you go about it? The answer is simple; orchestrate the society’s destruction from within.

To shape truth, control the media: Most people absorb what they know about life from the major media centers these days. The media paints the picture for all to see. If that picture is constantly distorted, lies become accepted as truth, i.e. tell enough lies repeatedly and soon those lies are accepted as fact.

To shape future generations, control the schools: Incrementally indoctrinate the children with principles that are sympathetic to your philosophy. Make future generations weak in mind, body and spirit. Avoid teaching children the basic facts about their own history, constitution or rights.

To shape the political philosophy, infiltrate the government: Whenever and wherever possible place those sympathetic to your philosophy into office at all levels—the higher, the better—so they can sway the direction of the country within every function of government, promising solutions, handouts and benefits for all. In such a way you can tilt legislation toward incrementally increasing the control of and dependency on government—a government that you are shaping.

To shape the sense of nationalism, dilute the culture and the language: A strong society has at its foundation a unique culture and a common language. Simply put, it is the culture and language which ultimately defines and unites a nation.

To shape the economy, spend, spend, spend and tax, tax, tax: A country with a strong economy is financially independent and its people unlikely to look toward the government for much of anything. If free people don’t depend on their government, that government has limited sway over them.

http://mddall.com/sbss/1103.htm (http://mddall.com/sbss/1103.htm)

 :evil:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 15, 2012, 12:02:24 pm
E então? Já estão a abrir os olhos?
Onde estão agora os que acusavam os "teóricos de conspiração"?
Os rebelos de sousa?
Calados como ratos.

Fiquem-se então com mais estas, fresquinhas:

http://leblogdejeannesmits.blogspot.pt/ ... es-du.html (http://leblogdejeannesmits.blogspot.pt/2012/06/rio20-les-academies-des-sciences-du.html)

http://alexschadenberg.blogspot.pt/2012 ... e-and.html (http://alexschadenberg.blogspot.pt/2012/06/australia-awards-infanticide-and.html)

http://espectivas.wordpress.com/2012/06 ... ernalonga/ (http://espectivas.wordpress.com/2012/06/14/como-diga-la-outra-vez-o-pernalonga/)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcolunistas.ig.com.br%2Fpoderonline%2Ffiles%2F2012%2F02%2F1984.jpg&hash=3f203ff4d8a2dfb2f023c46ed9690122)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 15, 2012, 06:42:34 pm
E se eu disse-se que já falei com um português que tem exactamente as mesmas idéias que o Wesley Smith? Este tipo de pessoas assusta-me muito mais do que tipo com uma 12mm apontada à minha cabeça.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 15, 2012, 08:24:29 pm
Acredito perfeitamente, Martelo. Eu também os conheço. São invariávelmente insectos, especialistas, gente que só percebe de um ramo muito específico do saber: uma tecnologia, uma disciplina e MAIS nada e são zeros em cultura geral.
Mas esse Wesley é mais perigoso: é um espertalhaço sociopata e sabe ao que anda. Basta ver qual é a profissão dele: um relativista profissional ou p*ta retórica.

Seja como for, tanto um como outro me assustam. Os idiotas úteis, geralmente doutores em palheta, tendem a ser particularmente fanáticos. É fugir deles.
Título: A formação da mentalidade submissa
Enviado por: fagulhas em Junho 15, 2012, 09:00:35 pm
Vicente Romano, tem um obra que fala desde a raiz do problema até à formação dessa mentalidade. O livro é : - A formação da mentalidade submissa -. Eis um pequeno (grande) excerto:

Citar
A formação da mentalidade submissa

A manipulação
Além de insígnia militar romana e de pequena estola ornamental dos sacerdotes, o manípulo, era também o punhado de forragem que se punha diante do burro, de forma a que o não pudesse alcançar, para que, ao persegui-lo, o animal carregasse ou puxasse a carga que outrem lhe destinara.

Segundo os dicionários, manipular significa "operar com as mãos, trabalhar demasiado alguma coisa, manuseá-la, manejar as coisas a seu modo ou intrometer-se nas coisas alheias" e, por fim, "intervir com meios hábeis ou, por vezes, astuciosos, na política, na sociedade, no mercado, etc., com frequência para servir interesses próprios ou de terceiros".

Desta forma, etimologicamente, manipulação acaba por ser uma intervenção consciente num dado material com um fim determinado. Neste sentido, diz-se que o oleiro manipula a argila ou que o realizador de cinema ou de televisão manipula as imagens filmadas. Aqui, vamos referir-nos à manipulação dos conteúdos de consciência, das mensagens dos meios de comunicação no seu sentido mais lato. Trata-se de uma intervenção com consequências sociais e, portanto, de um acto político.

É certo que toda a utilização dos media pressupõe sempre uma manipulação. Qualquer processo de produção comunicacional, desde a selecção do meio, à gravação, à mistura e montagem, à realização e distribuição é uma intervenção, uma manipulação do material existente. Aquilo que importa, como assinalava Enzensberger em 1969, após os acontecimentos do "Maio" francês e alemão do ano anterior, não é que os meios e as mensagens da indústria da consciência sejam manipulados ou não, mas sim quem os manipula, em proveito de quem e ao serviço de que interesses.

Neste contexto da submissão das consciências e da formação da opinião, vamos entender por manipulação a orientação da comunicação por uma minoria, com o objectivo da dominação de todos os outros. O primeiro passo para sermos donos das nossas vidas e do nosso futuro é o representado pela identificação dos entraves que, interessadamente, outros nos colocam no caminho para levarem a água ao seu moinho. Por isso convém ter claro o conceito de manipulação e os seus objectivos antes de passarmos à descrição das técnicas utilizadas por essas minorias para conseguirem atingir os seus objectivos.

A manipulação espiritual, como comunicação orientada para o domínio ideológico, visa adaptar, na medida em que lhe for possível, ao sistema social vigente, a consciência e as actividades, incluídas as que se processam no tempo livre, da maioria da população contra os seus próprios interesses e, dessa forma, subordiná-los aos interesses minoritários que a promovem. As maiorias devem submeter a sua imagem do mundo, a sua compreensão das coisas, os seus gostos, em suma, o seu modo de vida, aos interesses das minorias. A manipulação significa a deformação espiritual do povo, significa privá-lo das suas faculdades e actividades criadoras. Através dela, desgasta-se sistematicamente a subjectividade do indivíduos, isto é, a sua personalidade. Manipulação significa uniformização do espírito, a desgraduação de todo o ser humano à condição de objecto ou de um número que se vende por "xis" ao milhão, no caso dos telespectadores das audiências televisivas, por exemplo. O receptor e o consumidor das mensagens e produtos desta indústria da consciência e do entretenimento não participa na planificação, na direcção, nas decisões nem na gestão desta produção. Não se trata, como pretendia McLuhan, de que o meio seja a mensagem, mas sim de todos os meios transmitirem a mesma mensagem e até a mesma imagem. Por isso, "o que vemos, lemos e ouvimos, o que se veste, o que se come, os sítios onde se vai e aquilo que se acredita estar a fazer, passaram a ser responsabilidade de um sistema de informação que fixa gostos e valores em função dos seus próprios critérios de mercado, os quais, por sua vez, se reforçam entre si" (H. I. Schiller). [1]

Para lograr essa uniformização da consciência numa sociedade fraccionada por contradições antagónicas aplicam-se métodos psicológicos cujo êxito foi testado e confirmado na "publicidade" comercial, a indústria do reclame.

Mobilizando recursos científicos nas disciplinas mais diversas (sociologia, estudos de opinião, psicologia, politologia, relações públicas, estudos comportamentais e motivacionais, teoria da comunicação, etc), consegue construir-se um pensamento em modelos pré-formatados. Uma maneira de pensar que, para além do mais, reforça a aparência de que se está a agir livremente. Sob a cobertura de uma suposta liberdade de expressão, os poucos que dela realmente dispõem, quer dizer, as minorias que detêm os meios para a expressar, tentam moldar sistematicamente as consciências de milhões de pessoas, condenando-as à menoridade intelectual, educando-as para a docilidade, para suportar, sem críticas, o sistema de dominação e exploração vigente, e para considerar como próprios os falsos ideais deste mesmo sistema. As actuações e condutas daí resultantes são apresentadas como "livres decisões", autodeterminadas, quando na realidade são induzidas, heterodeterminadas.

Como fenómeno típico da vida espiritual nesta autodenominada "sociedade de mercado livre", a manipulação das consciências parte, entre outras, das seguintes condições prévias:

1) A concentração sem precedentes do capital em sectores chave e, ao mesmo tempo, a recente baixa das taxas de juros.
2) O problema daí derivado da valorização do capital e da procura de novos investimentos.
3) O desenvolvimento do sector terciário, de serviços.
4) A eliminação das fronteiras nacionais por necessidade de expansão do capital, ao mesmo tempo que se estão gerando continuamente novas fronteiras e conflitos étnicos.
5) O agravamento das contradições do sistema capitalista, especialmente entre Norte e Sul, entre pobres e ricos.
6) A existência de modernos meios técnicos e conhecimentos científicos – aquilo que costuma englobar-se sob a designação "novas tecnologias" – que permitem o exercício unitário e simultâneo do poder económico e ideológico sobre o conjunto de toda a sociedade.
7) Uma oferta massiva de mercadorias que estimula o consumo enquanto ideal de desejo
8) O progressivo abandono da ideia de "público", conducente à marginalização dos serviços públicos enquanto organização e modo de regulação do sistema
9) O subsequente processo de desregulação e privatização com a preponderância dos critérios de rentabilidade financeira sobre os critérios de rentabilidade social
10) A comercialização de todos os aspectos da vida material e espiritual dos cidadãos o que conduz, necessariamente, a que o produto barato, isto é, o produto indiferenciado, uniforme, determine a produção e os programas. O efeito final da comercialização é, como se constata, o entretenimento à base de enlatados fabricados em série e envoltos em reclames publicitários.
11) Aquilo que se impõe é o valor de troca da informação e do entretenimento como mercadoria destinada a compensar ilusoriamente as carências afectivas da maioria da população e não o útil potencial do seu valor de uso
12) A indústria da comunicação e da consciência, principal instrumento de dominação e submissão, transformou-se num sector estratégico nos campos económico, político e cultural

A manipulação dirige-se ao pensamento, aos sentimentos, às acções (e omissões) de toda e qualquer pessoa. Da esfera íntima até à apresentação pública no trabalho, na escola ou na política, não sobra um único aspecto, uma única dimensão da vida que dela não receba a influência. O objectivo final da manipulação é a obtenção da passividade e da submissão. A manipulação das mentes é uma guerra psicológica planificada, elaborada a partir de conhecimentos científicos, contra o desenvolvimento progressista, isto é, solidário e cooperativo do ser humano ou, o que é a mesma coisa, orientada contra o progresso social.

Naquilo a que se chama "sociedade de mercado livre", a função da indústria da comunicação, como de qualquer indústria, consiste em gerar lucro, mais ainda, em estimular a sua criação e, sobretudo, em manipular a maioria da população de maneira a que esta não empreenda acções contra o sistema de economia privada, mas antes que o apoie e reforce. A razão de ser da manipulação funda-se nas leis que regem a economia de mercado. Por isso há quem a tenha qualificado como um instrumento de conquista, como o fez Paulo Freire, na sua "Pedagogia do Oprimido". [2] A manipulação, diz o pedagogo brasileiro, é um dos recursos mediante os quais "as elites dominantes tratam de fazer com que as massas se moldem aos seus objectivos". Valendo-se de mitos que explicam, justificam e até adornam as condições existentes de vida, a minoria que dispõe dos media mobiliza-se em favor de uma ordem social que não serve os interesses das maiorias. Uma manipulação bem sucedida fará com que as pessoas não pensem noutros ordenamentos sociais possíveis nem, consequentemente, em alterar os existentes.

Por outras palavras, a função primordial da indústria da comunicação, da consciência, do entretenimento ou como quer que se lhe chame, na sociedade capitalista consiste em desorganizar e desmoralizar os submetidos. Neutraliza os dominados, por um lado, e consolida, por outro, a solidariedade com a classe dominante e com os interesses desta. Ao fim e ao cabo, "os ricos também choram", têm problemas com os seus filhos, etc. Os modelos de conduta que apresentam, baseiam-se no êxito pessoal, no individualismo, no isolamento e na fragmentação social. O colectivo, segundo tal lógica, não conduz a lado algum.

Manipula-se, em suma, quando se produzem informações que não reflectem os interesses e necessidades dos seus consumidores, quando deliberadamente se produzem mensagens desconformes com a realidade social.

O oposto da manipulação é a formação da consciência crítica e da vontade democrática, tendo em vista o desenvolvimento multifacetado da pessoa humana. Para isso requer-se, entre outras coisas, a transformação do sistema de produção material e espiritual, do sistema de ensino, a criação de condições efectivas de acesso que estendam a liberdade concreta de expressão a todos, a supressão das medidas estatais que limitam essas liberdades, requer-se a travagem e anulação da influência dos monopólios e oligopólios na formação da opinião pública e na cultura. Terão as maiorias de converter-se em protagonistas dos media, recorrendo aos modelos e exemplos concretos e reais para a formação da sua opinião em todos os aspectos da vida. O povo como protagonista, implica que as maiorias trabalhadoras elaborem as suas notícias e as discutam [3] .

Técnicas de manipulação
a) A selecção

Uma das técnicas de manipulação que melhor passam despercebidas consiste no seleccionar para difusão aquelas informações que melhor satisfazem os interesses e os objectivos dos seus produtores. Qualquer objecção que se faça a esta selecção costuma, segundo a escassíssima minoria que a elabora e destina a todos os outros, equivaler a um atentado contra a liberdade de expressão, de comércio, de criação, etc.

E, contudo, a informação é, por natureza, selectiva. Não se consegue publicar tudo aquilo que acontece. Mesmo que fosse possível sabê-lo, os jornais e as revistas têm um número limitado de páginas, um espaço finito. O mesmo acontece com os espaços e os tempos radiofónicos e televisivos. Daí a necessidade de seleccionar entre o fluxo incessante, proveniente dos correspondentes, das agências, do material em bruto que, depois de uma primeira triagem é passado às redacções jornalísticas, as quais, por seu lado, voltam a seleccioná-lo de modo que, no fim do processo, apenas se publicará qualquer coisa como um por cento da informação inicialmente gerada. Trata-se de uma zona de desperdício astronómico, que bem valeria a pena analisar.

Logicamente, cada qual selecciona de acordo com os seus gostos, educação, ideologia, interesses, necessidades, etc. Na formação social que se denomina "mercado livre", quer dizer, capitalismo, selecciona-se aquilo que se crê ir vender melhor e a mais gente.

Seja como for, devido à concentração existente nesta indústria da consciência, ou do entretenimento, como outros preferem chamar-lhe, a verdade é que se contam pelos dedos de uma mão as agências internacionais que seleccionam os acontecimentos e as imagens que vemos na maior parte do mundo. O mesmo é válido para a produção de filmes, séries televisivas, livros de texto, etc. Basta recordar a informação sobre a Guerra no Golfo, do princípio dos anos 90, cuja cobertura foi atribuída em exclusivo à cadeia norte-americana CNN, com os jornalistas devidamente escolhidos e previamente industriados pelos militares do Pentágono. Basta recordar que 95 por cento das imagens difundidas pelos meios de comunicação são fornecidas por uma agência noticiosa dos Estados Unidos ou, ainda, que 90 por cento dos conhecimentos armazenados em bancos de dados de todo o mundo são propriedade privada norte-americana.

Em suma, uns poucos detêm o poder de definir a realidade para a maioria de todos os outros, de dizer-lhes o que se passa, o que é bom e o que é mau, o que se deve ou não fazer e como fazê-lo, etc. Este poder de fixar o programa social de qualquer comunidade é a chave do controlo social. Lorde Nordcliffe, dono de um dos mais poderosos consórcios jornalísticos dos princípios do século XX, explicava-o muito directamente e sem muito gaguejar: "Deus ensinou os homens a ler para que eu possa dizer-lhes quem devem amar, quem devem odiar e o que devem pensar". [4]

E a história que nos contam costuma ser, quase sempre, a dos outros, não a nossa. Enquanto estamos entretidos a viver as histórias dos outros, não temos tempo para nos interessarmos pelas nossas próprias, isto é, com as histórias da nossa vida. Porque se nos ocupássemos dela, se acerca dela descobríssemos como são bem outros que a determinam e não nós, certamente não ficaríamos de braços cruzados e tentaríamos mudar a figura das coisas.

b) Silenciamento

O simples método de manipular comunicando tão-somente aquilo que convém implica, por definição, o silenciamento do inconveniente. Os governos, por exemplo, encontram um formidável instrumento de controlo social no silenciamento de informações vitais à população, como ocorreu em Espanha durante a Guerra do Golfo com a questão dos sobrevoos e abastecimentos das tropas norte-americanas.

Quando a verdade não corresponde aos interesses do capital, não se trata de mentir, mas antes de não dizer a verdade. Este método é mais difícil de ser percebido pelos leitores, ouvintes ou telespectadores.

Informa-se de maneira selectiva, mas credível, acerca de fenómenos, pormenores, sem contexto, sem chegar, nunca, à essência do sistema.

Os governos despendem centenas de milhões na acumulação de informação que se destina a ser imediatamente silenciada, por razões de Estado, de interesse ou segurança nacional, etc., mas cujo conhecimento acabará repartido por uns quantos. Um exemplo quase pueril, para não mencionarmos outros de maior substância, é o daqueles ex-chefes de Estado que ao cessarem funções levam consigo milhares de documentos para redigirem as suas memórias e, com eles, fazerem, portanto, o seu negócio privado. Por isso se diz que informação é poder ou, com maior precisão, que o poder se baseia na ocultação da informação. Não era diferente nos países socialistas.

c) A comunicação oficial e protocolar

A maioria das notícias dos meios de comunicação, em especial da televisão, refere-se às actividades dos governantes. A televisão considera precisar imprescindivelmente de notícias que possam apresentar-se com imagens. Nas deslocações, visitas e inaugurações dos chefes de Estado e dos governantes, podemos assistir a como descem dos aviões, como têm à espera as suas guardas de honra, apresentação de armas e hinos nacionais, como chegam e partem nos carros topo de gama, como membros das comitivas e guarda-costas abrem e fecham as portas, como os governantes olham para as câmaras com expressões e gestos estudados.

Às vezes, nem se distingue, onde estão, se em Madrid, em Bruxelas ou noutra qualquer capital. As imagens parecem-se entre si, como gotas de água. Os personagens que decidem a nossa vida desaparecem, então, atrás de portas que se fecham e, aí, onde verdadeiramente começa a história, é onde nós ficamos sem saber o que se negoceia e assina para lá delas. É assim que se encena o espectáculo da democracia. Dá um trabalho considerável distinguir entre espectáculo, política e reclame publicitário. Mas o primado é sempre do espectáculo. [5]

d) Os mitos da sociedade ocidental

A manipulação das consciências efectua-se também por meio de uma série de mitos que estruturam os conteúdos das mensagens. Herbert Schiller, no seu já antes citado "Mind Managers", analisa cinco destes mitos.

1) O mito do individualismo e da decisão pessoal. Baseia-se na suposta primazia do indivíduo como valor supremo. Aqui reside o fundamento da liberdade, da propriedade privada, do triunfo pessoal a todo o custo, etc. Esta forma de apresentar o progresso do ser humano oculta, capciosamente, o facto de aquilo a que chamamos sociedade ou cultura humana ter surgido da cooperação, da solidariedade e da comunicação. É isso que distingue o humano do animal. O egoísmo selvagem representa precisamente a animalidade.

2) O mito da neutralidade. A eficácia da manipulação depende da inexistência de provas da sua existência, de que as mentes submissas acreditem que as coisas são inevitavelmente como são, sem que nada exista que possa mudá-las. Para esse efeito, é fundamental que as pessoas creiam na neutralidade das instituições sociais, dos governos, do sistema de ensino, dos meios de comunicação e da ciência. Lamentavelmente para esses interesses, os factos desmentem esta tão cacarejada neutralidade.

3) O mito da inalterabilidade da natureza humana. A opinião que tenham sobre a natureza humana influi também no comportamento das pessoas e nas suas expectativas. Quando se difunde a ideia, que se pretende até demonstrar "cientificamente", segundo a qual a condição humana é uma criação definitiva, acabada, seja por Deus ou pelo ADN, genoma humano ou como quer que se denominem as novas "divindades" da ciência, estará, então, a admitir-se que as relações conflituais são inerentes à própria condição humana, nada tendo a ver com as circunstâncias sociais; que a agressividade é incorrigivelmente própria da natureza humana; e que, portanto, não vale a pena mudar o meio social gerador, ele sim, de tais conflituosidade e agressividade de uns seres humanos para com os outros. Os efeitos sociais destas teses são a desorientação, a incapacidade para identificar as contradições e as suas causas e, o que é pior, a aceitação submissa da situação existente.

4) O mito da ausência de conflitos sociais. Consequência lógica do anterior, impõe-se o mito de que não existem conflitos sociais, de classe. O conflito apresenta-se sempre como um problema individual. Do ponto de vista da sua comercialização, dizem-nos os investigadores, a apresentação como colectivos dos problemas sociais, requer não apenas um esforço acrescido, como perturba os consumidores. Daí que os entretenimentos e produtos culturais de maior difusão estejam tão impregnados de violência individual. A cooperação, a unidade e a luta colectivas constituem conceitos potencialmente perigosos.

5) O mito do pluralismo dos media. Este baseia-se na ilusão de que ao dispor de um grande número de títulos de jornais e revistas ou de muitas emissoras de rádio ou canais de televisão, o cidadão está apto a escolher entre uma oferta efectivamente diversificada. É uma ilusão que surge reforçada pelo facto de o consumidor poder realmente optar por um ou por outro título, ou canal. Mas caso se observe mais de perto os conteúdos, facilmente se verá como são todos mais ou menos idênticos. Multiplicidade de botões (canais) não é sinónima de diversidade de opiniões. Onde se encontra, por exemplo, um diário de grande projecção ou um canal de televisivo de esquerda? O pluralismo autêntico é o das opiniões diferentes e contrastadas. O aumento de títulos, canais e programas não basta. Se todos oferecem a mesma informação oficial protocolar, a mesma música, os mesmos espectáculos banais, os mesmos concursos e os mesmos reclames publicitários, não é pluralismo o que se tem, mas sim uniformidade e conformismo, compensação fácil para os défices emocionais, as angústias e frustrações e, em última instância, doutrinação.

a) Os inquéritos e sondagens de opinião
Transformaram-se actualmente numa verdadeira indústria de que a política e outras indústrias mal podem prescindir. São técnicas para averiguar e determinar os hábitos e preferências individuais e colectivos. Não são, de modo algum, instrumentos neutrais, uma vez que os gostos e as tendências humanas não podem ser separados das relações sociais em que existem. A sua publicação pode, inclusivamente, criar, ela mesma, estados de opinião; através dela podem dissipar-se as dúvidas dos indecisos, estimular o espírito gregário. Pelas sondagens não se pretende ficar a saber o que as pessoas desejam, mas antes se os métodos anteriormente empregues foram eficazes ou se, pelo contrário, é preciso modificá-los. A indústria dos inquéritos e sondagens emprega-se, consabidamente, para dirigir gostos e decisões, tanto na compra de bens de consumo, como nas eleições políticas.

b) A censura
É a forma mais brutal de intervenção para manipular as consciências. Ainda que deva ter-se em conta que existem diversos tipos de censura. Assim, nos regimes totalitários, pratica-se a censura prévia, isto é, a que se efectua antes de que os produtos se imprimam e saiam para a rua. Também acontece censurar depois da impressão, intervindo antes da publicação e comercialização. Deste modo, podem confiscar-se jornais, revistas e livros nos quais já se tenham investido somas consideráveis, infligindo os correspondentes prejuízos aos seus editores. Mas não se pode, igualmente, esquecer a autocensura que a si mesmos impões os produtores (jornalistas, escritores, artistas, etc.), antes de darem por concluídos os seus trabalhos, de forma a que estes agradem às instâncias superiores e não lhes criem problemas.

A arma contra a censura é a motivação. Quando se quer escutar a mensagem, de pouco valem as barreiras e as intromissões. Os espanhóis que queriam escutar a "Pirinaica" [como os portugueses que queriam ouvir a Rádio Argel ou a Rádio Moscovo] durante a ditadura, bem que o faziam apesar dos perigos e das interferências. A censura não resolve nada, apenas prejudica a sociedade sobre a qual é exercida. Os obstáculos impostos à liberdade conseguem apenas, como regra, estimular ainda mais o desejo de conhecer o interdito. Quando a opinião pública não pode informar-se nem expressar-se livremente, procura as suas próprias formas de satisfazer as necessidades que sente e os interesses que partilha. Não há muros que possam entravar a radiodifusão, como acontecia na ex-República Democrática Alemã (RDA), cuja população escutava diariamente os programas de rádio da então República Federal, através dos quais podia dedicar-se a imaginar o fascinante espectáculo do "paraíso" capitalista que tanto viria a frustrá-la posteriormente.

c) A fulanização da política
Os acontecimentos sociais, no discurso dos media, personalizam-se. Os dirigentes políticos passam a ser julgados pelos seus atractivos pessoais e não pelos respectivos programas, por aquilo que conseguiram fazer ou pelos falhanços que averbaram. Os principais problemas apresentam-se ao público reduzidos a análi-ses de atributos pessoais, dos seus hobbies, deslizes sentimentais, vida familiar e, até, por via da análise dos vestidos e penteados. Os conflitos sociais são interpretados e expostos como conflitos de personalidades. A guerra no Golfo não é uma luta pelo controlo do petróleo e pela independência nacional de determinados países, mas antes uma questão pessoal entre Bush e Saddam, por exemplo. Estrategicamente, esta fulanização tem a virtualidade de alienar as atenções das pessoas e das grandes massas relativamente aos problemas sociais que as afectam, de facto.

d) A exposição linguística
Como mencionámos ao falar da violência psicológica ou simbólica, a linguagem continua a ser o principal instrumento de manipulação. Se os seres humanos desenvolveram a linguagem para poderem entender-se uns aos outros, para poderem cooperar entre si para benefício de todos, o capitalismo de hoje utiliza a linguagem precisamente na direcção inversa, para os confundir e dividir. As notícias são, quase invariavelmente, apresentadas sem conexão entre si. Esta fragmentação dificulta e impede a sua compreensão, pois sem contexto não há significado. Uma coisa existe, através das outras, dizia Hegel. Se não nos são apresentadas as relações que existem entre acontecimentos e estados de coisas, não podemos simplesmente entender o que se passa. Explicar a violência na Irlanda do Norte em termos de católicos e protestantes, sem dizer a quem pertence a riqueza, quem ocupa os postos de trabalho e quem são os pobres ou os que estão no desemprego, não serve de nada para perceber o que ali se passa. O mesmo poderia dizer-se de todos os conflitos no mundo, veiculados pelos media. No conflito jugoslavo, parece que só há um "mau", os sérvios, que se qualificam de "antigos comunistas". Ao comunismo e neo-comunismo da Sérvia, opõe-se a "liberdade" da Croácia, ainda que o seu governo seja fascista. Na "sociedade de mercado livre" incluem-se as monarquias feudais da Arábia, todas as ditaduras latino-americanas e quase todas as africanas e asiáticas. O modelo da sociedade democrática e livre por excelência são os Estados Unidos da América, que apesar do ardor com que proclamam a liberdade de circulação de pessoas e bens, impõem há mais de 40 anos, um bloqueio económico a Cuba, ou que com a sua legislação proteccionista impedem a importação de bens de outros países, entre os quais europeus. E podíamos continuar indefinidamente.

Um método simples de observar o facciosismo da opinião dos media consiste em atentar nos adjectivos com que qualificam os acontecimentos e as pessoas. Através deles, saberemos como os julgam, que pretendem, se a sua tão propalada neutralidade e independência tem, afinal, ou não tem, alguma a coisa a ver com a realidade e a lógica das coisas.

O entretenimento
Entreter significa compensar durante um lapso de tempo, as debilidades e carências emotivas e sentimentais. O entretenimento apela aos défices emocionais que, de vez em quando, todos nós temos. É disso que vive esta indústria. Porque o objectivo último do entretenimento maioritariamente proporcionado pelos media de hoje não é o postulado ético da coexistência entre povos e etnias e culturas, mas é antes o de ganhar dinheiro com programas que exploram os mais primitivos instintos (sexo e violência). Quando a aspiração de toda a construção cultural consistiu ao longo dos séculos em refrear e sofisticar estes instintos, hoje em dia, o direito do mais forte limita-se, ao potenciá-los, a contradizer todo o património de avanço cultural e político nos direitos humanos.

Enquanto jogo lucrativo com as emoções de terceiros, o entretenimento torna-se, na realidade, uma questão política determinada pelos meios que se utilizem para o disseminar. Quem diariamente se distrai com o assassinato, a morte, a fraude, a violência bruta, aprende que o direito do mais forte e que o individualismo egoísta prevalecem sobre os direitos humanos, a solidariedade e a cooperação e aprende ainda que a melhor maneira de responder às opiniões contrárias é partir a cara àqueles que as expressem. O simplismo e a rudimentaridade dos punhos, em vez da complexidade e diversidade das opiniões, da força dos argumentos racionais, produz mirones cínicos e não cidadãos democratas, dotados de consciência crítica e sentimentos solidários.

O entretenimento e a diversão das grandes massas das populações e a organização perversa dos seus tempos livres, converteram-se numa das indústrias mais lucrativas e prósperas dos nossos dias. Aproveitando-se das forças produtivas mais modernas, as novas tecnologias da informação e da comunicação, como costumam ser designadas, gera-se uma ampla oferta de organização do tempo livre, entendido como tempo de ócio, de não trabalho. Mas, isto em nada significa que este seja um tempo efectivamente à nossa disposição, ocupado com actividades organizadas e dirigidas por nós mesmos. O que se passa é que esta indústria utiliza, na projecção dessa e doutras ilusões, todas as formas de cultura popular: histórias, desenhos animados, discos, cassetes, jogos de vídeo, programas de rádio e de televisão, cinema, revistas ilustradas, acontecimentos desportivos, concertos e festivais de pop e de rock, fascículos, livros promovidos pelos reclames comerciais, etc., etc. Existe uma enorme quantidade de produtos para iludir as pressões e angústias da vida quotidiana, para a evasão através do jogo e do entretenimento, para tentar, enfim, satisfazer esperanças e desejos secretos.

Esta exploração interessada das necessidades humanas de entretenimento, de descanso, de distensão cumpre uma outra função importante: abstrair da sua realidade as grandes massas da população, algo que deve entender-se também no âmbito da manipulação ideológica e da formação da mentalidade submissa. E, não obstante, encontra-se muito arreigado o mito de que a diversão e o lazer são neutrais, carecem de pontos de vista orientados e existem à margem dos restantes processos sociais. No fim de contas, que pode ter de mal seleccionarmos o programa que mais nos agrade, a estância balnear que a carteira nos autorize, ou os video-jogos com que se entretêm os nossos filhos, enquanto nos poupam, aliás, a ter de aturá-los e responder às suas perguntas? Se dermos, porém, uma olhadela, ainda que superficial, aos conteúdos, não tardaremos em descobrir o negócio da violência que se empenha em projectar a ilusão de um "oeste selvagem", nas fitas de cowboys, por exemplo. Um "oeste" que já por volta de 1875 bem tinha desaparecido, mas de que ainda hoje continua a alimentar-se a fábrica de sonhos de Hollywood. Ou o negócio do terror, do sexo, da pornografia, a chirichia das revistas cor-de-rosa ou os supostos debates (magazines) da hora da sobremesa. A própria guerra e a morte são convertidas em diversão. Quem pára o suficiente para pensar no sentido existente por trás do facto de que as pontes e edifícios que voam pelos ares, os choques de comboios, os saltos do décimo andar, os voos supersónicos do Super-Homem, etc., etc., equivalem apenas a uma burla estética? Hoje em dia, aluga-se inclusivamente público para jogos e concursos junto de lares de terceira idade, escolas primárias ou faculdades. Há adultos, jovens ou crianças, que por dez euros ou um simples lanche e um sumo, estão dispostos a rir ou aplaudir de cada vez que a produção os mande fazer uma coisa ou a outra.

Vivemos a cultura do simulacro.

A cultura popular já não é feita pelo povo. Como salienta Herbert Schiller, "a rede da cultura popular que relaciona entre si os elementos da existência e que fixa a consciência geral daquilo que existe, do que é importante, do que está reciprocamente ligado, converteu-se, primordialmente, num produto manufacturado". Esta cultura, que pode perfeitamente designar-se por "cultura dos media", impregna a mentalidade e contribui decisivamente para a formação da opinião da maioria, uma vez que esta não dispõe, na verdade, de qualquer outra fonte de informação. A UNESCO estima que, hoje em dia, 85 por cento dos serviços culturais do mundo são veiculados pelos meios de massas, especialmente pela televisão. Os seus conteúdos e programas proporcionam reiteradamente a quem os vê chaves interpretativas e hierarquias de valores na nossa sociedade, bem como indicações sobre como proceder para atingir o sucesso e a felicidade, como educar os filhos, como deve o casal fazer amor, etc., etc. Estes materiais formam, doutrinam, estimulam a ambição e o lucro pessoais e propagam a ideia de que a natureza humana é imutável. Negam, enfim, a viabilidade de outras formas de organizar a vida e a coexistência humanas.

O êxito da indústria do entretenimento assenta nas expectativas do público. O espectador espera do televisor o prazer, a diversão, o desafogar das tensões, da mesma forma que da máquina de lavar espera roupa limpa e do frigorífico alimentos frescos. Ao mesmo tempo que subsistem, bem longe desta indústria, aquilo que são as naturais necessidades de lazer e de actividade livre das dos seres humanos e das grandes massas populacionais por eles constituídas, necessidades que ainda não se precisaram devidamente e que qualquer programa político emancipador deverá ter bem em conta.

A fonte é daqui (http://http) e o livro poderá ser visto aqui (http://http).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 21, 2012, 01:31:30 pm
Scenarios for the Future of Technology and International Development

 :arrow: http://www.gbn.com/articles/pdfs/GBN&Ro ... opment.pdf (http://www.gbn.com/articles/pdfs/GBN&Rockefeller%20scenarios.technology&development.pdf)" rel="nofollow">http://www.gbn.com/articles/pdfs/GBN&Rockefeller%20scenarios.technology&development.pdf

(This report was produced by The Rockefeller Foundation and Global Business Network)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 27, 2012, 02:52:38 pm
É só trocar os nomes e têm a minha opinião sobre o panorama politico em Portugal/Europa/Mundo.


As moscas mudam mas a $%&/ é a mesma!!! :evil:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Julho 02, 2012, 06:57:30 pm
Os chineses têm um ditado para isto; "matar uma galinha para avisar as raposas

Citar
Chefe dos espiões alemães 'obrigado' a demitir-se
Destruição de provas contra neonazis está na origem da saída de Heinz Fromm dos serviços secretos da Alemanha.

O chefe dos serviços secretos internos alemães - Verfassungsschutz - viu hoje aceite o seu pedido de demissão apresentado ao ministro federal do Interior, Hans-Peter Friedrich.

Heinz Fromm, que ocupava o cargo desde 2000, era há algum tempo objeto de críticas ao modo como conduziu a investigação às atividades de uma célula do grupo neo-nazi conhecido pela sigla NSU (Nationalsozialisticher Untergrund, nacional-socialistas na clandestinidade).

A agência noticiosa alemã DPA adiantou que Fromm tinha posto o cargo à disposição ainda no final do mês do mês passado.
Ataques terroristas

Desde quarta-feira 27 de junho que Fromm era objeto de pressão, quando se descobriu que elementos da sua agência tinham destruído documentos referentes à célula Zwickau (nome da cidade onde operava) da NSU, cujos elementos, em fuga há mais de dez anos, foram responsáveis por nove atentados mortais a empresários estrangeiros residentes no país (turcos e gregos).

A célula foi descoberta em novembro de 2011 na sequência de um assalto falhado que permitiu à polícia descobrir um dos esconderijos da célula. Os sete ficheiros que foram destruídos continham detalhes sobre uma operação secreta levada a cabo contra a Sociedade de Proteção da Turíngia, um grupo de extrema direita que esteve na origem da NSU.

Os documentos foram destruídos em Colónia, em novembro de 2011, e a polícia alemã ainda alegou, imediatamente a seguir, que eles tinham sido eliminados de acordo com os procedimentos de rotina policial, o que não era o caso, de acordo com o "SpiegelOnline". A destruição seguiu-se ao momento em que se tornou evidente que os neonazis tinham sido responsáveis pelos crimes cometidos entre 2000 e 2007.
Perda de confiança

O sítio do "Spiegel" publicou hoje uma declaração de Fromm anterior à sua demissão em que o chefe dos serviços de segurança admitia ter sido cometida uma série de erros relativamente aos documentos destruídos: "O facto causou uma profunda perda de confiança e prejudicou seriamente a reputação do gabinete".

As autoridades aconselharam uma revisão organizacional da Verfassungsschutz com o objetivo de melhorar a cooperação regional e nacional dos serviços, de acordo com o "SpiegelOnline".
Heinz Fromm é o responsável com cargo mais alto na hierarquia da organização que já tinha assistido, em janeiro, à demissão do chefe do departamento de combate ao extremismo de direita, Artur Hertiwig.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/chefe-dos-espio ... z1zUKy5cCz (http://expresso.sapo.pt/chefe-dos-espioes-alemaes-obrigado-a-demitir-se=f736937#ixzz1zUKy5cCz)

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 11, 2012, 02:01:53 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 22, 2012, 03:24:18 pm
… Some day the nations of Europe may be ready to merge their national identities and create a new European Union – the United States of Europe. If and when they do, a European Government will take over all the functions which the Federal government now provides in the U.S., or in Canada or Australia. This will involve the creation of a “full economic and monetary union”. But it is a dangerous error to believe that monetary and economic union can precede a political union or that it will act (in the words of the Werner report) “as a leaven for the evolvement of a political union which in the long run it will in any case be unable to do without”. For if the creation of a monetary union and Community control over national budgets generates pressures which lead to a breakdown of the whole system it will prevent the development of a political union, not promote it.

That was written in 1971! In The Dynamic Effects Of The Common Market first published in the New Statesman, 12 March 1971 and also reprinted (as Chapter 12, pp 187-220) in Further Essays On Applied Economics - volume 6 of the Collected Economic Essays series of Nicholas Kaldor.

http://www.concertedaction.com/2012/08/ ... on-market/ (http://www.concertedaction.com/2012/08/16/nicholas-kaldor-on-the-common-market/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 31, 2012, 10:36:54 am
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 06, 2012, 02:31:18 pm
Citar
"Sunshade" to fight climate change costed at $5 bln a year

By Alister Doyle and David Fogarty

OSLO/SINGAPORE | Fri Aug 31, 2012 4:58am IST

OSLO/SINGAPORE (Reuters) - Planes or airships could carry sun-dimming materials high into the atmosphere for an affordable price tag of below $5 billion a year as a way to slow climate change, a study indicated on Friday.

Guns, rockets or a pipeline into the stratosphere would be more expensive but generally far cheaper than policies to cut world greenhouse gas emissions, estimated to cost between $200 billion and $2 trillion a year by 2030.

Transporting a million tonnes of particles to at least 18 km (11 miles) above the Earth every year to form a sunshade is "both feasible and affordable", U.S. scientists concluded in the journal Environmental Research Letters.

The strategy, called "solar radiation management", broadly imitates a volcanic eruption. The 1991 eruption of Mount Pinatubo in the Philippines, for instance, blasted out a haze of sun-reflecting particles that slightly cooled the planet.

The authors did not examine whether such "geo-engineering" of the planet was a good idea. Other studies show it might have unwanted side effects, such as changing rainfall patterns.

"One attribute of solar radiation management is that it is quite inexpensive," co-author Professor Jay Apt of Carnegie Mellon University in Pittsburgh told Reuters.

"That doesn't mean it's the preferred strategy."

PLANES, AIRSHIPS

New aircraft, specially adapted to high altitudes, would probably be the cheapest delivery system with a price tag of $1 to $2 billion a year, they said. A new hybrid airship could be affordable but might be unstable at high altitudes.

A 20 km (12 mile)-long "space elevator" pipe hanging from a helium-filled platform was possible in theory but highly uncertain. Giant guns or rockets would be much more costly.

Some experts favour geo-engineering as a quick fix when governments are far from a deal to slow climate change that is expected to cause more heatwaves, floods and rising sea levels.

Senior officials are meeting in Bangkok this week for a new round of U.N. talks, aiming to agree a deal in 2015. Global greenhouse gas emissions have continued to rise, with China, the United States and the European Union the top emitters.

Dimming sunlight would not, for instance, slow the build-up of carbon dioxide in the atmosphere, which is making the oceans more acidic and undermining the ability of creatures such as mussels or lobsters to build their protective shells.

Co-author David Keith at Harvard University said there were serious risks in trying to dim the sun's rays. But he said it might also "increase agricultural production by limiting impacts of climate change such as heat stress."

Independent scientists were also cautious.

"Research into climate engineering, including cost, is vitally important," said Matt Watson, a lecturer in Natural Hazards at Bristol University. "However, we must not get drawn into discussion where economics becomes the key driver."

Apt said temperatures could jump sharply under suddenly clear skies if society spewed sulphur into the stratosphere for years but then halted, judging that disadvantages outweighed the benefits.

"Abrupt stopping of the delivery of particles to the stratosphere would cause very rapid climate changes," he said. (Reporting by Alister Doyle; editing by Andrew Roche)

Ok...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 12, 2012, 09:38:58 am
Sempre com "teorias de conspiração", Martelo.   :wink:
Isso é conversa. Se quiseres informação verídica pergunta à FLAD.

Olha esta:


http://espectivas.wordpress.com/2012/09 ... a-de-medo/ (http://espectivas.wordpress.com/2012/09/12/as-forcas-armadas-o-tratado-de-lisboa-passos-coelho-e-o-clima-de-medo/)

As Forças Armadas, o Tratado de Lisboa, Passos Coelho e o “clima de medo”

Filed under: Europa,josé sócrates,Passos Coelho,Pernalonga,Política,Portugal — O. Braga @ 5:18 am


« Os militares garantem assim que “estão ao serviço do povo português e não de instituições particulares”, e avisam: “Que ninguém ouse pensar que as Forças Armadas poderão ser usadas na repressão à convulsão social que estas medidas poderão provocar”. »
 
via Militares avisam Governo que estão com a população contra a austeridade | Económico.
 
Se imaginarmos um cenário de um protesto nacional popular massivo contra o governo de Passos Coelho, e em que as Forças Armadas portuguesas se recusem a servir de carrasco contra o seu próprio povo, o Tratado de Lisboa, assinado por José Sócrates, permite a que Passos Coelho possa, por exemplo, solicitar a Espanha ou a França que envie as suas Forças Armadas para uma missão de repressão brutal do nosso povo. É isto que a nossa classe política sabe, mas que nunca informou o povo português quando assinou o Tratado de Lisboa.

Quando todos nós vimos já polícias espanhóis a fazer patrulhas dentro do território português [e, para disfarçar, vemos também a nossa polícia a patrulhar dentro das fronteiras espanholas], o que se passa é a aplicação pura e simples do Tratado de Lisboa, que prevê que as forças policiais e armadas dos países da União Europeia possam entrar no território de Portugal a pedido arbitrário de um governo português “amigo” dos países do directório da União Europeia.

Esta é uma das muitas razões por que Passos Coelho se sente praticamente à vontade para fazer o que lhe der na sua plebeia gana contra o povo português, porque se sente respaldado pela força militar das grandes potências da própria União Europeia.
 
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Setembro 12, 2012, 04:57:00 pm
Oh Luso

Estamos feitos! Mas tão feitos...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Setembro 12, 2012, 08:22:42 pm
Citação de: "P44"
Oh Luso

Estamos feitos! Mas tão feitos...

Ninguém aqui pode dizer que não sabia. Foi falado mais do que uma vez. Inclusive cheguei a comentar numa resposta ao nosso caro Luso, que nunca descartei a possibilidade de o governo (na altura o do criminoso Socrates) forçasse a coisa ao ponto de ruptura de modo a levar o Povo a uma revolta, pedindo depois à UE para vir "repor a ordem democrática e constitucional" escapando, como escapou, para se ir gozar do saque feito numa qualquer capital da UE.

Então lá veio o rotulo de maluquinhos da conspiração. Está a ver-se......

Esta canalha do PS do D e do CDS que assaltou a cadeira do poder, com o voto cúmplice e imbecil do povo ignorante, segue exactamente a mesma cartilha e este Povo tem o que merece. Quem não cuida da Democracia está condenado a viver em escravidão. FDP.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 12, 2012, 09:44:38 pm
É verdade, Fox.
Começo a pensar que se isto tiver que desaparecer, pois que desapareça. Faça-se a "festa" caso contrário nem o pai morre nem a gente almoça.
Quem sabe que a coisa se resolva assim, porque de outra maneira se está a morrer devagar e o fim é mesmo.
E sem festa.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Setembro 13, 2012, 05:07:19 pm
Citação de: "Luso"
É verdade, Fox.
Começo a pensar que se isto tiver que desaparecer, pois que desapareça. Faça-se a "festa" caso contrário nem o pai morre nem a gente almoça.
Quem sabe que a coisa se resolva assim, porque de outra maneira se está a morrer devagar e o fim é mesmo.
E sem festa.


x2
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 18, 2012, 11:51:30 am
Será que vem aí uma crise politica/luta de comadres? Já vi isto mais calmo do que agora.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Setembro 18, 2012, 12:07:24 pm
o paulinho das feiras gosta demasiado do tacho para arriscar-se a ficar sem ele
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 19, 2012, 01:43:23 pm
Carta violenta sem comentário de Francisco José Viegas

Pedro Dias é demolidor da governação e da maçonaria. Leia aqui na íntegra a carta que enviou ao secretário de Estado da Cultura.

A autodemissão por carta do diretor da Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), Pedro Dias, continua a gerar polémica nas redes sociais devido ao teor muito crítico do que escreveu ao bater a porta. O investigador enviou a carta no dia 11 ao chefe de gabinete do secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, onde expunha as razões de forma bastante cáustica, depois de referir o "desconforto" pela situação criada devido a "sucessivos adiamentos" para a sua saída.

A Secretaria de Estado da Cultura (SEC) tem evitado alimentar a polémica, mas aceitou reagir ao DN, ignorando "as opiniões transmitidas pelo professor Pedro Dias na sua qualidade de cidadão, seja nas redes sociais ou em outros" espaços. Desse modo, a SEC confirma que a solicitação tinha "sido reiterada por diversas vezes através de cartas invocando exclusivamente razões de saúde", daí que fosse "substituído no cargo de diretor-geral da Biblioteca Nacional a seu pedido".

Leia mais pormenores no epaper do DN

A carta completa foi publicada por Pedro Dias no seu Facebook, com a indicação "ACABOU A COLABORAÇÃO COM O GOVERNO. ENVIEI HOJE ESTA CARTA AO SECRETÁRIO DE ESTADO DA CULTURA SER CÚMPLICE DE PASSOS COELHO E DO SEU GOVERNO, NÃO."

"Exmo. Senhor Doutor Rui Pereira Muito Ilustre Chefe de Gabinete do Secretario de Estado da Cultura Palácio Nacional da Ajuda Lisboa Venho, por este meio, manifestar a V. Exa. o meu desconforto pela situação que me foi criada, com os sucessivos adiamentos da minha saída da direcção da Biblioteca Nacional. Ficou claro, quando do surpreendente convite que me foi feito, que só o aceitaria, pelo período necessário que decorresse até à reabertura ao público da Biblioteca Nacional de Portugal. Acaba de passar um ano sobre essa data, em que, todo o espólio da instituição, fisicamente ou através de meios informáticos, voltou a estar disponível. Apesar dos meus apelos, e da minha renúncia formal, em 28 de Dezembro passado, não fui dispensado, acrescendo que, desde 1 de Abril último, por motivo da entrada em vigor da nova Lei Orgânica, me encontro em gestão corrente. Os prejuízos pessoais e familiares para mim são grandes, e do ponto de vista de saúde ainda pior. Mais ainda, não só não me revejo na politica do Senhor Primeiro Ministro, como estou completamente contra ela, e não reconheço legitimidade ao Governo para se manter em funções, por ter renegado todas as promessas feitas ao eleitorado, e que constituem a base da sua legitimidade democrática. É assim absolutamente inaceitável ser cúmplice destas acções, enquanto Director-Geral, participando na delapidação de Portugal e dos seus recursos, em benefícios de grupos económicos, com o esmagamento das classes trabalhadoras e do domínio, no campo politico, da Maçonaria, entidade que sempre combati. Já me desvinculei do PSD, de que já não sou militante, e não desejo voltar a ter qualquer colaboração com esta instituição, que nada tem a ver com a que, a partir de Maio de 1974, ajudei a desenvolver e a afirmar-se. Dado que não consigo falar com Senhor Secretario de Estado, com quem só me avistei duas vezes, desde 1 de Julho de 2011, recorro a V. Exa., para que lhe seja transmitido o teor desta carta. Os problemas que o Governo tem com a substituição dos Directores-Gerais são fruto da sua própria politica, da sua descredibilização e da sua inépcia, pelo que não me devo sujeitar aos resultados das suas acções e omissões, quando sou clara e frontalmente oposição ao mesmo. Enquanto Director-Geral, não boicoto a sua actividade nem deixo de cumprir as minhas obrigações, fazendo tudo o melhor que consigo e sei, mas contrariado. Com os roubos sucessivos que tenho sido alvo, nada me move para auxiliar aqueles que, paulatinamente, arruínam Portugal. Peço pois, uma vez mais, para ser libertado deste fardo que é demasiadamente pesado para mim e que não mereço suportar; é castigo por crime que não cometi. Apresento a V. Exa. os meus mais respeitosos cumprimentos Coimbra, 11 de Setembro de 2012."


 :arrow: http://www.dn.pt/politica/interior.aspx ... id=2777950 (http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=2777950)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 20, 2012, 01:37:58 pm
http://www.guardian.co.uk/world/2012/se ... sfeed=true (http://www.guardian.co.uk/world/2012/sep/18/eu-foreign-defence-policy-overhaul?newsfeed=true)

EU heavyweights call for radical foreign and defence policy overhaul

Five of six biggest EU countries back plans which include pan-European foreign ministry and majority voting to bypass UK veto
Share

Ian Traynor in Brussels

guardian.co.uk, Tuesday 18 September 2012 17.09 BST


Germany's foreign minister, Guido Westerwelle, who launched the EU proposals which include a pan-European police body and possible army.

Five of the six biggest countries in the EU, excluding Britain, have called for a radical overhaul of European foreign and defence policies to create a powerful new pan-European foreign ministry, majority voting on common foreign policies to bypass a British veto, a possible European army, and a single market for EU defence industries.

The German-led push, supported by 11 of 27 EU countries, embraces recent calls in Berlin and Brussels for a directly elected European president, sweeping new powers for the European parliament, and further splitting of the EU by creating a new parliamentary sub-chamber for the 17 countries of the eurozone.

While the call for a European army was not supported by all 11, the document also calls for a new European police organisation to guard the union's external borders and for a single European visa.

Nine months of brainstorming over the future of Europe by the foreign ministers of the 11 countries, launched by Guido Westerwelle, the German foreign minister, has resulted in a 12-page document crammed with policy recommendations. It will prove hugely contentious and, if implemented, will increase the pressure on Britain to quit the EU.

"To make the EU into a real actor on the global scene we believe that we should in the long term introduce more majority decisions in the common foreign and security policy sphere, or at least prevent one single member state from being able to obstruct initiatives," the document said.

"Aim for a European defence policy with joint efforts regarding the defence industry (eg the creation of a single market for armament projects); for some members of the group this could eventually involve a European army."

The backers include Germany, France, Italy, Spain and Poland, five of the six biggest EU countries omitting Britain. The Netherlands, Belgium, Denmark, Austria, Portugal and Luxembourg also signed up.

The recommendations include more incendiary steps, including a proposal to re-open and change European treaties by majority voting because getting consensus in a union of 27 or 28 has become too slow, acrimonious and unwieldy.

Apart from stiff resistance from Britain, which would veto a European army and refuse to take part in foreign policies with which it disagreed, the proposals are likely to prompt a turf war in the European commission because they would strip several departments of powers and resources, concentrating them in the EU's relatively new diplomatic service headed by Catherine Ashton, a Briton.

The document demanded a "substantial revision" of the powers of the European External Action Service by next year, streamlining it and giving it authority over development, energy, trade and enlargement currently vested in other parts of the commission. If realised, the changes would produce a European foreign ministry with much more muscle."


Ninguém me perguntou a minha opinião sobre isto e sobre tudo que a isto se relacione.
Não quero Portugal na EU.
Quero que Portugal volte a ser independente.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 20, 2012, 02:17:39 pm
Guardas civis Espanhóis e Guardas Nacionais Republicanos perto de Sarajevo numa operação de captura de um General acusado de crimes de guerra.Vejam a boina, é da Força de Gendarmería Europeia.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg187.imageshack.us%2Fimg187%2F2268%2Fgendforcezk5.jpg&hash=69cee2dff578d8439f7cb372b6c1c5cd)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg187.imageshack.us%2Fimg187%2Fgendforcezk5.jpg%2F1%2Fw610.png&hash=eae299ea8de8377804114810cf1dcf34)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg187.imageshack.us%2Fimg187%2F6504%2Fgendforce1qt3.jpg&hash=83f8a12b51d0ee60e8b3acbf6b1180e5)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg187.imageshack.us%2Fimg187%2F2245%2Fgendforce2er2.jpg&hash=501d0d824da45713d5af6b2992197f42)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg231.imageshack.us%2Fimg231%2F3923%2Fgendforce3fq5.jpg&hash=149e29a70c8c504c88e4567fc233415a)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg231.imageshack.us%2Fimg231%2F7941%2Fgendforce4of2.jpg&hash=7c44bd814577662e9828f2c963c51b0d)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg187.imageshack.us%2Fimg187%2F1892%2F68866514lw9.jpg&hash=cab541d6d80259e1b0d0a25c70b95a63)

 :arrow: http://www.eurogendfor.org/ (http://www.eurogendfor.org/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 20, 2012, 02:30:59 pm
Ó Luso cala-te, agora mete a mão no peito e sente no teu coração de reaça o "nosso" hino!


 :N-icon-Axe:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 20, 2012, 09:43:49 pm
Efectivamente, Martelo, esta notíca tem o efeito de tornar obsoletos ou redundantes todos os tópicos e temáticas de defesa deste fórum que versem sobre Portugal.
Diria que as temáticas que poderão interessar a quem tudo isto enoja, não estão neste forum mas noutros com outras especificidades.

Pelos vistos quem tem a obrigação institucional de promover a Defesa Nacional já se demitiu de o fazer há muito tempo e agora limita-se a fingir relevância para justificar tacho e cagança.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: PereiraMarques em Setembro 21, 2012, 10:57:21 am
Para os entusiastas destas coisas...

O sonho de Pedro Passos Coelho
 
José Vítor Malheiros
(no Público)
 
«"Um terço é para morrer. Não é que tenhamos gosto em matá-los, mas a verdade é que não há alternativa. se não damos cabo deles, acabam por nos arrastar com eles para o fundo. E de facto não os vamos matar-matar, aquilo que se chama matar, como faziam os nazis. Se quiséssemos matá-los mesmo era por aí um clamor que Deus me livre. Há gente muito piegas, que não percebe que as decisões duras são para tomar, custe o que custar e que, se nos livrarmos de um terço, os outros vão ficar melhor. É por isso que nós não os vamos matar. Eles é que vão morrendo. Basta que a mortalidade aumente um bocadinho mais que nos outros grupos. E as estatísticas já mostram isso. O Mota Soares está a fazer bem o seu trabalho. Sempre com aquela cara de anjo, sem nunca se desmanchar. Não são os tipos da saúde pública que costumam dizer que a pobreza é a coisa que mais mal faz à saúde? Eles lá sabem. Por isso, joga tudo a nosso favor. A tendência já mostra isso e o que é importante é a tendência. Como eles adoecem mais, é só ir dificultando cada vez mais o acesso aos tratamentos. A natureza faz o resto. O Paulo Macedo também faz o que pode. Não é genocídio, é estatística. Um dia lá chegaremos, o que é importante é que estamos no caminho certo. Não há dinheiro para tratar toda a gente e é preciso fazer escolhas. E as escolhas implicam sempre sacrifícios. Só podemos salvar alguns e devemos salvar aqueles que são mais úteis à sociedade, os que geram riqueza. Não pode haver uns tipos que só têm direitos e não contribuem com nada, que não têm deveres.
 
Estas tretas da democracia e da educação e da saúde para todos foram inventadas quando a sociedade precisava de milhões e milhões de pobres para espalhar estrume e coisas assim. Agora já não precisamos e há cretinos que ainda não perceberam que, para nós vivermos bem, é preciso podar estes sub-humanos..
 
Que há um terço que tem de ir à vida não tem dúvida nenhuma. Tem é de ser o terço certo, os que gastam os nossos recursos todos e que não contribuem. Tem de haver equidade. Se gastam e não contribuem, tenho muita pena... os recursos são escassos. Ainda no outro dia os jornais diziam que estamos com um milhão de analfabetos. O que é que os analfabetos podem contribuir para a sociedade do conhecimento? Só vão engrossar a massa dos parasitas, a viver à conta. Portanto, são: os analfabetos, os desempregados de longa duração, os doentes crónicos, os pensionistas pobres (não vamos meter os velhos todos porque nós não somos animais e temos os nossos pais e os nossos avós), os sem-abrigo, os pedintes e os ciganos, claro. E os deficientes. Não são todos. Mas se não tiverem uma família que possa suportar o custo da assistência não se pode atirar esse fardo para cima da sociedade. Não era justo. E temos de promover a justiça social.
 
O outro terço temos de os pôr com dono. É chato ainda precisarmos de alguns operários e assim, mas esta pouca-vergonha de pensarem que mandam no país só porque votam tem de acabar. Para começar, o país não é competitivo com as pessoas a viverem todas decentemente. Não digo voltar à escravatura - é outro papão de que não se pode falar -, mas a verdade é que as sociedades evoluíram muito graças à escravatura. Libertam-se recursos para fazer investimentos e inovação para garantir o progresso e permite-se o ócio das classes abastadas, que também precisam. A chatice de não podermos eliminar os operários como aos sub-humanos é que precisamos destes gajos para fazerem algumas coisas chatas e, para mais (por enquanto), votam - ainda que a maioria deles ou não vote ou vote em nós. O que é preciso é acabar com esses direitos garantidos que fazem com que eles trabalhem o mínimo e vivam à sombra da bananeira. Eles têm de ser aquilo que os comunistas dizem que eles são: proletários. Acabar com os direitos laborais, a estabilidade do emprego, reduzir-lhes o nível de vida de maneira que percebam quem manda. Estes têm de andar sempre borrados de medo: medo de ficar sem trabalho e passar a ser sub-humanos, de morrer de fome no meio da rua. E enchê-los de futebol e telenovelas e reality shows para os anestesiar e para pensarem que os filhos deles vão ser estrelas de hip-hop e assim.
 
O outro terço são profissionais e técnicos, que produzem serviços essenciais, médicos e engenheiros, mas estes estão no papo. Já os convencemos de que combater a desigualdade não é sustentável (tenho de mandar uma caixa de charutos ao Lobo Xavier), que para eles poderem viver com conforto não há outra alternativa que não seja liquidar os ciganos e os desempregados e acabar com o RSI e que para pagar a saúde deles não podemos pagar a saúde dos pobres.
 
Com um terço da população exterminada, um terço anestesiado e um terço comprado, o país pode voltar a ser estável e viável. A verdade é que a pegada ecológica da sociedade actual não é sustentável. E se não fosse assim não poderíamos garantir o nível de luxo crescente da classe dirigente, onde eu espero estar um dia. Não vou ficar em Massamá a vida toda.. O Ângelo diz que, se continuarmos a portarmo-nos bem, um dia nós também vamos poder pertencer à elite."»
 
José Vítor Malheiros
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 21, 2012, 11:47:33 am
O PereiraMarques anda a ver uns blogs muito pouco recomendáveis...coisas de malucos das conspirações. c34x
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 21, 2012, 05:08:51 pm
Olha-me este, um terço!  :mrgreen:
Isto é para ir aos 500 milhões de sobreviventes, de mais de 7 mil milhões.
Além dos métodos clássicos, outro dos meios é isto:

http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/ ... %2BPoulter (http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2205509/Cancer-row-GM-foods-French-study-claims-did-THIS-rats--cause-organ-damage-early-death-humans.html?openGraphAuthor=%2Fhome%2Fsearch.html%3Fs%3D%26authornamef%3DSean%2BPoulter)

Mas se calhar é outra maluquice conspirativa.
Tolices.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 21, 2012, 10:16:04 pm
Aos açoreanos!

Acabo de ler isto em http://www.rtp.pt/acores/index.php?t=Ar ... um=twitter (http://www.rtp.pt/acores/index.php?t=Arqueologos-investigam-construcoes-pre-historicas-na-Terceira-video.rtp&article=28488&visual=3&layout=10&tm=10&rss=0&utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter)
No fundo da página vejo um inquério perante uma questão que eu como Português (do continente) considero iníqua e completamente sinistra:

"Acha justo que os hospitais do Continente cobrem tratamentos aos açorianos?"

Isto é assim, ou é para ser assim????

Se isto não é de propósito não sei o que possa ser!

Querem mesmo destruir-nos!!!


- Portugueses de todo o Mundo uni-vos!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: typhonman em Setembro 21, 2012, 10:40:16 pm
Que merda de hino, que cagada, que conspurcação, cuspe nisso.. O meu hino chama-se "Heróis do Mar".



 :Soldado2:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 22, 2012, 12:29:20 am
Mais sinais da morte "disto"...

http://visao.sapo.pt/candida-almeida-na ... gr=f687392 (http://visao.sapo.pt/candida-almeida-na-calha-para-pgr=f687392)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Setembro 22, 2012, 11:15:06 am
John Perkins. “Portugal está a ser assassinado, como muitos países do terceiro mundo já foram”
Por Sara Sanz Pinto, publicado em 3 Mar 2012 - 20:42 | Actualizado há 28 semanas 6 dias

Chamou-se a si próprio assassino económico no livro “Confessions of an Economic Hit Man”, que se tornou bestseller do “New York Times”




Em tempos consultor na empresa Chas. T. Main, John Perkins andou dez anos  a fazer o que não devia, convencendo países do terceiro mundo a embarcar em projectos megalómanos, financiados com empréstimos gigantescos de bancos do primeiro mundo. Um dia, estava nas Caraíbas, percebeu que estava farto de negócios sujos e mudou de vida. Regressou a Boston e, para compensar os estragos que tinha feito, decidiu usar os seus conhecimentos para revelar ao mundo o jogo que se joga nos bastidores financeiros.

Como se passa de assassino económico a activista?
Em primeiro lugar é preciso passar-se por uma forte mudança de consciência e entender o papel que se andou a desempenhar. Levei algum tempo a compreender tudo isto. Fui um assassino económico durante dez anos e durante esse período achava que estava a agir bem. Foi o que me ensinaram e o que ainda ensinam nas faculdades de Gestão: planear grandes empréstimos para os países em desenvolvimento para estimular as suas economias. Mas o que vi foi que os projectos que estávamos a desenvolver, centrais hidroeléctricas, parques industriais, e outras coisas idênticas, estavam apenas a ajudar um grupo muito restrito de pessoas ricas nesses países, bem como as nossas próprias empresas, que estavam a ser pagas para os coordenar. Não estávamos a ajudar a maioria das pessoas desses países porque não tinham dinheiro para ter acesso à energia eléctrica, nem podiam trabalhar em parques industriais, porque estes não contratavam muitas pessoas. Ao mesmo tempo, essas pessoas estavam a tornar--se escravos, porque o seu país estava cada mais afundado em dívidas. E a economia, em vez de investir na educação, na saúde ou noutras áreas sociais, tinha de pagar a dívida. E a dívida nunca chega a ser paga na totalidade. No fim, o assassino económico regressa ao país e diz-lhes “Uma vez que não conseguem pagar o que nos devem, os vossos recursos, petróleo, ou o que quer que tenham, vão ser vendidos a um preço muito baixo às nossas empresas, sem quaisquer restrições sociais ou ambientais”. Ou então, “Vamos construir uma base militar na vossa terra”. E à medida que me fui apercebendo disto a minha consciência começou a mudar. Assim que tomei a decisão de que tinha de largar este emprego tudo foi mais fácil. E para diminuir o meu sentimento de culpa senti que precisava de me tornar um activista para transformar este mundo num local melhor, mais justo e sustentável através do conhecimento que adquiri. Nessa altura a minha mulher e eu tivemos um bebé. A minha filha nasceu em 1982 e costumava pensar como seria o mundo quando ela fosse adulta, caso continuássemos neste caminho. Hoje já tenho um neto de quatro anos, que é uma grande inspiração para mim e me permite compreender a necessidade de viver num sítio pacífico e sustentável.

Houve algum momento em particular em que tenha dito para si mesmo “não posso fazer mais isto”?
Sim, houve. Fui de férias num pequeno veleiro e estive nas Ilhas Virgens e nas Caraíbas. Numa dessas noites atraquei o barco e subi às ruínas de uma antiga plantação de cana-de-açúcar. O sítio era lindo, estava completamente sozinho, rodeado de buganvílias, a olhar para um maravilhoso pôr do Sol sobre as Caraíbas e sentia-me muito feliz. Mas de repente cheguei à conclusão que esta antiga plantação tinha sido construída sobre os ossos de milhares de escravos. E depois pensei como todo o hemisfério onde vivo foi erguido sobre os ossos de milhões de escravos. E tive também de admitir para mim mesmo que também eu era um esclavagista, porque o mundo que estava a construir, como assassino económico, consistia, basicamente, em escravizar pessoas em todo o mundo. E foi nesse preciso momento que me decidi a nunca mais voltar a fazê--lo. Regressei à sede da empresa onde trabalhava em Boston e demiti-me.

E qual foi a reacção deles?
De início ninguém acreditou em mim. Mas quando se aperceberam de que estava determinado tentaram demover-me. Fizeram-me propostas muito interessantes. Mas fui-me embora à mesma e deixei por completo de me envolver naquele tipo de negócios.

Diz que os assassinos económicos são profissionais altamente bem pagos que enganam os países subdesenvolvidos, recorrendo a armas como subornos, relatórios falsificados, extorsões, sexo e assassinatos. Pode explicar às pessoas que não leram o seu livro como tudo isto funciona?
Basicamente, aquilo que fazíamos era escolher um país, por exemplo a Indonésia, que na década de 70 achávamos que tinha muito petróleo do bom. Não tínhamos a certeza, mas pensávamos que sim. E também sabíamos que estávamos a perder a guerra no Vietname e acreditávamos no efeito dominó, ou seja, se o Vietname caísse nas mãos dos comunistas, a Indonésia e outros países iriam a seguir. Também sabíamos que a Indonésia tinha a maior população muçulmana do mundo e que estava prestes a aliar-se à União Soviética, e por isso queríamos trazer o país para o nosso lado. Fui à Indonésia no meu primeiro serviço e convenci o governo do país a pedir um enorme empréstimo ao Banco Mundial e a outros bancos, para construir o seu sistema eléctrico, centrais de energia e de transmissão e distribuição. Projectos gigantescos de produção de energia que de forma alguma ajudaram as pessoas pobres, porque estas não tinham dinheiro para pagar a electricidade, mas favoreceram muito os donos das empresas e os bancos e trouxeram a Indonésia para o nosso lado. Ao mesmo tempo, deixaram o país profundamente endividado, com uma dívida que, para ser refinanciada pelo Fundo Monetário Internacional, obrigou o governo a deixar as nossas empresas comprarem as empresas de serviços básicos de utilidade pública, as empresas de electricidade e de água, construir bases militares no seu território, entre outras coisas. Também acordámos algumas condicionantes, que garantiam que a Indonésia se mantinha do nosso lado, em vez de se virar para a União Soviética ou para outro país que hoje em dia seria provavelmente a China.

Trabalhou de muito perto com o Banco Mundial?
Muito, muito perto. Muito do dinheiro que tínhamos vinha do Banco Mundial ou de uma coligação de bancos que era, geralmente, liderada pelo Banco Mundial.

Sugere no seu livro que os líderes do Equador e do Panamá foram assassinados pelos Estados Unidos. No entanto, existem vários historiadores que defendem que isso não é verdade. O que acha que aconteceu com Jaime Roldós e Omar Torrijos?
Não existem provas sólidas quer do que aconteceu no Equador, com Roldós, quer do que se passou no Panamá, com Torrijos. Porém, existem muitas provas circunstanciais. Por exemplo, Roldós foi o primeiro a morrer, num desastre de avião em Maio de 1981, e a área do acidente foi vedada, ninguém podia ir ao local onde o avião se despenhou, excepto militares norte-americanos ou membros do governo local por eles designados. Nem a polícia podia lá entrar. Algumas testemunhas-chave do desastre morreram em acidentes estranhos antes de serem chamadas a depor. Um dos motores do avião foi enviado para a Suíça e os exames mostram que parou de funcionar quando estava ainda no ar e não ao chocar contra a montanha. Isto é, existem provas circunstanciais tremendas em torno desta morte, e além disso todos estavam à espera que Jaime Roldós fosse derrubado ou assassinado porque não estava a jogar o nosso jogo. Logo depois de o seu avião se ter despenhado, Omar Torrijos juntou a família toda e disse: “O meu amigo Jaime foi assassinado e eu vou ser o próximo, mas não se preocupem, alcancei os objectivos que queria alcançar, negociei com sucesso os tratados do canal com Jimmy Carter e esse canal pertence agora ao povo do Panamá, tal como deve ser. Por isso, depois de eu ser assassinado, devem sentir-se bem por tudo aquilo que conquistei.” A verdade é que os EUA, a CIA e pessoas como o Henry Kissinger admitiram que o nosso país tinha derrubado Salvador Allende, no Chile; Jacobo Arbenz, na Guatemala; Mohammed Mossadegh, no Irão; participámos no afastamento de Patrice Lumumba, no Congo; de Ngô Dinh Diem, no Vietname. Existem inúmeros documentos sobre a história dos EUA que provam que fizemos estas coisas e continuamos a fazê-las. Sabe-se que estivemos profundamente envolvidos, em 2009, no derrube no presidente Manuel Zelaya, nas Honduras, e na tentativa de afastar Rafael Correa, no Equador, também há não muito tempo. Os EUA admitiram muitas destas coisas e pensar que eles não estiveram envolvidos nos homicídios de Roldós e Torrijos... Estes dois homens foram assassinados quase da mesma forma, num espaço de três meses. Ambos tinham posições contrárias aos EUA e às suas empresas e estavam a assumir posições fortes para defender os seus povos – é pouco razoável pensar o contrário.

Algumas pessoas acusam-no de ser um teórico da conspiração. O que tem a dizer sobre isso?
Bem, não sou, de modo nenhum, um teórico da conspiração. Não acredito que exista uma pessoa ou um grupo de pessoas sentadas no topo a tomar todas as decisões. Mas torno muito claro no meu último livro, “Hoodwinked” (2009), e também em “Confessions of an Economic Hit Man” (2004) – editado em Portugal pela Pergaminho em 2007 com o título “Confissões de Um Mercenário Económico: a Face Oculta do Imperialismo Americano” –, que as multinacionais são movidas por um único objectivo que é maximizar os lucros, independentemente das consequências sociais e ambientais. Estes últimos são novos objectivos que não eram ensinados quando estudei Gestão, no final dos anos 60. Ensinaram-me que havia apenas este objectivo entre muitos outros, por exemplo tratar bem os funcionários, dar-lhes uma boa assistência na saúde e na reforma, ter boas relações com os clientes e os fornecedores, e também ser um bom cidadão, pagar impostos e fazer mais que isso, ajudar a construir escolas e bibliotecas. Tudo se agravou nos anos 70, quando Milton Friedman, da escola de economia de Chicago, veio dizer que a única responsabilidade no mundo dos negócios era maximizar os lucros, independentemente dos custos sociais e ambientais. E Ronald Reagan, Margaret Thatcher e muitos outros líderes mundiais convenceram-se disso desde então. Todas estas empresas são orientadas segundo este objectivo e quando alguma coisa o ameaça, seja um acordo de comércio multilateral seja outra coisa qualquer, juntam--se para garantir que o mesmo é protegido. Isto não é uma conspiração, uma conspiração é ilegal, isto que fazem não é. No entanto, é extremamente prejudicial para a economia mundial.

Também escreveu que o objectivo último dos EUA é construir um império global. Como vê a recente estratégia norte-americana contra a China e o Irão?
Actualmente, podemos dizer que o novo império não é tanto americano como formado por multinacionais. Penso que a ditadura das grandes empresas e dos seus líderes forma hoje a versão moderna desse império. Repito, isto não é uma conspiração, mas todos eles são movidos por esse objectivo de que falámos anteriormente.

Mas vários especialistas defendem que estamos num cenário de terceira guerra mundial, com a China, a Rússia e o Irão de um lado e os EUA, a União Europeia (UE) e Israel do outro. E que toda a conversa de Washington em torno do programa nuclear iraniano não passa de uma grande mentira.
Não acredito que todo este conflito seja motivado por armas nucleares. Na verdade, vários estudos recentes, alguns deles das mais respeitadas agências de informações norte-americanas, mostram que não existem armas nucleares no Irão. E acredito que tudo isto não se deve apenas aos recursos iranianos mas também à ameaça de Teerão de vender petróleo no mercado internacional numa moeda que não o dólar, uma ameaça também feita por Muammar Kadhafi, na Líbia, e Saddam Hussein, no Iraque. Os nort-americanos não gostam que ameacem o dólar e não gostam que ameacem o seu sistema bancário, algo que todos esses líderes fizeram – o líder do Irão, o líder do Iraque, o líder da Líbia. Derrubaram dois deles e o terceiro ainda lá está. Penso que é disto que se trata. Não tenho dúvidas de que a Rússia está a gostar de ver a agitação entre a UE e o Irão, porque Moscovo tem muito petróleo e, se os fornecedores iranianos deixarem de vender, o preço do petróleo vai subir, o que será uma grande ajuda para a Rússia. É difícil acreditar que qualquer destes países queira mesmo entrar numa terceira guerra mundial. No fundo, o que querem é estar constantemente a confundir as pessoas, parecendo que querem entrar em conflito e ajudar a alimentar as máquinas de guerra, porque isso ajuda uma série de grandes empresas.

Como durante a Guerra Fria?
Sim, como durante a Guerra Fria, porque isso é bom para os negócios. No fundo, estes países estão todos a servir os interesses das grandes empresas. Há algumas centenas de anos, a geopolítica era maioritariamente liderada por organizações religiosas; depois os governos assumiram esse poder. Agora chegámos à fase em que a geopolítica é conduzida em primeiro lugar pelas grandes multinacionais. E elas controlam mesmo os governos de todos os países importantes, incluindo a Rússia, a China e os EUA. A economia da China nunca poderia ter crescido da forma que cresceu se não tivesse estabelecido fortes parcerias com grandes multinacionais. E todos estes países são muito dependentes destas empresas, dos presidentes destas empresas, que gostam de baralhar as pessoas, porque constroem muitos mísseis e todo o tipo de armas de guerra. É uma economia gigante. A economia norte-americana está mais baseada nas forças armadas que noutra coisa qualquer. Representa a maior fatia do nosso orçamento oficial e uma parte maior ainda do nosso orçamento não oficial. Por isso tanto a guerra como a ameaça de guerra são muito boas para as grandes multinacionais. Mas não acredito que haja alguém que nos queira ver de facto entrar em guerra, dada a natureza das armas. Penso que todas as pessoas sabem que seria extremamente destrutivo.

