ForumDefesa.com

Forças Armadas e Sistemas de Armas => Exército Português => Tópico iniciado por: tenente em Maio 06, 2019, 05:46:56 pm

Título: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Maio 06, 2019, 05:46:56 pm
A BriMec apenas tem 1400 efectivos ???
É este o triste estado, de uma das nossas, Grandes, de nome, Unidades de Manobra, tem o mesmo efectivo que dois Batalhões de infantaria ???
A constituição da BriMec, se não estou enganado é a seguinte :
Brigada Mecanizada :

1 X CCS Brigada;
1 X GCC;
1 X ERec;
2 X BatInfMec;
1 X GAC AP;
1 X BAA;
1 X BatApServ;
1 X CEngenharia;
1 X CTransmissões;


Será que os 1400 efectivos dão para formar as unidades/Subunidades acima referidas ??
Não, nem para metade são suficientes, mas ainda há quem queira demonstrar que está tudo bem apesar do efectivo estar abaixo do 50% !!
Para quando a substituição dos M113 ?
Para quando a compra de viaturas Lança pontes ??
Para quando a compra de mais CC's para constituir o 3º ECC do GCC ?
para quando a compra de um sistema AA Credível ??


(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/923/loPd7t.jpg) (https://imageshack.com/i/pnloPd7tj)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/923/t4sthB.jpg) (https://imageshack.com/i/pnt4sthBj)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/923/YvoWMD.jpg) (https://imageshack.com/i/pnYvoWMDj)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/921/v6qRSj.jpg) (https://imageshack.com/i/plv6qRSjj)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/921/k4wZR0.jpg) (https://imageshack.com/i/plk4wZR0j)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/923/RwkoTf.jpg) (https://imageshack.com/i/pnRwkoTfj)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/924/q0rnSB.jpg) (https://imageshack.com/i/poq0rnSBj)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/924/do9Ni3.jpg) (https://imageshack.com/i/podo9Ni3j)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/921/eTp5Ip.jpg) (https://imageshack.com/i/pleTp5Ipj)
Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: PereiraMarques em Maio 06, 2019, 09:57:42 pm
O 2BIMEC já não existe oficialmente desde 2014...
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 07, 2019, 12:54:50 am
Tendo em conta os números tão curtos de efectivos nesta brigada, só viabiliza uma solução: qualidade ao invés de quantidade. Já que há pouca gente nesta brigada, deixa de haver necessidade de substituir os M-113 por uma quantidade absurda de blindados novos. Por muito bom que fosse termos 150 a 200 ASCOD ou similar no Exército, já não se justifica um número tão alto, ficando nós muito bem com 100 veículos deste tipo nas suas mais variadas versões.
Em contrapartida, deixava-se em armazém algumas dezenas de M-113 (em diversas versões) e M-60 para uma situação de potencial conflito que exija a sua reactivação.

55 CC Leopard (37 originais + 18) + 60/70 IFVs.

Longe do ideal, mas antes prefiro 60 a 70 IFVs capazes e modernos, do que duas centenas de M-113 com blindagem que parece manteiga. Os restantes 30/40 veículos, abrangiam outras versões do IFV escolhido. Existem algumas hipóteses interessantes no mercado, sendo as minhas duas favoritas entre o ASCOD e o CV-90. Este último tem inclusive versões com canhão de 105 e 120mm se não estou em erro.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Maio 07, 2019, 01:51:58 pm
Tendo em conta os números tão curtos de efectivos nesta brigada, só viabiliza uma solução: qualidade ao invés de quantidade. Já que há pouca gente nesta brigada, deixa de haver necessidade de substituir os M-113 por uma quantidade absurda de blindados novos. Por muito bom que fosse termos 150 a 200 ASCOD ou similar no Exército, já não se justifica um número tão alto, ficando nós muito bem com 100 veículos deste tipo nas suas mais variadas versões.
Em contrapartida, deixava-se em armazém algumas dezenas de M-113 (em diversas versões) e M-60 para uma situação de potencial conflito que exija a sua reactivação.

55 CC Leopard (37 originais + 18) + 60/70 IFVs.

Longe do ideal, mas antes prefiro 60 a 70 IFVs capazes e modernos, do que duas centenas de M-113 com blindagem que parece manteiga. Os restantes 30/40 veículos, abrangiam outras versões do IFV escolhido. Existem algumas hipóteses interessantes no mercado, sendo as minhas duas favoritas entre o ASCOD e o CV-90. Este último tem inclusive versões com canhão de 105 e 120mm se não estou em erro.

A BriMec necessita de incorporar pelo menos mais 1000 efectivos para constituir um mínimo de quatro Batalhões/Grupos!
No entanto, á semelhanças das restantes duas Brig que possuímos as unidades escalão batalhão estão reduzidas a duas companhias a dois pelotões.
Não sei se o GAC 15,5 AP tem as três batarias orgânicas levantadas, mas ytambém com os efectivos das unidades de manobra que existem por lá, a artilharia, nem precisa de as ter, uma vez que apenas existe um BiMec(L) e um GCC a 02 ECC.
É o que dá, quando uma brigada que supostamente teria de ter entre os 2500/3000 efectivos, tem um total de 1400 efectivos.
O ASCOD é muito mais caro que o Pizarro, não me parece que algum dia os tenhamos , já quanto ao Pizarro, se houvesse vontade já os poderíamos ter no BiMec !!

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/924/cn1qqK.jpg) (https://imageshack.com/i/pocn1qqKj)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/922/YvFTm7.jpg) (https://imageshack.com/i/pmYvFTm7j)

(https://imagizer.imageshack.com/img922/802/iYjVbN.gif) (https://imageshack.com/i/pmiYjVbNg)

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 07, 2019, 03:52:56 pm
Os Pizarro não são derivados directamente dos ASCOD originais? No nosso caso o principal seria ter um blindado de lagartas que depois pudesse receber um upgrade de blindagem caso ocorresse um conflito de alta intensidade. Fitted for but not with. E mais importante ainda do que somente a versão base IFV, seria também outras versões, desde recuperação a porta-morteiros, lança-pontes, ambulância, anti-tanque, talvez versão 105mm e se possível uma versão AA.

Quanto aos efectivos, talvez um veículo mais moderno se tornasse mais apelativo para os militares. E se a questão é orçamento, é acabar com os mini quartéis por todo o país e com o excesso de generais.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Maio 07, 2019, 05:29:07 pm
Ora bem e falando em porta morteiros (L), este é da família do ASCOD/Pizarro/Ulan:

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/921/VNrkYW.jpg) (https://imageshack.com/i/plVNrkYWj)

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/923/TT3EyM.jpg) (https://imageshack.com/i/pnTT3EyMj)

e em viaturas de combate de engenharia, que nós nada temos, também há o modelo do Pizarro que se deveria adquirir pelo menos uma meia dúzia para a CEng da BriMec:

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/923/AZn3EJ.jpg) (https://imageshack.com/i/pnAZn3EJj)

Já quanto ás versões de 10,5 penso ser uma variante que não se deveria adquirir, pois para o tiro directo há o apoio dos Leos, e estar a comprar versões, light tank, pois não passa disso mesmo, com peças de 10,5 é ter de adquirir lotes de munições específicas para esse armamento, e saber que o light tank não tem hipotese de sobrevivência se confrontado com os CC do IN.
O que temos de adquirir em numero decente, é a versão IFV, com a peça de 30, a mesma que os pandur  possuem, e deixar o apoio para os CC´s do GCC, é para isso que existem.

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/923/uSP0pt.jpg) (https://imageshack.com/i/pnuSP0ptj)

Para o ERec do GCC também temos a versão scout dos Pizarros e família assim como se devia adquirir alguns exemplares de recuperação:

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/921/ZN3l8M.jpg) (https://imageshack.com/i/plZN3l8Mj)

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Maio 07, 2019, 07:56:46 pm
Não concordo com a redução de numeros, já como estão é no minimo dos minimos.
 É preciso é mais militares.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Maio 07, 2019, 10:16:13 pm
O Exército devia deixar-se de caganças, encarar a realidade de frente e fazer o mesmo que a Marinha fez com os fuzileiros e as suas FFZ. Neste caso, não seria a extinção de batalhões, mas sim de brigadas e a criação não de grupos de combate de escalão companhia, mas de escalão batalhão.

Se amalgamassem todas as brigadas numa única, essa brigada podia ter três grupos/batalhões de combate, cada um constituído por: 01 CCS, 01 esquadrão de CC, 01 companhia de infantaria mecanizada regular, 01 companhia de Paras ou Comandos, 01 bateria de M109A5, 01 bateria de 105, 01 bateria AA, 01 pelotão de FOE, 01 pelotão de PE, 01 companhia de eng., morteiros distribuídos pelas companhias de infantaria, etc. Podiam ficar estacionadas: 01 a Norte, 01 em Santa Guida, 01 a sul do Tejo. Uma vez por ano juntavam-se todas em Santa Guida para treinar.

Ficávamos com três grupos de combate altamente móveis, com cerca de 800 a 1000 homens, 50 veículos blindados pesados, 50 veículos blindados 4x4 e 12 BF cada, com melhor capacidade de combate efectiva do que o actual figurino. Claro que isto não seria impedimento a que se empregasse uma companhia de Paras, ou de Comandos, ou uma bateria de artilharia, de forma autónoma como parte de uma FND, por exemplo. Seria igualmente positivo que ocasionalmente se integrassem as FFZ nestes grupos de combate para que pudessem reforçá-los em caso de necessidade. Idealmente, teria que haver capacidade por parte da FAP e da Marinha para transportar, em cerca de 30 dias, um destes grupos em missões NATO e garantir a sua sustentação por 90 dias, incluindo o respectivo apoio aéreo (ISR, F-16, helis, drones).

Que venham as críticas que é debatendo que se geram ideias!
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: LM em Maio 07, 2019, 10:34:41 pm
Ou seja tornar o "produto operacional" do exército semelhante aos "groupement tactique interarmes (GTIA)" franceses...?

Eu consigo compreender que a BM seja a prejudicada na distribuição de recursos humanos - é a GU que mais dificilmente será utilizada; não compreenderia que a capacidade (residual) que ela significa, a "escola" não existisse - em caso necessidade podemos "escalar" essa capacidade, dificilmente iremos necessitar de repente de uma GU blindada pesada.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Maio 07, 2019, 10:38:23 pm
Não conhecia os GTIA. Mas parece-me que são agrupamentos mais pequenos, no entanto, a filosofia é a mesma. No nosso caso, seria ditado mais pela falta de recursos humanos, materiais e financeiros.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: LM em Maio 07, 2019, 10:44:03 pm
São unidades escalão batalhão... os SGTIA (sous-groupement tactique interarmes) é que são um escalão inferior.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Maio 07, 2019, 11:10:46 pm
O Exército devia deixar-se de caganças, encarar a realidade de frente e fazer o mesmo que a Marinha fez com os fuzileiros e as suas FFZ. Neste caso, não seria a extinção de batalhões, mas sim de brigadas e a criação não de grupos de combate de escalão companhia, mas de escalão batalhão.

Se amalgamassem todas as brigadas numa única, essa brigada podia ter três grupos/batalhões de combate, cada um constituído por: 01 CCS, 01 esquadrão de CC, 01 companhia de infantaria mecanizada regular, 01 companhia de Paras ou Comandos, 01 bateria de M109A5, 01 bateria de 105, 01 bateria AA, 01 pelotão de FOE, 01 pelotão de PE, 01 companhia de eng., morteiros distribuídos pelas companhias de infantaria, etc. Podiam ficar estacionadas: 01 a Norte, 01 em Santa Guida, 01 a sul do Tejo. Uma vez por ano juntavam-se todas em Santa Guida para treinar.

Ficávamos com três grupos de combate altamente móveis, com cerca de 800 a 1000 homens, 50 veículos blindados pesados, 50 veículos blindados 4x4 e 12 BF cada, com melhor capacidade de combate efectiva do que o actual figurino. Claro que isto não seria impedimento a que se empregasse uma companhia de Paras, ou de Comandos, ou uma bateria de artilharia, de forma autónoma como parte de uma FND, por exemplo. Seria igualmente positivo que ocasionalmente se integrassem as FFZ nestes grupos de combate para que pudessem reforçá-los em caso de necessidade. Idealmente, teria que haver capacidade por parte da FAP e da Marinha para transportar, em cerca de 30 dias, um destes grupos em missões NATO e garantir a sua sustentação por 90 dias, incluindo o respectivo apoio aéreo (ISR, F-16, helis, drones).

Que venham as críticas que é debatendo que se geram ideias!

Por outro nome o que defendes é a criação de Battle Groups, correcto ?
Mas NVF a constituição dos BG é um pouco mais musculada do que tú referes até para ter alguma capacidade ofensiva e de sobrevivência no campo de batalha.
Os BG em geral giram á volta de :
01 X BatInf seja ele mec/blindado; 600.
01 X ECC; 120.
01 X Bataria Artª Reb/AP; 120.
01 X CEngMec(L); 120.
01 X CApSer; 150.
01 X PelAAA; 40.
01 X PelSan; 40
01 X PelRecMec(L). 30.
01 X PelTM; 40.

O efectivo total de um BG destes rondará os 1100/1200 homens, relembro que a actual Brimec possui 1400 efectivos, ou seja pouco mais que um BG !!!

A junção de três BG formaria a dita Brigada, fosse ela de Inf Mec ou Blindada.

No entanto, como bem sabes devido a limitações várias, falta de meios blindados e pessoal, deveríamos fazer um esforço para com a composição acima referida, formar-mos pelo menos, 02 BG Mec(L), mas dois BG completos, nada de caganças e fantochadas de batalhões a duas companhias a dois pelotões !!!

Avançando um pouco mais na minha teoria, sobre a constituição dos BG, Mec/Blindados(L) poderíamos aplicar o mesmo conceito e constituir pelo menos dois BG Mec(R) AKA BGPandur com a seguinte composição :

01 X BatInf mec(R) Pandur; 600.
01 X ERecMec(R) reforçado c/ + 01 Pel Centauro; 130.
01 X Bataria Artª Reb 10,5; 120.
01 X CEngmec(R); 120.
01 X CApSer; 150.
01 X PelAAA; 40.
01 X PelSan; 40
01 X PelTM; 40.

Estes dois BGPandur, teriam um efectivo muito semelhante aos BGMec(L), 1100/1200 elementos.

Preferencialmente o Exército deveria formar três BGPandur para tal adquirindo mais duas dezenas de Pandur 8X8 RWS, 20 pandur versão porta morteiros 120, uma dúzia de pandur versão engenharia de combate, cerca de 20/24 pandur 6X6 porta canhão 25mm para os pelRec e cerca de 20 caça carros Centauro para os pel pesados dos 02/03 ERec(R).

