ForumDefesa.com

Conflitos => Conflitos do Presente => Tópico iniciado por: paquito em Novembro 30, 2007, 03:31:45 pm

Título: Venezuela e Colômbia
Enviado por: paquito em Novembro 30, 2007, 03:31:45 pm
O que vcs acham sobre esse conflito entre chavez e uribe?
Título:
Enviado por: André em Novembro 30, 2007, 03:40:12 pm
O que acho é que a América do Sul parece a Europa dos anos 30.  A Venezuela parece a Alemanha, o Brasil a União Soviética, a Argentina a Inglaterra e a Bolivia a Itália.

 :Combate:
Título:
Enviado por: nelson38899 em Dezembro 01, 2007, 04:45:38 pm
boas

pessoalmente espero que acabem com o pio, de quem pensa que 24 SU servem para controlar o continente.


Cump.
Título:
Enviado por: Luís Fernando em Janeiro 25, 2008, 10:36:45 pm
O tempo passa e os acontecimentos se sucedem de forma não tranquila para Chaves, mas tal fato, não gera tranquilidade para os países vizinhos na América Latina.
Desde a perda do Referendum Constitucional, e os sucessivos revezes internacionais como os que aconteceram após a célebre pergunta do Rei da Espanha, em primeiro com a atitude firme do presidente colombiano colocando-o fora da mediação com as FARC, em segundo com o fato das FARC terem-lhe mentido no caso do menino Emmanuel que não mais estava em seu poder e agora de resto, com a queda da popularidade que aumentou de forma visível e o fortalecimento da oposição, sobram indicativos de que Chaves possa recrudescer em atitudes belicistas.
Como o Presidente da Bolívia vem mantendo uma distância precavida nos últimos tempos quanto à influência de seu antigo mentor, as coisas se acalmaram para as banda brasileiras, tendo Lula aproveitado para reconquistar espaço perdido politicamente, junto ao país andino.
Assim, Chaves encontra-se com seus interesses voltados à conturbar a tranquilidade colombiana.
Aparentemente, com seu estapafúrdio pedido de reconhecimento internacional de um novo status às FARC, só pretende criar um mecanismo legal para poder dar-lhes uma embaixada em Caracas. Aliás, a Assembléia Nacional Venezoelana, atendeu os pedidos de Chaves quanto ao dito status. Com o reconhecimento, pode mantener inclusive os insumos necessários à guerrilha de forma legal.
Mas o que preocupa mesmo, é que possa haver em busca do reconhecimento popular interno ora perdido, uma tentativa de criar-se uma situação de guerra, agora com a Colômbia, tal como a ditadura argentina fez com o episódio das Malvinas. É que, até então, o foco de uma possível guerra envolvendo a Venezoela estava mais ligado à Guiana.
Título:
Enviado por: Luís Fernando em Janeiro 27, 2008, 04:47:36 pm
MIAMI.– En una escalada sin precedente en la relación bilateral de los últimos años, el presidente Hugo Chávez acusó ayer al gobierno de Colombia de ‘’estar fraguando una provocación bélica contra Venezuela’’, presuntamente instigada por el gobierno de Estados Unidos, lo que, según analistas, está creando una situación “prebélica”.

Las declaraciones del mandatario venezolano encendieron las alarmas en sectores militares y civiles de Venezuela y de Colombia, mientras se producían reportes de movilizaciones preventivas de tropas hacia zonas fronterizas.

“Yo acuso al gobierno de Colombia de estar fraguando una conspiración, actuando como peón del imperio norteamericano, de estar fraguando una provocación bélica contra Venezuela”, declaró Chávez durante una conferencia que ofreció acompañado por el presidente de Nicaragua, Daniel Ortega.

El mandatario venezolano acusó a Estados Unidos de ser el instigador de la “agresión militar”, y anticipó que si se produce un conflicto bélico, “el petróleo llegaría como a 300 dólares”.

“Aquí tendrán que pasar sobre nuestros cadáveres los invasores”, advirtió Chávez.

El jefe de Estado basó su denuncia en fuentes de inteligencia venezolana y de otros países, así como en las visitas de tres altos funcionarios norteamericanos a Colombia en las últimas semanas; entre ellos, la secretaria de Estado, Condoleezza Rice, y el jefe del comando sur, general James Stadrivis.

"Yo quiero alertar al mundo: no se le vaya a ocurrir al gobierno de Colombia una provocación contra Venezuela... porque tenemos información de inteligencia, no sólo las nuestras, sino también de otros países de América latina nos han hecho llegar preocupaciones, porque la visita de Condoleezza Rice a Colombia no es casual", dijo Chávez.

"Alerto al mundo de lo siguiente: el imperio norteamericano está creando las condiciones para generar un conflicto armado entre Colombia y Venezuela", sentenció el presidente venezolano.

"Más claro no canta un gallo. En menos de una semana vino el jefe de las fuerzas armadas del imperio [por Estados Unidos] a Colombia, vino el zar antidrogas norteamericano a decir en Colombia que soy el gran facilitador del narcotráfico", dijo Chávez.

El mandatario venezolano denunció que el ministro de Defensa de Colombia, Juan Manuel Santos, dijo anteayer que en Venezuela viven por lo menos tres jefes guerrilleros de las FARC, "pero no tiene pruebas, sólo acusaciones temerarias para justificar cualquier acción contra Venezuela desde Colombia", dijo.

El vocero de la presidencia colombiana, César Velásquez, se abstuvo de reaccionar a las declaraciones de Chávez. La denuncia se produjo en medio de una de las peores crisis entre los gobiernos de Venezuela y Colombia.

Coincidió además con el comienzo, esta semana, de la Operación Caribe 01, una serie de ejercicios de guerra convencional del ejército venezolano, que se prolongarán hasta el 3 de febrero.

Unos 3000 efectivos de la Fuerza Armada Nacional (FAN) concluyeron ayer la primera etapa de la operación, que incluyó movilizaciones de aeronaves de ataque, tanques pesados y ligeros, helicópteros y abundante munición -entre ellos, obuses de 155 milímetros-, según la Agencia Bolivariana de Noticias.

Los ejercicios tienen como objetivo que "el pueblo venezolano esté consciente y tranquilo de que tiene una Fuerza Armada Nacional bolivariana que, a la hora de cualquier conflicto, estará presente, eficiente y eficazmente", afirmó el jueves el general Cliver Alcalá Cordones, comandante de la Guarnición de Valencia, en el centro del país, que participó en los ejercicios.

Las declaraciones de Chávez generaron preocupación en sectores militares y civiles de Venezuela y Colombia, según una consulta realizada por El Nuevo Herald.

"Me parece que esto está llegando a unos niveles casi inmanejables", dijo Rafael Pardo Rueda, ex ministro de Defensa de Colombia. "Esto tiene el gran peligro de que en una frontera tan grande [de unos 2000 kilómetros] cualquier incidente no intencional puede generar una situación preconflicto muy complicada."

"Esta es una escalada de tensiones muy preocupante", señaló por su parte el vicealmirante Rafael Huizi Clavier, ex inspector de la Fuerza Armada en Venezuela.

Huizi Clavier dijo que en un escenario en el que Chávez ha venido sufriendo derrotas políticas sistemáticas, y en medio de una situación social muy negativa en Venezuela, "cualquier provocación puede llevarlo a cometer una irresponsabilidad y meter a Venezuela en un conflicto bélico que va a ser una tragedia para el país".

El general Harold Bedoya Pizarro, ex comandante de las Fuerzas Militares de Colombia, afirmó que "todo indica que va a haber una agresión de Venezuela", en la que "está metida seguramente Cuba".

"Venezuela está muy bien armada, pueden hacer una agresión a Colombia y la cosa es gravísima", subrayó.

Rafael Guarín, experto en seguridad de la Universidad de Los Andes, en Bogotá, dijo que "Chávez hace todo lo posible por confirmar los señalamientos que indican que estaría dispuesto a emplear sus recursos militares con tal de expandir la revolución bolivariana".

El aparente descontento que existe entre los militares venezolanos por las políticas de apoyo a la guerrilla colombiana de Chávez podría, sin embargo, generar problemas adicionales.

"La diplomacia pendenciera de Chávez ha encontrado una gran resistencia en las fuerzas armadas de Venezuela", dijo dese Nueva York el analista de seguridad y defensa Orlando Ochoa Terán.

El experto recordó que el detonante de la crisis de abril de 2002, en la que Chávez fue sacado momentáneamente del poder, fue la decisión de las fuerza armadas de no acatar la orden del mandatario de contener una manifestación popular que se dirigía hacia Miraflores, sede de la presidencia venezolana.

"Existe un alto riesgo de que la FAN no acate una orden de iniciar un conflicto bélico con Colombia", argumentó Ochoa.

Vía diplomática

Por su parte, el gobierno colombiano evitó responder a las acusaciones y ratificó ayer que tratará las diferencias con Venezuela por la vía diplomática. El ministro de Relaciones Exteriores de Colombia, Fernando Araújo, aseguró ayer que "a través de los canales diplomáticos se tienen los contactos con Venezuela".

Se prevé que Araújo tratará hoy la crisis con su par de Venezuela, Nicolás Maduro, durante la cumbre de cancilleres de la Unión de Naciones Sudamericanas (Unasur), que se realizará en la ciudad colombiana de Cartagena de Indias.

Por Casto Ocando y Gonzalo Guillén
De El Nuevo Herald
Título: Chaves não desiste.
Enviado por: Luís Fernando em Janeiro 29, 2008, 08:49:50 pm
Olhem só o que o maluco do Chaves anda aprontando!

DEFESA@NET 28 Janeiro 2008
El Nuevo Pais 27 Janeiro 2008 - Venezuela
   

Venezuela
El Informe de Edgar C. Otálvora

        *** Chávez amenaza militarmente a Colombia y mantiene contactos con las Farc
        *** Trancado el juego diplomático entre los dos países
        *** Uribe se fortalece en medio del pleito con Chávez
        *** Casa Blanca y Demócratas reconstruyen pacto para apoyar a Uribe

Hugo Chávez es el primer mandatario venezolano, en muchas décadas, que menciona expresamente la palabra "guerra" para referirse a Colombia. Alegando la presencia de altos funcionarios estadounidenses en Colombia durante la última semana, Chávez afirmó, en rueda de prensa acompañado del comandante Daniel Ortega, que Colombia estaría "fraguando una conspiración bélica contra Venezuela". Chávez igualmente amenazó con iniciar hostilidades, al afirmar que : "la provocación buscaría obligarnos a dar una respuesta que podría ir a una guerra".

Las declaraciones de Chávez se producen luego que el anterior domingo dedicara, durante su programa de TV, epítetos como mafioso, cizañero, o Vito Corleone, entre otros, contra el jefe de estado de la vecina Colombia.
***********************************************************
Ortega siguiendo la ruta de su anfitrión, optó por denunciar a Colombia desde Caracas, por presencia de la Armada colombiana en las aguas bajo disputa con Nicaragua. El nicaragüense acusó a Colombia de ser un instrumento de Washington.
*********************************************************** *
El juego diplomático entre Caracas y Bogotá está trancado. Bogotá busca mantener abiertos los canales de comunicación oficiales. El gobierno chavista, por el contrario, ha cerrado las pocas ventanas de comunicación que a nivel diplomático existían.

Según fuentes bogotanas, el embajador de Colombia en Venezuela, Fernando Marín Valencia, informó a Uribe sobre la imposibilidad de comunicarse, incluso telefónicamente, con el alto gobierno en Caracas. Incluso están paralizadas las pocas relaciones institucionales que fluían en los últimos años a nivel de la Comisión de Asuntos Fronterizos, encabezada en el caso venezolano por el superintendente aduanero José Vielma Mora.
******************************************************** ********
Hace dos semanas Venezuela cambió al Encargado de Negocios en la embajada en Bogotá, donde ya no hay Embajador. El recién llegado, que ya fue funcionario en esa Embajada en los años 90, es un diplomático de carrera sin acceso directo con el alto gobierno venezolano. Pareciera comprobarse la decisión de Chávez de minimizar la presencia diplomática en Colombia.

La ausencia de contactos fluidos entre los dos gobiernos es un potencializador para que cualquier pequeño (y usual) incidente fronterizo pueda devenir en una verdadera crisis militar entre los dos países.
********************************************************* ********
Desde noviembre cuando Uribe prescindió de sus servicios como facilitador ante las Farc, Chávez anunció diversas represalias contra el gobierno colombiano. Uribe cortó las alas a Chávez como interlocutor oficial ante las Farc, alegando que los contactos de Caracas con el Secretariado de la guerrilla bajo la excusa de la liberación de secuestrados, estaban adquiriendo características inadecuadas. Chávez se mostraba públicamente cada vez más cercano a las Farc y embarcado en una campaña internacional para mejorar la imagen de la golpeada guerrilla colombiana.
*********************************************************** **
Cuando Uribe - en un raro momento de absoluta sinceridad ante Chávez- denunció la existencia de un plan de expansión de la revolución bolivariana sobre Colombia, quedaron puestas definitivamente las cartas de ambos sobre la mesa. Desde entonces, Chávez ha desarrollado una intensa campaña -con múltiples frentes- para desacreditar a Uribe, demostrarle el poderío político, económico y militar, así como la osadía de la cual es capaz el actual gobierno venezolano cuando el Presidente se siente retado.