Como avalia o trabalho de Barack Obama enquanto presidente dos EUA?
Penso que se esforçou muito por agir bem, mas está numa posição extremamente vulnerável. Assim que alguém entra na Casa Branca, sejam quais forem as suas ideias políticas, os seus motivos ou a sua consciência, sabe que é muito vulnerável e que o presidente dos EUA, ou de outro país importante, pode ser facilmente afastado. Nalgumas partes do mundo, como a Líbia ou o Irão, talvez só com balas o seu poder possa ser derrubado, mas em países como os EUA um líder pode ser afastado por um rumor ou uma acusação. O presidente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, ver a sua carreira destruída por uma empregada de quarto de um hotel, que o acusou de violação, foi um aviso muito forte a Obama e a outros líderes mundiais. Não estou a defender Strauss-Kahn – não faço a mínima ideia de qual é a verdade por trás do que aconteceu, mas o que sei é que bastou uma acusação de uma empregada de quarto para destruir a sua carreira, não só como director do FMI mas também como potencial presidente francês. Bill Clinton também foi afastado por um escândalo sexual, mas no tempo de John Kennedy estas coisas não derrubavam presidentes. Só as balas. Porém, descobrimos com Bill Clinton que um escândalo sexual – e não é preciso ser uma coisa muito excitante, porque aparentemente ele nem sequer teve sexo com a Monica Lewinsky, fizeram uma coisa qualquer com um charuto que já não me lembro – foi o suficiente para o descredibilizar. Por isso Obama está numa posição muito vulnerável e tem de jogar o jogo e fazer o melhor que pode dentro dessas limitações. Caso contrário, será destruído.

No fim do ano passado escreveu um artigo onde afirmava que a Grécia estava a ser atacada por assassinos económicos. Acha que Portugal está na mesma situação?
Sim, absolutamente, tal como aconteceu com a Islândia, a Irlanda, a Itália ou a Grécia. Estas técnicas já se revelaram eficazes no terceiro mundo, em países da América Latina, de África e zonas da Ásia, e agora estão a ser usadas com êxito contra países como Portugal. E também estão a ser usadas fortemente nos EUA contra os cidadãos e é por isso que temos o movimento Occupy. Mas a boa notícia é que as pessoas em todo o mundo estão a começar a compreender como tudo isto funciona. Estamos a ficar mais conscientes. As pessoas na Grécia reagiram, na Rússia manifestam-se contra Putin, os latino-americanos mudaram o seu subcontinente na última década ao escolher presidentes que lutam contra a ditadura das grandes empresas. Dez países, todos eles liderados por ditadores brutais durante grande parte da minha vida, têm agora líderes democraticamente eleitos com uma forte atitude contra a exploração. Por isso encorajo as pessoas de Portugal a lutar pela sua paz, a participar no seu futuro e a compreender que estão a ser enganadas. O vosso país está a ser saqueado por barões ladrões, tal como os EUA e grande parte do mundo foi roubado. E nós, as pessoas de todo o mundo, temos de nos revoltar contra os seus interesses. E esta revolução não exige violência armada, como as revoluções anteriores, porque não estamos a lutar contra os governos mas contra as empresas. E precisamos de entender que são muito dependentes de nós, são vulneráveis, e apenas existem e prosperam porque nós lhes compramos os seus produtos e serviços. Assim, quando nos manifestamos contra elas, quando as boicotamos, quando nos recusamos a comprar os seus produtos e enviamos emails a exigir-lhes que mudem e se tornem mais responsáveis em termos sociais e ambientais, isso tem um enorme impacto. E podemos mudar o mundo com estas atitudes e de uma forma relativamente pacífica.
Mas as próprias empresas deviam ver que a ditadura das multinacionais é um beco sem saída.
Bem, penso que está absolutamente certa. Há alguns meses estive a falar numa conferência para 4 mil CEO da indústria das telecomunicações em Istambul e vou regressar lá, dentro de um mês, para uma outra conferência de CEO e CFO de grandes empresas comerciais, e digo-lhes a mesma coisa. Falo muitas vezes com directores-executivos de empresas e sou muitas vezes chamado a dar palestras em universidades de Gestão ou para empresários e também lhes digo o mesmo. Aquilo que fizemos com esta economia mundial foi um fracasso. Não há dúvida. Um exemplo disso: 5% da população mundial vive nos EUA e, no entanto, consumimos cerca de 30% dos recursos mundiais, enquanto metade do mundo morre à fome ou está perto disso. Isto é um fracasso. Não é um modelo que possa ser replicado em Portugal, ou na China ou em qualquer lado. Seriam precisos mais cinco planetas sem pessoas para o podermos copiar. Estes países podem até querer reproduzi-lo, mas não conseguiriam. Por isso é um modelo falhado e você tem razão, porque vai acabar por se desmoronar. Por isso o desafio é como mudamos isto e como apelar às grandes empresas para fazerem estas mudanças. Obrigando-as e convencendo-as a ser mais sustentáveis em termos sociais e ambientais. Porque estas empresas somos basicamente nós, a maioria de nós trabalha para elas e todos compramos os seus produtos e serviços. Temos um enorme poder sobre elas. Por definição, uma espécie que não é sustentável extingue-se. Vivemos num sistema falhado e temos de criar um novo. O problema é que a maior parte dos executivos só pensa a curto prazo, não estão preocupados com o tipo de planeta que os seus filhos e os seus netos vão herdar.

Podemos afirmar que esta crise mundial foi provocada por assassinos económicos e rotular os líderes da troika como serial killers?
Penso que é justo dizer que os assassinos económicos são os homens de mão, nós, os soldados, e os presidentes das grandes multinacionais e de organizações como o Banco Mundial, o FMI ou Wall Street, os generais.

Ainda há dias o “Financial Times” divulgou que os gestores financeiros de Wall Street andavam a tomar testosterona para se tornarem ainda mais competitivos. Isto faz parte do beco sem saída de que está a falar?
A sério?! Ainda não tinha ouvido isso, mas não me surpreende nada. No entanto, aquilo que precisamos hoje em dia é de um lado feminino, temos de caminhar na direcção oposta e livrar-nos dessa testosterona. Precisamos de mais líderes mulheres, mulheres reais – não homens vestidos com roupas de mulher, por assim dizer – para trazerem com elas os valores de receptividade e do apoio e encorajarem os homens a cultivar isso neles próprios. Nós, homens, temos de estar muito mais ligados ao nosso lado feminino.

Se fôssemos apresentar esta crise económica à polícia, quem seriam os criminosos a acusar?
Pense em qualquer grande multinacional e à frente dessa multinacional estará alguém responsável pela ditadura empresarial, seja a Goldman Sachs, em Wall Street, seja a Shell, a Monsanto ou a Nike. Todos os líderes dessas empresas estão profundamente envolvidos em tudo isto e, da mesma forma, estão os líderes do FMI, do Banco Mundial e de outras grandes instituições bancárias. Detesto estar a dar nomes, estas pessoas estão sempre a mudar de emprego, por isso prefiro apontar os cargos. Eles estão sempre em rotação, por exemplo, o nosso antigo presidente, George W. Bush, veio da indústria petrolífera. A sua secretária de Estado, Condoleezza Rice, também veio da indústria petrolífera. Já Obama tem a sua política financeira concebida por Wall Street, maioritariamente pela Goldman Sachs. Mudaram-se da empresa para a actual administração norte-americana. A sua política de agricultura é feita por pessoas da Monsanto e de outras grandes empresas do sector. E a parte triste é que assim que o seu tempo expirar em Washington voltam para essas empresas. Vivemos num sistema incrivelmente corrupto. Aquilo a que chamamos política das portas giratórias é só uma outra designação de corrupção extrema.

http://www.ionline.pt/mundo/john-perkin ... o-ja-foram (http://www.ionline.pt/mundo/john-perkins-portugal-esta-ser-assassinado-muitos-paises-terceiro-mundo-ja-foram)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Setembro 22, 2012, 11:17:21 am
Citação de: "Luso"
Mais sinais da morte "disto"...

http://visao.sapo.pt/candida-almeida-na ... gr=f687392 (http://visao.sapo.pt/candida-almeida-na-calha-para-pgr=f687392)


é a podridão absoluta

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fs19.postimage.org%2Fm2casvp5d%2Fcorr.png&hash=93f9723a16d86e1fea24926264c77a61)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Vicente de Lisboa em Setembro 24, 2012, 12:03:55 pm
Qual é o atrofio senhores? A boina é bem catita. Com isso e a lembrança do hino vieram reacender o meu enfraquecido espírito Europeísta  c34x

Já me tinha esquecido que a lingua da Frau Merkel também pode ser bela...
Dá-lhes Beethoven!

Freude, schöner Götterfunken
Tochter aus Elysium,
Wir betreten feuertrunken,
Himmlische, dein Heiligtum!
Deine Zauber binden wieder
Was die Mode streng geteilt;
Alle Menschen werden Brüder,
Wo dein sanfter Flügel weilt.


E para Hino Nacional deitem fora essa cantilena fin de siècle e cantem uma coisa decente e heróica e reaccionária como deve ser!

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 24, 2012, 12:12:43 pm
Ó tu, Sertório, ó nobre Coriolano,
Catilina, e vós outros dos antigos
Que contra vossas pátrias, com profano
Coração, vos fizestes inimigos:
Se lá no Reino escuro de Sumano
Receberdes gravíssimos castigos.
Dizei-lhe que também dos Portugueses
Alguns traidores houve algumas vezes.


Os Lusíadas, Canto I, 26.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Setembro 24, 2012, 06:20:34 pm
A revolução da Maria da Fonte, foi uma revolução feita por um Portugal que reagiu de forma violenta contra reformas que o país precisava.
A revolução foi contra Costa Cabral, que ocupava o cargo equivalente ao de Primeiro Ministro.

Quem foi Costa Cabral (in Wiki) :

Citar
Defensor da Revolução de Setembro de 1836, a sua conduta política evoluiu num sentido mais moderado e, depois de nomeado administrador de Lisboa, foi o principal obreiro da dissolução da Guarda Nacional. Durante o seu primeiro mandato na presidência do ministério, num período que ficaria conhecido pelo Cabralismo, empreendeu um ambicioso plano de reforma do Estado, lançando os fundamentos do moderno Estado português. Considerado um valido da rainha D. Maria II, apesar das suas origens modestas, foi feito conde de Tomar e depois elevado a marquês de Tomar. Foi uma das figuras mais controversas do período de consolidação do regime liberal, admirado pelo seu talento reformador, mas vilipendiado e acusado de corrupção e nepotismo por muitos. Foi obrigado a exilar-se em Madrid na sequência da Revolução da Maria da Fonte, mas voltaria poucos anos depois, demonstrando uma extraordinária capacidade de recuperação e persistência, a ocupar a chefia do governo.

A figura preponderante deste estadista na política portuguesa durante a primeira fase da monarquia constitucional permite afirmar que em torno dela girou toda a política de consolidação institucional do liberalismo que caracterizou o reinado de D. Maria II. Foi, a partir de 1841, Grão-Mestre da Maçonaria.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 24, 2012, 06:36:45 pm
Entretanto, lá fora...

http://www.zerohedge.com/news/2012-09-2 ... -manhattan (http://www.zerohedge.com/news/2012-09-23/gold-counterfeiting-goes-viral-10-tungsten-filled-gold-bars-are-discovered-manhattan)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Setembro 24, 2012, 11:18:40 pm
Desde que uma compra chinesa de algumas toneladas de ouro deu torto porque de ouro só o banho que por dentro era tungsténio (os indianos também levaram a banhada mas foi bem menos quantidade) que todas as barrinhas compradas por chineses e indianos são perfuradas antes de aceites.

Quantos às reservas americanas em amarelinho...... é melhor não que a FLAD anda activa.    :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 25, 2012, 09:53:28 am
Agora um "exoterismo", mas daqueles que fazem uma pessoa pensar no tipo de vida é que está a levar.

Citar
Biologicamente falando. O homem é um ser moderadamente social – uma criatura mais semelhante ao lobo, por exemplo, ou ao elefante, do que a uma abelha ou a uma formiga. Na sua forma original, as sociedades humanas nada tinham em comum com um cortiço ou com um formigueiro; eram, apenas, bandos. A civilização é, entre outras coisas, os processos pelo qual os bandos primitivos são transformados num análogo, grosseiro e mecânico, às comunidades orgânicas dos insectos sociais. Presentemente, a pressão da superpopulação e das modificações tecnológicas estão a acelerar o processo. A termiteira representa agora um ideal realizável e até, para alguns, desejável. É desnecessário dizer que o ideal nunca será, de facto, realizado. Um grande abismo separa o insecto socializável do mamífero não muito gregário e dotado de um grande cérebro; e ainda que o mamífero fizesse todos os esforços por imitar o insecto, o abismo permaneceria. Por mais funda que seja a tentativa, os homens não podem criar um organismo social, apenas podem criar uma organização. Obstinando-se nas tentativas de criação de um organismo, os homens criarão tão-somente um despotismo totalitário.

Aldous Huxley in Regresso ao admirável mundo novo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 26, 2012, 11:18:00 am
Associar este último postal do Martelo, com o conteúdo destes links:

http://video.msnbc.msn.com/nightly-news ... /#49171798 (http://video.msnbc.msn.com/nightly-news/49171798/#49171798)
http://usahitman.com/masbtny/ (http://usahitman.com/masbtny/)

Depois considerar estas coisas face à evolução do IMI.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 26, 2012, 03:14:52 pm
E mais esta, para preparar "obreiras":

http://www.bbc.co.uk/news/health-19699266 (http://www.bbc.co.uk/news/health-19699266)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 27, 2012, 11:18:17 am
Conseguem certamente unir os pontos, suponho...

http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.as ... &did=78984 (http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=31&did=78984)
http://www.ionline.pt/portugal/aborto-e ... trou-vigor (http://www.ionline.pt/portugal/aborto-estado-gastou-45-milhoes-euros-lei-entrou-vigor)

Bioética= eugenia.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 27, 2012, 11:42:04 am
45 milhões para matar toda uma geração de Portugueses. :N-icon-Axe:

64000 infanticidios, isto é um verdadeiro massacre, um verdadeiro holocausto. Tudo isto deixa-me revoltado! :evil:  :evil:  :evil:  :evil:  :evil:  :evil:  :evil:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 28, 2012, 10:02:45 am
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabecinhas em Outubro 03, 2012, 12:05:09 pm
Citar
Tudo caladinho... não vá a castanha estalar na boca de alguém!!!

     Uma questão para PONDERAR:

     PORQUE SERÁ  que o PS é a única instituição que ainda não "massacrou"
     a questão da "Licenciatura" do "Dr" Miguel Relvas???

     Tem Resposta:
     É que o Dr António José Seguro foi um dos professores (da
     Universidade Lusófona) que ASSINOU a  "FALSA"  Licenciatura do Dr
     Miguel Relvas !!!

     Tudo dentro da família "Corja da Política"!
 
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 03, 2012, 05:20:54 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: scrupulum em Outubro 04, 2012, 03:22:25 pm
O que Você ignora sobre o Grupo de Bilderberg

por Thierry Meyssan ( VOLTAIRE NET  )  
A ideia que o Grupo de Bilderberg é um embrião de governo mundial tem vindo a espalhar-se desde há muitos anos. Por ter tido acesso aos arquivos desse clube tão secreto, Thierry Meyssan assinala que essa imagem é uma pista falsa destinada a mascarar a verdadeira identidade e a real função do Grupo: o Bilderberg é uma criação da OTAN. O seu objetivo é convencer os líderes e manipular através deles a opinião pública para levá-la a aceitar os conceitos e ações da Aliança Atlântica.

Desde 1954, una centena de eminentes personalidades da Europa Ocidental e da América do Norte reúnem-se anualmente – à porta fechada e sob condições de rigorosa segurança – no seio do Grupo de Bilderberg. A reunião dura 3 dias e nada se publica sobre os temas tratados.

Depois do desaparecimento da União Soviética, alguns periodistas começaram a interessar-se pelo Grupo de Bilderberg. Vários autores viram nele o embrião de um governo mundial e das principais decisões políticas, culturais, económicas e militares da segunda metade do século XX, uma interpretação que Fidel Castro retomou. Nada permite, no entanto, confirmá-la ou desmenti-la (ver artigo a respeito sobre a Nova Ordem Mundial para ter uma ideia do que isto implica).

Com desejo de perceber o que realmente é, e o que não é o Grupo de Bilderberg, dei-me ao trabalho de buscar documentos e testemunhos. Tive acesso a todos os seus arquivos correspondentes ao período que vai desde 1954 até 1966 e a muitos documentos posteriores e pude conversar com um dos seus antigos convidados, que conheço de há muito tempo. Nenhum jornalista, nem mesmo os bem-sucedidos autores que popularizaram os actuais clichés, tiveram acesso a tantos documentos internos do Grupo de Bilberberg.

Eis aqui o que consegui descobrir e compreender.

A primeira reunião

Setenta personalidades provenientes de 12 países participam em 1954 na primeira reunião do Grupo, um seminário de 3 dias, de 29 a 31 de maio, que se desenrola perto de Arnhem, nos Países Baixos. Os convidados repartem-se entre dois hotéis vizinhos mas os debates desenvolvem-se no estabelecimento principal por cujo nome se conhecerá o Grupo.

Os convites, feitos em papel timbrado do Palácio de Soestdijk [Uma das quatro residências oficiais da família real dos Países Baixos. Nota do Tradutor.], apresentam termos bastante vagos: «Prezaria muitíssimo a sua presença no congresso internacional, sem carácter oficial, que terá lugar nos Países Baixos em fins do mês de maio. Este congresso visa apreciar um certo número de questões de grande importância para a civilização ocidental e tem como objetivo estimular a goodwill [em português, “boa vontade”] e o entendimento recíprocos graças ao livre intercâmbio de puntos de vista». Os convites têm a assinatura do príncipe consorte dos Países Baixos, Bernhard zur Lippe-Biesterfeld, e vêm junto com várias páginas informativas de índole administrativa sobre o transporte e o alojamento. O máximo que permitem perceber é que haverá delegados dos Estados Unidos e de 11 Estados de Europa Ocidental e que se realizarão 6 sessões de trabalho de 3 horas cada.

Dado o passado nazi do príncipe Bernhard, que foi membro da cavalaria SS até ao seu matrimónio, em 1937, com a princesa Juliana, e o contexto do mccarthysmo daquela época, resulta evidente que as «questões de grande importância para a civilização ocidental» têm que ver com a luta contra el comunismo...

Leiam o resto em Voltairenet.org  versao portuguesa disponivel
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 12, 2012, 07:54:00 pm
O descaramento cada vez mais... descarado.

http://www.youtube.com/watch?v=nqMSPooXJIk
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 26, 2012, 12:54:56 pm
Cenários...

Citar
Cenário 1, DESAFIO:
A União Europeia é uma Federação de Estados. Há uma unidade de ação que se concretiza nas esferas de política económica, ação externa, diplomática, e de Defesa e Segurança.


As FFAA dos diferentes estados europeus integram as FFAA da Federação Europeia.
A participação na NATO é materializada através das FFAA da Federação Europeia, em alternativa ao modelo anterior, onde cada estado europeu participava com um determinado pacote de forças na NATO. A convergência entre a NATO e UE é materializada com as FFAA da Federação Europeia, e a aproximação entre os EUA e UE é conseguida nos aspectos de natureza quantitativa de recursos financeiros, humanos e tecnológicos.


Os princípios da informação, precisão e surpresa, são materializados nas operações de Defesa e Segurança, pela disrupção que o desenvolvimento e utilização de sistemas não tripulados letais e não letais, proporcionam em Teatros de Operações de características não lineares e essencialmente urbanos.


A natureza dos conflitos permanece do tipo assimétrica, predominantemente não letal, onde a proliferação de armas nucleares, as necessidades de cibersegurança, controlo do fornecimento de energia, apoio a acidentes e catástrofes, ações de contra-terrorismo, se vislumbram como as principais ameaças. As operações são essencialmente do tipo SJO (-), evidenciando-se para a componente terrestre, o escalão Brigada, reconhecendo-se a possibilidade de assumir um espetro de recursos humanos entre os 2 e 7 mil homens.


A abrangência e fluidez tecnológica permitem exercer o foco estratégico de desenvolvimento das FFAA na edificação das Capacidades de C4ISTAR(8), privilegiando ações descentralizadas de pequenos escalões, de elevada precisão, em ambientes urbanos, com envolvimento do patamar superior de decisão político e diplomático.

Cenário 2, SUSTENTAÇÃO:
A União Europeia procura encontrar os compromissos políticos que viabilizem a existência Federação de Estados.


As Forças Armadas dos diferentes estados europeus integram um modelo europeu de Forças de Reação Imediata da Europa que visam permitir intervir no espaço estratégico de interesse europeu, com prioridade na destabilização renovada da região dos Balcãs, e Grécia.
A convergência entre a NATO e UE não é eficaz, o que tem levado cada vez mais à perda de utilidade da Força de Reação Imediata da UE, por oposição ao destaque que a NATO continua a assumir no contexto da Defesa e Segurança com o emprego das NATO Response Force (NRF). Têm-se replicado os acordos bi-laterais de Defesa entre países da UE, esvaindo de sentido os esforços realizados para incrementar as sinergias entre os países da UE.


A necessidade de informação e precisão nas operações de Defesa e Segurança é sustentada na disrupção realizada pelo desenvolvimento e utilização de sistemas não tripulados letais e não letais, em Teatros de Operações de características não lineares e essencialmente urbanos.
A natureza dos conflitos já não é essencialmente do tipo assimétrica, nem tão pouco de natureza não letal. A alteração das políticas de imigração na Europa para o espaço Shengen, associadas à instabilidade na Ásia Pacífico, com a Síria, Irão, Índia e Paquistão em destaque, originam conflitos onde intervenções multinacionais do tipo de SJO e MJO ganham maior probabilidade de ocorrerem.


A existência de sistemas de armas que permitam conjugar fogo, manobra e proteção, revelam-se imprescindíveis, em associação ao emprego de pequenos escalões com elevados níveis de descentralização na ação. Os efeitos das operações sustentam-se na força da lei, evitando a todo o custo efeitos colaterais.
A proliferação de armas nucleares, associada à ameaça da cibersegurança, continua a povoar o espetro dos assuntos de Defesa e Segurança. As intervenções na Ásia Pacífico e mais recentemente em África têm a finalidade de prevenir ações terroristas, contra os valores e cultura ocidentais conhecidos - Liberdade, Democracia, e o uso da Força da Lei, por oposição à Lei da Força.


Há um dinamismo tecnológico que permite exercer o foco estratégico de desenvolvimento das Forças Armadas na edificação das Capacidades de C4ISTAR, e de mobilidade tática, notando-se uma solicitação acrescida de SJO, embora com menos recursos humanos, mais com mais tecnologia. O emprego da força caracteriza-se por possuir uma elevada precisão na ação, predominantemente em ambientes urbanos, com um envolvimento objetivo do patamar superior de decisão política e diplomático.


Cenário 3, RELÂMPAGO:
A União Europeia incapaz de agir perante a crise das dívidas soberanas, cujo início remonta a 2008, inicia um período de desagregação e com ele, o fim do sonho de uma Europa una e indivisível.


A ocupação de vazios estratégicos na Europa são supostamente acarinhados pela China e Rússia, através da injeção de grandes somas financeiras, a taxas de juro inexpressivas. Este apoio é alargado à região dos Balcãs que se depara com uma taxa de desemprego superior a 50%, e onde os partidos nacionalistas voltam a assumir um protagonismo inadequado, radicalizando as políticas e os discursos através das lideranças dos governos respetivos.


Com o fim da União Europeia, a NATO assume com maior preponderância a possibilidade de invocar o artº V para, a defesa das fronteiras territoriais dos países da Aliança, em consequência dos desequilíbrios provocados pelos novos posicionamentos da Rússia e China no espaço europeu. Regista-se um incremento de acordos bi-laterais de defesa, entre os países que constituem a Aliança.
Concretizada a intervenção da NATO na Síritade(9), sob mandato das Nações Unidas, e com a retirada em 2013 de quase a totalidade das forças NATO do Afeganistão, registam-se os primeiros focos de atrição entre a Índia e Paquistão, em simultâneo com a aparecimento de movimentos independentistas na China. A intervenção da NATO em operações do tipo MJO, para prevenção ou para a defesa territorial dos países da Aliança, ganham maior probabilidade de ocorrência.


As ameaças à Defesa e Segurança exigem mais de todos, assistindo-se a uma efetiva interação entre todos os serviços do Estado, com a finalidade de garantir a necessária eficácia dos serviços. A proliferação de armas nucleares, e ameaças à cibersegurança dos sistemas de controlo relacionados com a distribuição de energia, uso de sistemas não tripulados, moldam o espetro dos assuntos de Defesa e Segurança.

Cenário 4, INSUSTENTÁVEL:
A União Europeia incapaz de agir perante a crise das dívidas soberanas, cuja génese se encontra em 2008 após alguns artefactos importados do outro lado do Atlântico, desagrega-se, anulando as oportunidades de desenvolvimento tecnológico que durante mais de 30 anos a Europa demonstrou concretizar.


O desenvolvimento tecnológico nos domínios da ciberdefesa, robótica, defesa biológica e armas não letais, asssume um desfasamento insustentável entre os Estados Unidos, China, Rússia, e o remanescente dos países do globo. Agrava-se o elevado risco de países específicos terem já acesso à produção de armamento nuclear.


A proliferação de armas nucleares e as ameaças à cibersegurança dos sistemas de controlo relacionados com a distribuição de energia, bem como o uso de sistemas não tripulados, moldam o espetro dos assuntos de Defesa e Segurança.


A NATO, sob uma forte liderança norte americana, por vantagem competitiva própria e por desagregação da União Europeia, foca-se na defesa dos seus interesses na região Ásia Pacífico, perante os riscos da ameaça nuclear se concretizar nesta região do globo.


O Espaço estratégico de interesse nacional, por inexistência de vontade política, e por ameaça de países não inseridos na NATO, é agora partilhado nas missões de Defesa por outros países da Aliança.

 :arrow: http://www.operacional.pt/o-desafio-da- ... em-2030-i/ (http://www.operacional.pt/o-desafio-da-defesa-e-seguranca-em-2030-i/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Outubro 26, 2012, 07:52:00 pm
FFAA...  :N-icon-Axe: Estrangeirismo ridículo...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 27, 2012, 12:13:56 am
Citação de: "HSMW"
FFAA...  :G-beer2:

E bastante revelador. Diz muito da hodierna mentalidade mercen... castreja.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 27, 2012, 02:19:36 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 30, 2012, 05:11:19 pm
Daqui a dez anos metade da população portuguesa terá um cancro, alerta Sobrinho Simões

http://www.publico.pt/Ci%C3%AAncias/daq ... s--1569281 (http://www.publico.pt/Ci%C3%AAncias/daqui-a-dez-anos-metade-da-populacao-portuguesa-tera-um-cancro-alerta-sobrinho-simoes--1569281)


Comemos GMO, bebemos águas cheias de quimicos, respiramos ar contaminado, injectamos coisas que não se sabe muito bem as consequências para as gerações vindedouras...e ainda nos queixamos quando parece que isso tem consequências?! :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Outubro 30, 2012, 07:29:46 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Daqui a dez anos metade da população portuguesa terá um cancro, alerta Sobrinho Simões

http://www.publico.pt/Ci%C3%AAncias/daq ... s--1569281 (http://www.publico.pt/Ci%C3%AAncias/daqui-a-dez-anos-metade-da-populacao-portuguesa-tera-um-cancro-alerta-sobrinho-simoes--1569281)


Comemos GMO, bebemos águas cheias de quimicos, respiramos ar contaminado, injectamos coisas que não se sabe muito bem as consequências para as gerações vindedouras...e ainda nos queixamos quando parece que isso tem consequências?! :roll:

Não pondo em causa aquilo que afirmou relativamente à comida e meio ambiente. Mas esta historia parece-me um pouco alarmista um pouco ao estilo do que foi a historia da gripe A. As empresas farmaceuticas têm muito a ganhar com estes medos na população.

Relativamente às vacinas andei até à cerca de um ano a adiar tomar uma vacina qualquer que tinha de tomar, exactamente por achar que talvez não me fosse trazer nada de bom. Adiei até ao momento em que me quis matricular em doutoramento na universidade quando me exigiram o boletim de vacinas e sem ele nada de matricula.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 31, 2012, 02:44:17 pm
Relacionado...

 :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 31, 2012, 02:47:02 pm
Edu eu não levei a vacina nem estou a pensar em levar.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 31, 2012, 02:50:11 pm
Esse Sobrinho Simões também já não mandou há tempos umas bocas eugenistas?
Creio que esse cavalheiro já foi aqui nomeado.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 31, 2012, 09:11:24 pm
http://www.aolnews.com/2011/01/25/study ... footprint/ (http://www.aolnews.com/2011/01/25/study-genghis-khans-mass-killings-cut-carbon-footprint/)

Safa que já começam a chatear...
Lá vão agora os meninos ignorantes a engolir o que obrigam os senhores professores universitários da treta.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 02, 2012, 11:25:47 am
Nada de novo, já vi inúmeros artigos do género. Este ligação entre menos homens equivale a um melhor planeta está ser muito divulgada à já algum tempo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Novembro 02, 2012, 12:03:09 pm
E não é nada com que ficar chocado. O excesso de população é insustentável num planeta com cada vez menos recursos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 02, 2012, 03:39:30 pm
E no entanto não vejo ninguém a morrer à fome em Portugal, nem em nenhum lugar do mundo ocidental. Onde é que as pessoas têm problemas em aceder aos bens primários? África?!

Já agora, mais um video inspirador:


Portugal tinha um taxa de natalidade brutal, mesmo com a enorme quantidade de pessoas a emigrar a população neste país aumentou de uma forma continua. Hoje em dia a população está a envelhecer, com uma taxa de natalidade cada vez mais reduzida, é provavel que daqui a umas poucas décadas a população residente começa a encolher de uma forma significativa.

Porquê?

Pobreza? Não, não é por causa do dito empobrecimento da classe média.

São os estilos de vida, são as pessoas cada vez mais individualistas e  menos altruistas, crise de valores/matrimónio, etc.

Eu acredito que temos que dar dois passos atrás, vermos onde erramos e depois seguir em frente, na direcção que mais nos interesse. Eu em poucos anos tornei-me num ruralista convicto, alguém que quer ter um estilo de vida BASTANTE diferente da que tem. Tenho a minha horta familiar, tenho a minha "menina" guardada, tenho a minha familia a 5 minutos de distância. O resto é o resto...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 02, 2012, 05:27:16 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Eu acredito que temos que dar dois passos atrás, vermos onde erramos e depois seguir em frente, na direcção que mais nos interesse. Eu em poucos anos tornei-me num ruralista convicto, alguém que quer ter um estilo de vida BASTANTE diferente da que tem. Tenho a minha horta familiar, tenho a minha "menina" guardada, tenho a minha familia a 5 minutos de distância. O resto é o resto...

Nem mais.
És um homem rico, Martelo.  :G-beer2:
O resto é cantiga.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 07, 2012, 10:41:34 am
Digam lá se isto não é tudo programado... :arrow: http://www.nytimes.com/2011/11/19/world ... =all&_r=1& (http://www.nytimes.com/2011/11/19/world/europe/for-wolfgang-schauble-seeing-opportunity-in-europes-crisis.html?pagewanted=all&_r=1&)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 07, 2012, 04:22:04 pm
Onde andam aqueles que nos acusavam de sermos maluquinhos das conspirações?
(e interessará?)

Olhem esta:

http://www.dailymail.co.uk/news/article ... arred.html (http://www.dailymail.co.uk/news/article-2229022/Now-Brussels-takes-aim-Famous-Five-Books-portraying-traditional-families-barred.html)

Now Brussels takes aim at the Famous Five! Books portraying 'traditional' families could be barred

•Books that reinforce traditional roles can contribute to gender stereotyping, report says

•Traditional stories can damage women's career opportunities, report's authors says

 
By James Chapman
 
PUBLISHED: 00:50 GMT, 7 November 2012 | UPDATED: 09:12 GMT, 7 November 2012

Books which portray ‘traditional’ images of mothers caring for their children or fathers going out to work could be barred from schools under proposals from Brussels.
An EU report claims that ‘gender stereotyping’ in schools influences the perception of the way boys and girls should behave and damages women’s career opportunities in the future.
Critics said the proposals for ‘study materials’ to be amended so that men and women are no longer depicted in their traditional roles would mean the withdrawal of children’s classics, such as Enid Blyton’s The Famous Five series, Paddington Bear or Peter Pan.

 Portrayals of 'traditional' families contribute to gender stereotyping

The document, prepared by the European Parliament’s Committee on Women’s Rights and Gender Equality, also suggests EU-wide legislation is needed to tackle the way women are depicted in advertising during children’s television programmes.
It further complains about the number of women in EU parliaments, and floats the idea of fixed quotas on a minimum proportion of female MPs.
 
The report says: ‘Children are confronted with gender stereotypes at a very young age through television series, television advertisements, study materials and educational programmes, influencing their perception of how male and female characters should behave.

‘Special educational programmes and study materials should therefore be introduced in which men and women are no longer used in examples in their ‘traditional roles’, with the male as the breadwinner of the family and the female as the one who takes care of the children.’

The Famous Five and Peter Pan are all being scrutinised
 
The report adds: ‘With reference to media and advertisement, it must also be noted that unsupervised television viewing among children and youngsters starting at a very early age is on the rise.

‘Negative gender stereotypes can therefore have a significant influence on young women’s confidence and self-esteem, particularly on teenagers, resulting in a restriction of their aspirations, choices and possibilities for future career possibilities.’

Calling for EU ‘legislation’ to tackle the problem, the committee recommends: ‘Despite the EU’s commitment to equality between men and women, there is still a gap in legislation providing for non-discrimination against women and gender equality in the areas of social security, education and the media, emphasises the need for new legislation in these areas.’
The document calls on the European Commission to ‘take the issue of gender equality into account in all policy fields.’
Tim Aker, spokesman for Get Britain Out, a Eurosceptic campaign group, warned: ‘If the EU has its way, millions of youngster would be denied the pleasure of reading childhood classics such as Paddington Bear, Peter Pan or the Tiger Who Came to Tea because these books show mums and dads in so-called traditional roles.

‘The Eurozone is crumbling, millions are out of work and a generation of young Europeans face a bleak future. Yet the EU is spending its time concentrating on how to socially engineer our children. This politically correct report should be binned at once.’

June O’Sullivan, chief executive of the London Early Years Foundation, also criticised the draft recommendations. ‘We must not confuse political issues with how we present the world to children. The fact is most women take the caring roles and most men want to go out to work,’ she said.

‘You only need to stand at the school gates to see this. Stereotypes are such because they reflect a majority situation. Children are not easily fooled - they see what they see and no amount of manipulation of images will change their thinking.’

The proposals in the committee’s report are unlikely to win support from Britain. Brussels has been forced to postpone an attempt to set a legal quota for the proportion of women on company boards last month following opposition from the UK and some other member states.
The policy, championed by EU justice commissioner Viviane Reding, would make it mandatory for all publicly traded companies to fill 40 per cent of seats on their boards with women by 2020 or face hefty fines.
But opposition from several countries meant a postponement of in a vote on the issue last month. Miss Reding has vowed that that she ‘will not give up’ on her crusade, however, insisting: ‘Europe has a lot to gain from more diverse corporate boards.’

A spokesman for the London office of the European Commission said: 'This is nonsense. "Brussels" has no legal powers to intervene in which books are available in UK schools, it is a matter for the UK and for schools.

'The European Parliament committee report - which anyway represents just the committee's view - does not suggest banning books.

'And even in areas where it does call for EU level action and where that is legally possible, that can only be done if the Commission makes a proposal - it hasn't - and if the European Parliament as a whole and a large majority of member states then adopt it.'


Levar no pacote é que é bom, inovador, igualitário e empreendedor.
Ide, então...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 08, 2012, 05:18:27 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 08, 2012, 05:58:34 pm
Meus caros,


É com *muito agrado* que constato que há quem neste fórum também esteja "acordado"... :)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 08, 2012, 07:17:39 pm
(E, bem a propósito do que falava...)

Segue-se uma colocação que aqui fiz há pouco, e que foi apagada (pelos vistos, devido a uma regra que desconhecia, de não se poderem fazer colocações sobre chamadas "teorias da conspiração", mesmo na dita "área livre") e que penso que aqui, como comentário, neste que suponho que seja o canto dos chamados "maluquinhos das conspirações" - como vejo escrito - não deverá constituir problema... ;)




------ "Militares norte-americanos acusam governo de autoria do 11/9" ------


(E não são os únicos (http://http)...)


[Um artigo, já com 10 anos de existência, que foi publicado num jornal feito para a comunidade britânica residente em Portugal:]


http://www.theportugalnews.com/news/view/663-6 (http://www.theportugalnews.com/news/view/663-6)


September 11 - US Government accused

in General · 03-08-2002


A Portugal-based investigative journalist has presented THE NEWS with version of the September 11th attacks that has to date failed to attract the attention of the international press. The report, compiled by an independent inquiry into the September 11th, World Trade Centre attack, warns the American public that the government’s official version of events does not stand up to scrutiny.

A group of military and civilian US pilots, under the chairmanship of Colonel Donn de Grand, after deliberating non-stop for 72 hours, has concluded that the flight crews of the four passenger airliners, involved in the September 11th tragedy, had no control over their aircraft.
In a detailed press communiqué the inquiry stated: “The so-called terrorist attack was in fact a superbly executed military operation carried out against the USA, requiring the utmost professional military skill in command, communications and control. It was flawless in timing, in the choice of selected aircraft to be used as guided missiles and in the coordinated delivery of those missiles to their pre-selected targets.”
The report seriously questions whether or not the suspect hijackers, supposedly trained on Cessna light aircraft, could have located a target dead-on 200 miles from take off point. It further throws into doubt their ability to master the intricacies of the instrument flight rules (IFR) in the 45 minutes from take off to the point of impact. Colonel de Grand said that it would be impossible for novices to have taken control of the four aircraft and orchestrated such a terrible act requiring military precision of the highest order.
A member of the inquiry team, a US Air Force officer who flew over 100 sorties during the Vietnam war, told the press conference: “Those birds (commercial airliners) either had a crack fighter pilot in the left seat, or they were being manoeuvred by remote control.”
In evidence given to the enquiry, Captain Kent Hill (retd.) of the US Air Force, and friend of Chic Burlingame, the pilot of the plane that crashed into the Pentagon, stated that the US had on several occasions flown an unmanned aircraft, similar in size to a Boeing 737, across the Pacific from Edwards Air Force base in California to South Australia. According to Hill it had flown on a pre programmed flight path under the control of a pilot in an outside station.
Hill also quoted Bob Ayling, former British Airways boss, in an interview given to the London Economist on September 20th, 2001. Ayling admitted that it was now possible to control an aircraft in flight from either the ground or in the air. This was confirmed by expert witnesses at the inquiry who testified that airliners could be controlled by electro-magnetic pulse or radio frequency instrumentation from command and control platforms based either in the air or at ground level.
All members of the inquiry team agreed that even if guns were held to their heads none of them would fly a plane into a building. Their reaction would be to ditch the plane into a river or a field, thereby safeguarding the lives of those on the ground.
A further question raised by the inquiry was why none of the pilots concerned had alerted ground control. It stated that all pilots are trained to punch a four-digit code into the flight control’s transponder to warn ground control crews of a hijacking - but this did not happen.
During the press conference Captain Hill maintained that the four airliners must have been choreographed by an Airborne Warning and Control System (AWACS). This system can engage several aircraft simultaneously by knocking out their on-board flight controls. He said that all the evidence points to the fact that the pilots and their crews had not taken any evasive action to resist the supposed hijackers. They had not attempted any sudden changes in flight path or nose-dive procedures - which led him to believe that they had no control over their aircraft.
THE NEWS, in an attempt to further substantiate the potential veracity of these findings, spoke to an Algarve-based airline pilot, who has more than 20 years of experience in flying passenger planes, to seek his views. Captain Colin McHattie, currently flying with Cathay Pacific, agreed with the independent commission’s findings. However, he explained that while it is possible to fly a plane from the ground, the installation of the necessary equipment is a time-consuming process, and needs extensive planning. THE NEWS will publish a full interview with Captain McHattie in next week’s edition.
The FBI also came in for criticism for the various pieces of contradictory evidence it has published regarding the suspects. Questions are now being asked as to how incorrect information was given out regarding the ID cards of the suspects, and the seat numbers they supposedly occupied after boarding the flights.
None of the suspects named by the FBI appeared on any of the official passenger lists. A further point was how the FBI had managed to retrieve the passport of one of the suspects amid the molten and twisted remains of thousands of tons of steel and rubble brought about by the Twin Towers collapse.
Dr. Paul Roberts, former Assistant Secretary of the US Treasury, and presently Senior Research Fellow at Stamford University, has lent his support to the independent inquiry findings. He also claims that Osama Bin Laden was not responsible for September 11th. The doctor has challenged President Bush to make public the so-called “irrefutable evidence” incriminating Bin Laden.
Colonel Donn de Grand said that if President Bush is lying it would not be the first time that the American people had been mislead by its government. He cited the recently published official government archives describing President Roosevelt’s duplicity in deceiving Americans about the Japanese attack on Pearl Harbour, which triggered the US entry into WWII.
He also highlighted the role of the country’s government in misleading its citizens in respect of the Bay of Pigs invasion in Cuba, and the events that brought about the Spanish American war in the late 19th, century. “Whilst considering who committed this act of war on September 11th,” he said, “albeit Russia, China, an Islamic country or NATO, we must also consider that the enemy may well be within the gates.
“Not for the first time the American public might be being mislead, by those with ulterior motives, into lending its support to a war, this time against Iraq, that has no bearing whatsoever on the interests of the people of the USA.”
So far the mainstream American news media has failed to publish or broadcast any details regarding the independent inquiry. Similarly, the White House, whilst having received a copy of the report, has remained silent on its findings.


[Uma breve síntese de uma conferência de imprensa conjunta - de cientistas, oficiais militares (alguns pilotos) e artistas - sobre o assunto:]




[E dois grupos que foram formados nos EUA - um de pilotos e outro de oficiais militares - que lutam por saber a Verdade sobre estes atentados:]


"Pilots for 9/11 Truth" (http://http)
"U.S. Military Officers for 9/11 Truth" (http://http)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 09, 2012, 09:34:55 am
Uma outra colocação que vejo que foi apagada... Esta, uma que compreendo que o tenha sido, pois não apresenta fontes que se possam confirmar, relativamente ao que é dito. (Sendo os artigos em causa apenas para quem já conhece bem o autor e sabe da sua credibilidade.)




------ "Sabem o que são armas mini-nucleares?" ------


[Se não sabem, fica aqui uma introdução ao assunto... O texto que se segue foi escrito por um ex-agente dos serviços secretos de um dos muito poucos países no Mundo que possuem esta tecnologia. > Fernando Negro]


http://www.danielestulin.com/2010/07/04 ... -atomicas/ (http://www.danielestulin.com/2010/07/04/armas-mini-nucleares-municiones-especiales-de-demolicion-atomicas/)


Armas Mini Nucleares Parte I y II corregidas - Municiones especiales de demolición atómicas

JUL 04 2010


Agradecimientos: Gracias a Gerardo Segade por corregir la gramática de los dos artículos sobre bombas mini nucleares. Los colgamos de forma conjunta.

Hoy nos toca hablar de armas mini-nucleares. En EE.UU. se llaman SADMs por su acrónimo en inglés. Por error, muchos piensan que se trata de SMALL ATOMIC DEMOLITION MUNITIONS (Municiones de Demolición Atómicas Pequeñas). En realidad, se trata de (SPECIAL ATOMIC DEMOLITION MUNITIONS, es decir municiones especiales de demolición atómicas). El término “mini-bombas”, es un término popular. Por lo general, se refiere a una carga nuclear portátil, diseñada para explotar con un potencial destructivo variable, como mínimo de 0,010 kt (10 toneladas de TNT), o 0,015 kt (15 toneladas de TNT), así como 0,1 kt (100 toneladas de TNT); 0,2 kt (200 toneladas de TNT); 0,3kt, 0,4 kt, 0,5 kt, etc. hasta 1 kilotón (1.000 toneladas de TNT). El potencial destructivo está determinado por el usuario final de forma manual.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.danielestulin.com%2Fwp-content%2Fuploads%2F143837682_2981e48dfc.jpg&hash=2c60df5f2c6d011c55940ea71ce2b472)

La primera generación de estas mini-bombas nucleares con un rendimiento razonablemente pequeño –entre 2 y 5 kilotoneladas– se desarrolló en los años 50 sin ninguna razón maliciosa. Las primeras mini-bombas nucleares fueron diseñadas para ayudar a los ingenieros de combate a demoler los objetos grandes, como los puentes, que eran simplemente demasiado grandes para ser demolidos por una cantidad razonable de explosivos convencionales.

Luego, en los años 60, apareció una nueva generación de mini-nukes en las cuales se implementó un sistema de implosión.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.danielestulin.com%2Fwp-content%2Fuploads%2F190px-Mini_Nuke.png&hash=415376e9fac17037260f388a5318b42d)

En los años 70 y 80 las mini-bombas nucleares llegaron a ser mucho más pequeñas que antes debido al uso del plutonio 239, en lugar de uranio 235. Esto hizo posible lograr que el peso de la 3ª generación de mini-bombas nucleares fuera de poco más de 6 kg y de tamaño tan pequeño como el de una granada de mano. Esta generación de mini-bombas nucleares podrían llamarse verdaderamente “maletines nucleares” ya que una de estas armas podría caber en un pequeño maletín.

Con todo lo que ya sabemos de armas atómicas, lo importante para nosotros es saber si en el caso de una explosión atómica: ¿existe una forma de determinar quién está detrás del ataque?

La respuesta es: por supuesto que sí. Existen formas fáciles de diferenciar las armas de 2ª generación y las pequeñas mini-bombas nucleares de la 3ª generación, incluso después de su explosión. Las viejas “mini-nukes” utilizan uranio-238 en su reflector, así que después de una explosión nuclear, se puede encontrar en su residuo uranio-238. Las mini-nucleares modernas no utilizan uranio sino sólo plutonio, algo que está completamente fuera del alcance de cualquier grupo terrorista. Así que, si las autoridades atribuyen la explosión de la última generación de una bomba mini-nuclear a Al-Qaeda, Bin Laden o a Hezbolá, una persona razonable de inmediato debe entender que sus percepciones y la realidad se están siendo manipuladas.

¿Por qué?

Porque para producir una explosión atómica utilizando plutonio 239, uno necesitaría unir las dos piezas de plutonio con velocidad de 12 kilómetros por segundo. Repito, solamente cuatro países tiene la capacidad tecnológica para producir armas atómicas de tercera generación: Rusia, EE.UU., Israel y Francia. China e India pueden producir armas de 2ª generación. Aún así, ni China ni tampoco la India podrían producir un mini-atentado. Uno con el potencial de destrucción de Hiroshima sí, pero nunca un mini-atentado.

¿Por qué 12 kilómetros por segundo?

Los científicos tuvieron la suerte de observar que la velocidad de las ondas de detonación dentro de los metales es de aproximadamente 6 kilómetros por segundo; así que detonando dos cargas convencionales en ambos lados de un elemento metálico y dejando que las dos ondas de detonación se propaguen una hacia la otra, su velocidad combinada sería exactamente de 12 km/seg. Esto podría utilizarse para comprimir plutonio-239 en una masa crítica. Esta invención fue la única solución que permitió a los científicos nucleares evitar los problemas técnicos y ser capaces de detonar plutonio-239.

Otra cosa a tener en cuenta es que todas las cargas (charges en inglés) basadas en plutonio utilizan el método de implosión, donde se comprime una masa levemente sub-crítica de plutonio-239 en una masa crítica por explosiones simultáneas bien calculadas de materiales explosivos convencionales (well-calculated simultaneous explosions of conventional explosive materials en inglés) con las cargas que se colocan de forma simétrica alrededor de un núcleo de plutonio. El problema utilizando el método de la implosión, es que las cargas de implosión deben calcularse con altísima precisión, y esto no se puede lograr ni en mi cocina, ni dentro de una cueva de cinco estrellas en Afganistán.

Los detonadores que se necesitan para detonar todas estas cargas explosivas convencionales, alrededor del núcleo de plutonio, tienen que ser sincronizados con precisión en un nivel de microsegundos (incluso una sincronización del nivel de 1 milisegundo no es suficiente). Si estas cargas de implosión se detonaran de forma asincrónica, la onda de detonación que se necesita para comprimir el plutonio desde todas las direcciones, destruiría en cambio el núcleo de plutonio, resultando que la carga nuclear se hace inútil. Repito que solamente unos pocos países desarrollados poseen una tecnología tan precisa que les permite producir armas nucleares basadas en plutonio. Y solamente Rusia, EE.UU. e Israel son capaces de miniaturizar esas armas nucleares a un tamaño adecuado para caber en un maletín nuclear. Para ilustrar lo difícil que es miniaturizar una carga basada en plutonio al tamaño indicado os pongo un ejemplo: la India, que se ha embarcado en el desarrollo de armas nucleares de plutonio desde los años 50 –puesto que no tiene uranio y todas sus armas nucleares están basadas en plutonio– y a pesar de sus considerables recursos financieros e intelectuales consignados en el marco de un programa nacional amplio y ambicioso, no fue capaz de producir una carga nuclear viable basada en plutonio antes de mediados de los años 70.

Más adelante hablaremos de los atentados de Oklahoma City y Bali.

Daniel Estulin


Segunda Parte

En primer lugar los antecedentes del atentado de Oklahoma City. Según los medios de comunicación, la versión oficial del atentado es la siguiente:

A las 9:02 de la mañana del miércoles 19 de abril de 1995, en la calle frente al Edificio Federal Alfred P. Murrah, un camión alquilado de la firma Ryder con una carga de alrededor de 2.300 kg de explosivos caseros detonó. La bomba estaba compuesta de nitrato amónico mezclado con combustible y nitrometano, un combustible altamente volátil; a esta mezcla se la conoce comúnmente como ANFO (por sus siglas en inglés: Amonium Nitrate and Fuel Oil).

Noventa minutos después de la explosión Timothy McVeigh, un veterano de la primera Guerra del Golfo, fue arrestado mientras viajaba hacia el norte lejos de Oklahoma City por conducir sin permiso de circulación. En el juicio a McVeigh, el gobierno estadounidense declaró que la motivación del atentado fue vengar la tragedia de Ruby Ridge (1992) y la masacre de los Davidianos en Waco (1993). En ambos casos, McVeigh culpaba a los agentes federales del Gobierno de las muertes violentas que allí se produjeron.

El atentado de Oklahoma destrozó la tercera parte del edificio, borró de la faz de la tierra la fachada completa y causó un cráter de 9 metros de ancho y 2,4 metros de profundidad. El atentado destrozó y/o dañó !324¡ edificios en un radio de 16 manzanas, además destrozó o quemó ¡86 coches! alrededor del atentado. El resultado fue de 168 muertos y más de 850 heridos. Los efectos de la explosión se sintieron a una distancia de 89 kilómetros. La mayoría de los heridos sufrieron ¡quemaduras graves!. Según las autoridades, el efecto de los atentados fue el equivalente a 1.814 kilos de TNT. Los sismógrafos en el museo Omniplex en Oklahoma City situados a una distancia de 7 kilómetros y en Norman (Oklahoma) situados a 26 kilómetros registraron la explosión en !3.0¡ en la escala Richter.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.danielestulin.com%2Fwp-content%2Fuploads%2FNuclear1.jpg&hash=19657bd1051b8dbab3c435de3510ec5b)

Un número importante de testigos confirmaron además a los medios de comunicación estadounidenses que sus ordenadores dejaron de funcionar debido a que los circuitos electrónicos quedaron calcinados. Los lectores astutos, deberían de saber que los circuitos ardieron debido al Pulso Electromagnético. Más informacirón aquí en inglés (http://webfairy.org/haarp/beamweapon.htm (http://webfairy.org/haarp/beamweapon.htm)).

Aún más llamativo, ha sido el uso de una frase extraña por los medios de comunicación y agentes federales. Los medios de comunicación se refirieron al punto de ataque como GROUND ZERO/ZONA CERO. Un tal G.Z. Heuston se había referido al punto de explosión en su articulo titulado “The Oklahoma Bombing Part 2–A Walk Trough Ground Zero.”

Ahora, os explico lo que sucedió en Oklahoma City. Eso nos ayudaría a entender lo que pasó en la terminal de Barajas T4, otro atentado que los medios de comunicación y el gobierno achacaron a los terroristas, aunque esta palabra “terrorista” (yo y ellos) lo entendemos de forma bastante distinta.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.danielestulin.com%2Fwp-content%2Fuploads%2FOKC-11.jpg&hash=98f68c376a23b7c4c375a71f20d084ee)

1. Los coches-bomba no dejan ningún cráter. Los cráteres se producen como resultado de alguna carga explosiva enterrada bajo tierra. Como ya hemos visto en las fotos de mi primer artículo sobre bombas atómicas, ningún coche bomba, incluso si se coloca una bomba nuclear en un camión y se detona –incluso en este caso– no causaría ningún cráter.

2. Los explosivos convencionales no queman coches alrededor de la explosión, es una característica típica de la radiación térmica de una explosión nuclear.

3. Los explosivos convencionales, incluso una bomba tan grande como dos toneladas métricas de TNT, no causan bajas masivas en una escala como la que se muestra en Oklahoma City. Dos toneladas de explosivos convencionales, podrían causar como mucho dos o tres docenas de víctimas. En el caso de OKC no había metralla, así que las muertes solamente podrían haber sido resultado únicamente de la explosión.

4. Las explosiones convencionales no causan quemaduras a las víctimas –es una característica típica de una explosión nuclear– debido a que las quemaduras son causadas por la radiación térmica.

5. Los explosivos convencionales no causan Pulso Electromagnético capaz de quemar circuitos electrónicos.

6. Los explosivos convencionales en una cantidad inferior a dos toneladas métricas en el equivalente de TNT nunca serían capaces de causar daños en la medida demostrada en OKC al Alfred P. Murray. Los daños en Oklahoma corresponden a una carga de por lo menos 10 bombas de 10 toneladas cada una de la aviación moderna… o a una bomba MINI-NUCLEAR lista para explotar con un potencial destructivo precalculado de 0,1 kilotoneladas.

7. Los lugares de las explosiones convencionales nunca se llaman “zona cero”.

8. Los sismógrafos no pueden detectar explosiones de coches-bomba, y ni hablar además de una magnitud de 3.0 en la escala Richter –debido a que los coches-bomba no comunican a tierra ninguna energía. Solamente cargas enterradas o por lo menos parcialmente enterradas podría causar una señal sísmica perceptible.

9. Una carga profundamente enterrada crearía las siguientes señales sísmicas cuando estalla: 4,6 toneladas de TNT: 2,5 escala Richter; 29 toneladas de TNT: 3,0; 73 toneladas de TNT: 3,5… y un arma mini-nuclear con un potencial destructivo de 0,1 kilotoneladas: 4. Por lo tanto, un 3,52 en la escala de Richter es típico de un arma mini-nuclear de 0,1 kt, que es el equivalente a 100 toneladas métricas de TNT. Sin embargo, si las cargas no están enterradas a un nivel demasiado profundo, la señal sísmica producida por la explosión será mucho menor.

10. Teniendo en cuenta que 2.300 kg de fertilizante –que es el equivalente a 1,8 toneladas de TNT– aún enterrados nunca serán capaces de registrar un señal sísmica de 3,0 (y encima de un camión no se produce ninguna señal sísmica en absoluto), y teniendo en cuenta que ni 0.01 kt, ni siquiera 0.015 kt –es decir, la variación más baja de una mini-bomba nuclear en potencial destructivo– sería suficiente para causar una señal sísmica de 3,0 de magnitud, se debe presumir que fue una mini-bomba nuclear parcialmente enterrada la que explotó, con una capacidad de al menos 0,1 kt, causando el destrozo total de la fachada del Alfred P. Murrah (y otros 324 edificios en un radio de 16 manzanas), quemando coches alrededor, causado víctimas mortales en masa, el cráter y lanzando polvo contaminado por radiación, además de producir la señal sísmica de 3,0 en la escala Richter.

Mañana más.

Daniel Estulin


Publicado por Daniel Estulin (http://http) a las 8:10 AM




------ (e um comentário que acrescentei à colocação) ------


http://www.danielestulin.com/2011/03/11 ... o-existen/ (http://www.danielestulin.com/2011/03/11/atentados-atomicos-las-coincidencias-no-existen/)


Atentados atómicos: Las coincidencias NO EXISTEN

MAR 11 2011


Hace varios meses os estaba comentando la verdadera historia de los acontecimientos acerca de los atentados en el Club el Nogal de Colombia (http://http). Según la version oficial de ensemana.com (http://http), terra.com.co (http://http), entre muchos otros medios nacionales, “el viernes 7 de febrero de 2003, hacia las 8 de la noche, un coche bomba estalló dentro de las instalaciones del Club El Nogal al norte de Bogotá.”

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.danielestulin.com%2Fwp-content%2Fuploads%2Fa454377fa509495db50a9ed63f705fb2.jpg&hash=ce540ec84fdac12a5eb2ff14bfa1b49a)

Ahora resulta que la semana pasada, las autoridades colombianos reportaron la captura de Herminsul Arallán, alias ‘Pedro’, el “autor material de la bomba en el Club El Nogal,”que dejó 36 personas muertas y 160 heridas. ‘Pedro’ fue capturado a las 7:30 de la mañana del sábado, 5 de marzo, 2011 en el municipio de La Macarena…

Por su parte el ministro de Defensa, Rodrigo Rivera, informó desde Montería detalles de la captura de este delincuente que ya había sido juzgado, en ausencia, y condenado a más de 480 meses de prisión por los delitos de terrorismo y homicidio agravado, tentativa de homicidio y rebelión. Arellán era tío de John Freddy Arellán, el instructor de squash que trabajaba en el club ingresó el carrobomba. Según las autoridades alias ‘Pedro’ fue el responsable del reclutamiento de los autores materiales del atentado terrorista. Finalmente, los medios de comunicación de masa añaden que Arallán era un experto en explosivos de las Farc y se encontraba bajo extrema protección de guerrilleros de la columna móvil Teófilo Forero del grupo insurgente.

Cómo ya he dicho en varias ocasiones, en el mundo del espionaje, las coincidencias no existen. No es una cosa de Hollywood que repito ad nauseum, Es al revés. Hollywood nos lo copió a nosotros, los espías. Existen operaciones bien montadas y chapuzas. Lo de Victor Bout era una chapuza con mayúscula. Por eso tardaron tanto en extraditarle. La “captura” de Arallán, viene justo en el momento cuando Perú empieza a darse cuenta que los atentados de Miraflores de 1992 era bomba nuclear de la DEA y no trabajo de Sendero Luminoso gracias a mis escritos y entrevistas. La noticias de la captura de Arallán, viene tres semanas después de la salida de Imperio Invisible donde explico sin tapujos y con lógica absoluta la diferencia entre una bomba nuclear y explosión convencional.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.danielestulin.com%2Fwp-content%2Fuploads%2F21pakistan_xlarge1.jpg&hash=850bf758debc231a9dc19161ae6b6b2c)

Os recuerdo que los “atentados terrorista” contra Hotel Marriott en Pakistán sucedieron 8 días después de que mi compadre, Dimitri Khalezov había enviado al Departamento de Estado Norteamericano el borrador de su libro sobre 11-S y bombas atómicas. Americanos volaron el hotel, o mejor dicho se lo quemaron, cavando un cráter (¡irregular!) delante del hotel para que se pareciera como si fuera una bomba (convencional).

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.danielestulin.com%2Fwp-content%2Fuploads%2Fpakistanbomb.jpg&hash=8e098824928642aec51f7626994e8bf9)

Las pistas sobre el atentado de el Nogal están dentro del artículo de ensemana.com donde pone en negro sobre blanco que “la explosión abrió un cráter.” Confío que todos los lectores de la página se han forjado una gran amistad con sus cerebros, así que deberíamos de entender que cráter y coche bomba son antónimos y no sinónimos.

http://www.ensemana.com/articulo/20110306_7110866.asp (http://www.ensemana.com/articulo/20110306_7110866.asp)

“El atentado al prestigioso club, en el que resultaron heridas unas 200 personas entre empleados, socios y particulares fue perpetrado por John Freddy Arellán, un instructor de Squash del club que se infiltró en el edificio ingresando un automóvil cargado con 200 kilogramos de explosivo C4 y amonio. Arellán, de 26 años y enviado por las Farc para detonar la carga, murió en el atentado. Lo que buscaba con el poder destructivo ese carro bomba era desaparecer el club. La explosión abrió un cráter, desde el primer sótano de parqueaderos hasta el octavo piso. Se tuvo que reconstruir entre el 45 y 50 por ciento del club”, recuerda Jorge Gómez, presidente actual del club.

Miraflores (DEA), embajada de Israel en Argentina (Mossad), el Nogal (DEA), Oklahoma City (CIA), el Khobar, los doble atentados contra embajadas norteamericanas en África (¿Qué fecha/aniversario?), Bali (Mossad), Hariri (Mossad), Madrid T4 (Servicios espionaje francés/español), NYC Torres 1,2,7(gobierno americano)

Os dejo con dos articulos espeluznantes en inglés acerca de los atentados nucleares.

Primero, lo que les espera a los bomberos de Barajas dentro de unos pocos años: muerte segura de leucemia. El articulo de CNN lo admite.

http://edition.cnn.com/2011/HEALTH/03/0 ... refighter/ (http://edition.cnn.com/2011/HEALTH/03/02/new.york.firefighter/)

El segundo, sugiero que la gente lo lea muy despacio. Sin revelar el contenido, prometo un fin de semana muy inquetante, sobre todo si uno se detiene para pensar en el contenido de este artículo.

http://www.cuttingedge.org/news/n1753.cfm (http://www.cuttingedge.org/news/n1753.cfm)


Publicado por Daniel Estulin (http://http) a las 1:12 PM
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 09, 2012, 06:49:22 pm
Conheçam o verdadeiro Marechal Tito...

http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=154229.0 (http://forum.prisonplanet.com/index.php?topic=154229.0)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 09, 2012, 06:59:11 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 09, 2012, 07:15:14 pm
Preparem-se como puderem, para o que aí vem:

http://blackfernando.blogspot.pt/2012/0 ... coisa.html (http://blackfernando.blogspot.pt/2012/01/2012-ira-acontecer-alguma-coisa.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 09, 2012, 07:17:52 pm
"Leiam enquanto podem..."

http://blackfernando.blogspot.pt/2011/0 ... podem.html (http://blackfernando.blogspot.pt/2011/06/leiam-leiam-enquanto-podem.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Miguel em Novembro 09, 2012, 08:51:20 pm
Palhaço de Fernando Parolo, devias de ser suspenso expulso.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: scrupulum em Novembro 09, 2012, 10:25:09 pm
Citação de: "Miguel"
Palhaço de Fernando Parolo, devias de ser suspenso expulso.


Não é bonito insultar assim as pessoas  :roll:
O Fernando devia ser expulso ou suspenso porquê ? so se for por publicar comentarios demasiado extensos e ...complicados.
Sera isso um delito ?
Quem nao quizer lêr, nao leia...homessa !
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 10, 2012, 09:59:28 am
Oh, não se preocupe, Miguel...

Não estou aqui para convencer ninguém e já cá não fico neste fórum por muito mais tempo.

Não sou eu quem tem filhos que irão ser escravizados ou morrer de fome, nem sou eu um daqueles que acham que um dia virá um qualquer D. Sebastião que irá salvar tudo isto. ("Tudo" = este país de panhonhas e cobardes, que, por pior que fiquem as coisas, nada fazem para resolver os problemas.)

Tenho coisas melhores que fazer do que tentar desincentivar pessoas que se querem atirar de um precipício abaixo.

Tenho apenas mais uma colocação que quero fazer e também, dentro de 3 semanas, um comentário, e depois disso só cá deverei voltar para esclarecer quaisquer dúvidas que alguém possa ter relativamente ao que eu aqui disse.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 10, 2012, 10:49:40 am
Já encontrei um documento bastante interessante para mim graças ao blog em questão:

 :arrow: http://www.cnpce.gov.pt/archive/doc/Res ... gencia.pdf (http://www.cnpce.gov.pt/archive/doc/Reservas_Alimentares_Emergencia.pdf)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Miguel em Novembro 10, 2012, 10:53:23 am
Quem meteu Portugal no estado em que esta ou seja bancarota, foi a escumalha socialista/comunista depois da abrilada vaidosa de 74.

Viveu-se a grande e a francesa com o dinheiro dos passados, dos outros e das geraçoes futuras.

Agora vieram os credores para pedir as continhas. :mrgreen:

Claro que havia defeitos no antigo regime de Marecelo Caetano, isto é UMA TRAGEDIA PORTUGUESA. Por culpa de uma minoria de coruptos malandros e mafiosos.

O povo que abre os olhos!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 10, 2012, 12:55:37 pm
Esqueceste o PSD e o PP.

Aqui não há santos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 18, 2012, 03:48:15 pm
Pinto Balsemão admite que será necessário "limitar desinformação" da Internet

http://www.ionline.pt/portugal/pinto-ba ... a-internet (http://www.ionline.pt/portugal/pinto-balsemao-admite-sera-necessario-limitar-desinformacao-da-internet)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Novembro 18, 2012, 05:25:09 pm
Deve ter sido uma decisão consensual na ultima reunião do Clube Bilderberg a que ele foi...  
Não se admirem se o Fórum Defesa "for abaixo".
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Novembro 18, 2012, 06:07:19 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Esqueceste o PSD e o PP.

Aqui não há santos.


tá calado comuna  :twisted:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Novembro 18, 2012, 06:48:58 pm
Citação de: "HSMW"
Deve ter sido uma decisão consensual na ultima reunião do Clube Bilderberg a que ele foi...  
Não se admirem se o Fórum Defesa "for abaixo".


Então isso não era coisa de maluquinhos da conspiração e outros que tais  :mrgreen:

Já vai para um tempo que essa ideia é mandada ao ar com base na bela teoria da balcanização da Net e da ameaça que a mesma é para a "Democracia" (aka essa malta e o sistema que vai mentendo os "aminais" sossegadinhos nos seus curros). Não é de surpreender, principalmente aos que andam mais atentos a certas coisas, esse movimento e o sentido que a coisa está a levar mas desde que não censur.... err.... quer dizer, limitem a desinformação, de programas como a casa dos segredos ou o site porno favorito da malta, a coisa vai andando.

Para nota, este tipo de ameaças não se combate com Leo 2A5785695+ Superfudereitor nem com U-209PN de hipercavitação ou mesmo com uma battleship Klingon. Isso é tralha completamente inutil se a malta não tiver Conciência, aquele tipo de Conciência que dá identidade a um Povo e que forma uma Sociedade e Nação, com valores e sentido do que realmente são as ameaças à sua existencia como Homens Livres. O resto é palavreado de papagaio que, por muito bem que palre.........
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Novembro 18, 2012, 07:27:17 pm
O problema é que nem tudo o que se lê na net tem credibilidade.
crazies para tudo e há que saber filtrar o lixo que se lê.
Se uns expõem as sociedades secretas e jogos políticos através de artigos com sentido, outros ridicularizam este tipo de ideias.

No outro dia era um brasileiro a afirmar que o milagre de Fátima era uma fraude e a irmã Lúcia tinha sido trocada por outra pessoa, isto com base em fotografias...
O que vale é que o mundo acaba no próximo mês...
 :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 18, 2012, 09:30:26 pm
Citação de: "HSMW"
O problema é que nem tudo o que se lê na net tem credibilidade.
crazies para tudo e há que saber filtrar o lixo que se lê.
Se uns expõem as sociedades secretas e jogos políticos através de artigos com sentido, outros ridicularizam este tipo de ideias.

No outro dia era um brasileiro a afirmar que o milagre de Fátima era uma fraude e a irmã Lúcia tinha sido trocada por outra pessoa, isto com base em fotografias...
O que vale é que o mundo acaba no próximo mês...
 :mrgreen:

Sempre foi assim, desde que há política. Sempre houve necessidade de se filtrar a informação mas para isso é preciso primeiro ter a consciência que a propaganda está em todo lado e que a peneira que nos permite uma melhor leitura dos acontecimentos vai sendo construida ao longo do tempo e que essa peneira não nos torna imunes ao erro.
Há peneiras que vale a pena ter e essa é uma delas.
O importante mesmo é acordar para a necessidade de a ter.

A vantagem da net é que - para além do gajedo - é possível cruzar informação como nunca dantes e muito dos lugares comuns que nos impigiram na escola em em casa começam a cair por terra, desta vez com factos e não com lirismos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 18, 2012, 10:13:51 pm
Citação de: "HSMW"
Não se admirem se o Fórum Defesa "for abaixo".
A propósito disso, aproveito para copiar para aqui uma mensagem que enviei a um dos moderadores deste fórum com o qual troquei algumas palavras e que reenviei para o "webmaster" do mesmo.

Citar
"Venho só informá-lo de que já terminei a série de tópicos que queria ter iniciado neste fórum e informá-lo também de algo importante, com estes mesmos tópicos relacionado. Que é o de que eu já vi fóruns nos quais participei, onde se fala do tipo de assuntos de que eu aqui falei, serem atacados. (Apenas "hackados" e não eliminados...) Por essa razão e não só, se ainda não o fazem, venho só recomendar que façam cópias de segurança regulares deste vosso.

"Cumprimentos,

"*****************"


Sobre a filtragem que tem de se fazer, da informação que existe na Internet sobre esta temática, isso é bem verdade... Existem *toneladas* de desinformação. Quando se começa a falar em sociedades secretas, então...

Sobre essa mesma desinformação, posso dizer que ando há quase 10 anos a filtrá-la e, se quiserem saber dos resultados dessa mesma filtragem, podem espreitar aqui (http://http) o que eu disse sobre o assunto, há uns meses atrás, e também os comentários que fiz a propósito de esta (http://http) colocação.


E, já o disse aqui e reitero-o...

É, em muito, reconfortante saber que há mais pessoas - acima de tudo, num fórum como este - que já têm os olhos bem abertos. :)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Novembro 18, 2012, 11:00:02 pm
Relativamente às sociedades secretas haveria uma maneira de lhes retirar uma grande parte do seu poder. E essa maneira era ter uma democracia directa. Ou pelo menos o mais directa possivel, um pouco por exemplo como acontece na suíça.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 18, 2012, 11:44:33 pm
Citação de: "Fernando Negro"
É, em muito, reconfortante saber que há mais pessoas - acima de tudo, num fórum como este - que já têm os olhos bem abertos. :twisted:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 19, 2012, 11:31:06 am
Citar
Francisco Pinto Balsemão, presidente da SIC, disse que na Internet, incluindo nas redes sociais, nos anos mais recentes, são veiculadas informações com importância noticiosa, mas referiu que, “misturado com isto tudo, há rumores que nunca são confirmados”.

É infelizmente absolutamente evidente que existe um nível de desinformação na Internet que atinge níveis tais, que coloca em causa o próprio sentido da Liberdade de Expressão.

Os próprios partidos politicos possuem gabinetes desenvolvidos com o objetivo de criar notícias falsas ou inventar falsidades laterais, para tentar desacreditar factos.

O mais eficiente parece ser o gabinete do Partido Socialista.
Após a catástrofe que se seguiu a 2008, quando o descarrilamento total da economia era já imparável e já se sabia que Portugal entraria em bancarrota (como efetivamente veio a entrar em Maio de 2011), começaram a ouvir-se criticas ao deficit excessivo e à loucura socrática, de pedir mais dinheiro emprestado quando sabia que não tinha como pagar.

O centro de desinformação e propaganda do largo do rato, começou a lançar cá para fora a frase «o Cavaco é o pai do deficit»

Esta simples frase, destinava-se a deitar as culpas da situação no presidente da republica, ao mesmo tempo que se desculpava o Sócrates.
Ora, como quem estude minimamente economia sabe, o Cavaco, já depois de sair do governo publicou um livro sobre o problema do deficit e ficou célebre a frase «estamos a criar um monstro».
Na altura os mesmos socialistas ridicularizaram a afirmação do ex-primeiro ministro Cavaco, e continuaram a gastar alegremente.

Mas nos dias de hoje, quem ouvir conversas de transportes públicos, ainda ouve muita gente utilizar essa frase.
É uma frase mentirosa, desprovida de qualquer suporte histórico, baseada no facto de durante o governo de Cavaco, também ter existido um deficit (que na altura estava controlado) [1].

Como a maioria das pessoas não entende nada do que se passa, só se queixa quando há greve ou quando cortam um subsidio, o gabinete de propaganda socialista registou uma grande vitória, ao ter através da desinformação e com uma meia (ou um décimo de) verdade conseguiu que muita gente ficasse a pensar que a culpa era do Cavaco.


Mas o problema da desinformação não é de agora. Ainda há uns dias atrás, quando completei um pequeno artigo sobre o golpe de estado de 14 de Maio de 1915 fiquei espantado com o nível de desinformação que existe sobre o que foi o mais sangrento golpe e a mais sangrenta revolução em Lisboa, no século XX.
O incidente foi organizado pela Maçonaria, provocou a intervenção espanhola que mandou para Lisboa o seu mais poderoso navio de guerra e a maioria dos mortos foi resultado da entrega de armas aos civis, que em vez de darem um golpe de estado dedicaram-se durante o fim de semana a ajustar contas com os inimigos e a roubar lojas.

O primeiro ministro, Pimenta de Castro, tinha marcado a data das novas eleições e tinha dissolvido o parlamento (algo que hoje seria normalíssimo), mas por isso foi taxado de Ditador e o periodo de três meses do seu governo foi designado «ditadura de Pimenta de Castro».
Estava assim justificado o golpe, que apenas serviu para a maçonaria mais radical (Grande Oriente Lusitano) tomar o poder de assalto, utilizando a sua tropa de choque (formiga branca) com o apoio da Marinha, que parece estar sempre pronta para disparar os canhões dos barcos sobre Lisboa.

No site da fundação Mario Soares, continua a falar-se na Ditadura de Pimenta de Castro.
Dos livros de História de Portugal publicados depois de 25 de Abril, o golpe de 14 de Maio praticamente desapareceu.
Apenas uma edição da História de Portugal publicada em 1958, dedica três ou quatro páginas à descrição dos acontecimentos, quando as outras apenas lhe dedicam um parágrafo.




A internet, potência e amplia estes fenómenos. E não apenas com desinformação, muitas vezes com mentiras puras e simplesmente mentiras.
A somar a isto há as teorias da conspiração, muitas delas completamente disparatadas, outras provadas falsas, outras facilmente desmontáveis.
Mas as pessoas gostam de uma boa teoria da conspiração.

E quando uma mentira não se comprova, é sempre mais facil dizer que foi a censura imposta pelos Bilderbergers, pela Maçonaria e por aí fora.
Esses grupos podem de fato agir, mas nunca a esse nível. Jamais a esse nível.
Seria demasiado caro e mesmo impraticável.





[1] - De alguma forma Cavaco também é um Keynesiano. Eu lembro-me de ouvir Cavaco afirmar que «as dívidas não se pagam», o que é uma confissão de Keynesianismo, ainda que assim a seco a frase não tenha sentido e careça de explicação.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Novembro 19, 2012, 11:49:10 am
Citação de: "papatango"
Citar
Francisco Pinto Balsemão, presidente da SIC, disse que na Internet, incluindo nas redes sociais, nos anos mais recentes, são veiculadas informações com importância noticiosa, mas referiu que, “misturado com isto tudo, há rumores que nunca são confirmados”.

É infelizmente absolutamente evidente que existe um nível de desinformação na Internet que atinge níveis tais, que coloca em causa o próprio sentido da Liberdade de Expressão.

Os próprios partidos politicos possuem gabinetes desenvolvidos com o objetivo de criar notícias falsas ou inventar falsidades laterais, para tentar desacreditar factos.

Concordo totalmente

Citação de: "papatango"
O mais eficiente parece ser o gabinete do Partido Socialista.
Após a catástrofe que se seguiu a 2008, quando o descarrilamento total da economia era já imparável e já se sabia que Portugal entraria em bancarrota (como efetivamente veio a entrar em Maio de 2011), começaram a ouvir-se criticas ao deficit excessivo e à loucura socrática, de pedir mais dinheiro emprestado quando sabia que não tinha como pagar.

O centro de desinformação e propaganda do largo do rato, começou a lançar cá para fora a frase «o Cavaco é o pai do deficit»

Esta simples frase, destinava-se a deitar as culpas da situação no presidente da republica, ao mesmo tempo que se desculpava o Sócrates.
Ora, como quem estude minimamente economia sabe, o Cavaco, já depois de sair do governo publicou um livro sobre o problema do deficit e ficou célebre a frase «estamos a criar um monstro».
Na altura os mesmos socialistas ridicularizaram a afirmação do ex-primeiro ministro Cavaco, e continuaram a gastar alegremente.

Mas nos dias de hoje, quem ouvir conversas de transportes públicos, ainda ouve muita gente utilizar essa frase.
É uma frase mentirosa, desprovida de qualquer suporte histórico, baseada no facto de durante o governo de Cavaco, também ter existido um deficit (que na altura estava controlado) [1].