A arma de artilharia tinha de ver substituída e reforçada a sua capacidade de defesa aérea próxima, no mínimo a duas BAAA para os 04 ou 06 BG, assim como a artilharia de campanha deveria ser reforçada com mais um GAC rebocado, para apoiar a BRR, que estaria fora deste conceito de forças convencionais !

NOTA : A bold os efectivos +/- das (sub)unidades referenciadas.

Ajudei nalguma coisa, NVF????

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 07, 2019, 11:34:58 pm
Se amalgamassem todas as brigadas numa única, essa brigada podia ter três grupos/batalhões de combate, cada um constituído por: 01 CCS, 01 esquadrão de CC, 01 companhia de infantaria mecanizada regular, 01 companhia de Paras ou Comandos, 01 bateria de M109A5, 01 bateria de 105, 01 bateria AA, 01 pelotão de FOE, 01 pelotão de PE, 01 companhia de eng., morteiros distribuídos pelas companhias de infantaria, etc. Podiam ficar estacionadas: 01 a Norte, 01 em Santa Guida, 01 a sul do Tejo. Uma vez por ano juntavam-se todas em Santa Guida para treinar.

Não concordo com esses grupos permanentes pois do ponto de vista de instrução e logística são despesistas. Ter carros de Combate e a artilharia espalhada por 3 locais diferentes? Ainda por cima as baterias que ficam juntas são diferentes entre si. Os OE espalhados pelos 3 locais. Parece que se pegou nas 3 Brigadas, misturou-se tudo, e fez-se 3 agrupamentos idênticos entre si, com forças pesadas, médias e ligeiras todas juntas.

Se for preciso constituir algum grupo com forças de várias unidades isso já é possível actualmente, organizando-se para cumprir uma missão especifica.

Os GTIA Franceses também não existem em permanência, tal como nós eles tem Brigadas com vários Regimentos, depois com as companhias que acharem necessárias formam o tal GTIA para cumprir missões.

E acho complicado no norte arranjarem um local para carros de combate e a artilharia M109A5 fazer fogo, o terreno é muito irregular e muito povoado, a sul o único quartel possível para tanta gente é Beja, mas desconheço as áreas de treino, mas ao menos é terreno plano.

Se querem ter mais gente na Brigada Mecanizada ou o Exército reorganiza os seus efectivos, de forma a disponibilizar mais efectivos à componente operacional em vez das componentes logísticas e administrativas (que estão na região de Lisboa) ou simplesmente paguem mais.

A Brigada Mecanizada em termos de capacidade é na prática um desses Battlegroups que o Tenente referiu.
Para ser realmente uma Brigada teria que ser reforçada com pessoal das restantes Brigadas.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Maio 08, 2019, 06:52:13 am
Bons pontos levantados pelo tenente e Lighting. Então é se fosse algo mais convencional? O battlegroup mecanizado que seria a actual BiMec e os outros dois mais ligeiros à volta das outras brigadas. Mas seria essencial concentrar as duas brigadas/battlegroups ligeiras em campos semelhantes a Sta. Margarida, de forma a aumentar a interoperacionalidade, o treino e reduzir custos. Não faz qualquer sentido ter batalhões constituídos por menos de 200 elementos espalhados pelo país e organizados em ‘regimentos’.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Maio 08, 2019, 07:19:49 am
Se amalgamassem todas as brigadas numa única, essa brigada podia ter três grupos/batalhões de combate, cada um constituído por: 01 CCS, 01 esquadrão de CC, 01 companhia de infantaria mecanizada regular, 01 companhia de Paras ou Comandos, 01 bateria de M109A5, 01 bateria de 105, 01 bateria AA, 01 pelotão de FOE, 01 pelotão de PE, 01 companhia de eng., morteiros distribuídos pelas companhias de infantaria, etc. Podiam ficar estacionadas: 01 a Norte, 01 em Santa Guida, 01 a sul do Tejo. Uma vez por ano juntavam-se todas em Santa Guida para treinar.

Citar
E acho complicado no norte arranjarem um local para carros de combate e a artilharia M109A5 fazer fogo, o terreno é muito irregular e muito povoado, a sul o único quartel possível para tanta gente é Beja, mas desconheço as áreas de treino, mas ao menos é terreno plano.

Mas é o que actualmente acontece, a BriMec está localizada numa orografia que impede o seu empenhamento operacional efectivo, e pior, em caso de conflito está encurralada numa zona que, para sair dela apenas possui um acesso capaz de sacar dali os meios mais pesados CC's e afins a agravar esta situação temos uma única linha férrea, bem temos se ainda estiver operacional e se estiver, não for logo um dos primeiros objectivos do IN, se fosse eu era de certeza, e ser bombardeada !!
O Alentejo será o terreno ideal para as unidades Blindadas/mecanizadas evoluírem, adquirirem as posições que pretendem e dar combate ao IN, tirando o maior poder que tem, O Fogo e Manobra, agora, colocar estas unidades em Santa margarida, como tem sido até hoje, será que ninguém se apercebe disso ???

Nem a BrigInt deve ser aquartelada em Santa Margarida, se alguma grande unidade ali fosse sediada seria uma brigada ligeira, com elevada capacidade de Heli transporte, para intervir nas zonas de maior relevo do Norte do País, agora colocar ali as pouquíssimas forças blindadas e ou mecanizadas que possuímos é assinar a sentença de morte dessas forças como unidades de combate e de choque !   


Citar

A Brigada Mecanizada em termos de capacidade é na prática um desses Battlegroups que o Tenente referiu.

Foi por isso mesmo que o titulo deste tópico é A Brigada mecanizada (-) (-) que significa que está abaixo do efectivo em dois batalhões/Grupos, cerca de 1200 efectivos !!

Citar

Para ser realmente uma Brigada teria que ser reforçada com pessoal das restantes Brigadas.

Aqui não estou de acordo contigo, a BriMec tem de ser reforçada com mais pessoal, ponto .
Não deve penalizar ainda mais as duas fracas Brigadas que possuímos retirando-lhes os pouco efectivos que agora possuem, basta ver a BrigInt com dois Bat pandur a duas CAts, e penso que as duas CAts ou estão a dois pelotões completos ou a três Pel reduzidos, também nesta brigada o efectivo total muito provavelmente NÃO consegue formar um BG com 1200 efectivos tal é o efectivo que ostenta.
O que transparece cá para fora não é esta realidade pois há muitos quarteis com honrosos titulos de Regimento de Infantaria, Artilharia, Cavalaria, mas quanto ao efectivo presente nesses quartéis, nós sabemos, que não chega sequer para formar um batalhão, pois não ultrapassam em média os 300/400 homens, mas tudo bem assim é que o generalato gosta, fachada, porque se não gostasse não se calava, e, como cala, quem cala consente.

Esta arengadela consegue desmontar o que é vendido para o Zé povinho, sobre os efectivos e o estado Operacional das unidades de combate e não só, do ExP, se é que o Exército Português, existe como tal.
Pelo que já se escreveu pode-se provar que o efectivo actual de 12.500 homens e mulheres não consegue ter oito batalhões/Grupos completos para formar TRÊS Grupos de Batalha, um total de 4000 efectivos  tal é o estado de fraqueza, das nossas Forças de Defesa Terrestres AKA as FoDeTe!!

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 08, 2019, 10:38:44 am
No tempo da Troika falei com um rapaz que estava no Exército e segundo ele uma das opções em cima da mesa era as Brigadas serem os Estados-Maiores, os Batalhões de Infantaria e uma ou outra sub-unidade de escalão Pelotão e mais nada. Tudo o resto seria aglomerado em unidades de escalão Batalhão e usado pelas várias brigadas segundo as necessidades. O tempo passou e nada foi feito nesse sentido... mas nesses tempos eram pródigos em noticias.

Lightning lembraste daquele nosso debate acerca da noticia da criação de uma força de reservistas para substituir uma das brigadas?
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: LM em Maio 08, 2019, 11:18:32 am
Julgo que a estratégia (por motivos reais, mas também influenciada por motivos "corporativos" - ter quadros, haver lugares, localizações que preferem, etc) de organização das Grandes Unidades (e das outras)  não é que elas sejam, em um "todo", operacionais de forma rápida ou estarem em localizações ideais para a defesa do território, mas sim permitirem a existência de uma estrutura (local, organograma, equipamento, quadros) no terreno que permita de forma +- lenta o seu crescimento até ao seu valor operacional teórico em caso de necessidade e manter a "escola"...

Claro que o valor directo das GU operacional é muito fraco, mais ainda tendo em conta "custo" que suportamos; o valor operacional são as FND e, talvez no futuro como os franceses, os GTIA / SGTIA...

Para mim a BM é a GU mais "castigada" de todas, pois sendo "pesada" é a menos susceptível de ser utilizada.         
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 08, 2019, 11:18:58 am
Aqui não estou de acordo contigo, a BriMec tem de ser reforçada com mais pessoal, ponto.

Eu também disse isso, que ou o exército reorganiza o seu efectivo para ter mais gente na componente operacional ou aumenta os ordenados para cativar mais gente.

O que referi de recorrer a pessoal das outras brigadas seria numa necessidade urgente, é o que já hoje é feito nas FND, o chamado, conceito modular, modelo milagroso que resolve a falta de praças.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 08, 2019, 11:22:20 am
No tempo da Troika falei com um rapaz que estava no Exército e segundo ele uma das opções em cima da mesa era as Brigadas serem os Estados-Maiores, os Batalhões de Infantaria e uma ou outra sub-unidade de escalão Pelotão e mais nada. Tudo o resto seria aglomerado em unidades de escalão Batalhão e usado pelas várias brigadas segundo as necessidades. O tempo passou e nada foi feito nesse sentido... mas nesses tempos eram pródigos em noticias.

Lightning lembraste daquele nosso debate acerca da noticia da criação de uma força de reservistas para substituir uma das brigadas?

Penso que os Belgas estão assim organizadas, tenho que rever isso.

A única coisa que me recordo foi que certa altura se falou em ter uma reserva de pessoal das tropas especiais, mas nunca mais se falou nisso.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: LM em Maio 08, 2019, 11:25:05 am
Julgo que a estratégia (por motivos reais, mas também influenciada por motivos "corporativos" - ter quadros, haver lugares, localizações que preferem, etc) de organização das Grandes Unidades (e das outras)  não é que elas sejam, em um "todo", operacionais de forma rápida ou estarem em localizações ideais para a defesa do território, mas sim permitirem a existência de uma estrutura (local, organograma, equipamento, quadros) no terreno que permita de forma +- lenta o seu crescimento até ao seu valor operacional teórico em caso de necessidade e manter a "escola"...

Claro que o valor directo das GU operacional é muito fraco, mais ainda tendo em conta "custo" que suportamos; o valor operacional são as FND e, talvez no futuro como os franceses, os GTIA / SGTIA...

Para mim a BM é a GU mais "castigada" de todas, pois sendo "pesada" é a menos susceptível de ser utilizada.

Só para deixar claro: organização à parte é complicado um país como o nosso não conseguir "projectar" uns 800 + 800 homens (2 GTIA +-) em um prazo decente...
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 08, 2019, 11:26:17 am
o valor operacional são as FND e, talvez no futuro como os franceses, os GTIA / SGTIA...

Mas isto é o que já temos actualmente, só que nós não lhes chamamos isso. Os agrupamentos que andaram pelos Balcãs e Timor são como os GTA e as companhias com logística associada que tem andado pelo Afeganistão e RCA sao como os SGTIA.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: PereiraMarques em Maio 08, 2019, 12:36:24 pm
Agrupamento Tático, de escalão Batalhão
Sub-Agrupamento Tático, de escalão Companhia

Essas designações já vêm sendo usadas pontualmente pelo Exército.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Miguel em Maio 08, 2019, 01:27:53 pm
O que eu defendo a muito anos e a fusao da Brigada Intervencao com a mecanizada numa unica brigada mecanisada mista.
E claro manter a BRR.
Para manter algums tachos e claro alguma capacidade de mobilzacao, algums quarteis regimentos fantasmas de norte a sul e arquipelegos com apenas 1 CCS por unidade. Sendo essa CCS respnsavel pela mobilizacao das unidades a levantar.

Assim o Exercito fica com 2 brigadas com efetivo acima dos 50%.
1 Brigada ligeira para intervencao rapida.
1 Brigada mecanizada, para combate de media alta intensidade.
E entre 2 a 3 brigadas por levantar em caso de mobilizacao entre 90 a 180 dias.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: LM em Maio 08, 2019, 02:24:40 pm
o valor operacional são as FND e, talvez no futuro como os franceses, os GTIA / SGTIA...

Mas isto é o que já temos actualmente, só que nós não lhes chamamos isso. Os agrupamentos que andaram pelos Balcãs e Timor são como os GTA e as companhias com logística associada que tem andado pelo Afeganistão e RCA sao como os SGTIA.

Ok, mas julgo que a filosofia ligeiramente diferente - os GTIA franceses parecem-me que são mais "armas combinadas" que os nossos agrupamentos, mas isso também é possivelmente devido à missão de cada um.

Mas que os Franceses estão a apoiar-se muito no conceito GTIA, a enquadra-lo no seu sistema de forças estão.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: zawevo em Maio 08, 2019, 03:28:04 pm
"Foi por isso mesmo que o titulo deste tópico é A Brigada mecanizada (-) (-) que significa que está abaixo do efectivo em dois batalhões/Grupos, cerca de 1200 efectivos !!"

E eu a pensar que era um "Brigada mecanizada" com um par de mamas.
Perdoem a ironia mas por bastante inteligente e acertadas que sejam as vossas opiniões estão a ir contra uma muralha de interesses instalados e isso, para a generalidade da oficialidade é inconcebível! Há que deixar tudo como está porque o ordenado é razoável e o trabalho é pouco.
Desculpem o pessimismo.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 08, 2019, 03:32:43 pm
Qual o maior quartel/unidade do exército além de Santa Margarida? E que tipo de forças estão presentes nos arquipélagos?

Seria viável transferir a BM para Beja, ficando lá estacionada em permanência, com vantagens devido à proximidade da BA11? Tornando Santa Margarida numa espécie de reserva de veículos blindados e centro de treino? Há espaço dentro da própria BA11 para albergar toda a Brigada Mecanizada? Se a resposta for não, há margem de expansão da base aérea? Que outra/s alternativas haverá para a BIMec?

E é interessante ver que continua a ser unânime que existem quartéis e regimentos a mais. Não se entende porquê (obviamente que é para manter o tacho de alguns, muitos, oficiais), visto que estrategicamente não representam qualquer tipo de vantagem.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Maio 08, 2019, 03:33:31 pm
"Foi por isso mesmo que o titulo deste tópico é A Brigada mecanizada (-) (-) que significa que está abaixo do efectivo em dois batalhões/Grupos, cerca de 1200 efectivos !!"