Adicionalmente, Chávez pareciera haber decidido que este era el momento oportuno para lanzar públicamente su proyecto político hacia Colombia: legalización de las Farc, alianza política de la izquierda hacia las elecciones del 2010, incorporación de Colombia al eje La Habana-Caracas.

En ese contexto, Chávez organizó la fracasada Operación Emmanuel, la cual se diseñó como un operativo en territorio colombiano sin participación - y con notificación a última hora- del gobierno Uribe.
************************************************************ **
Aparte de los gruesos ataques verbales contra Uribe, Chávez continuaría en cercano contacto con el Secretariado de las Farc, a espaldas de Bogotá. La información fue divulgada el viernes por Carlos Lozano, el director de La Voz, el semanario comunista colombiano.

En otro frente de confrontación contra Colombia, Chávez ha vinculado en sus recientes discursos dos temas: el desabastecimiento de alimentos en Venezuela con el contrabando de productos hacia Colombia, al parecer promoviendo razones "domésticas" para el enfrentamiento con Uribe. Se trataría de una maniobra compleja que buscaría un chivo expiatorio externo para uno de los problemas que mayor daño han causado a la popularidad del mandatario venezolano.

Chávez ha insistido en la connotación militar de la operación para impedir el flujo de alimentos y gasolina hacia las zonas fronterizas con Colombia. Internacionalmente, este control de la carga fue entendido como la "militarización" de la frontera por parte de Chávez, y ha sido calificada como la primera movida de Venezuela ante un escenario potencialmente bélico.
************************************************************ ***
Las últimas semanas fueron escenario para una medición de apoyo internacional entre Uribe y Chávez. El éxito mediático obtenido por Chávez al lograr que las Farc le entregaran a dos secuestradas se convirtió rápidamente en una derrota. Para gobiernos amigos y mandatarios que sienten simpatía personal hacia Chávez resultó imposible apoyar la propuesta de otorgar reconocimiento legal a las Farc. Al parecer, el Club de Chávez contra Uribe apenas logró captar Ortega.

*****************************************************************
En tanto, Uribe con el apoyo político interno reconstruido, se fue a Europa para contar su versión de los hechos y negociar el apoyo internacional para una gestión ante las Farc. Francia, España y Suiza le garantizaron su participación en un esquema de facilitación, diseñado siguiendo rígidas normas diplomáticas, que no dejan espacio para el voluntarismo de Chávez y que frenan los ímpetus del francés Nicolás Sarkozy.

******************************************************************
En Washington pareciera estarse reconstruyendo la alianza bipartidista que permitió en el pasado la ejecución del Plan Colombia. Por más de dos años la bancada demócrata en el Congreso de EEUU, ha obstaculizado las iniciativas de la Casa Banca hacia Colombia. Tanto congresistas como sindicalistas demócratas, han estado abiertos a sectores de la izquierda colombiana que acusan (como ahora lo hace Chávez) a Uribe de ser un agente del paramilitarismo. Esta versión ha comenzado a debilitarse y, al parecer, existe dentro de líderes demócratas la intención de reevaluar su posición ante el conflicto colombiano. Nueve diputados del Partidos Demócrata formaron parte de la delegación que acompañó a la secretaria de Estado, Condoleezza Rice, en su visita a Medellín esta semana. La señora Rice llevó un mensaje a Uribe: Colombia cuenta con el apoyo de EEUU por encima de las diferencias partidistas.
Título:
Enviado por: André em Fevereiro 04, 2008, 11:17:06 pm
Centenas manifestam-se contra as FARC em Caracas

Citar
Centenas de pessoas, entre elas estudantes, políticos, colombianos e alguns portugueses, e outros estrangeiros, marcharam hoje em Caracas contra a guerrilha colombiana e exigiram a libertação dos reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Vestidos com t-shirts brancas e gritando palavras de ordem contra a guerrilha, os manifestantes concentraram-se na Praça Brión e na Avenida Francisco de Miranda (leste de Caracas), onde exibiram um grande cartaz com a mensagem «Não mais FARC».

Margarida Faria, uma das manifestantes, disse à Agência Lusa estar a participar na manifestação «porque há pessoas em mais de 160 cidades a mostrar repulsa pelas FARC» e porque «temos que ser solidários com os nossos irmãos colombianos e exigir a libertação de todos os reféns».

Na manifestação estavam vários líderes estudantis, entre eles Freddy Guevara, segundo o qual «o povo venezuelano não negoceia com terroristas», afirmou. «Há que procurar uma cooperação entre os dois exércitos para terminar com esse flagelo e não procurar confrontamentos entre os dois países (Venezuela e Colômbia)», adiantou.

Aquele responsável alertou que «enquanto se 'protegem' as FARC os venezuelanos morrem de fome e isso é hipocrisia».

Também o líder estudiantil universitário, Yon Goicochea, exortou a «terminar com os sequestros» e a «construir a esperança entre a Colômbia e a Venezuela», países que, disse, são vítimas das FARC.

Por outro lado, um grupo de 400 venezuelanos afluiu à Embaixada da Colômbia na Venezuela, em Campo Alegre (leste de Caracas), onde entregou ao embaixador Luís Fernando Marín um documento contra a proposta do Presidente Hugo Chávez de eliminar as FARC e o Exército de Libertação Nacional (ELN) da lista de organizações terroristas e conceder-lhes o estatuto de «forças beligerantes».

O acto de entrega do documento foi encabeçado por Milos Alcalay, ex-embaixador venezuelano na Organização das Nações Unidas (ONU), que explicou aos jornalistas que, em nome da organização de defesa dos direitos humanos «Grupo dos 400», manifestava discordar das «concessões» a «uma organização criminosa que tem 700 reféns, participa no narcotráfico e estabeleceu mecanismos de terror, mortes e assassínios».

As FARC são uma organização guerrilheira colombiana, que surgiu em 1964, de ideologia marxista-leninista e que tem entre 12.000 e 17.500 membros.

Mantêm em cativeiro, desde 13 Fevereiro de 2003, o luso-americano Marc Gonçalves, quando se despenhou o avião em que seguia com mais quatro companheiros, cumprindo uma missão de vigilância sobre cultivo de droga na selva colombiana de Caquetá, ao serviço de uma companhia privada contratada pelo governo norte-americano.

Os destroços do avião foram cercados por guerrilheiros das FARC que executaram os tripulantes Thomas Janis e Luis Alcides Cruz, levando como reféns Marc Gonsalves, Keith Stansell e Thomas Howes.

Criado em 1964, o ELN, com cerca de 4.000 homens, é o segundo movimento de guerrilha da Colômbia, precedido pelas FARC.

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: Luís Fernando em Fevereiro 04, 2008, 11:41:14 pm
Com relação à manifestação acima:

01:02 PM) Embajador colombiano agradece movilización llevada a cabo en Venezuela en contra de las FARC

Artículos relacionados
 
(11:23 AM)Cientos de personas marchan contra las FARC en varias ciudades del país
 
 
 
 
 
 
Caracas.- El embajador de Colombia en Venezuela, Fernando Marín Valencia, recibió de manos de Milagros Ramírez-una de las organizadoras de la movilización de Caracas en contra de las FARC-un documento en el que expresa su postura, respondiéndole a través de un breve comunicado que leyó ante los presentes.

"El embajador de Colombia, en nombre de su gobierno, expresa su agradecimiento a la comunidad venezolana, y a la colonia colombiana residente en Venezuela, que ha organizado espontáneamente esta marcha para protestar contra las FARC, el secuestro y el terrorismo, a favor de la libertad para todos los secuestrados. Agradece a todas las autoridades del gobierno de Venezuela su autorización para que la marcha se pudiera realizar bajo la protección de los cuerpos de seguridad. Hace votos por la paz de Colombia y por la liberación de todas las personas que están en cautiverio por organizaciones terroristas", leyó el diplomático.

Asimismo aclaró que algunas ONG de Colombia fueron las organizadoras de la movilización de hoy en contra de las FARC. También mencionó que la cancillería venezolana ha estado en permanente comunicación con ellos.

Mariemma Ramos Nava
eluniversal.com
Título:
Enviado por: Luís Fernando em Fevereiro 04, 2008, 11:44:13 pm
Por outro lado, o ocupante de Miraflores tem suas próprias idéias:

Presidente pretende disminuir liderazgo y legitimidad de Uribe

 
El presidente Hugo Chávez manifestó el sábado que cree capaz al Gobierno de Colombia de atacar a Venezuela (ABN)
 
Artículos relacionados
 
- Critica a los medios
 
 
 
 
 
 
Conflicto con Colombia es un "salvavidas" para Miraflores, dice Area
PEDRO PABLO PEÑALOZA

EL UNIVERSAL

Desde hace décadas Hugo Chávez juega a la guerra con Colombia. "Cuando el Presidente estudiaba en la Academia Militar, el enemigo en los juegos militares era Colombia. Lo más consustancial a un militar venezolano es que su enemigo sea Colombia y viceversa", destaca el embajador Leandro Area.

Al evaluar la posición asumida por el jefe de Estado contra su similar de Bogotá, Area recurre a la Historia y también recuerda el origen de Chávez.

"En agosto de 1987, por el caso de la corbeta Caldas, Caracas y Bogotá estuvieron cerca de caer en un conflicto bélico. En aquella época, el canciller colombiano era Julio Londoño, quien como todo militar de carrera tenía una visión guerrerista y poco civilizada", apunta.

El diplomático y académico advierte que los golpistas del 4 de febrero de 1992 esgrimieron como una de las razones para justificar el alzamiento que el gobierno de Carlos Andrés Pérez "estaba vendiendo nuestra soberanía al vecino país".

A estos elementos, Area suma dos hechos recientes para completar su análisis: La derrota sufrida por el proyecto de reforma a la Constitución el 2 de diciembre y el engaño sobre la identidad de Emmanuel.

"El conflicto con Colombia es un salvavidas político para Chávez, ante las frustraciones que ha vivido últimamente", concluye el ex secretario de la Comisión Presidencial de Negociación con Bogotá.

A juicio de Area, la "agresividad" del dignatario venezolano ha conseguido en este impasse con el inquilino del Palacio de Nariño "oxígeno" y "una nueva razón de ser".

"En el pasado, el conflicto con Colombia unificaba a los militares y a la institucionalidad política. Chávez está buscando un recurso de salvación política y personal", opina el investigador.

En campaña
El profesor Carlos Romero señala que el Presidente "está comprometido con la idea de minar el poder y la legalidad" de su homólogo neogranadino.

Además de ataques y críticas, Chávez y Uribe comparten su amor por el poder. Simpatizantes del líder colombiano promueven la posibilidad de una segunda reelección y en Miraflores esa idea no emociona.

"El mandatario venezolano intenta disminuir las opciones de Uribe para un hipotético tercer período y, además, está comprometido con la izquierda local y sectores del Partido Liberal" para impulsar una candidatura que se oponga al uribismo, sostiene Romero.

El catedrático indica que en su discurso del pasado sábado, Chávez dejó en evidencia que las diligencias adelantadas por los presidentes de Brasil y Argentina para limar las asperezas que separan a Caracas y Bogotá no han dado frutos.

"El jefe de Estado, en su afán por contrarrestar a Uribe, ha planteado irresponsablemente un escenario de guerra, algo que ni la comunidad internacional ni los venezolanos tolerarán", estima Romero.

El politólogo de la Universidad Central de Venezuela observa que, detrás de toda la metralla verbal de Chávez se esconde su plan de intervenir en los asuntos internos de Bogotá.
Título:
Enviado por: André em Fevereiro 05, 2008, 02:22:52 am
Chavez utiliza aeronaves Sukhoi para ameaçar a Colombia

Citar
O presidente da Venezuela Hugo Chavez continuou neste fim de semana com as suas já tradicionais declarações em que alega que o seu país pode ser atacado pela Colômbia, ou o que ele chama de «oligarcas» colombianos, os quais, segundo Chavez, se preparam para criar incidentes na fronteira com o objectivo de justificar um ataque à Venezuela.

Nos últimos dias a situação na fronteira tem sido algo tensa. Os procedimentos burocráticos nos postos fronteiriços têm sido especialmente morosos e as cidades de fronteira estão a ressentir-se economicamente com o clima de desconfiança entre os dois países.

Muitos colombianos que se dirigiam à Venezuela para encher os depósitos dos seus veículos, afirmam agora que isso se tornou impossível por causa de constantes e intermináveis filas nas fronteiras. A gasolina venezuelana é muito mais barata que a colombiana, embora a Venezuela não tenha capacidade para refinar toda a gasolina de que precisa. Isso leva a que mesmo na Venezuela haja quebras de fornecimento.

A fronteira está a ser patrulhada por forças militares e militarizadas, com o objectivo de evitar qualquer tipo de contrabando e segundo os venezuelanos, para garantir que não haverá razão para que se afirme a responsabilidade venezuelana.

Mas neste Fim-de-semana, o presidente Chavez voltou a fazer alusões à possibilidade de um conflito, acrescentando que a Venezuela dispõe de 24 aeronaves Sukhoi e que os mísseis dos Sukhoi têm um alcance de 200km.

Se o alcance dos mísseis antiaéreos russos pode ter sido exagerado por Chavez, já a compra por parte da Venezuela de aeronaves de fabrico russo do tipo Su-27, na versão SU-30MKV é um facto conhecido. Trata-se neste momento de um dos mais sofisticados aviões de combate operacionais na América do Sul. Eles deverão estar equipados com mísseis também de fabrico russo da família R-77, embora não haja informação segura sobre que tipo de versão eles vão utilizar.