Até posso concordar que o problema do deficit não nasce com Cavaco. Mas Cavaco é sem duvida o maior e o primeiro responsavel pela destruição da máquina productiva Portuguesa, que para mim é algo bem mais grave que o problema do deficit, que em si acaba por ser uma das consequências da destruição da capacidade productiva.


Citação de: "papatango"
E quando uma mentira não se comprova, é sempre mais facil dizer que foi a censura imposta pelos Bilderbergers, pela Maçonaria e por aí fora.
Esses grupos podem de fato agir, mas nunca a esse nível. Jamais a esse nível.
Seria demasiado caro e mesmo impraticável.

Não querendo afirmar que esses grupos fazem ou não isso, porque de facto não fasso ideia. Mas capacidade económica para pagar isso e muito mais é coisa que não lhes falta. E quando se controlam os media e governos tudo se torna praticável.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 19, 2012, 12:03:44 pm
Eu fui ao link indicado pelo Fernando Negro e li o primeiro parágrafo, o qual transcrevo:

Citar
O Bar do Alcides é o ponto de encontro de todos aqueles que estão insatisfeitos com o actual 'ESTADO DA NAÇÃO PORTUGUESA' e que querem desabafar enquanto bebem um copo. O Bar do Alcides é feito e editado por portugueses não-maçons que estão exilados no Rio de Janeiro e em São Paulo no Brasil. Aqui a MAÇONARIA não é de todo BENVINDA!".



Eu não sei se foi o Fernando Negro que escreveu isto, mas posso dizer-lhe que conheço relativamente bem o Brasil e a afirmação de que a Maçonaria não é ali bem-vinda, é demasiado forçada.

Em primeiro lugar, porque no Brasil existem proporcionalmente mais Maçons que em Portugal. O Brasil tem 211.000 maçons [1] enquanto que Portugal terá cerca de 2.500 a 3.000 a acreditar nas palavras do Adelino Maltês [2], que afirma que há 250.000 maçons no Brasil.

Desculpe, mas a credibilidade não pode ser destruida no primeiro parágrafo de um texto.
No Brasil há até 120 (cento e vinte) vezes mais maçons que em Portugal.

Você quer coisa mais maçónica que a bandeira do Brasil ?
Aquilo não é o mundo com estrelas aquilo é o grande olho.


O problema da maçonaria portuguesa é o número de maçons mas não por serem muitos e sim pelo facto de serem muito poucos e muito fechados.
É este isolamento auto-imposto que transforma as maçonarias num potêncial foco de corrupção, redes de pedofilia, de crime de tráfico de influências, os quais podem ser potencialmente protegidos pela Omertá ou lei do silencio que caracteriza a maçonaria, especialmente em Portugal, como se viu pela ordem dada pelo grão mestre Fernando Lima, para que os maçons calassem o bico.

Aliás, Fernando Lima deu um autêntico tiro no pé. Podia perfeitamente ter-se calado e deixado as pessoas dizer se eram ou não eram da maçonaria, em vez disso, decidiu-se por um comportamento tipicamente mafioso, ordenando o silêncio.
A maçonaria hoje não precisa ser secreta. Hoje deveria ser o mais aberta que fosse possível.
Não o é, e por isso a dúvida continuará sempre.


Mas o seu a seu dono.
Devemos atacar a maçonaria pelo que deve ser atacada, mas não podemos atacar "just because" e com argumentação que rapidamente se desmonta e rapidamente cai por terra.

São precisos argumentos.
É preciso defender uma tese com algo de palpavel.





[1] - http://www.noesquadro.com.br/2011/04/maconaria-brasileira-em-numeros.html
[2] - http://sicnoticias.sapo.pt/programas/jornaldas9/article1235097.ece
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 19, 2012, 12:32:19 pm
Citação de: "papatango"
Mas as pessoas gostam de uma boa teoria da conspiração.
E quando uma mentira não se comprova, é sempre mais facil dizer que foi a censura imposta pelos Bilderbergers, pela Maçonaria e por aí fora.
Esses grupos podem de fato agir, mas nunca a esse nível. Jamais a esse nível.
Seria demasiado caro e mesmo impraticável.


 :mrgreen:  :mrgreen:
Ou seja a realidade objectiva é aquela na qual eu consigo acreditar.
Está boa essa.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 19, 2012, 03:40:10 pm
A realidade objetiva é toda aquela que consegue subsistir à regra da auto-evidência.

«O que é auto-evidente, não carece de prova»

Parece-me a mim auto-evidente que grupos de pessoas influentes caso fossem tão influentes como teriam que ser, se preocupassem com pequenos blogs e comentários na Internet.

A afirmação de que existe demasiado lixo na Internet, afirmações desconexas, comentários sem base e sem qualquer tipo de sustentação, parece-me auto-evidente. Todos nós sabemos disso.
E quanto mais  e mais descabeladas são as teorias conspirativas, menor é a credibilidade quer das teorias conspirativas, quer das teorias que têm sustentação e têm base que permite comprovar que não passam de teorias.

Portanto, o excesso de teorias conspirativas, pretende apenas servir de lenha para queimar as outras, as sérias, misturando tudo no mesmo caldeirão.
Mas isso é algo que tenho vindo a dizer há muito, muito tempo...

Cumprimentos
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 19, 2012, 03:57:31 pm
Há lixo, há desinformação, há produtos de má qualidade, há leite estragado, há buracos na estrada.
Em suma, há que ter cuidado quando se anda na net, se lê jornais, se vai ao supermercado, se conduz.
É intrínseco à Liberdade.
É uma exigência da Liberdade.

Case closed!


http://espectivas.wordpress.com/ (http://espectivas.wordpress.com/)
 
Citar
Na Era da informação em que vivemos, a repressão política e/ou censura da opinião estão condenadas a falhar.

Poderão ter algum sucesso durante algum tempo, mas será sempre “chuva de pouca dura”. Censurar a opinião é hoje “tapar o sol com uma peneira”. A única forma de tratar a “desinformação” — segundo a opinião de Pinto Balsemão, apoiada implicitamente por José Pacheco Pereira — será sempre através de mecanismos sociais e comunicacionais de pedagogia que combatam a “desinformação” (o que quer que este termo signifique) mediante o uso da razão e da lógica (formal e/ou informal).

Quem defende a censura da opinião — ou a censura da “desinformação” — já reconheceu que perdeu a razão. Já sabe que não tem razão. E tem medo, por isso. Receia a sua falta de razão. Ou, podendo mesmo ter razão, não consegue encontrar argumentos para sustentar a validade da sua opinião. É o caso de Pinto Balsemão.

Quando uma pessoa sabe que não tem razão mas encontra-se em uma situação de Poder, tende a impôr a sua não-razão — mediante a força bruta do Estado — a toda a sociedade. Quando José Pacheco Pereira e Pinto Balsemão se encontraram recentemente em Coimbra para celebrar Rousseau, deveriam ter-se recordado desta frase do pensador francês (e não filósofo, porque não foi): “Um direito digno desse nome não pode ser um direito que caduca quando a força bruta acaba”. Ou seja, o direito de quem manda censurar a opinião não pode ser um direito, porque caduca automaticamente quando a força bruta acaba.

“Desinformação” pode ser qualquer coisa que passe pela cabeça de Pinto Balsemão; qualquer informação que vá contra os interesses privados de Pinto Balsemão pode ser por ele considerada como “desinformação”, independentemente de ser verdadeira ou falsa, racional ou irracional. O que me parece irracional, face à sua posição em relação à opinião pública, é que Pinto Balsemão ainda pertença ao Conselho de Estado.

Pessoas como Pinto Balsemão legitimam a esquerda radical; ou seja: dão um sentido à mundividência radical da esquerda revolucionária.

Pinto Balsemão é o reflexo da nossa sociedade actual, ideologicamente polarizada. Pinto Balsemão — e o PSD do Pernalonga — e Francisco Louçã — e o Bloco de Esquerda — são as duas faces da mesma moeda. Quando Pinto Balsemão defende a censura daquilo a que ele subjectivamente chama de “desinformação”, legitima que outras forças políticas radicais defendam a censura daquilo que — também eles, subjectivamente — chamam de “desinformação”. Passa então a existir uma espécie de “campeonato”, a ver quem consegue impôr a toda a sociedade a sua forma de censura ideológica privada.

As opiniões de Pinto Balsemão não são censuradas, embora sejam maioritariamente irracionais. Por exemplo, quando ele defendeu pública e implicitamente o abate da população portuguesa.

Pinto Balsemão é livre de proferir as maiores barbaridades e irracionalidades, mas defende a censura da opinião de outrem e daquilo que ele considera subjectivamente de “desinformação”. Pinto Balsemão é, em absolutamente tudo, a antítese de Voltaire, que afirmou: “Pode ser que não estejamos de acordo com as ideias dos outros, mas devemos estar dispostos a morrer para defender a liberdade de todas as ideias”.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 20, 2012, 09:21:42 pm
Continue-se a unir os pontos:


Alerta: video infowars dos "maluquinhos da conspiração", com citações e crítica do livro "Eco-Sciences" do assessor científico de Obama.
Mentes "bem esclarecidas" e "bem comportadas" não vejam! Não percam o vosso tempo!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 21, 2012, 11:23:22 am
O Webster Tarpley é simplesmente a *mais brilhante* mente que conheço - que está actualmente viva - quando toca ao estudo, análise e denúncia deste tipo de assuntos.

No vídeo acima colocado, ele não revela muito das suas capacidades. Mas, se quiserem ver o mais recente exemplo do tipo de coisas de que ele é capaz de se aperceber, devido à sua enorme inteligência combinada com um profundo conhecimento do que fala, podem espreitar este (http://http) recente artigo dele, onde ele dá provas da sua excelente capacidade de "ligar os pontos" como mais nenhum outro investigador parece ser capaz de o fazer, e onde podem constatar o quão à frente ele está, relativamente a todos os outros investigadores, ao ser capaz de se aperceber de coisas que mais nenhum outro é capaz de se aperceber.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 21, 2012, 11:34:29 am
(E, mudando de assunto...)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.veteranstoday.com%2Fimages%2Fvt-logo.gif&hash=20c924d864d8f81048b36ecd07e557e0)

Para a quem interessar, esta (http://http) é uma publicação e rádio norte-americana, de e para militares, que conheço, na qual se dizem muitas verdades. (Têm até uma secção inteira dedicada aos atentados de 11 de Setembro.)

Como poderão ter constatado num dos comentários anteriores que aqui deixei nesta conversa, há mesmo muita gente nas Forças Armadas norte-americanas que está consciente do que realmente se passa e passou no seu país. Eu já conheci até pessoalmente um instrutor que era particularmente activo na denúncia desta história da Nova Ordem Mundial. E tenho ouvido alguns telefonemas muito interessantes, por parte de militares, para o programa de rádio do Alex Jones.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 21, 2012, 01:09:25 pm
Hitler gostaria da linguagem deste destrambelhado maluco.

Mais do mesmo:

O fanatismo pseudo-religioso calvinista/luterano da América religiosa e fundamentalista, a avisar da vinda do fim do mundo e do governo mundial, previsto no livro do apocalipse.
O aparecimento do tal governo mundial, é como sabemos um sinal do fim do mundo.

Os países defendem os seus interesses e principalmente os interesses das suas oligarquias e das suas elites.
É assim desde que a primeira sociedade humana se criou.

Isto não quer dizer que as elites estejam corretas e não precisem de controle, nem quer dizer que não estejamos numa situação em que se deu demasiado poder aos que defendem uma certa visão do mundo, baseada na religião da especulação financeira e na economia de casino [1].

O problema é que se mistura tudo, acabando por perder a razão. Exemplo disso é a acusação ao governo Obama, de defender o exterminio da população da India e do Bangladesh, porque esses países correm riscos sérios por causa do excesso de população.
Há países onde o excesso de população é um problema e isso é evidente.
Países que possuem vastíssimas populações e não são capazes de produzir um crescimento económico que acomode o crescimento populacional, vão evidentemente ter problemas.

Isso é tão óbvio quando 2+2=4.
Toda a gente sabe, que chegará um momento em que a Nigéria explodirá.
Toda a gente sabe que na União Indiana, há um problema grave de excesso populacional, que pode levar à fractura do país.
No Paquistão, há um problema de excesso populacional e o país transformou-se já num centro de terrorismo e fanatismo.

E agora vem um senhor dizer que era tudo mentira e que não havia bomba demográfica.
A bomba sempre existiu. Mesmo na China ela existiu e existe, tendo sido dissimulada com as fomes da revolução cultural que mataram dezenas de milhões. A China está entre a espada e a parede, porque tem um problema de distorção demografica (inevitável envelhecimento dramático da população, junto com a distorção resultado de haver muito mais homens que mulheres) e não conseguirá resolver o problema com mais gente, porque já começa a ter dificuldade para alimentar os atuais 1300 milhões, principalmente porque os chineses estão a comer muito mais que o que era costume.

Há neste mundo pessoas que divulgaram opiniões sobre o assunto na década de 1970, como é o caso do Holdren.
Mas isso não é razão para indiretamente acusar o Obama, 40 anos depois.

O problema dos teoricos da conspiração, é aliás demonstrado por este individuo.
Ele mistura factos de há 40 anos atrás, com teorias dos dias de hoje, criando meias verdades, que são mais fáceis de aceitar pelas mentes mais abertas a escutar este tipo de disparates.

Este individuo é uma espécie de hambúrguer do McDonalds. Um pouco de tudo, fornecido com gosto a carne de vaca  e com bom sabor. Não importa se o sabor é produzido por produtos químicos e se a vaca só lá tem o nome.

Dá a impressão de que é comida.

Também o Info Wars, e as suas teorias conspirativas dão a impressão de ser notícias.





[1] - Frase (c) Francisco Louça
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 21, 2012, 01:32:59 pm
Agora na posse das sábias palavras do Papatango, vejam o vídeo e tirem as vossas próprias conclusões.
Sigam a sugestão do Galileu e olhem pelo telescópio.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 21, 2012, 02:57:46 pm
Tal como pode ser visto no vídeo colocado pelo Luso, a agenda da redução populacional não é nenhuma "teoria da conspiração" - mas antes um facto, admitido pelas próprias elites. E do qual existem também provas da sua implementação.

Algumas hiperligações, sobre o que falo:

http://www.prisonplanet.com/msnbc-in-co ... -plan.html (http://www.prisonplanet.com/msnbc-in-cover-up-of-manifestly-provable-population-control-plan.html)
http://www.prisonplanet.com/conclusive- ... y-who.html (http://www.prisonplanet.com/conclusive-global-distribution-of-rockefeller-funded-anti-fertility-vaccine-coordinated-by-who.html)
http://news.biafranigeriaworld.com/arch ... /0142.html (http://news.biafranigeriaworld.com/archive/2003/jul/28/0142.html)
http://www.prisonplanet.com/in-addition ... 80%9D.html (http://www.prisonplanet.com/in-addition-to-vaccines-rockefeller-foundation-presents-anti-fertility-gm-food-for-%E2%80%9Cwidespread-use%E2%80%9D.html)


Se quiserem um outro bom vídeo que fala também, em boa parte, sobre isto, têm o que se segue, da autoria do próprio Alex Jones.

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 21, 2012, 04:50:23 pm
A agenda da redução populacional É UMA TEORIA CONSPIRATIVA absoluta, não podendo haver sobre isso qualquer sombra de dúvida.

Os países onde existem sistemas de segurança social que funcionam, tendem a ter mais problemas com o crescimento da população, porque tradicionalmente as familias tinham muitos filhos, porque não havia um sistema para a proteção dos pais.

Logo, quanto mais filhos as familias tivessem mais assegurada estaria a sobrevivência dos pais quando ficassem velhos e não conseguissem garantir o seu sustento.

Os sistemas de apoio social, vieram alterar este paradigma, criando uma situação em que nos países ocidentais os sistemas de segurança social tornaram desnecessário ter muitos filhos, ao mesmo tempo que a redução da população acaba por provocar uma bomba demográfica ao contrário, resultado de a redução da população tornar os sistemas de segurança social incomportáveis e insustentáveis.

A ideia de que não houve nenhuma bomba demográfica (e de que os seus autores estavam errados) está intimamente relacionada com este problema e com o problema dos sistemas de segurança social. A Europa tem este problema invertido e os EUA também, só que nos EUA o problema não se sente tanto por causa da imigração.
Também na América do Sul, o progresso dos sistemas de segurança social está a promover uma lenta redução das taxas de natalidade. Na China, foi à força da bala.

Mas os sistemas de segurança e proteção social, ocultaram e dissimularam o problema da bomba demográfica. E em parte podemos dizer que o aumento da proteção social, dando mais condições às pessoas, contribuiu para impedir um aumento maior da população. Podemos afirmar que a cura está agora a provocar o problema inverso, mas isso é outra história.

Só os países onde não há sistemas de segurança social é que continua a haver um grande desequilíbrio e um crescimento populacional que mais tarde ou mais cedo vai dar problemas.

A Nigéria é o problema mais complicado. É ali que está a principal bomba africana.
Mas o problema existe em inumeros outros lugares.
A chamada primavera arabe, é nada mais nada menos que resultado dos problemas do crescimento incontrolado da população.
O Egito tem mais de 80 milhões de habitantes. Há 30 anos tinha metade.
Há alguns meses subiu ao poder a irmandade muçulmana.

Há 30 anos a Siria tinha seis milhões de habitantes e hoje tem mais de 20.
E está em guerra civil.

Não há bomba demográfica ?

Claro que não  :roll:  :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Novembro 21, 2012, 06:45:23 pm
Citação de: "papatango"
Não há bomba demográfica ?

Claro que não  :roll:  :roll:

Então propõe o quê visto que, se há uma bomba, deve e tem de ser desarmada. Ou deixa-se explodir?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 21, 2012, 07:31:16 pm
Diz-nos então o Papatango que o que se passa na Síria resulta do aumento populacional nesse país...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 21, 2012, 11:38:55 pm
Digo afirmo e reafirmo.
O principal problema das chamadas primaveras árabes, é o número muito grande de jovens desempregados que não têm perspetivas de futuro, não sabem onde nem como vão encontrar emprego e as sociedades árabes não são capazes de responder a estes problemas.
Marrocos, Tunísia, Líbia e mesmo o Egito e a Siria, têm taxas de crescimento económico de fazer inveja à Europa mas ainda assim têm problemas gravíssimos de instabilidade política.
O problema, é que mesmo com crescimento económico elevado, esse crescimento não é suficiente para responder ao aumento da população.


O que eu afirmo é que a bomba demográfica sempre existiu.
O que o conspirativo do video afirma, é que os que a identificaram na década de 1970 estavam a mentir.
É a tradicional regra das meias verdades. A bomba demográfica existia e o problema existia. Na Europa tentou-se resolver o problema com o controlo da natalidade, que resultou aparentemente demasiado bem.
Mas a natalidade acabou por ser controlada por outras razões. A libertação das mulheres e as politicas de igualdade entre os sexos acabaram  por reduzir o número de filhos por casal nos países ocidentais. Neste caso e ao contrário do que seria de prever, foram os países latinos os mais atingidos. A Itália, a Espanha e Portugal são campeões neste campo. Do outro lado da Europa há a Russia, mas aí o problema nem é a taxa de natalidade, é acima de tudo a elevadíssima taxa de mortalidade, que os nascimentos russos não conseguem ultrapassar (a Russia tem indices anacrónicamente altos de acidentes de trabalho, acidentes de viação, acidentes dos mais variados tipos que matam milhares de russos em idade produtiva).

Quanto à solução, não me compete encontrar soluções. Eu apenas tenho capacidade para afirmar que considerando o que os factos conhecidos, o conspirativo estava a mentir e a distorcer os dados da forma que lhe era mais conveniente.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Camuflage em Novembro 22, 2012, 07:13:44 pm
Tretas, a população humana toda caberia em metade da Austrália, cada um com a sua casa, quintal e piscina. Não há pessoas a mais, apenas uma economia monetária baseada na ganancia.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 22, 2012, 10:51:44 pm
Sim, claro ...  :roll:  :|  :|
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Novembro 22, 2012, 11:02:01 pm
E que grande ideia!! Cabem lá todos!!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 23, 2012, 11:55:23 am
Relativamente ao problema da bomba demográfica nos países árabes, permito-me acrescentar um dado.

A somar à bomba demográfica há as questões culturais, que retiram do mercado de trabalho muitas mulheres, já que em familias mais conservadoras estas ficam em casa a cuidar dos filhos. Mas mesmo assim, e com taxas de crescimento elevado, o problema mantem-se.
No Egito o crescimento em 2009 foi de 4.7%, em 2010 foi de  5.1% e em 2011, em plena revolta, mesmo assim atingiu  2.0%
Na Siria, o crescimento foi de 5.9% em 2009, 3.4% em 2010 e só chegou a negatico (-2%) em 2011.
Na Tunisia o crescimento foi de 3.1% em 2009 e ficou igual em 2010. Em 2011 com a revolução ficou pelos -0.8%.
Em Marrocos o crescimento foi de 4.9% em 2009m 3.7% em 2010 e 4.3% em 2011.

Comparem estes números com os números dos países europeus.
Com crescimento economico porque razão estes países continuam a ter tanta gente na rua a protestar ?

Agora vejamos a alteração populacional entre 1970 e 2010:

Egito passou de 40 para 84 milhões
Siria passou de 6 para 22.5 milhões
Marrocos passou de 17 para 32 milhões
Tunisia passou de 4 para 10.7 milhões


Gráfico do crescimento populacional até 2050, por continentes:
http://en.wikipedia.org/wiki/File:World_population_evolution.png
A curva africana não tem previsão de paragem. A curva asiática mostra uma ligeira tendência para o abrandamento, mas acima de tudo por causa da redução da população chinesa.

Não há forma organizada de impedir o progresso das coisas. Os seres humanos são apenas mais uma das espécies do planeta. Tradicionalmente os seres vivos aumentam a taxa de reprodução quando se acham ameaçados e a população é controlada pela fome. Isto ocorre com as sociedades humanas não industrializadas desde há séculos.

Portugal é um exemplo disso, com aumentos da população em alturas de boas colheitas, a que se sucedem fomes, que levam a fuga da população para Lisboa.
A enorme dimensão de Lisboa relativamente ao resto do país, é aliás uma demonstração disto.

O Império Português, é em grande medida um império criado pela pressão da fome, que controla a população e força as migrações.
No centro da Europa a população foi controlada durante séculos pela peste negra, que afetava os mais débeis.

Calculo que a peste negra também tenha sido resultado de uma conspiração da Trilateral e dos Bilderbergers da altura ...  :G-beer2:  :G-beer2:  :G-beer2:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: scrupulum em Novembro 23, 2012, 01:07:47 pm
Papatango disse :
"O Império Português, é em grande medida um império criado pela pressão da fome, que controla a população e força as migrações."

E os outros impérios coloniais europeus, não ?  
Assim de repente vem-me à cabeça o caso da emigração massiva de irlandeses em direção das colonias inglesas. Uma boa parte dos irlandeses morreram de fome vitimas de uma politica deliberada da GBR e não tiveram outro remédio senão emigrar para as colonias, sobretudo para as colonias do Novo Mundo e Australia.
O atual império americano, tbem tem na fome e no exterminio a que sujeitou as "first nations" (os indios), a sua origem. Os indios que sobreviveram vivem hoje em reservas agarrados ao alcool.

O Papatango devia desenvolver essa sua ideia e partilha-la com os nossos historiadores para que eles se atualizem, cambada de burros !
Nos nossos manuais escolares, entre as razões do expansionismo português, não encontrei a fome como causa, apesar de haver razões economicas...mas não são estas as razões de todos os impérios ?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 23, 2012, 02:25:29 pm
O império foi criado por pressão da fome e da falta de recursos, e não é necessário que se partilhe essa ideia com os historiadores portugueses, porque há muito tempo que eles já expuseram esses factos à vista de todos.

Peço desculpa pela franqueza, mas qualquer pessoa que estude a História de Portugal com olhos de ver, verifica isso. E só pede para se partilhar esse facto com os historiadores (os tais que devem ser burros) quem não se deu ao trabalho de estudar a nossa história (aqueles calhamaços intermináveis com milhares de páginas), para ver o que esses «burros» escreveram.

Quem ler a nossa história desde Herculano e Oliveira Martins até Joaquim Veríssimo Serrão ou mesmo Hermano Saraiva e complementar a leitura com análises feitas por estrangeiros sobre o império português, como Bailey Diffie ou C.R.Boxer, chegará sempre à mesma conclusão.
Mas é preciso ler os livros de História e não os manuais escolares, que mostram uma História cortada, reduzida e preparada para ser entendida por crianças.


O império começa com a tomada de Ceuta, com um massacre (a cidade tinha sido abandonada pelos homens e só lá havia mulheres e crianças), porque em Ceuta havia trigo, o qual faltava no reino.
Portugal não tinha (na altura como posteriormente) capacidade para produzir comida suficiente para todos, pelo que a fome e o medo da fome nos leva à expansão.

As razões dos outros impérios não justificam nada nem deixam de justificar.
O facto de os outros impérios terem provocado fomes, não altera em nada o facto de o império português ter sido resultado da tentativa de um povo conseguir comida.

Além do mais eu expliquei que a questão da população e das fomes endémicas sempre existiu e que a bomba demográfica continua a existir.
Isto nada tem a ver com os malvados americanos que chacinaram os indios porque lhes mataram os búfalos...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: scrupulum em Novembro 23, 2012, 04:07:51 pm
Sublinhei neste texto as causas que se considera terem favorecido a expansão portuguesa, e o que se ensina às criancinhas nas escola. Em lado nenhum vejo a "fome" como uma das causas.
Cada afirmação tanto vale quanto a sua justificação. Se o Papatango justificar o que diz, até lhe agradeço a mais-valia. Afinal de contas ja não somos criancinhas e temos o direito de conhecer toda a verdade.


"...A  europa nos tempos dos descobrimentos era rural, poder politico descentralizado.
  A expansao agricola pela incorporacao de novas terras resultou em produtos agricolas nao consumidos -> especializações e trocas criaram um mercado de bens de luxo para quem produzisse esses excedentes.
O estado surge no final de uma serie de batalhas pelas fronteiras, politicamente centralizado em torno do principe.

...neste contexto Portugal aparecia como um pais autonomo, com tendencia a voltar-se para fora. Acumularam nos secs XIII e XIV experiencia comercial de longa distancia... e a atraçao pelo mar foi incentivada pela posicao geografica.
Durante todo o sec XV, Portugal se mostrou o reino unificado menos sujeito a convulçoes e disputas.
A Revolucao de 1383, REVOLUCAO DE AVIS,  reagrupou os principais setores da sociedade e unificou Portugal, numa epoca em que apenas uma coroa organizada poderia empreender com estabilidade um projeto grandioso como o das navegacoes.
A expansao correspondia a diversos interesses de classes, para os comerciantes, seria um bom negocio,  para o rei, novas fontes de receita, para os nobres, motivo de prestigio, para os religiosos, uma oportunidade de cristianizar povos barbaros.

As lendas tambem influiram as aventuras: ex: a busca por Preste João, talvez etiopia, onde um dos discipulos dos reis magos teria fundado um reino cristão no meio dos negros muçulmanos.
O aparecimento de instrumentos como o quadrante o astrolabio,  a caravela, tambem contribuiram..."
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Novembro 23, 2012, 04:26:32 pm
Realmente é estranho que num país com a capital localizada na zona de terras de cultivo mais ferteis da europa (falo da zona do ribatejo), com bastante sol, e sem falta de água (junto do tejo) e com uma população de cerca de 1 milhão de habitantes nos secúlos XIII e XIV, tivesse assim tantos problemas com a fome.

Se Portugal nestas condições tinha assim tantos problemas com fome nem quero imaginar a fome que era noutros países mais a norte com terras menos ferteis e menos sol.
Certamente não seria pelas condições que a gente passava fome, só se fosse mesmo por preguiça em cultivar a terra.

Isto nem é uma questão de história, é uma questão de lógica, mas enfim...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 23, 2012, 09:26:04 pm
Depreendo então que o Papatango defenda então recursos "engenharias sociais", tais como o feminismo, a homossexualidade, o fim da família tradicional, o aborto pago pelo Estado, educação disfuncional, moda e cultura a querer transformar, rapazes em raparigas e raparigas em rapazes, continuar a utilizar lenha e carvão para cozinhar, não ter acesso a saneamento básico...
A bem do Planeta, claro.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 23, 2012, 11:32:35 pm
Eu não defendo nenhum recurso a coisa nenhuma.

A única coisa que defendo é a verdade e critico os que mentem e inventam teorias conspirativas que caem por terra no primeiro parágrafo de uma afirmação.

Precisamos por uma coisa na cabeça:

Eu também acho que devemos unir os pontos, mas estou absolutamente convencido de que:

NÃO PODEMOS UNIR OS PONTOS COM MENTIRAS ! ! !

As teorias de muitos destes conspirativo, destinam-se unicamente a desviar a atenção dos problemas verdadeiros e reais e a impedir uma análise racionai e serena dos problemas.
Quando os que criticam um sistema perdem a razão por terem sido apanhados a mentir ou no ridiculo, então todos aqueles que criticam um sistema estão em causa.

É mais ou menos o que os comunistas fizeram com a célebre afirmação de que os comunistas comiam criancinhas ao pequeno almoço.

A frase foi posta a circular pelos próprios comunistas, para desacreditarem as criticas que se faziam ao sistema comunista e às condições de vida nos então países do bloco de leste.

A afirmação pegou e os comunistas imediatamente pegaram na frase que eles próprios puseram a circular, para depois a referirem sempre que alguém fazia uma critica com cabeça tronco e membros.

O esquema é o mesmo.
Eu apenas me insurjo contra ele.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 24, 2012, 12:40:49 am
Citar
Realmente é estranho que num país com a capital localizada na zona de terras de cultivo mais ferteis da europa (falo da zona do ribatejo), com bastante sol, e sem falta de água (junto do tejo) e com uma população de cerca de 1 milhão de habitantes nos secúlos XIII e XIV, tivesse assim tantos problemas com a fome.

Não havia agro-industria na alta idade média.
As fomes sucedem-se às doenças e à peste negra, e à redução da população.

No século XIII, são motivadas pela constante tensão politica entre o clero e o rei.
No século seguinte, se consultar os livros, mesmo os escolares, vai ler sobre a Lei das Sesmarias.
Talvez nos queira explicar porque razão os campos não tinham gente e porque é que D. Fernando tenta resolver o problema da falta de pão com uma lei.
(Saraiva, Hist.Port, pg. 570)
Era mais facil dizer-lhe que o Ribatejo era uma área muito fertil...

Saraiva também fala da questão das razões da expansão (pg. 138) em que refere o problema da desproporção entre o aumento populacional e a escassez de recursos.

Oliveira Martins, na sua História de Portugal explica o problema, fazendo referência à constante instabilidade politico-militar (pg. 105). No século XIV há problemas por causa da escassez de população, que não chega para cultivar os campos nem sequer para guarnecer as muralhas dos castelos no sul do país.
Mas mesmo no norte, havia problemas, por causa dos constantes conflitos entre senhores, nobres e clero.

A questão não é pacífica, mas a fraqueza de recursos do reino e a falta de trigo para produzir pão (desgraçadamente não conseguiam produzir trigo para fazer pão na riquíssima região do Ribatejo) é sempre apresentada como uma das razões que levaram os portugueses a iniciar a gesta dos descobrimentos.
Procuravam-se lugares para onde enviar gentes que não conseguiam sobreviver no reino.

Em suma, criámos um império para permitir a emigração...

Como é evidente, não podemos considerar que foi a fome de um qualquer nobre, que reparou que tinha a barriga vazia e decidiu invadir Ceuta.
Portugal sempre foi um país pobre e a terra sempre foi pobre e incapaz de produzir comida suficiente para toda a população.
O país tinha que importar trigo e foram feitas várias desvalorizações da moeda (quebra da moeda), para manter os gastos dos estado.

Também não podemos esquecer que a Peste Negra se tornou aparentemente endémica a seguir ao inicio do século XIV. A redução da população, resultou em falta de mãos para trabalhar a terra, a falta de trabalhadores conduziu à fome, a qual conduziu à tentativa de fugir à fome, que por sua vez conduziu a uma maior falta de mão de obra (História Económica de Portugal 1143-2010 da Esfera dos Livros, pg.49 e 50).

Eu poderia ficar aqui a ler livros de História e sobre História, mas não creio que seja de grande utilidade.

Creio que já expliquei suficientemente o meu ponto de vista.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Novembro 24, 2012, 01:55:12 am
Citar
Portugal sempre foi um país pobre e a terra sempre foi pobre e incapaz de produzir comida suficiente para toda a população.

Portanto contesta a minha afirmação de que os solos na bacia do tejo e também do rio sado sejam muito ferteis?

Quer me a mim parecer que se havia fome era pela falta de quem trabalhasse a terra e não pelas terras pobres.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 24, 2012, 05:59:02 am
O que o papatango diz sobre Portugal não ser auto-suficiente em termos de comida é verdade.

Consultem as estatísticas do Ministério da Agricultura. Vão ver que Portugal tem de importar a maior parte dos cereais que consome - os quais, como todos sabem, constituem a base da nossa alimentação.

O facto de Portugal não ser auto-suficiente, em termos de alimentos, não é propriamente uma questão de "lógica", mas sim de números. É verdade que o Ribatejo possui terrenos imensamente férteis, mas estes não existem em quantidade suficiente para alimentar todo o País.

Sempre foi assim. Desde o início de Portugal, na Idade Média, até ao presente. E lembro-me até de uma vez ouvir o historiador José Hermano Saraiva dizer isso num dos seus programas - que tínhamos de importar "pão" (suponho que estava a usar este termo como metáfora para cereais) de Espanha, no Passado, porque não o produzíamos em quantidade suficiente.

No colégio particular em que eu estudei, lembro-me também de ter aprendido que uma das principais razões - ou mesmo a principal razão, de que me lembro - para a Expansão Portuguesa era a falta de terrenos para cultivo, para alimentar a população, e que uma das primeiras coisas que os portugueses faziam, quando conquistavam novos territórios, era cultivar os campos existentes nestes mesmos novos territórios.


Dito isto, gostaria só de comentar sobre o vídeo do dito "conspirativo".

Também eu não partilho do que considero ser um ingénuo optimismo do autor em causa e de outros autores muito bem informados, que acham que o progresso tecnológico pode sempre resolver o problema da escassez de alimentos. Mas essa é, claramente, uma opinião pessoal que este expressa neste seu vídeo e não é esse o principal tópico do mesmo.

O de que o vídeo essencialmente fala, é sobre a chamada "agenda da redução populacional". Que consiste na intenção e num projecto, por partes das elites governantes, de reduzir a população mundial, para níveis que - entre outras coisas - estas consideram serem mais fáceis de gerir. E isto, como eu aqui já disse, não é nenhuma "teoria", mas sim algo do qual existem provas. A começar pelo livro que o autor exibe no vídeo em causa e continuando nas hiperligações que eu aqui deixei, onde se incluem documentos das próprias Nações Unidas que falam sobre o assunto.


E observem o que está a acontecer no nosso País...

Maternidades a serem fechadas, abonos de família a serem cortados, centenas de milhares de pessoas a serem lançadas no desemprego e na miséria...

Pensam que tudo isto é resultado de incompetência por parte dos nossos governantes?

Desenganem-se. Pois eles não são estúpidos. E, se estão a destruir a Economia, estão a fazê-lo conscientemente e *de propósito* (http://http).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Novembro 24, 2012, 12:25:06 pm
OK assim compreendo melhor. Não é a inexistência de terrenos muito ferteis mas o seu reduzido numero comparando com a população.

Mas gostaria então de perguntar o seguinte. Já na altura, em que os terrenos eram os mesmo que agora, mas com uma população 10 vezes inferior já os terrenos eram insuficientes para produzir comida para toda a gente?

E já agora, a titulo de curiosidade, se actualmente, com as tecnologias actuais e a nova barragem no alqueva, se todos os terrenos em Portugal fossem bem aproveitados seriamos na mesma muito defecitários na producção alimentar?

Outra coisa que também me apercebo é que estando os melhores terrenos portugueses na area da grande lisboa se torna bastante absurdo que a melhor área de cultivo portuguese esteja em grande parte actualmente ocupada com habitações.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 24, 2012, 12:55:50 pm
Relativamente à questão da fome, deve-se acrescentar que a base da alimentação era o pão. Em muitos casos as leguminosas e verduras eram utilizadas para comida para os animais, mas ocupavam uma percentagem muito pequena da área cultivada (História Económica de Portugal, pg.91).
No Algarve, por exemplo, em épocas em que faltava o trigo e o pão, os algarvios comiam figos. No nordeste, quando havia fomes, comia-se castanha, que era utilizada para os porcos quando havia muita (ibidem).
Na Extremadura, no norte do Alentejo e nas Beiras, havia bastante produção de maçã e pera (quando o clima era propício). Curiosamente as regiões férteis na altura (cada uma com a sua especialidade) eram Lisboa, Sintra, Setúbal, Coimbra e Lamego.

A reduzida produtividade da terra fez com que a pecuaria estivesse restringida a gado miudo, essencialmente porcos e ovalhas, mas também cabras. Cavalos, mulas e gado vacum eram menos comuns, por causa da debilidade dos terrenos, que não produziam forragem suficiente para alimentar estes animais.

No entanto, tudo isto era profundamente afetado pelas condições climatéricas variáveis e a situação piorou muito com a peste negra.
Notar que a população quando não há produção e há medo e morte, acaba por fugir para as cidades, aumentando o problema.
É por isso que D.Fernando tenta obrigar as pessoas a voltar para a terra (sem sucesso).

Junta-se assim essencialmente em Lisboa, um grande numero de mãos, que tentam sobreviver na grande cidade, mas que não querem voltar para o campo onde as condições são piores e a repressão dos senhores terratenentes brutal.
É esta massa de gentes que vai estar disponível para várias coisas.
É Lisboa que fornece grande parte das tropas para pacificar o país depois de Aljubarrota (Muitas cidades do norte e centro mantiveram-se fiéis ao rei de Castela) e é de Lisboa que são originários grande parte das guarnições e tripulantes dos navios que vão para Ceuta.







Quanto à questão conspirativa.

Eu como já disse anteriormente, também acho que devemos ter em consideração todas as movimentações que podem eventualmente conduzir a maiores problemas no futuro.
O que disputo, é que existam grandes organizações internacionais, que se juntem e que estejam organizadas segundo a tal «agenda» (termo típicamente angl-saxonico) para nos lixarem a todos.

Dou o exemplo em Portugal da Maçonaria. Muitas vezes costumamos culpar a Maçonaria por tudo e por todas as conspirações.
Na realidade a Maçonaria é um problema, mas o principal problema são as decisões e atuações de membros dessas maçonarias que agem em pequenos grupos, separados, independentes de todos os outros, agindo porque acham que os outros também devem estar a fazer algo parecido.

Ou seja:
Não existe uma grande maquinação. O que existe são pequenos criminosos que agem em pequenos grupos, de forma isolada (única forma eficiente de cometer os seus crimes). O que vemos hoje, não são resultados de uma grande conspiração maçónica, é apenas o resultado de uma miríade de grupinhos de pessoas que viram a aportunidade para se desenrascarem e apostaram, avançaram e roubaram a sua parte do quinhão.

É uma espécie de «Ó Abreu, dá cá o meu» das elites e dos aspirantes a elites.

Ora, para facilitar as coisas acabamos por por toda a gente dentro do mesmo saco, e obviamente acusam-se pessoas de coisas que não fizeram, a tentativa de corrigir é normalmente um fracasso porque nunca é dirigida para onde deve.

A somar a isto, há sempre a esperteza de introduzir o fator exagero. Normalmente um maluquinho da conspiração que junta três ou quatro meias verdades e começa a fazer acusações que facilmente se verifica serem disparates.

Este tipo de afirmações tem a mesma função da afirmação de que os comunistas comiam criancinhas ao pequeno almoço. Destina-se a desacreditar todos os que colocam em causa quem realmente tem responsabilidades.


E estamos a ver em Portugal como o sistema funciona, porque praticamente já toda a gente esqueceu, ou nem sequer entende a verdadeira responsabilidade que teve o Portido Socialista ao conduzir Portugal para a bancarrota.

É evidente que ocorreram muitos truques. Na Assambleia da Republica por exemplo, o PS colocou o maior número de mulheres da história do parlamento. Mas a quantidade de amélias inuteis foi desastrosa.
A mulherada inútil, provavelmente habituada a levar porrada do marido, calava-se que nem uma ninhada de ovelhas quando o sócrates dava largas à boçalidade e alarvidade que sempre o caracterizaram.
Com um parlamento de ovelhas, é fácil levar um país à bancarrota.

Mas hoje, os spinners, conseguiram dar a volta a isto, dirigindo as manifestações para onde é mais conveniente e, CUMULO DOS CUMULOS, colocando a corja mais suja da História de Portugal desde o golpe de 1910 nas manifestações, como se não fosse responsável direta pelo desastre.

Agora estamos a levar com um choque neo-liberal, que também não consegue resolver nada a curto prazo, porque pretende introduzir alterações que só se podem sentir ao longo de gerações.
Tudo isto, porque ainda não entenderam que nós não somos os alemães.

Quando a tudo isto, juntamos teorias da conspiração, isso é caminho certo para que ninguém entenda o que se passa na realidade. Torna-se inutil unir os pontos, porque estamos a ser dirigidos para unir pontos que não se podem unir.

Estamos a perder tempo com alimárias do estilo deste Alex Jones (que faz ainda mais estragos na América, porque os americanos aceitam ainda melhor estas tretas).
A última dele, é prever o terceiro mandato do Obama...
Ideia tipica da moral republicana americana, que não entende que o país mudou, que a estrutura do eleitorado mudou, e que com o sistema eleitoral que têm, vai ser cada vez mais dificil para os republicanos (partido dos brancos anglo-saxonicos protestantes) conseguir ganhar uma eleição, se não elegerem um negro, um hispânico ou uma mulher como candidato a presidente, em vez do chorrilho de inuteis estúpidos e semi-analfabetos que elegeram para as primárias, tendo eleito um candidato, que se pergunta, porque razão as janelas dos aviões não abrem...  :roll:  :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 24, 2012, 01:57:30 pm
Edu,


(Da minha parte...)

Respondendo à primeira pergunta, tanto quanto eu me lembro do que estudei em criança e do que ouvi o José Hermano Saraiva dizer, sim. (Tenho até a impressão de que o mencionado historiador disse que sempre foi assim, no nosso País.) Mas outros aqui deverão saber responder melhor a essa pergunta.

Respondendo à segunda, essa é uma questão da qual estou relativamente bem informado. E, pelo que me lembro que andei há uns anos a consultar em páginas do Min. da Agricultura, tendo ainda em conta alguns alimentos que exportamos, mas que são de origem pastorícia, sim. Não possuímos a capacidade para alimentar 10-11 milhões de pessoas. Estamos dependentes de importações e parece que chegámos próximo do limite em termos de aproveitamento dos vários terrenos. Pois, a Economia está já em Colapso e, portanto, não deverão ser feitos mais investimentos públicos em barragens e afins.

Começam a surgir algumas hortas urbanas em várias cidades, aproveitando os terrenos baldios, e começam a haver algumas pessoas que estão a reaproveitar terrenos férteis de que são proprietárias e que estavam ao abandono, mas, pelo que sei, este é um fenómeno muito reduzido. E não será por aí que se vão alterar muito as coisas.


(E fazendo um grande quadro do que se passa...)

Para que tenham todos uma ideia do grande problema que isto representa, antes da Revolução Industrial éramos apenas 3 milhões de portugueses. E a razão pela qual existe tanta gente hoje em Portugal e no Mundo é devido a uma coisa chamada a "Revolução Verde" (http://http) - que consistiu maioritariamente na introdução dos fertilizantes e dos pesticidas.

Estes produtos são feitos, respectivamente, a partir do gás natural e do petróleo. E, ainda que haja autores que digam o contrário, tanto quanto eu sei (http://http), estes são recursos naturais que irão começar a escassear e que irão acabar no futuro próximo. E a estimativa que costuma ser avançada por vários investigadores, da capacidade que o Planeta tem de produzir comida sem o recurso a derivados do petróleo, é de cerca de 2 mil milhões de pessoas - ou seja, menos de 1/3 da população que actualmente existe na Terra.

Como disse, há quem diga que o petróleo e o gás natural no Mundo não estão a acabar. Mas, pelo que andei a pesquisar, ainda ninguém me convenceu disso...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Novembro 24, 2012, 07:42:02 pm
E já agora comparativamente a Portugal, países como a espanha ou a frança têm uma capacidade de produzir alimentos devido aos terrenos muito maior que Portugal proporcionalmente à sua população?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 24, 2012, 08:13:34 pm
Sobre os outros países, não me informei. Mas deduzo que, relativamente aos dois que menciona, seja provavelmente o que você diz... Se nós sempre importámos alimentos de Espanha e se a França é um conhecido exportador de cereais...

Vivemos já na Era Digital. Em que (por enquanto) temos imensa informação facilmente ao nosso dispor, se a procurarmos na Internet. E em que, por isso, não estamos dependentes de um qualquer professor ou especialista que nos diga ou explique as coisas. Tal como eu o fiz para o caso de Portugal, facilmente você poderá tirar quaisquer dúvidas que tenha se pesquisar sobre o assunto. (A palavra inglesa para cereais é "grain".)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 24, 2012, 10:03:13 pm
Muito por alto, nós continuamos com o mesmo problema de sempre, que passa pela composição quimica dos solos e uma falta de qualidade da terra que leva a produtividades baixas.
Isto tem outras consequências, nomeadamente no que diz respeito ao sabor dos alimentos (mais acentuado).
Hoje, em teoria, podemos produzir tudo o que quisermos, se tivermos o dinheiro para investir em culturas de estufa. Temos até condições climatéricas ideais.
O problema é sempre o custo comparativo.

Os produtos químicos também permitiram aumentar a produtividade, mas hoje é possível utilizar químicos quase inofensivos e podem-se mesmo utilizar insecticidas naturais. No entanto, estas soluções são caras e acabam por encarecer o produto final.

Nós  temos a vantagem de estar na desembocadura dos rios, podendo por isso armazenar a água onde isso for possível. Constuimos o Alqueva, que é uma reserva natural estratégica. Não é necessáriamente adequada para se utilizar já, mas pode ser de extrema utilidade no futuro.
Curiosamente é mais facil armazenar água no Guadiana ou no Sado, que nos rios do norte, normalmente mais estreitos e sem margem de crescimento sem provocar grandes inundações.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: scrupulum em Novembro 24, 2012, 10:58:07 pm
Um bom exemplo em agricultura : Israel (menos de metade da superficie de Portugal)

O setor da agricultura em Israel representa 2.5% do PIB e 3.6% das exportações, com uma população agricola que so representa 3.7% da população ativa.
Israel é um importante exportador de produtos frescos e um lider nas tecnologias agricolas e isto apesar de um clima pouco propicio à agricultura. Mais de metade do pais é desertico. O clima e a falta de agua são preocupantes em toda a região. Israel é autosuficiente em 95% no que diz respeito às suas necessidades alimentares.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Novembro 25, 2012, 12:40:32 am
Citação de: "papatango"
Muito por alto, nós continuamos com o mesmo problema de sempre, que passa pela composição quimica dos solos e uma falta de qualidade da terra que leva a produtividades baixas.
Isto tem outras consequências, nomeadamente no que diz respeito ao sabor dos alimentos (mais acentuado).
Hoje, em teoria, podemos produzir tudo o que quisermos, se tivermos o dinheiro para investir em culturas de estufa. Temos até condições climatéricas ideais.
O problema é sempre o custo comparativo.

Os produtos químicos também permitiram aumentar a produtividade, mas hoje é possível utilizar químicos quase inofensivos e podem-se mesmo utilizar insecticidas naturais. No entanto, estas soluções são caras e acabam por encarecer o produto final.

Nós  temos a vantagem de estar na desembocadura dos rios, podendo por isso armazenar a água onde isso for possível. Constuimos o Alqueva, que é uma reserva natural estratégica. Não é necessáriamente adequada para se utilizar já, mas pode ser de extrema utilidade no futuro.
Curiosamente é mais facil armazenar água no Guadiana ou no Sado, que nos rios do norte, normalmente mais estreitos e sem margem de crescimento sem provocar grandes inundações.

Relativamente ao sabor isso é um pouco relativo. No caso da fruta e legumes conheço bastante gente que vêm por exemplo da Polónia e acha que a fruta e legumes portugueses são muito mais saborosos do que alguma vez provaram na Polónia.

Relativamente ao Alveca porque razão não adequada para se utilizar já? E já agora sendo a falta de água do dos maiores problemas no alentejo o que vem mudar o Alqueva em termos práticos? É que para já de facto ainda não se viram grandes beneficios da barragem.


Citação de: "scrupulum"
Um bom exemplo em agricultura : Israel (menos de metade da superficie de Portugal)

O setor da agricultura em Israel representa 2.5% do PIB e 3.6% das exportações, com uma população agricola que so representa 3.7% da população ativa.
Israel é um importante exportador de produtos frescos e um lider nas tecnologias agricolas e isto apesar de um clima pouco propicio à agricultura. Mais de metade do pais é desertico. O clima e a falta de agua são preocupantes em toda a região. Israel é autosuficiente em 95% no que diz respeito às suas necessidades alimentares.

Um exelente exemplo sem dúvida, e penso que há mais exemplos como esse por exemplo o Dubai acho que também tem alguma agricultura bastante sofisticada, numa região que toda ela é deserto, penso que solo mais infertil não existe. Talvez para a agricultura nacional podessemos aprender muito com eles e mudar o paradigma no qual nos encontramos à tantos anos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 26, 2012, 06:35:42 pm
Uma outra coisa que me lembrei de partilhar, com quem ainda não saiba disto: http://www.danielestulin.com/2012/01/17 ... -innocent/ (http://www.danielestulin.com/2012/01/17/carlos-cruz-is-innocent/)

O Carlos Cruz é inocente. Está preso com base em falsos testemunhos contraditórios de prostitutos (ou, por outra palavras, de pessoas que fazem *qualquer coisa* por dinheiro) e de alguém que foi drogado e manipulado pela PJ e que, assim que saiu da custódia da mesma, veio dizer que o processo é todo uma enorme mentira e que foi forçado a mentir.

As razões de ser de tudo isto (e as ligações que isto tem aos bilderbergers e afins) são, aparentemente, o facto de Carlos Cruz ter roubado uma mulher ao Balsemão, há uns bons anos atrás (leiam o livro de Frederico Duarte Carvalho, intitulado "Eu Sei Que Você Sabe") e a intenção que queimar a imagem pública de alguns políticos não alinhados com a NOM.

(Reparem bem no que este caso revela sobre o quão controlado está o nosso país... PJ, tribunais, outras instituições públicas, comunicação social etc...)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Novembro 26, 2012, 06:44:27 pm
Citação de: "Fernando Negro"
Uma outra coisa que me lembrei de partilhar, com quem ainda não saiba disto: http://www.danielestulin.com/2012/01/17 ... -innocent/ (http://www.danielestulin.com/2012/01/17/carlos-cruz-is-innocent/)

O Carlos Cruz é inocente. Está preso com base em falsos testemunhos contraditórios de prostitutos (ou, por outra palavras, de pessoas que fazem *qualquer coisa* por dinheiro) e de alguém que foi drogado e manipulado pela PJ e que, assim que saiu da custódia da mesma, veio dizer que o processo é todo uma enorme mentira e que foi forçado a mentir.

A razão de ser de tudo isto (e a ligação que isto tem aos bilderbergers e afins) é, aparentemente, o facto de Carlos Cruz ter roubado uma mulher ao Balsemão, há uns bons anos atrás. (Leiam o livro de Frederico Duarte Carvalho, intitulado "Eu Sei Que Você Sabe".)

Reparem bem no que este caso revela sobre o quão controlado está o nosso país... PJ, tribunais, outras instituições públicas, comunicação social etc...

Sendo de facto tudo mentira, e que o Carlos Cruz foi de facto incriminado desta forma. Como poderá alguma vez alguém pagar a este homem o que lhe fizeram. Destruiram toda a vida dele, a familia, a carreira, a liberdade, o nome...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 26, 2012, 06:52:04 pm
(Peça desculpa... Pois esqueci-me de uma outra explicação importante, que já acrescentei, entretanto, ao meu anterior comentário - mas não antes de alguém já ter comentado o mesmo...) :|

É, de facto, imensamente cruel fazer isto a uma pessoa... E é mais uma prova do carácter dos bilderbergers e afins.

O Carlos Cruz diz que este é um caso que vai ficar para a História do nosso país. (Como uma das maiores fraudes na Justiça, presume-se...) Mas quem escreve a História, são os vencedores. E vamos mas é lá ver quem é que vão ser os vencedores em tudo isto...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 26, 2012, 07:26:51 pm
Citar
As razões de ser de tudo isto (e as ligações que isto tem aos bilderbergers e afins) são, aparentemente, o facto de Carlos Cruz ter roubado uma mulher ao Balsemão, há uns bons anos atrás
E o Carlos Cruz tinha programas na SIC, que é propriedade do Balsemão. Portanto quem rouba uma mulher ao Balsemão, tem emprego garantido e programas de TV...  :shock:


O problema do Carlos Cruz, é indissociável do problema da Casa Pia e o problema da Casa Pia existe e existiu.
O que quer que se faça para salvar a imagem do Carlos Cruz, passa por implicar que não existiu um problema de prostituição infantil na Casa Pia, organismo do Estado Português, que tinha a obrigação de cuidar das crianças.

A prostituição na Casa Pia existia, e só não a via quem não queria e só não a conhecia quem não passasse em Belém para apanhar o barco para a Trafaria, ainda no final dos anos 80  depois das 18:00.

Não podemos saber quem fala a verdade. Tanto podem ter dado dinheiro aos miudos para mentir no inicio, como lhes podem ter dado dinheiro agora (em desespero de causa) para tentar um último golpe para descredibilizar o processo.

Tudo é possível.
Agora, há uma coisa que que sei que é verdade. Havia prostituição na Casa Pia, os miúdos prostituiam-se na rua, e não há absolutamente ninguém que possa dizer o contrário.
Todos reconhecem, mas à boa maneira portuguesa ninguém viu nada, ninguém conhece, ninguém sabe e todos têm um Alibi.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Novembro 27, 2012, 01:16:22 pm
Já coloquei esta introdução no meu blogue, mas, para quem não o consultar, porque considero que isto é informação mesmo muito importante e para que esta não escape a ninguém, aqui vai essa mesma introdução, colocada neste fórum.

Francisco Sá Carneiro (o Primeiro-Ministro de Portugal em 1980, que morreu no conhecido incidente com um avião em Camarate) foi morto pela CIA.

As revelações de como tal ocorreu e a provável razão para tal são avançadas na investigação do jornalista Frederico Duarte Carvalho, que lançou um livro há 5 dias atrás.

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 01, 2012, 01:49:30 pm
(E aqui vai então o último comentário que queria fazer neste fórum...)


(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fi4.mirror.co.uk%2Fincoming%2Farticle865056.ece%2FALTERNATES%2Fs615%2FBritain%2527s%2BQueen%2BElizabeth%2BII%2Barrives%2Bat%2Ba%2Breception%2Band%2Blunch%2Bwith%2Bthe%2Bheads%2Bof%2Bgovernment%2Band%2Brepresentatives%2Bof%2BCommonwealth%2Bnations%2B&hash=1a03a0424b2041f0403be056d93720f2)


Não sei quantos de vós é que já "juntaram pontos" suficientes para entender o que é dito na seguinte colocação - e posteriores comentários - mas aqui vai:

http://blackfernando.blogspot.pt/2012/1 ... ltima.html (http://blackfernando.blogspot.pt/2012/12/no-dia-em-que-se-comemora-pela-ultima.html)


Quem não perceber a anterior colocação e quiser as dicas para ser capaz de tal, posso deixar aqui esta (http://http), esta (http://http) e esta (http://http).

E, na mesma linha de pensamento, têm também, se quiserem, esta (http://http), esta (http://http) e, acima de tudo, esta (http://http) colocações.


(Se acham algumas das colocações provocatórias, é esse o objectivo... Escrevo as coisas da maneira que escrevo, que é para ver se mexe com as pessoas, ao ponto de quererem fazer alguma coisa em relação a isso...)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 05, 2012, 02:01:21 am
[Não sei por que raio de razão é que alguém apagou este meu comentário - que aqui tinha deixado, há 3 dias atrás - que vem como adendo ao meu anterior... Mas aqui vai, outra vez...]


http://www.danielestulin.com/2012/12/02 ... le-empire/ (http://www.danielestulin.com/2012/12/02/britains-invisible-empire/)


Britain's Invisible Empire

DIC 02 2012


Jeff Steinberg opens by detailing the structure and nature of the modern British Empire starting with Queen Elizabeth, her perrogative powers, the Privy Council, and the corporate power she wields. Are you deluded enough to think that the British Empire is a relic of a romantic bygone age? Think that Queen Elizabeth and Prince Philip are mere figureheads? Living museum pieces, trotted out once in a while to go through the motions of dull state events while the other members of the royal family provide scandal for the tabloid headlines? Jeff Steinberg presents the ugly genocidal reality of the corporate structure, the raw materials cartel, the mercenary armies, the modern opium war on most of civilization, terrorism, psychological brainwashing operations, & the religious and environmentalist lunatics, all run out of London.



Publicado por Daniel Estulin (http://http) a las 1:42 PM
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Dezembro 05, 2012, 12:36:46 pm
Desde que Os Rolls Royce e os Bentley passaram a ser carros alemães, que eu parti do principio de que a familia Windsor, que era de origem alemã e se chamava «Saxe-Coburg and Gotha», um ramo de uma família alemã, que teve que mudar de nome para Windsor para não parecer tão mal durante a primeira guerra, tinha de facto ganho o conflito.

Quando A Rover passou para as mãos dos chineses, mais do mesmo.
A Inglaterra é um país com um conceito de economia diferente do do resto da Europa e por isso sempre vão ser vistos como outsiders.

É mais do mesmo, como os disparates sobre o malvado estado Veneziano, esquecendo que Veneza era um pequeno país do mediterrâneo, que praticamente não tinha exército e que não poderia nunca ter-se mantido por mil anos (sim, Veneza era mais antiga que Portugal ) sem utilizar tudo o que tinha ao seu alcance para sobreviver, nomeadamente o poder economico.

É históricamente absurdo descrever «La Serenissima» como um poder negro que foi destruido apenas por Napoleão, esquecendo por exemplo a conversão da economia de Veneza quando Vasco da Gama chegou à India.

É tão absurdo, como ver alguém escrever que Veneza era uma república, mas que era uma republica diferente daquela que foi implantada em 1776 no Estados Unidos. Mas os venezianos deveriam ter inventado uma republica ao estilo americano quase 1000 anos antes ?

Em 1640, D. João IV (antes de ser aclamado rei) foi confrontado com uma exigência dos nobres.
O Rei da restauração não estava nada interessado em ser Rei e foram os nobres que o ameaçaram de forma clara.

"Ou o duque aceita encabeçar o revolta, ou a revolta será levada a cabo pelos nobres e será instaurada uma «Republica de Nobres»"

Até à revolução francesa, a República não tinha a configuração que teve depois. A Nobreza assegurava o controlo do estado, com um sistema que era na prática uma republica com um eleitorado reduzido, escolhendo-se o presidente vitalício (em Veneza o Doge) de entre as familias que mostrassem estar à altura ou receber mais apoios.

Que grande novidade que nos dão, afirmando que a República de Veneza não era como a República Americana.

É com pequenos detalhes destes, que se pode concluir que a quantidade de tretas por detrás da maioria das teorias conspirativas não passam disso: Uma quantidade de tretas, destinadas a desviar as atenções dos verdadeiros problemas.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Vicente de Lisboa em Dezembro 07, 2012, 11:33:55 am
Nada de dizer mal dos Saxe-Coburg-Gotha, que foram o sangue que nos salvou do raio dos Braganças!  :wink:

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fmarcasdasciencias.fc.ul.pt%2Fimagem%2Fdb_marcadasciencias%2Fimagens%2Foriginal%2F1278.jpg&hash=1ee5bfca00a9ca2167b7d46c11d9a447)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 07, 2012, 01:42:37 pm
Quem se interessar por genealogia e pela história da família real portuguesa, tem aqui um desafio interessante:

http://blackfernando.blogspot.pt/2011/1 ... ao-so.html (http://blackfernando.blogspot.pt/2011/12/para-os-monarquicos-e-nao-so.html)

Na descrição do qual se inclui também um outro... Que é o de descobrir que desconhecida ligação é que também tem (presentemente) a Casa de Bragança (tal como é o caso da dita "Casa de Windsor" (http://http)) à tão falada "Nobreza Negra Veneziana" (http://http).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 07, 2012, 06:39:26 pm
Desde já declarando-me monárquico, gostaria de mais informações que sustentem a alegação da Casa de Bragança fazer parte da Nobreza Negra.
Depois o texto fala na eventualidade dos Bragança que estão no Brasil (Orleans e Bragança) virem para cá. Ora isso é totalmente descabido.

Pessoalmente acho curioso D. Duarte fazer parte da muito maldita Ordem de Malta. Resta saber que iniciação tem e em que Ordem de Malta (da outra malta).
Noto com interesse que D. Duarte foi capaz de estabelecer contactos com Assad (que pessoalmente considero positivo e talvez revelador que se saberá o que efectivamente se está a passar).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 07, 2012, 06:42:50 pm
Citação de: "papatango"
Portanto quem rouba uma mulher ao Balsemão, tem emprego garantido e programas de TV...  :shock:

Há mulheres chatas como o caraças.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 08, 2012, 05:26:33 am
Luso,


Mais informações (para além das que disponibilizo nas hiperligações que aqui deixei) não tenho...

Como digo num dos textos, essa é uma das peças do puzzle que me faltam. E que gostaria um dia de obter, através do Dr. Coleman. Pois, é ele que faz a alegação de que também a Casa de Bragança tem actualmente ascendência na Nobreza Negra Veneziana.

Como pode ser lido num dos textos para os quais aqui deixei uma hiperligação, sei que também o Daniel Estulin fala na ainda existência desta mesma casa real, a operar nos bastidores. Mas, não sei se ele saberá alguma coisa sobre a possível ligação à Nobreza Negra Veneziana.

Pelo que me estive a informar, há uns anos atrás, não me parece que seja o tão falado D. Duarte o legítimo herdeiro do trono.

Sei, aliás, que o D. Duarte não é uma figura consensual, neste aspecto. E até, de quando me estive a informar sobre isto, lembro-me de que era um outro duque a pessoa mais apoiada por membros do PPM, como digno sucessor. Duque esse, que esteve a viver no Brasil e que trabalhou para as principais companhias petrolíferas - as quais, por norma, fazem parte do Clube Bilderberg. Mas, não me lembro de ler nada sobre esse mesmo duque ter nascido em território português.

Portanto, não sei se os Braganzas, de que falam o Daniel Estulin e o Dr. Coleman, pertencem ao ramo de Orleães, se são a família deste último duque ou se serão algum outro ramo desconhecido publicamente...

Como disse, penso que essa descoberta constitui um desafio mais interessante para quem é monárquico e nacionalista.

O Dr. Coleman e o Daniel Estulin são pessoas sociáveis, disponíveis para dar entrevistas...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 08, 2012, 12:52:34 pm
Fernando, eu não represento mínimamente o "movimento monárquico" mas tenho uma ideia que considero "menos mázinha" do que se passa.

O PPM vale zero, não se dá ao respeito e pessoalmente considero-o uma fachada, um embuste, uma espécie de "Operação Trust" para controlo dos monárquicos. Como já alguém terá dito a propósito de outro partido, o PPM é o partido monárquico com autorização para aparecer.

Quanto ao alegado "Duque" brasileiro, ele que tire o cavalinho da chuva, porque seria impossível aceitá-lo. Aqui só D. Duarte. Van Uden também recolhe consideração e respeito. E mesmo assim estão, como se sabe, muito longe de vir, ver e vencer.
Há trabalho de mais de um século de sapa que há a enfrentar.
Também vejo com agrado o menosprezo que os Windsor parecem demonstrar por D. Duarte. Só por isso mais um "like" para D. Duarte! :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 08, 2012, 01:07:49 pm
OK.

Quando falo no facto de D. Duarte não me parecer ser o "legítimo herdeiro do trono", falo no sentido de que não me parece ser ele que está, nos bastidores, a "comandar" agora a Casa de Bragança - ou seja, no sentido de que não me parece ter sido a ele que foi reconhecido, pelas outras casas reais - pertencentes ao "Comité dos 300" - o direito de ser o herdeiro da Casa de Bragança.

Quem é que - pelas regras que regem tal sucessão - possivelmente, tem mais direito, ou não, ao trono, isso já não sei... Pois, não é algo do qual eu entenda ou esteja bem informado.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 15, 2012, 07:17:38 pm
[Alguém anda, definitivamente, a apagar comentários meus neste fórum... Por isso, aqui vai, outra vez, este e, a seguir, um outro que aqui tinha deixado, há poucas horas atrás...]


A propósito da organização que mencionava no meu anterior comentário e, visto ter eu já constatado que há aqui quem também goste de Fernando Pessoa, aqui vai uma outra coisa, que penso que poderá ser de interesse para algumas das pessoas que frequentam este fórum e que têm lido esta sucessão de comentários, em particular:

http://blackfernando.blogspot.pt/2011/1 ... s-300.html (http://blackfernando.blogspot.pt/2011/12/fernando-pessoa-ja-falava-dos-300.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 15, 2012, 07:22:04 pm
Militares norte-americanos mortos por terem impedido uma guerra nuclear?

http://www.globalresearch.ca/missing-nu ... order/7158 (http://www.globalresearch.ca/missing-nukes-treason-of-the-highest-order/7158)


(Mais informações sobre o incidente em causa, aqui (http://http).)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 15, 2012, 10:06:14 pm
Outro caso dentro do mesmo assunto, que poderá investigar, Fernando, é a tese, quanto a mim muito interessante, da sabotagem do U2 de Gary Powers para efectuar promover escalada de tensão entre blocos, mesmo antes da realização de  uma cimeira de desanuviamento. Creio que está num livro do Joseph Farrell. Os responsáveis não seriam os "nossos amigos", mas outros: aqueles do filme da "Soma de Todos os Medos". :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Dezembro 15, 2012, 11:15:50 pm
Alguém autoriza um plano de voo direitinho à capital soviética durante a fase mais critica de uma crise nuclear. Maior acto de sabotagem não consigo imaginar por isso o caso de Gary Powers seria apenas mais um no rol.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 16, 2012, 12:14:04 am
Aqui vão algumas páginas de "LBJ and the Conspiracy to Kill Kennedy" de Joseph P. Farrell, ISBN 978-1-935487-18-0

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp01001.jpg&hash=57d040ac4d30745a2f24e67941cd7feb) (https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp02001.jpg&hash=4c736f2cea0dd7573bc6a0b5c2d372e7)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp03001.jpg&hash=4ff07f7919dabd1790192e5e78473221) (https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp04001.jpg&hash=c76602f21d4344568610635293e880c5)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp06001.jpg&hash=74804c52f313f7de6a6bf990dc57ed45) (https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp07001.jpg&hash=04a2f450084b68404e67a5695370c71f)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp08001.jpg&hash=641d2cd4f1f6019125c6babde8c81e55) (https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp8002.jpg&hash=79b62b3af819c65c5852dfb7b05cdcd4)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp09001.jpg&hash=b8329b1b11dc3efa40b57f90d35eeb9c) (https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp10001.jpg&hash=afe42bb5b4d0d831386b686ffff86431)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp11001.jpg&hash=7024689865d2417e94bb6a99b94d0ffb) (https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp12001.jpg&hash=79bf6e80caa72ee31a3e1fcf3c728513)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp13001.jpg&hash=f4d1b7b222d472d6390695f963dfdcbc) (https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp14001.jpg&hash=37c324506a42c71bdd52e9e237b3bf34)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2Fgp15001.jpg&hash=9211eee0d607443d1756506b4c65cd43)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 18, 2012, 07:49:43 pm
Luso,


Por, há já muito tempo, saber eu de histórias reais que ultrapassam, em muito, qualquer história de ficção*, o tipo de histórias fictícias que mencionou - de "A Soma de Todos os Medos" - também há muito tempo que me deixou de despertar interesse. E, por isso, não sabia que história era essa de que você falava. Mas já tratei, entretanto, de ver o filme correspondente - e penso que entendo, agora, o paralelo por si traçado.

Li também, com interesse, as páginas que publicou, pois desconhecia a história do Gary Powers. Mas, quanto a investigar sobre este caso, em particular... Tenho já, entre as minhas fontes, muitos bons historiadores que fazem - e muito melhor do que eu alguma vez seria capaz de fazer - esse tipo de trabalhos por mim e que me proporcionam o que mais me interessa sempre nestes casos - que é o "grande quadro" do que se passa, ou passava. E tenho, por isso, antes o hábito de ler simplesmente o resultado das investigações destes muito bons investigadores, como é o caso do Daniel Estulin e do Dr. John Coleman. Sendo o melhor que conheço - neste caso, de vários importantes episódios históricos, em particular - definitivamente, o Dr. John Coleman (http://http).

Quanto a este autor chamado Joseph Farrell, não tenho ainda um julgamento feito e terei de confirmar algumas fontes antes de o fazer. Mas, se a tese dele é - como parece ser dado a entender pelo comentário do Luso - de que são nazis, que estão infiltrados dentro do governo norte-americano, os responsáveis por tudo isto - tal como defende um outro autor, que é mencionado nas páginas fotografadas, chamado Jim Marrs - posso-lhe, desde já, dizer que essa é uma tese sem fundamento. Pois - como explicarei, mais adiante - os nazis nunca constituíram qualquer ameaça real ao Império Anglo-Americano/Britânico(/Veneziano).

Contudo, posso também, desde já, dizer que a essência do que este autor diz - de haver quem, dentro do governo dos EUA, quisesse manter as tensões com a União Soviética - é, no entanto, verdadeira.

E, passando a explicar um pouco do que já sei sobre isto...


A "Guerra Fria" foi, em grande parte, um enorme teatro. Pois, a União Soviética era, desde a sua fundação, economicamente dependente dos EUA - que podiam, quando quisessem, destruí-la pela via económica.

Como pode ser lido nas obras do historiador Antony C. Sutton, não só a Revolução Bolchevique (http://http), em si, foi uma operação ocidental, como uma grande parte da indústria soviética (http://http) era constituída por sucursais ocidentais, que eram quem a mantinha economicamente.

Para além disto, tenho até, ouvido repetidamente, ao longo dos anos, diferentes autores dizer que o arsenal militar soviético (incluindo o nuclear) era constantemente exagerado pelo Ocidente - aparentemente, com o objectivo de gerar medo (na verdade, infundado) no seio do mesmo.

Eu ainda não sei muito sobre as componentes passadas (Guerra Fria, Segunda Guerra Mundial e para trás destas) desta conspiração da NOM, que não considere eu serem essenciais para compreender o Presente - pois, estou propositadamente a acumular os livros e as monografias do Dr. Coleman, e de outros autores, que explicam estas coisas, sem os ler, na totalidade, para ter com que me entreter quando não tiver mais Internet (http://http) ;) - mas, do que já sei, e pelo que já pude entender, os objectivos da Guerra Fria eram

(1) o de criar um pretexto para os EUA estabelecerem uma presença militar em todo o Mundo, com a desculpa de que estavam a salvar o Mundo do Comunismo,

(Da mesma maneira que, por exemplo, aquando da "Primeira" Guerra do Golfo, deram a entender ao Saddam que poderia invadir o Koweit, sem problemas, e depois usaram essa mesma invasão para estabelecer uma presença militar na Arábia Saudita - que agora poderá ser de muita utilidade para poderem, eventualmente, atacar o Irão. E da mesma maneira que, por exemplo, o Napoleão foi financiado pelo Império Britânico para, com o pretexto de estarem a libertar a Europa das Invasões Francesas, esse mesmo Império Britânico pudesse ocupar os países invadidos - como foi o caso do nosso, em que, depois da suposta "libertação", não queriam os britânicos ir embora.)

(2) talvez (como disse, ainda não sei tudo...), o de criar uma (suposta) situação de perigo, para que todos os países ocidentais - perante um tão grande e supostamente poderoso inimigo - sentissem uma necessidade de se unir, em alianças como a OTAN, para enfrentar tal inimigo e, com isto, lançar as bases para uma mais profunda união no futuro(?)

(3) e o de criar um pretexto para a criação de instituições de controlo e vigilância: como a CIA e afins, que começassem a vigiar, e a colher informações sobre, todos os países estrangeiros (para que agora, no Presente, melhor possam atacar e invadir esses mesmos países); assim como, departamentos, dentro do FBI e afins, que tivessem como função vigiar os dissidentes políticos internos (com a desculpa do suposto perigo que era a subversão comunista - que era, também ela, incentivada pelo próprio poder estabelecido, ou "governo sombra", de que se fala nas páginas fotografadas, que o Luso publicou - tal como estava a começar a descobrir o Senador McCarthy, antes de terem acabado com a sua Inquisição) e que são agora usados para impedir e suprimir essa mesma dissidência política.


Por outras palavras: essencialmente, para aumentar o poder e o controlo do Império Anglo-Americano sobre os restantes países do Mundo e também sobre a sua própria população doméstica - coisas que os governos, que fazem parte deste mesmo Império, faziam de modo muito limitado, antes da ocorrência desta suposta Guerra Fria.

(Sendo esta nova suposta "Guerra contra o Terrorismo" (http://http) uma repetição da aplicação desta mesma fórmula.)


A propósito disto, há até um interessante filme sobre espiões da Guerra Fria - que aparenta ser um daqueles (http://http) em que, a dada altura, são ditas algumas verdades sobre o mundo real - em que, após estar constantemente a mencionar o termo "controlo" durante o filme, a dada altura, uma das personagens se interroga se todo aquele jogo de espionagem não servirá um interesse maior, desconhecido da maior parte dos vários agentes secretos, peões em todo esse mesmo jogo.

(Fiz, há pouco, o carregamento para o YouTube do mencionado trecho, para que o possam ver...)



Sobre os nazis, e o perigo que estes supostamente representam e representavam...

A nova versão destes, é de expressão muito reduzida. E está já a ser combatida através das novas leis que violam a Liberdade de Expressão - como é o caso da europeia, que também já está em vigor em Portugal, que proíbe alguém de exprimir ideias racistas ou de negar aquela que é considerada a "verdade oficial" de um acontecimento histórico, em particular, que é o Holocausto.

Quanto aos originais, foram uma criação do Império Britânico (http://http) - com o objectivo de (tal como no mencionado filme "A Soma de Todos os Medos") criar uma grande guerra, em que os inimigos alemão e russo, deste mesmo Império Britânico, se destruíssem um ao outro.

Razão pela qual esse mesmo Império Britânico (ou Anglo-Americano) só iniciou a "libertação" da Europa assim que os russos começaram a avançar em direcção à Alemanha, e não antes disso (http://http).

Isto, para além do facto - de que muitos já sabem, ou poderão deduzir - de que esta Grande Guerra serviu também: de pretexto para estabelecer uma maior presença militar norte-americana no Mundo (vejam, por exemplo, a Base das Lajes, nos Açores) com a desculpa de estarem a salvar esse mesmo Mundo do inimigo por esse mesmo Império Anglo-Americano criado; e de pretexto para a criação da ONU - ela própria, uma segunda tentativa da falhada Sociedade das Nações, que surgiu após a anterior Grande Guerra, também instigada por esta mesma gente - controlada (http://http), em grande parte, por esse mesmo Império Anglo-Americano e que deverá servir, no Futuro, como um embrião para o tão falado Governo Mundial (http://http).


---
* (a propósito disto, têm, por exemplo, aqui (http://http), em português, a história daquela que foi a primeira pessoa que, prontamente, se tornou seguidora do meu blogue, ou aqui (http://http), em inglês, uma história que faz lembrar, um pouco, a do mencionado filme "A Soma de Todos os Medos", que gira à volta da recorrente personagem "Jack Ryan" (http://http))
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 18, 2012, 09:53:23 pm
Fernando, eu tenho um... "bichinho" que me diz que os "outros" ainda existem mas adaptaram-se aos tempos e que apenas conservam, nas cúpulas, a doutrina nazi. E essas cúpulas traçam a estratégia para ser executada pelas bases que não sabem o que se passa. Tal como na Maçonaria, se tomarmos como verdadeiro o que Pike e Hall afirmam. E eu tomo.
Continuando na senda da especulação, não estranharia nada que, quando fosse de interesse comum que as duas partes se unissem.