E eu a pensar que era um "Brigada mecanizada" com um par de mamas.
Perdoem a ironia mas por bastante inteligente e acertadas que sejam as vossas opiniões estão a ir contra uma muralha de interesses instalados e isso, para a generalidade da oficialidade é inconcebível! Há que deixar tudo como está porque o ordenado é razoável e o trabalho é pouco.
Desculpem o pessimismo.

Não é pessimismo, é realismo.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 08, 2019, 03:47:59 pm
Qual o maior quartel/unidade do exército além de Santa Margarida? E que tipo de forças estão presentes nos arquipélagos?

Dados estatísticos do CMSM
6400 ha de Área Total ocupada
3500 ha de Área da Zona de Aquartelamentos
1 Avenida Principal com 2,4 Km
330 Edifícios
5000 militares de Guarnição
1 Pista de Aviação
2 Heliporto
1 Estação Ferroviária
4 Carreiras de Tiro de Armas Ligeiras
1 Carreira de Tiro de Carros de Combate
1 Carreira de Lançamento de Granadas
1 Pista de Combate

Penso que não haja mais nenhuma unidade comparável com Santa Margarida.

Nos Arquipelagos temos os Regimento de Guarnição 1, 2 e 3.

https://www.exercito.pt/pt/quem-somos/organizacao/ceme/cft/zma/rg1

https://www.exercito.pt/pt/quem-somos/organizacao/ceme/cft/zma/rg2

https://www.exercito.pt/pt/quem-somos/organizacao/ceme/cft/zmm/rg3

Citar
Seria viável transferir a BM para Beja, ficando lá estacionada em permanência, com vantagens devido à proximidade da BA11? Tornando Santa Margarida numa espécie de reserva de veículos blindados e centro de treino? Há espaço dentro da própria BA11 para albergar toda a Brigada Mecanizada? Se a resposta for não, há margem de expansão da base aérea? Que outra/s alternativas haverá para a BIMec?

Resposta curta e grossa... não!

Citar
E é interessante ver que continua a ser unânime que existem quartéis e regimentos a mais. Não se entende porquê (obviamente que é para manter o tacho de alguns, muitos, oficiais), visto que estrategicamente não representam qualquer tipo de vantagem.

Há vantagens de não estar tudo concentrado, mas também há desvantagens. Neste momento devido à falta de praças, torna-se claro que devia haver uma reestruturação total. O Exército sabe muito bem onde tem voluntários e onde não tem.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: HSMW em Maio 08, 2019, 04:30:45 pm
E sabem qual é o distrito que dá mais pessoal ao Exército?

Santarém...
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: PereiraMarques em Maio 08, 2019, 04:51:10 pm
A componente operacional do Exército pode ficar toda concentrada em Santa Margarida e nos quartéis que existem à volta num raio de 40 km. Tancos, Tomar, Abrantes, Entroncamento, Benavente, etc.

Dos restantes, os mais interessantes para manter em funcionamento são os que têm uma pista de aviação militar própria, é o caso de Beja e São Jacinto.

Podemos pensar em mais um ou que tenha vantagens pela localização ou pelas Infraestruturas já existentes, mas o resto seria para encerrar.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 08, 2019, 05:44:32 pm
Então, já que é impossível encontrar uma alternativa melhor posicionada estrategicamente que SM, então a solução para garantir a sobrevivência das forças neste quartel é de facto aumentar a capacidade defensiva, nomeadamente em termos de defesas anti-aéreas. Se bem que isto é uma prioridade de longa data e que abrange todas as principais bases militares dos três ramos.

A base de São Jacinto, não seria uma boa base também para albergar doca/s para navios da Marinha? Com uma ligação directa ao mar, uma pista e regimento de para-quedistas tudo no mesmo local, parece-me uma base de muito valor estratégico. Assumo que desse uma boa base logística.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Maio 08, 2019, 05:59:21 pm
"Foi por isso mesmo que o titulo deste tópico é A Brigada mecanizada (-) (-) que significa que está abaixo do efectivo em dois batalhões/Grupos, cerca de 1200 efectivos !!"

E eu a pensar que era um "Brigada mecanizada" com um par de mamas.
Perdoem a ironia mas por bastante inteligente e acertadas que sejam as vossas opiniões estão a ir contra uma muralha de interesses instalados e isso, para a generalidade da oficialidade é inconcebível! Há que deixar tudo como está porque o ordenado é razoável e o trabalho é pouco.
Desculpem o pessimismo.



Epá se fosse com um par de mamas para mim seria " Brigada mecanizada ^ ^ ", acho que ficava um pouco melhor, assim tipo mamas de Sofia lá p'ros lados do CIOE/CTOE  ;)
Pessimismo???
É mais realismo, Zawevo !!!!!

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 08, 2019, 06:02:52 pm
Então, já que é impossível encontrar uma alternativa melhor posicionada estrategicamente que SM, então a solução para garantir a sobrevivência das forças neste quartel é de facto aumentar a capacidade defensiva, nomeadamente em termos de defesas anti-aéreas. Se bem que isto é uma prioridade de longa data e que abrange todas as principais bases militares dos três ramos.

Se estás a falar em termos de defesa territorial, Santa Margarida é uma péssima escolha. Em caso de ameaça ao TN o melhor a ser feito seria usá-la como unidade para formar/treinar unidades.

Citar
A base de São Jacinto, não seria uma boa base também para albergar doca/s para navios da Marinha? Com uma ligação directa ao mar, uma pista e regimento de para-quedistas tudo no mesmo local, parece-me uma base de muito valor estratégico. Assumo que desse uma boa base logística.

São Jacinto na minha opinião dá para muito mais do que é neste momento usada, se dá para isso tudo é que já não sei.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: PereiraMarques em Maio 08, 2019, 08:52:48 pm


Se estás a falar em termos de defesa territorial, Santa Margarida é uma péssima escolha. Em caso de ameaça ao TN o melhor a ser feito seria usá-la como unidade para formar/treinar unidades.


No centro geodésico do país é uma péssima escolha?  :-P

É pela questão de ficar a sul do Tejo e se as pontes estiverem destruídas não pode deslocar-se para norte? Qual potencial invasão espanhola ou marroquina ocorreria preferencialmente a sul, portanto a questão nem se coloca...
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Maio 08, 2019, 09:09:32 pm
Por acaso o sistema de ter tudo em apenas uma mão cheia de unidades só faz que num cenario hipotetico, a maioria das nossas capacidades podiam ser destruidas sem grande esforço.
Especialmente a marinha na NBL e o exercito em Santa Margarida.
 :-\
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 08, 2019, 10:00:23 pm
Acho que nos tempos que correm só seria viável economicamente ter forças espalhadas pelo território em caso de hostilidade por parte de algum país próximo.

Enquanto não houver um inimigo palpável, e para umas forças armadas com orçamento tão curto e que sofre constantes cortes, incluindo nas horas de voo, só se torna ainda mais dispendioso operar forças espalhadas pelo país. O que se devia fazer era sim, planear e treinar movimentações em caso de se avizinhar um potencial conflito. Ter também bases, nomeadamente bases aéreas e navais, em condições para receber diversos tipos de meios e forças.
Para isto, é essencial pensar na capacidade de transporte estratégico. Até lá, e como forma de resposta imediata a alguma tentativa de violação da soberania nacional, há que investir em defesas aéreas e por exemplo baterias de mísseis costeiros.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 08, 2019, 11:45:11 pm
Ok, mas julgo que a filosofia ligeiramente diferente - os GTIA franceses parecem-me que são mais "armas combinadas" que os nossos agrupamentos, mas isso também é possivelmente devido à missão de cada um.

Isso tem a ver como tipo de companhias que queres agrupar para uma missão, é verdade que nós é muito raro enviar um agrupamento com infantaria, cavalaria, artilharia para qualquer lugar, ou uma outra qualquer combinação, quase sempre é só infantaria mas já tivemos forças parecidas, já tivemos um agrupamento na NRF com 1 BIMec e 1 Esquadrão de Leopard 2 na NRF, uma das missões dos Balcãs um dos agrupamentos tinha infantaria e um esquadrão de cavalaria do RC3 (só não sei se foram como cavalaria ou se foram "transformados" em infantaria) e isoladamente já projectamos unidades de cavalaria e de artilharia para a Lituânia.

Citar
Mas que os Franceses estão a apoiar-se muito no conceito GTIA, a enquadra-lo no seu sistema de forças estão.
Eles não tem Batalhões dentro dos Regimentos, tem logo as Companhias, por isso o GTIA é um comando de escalão Batalhão que eles criam quando tem que cumprir missões expedicionárias com as as várias companhias que entenderem agruparem.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 08, 2019, 11:53:31 pm
Seria viável transferir a BM para Beja, ficando lá estacionada em permanência, com vantagens devido à proximidade da BA11?

Acho que quase nada, vais projectar carros de combate por via aérea? Só de C-17 e mesmo assim só leva um de cada vez. Qualquer movimentação tem que ser via terrestre/marítima.

Citar
Tornando Santa Margarida numa espécie de reserva de veículos blindados e centro de treino? Há espaço dentro da própria BA11 para albergar toda a Brigada Mecanizada?

A BA11 é muito grande, mas também está ocupada, e se o aeroporto do Montijo avançar ainda pode ficar mais, se me dissesses um Batalhão de Infantaria, até arriscava que sim, agora uma Brigada?? E o material todo, é que tem que se construir locais de armazenamento para isso tudo.

Citar
Se a resposta for não, há margem de expansão da base aérea? Que outra/s alternativas haverá para a BIMec?
Então queres construir um Campo Militar de Santa Margarida dentro da BA11... Mas já temos um Campo Militar de Santa Margarida que iria ficar desocupado porquê?
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 09, 2019, 12:04:01 am
Dos restantes, os mais interessantes para manter em funcionamento são os que têm uma pista de aviação militar própria, é o caso de Beja e São Jacinto.

Beja não tem pista de aviação própria, o RI1 fica num local (a sul da cidade) e a BA11 ficam noutro local (a norte da cidade).

Sáo Jacinto é que sim tem uma pista mesmo ao lado.

Mas nem toda a gente precisa de pistas de aviação, os Páras precisam para os seus treinos, mas os restantes nem por isso, afinal as projecções do Exército para fora do país até são feitas quase sempre a partir do AT1 Lisboa, usando a pista do aeroporto de lisboa.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 09, 2019, 12:12:42 am
A base de São Jacinto, não seria uma boa base também para albergar doca/s para navios da Marinha?

A ria de Aveiro tem profundidade para navegar uma Fragata? Eu não sei, por isso é que pergunto, é que quando a unidade foi da Marinha era para Hidroaviões.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: PereiraMarques em Maio 09, 2019, 12:22:35 am
Numa lógica de treinos conjuntos e combinados, nomeadamente com forças estrangeiras parece-me que a proximidade a pistas de aviação será algo útil. Paralelamente, a manutenção em funcionamento das unidades de Beja (Sul) e São Jacinto (Norte) seria também um pequeno contraponto à concentração "excessiva" de unidades na área do Ribatejo (Santa Margarida, Tancos, Tomar, Abrantes, Entroncamento, Benavente, etc.).
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Maio 09, 2019, 12:25:02 am
A base de São Jacinto, não seria uma boa base também para albergar doca/s para navios da Marinha?

A ria de Aveiro tem profundidade para navegar uma Fragata? Eu não sei, por isso é que pergunto, é que quando a unidade foi da Marinha era para Hidroaviões.

Isso da profundidade tambem não é algo que não se desobstrua. Era bom ter algo mais deslocalizado, nem que fosse pelas ilhas.
É daquelas situações que leva muita gente a pensar duas vezes visto que na marinha e na maior parte da força aérea o pessoal tem de ir pra Lisboa.
E isso não agrada a toda a gente. E não estou a botar abaixo por ser do Porto, mas Lisboa é grande, confusa e especialmente muito cara.
Agora imaginem-se com o salario base de soldado/marinheiro/"aviador"  a dar para alguma coisa de jeito.
 :-\
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Portucale em Maio 09, 2019, 12:56:41 am
Permitam-me fazer, em linhas gerais, uma pequena resenha histórica;

1 – Inicio do Sec. XXI – Exército profissional sem SMO
Traduzindo a decisão de constituir um Exército profissional a sua constituição base era de 3 brigadas de manobra + as forças de apoio geral + as forças das regiões autónomas.
Estas forças traduziam-se numa força operacional de 12 a 14 mil homens.
Outra referência era que 50% a 60% dos efetivos estariam na componente operacional, com isto o Exército deveria ter um efetivo total de 22 a 25 mil homens.
No início o valor mínimo total de 22 mil homens com 12 mil praças foi conseguido.
Com o passar dos anos as dificuldades de recrutamento foram aumentando, entre vários motivos saliento o fim do SMO, que permitia obter muitos voluntários e a instabilidade de recrutamento com adiamentos e cancelamentos de incorporações.
Ficaram também na história os orçamentos absorvidos pelos custos com pessoal e a não execução das Leis de programação com adiamentos e cancelamentos de aquisições de equipamentos.

2- O País entrou em bancarrota e tivemos a Troika….
O que estava inicialmente previsto era a redução de 10% do efetivo das Forças Armadas que se situava nos 40 - 42 mil homens.
Neste raciocínio o efetivo global deveria baixar para os 36 – 38 mil homens, no entanto, a diretiva do governo ‘Defesa 2020’ apontou para os 30 – 32 mil homens.
Ainda não chegamos ao ano 2020 e estamos abaixo do limite inferior de 30 mil!
Nesta encruzilhada a instituição, Forças Armadas, defendeu-se como pode, tentando manter o máximo de capacidades.

3 – Efetivos no Exército e na Brigada Mecanizada;
O Exército foi o ramo mais penalizado nesta redução de efetivos, implicou reduções generalizadas nas unidades e a extinção de algumas delas (exemplo: 2º BIMec).
Aqui entronco a Brigada Mecanizada e os seus efetivos de apenas 1400Homens.
Esta realidade não é apenas de esta brigada, as outras estão iguais, a BRR e a BInt têm um efetivo superior apenas porque a sua componente territorial é maior devido á dispersão de Unidades pelo País.
Com a diretiva ‘2020’ o Exército alterou o conceito das brigadas, se até essa diretiva as brigadas eram unidades que deveriam constituir-se de forma independente para combate, após esta diretiva as brigadas passaram a estar dependentes umas das outras.
Como exemplo, a BRR inclui a Unidade que tem a responsabilidade de ISR, Agrupamento ISR do RC 3, trata-se de uma força de apoio geral de emprego em todas as brigadas e não apenas na BRR.
Outro exemplo é a existência no Exército de apenas um Batalhão de Apoio e Serviços na Brigada Mecanizada, as restantes brigadas têm ‘Núcleos permanentes’.