Entretanto, realizaram-se em todo o mundo manifestações de apoio aos sequestrados pela organização narco-trafricante FARC, uma organização «revolucionária» que se sustenta com o dinheiro da extorsão e do tráfico de drogas, funcionando mesmo como exército privado de alguns dos barões da droga na Colombia.

A Venezuela tem sido recentemente acusada de apoiar indirectamente as FARC e de enviar armamento ligeiro para a organização terrorista.
O presidente Hugo Chavez, que esteve envolvido numa rocambolesca operação de libertação de reféns, afirmou no mês passado que as FARC deveriam deixar de ser consideradas como uma organização terrorista.

Estas afirmações de Chaves também contribuíram para azedar as relações entre Colômbia e Venezuela, que se encontram num dos pontos mais baixos de sempre.

Área Militar
Título:
Enviado por: Luís Fernando em Fevereiro 05, 2008, 02:41:12 pm
Se não bastasse  atitudes de até então, agora reconhece fronteiras às Farcs:

"CHÁVEZ: "VENEZUELA LIMITA CON LAS FARC NO CON COLOMBIA"
Presidente anunció que todo está listo para liberación de los diputados
EUGENIO MARTÍNEZ
EL UNIVERSAL
Venezuela está lista para concretar la liberación de los diputados colombianos secuestrados por la FARC, Luis Eladio Pérez, Orlando Beltrán Cuellar y Gloria Polanco de Lozada.
El anuncio del presidente Hugo Chávez estuvo acompañado de varios exhortos para el grupo guerrillero: "Continúen dando demostraciones de este tipo, independientemente de las actitudes del Gobierno de Colombia, que está subordinado al Gobierno de Estados Unidos (...) El Gobierno de Venezuela está listo para hacer todo lo que haya que hacer para liberar a todos los rehenes que están en manos de la guerrilla colombiana".
Chávez, después de reconocer que Venezuela no limita "en buena parte del oeste y suroeste no con el Estado colombiano, sino con las FARC", exhortó al grupo a desistir "de ese modo operación". No obstante, después reconoció que muchos de los secuestrados por la guerrilla son en realidad prisioneros de guerra.
Defensa a los generales
El Presidente descalificó las acusaciones hechas en Colombia en contra del director de la DIM GD (Ej) Hugo Carvajal, al que calificó de "soldado patriota".
Para Chávez, el intento de vincular a Carvajal con el narcotráfico y con asesinatos de soldados colombianos constituyen "una condena a muerte del imperio y de la sanguinaria oligarquía colombiana".
También ofreció su apoyo al GD Miguel Rodríguez Torres, director de la Disip, investigado en EEUU por su supuesta participación en el caso del "maletín".
Expropiar a los grandes
Para acabar con el desabastecimiento y escasez de los productos alimentarios, Chávez ordenó a la FAN a incrementar el control sobre los especuladores. No basta con clausurar un negocio y menos a los pequeños negocios, no, vamos con los grandes. Vamos a meterle el ojo a los grandes (...) Ojalá me den la excusa que necesito para intervenirlos y expropiar a las cadenas o grandes cadenas de producción y distribución de alimentos, ojalá me den la excusa para intervenirlos y poner esas cadenas de alimentos y de medicinas a la orden del pueblo de Venezuela".
A la par, el mandatario recordó a los gobernadores de los estados Mérida y Táchira que no pueden entregar el poder a un adeco. Recordó a los gobernadores y alcaldes que es indispensable mantener los espacios de poder logrados.
Décimo sexto aniversario
Durante los actos de aniversario del 4 de febrero de 1992, el Presidente insistió en que esa fecha se partió la historia venezolana en dos: "La historia nos ha puesto en el camino -reflexionó Chávez- La historia nos ha reivindicado con la esencia del ser militar venezolano. Nosotros somos, decirlo es necesario, los hijos de Bolívar". emartinez@eluniversal.com"
Título:
Enviado por: Luís Fernando em Fevereiro 05, 2008, 02:49:15 pm
Analisando o equilíbrio de forças:

Resaltan poderío militar de Venezuela

 
 
 
Colombia supera a la FAN en hombres y experiencia ante conflictos internos
Ante un eventual conflicto bélico entre Venezuela y Colombia, la Fuerza Armada Nacional tendría como ventaja su capacidad armada, pero la experiencia de los soldados colombianos compensaría con creces esa deficiencia.

Según un trabajo del periódico caleño El País, si se compara a las fuerzas de cada bando y las condiciones que las afectan, "el panorama tiende al equilibrio".

Reseñan un informe de la Fundación Seguridad y Democracia, donde se indica que desde 2004 el gasto militar venezolano supera los 4 millardos de dólares, la mayor parte concentrado en la compra de equipos y armas. Destacan la compra de 24 aviones Sukhoi, 53 helicópteros de transporte y ataque y 100 mil fusiles rusos.

No osbtante, citando a "fuentes militares", advierten que "Colombia lleva más de 40 años en guerra y su Fuerza Armada es una de las más capacitadas de Suramérica". "Gran parte de los soldados son profesionales, están activos y se entrenan a diario en conflicto interno", publica el diario colombiano.

En cuanto al tamaño de los ejércitos, el número de efectivos colombianos es siete veces más grande que el venezolano. Colombia cuenta con 258 mil hombres, sin incluir los efectivos de la Policía, por lo que es el segudno Ejército más grande de Suramérica.

"Pese al gran tamaño de su Ejército, según el informe de Degens ay Seguridad, este es un país con bajos niveles de entrenamiento en guerras convencionales. Una muestra de esto es que no cuenta con unidades disponibles de ve-hículos de combate blindado, siendo el único país de la región sin caballería mecanizada. Entretanto, Venezuela tiene 109 tanques ligeros y 81 pesados".

No obstante, Federico Welsch, profesor de Ciencias Políticas de la USB, considera que "ninguno de los dos países está preparado para una guerra externa".
Título:
Enviado por: André em Março 02, 2008, 05:17:05 pm
Hugo Chávez adverte Colômbia de que incursão desencadeará guerra

Citar
O presidente venezuelano, Hugo Chávez, advertiu hoje a Colômbia de que uma eventual incursão militar colombiana no seu país em busca de eventuais guerrilheiros das FARC será «motivo de guerra».
A advertência foi feita pelo chefe de Estado venezuelano após ter qualificado de «preocupante» e inédito o facto de as forças militares colombianas terem «felizmente» reconhecido que, «violando a soberania de um país vizinho», entraram no território do Equador para proceder à captura do «nº 2» das FARC, «Raúl Reys».

«O presidente Uribe que pense bem, não tente fazer isso aqui, porque uma invasão militar da Venezuela seria algo de extremamente grave e motivo para guerra. Não haverá qualquer desculpa», declarou Chávez durante uma reunião ministerial no palácio de governo, transmitida pela televisão estatal VTV.

O ministério da Defesa colombiano anunciou sábado que «Raúl Reys» e pelo menos 16 outros guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) foram mortos numa operação das forças armadas colombianas em território equatoriano.

Chávez assinalou que a morte de «Raúl Reys» confirma que a Colômbia escolheu o «caminho da guerra» para fazer face ao conflito interno e lamentou que «a oligarquia colombiana com rostos diabolicamente sorridentes» tenha anunciado e festejado o falecimento de «outros colombianos».

«Nós celebramos a vida e lutaremos sempre por ela», referiu Chavéz, referindo-se à morte do «número dois» da direcção das FARC e restantes combatentes.

O mandatário venezuelano acrescentou que a presumível «violação da soberania» do Equador pela Colômbia «terá de ser investigada à luz do direito internacional».

Chávez considerou ainda que a Colômbia «optou pelo caminho da guerra», obedecendo a eventuais ordens dos Estados Unidos e perguntou se o país vizinho «vai transformar-se num Israel da América Latina».

«Israel, que é outro instrumento do imperialismo, fez incursões no Líbano, faz incursões quase que diárias na Faixa de Gaza, mata, sequestra, bombardeia, destrói, e o mundo fica calado. Será que a Colômbia vai ser Israel da América Latina?», questionou o presidente venezuelano.

Chavéz recordou que a Venezuela e a Colômbia viveram uma crise diplomática em 2005 na sequência do rapto em Caracas do «chanceler das FARC», Rodrigo Granda, numa operação que «não incluiu bombardeamentos, mas que foi grave».

O governo colombiano negou hoje ter violado a soberania do Equador na operação militar que se saldou pela morte de «Raúl Reys» e outros combatentes das FARC.

«A Colômbia não violou a soberania do Equador, apenas agiu de acordo com o princípio de legítima defesa», declarou o ministério dos Negócios Estrangeiros colombiano em comunicado distribuído em Bogotá, classificando «Raul Reys» como «um terrorista que tinha o hábito de cometer assassínios na Colômbia».
 
Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: André em Março 02, 2008, 11:08:37 pm
Venezuela envia milhares de militares para a fronteira com a Colômbia

Citar
O presidente da Venezuela, Hugo Chavez, enviou milhares de tropas para a zona de fronteira com a Colômbia e ordenou o encerramento da embaixada venezuelana naquele país, depois de militares colombianos terem morto o número 2 das FARC

A ordem de Chavez dada ao ministro da Defesa do seu Governo foi para «enviar, imediatamente, 10 batalhões para a fronteira com a Colômbia», segundo uma citação da agência Associated Press.

Chavez ordenou também o encerramento da embaixada da Venezuela em Bogotá, capital da Colômbia, e a retirada de todo o pessoal diplomático.

Chavez já tinha advertido a Colômbia de que uma eventual incursão militar colombiana no seu país em busca de guerrilheiros das FARC seria «motivo de guerra».

Uma advertência feita ao mesmo tempo que considerou «preocupante» e inédito o facto de as forças militares colombianas terem reconhecido que, «violando a soberania de um país vizinho», entraram no território do Equador para proceder à captura do numero 2 das FARC, Raúl Reys.

«O presidente Uribe que pense bem, não tente fazer isso aqui, porque uma invasão militar da Venezuela seria algo de extremamente grave e motivo para guerra. Não haverá qualquer desculpa» , declarou Chávez.

Lusa
Título:
Enviado por: tsumetomo em Março 02, 2008, 11:21:14 pm
Citar
Venezuela: Hugo Chavez retira representação diplomática da Colômbia e coloca tanques na fronteira


O Presidente venezuelano Hugo Chavez ordenou hoje o regresso a Caracas de toda a representação diplomática da Venezuela na Colômbia e ordenou ao ministro da Defesa a colocação de tanques na zona de fronteira com o país vizinho em retaliação por aquilo que considera ser uma violação da integridade territorial do Equador por patte do Governo Colombiano. Ontem as forças armadas colombianas mataram o número dois das FARC, Raul Reyes, numa operação aérea na fronteira equatoriana.

"Ordeno a retirada imediata de todo o nosso pessoal da embaixada em Bogotá. Que se feche a embaixada", declarou Chavez

dando assim instruções directas ao ministro da Defesa Gustavo Rangel Briceno que envie para a zona de fronteira com a Colômbia "dez batalhões".

"Ordeno que a aviação militar se coloque. Não queremos a guerra mas não vamos permitir ao império nem ao seu cachorro que nos enfraqueça", adiantou Chavez, referindo-se aos Estados Unidos e ao Presidente colombiano Álvaro Uribe.

Chavez advertiu ainda que uma operação militar colombiana em território ou espaço aéreo venezuelano, como a que aconteceu ontem no Equador, constitui uma "causa de guerra".

O conflito entre Uribe e Chavez intensificou-se depois do Presidente colombaino ter recusado a oferta de Chavez para mediar as conversações com as FARC, em Novembro passado, invocando ingerência nos assuntos nacionais colombianos.



http://ultimahora.publico.pt/noticia.aspx?id=1321358&idCanal=11


Isto ainda vai dar m*rda....
Título:
Enviado por: André em Março 03, 2008, 07:23:02 pm
Brasil quer evitar um conflito armado na região

Citar
O Governo brasileiro acompanha a crise entre Colômbia, Equador e Venezuela, acirrada pela morte do número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), e quer evitar uma guerra na região, informou hoje à Lusa o Itamaraty.

«O Brasil está a acompanhar com atenção a crise. O ministro (das Relações Exteriores) Celso Amorim está em contacto permanente com as autoridades sul-americanas e com o Presidente Lula da Silva sobre a questão«, informou fonte do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

O chanceler Amorim, que cancelou compromissos que teria nesta segunda-feira em São Paulo após voltar de Singapura e Vietname, retornou a Brasília para seguir a crise nas relações entre os três países.

Hoje, no Palácio do Planalto, sede da Presidência, Celso Amorim participou numa reunião da coordenação política do Governo, cujo tema principal foi o conflito aberto entre Colômbia, Equador e Venezuela.

Ficou decidido que o Presidente da República, Lula da Silva, fará um contacto telefónico hoje com a sua homóloga argentina Cristina Kirchner para tentar evitar uma guerra entre os vizinhos.

As relações da Colômbia com o Equador e com a Venezuela, degradadas há tempos, complicaram-se após o anúncio, no último dia 01, de que o Exército colombiano matou o número dois das FARC, conhecido como Raúl Reyes, além de outros guerrilheiros, num acampamento em território equatoriano, na área fronteiriça.