Chamo a atenção que não é só Tom Clancy que pode estar a mandar achegas indirectas e "negáveis". Um romance é óptimo para isso, já para não falar da fonte de inspiração gratuita que é ter acesso a certas coisas "classificadas". Veja o que se passa com parte da obra de Ian Flemming. Ele também deixa uns lamirés aqui e ali. Logicamente que nisso não interessa o pormenor mas a ideia fundamental dos livros e filmecos.

Regressando aos nazis, eles foram uma ferramenta dos nossos amigos, mas que, como parece ser a regra, a coisa saiu-lhes fora do controlo quando viram que as coisas poderiam ser mais interessantes fazendo-se à vida (quanto aos comunistas ainda não tenho bem a certeza devido à "encomenda" de Sacalina).

Quanto ao Farrell, recomendo vivamente que ignore os títulos mas nunca os livros. Ainda no fim de semana comprei logo o último no Kindle. É honesto, cita fontes e declara abertamente quando especula. E desmonta muito mito. Farrell não afirma que são os Nazis por detrás de tudo, mas com influência em muita coisa. Melhor será dizer que são compagnons de route dos "ingleses" quando lhes cheira. Não competidores mas cada vez mais - ao que parece - paralelos. Outros objectivos, pelos vistos.

Para quem está de fora isto parece conversa de malucos. E se calhar até é! :mrgreen:
Mas não o creio.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 18, 2012, 10:44:15 pm
O que se passou com o que restou de movimento nazi, pelo que sei, é que alguns destes foram recrutados para o projecto da NOM - [1] (http://http) [2] (http://http) - obviamente, devido às semelhanças ideológicas entre os dois sistemas políticos.

Os nazis, aliás - tal como diz (http://http) o Daniel Estulin - foram buscar alguns elementos ideológicos à propaganda que defendia a existência de um super-estado europeu, que já havia no início do século passado, e que era da autoria de grupos ligados à NOM. Mas o projecto da "Nova Ordem Mundial" não é a mesma coisa que a "Nova Ordem" defendida por Hitler. Nem a segunda é, tal como diz (http://http) o Alex Jones, um projecto abortado da primeira.

São coisas diferentes. Nomeadamente, quanto toca à questão do nacionalismo e da defesa, ou não, da existência de uma "classe média".

E quem manda em tudo, no topo - e pode facilmente eliminar, ou castigar, quem se intrometa nos seus planos, ou deles roube (como já tem acontecido) - são os principais conspiradores da NOM - organizados em grupos como o Comité dos 300, Clube Bilderberg etc.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 18, 2012, 11:08:19 pm
Citação de: "Fernando Negro"
E quem manda em tudo, no topo - e pode facilmente eliminar, ou castigar, quem se intrometa nos seus planos, ou deles roube (como já tem acontecido) - são os principais conspiradores da NOM - organizados em grupos como o Comité dos 300, Clube Bilderberg etc.

Talvez, talvez... Afinal quem é que pode fazer declarações perentórias neste tema?
A minha suspeita - e repito-me - é que os nazis são uma estrutura paralela e autónoma, quando muito cooperante com os "ingleses" quando lhes for conveniente. Os "ingleses" poderão fazer mossa "à bruta" mas a "finesse" tecnológica estará do lado dos nazis.

Por exemplo: o que me diz da tese da Judy Wood?

Atenção pessoal: isto é especulação pura e dura. Não é mais do que isso.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 19, 2012, 01:47:31 am
Procurando por "Judy Wood" na Internet, deparei-me com uma teoria que considero ridícula, sobre o 11 de Setembro - da autoria dessa autora - que me fez logo perder o interesse sobre tudo o que ela tenha a dizer... Por isso, e para ser sincero (por favor, Luso, não me leve a mal, mas) não me interessa sequer saber o que é que essa mesma pessoa tem a dizer sobre os nazis. Pois, já conheço quase todos os bons autores que expõem este tipo de assuntos e também quem melhor indica as pessoas para esses mesmos autores e nunca ouvi ninguém recomendar essa autora de que fala.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Fernando Negro em Dezembro 19, 2012, 02:16:22 am
Mas, dito isto...


(E lamento muito, Luso e todos os que aqui vêm ler esta série de comentários, que termine eu as coisas de modo abrupto...)

Queria só terminar a minha série de colocações e comentários neste fórum com o aviso de que - suponho que felizmente, para algumas pessoas, e ao contrário do que tinha eu aqui dito anteriormente - não voltarei a este fórum, nem para responder a quaisquer dúvidas que alguém possa ter, relativamente ao que eu aqui tenha escrito, por - tal como constatei, e também neste série de comentários disse - haver quem ande, de modo subreptício, a apagar os meus comentários, recusando-se sequer a responder porque razão é que está a fazê-lo - e estando essa mesma pessoa a baixar o nível das coisas a um ao qual eu não quero estar a descer...

E, explicando-me melhor (e, já agora, também para que os restantes participantes neste fórum de discussão conheçam melhor a natureza do mesmo) passo a elaborar sobre o assunto.


A seguinte, é uma mensagem que me foi repetidamente eliminada nesta (http://http) série de comentários, em particular.

Citar
[Estou a publicar este mesmo comentário pela sexta vez, pois os anteriores foram apagados...]


Vocês têm algum tipo de controlo/registo das colocações e comentários que apagam neste fórum?

É que, ultimamente, tenho tido comentários meus aqui apagados - um deles (o meu último, que consiste num mero vídeo do YouTube) repetidamente - que em nada vejo que possam constituir algo de censurável - não sabendo eu quem o está a fazer, nem porquê...

Falo, por exemplo, dos meus 3 últimos comentários, que - como poderão constatar, se consultarem o meu perfil - não me parece que em nada se justifique que sejam apagados.

(Pode um moderador deste fórum andar a apagar comentários sem justificar nada perante ninguém?)


E as seguintes, são as provas de quem é que, concretamente, andou a eliminar os meus comentários - onde se podem observar: uma ocorrência do desaparecimento desta mesma mensagem; e, ao mesmo tempo, quem é que, com poder para fazer tal coisa, estava a utilizar a sua conta no fórum, na mesma altura em que esta mensagem foi, uma vez mais, eliminada.

[hiperligação para aceder às provas em causa] (http://http)


As "fotografias" foram feitas com uma "câmara de vigilância" que montei no meu sistema GNU/Linux, para "fotografar" este fórum a uma hora a que constatei que este tipo de misteriosos desaparecimentos ocorriam.

Citar
#!/bin/bash
while true; do
cutycapt --url=http://www.forumdefesa.com/forum/ --out=`date +%s`.png
sleep 5
done

(Quem quiser saber de que modo funciona a dita "câmara", procure na Internet pela tradução do código em causa que elaborei...)


Os resultados, creio eu, são conclusivos, o suficiente... E não deixam margem para dúvidas.


Poderia eu aqui ainda responder, e também mais extensamente, a algumas questões que alguém levantasse, mas, como deverão compreender, tenho coisas melhores que fazer do que estar a aturar com este tipo de comportamentos baixos.

Quem quiser, sabe onde me pode encontrar.


Adeus e Boa Sorte a todos os "acordados" e pessoas que começam a "acordar".
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 19, 2012, 09:28:55 am
Não há problema, Fernando. A descrença pode ser saudável. O resto é uma questão de tempo. :mrgreen:
Quanto aos autores, há aqueles que também o tempo faz cair e os caídos que o tempo acaba por enaltecer. Faz parte do jogo e "vem com o território".

E caramba, num instante ignora logo a Judy Wood?
Porquê a confiança exclusiva em meia dúzia de fontes?
Ou melhor, porquê tanta confiança?

Neste momento sei que são perguntas retóricas mas aqui ficam.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 19, 2012, 10:46:03 am
Especulações de lado, ouçam isto:

http://vimeo.com/46666760 (http://vimeo.com/46666760)

Que música é esta?
Quem a escreveu?
Em que contexto foi utilizada?

Porque é que não sabemos disso?
Eu pelo menos não sabia.

Onde estão os nossos "artistas" e "intelectuais"?
A "nossa" Igreja?

Onde estão os Portugueses?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: vmpsm em Dezembro 30, 2012, 08:17:15 pm
Citar
EU should 'undermine national homogeneity' says UN migration chief

The EU should "do its best to undermine" the "homogeneity" of its member states, the UN's special representative for migration has said.
Peter Sutherland told peers the future prosperity of many EU states depended on them becoming multicultural.
He also suggested the UK government's immigration policy had no basis in international law.

http://www.bbc.co.uk/news/uk-politics-18519395 (http://www.bbc.co.uk/news/uk-politics-18519395)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 03, 2013, 09:51:17 am
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Janeiro 04, 2013, 10:49:48 am
Relativamente à teoria conspirativa do B-52, se os americanos quisessem razões para um novo incidente como o do Golfo de Tonquim, eles só precisavam de aproveitar os recontros com as lanchas iranianas:

http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=483
O Irão não tem feito outra coisa que não facilitar a vida aos americanos. Seria simples, muito simples.

A lei do menor esforço aplicada, permite perguntar porque se deveriam organizar complicadíssimas tentativas para criar uma guerra, se bastava argumentar e distorcer um pouco a realidade, para transformar uma passagem mais agressiva de uma lancha iraniana à frente de um navio de guerra americano, num deliberado ataque Kamikaze ?

Quer melhor razão para iniciar uma guerra que um ataque deliberado a um navio americano ?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Janeiro 04, 2013, 11:12:43 am
Citar
Por outras palavras: essencialmente, para aumentar o poder e o controlo do Império Anglo-Americano sobre os restantes países do Mundo e também sobre a sua própria população doméstica - coisas que os governos, que fazem parte deste mesmo Império, faziam de modo muito limitado, antes da ocorrência desta suposta Guerra Fria.

Portanto vejamos...

O Estaline não atacou Berlim mais cedo para garantir que ficava com a cidade e não tinha realmente uma desconfiança patológica do ocidente, que o levou a não acreditar em todos os relatórios ingleses que lhe diziam que os alemães invadiriam a URSS a 22 de Junho de 1941.

Todos os regimes da Europa de leste eram indiretamente controlados por uma organismo secreto e obscuro.
Curiosamente esses regimes, controlavam outros regimes e mantinham no poder déspotas como Kadafi ou Assad.

Devemos deduzir que neste momento os ocidentais ajudaram a expulsar essa gente da Líbia e apoiam os que lutam contra ela na Síria ?

E claro, o Partido Comunista da China, tambem deve fazer parte do complot.

E a India de Ghandi, já agora, ou será que o Nehru era conspirador também ?

Quando se parte para uma teoria conspirativa tão ampla, cai-se completamente no ridiculo.




O que aconteceu foi simples. As democracias tinham o problema do voto e a população opta sempre por soluções pacificas. Se não houvesse forma de manter a população com medo de um ataque comunista, os comunistas teriam aproveitado e controlado toda a Europa.
Os russos nunca esqueceram que não passaram de Berlim em 1945, mas que no século XIX chegaram a Paris.

Tudo o que foi feito teve em vista garantir que se continham os comunistas. Caso contrário, alguma vez os americanos e os ingleses tinham aceite a formação de um grande estado alemão como a Republica Federal Alemã ?
Os russos queriam uma Alemanha completamente dissolvida e transformada em pequenas repúblicas (Baviera, Renania, Holstein, Palatinado), esvaziando a Europa central de um poder maior como o alemão.

Se o mundo anglo-saxonico queria controlar a Europa, como é que vão aceitar voltar a criar a Alemanha no centro da Europa, sendo certo que mais tarde ou mais cedo eles voltariam a ser dominantes ?
E os franceses ?
Porque não foram controlados e porque os deixaram desenvolver as suas próprias armas atómicas e ter uma politica independente ?
Então esses países super poderosos não são capazes de controlar a França ?

Essas teorias baseiam-se todas em meias verdades e em alguns casos em décimos de verdade e não se sustentam.
Três ou quatro perguntas e já não há respostas para sustentar a teoria conspirativa.


O neoconservadores americanos são uma realidade. É uma corrente que se considerou ter alguma lógica nas suas suposições, É verdade que ainda hoje sofremos com os resultados das suas ideias já que estas se baseavam no desproporcional aumento do poder do sistema financeiro, aliado ao desmembramento dos potênciais rivais dos Estados Unidos.

Mas sempre que uma força se organiza, normalmente há sempre um contra-poder que reage. E neste caso foi a China, que apareceu (ou voltou para re-ocupar o lugar que quase sempre teve).

É assim que o mundo vive há milénios. Vive de movimentações de uns poderes contra os outros. A inércia, o desgaste, o esforço demasiado,  acabam sempre por corroer o poder de um império ou de uma força muito poderosa, por muito poderosa e invencível que ela pareça.

O Egito dos faraós, parecia invencível no século X AC, o Império persa parecia invencível no século V AC, O império de Alexandre o Grande, parecia invencível no século III AC, o Império Romano parecia invencível no primeiro século, o império de Carlos Magno parecia invencível no século X , o império do Islão parecia invencível por volta de 700 AC, o império marítimo português parecia invencível no inicio do século XVI, o império espanhol parecia invencível no final do século XVI, o império britânico parecia invencível no final do século XIX, o império russo parecia invencível em 1970 e o americano parecia invencível em 1990.

Contra esses impérios levantam-se forças e todos eles se protegem, nem sempre por operações às claras.
Todos jogaram com a corrupção, os favores sexuais, a chantagem, os truques, o assassinato. Quando nada disto funcionou e só quando nada disto funcionou é que se optou pela guerra.

É assim o mundo. Sempre foi assim.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 04, 2013, 11:27:22 am
acho apropriado para este tópico:

Citar
A classe média e a quinta coluna
Posted on Janeiro 3, 2013

O modelo de sociedade que ainda hoje nos guia é essencialmente uma relíquia do estado pós primeira grande guerra, o voto universal, os serviços também universais, a paz com objectivo… tudo pagamentos feitos ao homem comum por uma aristocracia (terratenente, industrial e cada vez mais financeira) que sentiu o seu poder a falhar pela primeira vez em quase cinco séculos. O sangue que correu em Ypres, no Somme e em Verdum foi demasiado para apagar da memória. Os mortos para além de qualquer justificação. A sanidade mantida apenas a custo de um pulso pessoal forte perante a loucura do mundo. Regressou uma geração quebrada, cheia de fúria justificada contra o embuste de que foram vítimas durante quase cinco anos. Foi o apaziguamento das massas. Pelo menos das que saíram da guerra do lado vencedor. Agora não temos guerra, tirando em sítios distantes que a maioria não saberia apontar num mapa, cujos líderes se desconhecem e com costumes para os quais as pessoas se estão nas tintas. Não temos também um grande inimigo em quem concentrar os nossos terrores e manter as nossas elites na linha. A espada de Dâmocles que foi a União Soviética foi quebrada. Ao fim de um século os princípios geradores da nossa ordem social estão a dar de si. As razões para a nossa organização económica e política a desaparecer e as nossas elites já se encontram em movimento para se reorganizarem de acordo com as novas regras que elas próprias podem voltar a ditar sem interferência. Ao fim de um século o cidadão perdeu de novo a guerra.

O processo começou no dia que o muro de Berlim caiu. A última ameaça credível às elites ocidentais estava morta. As potências comunistas depressa seriam desmembradas e absorvidas no sistema-mundo de forma particularmente vingativa e punitiva (como não se fez com a RFA em 1949 diga-se). A partir deste momento o regresso de alguns elementos à vida Europeia, talvez mundial, seria inevitável. O desemprego estrutural (um nome pseudo técnico que visa tapar a realidade: desemprego permanente) estava destinado a regressar. Ao fim de duas décadas cá está ele. Em larga escala como não era visto desde a ascensão do fascismo, e com mais ou menos os mesmos efeitos. Ao criar uma situação irresolúvel para milhões de pessoas está-se a desintegrá-las da sociedade que fazem parte. A partir desse momento saem de um circuito e entram noutro, que apesar da vulnerabilidade acrescida e miséria tem também menos limites e fornece menos razões para alguém se conformar com imposições exteriores. Ao contrário dos Bourbon, que apesar de nada esquecerem nada aprenderam, as elites europeias aprenderam e sabem, pelo menos em parte, as consequências das suas acções. Não é por acaso que surgem propostas de militarização crescente das forças policiais. Não se trata apenas de recompensar o único corpo paramilitar (com a excepção da polícia política) que permaneceu fiel ao antigo regime de 73. É o reconhecimento que a partir deste momento haverá duas tarefas. Lidar com os cidadãos (que mantêm empregos e são “respeitáveis”) e o que em breve receberá o nome de “escumalha” (desempregados permanentes completamente desintegrados que vivem numa realidade quase paralela). A primeira tarefa requer algum tato e a segunda apenas repressão.

Apesar de terem existido recentemente algumas manifestações de grande dimensão temos causa para perguntar porque é que estamos perante um processo que parece em grande medida silencioso. A resposta é um segredo social sujo. Os portugueses empregues e que se encontram a salvo do pior estão prontos a aceitar esta versão dos acontecimentos e a nova realidade que os acompanha. Daí preferirem ignorar tudo o que se passa à sua volta e prosseguirem o seu estilo consumista e alienador. Não querem lidar com política (coisa que aliás pensavam que estava morta). Não querem lidar com o lado negro da sua realidade, isso só acontece aos novos sub-humanos que, começam a acreditar, são realmente inteiramente responsáveis pela sua sorte. Os “debates” públicos (não merecem esse nome porque as conclusões já foram retiradas antes de uma só palavra ter sido proferida) centram-se em encontrar responsáveis individuais pelos “azares” do país num padrão amplamente reconhecido como a busca por bodes expiatórios para obter paz social – afinal os culpados terão sido punidos. Mas ignorada, porque é demasiado volumosa e útil ao novo sistema que começa a emergir, está a verdadeira quinta coluna. A classe média que resta que pensa que irá sobreviver a tudo e está disposta a vender os seus vizinhos pela promessa de “protecção” e mais alienação.

http://enclavept.wordpress.com/2013/01/ ... nta-coluna (http://enclavept.wordpress.com/2013/01/03/a-classe-media-e-a-quinta-coluna)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 04, 2013, 05:31:10 pm
Isso é válido para todas as classes, P44.
Em todas há alienados e, com toda a franqueza, duvido do alegado "poder" da classe média.
Também se pode falar da alienção de quem recebe/recebia tudo e mais alguma coisa do Estado e está/estava a borrifar-se para a sua própria sorte e/ou dos outros, como os contribuintes que os sustentam.
Das elites já se disse tudo, porque é graças ao seu devorismo que isto está como está. Falo obviamente das elites com autorização para aparecer.

Eu só culpo as elites. O poder é e sempre será delas.
A cultura é por elas definido.
Os valores também.

Com o devido respeito P44, parece-me que o autor se preocupou mais em aparecer ao inventar mais um culpado que ninguém se lembrou.
E que ninguém consegue nomear.
É mais fácil que clamar por cabeças com culpas bem identificadas. É mais seguro e fino.

Porque é que o autor não questiona antes o porquê danatureza e da existência das elites que temos? *Tá quêdo...*
Isso seria claro e objectivo.

Porque é que os jornais não falam do Sócas?
Do Dias Loureiro?
Do tipo do Siresp?
De uma série deles?

São da classe média?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 04, 2013, 07:17:43 pm
Tens toda a razão no que dizes, Luso :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 04, 2013, 10:17:15 pm
Por exemplo, esta, P44:


Citar
Férias de luxo de Relvas e Dias Loureiro[/size]
 
Tiago Mesquita
 8:00 Quinta feira, 3 de janeiro de 2013

Em circunstâncias normais, as viagens privadas que os políticos ou ex-políticos fazem (para nos darem um bocadinho de descanso) são um problema deles. Num cenário diferente do actual, ser-me-ia completamente indiferente se o ministro Relvas escolhia ir passear a tanga ao Brasil ou brincar pelado com os pinguins na Antártida. Se o passado do ex-administrador da famigerada SLN - Dias Loureiro - não tivesse directamente a ver com um presente envenenado e o futuro condenado (nosso, entenda-se), não perderia um minuto a pensar neste assunto.
 
Acontece, porém, que Relvas é a cara desta espécie de governo que nos impõe sacrifícios diariamente e Dias Loureiro é uma das faces visadas na mega-fraude do BPN - via SLN - escândalo que já custou aos portugueses a módica quantia de 3405 milhões de euros (custo estimado até ao final de 2102), custo para os contribuintes que pode atingir 6509 milhões de euros, mais juros e contingências. Coisa pouca. Ora nestas circunstâncias ler notícias como a que se segue aumenta exponencialmente a vontade de fretar um avião (conduzido por um primo do capitão Schettino) e enviá-los para o triângulo das Bermudas.
 
"O ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, foi passar os últimos dias do ano ao Rio de Janeiro, Brasil, e esteve num dos mais luxuosos hotéis da "Cidade Maravilhosa", o emblemático Copacabana Palace. Mas não foi o único. O ex-administrador da SLN, holding que era detentora de 100% do BPN - Banco Português de Negócios, Dias Loureiro, e o ex-ministro das Cidades, Administração Local, Habitação e Desenvolvimento Regional, José Luís Arnaut, também lá estiveram." - jornal i
 
A diária no Copacabana Palace, segundo o jornal i, "custa um mínimo de 600 euros e o preço médio por dormida é de 800 euros, sem incluir taxas de serviços de hotel ou pequeno-almoço - e a preços de balcão. Uma refeição no hotel pode custar bem mais que a pernoita e os preços sobem em época alta, como acontece nos períodos de Natal e Ano Novo."
 
Numa época em que apenas falta ao ministro Gaspar lembrar-se de pagar os subsídios com vouchers de 'A Vida é Bela', em que os portugueses contam tostões antecipando o incerto, em que muitos hotéis estão de portas fechadas por falta de clientes (16% dos hotéis portugueses encerraram na época baixa. Só no Algarve, de acordo com dados da Associação da Hotelaria de Portugal, quase metade dos hotéis (48%) fecharam esta estação por falta de turistas), o ministro Relvas não se coibiu de laurear a pevide no Brasil, à grande e à Sócrates, demonstrando uma total falta de decoro, bom senso e sensibilidade. Foi festejar o quê, pergunto?
 
Meus senhores, o sacrifício maior exigido aos portugueses é mesmo termos de continuar a alimentar-vos. É uma vergonha.
 
Ler mais: http://expresso.sapo.pt/ferias-de-luxo- ... z2H30ma2gS (http://expresso.sapo.pt/ferias-de-luxo-de-relvas-e-dias-loureiro=f776991#ixzz2H30ma2gS)

Pedia, contudo, que estas notícias fossem discutidas do "Apetecia-me Gritar Alto", por não se estar aqui a co-relacionar notícias distintas...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 05, 2013, 11:22:11 am
já tinha lido essa, Luso.

Vou agora postar outra boa no tópico que referiste. É "só" mais um exemplo da moralidade laranja.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Janeiro 05, 2013, 09:37:38 pm
O texto que o Pzito colocou penso que não tem tanto a ver com colocar as culpas em algo ou alguém mas sim apontar à manobra orquestrada. E a malta, desinformada e amorfa, com o espírito quebrado e ignorante, temerosa de perder as poucas e cada vez menos migalhas que lhe vão deixando, olha com horror para quem já nem direito a migalhas tem como se a culpa fosse dos desgraçados, em vez de olhar para cima.  

Basta ver a ânsia assassina com que olha para um simples pilha-galinhas que rouba um saco de feijão para matar a fome e ao mesmo tempo trata com submissão canina, tratando por "Senhor Doutor", canalhas da pior estripe como Sócrates, Dias Loureiro, Cavaco Silva e outra ladrões e corruptos da mais escrotal espécie. Esses sim que lhe destruíram o futuro para os filhos...... Povo capado.... :evil:  :evil:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 06, 2013, 01:28:32 pm
este povo é a maior raça de otários à face da Terra.

O Torgal é que a disse bem dita(ver assinatura):
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 06, 2013, 03:16:32 pm
Não tenho a mínima dúvida que quem manda queira fazer do povo português um povo estúpido. Aliás creio que já passaram há algum tempo razões para disso duvidar.
Mas de onde virá essa certeza?
O Torgal, esse padreco oportunista/vigarista o que fez ao logo da carreira para combater essa estupidez? Fazendo homilias inócuas? Como foi que ele chegou onde chegou? Por dizer a verdade?
Aliás, o que faz a ICAR para isso? Porque é que a ICAR disvirtua o Livro? Para onde vai o dinheiro dos donativos, ouro e esmolas dado pelos fiéis?  

Porque é que nos querem fazer crer isso, que o povo português é estúpido?
Onde é que nos baseamos para o dizer?
É que no dia-a-dia tenho demonstrações de estupidez, é certo, mas nem de longe nem de perto o que dizem, muito pelo contrário.
Diria mais resignação. É preciso alguém que mobilize o povo contra a anomia. Mas o poder não permite que alguém com essa capacidade apareça.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Janeiro 06, 2013, 06:09:34 pm
Citação de: "Luso"
É que no dia-a-dia tenho demonstrações de estupidez, é certo, mas nem de longe nem de perto o que dizem, muito pelo contrário.
Diria mais resignação. É preciso alguém que mobilize o povo contra a anomia. Mas o poder não permite que alguém com essa capacidade apareça.

Não posso concordar. Pior que a ignorancia é a passividade laxista e resignada. Se um Povo cai nisso não tem como, nem merece, ser livre e independente. Se é preciso que venha alguém galvanizar e motivar para o que sabemos ser necessário fazer, então que se retire a Democracia e venha a ditadura. Assim poderão continuar como ovelha no rebanho a mando do "pastor" e seus "cães" e terão então todas as razões para clamar que a culpa não é deles. Democracia não significa apenas liberdades e direitos, significa acima de tudo, responsabilidade.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 06, 2013, 06:59:26 pm
Independentemente do sistema que possamos enter ser o melhor para Portugal, Fox, o certo é que tem sempre que haver um sistema nervoso, um cérebro, para as partes actuarem coordenada e eficazmente.
Sem isso, compreendo a racionalidade da resignação.
Imagina que eu me chego à frente (porque é preciso sempre um iniciador, um detonador, um motor de arranque, um primeiro esforço). Sou eu? Quem me conhece? Quem me respeita?
Depois, como se organiza espontâneamente a coisa?
Amanhã revolto-me eu. Tu só te revoltas na sexta à tarde, quando receberes o ordenado. Ao P44 dá-lhe a branca na hora a seguir ao Benfica perder com o Porto...
Portanto, gente passada a horas diferntes, em locais diferentes, a pensar fazer coisas diferentes e sem conhecer os restantes "passados".
Imagina que a ti e meia dúzia de outros te dá para altruísta e pões-te a fazer estrilho. Como serias visto pelos "merdia"?

Eu só vejo a possibilidade das coisas acontecerem através de um apelo feito por uma pessoa conhecida e respeitada - para ter força e legitimidade.
Posso estar enganado e aceitarei de bom grado outra alternativa que desconheça.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: vmpsm em Janeiro 06, 2013, 10:36:39 pm
Mais importante que um líder que surja eventualmente, penso eu, será um plano para mudar as coisas com cabeça tronco e membros, que seja exequível que as pessoas entendam e que adiram a ele.

Porque “fazer estrilho”, revolta, barulho e partir tudo é inconsequente e não serve de nada se não tiver um fim.
Os portugueses não se mexem não por resignação mas porque neste momento não se vê essa alternativa esse plano se quiserem.

Vamos mudar o governo?
Quem vamos lá por a seguir?
Vamos mudar o sistema político?
Democracia? Totalitarismo? Republica? Monarquia?
Vamos sair do euro e cortar com a troika?
De onde vem o dinheiro para pagar as dividas?
Como vamos alterar as coisas?
Como se vai chegar lá?
Quem se vai chegar à frente?
Que é preciso fazer para chegar lá?
Quanto tempo vai necessitar?
Etc Etc

Perguntas há muitas! Respostas é que nem por isso! Por isso ninguém se mexe e as coisas continuam na mesma.

Estamos entalados num nó górdio que não será desfeito enquanto as condições actuais persistirem.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 06, 2013, 11:14:55 pm
Precisamente, vmpsm. Mas não se esqueça que são as respostas a essas perguntas que definem esse líder: ou seja, só o será se as tiver.

Já repararam que em TODOS os "mérdia" não há ninguém que as queira colocar?
Para não falar em as responder.

Por isso é que temos uma "imprensa" cada vez mais irrelevante, menos lida, menos vista e ouvida.
É descarada a maneira como fogem às questões importantes procurando os rodiguinhos.

Sendo assim, como é que nós podermos conhecer quem queira lutar por.. nós, portugueses?
É uma prisão invisível. Uma ilusão de comunidade/liberdade.

Não consigo conceber uma maneira de dar a volta a isto.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Janeiro 07, 2013, 12:41:46 am
Precisamos de uma primavera Lusa...  ou um inverno Luso.  :G-bigun:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 07, 2013, 09:37:40 am
Citação de: "FoxTroop"
Citação de: "Luso"
É que no dia-a-dia tenho demonstrações de estupidez, é certo, mas nem de longe nem de perto o que dizem, muito pelo contrário.
Diria mais resignação. É preciso alguém que mobilize o povo contra a anomia. Mas o poder não permite que alguém com essa capacidade apareça.

Não posso concordar. Pior que a ignorancia é a passividade laxista e resignada. Se um Povo cai nisso não tem como, nem merece, ser livre e independente. Se é preciso que venha alguém galvanizar e motivar para o que sabemos ser necessário fazer, então que se retire a Democracia e venha a ditadura. Assim poderão continuar como ovelha no rebanho a mando do "pastor" e seus "cães" e terão então todas as razões para clamar que a culpa não é deles. Democracia não significa apenas liberdades e direitos, significa acima de tudo, responsabilidade.


Plenamente de acordo. Chega de "Sebastianismos"!!!!

Citação de: "Duarte"
Precisamos de uma primavera Lusa...  ou um inverno Luso.  :twisted:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Janeiro 07, 2013, 11:11:47 am
Citação de: "vmpsm"
Mais importante que um líder que surja eventualmente, penso eu, será um plano para mudar as coisas com cabeça tronco e membros, que seja exequível que as pessoas entendam e que adiram a ele.

Porque “fazer estrilho”, revolta, barulho e partir tudo é inconsequente e não serve de nada se não tiver um fim.
Os portugueses não se mexem não por resignação mas porque neste momento não se vê essa alternativa esse plano se quiserem.

Vamos mudar o governo?
Quem vamos lá por a seguir?
Vamos mudar o sistema político?
Democracia? Totalitarismo? Republica? Monarquia?
Vamos sair do euro e cortar com a troika?
De onde vem o dinheiro para pagar as dividas?
Como vamos alterar as coisas?
Como se vai chegar lá?
Quem se vai chegar à frente?
Que é preciso fazer para chegar lá?
Quanto tempo vai necessitar?
Etc Etc

Perguntas há muitas! Respostas é que nem por isso! Por isso ninguém se mexe e as coisas continuam na mesma.

Estamos entalados num nó górdio que não será desfeito enquanto as condições actuais persistirem.

Tenho que concordar que as respostas para todas essas questões são de veras complicadas.

Mas na mudança eu começava com uma actitude simples. Começar um combate sério à corrupção.

Posso tar enganado ao afirmar isto, mas para mim um número muito próximo da totalidade dos problemas do nosso país vem da mesma.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 07, 2013, 11:48:39 am
O Estado vai comprar o BANIF.
http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.as ... &did=91568 (http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=24&did=91568)

Eles estão pura e simplesmente a c-a-g-a-r para nós.
Agora é preciso ser MUITO ESTÚPIDO para ver que isto é tudo menos uma democracia.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 08, 2013, 12:44:54 pm
Citação de: "P44"
Citação de: "FoxTroop"
Citação de: "Luso"
É que no dia-a-dia tenho demonstrações de estupidez, é certo, mas nem de longe nem de perto o que dizem, muito pelo contrário.
Diria mais resignação. É preciso alguém que mobilize o povo contra a anomia. Mas o poder não permite que alguém com essa capacidade apareça.

Não posso concordar. Pior que a ignorancia é a passividade laxista e resignada. Se um Povo cai nisso não tem como, nem merece, ser livre e independente. Se é preciso que venha alguém galvanizar e motivar para o que sabemos ser necessário fazer, então que se retire a Democracia e venha a ditadura. Assim poderão continuar como ovelha no rebanho a mando do "pastor" e seus "cães" e terão então todas as razões para clamar que a culpa não é deles. Democracia não significa apenas liberdades e direitos, significa acima de tudo, responsabilidade.


Plenamente de acordo. Chega de "Sebastianismos"!!!!

Citação de: "Duarte"
Precisamos de uma primavera Lusa...  ou um inverno Luso.  :twisted:

Quem vos viu e quem vos vê... :twisted:  :evil:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Janeiro 08, 2013, 03:40:39 pm
Eu acho que corremos o risco de endeusar o passado, levando a frases como esta.

De todos os nossos heróis, haverá muitos que tendo feito e cometido atos heroicos, não foram ao mesmo tempo bandidos gananciosos, pederastas, pedófilos, depravados e assassinos ?

Um dos maiores criminosos da nossa história, chamou-se Sebastião José de Carvalho e Melo. E a um dos seus maiores bandidos, Portugal ergueu a maior estátua erguida a um português.
Fará isto sentido ?
Teremos esquecido que muitos dos nossos «GRANDES» foram também bandidos corruptos ?

Se esquecermos esta dimensão da nossa História, corremos o risco de viver com um passado fantasiado e de nos relacionarmos de forma doentia com um passado que não podemos atingir porque os homens de outrora eram grandes, poderosos, honestos, impolutos e bons pais de família.

Nada poderia estar mais longe da realidade.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 08, 2013, 04:19:03 pm
Papatango, e daí?
O que propões?

Muitos dos grandes de outrora, independentemente do patrocínio e propaganda que possam ter merecido de certas agremiações ou grupos, capazes de ser tudo menos santos, lá fizeram alguma coisa - ou coisas - que se revelaram ser mais virtuosas que o muito mal que fizeram. Isto é objectivo e não um sofisma.
É sabido que tenho as minhas simpatias por certas correntes políticas e personagens históricas. Nunca neste tópico as evoquei, porque não é lugar para isso e, devo dizê-lo, recuso-me a fazer proselitismo político por o considerar absurdo.

Mas repara que ninguém evocou aqui e agora alguma figura do passado, até porque as condições são - a meu ver - bastante diferentes do que se passou no passado, embora não o pareça.
E agora?
Mais importante: o que propões?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Janeiro 08, 2013, 10:24:25 pm
Eu chego-me à frente para pôr ordem nesta canalha toda!!!   :N-icon-Gun:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 09, 2013, 10:44:00 am
Eu ofereço-me para comprar corda
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 09, 2013, 10:45:29 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"

Quem vos viu e quem vos vê... :twisted:  :twisted:  :mrgreen:  :G-beer2:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Janeiro 09, 2013, 11:17:48 am
Citação de: "Luso"
O Estado vai comprar o BANIF.
http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.as ... &did=91568 (http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=24&did=91568)

Eles estão pura e simplesmente a c-a-g-a-r para nós.
Agora é preciso ser MUITO ESTÚPIDO para ver que isto é tudo menos uma democracia.

Digo isto seriamente, gostava que viesse aqui algum apoiante ou simpatizante do actual governo ou partidos no poder tentar justificar ou dar uma explicação por mais pequena e abstrata que seja para esta decisão politica.

É que eu, talvez por falta de criatividade, não consigo sequer imaginar uma reles desculpa para isto.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 09, 2013, 11:35:30 am
Fala com o Pzito que ele é grande fã do PS/D. :twisted:  :twisted:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 09, 2013, 05:27:28 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Fala com o Pzito que ele é grande fã do PS/D. :twisted:  :twisted:


Ui!  :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Janeiro 10, 2013, 01:03:56 pm
Eu não tenho a pretensão de achar que tenho solução para algum problema, ou que sou ou seria capaz de resolver os problemas do país encontrando um ou dois culpados e resolvendo o problema à minha maneira.

Eu apenas me limito a lembrar que em alturas de crise, é quando surgem mais profetas da desgraça e salvadores da Pátria cada um com a sua solução milagrosa para resolver os problemas de todos. É uma espécie de banha da cobra política.

Uma das coisas que mais ouvimos é falar dos grandes de antigamente, que faziam, aconteciam e resolviam os problemas todos com justiça e equidade.

Eu limito-me a dizer que isso é mentira !
Repito, isso é mentira.

Nunca existiu ninguém que resolvesse os problemas do país de acordo com os desejos de todos e afetando um mínimo possível de pessoas.

Os portugueses, a acreditar no que dizem muitos estrangeiros que se deram ao trabalho de nos estudar, são um povo muito prático, que aceita que se vão os anéis para conservar os dedos, e que aceita tomar decisões que podem ser inconvenientes, para salvar algo mais importante.

Para salvar o Brasil e o resto dos territórios e impedir que caíssem em mãos estrangeiras, os portugueses sacrificaram o seu próprio país na Europa.
Para quem quer que fosse, esse tipo de atitude teria sido mesquinha, estúpida e própria de um povo atrasado.
No entanto foi o que fizemos, com muito sacrifício, e não sem que até hoje, o êxodo da corte não seja satirizado por metade dos historiadores, como um ato de cobardia.

Em todos os periodos da nossa história tivemos pessoas incompetentes na administração dos destinos do país, e também tivemos muitas bestas, muitos loucos, muita gente violenta e má como as cobras.
Foi de todos estes grupos que vieram os nomes mais sonantes de um país que vai dentro de umas décadas comemorar 9 séculos de história.


Eu não tenho soluções, apenas peço às pessoas que pensem. Antes de tudo pensem. E pensem tendo em consideração que muito do que houvem na comunicação social pode pura e simplesmente ser mentira.

Há jornais em Portugal, que mesmo que publiquem mentiras, preferem pagar multa a publicar um desmentido na primeira página.
Há jornalistas de investigação (senhoras muito conhecidas) que são conhecidas no meio por serem autênticas prostitutas que investigam o que lhes pagarem para investigar e concluem o que lhes pagarem para concluir.

O problema não é exclusivo de Portugal. Ainda há dias vi o patético do Alex Jones na CNN a ser entrevistado pelo Piers Morgan na CNN. Não sei se por a figura do cretino adiposo comedor de Hamburgers me ser especialmente repugnante concluí isso, mas tive pena desse tipo de mentiroso congénito.
Foi ridicularizado num programa de televisão de grande audiência, e depois foi escrever para o blog dele, que tinha demonstrado que o Piers Morgan (que ele acusa de ser um Bilderberger) estava errado.

Lembro que este louco, acha que a solução para o problema dos constantes assassinatos nas escolas americanas reside em dar formação de tiro aos professores e dar armas às crianças.

É o mesmo maluco que afirma que os trails de condensação dos aviões são químicos para nos matar (eu já deveria estar morto há uns três anos) ou o tonto que mesmo depois de demonstrado até à exaustão que não tinha havido lançamento de míssil nenhum na California, continuou a insistir que os chineses foram lá mostrar que podiam disparar um míssil dentro das águas territoriais americanas.

O problema, é que gente como este individuo é levada a sério.
E não podemos de forma alguma tomar decisões sobre o futuro, ou sobre o que quer que seja, quando os problemas que temos que resolver são os que são apontados por este tipo de gente.


Não acredito que existam grandes organizações a condicionar o futuro do mundo, nem de Portugal.

O que acontece é que em tempos de abundância, há pessoas que encontram maneira de tirar umas notas da caixa. O truque é descoberto e fica mais ou menos na penumbra, mas o numero de pessoas que vai sabendo do truque vai tirando a sua parte. De repente, percebemos que a caixa ficou vazia e tentamos encontrar o culpado.
Ninguém se declara culpado, porque cada um sabe de si, e sabe que só tirou um pequeno maço de notas. Mas até que se investigue, e se perceba que cada um roubou por si, e que não existiu nenhuma conspiração para roubar, passará tempo.
Os que tinham a obrigação de guardar a caixa, também preferem que a culpa seja atribuida a uma grande e poderosa organização, porque assim justificam a sua incompetência.

E la nave va...

Não há uma grande conspiração de ladrões. Há, isso sim, um grande número de ladrões pequenos, que cometeram cada um deles um pequeno crime, sem terem a noção da dimensão que o roubo estava a atingir.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 10, 2013, 02:13:58 pm
Este tipo deve ter uma costela Portuguesa, concentrem-se só na mensagem referente à mentalidade de rebanho...


Vá-la, ó "J", comecem todos a dizer:

beeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee! :twisted:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Janeiro 10, 2013, 03:32:00 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Este tipo deve ter uma costela Portuguesa, concentrem-se só na mensagem referente à mentalidade de rebanho...


Vá-la, ó "J", comecem todos a dizer:

beeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee! :twisted:

Basicamente a mesma diferença entre PS/PSD em Portugal. Entre esquerda e direita que no fundo são o mesmo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 10, 2013, 06:29:08 pm
Tanto ódio pelo Alex, Papatango...
Mas viste o recentíssimo "debate" Piers / Alex. Porque perdeste o teu tenpo?
Tanto ódio...
E por uma coisa que não nos diz -portugueses- directamente respeito.
Tanto ódio. Até parece artificial.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Janeiro 10, 2013, 06:30:33 pm
A questão de PS ou PSD é completamente irrelevante no contexto atual.

Eu creio que já aqui contei o que se passou com um ex colega meu, que em meados da década de 1990 foi comprar uma casa.
O responsável do banco apresentou duas propostas de financiamento, uma com prestação fixa (que era muito dificil de pagar no inicio) e outra com prestação que era muito baixa no inicio e depois aumentava gradualmente, mas que era a que a maioria das pessoas escolhia.

A pessoa em causa fez contas e respondeu ao senhor do banco, que se escolhesse a segunda opção, dentro de alguns anos não tinha como pagar a prestação da casa.
Então, o homem do banco, respondeu de forma muito cândida:
«Não se preocupe, porque toda a gente está na mesma situação e quando isso acontecer, o governo tem que arranjar uma solução».

Isto foi o que aconteceu a Portugal e a outros países.
A União Europeia deu dinheiro para investimento, mas Portugal tinha que pagar uma parte (a outra era a fundo perdido)
Mas quando os ministros das finanças disseram a Bruxelas e aos bancos, que os seus países não teriam dinheiro para pagar a parte com que tinham que entrar (para não perder o financiamento a fundo perdido) responderam-lhes ou deram-lhes a entender, que se houvesse problema, haveria sempre a Alemanha, que não podia deixar cair nenhum país da UE na falência.

O nosso problema (e mais no caso grego) ocorre quando os bancos entendem que a Alemanha, afinal não estava disposta a resolver o problema e não pagaria.

Ocorreu a nível europeu, o mesmo que aconteceu com o meu ex-colega.
O comprador foi iludido, com a ideia de que mesmo que não tivesse dinheiro para pagar, alguém haveria de resolver o problema (o governo no caso da compra da casa e o Bundesbank, no caso dos emprestimos aos países).

E é aqui que reside o problema.
Porque o banco sabia perfeitamente, que se o governo não arranjasse uma solução, isso provocaria uma crise social e o banco estaria sempre a salvo.
Os bancos sabiam na altura, que com uma economia cada vez mais baseada no crescimento das bolsas e nos produtos financeiros, se havia coisa que um governo não poderia fazer, era deixar cair um banco, porque se caísse um, todos poderiam cair como castelos de cartas.

E foi o que esteve à beira de acontecer nos Estados Unidos, com a falência do Lehman Brothers e com os bancos americanos obrigados - literalmente OBRIGADOS - a receber dinheiro, para evitar os problemas que poderiam ocorrer.
Em Portugal tivemos uma situação idêntica com o BPN. O outro banco que fechou foi o BPP (Banco Privado Português), mas como esse era visto como o banco dos ricos, o problema da convulsão social não se colocava e o banco tinha poucos depositantes e esses depositantes nunca conseguiriam fazer manifestações de grande dimensão.

Tanto o BPN como agora o BANIF, são apenas demonstrações do resultado do tal homem que dizia aos clientes para se endividarem, porque se houvesse problemas, o Estado tinha que fazer qualquer coisa.

Portanto, há culpa do sistema financeiro, mas também há culpa do portuga, deslumbrado com o dinheiro barato e para o qual o Portugal não poderia ter apresentado garantia se lha tivessem pedido.

Logo, há culpa dos banqueiros franceses e alemães e também britânicos, que venderam dinheiro demasiado barato aos governos, mas também há culpa dos governos, que foram iludidos com a canção de embalar que lhes foram cantando. Estes governos foram o do Guterres, o do Durão Barroso e o do Sócrates.

O governo do Cavaco não teve esse problema, porque o Cavaco (que não é um neo liberal) também acreditava nas vantagens da injeção de dinheiro na economia, mas enquanto foi primeiro ministro, era só travar um pouco que a situação podia ser corrigida, já que a dívida estava controlada.
Era preciso travar, mas o Guterres não travou, o Durão não travou e para cúmulo, em 2008 a besta estúpida de Paris, não só não travou, como carregou no acelerador da dívida aumentando-a em 50% em apenas alguns meses.


Este problema não tem a ver com o sistema partidário, é um problema do sistema financeiro e não é o PS o PSD ou o CDS ou outro partido que o podem resolver.

Mas não podemos deixar de dizer - porque é verdade - que é obscena e criminosa a tentativa de limpar a culpa daquele que é de longe o principal problema pelo gigantesco mar de esterco em que estamos metidos.
A travagem era precisa desde Guterres (o Cavaco preparou a coisa para fazer investimentos durante o seu governo, o que obrigaria o PS a uma política de contenção, se quisesse manter a economia nos trilhos depois de 1998). O Guterres nada fez e é nessa altura que o Cavaco aparece com a celebre alegoria do «Monstro do Deficit».
Na verdade o Cavaco é parcialmente responsável, porque deu o exemplo. Os outros (Guterres e Barroso) tinham que travar, mas não quiseram ficar atrás. Eles atuaram de forma irresponsável. Já o bandido de Paris, não agiu de forma irresponsável, ele agiu de forma criminosa.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Janeiro 10, 2013, 10:48:45 pm
Papatango, essa história do seu colega é mesmo verdadeira ou uma metáfora? É que isso foi a base do credit crunch e em Portugal nao existiu semelhante fenómeno. No entanto, se for verdade, é criminoso e mostra o comodismo do pos 25 de abril em que se pensa que a vida só pode melhorar e o estado paga tudo.

Em relaçao ao que disse no ultimo paragrafo, nao é inteiramente verdade, pois a divida publica antes de aderirmos ao euro foi controlada, á custa de várias privatizaçoes é certo, mas ficou abaixo dos 60% exigidos pelo pacto de estabilidade. o problema foi que a seguir começou a distribuir subsidios a torto e a direito e o defice aumentou, defice esse que o governo do fugitivo (leia-se D. Barroso) atraves da Manuela Ferreira Leite tentou dominar mas nao conseguiu. No entanto o criminoso (leia-se besta de Paris) conseguiu domina-lo creio que em 2006 á custa do fecho de maternidades e outros servicos estatais. Isto deve te-lo levado a pensar que era um genio. :N-icon-Axe:

O crimonoso acima citado, tinha tudo para ser o melhor primeiro ministro que tivemos desde o 25 de abril, mas acabou por seguir o caminho mais facil, ie, roubar dinheiros publicos disfarçando-os de subsídios. No entanto se quisermos culpar alguém, que se culpe a opiniao publica, sindicatos, manifestantes, enfim todos os portugueses, em especial aqueles que em finais de 2009, iniícios de 2010 estavam mais preocupados em discutir o casamento homosexual quando a dívidas soberanas estavam debaixo de fogo pelos mercados.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Janeiro 10, 2013, 11:41:18 pm
Já que estamos a escrever as crónicas do caminho da desgraça no final do século XX, em que fase colocamos a tercialização do tecido económico português (a redução das cotas na agricultura, leite, pescas, etc), a estupidificação do povo com "pão e circo", o esquecimento da História e da cultura de valores, a imigração descontrolada, o assalto ao Estado, a iberização...

Citação de: "miguelbud"
enfim todos os portugueses, em especial aqueles que em finais de 2009, iniícios de 2010 estavam mais preocupados em discutir o casamento homosexual quando a dívidas soberanas estavam debaixo de fogo pelos mercados.
Curiosamente admito que durante esse anos não ouvi falar de défice! Falou-se?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Janeiro 11, 2013, 12:04:48 am
A questão em causa foi-me transmitida, eu não assisti.
Mas o relato que fiz foi o que me foi transmitido em primeira mão por esse ex colega e o banco era a Nova Rede.
Mas não foi caso único. Na altura havia uma grande concorrência entre os bancos privados e valia tudo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Janeiro 11, 2013, 09:36:24 am
Citação de: "HSMW"
Já que estamos a escrever as crónicas do caminho da desgraça no final do século XX, em que fase colocamos a tercialização do tecido económico português (a redução das cotas na agricultura, leite, pescas, etc), a estupidificação do povo com "pão e circo", o esquecimento da História e da cultura de valores, a imigração descontrolada, o assalto ao Estado, a iberização...
É mais o esquecimento da história HSMW, porque esta diz-nos que sempre que tivemos dinheiro, nao o soubemos gerir.

Citação de: "HSMW"
Citação de: "miguelbud"
enfim todos os portugueses, em especial aqueles que em finais de 2009, iniícios de 2010 estavam mais preocupados em discutir o casamento homosexual quando a dívidas soberanas estavam debaixo de fogo pelos mercados.
Curiosamente admito que durante esse anos não ouvi falar de défice! Falou-se?
Falava-se mas nao tinha a visibilidade que tem agora, porque o pessoal estava mais preocupado em levar na anilha.  O defice na altura era controlado apenas anualmente, ou melhor as notícias vinham para fora anualmente quando se subtraia a depesa publica á riqueza gerada; agora é controlado mensalmente. Actualmente le-se com alguma frequencia notícias criadas a partir dos relatórios feitos pelo Instituto nacional de estatística relacionadas com o defice, performance das exportaçoes, evoluçao da dívida publica, etc. Esses relatórios sempre existiram, mas apenas apareciam na imprensa especializada, agora aparecem na generalista. No entanto defice sempre existiu (apesar de em 2006 ou 2007 ter sido bastante reduzido). Aliás vai sempre continuar a existir por muitos e bons anos, basta fazermos as contas, em democracia nunca crescemos num ano 6%, e o gajo de Paris, vangloriava-se do sucesso que era colocar dívida nos mercados abaixo dos 7%.  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe: Temos uma dívida publica de 120%, agora é fazer as contas.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Janeiro 11, 2013, 09:45:50 am
Citação de: "papatango"
A questão em causa foi-me transmitida, eu não assisti.
Mas o relato que fiz foi o que me foi transmitido em primeira mão por esse ex colega e o banco era a Nova Rede.
Mas não foi caso único. Na altura havia uma grande concorrência entre os bancos privados e valia tudo.

Obrigado. É fantástico como é que o Banco de Portugal deixou passar semelhante coisa.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 11, 2013, 11:13:38 am
Citação de: "miguelbud"
Citação de: "papatango"
A questão em causa foi-me transmitida, eu não assisti.
Mas o relato que fiz foi o que me foi transmitido em primeira mão por esse ex colega e o banco era a Nova Rede.
Mas não foi caso único. Na altura havia uma grande concorrência entre os bancos privados e valia tudo.

Obrigado. É fantástico como é que o Banco de Portugal deixou passar semelhante coisa.


Hello? O nome Vitor Constâncio diz-te alguma coisa?????
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 11, 2013, 11:18:00 am
Quanto á longa lista de culpados (e eu acho que sou insuspeito porque nunca defendi o pinócrates) continua-me a fazer espécie que o pessoal de direita páre no dito "bandido de Paris" e não diga uma palavrinha acerca dos actuais governantes, parece portanto que os estão a isentar de quaisquer culpas. E também não falem das PPPs (que continuam intocáveis--para essas TODOS OS DIREITOS ADQUIRIDOS têm de ser SALVAGUARDADOS!), nos contantes atropelos á Constituição, nas trafulhices estilo Relvas e companhia, nos tachos e assessores contratados a 5000€/mês, no facto deste ser o único governo de paises sobre "intervençao", em que as mordomias dos governantes não foram cortadas.

Acho que vos fica mal, em termos de coerência.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Janeiro 11, 2013, 11:54:43 am
Citação de: "P44"
Citação de: "miguelbud"
Citação de: "papatango"
A questão em causa foi-me transmitida, eu não assisti.
Mas o relato que fiz foi o que me foi transmitido em primeira mão por esse ex colega e o banco era a Nova Rede.
Mas não foi caso único. Na altura havia uma grande concorrência entre os bancos privados e valia tudo.

Obrigado. É fantástico como é que o Banco de Portugal deixou passar semelhante coisa.


Hello? O nome Vitor Constâncio diz-te alguma coisa?????
Nao só Vitor Constancio como Jardim Gonçalves, que era o CEO do BCP, instituiçao que controlava o banco Nova Rede.  :? Basta unir os pontos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Janeiro 11, 2013, 12:18:39 pm
Citação de: "P44"
Quanto á longa lista de culpados (e eu acho que sou insuspeito porque nunca defendi o pinócrates) continua-me a fazer espécie que o pessoal de direita páre no dito "bandido de Paris" e não diga uma palavrinha acerca dos actuais governantes, parece portanto que os estão a isentar de quaisquer culpas. E também não falem das PPPs (que continuam intocáveis--para essas TODOS OS DIREITOS ADQUIRIDOS têm de ser SALVAGUARDADOS!), nos contantes atropelos á Constituição, nas trafulhices estilo Relvas e companhia, nos tachos e assessores contratados a 5000€/mês, no facto deste ser o único governo de paises sobre "intervençao", em que as mordomias dos governantes não foram cortadas.

Acho que vos fica mal, em termos de coerência.
Mas o problema nao sao os actuais. Esses nao passam de necrófagos tipo hienas que apenas se sustentam dos restos dos cadaveres. Os verdadeiros leoes/ predadores foram os do tal senhor, que agora deve estar sendo numa esplanada parisiense a beber uma flute do melhor champanhe frances, enquanto tenta decifrar os textos de Aristoteles ou Platao. As trafulhices do Relvas, sao graves, mas acabam por ser irrelevantes face aos crimes do governo socrates. A licenciatura do relvas é tao grave como a do socrates, mas veja-se o mediatismo que ambos os casos tiveram na opiniao publica.
É óbvio que este governo nao tem santos (aliás basta ver quanto ganha um ministro em Portugal para perceber que gente séria prefere trabalhar no privado, pois ganha muito mais e o reconhecimento é maior), no entanto nunca nenhum governo teve tanta atençao da comunicaçao social como este. Assim sendo é facil encontrar trafulhices e discrepancias entre discursos e actos, se isto tivesse acontecido nos governos do PS a história teria sido diferente, mas como ele só davam boas notícias nao havia necessidade de vasculhar as coisas.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Janeiro 11, 2013, 12:36:46 pm
O bandido de Paris, e as pessoas que o apoiaram na Assembleia da República com uma maioria absoluta, tem uma quota de responsabilidade titânica na atual situação, porque foi com ele que essa mesma situação ficou completamente descontrolada.

É verdade que todos têm culpa, mas também, é verdade que a culpa de cada um pode ser medida E NÃO É IGUAL.

Quem há anos atrás, acompanhasse os comentários dos chamados «profetas da desgraça» já deveria saber o que se passava mas acima de tudo já deveria saber o que aí vinha.

Eu mesmo há mais de um ano coloquei neste fórum um post com previsões sobre o que iria acontecer e fui respondido que se aquilo acontecesse entrávamos em guerra civil.
Neste momento já se ultrapassou o que eu aventei que poderia acontecer.

Nenhuma destas medidas pode ser considerada inesperada. A verdade é que andámos a gastar o dinheiro que não tinhamos.
O gasto não foi feito por uma entidade, foi isso sim resultado de uma politica de facilitismo, em que sem estudos sérios, sem normas, e sem regras, se fizeram investimentos que não tinham qualquer viabilidade e qualquer possibilidade de retorno.

Não há ninguém impoluto nesta história. Desde os deputados do PSD que defendiam o aeroporto da OTA, aos políticos do PCP e do Bloco de Esquerda que queriam o TGV, porque isso ia criar empregos.
E depois toda a gente bateu na Manuela Ferreira Leite, quando ela disse que isso ia criar empregos para paquistaneses, ucranianos, moldavos, mas não criaria empregos para portugueses.

Nós temos um governo neo-liberal, coartado pelos acordos de governo e que como infelizmente sempre aconteceu é influenciado pelos «investidores de pacotilha» que são a favor do capitalismo de estado, mas têm pânico da economia de mercado e da livre concorrência.

Os nossos problemas são complexos, demasiado intrincados para serem respondidos de forma simples e linear.
Na verdade, a atual situação fez o país perder a independência. Essa é a realidade.
A Troika exige que cumpramos metas e é por isso que os funcionários públicos ainda recebem salário.

Coisa que muita gente esquece:
É o dinheiro da Troika, que faz com que não tenhamos mais gente já a dormir debaixo da ponte.
O governo recebeu esse dinheiro e com ele ordens para agir, do cumprimento das quais dependem as sucessivas tranches de dinheiro que permitem a Portugal respirar.

Como pode alguém comparar um governo que está manietado e condicionado por uma intervenção estrangeira, com outro que agiu de forma leviana, gastando o dinheiro que não tinha e endividando os bisnetos do bandido de Paris e toda essa geração ?

Essa é a diferença. Será que é assim tão dificil de entender ?

Nós precisamos de medidas que para funcionarem precisam de ser tomadas pelo menos em toda a União Europeia, mas também precisamos de medidas e regras que permitam evitar que um maluco do PS volte ao poder e consiga pedir mais dinheiro emprestado.
E o maralhal vai dizer sempre que sim, desde que venha algum e desde que teta produza algum leite, mesmo que seja leite comprado com dinheiro que não se vai pagar.

Quanto às medidas europeias, e mundiais, pouco ou nada podemos fazer.
No que respeita a tentar evitar que no futuro volte a acontecer o mesmo, isso só se faz demonstrando quem foi o principal responsável.
E o partido responsável, está alegremente a fazer campanha eleitoral, e tem no parlamento quase todos e todas as deputadas (inclusive a bêbada) que ajudaram o bandido de Paris a aumentar a dívida de forma descomunal, transformando-a num problema de tal forma insustentável, que os nossos netos ainda vão estar a pagar os juros daqui a 50 anos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Jorge Pereira em Janeiro 11, 2013, 05:30:55 pm
Só umas notas:

Quando se fala na época em que Cavaco Silva era Primeiro-ministro, não podemos esquecer duas coisas:

1- Tudo aquilo que foi por ele posto em prática, como o recebimento de dinheiro em troca do abandono de sectores “pouco competitivos” na agricultura, pescas e indústria, fazia parte dos acordos de adesão de Portugal à então CEE e que foram negociados tanto por Mário Soares, como colectivamente por toda a classe política e sociedade civil portuguesa.

2- Numa altura em que Portugal carecia dramaticamente de infra-estruturas, é normal que o empenho fosse colocado no “betão”. Por outro lado, a abundância de fluxos financeiros (principalmente de fundos comunitários), num país administrativamente atrasado e pouco preparado para tal, permitiu que se cometessem inúmeras irregularidades de forma transversal a toda a sociedade.

Quando Durão Barroso assumiu o poder, já havia uma preocupação séria em controlar o défice e a dívida pública. Lembram-se do discurso da tanga?
Por outro lado, quando Durão Barroso deixa o governo e vai para Bruxelas em 2004, a dívida pública portuguesa está em 57% do PIB, isto é, dentro dos chamados critérios de convergência da UE.

Quando Sócrates deixa o governo, em 2011, a dívida pública já atingia os 110% do PIB. Isto é, quando era essencial deter o aumento da dívida pública, Sócrates aumenta-a em aproximadamente 90.000 milhões de euros. Duplico-a! Se tivermos em conta que esse endividamento nos obrigou a pedir um resgate de 78.000 milhões de euros, podemos assim concluir que graças a Sócrates, teremos de pagar 90.000 milhões + 78.000 milhões + respectivos juros! E a questão que também se deve colocar é: para onde foram e para que serviram esses 90.000 milhões se o país chegou onde chegou?

Sobre o BPN:

Sendo esta uma opinião pessoal, mas já aventada por muitos outros “estudiosos” desta questão, a nacionalização do BPN não passou de uma maneira de Sócrates querer sempre associar o PSD com o dinheiro que foi necessário o Estado lá colocar. O banco não representava nenhum risco sistémico. O miserável e criminoso roubo que foi lá cometido deveria ter como consequências a condenação dos autores do roubo e o fecho puro e duro do banco. Mais nada. O Estado não tinha que assumir o rombo que o banco levou. Mas como era um banco associado a antigas personalidades sonantes do PSD, vinha mesmo a calhar culpar sempre o PSD pelo que lá se passou, pelo que o Estado teve que lá injectar. E já vai nos 6.000 milhões!!!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Jorge Pereira em Janeiro 11, 2013, 05:46:03 pm
Citação de: "P44"
no facto deste ser o único governo de paises sobre "intervençao", em que as mordomias dos governantes não foram cortadas.

Acho que vos fica mal, em termos de coerência.

Isso não é bem assim, caro P44. Sabia que os ministros deixaram de ter direito a carro para uso pessoal ou fora da agenda oficial? Que acabaram os cartões de crédito para despesas de representação? E que passou a haver limites salariais para os requisitados? Já para não falar dos limites remuneratórios dos gestores de empresas públicas, entre outras medidas.

O problema é que estes factos não são divulgados da mesma forma que os outros...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: typhonman em Janeiro 11, 2013, 06:44:38 pm
Citação de: "papatango"
O bandido de Paris, e as pessoas que o apoiaram na Assembleia da República com uma maioria absoluta, tem uma quota de responsabilidade titânica na atual situação, porque foi com ele que essa mesma situação ficou completamente descontrolada.

É verdade que todos têm culpa, mas também, é verdade que a culpa de cada um pode ser medida E NÃO É IGUAL.

Quem há anos atrás, acompanhasse os comentários dos chamados «profetas da desgraça» já deveria saber o que se passava mas acima de tudo já deveria saber o que aí vinha.

Eu mesmo há mais de um ano coloquei neste fórum um post com previsões sobre o que iria acontecer e fui respondido que se aquilo acontecesse entrávamos em guerra civil.
Neste momento já se ultrapassou o que eu aventei que poderia acontecer.

Nenhuma destas medidas pode ser considerada inesperada. A verdade é que andámos a gastar o dinheiro que não tinhamos.
O gasto não foi feito por uma entidade, foi isso sim resultado de uma politica de facilitismo, em que sem estudos sérios, sem normas, e sem regras, se fizeram investimentos que não tinham qualquer viabilidade e qualquer possibilidade de retorno.

Não há ninguém impoluto nesta história. Desde os deputados do PSD que defendiam o aeroporto da OTA, aos políticos do PCP e do Bloco de Esquerda que queriam o TGV, porque isso ia criar empregos.
E depois toda a gente bateu na Manuela Ferreira Leite, quando ela disse que isso ia criar empregos para paquistaneses, ucranianos, moldavos, mas não criaria empregos para portugueses.

Nós temos um governo neo-liberal, coartado pelos acordos de governo e que como infelizmente sempre aconteceu é influenciado pelos «investidores de pacotilha» que são a favor do capitalismo de estado, mas têm pânico da economia de mercado e da livre concorrência.

Os nossos problemas são complexos, demasiado intrincados para serem respondidos de forma simples e linear.
Na verdade, a atual situação fez o país perder a independência. Essa é a realidade.
A Troika exige que cumpramos metas e é por isso que os funcionários públicos ainda recebem salário.

Coisa que muita gente esquece:
É o dinheiro da Troika, que faz com que não tenhamos mais gente já a dormir debaixo da ponte.
O governo recebeu esse dinheiro e com ele ordens para agir, do cumprimento das quais dependem as sucessivas tranches de dinheiro que permitem a Portugal respirar.

Como pode alguém comparar um governo que está manietado e condicionado por uma intervenção estrangeira, com outro que agiu de forma leviana, gastando o dinheiro que não tinha e endividando os bisnetos do bandido de Paris e toda essa geração ?

Essa é a diferença. Será que é assim tão dificil de entender ?

Nós precisamos de medidas que para funcionarem precisam de ser tomadas pelo menos em toda a União Europeia, mas também precisamos de medidas e regras que permitam evitar que um maluco do PS volte ao poder e consiga pedir mais dinheiro emprestado.
E o maralhal vai dizer sempre que sim, desde que venha algum e desde que teta produza algum leite, mesmo que seja leite comprado com dinheiro que não se vai pagar.

Quanto às medidas europeias, e mundiais, pouco ou nada podemos fazer.
No que respeita a tentar evitar que no futuro volte a acontecer o mesmo, isso só se faz demonstrando quem foi o principal responsável.
E o partido responsável, está alegremente a fazer campanha eleitoral, e tem no parlamento quase todos e todas as deputadas (inclusive a bêbada) que ajudaram o bandido de Paris a aumentar a dívida de forma descomunal, transformando-a num problema de tal forma insustentável, que os nossos netos ainda vão estar a pagar os juros daqui a 50 anos.

assino por baixo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Janeiro 11, 2013, 07:22:20 pm
Citação de: "Jorge Pereira"

Sendo esta uma opinião pessoal, mas já aventada por muitos outros “estudiosos” desta questão, a nacionalização do BPN não passou de uma maneira de Sócrates querer sempre associar o PSD com o dinheiro que foi necessário o Estado lá colocar. O banco não representava nenhum risco sistémico. O miserável e criminoso roubo que foi lá cometido deveria ter como consequências a condenação dos autores do roubo e o fecho puro e duro do banco. Mais nada. O Estado não tinha que assumir o rombo que o banco levou. Mas como era um banco associado a antigas personalidades sonantes do PSD, vinha mesmo a calhar culpar sempre o PSD pelo que lá se passou, pelo que o Estado teve que lá injectar. E já vai nos 6.000 milhões!!!

Então e já agora porque razão o PSD fez agora mais ou menos o mesmo com o Banif?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Janeiro 11, 2013, 11:08:19 pm
Citação de: "Edu"
Citação de: "Jorge Pereira"

Sendo esta uma opinião pessoal, mas já aventada por muitos outros “estudiosos” desta questão, a nacionalização do BPN não passou de uma maneira de Sócrates querer sempre associar o PSD com o dinheiro que foi necessário o Estado lá colocar. O banco não representava nenhum risco sistémico. O miserável e criminoso roubo que foi lá cometido deveria ter como consequências a condenação dos autores do roubo e o fecho puro e duro do banco. Mais nada. O Estado não tinha que assumir o rombo que o banco levou. Mas como era um banco associado a antigas personalidades sonantes do PSD, vinha mesmo a calhar culpar sempre o PSD pelo que lá se passou, pelo que o Estado teve que lá injectar. E já vai nos 6.000 milhões!!!

Então e já agora porque razão o PSD fez agora mais ou menos o mesmo com o Banif?
Edu, as coisas tem de ser vistas no seu devido contexto e como tal nao podem ser comparáveis anacronicamente. Dizer se foi bom ou mau ter-se nacionalizado o BPN, ou achar que foi por isto ou por aquilo, nao vale a pena. Passados estes anos toda a gente consegue ver que foi uma péssima decisao. E nao foi isto que nos levou a bancarrota, anacionalizaçao foi apenas mais uma pessima decisao do anterior governo, que juntamente com muitas mais, deu no que deu.
Em 2008, aquando da nacionalizaçao trabalhava num departamento de crédito de uma multinacional norte-americana, e posso-te garantir que o departamento em Setembro de 2008 virou um pandemónio. O Lehman faliu, os bancos nos EUA tremeram, os bancos na islandia faliram, O RBS (maior banco de UK) teve de ser salvo. Lembro-me de irr para uma reuniao de emergencia com os chefes do departamento e o meu chefe directo que era ingles se estar a lamentar que o banco do qual o seu pai tinha as suas poupancas em forma de accoes tinha sido nacionalizado e o pai tinha perdido quase tudo. Ouvi um manager belga dizer que na manha desse dia as accoes do Dexia (grande banco na Belgica) tinham desvalotizado 37%. Quem nao trabalha na area nao tem consciencia do que se passou, e nao te esqueças que se uma empresa que emprega 1000 pessoas vai a falencia é mau, mas se for um banco é uma autentica tragédia, pois nao afecta só as pessoas que la trabalham, como toda a populaçao, uma vez que toda a gente precisa de bancos.

Posto isto, o governo decidiu nacionalizar o BPN, foi mau? Nao sei, financas internacionais e macroeconomia sao coisas muito complexas. Agora talvez consigamos ver e admitar que foi mau. No entanto eu nao critico a nacionalizaçao em si. Eu critico a forma como foi feita, pois parece-me que as consequencias nao foram bem medidas. Acho que foi uma coisa feita á portuguesa, tipo a maria que vai com todas. Os outros estao a nacionalizar, entao vamos nacionalizar, porque nao nos podemos deixar para trás. Sinceramente parece-me que o efeito dominó que a falencia do BPN poderia ter nos outros bancos portugueses foi muito mal calculado, e tenho a certeza que o valor que se calculou para a nacionalizaçao nao foi calculado. Como diria o Medina Carreira: "o pessoal nao sabe fazer contas".

Em relaçao ao BaniF, apenas li isto no jornal de negocios "BPN estava à beira de não pagar depósitos, Banif prevê ficar com o nível de solvabilidade mais alto da sua história", como nao tenho a versao impresa nao consregui ler o resto da notícia. No entanto e uma vez que o nosso sistema financeiro está a recuperar, isso ve-se pelo facto de ultimamente os bancos estarem a colocar dívida no mercado a uma taxa de juro mais baixa que a da Republica Portuguesa, parece-me que seria uma má decisao nao ajudar o banco.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 18, 2013, 09:47:03 am
Regressando à "união de pontos"...

Associem as notícias recentes e o panorama geral aqui em Portugal:

Citar
Agenda 21

(...)
Agenda 21 is a term which has mostly been dropped these days. Too many people became too aware of what it was - a modern form of feudalism.

Agenda 21 designed a global movement, coordinated through a global to local action plan to create world government in accordance with certain objectives. Let’s look at some of its key policy objectives:

• populations to be concentrated in cities
• an end to national sovereignty
• the abolition of private property
• the restructuring of the family unit and increasing limitations on mobility and individual opportunity


Now, consider the policies coming out of our own government:

• the systematic destruction of our farming industry
• an end to national sovereignty European and UN “laws” applied at the local level - the “Big Society”
• private property and assets stripped away through economic hardship and crippling taxes
• children stolen by the state and pushed into a multi billion pound care system
• 0-19 education programmes (schools opening longer, no parental influence)
• crippling public transport costs and soon to be imposed road charging


So while the term “Agenda 21” has been dropped, the policies it represented absolutely have not. They have simply been transformed into the Big Society and the Millennium Development Goals. The agenda remains, and at its heart is the drive for world government.

The Leadership Agenda

Let’s look again at what we said about Agenda 21 above - “a global movement, coordinated through a global to local action plan”. A key facet of that action plan is to push the agenda down to the most local levels in society.
One mechanism for achieving that has been the absolute destruction of our education system. The inability of our teachers to teach has nothing to do with their capability as teachers, but rather the imposition of ever more ridiculous processes and procedures, which bar them from teaching effectively. The deliberate dumbing down of entire generations of children guarantees that those children will grow up as more “sustainable” human beings, because stupid adults earn less and therefore consume less. Stupid adults are incapable of recognising delphi technique when it is being used upon them. Stupid adults are incapable of understanding the lessons of history, or of Shakespeare.

But stupid adults still need leadership, and it is through the massive increase in “leadership” training that the world government agenda is being implemented. Please see our One World Governance series for more on this.(...)

http://www.ukcolumn.org/article/multipl ... government (http://www.ukcolumn.org/article/multiple-paths-lead-one-world-government)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 18, 2013, 03:57:28 pm
É chapa 5 do que se passa um pouco por todo o mundo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Janeiro 29, 2013, 04:30:55 pm
Não sei se este video já aqui tinha sido posto.

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 31, 2013, 10:01:00 am
Passos e Seguro foram a reuniões da maçonaria

No livro "Segredos da Maçonaria Portuguesa", o jornalista António José Vilela faz revelações sobre o funcionamento das organizações maçónicas e fala em autênticas jogadas de antecipação. No top de vendas das livrarias há semanas, a obra é apresentada esta quinta-feira em Lisboa.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fmediaserver2.rr.pt%2Fnewrr%2Flivro-segredosmaconaria229101a0_400x225.jpg&hash=32cd3b64fabadd3bb13aa39e5503eb00)

31-01-2013 8:53 por Susana Madureira Martins

Pedro Passos Coelho e António José Seguro foram sondados pela maçonaria em 2011. A revelação é feita no livro "Segredos da Maçonaria Portuguesa", do jornalista António José Vilela.

Política, universidades, medicina, jornalismo, a maçonaria tem elementos em todas as áreas influentes. O recrutamento é permanente e costuma começar com as chamadas “sessões brancas”, abertas a não maçons.

Numa delas esteve o líder do PSD, agora primeiro-ministro.

“Passos Coelho tinha sido recentemente eleito líder do PSD e foi convidado para estar numa sessão branca da maçonaria – uma sessão branca, que é aberta à maior parte das pessoas, mas restringida quase sempre a maçons, porque só havia 40 convites e, provavelmente, foram os maçons que lá estiveram, no Hotel do Bairro Alto, a reunir com Pedro Passos Coelho para falar sobre o estado do país”, revela António José Vilela, em entrevista à Renascença.

Mas não foi o único. Também António José Seguro foi convidado, mas enquanto “estava ainda na luta pela liderança do PS”.

“Ou seja, a maçonaria convidou António José Seguro, quando ele ainda não era líder do PS. E hoje, António José Seguro é líder do PS”, reforça o autor, apontando autênticas jogadas de antecipação política.

A maçonaria “convida estas pessoas, estes líderes – não só políticos, mas personalidades emblemáticas da sociedade portuguesa, sobretudo elites – para estarem em determinados colóquios da maçonaria, em sessões abertas, muitas vezes antes de eles exercerem funções relevantes na sociedade”.

O livro revela, por exemplo, a cópia de um passaporte maçónico, “que serve, pura e simplesmente, no caso do GOL [Grande Oriente Lusitano], para qualquer maçon se identificar perante outro, em qualquer sítio do mundo”.

E mostra outros documentos, como um testamento maçónico e um exemplo de um questionário de iniciação.

"Segredos da Maçonaria Portuguesa" é lançado às 18h30, na Bertrand do Chiado, em Lisboa.

http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.as ... &did=94882 (http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=27&did=94882)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 31, 2013, 11:40:40 am
E o maluco depois sou eu...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 31, 2013, 11:52:35 am
Nunca ouviste falar de uma coisa chamada "casting"? O Grupo B... faz a mesma coisa.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 01, 2013, 09:59:51 am
Algo completamente diferente:

Acabei de receber no meu email e já vi a primeira meia hora. Estou a gostar.

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 01, 2013, 01:42:08 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Fevereiro 01, 2013, 03:31:38 pm
Russia Today? Chiiiii espera pela pancada.... :twisted:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Fevereiro 01, 2013, 05:27:07 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"

Cabeca, daqui a uns anos ter uma horta vai ser considerado luxo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Fevereiro 03, 2013, 06:16:30 pm
Citar
António Saraiva lidera loja maçónica

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fsol.sapo.pt%2Fstorage%2FSol%2F2013%2Fbig%2Fng1323601_435x202.jpg%3Ftype%3Dbig&hash=b93bf26b073cc52f0dc70ef88db93ea5)
3 de Fevereiro, 2013 por Catarina Guerreiro

António Saraiva, da CIP, lidera nova loja, criada com i'rmãos' que saíram da Mozart. Silva Carvalho já regressou às sessões maçónicas.

Chama-se Loja George Washington e surge, no seio da maçonaria, como a substituta e sucessora da polémica Loja Mozart 49 – que chegou a ser das mais influentes lojas maçónicas do pais e que integrava, entre outros, elementos dos serviços secretos, do grupo Ongoing e da política.

Esta nova loja foi criada na terça-feira e tem como venerável (líder) António Saraiva, presidente da CIP - Confederação Empresarial de Portugal, que integrava a Mozart.