4 – Opções – constituição das forças, recursos humanos
A existência de unidades incompletas tem vários inconvenientes e pelo que leio não são do agrado de muitos dos que escrevem no fórum, mas também existem vantagens, uma delas e na minha opinião a mais importante é permitir aos quadros experiência, ou seja, um oficial deve ter a experiência profissional e humana de efetivamente comandar, o mesmo se aplica aos sargentos.
Com uma estrutura concentrada não existe margem para dar experiência aos quadros, apenas um pequeno número teria essa oportunidade.
Exemplo; se temos 10 batalhões podemos dar a oportunidade a 10 oficiais de comandar um batalhão, se concentrarmos os efetivos existentes em 5 batalhões, apenas 5 passarão por essa realização profissional.
Não nos podemos esquecer que a raiz do Exército são os seus quadros permanentes (oficiais e sargentos) que necessitam de oportunidades e estímulos.
Não confundir uma estrutura que dê oportunidades com uma de ‘tachos’.

5 – Opções – constituição das forças, instalações e equipamentos
Acredito que o princípio deve ser aproveitar as instalações e os equipamentos em melhor estado e com maior potencialidade independentemente da sua localização.
Santa Margarida é nevrálgica para o Exército tal como a presença de unidades por todo o País pois permite uma proximidade ás populações com claro benefício para ambos.
Uma boa gestão dos recursos existentes deve ser prática constante e não apenas porque existe uma redução de efetivos.
Aqui deixo alguns exemplos que na minha opinião merecem reflexão;
A Academia Militar deveria estar concentrada na Amadora!
Os vários comandos superiores do Exército poderiam estar concentrados em duas ou três instalações, e não em múltiplos locais!
Alguns dos nossos aliados têm sistemas de armas em armazém que são melhores, e por vezes soluções que não temos, que poderíamos adquirir.
Como exemplo; o BIMec que continua a utilizar os veneráveis M113 quando existem centenas de verdadeiras VCI em armazém em vários países aliados.
Muitas destas VCI são antigas, no entanto, existem vários programas de modernização em curso que as mantêm e manterão na linha da frente por mais duas décadas.

Termino salientando a importância da Brigada Mecanizada.
O seu futuro passa por maior clarividência estratégica e não pelos recursos que atualmente não tem.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: nelson38899 em Maio 09, 2019, 10:23:30 am
Numa lógica de treinos conjuntos e combinados, nomeadamente com forças estrangeiras parece-me que a proximidade a pistas de aviação será algo útil. Paralelamente, a manutenção em funcionamento das unidades de Beja (Sul) e São Jacinto (Norte) seria também um pequeno contraponto à concentração "excessiva" de unidades na área do Ribatejo (Santa Margarida, Tancos, Tomar, Abrantes, Entroncamento, Benavente, etc.).

Essa Zona é denominada de proteção a Lisboa.

pelo que sei só existem planos para uma guerra convencional à volta de Lisboa, o resto do país tem que ir para o monte.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Srgdoido em Maio 09, 2019, 11:35:40 am
Se der na cabeça de alguém para nos invadir nem terão que se preocupar com o envio de forças para resto do país, isto realmente é uma tristeza
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: HSMW em Maio 09, 2019, 01:26:12 pm
Numa lógica de treinos conjuntos e combinados, nomeadamente com forças estrangeiras parece-me que a proximidade a pistas de aviação será algo útil. Paralelamente, a manutenção em funcionamento das unidades de Beja (Sul) e São Jacinto (Norte) seria também um pequeno contraponto à concentração "excessiva" de unidades na área do Ribatejo (Santa Margarida, Tancos, Tomar, Abrantes, Entroncamento, Benavente, etc.).

Essa Zona é denominada de proteção a Lisboa.

pelo que sei só existem planos para uma guerra convencional à volta de Lisboa, o resto do país tem que ir para o monte.

Então as unidades estão dispersas pelo país e a defesa é à volta de Lisboa?  ::)
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Maio 09, 2019, 01:43:51 pm
Numa lógica de treinos conjuntos e combinados, nomeadamente com forças estrangeiras parece-me que a proximidade a pistas de aviação será algo útil. Paralelamente, a manutenção em funcionamento das unidades de Beja (Sul) e São Jacinto (Norte) seria também um pequeno contraponto à concentração "excessiva" de unidades na área do Ribatejo (Santa Margarida, Tancos, Tomar, Abrantes, Entroncamento, Benavente, etc.).

Essa Zona é denominada de proteção a Lisboa.

pelo que sei só existem planos para uma guerra convencional à volta de Lisboa, o resto do país tem que ir para o monte.

Então as unidades estão dispersas pelo país e a defesa é à volta de Lisboa?  ::)

Então ó HSMW, querias o quê ????  ???
Guarnecer as novas linhas de torres  :mrgreen:.... bem, mas pensando melhor, se calhar a defesa até era mais eficaz, digo eu  ::)

Abraços e fogo á peça ou ao mosquete !!
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: nelson38899 em Maio 09, 2019, 03:38:51 pm
Numa lógica de treinos conjuntos e combinados, nomeadamente com forças estrangeiras parece-me que a proximidade a pistas de aviação será algo útil. Paralelamente, a manutenção em funcionamento das unidades de Beja (Sul) e São Jacinto (Norte) seria também um pequeno contraponto à concentração "excessiva" de unidades na área do Ribatejo (Santa Margarida, Tancos, Tomar, Abrantes, Entroncamento, Benavente, etc.).

Essa Zona é denominada de proteção a Lisboa.

pelo que sei só existem planos para uma guerra convencional à volta de Lisboa, o resto do país tem que ir para o monte.

Então as unidades estão dispersas pelo país e a defesa é à volta de Lisboa?  ::)

Já falei com várias pessoas ligadas tanto às Forças especiais como às unidades convencionais, e todas me disseram que só há plano para defesa de lisboa.

Uma vez cheguei a conhecer o tipo que ia ser responsável pela  defesa de Lisboa.

Se reparares as principais unidades do exercito (BMI, AA, Paraquedistas, comandos e logística) estão a 100 km da capital.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 09, 2019, 04:11:35 pm
Porquê Lisboa? E estando tudo concentrado em redor da capital isso não fará um cerco à mesma muito mais fácil por parte do inimigo? Tirando o Alfeite, os alvos de maior valor militar estão fora da área de Lisboa. Caso de Monte Real que essa sim é a base mais importante pois é a única, a par de Beja com os seus P-3, que representa uma real capacidade dissuasora e de resposta. Que protecção têm estas duas bases aéreas?
Para não falar claro, que é ridículo o Alfeite ser a única base naval militar que temos... e os outros portos são sequer capazes de receber os submarinos, ou teriam que sofrer alterações?

É hilariante falar-se em AA para defender Lisboa. Os sistemas que temos para abater uma aeronave de combate inimiga, era preciso o piloto estar distraído... E pensar-se que esta é uma defesa eficaz da capital, é de gente que gosta de se enganar a si mesma...
Então o plano é... facilitar a entrada do inimigo em território nacional, permitindo-o ganhar terreno e ocupar bases aéreas e portos, facilitando assim o reabastecimento das suas forças? Não seria melhor ter forças pelo país capazes de dar uma resposta imediata para, na pior das hipóteses, atrasar o avanço do inimigo? E causar baixas pesadas no mesmo? Eu nem digo CCs espalhados pelo território, mas já que há tantos regimentos semi-vazios, que estes ao menos tivessem, por exemplo, meios anti-aéreos e anti-tanque.

Mas isto é muito off-topic... para a brigada mecanizada, venham uns ASCOD como os Ulan/Pizarro, as suas sub-versões, capacidade anti-aérea, seja auto-propulsada ou rebocada, e arranjem pessoal suficiente, mesmo que provenientes de outras unidades fantasma para equipar esta unidade.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 09, 2019, 09:31:40 pm
Então as unidades estão dispersas pelo país e a defesa é à volta de Lisboa?  ::)

É para ir retardando o avanço das forças invasoras, os franceses se voltarem a invadir Portugal por Chaves olha o trabalho que eles tem até chegar a Lisboa.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: smg em Maio 09, 2019, 11:51:58 pm
Boa noite . Caro Lightning , acho difícil os franceses voltarem a invadir Portugal por Chaves . Li as memórias de um oficial francês que participou nessa segunda invasão , e falava da tragédia de Chaves . É que não só as forças transmontanas comandadas por Silveira reconquistaram a urbe como  , segundo parece , os cerca de 1100 prisioneiros franceses acabaram por ser todos mortos , ao contrário do que tinha sido prometido aquando da rendição . Já Dumouriez tinha desaconselhado entrar em Portugal por Tras-os-Montes . Quanto aos castelhanos ,depois do desastre de 1762 , também nunca mais pensaram entrar por aqui . José Cornide na sua obra , Informes para la invasion,  diz que só se deviam colocar tropas ao longo da fronteira transmontana , mas do lado espanhol ,sem sequer tentar conquistar Chaves que ,nas suas palavras , tinha sido ' una sepultura para la tropa ' em 1762 . O plano previa entrar em Portugal por 3 eixos . Uma força entrava pela fronteira minhota e , depois de conquistar o Porto seguiria pelo litoral até Lisboa .Uma segunda força entrava pela fronteira das Beiras e depois seguiria pela margem norte do Tejo até Lisboa . Uma terceira entrava pela fronteira alentejana e seguiria até à margem sul do Tejo , em frente a Lisboa .
O que é curioso , é que quando Franco e os generais espanhóis gizaram o plano Isabella para invadir Portugal em 1940 , esse plano é praticamente um cópia do de José Cornide um século e meio antes . Pretendiam invadir Portugal com 250 000 homens seguindo os mesmos eixos de penetração . Em termos militares existe essa ideia , muito arreigada , que quem domina Lisboa domina Portugal . O objectivo principal e final é sempre a capital . Por isso é que foram planeados todos esses quartéis e campos militares no vale do Tejo .
Um abraço .
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Miguel em Maio 10, 2019, 08:13:39 am
Proposta para a nova BriMec, depois da fusao com a BLI: tudo no CMSM

GRec ( 3 Erec com pandurs torre 30mm+ECS)
GCC ( 3 Ecc coms os Leos, e a desativaçao do atual ERec que tem leos+ECS)
2X BImecs com 3 Cias Pandurs VTT+ CCS possibilidade de manter uso duplo de 1 cia Mec com M113?
GAC
CEng
BAA
CTM
CCS
B.Ap,Svc


De norte a sul uma rede de regimentos com apenas 1 CCS e de guarniçao, de maneira a ter possiblidade de levantar tropas em caso de mobilzacao e para apoio em geral.
Entre 6 a 9 regimentos por exemplo.


A BRR continua com a mesma estrutra espalhada de norte a sul. Sendo 1 unidade de intervençao ligeira rapida.



Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Barlovento em Maio 10, 2019, 11:26:18 am
Pienso que a día de hoy, los ejércitos de los países de la OTAN están mas pensados para una lucha en conjunto contra un enemigo común, que para luchar por separado. Me parece correcto que así sea, pues ese es el sentido de la Unión Europea.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 10, 2019, 12:45:42 pm
Esta interdependência dos países da Nato uns dos outros, fragiliza a capacidade individual de resposta a um cenário de conflito. Um exemplo, é se emergisse algum tipo de conflito entre 2 países aliados, imaginemos hipoteticamente Espanha vs Portugal, de que lado se iriam colocar os restantes aliados? Ou iriam colocar-se numa posição neutra? Num caso neutro, neste momento nós sozinhos não conseguiríamos fazer frente a Espanha. Isto pode acontecer em muitos países por esta Europa fora.

Atenção, não estou a dizer que a Espanha pretende invadir-nos, estou sim a dar um exemplo para mostrar as nossas debilidades, porque se tivéssemos fora da Nato, com as forças armadas que temos actualmente, facilmente seríamos invadidos.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: sivispacem em Maio 10, 2019, 12:47:53 pm
Pienso que a día de hoy, los ejércitos de los países de la OTAN están mas pensados para una lucha en conjunto contra un enemigo común, que para luchar por separado. Me parece correcto que así sea, pues ese es el sentido de la Unión Europea.

Obviamente. Não só Espanha é um país amigo como não são de temer invasões napoleónicas (ou outras) vindas de Oeste. E depois a NATO para alguma coisa serve, não é?

Mas há questões de segurança do Sul, dada a proximidade com África e alguma imprevisibilidade que o crescimento do fundamentalismo islâmico oferece. E, claro, todas as questões relacionadas com a nossa ZEE e ilhas - e interesses da diáspora nacional.

Daí que necessitamos de uma Marinha e FOrça Aérea fortes e de um Exército muito mais flexível, musculado e ágil. As unidades territoriais deviam ser reorganizadas profundamente (se calhar metade dos quartéis devia desaparecer, não é argumento o peso económico que desempenham nas localidades onde se encontram) mas não concordo com uma concentração excessiva em Santa Margarida. Até por razóes de atracção do pessoal.....
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Maio 10, 2019, 01:14:14 pm
Proposta para a nova BriMec, depois da fusao com a BLI: tudo no CMSM

GRec ( 3 Erec com pandurs torre 30mm+ECS)
GCC ( 3 Ecc coms os Leos, e a desativaçao do atual ERec que tem leos+ECS)
2X BImecs com 3 Cias Pandurs VTT+ CCS possibilidade de manter uso duplo de 1 cia Mec com M113?
GAC
CEng
BAA
CTM
CCS
B.Ap,Svc


De norte a sul uma rede de regimentos com apenas 1 CCS e de guarniçao, de maneira a ter possiblidade de levantar tropas em caso de mobilzacao e para apoio em geral.
Entre 6 a 9 regimentos por exemplo.


A BRR continua com a mesma estrutra espalhada de norte a sul. Sendo 1 unidade de intervençao ligeira rapida.

Miguel, os pandur não tem capacidade de acompanhar os CC's em TT, logo os Leos ficam sem protecção de infantaria.
Os M113 tem de ser substituídos por um VBCI(L) tipo Pizarro/ADCOD/Ulan.

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/924/cn1qqK.jpg) (https://imageshack.com/i/pocn1qqKj)
(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/924/tvxzr1.jpg) (https://imageshack.com/i/potvxzr1j)
(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/921/VNrkYW.jpg) (https://imageshack.com/i/plVNrkYWj)

Os Pandur devem integrar uma unidade onde não existam meios de combate com lagartas pois de outro modo, os apoios interarmas deixam de ser eficazes.