O Equador argumentou que houve uma violação do seu território e recebeu o apoio imediato do Presidente venezuelano, Hugo Chávez.

Equador e Venezuela retiraram os seus embaixadores de Bogotá e deslocaram tropas para a fronteira com a Colômbia.

Hoje, o vice-presidente colombiano, Francisco Calderón, acusou na sessão plenária do Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra que «alguns países« latino-americanos não estão a cumprir as determinações da ONU de lutar contra o terrorismo.

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Março 03, 2008, 08:32:54 pm
Ainda vamos ver uma esquadrilha de F-16 USAF estacionados na Colômbia para o que der e vier. Os Mirages 5 e Kfir não estão à altura dos Su-30 Mk V venezuelanos
Título:
Enviado por: typhonman em Março 03, 2008, 08:48:25 pm
Já era hora de a Colombia comprar uma esquadra de F-16C/D...
Título:
Enviado por: André em Março 03, 2008, 09:17:01 pm
Embaixador português em Caracas "não comenta" conflito venezuelo-colombiano

Citar
O embaixador de Portugal em Caracas, João Caetano da Silva, escusou-se hoje a comentar a tensão diplomática e militar entre a Venezuela e a Colômbia, alegando que se trata de "um assunto interno" do país.

No domingo, a Venezuela enviou militares para a sua fronteira com a Colômbia e encerrou a sua Embaixada em Bogotá, na sequência da incursão militar colombiana, no fim-de-semana, em território do Equador para combater guerrilheiros das FARC.

"É um assunto sobre o qual não presto declarações por se tratar de uma questão de política interna venezuelana", disse o diplomata à Agência Lusa.

João Caetano da Silva disse estar a informar o Governo português sobre os acontecimentos, mas insistiu que "não se trata de matéria da sua competência, do seu foro profissional".

"Relativamente a essa matéria sou apenas um observador e não faço qualquer tipo de declaração", sublinhou.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ordenou domingo o encerramento da Embaixada venezuelana em Bogotá e enviou 10 batalhões de tropas para a zona de fronteira, depois de militares colombianos terem morto Raul Reyes, o "número dois" das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), durante uma operação em território do Equador.

Hugo Chávez descreveu a operação como uma violação da soberania de um país vizinho e advertiu o seu homólogo colombiano, Álvaro Uribe, que uma eventual incursão militar colombiana em território venezuelano para atacar guerrilheiros das FARC seria "motivo de guerra".

A Colômbia e a Venezuela partilham uma fronteira com 2.219 quilómetros.

Lusa
Título:
Enviado por: André em Março 03, 2008, 10:52:02 pm
Caracas e Quito enviam tropas, Bogotá nega escalada militar

Citar
A Venezuela e o Equador ordenaram o envio de tropas para as suas fronteiras com a Colômbia, em resposta à morte do "número dois" da guerrilha marxista das FARC em solo equatoriano mas Bogotá negou hoje qualquer escalada militar.

A morte de Raul Reyes e a subsequente escalada de tensão entre a Colômbia e os seus vizinhos, o Equador e a Venezuela, causaram a mais grave crise desde há uma década nesta região da América Latina.

A Colômbia respondeu hoje à decisão de Caracas e Quito com acusações de que os documentos encontrados num acampamento rebelde bombardeado ligavam o presidente venezuleano, Hugo Chavez às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC, guerrilha marxista).

O chefe da polícia colombiana, general Oscar Naranjo, disse que os documentos recuperados de um computador do líder rebelde assassinado indicam que Chavez enviou recentemente 300 milhões de dólares (197 milhões de euros) aos guerrilheiros colombianos. Adiantou que outros documentos indicam que os rebeldes enviaram dinheiro a Chavez quando ele era o líder detido de um golpe há mais de uma década.

Naranjo disse que os documentos foram recuperados de um computador portátil propriedade do líder rebelde conhecido como Raul Reyes, que foi morto sábado num ataque de um comando do exército colombiano a um campo na fronteira com o Equador.

Uma nota recuperada de Raul Reys fala de como Chavez está grato com os 100 milhões de pesos (cerca de 150.000 dólares na época) que as FARC entregaram a Chavez quando ele estava na prisão", disse Naranjo numa conferência de imprensa em Bogotá.

O vice-presidente venezuelano Ramon Carrizalez desmentiu estas acusações: "Estamos acostumados às mentiras do governo colombiano. Digam o que disserem, não tem importância. Nesta altura, podem inventar qualquer coisa para se limparem de terem violado território equatoriano".

A morte de Reys e de outros 16 rebeldes no Equador, sábado, aumentou de forma significativa as tensões entre os três vizinhos andinos.

Sábado, Chaves prometeu que a Venezuela responderá militarmente caso a Colômbia viole a sua fronteira, para onde ordenou o envio de tanques bem como milhares de soldados. Ordenou também o encerramento da Embaixada da Venezuela em Bogotá.

O presidente equatoriano Rafael Correa disse ter enviado tropas, ao mesmo tempo que retirava o seu embaixador de Bogotá e expulsava o embaixador da Colômbia.

"Não há justificação", disse Correa, domingo à noite, desdenhando um anterior anúncio da Colômbia de que iria apresentar desculpas pela incursão militar. As tropas equatorianas heli-transportadas dirigiram-se hoje para a fronteira.

Chavez qualificou a morte de Reyes e de outros rebeldes como um ataque por "um Estado terrorista", afirmando que o presidente colombiano Alvaro Uribe é um "criminoso".

"Senhor ministro da Defesa, envie-me 10 batalhões para a fronteira com a Colômbia, imediatamente. Com tanques. Envie a Força Aérea", disse Chavez durante o seu programa semanal na rádio e na televisão.

Correa disse que a Colômbia agiu deliberadamente, penetrando bem no interior do Equador para bombardear o campo rebelde. Disse que os rebeldes foram "bombardeados e massacrados quando dormiam, usando tecnologia de precisão".

Por sua vez, os militares colombianos informaram que o campo estava localizado a apenas 1,8 quilómetros da fronteira.

Há muito que as autoridades colombianas se queixam de que os rebeldes se refugiam no Equador e na Venezuela, atravessando as fronteiras.

Hoje, as tropas equatorianas estavam "em estado de alerta máximo" e efectuavam "patrulhas na fronteira com a Colômbia, declararam responsáveis do Ministério da Defesa a coberto do anonimato.

Por seu lado, o ministro da Defesa colombiano, Juan Manuel Santos, disse hoje que o seu governo não está a enviar quaisquer tropas e que tem a situação "sob controlo".

"Nós temos a capacidade de mobilizar as nossas tropas mas não vemos qualquer necessidade de o fazer", declarou Santos.

"Preferimos deixar o presidente Chavez fora desta discussão", disse Santos à Rádio Caracol. "Não mencionamos essa pessoas, não fazemos quaisquer comentários ao que diz, faz ou sugere".

Em Washington, um porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Tom Casey, disse que os Estados Unidos apoiam o direito da Colômbia a defender-se contra as FARC e apelaram ao diálogo entre a Colômbia e o Equador.

"Da nossa perspectiva, isto é uma questão entre a Colômbia e o Equador," disse. "Não estou convencido que isto tenha a ver com a Venezuela", acrescentou.

No Chile, a presidente Michelle Bachelet ofereceu-se para mediar o conflito.

"Uma situação como esta requer uma explicação da Colômbia aos equatorianos, disse Bachelet. "Estamos muito preocupados".

Do México ao Brasil, todos ofereceram ajuda diplomática.

O governo colombiano anunciou hoje que vai enviar às Nações Unidas e à Organização dos Estados Americanos (OEA) "revelações sobre os acordos do grupo terrorista das FARC com os governos do Equador e da Venezuela".

Desde há anos que as FARC utilizam a Venezuela e o Equador como base de retaguarda para aí se refugiarem a fim de escapar às operações do exército colombiano.

Raul Reys foi morto depois da libertação unilateral pelas FARC de seis reféns desde o início do ano, graças à mediação de Hugo Chavez. A sua eliminação pode tornar mais difíceis futuras libertações.

Lusa
Título:
Enviado por: zé do bone em Março 03, 2008, 11:25:05 pm
Boas

Já aqui se falou (brevemente) sobre o equipamento aéreo à disposição das "crianças".... :roll:
Alguém tem uma ideia mais em concreto sobre o material terrestre ???
Material americano ??? Russo ??? Que tipo ???

Obrigado.
Título:
Enviado por: André em Março 03, 2008, 11:49:28 pm
Citação de: "zé do bone"
Boas

Já aqui se falou (brevemente) sobre o equipamento aéreo à disposição das "crianças".... :roll:
Alguém tem uma ideia mais em concreto sobre o material terrestre ???
Material americano ??? Russo ??? Que tipo ???

Obrigado.


Os tanques ao serviço do exército Colombiano são de origem Brasileira,  EE-9 Cascavel e EE-11 Urutu ...

A Venezuela têm muitas mais soluções:

86 AMX-30V
36 AMX-13C.90
78 Scorpion 90 FV-101  
42 Dragoon 300 LFV2  

Blindados de Transporte de Pessoal
75 AMX-13 VTT-VCI- (25 VTT/VCI +10 VTT/LT +20 VTT/PM +12 VTT/PC +8 VTT/TB)
8 FV104 Samaritan
2 FV105 Sultan
4 FV106 Samson
10 Transportpanzer Fuchs
59 Dragoon AFV APC - (25 APC +21 PM +11 PC +2 R)
130 V-100/V-150 Commando- (100 LAV-100, +30 LAV-150)
100 LAV-300 APC
38 EE-11 Urutu
Título:
Enviado por: JuanL em Março 04, 2008, 08:53:36 am
André, Colombia también tiene carros AMX-30, precisamente por ello quiso comprarle a España los suyos cuando empezó a darlos de baja ante la llegada de los Leos, autorizada la venta por el anterior gobierno, el de Zapatero la canceló (eso si podemos llamar "venta" a la entrega de 60 carros AMX-30 EM2 por 6 millones de euros claro :wink:  )
Título:
Enviado por: nelson38899 em Março 04, 2008, 10:38:38 am
neste site indica os equipamentos que tem a colombia

http://www.globalsecurity.org/military/ ... _equip.htm (http://www.globalsecurity.org/military/world/colombia/army_equip.htm)

equador
http://www.ejercito.mil.ec/ (http://www.ejercito.mil.ec/)
http://www.fuerzaaereaecuatoriana.org/p ... IDFOTO=169 (http://www.fuerzaaereaecuatoriana.org/pages/fotos.php?IDFOTO=169)
Título:
Enviado por: JuanL em Março 04, 2008, 12:08:59 pm
¿Entonces por que se decidieron por nuestros viejos AMX-30?  :?
Título:
Enviado por: André em Março 04, 2008, 02:27:07 pm
Caracas expulsa embaixador colombiano

Citar
A Venezuela expulsou, hoje, o embaixador da Colômbia em Caracas, Fernando Marín Valencia, na sequência da decisão do presidente Hugo Chávez de romper relações com o vizinho país, após a assassínio do «número 2» das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

O governo venezuelano decidiu expulsar o embaixador da Colômbia em Caracas e todo o pessoal diplomático da embaixada colombiana em Caracas», anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Nicolás Maduro.

O anúncio foi feito durante uma intervenção, numa sessão especial da Assembleia Nacional (parlamento) venezuelana, convocada para debater sobre uma alegada violação da soberania do Equador, por parte de colombianos que, no último sábado, assassinaram o «número 2» das FARC, Raul Reyes.

Segundo Nicolás Maduro a expulsão faz parte de «um conjunto de medidas que tivemos que tomar para proteger a soberania nacional, o respeito e a dignidade das nossas instituições e da nossa democracia».

O embaixador venezuelano, Fernando Marín Valencia, manifestou recentemente a esperança de que após a morte de Raul Reyes as FARC entendessem que «devem procurar o caminho da conciliação» com o governo do presidente colombiano, Álvaro Uribe.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ordenou, domingo, o encerramento da Embaixada venezuelana em Bogotá, Colômbia, e enviou dez batalhões de tropas para a zona de fronteira, depois de militares colombianos terem morto Raul Reyes, o número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), durante uma operação no Equador.

Hugo Chávez descreveu a operação como uma violação da soberania de um país vizinho e advertiu o seu homólogo colombiano, Álvaro Uribe, que uma eventual incursão militar em território venezuelano, em busca de guerrilheiros das FARC, seria «motivo de guerra».

A Colômbia e a Venezuela partilham uma fronteira com 2.219 quilómetros.

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: André em Março 04, 2008, 07:09:50 pm
Militares dirigem-se para fronteira com a Colômbia

Citar
Cerca de 9.000 militares venezuelanos começaram hoje a ser destacados para a fronteira com a Colômbia, país que tem o maior exército regular de entre os três envolvidos na crise político-diplomática desencadeada no último fim-de-semana.

Segundo a agência norte-americana AP, centenas de militares venezuelanos foram vistos hoje de manhã na base de Paramaracay, na cidade de Valencia (centro), a embarcar em oito autocarros e oito camionetas, enquanto um helicóptero sobrevoava a zona. A coluna incluía camiões de combustível e gruas.

Um oficial da base, que não quis ser identificado, disse que a tropa se dirigia para a fronteira com a Colômbia, embora não especificasse o local.