«Fez-se finalmente a consagração da nova loja», explicou ao SOL fonte da Grande Loja Legal de Portugal (GLLP), obediência dos maçons regulares e que integra estas duas lojas. A consagração realizou-se na nova sede da GLLP, em Telheiras.

Desde que veio a público o escândalo sobre uma teia de ligações perigosas na Mozart – entre os serviços secretos, a Ongoing, e políticos, nomeadamente do PSD – que a direcção da GLLP planeava criar uma nova loja para esvaziar a outra. Aliás, numa carta enviada no ano passado a todos os maçons, o grão-mestre, José Moreno, convidou alguns «irmãos» da Loja Mozart a sair, apelando ao seu «bom senso» para que tomassem a melhor decisão que protegesse o bom nome da maçonaria.

«Entretanto, muitos afastaram-se ou saíram da Mozart para outras lojas, nomeadamente para a Brasília e a Abade Correia. Só alguns ficaram», nota a mesma fonte, sublinhando que agora, com a criação da George Washington e o esvaziamento da Mozart, podem estar criadas as condições para que a «GLLP possa abater colunas» a esta última (termo maçónico que significa encerrar a loja).

Para a Loja George Washington, refere a mesma fonte, não transitaram elementos da Ongoing nem dos serviços secretos, mas sim diplomatas, empresários e pessoas com ligações à política: «Será poderosa, uma vez que o venerável é um homem com poder». Além disso, serão deslocados irmãos de outras lojas e recrutados novos membros. Entre os ‘irmãos’ que mudaram da Mozart, estará Nuno Manalvo, ex-chefe de gabinete de Isaltino Morais.

Silva Carvalho de regresso

No entanto, um maçon que pertence à Mozart garantiu ao SOL que esta loja ainda «está bem activa», tendo 17 dos 42 membros que existiam quando há um ano rebentou a polémica. Mas outra fonte garante que há o risco da «Mozart ficar sem quorum» para reunir.

Um dos elementos activos na Mozart será Jorge Silva Carvalho. Segundo um ‘irmão’, o antigo director do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) – que se afastou depois de ser acusado de usar a Mozart para um projecto de ambição pessoal – já terá regressado à maçonaria, tendo participado em cinco sessões maçónicas. Neste momento, o venerável da Mozart é Rogério Tavares, um advogado, e Silva Carvalho ocupará a função de guarda interno.

Na Mozart, permanecem o coronel Francisco Rodrigues, que foi director de um departamento das ‘secretas’, e Neto da Silva, ex-deputado do PSD. E em Novembro passado entrou Alcides Guimarães, ex-candidato a grão-mestre. Já o líder da Ongoing, Nuno Vasconcelos, não tem aparecido nas sessões maçónica, vivendo actualmente a maior parte do tempo no Brasil.

Longe das sessões maçónicas da Mozart estão os políticos que viram os seus nomes envolvidos na polémica – como o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, e Paulo Miguel Santos, deputado do mesmo partido.

http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Int ... t_id=67533 (http://sol.sapo.pt/inicio/Sociedade/Interior.aspx?content_id=67533)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Fevereiro 04, 2013, 02:02:45 pm
http://www.theglobalistreport.com/bilde ... -in-italy/ (http://www.theglobalistreport.com/bilderberg-group-cia-massacres-in-italy/)

Italian Prosecutor Implicates Bilderberg Group and CIA for Massacres in Italy During the Seventies and Eighties
2013 02 01

By Andrew Puhanic | Globalist Report

The Bilderberg Group has now been directly implicated for the murder of Italian activists during the seventies and eighties.

According to Ferdinando Imposimato
, a former prosecutor that investigated the Italian Mafia who is also an honorary president of the Italian Supreme Court, during a speech he delivered at a book launch revealed for the first time that the Bilderberg Group were responsible for massacres of political activists during the seventies and eighties in Italy.
Ferdinando Imposimato not only implicates the Bilderberg Group, he also reveals that the CIA and Bilderberg Group were working in partnership to destabilize the Italian political framework during the seventies and eighties.
While discussing how the Bilderberg Group and CIA tried to infiltrate Italy, Mr. Imposimato was quoted as saying:

The strategy (used by the CIA) was used to shift the political balance from right to center-left and then to left. This was orchestrated by the CIA.


Unknown to many, the Bilderberg Group has a long history of manipulating political frameworks around the world.
Within the last 12 months, prominent members of the Bilderberg Group have been appointed to the upper echelons of the United States and United Kingdom governments.[/i]
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Fevereiro 05, 2013, 09:52:31 am
Citar
Did Beyonce Flash the Illuminati Sign?
Feb 4, 2013 02:01 PM ET // by Benjamin Radford

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fstatic.ddmcdn.com%2Fgif%2Fblogs%2Fdnews-files-2013-02-beyonce-superbowl-660-jpg.jpg&hash=2f91be7eb57186a8a8ab73bc402ce59c)



Several strange things happened during this year’s Superbowl; as if the half-hour partial blackout wasn’t enough, many people are wondering if Beyonce took the opportunity to tell the world during the halftime show that she’s part of a secret society bent on world domination by making a diamond shape with her hands — said to represent the Illuminati.

Secret societies have always intrigued people, partly because of their claims to esoteric knowledge. The Illuminati was a group founded in 1776 by Adam Weishaupt, a law professor in Bavaria.

Weishaupt claimed to have been given mysterious, arcane knowledge by a “higher source,” which presumably could have been anything from God to extraterrestrials to voices in his head.
NEWS: World Domination From Denver Airport?

The Illuminati organization resembled a pyramid scheme cult, with new initiates required to pledge total obedience to Weishaupt, and promises of greater revealed wisdom the more invested a member became.

Weishaupt shared his philosophical insights with others who joined his group, telling them for example that “Man is not bad, except as he is made so by arbitrary morality. He is bad because religion, the state, and bad examples pervert him.  When at last reason becomes the religion of men, then will the problem be solved.”

Weishaupt outlined his plans to change the world so that all would accept his teachings.
NEWS: Earliest Evidence of Biblical Cult Discovered

Until that could happen, secrecy was a key tenet of the group’s philosophy: “Let it never appear in any place in its own name, but always covered by another name, and another occupation. None is fitter than the three lower degrees of Freemasonry,” Weishaupt wrote, and thus many members also became Freemasons, another secret society.

This, by itself, was not unusual; throughout history members of groups who shared unorthodox or unpopular beliefs had to meet in secrecy and lead double lives.

However this virtually guaranteed that conspiracy theories would forever be attached to the Illuminati name. Since any real member would deny involvement, the Illuminati could theoretically be anywhere and everywhere (even the Superbowl) — and no one could prove otherwise.

The Illuminati was outlawed in Bavaria in 1783, and by 1800 the group was all but defunct in Germany but its ideas had spread to America, Europe and elsewhere.

VIDEO: Why Everyone’s So Mad at Beyonce

According to Mark Booth’s New York Times bestseller “The Secret History of the World,” the real truth about the Illuminati was revealed when a high-ranking member was suddenly killed, and Illuminati documents were found among his effects: “The seized writings revealed that the ancient wisdom and the secret supernatural powers promulgated within the Illuminati had always been a cynical invention and a fraud. An aspirant progressed through the grades only to discover that the spiritual elements in the teachings were merely a smokescreen.”

It was all a cynical spiritual con game done for power and prestige, playing on the very human desire to be part of something secret and powerful.

Still some remained unconvinced, believing that the exposure of the scam was itself a conspiracy to discredit Weishaupt and the Illuminati. After all, if the government feared their secret wisdom it had to do everything in their power to stop them (no one ever explained why those in power weren’t already Illuminati, or wouldn’t be eager to embrace the hidden knowledge it offered, instead of trying to destroy it).

Though the Illuminati only existed for less than two decades over two centuries ago, many conspiracy theorists believe that it remains active and powerful, often associated with New World Order and anti-Jewish conspiracies.

So what about that Illuminati sign that Beyonce made with her hands? Could it be that she was letting the world know about her involvement with the Illuminati (in direct defiance to its core tenets)?

Or could it be that she was making a diamond symbol with her hands as a plug for her husband Jay-Z’s record company, which uses a diamond as its symbol? Or could it be that conspiracy theorists don’t realize that there are only so many symbols that can be formed with four fingers and a thumb, and that by random chance many of them will look similar?

Assuming that the Illuminati still exist as a secret and powerful organization (and not a discredited cult scam), how will we know that they are active? Apparently when reason and rationality overwhelm “the public mind.”

By that standard, the Illuminati must be one of the least competent all-powerful secret societies in history. At least that’s what they want you to think.

Photo: Beyonce during her Super Bowl performance on Feb. 3, 2013. Credit: YouTube screengrab

http://news.discovery.com/history/beyon ... 130204.htm (http://news.discovery.com/history/beyonce-and-the-illuminati-130204.htm)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 08, 2013, 09:57:01 am
Something is just NOT right here....

A solicitation posted yesterday on the Fed Bid website details how the bullets are required for the DHS Federal Law Enforcement Training Center in Artesia, New Mexico.
http://www.infowars.com/dhs-purchases-2 ... mmunition/ (http://www.infowars.com/dhs-purchases-21-6-million-more-rounds-of-ammunition/)

 

The solicitation asks for 10 million pistol cartridge .40 caliber 165 Grain, jacketed Hollow point bullets (100 quantities of 100,000 rounds) and
10 million 9mm 115 grain jacketed hollow point bullets (100 quantities of 100,000 rounds).

The document also lists a requirement for
1.6 million pistol cartridge 9mm ball bullets (40 quantities of 40,000 rounds).

An approximation of how many rounds of ammunition the DHS has now secured over the last 10 months stands at around 1.625 billion!!!.

In March 2012, ATK announced that they had agreed to provide the DHS with a maximum of 450 million bullets over four years, a story that prompted questions about why the feds were buying ammunition in such large quantities.

To put that in perspective, during the height of active battle operations in Iraq, US soldiers used 5.5 million rounds of ammunition a month. Extrapolating the figures, the DHS has purchased enough bullets over the last 10 months to wage a full scale war for almost 30 years.

Such massive quantities of ammo purchases have stoked fears that
the agency is preparing for some kind of domestic unrest. In 2011, Department of Homeland Security chief Janet Napolitano directed Immigration and Customs Enforcement to prepare for a mass influx of immigrants into the United States, calling for the plan to deal with the "shelter" and "processing" of large numbers of people.

The federal agency's primary concern is now centered around thwarting "
homegrown terrorism," but information produced and used by the DHS to train its personnel routinely equates conservative political ideology with domestic extremism.

A study funded by the Department of Homeland Security that was leaked last year characterizes Americans who are "suspicious of centralized federal authority," and "reverent of individual liberty" as "extreme right-wing" terrorists.

In August 2012, the DHS censored information relating to the amount of bullets purchased by the federal agency on behalf of Immigration & Customs Enforcement, citing an "unusual and compelling urgency" to acquire the bullets, noting that there is a shortage of bullets which is threatening a situation that could cause "substantial safety issues for the government" should law enforcement officials not be adequately armed.

As we highlighted last month, the DHS' previous ammunition solicitation was awarded to Evian Group, an organization that was formed just five days before the announcement of the solicitation and appeared to be little more than a front organization since it didn't have a genuine physical address, a website, or even a phone number.

While Americans are being browbeaten with rhetoric about the necessity to give up semi-automatic firearms in the name of preventing school shootings, the federal government is arming itself to the teeth with both ammunition and guns. Last September, the DHS purchased no less than 7,000 fully automatic assault rifles, labeling them "Personal Defense Weapons."
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Fevereiro 08, 2013, 03:08:50 pm
http://www.politifact.com/texas/stateme ... sing-many/ (http://www.politifact.com/texas/statements/2012/apr/30/chain-email/chain-email-says-homeland-security-purchasing-many/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 08, 2013, 05:13:42 pm
Isso é um artigo de 2012, o que eu coloquei é de 2013 acabadinho de sair.

Já agora, diz-me aí as unidades das Forças Armadas e/ou Forças de Segurança Portuguesas que tenham este tipo de munição. Não vais encontrar e sabes porquê? Porque este tipo de munição foi proibido de ser usado na guerra, graças à Convenção de Haia à mais de 100 anos atrás.

Sabes que tipo de armas usam este tipo de munição? Pistolas-metralhadoras e pistolas. Sabendo que as FS Norte-Americanas praticamente deixaram de usar pistolas-metralhadoras (agora anda tudo de AR-15) ficas apenas com as pistolas. Para quê tanta munição se é apenas para as Forças de Segurança Federais?

Não penses que o "agent Smith" de alguma força estadual ou mesmo municipal vai ter acesso a estas munições.

E em relação às 7000 espingardas-automáticas?

 :arrow: https://www.fbo.gov/index?s=opportunity ... e&_cview=1 (https://www.fbo.gov/index?s=opportunity&mode=form&id=1be5e1d8f3fda9b850cc3ba58393bcd3&tab=core&_cview=1)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Fevereiro 08, 2013, 05:48:11 pm
Deve ser para matar-nos a todos. Tens razão..
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 08, 2013, 05:52:13 pm
Matar-nos? Eu não sabia que és Norte-Americano...

Porreiro pá, mais um Luso-Americano por estas bandas. :twisted:  :lol:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Fevereiro 08, 2013, 06:18:16 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Porreiro pá, mais um Luso-Americano por estas bandas. :twisted:  :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Fevereiro 08, 2013, 07:16:31 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcontrailscience.com%2Fskitch%2FSession_6.5_-_Hunter_Presentation.ppt-20120528-105521.jpg&hash=8e8c4b402e9e25aa7b963b621a666b1c)

É só fazer as contas ...

Department of Homeland Security (DHS)
inclui:

    Federal Law Enforcement Training Center (FLETC)
    United States Citizenship and Immigration Services (USCIS)
    United States Coast Guard (USCG)
        Coast Guard Investigative Service (CGIS)
    United States Customs and Border Protection (CBP)
        Office of Air and Marine (OAM)
        Office of Border Patrol (OBP)
        Office of Field Operations (OFO)
    Federal Protective Service (FPS)
    United States Immigration and Customs Enforcement (ICE)
        Enforcement Removal Operations (ERO)
        Homeland Security Investigations (HSI)
        Office of Intelligence
        Office of Professional Responsibility (OPR)

    United States Secret Service (USSS)

    Transportation Security Administration (TSA)
        Office of Law Enforcement/Federal Air Marshal Service (FAMS)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Fevereiro 08, 2013, 07:18:04 pm
Mas não é só com balas que eles nos matarão  :mrgreen:

Citar
Here's what you should really be worried about -

STATE AND LOCAL GOVERNMENTS ARE STOCKPILING BILLIONS OF POUNDS OF SALT

It takes only one quarter pound of salt consumed at one sitting to KILL YOU. Just in the Illinois stockpiles ALONE, they will have enough salt to KILL EVERY AMERICAN TWELVE TIMES OVER.

Potassium Chloride, another SALT, is used by the GOVERNMENT to EXECUTE criminals.

These stockpiles are located near POPULATION CENTERS so it can be ADMINISTERED QUICKLY WHEN NEEDED.

Salt is also used as a preservative, in order to keep FLESH FROM ROTTING. Is the government planning for a massive civil unrest, so large they can't BURY THE BODIES FAST ENOUGH?

Mines are working 24/7 to meet the demand!!!

Why are the state and local governments COORDINATING stockpiling all this salt? Are they hiding FEDERAL GOVERNMENT INVOLVEMENT?

WHAT COULD OUR GOVERNMENT POSSIBLY NEED ALL THIS SALT FOR? ARE YOU AWAKE TO HOW MANY PEOPLE THIS CAN KILL? WHAT ARE THEY PLANNING FOR?



Winter...


it's road salt...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Fevereiro 08, 2013, 08:41:49 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Porque este tipo de munição foi proibido de ser usado na guerra, graças à Convenção de Haia à mais de 100 anos atrás.

Pois foi, mas mesmo assim é quase exclusivamente o que as forças de segurança nos EUA usam. Principlamente pela capacidade de incapacitar mas também por minimizar danos colaterais.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 09, 2013, 11:32:45 am
Duarte, tira a Guarda Costeira dessa equação, porque o armamento e respectivas munições são adquiridas através do Ministério da Defesa.

Em relação ao sal... é tudo local e não federal, por isso escapa. c34x  :lol:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 14, 2013, 12:19:32 pm

Activem as legendas.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 14, 2013, 03:22:20 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Fevereiro 14, 2013, 06:19:09 pm
Martelo, em relação a este anúnciado futuro acordo de comércio transatlântico associo duas coisas: o cada vez maior número de países europeus a banirem os OGM e o Codex Alimentarius. Caso avance o acordo - a cenoura para o burro, aposto que as duas prendas atrás referidas teriam que ser aceites e implementadas na Europa.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Fevereiro 14, 2013, 11:00:12 pm
Desespero americano, meu caro Luso. Cabe à Europa decidir.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Fevereiro 15, 2013, 09:24:58 am
Citação de: "FoxTroop"
Desespero americano, meu caro Luso. Cabe à Europa decidir.


a América grita "salta" e a Europa responde "a que altura?"
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 07, 2013, 01:56:28 pm

Download link for FM 3-39.40: http://info.publicintelligence.net/USAr ... lement.pdf (http://info.publicintelligence.net/USArmy-InternmentResettlement.pdf)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 13, 2013, 09:15:27 am
http://www.turtlebayandbeyond.org/2013/ ... rty-at-un/ (http://www.turtlebayandbeyond.org/2013/abortion/us-eu-ask-to-delete-inherent-right-to-life-liberty-at-un/)

Citar
US, EU Ask to Delete “Inherent Right to Life, Liberty” at UN

Posted on | March 12, 2013 by Wendy Wright |

 As countries are deadlocked over negotiations going late into the night at the UN Commission on the Status of Women, the US and European Union have played a deadly card. One that contradicts a foundational principle of citizens and civilizations worldwide, as expressed in the Declaration of Independence and the UN Declaration of Human Rights.
Last night, the US and EU called for deleting a reafirmation that every human being has the inherent right to life, liberty and security of persons.
This year’s Commission on the Status of Women (CSW) has become the equivalent of D-Day for abortion hard-liners. Last year’s CSW could not produce a final agreement because the US insisted it included “reproductive rights,” language that is used to legitimize abortion. The pressure to produce an agreement is intense – and is being exploited by abortion advocates, who are attempting to create the impression than a lack of agreement is the fault of those who want to protect the right to life for all, including unborn babies.
 
Abortion advocates have taken to Twitter, blogs and media outlets to accuse pro-life delegations of going backward on previous agreements. In the same breath, however, they demand this year’s document go farther than previous by including “reproductive rights.”
 
The New York Times ran an editorial criticizing nations that have formed an “unholy alliance.” An alliance, to be clear, that is holding the line on the foundational principle of civilization – that human beings have a right to life.
The NYT editorial repeats a statistic on violence against women that has become the urban legend of this Commission meeting, just like the false-but-widely-believed claim that more Super Bowl Sunday is the worst day of the year for domestic violence.

It claims “more women between the ages of 15 and 44 were at risk from rape and domestic violence than from cancer, car accidents, war and malaria combined.” This clumsy (or devious) reformulation of a 20-year old statistic is intentionally misleading. Among several errors, the data from the original source, a World Bank report, actually shows the combined risks of cancer, car accidents, war and malaria are nearly twice as harmful to women aged 15 – 44 than rape and domestic violence.

And it implicitly undermines all the efforts in the last 20 years to address violence against women, such as the Cairo ICPD and Beijing Platform for Action, as being worthless. Efforts seen as victories for feminists.
The US and European Union’s call to remove a reference to the inherent right to life is certainly consistent with their demand for a right to abortion. Not often do they make the mistake of presenting their position so clearly.

It’s up to civilized people to oppose it.

É...
Deve ser outra maluquice conspirativa.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Março 20, 2013, 06:43:53 pm
já tinha ouvido falar desta teoria:

Chipre: um pião no controlo do Mediterrâneo Oriental

Posted: 19 Mar 2013 08:30 AM PDT
.
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.agoravox.fr%2Flocal%2Fcache-vignettes%2FL344xH400%2Fchypre-gaz-400-de-haut_0-72ea3.jpg&hash=812efc67440bc7dfa1dcc1df9cd99d19)

A taxa sobre os depósitos dos cipriotas representa muito mais do que um simples assalto à economia do seu povo. Chipre está a ser vítima de uma guerra estratégica para o controlo do Mediterrâneo Oriental.

Os 10 mil milhões necessários  poderiam facilmente ter sido pagos com o Fundo de estabilização Europeu, mas a Europa quis medir forças com a Russia, que é quem mais perde com esta mediada.

A Russia vai jogar uma cartada decisiva: cobrir esse valor para não perder os seus interesses na exploração de gás nas águas de Chipre e assim impedir a hegemonia de Israel na Região.




Um paraíso fiscal que se tornou num pesadelo.


A Nações são verdadeiros piões no xadrez geo-político e financeiros mundial e as suas populações os seus escravos. Este caso não é diferente. No caso de Chipre, o resgate de 10 mil milhões de euros representa uma soma relativamente modesta que poderia ter sido realizada através do mecanismo europeu de estabilização, criado para esse efeito. Não o foi, voluntariamente, pelas razões estratégicas de que é palco esta região.


O sector financeiro de Chipre está hipertrofiado, o seu peso é de sete vezes o do PIB do país, Chipre tornou-se assim num verdadeiro casino no Mediterrâneo. Com condições fiscais bastante favoráveis, um terço dos depósitos são provenientes do estrangeiro. Só os capitais russos acendem a mais de 20 mil milhões de euros.


Chipre é um paraíso fiscal, uma espécie de off-shore, onde numerosas empresas russas lavam o seu dinheiro. Com as medidas decretadas, os russos poderão perder 3 mil milhões de euros.


Esta medida, em termos puramente económicos, não faz sentido, é contraproducente, dado que a fuga dos depósitos bancários poderá atingir 20 a 30 mil milhões de euros, ou seja três vezes o resgate.



Uma medida anti-constitucional.


Algumas pessoas ficaram admiradas pelo facto de que uma medida tão drástica tenha sido tomada sem a consulta prévia dos parlamento, de Chipre e Europeu, que teoricamente deveriam representar o povo.


Quanto ao Parlamento Europeu, este não serve para nada, apenas para legitimar o "sistema" no seio da União Europeia, ele tem apenas um papel consultivo, e no caso de Chipre nem sequer foi consultado. Tudo se decide no seio da União Europeia entre os ministros das finanças e a Comissão, ou seja, têm poder executivo e legislativo.


Quanto ao Parlamento de Chipre, nem sequer foi posto ao corrente destas medidas. Claro que deverá pronunciar-se nas próximas horas, mas não poderá recusar as medidas, dado que a ajuda da Troika está dependente da aprovação desta medida.


A cartada de Moscovo.


Moscovo fala em "confiscação de bens estrangeiros" e de "uma decisão injusta, não profissional e perigosa".  A Russia está a jogar uma cartada de mestre: cobrir grande parte do resgate, dos 10 mil milhões de euros que Chipre necessita, em troca do monopólio da exploração de gás no espaço económico exclusiva da ilha.


O que realmente está em questão não é tanto a questão financeira de Chipre, trata-se é do controlo das reservas de gás na região oriental do Mediterrâneo.


Imensas reservas de gás foram descobertas nas águas de Chipre e estas representam uma corrida estratégica fundamental entre a Russia (com Gazprom) e Israel contra o Líbano, a Síria, o Egipto e a Turquia no controlo desta região.



Não é puro acaso que os países desta zona viram-se recentemente confrontados com "Primaveras Árabes", queda de regimes ou desestabilizações como no caso da Grécia.


A finança e a política estão intimamente ligadas, os financeiros colocam as pessoas que querem nos lugares que querem e estas fazem o que eles lhes ordenaram de fazer.


Taxar os depósitos: um teste para aplicação futura noutros países.


Estas medidas irão criar um "precedente" que poderá ser aplicado aos países com os mesmos problemas que Chipre, leia-se os do sul da Europa. Foi escolhido como teste, porque sendo pequeno e longe do centro da Europa, as revoltas terão poucas repercuções mediáticas nos outros países europeus.


Os portugueses, os gregos, os espanhóis, os italianos, deveriam estar inquietos quanto aos seus depósitos. Quando os impostos não forem suficientes para pagarem as dívidas, será utilizado o mesmo roubo imposto a Chipre. Dizemo-nos sempre, para nos convencermos, que isso não irá acontecer, mas acontece, com a simple justificação que situações excepcionais justificam medidas excepcionais.



fonte: Octopus

----

Na verdade são 2 teorias:
-Afrontamento á Rússia pelo interesse estratégico no Mediterrâneo Oriental
- O Chipre como mais uma experiência de laboratório da Alemanha, para testar a reacção a esta "taxa" e posteriormente impô-la aos outros países "resgatados"
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Março 20, 2013, 10:36:49 pm
Não estando a querer descredibilizar esta hipótese, porque até terá a sua validade, há claramente neste texto algumas falhas.

Primeiro:
Citar
A taxa sobre os depósitos dos cipriotas representa muito mais do que um simples assalto à economia do seu povo. Chipre está a ser vítima de uma guerra estratégica para o controlo do Mediterrâneo Oriental.

Os 10 mil milhões necessários poderiam facilmente ter sido pagos com o Fundo de estabilização Europeu, mas a Europa quis medir forças com a Russia, que é quem mais perde com esta mediada.

A Russia vai jogar uma cartada decisiva: cobrir esse valor para não perder os seus interesses na exploração de gás nas águas de Chipre e assim impedir a hegemonia de Israel na Região.

Bem relativamente a esta afirmação de que era fácil financiar os 10 mil milhões, o problema não era financiar os 10 mil milhões, o problema é que o Chipre precisava de à volta de 16 mil milhões e como a divida que tem actual já é tão grande (comparativamente ao PIB) mais do que 10 mil milhões iam lançar a divida soberana se não estou em erro para cima de 200% do PIB, isto era simplesmente uma maneira de tentar que a divida não crescesse ainda mais.

Citar
Quanto ao Parlamento de Chipre, nem sequer foi posto ao corrente destas medidas. Claro que deverá pronunciar-se nas próximas horas, mas não poderá recusar as medidas, dado que a ajuda da Troika está dependente da aprovação desta medida.
   

Bem, tanto podia recusar que recusou.

No entanto nada disto impede que possa de facto haver a estratégia descrita por de trás disto tudo. Para a mim a crise na Europa (alguma da Europa) não vem por mero acaso.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 20, 2013, 11:21:31 pm
Isto está a andar depressa demais, até para mim que julgava ter um estômago forte.
Começo a fraquejar...

http://www.scoop.co.nz/stories/PA1303/S ... ealand.htm (http://www.scoop.co.nz/stories/PA1303/S00306/national-planning-cyprus-style-solution-for-new-zealand.htm)

Citar
National planning Cyprus-style solution for New Zealand
Tuesday, 19 March 2013, 11:32 am

The National Government are pushing a Cyprus-style solution to bank failure in New Zealand which will see small depositors lose some of their savings to fund big bank bailouts, the Green Party said today.
Open Bank Resolution (OBR) is Finance Minister Bill English’s favoured option dealing with a major bank failure. If a bank fails under OBR, all depositors will have their savings reduced overnight to fund the bank’s bail out.

“Bill English is proposing a Cyprus-style solution for managing bank failure here in New Zealand – a solution that will see small depositors lose some of their savings to fund big bank bailouts,” said Green Party Co-leader Dr Russel Norman.

“The Reserve Bank is in the final stages of implementing a system of managing bank failure called Open Bank Resolution. The scheme will put all bank depositors on the hook for bailing out their bank.
 
“Depositors will overnight have their savings shaved by the amount needed to keep the bank afloat.

“While the details are still to be finalised, nearly all depositors will see their savings reduced by the same proportions.

“Bill English is wrong to assume everyday people are able to judge the soundness of their bank. Not even sophisticated investors like Merrill Lynch saw the global financial crisis coming.

“If he insists on pushing through this unfair scheme, small depositors can be protected ahead of time with a notified savings threshold below which their savings will be safe from any interference.”

Dr Norman questioned the Government’s insistence on pursuing Open Bank Resolution when virtually no other OECD country uses it.

“Open Bank Resolution is unprecedented in the world. Most OECD countries run deposit insurance schemes which protect people’s deposits up to a maximum ranging from $100,000 – $250,000,” Dr Norman said.

“OBR is not in line with Australia, which protects bank deposits up to $250,000.

“A deposit insurance scheme is a much simpler, well-tested alternative to Open Bank Resolution. It rewards safe banks with lower premiums and limits the cost to taxpayers of a bank failure.

“Deposit insurance will, however, require the Reserve Bank to oversee and regulate our banks more closely – a measure which is ultimately the best protection against bank failure.”
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Março 21, 2013, 12:45:48 am
Eles querem mesmo ver uma corrida aos bancos....

Está na hora de investir em ouro.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 21, 2013, 12:35:51 pm
E dinheiro para isso? Eu não tenho e grande parte dos Portugueses também não.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Março 21, 2013, 01:34:12 pm
Bem, o bom de não ter é que nesse caso eles também não têm nada para tirar. Logo não há preocupações, a esse nível pelo menos, haverá outras da falta de dinheiro (ainda mais graves...).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Março 21, 2013, 03:11:33 pm
a vingar esta senda, mais vale ser chapa ganha chapa gasta, pois acabam por recompensar quem não poupa nada  :?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Março 21, 2013, 03:15:52 pm
Desde que a inflação é mais elevada que os juros dados pelos bancos que é melhor o chapa ganha chapa gasta. Ter o dinheiro guardado num banco que paga menos de juros que o que o nosso dinheiro desvaloriza só vai fazer que quando formos comprar alguma coisa com o dinheiro só iremos comprar menos coisas.

Mas se há que gastar a chapa mais vale gastar a chapa em coisas que valham a pena a longo prazo como terrenos e propriedades. Claro que o que estou a dizer não é para todos, nem sequer para mim. Mas eu tendo dinheiro era em terrenos e talvez casas para arrendar que iria investir.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 21, 2013, 03:52:49 pm
O que me leva a questionar a compra de ouro é o IVA.
No caso do imobiliário é o IMI, que morde que não é brincadeira. Há uma acção mais que declarada de empobrecimento da população a bem dos bancos. Já só não vê quem não quer.

MUITO difícil colocar as coisas a salvo.

Há que agradecer aos economistas e jornalistas do mainstream - e sobretudo dos que fazem "serviço público" pago com os nossos impostos - por nos manterem informados.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 21, 2013, 04:06:55 pm
Concordo contigo Luso.

Já agora:

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: fagulhas em Março 22, 2013, 12:18:11 pm
Citação de: "Luso"
O que me leva a questionar a compra de ouro é o IVA.
Caro Luso,

Permita-me a correcção, as transacções (compra / venda) de ouro não está sujeita a qualquer imposto (http://http).
Se há coisa que tenho vindo a investir (desde os ultimos dois anos) é em metais, ouro e chumbo.  O primeiro em forma de pequenas barras, o segundo em forma de balas.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Março 22, 2013, 01:55:26 pm
E o IMI num terreno agrícola por exemplo não é assim tão elevado. Se tiver por exemplo um terreno com pinhal, só vender os pinhos a uma empresa madeireira já dá dinheiro para pagar o IMI durante mais de 30 anos. Se contar que no máximo ao fim de 15-20 anos volta a vender os pinhos, acho que ainda assim compensa ter terrenos.

Se se der ao esforço de trabalhar a terra ao fim de semana (em vez de só esperar que os pinhos cresçam) ainda mais rendimentos se tiram.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 22, 2013, 02:21:47 pm
Citação de: "fagulhas"
Citação de: "Luso"
O que me leva a questionar a compra de ouro é o IVA.
Caro Luso,

Permita-me a correcção, as transacções (compra / venda) de ouro não está sujeita a qualquer imposto (http://http).
Se há coisa que tenho vindo a investir (desde os ultimos dois anos) é em metais, ouro e chumbo.  O primeiro em forma de pequenas barras, o segundo em forma de balas.


Uma ourivesaria não tem que cobrar IVA?  :shock:
Eu falo de ouro - barra ou moeda - e não de títulos (papel)

Espero que tenha razão e que eu esteja enganado!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 26, 2013, 11:07:04 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 27, 2013, 02:02:09 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Março 27, 2013, 06:40:09 pm
Not a valid youtube URL
http://www.youtube.com/watch?annotation_id=annotation_563222&feature=iv&src_vid=4VxJQAb5CIo&v=MkAn3VIe1yQ

Não sei se já aqui tinha sido posto.

Mas nos EUA parece que a barra ainda vai ficar mais pesada que na Europa...  

Estar longe das grandes cidades e com uma quintazinha para ao menos não se passar fome ainda é das melhores soluções.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Abril 03, 2013, 11:05:52 am

Água - Uma operação Secreta
.
Um vídeo com origem na Alemanha e legendado em português (clicar em cc no lado direito da barra inferior do vídeo) sobre um assunto na ordem do dia, a entrega da água aos interesses privados, interessante, assertivo e pedagógico.
 
Vale a pena para ver como se tecem as linhas de força dos negócios na UE e divulgar.

NÃO DEIXEM DE VER O ESCÂNDALO.

 

É PARA ISTO QUE SERVE A COMISSÃO EUROPEIA. CAMBADA DE BANDIDOS!
 
 
Água ? Uma operação da União Europeia que começou a ser experimentada em Paços de Ferreira
 
Reportagem no programa de tv alemão Ard Monitor.
 
Legendado em português (clique em CC  no canto inferior direito do video para activar as legendas)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 03, 2013, 11:26:59 am
Página 27:

 c34x  :G-beer2:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Abril 11, 2013, 09:10:29 pm
Tolerem mais uma das minhas maluquices conspirativas:

O Chipre vai alienar uma parte muito significativa das suas reservas de ouro.
Será isso uma tendência que nos vai afectar?
Será que isso vai afectar TODOS os países mais atingidos pela crise, incluindo países como os EUA?
O que acontecerá aos países que alienarem as suas reservas de ouro?

Perderão certa e definitivamente a sua soberania, impedidos da possibilidade de cunhar moeda digna de crédito.
Será que boa parte das reservas mundiais irão ficar sobre a alçada de uma entidade supra nacional como o FMI que ditará todas as leis e políticas?
Ignorem o simplismo das minhas palavras mas considerem o princípio...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Abril 11, 2013, 10:34:18 pm
Citação de: "Luso"
O Chipre vai alienar uma parte muito significativa das suas reservas de ouro.
Será isso uma tendência que nos vai afectar?

Penso que sim, atendendo a vários "recados" que já recebemos.


Citação de: "Luso"
Será que isso vai afectar TODOS os países mais atingidos pela crise, incluindo países como os EUA?

A questão das reservas de ouros dos EUA é algo quase surreal. Todas as tentativas para aferir o real estado dessas reservas têm sido negadas e muito nervosismo tem aparecido sobre o verdadeiro valor dessas reservas. Não me admirava nada que muito desse ouros seja ourou "baptizado" com recheio de tungsténio. Quanto a países, estou em crer que nenhum vai escapar ao que se prepara, seja onde for no Planeta. Os dados económicos a nível global fazem arrepios.


Citação de: "Luso"
O que acontecerá aos países que alienarem as suas reservas de ouro?
Perderão certa e definitivamente a sua soberania, impedidos da possibilidade de cunhar moeda digna de crédito.
Será que boa parte das reservas mundiais irão ficar sobre a alçada de uma entidade supra nacional como o FMI que ditará todas as leis e políticas?

Já perderam pois mesmo que se tentasse passar a um "padrão ouro" as discrepância entre o valor desse ouro e o nominal em unidades de moeda levaria a uma tal desvalorização das moedas mundiais assentes no sistema "Fiat" que seria mais barato acender uma lareira com maços de USD ou € que comprar lenha.

Não creio que tais reservas de ouro fiquem na mão do FMI. Estou para lá de convencido que tais estruturas não passam de um apêndice escroto, completamente dispensável nas fases finais da coisa. Algo para dar face ao que não tem face e joga muito mais alto e maior por detrás.

A fuga vai ser para a frente, tal como em 14..... esperemos
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Abril 16, 2013, 10:37:03 am
A presença de tantos militares nas ruas de Boston depois do ataque não parece um pouco demais? Eu pelo menos não me recordo de tantos militares depois do ataque de 2001.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 16, 2013, 11:55:17 am
Estamos a falar de um pais completamente diferente. Há uma realidade antes e pós 11 de Setembro (e não é das mais bonitas).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Abril 16, 2013, 12:26:07 pm
Quem vão culpar agora?
As milícias (que já estão mais que vigiadas) e os constitucionalistas?

Este ataque pelos vistos decorreu também durante um exercício anti-terrorista.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 16, 2013, 12:42:10 pm
Citação de: "Luso"
Quem vão culpar agora?
As milícias (que já estão mais que vigiadas) e os constitucionalistas?

Este ataque pelos vistos decorreu também durante um exercício anti-terrorista.

Estás a brincar?! A sério?! :o  :roll:

Foi assim em Nova Iorque, Londres e salvo erro em Madrid. Haja coincidências...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Abril 16, 2013, 02:17:20 pm
http://blog.al.com/live/2013/04/boston_ ... _univ.html (http://blog.al.com/live/2013/04/boston_marathon_explosion_univ.html)

Boston Marathon explosion: University of Mobile coach offers first-hand reports from scene


Had he not, the tragic circumstances unfolding in downtown Boston might have personally affected him.

"My wife, Melanie, was sitting in the same exact spot (where the explosion occurred) for five hours," Stevenson, cross country coach for both the men's and women's teams at the University of Mobile, said today. "She got up and left when I finished the race. Had I run slower, it might have been a different ball game."

Stevenson, 37, ran and completed his first Boston Marathon, leaving the scene once his race was over so he could get a shower. He and his wife were returning to the finish line area when two blasts went off killing two people and reportedly injuring at least 28.
Stevenson, who has coached the University of Mobile Rams' cross country teams for four years, said everyone in his group is accounted for.

"Everyone that came up (to Boston) from Mobile avoided injury in the two explosions," he said. "We're definitely grateful for that."

"My thought was to get as far away from there as possible." - University of Mobile cross country coach Alastair Stevenson

After the explosion, he said, "The first thing in my mind was 'are there going to be any others?' My thought was to get as far away from there as possible."

Part of that fear was the smell from the smoke billowing in the air, he said.

"There was a sulfur smell," Stevenson said. "Then, it was crazy from there. The emergency vehicles were coming and going and closing everything off and evacuating the area. People were crying in the streets. It was a pretty disturbing situation."

He and his wife cannot return to their hotel as it's located near Copley Square, site of the chaos that ensued at the marathon's finish line. He's confident that he will be able to return this evening.

"All that area is under heavy restrictions," Stevenson said. "I was very scared at the time, but I'm OK now. I wasn't worried about not getting back to the hotel ... I thought there might be more detonations going off."

While there is no confirmation yet on whether the blasts were the result of a terrorist attack, Stevenson said something he saw before the race was unusual.

"At the starting line this morning, they had bomb sniffing dogs and the bomb squad out there," he said. "They kept announcing to runners not to be alarmed, that they were running a training exercise."

He added, "I've run a lot of races like this one, but I never saw bomb dogs at the starting line of any running event. It led me to believe that something like (a bomb detonation) might have happened."
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: typhonman em Abril 16, 2013, 04:34:03 pm
http://expresso.sapo.pt/euro2004-ainda- ... io=f800706 (http://expresso.sapo.pt/euro2004-ainda-pesa-28-milhoes-nas-contas-da-camara-do-porto-rui-rio=f800706)


Engraçado que ninguém comenta, se fosse despesa das FA´s, aí já haver uma chorrilho de comentários.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 16, 2013, 06:11:53 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Abril 19, 2013, 09:26:17 pm
Perguntava o George Michael da RTP (o que faz boquinhas) ao Morais Sarmento a propósito dos atentados de Boston: "Estávamos esquecidos? Voltámos a ter medo?"  :roll:
É só abafadores de palhinhas...
É com esta gente que o povo conta para estar informado.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Abril 20, 2013, 09:50:05 am
É preciso distrair o zé povinho do que realmente interessa

já, agora, amanhã estreia na TVI mais um "Big Brother VIP" c34x  .... coincidências.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: chaimites em Abril 20, 2013, 12:15:30 pm
GRRRR!!!!
 
  Eu ja estava com a uma azia........
  agora com essa do PIG Brother acabei por  vomitar!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 23, 2013, 11:08:25 am
:arrow: http://imgur.com/a/Nx8EU (http://imgur.com/a/Nx8EU)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 23, 2013, 01:31:43 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 24, 2013, 02:41:53 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Abril 26, 2013, 09:47:31 pm
http://www.rollingstone.com/politics/ne ... t-20130425 (http://www.rollingstone.com/politics/news/everything-is-rigged-the-biggest-financial-scandal-yet-20130425)

Citar
Everything Is Rigged: The Biggest Price-Fixing Scandal Ever

The Illuminati were amateurs. The second huge financial scandal of the year reveals the real international conspiracy: There's no price the big banks can't fix.

By Matt Taibbi  April 25, 2013 1:00 PM ET

Conspiracy theorists of the world, believers in the hidden hands of the Rothschilds and the Masons and the Illuminati, we skeptics owe you an apology. You were right. The players may be a little different, but your basic premise is correct: The world is a rigged game. We found this out in recent months, when a series of related corruption stories spilled out of the financial sector, suggesting the world's largest banks may be fixing the prices of, well, just about everything.

You may have heard of the Libor scandal, in which at least three – and perhaps as many as 16 – of the name-brand too-big-to-fail banks have been manipulating global interest rates, in the process messing around with the prices of upward of $500 trillion (that's trillion, with a "t") worth of financial instruments. When that sprawling con burst into public view last year, it was easily the biggest financial scandal in history – MIT professor Andrew Lo even said it "dwarfs by orders of magnitude any financial scam in the history of markets."

That was bad enough, but now Libor may have a twin brother. Word has leaked out that the London-based firm ICAP, the world's largest broker of interest-rate swaps, is being investigated by American authorities for behavior that sounds eerily reminiscent of the Libor mess. Regulators are looking into whether or not a small group of brokers at ICAP may have worked with up to 15 of the world's largest banks to manipulate ISDAfix, a benchmark number used around the world to calculate the prices of interest-rate swaps.

Interest-rate swaps are a tool used by big cities, major corporations and sovereign governments to manage their debt, and the scale of their use is almost unimaginably massive. It's about a $379 trillion market, meaning that any manipulation would affect a pile of assets about 100 times the size of the United States federal budget.

It should surprise no one that among the players implicated in this scheme to fix the prices of interest-rate swaps are the same megabanks – including Barclays, UBS, Bank of America, JPMorgan Chase and the Royal Bank of Scotland – that serve on the Libor panel that sets global interest rates. In fact, in recent years many of these banks have already paid multimillion-dollar settlements for anti-competitive manipulation of one form or another (in addition to Libor, some were caught up in an anti-competitive scheme, detailed in Rolling Stone last year, to rig municipal-debt service auctions). Though the jumble of financial acronyms sounds like gibberish to the layperson, the fact that there may now be price-fixing scandals involving both Libor and ISDAfix suggests a single, giant mushrooming conspiracy of collusion and price-fixing hovering under the ostensibly competitive veneer of Wall Street culture.

The Scam Wall Street Learned From the Mafia

Why? Because Libor already affects the prices of interest-rate swaps, making this a manipulation-on-manipulation situation. If the allegations prove to be right, that will mean that swap customers have been paying for two different layers of price-fixing corruption. If you can imagine paying 20 bucks for a crappy PB&J because some evil cabal of agribusiness companies colluded to fix the prices of both peanuts and peanut butter, you come close to grasping the lunacy of financial markets where both interest rates and interest-rate swaps are being manipulated at the same time, often by the same banks.

"It's a double conspiracy," says an amazed Michael Greenberger, a former director of the trading and markets division at the Commodity Futures Trading Commission and now a professor at the University of Maryland. "It's the height of criminality."

The bad news didn't stop with swaps and interest rates. In March, it also came out that two regulators – the CFTC here in the U.S. and the Madrid-based International Organization of Securities Commissions – were spurred by the Libor revelations to investigate the possibility of collusive manipulation of gold and silver prices. "Given the clubby manipulation efforts we saw in Libor benchmarks, I assume other benchmarks – many other benchmarks – are legit areas of inquiry," CFTC Commissioner Bart Chilton said.

But the biggest shock came out of a federal courtroom at the end of March – though if you follow these matters closely, it may not have been so shocking at all – when a landmark class-action civil lawsuit against the banks for Libor-related offenses was dismissed. In that case, a federal judge accepted the banker-defendants' incredible argument: If cities and towns and other investors lost money because of Libor manipulation, that was their own fault for ever thinking the banks were competing in the first place.

"A farce," was one antitrust lawyer's response to the eyebrow-raising dismissal.

"Incredible," says Sylvia Sokol, an attorney for Constantine Cannon, a firm that specializes in antitrust cases.

All of these stories collectively pointed to the same thing: These banks, which already possess enormous power just by virtue of their financial holdings – in the United States, the top six banks, many of them the same names you see on the Libor and ISDAfix panels, own assets equivalent to 60 percent of the nation's GDP – are beginning to realize the awesome possibilities for increased profit and political might that would come with colluding instead of competing. Moreover, it's increasingly clear that both the criminal justice system and the civil courts may be impotent to stop them, even when they do get caught working together to game the system.

If true, that would leave us living in an era of undisguised, real-world conspiracy, in which the prices of currencies, commodities like gold and silver, even interest rates and the value of money itself, can be and may already have been dictated from above. And those who are doing it can get away with it. Forget the Illuminati – this is the real thing, and it's no secret. You can stare right at it, anytime you want.

(continua na página da RS)...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Abril 27, 2013, 11:35:33 am
Eu ia escrever sobre isso mas já de pouco vale. Graças a autênticos FDP, idiotas úteis, como lhe chamou Lenine, alguns dos quais bem presentes aqui neste fórum, desclassificando os avisos dados à navegação pelos tais de "maluquinhos da conspiração" o nosso futuro vai ser bem sombrio. O laço foi montado e já lá temos a "pata" presa. Agora a escolha é simples, ou deixamos a "pata" para trás e tentamos salvar o resto ou ficamos lá, agarrados esperando, definhando.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 27, 2013, 04:07:17 pm
:arrow: http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional ... t_id=73810 (http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=73810)

Gaspar vs Portas? Schulz vs austeridade?  :roll:

Sabem a letra daquela música: "Deixa-me rir!"
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 02, 2013, 05:55:08 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Maio 02, 2013, 07:16:12 pm
Ah pois é. Teorias e tal, só maluquinhos, etc....

Citar
A obrigação de registar toda e qualquer planta de cultivo que possa trocar de mãos, mesmo que sejam cedidas a título gratuito, está a deixar organizações de ambiente e agricultura, tanto nacionais como europeias, em pé de guerra contra Bruxelas. A proposta de regulamento, que será discutida a 6 de Maio pelos comissários europeus, é vista como uma ameaça à agro-biodiversidade, aos pequenos agricultores e à auto-suficiência local.

“A obrigação de registar toda e qualquer variedade de semente que possa trocar de mãos, mesmo a título gratuito, trará custos e processos administrativos impeditivos para os agricultores que usam sementes próprias (a maioria), horticultores, associações de preservação de sementes tradicionais e pequenas empresas de produção de sementes”, dizem as 28 associações portuguesas que subscrevem uma carta enviada a Durão Barroso. Um alerta que surge também de muitas outras associações europeias.

Nessa missiva, as associações dizem que o novo regulamento sobre a comercialização de sementes discrimina “severamente as sementes e material de propagação de plantas de polinização aberta, regionais e tradicionais, a favor das sementes industriais e dos operadores corporativos.” Pelo que há um risco de inviabilizar “os sistemas informais de troca e venda de sementes que são a base da segurança alimentar nomeadamente em países em desenvolvimento.”

Segundo explicam as associações, a proposta de lei, além de ser “considerado um ataque” aos agricultores e à “herança bio-cultural comum”, põe em causa “a maioria das dezenas de milhares de variedades locais de plantas de cultivo, seleccionadas e adaptadas por agricultores durante milénios”.

Por isso, pedem que a sementes de propagação livre e aquelas sobre as quais não recaem direitos de propriedade intelectual sejam excluídas deste novo regulamento.

Pedem também que a troca e cessão de sementes entre agricultores, pessoas individuais e organizações sem fins lucrativos não esteja abrangida por esta lei, que deve apenas se preocupar com a comercialização deste material acima de uma determinada quantidade.

Assinam esta carta associações como a Quercus, o GAIA, o GEOTA ou a Confederação Nacional da Agricultura.

http://www.publico.pt/economia/noticia/ambientalistas-e-agricultores-unemse-contra-lei-europeia-das-sementes-1593156
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Maio 02, 2013, 10:53:40 pm
Safa, já reparei que as coisas estão a correr muito mais rápido que o previsto. Eu contava com a ineficiência da burocracia nacional para nos proteger, mas pelos visto não vai ser assim.  

A propósito de aberrações totalitaristas importadas, li isto há dias (se alguém poder confirmar ou desmentir agradecia também):

http://espectivas.wordpress.com/2013/04 ... rtugueses/ (http://espectivas.wordpress.com/2013/04/26/penas-de-prisao-para-os-pais-e-maes-portugueses/)

Citar
Sexta-feira, 26 Abril 2013
Penas de prisão para os pais e mães portugueses?!

Recebi o seguinte email (ver imagem abaixo) segundo o qual o Partido Socialista, em conluio com o Partido Social Democrata de Passos Coelho, pretende fazer passar, por decreto da assembleia da república, a adopção de crianças por pares de homossexuais e com as seguintes medidas adicionais (sic):
•Normalização (da homossexualidade) da sociedade que (as crianças) a partir dos 3 anos leva com “doutrinação” LGBT para acolher “todos os tipos de famílias” e para serem as crianças desde o infantário sejam “mais inclusivas”;
•Orfanatos Católicos, que vão de ter de dar as crianças se não estarão a infringir a lei ;
•Da Creche à faculdade : novos cursos e “mamas” para todo o Esquerdista, Liberal, que pretenda vender a alma para doutrinar as “maravilhas do homossexualismo”;
•Mudança dos Cartões de Identificação, e todos os documentos civis de “Pai e mãe” para “parente 1″ e “parente 2″ ;
•Prisão/multas para quem não quiser matricular o filho numa creche inclusiva, ou que não deseje que o filho frequente aulas de “inclusividade” – Propaganda LGBT

Como eu não tive conhecimento disto nos me®dia, agradeço a quem tenha informações que possam corroborar isto que as deixe ficar em comentário ou me envie por correio electrónico (endereço de email na barra direita).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Maio 03, 2013, 03:37:00 pm
Fantástico! Foi mesmo este país que jurei defender...  :N-icon-Axe:
Mas pronto, por enquanto é apenas um boato.
Por enquanto...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Maio 03, 2013, 11:13:18 pm
Há um pastor evangélico brasileiro chamado Silas Malafaia, que tem o mesmo tipo de discurso.
Creio que será melhor pesquisar o pensamento de Silas Malafaia para entender a origem destes temores.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Maio 04, 2013, 01:55:54 pm
Muito interessante o raciocínio, PT. Nada como associar cromos a uma ideia para a descredibilizar. Já não cola, colega.
O que se está a passar na Europa, vindo do "Norte desenvolvido" e com o qual estamos institucionalmente envolvidos não interessa, pelos vistos.

Outra coisa:

Haverá alguma ligação entre a saída de Louçã e a entrada de Gaspar (primos)?
Tem dito Louçã alguma coisa do primo?
Pergunto isto por não acompanhar as últimas do "trotskista".
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Maio 04, 2013, 02:58:49 pm
Há afirmações que não precisam ser descredibilizadas, porque a sua falta de crédito salta à vista e percebe-se a trafulhice da argumentação com dois ou três clicks.
Quem tem acesso ao Google hoje não tem desculpa.

Eu referi o evangélico homossexual enrustido Silas Malafaia, por causa da expressão «homossexualismo» que é típica do português do Brasil. Os brasileiros aparentemente fazem a distinção, porque consideram homossexualismo uma doença.

Eu lembro, que concordo com uma parte considerável das adjetivações de pouca-vergonha e com as críticas a alguns dos politicos abjetos da nossa praça.

Eu lembro mais uma vez, é que não acho que eles façam parte de uma grande organização que tem o intuito de controlar o mundo.
Essa visão, é a visão de movimentos evangélicos religiosos extremistas de origem norte-americana, que estão à espera do fim do mundo e tentam encontrar explicações para demonstrar que o fim dos tempos está próximo fazendo interpretações sobre as escrituras.

A bandalheira dos políticos resulta de uns verem os outros e pensarem para consigo, que se um rouba o outro também o pode fazer já que há mais beneficios que desvantagens.

Quanto ao Louçã, ele protagonizou a maior derrota eleitoral de um partido politico com representação parlamentar na história do pós 25 de Abril. Nunca um líder politico tinha levado uma pateada tão grande quanto o Louçã, que perdeu metade dos votos e dos deputados de uma eleição para outra.
Como o bloco, é um saco de gatos onde se mordem uns aos outros por detrás do pano, ele não podia sair rapidamente.
O bloco é um partido que de um momento para o outro se pode desfazer. Daí o Louçã ter demorado a desaparecer.

Pelo menos é a forma como eu vejo a questão.
No bloco eles também querem mama e não gostam que seja sempre o mesmo a dar ordens.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 04, 2013, 03:38:48 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 14, 2013, 05:49:25 pm
Estes senhores controlam 75% do mercado mundial de sementes!

 :arrow: https://www.msu.edu/~howardp/seedszoom.html (https://www.msu.edu/~howardp/seedszoom.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Maio 21, 2013, 11:00:26 pm
Isto está a ficar demasiado mau, demasiado depressa...
É preciso estômago para digerir as m#rdas destas que surgem todos os dias.

http://gizadeathstar.com/2013/05/heres- ... scrapbook/ (http://gizadeathstar.com/2013/05/heres-another-one-for-the-gmo-scrapbook/)

Citar
HERE’S ANOTHER ONE FOR THE GMO SCRAPBOOK

May 21, 2013 By Joseph P. Farrell

Here’s another one for your GMO scrapbook. Apparently independent scientists in France(yes, they still have them there), have conducted a study demonstrating a possible link between GMO modified plants and various cancers, and this one has to be seen to be believed:

New Study Finds GM Corn and Roundup Causes Cancer In Rats  http://www.greenmedinfo.com/blog/alert-gmo-corn-and-roundup-caused-cancer-and-killed-rats

Here’s the paragraphs that jumped out at me(in addition to the pictures):

“The results of this new study are doubly concerning. Not only has the consumption of a genetically modified food crop (NK603 maize, which is approved in the US for human consumption) now been shown to cause tumor growth and accelerated mortality, but so has the primary herbicide these plants have been engineered to withstand exposure to: Roundup. GMO plants actually incorporate glyphosate directly into themselves, with the herbicide residues and their metabolites persisting there, making dual exposure to transgenes and herbicide inevitable, and the synergistic amplification of their toxicities likely. Keep in mind, the study used levels of glyphosate “well below officially set safety limits,” which nonetheless induced “severe hormone-dependnet mammary, hepatic and kidney disturbances.”

“It is a shameful fact of history that Roundup herbicide was once marketed by its creator and original patent holder, Monsanto, as being “safe as table salt.”  Now, an accumulating body of research shows that glyphosate, Roundup’s active ingredient, is genotoxic and endocrine disrupting — both hallmark characteristic of many carcinogens — at concentrations several orders of magnitude concentration lower than agricultural application. In fact, Monsanto has gone to great lengths to deny the emerging Roundup-Cancer link by pouring money into contract research companies like Exponent, who deny its well established harms.

“This newest study provides clear and convincing evidence that GMO agriculture is contributing to cancer in exposed populations. The timing of this new study — two weeks before Breast Cancer Awareness Month (BCAM) — is all the more fitting, considering that in female animals, 93% of the tumors found were in the mammary glands.”

If you’re wondering why common sense doesn’t prevail in the agribusiness world and its wonderful cosmos of mercantilism, then consider, in connection to the above article, the following, which shows an intriguing overlap of Mon(ster)santo people and government in the USA(and we can only presume similar buyouts of puppets and shills are proceeding apace in Europe, given the EU’s recent loony tunes decision to have every petunia grower on the continent register their plants and seeds BREAKING: European Commission to criminalize nearly all seeds and plants not registered with government). http://www.naturalnews.com/040214_seeds_European_Commission_registration.html#ixzz2SZAXE5Eu


While we’re at the wonders of government sponsored eco-system engineering, we might as well mention its program to kill birds and bees (yes, you read that correctly):

USDA Admits Exterminating Birds, Crops, and Bees http://worldtruth.tv/usda-admits-exterminating-birds-crops-and-bees/


But hey, not to worry, we have robo-bees coming down the pike, and where there are robo-bees, can robo-birds be far behind?:

Robobee Officially Takes Flight: Robotic Pollinators to Replace Dying Bees http://www.activistpost.com/2013/04/robobee-robotic-pollinators-to-replace.html

Granted, the initial article about GMOs and cancer is a bit dated, and granted, I’ve blogged here about such things before.  But the context here is the important thing, and the context here is saying that greed – apparently now the primary motivator of culture and political action in the West – is the only thing that counts; this is why science doesn’t work, and is being short-circuited in the West, why real debate and discussion do not occur, why politics is theater, and why public confidence in institutions in the West is quickly declining.

But the real lesson to take away from it all is that the oligarchs in charge of it all are really, in the final analysis, just insanely stupid, or perhaps, just insane and stupid.

See you on…

Oh wait, one more thing. Those Mon(ster)santo protests? Yea. They happened:

New cables ‘expose’ US govt lobbies worldwide for Monsanto, other GMO corps  http://rt.com/usa/wikileaks-monsanto-cables-report-273/

Yea, that’s right. You can take it to (hopefully a non-Western) bank and bank it: the next move by the BRICSA nations will be to begin marketing real seeds, the kind that farmers can harvest, while retaining some to replant, the non-GMO kind, the kind they won’t have to pay royalties on… and the BRICSA nations will do a booming business with it too, and spread good will in the process. You can bank on it. And you can bank on the “agribusiness” corporations to buy even more mercantilist protections from their governments that supposedly represent the people.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 24, 2013, 04:10:42 pm
Citar
Inteligência humana está a diminuir, dizem investigadores


"Estás cada vez mais burro" é uma expressão que, afinal, pode fazer muito mais sentido do que a sua aplicação habitualmente sugere. Segundo um estudo da Universidade de Amesterdão os seres humanos perderam, em média, 14 pontos de Q.I. desde o final da era vitoriana.

O trabalho foi conduzido por Jan te Nijenhuis, professor de trabalho e organização psicológica, que defende que os resultados se devem, sobretudo, à dimunição constante da taxa de natalidade das mulheres mais inteligentes, em comparação com o inverso nas mulheres com menor Q.I.

"A redução na inteligência humana (se é que há alguma) começou na altura em que seleção genética se tornou mais relaxada. Isto ocorreu porque os nossos antecessores começaram a viver em sociedades de alta densidade (cidades) e a ter acesso a um fluxo constante de comida", afirmou ao "Huffington Post", Gerald Crabtree, professor de patologia e biologia na Universidade de Stanford.

Velocidade de reação


O trabalho incidiu na análise de 14 estudos de inteligência feitos entre 1884 e 2004, que se centraram na velocidade de reação visual dos participantes.

O tempo de reação reflete a velocidade dos processos mentais de uma dada pessoa e é considerado um sinal geral de inteligência. Enquanto no século XIX o espaço entre o estímulo e a ação era, em média, de 194 milésimas de segundo, em 2004, esse tempo já tinha aumentado para 275 milésimas de segundo.

Dados que não são completamente consensuais, uma vez que uma teoria, conhecido como o efeito Flynn, postula que a melhoria geral nos padrões de higiene, saúde e educação, implicariam necessariamente gerações mais inteligentes



Ler mais: http://expresso.sapo.pt/inteligencia-hu ... z2UDtWwRJg (http://expresso.sapo.pt/inteligencia-humana-esta-a-diminuir-dizem-investigadores=f809112#ixzz2UDtWwRJg)

Estes estudos são uma anedóta, mas revelam algo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 02, 2013, 11:54:55 pm
http://topinfopost.com/2013/05/28/russi ... a-monsanto (http://topinfopost.com/2013/05/28/russia-warns-obama-monsanto)

Citar
Russia Warns Obama: Monsanto

Posted: May 28th, 2013

The shocking minutes relating to President Putin’s meeting this past week with US Secretary of State John Kerry reveal the Russian leaders “extreme outrage” over the Obama regimes continued protection of global seed and plant bio-genetic giants Syngenta and Monsanto in the face of a growing “bee apocalypse” that the Kremlin warns “will most certainly” lead to world war
(continua)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 04, 2013, 09:50:04 am
Seguro ignora Cavaco mas vai com Portas à reunião do clube Bilderberg

Líder socialista inicia hoje ronda de reuniões com os restantes partidos, com o emprego e o crescimento económico na agenda. Encontros para apresentar as conclusões do último congresso não se estendem a Cavaco Silva
O PS vai reunir-se esta semana com todos os partidos com assento parlamentar, para apresentar as conclusões do último congresso. De fora dos encontros dos socialistas fica Cavaco Silva. "Não está agendado nem solicitado qualquer encontro do secretário-geral do PS com o Presidente da República", respondeu ao i o gabinete do líder socialista.

Há cerca de um mês, na sequência do conclave que reelegeu António José Seguro, o secretário nacional do PS António Galamba afirmou ao semanário SOL: "Há um novo mandato do secretário-geral do PS. É da praxe que peça uma audiência e vá a Belém". Uma praxe que Seguro não parece disposto a repetir.

Tradicionalmente, os líderes partidários vão ao Palácio de Belém após os congressos, apresentar cumprimentos ao Presidente da República. Mas no XIX conclave socialista, no final de Abril, já as relações do maior partido da oposição com o chefe do Estado estavam azedas. O PS não gostou da mensagem de apoio de Cavaco Silva ao governo, na sequência do chumbo do Tribunal Constitucional a várias normas do Orçamento do Estado para este ano. E gostou menos ainda das palavras do Presidente da República na cerimónia do 25 de Abril, que mereceu duros reparos entre os socialistas. No discurso de abertura do congresso, o Presidente da República mereceu, aliás, críticas de António José Seguro - e à menção de Cavaco o congresso não poupou uma vaia ao chefe do Estado. Curioso é que o PS quer levar para os encontros com os restantes partidos o tema do emprego e do crescimento - questões que Cavaco Silva também tem levantado.

Ronda de reuniões Para a mesa dos vários encontros com os partidos, o PS recusa que se trate de liderar qualquer processo de entendimento e garante que "não há uma agenda fechada". Na senda do que resultou do último congresso, os socialistas querem aproveitar aquilo a que o porta-voz do partido se refere como um "diálogo inédito" para falar de emprego e de relançamento da economia nacional com os restantes partidos. Sem outros objectivos no horizonte imediato. "O PS quer uma maioria absoluta e quer conquistá-la sozinho, porque é preciso estabilidade governativa" para enfrentar o actual momento do país, diz João Ribeiro. Mas esse mesmo momento "exige grandes consensos" e é nisso que o partido está apostado. Mesmo quando da esquerda chovem exigências de "clareza".

Esta tarde, os socialistas começam por reunir-se com o PCP - que ontem emitiu uma nota de agenda sobre o encontro, fazendo questão de sublinhar que este acontece a pedido do PS "para transmitir as conclusões do seu congresso". A delegação socialista - sempre com a presença de António José Seguro, que só não estará na reunião com o PSD - desloca-se depois ao Largo do Caldas para um encontro com uma comitiva do CDS. Do lado dos centristas, fonte do partido disse ao i que o encontro está a ser encarado com "naturalidade" e que há "disponibilidade para abordar os temas que o PS queira trazer a discussão".

Na quarta-feira será a vez do Bloco de Esquerda. O líder dos bloquistas, João Semedo, diz que espera para ouvir o que o PS tem para dizer. O também deputado - que, a propósito das convergências à esquerda tem protagonizado uma troca de críticas com a direcção do PS nos últimos dias - vai sublinhando que esta é a altura para os partidos tornarem clara a sua posição quanto ao futuro. "Essa clarificação é necessária. Não há discurso, por muito imaginativo que seja, que dispense os partidos de esquerda de clarificar a sua posição", diz Semedo, para quem o PS regista "algum progresso na oposição à política do governo", mas sem explicar ainda os planos para o futuro. "O que pode acontecer na sequência da demissão deste governo ninguém sabe ao certo. E não sei se o próprio PS sabe", acrescenta o líder bloquista, apontando a pluralidade de vozes no PS que defendem diferentes soluções de coligação. Semedo vai alertando que consensos com todos "é uma impossibilidade". E diz também que "não dar uma resposta clara é já estar a responder" - "Sempre que se ouviu o PS dizer que tanto se pode aliar à esquerda como à direita, todos sabem o que aconteceu: foi sempre à direita".

A ronda de encontros fecha com o PSD, na quinta-feira, mas sem a presença dos dois líderes. Com Luís Claro

 :arrow: http://www.ionline.pt/node/50263060 (http://www.ionline.pt/node/50263060)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 04, 2013, 04:21:57 pm
http://www.bilderbergmeetings.org/participants2013.html (http://www.bilderbergmeetings.org/participants2013.html)

PRT Seguro, António José Secretary General, Socialist Party
PRT Portas, Paulo Minister of State and Foreign Affairs
PRT Balsemão, Francisco Pinto Chairman and CEO, IMPRESA
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Junho 04, 2013, 05:08:38 pm
O Sócrates 3.0 está a subir na vida. Só falta votarem nele...
O Balsemão está em todas. Será que vai de avental?
O Cavaquinho engole e cala-se.

Só fico admirado por o comentários do Pinocrates serem na RTP e não SIC...

Isto está tudo minado.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Junho 05, 2013, 08:37:33 am
Bilderberg 2013: Seguro e Portas convidados

Posted: 04 Jun 2013 04:49 AM PDT


O jornal "i" noticia em primeira página que António José Seguro e Paulo Portas são os convidados por Pinto Balsemão para participar este ano na reunião do Clube Bilderberg, que vai ter lugar perto de Londres este fim de semana.
 
 
 
Esta informação consta da lista de participante publicada no site oficial da conferência Bilderberg.http://www.bilderbergmeetings.org/participants2013.html (http://www.bilderbergmeetings.org/participants2013.html)
 
 
O padrão seguido por este clube, tem sido de convidar os políticos que virão a ser os futuros lideres dos governos dos respectivos países, sendo assim, isto poderá significar que caso António José Seguro "agrade" aos participantes, estará eminente a nomeação de um novo governo em Portugal.
 
 
Perante as dificuldades do actual Governo, poderá haver eleições antecipadas. Não tendo maioria absoluta, o PS poderá necessitar de uma eventual coligação com o CDS.
 
 Em 2004, Pinto Balsemão convidou para o encontro do Clube Bilderberg, na Itália, um social-democrata e um socialista. Um mês depois Santana Lopes foi nomeado primeiro-ministro e meses depois eleito José Socrates.
 
 A população acaba sempre por votar nos mesmos Partidos, os do centro, manipulada pelos media ao serviço do sistema, o que garante a eleição dos escolhidos.
A resistência e confronto de ideias menores entre os partidos políticos, enfatizadas pela comunicação social, dominada pelas grandes multinacionais, permitem a ilusão de uma alternativa democrática que não existe.
 
 
fonte: Octopus

-------

ou seja, os "patrões" estão a ver que o tempo do PPC está a esgotar-se e a apostar num governo PS-CDS para o futuro próximo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 07, 2013, 09:04:13 pm
http://farmwars.info/?p=8723 (http://farmwars.info/?p=8723)

Danish Farmer Reverses Illnesses in pigs by reverting to a GM-free diet
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Junho 11, 2013, 10:14:40 am
10.06.2013 00:15
Mundo
Responsável por fugas de informação nos Estados Unidos vai pedir asilo


O ex-técnico contratado da CIA e antigo consultor  da Agência de Segurança Nacional (NSA), Edward Snowden, responsável por  fugas de informação nos Estados Unidos, disse hoje que vai pedir asilo a  qualquer país que "acredite na liberdade de expressão".  

Em entrevista ao 'Washington Post', Snowden, que se encontra atualmente  em Hong Kong, disse que tem a intenção de pedir asilo a "qualquer país que  acredite na liberdade de expressão e que se oponha a que a privacidade dos  cidadãos seja posta em causa".  

O ex-técnico da CIA revelou hoje que foi a fonte dos diários 'The Guardian'  e 'Washington Post', que divulgaram os programas de espionagem dos Estados  Unidos que permitem consultar os registos de chamadas e utilização de redes  sociais.  

Em declarações ao jornal 'The Guardian', Edward Snowden disse ter divulgado  informações confidenciais do governo dos Estados Unidos motivado apenas  pelo desejo de informar o público sobre a "máquina de vigilância em massa" daquele país, segundo a agência AFP.  

"Não tenho nenhuma intenção de esconder quem sou, porque sei que não  fiz nada de errado", afirmou o Snowden, numa altura em que o governo norte-americano  procurava indícios criminais sobre a fuga de informação.  

Snowden foi ex-assistente técnico da agência de informações CIA, trabalhou  quatro anos na Agência de Segurança Nacional (NSA) como um empregado de  vários fornecedores externos, incluindo a Dell e a Booz Allen Hamilton,  o seu atual empregador.  

"O meu único motivo foi o de informar o público sobre o que é feito  em seu nome e o que é feito contra ele", revelou Snowden na entrevista.

A CIA já tinha aberto uma investigação sobre as fugas de informação,  uma situação que classificou como "angustiante" e que poderia causar "danos  enormes" nos serviços de informação dos Estados Unidos, depois da informação  'secreta' ter sido divulgada pelos jornais 'The Guardian' e 'The Washington  Post'.

Lusa  
http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2013/0 ... edir-asilo (http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2013/06/10/responsavel-por-fugas-de-informacao-nos-estados-unidos-vai-pedir-asilo)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 27, 2013, 04:39:22 pm
Manipulação da boa... mas a moçoila conseguiu o que queria, os seus 5 minutos de fama que provavelmente dará-lhe algum trabalho nos "states".

 :arrow: http://cbjm.wordpress.com/2013/06/24/no ... ma-fraude/ (http://cbjm.wordpress.com/2013/06/24/no-im-not-going-to-the-world-cup-a-desconstrucao-de-uma-fraude/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 27, 2013, 10:39:15 pm
Martelo, por falar em manipulação, olha a máscara a cair...

http://espectivas.wordpress.com/ (http://espectivas.wordpress.com/)
Uma notícia que agrada simultaneamente ao Blasfémias e ao Arrastão


Por razões diferentes, a notícia que se segue agrada ao blogue neoliberal Blasfémias e ao blogue radical marxista Arrastão:

«Os ministros das Finanças da zona euro resolveram, depois de várias indecisões, que os depósitos superiores a 100 mil euros sempre podem servir para pagar o resgate de instituições bancárias.

A decisão sobre as perdas dos bancos e quem tem de as assumir estabelece uma ordem hierárquica para quem deve pagar o resgate.
Segundo o Expresso, o acordo coloca no primeiro lugar os accionistas, mas os depositantes, com mais de 100 mil euros no banco, também entram para a lista. Mesmo que apareçam em último recurso, os responsáveis dos 17 países não deixaram de admitir que estes depósitos fossem envolvidos num eventual resgate.

Além desta hierarquia para pagadores, os ministros das Finanças também decidiram que o recurso aos depósitos será feito com uma determinada ordem, começando por se recorrer às contas mais recheadas, no geral pertencentes a empresas, e só depois se chega aos particulares.
De fora, com o estatuto de intocáveis, pelo menos por enquanto, ficam apenas os depósitos inferiores a 100 mil euros.»

— Zona Euro Contas acima de 100 mil euros podem ter de ajudar a resgatar bancos

Para os neoliberais, tudo o que seja beneficiar os Bancos estrangeiros e a economia alemã, é positivo. Ora, esta notícia pode provocar uma fuga em massa de capitais dos Bancos portugueses para os Bancos alemães e do norte da Europa; e por isso, o Blasfémias deve estar contente. Para o Arrastão, tudo o que possa contribuir para uma política de terra queimada, é bem-vindo. “Les bons esprits se rencontrent…”
Se este tipo de notícia continua nos me®dia, vai começar a haver uma corrida aos Bancos e o pé-de-meia metido debaixo do colchão; ou a transferência dos pequenos aforradores para Bancos estrangeiros (por exemplo, em Espanha).


Já se pode começar lentamente a vislumbrar a quem servem na realidade os Bloquistas, e TODAS as suas políticas aberrantes. Os "moços dos negócios", esses, sempre foram mais fáceis de apanhar.
Isto está a ficar bastante, bastante... interessante.

Preparemo-nos também para assistir no Parlamento, debates promovidos pelo Bloco, sobre isto: http://www.ibtimes.com/belgian-parliame ... aw-1301825 (http://www.ibtimes.com/belgian-parliament-posed-approve-child-euthanasia-law-1301825)

Vai-se a ver e é tudo "a bem do Planeta".
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Junho 28, 2013, 06:36:03 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: vmpsm em Junho 29, 2013, 07:08:19 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2F3.bp.blogspot.com%2F-TV0sMD8QnEY%2FUcDY4toheSI%2FAAAAAAAAH9o%2Fu9qWLaqKaFY%2Fs1600%2FEdi%25C3%25A7%25C3%25A3o1902_11Junho13_ODIABO_Page_2.jpg&hash=b75fcae7056b95469026edd4add6a0b5)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Julho 02, 2013, 12:26:31 am
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 03, 2013, 01:56:43 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: typhonman em Julho 03, 2013, 02:20:04 pm
Esta europa..uma feira de variedades... :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 03, 2013, 02:52:03 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fmontanhadesisifo.files.wordpress.com%2F2013%2F06%2Fresolver-problemas2.jpg%3Fw%3D1176&hash=45dca760ed4adecc862d7adf2beb9502)

 :arrow: http://montanhadesisifo.wordpress.com/2 ... -economia/ (http://montanhadesisifo.wordpress.com/2013/06/25/resumo-esquematico-das-solucoes-partidarias-para-a-economia/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Julho 03, 2013, 06:19:10 pm
Deliciosos esses fluxogramas, Cabeça!  :mrgreen:
O blogue também é interessante.

Entretanto fiquem com mais esta:


http://ogladio.blogspot.pt/2013/07/o-go ... guesa.html (http://ogladio.blogspot.pt/2013/07/o-golpe-contra-soberania-portuguesa.html)

Citar
Quarta-feira, 3 de Julho de 2013
   
O golpe contra a soberania portuguesa fica mais claro.

Os que lêem o Gládio sabem que previ que o plano de salvação adoptado em Portugal era insuficiente, servindo apenas para prolongar ao máximo a drenagem das riquezas portuguesas pela banca internacional. Um plano de salvação que não passe por alcançar um superavit num quadro de corte de impostos, o que exigiria um corte dos gastos públicos na ordem dos 30%, pelo menos, jamais conseguiria deter a subida da dívida e a queda do PIB, levando ao aumento do débito e do risco de incumprimento, o que por sua vez levaria a aumentos na taxa de juros e do esforço para cumprir os compromissos da dívida. Como havia dito aqui, a taxa de risco da dívida portuguesa, caso não houvesse o dinheiro do pacote anterior, já teria passado dos 25%, levando o país à moratória pela força das circunstâncias e obrigando o estado a gastar apenas o que pode e a renegociar a dívida. Assim, o pacote serviu apenas para manter o crescimento da dívida pública portuguesa no nível anterior e tirar o máximo de recursos possível antes que Portugal quebrasse, o que é inevitável dentro das alternativas oferecidas pelo regime, fragilizando-o ainda mais para intensificar a pressão internacional no momento em que jogarmos o pano.

Dito e feito. Quando ficou claro que o défice havia saído de controlo, eis que o genial ministro das finanças renuncia, sob um pretexto ridículo, e o paulinho da peruca loura faz o mesmo logo a seguir. Num momento desses, isso significa suicídio financeiro. Por "pura coincidência", os personagens principais de toda essa comédia prestaram pessoalmente vassalagem aos senhores das finanças internacionais numa conhecida reunião que os idiotas fingiam até há pouco tempo não existir, mas ainda insistem em afirmar que não tem nenhuma importância e a negar a impossibilidade matemática de tantas coincidências ao longo de décadas, arrogando-se o direito de chamar os que não comungam da fé estúpida na teoria da pura coincidência de teóricos da conspiração, quando nem sequer estamos diante de uma conspiração, mas sim de algo que é tão imenso que se torna impossível esconder, apesar do véu que os grandes media lançam sobre o tema.