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/923/VhVqoy.jpg) (https://imageshack.com/i/pnVhVqoyj)
(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/924/IamScm.jpg) (https://imageshack.com/i/poIamScmj)
(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/922/QlQY20.jpg) (https://imageshack.com/i/pmQlQY20j)
(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/922/smJBH5.jpg) (https://imageshack.com/i/pmsmJBH5j)

Deveremos manter pelo menos três brigadas nas FoDeTe, no mínimo o aceitável seriam três brigadas, como actualmente possuímos mas na minha opinião a BRR, cuja constituição devia ser com 01 BCmds, 01 BCPara, que deveria pertencer á FAP, e um BLD, composto por três FFZ. esta GU deveria estar ás ordens do CEMGFA, logo constituir a reserva estratégica das FFAA, e não como acontece ser constituída por três, Batalhões do Exército, bem batalhões só de nome.

Para isso acontecer os BIParas deveriam regressar à FAP, de onde nunca deviam ter saído, e em sua substituição ser levantados no Exército, 03 BatInf para constituir pelo menos uma BriMoto, ou preferencialmente uma BriMecLig(R), equipada com vamtacs ou afins !!

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/922/SayjgI.jpg) (https://imageshack.com/i/pmSayjgIj)
(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/923/1NJI7J.jpg) (https://imageshack.com/i/pn1NJI7Jj)
(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/921/r81Uyk.jpg) (https://imageshack.com/i/plr81Uykj)
(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/924/cAny3O.jpg) (https://imageshack.com/i/pocAny3Oj)

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 10, 2019, 03:07:41 pm
IFVs na BrigMec são uma necessidade com mais de 15 anos. A aquisição dos Leo só veio demonstrar ainda mais o desfasamento entre a força de CCs e as restantes unidades da Brigada Mecanizada. Entretanto, nada foi feito, os M-113 não foram nem modernizados nem substituídos, os veículos de apoio também continuam na mesma e os Chaparral idem.

Existe também uma necessidade de substituir ou complementar as V-150. Também foi pena não terem vindo as Pandur com torre RCWS + mísseis Spike que eram destinadas aos fuzos. Continua a fazer falta um veículo ligeiro de reconhecimento, transportável de preferência em C-130. MRAPs também seriam uma mais valia, mantendo parte da capacidade de transporte dos Pandur, mas mais adequados para uso em ambientes urbanos, o que se enquadra na lógica de defesa de Lisboa. Armas anti-tanque, para todas a forças, são o verdadeiro dissuasor contra a ameaça blindada inimiga, já que são muito mais difíceis de detectar do que um veículo para essas funções (algo para substituir tanto os LAW como os Milan). Enfim, falta tanta coisa!
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 11, 2019, 10:42:40 am
Eu sei que sou um chato, mas antes de se pensar em aumentar isto ou aquilo, tem que se pensar em aumentar as vagas para as Forças Armadas, aumentar a retenção dos nossos contratados e melhorar a operacionalidades das nossas unidades.

A Brigada Mecanizada está onde está porque não foi criada de raiz a pensar na defesa territorial, mas sim na criação de uma força expedicionária na luta contra a ameaça comunista no âmbito da OTAN.

Se aqui se fala em concentrar as Brigadas em menos Regimentos, eis uma que está praticamente concentrada num único Campo Militar.


Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 11, 2019, 10:47:34 am


Se estás a falar em termos de defesa territorial, Santa Margarida é uma péssima escolha. Em caso de ameaça ao TN o melhor a ser feito seria usá-la como unidade para formar/treinar unidades.


No centro geodésico do país é uma péssima escolha?  :-P

É pela questão de ficar a sul do Tejo e se as pontes estiverem destruídas não pode deslocar-se para norte? Qual potencial invasão espanhola ou marroquina ocorreria preferencialmente a sul, portanto a questão nem se coloca...

Sim é por causa dos acessos que eu estou a falar. Se não fosse por causa das pontes está muito bem localizada, tens a A23 não muito longe e daí estás numa questão de horas em qualquer parte de Portugal continental.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 11, 2019, 10:50:33 am
A obsolescência dos meios da Brigada Mecanizada é por demais evidente, penso que neste momento podemos dizer sem dúvida alguma que é a Brigada pior equipada e armada.

Para poupar umas coroas podia-se comprar VCI em segunda mão para duas Companhias de Atiradores e daí começar lentamente a reequipar a dita Brigada.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 11, 2019, 04:43:07 pm
O que poderia haver no mercado em segunda mão de VBCIs de lagartas? Assim por alto vejo os Bradley.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Lightning em Maio 11, 2019, 09:07:38 pm
Os Morder alemães, mas secalhar são a mesma coisa que M113, só que feitos Alemanha.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: diogo13350 em Maio 11, 2019, 09:36:39 pm
Os Morder alemães, mas secalhar são a mesma coisa que M113, só que feitos Alemanha.
Os marder sendo algo antigos, de acordo com o padrão STANAG são de nível 5,ou seja uma blindagem de longe superior aos montes de sucata que são os m113 que se pararem um 7.62 estão muito bom!
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Maio 26, 2019, 05:17:29 pm
Só pra lembrar que o mundo dos blindados de lagartas não é só os da General Dynamics....


 ;D
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 26, 2019, 10:37:36 pm
Quem nos dera a nós ter veículos desses! E a variedade de versões que tem com torre é impressionante. Abrange quase todos os calibres, 25, 30, 35, 40, 105 e 120mm!
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Maio 26, 2019, 11:52:06 pm
Quanto a mim, o melhor IFV da actualidade.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Maio 27, 2019, 07:18:03 am
Netherlands completes delivery of CV90 combat vehicles to Estonia

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/921/Z5kIrZ.jpg) (https://imageshack.com/i/plZ5kIrZj)

In late 2014, Estonia signed a contract with the Netherlands for the purchase of 44 CV9035 IFVs and six Leopard 1 tank-based support vehicles. The procurement is worth $126 million.

https://defence-blog.com/army/netherlands-completes-delivery-of-cv90-combat-vehicles-to-estonia.html

PS : Até a Estónia !!!! Sendo nós um cliente já frequente de alguns equipamentos militares Holandeses, não teria sido possível termos efectuado esta aquisição dos 44 CV9035??

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: goldfinger em Maio 27, 2019, 01:53:10 pm
Buenos días, en mi opinión el Pizarro, en su evolución Ajax, es una gran opción.

Pizarro:

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Ffotos.subefotos.com%2F7eb7ad951ccc9f8641bf8a4163bbfd1bo.jpg&hash=0768339304f61dca11ab2a0ab7deb05e)

Ajax:

(https://www.forumdefesa.com/forum/proxy.php?request=http%3A%2F%2Fedicionesparabellum.com%2Fwp-content%2Fuploads%2F2017%2F03%2F25486007100_34c70e72f6_o.jpg&hash=2ee9e214aa169f4a9762989ae8c53994)

El Pizarro sale por 6,7 millones, el Ajax por casi 8 millones:

62 x 6,7 millones = 415 millones de euros esta foto:

(https://c1.staticflickr.com/9/8689/27800504173_458ea9af66_h.jpg)
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Maio 27, 2019, 02:12:33 pm
É como o Bradley, tem um perfil muito alto. E depois tem a desvantagem de ser espanhol. O CV-90 tem melhor qualidade de construção e, por alguma razão, é mais popular.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Maio 27, 2019, 02:19:00 pm
É como o Bradley, tem um perfil muito alto. E depois tem a desvantagem de ser espanhol. O CV-90 tem melhor qualidade de construção e, por alguma razão, é mais popular.


Pá, nesta até tenho de por o meu agradecimento por escrito! Já digo isso ao tempo!
E ainda, bem esperava que a Iveco tivesse participado no concurso das ligeiras 4x4, estava á espera do LMV/LMV 2.

(https://media.giphy.com/media/jQmVFypWInKCc/giphy.gif)

 ;D
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 27, 2019, 02:52:27 pm
E de um ponto de vista externo, ou seja a sua aparência, sempre me pareceu mais robusto que a concorrência, nomeadamente o Ulan/Pizarro.

Pode ser que um dia alguém abra os olhos e veja uma compra de oportunidade destes veículos.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Maio 27, 2019, 03:12:06 pm
E de um ponto de vista externo, ou seja a sua aparência, sempre me pareceu mais robusto que a concorrência, nomeadamente o Ulan/Pizarro.

Pode ser que um dia alguém abra os olhos e veja uma compra de oportunidade destes veículos.


A oportunidade é quando se decidirem a abrir concurso pra substituir os blindados de lagartas não o excluam por motivos estupido como o do "é muito grande"....
E para terem uma idea do custo, esta compra será o que está mais parecido com o que nós precisamos.
"The Netherlands ordered 184 combat plus 8 instruction CV9035 vehicles for a cost of €749 million, or €3.9 million per vehicle."

 ;)
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 27, 2019, 03:22:39 pm
Pois "se" abrirem concurso. Mas o mais provável é vencer o que for mais barato. Quanto a dimensões, ser demasiado grande ou pequeno, devia ser redundante para nós, já que não teremos nenhum meio aéreo que os transporte, portanto é uma questão que não deveria ter influência... mas por cá vale tudo!  ::)
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: asalves em Maio 27, 2019, 03:59:27 pm
E de um ponto de vista externo, ou seja a sua aparência, sempre me pareceu mais robusto que a concorrência, nomeadamente o Ulan/Pizarro.

Pode ser que um dia alguém abra os olhos e veja uma compra de oportunidade destes veículos.


A oportunidade é quando se decidirem a abrir concurso pra substituir os blindados de lagartas não o excluam por motivos estupido como o do "é muito grande"....
E para terem uma idea do custo, esta compra será o que está mais parecido com o que nós precisamos.
"The Netherlands ordered 184 combat plus 8 instruction CV9035 vehicles for a cost of €749 million, or €3.9 million per vehicle."

 ;)

Gastar 749 milhões de € por veículos blindados em Portugal?

(https://media.giphy.com/media/jQmVFypWInKCc/giphy.gif)

Desculpe estar-lhe a roubar o gif, mas em Portugal com os políticos e forças políticas que temos nunca vamos gastar esse valor em blindados para o exercito.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Maio 27, 2019, 04:02:05 pm
Gastou-se quase 500 milhões com as Pandur e ficamos mal e porcamente servidos pela GDLSE....
 :-\
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: asalves em Maio 27, 2019, 04:23:52 pm
Gastou-se quase 500 milhões com as Pandur e ficamos mal e porcamente servidos pela GDLSE....
 :-\

É verdade e não leve a mal.  :G-beer2:

Mas as PANDUR são um pouco diferente não? alias eu antes de postar andei a ver o preço da compra dos LEO e no artigo da altura vinha inclusivo alguém afirmar que a aposta seria nos veículos de 8 rodas, isto depois da pergunta do jornalista de passarmos para 100 supostos carros de combate para 37.

Como dizem muito aqui no forum e para minha infelicidade acho que tem razão, o exercito só mantém os carros de combate a lagartas por uma questão de manter a escola. Pela quantidade e afins dificilmente vamos ter alguma missão externa com carros de lagartas, como tal acho muito difícil que a nossa classe política ache necessário gastar guito em veículos de lagartas para o exercito. Ainda mais nessas quantidades, a virem alguns será unicamente para manter a escola e para isso 2 dúzias servem.

Não concordo mas é o pais que temos.

PS: Para mandar as PANDUR para RCA já foi a complicação que foi
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Maio 27, 2019, 04:53:23 pm
Gastar 749 milhões de € por veículos blindados em Portugal?

(https://media.giphy.com/media/jQmVFypWInKCc/giphy.gif)

Desculpe estar-lhe a roubar o gif, mas em Portugal com os políticos e forças políticas que temos nunca vamos gastar esse valor em blindados para o exercito.

Também não me parece que precisemos na situação actual de 184 veículos, e que todos fossem da versão de 35mm. Outras variantes, como uma versão de engenharia e eventualmente porta-morteiros. Entre outras, presumo que as versões sem a torre de 35 mm (para nós seria provavelmente de 30 mm) sejam mais baratas já que não incluem o custo dos sensores e armamento da torre. E 150 veículos já seria um número aceitável.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: asalves em Junho 14, 2019, 05:22:04 pm
Uma questão. Que não faz sentido no contexto atual de paz. Mas imaginando um cenário de conflito em território nacional.

Faz sentido os blindados estarem tão a Norte?

Pelo pouco que percebo o terreno ideal para os blindados é a sul do Tejo, e as vastas planícies do Alentejo. Contudo também é um terreno ideal para os blindados inimigos, e como tal mais difícil.

Mas secalhar estando a Norte permite uma defesa melhor pois estão mais protegidos pelo terreno, e o "conhecimento" do terreno é capaz de dificultar um conflito em largura e quantidade de unidades, dai possibilitar outras estratégias.

Corrijam-me se estiver errado, o que acham?
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Clausewitz em Junho 14, 2019, 07:10:15 pm
Uma questão. Que não faz sentido no contexto atual de paz. Mas imaginando um cenário de conflito em território nacional.

Faz sentido os blindados estarem tão a Norte?

Pelo pouco que percebo o terreno ideal para os blindados é a sul do Tejo, e as vastas planícies do Alentejo. Contudo também é um terreno ideal para os blindados inimigos, e como tal mais difícil.

Mas secalhar estando a Norte permite uma defesa melhor pois estão mais protegidos pelo terreno, e o "conhecimento" do terreno é capaz de dificultar um conflito em largura e quantidade de unidades, dai possibilitar outras estratégias.

Corrijam-me se estiver errado, o que acham?

Os blindados da Brigada Mecanizada estão no centro geográfico do país e numa zona com bons acessos rodoviários e ferroviários para o resto do território e de interposição no acesso para a capital, além da maior área do Exército para treino. É lá que devem estar.

As Pandur sim, estão mais a Norte, próximo da base de recrutamento do Exército, no Alentejo há pouquíssimos jovens.
Numa hipotética e improvável guerra em território nacional não estão limitados ao emprego nas suas área de aquartelamento, mas de qualquer forma na planície alentejana estariam completamente expostos, enquanto as áreas urbanas, o relevo, a vegetação dão algumas possibilidades adicionais.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Junho 14, 2019, 08:17:54 pm
Uma questão. Que não faz sentido no contexto atual de paz. Mas imaginando um cenário de conflito em território nacional.

Faz sentido os blindados estarem tão a Norte?

Pelo pouco que percebo o terreno ideal para os blindados é a sul do Tejo, e as vastas planícies do Alentejo. Contudo também é um terreno ideal para os blindados inimigos, e como tal mais difícil.

Mas secalhar estando a Norte permite uma defesa melhor pois estão mais protegidos pelo terreno, e o "conhecimento" do terreno é capaz de dificultar um conflito em largura e quantidade de unidades, dai possibilitar outras estratégias.