No estado de Lara (norte), o governador Luis Reyes disse hoje que batalhões no seu estado estavam a dirigir-se para a fronteira.

«Existe mobilização no estado de Lara em direcção à zona de fronteira», disse Reyes, antigo tenente-coronel, à televisão venezuelana Globovision.

Os militares venezuelanos têm mantido o silêncio acerca do movimento de soldados desde domingo, quando o presidente Chavez ordenou o envio de 10 batalhões para a fronteira, incluindo carros blindados.

O general retirado Alberto Muller Rojas, aliado próximo de Chavez, disse à AP que os 10 batalhões a ser enviados para a região da fronteira incluíam aproximadamente 9.000 homens. Classificou o destacamento das tropas de inteiramente «preventivo».

Chavez decidiu destacar tropas em resposta à operação militar de Bogotá com incursão no Equador, no sábado, da qual resultou a morte do «número dois» das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e de outros 16 guerrilheiros.

O Equador também enviou tropas para a sua fronteira com a Colômbia, classificando o ataque militar colombiano como uma violação da sua soberania.

Segundo Muller, vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela de Chavez, as forças armadas venezuelanas contam actualmente com cerca de 100.000 militares, ascendendo os reservistas a 280.000 homens.

A Colômbia, cujas forças armadas são apoiadas pelos Estados Unidos, tem 255.000 militares regulares e 62.000 reservistas, de acordo com o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos com sede em Londres.

No que se refere ao Equador, o site country-data.com indica que em 1989 o exército equatoriano tinha perto de 40.000 homens, quase quatro vezes mais que a soma dos da força aérea e da marinha.

As FARC contam com entre 9.000 a 12.000 guerrilheiros.

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: dawn_to_dusk_ em Março 04, 2008, 07:14:35 pm
e se enventualmente equador e a venezuela declaram guerra à colombia e esta ganha-a... teriamos o regresso da Gran-Colombia ?  c34x
Título:
Enviado por: JuanL em Março 04, 2008, 07:20:07 pm
Citação de: "dawn_to_dusk_"
e se enventualmente equador e a venezuela declaram guerra à colombia e esta ganha-a... teriamos o regresso da Gran-Colombia ?  :lol:

En los tiempos que vivimos una anexión de un país por otro es poco probable
Título:
Enviado por: dawn_to_dusk_ em Março 04, 2008, 07:47:52 pm
Citação de: "JuanL"
Citação de: "dawn_to_dusk_"
e se enventualmente equador e a venezuela declaram guerra à colombia e esta ganha-a... teriamos o regresso da Gran-Colombia ?  :lol:

En los tiempos que vivimos una anexión de un país por otro es poco probable


estava a fazer  um jogo mental de risk  :D
Título:
Enviado por: André em Março 04, 2008, 10:23:00 pm
Dois mil voluntários para defender as fronteiras

Citar
Organizações populares venezuelanas ligadas à Frente Nacional Simón Bolívar disponibilizaram hoje 2.000 voluntários para participar no plano de segurança das fronteiras com a Colômbia ordenado pelo presidente Hugo Chávez.
Durante um acto público de apoio a Hugo Chávez, realizado na Praça Bolívar de Caracas, a porta-voz da Frente, Lina Ron, repudiou ainda «o assassínio vil, em solo equatoriano, do companheiro e combatente Raul Reyes», «número dois» das FARC (guerrilha colombiana).

«Honramos a memória de Raul Reyes e de todos os combatentes (das FARC) caídos no ataque, produto de uma ofensiva imperialista do governo narco-paramilitar de Álvaro Uribe (presidente da Colômbia), seguindo as instruções do seu chefe, George Bush» (presidente dos EUA).

«Nós, combatentes revolucionários, militantes da unidade nacional, da unidade popular, convocamos o povo da Venezuela» (para defender as fronteiras), prosseguiu Lina Ron.

Dirigindo-se ao presidente da Venezuela, anunciou que as organizações ligadas à Frente Simón Bolívar colocam à disposição dois mil voluntários «para acompanhar as Forças Armadas venezuelanas em quaisquer acções».

Enquanto a Frente fazia o anúncio de voluntários para reforçar as operações militares de defesa da fronteira, simpatizantes do presidente venezuelano gritaram várias palavras de ordem, como «com Chávez tudo, sem Chávez chumbo».

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ordenou domingo o encerramento da Embaixada venezuelana em Bogotá e o envio de dez batalhões de tropas para a zona de fronteira, depois de militares colombianos terem feito sábado uma incursão em território do Equador para atacar uma base das FARC, da qual resultou a morte de Raul Reyes e de duas dezenas de outros rebeldes.

Hugo Chávez descreveu a operação como uma violação da soberania de um país vizinho e advertiu o seu homólogo colombiano, Álvaro Uribe, que uma eventual incursão militar em território venezuelano, em busca de guerrilheiros das FARC, seria «motivo de guerra».

A crise tem suscitado opiniões contraditórias na sociedade venezuelana, com a generalidade das pessoas a reconhecer que a Colômbia violou a soberania do Equador, mas com muitos a considerar exagerada a reacção do Presidente Hugo Chávez.

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: Scarto em Março 04, 2008, 11:22:17 pm
Pergunto-me,como é possivel "honrar" alguem,que ataca alvos civis,mata e rapta civis..

A ser verdade,as provas que a Colombia apresenta sobre dinheiros entregues por Chavez às Farc,parece que é o principio do fim dele..Talvez por isso esta reacção,ou então pk os Estados Unidos simplesmente deixaram de se preocupar com ele!

Já agora,axam que na possibilidade de um conflito os Estados Unidos iriam apoiar directa ou indirectamente a Colombia?
Título:
Enviado por: André em Março 05, 2008, 12:43:08 pm
Caracas garante segurança dos colombianos

Citar
O ministro venezuelano do Interior e Justiça, Ramón Rodríguez Chacín, transmitiu, terça-feira, uma mensagem de «segurança e tranquilidade» aos milhares de colobianos radicados no país, argumentando que os seus direitos estão garantidos e «não haverá caça às bruxas».

«O governo venezuelano garante-lhe, aos colombianos, segurança e tranquilidade», disse Rodriguez Chacín durante uma intervenção na Assembleia Nacional (parlamento), numa sessão ordinária em que abordou aspectos com a «violação da soberania do Equador» por parte da Colômbia.

Segundo aquele responsável, as autoridades venezuelanas consideram os colombianos como «parte consubstancial de nós (Venezuela)».

«Mando-lhes uma mensagem de solidariedade, de apoio, que não temam, porque em nenhum momento existirá uma caça às bruxas contra os nossos irmãos colombianos», disse.

A mensagem do ministro Ramón Rodríguez Chacín tem lugar numa altura em que vários cidadãos da Colômbia, que aguardam a obtenção da cidadania venezuelana, manifestaram, à Agência Lusa, estar a circular rumores de que a Guarda Nacional (polícia militar) estaria a deter colombianos no bairro Chapellín, em Caracas, e a proceder à sua deportação.

Temendo «complicações» por opinar sobre o conflito colombo-venezuelano, algumas pessoas sublinharam que entre os deportados estariam também cidadãos que transitam a sua residência e outros que chegaram a Caracas à procura de trabalho e melhores condições de vida, nalguns casos sem documentados.

Segundo fontes não oficiais, existem na Venezuela pelo menos quatro milhões de colombianos com dupla cidadania (são também venezuelanos) e pelo menos um milhão de cidadãos que possui apenas a nacionalidade colombiana.

«A crise diplomática, comercial e política que temos com a Colômbia tem a sua origem no petróleo e é promovida pelos Estados Unidos», disse o ministro Ramón Rodríguez Chacín.

«Os EUA são capazes de qualquer coisa» para controlar as reservas petrolíferas da Venezuela, acrescentou o ministro que exemplificou com a invasão ao Iraque.

«Eles consideram que o petróleo venezuelano lhes pertence», disse Chacín que acusou a imprensa colombiana e venezuelana de estar ao serviço dos interesses norte-americanos.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ordenou, domingo, o encerramento da Embaixada venezuelana em Bogotá, Colômbia, e enviou dez batalhões de tropas para a zona de fronteira, depois de militares colombianos terem morto Raul Reyes, o número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), durante uma operação no Equador.

Hugo Chávez descreveu a operação como uma violação da soberania de um país vizinho e advertiu o seu homólogo colombiano, Álvaro Uribe, que uma eventual incursão militar em território venezuelano, em busca de guerrilheiros das FARC, seria «motivo de guerra».

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: Paisano em Março 05, 2008, 01:06:08 pm
Impossível ficar de fora*

Fonte: www.tribunadaimprensa.com.br (http://www.tribunadaimprensa.com.br)

Citar
Quando a gente menos espera, o inusitado chega e embaralha tudo. Não deixará de atingir o Brasil o conflito entre Venezuela e Equador, de um lado, e Colômbia e Estados Unidos, de outro. Há quem fale até em guerra, como o singular Hugo Chávez.

Como ficaremos, tanto tempo depois que o Barão do Rio Branco se foi? Promover um encontro entre os três presidentes beligerantes, na Amazônia ou em Brasília, acabaria em lambança, ainda que a palavra entendimento pressuponha adversários e até inimigos.

Caso aconteça o pior, ou seja, a invasão da Colômbia pelas divisões blindadas venezuelanas, não se passarão quinze minutos até que os americanos tomem partido na refrega, direta ou indiretamente, através de seus "marines" ou compondo uma "força de paz" empenhada em equilibrar a guerra.

Não haverá, entre os generais colombianos, um só que se chame David Canavarro, aquele que diante do oferecimento de irregulares uruguaios e argentinos para defender a exangüe República do Piratini declarou que o sangue do primeiro estrangeiro a cruzar a fronteira seria utilizado para celebrar a paz com o Império. A Colômbia não terá outra alternativa senão aceitar a "colaboração" dos Estados Unidos.

E aí? - perguntará a diplomacia brasileira. E aí, perderemos de qualquer maneira, ficando de um lado, de outro ou até em cima do muro. Tendo a Amazônia por palco, uma guerra nem tanto assim subdesenvolvida se estenderia ao território nacional. A não ser nos mapas, não dá para identificar fronteiras nem adversários.

O presidente Lula buscou contacto com os três companheiros em litígio, sabendo que tudo dependerá do quarto, lá em cima. Em suma, é bom comprar guarda-chuvas, porque a tempestade pode tornar-se inevitável...

*Carlos Chagas
Título:
Enviado por: André em Março 05, 2008, 07:07:45 pm
Telefonema de Chavez permitiu localizar rebelde Reyes - Secreta colombiana

Citar
Um telefonema do presidente da Venezuela, Hugo Chavez, ao chefe rebelde Raul Reyes permitiu localizar o "número dois" das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), segundo "informações dos serviços secretos" colombianos, divulgadas hoje pela Radio Cadena Nacional.

A chamada telefónica ocorreu na quarta-feira, 27 de Fevereiro, dia em que foram libertados pelas FARC quatro deputados colombianos (Gloria Polanco, Luis Eladio Pérez, Orlando Beltrán e Jorge Eduardo Gechem), após quase sete anos de sequestro.

"Chavez, emocionado pela libertação dos sequestrados, telefonou a Reyes (aliás Luis Edgar Devia) e informou-o que tudo tinha corrido bem", assinalou a rádio, que citou "altas fontes militares" colombianas.

Os serviços de informações localizaram a chamada e detectaram que Reyes estava em território colombiano perto da fronteira com o Equador, atravessou-a "e logo veio o bombardeamento", na sexta-feira à noite e na madrugada de sábado, quando foram mortos o chefe rebelde e cerca de 20 outros guerrilheiros.

Segundo a Radio Cadena Nacional, "o mesmo oficial dos serviços de informações - que pediu anonimato - disse que 'não deixa de ser uma ironia que tenha sido uma chamada do presidente Chavez o que nos permitiu dar baixa de Reyes'".

Reyes morreu após o bombardeamento por tropas colombianas de um acampamento rebelde em território equatoriano, situação que deu origem a uma crise diplomática entre os dois países, levando Quito a cortar relações com Bogotá.

Ainda segundo a rádio, que cita a mesma fonte dos serviços secretos, o fundador e líder das FARC, Manuel Marulanda, mais conhecido como "Tirofijo", mas cujo nome verdadeiro é Pedro Antonio Marin, "está refugiado na Venezuela".

Os serviços de informações saberão que Marulanda "está doente" e que "está refugiado numa quinta venezuelana, longe da fronteira com o departamento (colombiano) de Norte de Santander".

As fontes da Radio Cadena Nacional assinalaram que "Chavez ordenou o destacamento de batalhões para a fronteira para proteger 'Tirofijo' e evitar que façam no território venezuelano o que fizeram com Reyes no Equador".

Lusa
Título:
Enviado por: papatango em Março 05, 2008, 07:13:12 pm
A invasão seria pela divisão blindada venezuelana.

A IV divisão não tem unidades suficientes para atacar a Colombia e embora possa tomar uma cidade fronteiriça não tem qualquer capacidade para avançar.

Só há duas formas de entrar na Colombia.

A primeira é na fronteira de Cucuta, que liga a Bucaramanga e para chegar lá, é necessário passar numa estrada onde se atinge a altitude de 3.000 metros de altura e que é ladeada por montanhas que atingem 3700 metros.

Depois há uma descida e volta-se a subir até Bucaramanga. Nesse ponto, É necessário atingir um entroncamento rodoviário que fica no topo de um planalto e de onde é possível até cortar a estrada através de desabamentos de terras.