Agora, sem nenhuma surpresa, a não ser para os teóricos da pura coincidência, vem um banco revelar o que os malucos e teóricos da conspiração previram há muito.O que aconteceu, senhores, é simples e já aqui expliquei: Portugal foi deliberadamente conduzido a uma armadilha e o objectivo é acabar de vez com a soberania portuguesa. Lembrem-se disto quando começarem a ouvir propostas a respeito da venda do ouro português, de mais privatizações ao desbarato em favor de corporações monopolistas e de concessões na Zona Económica Exclusiva em favor de mega-empresas estrangeiras. Mas antes disso, fiquem atentos aos desenvolvimentos políticos e observem bem o papel de Paulo Portas, António José Seguro, Durão Barroso e dos grandes media. E não esqueçam que dentro deste regime e do quadro partidário não há alternativa, afinal, não faltam cartas nas mangas dos senhorios de Portugal (algo me diz que o Sr. Rui Rio será promovido nos próximos tempos).  
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Julho 03, 2013, 06:32:11 pm
Enquanto isso, o "irrevogável" meteu o rabinho entre as pernas e já vai negociar com o PSD  :mrgreen:

é impressionante a falta de coluna vertebral desta criatura...

já agora quantos milhões terá custado a birrinha de ontem?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 04, 2013, 10:42:53 am
Infelizmente vou ter que concordar com as criaturas, tudo isto foi calculado.

Citar
JPMorgan: Portas quer ganhar peso num novo Governo

Na opinião do analista do banco de investimento, a demissão de Paulo Portas pode ser “táctica” e visará aumentar o seu peso no Executivo para forçar a troika a uma revisão do programa de ajustamento.
Alex White, analista do JP Morgan em Londres, acredita que a demissão do ministro dos Negócios Estrangeiros e líder do segundo partido da coligação possa ser “táctica”. “Poderá não ser mais de que uma movimentação táctica destinada a ampliar a preocupação em torno de [Maria Luís] Albuquerque, a nova ministra das Finanças, e conseguir mais poder dentro de um novo Governo”.

 
Em declarações ao Financial Times, o analista diz esperar que o CDS-PP use depois este maior peso para argumentar que Portugal tem de adoptar uma postura diferente na próxima missão de avaliação da troika, prevista para 15 de Julho.

 
Depois de Paulo Portas, ministro demissionário de Estado e dos Negócios Estrangeiros, alguma imprensa refere que todos os ministros e secretários de Estado do CDS-PP deverão apresentar a também a demissão ao primeiro-ministro nesta quarta-feira.

 
Em causa estão os ministros Pedro Mota Soares e Assunção Cristas e os secretários de Estado Adolfo Mesquita Nunes, Miguel Morais Leitão, Filipe Lobo d"Ávila e Paulo Núncio que foi ontem mesmo reconduzido como secretário de Estado das Finanças no Ministério agora liderado por Maria Luís Albuquerque.

 
Os pedidos de demissão deverão surgir depois da reunião da comissão executiva do partido, que foi ontem convocada pelo presidente do CDS-PP, Paulo Portas.

 
O Expresso online cita, por seu turno, vários dirigentes centristas que se dizem "perplexos", "desiludidos", "em estado de choque", "destroçados" e "traídos" para descrever o estado de espírito na ressaca da demissão de Paulo Portas. Escreve o jornal que "responsáveis centristas - vários deles convocados para a reunião de hoje da comissão executiva do partido - não escondem a incredulidade e a com a decisão de Portas, tomada de forma unilateral, sem ouvir nenhum colaborador", pelo que a reunião do núcleo restrito da direcção do CDS, convocada por Portas, servirá, antes de mais, para o líder do partido se explicar. "O Paulo tem de explicar o que fez e porque fez".

 
A promoção da até agora secretária de Estado do Tesouro ao lugar de Vítor Gaspar foi o pretexto referido por Portas para se demitir. O líder do CDS queria um outro nome – possivelmente Paulo Macedo, ministro da Saúde – para a pasta das Finanças.

 
Na carta de demissão que ontem tornou pública menos de duas horas antes da tomada de posse da nova ministra, o líder do CDS diz que "são conhecidas as diferenças políticas que tive com o Ministro das Finanças. A sua decisão pessoal de sair permitia abrir um ciclo político e económico diferente. A escolha feita pelo Primeiro-Ministro teria, por isso, de ser especialmente cuidadosa e consensual". Contudo, "o Primeiro-Ministro entendeu seguir o caminho da mera continuidade no Ministério das Finanças. Respeito mas discordo".

 
O gabinete de Passos Coelho esclareceu ontem que a escolha de Maria Luís fora comunicada a Portas no passado sábado, tendo o ministro de Estado discordado mas acatado uma opção que se insere na esfera de competências do primeiro-ministro.

 :arrow: http://www.jornaldenegocios.pt/economia ... verno.html (http://www.jornaldenegocios.pt/economia/financas_publicas/detalhe/jpmorgan_portas_quer_ganhar_peso_num_novo_governo.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Julho 04, 2013, 11:29:06 am
O Paulo Portas deve ter um pó à tal da Maria Luiz ...  :shock:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Julho 04, 2013, 01:45:09 pm
Paulo Portas recua e dá dois passos em frente para vice-primeiro-ministro
Publicado às 11.42
JN
 


Paulo Portas recua, mantém-se no governo e dá dois passos em frente: troca de pasta e transita dos Negócios Estrangeiros para a Economia, mas como vice-primeiro-ministro. Neste cenário que está a ser equacionado, Álvaro Santos Pereira é sacrificado por Passos Coelho. A reunião entre os dirigentes partidários, para encontrar uma solução que agrade ao Presidente da República, já terminou.

Pedro Passos Coelho e Paulo Portas reuniram, esta quinta-feira, na sede do Conselho de Ministros, em Lisboa, até cerca das 13.00 horas. E, noticia a TVI, começa a burilar-se a solução para a crise governamental: o líder do CDS recua na demissão, vira-se para outro lado e troca a pasta dos Negócios Estrangeiros pelo cargo de vice-primeiro-ministro com a pasta da Economia. Álvaro Santos Pereira fica pelo caminho.

Este é um hipótese, apurou o JN, que está a ser considerada para remendar o Governo e manter viva a coligação. Tendo em conta a situação do país e a hecatombe registada na bolsa, quarta-feira, com a demissão do ministro dos Negócios Estrangeiros, o primeiro-ministro quer levar uma solução para a crise para a reunião que tem agendada com o presidente da República, Cavaco Silva, às 17 horas.

Na reunião, estimam os analistas auscultados pela imprensa desta manhã, Portas vai reclamar mais poder para o CDS-PP no Governo.

Outras das questões em cima da mesa passa pela divisão dos super-ministérios da Economia e da Agricultura, por forma a agilizar duas pastas com grande influência na vida económica e social do país.

Os dois líderes devem assegurar um compromisso de estabilidade, por forma a garantir a continuidade da coligação, pelo menos até ao fim do programa de assistência financeira, que termina em abril de 2014.

Maria Luís Albuquerque, cuja nomeação para o cargo deixado em aberto com a saída de Vítor Gaspar levou Portas a pedir a demissão, vai continuar com a pasta das Finanças.

A nova minista foi a primeira a chegar, às 8.15 horas, à sede da Presidência do Conselho de Ministros, cerca de 15 minutos antes da hora marcada para o início do encontro do Executivo.

Paulo Portas foi o único ministro ausente na reunião, que contou com a presença dos outros dois ministros do CDS-PP, Assunção Cristas, ministra da Agricultura e Ordenamento do Território, e Pedro Mota Soares, ministro da Solidariedade e Segurança Social.

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Politica ... 13&page=-1 (http://www.jn.pt/PaginaInicial/Politica/Interior.aspx?content_id=3304613&page=-1)

a birrinha do paulinho também só custou 4,2 M milhões de euros...coisa pouca  :roll:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 04, 2013, 02:44:58 pm
Acho que este tema é o mais indicado para ser ouvido depois do que aconteceu.


Citar
They say jump and ya say how high
Ya brain-dead
Ya gotta fuckin' bullet in ya head

Continuem a votar PSD/PS/PP... continuem... :N-icon-Axe:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Julho 04, 2013, 03:22:01 pm
seu comuna!!!!!  :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Julho 04, 2013, 09:59:09 pm
não digam a ninguém mas quando quero abanar o capacete gosto de ouvir isto

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Julho 04, 2013, 09:59:40 pm
O Alvaro andou a meter-se onde não devia, apesar de qualquer pessoa com um minimo de bom senso saber que, sem se mexer onde ele estava a tentar, tudo e mais qualquer coisa que se faça não veda o buraco. O molusco amibalesco do paulinho, como bom mandado não hesitou em mover-se de acordo com os "patrões" mesmo que isso possa custar mais umas dezenas de milhões de € aqui aos zezinhos. Notem bem a atitude do animal, notem bem o profundo desprezo que tem por todos nós, notem bem como somos nada, contamos nada, valemos nada perante os interesses da canalha que o comanda.

Teorias da conspiração que teimam, de forma estupida, em acertar com a realidade (ou será o contrário?).....
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Julho 04, 2013, 11:22:58 pm
Fox, decididamente, o CDS não passa mesmo de uma agência de negócios, capaz de trocar os seus alegados princípios por esquemas rentáveis. A composição dos seus lugares cimeiros é - para mim - um sinal disso: A grande maioria são relativizadores profissionais, leia-se advogados. Isso permite racionalizarem a sua compatibilização com o socialismo.
São aldrabões profissionais que deveriam desaparecer da face da terra por serem duplamente traidores.

A propósito da palhaçada que está a ocorrer, recomendo a leitura do postal do "Do Portugal Profundo" http://doportugalprofundo.blogspot.pt/2 ... ro-da.html (http://doportugalprofundo.blogspot.pt/2013/07/o-resultado-cinzento-do-filme-negro-da.html)

O pessoal não se lembrará certamente da guerra que o "O Independente" fazia à Comunidade Europeia, a Maastricht, etc...
Agora é ver o Paulinho a nadar como um peixe no mundo que tanto atacou como nunca nada se tivesse passado.
Nojento.

E eu que o defendi tanto. :N-icon-Axe:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Julho 04, 2013, 11:46:00 pm
Quase todos aqui no forum o defendemos principalmente por uma aparente boa prestação como ministro da defesa (depois com as corrupções dos submarinos e evolução do NPO viu-se que afinal não foi assim tão boa).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Julho 04, 2013, 11:55:05 pm
O texto é demasiado importante para passar despercebido só com um link. O texto original remete para outros links com as fontes, portanto, quem quiser saber mais...

http://doportugalprofundo.blogspot.pt/2 ... ro-da.html (http://doportugalprofundo.blogspot.pt/2013/07/o-resultado-cinzento-do-filme-negro-da.html)

Quinta-feira, 4 de Julho de 2013

O resultado cinzento do filme negro da crise política de julho de 2007


Afinal, no jogo dos jotas Portas encolheu-se e Passos disfarça. O armistício, ainda temporário e preso por arames, tão embaraçante como vergonhoso, desta crise, salda-se por um empate: empate do País... Procuro explicar.

Portas disparou o tiro para se tornar líder da direita, pelas fatídicas quatro en punto de la tarde, de 2-7-2013 (como Gaspar na véspera). Mas depois de armar o cão e dar ao gatilho, arrependeu-se devido à pressão da finança e grandes empresas financiadores do seu jogo e internacionais, e quis travar o projétil. Pôs a mão à frente do cano e esfacelou-a. Do killer instinct fica afinal o instinto: já não mata - como fez a  Manuel Monteiro (ver Sábado, de 11-6-2013), a Marcelo Rebelo de Sousa (em 26-3-1999) e a Santana Lopes (ver o seu livro Pecado Original, de 2013). E, se já ninguém acreditava na sua palavra - nem os do seu partido a quem deixou às escuras (ver «CDS apanhado de surpresa», na Visão de 4-7-2013, p. 36) -, a partir de agora já não dissuade, ninguém o teme, pois sabem que, para lá da intriga, dá tiros de pólvora seca ou rebenta consigo próprio no arrependimento. Mesmo parece que os influenciadores - os financiadores nacionais do CDS e os dirigentes internacionais - lhe procuraram salvar a face, permitindo-lhe, conforme foi noticiado pelos telejornais, das 13 horas de 4-7-2013 da TVI e RTP,  uma promoção a vice-primeiro-ministro com a pasta da Economia e a vaga promessa de relançamento do investimento e da despesa pública logo que a União Europeia conssentisse, ao mesmo tempo que era forçado a aceitar a nova ministra das Finanças. Porém, ao fim da tarde de 4 de julho de 2013, veio a notícia pela boca de Passos Coelho, à saída de audiência com Cavaco Silva, de que a «fórmula» encontrada para o problema criado é de que o CDS manterá o apoio ao Governo, e que a decisão de demissão de Paulo Portas é pessoal, dando a entender que este não voltará ao executivo. E quiçá alguma concessão, como António Pires de Lima na Economia, para salvar a face do parceiro...

E logo mais à tarde deste 4-7-2013, a notícia, de que o Presidente Cavaco Silva não quer Portas com um pé de fora e outro dentro do Governo e não aceita a solução que Passos prometia estável, exigindo que Portas regresse ao Governo... As cenas dos próximos capítulos prometem contradizer tudo o aconteceu antes nesta telenovela e riscar os prognósticos mais seguros da TV 7 Dias... Uma vergonha completa que torna mais perigoso o cenário de eleições antecipadas. Um cenário tragico-cómico que os credores internacionais, a economia portuguesa, e os cidadãos pretendem afastar, pois pode pôr o País à beira da insolvência.

Passos nomeou a sua professora e amiga, sem currículo académico ou profissional sofrível para ministra das Finanças. Aliás, o único currículo notório que tinha que ostentava era o de alegadamente ser (ir)responsável por quatro contratos swap com perdas potenciais para o Estado na Refer, entre 2004 e 2007, quando Maria Luís era diretora do Departamento de Gestão Financeira (Dinheiro Vivo, 22-6-2013). Bem como ter tido um papel central nas controversas vendas privadas do BPN, da ANA, da REN e da EDP (tranche final vendida aos chineses da Three Gorges, em 22-12-2011) e da TAP (falhada). EDP para onde o marido jornalista, António Albuquerque, despedido pelo Diário Económico/Ongoing no final de 2012, foi trabalhar há dois meses como «consultor», uma consultoria que ontem foi rescindida, na sequência da notícia da Visão, desta semana. Ainda segundo a revista Visão, de 4-7-2013, «Governo... em queda», p. 32: na versão passista, «o chefe de Governo reteve que Portas se sentia desconfortável com a escolha de Maria Luís e precisava de refletir sobre o assunto»; na versão de Passos, Portas «na terça-feira de manhã voltou a falar com Passos Coelho para lhe comunicar que já não queria ser ministro». Lá se vai a justificação da «surpresa» que Passos alegou na sua declaração ao País, das 20 horas de 2-7-2013. Passos sabia que Portas sabia que Passos sabia... Mesmo assim, arriscou, e danificou ainda mais uma reputação abalada. Como compreenderia se tivesse sentido de Estado e fosse prudente, a situação periclitante do País não suportava a roleta palaciana de nomear a amiga, sem currículo à altura de um posto da mais elevada responsabilidade europeia.

Os outros protagonistas também não ficam bem vistos neste «filme», como lhe chamou em 3-7-2013 em Berlim, um primeiro-ministro de um País arruinado, mas que brinca aos cowboys com Paulo Portas, seu colega de trupe, nesta série negra. Um filme de que, como desabafou o ministro Luís Marques Guedes, em 5-7-2013, só «os astros» conhecem o final.

Percebe-se agora que Maria Luís Albuquerque andou ligada aos socialistas.

Recomendo a leitura do perfil da nova ministra, assinado por Clara Teixeira, na Visão, de 4-7-2013, «A menina dos olhos de Passos» (pp. 42-48 da edição impressa). Maria Luís foi assessora de Manuel Pedro Cruz Baganha, secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, durante o Governo de Guterres, em 2001, tendo sido colocada (pelos bons ofícios de Manuel Baganha?) como diretora do Departamento de Gestão Financeira da Refer, onde esteve até 2007, até ser repescada pelo Governo Sócrates para o delicado lugar de coordenadora do Núcleo de Emissões e Mercados do Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público (IGCP), cargo em que esteve até 2011. Terá sido professora de Pedro Passos Coelho na Universidade Lusíada, em Lisboa (Passos terá terminado o curso em 2003). Foi candidata número um do PSD por Setúbal em 2011, sendo curiosamente elogiada pelo socialista José Vieira da Silva (p. 44), presidente da comissão de acompanhamento da execução do programa da troika: «notava-se que não tinha experiência, mas fez bem o seu papel» e «era segura e sabia enfrentar uma plateia». Manuel Baganha voltou ao Governo no Ministério das Finanças, quando os socialistas retomaram o poder em 2005, depois do interregno Durão/Santana Lopes, para secretário de Estado Adjunto e do Orçamento até derivar para presidente do polémico Instituto de Gestão de Fundos e de Capitalização da Segurança Social (ou FEFSS), em 2006, sob o ministro Vieira da Silva, um lugar de confiança política onde se mantém, apesar da mudança de Governo em julho de 2011.

Já no Governo, Maria Luís Albuquerque, como secretária de Estado do Tesouro e das Finanças, além de outras nomeações polémicas, como a de colegas na Refer, da manutenção da sua secretária pessoal Ana Isabel Moura mantida, em 2012, num lugar de confiança política mesmo depois desta ser alegadamente investigada por «desvio de fundos do partido e falsificação de documentos» (28 cheques para o pagamento da renda da sede de Almada) no PSD de Setúbal, logo designou, em 29-6-2011, para sua chefe de gabinete, Maria Luísa Pinto Pacheco da Cruz Baganha, a mulher do ex-secretário de Estado socialista Manuel Baganha. Por «erro de casting» ou por  hábitos da tralha socratina tornados demasiado ostensivos, ou não, na larga delegação de competências que recebeu, ou não, o certo é que a chefe de gabinete Luísa Baganha, técnica de administração tributária, foi exonerada a seu pedido em 18-9-2012, para... ser  imediatamente (em 24-9-2012?) nomeada para administradora (vogal) da Imprensa Nacional - Casa da Moeda... Apresentada como fiel de Vítor Gaspar, o certo é que embaraçou o ministro no caso dos swaps (no final de 2012, segundo o Expresso, de 29-6-2013, havia 113 swaps tóxicos ativos, com perdas potenciais de 3,1 mil milhões de euros), o incidente que pode ter sido a gota de água no copo prestes a transbordar do ministro: segundo a Visão, de 4-7-2013, Maria Luís diz que na transição de pastas nada lhe foi dito sobre a questão dos swaps especulativos; Teixeira dos Santos veio dizer que respondeu ao ministro na reunião de transição em 18-6-2011, que lhe perguntou sobre o assunto , o que Vítor Gaspar confirmou - isto é, Vítor Gaspar ficou como culpado do do problema diferido, pois nada teria dito à sua secretária de Estado (que, no entanto, sabia bem do assunto, pois terá feito cinco swaps especulativos...).

Antes deste primeiro de julho de 2013 na qual terá enviado carta à imprensa, pelas 15:59, à hora do fecho da bolsa, de acordo com a Visão, de 4-7-2013, Vítor Gaspar já se teria tentado demitir mais duas vezes: em 22-10-2013 e em abril de 2013, mas a fraca razão apontada como potenciadora foi o incidente do supermercado, em meados de junho de 2013. Se os ministros se demitissem por causa de serem insultados, não haveria governantes no mundo... Manda o dever que diga que me parece que Gaspar protegeu os socialistas no caso dos cartões de pagamentos Visa IGCP Charge Card dos governantes socratinos (em vez da comunicação rápida à Associação Sindical de Juízes Portugueses dos movimentos de cada cartão, conforme lhe foi solicitado, nada se conhecendo da evolução desse inquérito judicial requerido há mais de um ano), ou na manutenção dos socratinos no Ministério, como foi o caso do Observatório do QREN não para receber boa vontade dos socailistas durante o seu consulado, mas para garantir o seu favor futuro e proteger a sua carreira posterior. A Pátria, Gaspar, a Pátria não lhe perdoa essa promiscuidade tácita!

António José Seguro, que se tornou quezilento na volta de Sócrates da fuga parisiense, batalhava por eleições antecipadas até no dia 2-7-2013, até que o terramoto financeiro lhe impôs, em 3-7-2013, o recuo para a crítica de «atitude profundamente irrresponsável do primeiro-ministro e do Governo», mesmo que para portuguesver ainda fale em eleições legislativas na data das autárquicas...

E Cavaco Silva deu posse imediata a Maria Luís Albuquerque, como ministra das Finanças, em 2-7-2013, sabendo que não tinha currículo para tal, que tinha acumulado várias polémicas, com relevo maior para a perda de milhões de euros para o Estado nos contratos swap especulativos, sem ter garantia - expressa e firme, como requer o País nesta circunstância - de que a escolha tivesse sido aceite pelo outro parceiro da coligação governamental, o CDS, num quadro patético, em que os ministros do CDS não compareceram à cerimónia!... Quando se aproxima o ocaso da sua vida política, Cavaco Silva parece cada vez mais um Presidente que assina de cruz e à Lucky Luck, decisões polémicas do Governo, como foi, em 19-6-2013, o caso do adiamento do pagamento dos subsídios de férias a funcionários públicos e a pensionistas. É tarde para recuperar o leme perdido num barco à deriva chamado Portugal.

Finalmente, uma dúvida me inquieta e que convém esclarecer o povo: em 1 de julho (data de demissão de Gaspar) e 2 de junho (data de demissão de Portas) foi, ou não, feito short selling de obrigações, ações e de CFDs, em valor anormal, nomeadamente obrigações do Estado português e de bancos e grandes grupos económicos na bolsa portuguesa e nas bolsas internacionais através de corretores e plataformas de negociação portuguesas? É que a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) só decretou a suspensão do short selling do BCP, BES, Banif e Sonae Indústria a partir «das 00h00m de 4 de julho de 2013» já depois do encerramento da bolsa em 3 de julho de 2013 (a notícia do Negócios é das 20:25). É que, mesmo sem a alavancagem habitual, só as obrigações do Estado português a dez anos subiram 25,5% entree o dia 2 e o dia 4 de julho de 2013... E, se houver indícios de que houve, terá de ser investigado quem o fez e a mando de quem. Este assunto deve ser acautelado pelas autoridades. Por mim, basta-me que as autoridades digam que os valores do short nesses dias foram os habituais, não se registando grandes volumes de transações  no short destes títulos e de outros similares, por investidores em grande contraste com o seu padrão habitual.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 05, 2013, 12:06:14 am
Para mim o Paulo Portas é um verdadeiro assassino...afinal ele matou a entidade do CDS/PP e enterrou o euro-cepticismo no dito partido.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Julho 05, 2013, 12:25:29 am
Pode ser certamente uma inconsciente e profunda inveja da minha parte mas conheçam o curriculum deste senhor:

http://www.portugal.gov.pt/pt/os-minist ... igues.aspx (http://www.portugal.gov.pt/pt/os-ministerios/ministerio-das-financas/conheca-a-equipa/secretarios-de-estado/manuel-rodrigues.aspx)

Como é que esta gente consegue?  :shock:  :shock:

Sinto-me tão pequenino em comparação...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: miguelbud em Julho 05, 2013, 08:38:37 am
Citação de: "Luso"
Pode ser certamente uma inconsciente e profunda inveja da minha parte mas conheçam o curriculum deste senhor:

http://www.portugal.gov.pt/pt/os-minist ... igues.aspx (http://www.portugal.gov.pt/pt/os-ministerios/ministerio-das-financas/conheca-a-equipa/secretarios-de-estado/manuel-rodrigues.aspx)

Como é que esta gente consegue?  :shock:  :shock:

Sinto-me tão pequenino em comparação...

Excelente currículo, apenas faltou no final a seguinta frase: "Com esta educaçao de luxo, nao sei como é que me tornei secretário de estado de um país falido".

Um pouco á semelhança da senhora que colocou este anúncio.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fmedia.tumblr.com%2Ftumblr_lpvn6lINlL1qirqmm.jpg&hash=f0df7d487c071c551c1fe9e2da84c73e)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Julho 05, 2013, 11:12:15 am
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fc1.quickcachr.fotos.sapo.pt%2Fi%2FB0813c0e9%2F14279965_4zqgY.jpeg&hash=548d9945047fdd6a1f81c792be6f7ff1)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 05, 2013, 12:29:27 pm
Citação de: "Luso"
Pode ser certamente uma inconsciente e profunda inveja da minha parte mas conheçam o curriculum deste senhor:

http://www.portugal.gov.pt/pt/os-minist ... igues.aspx (http://www.portugal.gov.pt/pt/os-ministerios/ministerio-das-financas/conheca-a-equipa/secretarios-de-estado/manuel-rodrigues.aspx)

Como é que esta gente consegue?  :shock:  :shock:

Sinto-me tão pequenino em comparação...

Eu certamente não conseguiria... não tenho dinheiro para tal. Tenho só no meu local de trabalho três colegas (em seis) com uma licenciatura tirada à menos de 2 anos e não estou a contar com a minha superior hierárquica. Nenhuma destas pessoas vai subir na carreira e gastaram largos milhares de euros. Eu vou meter-me numa destas? Nem pensar, tenho casa e familia para sustentar!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: PereiraMarques em Julho 05, 2013, 12:39:15 pm
Eu também tenho dois mestrados e estou inscrito no doutoramento. :mrgreen:

Mas sem ilegalidades, tipo Relvas, percebe-se que isto é tudo cursos mais ou menos nas mesmas áreas científicas (excepto a Lic. em Engenharia Civil) e parece-me bastante provável que muitas vezes sejam atribuídas equivalências entre unidades curriculares de graus e diplomas anteriores para unidades curriculares de novos graus e diplomas. Depois também há que tentar ver que para além do nome finório de alguns cursos, tipo global management blá, blá, aquilo no fundo não passa de cursos intensivos de duas ou três semanas...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 05, 2013, 06:17:05 pm
As revelações de Manuel Monteiro sobre Paulo Portas

 :arrow: http://ntpinto.wordpress.com/2012/11/02 ... lo-portas/ (http://ntpinto.wordpress.com/2012/11/02/as-revelacoes-de-manuel-monteiro-sobre-paulo-portas/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Julho 05, 2013, 06:47:46 pm
Muito interessante caro Cabeça, achei muito interessante nessa entrevista a revelação que os grandes interesses e negócios do estado para beneficiar privados começaram no tempo do Cavaco, o maior criminoso de Portugal.

Era ainda muito jovem na altura, mas sempre simpatizei com o Manuel Monteiro (na altura talvez por ter uns óculos iguais aos meus)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Julho 06, 2013, 09:16:41 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "Luso"
Pode ser certamente uma inconsciente e profunda inveja da minha parte mas conheçam o curriculum deste senhor:

http://www.portugal.gov.pt/pt/os-minist ... igues.aspx (http://www.portugal.gov.pt/pt/os-ministerios/ministerio-das-financas/conheca-a-equipa/secretarios-de-estado/manuel-rodrigues.aspx)

Como é que esta gente consegue?  :shock:  c34x
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Julho 08, 2013, 12:03:25 pm
Parece que no meio desta brincadeira toda do Portas toda a gente se esqueceu da saída do ainda actual ministro da economia, Álvaro Santos Pereira, o único que ainda tentava lutar contra os grandes interesses das concessões rodoviárias, energia e outros que tais.

À muito que o grande capital queria o seu afastamento, coincidência das coincidências agora sai e ninguém repara...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Julho 08, 2013, 12:50:34 pm
Mas ainda acreditam que alguma coisa é por acaso?
Relembro o que o Luso disse duas páginas atrás.
Citação de: "Luso"
http://www.bilderbergmeetings.org/participants2013.html

PRT Seguro, António José Secretary General, Socialist Party
PRT Portas, Paulo Minister of State and Foreign Affairs
PRT Balsemão, Francisco Pinto Chairman and CEO, IMPRESA
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Julho 08, 2013, 03:22:19 pm
Citação de: "Edu"
Parece que no meio desta brincadeira toda do Portas toda a gente se esqueceu da saída do ainda actual ministro da economia, Álvaro Santos Pereira, o único que ainda tentava lutar contra os grandes interesses das concessões rodoviárias, energia e outros que tais.

À muito que o grande capital queria o seu afastamento, coincidência das coincidências agora sai e ninguém repara...

não esqueçamos as dezenas de chamadas de empresários para o paulinho... :roll:

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Julho 09, 2013, 01:04:23 am
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.forte.jor.br%2Fwp-content%2Fuploads%2F2013%2F07%2Fprism-slide-8.jpg&hash=c958f090747c3ddc623984d837dcd0cc)

Como funciona o PRISM...
 :arrow: http://www.washingtonpost.com/wp-srv/sp ... documents/ (http://www.washingtonpost.com/wp-srv/special/politics/prism-collection-documents/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Julho 10, 2013, 02:11:03 am
Relativamente ao afastamento do ministro Álvaro Santos Pereira, deixo este video (já aqui colocado antes) do José Gomes Ferreira no qual ele refere o interesse no afastamento do ministro da economia

https://www.youtube.com/watch?feature=e ... Ggv4s&NR=1 (https://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&v=JyMd_qGgv4s&NR=1)

Vejam a partir do min 4.25
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Julho 16, 2013, 11:50:31 pm
:idea:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Julho 21, 2013, 12:47:03 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Julho 29, 2013, 06:52:55 pm
Mais outra irrelevância para os teóricos da pura coincidência:

Killing babies no different from abortion, experts say
http://www.telegraph.co.uk/health/healt ... s-say.html (http://www.telegraph.co.uk/health/healthnews/9113394/Killing-babies-no-different-from-abortion-experts-say.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Julho 31, 2013, 10:07:15 am
"Better defence spending" needed to back up EU ’principles’
 2013 07 29
 
By Honor Mahoney | EUObserver

Europe needs to make better use of dwindling defence budgets if it is to properly take care of military problems in its own backyard as the US orients itself towards Asia, the EU commission said Wednesday.

 In an ideas paper meant to feed into an EU leaders defence summit in December, the commission noted that Washington is "rebalancing its strategic focus towards Asia" while the recent Libya war highlighted European military "shortfalls."

 "We will not have the weight we need in the world without a common defence policy. To support it, we need to strengthen our defence and security sector," said EU commission president Jose Manuel Barroso.

 "We need to be able to back up our positions of principle with security and civilian missions that can help stabilize the situation in crisis areas around the world," he added.

 EU states between them have about 1.6 million soldiers and spend €194 billion annually on defence - but this strength is diluted by overlapping capacities and spending at a national level.

 Spending is down from €251 billion in 2001, while defence R&D spending declined by 14 percent between 2005 and 2010, to €9bn.

 The commission points out that the US spends seven times more on research and development than all 28 member states put together.

 Russia and China, for their part, are expected to double their defence spending by 2015 when compared to 2011.

 "We want to support the defence industry for economic reasons but also for defence reasons," said industry commissioner Antonio Tajani.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 31, 2013, 10:42:18 am
As sementes de uma força militar permanente Europeia/Forças de Segurança/Serviços de informação já foram lançadas à muito. Estes especialistas/comentadores limitam-se a ler o roteiro.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Julho 31, 2013, 11:16:46 am
Uma força comum europeia até podia ser bom se as coisas fossem feitas da maneira correcta com algumas condições à partida.

 - Primeiro nunca poder actuar em solo da UE;

 - Segundo qualquer actuação desta força tinha que ir a um conselho de segurança europeu em que qualquer país tivesse o mesmo poder de voto independentemente do tamanho do país, melhor ainda seria que qualquer país pudesse vetar as decisões mas aí talvez nunca se tomasse nenhuma decisão;

 - Depois a força poderia funcionar um pouco à imagem da NATO mais numa óptica de auto-defesa do que propriamente de intervenção;

 - Cada país continuava a ter as suas forças que em caso de decisão de todos os países iriam actuar em conjunto e integradas como uma só força.

Obviamente que não vai ser isto que vai acontecer. Na prática isto vai apenas funcionar como forma de os países centrais da União engordarem as suas fileiras para actuar em pról dos seus interesses individuais. Eventualmente servirá também para intimidar os países periféricos quando estes se portam mal e retirar destes mesmos soberania sobre o seu espaço. No caso Português vamos simplesmente perder soberania sobre o nosso mar.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 31, 2013, 11:42:59 am
Com barcos de pesca Espanhóis a pescarem livremente nas nossas águas, achas que isso ainda existe?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Julho 31, 2013, 03:55:57 pm
Os espanhóis pescam tão livremente nas nossas águas como os outros e como os nossos pescadores pescam livremente nas águas dos outros países. Existe uma política de atribuição de licenças de pesca e em grande medida essa política é comum.
No entanto a União Europeia não tem jurisdição sobre o que está debaixo da agua.

Ou seja: Bruxelas pode gerir as águas, mas não pode gerir o subsolo.
É claro que se por acaso houvesse petróleo ou gás natural em quantidades que tornassem viavel a exploração comercial, até isso poderia mudar.

E ninguém vai defender as nossas águas territoriais ou a nossa Zona Económica Exclusiva se não formos capazes de o fazer.
E nisto o que conta é ter capacidade para garantir a soberania sobre as águas, algo que ainda temos capacidade para levar a cabo.

Evidentemente que a história tem o seu peso. No fim do século XIX e inicio do século XX, quando Portugal foi à bancarrota, fomos avisados de que se não pagássemos as dívidas, os nossos territórios em África seriam repartidos pelos credores.
Pode sempre ser desenvolvido um qualquer sistema autónomo de exploração das nossas águas e da plataforma continental, tendo como justificação a falta de capacidade de Portugal para honrar os seus compromissos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Setembro 08, 2013, 10:54:06 pm
entretanto a RT continua com os seus disparates habituais.

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 10, 2013, 02:09:07 pm
O prémio Nobel da Economia 2001 considera que, face à crise económica e financeira, são necessárias reformas políticas que defendam as democracias.

 :arrow: http://videos.sapo.pt/tozVEYc7zBLUEmEeA0Vn (http://videos.sapo.pt/tozVEYc7zBLUEmEeA0Vn)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Setembro 12, 2013, 12:30:05 am
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Setembro 24, 2013, 10:24:58 am
http://www.tugaleaks.com/assuncao-esteves.html (http://www.tugaleaks.com/assuncao-esteves.html)

http://www.dre.pt/util/getpdf.asp?s=dia ... p=20131544 (http://www.dre.pt/util/getpdf.asp?s=diad&serie=1&iddr=2013.164&iddip=20131544)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 01, 2013, 12:56:03 pm
O pequeno fascista que vive dentro de nós

"Os políticos são todos iguais". "A mim não me enganam mais". "Só pensam no deles". Estes e outros mimos não citáveis têm tido muito eco na (pouca) cobertura que vai sendo feita da campanha eleitoral dos candidatos autárquicos. Num tom que varia geralmente entre o arrogante e o resignado, o eleitor veste simultaneamente a pele de vítima e de juiz, apontando o dedo aos culpados. Os políticos. Todos. Sem excepção.

Existem razões de sobra para que nos sintamos descontentes com a qualidade média dos políticos e com o seu desempenho. A forma fechada como os partidos funcionam, a vulnerabilidade das suas agendas a temas eleitoralistas, a dependência financeira dos seus protagonistas face à dita actividade política e a falta de qualificações suscitam legítimo e compreensível desagrado. Mas nada disto justifica o discurso anti-político do "são todos iguais". É errado e é perigoso.

Os políticos só serão todos iguais no dia em que os eleitores forem todos iguais. Enquanto houver eleitores que se informam, reflectem e decidem, haverá políticos sérios e capazes. Se, pelo contrário, cresce o número de eleitores mal informados, desinteressados e alienados da causa pública, maior será o número de políticos incompetentes e corruptos.

Se, nós eleitores, aceitarmos o postulado do "são todos iguais", só nos restam duas alternativas: deixarmos de escolher "políticos" e entregarmos os desígnios do país a uma só pessoa ou a um colectivo que governe com mão pesada (e que não deixa, por isso, de ser política); ou então, estando nós eleitores descontentes com os elegíveis, podemos tentar substituí-los. Claro que isso não se faz de um dia para o outro, exige maior protagonismo e uma intervenção gradual na causa pública. E pode começar por coisas bem simples: num colectivo de bairro, no sindicato, na freguesia, na associação de pais, no grupo dos amigos de qualquer coisa, numa associação de apoio a outra coisa qualquer, etc. Aqui e ali, onde haja interesse público, há política. Todos fazemos política cada vez que fazemos alguma coisa que mexa no interesse colectivo. E também fazemos política quando dizemos que os políticos são todos iguais.

Claro que a maioria dos que dizem "são todos iguais" não opta por nenhuma das alternativas. Sabe-nos bem dizer mal e sabemos que isso só é possível em democracia. E não temos tempo nem jeito para intervir no bairro, na escola ou no local de trabalho. E, assim, lá vamos andando, "com a cabeça entre as orelhas", libertando, muitas vezes sem querer, o pequeno fascista que temos dentro de nós e que aos poucos e poucos vai minando os pilares da nossa democracia.

*Editor de Economia

Visto por dentro é um espaço de opinião de jornalistas do Negócios

 :arrow: http://www.jornaldenegocios.pt/opiniao/ ... e_nos.html (http://www.jornaldenegocios.pt/opiniao/visto_por_dentro/manuel_esteves/detalhe/o_pequeno_fascista_que_vive_dentro_de_nos.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 01, 2013, 02:33:40 pm
Essa malta dos negócios é incultíssima. Tal como os comunas chamam "fássista" a todos.
Este chico-esperto também tenta culpabilizar o povo pelas desgraças causadas por outros. Gostaria de ver essa sumidade dizer alguma coisa sobre o Salgado do BES e semelhantes.
E sempre com a mesmas balelas do "activismo bairro". Ele que experimente antes de vir falar de cátedra!
Agora eu é que não voto mais: o meu voto nada representa. Representa um fração irrelevante, fracção essa colocada em causa pelos canhões que votam com a mesma leviandade com que arrotam.

Da minha parte não contribuirei mais para essa farsa "democrática" que são as eleições, que se limitam a legitimar a pouca vergonha em que vivemos e que em grande parte se deve ao colaboracionismo de jornalistas e editores como este sonso.
Mas a malta dos negócios, esses insectos especialistas que não vêem mais além do básico engolem estas trampas.

Nota: não é nada contigo, Martelo! :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 01, 2013, 03:16:17 pm
Luso, fico contente que tenhas percebido a razão pelo qual eu coloquei este texto. :G-beer2:

Eu não votei nem vou votar porque estou descrente não só do actual governo, não só da nossa classe política, mas de todo o sistema que temos montado em Portugal e na UE.

Se o sistema está mal e se eu não acredito nele, como é que eu depois ia a ajudar a legitimá-lo ao participar num mero processo burocrático que são as eleições?

Não, se quero ser fiel aos meus princípios, não devo participar.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Get_It em Outubro 01, 2013, 04:44:01 pm
Pelo menos podiam votar em branco. Sei que no nosso sistema não quer dizer nada, mas mesmo assim... E mesmo se não votarem não há problema, há mortos que votam por vocês.

Entretanto:
Citar
Há mais eleitores do que pessoas em idade de votar
No Diário da República de Julho de 2013 (2ª série) está publicado o “mapa com o número de eleitores inscritos no recenseamento eleitoral” para as eleições autárquicas de Setembro.

Confrontando-se esses números com os dados dos Censos à População de 2011 do INE, verifica-se que o número de eleitores inscritos nos cadernos eleitorais é superior à população em idade de votar, com dezoito e mais anos.

A nível nacional são mais 835633 eleitores! Um número impressionante, embora represente um desvio inferior a 10%.

De forma idêntica, no distrito de Aveiro [Tabela 1, Gráficos 1 e 2 no PDF anexado nas galerias relacionadas], os eleitores inscritos superam a população com direito de votar em todos os concelhos.
 
A diferença maior observa-se em Vagos - mais 21,11% - a menor em Oliveira de Azeméis (8,16%).

Salvo em dois casos, todos os valores superam a média nacional. Contudo, não ultrapassando, em regra, valores toleráveis.

De facto, é compreensível que o recenseamento eleitoral, num momento dado, esteja desfasado do corpo eleitoral realmente existente, pois, por muito que se deseje, não há hipótese de passar para o arquivo, na hora, as modificações que ocorrem permanentemente. A dinâmica demográfica é constante, o seu registo é mais lento e posterior. Por isso, um desenquadramento pouco superior aos 10% não é alarmante.
Fonte: http://www.noticiasdeaveiro.pt/pt/29648/ha-mais-eleitores-do-que-pessoas-em-idade-de-votar/

Cumprimentos,
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 01, 2013, 05:13:20 pm
Votar em branco é muito bonito, mas para quê participar sequer neste sistema? Em que medida essa solução é mais vantajosa do que pura e simplesmente não votar?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Get_It em Outubro 01, 2013, 05:45:47 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Votar em branco é muito bonito, mas para quê participar sequer neste sistema? Em que medida essa solução é mais vantajosa do que pura e simplesmente não votar?
Infelizmente, quem anda a mandar bitaites (os chamados comentadores que são pagos directamente ou indirectamente pelos políticos), compara a abstenção à preguiça dos portugueses em não irem votar e não há falta de confiança no sistema democrático.

Cumprimentos,
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Outubro 01, 2013, 07:18:59 pm
Eu fui outro que nem lá meteu os pés


mas eu sou um criminoso-comuno-bêbado logo tenho desculpa
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 02, 2013, 06:22:58 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
E pode começar por coisas bem simples: num colectivo de bairro, no sindicato, na freguesia, na associação de pais, no grupo dos amigos de qualquer coisa, numa associação de apoio a outra coisa qualquer, etc. Aqui e ali, onde haja interesse público, há política. Todos fazemos política cada vez que fazemos alguma coisa que mexa no interesse colectivo. E também fazemos política quando dizemos que os políticos são todos iguais.

Ainda de regresso ao Nel Esteves que escreveu o editorial:

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2F1.bp.blogspot.com%2F-YreTpTKHnq4%2FUkbJ7uHi8lI%2FAAAAAAAAQaQ%2FI2FYlKwN4Fw%2Fs1600%2FRicardo%2BSalgado%2Be%2BObras%2BPublicas.jpg&hash=f000ca9a6cfd0cc3e27daa0de38b8769)

Essa besta do Nel Esteves que combata esta gente "num colectivo de bairro, no sindicato, na freguesia, na associação de pais, no grupo dos amigos de qualquer coisa, numa associação de apoio a outra coisa qualquer, etc"
Curiosamente, tem um jornal mas não o faz.
Com que idade propõe o Nel Esteves que o cidadão insatisfeito se inicie nas lides públicas?
Deixem-me imaginar... jovem? Numa associação invariavelmente dominada por um partido político? Talvez nos escuteiros? Nas jotas há gajas boas...

Dói ler os comentários do editorial, escritos por crianças "adultas".
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Outubro 02, 2013, 08:09:42 pm
Partidos políticos: o seu voto vale 12,60 euros

Posted: 01 Oct 2013 04:32 AM PDT


Por cada voto num determinado partido, nas eleições legislativas, o partido votado irá receber, ao longo da legislatura 12,60 euros. Não admira que esta seja uma das razões pelo apelo ao voto contra a abstenção.


Este valor faz parte da lei do funcionamento dos partidos políticos, e é calculado com base de que para cada voto recebem 1/135 do salário mínimo nacional, o seja 3,15 euros por cada ano legislativo, portanto 12,60 euros ao longo da legislatura.


Ou seja, para um número de votos expressos de cerca de 5,5 milhões, os vários partidos vão receber 70 milhões ao longo de quatro anos. Mas não só os partidos representados na Assembleia da Republica recebem parte desse dinheiro, todos os partidos que obtenham mais de 25 000 votos, também têm direito. Assim, por exemplo, partidos como o PCTP recebe 150 mil euros e o PND recebe 130 mil euros.


A estes valores, pagos com os dinheiros públicos, temos de acrescentar as subvenções destinadas às campanhas eleitorais. Esta última eleição autárquica tinha um valor inscrito no orçamento de estado de 48 milhões de euros.

Além disso, os partidos políticos podem receber dinheiro de donativos privados. Neste campos existem inúmeras oportunidades de corrupção e financiamento ilegal, cujo controlo por parte das Entidades de Contas se revela na prática impossível.

Octopus
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Outubro 03, 2013, 08:26:40 pm
Os dados conhecidos


9 497 037 eleitores (DGAI 2013)
10 562 178 cidadãos residentes (INE)
1 572 329 cidadãos entre os 0 e os 15 anos completos.

Considerando a taxa bruta de natalidade de 0.92%, (PORDATA) teriamos cerca 3 x 96.000 crianças (três anos, entre completar 15 anos e completar 18) o que leva ao valo de  288.000 adolescentes com mais de 15 e menos de 18 anos.

Logo, o número de cidadãos que ainda não completaram 18 anos seria de 1 866 000
Se ao número de residentes retirarmos o número de menores de idade, teremos que o máximo número de eleitores possível é de 8 696 000.

Existem por isto, nos cadernos eleitorais, um total de 801 000 eleitores que não se sabe de onde vieram.

Nas eleições autárquicas podem votar os estrangeiros, pelo que destes 801 000 temos que retirar 27.000, que é o número de eleitores estrangeiros noticiado pelo semanário Sol de Agosto de 2013.

O numero fica em 774 000.


Este problema continua e está a desvirtuar os próprios resultados eleitorais.
Braga por exemplo é o terceiro distrito com mais eleitores, mas tem uma população total inferior a Setúbal, embora Braga seja dos distritos «mais jovens» do país.

E depois a CNE vem dizer que os cadernos eleitorais foram todos revistos e os mortos retirados.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: PereiraMarques em Outubro 04, 2013, 12:47:26 am
Uma maneira muito simples de verificar isto...pode ser um pouco "macabro", quiçá trazer recordações...mas pesquisem pelo nome completo de familiares ou pessoas famosas que tenham falecido nos últimos dois anos e que conheçam o nome completo e a data de nascimento.

https://www.recenseamento.mai.gov.pt/nome.html (https://www.recenseamento.mai.gov.pt/nome.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: PereiraMarques em Outubro 04, 2013, 12:52:17 am
Acabei de pesquisar pelos nomes completos e datas de nascimento do Miguel Portas, do José Hermano Saraiva e do deputado/coronel Marques Júnior e não deu nenhuma inscrição activa...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Outubro 05, 2013, 11:40:25 pm
Dificilmente chegariamos a alguma conclusão dessa forma.

Em principio a haver problemas esses problemas ocorrem nas freguesias rurais e não nas freguesias urbanas, onde em principio residiria a maior parte das figuras públicas.
Além disso, as figuras públicas seriam sempre das que seriam seguramente removidas, pois seria um escândalo descobrir que o Álvaro Cunhal ainda estava inscrito para votar.

O problema da diferença entre os eleitores inscritos para votar e o número de portugueses que não pode votar porque ainda não tem idade, deixa um buraco enorme.

A continuar assim, dentro de dez anos, haverá mais pessoas registadas para votar que população.

Ninguém está a ligar nenhuma a isto, porque estão à espera que toda a gente tenha Cartão de Cidadão, para depois poder fazer as coisas com cabeça tronco e membros.

Mas mesmo assim, acho que vão encontrar aí um meio milhãozito de portugueses e portuguesas que insistem em não se levantar do túmulo para fazer o cartão.
Da mesma maneira que aparentemente parecem existir 700.000 portugueses que não têm respeito pela democracia e não esgravatam a terra para vir cá para fora votar, o que é evidentemente uma falta de civismo e sentido democrático.
Confesso que com os cremados, não sei como é que é suposto fazerem ...  :shock:

Cumprimentos
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 16, 2013, 01:45:12 pm
Lembrei-me deste discurso ao ver na televisão sobre o impasse que se vive nos EUA:

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Outubro 22, 2013, 06:36:38 pm
rock & roll

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 22, 2013, 07:03:17 pm
Citar
Lembrei-me deste discurso ao ver na televisão sobre o impasse que se vive nos EUA:

http://gizadeathstar.com/2013/10/litera ... n-theater/ (http://gizadeathstar.com/2013/10/literally-shutdown-theater/)

THE DAILY BELL: SIGNS (LITERALLY) THAT THE SHUTDOWN WAS THEATER
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 23, 2013, 02:14:19 pm
Muito interessante, fica guardado Luso. :G-beer2:

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 25, 2013, 12:04:08 pm
Carta Aberta

OLHOS NOS OLHOS


Exma. Sra. Dra. Judite de Sousa


O programa Olhos nos Olhos que foi hoje para o ar (14.10.2013) ficará nos anais da televisão como um caso de estudo, pelos piores motivos.


Foi o mais execrável exercício de demagogia a que me foi dado assistir em toda a minha vida num programa de televisão. O que os senhores Medina Carreira e Henrique Raposo disseram acerca das pensões de aposentação, de reforma e de sobrevivência é um embuste completo, como demonstrarei mais abaixo. É também um exemplo de uma das dez estratégias clássicas de manipulação do público através da comunicação social, aquela que se traduz no preceito: «dirigir-se ao espectador como se fosse uma criança de menos de 12 anos ou um débil mental».


Mas nada do que os senhores Medina Carreira e Henrique Raposo dizem ou possam dizer pode apagar os factos. Os factos são teimosos. Ficam aqui apenas os essenciais, para não me alargar muito:


1. OS FUNDOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL da Segurança Social (Caixa Nacional de Aposentações e Caixa Geral de Aposentações), com os quais são pagas essas pensões, NÃO PERTENCEM AO ESTADO (muito menos a este governo, ou qualquer outro). Não há neles um cêntimo que tenha vindo dos impostos cobrados aos portugueses (incluindo os aposentados e reformados). PERTENCEM EXCLUSIVAMENTE AOS SEUS ACTUAIS E FUTUROS BENEFICIÁRIOS, QUE PARA ELES CONTRIBUIRAM E CONTRIBUEM DESCONTANDO 11% dos seus salários mensais, acrescidos de mais 23,75% (também extraídos dos seus salários) que as entidades empregadoras, privadas e públicas, deveriam igualmente descontar para esse efeito (o que nem sempre fazem [voltarei a este assunto no ponto 3]).


2. As quotizações devidas pelos trabalhadores e empregadores a este sistema previdencial, bem como os benefícios (pensões de aposentação, de reforma e sobrevivência; subsídios de desemprego, de doença e de parentalidade; formação profissional) que este sistema deve proporcionar, são fixadas por cálculos actuariais, uma técnica matemática de que o sr. Medina Carreira manifestamente não domina e de que o sr. Henrique Raposo manifestamente nunca ouviu falar. Esses cálculos são feitos tendo em conta, entre outras variáveis, o custo das despesas do sistema (as que foram acima discriminadas) cujo montante depende, por sua vez — no caso específico das pensões de aposentação, de reforma e de sobrevivência — do salário ou vencimento da pessoa e do número de anos da sua carreira contributiva. O montante destas pensões é uma percentagem ponderada desses dois factores, resultante desses cálculos actuariais.


3. Este sistema em nada contribuiu para o défice das contas públicas e para a dívida pública. Este sistema não é insustentável (como disse repetidamente o senhor Raposo). Este sistema esteve perfeitamente equilibrado e saudável até 2011 (ano de entrada em funções do actual governo), e exibia grandes excedentes, apesar das dívidas das entidades empregadoras, tanto privadas como públicas (estimadas então em 21.940 milhões de euros) devido à evasão e à fraude contributiva por parte destas últimas. Em 2011, último ano de resultados fechados e auditados pelo Tribunal de Contas, o sistema previdencial teve como receitas das quotizações 13.757 milhões de euros, pagou de pensões 10.829 milhões de euros e 1.566 milhões de euros de subsídios de desemprego, doença e parentalidade, mais algumas despesas de outra índole. O saldo é pois largamente positivo. Mas o sistema previdencial dispõe também de reservas, para fazer face a imprevistos, que são geridas, em regime de capitalização, por um Instituto especializado (o Instituto de Gestão dos Fundos de Capitalização da Segurança Social) do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social. Ora, este fundo detinha, no mesmo ano de 2011, 8.872,4 milhões de euros de activos, 5,2% do PIB da altura.


4. É o aumento brutal do desemprego (952 mil pessoas no 1º trimestre de 2013), a emigração de centenas de milhares de jovens e menos jovens, causados ambos pela política recessiva e de empobrecimento deste governo, e a quebra brutal de receitas e o aumento concomitante das despesas com o subsídio de desemprego que estes factos acarretam, que está a pôr em perigo o regime previdencial e a Segurança Social como um todo, não a demografia, como diz o sr. Henrique Raposo.


5. Em suma, é falso que o sistema previdencial seja um sistema de repartição, como gosta de repetir o sr.Medina Carreira. É, isso sim, um sistema misto, de repartição e capitalização. Está escrito com todas as letras na lei de bases da segurança social (artigo 8º, alínea C, da lei nº4/2007), que, pelos vistos, nem ele nem o senhor Henrique Raposo se deram ao trabalho de ler. É falso que o sistema previdencial faça parte das “despesas sociais” do Estado (educação e saúde) que ele (e o governo actual) gostariam de cortar em 20 mil milhões de euros. Mais especificamente, é falso que os seus benefícios façam parte das “prestações sociais” que o senhor Medina Carreira gostaria de cortar. Ele confunde deliberadamente dois subsistemas da Segurança Social: o sistema previdencial (contributivo) e o sistema de protecção da cidadania (não contributivo). É este último sistema (financiado pelos impostos que todos pagamos) que paga o rendimento social de inserção, as pensões sociais (não confundir com as pensões de aposentação e de reforma, as quais são pagas pelo sistema previdencial e nada pesam no Orçamento de Estado), o complemento solidário de idosos (não confundir com as pensões de sobrevivência, as quais são pagas pelo sistema previdencial e nada pesam no Orçamento do Estado), o abono de família, os apoios às crianças e adultos deficientes e os apoios às IPSS.


6. É falso que o sr. Henrique Raposo (HR) esteja, como ele diz, condenado a não receber a pensão a que terá direito quando chegar a sua vez, “porque a população está a envelhecer”, “porque o sistema previdencial actual não pode pagar as pensões de aposentação futuras”, “porque o sistema não é de capitalização”. O 1º ministro polaco, disse, explicou-lhe como mudar a segurança social portuguesa para os moldes que ele, HR, deseja para Portugal. Mas HR esqueceu-se de dizer em que consiste essa mirífica “reforma”: transferir os fundos de pensões privados para dentro do Estado polaco e com eles compensar um défice das contas públicas, reduzindo nomeadamente em 1/5 a enorme dívida pública polaca. A mesma receita que Passos Coelho, Vítor Gaspar e Paulo Portas aplicaram em Portugal aos fundos de pensões privados dos empregados bancários! (para mais pormenores sobre o desastre financeiro que se anuncia decorrente desta aventura polaca, ver o artigo de Sujata Rao da Reuters, «With pension reform, Poland joins the sell-off», 6 de Setembro de 2013, http://blogs.reuters.com/ (http://blogs.reuters.com/) globalinvesting/2013/09/06/with-pension-reform-poland-joins-the-sell-off-more-to-come/; e o artigo de Monika Scislowska da Associated Press, «Poland debates controversial pension reform», 11 de Outubro de 2013, http://news.yahoo.com/poland-debates-co ... nance.html (http://news.yahoo.com/poland-debates-controversial-pension-reform-092206966--finance.html)). HR desconhece o que aconteceu às falências dos sistemas de capitalização individual em países como, por exemplo, o Reino Unido. HR desconhece também as perdas de 10, 20, 30, 40 por cento, e até superiores, que os aforradores americanos tiveram com os fundos privados que geriam as suas pensões, decorrentes da derrocada do banco de investimento Lehman Brothers e da crise financeira subsequente — como relembrou, num livro recente, um jornalista insuspeito de qualquer simpatia pelos aposentados e reformados. O único inimigo de HR é a sua ignorância crassa sobre a segurança social.


Os senhores Medina Carreira e Henrique Raposo, são, em minha opinião, casos perdidos. Estão intoxicados pelas suas próprias lucubrações, irmanados no mesmo ódio ao Tribunal Constitucional («onde não há dinheiro, não há Constituição, não há Tribunal Constitucional, nem coisíssima nenhuma» disse Medina Carreira no programa «Olhos nos Olhos» de 9 de Setembro último;« O Tribunal Constitucional quer arrastar-nos para fora do euro» disse Henrique Raposo no programa de 14 de Outubro de 2013). E logo o Tribunal Constitucional ! — última e frágil antepara institucional aos desmandos e razias de um governo que não olha a meios para atingir os seus fins. Estes dois homens tinham forçosamente que se encontrar um dia, pois estão bem um para o outro: um diz “corta!”, o outro “esfola!”. Pena foi que o encontro fosse no seu programa, e não o café da esquina.


Mas a senhora é jornalista. Não pode informar sem estar informada. Tem a obrigação de conhecer, pelo menos, os factos (pontos 1-6) que acima mencionei. Tem a obrigação de estudar os assuntos de que quer tratar «Olhos nos Olhos», de não se deixar manipular pelas declarações dos seus interlocutores. Se não se sentir capaz disso, se achar que o dr. Medina Carreira é demasiado matreiro para que lhe possa fazer frente, então demita-se do programa que anima, no seu próprio interesse. Não caia no descrédito do público que a vê, não arruíne a sua reputação. Ainda vai a tempo, mas o tempo escasseia.


José Manuel Catarino Soares
(Professor aposentado)
Lisboa. 15-10-2013


 :arrow: http://apre-associacaocivica.blogspot.p ... berta.html (http://apre-associacaocivica.blogspot.pt/2013/10/carta-aberta.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Outubro 26, 2013, 09:49:31 pm
Sempre estranhei a importância que dão a esse puto do Henrique Raposo.
"Sempre estranhei" é mais uma força de expressão que reconheço infeliz porque, de facto, nunca estranhei.
Quem pode pega no tipo mais capaz de VERBALMENTE defender um argumento e dá-lhe o estatuto de estrela.
Este garoto fala com uma arrogância e uma sobranceria atrevida que só pode cair no goto de quem é tão alienado como quem o escolheu. O facto de ser menino do "Expresso" apenas confirma o que digo.

Já agora, desta vez a um nível mais macro, vejam mais estas "coincidências"...

http://sincedutch.wordpress.com/2013/10/25/10252013-7-2m-earthquake-directly-underneath-typhoon-lekima-tropical-storm-francisco/
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Outubro 29, 2013, 12:12:45 am
Tanta palha que este senhor gastou, para nos tentar dizer que isto está como está por culpa de não se sabe quem.

Para nos dizer que cada vez há mais reformados e pessoas mais velhas e que cada vez nascem menos pessoas, mas que isso não representa problema nenhum.


O que o Henrique Raposo disse, resume numa simples frase o que este senhor Catarino Soares defende:
O povo portruguês está em «negação».

Não podemos esperar muito mais dos políticos quando a própria população não entende o que se passa e não entende ou se recusa a entender os mecanismos que explicam porque chegámos a esta situação.

A população está a envelhecer.
As reformas mesmo que não aumentem, terão um peso cada vez maior.
Isto é aritmética simples.

A outra coisa óbvia, é que se queremos manter os valores nominais das pensões, então temos mesmo que ir para o escudo, porque assim mantemos os valores nominais, os velhos ainda recebem aumentos de 15 ou 20% ao ano, mas a inflação dispara para os 40, 50, 60 ou mais por cento.

Todos sabemos que há uma alternativa ao atual sistema.
Voltamos ao Escudo, passamos a pagar em Escudos e pronto.

Só que numa economia com o nível de abertura da nossa, isso é a mesma coisa que dizer que até nas lojas dos chineses vamos ver os preços a aumentar de forma descontrolada.

Voltar ao Escudo, é a forma mais simples de governos de esquerda mascararem a sua incompetência.
Gente como o Louçã deveriam ter um bocadinho de vergonha na cara e dizer de uma vez por todas, que as soluções alternativas que têm passam sempre por voltarmos a ter moeda própria, para podermos imprimir dinheiro à vontade.

É a ilusão provocada pela inflação.

Eu tenho uma tia no Brasil, que em 1995 me disse que achava que gostava mais do tempo em que havia inflação. Na altura tinha acabado de ser introduzido o Real e pela primeira vez em muitas décadas o Brasil tinha uma moeda estável.
A minha tia tinha um pequeno negócio, e ela diz que como os preços estavam sempre a subir ela vendia o produto que comprava sempre com uma margem muito maior.
Era uma ilusão.

É com base nessa ilusão, nessa mentira, que muito canalha perverso da esquerda facínora quer enganar os portugueses, antes de isto ir para uma guerra civil.


E que mais disse o tal Henrique Raposo ?
Que estava indignado por até o Partido Comunista vir defender as reformas douradas e que achava mal que uma viuva que recebe uma pensão de reforma de 2500 Euros, ainda tenha uma pensão adicional de viuvez de mais 1500 Euros mensais do marido falecido, quando neste país a maioria das reformas é inferior a 350 Euros.
A pensão de viuvez é mais do quadruplo da pensão média com que a maioria dos reformados deste país tem que viver.

Pessoalmente estou de acordo.

Digo mais: É NOJENTO !
E ainda mais nojento quando são os canalhas do PCP e do Bloco, que defendem esse Status Quo, como se a maioria dos reformados fosse afetada por cortes nas pensões no que respeita à pensão de viuvez.


Aaah, e disse mais:
Disse que o PCP e o Bloco, são co-responsáveis pela situação, porque defendem políticas tão absurdas e tão longe da realidade, que tornam impossível um governo alternativo de esquerda.

Mas isso por acaso é mentira ?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 04, 2013, 07:18:32 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 05, 2013, 07:08:21 pm
Como tudo faz sentido agora

Porque o Ocidente teme Putin?

se quiserem ser poupados a iconografia russa vejam apenas entre 55s e 1m e 55s do video abaixo



numa rara demonstracao de emocao perante o publico deixa recado aos "bons da fita"  (entre 1.30 e 2.30 do video abaixo)


como se responde a provocacoes

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 07, 2013, 04:24:22 pm
Citação de: "cabeça de martelo"

E já vão em 10 o número de Generais corridos pela administração Obama só este ano... mas não se passa nada!!! :evil:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 07, 2013, 08:27:48 pm
Está TUDO a ficar cada vez mais sinistro.

http://www.libertoprometheo.blogspot.pt/ (http://www.libertoprometheo.blogspot.pt/)
Quinta-feira, 7 de Novembro de 2013

Desliguem as televisões e parem para pensar

Caros, quero vos fazer um pedido: desliguem as televisões e parem para pensar. Enquanto os senhores continuarem a se deixar influenciar pelo lixo televisivo, não compreenderão o que se passa, o está em jogo e quais são as nossas opções. Assistir a televisão equivale a intoxicar-se com LSD no meio de uma batalha.
Para que os senhores tenham vos dar uma ideia da gravidade da situação, seleccionei três artigos em português:

Prisão para os gregos que discordem da União Europeia
http://www.beinternacional.eu/pt-pt/the ... o-europeia (http://www.beinternacional.eu/pt-pt/the-week/week/prisao-para-os-gregos-que-discordem-da-uniao-europeia)

Quatro meses depois de ter entrado na UE, Croácia está a caminho de pedir assistência ao FMI
http://www.jornaldenegocios.pt/economia ... o_fmi.html (http://www.jornaldenegocios.pt/economia/europa/uniao_europeia/detalhe/croacia_a_caminho_de_pedir_assistencia_ao_fmi.html)

Perante mais um massacre na Síria, cristãos estranham silêncio do mundo
http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.as ... did=128185 (http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=29&did=128185)

A primeira notícia, levando em conta a data, mostra mais uma vez o que os promotores da União Europeia e os seus fantoches locais desejam: uma ditadura pan-europeia com instrumentos de opressão mais formidáveis do que qualquer ditadura de natureza semelhante no passado. Poderão alguns leitores achar que o Bloco de Esquerda, ao passar essa notícia, é um partido nacionalista. Ledo engano. O Bloco de Esquerda promove a União Europeia, mas faz o jogo do "uma outra união europeia é possível", denunciando pontos particulares de modo a promover o fundamental. Todos os que fazem este jogo, não tenham dúvidas, são colaboracionistas, ao menos quando falamos das lideranças, dos jornalistas e dos "formadores de opinião".  

A segunda notícia prova mais uma vez que a crise europeia foi provocada com uma intenção clara: levar os cidadãos a um desespero tal que estes estejam dispostos a aceitar tudo o que a União Europeia proponha em troca de uma ilusão de segurança financeira. Escreverei nos próximos dias um artigo explicando como é que a União têm conduzido Portugal ao abismo, de forma a deixar isso bem claro a todos os que desejam entender o que se passa, afinal, não vejo isso em lado nenhum. Os economistas falham, quando bem intencionados, por não saberem nada a respeito das ligações entre o mundo da alta finança e a política, e nem falarei da ignorância destes a respeito da História, enquanto historiadores, filósofos e pessoas de outras áreas falham por serem totalmente ignorantes a respeito da economia. Restrictas às opiniões destes dois grupos, não é por acaso que as pessoas estão todas perdidas.

A terceira e última mostra o que os agentes históricos que conduzem os destinos do Ocidente têm por objectivo maior: a destruição do cristianismo. Como não sou de ficar por acusações a respeito de cabalas sem dar nomes, atitude que considero adequada a covardes e falsários (os políticos são as duas coisas ao mesmo tempo), farei uma pequena introducção a este grupo de modo que todos possam identificar o inimigo. No topo, estão as grandes famílias do mundo das finanças (Rockefeller, Safra, Rothschild), pouco abaixo, algumas casas reais promovidas por essas mesmas famílias (Windsor, Bernadotte, Orange), passando depois pelos grandes capitães da indústria (Ford, Dupont, Thiessen, Krupp) até chegar à base, onde se incluem os maçons, que mais não são do que paus mandados. Mas isso já vale outro post. O importante aqui é pensar na seguinte questão:  se os governos dominados pelos agentes globalistas por via da maçonaria criaram e promovem os terroristas que agora massacram os cristãos no Médio Oriente, agentes esses que estão por detrás, ainda que por vezes de maneira indirecta, por 200 milhões de assassinatos de civis desarmados e cerca de 60 milhões de mortos em guerras durante o século XX, por qual razão não farão isso connosco depois de obterem a força necessária para tal?

Para vos ajudar a obter a resposta, vos pedirei novamente: desliguem as televisões e parem para pensar!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 08, 2013, 06:52:03 pm
Citar
Fighting against peace: Why US doesn’t want an end to wars

Neil Clark Published time: November 06, 2013 08:06

The only surprising thing about the news that the US is sabotaging peace moves in Afghanistan and Pakistan is that anyone should find the news surprising.

As reported on RT, Pakistan has accused the US of sabotaging peace talks between the authorities in Islamabad and the Taliban following last Friday’s drone assassination of the Pakistani Taliban leader Hakimullah Mehsud.

“The murder of Hakimullah is the murder of all efforts at peace," Pakistani Interior Minister Chaudhry Nisa said. "Brick by brick, in the last seven weeks, we tried to evolve a process by which we could bring peace to Pakistan and what have you [the US] done?"

The killing of Hakimullah Mehsud comes less than a month after the US effectively wrecked the Afghan government’s efforts to engage with the Taliban by capturing Latif Mehsud,  Hakimullah’s lieutenant. Latif Mehsud was the man that the Afghan government hoped would be a go-between for peace talks with the Taliban. Afghan President Hamid Karzai was reported to have been furious about the US operation. Karzai has also said that the drone strike against Hakimullah Mehsud “took place at an unsuitable time.”

The fact is that on several important occasions in the last 30 years or so, the US has wrecked peace efforts and used its power to provoke or prolong conflicts which could have been avoided or solved without further bloodshed.

1. Iraq 1990-1991
From August 1990 to January 1991, there were plenty of chances to achieve a diplomatic solution in relation to Iraq’s invasion of Kuwait and which would have resulted in an Iraqi withdrawal, but Washington was determined to go to war. When the war started, they rejected diplomatic moves, such as the plan put forward by the Soviet leader Mikhail Gorbachev, to end the conflict before ground troops were deployed in Kuwait.

Saddam Hussein’s forces could have been removed from Kuwait without a war in which many thousands were killed, but Washington didn’t want it.  

2. Kosovo
That was at the start of the ’90s. Now let‘s fast forward to the end of that decade. In order to complete the destruction of Federal Yugoslavia, Washington aggressively championed the cause of a hardcore terrorist group, the Kosovo Liberation Army, in the late 1990s. The US marginalized Kosovar leaders who wanted to pursue a peaceful path towards independence, such as the politician Ibrahim Rugova, who urged passive resistance. Instead they pushed for a violent solution to the problem of Kosovo’s status: their strategy being to provoke a retaliation from the government in Belgrade, which would then provide the pretext for the NATO bombing of Yugoslavia.

The Rambouillet Conference of March 1999 was ostensibly about trying to broker a peace deal between the Kosovar Albanian delegates and the Yugoslav authorities. But the terms were deliberately made so onerous - Appendix B allowed NATO forces freedom of movement throughout the whole of Yugoslavia - so as to guarantee its rejection by Belgrade.

“I think certain people were spoiling for a fight in NATO at that time,” revealed Lord Gilbert, a UK minister of state for defense procurement, in 2000. “If you ask my personal view, I think the terms put to Milosevic at Rambouillet were absolutely intolerable. How could he possibly accept them? It was quite deliberate.”

Even Henry Kissinger, the former US secretary of state and a man who can hardly be labeled a ‘peacenik‘, admitted: “The Rambouillet text, which called on Serbia to admit NATO troops throughout Yugoslavia, was a provocation, an excuse to start bombing.”

Again, Washington had sabotaged a peaceful solution to a dispute and war ensued, with all its horrors.

3. Iraq 2002-2003
In 2002/3 we had the contrived WMD ’crisis’ with Iraq.

If Washington had genuinely been concerned about the possibility of Iraq being in possession of WMDs, they would simply have waited for Hans Blix and his team of UN weapons inspectors to finish their job. However, as we all know, the WMDs issue was merely a pretext for war, with the US knowing full well that the country was disarmed. The Iraqis were desperate to avert an attack on their country, but diplomatic offers from Baghdad in the lead-up to the illegal invasion were dismissed.

The result of the US opting for war and not peace in Iraq has been the deaths of at least 500,000 people since 2003.

4. Libya
In 2011, a UN resolution ostensibly about protecting civilians was used by the US and its NATO allies as a pretext for forcibly removing from power the government of Libya. During this ‘humanitarian’ intervention, which led to a sharp spike in the death toll, Washington and its allies frequently rejected calls for a ceasefire and a diplomatic solution. Today, Libya is - like Iraq - a wrecked country. But it all could have been very different, if Washington, instead of opting for war, had worked to bring warring factions to the negotiating table.  

5. Syria
In Syria too, the US has set out since 2011 to prevent a peaceful solution to the country’s internal divisions. While an outright NATO attack on Syria has, at least for the time being, been avoided, it's been public opinion in Western countries and adroit Russian diplomacy which has prevented World War III from breaking out in the Middle East this year,  rather than America’s leaders suddenly turning over a new leaf.

If the US genuinely wanted an end to the terrible bloodshed in Syria they’d be encouraging the so-called ‘rebels’ to halt their campaign of violence and sign up to the political process and contest elections.

The Baathists have made significant reforms in Syria in the past two years, not least ending the party’s near five-decade long political monopoly, but Washington hasn’t been interested in peaceful democratic change, only in the violent overthrow of President Assad and his replacement by someone who will do its bidding. The result of this policy has been catastrophic for the people of Syria who, like the people of Iraq and Libya, watch as their country is destroyed before their very eyes.

While promoting itself as the great 'peacemaker', it's the sober truth that no country has done more to stoke up conflicts and sabotage peaceful solutions to them in recent years  than the US, with the killing of Hakimullah Mehsud  being only the latest example.

Why does the US act in this destructive way? It’s important to understand that the US government doesn’t act in the interests of the ordinary, decent Americans, who are sick and tired of war and military ‘interventions’, but in the interests of Wall Street and what President Eisenhower famously referred to as ‘the military-industrial complex’.

The very last thing that Wall Street and the military-industrial complex want is peace. They thrive on wars and conflicts. Wars and conflicts mean profits. Nice, big, juicy profits. As Charlie Chaplin‘s anti-hero Monsieur Verdoux put it, “Wars, conflicts - it’s all business.”

Last month a report by the Public Accountability Initiative revealed that many of the leading ‘commentators’ who went on US TV stations to call for military strikes against Syria had undisclosed ties to military contractors. The report “identifies 22 commentators who weighed in during the Syria debate in large media outlets, and who have current industry ties that may pose conflicts of interest. The commentators are linked to large defense and intelligence contractors like Raytheon, smaller defense and intelligence contractors like TASC, defense-focused investment firms like SCP Partners, and commercial diplomacy firms like the Cohen Group.”

Among the 'commentators' supporting strikes on Syria was Madeline Albright, the US secretary of state at the time of the phony ‘peace’ conference at Rambouillet in 1999.

Bombing Yugoslavia, bombing Syria. With the violent destruction of Iraq and Libya along the way, to say nothing of the turmoil US policies have brought to Afghanistan and Pakistan. John Lennon implored us to ‘give peace a chance’, but until the US radically changes its political system and power is returned to ordinary people and away from those with a vested interest in endless war, its stoking up of conflicts and sabotaging of peace initiatives will only continue.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 09, 2013, 05:42:52 pm
UM ESTADO MELHOR

PROPOSTA DO GOVERNO, APROVADA NO CM DE 30 DE OUTUBRO DE 2013

 :arrow: http://www.portugal.gov.pt/media/122811 ... estado.pdf (http://www.portugal.gov.pt/media/1228115/20131030%20guiao%20reforma%20estado.pdf)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 09, 2013, 06:52:37 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Novembro 11, 2013, 05:31:16 pm
Dedicada aos Petas & Tangas da praça...

http://www.redicecreations.com/article.php?id=27661 (http://www.redicecreations.com/article.php?id=27661)

FEMA Camps: City to Exile the Homeless; It’s not a Conspiracy Theory Anymore
 2013 11 08
 
By Tom Joad | One World Chronicle

Under the radar from the prying eyes of the public, South Carolina made it legal to get rid of their homeless problem. The people were given a choice, FEMA Camps or jail. The irony of it all was this happened right at the 50th Anniversary of Civil Liberties in August. The bad part is different cities from Boston to New York are shipping off their homeless, and no one cares. Is this coming to a town near you?

 In August the city of Colombia, South Carolina, had a problem. A festival honoring the 50th Anniversary of the Civil Rights Movement was coming to town. They couldn’t be seen with all the homeless when guests arrived from all parts of the United States. So the city council held a vote and made homelessness a crime.

 The Columbia City Council unanimously approved the plan, creating special police patrols that would enforce “quality of life” laws involving loitering, public urination and other crimes not necessarily restricted to the homeless population. Those officers would then offer the homeless a choice: Go to jail for their homelessness or be shuffled to a 240-bed, 24-hour shelter on the outskirts of town, which they wouldn’t be allowed to easily leave.

 That second option isn’t jail, mind you, because the homeless are being confined with the help of a local charitable organization. It’s charitable incarceration, you see. The homeless can leave, but they need to set up an appointment and be shuttled by a van.”
~Microsoft Media Net Money

 [...]

 Read the full article at: oneworldchronicle.com
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 12, 2013, 11:58:49 am
Porque é que eu não estou espantado?! :evil:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 13, 2013, 10:54:23 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.zoreks.us%2Fuploads%2F4%2F2%2F3%2F7%2F4237252%2F7184298_orig.jpg&hash=a4ef92be2d4c3858fc9f0aa1a3ae4d45)

Essa teoria maluca foi posta a circular pela tonta da Alex Jones há meses atrás.

Como todas as coisas que o imbecil tem vomitado provaram ser teorias conspirativas oriundas da extrema direita fanática americana, creio que não há razões para ficar espantado.

Mas claro.
Se apagamos as televisões e nos limitarmos a ouvir este tipo de pessoas, garanto que vamos todos perceber que estamos num mundo diferente:
O mundo dos teoricos conspirativos.