Corrijam-me se estiver errado, o que acham?

Os blindados da Brigada Mecanizada estão no centro geográfico do país e numa zona com bons acessos rodoviários e ferroviários para o resto do território e de interposição no acesso para a capital, além da maior área do Exército para treino. É lá que devem estar.

As Pandur sim, estão mais a Norte, próximo da base de recrutamento do Exército, no Alentejo há pouquíssimos jovens.
Numa hipotética e improvável guerra em território nacional não estão limitados ao emprego nas suas área de aquartelamento, mas de qualquer forma na planície alentejana estariam completamente expostos, enquanto as áreas urbanas, o relevo, a vegetação dão algumas possibilidades adicionais.

Desculpa mas não concordo em absoluto com o que acabaste de afirmar.

A arma blindada produz resultados no TO usando o movimento e o poder de fogo e para tal terá que ter as suas Unidades de manobra em zonas em que possa empregar ao máximo as suas valências.

Como o Asalves disse e bem é em zona que permitam o movimento e a exploração das acções de combate usando a velocidade que deveriam estar estacionadas as poucas unidades mecanizadas que possuimos e não onde actualmente se encontrampois a orografia e os meios de acesso limitam as suas capacidades de movimento e também os necessários meios de reabastecimento adequados.

Se fossem colocadas estrategicamente de modo a se puder tirar o máximo partido das suas características teriam de estar nas zonas que o País tem com orografia mais " amena ", ou seja no Alentejo.

A utilização das unidades blindadas, leia-se CC e VBCI, em zonas urbanas, exige grandes quantidades de infantaria para o seu apoio e limita a eficácia do seu emprego, dos CC's, no seu movimento.

Nas zonas urbanas a doutrina manda empenhar unidades de infantaria ligeira devidamente equipada com armas ACar e morteiros, o empenho de unidades blindadas é um erro crasso no emprego dos meios ofensivos que por excelência devem ser colocados em zonas/áreas que lhes permitam tirar partidos das suas valências técnicas.

O mesmo se pode dizer quanto aos Pandur, mesmo sendo unidades de Rodas, viaturas blindadas mais ligeiras, estamos colocá-las do zona norte do País, condicionando e de que modo a defesa do território Nacional, pois nada nos garante que havendo uma invasão ela se dê pela zona norte do País.
Esta é uma premissa errada pois pressupõe que o provável IN, use os CC como tú defines que devem ser usados em zonas urbanas e com grande vegetação, garanto que os Espanhóis se nos atacassem o fariam pelo sul, e entravam no Alentejo, qual faca quente em manteiga, e antes que os nossos CC's saíssem de Santa Guiduxa, e, os Pandur saíssem de Vila real e Viseu já a capital, e meio país estavam nas mãos deles.

Em minha opinião a BriMec, devidamente equipada, 01 GCC + 02 BiMec(L) + o GAC Ap deveria ser reposicionada em Beja e a BrigInt, no máximo dos máximos deveria ficar em Santa Margarida.

A norte do Douro deveríamos ter o que venho dizendo já há muito tempo, a terceira Brigada, uma Brigada de Infantaria Ligeira, sim a terceira brigada, pois para mim a BRR deveria ser uma Grande Unidade de Reserva, á ordem do CEMGFA, e composta por elementos ( batalhões/FFZ) dos três Ramos e, onde o Exército entraria com um BCmds apoiado por uma Btr 10,5.

Tal Brigada Infantaria Ligeira, BrIL, seria composta, inicialmente por dois BatInf + 01 GAC rebocado, a duas BTR's 10,5 + 01 Erec(R) e seria equipada com viaturas tipo Vamtac, ocuparia as instalações dos RC06, com a artilharia e o ERec orgânicos, e, os dois Batinf ficariam nos actuais RI19 e RI13 .


Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Junho 14, 2019, 08:25:33 pm
Uma questão. Que não faz sentido no contexto atual de paz. Mas imaginando um cenário de conflito em território nacional.

Faz sentido os blindados estarem tão a Norte?

Pelo pouco que percebo o terreno ideal para os blindados é a sul do Tejo, e as vastas planícies do Alentejo. Contudo também é um terreno ideal para os blindados inimigos, e como tal mais difícil.

Mas secalhar estando a Norte permite uma defesa melhor pois estão mais protegidos pelo terreno, e o "conhecimento" do terreno é capaz de dificultar um conflito em largura e quantidade de unidades, dai possibilitar outras estratégias.

Corrijam-me se estiver errado, o que acham?

Estás 100% correcto  asalves !!!

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: PereiraMarques em Junho 14, 2019, 08:54:21 pm
:o... Não sei se têm noção que Santa Margarida está a SUL do Tejo...  ::)
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Junho 14, 2019, 09:11:57 pm
:o... Não sei se têm noção que Santa Margarida está a SUL do Tejo...  ::)

Claro que sim, tomei parte em alguns exercícios Ardent Grounds e similares naquele polígono de tiro, e sempre me causou impressão os poucos acessos que tínhamos em especial para os meios mais pesados em caso de termos que arripiar caminho e sairmos daquele polígono militar para outro ponto do País.

Na década de 80 ainda íamos tendo o terminal ferroviário funcional, mas agora já nem isso está capaz de transportar o que quer que seja.

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Clausewitz em Junho 14, 2019, 10:44:21 pm
Uma questão. Que não faz sentido no contexto atual de paz. Mas imaginando um cenário de conflito em território nacional.

Faz sentido os blindados estarem tão a Norte?

Pelo pouco que percebo o terreno ideal para os blindados é a sul do Tejo, e as vastas planícies do Alentejo. Contudo também é um terreno ideal para os blindados inimigos, e como tal mais difícil.

Mas secalhar estando a Norte permite uma defesa melhor pois estão mais protegidos pelo terreno, e o "conhecimento" do terreno é capaz de dificultar um conflito em largura e quantidade de unidades, dai possibilitar outras estratégias.

Corrijam-me se estiver errado, o que acham?

Os blindados da Brigada Mecanizada estão no centro geográfico do país e numa zona com bons acessos rodoviários e ferroviários para o resto do território e de interposição no acesso para a capital, além da maior área do Exército para treino. É lá que devem estar.

As Pandur sim, estão mais a Norte, próximo da base de recrutamento do Exército, no Alentejo há pouquíssimos jovens.
Numa hipotética e improvável guerra em território nacional não estão limitados ao emprego nas suas área de aquartelamento, mas de qualquer forma na planície alentejana estariam completamente expostos, enquanto as áreas urbanas, o relevo, a vegetação dão algumas possibilidades adicionais.

Desculpa mas não concordo em absoluto com o que acabaste de afirmar.

A arma blindada produz resultados no TO usando o movimento e o poder de fogo e para tal terá que ter as suas Unidades de manobra em zonas em que possa empregar ao máximo as suas valências.

Como o Asalves disse e bem é em zona que permitam o movimento e a exploração das acções de combate usando a velocidade que deveriam estar estacionadas as poucas unidades mecanizadas que possuimos e não onde actualmente se encontrampois a orografia e os meios de acesso limitam as suas capacidades de movimento e também os necessários meios de reabastecimento adequados.

Se fossem colocadas estrategicamente de modo a se puder tirar o máximo partido das suas características teriam de estar nas zonas que o País tem com orografia mais " amena ", ou seja no Alentejo.

A utilização das unidades blindadas, leia-se CC e VBCI, em zonas urbanas, exige grandes quantidades de infantaria para o seu apoio e limita a eficácia do seu emprego, dos CC's, no seu movimento.

Nas zonas urbanas a doutrina manda empenhar unidades de infantaria ligeira devidamente equipada com armas ACar e morteiros, o empenho de unidades blindadas é um erro crasso no emprego dos meios ofensivos que por excelência devem ser colocados em zonas/áreas que lhes permitam tirar partidos das suas valências técnicas.

O mesmo se pode dizer quanto aos Pandur, mesmo sendo unidades de Rodas, viaturas blindadas mais ligeiras, estamos colocá-las do zona norte do País, condicionando e de que modo a defesa do território Nacional, pois nada nos garante que havendo uma invasão ela se dê pela zona norte do País.
Esta é uma premissa errada pois pressupõe que o provável IN, use os CC como tú defines que devem ser usados em zonas urbanas e com grande vegetação, garanto que os Espanhóis se nos atacassem o fariam pelo sul, e entravam no Alentejo, qual faca quente em manteiga, e antes que os nossos CC's saíssem de Santa Guiduxa, e, os Pandur saíssem de Vila real e Viseu já a capital, e meio país estavam nas mãos deles.

Em minha opinião a BriMec, devidamente equipada, 01 GCC + 02 BiMec(L) + o GAC Ap deveria ser reposicionada em Beja e a BrigInt, no máximo dos máximos deveria ficar em Santa Margarida.

A norte do Douro deveríamos ter o que venho dizendo já há muito tempo, a terceira Brigada, uma Brigada de Infantaria Ligeira, sim a terceira brigada, pois para mim a BRR deveria ser uma Grande Unidade de Reserva, á ordem do CEMGFA, e composta por elementos ( batalhões/FFZ) dos três Ramos e, onde o Exército entraria com um BCmds apoiado por uma Btr 10,5.

Tal Brigada Infantaria Ligeira, BrIL, seria composta, inicialmente por dois BatInf + 01 GAC rebocado, a duas BTR's 10,5 + 01 Erec(R) e seria equipada com viaturas tipo Vamtac, ocuparia as instalações dos RC06, com a artilharia e o ERec orgânicos, e, os dois Batinf ficariam nos actuais RI19 e RI13 .


Abraços

Mas onde é que eu disse que os carros de combate ou VBCI devem ser empregues em áreas urbanas ou de orografia acidentada? Ou que o inimigo usaria CC em áreas urbanas?? Não entendi de onde vieram essas conclusões mas não foi do meu texto de certeza... Já agora, o Ribatejo é essencialmente uma região de planície e Santa Guida fica na margem Sul do Tejo...

As Pandur (e não carros de combate nem VBCI) estão mais a Norte, mas acho que isso tem mais a ver com proximidade da base de recrutamento real e potencial do Exército, o que é um fator a ter em conta. Sobre esse filme de fogo e manobra no Alentejo, se se referia também às Pandur para esse efeito, e pela resposta ao meu comentário tenho que deduzir que sim, realmente aquilo são veículos com um poder de fogo e uma blindagem impressionantes. Em campo aberto são tipo alvos móveis para aviação e forças pesadas, não são veículos para ficarem expostos e enfrentarem outras forças. Mas isto são devaneios e mesmo falando de defesa militar do território nacional a questão está no ar e no mar. Sem isso... guerrilha.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Junho 15, 2019, 12:02:36 am
Mesmo que todas as nossas forças blindadas estivessem bem posicionadas, em terreno propício para executar todas as manobras 'by the book', na presença de um IN forte, como por exemplo a Espanha, com forças em quantidade e qualidade muito superiores às nossas (>200 Leo 2 com blindagem melhor, >250 Pizarro, > 200 obuses, 20 helis de ataque, etc.), gozando ainda de superioridade aérea e naval quase absolutas, iria ser sempre "faca quente em manteiga", como muito bem disseste, tenente. E bastava-lhes utilizar 1/3 do seu potencial, metade já seria demais.

A única hipótese viável era dar-lhes terreno, atacar-lhes as linhas logísticas, efectuar ataques de guerrilha e dispor de muitos, mas mesmo muitos, mísseis anti-carro e MANPADS. Mas nem isso, infelizmente.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Junho 15, 2019, 11:29:38 am
Mesmo que todas as nossas forças blindadas estivessem bem posicionadas, em terreno propício para executar todas as manobras 'by the book', na presença de um IN forte, como por exemplo a Espanha, com forças em quantidade e qualidade muito superiores às nossas (>200 Leo 2 com blindagem melhor, >250 Pizarro, > 200 obuses, 20 helis de ataque, etc.), gozando ainda de superioridade aérea e naval quase absolutas, iria ser sempre "faca quente em manteiga", como muito bem disseste, tenente. E bastava-lhes utilizar 1/3 do seu potencial, metade já seria demais.

A única hipótese viável era dar-lhes terreno, atacar-lhes as linhas logísticas, efectuar ataques de guerrilha e dispor de muitos, mas mesmo muitos, mísseis anti-carro e MANPADS. Mas nem isso, infelizmente.

Supremacia aérea, sem isso nada conseguimos fazer !

Espanha mesmo com 200 CC's e toda a infantaria que tem, se nós possuíssemos uma excelente defesa AA e uma FAP com um numero jeitoso de aeronaves de combate bem equipadas a música seria outra.

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 15, 2019, 12:16:15 pm
Mesmo que todas as nossas forças blindadas estivessem bem posicionadas, em terreno propício para executar todas as manobras 'by the book', na presença de um IN forte, como por exemplo a Espanha, com forças em quantidade e qualidade muito superiores às nossas (>200 Leo 2 com blindagem melhor, >250 Pizarro, > 200 obuses, 20 helis de ataque, etc.), gozando ainda de superioridade aérea e naval quase absolutas, iria ser sempre "faca quente em manteiga", como muito bem disseste, tenente. E bastava-lhes utilizar 1/3 do seu potencial, metade já seria demais.

A única hipótese viável era dar-lhes terreno, atacar-lhes as linhas logísticas, efectuar ataques de guerrilha e dispor de muitos, mas mesmo muitos, mísseis anti-carro e MANPADS. Mas nem isso, infelizmente.

Supremacia aérea, sem isso nada conseguimos fazer !

Espanha mesmo com 200 CC's e toda a infantaria que tem, se nós possuíssemos uma excelente defesa AA e uma FAP com um numero jeitoso de aeronaves de combate bem equipadas a música seria outra.

Abraços

Mesmo assim. são três de dezenas de caças contra mais de centena e meia do outro lado, a diferença é colossal.

Dos nossos dois vizinhos mais próximos, eu não vejo qualquer perigo a curto/médio prazo, o mesmo não digo de toda uma série de países por esse mundo fora.

Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Junho 15, 2019, 12:44:43 pm
Lá está, por muito que tivéssemos fileiras infindáveis de militares e blindados, faltaria sempre a defesa aérea. Infelizmente, a estratégia que usaríamos seria redundante perante qualquer inimigo minimamente equipado, quer ponham os CCs a norte, no centro ou a sul. Serão sempre alvos fáceis.

Uns AH-1Z equipados com Hellfire já equilibravam ligeiramente a balança, mas para isso também faltava AA de médio/longo alcance para controlar o espaço aéreo.


Mesmo assim. são três de dezenas de caças contra mais de centena e meia do outro lado, a diferença é colossal.

Dos nossos dois vizinhos mais próximos, eu não vejo qualquer perigo a curto/médio prazo, o mesmo não digo de toda uma série de países por esse mundo fora.