Aliás, só com desabamentos de terras, efectuados por pequenas unidades de engenharia e sapadores, é possível bloquear uma unidade pesada nas montanhas.

Além disso, as forças blindadas venezuelanas não foram enviadas em massa para um ponto da fronteira para invadir o país, mas sim para vários pontos, numa disposição claramente defensiva.

Chaves pode no entanto tentar uma vitória rápida, tomando a cidade de Cucuta, para depois a entregar em glória, vencedor.

Chavez precisa de uma vitória rápida e a tomada de uma cidade dá-lhe essa vitória.

Para isso precisa de um incidente.

Mas a resposta seria devastadora. As FARC por uma lado ficam em vantagem, pois teriam o apoio de Hugo Chavez, mas a Colombia poderia atacar as FARC onde quer que estivessem.

O principal prejudicado com isso seria o Brasil.

Sem lugar para onde ir, as FARC acabariam por se embrenhar na floresta na direcção sudeste, para procurar refugio no alto Rio Negro no noroeste do estado do Amazonas.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Roque em Março 05, 2008, 07:57:34 pm
España intentará mediar para que a sangre non chegue  ao río:
http://www.swissinfo.ch/spa/internacion ... 1000&ty=ti (http://www.swissinfo.ch/spa/internacional/detail/Espa_a_anuncia_mediaciones_ante_la_crisis_Ecuador_Colombia.html?siteSect=143&sid=8815515&cKey=1204720181000&ty=ti)

Citar
"Hablé antes de ayer con el ministro de Colombia (Fernando Araújo), ayer hablé con la ministra de Ecuador (María Isabel Salvador)", declaró Moratinos en unas declaraciones recogidas por Radio Nacional de España.


Saudos
Título:
Enviado por: Scarto em Março 05, 2008, 09:15:07 pm
Ao que parece,a Colombia e o Equador chegaram a um acordo na OEA (OEA (American States Organization) e as "hostilidades" entre ambos cessaram.

Como ficará agora Hugo Chavez? :roll:
Título:
Enviado por: tsumetomo em Março 05, 2008, 09:47:53 pm
Citar
Chávez ofereceu às FARC petróleo e contratos públicos na Venezuela


O Presidente da Venezuela, Hugo Chávez, terá oferecido às FARC a possibilidade de comercializar petróleo e gasolina e de realizar e receber contratos estatais nesse país, segundo revela a revista colombiana "Semana" numa edição extraordinária publicada hoje.

Os detalhes da oferta aparecem num dos e-mails encontrados no computador do chefe guerrilheiro morto no sábado passado, Raúl Reyes, e constituiram a matéria de investigação da revista.

As autoridades de Bogotá apreenderam quatro computadores pessoais num acampamento do Equador, bombardeado no sábado pela Força Aérea Colombiana, em que morreram Raúl Reyes, "número dois" e porta-voz internacional das FARC, e cerca de 20 rebeldes.

A oferta venezuelana de negócios aparece detalhada num e-mail sobre um encontro recente com Chávez, que os guerrilheiros Iván Márquez e Rodrigo Granda enviaram no passado dia 8 de Fevereiro ao chefe máximo da organização, Manuel Marulanda Vélez, e aos demais membros do secretariado rebelde.

Márquez, que foi recebido há cinco meses em Caracas por Chávez - para gerir o acordo sobre os reféns das FARC - integra o secretariado do grupo, ao passo que Granda pertence à rede internacional rebelde.

Segundo o documento, Chávez, identificado com o nome de "Anjo", ofereceu aos emissários "a possibilidade de um negócio" em que a organização receberia "uma quota de petróleo para a comercializar no exterior", acordo que a guerrilha assume como "muito vantajoso".

Márquez e Granda escrevem igualmente que foi oferecido às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia "a venda de gasolina na Colômbia ou na Venezuela", a "possibilidade de adjudicação de contratos estatais (venezuelanos)" e "a criação de uma empresa rentável para investimentos na Venezuela". O e-mail indica ainda que esta empresa poderia constituir-se com uma parte do "dossier", termo que, segundo o director da Polícia Nacional da Colômbia, o general Óscar Naranjo, foi adoptado pelos rebeldes para se referirem a uma doação de 300 milhões de dólares que lhes foi prometida por Chávez. Desses 300 milhões - continua o documento - "já estão disponíveis os primeiros 50 e foi elaborado um cronograma para se completarem os 200 [milhões] até ao final do ano".

Esta aproximação entre Chávez e as FARC, denunciada pelo governo colombiano, colocou este país à beira de uma crise histórica com a Venezuela, mas também com o Equador. Na segunda-feira, Chávez ordenou a expulsão do embaixador colombiano em Caracas, Fernando Marín, e dos seus colaboradores na representação, ao passo que o Presidente do Equador, Rafael Correa, rompeu relações com Bogotá.



http://ultimahora.publico.pt/noticia.aspx?id=1321660&idCanal=11


É de estranhar que o PCP ainda não se tenha lembrado de tentar fazer o mesmo... ou talvez seja sinal que ainda lhes resta alguma pinga de seriedade politica.
Título:
Enviado por: André em Março 05, 2008, 11:33:48 pm
Conflito domina Cimeira do Grupo do Rio

Citar
O conflito entre o Equador e a Colômbia depois da morte de uma vintena de guerilheiros das FARC num ataque do Exército colombiano em território equatoriano domina a cimeira do Grupo do Rio que hoje começa em Santo Domingo.

Os presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, da Colômbia, Álvaro Uribe, e do Equador, Rafael Correa, reúnem-se na Chancelaria dominicana na XX Cimeira de Chefes de Estado e de Governo do Grupo do Rio, que é precedida hoje por uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros.

A crise trilateral não esteve presente até agora nas reuniões de coordenação que se realizam desde terça-feira, nas quais se prepara a agenda dos ministros e presidentes e o documento final da cimeira - mas todos sabem qual será o grande tema da reunião de dois dias.

"É algo que está no ar", disse um dos participantes nas sessões prévias, como também está "o nervosismo que há em toda a América", reconheceu.

Energia, desenvolvimento e os desastres naturais, temas seleccionados para serem tratados pelos chefes de Estado, passaram para segundo plano, face ao peso político e informativo do conflito colombo-equatoriano-venezuelano.

O vice-ministro dominicano dos Negócios Estrangeiros, José Manuel Trullols, disse quarta-feira, em declarações aos media, que a cimeira "poderá ser um bom cenário para qualquer tipo de mediação, com o objectivo de conseguir a conciliação dos países em dificuldades".

Admite-se que possa haver uma declaração fazendo referência à crise diplomática entre os três países, num documento adicional à declaração final da cimeira.

Participam na cimeira como representantes especiais o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, e o secretário-geral Ibero-americano, Enrique Iglesias.

Até agora confirmaram a sua participação na cimeira os presidentes de Argentina, Cristina Fernandez, da Bolívia, Evo Morales, do Chile, Michelle Bachelet, de El Salvador, Elías Antonio Saca, da Guatemala, Álvaro Colom, das Honduras, Rafael Zelaya, do México, Felipe Calderón, da Nicarágua, Daniel Ortega, e do Panamá, Martín Torrijos, além de Uribe, Correa e Chavez.

O Grupo de Rio é um organismo surgido em 1986 que procura o diálogo, a integração e a concertação política entre os países de América Latina e das Caraíbas.

Ao grupo pertencem a Argentina, Belize, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Guiânia, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Lusa
Título:
Enviado por: joao do brasil em Novembro 10, 2008, 05:09:15 pm
Olha no meu blog... http://defensesystemsbrasil.blogspot.com/ (http://defensesystemsbrasil.blogspot.com/)
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Lusitano89 em Julho 17, 2010, 05:45:32 pm
Chávez ameaça romper relações com a Colômbia


O Presidente da Venezuela afirmou ontem que poderá “quebrar relações” com a Colômbia em breve – “nas próximas horas”, disse. O conflito deve-se à denúncia da suposta presença de guerrilheiros colombianos em solo venezuelano.

Chávez não irá à tomada de posse de Juan Manuel Santos (no dia 7 de Agosto), que foi eleito para a presidência da Colômbia, por dever “proteger” a sua vida, disse o Presidente, adiantando que o seu homólogo cessante, Álvaro Uribe, seria “capaz de qualquer coisa”, acusando-o de ser “mafioso” por causa das acusações de que rebeldes colombianos estariam em território venezuelano, tolerados por Caracas.

Um raide colombiano a um campo dos rebeldes das FARC no Equador levou a Venezuela a movimentar tropas o que levou a temores de uma guerra na região andina. Agora, a Colômbia diz que tem imagens de satélite mostrando que um importante comandante da FARC tem um acampamento na Venezuela.

Mas Chávez admite, apesar de tudo, poder ter uma melhor relação com o sucessor de Uribe, um ex-ministro da Defesa do actual Presidente e que foi um grande crítico do Governo da Venezuela. “Já são evidentes as diferenças internas entre Uribe e Santos”. “Espero que o novo Presidente da Colômbia honre o que tem vindo a dizer, apesar do seu passado.”

Público
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Lusitano89 em Julho 22, 2010, 09:05:08 pm
Hugo Chávez rompe «todo o tipo» de relações com a Colômbia


O presidente da Venezuela anunciou hoje a ruptura das relações bilaterais com Bogotá, na sequência da decisão colombiana de acusar Caracas de dar guarida a guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e do Exército de Libertação Nacional (ELN).
“A Venezuela rompe deste este momento todo o tipo de relação com a Colômbia”, disse Hugo Chávez, durante a recepção do futebolista argentino Diego Armando Maradona, transmitida pelo canal de televisão estatal venezuelano.

“Vejo-me obrigado a romper as relações com a Colômbia, por dignidade. É o mínimo que nós podemos fazer e estaremos alerta porque [Álvaro] Uribe [presidente da Colômbia] está doente de ódio”, sublinhou.

Por outro lado, ordenou às Forças Armadas Venezuelanas que estejam em “alerta máxima” na fronteira colombo-venezuelana e instou o presidente eleito da Colômbia, Juan Manuel Santos, a tomar medidas para “retomar o caminho da razão na Colômbia, que contribuam para que não ocorram coisas mais graves”.

Hugo Chávez acusou o ainda presidente da Colômbia de ser “capaz de mandar montar um acampamento simulado do lado venezuelano para atacar e causar uma guerra” com o vizinho país.

O embaixador da Colômbia na Organização de Estados Americanos (OEA), Luís Alfonso Hoyos, denunciou hoje que 1500 guerrilheiros colombianos estão refugiados em território venezuelano, reclamando de Caracas que tome “acções urgentes” para combater “o pesadelo do narcotráfico e do terrorismo”.

Luís Alfonso Hoyos falava durante uma sessão extraordinária do Conselho Permanente da OEA, convocada por Bogotá para debater e dar a conhecer as provas de denúncias sobre a alega presença de guerrilheiros e terroristas das FARC e do ELN em território venezuelano.

Segundo Luís Alfonso Hoyos, a paz na Colômbia está afectada “quando guerrilheiros encontram guarida no irmão território da Venezuela, onde encontram a oportunidade de se rearmarem, de sequestrar e de planear acções terroristas”.

As relações diplomáticas e comerciais entre a Colômbia e a Venezuela estavam congeladas desde há quase um ano, por decisão do presidente venezuelano, Hugo Chávez, mas a tensão agudizou-se na última semana, quando o governo colombiano disse ter "provas" da presença de chefes guerrilheiros no país vizinho.

Lusa
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: cromwell em Julho 23, 2010, 12:37:04 am
Deviamos eramos nós cortar relações com esse bolchevista e retirar de lá os nossos portugueses, que vão ter o azar de viver na ditadura dele. :evil:
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Crypter em Julho 23, 2010, 10:25:50 am
Citação de: "cromwell"
Deviamos eramos nós cortar relações com esse bolchevista e retirar de lá os nossos portugueses, que vão ter o azar de viver na ditadura dele. :evil:

Vão, não. Estão a ter o azar de viver na ditadura dele..
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 23, 2010, 12:49:20 pm
Citação de: "cromwell"
Deviamos eramos nós cortar relações com esse bolchevista e retirar de lá os nossos portugueses, que vão ter o azar de viver na ditadura dele. :evil:

Com que dinheiro? Também ias indemnizá-los? É que eles têm negócios lucrativos, muitos se viessem para Portugal viriam com uma mão à frente e outra atrás. A comunidade portuguesa é grande e lentamente está a sair de lá. A razão disso é a mesma que em África do Sul, ou seja, o crime endémico que há neste momento nesses dois países.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Vicente de Lisboa em Julho 23, 2010, 04:54:38 pm
Cortar relações? Desperdiçar um mercado em que, por muita sorte e algum jeitinho de diplomacia, o investimento/comércio português ainda é dos poucos bem vistos pelo regime? Por em risco a Diáspora Portuguesa lá residente? Deixem-se de tretas e saltem é já a apanhar os negócios que a Colômbia e os Colombianos vão perder com esta ação.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: sergio21699 em Julho 23, 2010, 05:52:34 pm
Citação de: "Vicente de Lisboa"
Cortar relações? Desperdiçar um mercado em que, por muita sorte e algum jeitinho de diplomacia, o investimento/comércio português ainda é dos poucos bem vistos pelo regime? Por em risco a Diáspora Portuguesa lá residente? Deixem-se de tretas e saltem é já a apanhar os negócios que a Colômbia e os Colombianos vão perder com esta ação.