Admito que é um mundo mais simples.
Explicar toda a trapalhada em que estamos metidos com uma simples teoria conspirativa é mais facil, muito mais facil e acima de tudo tem uma grande vantagem:

Não é preciso pensar.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 13, 2013, 10:59:21 pm
Mas mais grave é a estupidez e o analfabetismo histórico dos próprios americanos.

Que os portugueses não percebam ainda se desculpa, mas que os americanos nem sequer tenham visto o que aconteceu nos Estados Unidos durante a Grande Depressão, com as migrações internas de agricultores falidos nos anos 30, é que é dificil de aceitar.

Há um filme muito conhecido sobre o assunto chamado «Vinhas da Ira».
Infelizmente ninguém quer saber destas coisas, ninguém tenta perceber como foi, para conseguir perceber que o que se passa, já se passou anteriormente, a história está apenas a repetir-se.

Mas as teorias da conspiração são sempre mais apelativas.
Faz parte da natureza humana preferir a explicação conspirativa (mesmo que baseada em meia ou um quarto de verdade) que a explicação normal, que é muito mais chata, lógica e simples.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 14, 2013, 10:18:16 am
Eu falo com alguma regularidade com Norte-Americanos por causa da minha profissão e posso dizer-vos sem qualquer dúvida que os maiores defensores que o 11 de Setembro foi um trabalho interno são eles. O Alex Jones é o típico Texano, como tal é preciso dar-lhe algum desconto na forma como ele se exprime, no entanto o mais importante é a mensagem que por muito exagerada que seja, por norma bate certo.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 14, 2013, 12:33:21 pm
O problema é que quando vamos ver com alguma profundidade, a mensagem do Alex Jones ou de outros malucos conspirativos NUNCA BATE CERTO.

A argumentação desta gente tem sempre um ponto fraco, que normalmente é ignorado, mas que normalmente explica porque a teoria da conspiração não passa disso.

Alex Jones é um excremento produzido pelos fanáticos da extrema direita americana. Estúpida, semi analfabeta e com a arrogância típica dos ignorantes.
O exemplo mais típico é a Fox News, que foi copiada pela Máfia Russia, na sua televisão oficial, o pasquim nojento «Russia Today».

O Alex Jones tem uma explicação conspirativa para tudo o que acontece na América. Não há nada que não seja uma coincidência, não há nada que acontece por uma razão absolutamente simples. É tudo resultado de uma conspiração dos iluminati para lhe tirar as armas e desarmar a américa.

Não é preciso dar-lhe um desconto, é preciso desconta-lo completamente.
Alex Jones é um dos maiores fabricantes de teorias da conspiração e o pior, é que outros sites conspirativos já perceberam como se consegue fazer dinheiro com isso e passaram a servir de «relay» das maluquices de tonto.
Assim, dá-se mais importancia ao maluco que a que ele realmente tem.

Eu no que me diz respeito, fiquei ciente do nível desse imbecil, depois de ter visto a peta do lançamento do míssil chinês nas praias da California (e depois ter tentado perceber as explicações absolutamente contraditórias dos especialistas) e também depois de ter visto o Alex Jones ao telefone com uma fonte absolutamente credivel que estava a ver o porta-aviões Kuznetsov a descarregar tanques na Síria, quando no mesmo dia foi noticiado que o porta-aviões russo estava avariado no norte da Escócia.

Não há outra forma de por as coisas:

Alex Jones é um mentiroso que faz dinheiro com as mentiras que circula.
Faz dinheiro com o medo.
Faz dinheiro com a natureza humana, que prefere explicações fantasiosas a explicações simples.

É um negócio, e há cada vez mais gente a entrar nele.
E cada vez mais pessoas a cair nos truques e nas patranhas pseudo-verdadeiras que ele conta
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 14, 2013, 12:55:26 pm
Eu sei que perante os maniacos conspirativos, que acreditam nas coisas por razões religiosas, não é preciso qualquer explicação, porque ACREDITAR É QUE É PRECISO.

De qualquer forma, lembro que a FEMA é uma agência do governo federal americano que serve para apoiar as populações em caso de emergência.
Há estados na América em que os governos estaduais do partido republicano não fazem praticamente nada para resolver os problemas provocados pela crise.

A Governadora do estado da Carolina do Sul, Miky Halley, PERTENCE e foi apoiada pelo Tea Party, ou seja, a extrema direita fanática, que considera que Obama é uma reincarnação do Diabo e que esconde os cornos por debaixo da carapinha.

A FEMA atua no sentido de resolver os problemas das pessoas sem casa e tem planos para colocar essas pessoas em áreas onde elas esteja sob controlo e onde possam prestar auxilio a todos.

O governo do Tea Party considera que deve ser a caridade privada a tratar das pessoas e considera que quem não tem casa e não tem trabalho é porque não quer trabalhar.

Esta escória imunda de fanáticos da extrema direita, que são tão sujos e mentirosos quanto os fanáticos da esquerda que tão bem conhecemos em Portugal, não acha que o governo federal deve gastar dinheiro para ajudar as populações dos seus estados.
Eles não querem ajudar, por razões dogmáticas, e não querem que o governo federal faça nada.

Daí vem o javardo do Alex Jones e os animais da extrema direita a dizer que estão a criar campos de concentração.
E se o Alex Jones diz, como todos sabemos deve ser verdade.  :roll:  :roll:


O que é mais grave nisto tudo, é que há muito pouca gente que se dá ao trabalho de perceber o que se passa e ninguém se dá ao trabalho de se levantar para desmascarar os mentirosos.
Provavelmente porque não vale a pena.
O que quer dizer que eu também não me deveria preocupar muito.
Quem quer ser enganado que seja.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 14, 2013, 02:29:02 pm
Vivemos num mundo de "falsas democracias"

A freira beneditina catalã Teresa Forcades defendeu que o mundo é hoje um conjunto de "falsas democracias" com o poder político subordinado à economia, apontando como "maior fonte de esperança no futuro"...

A religiosa catalã, que na sexta-feira visita pela primeira vez Portugal a convite da Associação de Teólogas Feministas para falar sobre "as falsas democracias", considera que não existe hoje nenhum país que possa ser considerado uma verdadeira democracia.

"Democracia indicaria um sistema de governo onde a vontade do povo, da maioria, determinaria as decisões políticas", mas isso não acontece, segundo Teresa Forcades i Villa.

Para a freira beneditina, que falou à agência Lusa, por telefone, a partir de Berlim, a Espanha e a Catalunha são exemplos claros do falhanço da democracia e uma realidade "generalizável" a vários outros países.

"Temos uma maioria social descontente com as atuais decisões políticas que não se traduz numa mudança de direção política. É isso que considero uma falsa democracia", sublinhou.

E, num contexto de "democracias sequestradas", Teresa Forcades encontra na forma de funcionamento do sistema de partidos o principal problema.

"É um modelo que não serve. É preciso que os partidos sintam necessidade de prestar contas à população e tenham programas eleitorais submetidos ao controlo popular", defendeu.

Controlo que, segundo a freira, não se consegue sequer através de eleições porque os partidos submetem a sufrágio programas eleitorais que alteram logo depois de chegar ao poder.

"Não há nenhum sistema que possa penalizar imediatamente os partidos", disse Teresa Forcades, denunciando o bloqueio a que são sujeitas as iniciativas legislativas populares.

Teresa Forcadas critica também a forma de financiamento dos partidos políticos e a natureza antidemocrática da disciplina partidária.

"Não podemos ter partidos dependentes de capital externo para o seu financiamento porque depois lhes vão ser pedidos favores", disse.

É à luz destas contradições e da "desconfiança num sistema que propõe um governo da vontade popular, mas tem uma aliança com o poder económico", que Teresa Forcades entende o afastamento das populações, especialmente dos mais jovens, da política.

De resto, a crítica principal de Teresa Forcades é precisamente à aliança que, na prática, segundo a religiosa, "é uma subordinação do poder político ao poder económico".

"Em 2006, publiquei os 'Crimes das grandes companhias farmacêuticas' e, nesse momento, tomei consciência até que ponto instituições que deveriam velar pelos interesses da comunidade tomam decisões políticas para proteger, impulsionar ou favorecer os interesses particulares de certas empresas", adiantou Teresa Forcades, que é também médica e especialista em saúde pública.

Teresa Forcades, que lidera com o professor Arcadi Oliveres o movimento nacionalista, independentista catalão Process Constituent, com vista às eleições de 2016, defende no contexto da atual crise a Espanha deve "livrar-se da dívida externa o quanto antes".

"Antes do resgate [aos bancos] 19 por cento era dívida pública e 81 por cento era dívida privada, mais de 90 por cento da qual de grande corporações, na maioria financeiras. O que aconteceu com o resgate é que a dívida privada passou a ser pública. Impuseram-me uma dívida de outros que têm mais meios que eu para pagar. Isso é intolerável", disse.

Teresa Forcades aponta por isso exemplos de países "com os quais se pode aprender muito" nesta matéria: a Islândia, onde o povo disse não às imposições dos credores internacionais, ou o Equador, que auditou a sua dívida para separar a dívida legítima da ilegitima e conseguiram livrar-se de parte dessa dívida.

"Estamos a aguentar coisas que não são aguentáveis e deveríamos reagir a nível social", disse, defendendo para a Europa e para o mundo "um movimento decididamente anticapitalista que aposte num processo pacífico e democrático".

"Esta é a fonte de maior esperança no mundo contemporâneo", garantiu.

Sabe que a revolução popular que preconiza não resolverá todos os problemas, mas não admite que lhe digam que não há alternativa.

"Não há uma alternativa, há várias e com qualquer uma que seguíssemos estaríamos melhor do que agora porque a situação é muito dura", disse, lembrando que em Espanha o desemprego atinge os 25 por cento (50 por cento entre os jovens) e a pobreza os 30 por cento da população.
Lusa
publicado a 2013-11-13 às 09:34

Para mais detalhes consulte:
http://www.dn.pt/inicio/globo/interior. ... cao=Europa (http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=3530184&seccao=Europa)

GRUPO CONTROLINVESTE
Copyright © - Todos os direitos reservados
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 14, 2013, 03:02:38 pm
PT, tu já leste o "INTERNMENT AND RESETTLEMENT OPERATIONS" FM 3-39.40?

 :arrow: http://info.publicintelligence.net/USAr ... lement.pdf (http://info.publicintelligence.net/USArmy-InternmentResettlement.pdf)

Lê e diz-me se esses campos é só para "apoiar as populações em caso de emergência".
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 14, 2013, 07:01:26 pm
Caro cabeça de martelo.

Num país que não tem um sistema de segurança social que se possa tratar por esse nome.
Num estado em que a governadora é uma extremista neonazi do Tea Party, que considera que os pobres são pobres porque Deus os está a castigar por serem mandriões...

Como é que você arranja maneira de ajudar pessoas que perderam tudo ?

Deixa-os a vaguear pelas ruas, a pedir esmola ?
É que é isso que o Tea Party quer.
Que os pobres peçam esmola.

O que esta gente pretende é a privatização da caridadezinha, acreditando que o estado federal, que para estes fanáticos é uma espécie de Gomorra dos tempos modernos não tem que fazer nada.

A FEMA, pelo que sei, nem está preparada para responder a este tipo de situações, mas faz o que pode.


É preciso entender a América e entender o tipo de extremistas que lá existe. Este tipo de gente levou o país a fechar o governo federal por razões dogmáticas.
E gente como este Alex Jones são apenas peões nesta guerra absurda dos fanáticos contra o governo em Washington.



O documento a que você faz referência EXISTE DESDE 1978 e é um compendio sobre como tratar grandes números de pessoas, procedimentos, organização, gestão de conflitos, assistência médica etc. Foi feito a seguir à chegada de milhares de refugiados do Cambodja e do Vietname. Muitas da soluções ali descritas resultaram inicialmente da experiência ganha com as vagas de refugiados do sudoeste asiático que foram para os Estados Unidos.
Os procedimentos podem ser utilizados, para aplicação pela agência federal de emergência em caso de catástrofes ou pelos militares americanos. O documento, que volto a repetir EXISTE DESDE 1978 É A VERSÃO DE 2010 E  É APENAS UMA ACTUALIZAÇÃO.

Os sites conspirativos ligados à extrema direita americana têm tentado ligar coisas que não estão directamente ligadas, para depois criaram um enorme escândalo à volta do problema. O Obama tinha 17 (dezassete) anos de idade quando o documento foi produzido pela primeira vez e agora estão a acusar o presidente de se estar a preparar para colocar gente em campos de concentração.

O documento que você refere, fora do contexto, pode até ser utilizado para demonstrar que está a chegar o fim do mundo. E é isso que os conspirativos fazem.

GERIR MEIAS VERDADES E MENTIR DESCARADAMENTE.


Os fanáticos deveriam era perguntar, O QUE É QUE FOI FEITO PELO GOVERNO FEDERAL AMERICANO DESDE O FURACÃO KATRINA, EM QUE A FEMA MOSTROU QUE NÃO TINHA NENHUMA CAPACIDADE PARA GERIR DESASTRES DE GRANDES DIMENSÕES, TENDO O KATRINA RESULTADO NUMA CATÁSTROFE QUE LEVOU À INTERVENÇÃO DO EXÉRCITO ! ! !

PORQUE É QUE OS FANÁTICOS CONSPIRATIVOS SE ESQUECERAM DO QUE ACONTECEU ?
SERÁ QUE ALGUÉM NÃO DISCORRE QUE DESDE O FURACÃO KATRINA OS AMERICANOS PENSARAM EM APLICAR AS PRÁTICAS DESENVOLVIDAS PELOS MILITARES PARA AS UTILIZAREM EM CASO DE NECESSIDADE NA AMÉRICA PARA EVITAR O FIASCO TOTAL QUE FOI A ACTUAÇÃO DA FEMA NO CASO DO FURACÃO KATRINA ?

Eu não estou a gritar, estou apenas a frisar coisas que são óbvias.
Peço desculpa se alguém se indignar com isso.


A América é um país com mais de 300 milhões de habitantes. Ainda recentemente na India evacuaram milhões de pessoas das zonas costeiras para evitar uma grande mortandade por causa do tempo.
A América tem problemas com furacões de tal forma que até tem uma chamada «hurricane season»

Será assim tão estranho, tão esquisito e tão absurdo que alguém pense em desenvolver planos para gerir este tipo de campos, em vez de fazer o que fizeram em New Orleans em que durante semanas havia pessoas no topo dos edificios com cartazes a pedir ajuda e comida ?


É preciso entender o tipo de canalha que escreve o que escreve.
É preciso entender que gente como Alex Jones e outros fanáticos jogam com as emoções, jogam com o medo e acima de tudo MENTEM.
MENTEM DE FORMA DESCARADA SEM PUDOR E SEM PINGA DE VERGONHA.

E quando são apanhados em falso, quando lhes mostra a cueca completamente borrada, começam a vomitar insultos e a acusar os outros de serem adoradores de Satanaz.

A extrema direita fanática e a extrema esquerda suja, têm agendas idênticas.
Veja por exemplo o caso da Síria, em que os proto-comunistas e o Tea-Party tinham exatamente a mesma agenda.

E o engraçado, é que depois (e como já vimos alguns Zé espertos neste fórum fazer) os proto-comunistas dão como prova irrefutável das suas teses, análises feitas pelos extremistas fanáticos do outro extremo, como se elas fossem contraponto para alguma coisa.

Na politica internacional, desde há muito tempo, os extremos tocam-se.

E se não entendermos isso, vamos ficar nas mãos deles.
E todos sabemos onde isso leva. Bastaria olhar para a Alemanha e para a Russia na década de 1930.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 15, 2013, 11:27:23 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Eu falo com alguma regularidade com Norte-Americanos por causa da minha profissão e posso dizer-vos sem qualquer dúvida que os maiores defensores que o 11 de Setembro foi um trabalho interno são eles. O Alex Jones é o típico Texano, como tal é preciso dar-lhe algum desconto na forma como ele se exprime, no entanto o mais importante é a mensagem que por muito exagerada que seja, por norma bate certo.


Cabeca de Martelo

qualquer pessoa minimamente informada sabe que o 11 de setembro foi um false flag attack.

Pessoalmente nunca fui de ouvir muito o alex jones. devo ter consultado o site dele uma meia duzia de vezes.

dou te o mesmo conselho que ja dei ao foxtroop. nao percam tempo com certos vendilhoes do templo que circulam pelo forum

abraco
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Novembro 15, 2013, 01:10:00 pm
Citar
qualquer pessoa minimamente informada sabe que o 11 de setembro foi um false flag attack.
Claro que sim camarada.
Esse é um assunto sem espinhas nenhumas. Não ha qualquer dúvida.

Eles ainda têm o holograma do Bin Laden na Area-51 e utilizaram raios repulsórios titânico-diluentes para deitar abaixo as torres. E a torre 7 isso então é mais que óbvio e até uma criança no dia do nascimento sabe que aquilo foi trabalho da CIA.

Não há qualquer dúvida para qualquer pessoa informada...  :mrgreen:  :mrgreen:  :mrgreen:

É claro como a água.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 15, 2013, 05:00:32 pm
Citar
30.08.2013 04:04
DNA test verified Osama bin Laden’s identity - reports

A forensic intelligence laboratory run by the CIA in Afghanistan performed the DNA test of Osama Bid Laden’s body and confirmed his identify back in 2011, revealed intelligence budget documents leaked by the whistleblower Edward Snowden. The Washington Post wrote that results "provided a conclusive match." In May 2011, the Pentagon denied having records of these tests, after AP asked for disclosure under the Freedom of Information Act. In their request, the press service asked for DNA and facial recognition tests disclosure of Bin Laden’s corpse as well as all media material captured during the raid on bin Laden's compound in Abbottabad, Pakistan, the death certificate and other records related to the May 2011 mission.

esqueceram-se de falar da area 52

Citar
Area 51 officially acknowledged, mapped in newly released documents
By Laura Koran, CNN
August 17, 2013 -- Updated 0104 GMT (0904 HKT)

(CNN) -- Area 51 has long been a topic of fascination for conspiracy theorists and paranormal enthusiasts, but newly released CIA documents officially acknowledge the site and suggest that the area served a far less remarkable purpose than many had supposed.
According to these reports, which include a map of the base's location in Nevada, Area 51 was merely a testing site for the government's U-2 and OXCART aerial surveillance programs. The U-2 program conducted surveillance around the world, including over the Soviet Union during the Cold War.
Area 51, about 125 miles northwest of Las Vegas, is synonymous in popular culture with government secrecy, and many have theorized that it holds the answer to one of the greatest questions plaguing mankind: Are we really alone in the universe?

But the newly released documents make no mention of alien autopsy rooms or spaceship parking lots.
This information will be disappointing to some, who have come to view the area as a mecca of sorts for alien encounters.
For these true believers, the existence of alien spacecraft at Area 51, and the government's attempts to cover up their trace, is irrefutable and has been since reports of Unidentified Flying Objects -- or UFOs -- began to emerge from the Nevada desert in the middle part of the 20th century.

The map and other documents were released in response to a Freedom of Information Act request submitted by Jeffrey T. Richelson, a senior fellow at the National Security Archives, in 2005.
 Area 51 Revealed FBI memo details flying saucers, aliens UFO welcome center waits for green guys
Richelson submitted the request as part of his continuing study of aerial surveillance programs and told CNN that he was not given an explanation of why the new documents were less redacted than previous versions declassified by the agency.
He points out, however, that the location of Area 51 was not a particularly well-kept secret. Its location appears in books on aerial surveillance and is widely referenced in popular culture.
In fact, the map that was released in the CIA documents mirrors the one that appears after a simple Google Maps search for "Area 51."
Area 51 has also been referenced in government documents in the past, though this newest release is the first that acknowledges its existence and location in a purposeful way.
Richelson told CNN he believes this could signal a dramatic change in the government's willingness to declassify information about the famed base, meaning even more information could come out about Area 51 in the future.
The release of these reports seem to put the theories about aliens and flying saucers to rest for the time being, although they may not be enough to silence the true believers.
At least they still have Roswell, right?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 16, 2013, 11:23:02 am
PT, a questão é a seguinte, esses campos podem ter sido pensados à muito, no entanto os EUA nos anos 70 eles não estavam em estado de emergência à 12 anos e não tinham um "Patriot Act". Essa lei foi aprovada sem os Senadores e Congressitas terem acesso a todo o documento e que na prática anula praticamente todas as liberdades e assegura um controlo só dado em ditaduras às autoridades e ainda por cima sem qualquer tipo de controlo superior.

Não penses que os criticos de tudo o que tem sido feito são apenas da direita conservadora, a esquerda também está saturada com toda esta situação, na verdade eu acho que todo o povo Norte-Americano está cheia disto tudo. Acredito que lá como cá queixam-se da falta de alternativas.

Ainda bem que falas do Katrina, eis uma situação limite em que tudo falhou, onde as autoridades andaram muito ocupadas a tirar as armas à população e não tanto a tentar salvá-las e onde foram usados PMC (Blackwater, SOC, Armor Group, Steel Foundation, Dyncorp, etc). Em Boston eles também lá estavam (Craft International,) e não entrando em teorias da conspiração, porquê usar PMC internamente? Os EUA tem Força de Policias que nunca mais acaba, tem a CIA, a NSA, a..., enfim um horror de meios que poucos países podem-se gabar e no entanto precisam de PMC para trabalhar dentro de fronteiras?! Não achas estranho? Pelos vistos os norte-americanos acham, de tal maneira que são os maiores apoiantes dessas ditas teorias. Dos vários Norte-Americanos que tenho falado a maior parte são de esquerda (Democratas) e a esmagadora maioria acredita que o 11 de Setembro foi planeado pela familia Bush e que os EUA estão no caminho de se tornarem uma ditadura policial. Se é estranho? É, mas só estou a escrever o que transmitem-me.

Talvez eu tenha falado com os Norte-Americanos errados...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 16, 2013, 01:50:15 pm
(https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-frc3/q71/1470327_456381237803774_397738565_n.jpg)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 18, 2013, 06:42:59 pm
GOD BLESS AMERICA

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcounterpsy.files.wordpress.com%2F2011%2F09%2Fif-you-dont-come-to-democracy-democracy-will-come-to-you2.jpg%3Fw%3D500%26amp%3Bh%3D417&hash=0d7420c9dcbf66dbf6c4172bb81c5e43)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcounterpsy.files.wordpress.com%2F2012%2F05%2Fcokeia.jpg%3Fw%3D347%26amp%3Bh%3D347&hash=242bb3381b7afa89ac78b085367a8b67)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcounterpsy.files.wordpress.com%2F2012%2F08%2F417309_407992609265697_1749015453_n.jpg%3Fw%3D480%26amp%3Bh%3D450&hash=a3ad21ca888c77c55f6dc488e51a54ed)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcounterpsy.files.wordpress.com%2F2012%2F08%2F529468_394742373924054_114777761_n.jpg%3Fw%3D500%26amp%3Bh%3D692&hash=4b28bd7b453cc19b1e5a404f5f3fff3e)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 24, 2013, 03:46:18 pm
uma coisa eu sei, nao foi o KGB.
o JFK era um utopico, cometeu o pecado capital. pensava que mandava.

como todos sabemos que foi o trapalhao do Oswald que no fatidico dia 22 de novembro estava inspirado ficam alguns links terriveis mantidos pelos terriveis conspiradores russos


http://rt.com/op-edge/john-kennedy-assa ... rsary-889/ (http://rt.com/op-edge/john-kennedy-assassination-anniversary-889/)

http://consortiumnews.com/2013/11/19/wh ... ce-points/ (http://consortiumnews.com/2013/11/19/where-new-jfk-evidence-points/)

http://educate-yourself.org/cn/jfk50yea ... ov13.shtml (http://educate-yourself.org/cn/jfk50yearanniversay22nov13.shtml)

http://www.doewatch.com/jfkultimate/ (http://www.doewatch.com/jfkultimate/)

http://mylogicoftruth.wordpress.com/201 ... k-killers/ (http://mylogicoftruth.wordpress.com/2010/11/21/hunts-deathbed-confession-reveals-jfk-killers/)

[/youtube]
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 26, 2013, 07:01:02 pm
a voz da razao

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: nelson38899 em Novembro 27, 2013, 12:08:00 pm
Citação de: "listadecompras"

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcounterpsy.files.wordpress.com%2F2012%2F08%2F529468_394742373924054_114777761_n.jpg%3Fw%3D500%26amp%3Bh%3D692&hash=4b28bd7b453cc19b1e5a404f5f3fff3e)

Não querendo defender os americanos, acho esta imagem uma demagogia tremenda. Os russos mataram não sei quantos milhões de pessoas nos gulag. Os chineses fazem isso todos os dias com os seus cidadãos que nascem com o sexo feminino.  Eles também apoiam uma ditadura como a Coreia do norte que mata cidadãos apenas por mostrar as pernas.   Os iranianos financiam o terrorismo no Líbano, Iraque,  Egipto e  Afeganistão. A Venezuela anda a criar  leis sem sentido nenhum, apenas para esconder a fome que se começa a fazer sentir neste país, anda também apoiar terroristas como as FARCs.

E agora vem me dizer que os americanos são o mal do mundo??
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Duarte em Novembro 27, 2013, 05:28:29 pm
Citação de: "nelson38899"
Não querendo defender os americanos, acho esta imagem uma demagogia tremenda. Os russos mataram não sei quantos milhões de pessoas nos gulag. Os chineses fazem isso todos os dias com os seus cidadãos que nascem com o sexo feminino.  Eles também apoiam uma ditadura como a Coreia do norte que mata cidadãos apenas por mostrar as pernas.   Os iranianos financiam o terrorismo no Líbano, Iraque,  Egipto e  Afeganistão. A Venezuela anda a criar  leis sem sentido nenhum, apenas para esconder a fome que se começa a fazer sentir neste país, anda também apoiar terroristas como as FARCs.

E agora vem me dizer que os americanos são o mal do mundo??

É favor não introduzir lógica, nem imparcialidade nesta discussão, senão caiem as teorias todas por terra..  :N-icon-Axe:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 27, 2013, 06:45:51 pm
Verdade seja dita, os EUA está  longe de ser o único país a apoiar golpes de estado, guerras civis e movimentos de libertação/terroristas/etc.

O que destingue-os é o número, devem ser o país que mais apoiou e fomentou essas coisas em todo o mundo no pós 2.ª GM.

Ex:

-Angola - apoio à UPA

Resultado:







Depois deste apoio Norte-Americano, podemos falar do apoio dos "não-alinhados e finalmente do Bloco de Leste/países comunistas, mas quem começou isto tudo foi o Kennedy!

Já fui bastante pró-americano, mas com o passar dos anos, muita coisa que acreditava caiu por terra. Hoje vejo-os como uma super-potência a agarrar-se a tudo e a todos de forma a não se afogar na sua própria lama, a questão é se queremos ou não ser arrastados por eles.

É óbvio que a China está a crescer e poderá muito bem a ser a próxima potência desafiadora do status quo Norte-Americano. Isso vê-se na forma como os EUA estão a transferir enormes recursos humanos e materiais da Europa para os países vizinhos da China. Esse país está cada vez mais agressivo e é provavel que as coisas se tornem ainda mais quentes naquela região a curto/médio prazo, até por causa do que se passa na própria China.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 27, 2013, 07:31:49 pm
Citação de: "nelson38899"
Não querendo defender os americanos, acho esta imagem uma demagogia tremenda. Os russos mataram não sei quantos milhões de pessoas nos gulag. Os chineses fazem isso todos os dias com os seus cidadãos que nascem com o sexo feminino. Eles também apoiam uma ditadura como a Coreia do norte que mata cidadãos apenas por mostrar as pernas. Os iranianos financiam o terrorismo no Líbano, Iraque, Egipto e Afeganistão. A Venezuela anda a criar leis sem sentido nenhum, apenas para esconder a fome que se começa a fazer sentir neste país, anda também apoiar terroristas como as FARCs.

E agora vem me dizer que os americanos são o mal do mundo??

Os americanos, o mal do mundo? Com certeza que nao. Eu tenho amigos americanos, como povo sao da gente mais simpatica e porreira que se pode encontrar por ai. Agora se falamos dos decision makers, a conversa ja e outra. Sejamos praticos. Politics is a dirty business. Nao ha ninguem sem telhados de vidro. Assim de repente na America so me lembro do Carter ter tentado trazer a transparencia para a cena politica, a coisa nao correu bem.

Mas repara no que tem sido por exemplo a politica internacional americana na ultima decada. Afeganistao, Iraque,Libia. O Iraque e um pais destruido, a Libia para la caminha e agora estao a querer fazer o mesmo com a Siria. Por alma de quem?  Demagogicamente falando da vontade de perguntar aos decison makers porque nao mandam uns drones para acabar com os terroristas que parasitam pela Siria.  Extremistas islamicos, nao obrigado!!!

E verdade,os sacanas dos russos e que tem vindo agora a falar dessa coisa do direito internacional. Os americanos continuam como sempre com a sua conduta de dois pesos e duas medidas.

Nelson, tou cansado de assistir a mentiras e campanhas de manipulacao. O 11 de Setembro foram os filhos-da-p*** dos taliban,Sadam tinha armas de destruicao macica, o Khadafi era um merdas, (mas andou a limpar o cu ao Sarkozy) Assad gaseou 1400 pessoas inocentes. Entendes?

Por mim se quiseres falar mal da Russia,Irao, China,Coreia do Norte,Venezuela,Cuba, Siria,Palestina and so on estas a vontade.

take care
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: nelson38899 em Novembro 27, 2013, 09:44:42 pm
Quanto à Rússia podemos falar do corte de Gás à Ucrânia, o apoio à bielorrussa, a Chechênia a Geórgia e o desaparecimento de muita gente que diz mal do putin. Quanto à guerra colonial os russos andaram de mãos dadas com os americanos. Foi a única vez em toda a guerra fria que os dois andaram juntos.

Vamos ser sérios, tanto a direita (USA) como a esquerda (Rússia)  tem culpas no cartório, pois ambas tentaram mudar líderes em muitos países. Agora entre uma ditadura que tenho agora e a ditadura como é na Venezuela (país apoiado pela Russia), eu prefiro esta de longe. :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: nelson38899 em Novembro 27, 2013, 09:51:59 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Verdade seja dita, os EUA está  longe de ser o único país a apoiar golpes de estado, guerras civis e movimentos de libertação/terroristas/etc.

O que destingue-os é o número, devem ser o país que mais apoiou e fomentou essas coisas em todo o mundo no pós 2.ª GM.


Quanto a fomento de golpes com apoio dos soviéticos desde a ww2, temos todos os países do leste europeu (tanques em praga entre outros). Eles gostaram tanto de serem submetidos ao poder de Moscovo que quando puderam meteram-se nos braços da UE, basta ver a quantidade de países independentes desde 1990.
Fora da Europa temos o Afeganistão, Cuba vietman, coreia do norte, china, Angola, Moçambique entre outros.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 28, 2013, 08:14:33 pm
Citação de: "nelson38899"
Quanto à Rússia podemos falar do corte de Gás à Ucrânia, o apoio à bielorrussa, a Chechênia a Geórgia e o desaparecimento de muita gente que diz mal do putin. Quanto à guerra colonial os russos andaram de mãos dadas com os americanos. Foi a única vez em toda a guerra fria que os dois andaram juntos.

Vamos ser sérios, tanto a direita (USA) como a esquerda (Rússia) tem culpas no cartório, pois ambas tentaram mudar líderes em muitos países. Agora entre uma ditadura que tenho agora e a ditadura como é na Venezuela (país apoiado pela Russia), eu prefiro esta de longe.

Tens razao Nelson, tanto os americanos como os russos tem culpas no cartorio, mas o Cabeca de Martelo foi ao essencial da questao -  feitas as contas os E.U.A. sao os campeoes da matanca.

adiante

Falaste dos Gulag (nao e novidade), podias ter falado dos campos de concentracao na america com populacao niponica.

Falaste do apoio russo a bielorussia, podias ter dito que os EUA apoiam o regime de Bahrein.

Falaste do corte de gas a ucrania, podias ter falado do embargo ao povo cubano.

Falaste dos paises do leste europeu submetidos a Moscovo, olha entao para o que os EUA/CIA fizeram na america latina no seculo passado.

A Chechenia e um problema interno da Russia. Putin nao grama os fanaticos islamicos nem um bocadinho ,e foi preciso cortar o mal pela raiz.

Explica-me o que e o Kosovo. Um protectorado da Nato? Ouvi dizer que anda por la muito trafico de armas e de mulheres.

Quanto ao destino de quem fala mal do putin, muito do que e dito sao campanhas de difamacao, ex-colegas do kgb ate ja o acusaram de pedofilia, enfim teorias da conspiracao. Que queres que te diga mais? as pussy riot sao apoiadas pelo "ocidente", alguns dos activistas da greenpeace foram libertados...

A falta de lideres no ocidente eu e milhoes de pessoas (americanos incluidos) dao gracas ao Putin por ter evitado a borrada que os americanos estiveram prestes a fazer na siria. A personalidade de 2013 sem duvida.

Nao vamos ser demagogos e acabar o texto falando nas bombas atomicas, os livros da historia ainda dizem que nao foram os iranianos que bombardearam hiroshima e nagasaki.

tenho um pressentimento, nao sei nao...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Novembro 30, 2013, 08:24:21 pm
dedicado a todos os teoricos da conspiracao, aos demagogos e aos imparciais.

como dizia aquele programa da radio- "vale a pena pensar nisto"

Citar
The Putin Murders
A Brief History of Putintime


March 1997

45-year-old former KGB agent Vladimir Putin  is plucked from obscurity out of the St. Petersburg local government apparatus by President Boris Yeltsin and named Deputy Chief of Staff. In June, he defends his PhD dissertation in “strategic planning” at St. Petersburg’s Mining Institute. Later, this document proves to have been plagiarized from a KGB translation of work by U.S. professors published many years earlier (as if nobody would notice, and in fact for quite a while nobody did).

July 1998

In a second inexplicable move, Yeltsin names Putin head of the KGB (now called the FSB).

November 1998

Less than four months after Putin takes over at the KGB, opposition Duma Deputy Galina Starovoitova , the most prominent pro-democracy Kremlin critic in the nation, is murdered at her apartment building in St. Petersburg. Four months after that, Putin will play a key role in silencing the Russian Attorney General, Yury Skuratov, who was investigating high-level corruption in the Kremlin, by airing an illicit sex video involving Skuratov on national TV. Four months after the dust settles in the Skuratov affair, Putin will be named Prime Minister.

August 1999

Completing a hat trick of bizarre spontaneous promotions, proud KGB spy Putin is named by Yeltsin Prime Minister of Russia. Almost immediately, Putin orders a massive bombing campaign against the tiny, defenseless breakaway republic of Chechnya, apparently seeing the reassertion of Russian power there as key to overall resurgence of Russia’s military and state security apparatus, his primary political objective. On August 26th, he’s forced to acknowledge the horrific consequences of the bombing. Hundreds of civilians are killed and tens of thousands are left homeless as civilian targets are attacked. World opinion begins to turn starkly against Russia, especially in Europe, very similarly to the manner in which it has polarized against U.S. President George Bush over Iraq. Putin’s poll numbers in Russia begin to slide.

September 1999

An apartment building in the Pechatniki neighborhood of Moscow is blown up by a bomb. 94 are killed. Less than a week later a second bomb destroys a building in Moscow’s Kashirskoye neighborhood, killing 118. Days after that, a massive contingent of Russian soldiers is surrounding Chechnya as public opposition to the war evaporates. On October 1st, Putin declares Chechen president Aslan Maskhadov and his parliament illegitimate. Russian forces invade.
New Year’s Eve, 1999

Boris Yeltsin resigns the presidency of Russia, handing the office to Putin in order to allow him to run as an incumbent three months later. Given the pattern of bizarre promotions Putin has previously received, the move is hardly even surprising. So-called “experts” on Russia scoff at the possibility that Putin could be elected, proclaiming that, having tasted freedom, Russia can “never go back” to the dark days of the USSR.

March 2000
Despite being the nominee of a man, Yeltsin, who enjoyed single-digit public approval ratings in polls, Vladimir Putin is elected “president” of Russia in a massive landslide (he wins nearly twice as many votes as his nearest competitor). Shortly thereafter, all hell breaks loose in Chechnya. Russia will ultimately be convicted of human rights violations before the European Court for Human Rights and condemned for its abuses of the civilian population by every human rights organization under the sun.

[Between April 2000 and March 2002, Russia plunges into a nightmarish conflict in Chechnya eerily similar to what America now faces in Iraq. Opposition journalists, especially those who dare to report on what it going on in Chechnya, suddenly start dying. In 2000 alone, reporters Igor Domnikov, Sergey Novikov, Iskandar Khatloni, Sergey Ivanov and Adam Tepsurgayev are murdered -- not by hostile fire in Chechnya but in blatant assassinations at home in Russia. On June 16, 2001, at a press conference in Brdo Pri Kranju, Slovenia, President Bush is asked about Putin: "Is this a man that Americans can trust?" Bush replies: "I will answer the question. I looked the man in the eye. I found him to be very straightforward and trustworthy. We had a very good dialogue. I was able to get a sense of his soul; a man deeply committed to his country and the best interests of his country. And I appreciated so very much the frank dialogue."]

April 2003

Sergei Yushenkov, co-chairman of the Liberal Russia political party , is gunned down at the entrance of his Moscow apartment block. Yushenkov had been serving as the vice chair of the group known as the “Kovalev Commission” which was formed to informally investigate charges that Putin’s KGB had planted the Pechatniki and Kashirskoye apartment bombs to whip up support for the Putin’s war in Chechnya after the formal legislative investigation turned out to be impossible. Another member of the Commission, Yuri Shchekochikhin (see below) will perish of poisoning, a third will be severely beaten by thugs, and two other members will lose their seats in the Duma. The Commission’s lawyer, Mikhail Trepashkin (see below) will be jailed after a secret trial on espionage charges. Today, virtually none of the members of the Commission are left whole and it is silent.

May 2003

Putin’s popularity in opinion polls slips below 50% after sliding precipitously while the conflict in Chechnya became increasingly bloody. Suddenly, he begins to appear vulnerable, and oil billionaire Mikhail Khodorkovsky begins to be discussed as one who could unseat him. All hell breaks loose in Russian politics.

July 2003

Yuri Shchekochikhin , a vocal opposition journalist and member of the Russian Duma and the Kovalev Commission, suddenly contracts a mysterious illness. Witnesses reported: “He complained about fatigue, and red blotches began to appear on his skin. His internal organs began collapsing one by one. Then he lost almost all his hair.” One of Shchekochikhin’s last newspaper articles before his death was entitled “Are we Russia or KGB of Soviet Union?” In it, he described such issues as the refusal of the FSB to explain to the Russian Parliament what poison gas was applied during the Moscow theater hostage crisis, and work of secret services from the former Soviet republic of Turkmenistan, which operated with impunity in Moscow against Russian citizens of Turkoman origin. According to Wikipedia: “He also tried to investigate the Three Whales Corruption Scandal and criminal activities of FSB officers related to money laundering through the Bank of New York and illegal actions of Yevgeny Adamov, a former Russian Minister of Nuclear Energy. This case was under the personal control of Putin. In June of 2003, Shchekochikhin contacted the FBI and got an American visa to discuss the case with US authorities. However, he never made it to the USA because of his sudden death on July 3rd. The Russian authorities refused to allow an autopsy, but according to Wikipedia his relatives “managed to send a specimen of his skin to London, where a tentative diagnosis was made of poisoning with thallium” (a poison commonly used by the KGB, at first suspected in the Litvinenko killing).

October 2003

Assaults on the enemies of the Kremlin reach fever pitch as the election cycle begins. Within one week at the end of the month, two major opposition figures are in prison.

October 22, 2003

Mikhail Trepashkin , a former KGB spy and the attorney for the Kovalev Commission, is arrested for illegal possession of a firearm (which he claims was planted in his vehicle). Also retain to represent some of the victims of the apartment bombings theselves, Trepashkin allegedly uncovered a trail of a mysterious suspect whose description had disappeared from the files and learned that the man was one of his former FSB colleagues. He also found a witness who testified that evidence was doctored to lead the investigation away from incriminating the FSB. The weapons charge against Trepashkin mysteriously morphs into a spying charge handled by a closed military proceeding that is condemned by the U.S. government as being a blatant sham, and Trepashkin is sent to prison for four years. Publius Pundit reported on Trepashkin’s plight back in early December of last year.

October 25, 2003

Just as the presidential election cycle is beginning, Khodorkovsky is arrested at the airport in Novosibirsk. He will be tried and convicted for tax fraud and sent to Siberia, just like in the bad old days of the USSR, in a show trial all international observers condemn as rigged (his lawyer has documented the legal violations in a 75-page treatise). He is there today, now facing a second prosecution for the same offense. His company, YUKOS, is being slowly gobbled up by the Kremlin.

March 2004

With Khodorkovsky conveniently in prison and the Kovalev Commission conveniently muzzled, Vladimir Putin is re-elected “president” of Russia, again in a landslide despite his poll numbers. He faces no serious competition from any opposition candidate. He does not participate in any debates. He wins a ghastly, Soviet-like 70% of the vote. Immediately, talk begins of a neo-Soviet state, with Putin assuming the powers of a dictator. The most public and powerful enemies of the regime start dropping like flies.

June 2004

Nikolai Girenko , a prominent human rights defender, Professor of Ethnology and expert on racism and discrimination in the Russian Federation is shot dead in his home in St Petersburg. Girenko’s work has been crucial in ensuring that racially motivated assaults are classified as hate crimes, rather than mere hooliganism, and therefore warrant harsher sentences — as well as appearing as black marks on Russia’s public record.

July 2004

Paul Klebnikov , editor of the Russian edition Forbes magazine, is shot and killed in Moscow. Forbes has reported that at the time of his death, Paul was believed to have been investigating a complex web of money laundering involving a Chechen reconstruction fund, reaching into the centers of power in the Kremlin and involving elements of organized crime and the FSB (the former KGB).

September 2004

Viktor Yushchenko, anti-Russian candidate for the presidency of the Ukraine, is poisoned by Dioxin. Yushchenko’s chief of staff Oleg Ribachuk suggests that the poison used was a mycotoxin called T-2, also known as “Yellow Rain,” a Soviet-era substance which was reputedly used in Afghanistan as a chemical weapon. Miraculously, he survives the attack.

[Throughout the next year, a full frontal assault on the media is launched by the Kremlin. Reporters Without Borders states: "Working conditions for journalists continued to worsen alarmingly in 2005, with violence the most serious threat to press freedom. The independent press is shrinking because of crippling fines and politically-inspired distribution of government advertising. The authorities’ refusal to accredit foreign journalists showed the government’s intent to gain total control of news, especially about the war in Chechnya."]

September 2006

Andrei Kozlov , First Deputy Chairman of Russia’s Central Bank, who strove to stamp out money laundering (basically acting on analyses like that of reporter Klebnikov), the highest-ranking reformer in Russia, is shot and killed in Moscow. Many media reports classify Kozlov’s killing as “an impudent challenge to all Russian authorities” and warn that “failure to apprehend the killers would send a signal to others that intimidation of government officials is once again an option.” Less considered is the possibility that Kozlov, like Klebnikov, was on the trail of corruption that would have led into the Kremlin itself, which then lashed out at him preemptively assuming he could not be bought.

October 2006

Anna Politkovskaya , author of countless books and articles exposing Russian human rights violations in Chechnya and attacking Vladimir Putin as a dictator, is shot and killed at her home in Moscow. In her book Putin’s Russia, Politkovskaya had written: “I have wondered a great deal why I have so got it in for Putin. What is it that makes me dislike him so much as to feel moved to write a book about him? I am not one of his political opponents or rivals, just a woman living in Russia. Quite simply, I am a 45-year-old Muscovite who observed the Soviet Union at its most disgraceful in the 1970s and ’80s. I really don’t want to find myself back there again.” Analysts begin to talk openly of Kremlin complicity in the ongoing string of attacks. Washington Post columnist Anne Applebaum writes: “Local businessmen had no motivation to kill her — but officials of the army, the police and even the Kremlin did. Whereas local thieves might have tried to cover their tracks, Politkovskaya’s assassin, like so many Russian assassins, did not seem to fear the law. There are jitters already: A few hours after news of Politkovskaya’s death became public, a worried friend sent me a link to an eerie Russian Web site that displays photographs of ‘enemies of the people’ — all Russian journalists and human rights activists, some quite well known. Above the pictures is each person’s birth date and a blank space where, it is implied, the dates of their deaths will soon be marked. That sort of thing will make many, and probably most, Russians think twice before criticizing the Kremlin about anything.”

November 2006

Alexander Litvinenko , KGB defector and author of the book Blowing up Russia, which accuses the Kremlin of masterminding the and Pechatniki and Kashirskoye bombings in order to blame Chechen terrorists and whip up support for an invasion of Chechnya (which shortly followed), is fatally poisoned by radioactive Polonium obtained from Russian sources. Litivinenko had given sensational testimony to the Kovalev Commission and warned Sergei Yushenkov that was a KGB target). In his last days Litvinenko himself, as well as other KGB defectors, including Oleg Kalugin, Yuri Shvets and Mikhail Trepashkin (who allegedly actually warned Litvinenko that he had been targeted before the hit took place) directly blamed the Kremlin for ordering the poisoning. Recent press reports indicate that British investigators have come to the same conclusion. With Litvinenko out of the picture, the only member of the Kovalev Commission left unscathed is its 77-year-old namesake chairman, dissident Sergei Kovalev — who has grown notably silent.

March 2007

On Sunday February 25th, the American TV news magazine Dateline NBC aired a report on the killing of Litvinenko. MSNBC also carried a report. The reports confirmed that British authorities believe Litvinenko perished in a “state-sponsored” assasination. In the opening of the broadcast, Dateline highlighted the analysis of a senior British reporter and a senior American expert on Russia who knew Litvinennko well. Here’s an excerpt from the MSNBC report:

Daniel McGrory, a senior correspondent for The Times of London, has reported many of the developments in the Litvinenko investigation. He said the police were stuck between a rock and a hard place. “While they claim, and the prime minister, Tony Blair, has claimed nothing will be allowed to get in the way of the police investigation, the reality is the police are perfectly aware of the diplomatic fallout of this story,” McGrory said. “Let’s be frank about this: The United States needs a good relationship with Russia, and so does Europe,” said Paul M. Joyal, a friend of Litvinenko’s with deep ties as a consultant in Russia and the former Soviet states. Noting that Russia controls a significant segment of the world gas market, Joyal said: “This is a very important country. But how can you have an important relationship with a country that could be involved in activities such as this? It’s a great dilemma.”

Five days before the broadcast aired, shortly after he was interviewed for it, McGrory was dead. His obituary reads “found dead at his home on February 20, 2007, aged 54.” Five days after the broadcast aired, Joyal (pictured, right) was lying in a hospital bed after having been shot for no apparent reason, ostensibly the victim of a crazed random street crime.  He was returning home after having dinner with KGB defector Oleg Kalugin, and had been an aggressive advocate for Georgian independence from Russian influence.  The attack remains unsolved.

CONCLUSION: Did the Kremlin have anything to do with either Joyal’s or McGrory’s fates, or is it just coincidence that both were struck down within days of giving statements directly blaming the Kremlin for Litvinenko’s killing to the American press? Would the Kremlin really be so brazen as to attack an American for speaking in America? Whether it did not not is almost beside the point: the thing you can’t see is always scarier than the thing you can. The Kremlin is now positioned to turn random accidents into weapons. Appelbaum sums it up: “As Russian (and Eastern European) history well demonstrates, it isn’t always necessary to kill millions of people to frighten all the others: A few choice assassinations, in the right time and place, usually suffice. Since the arrest of oil magnate Mikhail Khodorkovsky in 2003, no other Russian oligarchs have attempted even to sound politically independent. After the assassination of Politkovskaya on Saturday, it’s hard to imagine many Russian journalists following in her footsteps to Grozny either.”

NOTE: For more on the Putin murders from a panel of Russia experts, click here.

January 2009

On January 19, 2009, Russian human rights attorney Stanslav Markelov  was shot in the back of the head with a silenced pistol as he left a press conference at which he announced his intention to sue the Russian government for its early release of the Col. Yuri Budanov, who murdered his 18-year-old client in Chechnya five years earlier. Also shot and killed was Anastasia Barburova, a young journalism student who was working for Novaya Gazeta and who had studied under Anna Politkovskaya, reporting on the Budanov proceedings.

July 2009


On July 14, 2009, leading Russian human rights journalist and activist Natalia Estemirova , a single mother of a teenaged daughter, was abducted in front of her home in Grozny, Chechnya, spirited across the border into Ingushetia, shot and dumped in a roadside gutter.  Viewed as the successor to Anna Politkovskaya and by far the most prominent living critic of Chechen strongman Ramzan Kadyrov, who had repeatedly threatened her life, Estemirova was a member of the “Memorial” human rights NGO and a steadfast defender of human rights in Chechnya.  Most recently, she had been reporting on the barbaric practice of the government in burning down the homes of rebel activists, often with women and children locked inside.

Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: nelson38899 em Dezembro 01, 2013, 03:27:32 pm
Citação de: "listadecompras"
Citação de: "nelson38899"
Quanto à Rússia podemos falar do corte de Gás à Ucrânia, o apoio à bielorrussa, a Chechênia a Geórgia e o desaparecimento de muita gente que diz mal do putin. Quanto à guerra colonial os russos andaram de mãos dadas com os americanos. Foi a única vez em toda a guerra fria que os dois andaram juntos.

Vamos ser sérios, tanto a direita (USA) como a esquerda (Rússia) tem culpas no cartório, pois ambas tentaram mudar líderes em muitos países. Agora entre uma ditadura que tenho agora e a ditadura como é na Venezuela (país apoiado pela Russia), eu prefiro esta de longe.

Tens razao Nelson, tanto os americanos como os russos tem culpas no cartorio, mas o Cabeca de Martelo foi ao essencial da questao -  feitas as contas os E.U.A. sao os campeoes da matanca.

adiante

Falaste dos Gulag (nao e novidade), podias ter falado dos campos de concentracao na america com populacao niponica.


Falaste dos campos de concentração  americanos, aqui fica uma lista dos campos de concentração  japoneses, durante a ww2

http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Japanese-run_internment_camps_during_World_War_II

Falaste em reescrever a história, diz a lenda que a história é escrita pelos vencedores e não pelos vencidos. Mas nunca vi nenhum presidente americano a vir a público dizer que o holocausto nunca existiu e que o os alemães fizeram na ww2 era uma invenção dos americanos como foi dito pelo presidente iraniano.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Dezembro 01, 2013, 05:14:18 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Verdade seja dita, os EUA está longe de ser o único país a apoiar golpes de estado, guerras civis e movimentos de libertação/terroristas/etc.
O que destingue-os é o número, devem ser o país que mais apoiou e fomentou essas coisas em todo o mundo no pós 2.ª GM.

O problema está aí.
Está na palavra DEVE. Mas quando analisamos as coisas desde um ponto de vista mais inconveniente, as coisas começas a ficar mais complicadas.

Foram os russos que suportaram as republicas seculares árabes contra Israel e apoiaram as ditaduras criminosas que ainda subsistem até hoje.
Os russos criaram o regime do BAHAS na Síria e no Iraque.
Os russos foram responsáveis pela separação do Yemen em dois estados.
Os russos invadiram o Afeganistão
Os russos apoiaram ferozmente os comunistas gregos depois da II guerra mundial.
Os russos foram responsáveis por manter Khadafi no poder na Lívia.
Os russos mantiveram e suportaram a ditadura cubana.
Os russos apoiaram a vitória eleitoral de Allende no Chile, dando uma indicação clara de qual era o seu objetivo
Os russos apoiaram muitos dos regimes africanos após a década de 1960, mascarando  financiamento de uma fação, com apoio à libertação dos povos.
Os russos apoiaram ditadores criminosos no Ghana, na Guiné Konakry, em Moçambique, em Angola, na Zambia, na Tanzania, só para falar de alguns.
Os russos participaram na guerra civil na Etiópia.
E isto para não falar nas farsas que foram as democracias da Europa de Leste, que eram na prática países ocupados pelos comunistas, porque a lista continuava para o Cambodja, Vietname etc etc etc.

Ou seja:

A ideia de que os americanos andaram para aí a financiar golpes, esquece algo muito simples:
Quem é que alterou o Status Quo, para levar os americanos a atuar ?


Após o fim da II guerra mundial, a Russia Comunista, desenvolveu uma política a nível mundial, destinada a minar o que eles chamavam de mundo capitalista, para implantar o seu glorioso sistema socialista, que segundo a doutrina seguida desde Lenin e Estaline, seria sempre comandada a partir de Moscovo, sendo a Russia o farol que guiaria a humanidade.

O porco do Alvaro Cunhal foi um dos prostitutos que divulgou esta ideia, de que uma ditadura imperial obscena e criminosa, poderia ser um facho de luz libertadora para mundo.
Só se fosse de luz negra.

Os russos começara. Os americanos reagiram.
Mas o ser humano tem memória curta e não gosta de pensar.

Exemplo:

A NATO foi criada porque os russos não desarmaram a seguir à II guerra mundial.
Os americanos quiseram desmobilizar completamente e reduzir a valores quase pré-guerra a gigantesca máquina militar que de facto derrotou Hitler.
A Russia comunista, ao contrário manteve mais de quatro milhões de soldados na Europa ocupada.

A NATO foi criada em 1949, como forma de responder à política de não desarmamento russa. Os comunistas em 1955 transformaram uma situação «DE FACTO» de ocupação que existia desde 1945, numa coisa chamada Pacto de Varsóvia, que não era nada mais que uma forma de justificar a ocupação comunista da Europa de Leste que tinha começado dez anos antes.

No entanto, eu lembro-me de o Partido Comunista Português afirmar nas suas sessões de esclarecimento, que o PACTO de VARSÓVIA era uma organização de PAZ criada em 1955, que tinha sido uma resposta à política agressiva da NATO que começou em 1949.

Na verdade os comunistas jogavam com a criação de um pacto de fachada, que apenas passava para o papel, a situação de ocupação da Europa de Leste dez anos antes.
Ou seja: Os americanos não criaram a NATO para afrontar a Russia, mas porque a Russia afrontou o ocidente ao não desarmar o seu enorme exército.

Este tipo de distorções, de meias verdade, subsiste até hoje.
Acredita quem quiser.

Está por toda a história, e esconde-se por detrás de pseudo conspirativos, que neste momento têm objetivamente a mesma agenda da extrema direita.


Enquanto nas manifestaçoes comunistas continuar a haver gente com camisetas do pedófilo, assassino e terrorista argentino Che Guevara, a mesma gente suja e porca que você vê neste forum a vomitar obscenidades mentirosas contra as democracias, isso quer dizer que a luta contra a mentira continua.

E é dever de todos os cidadãos honestos lutar contra os mentirosos e desmascara-los.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Dezembro 01, 2013, 06:10:51 pm
Citação de: "nelson38899"
Falaste em reescrever a história, diz a lenda que a história é escrita pelos vencedores e não pelos vencidos. Mas nunca vi nenhum presidente americano a vir a público dizer que o holocausto nunca existiu e que o os alemães fizeram na ww2 era uma invenção dos americanos como foi dito pelo presidente iraniano.


O que acontece e que ha pessoas maluquinhas em todas as posicoes da sociedade. Agora eles tem um presidente mais moderado. As vozes da razao dentro do poder americano sabem que a ameaca nuclear do irao e mais uma paranoia de israel do que outra coisa.Devemos felicitar o acordo alcancado e fazer todos os esforcos pela paz.Israel sim e a prima donna da comunidade internacional com nao sei quantas armas nucleares nao declaradas. Em portugues chama-se hipocrisia.

O que sabes do Irao? O que eu sei do Irao? Confesso que sei pouco, muito pouco mesmo.No entanto um amigo dum amigo dum amigo esteve de ferias ,alugou um carro la e o que contou foi muito diferente (para melhor) do que o ze povinho ouve por ai.

Se quiseres provar do mesmo prato digo-te que ainda nao ouvi um presidente americano admitir a culpa no cartorio sobre o 9/11 ou es mais um dos ignorantes que ainda pensam que o 11 de setembro foi obra dos "endiabrados muculmanos"?

A america pode ser a vanguarda em muitas areas, noutras esta muito longe de ser um exemplo.
Nao metam o nariz onde nao sao chamados e respeitem as outras nacoes e o que se pede.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Dezembro 03, 2013, 07:31:39 pm
como o tema tem vindo a tona aqui no forum e com o natal a aproximar-se queria deixar-vos estas duas sugestoes de prenda. sao dois bons livros para quem se quer iniciar na investigacao ao 11 de setembro, cedo comecam a perceber que a bota nao bate com a perdigota.

em meyssan podemos confiar.

mais abaixo uma entrevista que ele deu em tempos ao correio da manha

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fecx.images-amazon.com%2Fimages%2FI%2F410TF6X0N0L._BO2%2C204%2C203%2C200_PIsitb-sticker-arrow-click%2CTopRight%2C35%2C-76_SX342_SY445_CR%2C0%2C0%2C342%2C445_SH20_OU02_.jpg&hash=beb739c312af8f501eae1cec382b068f)

Synopsis
An attentive observer of international affairs, Meyssan was intrigued by the anomalies in the first photographs released of the attack on the Pentagon on September 11th 2001, then by the confusion and contradictions in official statements, including some about events at the World Trade Center. As a result, he carried out his own investigation, which lead him from surprise to surprise. Meyssan challenges the entire official version of the September 11th attacks - claiming that the Pentagon was hit, not by a plane, but by a guided missile fired on the orders of far right-wingers inside the US government.

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fecx.images-amazon.com%2Fimages%2FI%2F51yWkHNBEBL._BO2%2C204%2C203%2C200_PIsitb-sticker-arrow-click%2CTopRight%2C35%2C-76_SX342_SY445_CR%2C0%2C0%2C342%2C445_SH20_OU02_.jpg&hash=33586d96c1aea8de3d28bd879cda6a86)

Synopsis
Exactly what hit the Pentagon on September 11th 2001? A Boeing 757-200 - or a cruise missile? Meyssan investigates and, with the aid of official colour photographs, suggests it was not American Airlines flight 77. Detonation or deflagration? Explosive materials are divided into two groups: explosives create a shockwave whose speed of propagation is greater than 6000 feet per second - they "detonate". Explosive materials, whose shockwave speed is lower, do not detonate, they deflagrate. According to Meyssan, the image of the impact on the Pentagon is very instructive in regard to the nature of the explosion. The speed of propagation on the shockwave is very high. The colour of the flame is consistent with an explosive of high energetic power. The explosion does not correspond to a deflagration of kerosene (airline fuel). Nor does the exit hot of the alleged plane - which pierced three separate buildings - add up.


http://citadino.blogspot.co.uk/2006/04/ ... tados.html (http://citadino.blogspot.co.uk/2006/04/thierry-meyssan-realizar-atentados.html)

Citar

Quinta-feira, Abril 20, 2006

Thierry Meyssan - Realizar atentados como o de 11 de Setembro é muito complicado


Entrevista de Thierry Meyssan ao Correio da Manhã em 10 de Setembro de 2002



Thierry Meyssan, 45 anos, estudou Ciência Política, mas trabalhou quase sempre como jornalista, tendo escrito «A Terrível Impostura» e «Pentagate»


Ninguém percebeu até hoje os atentados de 11 de Setembro de 2001, contra o World Trade Center e o Pentágono, mas é certa a intervenção terrorista nos actos. Pouco depois das explosões, Bin Laden e a al-Qaeda foram responsabilizados pelos Estados Unidos e, mais tarde, pelo Mundo. Passados 12 meses, há, porém, quem defenda uma tese diferente. O jornalista e investigador francês, Thierry Meyssan, analisou todas as imagens e informações e chegou à conclusão revolucionária de que nenhum avião caiu no Pentágono, mas antes que o ataque foi feito com um míssil norte-americano.


- O que é que despertou a sua teoria?

- Na sequência dos atentados, perguntei-me quem seriam os responsáveis pelos atentados. Como qualquer jornalista coloquei todas as hipóteses. No entanto, o governo americano responsabilizou logo Osama bin Laden pelos atentados, mas foi incapaz de provar a sua culpa. Ainda pensei que fosse por uma questão de segurança. Nunca pensei que fosse algo organizado, como sei hoje. Nenhum avião caiu no Pentágono.

Fui recolhendo elementos que pudessem servir de prova, embora muitos deles tenham desaparecido, como é o caso da torre 7 ou o anexo da Casa Branca, que são dois atentados muito importantes - noticiados na altura -, mas que desapareceram da versão oficial, sendo esquecidos por todos. A verdade é que existiram.

O que fiz foi reconstituir tudo o que se passou. Quem é que viu primeiro que havia um avião desviado, um controlador aéreo. O que é que ele deveria ter feito? Deveria ter avisado o comando militar de Nova Iorque. De seguida, fui ver o que o comando deveria ter feito. E assim sucessivamente. E verifiquei alguns procedimentos pouco habituais.


- Acha, então, que os americanos são os responsáveis pelos atentados?

- Realizar atentados destes é muito complicado. Numa primeira abordagem, diremos: "São dois aviões que penetraram as torres. É simples". Mas estes aviões não são facilmente manobráveis, muito menos com extraordinária precisão.


- E o Pentágono?

- É impossível ter sido um avião. Segundo a versão oficial, o Boeing caiu no relvado, deslizando até chocar com a fachada. Se ele deslizou tinha de haver um traço no chão e não havia. Não há destroços e as caixas negras ficaram inutilizadas. Centenas de toneladas de metal não desaparecem assim. Podem dizer que com a violência do choque o metal pode derreter-se, mas tinha de haver vestígios.


- Então o que é que aconteceu?

- Quando analisamos bem os estragos e os testemunhos, percebemos que os comportamentos descritos são impossíveis num Boeing. Quando vemos algo a voar a mais de 1000 km/h é impossível distinguir o que quer que seja. Por indicação dos controladores aéreos, 40 minutos antes dos atentados, foi emitido um comunicado informando que um avião 757 se despenhara numa reserva natural, em Ohio, no limite da Virgínia Ocidental. Mais tarde, o vice-presidente Dick Cheney disse na televisão que o avião não caiu em Ohio, mas antes, no Pentágono. O problema é que Ohio fica a mais 2500 km e é impossível um avião percorrer essa distância nos Estados Unidos, sem ser detectado pelos radares ou ser apanhado por aviões caça ou descoberto pelo satélite da NSA (Nacional Securiry Agency).


- Qual é a relação entre Bin Laden e os atentados do 11 de Setembro?

- Osama Bin Laden, como se sabe, trabalhou directamente com os serviços secretos americanos e eu penso que isso ainda hoje acontece e que jamais esses laços foram rompidos. A comunidade internacional pediu provas da culpabilidade de Bin Laden aos Estados Unidos, que disseram que iam fornecê-las rapidamente. Elas, porém, foram só enviadas a Tony Blair (primeiro-ministro inglês) e ao general Mussharaf (presidente do Paquistão). Os dois disseram que estavam convencidos e que se deveria atacar o Afeganistão. Mas com os debates suscitados pelo meu livro, o general Mussharaf mudou de ideias e, numa entrevista, explicou que hoje está certo de que Bin Laden não pode ser o organizador dos atentados.



- Como explica os vídeos de Bin Laden?

- É tudo teatro...


- Mas acha que ele é pago para fazer isso?

- Obviamente que ele é pago para fazer teatro. Os Estados Unidos fabricaram a personagem de Bin Laden. Primeiro, precisaram dele na guerra do Afeganistão contra os soviéticos. Mas ele não é um guerrilheiro, é alguém que geria o financiamento da Arábia Saudita e da CIA e o distribuía pelos 'mujadine'. É um gestor e não um soldado. Depois, se analisarmos o trabalho de Bin Laden constatamos que sempre trabalhou para os americanos e que hoje é um homem doente, que precisa de hemodiálise de mês em mês e meio. Algum tempo antes dos atentados esteve até internado num hospital americano no Dubai (Emirados Árabes Unidos), entre 4 e 14 de Julho de 1991, onde foi visitado pelo responsável da CIA na região. Há testemunhas.


- Para si tudo é muito claro. A verdade é que o Mundo inteiro pensa o contrário.

- Ninguém contesta os elementos que eu reporto, só as conclusões que eu tiro.


- Qual o interesse dos Estados Unidos?

- Não sou juiz, nem magistrado. Não pretendo julgar os culpados, nem sentenciá-los, isso é trabalho da Justiça. Como jornalista tenho é que analisar o significado político disto tudo. O certo é que o 11 de Setembro foi útil a determinados grupos americanos, que, sem serem culpados, são suspeitos.


- Que grupos são esses?

- O lóbi da indústria de armamento, que após os atentados aumentou a sua actividade. O lóbi do petróleo, que tinha planeado há muito uma expedição ao Afeganistão, mas que teve dificuldade em obter a aprovação da comunidade internacional. Depois, há o lóbi farmacêutico, que devido à psicose do antraz conseguiu assinar bons contratos para a produção de vacinas.


- Isso não lhe parece um exagero?

- O crime actual é algo de incompreensível. Mas há mais. Se procurarmos bem encontramos um terceiro edifício que caiu: a torre 7, que não foi atingida por um avião. Lá estava sedeada uma base secreta da CIA. O que quer dizer que milhares de pessoas serviam de escudo humano sem o saberem. Como vê, há vários aspectos dos ataques ao World Trade Center por esclarecer. Por exemplo, porque é que nos edifícios trabalhavam 30 mil pessoas e só morreram 2807, entre elas muitos visitantes. A diferença é surpreendente, mas explica-se pelo facto de muitos trabalhadores terem sido dissuadidos de ir trabalhar ou levados a sair. Mais, descobrimos que os dirigentes de grandes empresas do edifício não estão entre as vítimas. E porquê? Por que nesse dia estavam numa gala de caridade. É muito estranho que tanta gente tenha ido fazer caridade perto do Nebraska, mais propriamente perto da base militar de Offutt.


- Acredita em novos atentados?

- As pessoas que organizaram os atentados do 11 de Setembro são capazes de tudo. Mas só o farão se precisarem mobilizar a opinião pública internacional, como fizeram com o episódio histérico do antraz. Com as pessoas aterrorizadas, foi simples justificar o ataque ao Afeganistão. Por isso, espero que não haja uma nova vaga de atentados, mas se vierem a acontecer terão relação directa com anunciados ataques ao Iraque.


- O que é estar ligado a uma organização terrorista...

- Mas não é uma organização! Muito menos terrorista. A al-Qaeda foi a forma encontrada pelos árabes para criar uma base de dados num computador para processar os pagamentos dos que combatiam contra os soviéticos. Bin Laden recebia o dinheiro da Árabia Saudita e dos Estados Unidos para pagar aos mujadines. Nessa base, estavam os nomes de todos os mujadines e os serviços que eles prestavam. Isto é uma organização?! Não passa de uma base de dados. Dizer isso, é como dizer que todos os jornalistas portugueses são uma organização.


- Como é que tem a certeza disso?

- É fácil! A al-Qaeda foi criada pelos serviços oficiais americanos. Dizer que há milhares de mujadines da al-Qaeda por todo o Globo é como dizer que há jornalistas por todo o Mundo. É a propaganda política que alimenta essa ideia de organização.

Sempre foi assim até ao 11 de Setembro. Há inúmeras análises de especialistas, onde o nome al-Qaeda é um meio e não uma organização. É ridículo pensar que al-Qaeda é uma organização. O que se passa é que os Estados Unidos precisaram fabricar um adversário. Podiam dizer “o nosso adversário é um bando de pessoas necessitadas, que sofreram muito na guerra contra os soviéticos”. Mas isso não mete medo. Por isso, dizem que a al-Qaeda “é uma organização secreta, com gente infiltrada por todo o lado, sempre pronta a organizar um atentado”. Isso já assusta.


- E o Mundo inteiro acredita que é assim.

- Entenda! Uma organização não é um desenho! Rumsfeld, em Janeiro de 2001, uma semana antes de assumir as funções de Secretário da Defesa, declarou já que o inimigo dos Estados Unidos era a al-Qaeda. Disse que era 'uma organização muito poderosa, com milhões de soldados' e explicou que a al-Qaeda já tinha fabricado uma bomba atómica, acrescentando que ela ia lançar um satélite e que era por isso - foi ele que o disse - que os Estados Unidos precisavam de um escudo antimíssil para se protegerem. Agora, diga-me: os jornalistas que estiveram no Afeganistão, se tivessem visto uma base de lançamento de satélites, não o teriam dito!? E se vissem uma central nuclear, não teriam dito!? É um país desolado, com gente que vive como se estivesse na Idade Média. Onde está a organização? Só se for o James Bond a encontrá-la...(risos).


- Se tem provas, nunca pensou em levar o governo norte-americano a tribunal?

- Para quê? Ele não reconhece os tribunais internacionais. Mas também não pode ser um grupo de jornalistas a dizer que os culpados são aquele general ou ministro. Tem de se perceber bem o que é que se passou e colocar os Estados Unidos ao nível dos outros países. Depois, constituir uma comissão de inquérito internacional para investigar quem são os verdadeiros culpados. Se forem estrangeiros, então dar-se-á legitimidade aos Estados Unidos para bombardear esse país. Se os autores estão na América, é que será um sério problema. É obrigatório constituir uma comissão de inquérito, que dê oportunidade para eles provarem a sua versão. Penso que é fundamental saber por que razão eles próprios não propuseram essa ideia, porque não só não formaram uma comissão, como nada fizeram para que a verdade fosse conhecida. Quanto mais não seja para acabar com boatos e rumores, aproveitados para gerar uma enorme especulação bolsista em redor das companhias de seguros e de aviação. Porque é que não desmascaram essa gente? Não, preferiram nada fazer para descobrir a verdade e atacar o Afeganistão e mobilizaram-se, logo, para remover os escombros. Ou seja, não só nunca mostraram provas, como impediram uma investigação internacional e destruíram metodicamente as provas.


- Vai publicar mais livros sobre o assunto?

- A minha investigação continua. Se encontrar mais elementos importantes, é lógico que o farei. Mas há outras coisas importantes, além do 11 de Setembro. Neste momento, penso que é prioritário perceber o que se está a passar no Médio Oriente, sobre as suspeitas que recaem sobre o Iraque e a Arábia Saudita.

seria interessante saber o que os rapazes da turma da chata da filomena e da paulinha das revolucoes tem a dizer sobre o tema. como tem que fazer voto de obediencia ficam pela posicao mais comoda, o silencio, assim nao tem que mentir que e o que consiste a sua profissao.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Dezembro 09, 2013, 04:13:09 pm
Não sei onde deveria colocar isto. Talvez fique bem neste tópico...

Por acaso, encontrei isto, que mostra bem as lavagens ao cérebro que vão naquele país que cada vez mais me enoja, para minha infelicidade.
Além da língua, eles estão a subverter o seu passado.
Pelos vistos, os "brasileiros" julgam que surgiram do ar, e ao que parece, criados pelo G.A.D.O.
Topem-me estas "insignificâncias" para crianças:

http://www.brasilzinho.com.br/historia02.htm (http://www.brasilzinho.com.br/historia02.htm)

Citar
Em Minas Gerais, no século XVIII, os portugueses exploravam ouro e pedras preciosas. Os portugueses, no entanto, queriam ganhar muito dinheiro dos brasileiros. Houve, então, um movimento pedindo a independência do Brasil, feito por um grupo de intelectuais de Minas. A tentativa foi sufocada pelos portugueses. Eles mandaram enforcar, no dia 21 de abril de 1792, o militar Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, um dos integrantes do grupo dos revolucionários. O corpo de Tiradentes foi todo cortado e exposto numa praça de Vila Rica (hoje conhecida como Ouro Preto).

Alguém quererá fazer uma análise à simbologia do desenho?
MUITO interessante e reveladora.
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.brasilzinho.com.br%2Fimg%2Fhistoria_02.gif&hash=656cca521d4b2c1d778fe6dc5f0fa7bf)

Outra pérola:

Citar
"No dia 22 de abril de 1500, ou seja, há mais de 500 anos, o navegador português Pedro Álvares Cabral e sua esquadra de caravelas chegavam ao Brasil. A viagem dos navegadores foi documentada por Pero Vaz de Caminha, um escrivão do rei. Na carta sobre o país, ele escreveu que o Brasil era uma terra muito boa, que “em se plantando tudo dá”. Essa frase, por sinal, é falada até hoje pelos brasileiros. Na chegada ao Brasil, os portugueses fizeram contato com os índios e logo começaram a descobrir — e aproveitar — as riquezas do país. A primeira delas foi o pau-brasil, depois foi a vez dos minérios. Os portugueses não foram o primeiro povo a chegar aqui. Outros navegantes haviam chegado antes ao Brasil. No entanto, foram eles que tomaram posse da terra."

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.brasilzinho.com.br%2Fimg%2Fhistoria_01.gif&hash=7f1b80d59814f6a9a0ef4572db935da5)

Nojo, nojo...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Veritas em Dezembro 09, 2013, 05:06:36 pm
Citação de: "Luso"
Não sei onde deveria colocar isto. Talvez fique bem neste tópico...

Por acaso, encontrei isto, que mostra bem as lavagens ao cérebro que vão naquele país que cada vez mais me enoja, para minha infelicidade.
Além da língua, eles estão a subverter o seu passado.
Pelos vistos, os "brasileiros" julgam que surgiram do ar, e ao que parece, criados pelo G.A.D.O.
Topem-me estas "insignificâncias" para crianças:

http://www.brasilzinho.com.br/historia02.htm (http://www.brasilzinho.com.br/historia02.htm)

Citar
Em Minas Gerais, no século XVIII, os portugueses exploravam ouro e pedras preciosas. Os portugueses, no entanto, queriam ganhar muito dinheiro dos brasileiros. Houve, então, um movimento pedindo a independência do Brasil, feito por um grupo de intelectuais de Minas. A tentativa foi sufocada pelos portugueses. Eles mandaram enforcar, no dia 21 de abril de 1792, o militar Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, um dos integrantes do grupo dos revolucionários. O corpo de Tiradentes foi todo cortado e exposto numa praça de Vila Rica (hoje conhecida como Ouro Preto).

Alguém quererá fazer uma análise à simbologia do desenho?
MUITO interessante e reveladora.
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.brasilzinho.com.br%2Fimg%2Fhistoria_02.gif&hash=656cca521d4b2c1d778fe6dc5f0fa7bf)

Outra pérola:

Citar
"No dia 22 de abril de 1500, ou seja, há mais de 500 anos, o navegador português Pedro Álvares Cabral e sua esquadra de caravelas chegavam ao Brasil. A viagem dos navegadores foi documentada por Pero Vaz de Caminha, um escrivão do rei. Na carta sobre o país, ele escreveu que o Brasil era uma terra muito boa, que “em se plantando tudo dá”. Essa frase, por sinal, é falada até hoje pelos brasileiros. Na chegada ao Brasil, os portugueses fizeram contato com os índios e logo começaram a descobrir — e aproveitar — as riquezas do país. A primeira delas foi o pau-brasil, depois foi a vez dos minérios. Os portugueses não foram o primeiro povo a chegar aqui. Outros navegantes haviam chegado antes ao Brasil. No entanto, foram eles que tomaram posse da terra."

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.brasilzinho.com.br%2Fimg%2Fhistoria_01.gif&hash=7f1b80d59814f6a9a0ef4572db935da5)

Nojo, nojo...

Concordo

Brasil= Confederação judeo-maçonica
Os mestres do Brasil, clique aqui: http://www.bnai-brith.com.br/content/ho ... .asp?nav=1 (http://www.bnai-brith.com.br/content/home/default1.asp?nav=1)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Dezembro 23, 2013, 07:19:23 pm
Citar
Carta a um filho que emigrou
Nicolau Santos / 30 de Setembro de 2013

Não sei, meu filho, como te vai correr a vida, agora que foste à procura de emprego fora de Portugal. Nem a dos teus amigos que estão no Brasil, Inglaterra, Alemanha, Estados Unidos, China, Angola, Moçambique. Sei somente que a tua geração se preparou, esforçou, estudou, trabalhou arduamente para ter um futuro diferente deste. Sei também que houve gerações antes de vossa que lutaram, sofreram, morreram para que este país fosse diferente e que não mais os seus cidadãos tivessem de emigrar para poderem ganhar a vida condignamente.

Sim, eu sei que a tua geração está muito mais bem preparada e é muito mais cosmopolita do que aquelas que emigraram nas décadas anteriores. O mundo para vocês não é algo desconhecido e que atemoriza. E sei que há muita gente que defende que esta emigração é excelente, porque vos coloca perante outras realidades profissionais, vos permite criar uma rede internacional de contactos e vos possibilita experiências que vos tornarão não só melhores especialistas nas vossas áreas como cidadãos do mundo.