Mas é por isso mesmo que as defesas AA deviam ser um investimento importante. Uma boa capacidade AA sempre garante um reequilíbrio da balança da supremacia aérea, e para o inimigo a obter, estaria sujeito a muito mais baixas. Infelizmente, a nossa AA está entregue a Chaparral, Stinger e bitubos de 20mm, o que é ridículo para um país da NATO. Ah, e os fantasmas dos M163 VADS que nunca foram vistos por cá.  :mrgreen:

Nem Avengers foram capazes de adquirir, que além de alta mobilidade quando comparados com o Chaparral e mais mísseis prontos a disparar, poderiam hoje receber uma modernização para receber o derivado AA do Aim-9x...
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: jpthiran em Junho 15, 2019, 01:15:49 pm
Mesmo que todas as nossas forças blindadas estivessem bem posicionadas, em terreno propício para executar todas as manobras 'by the book', na presença de um IN forte, como por exemplo a Espanha, com forças em quantidade e qualidade muito superiores às nossas (>200 Leo 2 com blindagem melhor, >250 Pizarro, > 200 obuses, 20 helis de ataque, etc.), gozando ainda de superioridade aérea e naval quase absolutas, iria ser sempre "faca quente em manteiga", como muito bem disseste, tenente. E bastava-lhes utilizar 1/3 do seu potencial, metade já seria demais.

A única hipótese viável era dar-lhes terreno, atacar-lhes as linhas logísticas, efectuar ataques de guerrilha e dispor de muitos, mas mesmo muitos, mísseis anti-carro e MANPADS. Mas nem isso, infelizmente.
dispor de muitos, mas mesmo muitos, mísseis anti-carro...e defesa anti-aérea...isso sim seriam dissuasores reais de quaisquer ataques ao nosso território!...com meios desses, tudo o resto eram investimentos inúteis!...para o mar temos os submarinos, que obviamente não podiam ser 2 mas no mínimo razoável 4...
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Junho 15, 2019, 02:00:03 pm
Pra acabar com a supremacia mecanizada era grupos de caçadores com miles de misseis anti carro e RPG´s.
unidades de três a quatro soldados, e sistemas leves e faceis de transportar.
Tudo ao toca e foge. Quando fossem a ver donde veio já não estava lá ninguem.
E minas! Miles de minas anti carro. Quando parassem pra ver as minas , levavam com os misseis! (ou RPG´s)
Rapido e assimetrico, nõs não temos outra hipotese.

 :Anti-tanque:
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Red Baron em Junho 15, 2019, 02:19:04 pm
Lá está, por muito que tivéssemos fileiras infindáveis de militares e blindados, faltaria sempre a defesa aérea. Infelizmente, a estratégia que usaríamos seria redundante perante qualquer inimigo minimamente equipado, quer ponham os CCs a norte, no centro ou a sul. Serão sempre alvos fáceis.

Uns AH-1Z equipados com Hellfire já equilibravam ligeiramente a balança, mas para isso também faltava AA de médio/longo alcance para controlar o espaço aéreo.


Mesmo assim. são três de dezenas de caças contra mais de centena e meia do outro lado, a diferença é colossal.

Dos nossos dois vizinhos mais próximos, eu não vejo qualquer perigo a curto/médio prazo, o mesmo não digo de toda uma série de países por esse mundo fora.



Mas é por isso mesmo que as defesas AA deviam ser um investimento importante. Uma boa capacidade AA sempre garante um reequilíbrio da balança da supremacia aérea, e para o inimigo a obter, estaria sujeito a muito mais baixas. Infelizmente, a nossa AA está entregue a Chaparral, Stinger e bitubos de 20mm, o que é ridículo para um país da NATO. Ah, e os fantasmas dos M163 VADS que nunca foram vistos por cá.  :mrgreen:

Nem Avengers foram capazes de adquirir, que além de alta mobilidade quando comparados com o Chaparral e mais mísseis prontos a disparar, poderiam hoje receber uma modernização para receber o derivado AA do Aim-9x...

O que faz falta é um sistema como o SAMP/T  que da espaço para os nosso aviões atuarem e garantir que qualquer entrada dentro da nosso zona de proteção é respondida com força mortal.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Junho 15, 2019, 02:24:01 pm
O SAMP/T, BARAK 8/ 8ER, MEADS, qualquer sistema de medio/longo alcance!
 :-P
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Junho 15, 2019, 02:26:19 pm
Ainda assim a estratégia de guerrilha causaria muitas baixas nossas. O ideal era mesmo ter capacidade dissuasora que impedisse de sequer entrar no nosso território, e se o fizesse, saberia que teria baixas pesadas.
Actualmente isso não aconteceria, as baixas seriam mínimas se fosse feito um ataque por via aérea, até porque praticamente todos os países circundantes têm ou teriam capacidade de neutralizar grande parte da capacidade de superioridade aérea, atacando Monte Real com mísseis de cruzeiro e afins. Mais um brinquedo que nós não possuímos, que seria um bom meio dissuasor e relativamente barato.

Havendo baterias AA e veículos AA altamente móveis, sempre teríamos uma capacidade ligeiramente superior para suprimir um ataque inicial. Permitindo ainda dar algum tempo para chegarem mais mísseis AMRAAM para os F-16, que os poucos que temos dariam com sorte para 10% da força de caças Espanhola, isto se tivessem 100% de acerto.

Também seriam necessários mais radares, porque ter apenas 2 ou 3 grandes radares pelo país todo, são alvos facílimos, bastando 3 mísseis anti-radiação para os neutralizar. Solução, seria adquirir vários radares Sentinel, que devidamente posicionados, não só dificultavam o trabalho ao adversário, como cobriam os blind spots que os radares actuais têm.

Os bitubos seriam devidamente posicionados em áreas mais montanhosas, para eliminar helicópteros a voar a baixa altitude/entre montes/montanhas. Teriam a sua utilidade, mas não a têm numa planície.

O SAMP/T, BARAK 8/ 8ER, MEADS, qualquer sistema de medio/longo alcance!
 :-P

Nasams, Patriot... A lista é interessante, e se considerarmos versões com alcance ligeiramente menor, ainda há o Spyder e o MICA VL.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Junho 15, 2019, 02:33:43 pm
Ainda assim a estratégia de guerrilha causaria muitas baixas nossas. O ideal era mesmo ter capacidade dissuasora que impedisse de sequer entrar no nosso território, e se o fizesse, saberia que teria baixas pesadas.
Actualmente isso não aconteceria, as baixas seriam mínimas se fosse feito um ataque por via aérea, até porque praticamente todos os países circundantes têm ou teriam capacidade de neutralizar grande parte da capacidade de superioridade aérea, atacando Monte Real com mísseis de cruzeiro e afins. Mais um brinquedo que nós não possuímos, que seria um bom meio dissuasor e relativamente barato.

Havendo baterias AA e veículos AA altamente móveis, sempre teríamos uma capacidade ligeiramente superior para suprimir um ataque inicial. Permitindo ainda dar algum tempo para chegarem mais mísseis AMRAAM para os F-16, que os poucos que temos dariam com sorte para 10% da força de caças Espanhola, isto se tivessem 100% de acerto.

Também seriam necessários mais radares, porque ter apenas 2 ou 3 grandes radares pelo país todo, são alvos facílimos, bastando 3 mísseis anti-radiação para os neutralizar. Solução, seria adquirir vários radares Sentinel, que devidamente posicionados, não só dificultavam o trabalho ao adversário, como cobriam os blind spots que os radares actuais têm.

Os bitubos seriam devidamente posicionados em áreas mais montanhosas, para eliminar helicópteros a voar a baixa altitude/entre montes/montanhas. Teriam a sua utilidade, mas não a têm numa planície.

O SAMP/T, BARAK 8/ 8ER, MEADS, qualquer sistema de medio/longo alcance!
 :-P

Nasams, Patriot... A lista é interessante, e se considerarmos versões com alcance ligeiramente menor, ainda há o Spyder e o MICA VL.


Radares descentralizados concordo, agora os bi-tubos não sei se teriam alguma utilidade, seria melhor stingers.
Especialmente em alturas que os misseis de helicoptero tem mais alcance que os bi-tubo!
O MICA VL tem muito pouco alcance (20km) e mesmo o Spyder só o MR que têm mais de 50km de alcance.
 :-\
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Red Baron em Junho 15, 2019, 02:41:07 pm
Nos nem um sistema anti drone temos para proteger uma base nossa num pais com a RCA.
Um drone comprado numa loja normal armadilhado pode fazer mais baixas que um bom sniper.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Junho 15, 2019, 03:28:10 pm
Radares descentralizados concordo, agora os bi-tubos não sei se teriam alguma utilidade, seria melhor stingers.
Especialmente em alturas que os misseis de helicoptero tem mais alcance que os bi-tubo!
O MICA VL tem muito pouco alcance (20km) e mesmo o Spyder só o MR que têm mais de 50km de alcance.
 :-\

Radares descentralizados concordo, agora os bi-tubos não sei se teriam alguma utilidade, seria melhor stingers.
Especialmente em alturas que os misseis de helicoptero tem mais alcance que os bi-tubo!
O MICA VL tem muito pouco alcance (20km) e mesmo o Spyder só o MR que têm mais de 50km de alcance.
 :-\

Quando falo nos bitubos, é numa perspectiva de aproveitar o que temos, de complementaridade entre os vários sistemas. Os bitubos já cá temos vários, e ao contrário dos Stinger que podem ser negados com chaff&flares dos helicópteros, o bitubo atinge o alvo independentemente disso, haja pontaria.  :mrgreen:
Se pudéssemos ter centenas de Stinger, melhor ainda!

Quanto aos MICA e aos Spyder, apesar de menor alcance que outros sistemas mencionados, ainda assim representam um grande salto face ao alcance dos Chaparral. Mas eu preferia alguns dos sistemas que mencionaste ou o NASAMS ou Patriot.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Junho 15, 2019, 04:30:49 pm
Os mísseis anticarro e SAM seriam o factor mais importante, sem dúvida. Mas iriam ser necessários mais submarinos para manter as F100 longe das fronteiras e pelo menos mais 30 F-16V; com um total de 60 F-16 V dispersos por várias bases, devidamente protegidas por camadas de SAM's, os caças espanhóis só gozariam de superioridade parcial, mesmo com os Meteror iriam incorrer em grande número de baixas — um factor extremamente dissuasor!

Requisitos para repelir/dissuadir uma invasão por um adversário superior:

1) Resmas/carradas/paletes/contentores de ATGW, SAM (em layers de MANPADS, médio alcance e longo alcance) e AAM (C-7/D e AIM-9X ou IRIS-T);
2) +30 F-16V (ou +20 F-15EX, ou +20 F-35A);
3) Radares 3D móveis e eventualmente uns quantos AEW&C;
4) Mais 02 subs, eventualmente aproveitar o program 212CD;
5) Entre 03 a 05 IH com carradas de SM2 e ESSM Block 2;
6) 10/15 helis anticarro a sério;
7) +18 Leo 2, para um total de 03 esquadrões, +100 CV-90 ou similar, para explorar brechas nas linhas inimigas e efectuar contra-ataques em profundidade com cobertura aérea.

Custo: o equivalente ao resgate a uma banco tipo BES/Novo Banco. :mrgreen: Ou seja, nunca irá acontecer, porque não há interesse de ninguém, nem aqui no FD. Porque "não há perigo vindo de Espanha", país amigo e tal, se bem que nunca consegui compreender por que só têm uma brigada a cobrir a fronteira francesa (há sempre a desculpa dos Pirinéus), mas para Portugal já têm duas — será por temerem as poderosas FFAA tugas?


Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Junho 15, 2019, 04:48:01 pm
Os mísseis anticarro e SAM seriam o factor mais importante, sem dúvida. Mas iriam ser necessários mais submarinos para manter as F100 longe das fronteiras e pelo menos mais 30 F-16V; com um total de 60 F-16 V dispersos por várias bases, devidamente protegidas por camadas de SAM's, os caças espanhóis só gozariam de superioridade parcial, mesmo com os Meteror iriam incorrer em grande número de baixas — um factor extremamente dissuasor!

Requisitos para repelir/dissuadir uma invasão por um adversário superior:

1) Resmas/carradas/paletes/contentores de ATGW, SAM (em layers de MANPADS, médio alcance e longo alcance) e AAM (C-7/D e AIM-9X ou IRIS-T);
2) +30 F-16V (ou +20 F-15EX, ou +20 F-35A);
3) Radares 3D móveis e eventualmente uns quantos AEW&C;
4) Mais 02 subs, eventualmente aproveitar o program 212CD;
5) Entre 03 a 05 IH com carradas de SM2 e ESSM Block 2;
6) 10/15 helis anticarro a sério;
7) +18 Leo 2, para um total de 03 esquadrões, +100 CV-90 ou similar, para explorar brechas nas linhas inimigas e efectuar contra-ataques em profundidade com cobertura aérea.

Custo: o equivalente ao resgate a uma banco tipo BES/Novo Banco. :mrgreen: Ou seja, nunca irá acontecer, porque não há interesse de ninguém, nem aqui no FD. Porque "não há perigo vindo de Espanha", país amigo e tal, se bem que nunca consegui compreender por que só têm uma brigada a cobrir a fronteira francesa (há sempre a desculpa dos Pirinéus), mas para Portugal já têm duas — será por temerem as poderosas FFAA tugas?

Nunca houve perigo vindo de Espanha, até acontecer como já aconteceu varias vezes! É verdade, eles devem tar cheios de medo que a gente invada pra ir tomar conta de Olivença e uns presuntos....
A meu ver os misseis anti-carro já davam conta do recado, se fosse uma quantidade tal que até metesse medo. Pensavam duas vezes se soubessem que a cada esquina levavam com um Spike ou MMP ou parecido, como disse até aquela RPG americana dava conta do recado.
É mais facil arranjar 1000 misseis que eles substituirem 220 CC.
 c56x1
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Junho 15, 2019, 05:10:12 pm
Pois, mas as armas anti-carro só iriam prevenir temporariamente uma invasão maciça de forças terrestres. Sem os outros meios que referi, esse potencial inimigo ainda teria capacidade para destruir as nossas bases aéreas, a única base naval e as principais bases terrestres.

Mas, mais importante, poderiam arrasar as nossas infra-estruturas (centrais eléctricas, barragens, centros de telecomunicações, centrais de tratamento de água, refinarias, portos, aeroportos, pontes, estradas, caminho de ferro, grandes unidades industriais, centrais de logística e bloquear/divergir os três grandes rios internacionais), transformando assim Portugal num país da idade média e, na prática, ingovernável. Imperaria o caos e a desordem e depois podiam entrar por terra sem qualquer tipo de oposição.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Junho 15, 2019, 06:27:11 pm
Pois, mas as armas anti-carro só iriam prevenir temporariamente uma invasão maciça de forças terrestres. Sem os outros meios que referi, esse potencial inimigo ainda teria capacidade para destruir as nossas bases aéreas, a única base naval e as principais bases terrestres.