Concordo a 100%, aproveitem que o Socrates dá-se bem com o Chavez e aproveitem para fazer negócio com ele.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Snowmeow em Julho 26, 2010, 03:36:12 pm
Citação de: "sergio21699"
Concordo a 100%, aproveitem que o Socrates dá-se bem com o Chavez e aproveitem para fazer negócio com ele.
Desde que esse negócio não seja relacionado a mídia, pois já sabe, se falar mal do Chávez, se ferrou. :mrgreen:
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: legionario em Julho 27, 2010, 05:00:09 pm
Citação de: "Vicente de Lisboa"
Cortar relações? Desperdiçar um mercado em que, por muita sorte e algum jeitinho de diplomacia, o investimento/comércio português ainda é dos poucos bem vistos pelo regime? Por em risco a Diáspora Portuguesa lá residente? Deixem-se de tretas e saltem é já a apanhar os negócios que a Colômbia e os Colombianos vão perder com esta ação.

Caro Vicente, adoro o seu pragmatismo ! (nao estou a ser ironico)
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 10, 2010, 10:53:18 pm
Chávez quer reconciliar-se com Bogotá «custe o que custar»


O presidente venezuelano, Hugo Chávez, manifestou-se hoje disposto a reconciliar-se com a Colômbia, “custe o que custar”, pouco mais de duas semanas depois de romper relações com Bogotá em protesto pelas acusações de que guerrilheiros colombianos se refugiam na Venezuela.

“Apesar de todas estas tormentas, Colômbia venho ratificar-te o meu amor, que será eterno, o amor de um bolivariano, de um soldado da paz. Queremos construir a paz entre nós custe o que custar” disse Chávez no Aeroporto Simón Bolívar de Santa Marta, a cidade mais antiga da América Latina, ao chegar à Colômbia para um encontro com o novo presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

“Venho com a vontade, o coração, de começar pacientemente a reconstruir o que foi desmoronado, mas contamos com bastante recursos para reconstruir umas novas e boas relações entre Colômbia e Venezuela, o (recurso) maior é a história e a geografia do nosso povo”, afirmou Chávez.

O Presidente da Venezuela, que foi recebido com honras militares pela ministra de Relações Exteriores da Colômbia, Maria Ângela Holguín, sublinhou ainda ter chegado “a terra sagrada para para nós” e que o encontro em Santa Marta foi “a primeira e extraordinária boa decisão que tomámos ambos presidentes.

Santa Marta é a cidade onde o herói das independências sul-americanas, Simon Bolívar, foi visto com vida pela última vez.

Chávez rompeu a 22 de julho as relações bilaterais com Bogotá, na sequência da decisão colombiana de acusar Caracas, na Organização de Estados Americanos (OEA), de proteger guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e do Exército de Libertação Nacional (ELN).

As relações diplomáticas e comerciais entre Caracas e Bogotá estavam congeladas desde 28 de julho de 2009, por decisão da Venezuela, em protesto contra o anúncio das autoridades colombianas de que tinham encontrado um lote de armas, procedente da Venezuela, nas mãos da guerrilha.

No centro da polémica entre os dois Estados está ainda a decisão da Colômbia de permitir aos Estados Unidos usarem sete bases militares no país, no âmbito de um programa de luta contra o narcotráfico e o terrorismo.

Lusa
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Snowmeow em Setembro 20, 2010, 03:23:40 pm
Na minha humilde opinião, eu acho que Hugo Chávez está com alguma carta na manga...

Ou então, o congelamento das relações com a Colômbia era birra dele com o Álvaro Uribe.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: urso bêbado em Março 30, 2012, 06:24:57 pm
TODOS A SE CHAMAREM BOLIVARIANOS  :!:

O SONHO BOLIVARIANO ERA A GRANDE COLÔMBIA: COLÔMBIA, VENEZUELA, EQUADOR, PANAMÂ, ... AINDA ACRESCETAVA DESEJOS DUMA AMÉRICA UNIDA; APOIOU QUANTA LUTA DE LIBERTAÇÃO EXISTIR... E LOGO VIU COMO RUIA A GRANDE NAÇÃO QUE PUDO SER...

A GAROTADA TODA DE POLÍTICOS LATINOAMERICANOS QUE SE RECLAMAVAM DE BOLÍVAR FAZEM É ENVERGONHAR A MEMÓRIA DO GRANDE PATRIOTA AMERICANO.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Thiago Barbosa em Abril 15, 2012, 10:44:55 pm
Bolívar via o Brasil como o Grande Império do Sul, nocivo à América Hispânica e isso é parte da filosofia bolivariana ainda hoje. Não é um problema agora e não deve vir a ser, já que os bolivarianos perderam força nos últimos anos, principalmente pelo estado deplorável de Hugo Chávez. Bom para o Brasil, bom para a América Hispânica...
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: HSMW em Junho 22, 2012, 04:07:07 pm
Reparem na reacção ao contacto aos 16:20.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: HSMW em Junho 23, 2012, 12:01:33 am
Citar
according to a military and press information ....

The soldiers killed in action are Sgt. Jose Cortez Viveros, a native from Tumaco, professional soldiers Eduardo Rodriguez Rueda, from Santander, Walter Serpa Camacho from Sahagún, Cordoba, and the policeman Andres Felipe Rodriguez Suescún . Then he latter was transferred to Medellin and then to Guarne, his hometown, where he was buried. The officer spent seven years in the Sijin, a Special Police Force

The injured were identified as Captain Jason Gomez Perez, who was wounded in the arm; Aureliano Lopez Muñoz soldier, wounded with a shot in the body, the soldiers of Dumar Aponte, Jose Luis Ayala and Rafael Pinto Alfonso Quintero, wounded by shrapnel . Also were identified Alzate Luis Barrera, Jorge Moreno Leon, Mario Golf Velasco, Andres Mosquera and Alfredo Embus.
:arrow:  http://www.militaryphotos.net/forums/sh ... n-Colombia (http://www.militaryphotos.net/forums/showthread.php?213989-Combat-footage-of-the-kidnaping-of-the-French-Journalist-Romeo-Langlois-in-Colombia)
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: ACADO em Junho 24, 2012, 11:52:39 am
Citação de: "HSMW"
Reparem na reacção ao contacto aos 16:20.

Para mim o grande problema destes Homens foi uma grande falta de Liderança, Iniciativa, equipamento e de treino.
Coitados, morreram e nem souberam bem porque!!
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: FoxTroop em Junho 28, 2012, 09:46:15 pm
Bem, para futura discussão e aprendizagem de todos nós, quais são então os erros e faltas? Que deficiências nos equipamentos e treino? Qual ou quais os erros da liderança?

Penso que seria bastante bom uma discussão saudável sobre estes pontos.  :wink:
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 29, 2012, 03:30:46 pm
Eu vejo uns tipos que estão bem equipados a operar num TO hostil, em inferioridade numérica contra uns fulanos que conhecem melhor o terreno por estarem no seu quintal provavelmente comandados por um alto responsável das FARC. Como tal devem estar altamente motivados para apanhar os militares Colombianos e da mesma forma que os desgraçados que foram feridos/mortos rapidamente perceberam que a coisa não estava do seu lado, o pessoal da FARC perceberam que estavam no local certo e no momento certo para conseguirem capturar/matar uns quantos.

Faz-me lembrar aqueles jornalistas franceses na guiné:

Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Luso em Junho 29, 2012, 06:46:57 pm
Eu também gostava que alguém habilitado nos dissesse o que correu mal e porquê.
Acado, por favor explica os teus comentários.

Na minha total ignorância pareceu-me que os homens se comportavam com um à-vontade espantoso. Falta de coragem não será, certamente...
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: HSMW em Junho 29, 2012, 07:03:01 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
o pessoal da FARC perceberam que estavam no local certo e no momento certo para conseguirem capturar/matar uns quantos.
E como?! Aqueles putos de mota quase de certeza que foram avisar a guerrilha. Isto está relacionado com o apoio das FARC aos produtores de folha de coca que não têm outro meio de subsistência.
Até as galochas que eles usavam são iguais às dos guerrilheiros que vi nas fotos da libertação do jornalista!

Em relação ao combate, depois do contacto é que informam o Capitão que estão numa zona em que se situa um líder FARC!  :evil:
Depois faz falta um aeronave de apoio a sério! Um AC-130, Apache, Cobra, MI-35... E o resultado tinha sido outro.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Luso em Junho 29, 2012, 07:11:32 pm
Pareceu-me ver um Apache, coisa que me espantou.
Miniguns não faltavam e até um Spooky ainda voa! :shock:
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: HSMW em Junho 29, 2012, 07:37:28 pm
Apache não devia ser. :?
Talvez um Huey para além dos BlackHawk.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Luso em Junho 29, 2012, 09:03:52 pm
Aos 21´07", HSMW... Não tenho a certeza, mas...

Regressando à análise do contacto, tirando a falha nas informações, comentários?
Repito que gostaria que saber o que o ACADO, por exemplo, tem a dizer em concreto, face às afirmações anteriores.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: HSMW em Junho 29, 2012, 10:20:09 pm
Citação de: "Luso"
Aos 21´07", HSMW... Não tenho a certeza, mas...
Por acaso até parece mas pelo que sei a Colômbia não opera Apaches, será portanto um BlackHawk (Arpia III)
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fi.imgur.com%2FHrPN8.jpg&hash=2c74522293c75838ddedb98ca0dce943)
Mas opera Super Tucanos que poderiam ter dado cobertura para a evacuação.
As forças colombianas não me parecem mal equipadas.
Quanto à formação:
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fcanadiandefence.com%2Fwp-content%2Fuploads%2F2012%2F06%2Ffuerzas-comando-2012-final-standings.jpg&hash=a3dfcf9ec75bdc08e94bcbd8e8eceb60)
 :arrow: :idea: Aqui (http://http)
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Luso em Junho 29, 2012, 11:14:49 pm
É isso mesmo, HSMW.

O apache não precisa de ser colombiano, mas tudo aponta para ser efectivamente um Arpia, até pelo som das minigun que aparentemente parece portar.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: FoxTroop em Junho 30, 2012, 01:47:41 am
Não tornei a ver o video mas parece-me que aparece, além do Blackhawk, um Cobra  :wink:  ACADO, manda aí.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 30, 2012, 03:00:52 pm
Ó Fox...assim não brinco, a idéia é dizer o oposto do ACADO e vê-lo a subir pelas paredes homem! :twisted:  :lol:

Os erros que se cometeram são ditos pelos próprios, basta ouvir.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: ACADO em Junho 30, 2012, 03:20:33 pm
Citação de: "Luso"
Eu também gostava que alguém habilitado nos dissesse o que correu mal e porquê.
Acado, por favor explica os teus comentários.

Na minha total ignorância pareceu-me que os homens se comportavam com um à-vontade espantoso. Falta de coragem não será, certamente...

Eu vejo o capitão todo borrada, sem poder de decisão, sem iniciativa de manobra.
E nao os vejo nada bem equipados, nao há uma única arma com mira de aumentos, nao se vê um lança granadas, etc etc
Acho q podíamos estar aqui a tarde toda a apontar o dedo mas criticar é sempre fácil...
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 30, 2012, 03:30:27 pm
Citação de: "ACADO"
Acho q podíamos estar aqui a tarde toda a apontar o dedo mas criticar é sempre fácil...

Aaaaaaaaah, chegaste lá...

Em relação às miras eu tenho uma idéia muito minha...acho que em certas tropas essa coisa das miras foi levada a um extremo ridiculo. Aposto que há muito menino que perde a noção do que se passa à volta graças às miras, aposto que há muito menino que "artilha" a sua menina com tretas que só aumenta o pesa da dita e que não vai ser uma mais-valia para a função/missão que ele desempenha no dia-a-dia.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: FoxTroop em Junho 30, 2012, 04:11:09 pm
Citação de: "ACADO"
Eu vejo o capitão todo borrada, sem poder de decisão, sem iniciativa de manobra.
E nao os vejo nada bem equipados, nao há uma única arma com mira de aumentos, nao se vê um lança granadas, etc etc
Acho q podíamos estar aqui a tarde toda a apontar o dedo mas criticar é sempre fácil...

Sim, o capitão perdeu o poder de manobra, mas qual o erro que levou a essa situação e onde é que ele perdeu a iniciativa? E ele não me pareceu nada borrado mas sim a matutar como é que iria sair de uma situação onde foi enfiado até ao pescoço.

Miras de aumentos em combate de selva onde as distancia de combate são, em média, à distância de uma granada de mão?!!! Quanto a lança-granadas concordo, mas falta mais coisas, bem mais importantes, embora este tipo de unidades não esteja talhado para atrito prolongado.

Sim, é verdade que podiamos e criticar é sempre fácil, por isso é que quando se critica, não fica mal apontar o que está mal e as soluções para.  :wink:
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: ACADO em Junho 30, 2012, 05:29:33 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "ACADO"
Acho q podíamos estar aqui a tarde toda a apontar o dedo mas criticar é sempre fácil...

Aaaaaaaaah, chegaste lá...