Contudo, todos nós deveríamos ter o direito de viver no país onde nascemos. Emigrar por vontade e decisão é uma coisa, emigrar por necessidade e obrigação é outra muito diferente. Mas foi aqui que chegámos de novo: um país que não consegue criar empregos para os seus melhores ou que lhes oferece 700 euros por mês, que forma investigadores e cientistas em catadupa, mas que depois não lhes proporciona emprego nas empresas nacionais, que investe fortemente através dos seus impostos na formação altamente qualificada dos seus jovens e depois os deixa partir sem pestanejar para colocarem os seus conhecimentos ao serviço de outros países.

Sei ainda mais. Sei que vocês não deixam cá mulher (ou marido) e filhos. Vão constituir família nos países para onde foram obrigados a partir, ter filhos por aí, criar raízes noutras latitudes e com outras nacionalidades, o que tornará o regresso bastante mais difícil. Além disso, com a situação económica e etária que o país vive, este vai lenta e melancolicamente afundar-se com uma população de pobres, velhos e doentes, o que obviamente não atrai nem a energia nem a alegria dos jovens, nem o desejo de voltarem a viver por cá. Vocês voltarão algumas vezes pelas férias, mas a vossa vida será definitivamente nos países que vos acolheram e recompensam condignamente o vosso trabalho.

Vocês continuarão ligados a Portugal e vão até valorizar tudo o de bom que existe neste país, esquecendo a mediocridade, a inveja, a avidez, a corrupção, a luxúria, as desigualdades, a burocracia, a incompetência, o desrespeito por reformados, doentes e desempregados. Tentarão saber notícias pela net, ler livros em português, ver algum jogo de futebol nos computadores, enfim, sentirão vontade de estar mais ou menos a par do que por cá se vai passando. Mas pouco a pouco a distância, as exigências profissionais, os compromissos familiares vão sobrepor-se e vocês ir-se-ão distanciando do país e integrando cada vez mais noutras realidades, perante a indiferença da classe política e o incentivo do primeiro-ministro, que desconhece que um país que perde os seus melhores só pode ter um futuro sombrio à espera.

Parafraseando Jorge de Sena, que foi obrigado a exilar-se e sempre sentiu enorme raiva por isso, não sei que mundo será o teu, mas é possível, porque tudo é possível, que seja aquele que desejo para ti. Mas queria que fosses tu a escolhê-lo e não que te obrigassem a emigrar. E isso dói. A ti, a mim, à tua família, aos teus amigos. E devia doer, e muito, ao teu país.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Dezembro 27, 2013, 11:21:36 am
Correção ao plano de Miguel Relvas
Governo recua na privatização de dados

por Valentina MarcelinoOntem26 comentários
Governo recua na privatização de dados

Documentos classificados do Estado já não podem ser guardados em bases de empresas privadas como previa plano do ex-ministro. Também as informações de dados pessoais sensíveis passam a estar mais salvaguardada.

O Governo reformulou o plano que admitia colocar em empresas privadas, através do sistema de cloud computing, bases de dados com documentos classificados e sensíveis do Estado. O polémico plano, que o DN noticiou há cerca de um ano, foi contestado por toda a oposição e levou a uma intervenção da Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), acabando por ser suspenso.

O novo documento da "estratégia para a racionalização dos centros de dados da administração pública - horizonte 2012/2016", a que o DN teve acesso, faz algumas alterações cirúrgicas essenciais, do ponto de vista da segurança das informações do Estado e dos cidadãos, nas soluções admitidas para a desejada redução de despesa. Enquanto no primeiro projeto era considerado "admissível" ou "preferencial" a migração para "nuvens" de empresas privadas de informação secreta e confidencial, no novo plano, estas hipóteses não são admitidas para guardar quaisquer dados classificados. Foi também acrescentada, ao tratamento da informação, uma linha de "dados sensíveis", que são os arquivos com dados pessoais, judiciários, bancários e fiscais, que no anterior plano não tinham atenção específica.

Leia mais pormenores no e-paper do DN.
http://www.dn.pt/inicio/portugal/interi ... id=3604895 (http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3604895)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: listadecompras em Dezembro 28, 2013, 09:16:33 pm
se um ex-top do fbi o diz...

nao abram a pestana  nao







Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 10, 2014, 10:00:45 am
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 14, 2014, 11:25:21 am
:arrow: http://www.dn.pt/politica/interior.aspx ... id=3625857 (http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=3625857)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: P44 em Janeiro 24, 2014, 07:52:51 pm
Um ecossistema

político-empresarial

Portugal 1975-2013

Visualização interactiva das relações de membros de Governos de Portugal com empresas e grupos

 :arrow: http://pmcruz.com/eco/ (http://pmcruz.com/eco/)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 25, 2014, 01:01:12 am
Eu não tenho nada contra, que os políticos depois de terminada a sua carreira politica aceitem cargos em empresas. Agora é importante saber o que eles fizeram por essas empresas enquanto era decisores políticos.  Da mesma forma gostava de saber que ligações e poder ainda mantêm sobre os decisores políticos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Janeiro 28, 2014, 07:19:39 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2F3.bp.blogspot.com%2F-IlXX8g4EUAs%2FUuVtANwpQ8I%2FAAAAAAAAAPc%2FjEu0dE3vg7o%2Fs1600%2F640x426xFrancis-mate-640x426_jpeg_pagespeed_ic_PqFrq3qYTkriding%2Bthe%2Bbus.jpg&hash=1cad8f85b6b07c55b0766cab2ed645cb)

Deve ter sido um momento "Onde é que tenho a carteira?"
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Fevereiro 12, 2014, 02:22:31 am
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 12, 2014, 10:03:00 am
FDP!!! :evil:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 12, 2014, 10:04:22 am
Citação de: "Luso"
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2F3.bp.blogspot.com%2F-IlXX8g4EUAs%2FUuVtANwpQ8I%2FAAAAAAAAAPc%2FjEu0dE3vg7o%2Fs1600%2F640x426xFrancis-mate-640x426_jpeg_pagespeed_ic_PqFrq3qYTkriding%2Bthe%2Bbus.jpg&hash=1cad8f85b6b07c55b0766cab2ed645cb)

Deve ter sido um momento "Onde é que tenho a carteira?"

O senhor é uma estrela... e apesar de se começar a saber algumas coisas... curiosas, enquanto ele manter o foco, para mim não há problema.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Fevereiro 13, 2014, 12:20:57 am
Estejam atentos ao que se passa.
E o que se passa indicia que o que se aproxima será horrível.
Nem sei se realmente vale ainda vale a pena estar atento, na verdade.
Mas vamos mesmo assistir a um crescendo de desumanidade e brutalidade que se tornarão banais.
Não creio que valha mesmo a pena a nossa preocupação com uma sociedade alienada, de mortos-vivos. Há que pensar seriamente em nós próprios e na nossa família directa e ter cuidados redobrados com o que se diz porque o gado que nos rodeia não tardará a apontar o dedo aos que partilham das nossas preocupações que para eles serão estranhas e perigosas.
Há algo profundamente maléfico em todas as coisas "estranhas" que parecem estar a entrar numa fase de aceleração como o culto da morte e da perversidade.
Já não me acredito em "acordares" milagrosos das multidões que nos iriam salvar, no último momento, das trevas que se anunciam, nem que nós, tão poucos, possamos fazer algo contra, mesmo que fôssemos, cem ou mil vezes mais do que somos.
Não me acredito já.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 13, 2014, 11:35:34 am
Acordares milagrosos... essa questão leva outras questões.

Vê os despertares que aconteceram no mundo islâmico, a primeira coisa que muitos fizeram foi questionar quem estava por detrás disto tudo. É uma pergunta legítima e que faz sentido. Numa perspectiva mais branda, foi depois daquela grande manifestação em Lisboa que os Espanhóis fizeram a sua, porque se nós fazíamos eles também fariam!...

Sei que provavelmente estás a escrever esta linhas por causa da decisão Belga em legalizar a eutanásia às crianças e partilho o teu sentimento de revolta e enojamento completo por essa decisão. É bem provável que essa decisão traga essa questão daqui a uns anos a vontade politica da esquerda de implementar a eutanásia em Portugal e passado uns anos depois das pessoas se habituarem e verem como algo "normal" que avancem com a eutanásia às crianças. O modus operandi é bastante conhecido, mas também é bastante eficaz e o povo vai na cantiga... sempre!

Para além disso há esta UE que eles estão a construir sobre a ruina de tantos povos e baseada num fascismo/socialismo que despreza a vontade dos povos europeus.

 :arrow: http://www.telegraph.co.uk/news/worldne ... -euro.html (http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/europe/germany/9981932/Helmut-Kohl-I-acted-like-a-dictator-to-bring-in-the-euro.html)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Fevereiro 20, 2014, 11:22:58 am
Ao cuidado dos meus Amigos.

http://www.homelandsecurityus.com/archi ... more-10482 (http://www.homelandsecurityus.com/archives/10482#more-10482)

Exposing what lies beneath the bodies of dead bankers and what lies ahead for us

By Douglas J. Hagmann

15 February 2014: I feel that this is one of the most important investigations I’ve ever done. If my findings are correct, each of us might soon experience a severe, if not crippling blow to our personal finances, the confiscation of any wealth some of us have been able to accumulate over our lifetimes, and the end of the financial world as we once knew it.  The evidence to support my findings exists in the trail of dead bodies of financial executives across the globe and a missing Wall Street Journal Reporter who was working at the Dow Jones news room at the time of his disappearance.

If the bodies were dots on a piece of paper, connecting them results in a sinister picture being drawn that involves global criminal activity in the financial world the likes of which is almost without precedent.  It should serve as a warning that we are at the precipice of something so big, it will shake the financial world as we know it to its core. It seems to illustrate the complicity of big banks and governments, the intelligence community, and the media.

Although the trail of mysterious and bizarre deaths detailed below begin in late January, 2014, there are others. Not only that, there will be more, according to sources within the financial world. Based on my findings, these are not mere random, tragic cases of suicide, but of the methodical silencing of individuals who had the ability to expose financial fraud at the highest levels, and the complicity of certain governmental agencies and individuals who are engaged in the greatest theft of wealth the world has ever seen.

It is often said that life imitates art. In the case of the dead financial executives, perhaps death imitates theater, or more specifically, the movie The International, which was coincidentally released in U.S. theaters exactly five years ago today.

We are told by the media that the untimely deaths of these young men and men in their prime are either suicides or tragic accidents. We are told what to believe by the captured and controlled media, regardless of how unusual or unlikely the circumstances, or how implausible the explanation. Such are the hallmarks of high level criminality and the involvement of a certain U.S. intelligence agency intent on keeping the lid on money laundering on a global scale.

Obviously, it is important that this topic is approached with the utmost respect for the families of those who died, that they be allowed to grieve for the loss of their loved ones in private. However, it is extremely important that the truth about what is happening in the global financial arena is not kept from us, as we will also be victims of a different nature.

The missing and the dead: a timeline

The following is provided as a chronological list of those who have gone missing or been found dead under mysterious circumstances. It is important to note that this list consists of names of the most recent incidents. There are more that extend back through 2012 and beyond.

January 11, 2014

MISSING: David Bird, 55, long-time reporter for the Wall Street Journal working at the Dow Jones news room, went for a walk on Saturday, January 11, 2014 near his New Jersey home and disappeared without a trace. Mr. Bird was a reporter of the oil and commodity markets which happened to be under investigation by the U.S. Senate Permanent Subcommittee on Investigations for price manipulation.

January 26, 2014

DECEASED: Tim Dickenson, a U.K.-based communications director at Swiss Re AG, was reportedly found dead under undisclosed circumstances.

DECEASED: William Broeksmit, 58, former senior manager for Deutsche Bank, was found hanging in his home from an apparent suicide. It is important to note that Deutsche Bank is under investigation for reportedly hiding $12 billion in losses during the financial crisis and for potentially rigging the foreign exchange markets. The allegations are similar to the claims the institution settled in 2013 over involvement in rigging the Libor interest rates.

January 27, 2014

DECEASED:  Karl Slym, 51, Managing director of Tata Motors was found dead on the fourth floor of the Shangri-La hotel in Bangkok. Police said he “could” have committed suicide. He was staying on the 22nd floor with his wife, and was attending a board meeting in the Thai capital.

January 28, 2014

DECEASED:  Gabriel Magee, 39, a JP Morgan employee, died after reportedly “falling” from the roof of its European headquarters in London in the Canary Wharf area. Magee was vice president at JPMorgan Chase & Co’s (JPM) London headquarters.

Gabriel Magee, a Vice President at JPMorgan in London, plunged to his death from the roof of the 33-story European headquarters of JPMorgan in Canary Wharf. Magee was involved in “Technical architecture oversight for planning, development, and operation of systems for fixed income securities and interest rate derivatives” based on his online Linkedin profile.

It’s important to note that JPMorgan, like  Deutsche Bank, is under investigation for its potential involvement in rigging foreign exchange rates. JPMorgan is also reportedly under investigation by the same U.S. Senate Permanent Subcommittee on Investigations for its alleged involvement in rigging the physical commodities markets in the U.S. and London.

Regarding the initial reports of his death, journalist Pam Martens of Wall Street on Parade astutely exposed the controlled, scripted details of the media accounts surrounding Magee’s death in an article written on February 9, 2014. Ms. Martens writes:

“According to numerous sources close to the investigation of Gabriel Magee’s death, almost nothing thus far reported about his death has been accurate. This appears to stem from an initial poorly worded press release issued by the Metropolitan Police in London which may have been a result of bad communications between it and JPMorgan or something more deliberate on someone’s part.” [Emphasis added].

Ms. Martens also notes:

No solid evidence exists currently to suggest that the death was a suicide. In fact, there is a strong piece of evidence pointing in the opposite direction. Magee had emailed his girlfriend, Veronica, on the evening of January 27 to say that he was about to leave the office and would see her shortly. [Emphasis added].

Based on information she developed, it appears likely that Magee did not meet his fate on the morning his body was discovered, but hours earlier. Considering the possibility that Magee might now have died in the manner publicized, Ms. Martens offers speculation, and notes it as such:

If Magee became aware that incriminating emails, instant messages, or video teleconferences were not turned over in their entirety to Senate investigators or Justice Department prosecutors, that might be reason enough for his untimely death.

Looking at the death of Magee in the context of a larger conspiracy, it is difficult not to suspect foul play and media manipulation.

January 29, 2014

DECEASED: Mike Dueker, 50, who had worked for Russell Investment for five years, was found dead close to the Tacoma Narrows Bridge in Washington State. Dueker was reported missing on January 29, 2014. Police stated that he “could have” jumped over a fence and fallen 15 meters to his death, and are treating the case as a suicide.

Before joining Russell Investments, Dueker was an assistant vice president and research economist at the Federal Reserve Bank of St. Louis from 1991 to 2008. There he served as an associate editor of the Journal of Business and Economic Statistics and was editor of Monetary Trends, a monthly publication of the St. Louis Federal Reserve.

In November 2013, the New York Times reported that Russell Investments was one of several investment companies that were under subpoena from New York State regulators investigating potential “pay-to-play” schemes involving New York pension funds.

February 3, 2014

DECEASED: Ryan Henry Crane, 37, was the Executive Director in JPMorgan’s Global Equities Group. Of particular relevance is that Crane oversaw all of the trade platforms and had close working ties with the now deceased Gabriel Magee of JPMorgan’s London desk. The ties between Mr. Crane and Mr. Magee are undeniable and outright troublesome. The cause of death has not yet been determined, pending the results of a toxicology report.

February 6, 2014

DECEASED: Richard Talley, 57, was the founder and CEO of American Title, a company he founded in 2001. Talley and his company were under investigation by state insurance regulators at the time of his death. He was found in the garage of his Colorado home by a family member who called authorities. Talley reportedly died from seven or eight “self-inflicted” wounds from a nail gun fired into his torso and head.

The enormity of the lie

One must look back far enough to understand the enormity of the lie and the criminality of bankers and governments alike. We must understand the legal restraints that were severed during the Clinton years and the congress that changed the rules regarding financial institutions. We must understand that the criminal acts were bold and bipartisan, and were designed to consolidate wealth through the destruction of the middle class. All of this is part of a much larger plan to establish a one world economy by “killing” the U.S. dollar and consequently, eradicating the middle class by a cabal of globalists that existed and continue to exist within all sectors of our government. The results will be crippling to not just the United States, but the entire Western world.

What began decades ago is now becoming more transparent under the Obama regime. Perhaps that’s the transparency Obama promised, for we’ve seen little else in terms of transparency with regard to the man known as Barack Hussein Obama. For those not locked into the captured corporate media, we’re starting to see the truth emerging. The truth is that we’ve been living under a giant Ponzi scheme and we, the American citizens, are the suckers. As illustrated by the list of dead bankers above, however, the power elite need a bit more time before the extent of their criminality is revealed. The need a bit more time to transfer the remaining wealth from middle-class America to their private coffers. Timing is everything, and a magic act only works when all props are in place before the illusion is performed. Only when their timing is right will the slumbering Americans realize the extent of the illusion by which they’ve been entranced, at which time they will be forced into submission to accept a financial reset that will ultimately subjugate them to a global economy. I contend that this is the reason for the recent spate of deaths, for those who met their tragic and untimely end had the ability to expose this nefarious agenda by what they knew or discovered, or what they would reveal under subpoena and the damage they could cause to the globalist financial agenda.

It is an insult to the public intellect that the media so readily pushes the official line that the deaths were all suicides given the unusual circumstances surrounding nearly all of those listed. This itself should be ringing alarm bells with anyone of reasonable sensibilities, or at last those who are paying the slightest bit of attention to the larger picture. The media is either complicit or completely inept. While incompetence is evident in many areas, even the most inept journalist or media company cannot possible deny what exists directly in front of them. They can only withhold the truth.

Connecting the dots

To understand what is taking place, I contacted a financial source who has accurately predicted many events that we are now seeing taking place, including the deaths of certain financial people for an explanation. In fact, he actually predicted that we would see a “clean-up” of individuals who posed a serious threat to certain too-big-to-fail-or-jail banks and “banksters” a full week before the events began to unfold. Truth be told, I initially greeted his prediction with some skepticism, for such things don’t really happen in the real world, or so the obedient and well-managed media tells me.

“V, The Guerrilla Economist” as he is known in the alternative media, has provided numerous insider alerts for Steve Quayle‘s website and has appeared as a regular guest on The Hagmann & Hagmann Report. He has an undeniable track record for accuracy, which has earned my respect. However, I thought that he had taken temporary leave of his senses when he twice suggested that there will be some house cleaning done of anyone posing a threat to the agenda of certain banks and the globalist agenda on our broadcasts of November 20, 2013 and again on January 10, 2014. In a separate venue, he described what was about to take place by using the analogy of the movie The International. Several dead bodies and a missing journalist later, that analogy has been proven accurate.

The fact is that we are seeing a clean-up where JPMorgan and Deutsche Bank seems to appear at the epicenter of it all. In January, JPMorgan admitted facilitating the Bernie Madoff Ponzi scheme by turning its head to his activities.  Despite this admission, the U.S. Department of Justice under Eric Holder declined to send anyone to jail under a deferred prosecution agreement. Yet this is only the proverbial tip of the iceberg.

In March, 2013, the U.S. Senate Permanent Subcommittee on Investigations released a heavily redacted 307-page report detailing the financial irregularities surrounding the actions of JPMorgan and the deliberate withholding of critical financial information by JPMorgan. Prominent in the mix are the actions of Bruno Iksil, who earned the nickname the “London Whale,” for his “casino bets” of others money that caused billions of dollars in losses. Yet, no cooperation was provided by Dimon’s foot soldiers as they failed to testify or otherwise cooperate with Senate investigators.

Remember the damage control and the deliberate downplaying by Jamie Dimon, who maintained that there was nothing to see here with regard to the “London Whale” criminal activities? What was originally described as a loss of perhaps $2 billion ultimately turned into many more times that, yet the actual numbers are still hidden from the public. Such events occurred under the noses of numerous financial executives who had knowledge that went undisclosed.

As we fast forward to today and the current spate of mysterious deaths, we begin to see that many of those who died existed on the periphery of events in the criminal actions of the financial industry. Moreover, it is reasonable to conclude that they possessed knowledge that if disclosed, could have interrupted the magic act taking place for the awestruck audience, captivated by the carefully crafted words of Yellen, her predecessors and the operatives within government who’s duty it is to regulate whatever is left of our current financial system.

That regulation is now a thing of the past. What we have today is a system of facilitation and co-operation between the largest corporations and financial institutions and the U.S. and our intelligence agencies. We now have the “too-big-to-fails” operating with impunity as a result of an incestuous, if not outright unconstitutional relationship where the banks are acting as operational assets for the CIA, the NYPD, and other intelligence and police agencies.

The JPMorgan-CIA-NYPD connection

Perhaps one of the best kept secrets, at least from the majority of the American public, is the integration and overlap between the “too-big-to-fail-and-jail” banks and the most advanced system of surveillance in the U.S. Would it surprise you to learn that the very banks that brought the United States to the brink of financial collapse in 2008, who looted the American public and continue to engage in what most perceive as criminal behavior in the financial venue not only have ties to the CIA, but are actually partnered with the CIA and NYPD surveillance of all of lower Manhattan? That’s right, the big banks such as JPMorgan, Citigroup and others have their own desks and surveillance monitors at a facility known as the Lower Manhattan Security Coordination Center, located at 55 Broadway, deep in the center of New York’s financial district.

The big banks—the very banks that have been the focus of fraud and corruption investigations have their own system of cameras, more than 2,000 in number, and operate them in tandem with NYPD surveillance cameras at a center that was funded with taxpayer money. Every square inch of lower Manhattan is under surveillance 24/7, not just by NYPD, but by JP Morgan and other members of the so-called “one percent.” Carefully consider the implications of this pact.

JPMorgan Chase and others have had long and quite intimate ties with the CIA. Today, however, the line between the banks that control our financial present and future and police and intelligence agencies no longer exist. This relationship of mutual benefit permits the CIA to use the financial institutions to “handle the money” for their various global initiatives, while it provides the banks a stable of “professional assistants” to handle their “security,” whether such security issues arise in the U.S., London, or elsewhere. Highly trained and skilled CIA operatives now work within the system of interlocked financial institutions that have been at the epicenter of the most egregious crimes involving the theft from our bank accounts and retirement savings.

Please stop and consider this for a moment. The very banks and their top executives who have not only brought the U.S. to the brink of financial collapse and Martial Law, engaged or facilitated in various criminal actions that resulted in fines (but no jail time) for the perpetrators, are working hand-in-hand with the CIA. Not only that, they are working in tandem with the NYPD at their surveillance centers, watching and videotaping every move made by anyone—including potential whistleblowers within their vast purview. By the way, this is no ordinary surveillance or surveillance cameras. You won’t find these cameras on the shelves of your local spy shop. These cameras can focus on the footnotes of a book you might be reading, or the words written on a piece of paper being held by an unwitting person. They employ facial recognition and other advanced visual and data aggregation capabilities, and the extent of their technological abilities is increasing every day.

Additionally, the data is collected and maintained, and files are created of people and groups who are merely going about their daily lives. Equally important, files are created and maintained of problem children and groups, like the Occupy movement and others who lawfully exercise their constitutional rights to protest the actions of the one-percent. Consider this in the context of the Occupy Wall Street protests. where the protesters were not only under police surveillance, but surveillance by the banks and their corporate officers against whom they were protesting. And it was all done with the approval and assistance of the police, in this case the NYPD, and U.S. intelligence agencies.

Now consider the plight of a whistleblower who wants to expose criminality within the ranks of a too-big-to-fail. The institution who is engaged in purported criminality based on the findings of the whistleblower can observe the whistleblower’s every move. Where they go, who they meet and what they are carrying to such a meeting. They can be tracked to a residence, a business, or even to their psychiatrist’s office, place of ill repute, or the residence of some significant other outside of their marriage, all of which would be invaluable for blackmail.

Perhaps the potential whistleblower is clean and free from anything that might dissuade them from revealing what they know, their case could be turned over to the in-house security of former CIA agents for proper disposition. It makes the movie The Firm look like child’s play by comparison.

This is not some fanciful delusion. There is proof of this that exists. The New York Civil Liberties Union (NYCLU) has documented the increasingly extensive surveillance being conducted in lower Manhattan and throughout the city. They have verified that  not only are our constitutional rights being violated every minute of every day, but the fruits of surveillance by police and corporate entities are shared between the police, the intelligence agencies and private financial institutions, without restraint on the distribution on such findings.

Are you engaged in a protesting against the criminality of the one-percent? Well, they one-percent are watching you, and they are literally seated right next to the police. Are you a journalist following up on possible “bankster” corruption by meeting a potential whistleblower? You better understand that the bankster target of your investigation is watching you, in real-time, with the complete approval and cooperation of the police. As documented by the NYCLU, you are likely now “on file,” and all data compiled is maintained and accessible not just to law enforcement, but to the very target of your investigation—in real time.

Such surveillance and integration between big banks, law enforcement and spy agencies is not just limited to lower Manhattan or even the United States. It is also most prevalent in London and other cities where international banking is conducted.

Real-time surveillance and the close working relationship between the “one-percenters,” police and the intelligence agencies gives the targets of criminal probes the ability to be pro-active when necessary. It’s all being done under the pretext of national security when it would appear that the real objective is to insulate the banksters from potential problems that exposure of their criminal actions might cause.

Oh, and don’t forget that  it is us who are paying for this.

Perhaps we would be well advised to not only consider the capabilities of the surveillance apparatus that exists where the big banks and police are working at adjacent surveillance terminals at 55 Broadway and other locations, but the incestuous working relationship between the banks and the CIA when we read about banker suicides.

Do not expect to see any exclusive report on this in the corporate media, for they, as requested have dutifully maintained their code of silence by not showing pictures of the brass name plates that identify the bankster terminals situated adjacent to the police terminals during photo shoots of this super-secret surveillance complex a few years ago. As detailed by the tenacious and indefatigable Pam Martens, journalist for Wall Street on Parade in this article, the captured media took a pass on revealing the whole truth about what’s really going on at 55 Broadway.

What has been revealed here is merely the tip of the iceberg. The tentacles of the corporate elite, facilitated and empowered by the CIA, the NYPD top brass, and other agencies have now covertly and effectively succeeded in invading everything you do. The fruits of this operation are being used to advance their global financial agenda and silence the opposition.

Knowing this, is it possible that the dead bodies that are increasing in number are the results of this joint surveillance operation? You will not find any answers in the mainstream media. The big banks have chosen to remain silent, even in the face of subpoenas, and have yet to face any legal consequences for their contempt. It’s not, however, merely contempt of congress or pseudo-investigative bodies. It’s their contempt of humanity, of you and me, and the victims that lie dead, leaving their families broken and wanting for the truth.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Fevereiro 22, 2014, 12:23:29 pm
Sobre camarate, não sei se já aqui tinha sido colocado.


Este é o modo de operação tipico dos EUA.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 26, 2014, 10:05:47 am
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Fevereiro 28, 2014, 08:13:30 pm

É sobre a Argentina. Mas a partir dos 19´vejam se reconhecem alguma coisa sobre as forças armadas...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 12, 2014, 12:21:31 pm
Mais uns pontinhos a unir:

http://en.wikipedia.org/wiki/Project_fo ... an_Century (http://en.wikipedia.org/wiki/Project_for_the_New_American_Century)
http://en.wikipedia.org/wiki/Victoria_Nuland (http://en.wikipedia.org/wiki/Victoria_Nuland)

O que os une?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Março 12, 2014, 08:21:31 pm
É dos bons "teóricos da conspiração" como o Luso que Portugal precisa    :G-beer2:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 12, 2014, 10:10:18 pm
Mafarrico, isto não são teorias de conspiração. Há documentos, assumidos ou não e factos. Juntando as coisas temos não "teorias de conspiração" mas apenas... jornalismo, não a propaganda e os trabalhitos feitos da mesma maneira que se fazia nas cadeiras de sociologia, desta vez para consumo de parolos e velhinhos tontos.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Pellegrino Ernetti em Março 12, 2014, 11:13:55 pm
Citação de: "Luso"

http://en.wikipedia.org/wiki/Project_fo ... an_Century (http://en.wikipedia.org/wiki/Project_for_the_New_American_Century)
http://en.wikipedia.org/wiki/Victoria_Nuland (http://en.wikipedia.org/wiki/Victoria_Nuland)

O que os une?

Muito fácil:  Robert Kagan marido da judia Victoria Nuland (aquela que disse: "Fuck Europe!").

Robert Kagan è o líder dos neoconservadores e cofundador com William Kristol do think tank "Project for the New American Century"  (PNAC). E é membro  do "Council on Foreign Relations" (CFR).

Tudo isso é oficial.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 13, 2014, 12:35:47 am
Citação de: "Pellegrino Ernetti"
Citação de: "Luso"

http://en.wikipedia.org/wiki/Project_fo ... an_Century (http://en.wikipedia.org/wiki/Project_for_the_New_American_Century)
http://en.wikipedia.org/wiki/Victoria_Nuland (http://en.wikipedia.org/wiki/Victoria_Nuland)

O que os une?

Muito fácil:  Robert Kagan marido da judia Victoria Nuland (aquela que disse: "Fuck Europe!").

Robert Kagan è o líder dos neoconservadores e cofundador com William Kristol do think tank "Project for the New American Century"  (PNAC). E é membro  do "Council on Foreign Relations" (CFR).

Tudo isso é oficial.

O Kristol (também judeu) e "neo-conservador", que faz propaganda pela guerra, sempre contra os inimigos de Israel (um treinador de bancada cujos apelos resultam na morte de muita gente).
Um monstrinho. "Ide e matai aqueles desgraçados. Sim, porque eles têm...er... coiso... Na volta, receber-vos-emos com muitas bandeirinhas, maus serviços de assistência e suspeitas de poderem vir a tornarem-se terroristas. Ide que eu fico aqui a tomar conta disto, que vocês são mais novos".
Boa gente, esta.

William Kristol (born December 23, 1952) is an American neoconservative[1] political analyst and commentator. He is the founder and editor of the political magazine The Weekly Standard and a political commentator on several networks.

Kristol is associated with a number of prominent conservative think tanks. He was chairman of the New Citizenship Project from 1997 to 2005. In 1997, he co-founded the Project for the New American Century (PNAC) with Robert Kagan. He is a member of the board of trustees for the free-market Manhattan Institute for Policy Research, a member of the Policy Advisory Board for the Ethics and Public Policy Center, and a director of the Foreign Policy Initiative. He is also one of the three board members of Keep America Safe, a think tank co-founded by Liz Cheney and Debra Burlingame, and serves on the board of the Emergency Committee for Israel and the Susan B. Anthony List.[2]
(...)
Kristol was a leading proponent of the Iraq War. In 1998, he joined other foreign policy analysts in sending a letter to President Clinton urging a stronger posture against Iraq. Kristol argued that Saddam Hussein posed a grave threat to the United States and its allies: "The only acceptable strategy is one that eliminates the possibility that Iraq will be able to use or threaten to use weapons of mass destruction. In the near term, this means a willingness to undertake military action as diplomacy is clearly failing. In the long term, it means removing Saddam Hussein and his regime from power. That now needs to become the aim of American foreign policy."[11]
(...)
He was a vocal supporter of the 2006 Lebanon War, stating that the war is "our war too," referring to the United States.
(...)
Kristol was an ardent promoter of Sarah Palin, advocating for her selection as the running mate of John McCain in the 2008 U.S. Presidential Election months before McCain chose her.  :roll:
(...)
In response to Iran's nuclear program, Kristol supports strong sanctions. In June 2006, at the height of the Lebanon War, he suggested, "We might consider countering this act of Iranian aggression with a military strike against Iranian nuclear facilities. Why wait?"[19]
(...)
In 2010, Kristol criticized the Obama administration and Joint Chiefs of Staff Chairman Admiral Mike Mullen for an unserious approach to Iran. He wrote, "The real question is what form of instability would be more dangerous — that caused by this Iranian regime with nuclear weapons, or that caused by attacking this regime's nuclear weapons program. It's time to have a serious debate about the choice between these two kinds of destabilization, instead of just refusing to confront the choice."[20]
(...)
In the 2010 affair surrounding the disclosure of U.S. diplomatic cables by WikiLeaks, Kristol spoke strongly against the organization and suggested using "our various assets to harass, snatch or neutralize Julian Assange and his collaborators, wherever they are."[21] In March 2011, he wrote an editorial in the Weekly Standard arguing that the United States' military interventions in Muslim countries (including the Gulf War, the Kosovo War, the War in Afghanistan, and the Iraq War) should not be classified as "invasions", but rather as "liberations".[22][23] Kristol has also backed President Barack Obama's decision to intervene in the 2011 Libyan civil war and urged fellow conservatives to support the action.[24][25][26]


Temos homem. Conheçam melhor aqui o calibre desta gente nestes artigos sobre a Ucrânia: http://www.weeklystandard.com/blogs/ann ... 83671.html (http://www.weeklystandard.com/blogs/annotated-obama_783671.html) e http://www.weeklystandard.com/blogs/put ... 83647.html (http://www.weeklystandard.com/blogs/putin-acts-obama-affirms_783647.html)
Estes incendiários...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Pellegrino Ernetti em Março 13, 2014, 01:44:00 am
Eis um vídeo de junho de 2003.

William Kristol teve o mau gosto de reescrever as palavras de "La Marseillaise" (para gozar com os franceses) e aquilo não agradou ao público que assobiou-o quando foi apresentado por Thierry Ardisson.

N.B: Não esquecer a campanha anti francesa efectuada pelos meios de comunicação social anglo saxão porque a França de Jacques Chirac e Dominique de Villepin não queria participar nesta guerra que começou em março de 2003. Agora sabemos todos que não havia armas de destruição maciça.

(São presentes à esta emissão: o grande reporter: Eric Laurent o tennista Thierry Lecomte, etc.….)

http://www.dailymotion.com/video/xbpnav ... -pnac_news (http://www.dailymotion.com/video/xbpnav_le-neo-con-et-co-fondateur-du-pnac_news)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: papatango em Março 13, 2014, 01:18:31 pm
Citação de: "Pellegrino Ernetti"
.... Agora sabemos todos que não havia armas de destruição maciça.
Considerando a verdade dos factos, o que podemos dizer não é que não havia armas de destruição maciça.

O que podemos dizer é que nunca foram encontradas armas de destruição maciça.
O que é algo muito, muito diferente.

Lembro que a Siria também jurava a pés juntos que não tinha armas químicas...
Desde o tempo do Bush, que protestava nas Nações Unidas afirmando que não as tinha.

As que agora entregou, eram afinal bombas de águarás.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Março 13, 2014, 09:19:11 pm
Parafraseando o que eu ouvi da boca do Assad foi isto - Não vamos falar sobre armas químicas porque é um assunto de segurança interna.

Quem diz que o regime de assad jurava a pés juntos que não tinha armas quimicas a única coisa que pode fazer para não passar por mentiroso é indicar as fontes onde tais afirmações se encontram. Fontes oficiais e fidedignas de preferencia , ou seja, areamilitar não conta.

Sobre as armas de destruição maciça do iraque o que podemos dizer é que há pessoas que aindam acreditam que o Elvis Presley está vivo.

(ia-me esquecendo, aproveitem e perguntem também aos israelitas sobre o seu arsenal químico.)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Pellegrino Ernetti em Março 14, 2014, 10:57:08 pm
Citação de: "papatango"
Citação de: "Pellegrino Ernetti"
.... Agora sabemos todos que não havia armas de destruição maciça.
Considerando a verdade dos factos, o que podemos dizer não é que não havia armas de destruição maciça.

O que podemos dizer é que nunca foram encontradas armas de destruição maciça.
O que é algo muito, muito diferente.

Lembro que a Siria também jurava a pés juntos que não tinha armas químicas...
Desde o tempo do Bush, que protestava nas Nações Unidas afirmando que não as tinha.

As que agora entregou, eram afinal bombas de águarás.

 :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  

Felizmente, o ridículo não mata...!

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg15.hostingpics.net%2Fpics%2F833377armesdestructionmassive222222222204db1.gif&hash=88c6c87b07d8464fa44fa993d6388ca2) (http://http)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg15.hostingpics.net%2Fpics%2F250949images333.jpg&hash=8ffbd050eff1bff082dbcb2c83a9bf35) (http://http)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Março 14, 2014, 11:38:02 pm
Citação de: "mafarrico"
(ia-me esquecendo, aproveitem e perguntem também aos israelitas sobre o seu arsenal químico.)

Ou melhor ainda, pelo arsenal nuclear.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 20, 2014, 12:05:26 pm
Citar
Concluído acordo sobre a união bancária na UE

Parlamento Europeu e os estados da União Europeia (UE) alcançaram hoje um acordo sobre a união bancária, depois de uma noite de negociações, anunciou o grupo PPE (direita) num comunicado.
Este acordo político refere-se à liquidação ordenada de bancos da zona euro e tem como objetivo fazer com que o fardo financeiro caia sobre o setor bancário e não sobre os contribuintes.

"Foi encontrado um acordo hoje de manhã cedo, depois de 16 horas de negociações", indicou o grupo PPE num comunicado.

A liquidação de bancos é o segundo pilar da união bancária, depois da supervisão única de bancos da zona euro, que será assegurada a partir do final deste ano pelo Banco Central Europeu (BCE).

Este acordo alcançado depois de grandes lutas representa "uma proteção real contra as falências bancárias", explicou hoje o ministro das Finanças francês, Pierre Moscovici.

O acordo político surgiu poucas horas antes do início de uma cimeira de chefes de Estado e de governo dos 28 em Bruxelas e no limite do prazo para poder ser aprovado pelo Parlamento Europeu em meados de abril, na última sessão plenária da legislatura.

Caso o prazo não tivesse sido respeitado, o conjunto do texto teria de ser renegociado com a próxima composição do Parlamento, implicando uma grande perda de tempo na adoção da união bancária.

Um compromisso entre os estados já tinha sido difícil em dezembro devido à intransigência da Alemanha, cujas posições se mantiveram até ao fim muito longe das do Parlamento.

Os pontos de fricção referiam-se, em particular, ao mecanismo da tomada de decisão e ao ritmo do crescente poder do fundo que será adotado e constituído pelos bancos para acompanhar as falências do setor.

MC // ATR

Lusa, publicado por Patrícia Viegas
publicado a 2014-03-20 às 10:59


Como diz a minha mulher quando a minha filha faz birra:

- Quem manda?

- Os Pais (Alemanha).
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: vmpsm em Março 21, 2014, 09:50:40 am
Citar
"Os idosos não produzem e são fonte de despesa"

Esta sexta-feira, o site do Expresso publica o último excerto dos dois novos livros de Maria Filomena Mónica, que olham para o interior de uma sala de aula. Amanhã, há entrevista na "Atual".

Maria Filomena Mónica pediu a oito professoras e quatro alunas que a ajudassem a espreitar pelo buraco da fechadura para dentro de uma sala da aula. Daqui resultaram dois livros: "A Sala de Aula", análise da socióloga a partir do material que lhe foi chegando às mãos, e "Diários de Uma Sala de Aula", edição da coleção dos diários que as professoras, alunas e também uma mãe foram escrevendo. As duas obras foram lançadas ontem no Centro Cultural de Belém, pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. Amanhã publicamos, na edição do suplemento "Atual", uma entrevista com a socióloga. Hoje, avançamos uma passagem do diário de uma das professoras.

EXCERTO:

"Se, por um lado, elogiavam e enalteciam os avanços da ciência, o esforço de médicos e cientistas para prolongar com qualidade a vida humana, por outro, consideravam que, em termos económicos, isto constituía uma fatalidade. Segundo as suas palavras, os "idosos" não produzem e são fonte de despesa porque necessitam de cuidados médicos contínuos. Acrescendo o facto de se verificar um enorme desvio de verbas do orçamento geral do Estado para as suas reformas, talvez a morte fosse a melhor solução para todos aqueles que sentem que já não são úteis para a sociedade a que pertencem. Em suma, os idosos contribuíam, decisivamente, para a falência do sistema de Segurança Social. De acordo com os pontos de vista enunciados, também não parecia justo deixar viver quem já não encontrava um sentido para a sua própria existência, reconhecendo a sua perda de capacidades. A maior parte dos idosos que conheciam eram pessoas deprimidas. Porquê viver com semelhante angústia? Confessei que não esperava tanta insensibilidade. Compreendia que nesta fase das suas vidas, plena de força e de sonhos, seria difícil conceber uma existência diferente. Perguntei-lhes se, em algum momento, tinham imaginado o seu próprio futuro. Como seria a sua vida em 2072? Estariam preparados para aceitar, estoicamente, a morte?

"Quem pensa nisso, professora? Não se tem esses pensamentos aos 17 anos" - sentenciou o Daniel. A Maria reconheceu que talvez houvesse alguma frieza, um pouco de crueldade no tratamento da temática. Mas esta era a verdade partilhada por todos. Era do conhecimento geral que a maior parte das famílias coloca os avós num lar, onde quase nunca os vão visitar. Para quê viver assim, à espera da morte? Ela preferia não vir a conhecer essa realidade. Viver com pouca qualidade de vida não lhe parecia justo. Havia toda uma sorte de doenças motivadas por estados de demência, que nenhum ser humano merece conhecer por experiência própria. A ciência deve ajudá-los a morrer com dignidade... Meu Deus, e é a Maria uma forte candidata a Medicina. A Daniela achou que eu tinha reagido negativamente aos argumentos apresentados porque, aos 50 anos, eu também já estava muito perto de atingir os anos dourados da terceira idade."

Catarina, professora, em ""Diários de Uma Sala de Aula" (Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2014)"

http://expresso.sapo.pt/os-idosos-nao-produzem-e-sao-fonte-de-despesa=f861802
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Março 21, 2014, 12:41:56 pm
Lá estão eles a começar a vender a eutanásia!
Vindo do Expresso não é de espantar.
Essas "modas", podem chegar mais tarde aqui, mas acabam por chegar.
Brevemente teremos os do costume (BE) a lançar o "amplo debate sobre o tema".
Que curiosamente e por "coincidência" também serve aos neoliberais do Expresso e aos amigos do dono.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Edu em Março 31, 2014, 05:02:23 pm

Não sabia bem onde colocar este, mas fica aqui.

O Manuel Monteiro é talvez um dos únicos políticos portugueses que não se deixou vender, e por isso foi afastado da política.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 01, 2014, 02:37:21 pm
Eu tenho saudades do CDS desses tempos... depois o tipo colocou o Paulinho das feiras no partido e foi o que foi! :evil:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Abril 02, 2014, 11:06:58 am
Atenção aos preconceitos e à propaganda a que estamos sujeitos...

http://abundanthope.net/pages/Political ... nter.shtml (http://abundanthope.net/pages/Political_Information_43/What-do-Jewish-supremacists-say-about-us-Gentiles_printer.shtml)

Citar
Political Information
What do Jewish supremacists say about us Gentiles?
 By Streicher's Ghost
 Sep 11, 2013 - 4:58:16 AM


Well, it’s a trick, we always use it. When from Europe somebody is criticizing Israel, then we bring up the Holocaust. When in this country people are criticizing Israel, then they are anti-Semitic. And the [Jewish] organization is strong, and has a lot of money, and the ties between Israel and the American Jewish establishment are very strong and they are strong in this country, as you know. And they have power, which is OK. They are talented people and they have power and money, and the media and other things, and their attitude is ‘Israel, my country right or wrong,’ identification. And they are not ready to hear criticism. And it’s very easy to blame people who criticize certain acts of the Israeli government as anti-Semitic, and to bring up the Holocaust, and the suffering of the Jewish people, and that is justify everything we do to the Palestinians.

Shulamit Aloni, former Israeli minister, Democracy Now, August 14, 2002

**************


Gene Simmons says gentiles are for manual labor

"That's what gentiles are for." - Gene Simmons (born Chaim Witz in Haifa, Israel)

This 50" video clip was published by NowSwimBack14 on May 22, 2011: http://www.youtube.com/watch?v=wEbhdNJq ... bedded#t=0 (http://www.youtube.com/watch?v=wEbhdNJqw4g&feature=player_embedded#t=0)

Publisher's comments:

Gene Simmons (born Chaim Witz in Haifa, Israel) expresses the Jewish opinion of Gentiles (non-Jews).

******************


The Jew … Judaizes … he provokes religious indifference, but he also imposes on those whose faith he destroys, his own concept of the world, of morality, and of human life … The Jews detests the spirit of the nation in the midst of which they live.

Bernard Lazare, in Antisemitism


We Jews, we are the destroyers and will remain the destroyers. Nothing you can do will meet our demands and needs. We will forever destroy because we want a world of our own.

Maurice Samuel, You Gentiles (1924)


Goyim were born only to serve us. Without that, they have no place in the world – only to serve the People of Israel.

Why are gentiles needed? They will work, they will plow, they will reap. We will sit like an effendi and eat. That is why gentiles were created.

Rabbi Ovadia Yosef, Jerusalem Post, october 10, 2010. Yosef is the former Sephardi Chief Rabbi in the Jewish state, and currently the spiritual leader of the Knesset party Shas. He is known to be an important authority on Jewish law.


If every simple cell in a Jewish body entails divinity, is a part of God, then every strand of DNA is a part of God. Therefore, something is special about Jewish DNA.

If a Jew needs a liver, can you take the liver of an innocent non-Jew passing by to save him? The Torah would probably permit that. Jewish life has an infinite value. There is something infinitely more holy and unique about Jewish life than non-Jewish life.

Rabbi Yitzhak Ginsburg, Jewish Week, april 26, 1996


Any trial based on the assumption that Jews and goyim are equal is a total travesty of justice.

Rabbi Yitzhak Ginsburg, June 6, 1989


Here in the Land of Israel, an Arab hos no right to exist. [The Jewish terrorist Baruch] Goldstein’s deed [killing 29 Muslims] constitutes a fulfillment of a number of com-mandments of Jewish law…[including] taking revenge on non-Jews.

Rabbi Yitzhak Ginsburg, Ha’aretz, Israel, Nov. 05, 2003


I am sorry not only about dead Arabs but also about dead flies.

Rabbi Moshe Levinger, cited in Jewish Fundamentalism in Israel by Israel Shahak


The difference between a Jewish soul and souls of non-Jews–all of them in all different levels–is greater and deeper than the difference between a human soul and the souls of cattle.

Rabbi Avraham Yitzhak Kook, once Chief Rabbi in Palestine, cited in Shahak, Jewish Fundamentalism in Israel


Kill [even] the good among the Gentiles.

Rabbi Shimon ben Yochai, quoted in Mechilta Midrash


The white race is the cancer of human history.

Susan Sontag (Rosenblatt), Partisan Review, Winter 1967


Treason to whiteness is loyalty to humanity.

The goal of abolishing the white race is on its face so desirable that some may find it hard to believe that it could incur any opposition other than from committed white supremacists.

We intend to keep bashing the dead white males, and the live ones, and the females too, until the social construct known as ‘the white race’ is destroyed, not ‘deconstructed’ but destroyed.

Noel Ignatiev, Harvard Magazine, Sep-Oct 2002


Even if reason tells us, even shouts with all its force the very absurdity of this confrontation between the small and insignificant people of Israel [i.e, all Jewry worldwide, not just “the State of Israel”] and the rest of humanity… as absurd, as incoherent and as monstrous as it may seem, we are engaged in close combat between Israel and the Nations – and it can only be genocidal and total because it is about our and their identities.

Yitzhak Attia, Israel Magazine, april 2003


Let’s be honest with ourselves, here, fellow Jews. We do control the media. We’ve got so many dudes up in the executive offices in all the big movie production companies it’s almost obscene. Just about every movie or TV show, whether it be “Tropic Thunder” or “Curb Your Enthusiasm,” is rife with actors, directors, and writers who are Jewish. Did you know that all eight major film studios are run by Jews? But that’s not all. We also control the ads that go on those TV shows.

The time has come, though. We no longer have to change our names. We no longer have to blend in like chameleons. We own a whole freaking country.

Manny Friedman, Times of Israel, july 1, 2012


Jews totally run Hollywood.

The Jews are so dominant, I had to scour the trades to come up with six Gentiles in high positions at entertainment companies. When I called them to talk about their incredible advancement, five of them refused to talk to me, apparently out of fear of insulting Jews. The sixth, AMC President Charlie Collier, turned out to be Jewish. As a proud Jew, I want America to know about our accomplishment. Yes, we control Hollywood.

But I don’t care if Americans think we’re running the news media, Hollywood, Wall Street or the government. I just care that we get to keep running them.

Joel Stein, Los Angeles Times, december 19, 2008


Accordingly, if we see an idolater (gentile) being swept away or drowning in the river, we should not help him. If we see that his life is in danger, we should not save him.

Maimonides, in Mishnah Torah


Gentile souls are of a completely different and inferior order. They are totally evil, with no redeeming qualities whatsoever. Their material abundance derives from supernal refuse. Indeed, they themselves derive from refuse, which is why they are more numerous than the Jews.

Schneur Zalman of Liadi, founder of Chabad-Lubavitch


The body of a Jewish person, is of a totally different quality from the body of members of all other nations of the world. Bodies of the Gentiles are in vain. An even greater difference is in regard to the soul. A non-Jewish soul comes from three satanic spheres, while the Jewish soul stems from holiness.

Mendel Schneerson, influential Chabad rabbi


A Jew is intrinsically good.  A Jew is a part of God above.  Even if at times he strays it is not because he has become evil.  It is only that there is evil within him that he has to cleanse. However, to separate with a million degrees of separation, a Gentile is an impure thing.  The entire essence of the Gentile is evil and impure.  Even if he occasionally does good deeds he does not thereby become good.  As the Holy Light of Life says regarding Gentiles, even such a one who is very careful in his actions does not obtain any degree of holiness thereby.

As is also well known, even educated Gentiles who guarded themselves because of their clear understanding of what is right, nonetheless failed when they were tested, because a Gentile has no power for goodness within him.

On the contrary, the evil thoughts of Gentiles contaminate the world’s atmosphere and create ordeals for Jewish children. As the Remnant for Pinchos says, the thoughts of Gentiles, even when they are dead, still linger in and contaminate the atmosphere.

He says that to be protected from this there is only one solution: to completely despise the thoughts of Gentiles and to realize that all their thoughts are only evil.  Consequently, Gentiles, whose thoughts bring upon us ordeals, may be hated.

The nature of the righteous ones is to hate Gentiles.

A Gentile is impure, as we have mentioned, and he defiles one who speaks to him and this brings evil upon a person.

No one wants to become connected to a Gentile, God forbid.

Certainly, beyond any doubt, a Gentile whose whole nature is essentially evil, looking at his appearance is defiling.

Gentiles are referred to as “wicked waters” while Jews are akin to fire.

Yalkut Shaiylos u’Teshuvos


Germans are not human beings. Henceforth the word German means to us the most terrible curse. From now on the word German will trigger your rifle. We shall not speak any more. We shall not get excited. We shall kill. If you have not killed at least one German a day, you have wasted that day. …

If you kill one German, kill another – there is nothing more amusing for us than a heap of German corpses. Do not count days; do not count miles. Count only the number of Germans you have killed. Kill the German – this is your old mother’s prayer. Kill the German – this is what your children beseech you to do. Kill the German – this is the cry of your Russian earth. Do not waver. Do not let up. Kill.

Ilya Ehrenburg, Soviet Jewish journalist, Vojna (1942-43)


Each of you, Jew and Gentile alike, who has not already enlisted in this sacred war should do so now and here. It is not sufficient that you should buy no goods made in Germany. You must refuse to deal with any merchant or shopkeeper who sells any German-made goods or who patronises German ships or shipping…. we will undermine the Hitler regime and bring the German people to their senses by destroying their export trade on which their very existence depends.

Samuel Untermyer, Radio Broadcast on WABC, New York, August 6, 1933


I believe, that the Jews have a mission in life. They must see to it that the nations of the world get together in one vast federation. ‘Union Now’ is the beginning of this. Slowly but surely the world will develop into a paradise. We will have perpetual peace. And the Jews will do the most to bring about this confederation, because they have the most to gain. But how can you get peace if Germany exists?

Theodor Kaufman, The Canadian Jewish Chronicle, September 26, 1941, p.5


The Jews know we’re better than everyone else. We’re the chosen people.

James Deen, porn actor, Forward, February 12, 2013


What is the object of the Jew’s worship in this world? Usury. What is his worldly god? Money.

Karl Marx, On the Jewish Question


Like thousands of other typical Jewish kids of my generation, I was reared as a Jewish nationalist, even a quasi-separatist. Every summer for two months for 10 formative years during my childhood and adolescence I attended Jewish summer camp. There, each morning, I saluted a foreign flag, dressed in a uniform reflecting its colors, sang a foreign national anthem, learned a foreign language, learned foreign folk songs and dances, and was taught that Israel was the true homeland. Emigration to Israel was considered the highest virtue, and, like many other Jewish teens of my generation, I spent two summers working in Israel on a collective farm while I contemplated that possibility. More tacitly and subconsciously, I was taught the superiority of my people to the gentiles who had oppressed us. We were taught to view non-Jews as untrustworthy outsiders, people from whom sudden gusts of hatred might be anticipated, people less sensitive, intelligent, and moral than ourselves.

Stephen Steinlight, The Jewish Stake in America’s Changing Demography, October 2001


There must be no assimilation. We are a peculiar people, and a peculiar people we must remain.

Basil M Henriques, South African “Zionist Record” January 29, 1939


Europe thinks as Jews; all her society is Jewish or is controlled by Jews…. There is no program, no idea or conviction a European has that is his own— they all come from the Jews.

Samuel Roth, New York 1927


Why should the Arabs make peace? If I were an Arab leader, I would never make terms with Israel. That is natural: we have taken their country. Sure, God promised it to us, but what does that matter to them? There has been anti-Semitism, the Nazis, Hitler, Auschwitz, but was that their fault? They only see one thing: we came here and stole their country. Why should they accept that?

David Ben-Gurion


The whole history of American Jewry is a tribute to the power of Jewish nepotism.

Adam Bellows


There is no place in modern Europe for ethnically pure states. That’s a 19th century idea and we are trying to transition into the 21st century, and we are going to do it with multi-ethnic states.

Wesley Clark, retired General who commanded Operation Allied Force in the Kosovo War


The strengthening of multicultural or diverse Australia is also our most effective insurance policy against anti-Semitism. The day Australia has a Chinese Australian Governor General I would be more confident of my freedom to live as a Jewish Australian.

Miriam Faine, editor of Australian Jewish Democrat


The Census Bureau has just reported that about half of the American population will soon be non-white or non-European. And they will all be American citizens. We have tipped beyond the point where a Nazi-Aryan party will be able to prevail in this country. We [Jews] have been nourishing the American climate of opposition to ethnic bigotry for about half a century. That climate has not yet been perfected, but the heterogeneous nature of our population tends to make it irreversible …


Earl Raab. Writer, previously Executive Director of the Jewish Community Relations Council


The non-Europeanization of America is heartening news of an almost transcendent quality.

Ben Wattenberg, writer and journalist


Some time in the distant future, brown people are probably going to — and I say this without judgment — breed their way to power in both Europe and America. Arab populations are growing in countries like France and Holland, and I think we all see where this Mexican thing is going in America. That’s right, because they fuck more, the darker skinned people are going to rule the world, and white people, for their own self-preservation, should get a start on being nice to them now! Nice!

Bill Maher, author, TV host, “comedian”


American Jews are committed to cultural tolerance because of their belief—one firmly rooted in history—that Jews are safe only in a society acceptant of a wide range of attitudes and behaviors, as well as a diversity of religious and ethnic groups. It is this belief, for example, not approval of homosexuality, that leads an overwhelming majority of U.S. Jews to endorse ‘gay rights’ and to take a liberal stance on most other so-called ‘social’ issues.

Charles Silberman, writer and journalist


… historically, Jews had always thrived in nations and empires with multicultural, pluralistic and tolerant environments, while they fared badly in strong ethnic or nationalistic societies. European Jews have always been the emblematic stranger or ‘other’. Therefore, by definition, a society where the stranger is welcome is good for the Jews, although they have not always appreciated this link. … The future of European Jewry is dependant on our ability to shape a multicultural, pluralistic and diverse society.

Göran Rosenberg, author and journalist


I think there’s a resurgence of antisemitism because at this point in time Europe has not yet learned how to be multicultural, and I think we’re gonna be part of the throes of that transformation, which must take place. Europe has not yet learned how to be multicultural. Europe is not going to be the monolithic societies that they once were in the last century. Jews are going to be at the center of that. It’s a huge transformation for Europe to make. They are now going into a multicultural mode, and Jews will be resented because of our leading role. But without that leading role, and without that transformation, Europe will not survive.

Barbara Spectre, director the Jewish organization Paideia
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Abril 04, 2014, 04:05:49 pm
Russia Is Dominated By Global Banks, Too

Thursday, 03 April 2014 04:16    Brandon Smith

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.alt-market.com%2Fimages%2Fstories%2Fputin%2520wink.jpg&hash=fa11d5cca8332e0411bb8ba242ef4b20)

Citar
Numerous cultures have had holidays dedicated to the celebration of pulling the wool over the eyes of others, from the ancient Romans, to early Muslims, to medieval Christians, to Americans and Europeans today. As April begins, we once again turn a mischievous eye to the concept of the fool and, as always, each person seeks to be the prankster and never the victim.

Unfortunately, even the most vigilant of Americans can sometimes be led astray by a clever ruse, and I believe this is taking place today in the Liberty Movement’s perception of the rising “tensions” between Russia and the West.

In my article Ukraine Crisis: Just Another Globalist-Engineered Powder Keg, I outlined the history of false paradigms and engineered conflicts between numerous nations, including how these conflicts are exploited by global money interests to consolidate and centralize social and political power. The birth of communist Russia, in particular, was directly funded by Western banks and supported with arms and military aid from the U.S. government itself. These sorts of startling facts are not taught in schools and universities exactly because the continued dominance of the money elite relies on continued misrepresentations of legitimate history.

Many in the Liberty Movement have studied and are well aware of the central banking cabal and its stranglehold on the U.S. and Europe. But strangely, some people refuse to acknowledge the substantial possibility that global bankers are also in control of Russia and are playing both sides of the burgeoning economic war.

As the Ukrainian crisis festers and other dangers in the Pacific and the Mideast grow, an odd consensus among alternative analysts is taking hold — namely the belief that President Vladimir Putin and Russia represent some kind of opposition to globalization and the rule of corporate financiers. Perhaps moments in Putin’s rhetoric and the existence of media outlets like RT have seduced elements of the Liberty Movement into assuming that Russia is a “victim” in the grand schemes of Western oligarchy and that Russia is truly the "white knight", the underdog willing to stand up against the New World Order. I’m sorry to say that nothing could be further from the truth.

Russia is just as much a tool of the global elite today as it was after the Bolshevik Revolution, and Vladimir Putin is just as much a socialist puppet as Barack Obama. Let’s start from the beginning of the rebirth of Russia as a regional federation in the 1990s after the fall of the Warsaw Pact.

Mikhail Gorbachev, the leader largely credited with the ultimate dismantling of the Soviet Union and the rise of the “new” Russia, has long been a proponent of the “New World Order” (his words) and centralized global government. In an address entitled “Perspectives On Global Change” to the students of Lafayette College in Easton, Penn., Gorbachev argued that such a solution was necessary to safeguard “freedom.”


“The opportunities that existed after the end of the Cold War… were not used properly. At that same time, we saw that the entire world situation did not develop positively. We saw deterioration where there should have been positive movement toward a new world order.”

He continued:

“But we still are facing the problem of building such a world order. We have crises: we are facing problems of the environment, of backwardness and poverty, of food shortages. All of these problems are because we do not have a system of global governance.”

When asked in 1995 by San Francisco Weekly what Gorbachev meant by the phrase “New World Order,” Jim Garrison, the executive director of the Gorbachev Foundation stated, bluntly that Gorbachev wanted nothing less than global government.

"Over the next 20 to 30 years, we are going to end up with world government. … It’s inevitable. It will happen and become just as normal to have a relationship with the rest of the world as we now have, say, if you are a Californian and you go to Vermont."

Take note that it has now been almost 20 years since Garrison's assertion and the motions towards a global currency are picking up great speed.  Gorbachev saw global government being achieved through international organizations like the United Nations, the International Monetary Fund and the World Bank. But, is this vision of the New World Order limited only to Gorbachev and his inner circle? At the Gorbachev-led State of the World Forum in 1995, Council On Foreign Relations member Zbigniew Brzezinski had this to say:

“We do not have a New World Order. … We cannot leap into world government in one quick step. … In brief, the precondition for eventual globalization — genuine globalization — is progressive regionalization, because thereby we move toward larger, more stable, more cooperative units.”

In Zbigniew K. Brzezinski’s book Between Two Ages: America’s Role In The Technetronic Era, he elaborates on the ideology behind what brand of government the New World Order would be:

"The nation-state is gradually yielding its sovereignty… More intensive efforts to shape a new world monetary structure will have to be undertaken."

"National sovereignty is no longer a viable concept… Marxism represents a further vital and creative state in the maturing of man’s universal vision. Marxism is simultaneously a victory of the external, active man over the inner, passive man and a victory of reason over belief…"

Brzezinski seems to be in total agreement with Gorbachev, but why should anyone care what Brzezinski thinks about the future of American sovereignty? Perhaps it’s because he is a close and influential foreign policy adviser to Obama.

So we have now established that political interests on both sides since the 1990s have called for a New World Order and global government taking a decidedly socialist or Marxist form. Some people might applaud this kind of future, or they might despise it; but the fact remains that this plan is indeed being openly promoted and implemented by government officials and elitists in the East and the West. It is undeniable.

From its very inception, the new Russia was designed to become a catalyst for global governance, but global governance by whom? As they say, always follow the money.

Russia is more beholden to international bankers than perhaps any nation on the planet. After the collapse of the Russian economy and the dissolution of the old Soviet Union, the country was in dire straits. From 1992 to 1996, the IMF intervened in the Russian economy, offering more than $22 billion in aid (officially). This first loan package was presented as a failure when Russia defaulted on its debts, and loans from the IMF restarted through the late ’90s until this very day.

Many people are aware of the IMF involvement in Russia, but few know about the scandal surrounding where those IMF funds specifically went. In 1999, information was made public on the diversion of IMF cash into the coffers of Russian corporate elites, politicians, and even mobsters. This money was supposed to go toward the rebuilding of Russian infrastructure and economy. Instead, the aristocracy and criminal underworld were receiving a large cut of the funds.

The money was diverted and laundered through the Bank of New York, an institution founded in 1784 by none other than internationalist agent and central bank promoter Alexander Hamilton. The bank changed ownership through merger in 2007 and is now called The Bank Of New York Mellon.

The IMF’s first response to the scandal was to divert blame, stating that it had no control over the cash once it was in the hands of the Central Bank of Russia (CBR). After continued revelations on funds being misused or disappearing altogether, the IMF commissioned PricewaterhouseCoopers to audit the CBR. The results of that audit have never been made public. However, in 1999 the Russian government admitted that it had hidden more than $50 billion offshore in a subsidiary bank in the Channel Islands. Part of this money came from IMF bailouts. The former chairman of the CBR, Sergey Dubinin, insisted that the IMF was fully aware of who the funds were going to.

Numerous officials from the chief state auditor to the minister of internal security to the prosecutor general of Russia had come forward with information that corroborated evidence that IMF money was being distributed to the wrong people. The chairman of the Duma Committee on Security stated that some of the IMF loans never made it to Russia. Rather, the money was pumped into the secret foreign accounts of Russia’s highest officials.

Despite all of the admissions and evidence, IMF auditors refused to cite any corruption or malfeasance during their investigations. One would think that they would do everything in their power to find out where their funds went and why. The reason for the cover-up is obvious: The IMF knew exactly who the money was going to. The first bailouts of Russia were designed to buy the cooperation of the Russian political and corporate elite and ensure that the future direction of the nation would follow the globalist plan.

Fast-forward to the present. Putin continues the subversive relationship between Russia and the IMF. In 2009, Putin called for the creation of a “super reserve currency” under the control of the IMF and using the IMF’s Special Drawing Rights basket as a foundation.

Why would Putin, a supposedly anti-globalist nationalist leader, want the IMF, a supposedly U.S.-controlled institution, to be the global purveyor and overlord of the world economy? It’s because the IMF is not a U.S.-controlled institution; it is a banker-controlled institution. And Putin is a globalist, not a nationalist.

The recent break of Crimea from Ukraine and secession to Russia was partly instigated by the vast concessions required by the IMF if loans to Ukraine were to move forward. One of these concessions included the handing over of Ukrainian gas pipelines to America’s Chevron. Crimean leaders accused Kiev politicians of selling out Ukraine to the global bankers.

However, it was actually Russia’s finance minister and Putin who first pushed for the IMF bailout of Ukraine. It was, in fact, Putin who wanted Ukraine to “sell out” to Western financiers.

Russia’s central bank is also a member of the Bank of International Settlements, the good-old-boys club of the international banking world. The BIS was founded in 1930 and served as the focal point of globalization until after World War II, when evidence arose that the organization had helped the Nazis by funding the German war machine, laundering money for Gestapo officials and hiding funds looted from Europe by the Third Reich.

Due to the scandal, the BIS took a back seat to the IMF and World Bank; but it still exists today. Carroll Quigley, Council on Foreign Relations member, elitist insider and mentor to Bill Clinton, had this to say about the BIS in his book Tragedy And Hope:

"The powers of financial capitalism had another far-reaching aim, nothing less than to create a world system of financial control in private hands able to dominate the political system of each country and the economy of the world as a whole. This system was to be controlled in a feudalist fashion by the central banks of the world acting in concert, by secret agreements arrived at in frequent private meetings and conferences. The apex of the system was to be the Bank for International Settlements in Basel, Switzerland, a private bank owned and controlled by the world’s central banks which were themselves private corporations. Each central bank, in the hands of men like Montagu Norman of the Bank of England, Benjamin Strong of the New York Federal Reserve Bank, Charles Rist of the Bank of France, and Hjalmar Schacht of the Reichsbank, sought to dominate its government by its ability to control Treasury loans, to manipulate foreign exchanges, to influence the level of economic activity in the country, and to influence cooperative politicians by subsequent economic rewards in the business world."

Putin has been elevated to heroic status in much of the mainstream media over the years. TIME magazine, a long-running globalist publication, recently published a front-page article with this tagline: “America’s weak and waffling. Russia’s rich and resurgent — and its leader doesn’t care what anybody thinks of him.”

This cover was used by TIME in every country in which it is distributed, except the United States.

The Times of Britain named Putin “Man Of The Year” in 2013. In Liberty Movement circles, Putin worship has been growing to disturbing levels. I would say at least half of our movement truly believes Putin and Russia to be a guiding light in the fight against globalization and the New World Order. Unfortunately, many people look for heroes to save them when they should be looking to themselves. Putin’s nomination for a Nobel Peace Prize for his “intervention” in the Syrian crisis is celebrated by many freedom fighters here in America, when, in reality, the Obama Administration’s failure to achieve a war footing in the region had nothing to do with the actions of Russia.

Remember, Russia and the U.S. are nothing but false champions dueling in a fake gladiator match paid for by the IMF. The war against Syria was thwarted because the elites were unable to garner enough public support from the American people to make the action viable. Every engineered war needs a gullible percentage of the population to give it momentum. Why didn’t they get their following from the public? It was because of the tireless efforts of the alternative media.

It was the Liberty Movement that exposed the lies behind the Syrian insurgency; the consulate attack in Benghazi, Libya; the CIA’s involvement with al-Qaida in Damascus, etc. It is the Liberty Movement that deserves the credit for disrupting the globalist plan to use Syria as a trigger event for a false confrontation between the U.S. and Russia. Yet many are cheering the elitist puppet Putin while he takes credit for our accomplishments.

The most frightening aspect of the false paradigm between East and West is the potential it creates for the co-option of liberty proponents here in America. If we allow ourselves to be suckered into cheerleading for Russia, or any controlled government for that matter, then we have lost. We will be swallowed up in the tides of war, while supporting false prophets and artificial protagonists. Our mission, the mission for a truly free and sovereign America, will be lost in the confusion and chaos of the global chess game. It is time to accept that the fate of this country and perhaps the future of human freedom rest solely on the shoulders of the resistance here at home. There is no nation out there in the ether of central banking that is going to help us. The sooner we come to terms with the reality that we are on our own, the stronger we will be when the fight begins.

 

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.examiner.com%2Fimages%2Fblog%2Fwysiwyg%2Fimage%2FKissinger-Putin.jpg&hash=67ee1110fbd80a481a29592280ab0205)

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2F3.bp.blogspot.com%2F_KJuUJGj-Yzc%2FSwRadyFZXNI%2FAAAAAAAAADQ%2FH0ayG6yvPw0%2Fs1600%2FKissinger-Medvedev_largeslideshow.jpg&hash=8bf2500c31e68cc16c9593933d76c2ff)

(https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQDI6YeZ6zEribjxJjXRuwEP_F7iqu7xMg_yzLRIsarqZAPo3a1)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 11, 2014, 02:11:38 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Abril 21, 2014, 03:59:34 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 22, 2014, 10:18:16 am
Testing Theories of American Politics : Elites, Interest Groups, and Average Citizens / Martin Gilens ; Princeton University

:arrow: http://www.princeton.edu/~mgilens/Gilen ... 3-7-14.pdf (http://www.princeton.edu/~mgilens/Gilens%20homepage%20materials/Gilens%20and%20Page/Gilens%20and%20Page%202014-Testing%20Theories%203-7-14.pdf)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: PereiraMarques em Abril 22, 2014, 08:02:11 pm
Artigo interessante, mas que apenas constata o "óbvio", i.e. o que já tina sido notado por C. Wright Mills e outros autores "elitistas"...

https://en.wikipedia.org/wiki/The_Power_Elite (https://en.wikipedia.org/wiki/The_Power_Elite)
https://en.wikipedia.org/wiki/Elite_theory (https://en.wikipedia.org/wiki/Elite_theory)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Maio 01, 2014, 01:06:40 pm
Citar
Austrália rejeita hipótese de destroços de avião desaparecido no golfo de Bengala

A Austrália rejeitou hoje as alegações de uma empresa de exploração marinha segundo a qual destroços detetados no golfo de Bengala possam ser provenientes do Boeing 777 da Malaysia Airlines.

http://sicnoticias.sapo.pt/especiais/voomh370/2014-04-30-australia-rejeita-hipotese-de-destrocos-de-aviao-desaparecido-no-golfo-de-bengala

Não analisa, não verifica, nem sequer vê, limita-se a dizer que não pode ser porque.......não pode. Cheirava mal, continua a cheirar e cada vez mais, e está a ser giro como a noticia mal passou ontem nos espaços do costume e hoje nem sequer é falada.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Miguel em Maio 02, 2014, 10:14:37 am
LOST  :mrgreen:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 02, 2014, 10:33:39 am
Citação de: "FoxTroop"
Citar
Austrália rejeita hipótese de destroços de avião desaparecido no golfo de Bengala

A Austrália rejeitou hoje as alegações de uma empresa de exploração marinha segundo a qual destroços detetados no golfo de Bengala possam ser provenientes do Boeing 777 da Malaysia Airlines.

http://sicnoticias.sapo.pt/especiais/voomh370/2014-04-30-australia-rejeita-hipotese-de-destrocos-de-aviao-desaparecido-no-golfo-de-bengala

Não analisa, não verifica, nem sequer vê, limita-se a dizer que não pode ser porque.......não pode. Cheirava mal, continua a cheirar e cada vez mais, e está a ser giro como a noticia mal passou ontem nos espaços do costume e hoje nem sequer é falada.

Cheira e que de maneira!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Maio 02, 2014, 02:35:50 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Cheira e que de maneira!

Fede...

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fimg.photobucket.com%2Falbums%2Fv249%2FLuso308%2F370_zpsd005dd46.jpg&hash=1b3ec69db6312e350c89ebc6a55ceb06) (http://http)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: TOMSK em Maio 02, 2014, 05:27:08 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fwww.bollyn.com%2Fpublic%2FN105GT_in_TA.jpg&hash=27098d241b0c40c19de3fc020e390bf6)

Aqui está ele, em Tel Aviv, sempre achei que os judeus estavam metidos nisto!  :wink:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: mafarrico em Maio 03, 2014, 06:06:22 am
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 13, 2014, 02:50:55 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 21, 2014, 01:55:20 pm
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: HSMW em Maio 24, 2014, 10:55:53 am
E porque está o desastre de Fukushima tão esquecido?! Quando foi muito pior que Chernobyl...
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 14, 2014, 04:41:13 pm
À uns tempos atrás falou-se aqui deste senhor, por isso coloco aqui a entrevista:

A entrevista do Papa Francisco na íntegra

A primeira grande entrevista televisiva concedida pelo Papa Francisco é um exclusivo SIC. Durante mais de uma hora o correspondente da SIC, Henrique Cymerman, conversou com o papa sobre os problemas da Igreja e do Mundo e também sobre o Mundial de futebol. O chefe da Igreja católica revela e agradece a intervenção do correspondente da SIC na inédita oração que juntou os líderes israelitas e palestianos no vaticano. Foi uma entrevista descontraída e bem humorada em que o Papa mostra a forma de estar diferente que tem assumido dentro da tradicional Igreja Católica.

 :arrow: http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2014-0 ... na-integra (http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2014-06-13-a-entrevista-do-papa-francisco-na-integra)
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 20, 2014, 02:02:49 pm
Parents shocked to learn 'BPA-free' baby bottles are loaded with other estrogen mimickers: Born Free, Weil Baby, CamelBak and more
http://www.naturalnews.com/045585_BPA-f ... kers.html# (http://www.naturalnews.com/045585_BPA-free_baby_bottles_estrogen_mimickers.html#)

(NaturalNews) Baby bottles from AVENT, Born Free, Green to Grow, Evenflo and Weil Baby all emit high or very high levels of hormone-altering chemicals, says new research published in the peer-reviewed journal Environmental Health. (1)

Citar
"Many PC-replacement-products made from acrylic, polystyrene, polyethersulfone, and Tritan resins leached chemicals with [estrogenic activity], including products made for use by babies. Exposure to various forms of UV radiation often increased the leaching of chemicals with estrogenic activity," write the study authors.

The conclusion of the study will send shockwaves across the baby products industry, stunning many parents who thought "BPA-free" meant "free from all hormone-disrupting chemicals."
The study authors write:
Many BPA-free PC- replacement products still leached chemicals having significant levels of estrogenic activity, as did BPA-containing PC counterparts they were meant to replace. That is, BPA-free did not mean [free from estrogenic activity].
UV rays unlock hormone-disrupting chemicals
An article published by Mother Jones (2) reports the research, revealing that ultraviolet rays (UV) activate and "unlock" hormone-mimicking chemicals in BPA-free bottles made out of polyester (PES) and Tritan, the materials most commonly used in BPA-free bottles.

Over the last several years, the negative press about the hormone-disrupting properties of BPA (Bisphenol-A) led to a wave of new "BPA-free" baby bottles, water bottles and sippy cups. But just because a bottle is free of BPA doesn't means it's free of other hormone-disrupting chemicals.

Se não for de uma maneiras "eles" vão lá de outra.
Lá se vão os meus cantis plásticos Nalgene. Vejam os vossos Camelback também.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 20, 2014, 02:08:22 pm
Voltamos aos cantis de alumínio?
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 21, 2014, 01:02:42 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Voltamos aos cantis de alumínio?

E se calhar não é mau. Por acaso já me tinha convertido para o inox (guyot) para permitir ferver água. Tenho um sucedâneo de camelback como complemento para transportar mais água mas já estou a ver que vai ter que dar um giro também. FDP!
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: FoxTroop em Junho 21, 2014, 02:11:59 am
Citação de: "Luso"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Voltamos aos cantis de alumínio?

E se calhar não é mau. Por acaso já me tinha convertido para o inox (guyot) para permitir ferver água. Tenho um sucedâneo de camelback como complemento para transportar mais água mas já estou a ver que vai ter que dar um giro também. FDP!

Inox também, já à bastante tempo. A água naquelas porcarias de plastico sabia-me a.......plastico. O alumínio não aconselho. Liberta constantemente porcaria nada saudável. É um metal com qual eu trabalho de vez em quando e aquilo também é veneno puro.
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 21, 2014, 10:07:43 am
Chiça Fox, agora tive uns calafrios só de relembrar o sabor e o cheiro da água dos cantis de plástico! Era mesmo muito mau! :oops:
Título: Re: Unir os Pontos
Enviado por: Luso em Junho 21, 2014, 07:40:11 pm