Em relação às miras eu tenho uma idéia muito minha...acho que em certas tropas essa coisa das miras foi levada a um extremo ridiculo. Aposto que há muito menino que perde a noção do que se passa à volta graças às miras, aposto que há muito menino que "artilha" a sua menina com tretas que só aumenta o pesa da dita e que não vai ser uma mais-valia para a função/missão que ele desempenha no dia-a-dia.

Já alguma vez trabalhou com um acog de 4 ou 6 aumentos?
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: ACADO em Junho 30, 2012, 05:38:13 pm
Citação de: "FoxTroop"

Miras de aumentos em combate de selva onde as distancia de combate são, em média, à distância de uma granada de mão?!!!
:

Porque nao? Eu trabalho em cqb com um acog à vontade e depois tenho todas as vantagens à distancia intermédia.
Viu-se bem q eles nem dispararm ao longe a uns q lá passaram. Só depois lá se lembraram q tinham a 60
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: FoxTroop em Julho 01, 2012, 10:52:27 pm
Pois não dispararam e bem. Ali não há um APC ou MRAP cheio de cunhetes onde possam ir alegremente remuniciar fitas e carregadores "a la americana". Ali tem de se controlar muito bem o gasto de munições ou senão, passado um bocado a unica coisa com que atirar será mesmo a arma, no sentido literal.

Existe também um procedimento chamado "reconhecimento por fogo" em que quem está na vantagem e sem saber ao certo onde está o IN, dispara na esperança de o IN responder ao fogo e assim localizar as posições de tiro, manobrando depois para as neutralizar. Uma força treinada e apanhada num "buraco" como aqueles foram apanhados, o que não faz é desperdiçar munições à toa e que apenas serve para dar a conhecer as suas posições, sem que esteja a ser directamente visada por esse fogo.

O que eu considero o grande erro ali é que o meu caro não toca.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: ACADO em Julho 02, 2012, 10:30:54 am
Citação de: "FoxTroop"
Pois não dispararam e bem. Ali não há um APC ou MRAP cheio de cunhetes onde possam ir alegremente remuniciar fitas e carregadores "a la americana". Ali tem de se controlar muito bem o gasto de munições ou senão, passado um bocado a unica coisa com que atirar será mesmo a arma, no sentido literal.

Existe também um procedimento chamado "reconhecimento por fogo" em que quem está na vantagem e sem saber ao certo onde está o IN, dispara na esperança de o IN responder ao fogo e assim localizar as posições de tiro, manobrando depois para as neutralizar. Uma força treinada e apanhada num "buraco" como aqueles foram apanhados, o que não faz é desperdiçar munições à toa e que apenas serve para dar a conhecer as suas posições, sem que esteja a ser directamente visada por esse fogo.

O que eu considero o grande erro ali é que o meu caro não toca.

Se conseguem ver os gajos é porque lhes conseguem acertar. Tal como o sr disse antes estamos a falar de distancias de selva. E parece-me que os outros souberam sempre onde eles estavam, coisa que eles nunca o conseguiram. Por nao ter um veiculo nao quer dizer q nao se possa atacar aquilo q se vê de maneira controlada e precisa, isto é uma forca de acção directa, por certo nao levará poucas municoes ao ponto de nao poder sequer atirar aos gajos q tem contacto visual!!! Mas isto Tamos um bocado a especular e nem acho q seja o pior.
ter a forca toda separada e nao manobrar para a juntar e para uma posição de vantagem que possa controlar e defender ou mesmo retirar totalmente da área, parece-me o pior de tudo. Mas se calhar no planeamento nem pontos de encontro tinham estipulados. Mais uma vez especulação.
Como tinha dito inicialmente considero uma grande falta de liderança por parte do capitão.

Outra coisa nao tou a estou a chegar lá, mas agradeço a troca de ideias.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: HSMW em Agosto 15, 2013, 02:17:29 pm
Citar
The Revolutionary Armed Forces of Colombia, or FARC, was founded five decades ago as a Marxist people's army fighting against capitalist imperialism and Colombia's often-brutal government. And they've been fighting a protracted bloody war ever since. In recent years, FARC has devolved into a guerrilla force that threatens the very people it originally sought to protect. Why? Because in order to secure their dwindling territory and lucrative coca, opium and marihuana fields, the FARC has buried thousands of land mines (IEDs) in civilian areas. Since 1990, there have been over 10,000 land mine victims in Colombia, the second-most in the world behind Afghanistan.

FARC and the government have been negotiating peace for the past six months, and FARC's potential demobilization could yield a transformative moment in Colombian history. But the scars of 50 years of conflict, and 50 years of land mines, can't be so easily erased. We traveled to Colombia to speak with land mine victims and to see first hand how around 7,000 FARC guerilla have held off over 300,000 Colombian soldiers for so many years.
Minas na Colômbia.
O 2º vídeo é o mais interessante.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: HSMW em Novembro 20, 2014, 05:10:08 pm
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: HSMW em Junho 24, 2016, 11:02:16 am
FARC: Uma revolução de "camponeses" que durou 50 anos

E porquê?
O descalabro na Venezuela? O reatar de relações entre os EUA e Cuba?
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Junho 24, 2016, 12:23:10 pm


Colombianos celebram acordo de paz histórico
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Alvalade em Junho 24, 2016, 02:07:52 pm
FARC: Uma revolução de "camponeses" que durou 50 anos

E porquê?
O descalabro na Venezuela? O reatar de relações entre os EUA e Cuba?

Opção 1, já não têm que lhes desde comer.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Agosto 25, 2016, 09:01:58 am


Acordo de paz põe fim a meio século de guerra na Colômbia
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Agosto 26, 2016, 09:11:16 am


Acordo de paz: colombianos pronunciam-se em referendo
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Agosto 29, 2016, 09:04:16 am

Colômbia: FARC anunciam fim da guerra
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Setembro 26, 2016, 06:33:19 pm

Colômbia: A paz ao fundo do túnel
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Setembro 27, 2016, 08:39:10 am

Colômbia: assinado acordo histórico que põe fim a 52 anos de conflito armado
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Outubro 01, 2016, 09:43:19 am

Colômbia: FARC pedem perdão pelos mortos causados
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Outubro 02, 2016, 08:51:11 am

Colombianos têm a última palavra sobre acordo de paz
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Outubro 03, 2016, 08:54:08 am


Colômbia diz "não" por votação ao acordo de paz com as FARC
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Outubro 03, 2016, 09:35:13 am

FARC, following from Cuba the poll, vow to continue their effort for peace deal
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Outubro 03, 2016, 09:55:52 am

Campo do NÃO exige renegociação de acordo de paz
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Outubro 05, 2016, 08:55:23 am

Presidente Santos: Cessar-fogo com as FARC acaba o 31 de outubro
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Outubro 06, 2016, 03:21:43 pm

FARC rejeitam modificar acordos de paz
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Outubro 14, 2016, 11:08:32 am

Cessar-fogo com as FARC prolongado até 31 de dezembro
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Pedro E. em Outubro 25, 2016, 10:07:47 pm
Venezuelan legislature launches trial against Maduro
http://www.reuters.com/article/us-venezuela-politics-idUSKCN12P2EF
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Novembro 03, 2016, 08:52:08 am

Presidente da Colômbia garante que vai chegar a un acordo de paz em breve
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Novembro 13, 2016, 09:31:15 am

Governo e FARC selam novo acordo de paz em Havana 
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Novembro 23, 2016, 10:15:44 am

Novo acordo de paz é assinado na quinta-feira e não vai a referendo
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Novembro 25, 2016, 09:26:11 am


Presidente Santos diz que FARC deixará de existir como grupo armado em 150 dias
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: olisipo em Novembro 30, 2016, 09:09:15 am


Senado colombiano ratifica acordo de paz
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Lightning em Fevereiro 06, 2017, 04:27:10 pm
Muitos portugueses estão a sair da Venezuela para Portugal e Espanha.

Venezuela: portugueses em fuga
http://visao.sapo.pt/actualidade/mundo/2016-08-29-Venezuela-portugueses-em-fuga

Milhares de portugueses mudam-se da Venezuela para Espanha
http://www.rtp.pt/noticias/pais/milhares-de-portugueses-mudam-se-da-venezuela-para-espanha_v979031

PS: Parece que afinal já não temos que os ir evacuar, ou pelo menos já vão ser menos ;D
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Lightning em Abril 19, 2017, 11:38:59 pm
No telejornal, o MNE disse que existe um plano de contingência para evacuar 1 milhão de portugueses residentes na Venezuela.
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: mafets em Outubro 31, 2018, 09:58:48 am
Começou...  ;D :jok:


https://www.forte.jor.br/2018/10/30/colombia-sugere-alianca-com-bolsonaro-para-derrubar-maduro/?fbclid=IwAR1kFMFE8y74GzdIivMwB0ZGHw0Ff_3RASM-DYFoXBqXaLHfL-p9LbUBvt0 (https://www.forte.jor.br/2018/10/30/colombia-sugere-alianca-com-bolsonaro-para-derrubar-maduro/?fbclid=IwAR1kFMFE8y74GzdIivMwB0ZGHw0Ff_3RASM-DYFoXBqXaLHfL-p9LbUBvt0)

Citar
Chile e Argentina, no entanto, resistiriam em apoiar uma eventual intervenção militar
A Folha de São Paulo noticiou que a Colômbia está disposta a apoiar qualquer ação para derrubar a ditadura do venezuelano Nicolás Maduro, segundo fontes diplomáticas colombianas ouvidas pelo jornal.

(https://www.forte.jor.br/wp-content/uploads/2018/09/Nicolas-Maduro.jpg)

Saudações
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 31, 2018, 03:43:33 pm
Calma, estamos a falar do Brasil, país onde morre-se mais do que em muitas guerras civis por esse mundo, mas onde a integridade territorial e a soberania nacional é levada muito a sério.

https://www.forte.jor.br/2018/10/30/general-heleno-descarta-acao-militar-contra-a-venezuela/?fbclid=IwAR3xgoiW-qSNMbmH8e1H0TegbDSs1zKri3WLU8pGLhd4h7I-r_Ylj3HQYiY
 
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: P44 em Dezembro 14, 2018, 06:25:34 pm
(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fuploads.tapatalk-cdn.com%2F20181213%2Ffb9d07867f0dbe4dee221ea656b4f743.jpg&hash=1a1ecd31db32db3c52fb8278202d8388)
Título: Re: Venezuela e Colômbia
Enviado por: P44 em Dezembro 18, 2018, 10:32:24 am
Rússia vai estabelecer base militar na ilha venezuelana de La Orchila

18 dez 2018 09:15

A Rússia vai estabelecer uma base militar a longo prazo na ilha venezuelana de La Orchila, a 200 quilómetros a nordeste de Caracas, noticiou hoje a imprensa venezuelana.

"A medida parece ser uma resposta à decisão dos Estados Unidos de se retirarem do Tratado das Forças Nucleares de Nível Intermédio (INF) e como medida de dissuasão perante as contínuas ameaças de Washington contra do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro", indicou o portal Aporrea.

O mesmo portal, que cita a agência de notícias estatal russa TASS, indicou que "as autoridades russas tomaram a decisão (e o Presidente venezuelano Nicolás Maduro não se opôs) de levar aviões estratégicos a uma das ilhas da Venezuela, no mar das Caraíbas, que tem uma base naval e um campo de aviação militar".

"Em 2009, peritos e comandos das Forças Armadas russas já tinham visitado a ilha de La Orchila. Após a visita, o então Presidente Hugo Chávez (1999-2013) pôs La Orchila à disposição do antigo Presidente russo Dimitri Medvedev, cada vez que a aviação russa necessite fazer uma paragem na Venezuela para cumprir planos estratégicos", explicou.


Segundo o Aporrea, a recente visita de dois bombardeiros nucleares russos, de longo alcance, Tu.160, um avião de transporte An-124 e um avião de longo alcance IL-62, integrou essa iniciativa.

"As leis venezuelanas proíbem o estabelecimento de bases militares estrangeiras no país, pelo que se desconhece como a presença russa seria justificada do ponto de vista jurídico", precisou o portal, considerado uma fonte de informação das forças políticas de esquerda da Venezuela.

Por outro lado, o Aporrea indicou que, de acordo com o coronel Chamil Gareyev, perito militar do jornal russo Novaya Gozeta, "a ideia é incluir a Venezuela em missões de aviação de longo alcance", o que trará "benefícios económicos para as operações russas na Américas", disse o militar.

"Os nossos bombardeiros estratégicos não só não terão que regressar à Rússia, no final de cada missão, como também não necessitarão de reabastecimento aéreo de combustível, nas missões de patrulha nas Américas. Os nossos aviões Tu-160 chegam à sua base na Venezuela, realizam os voos, executam missões e depois são substituídos de maneira rotativa", disse.

Segundo o Aporrea, um outro perito militar russo considerou que a chegada dos bombardeiros russos na Venezuela é um sinal para que o Presidente norte-americano, Donald Trump, se dê conta de que abandonar os tratados de desarmamento nuclear pode ter um efeito 'boomerang'.

Em entrevista ao diário russo Kommersant, Emil Dabagyan, investigador do Instituto de Estudos Latino-Americanos russo, disse que Moscovo está "claramente a ajudar o Governo venezuelano a manter-se à superfície".

"Uma vez que a Rússia beneficia da exploração petrolífera, queremos que o regime venezuelano se mantenha de pé", destacou.

https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/russia-vai-estabelecer-base-militar-na-ilha-venezuelana-de-la-orchila