Mas, mais importante, poderiam arrasar as nossas infra-estruturas (centrais eléctricas, barragens, centros de telecomunicações, centrais de tratamento de água, refinarias, portos, aeroportos, pontes, estradas, caminho de ferro, grandes unidades industriais, centrais de logística e bloquear/divergir os três grandes rios internacionais), transformando assim Portugal num país da idade média e, na prática, ingovernável. Imperaria o caos e a desordem e depois podiam entrar por terra sem qualquer tipo de oposição.

É engraçado porque na minha perspectiva nós é que deviamos arrasar as insfrastruturas para impedir um avanço rapido!
A Suiça por exemplo tem mais de 3000 pontos estrategicos já pré-armadilhados que podem ser detonados de um comando central em caso de invasão, e no tempo da guerra fria eram mais de 6000!
Não ao ponto que referiste, mas estradas,pontes, viadutos,tuneis, etc. Faze-los ir por caminhos irregulares onde podiam ser "apanhados" mais a jeito.
As bases existentes obviamente seriam o alvo principal e podes contar que seriam a primeira coisa a ir juntamente com os radares.
Por isso ponho um enfâse em guerra descentralizada. Digamos irregular. Todo o material bélico devia ser retirado das unidades assim que se pudesse.
Senão vão começar a chover Taurus KEPD 350.
O objectivo final seria ou que eles perdessem o interesse ou que fosse custoso demais ficar aqui.
Os vietnamitas tambem eram uma cambada de labradores e correram com a maior potencia militar do mundo do quintal deles.
Em qualquer caso o caos reinaria de qualquer maneira, ou achas que toda a gente ia ficar calma e placidamente a olhar pró boneco!?
Até te digo uma maneira economica de saber as intenções antecipadamente. Colocava-se um radar do arco da velha novamente na serra da estrela, mesmo material VCC, como era a unidade militar mais proxima da fronteira assim que fosse destruido já sabias definitivamente o que se passava.
 :-P
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Junho 15, 2019, 06:38:26 pm
Os vietnamitas já tinha derrotado os franceses e tinham o apoio da segunda e terceira potências mundiais. Mas mais importante, não eram criaturas de conforto que, basicamente, viviam na idade média, habituados a comer pouco e a trabalhar muito.

Nós, pelo contrário, não iríamos ter o apoio de ninguém e somos, actualmente, criaturas de conforto. Duvido que a própria padeira de Aljubarrota hoje em dia dispensasse o seu smartphone ou o seu iPad.  ;D Provavelmente, nem os vietnamitas de hoje o fariam. Mas estas coisas jogam também contra o adversário, por isso é que acho que devíamos ter uma força blindada pequena mas capaz para levar o caos ao inimigo, muitos mísseis anti-tudo para tornar um potencial ataque demasiado pesado em baixas inimigas e uns quantos mísseis de cruzeiro para retaliar e destruir infra-estruturas estratégicas do IN.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: diogo13350 em Junho 15, 2019, 08:26:35 pm
Ou em vez desses cenários  de guerilha podiamos nos armar em israel,assim tipo guerra dos 6 dias, e usar o ataque como defesa,com ataques de baixa altitude com os f16 destruindo as base aereas dos espanhois,equilibrando o balanço no que diz respeito a meios aereos e avancar com tropas rapidamente para territorio inimigo ,colocando os subs em gibraltar e as fragatas no norte do país sempre junto à costa!mas isto sou a falar à toa sem perceber nada disto !
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Junho 15, 2019, 09:33:51 pm
Ou em vez desses cenários  de guerilha podiamos nos armar em israel,assim tipo guerra dos 6 dias, e usar o ataque como defesa,com ataques de baixa altitude com os f16 destruindo as base aereas dos espanhois,equilibrando o balanço no que diz respeito a meios aereos e avancar com tropas rapidamente para territorio inimigo ,colocando os subs em gibraltar e as fragatas no norte do país sempre junto à costa!mas isto sou a falar à toa sem perceber nada disto !

Pra isso tinha de se atacar pre-emptivamente e á partida perdiamos a razão no assunto. Para não falar que mesmo que se fizessem raids do genero, eles têm montes de sistemas AA, Patriots, Nasams e Aspide´s. Para não falar de que tem mais aviões e apanha-los no solo seria dificil até porque as poucas bases que existem junto á fronteira são de instrução.(Badajoz pelo menos).
E tambem têm estações de radar ao alcance do nosso territorio todo (continente). Mal descolassem os nossos, quando lá chegassem os aviões deles jaá estariam ou no ar ou muito perto disso.
Pra não falar que os nossos radares primários são da INDRA...
Tinhamos de ter o dobro dos aviões que temos de momento para ter hipotese de efectuar algo desse estilo,e de preferencia mais actuais (os V) para termos alguma hipotese contra os EuroFighters armados com os Meteor. Os F-18 já nem metem tanto medo.
 :-\
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: PereiraMarques em Junho 15, 2019, 11:28:05 pm
Que saudades da silly season, das "tempestades" e dos meios imaginários em que derrotávamos os pérfidos castelhanos antes de começar a guerra  :mrgreen: :mrgreen: ... Ops... Afinal a lengalenga é a mesma que há 15 anos a esta parte vem ocorrendo aqui no FD  ;D
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Junho 15, 2019, 11:50:02 pm
Os ultimos 876 anos já provaram que os "pérfidos castelhanos", estão sempre á cuca de quando podem tirar partido da situação.
Esperemos que seja sempre imaginário. Mas tambem ainda há gente que acredita no Pai Natal...
 c56x1
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Junho 15, 2019, 11:53:46 pm
Ou em vez desses cenários  de guerilha podiamos nos armar em israel,assim tipo guerra dos 6 dias, e usar o ataque como defesa,com ataques de baixa altitude com os f16 destruindo as base aereas dos espanhois,equilibrando o balanço no que diz respeito a meios aereos e avancar com tropas rapidamente para territorio inimigo ,colocando os subs em gibraltar e as fragatas no norte do país sempre junto à costa!mas isto sou a falar à toa sem perceber nada disto !

Se a defender temos poucas hipóteses no estado actual das FA, a atacar ainda menos! Uma coisa era obrigar os espanhóis a lutar através de camadas e camadas de defesas, com militares no activo, e depois com reservistas, e depois com forças "rebeldes". Outra era ir atacar no território deles, e ser capaz de manter linhas de abastecimento para uma invasão. E eles estão muito mais preparados para serem atacados, do que nós para atacar.

Num contexto de causar danos internos às forças espanholas, é mais do género, usar os subs para dizimar as fragatas deles, e bloquear o acesso ao nosso território por mar. Usar F-16 com JASSM ou equivalente para atacar alvos importantes, P-3 com SLAM-ER, e usar UCAVs stealth para ataques de penetração no território inimigo a pontos cirúrgicos. Mas lá está, estes seriam os dissuasores mais ou menos realistas, além de uma capacidade defensiva decente, algo que praticamente não existe.

Outro aspecto que não foi mencionado, era a artilharia. Servindo-nos da mobilidade aérea que os M-777 proporcionariam, seria relativamente fácil colocar baterias destes sistemas em praticamente qualquer ponto do país, inclusive por helicóptero. Para fogo indirecto ou até fogo directo contra a arma blindada, seria uma mais valia.

Depois já quando o inimigo estivesse no nosso território, se tal fosse inevitável, era cortar todas as linhas de abastecimento, dividir as tropas e isolá-las. Sem abastecimento não conseguem lutar para sempre.

Outro factor importante, são os arquipélagos. Ora, se tivéssemos 2 aeronaves de abastecimento aéreo, seria perfeitamente possível realizar a maioria das operações de contra-ataque, a partir das bases/aeroportos nas ilhas. Dada a distância, teriam muito mais trabalho em lidar com estas de forma eficaz. Mas mais uma vez, é crucial a capacidade AA, que tem sido o denominador comum em todas estas nossas hipóteses e devaneios.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: PereiraMarques em Junho 15, 2019, 11:56:51 pm
Concordo que é mais fácil virem os pérfidos castelhanos do que as centenas de manpads, mísseis acar, baterias himad e outros meios, que "só custam umas centenas de milhões de euros" e que estão disponíveis amanhã e ao virar da esquina... Quem tiver paciência que vá ler os posts aqui do FD de à 10 ou 15 anos, tirando uma ou outra evolução tecnológica / de sistemas de armas é sempre o mesmo...
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Junho 16, 2019, 12:12:53 am
Eu pessoalmente acho mais provável uma ofensiva marroquina ou argelina que espanhola. E qualquer ataque a Portugal seria causado ou pela cobiça do arquipélago da madeira, ou por futuras fontes de riqueza que viesse com o extensão da plataforma continental e a respectiva exploração de recursos.
No entanto não é de descurar os movimentos extremistas. Se temos o azar de ser eleito em Espanha um partido de extrema, com intenções de nos invadir, estamos bem tramados.

A nossa safa, e de muitos países por esse mundo fora, é a permanência dos EUA como maior potencia militar do mundo. O dia em que isso mudar, vejo muitos países a mudarem de "gerência". Muitos Iraques/Kuwaits. Podem fazer muita asneira, mas está presente que qualquer invasão de um país aliado dos EUA, estaria sujeito a algum tipo de retaliação.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: diogo13350 em Junho 16, 2019, 11:32:19 am
Ou em vez desses cenários  de guerilha podiamos nos armar em israel,assim tipo guerra dos 6 dias, e usar o ataque como defesa,com ataques de baixa altitude com os f16 destruindo as base aereas dos espanhois,equilibrando o balanço no que diz respeito a meios aereos e avancar com tropas rapidamente para territorio inimigo ,colocando os subs em gibraltar e as fragatas no norte do país sempre junto à costa!mas isto sou a falar à toa sem perceber nada disto !

Se a defender temos poucas hipóteses no estado actual das FA, a atacar ainda menos! Uma coisa era obrigar os espanhóis a lutar através de camadas e camadas de defesas, com militares no activo, e depois com reservistas, e depois com forças "rebeldes". Outra era ir atacar no território deles, e ser capaz de manter linhas de abastecimento para uma invasão. E eles estão muito mais preparados para serem atacados, do que nós para atacar.

Num contexto de causar danos internos às forças espanholas, é mais do género, usar os subs para dizimar as fragatas deles, e bloquear o acesso ao nosso território por mar. Usar F-16 com JASSM ou equivalente para atacar alvos importantes, P-3 com SLAM-ER, e usar UCAVs stealth para ataques de penetração no território inimigo a pontos cirúrgicos. Mas lá está, estes seriam os dissuasores mais ou menos realistas, além de uma capacidade defensiva decente, algo que praticamente não existe.

Outro aspecto que não foi mencionado, era a artilharia. Servindo-nos da mobilidade aérea que os M-777 proporcionariam, seria relativamente fácil colocar baterias destes sistemas em praticamente qualquer ponto do país, inclusive por helicóptero. Para fogo indirecto ou até fogo directo contra a arma blindada, seria uma mais valia.

Depois já quando o inimigo estivesse no nosso território, se tal fosse inevitável, era cortar todas as linhas de abastecimento, dividir as tropas e isolá-las. Sem abastecimento não conseguem lutar para sempre.

Outro factor importante, são os arquipélagos. Ora, se tivéssemos 2 aeronaves de abastecimento aéreo, seria perfeitamente possível realizar a maioria das operações de contra-ataque, a partir das bases/aeroportos nas ilhas. Dada a distância, teriam muito mais trabalho em lidar com estas de forma eficaz. Mas mais uma vez, é crucial a capacidade AA, que tem sido o denominador comum em todas estas nossas hipóteses e devaneios.
Agora surgiu-me uma dúvida que já nem deveria ser colocado neste tópico, já que num futuro muito próximo as fragatas serão substituídas e as FA não possuem importantes meios como misseis de cruzeiros e sistemas AA, porque não comprar por exemplo de fragatas AA com radares capazes de vigiar todo o nosso espaço aéreo e dezenas de misseis de longo ,médio alcance e outras 3 com lançadores verticais dando-nos a capacidade de lançar misseis de cruzeiro ,dando novas valências à marinha mas em especial acabávamos com 2 grandes problemas nas FA??
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Junho 16, 2019, 12:35:16 pm
Agora surgiu-me uma dúvida que já nem deveria ser colocado neste tópico, já que num futuro muito próximo as fragatas serão substituídas e as FA não possuem importantes meios como misseis de cruzeiros e sistemas AA, porque não comprar por exemplo de fragatas AA com radares capazes de vigiar todo o nosso espaço aéreo e dezenas de misseis de longo ,médio alcance e outras 3 com lançadores verticais dando-nos a capacidade de lançar misseis de cruzeiro ,dando novas valências à marinha mas em especial acabávamos com 2 grandes problemas nas FA??

O tópico em sim já está bastante desviado, portanto não é por aí.  ::)

Seria claramente uma vantagem ter navios com radares de longo alcance, até porque complementavam muito bem os radares fixos. Também acrescia-lhes a capacidade anti-aérea consoante os mísseis que recebessem, mas apenas 2 navios destes não cobriam todo o território, muito menos se contarmos com os arquipélagos. No entanto, entra perfeitamente na estratégia de complementaridade de sistemas. 5 fragatas com capacidade AA superior à actual, F-16 bem equipados, e defesas AA em terra modernas e de curto, médio e longo alcance. Infelizmente não existe vontade para isso.

Quanto aos mísseis de cruzeiro, seriam obviamente uma mais valia. No mundo "ideal", teríamos fragatas com capacidade de lançar este tipo de mísseis, sejam Tomahawk, Scalp Naval, etc. Ainda assim, a capacidade de mísseis de cruzeiro como dissuasor, podia não estar limitado a fragatas, sendo até mais fácil equipar caças e os P-3 com mísseis deste tipo. No caso dos P-3 os SLAM-ER, e no caso dos F-16 SLAM-ER, JASSM, Delilah.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Junho 16, 2019, 02:09:20 pm
Já que falaram no Delilah, só queria dizer que armamento Israelita por mim é tudo 5 estrelas,não só é testado em combate como maioritariamente compativél com F-16.
E a parte mais importante é que Israelitas não se põe com me***s ou termos e condições, ou restrições de uso e afins como os americas.
Eles é só "Tem dinheiro!? Voçê paga voçê manda!". Mais nada. Seja drones, misseis, rockets, radares, etc.

 c56x1
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Junho 16, 2019, 02:48:48 pm
O Delilah é um excelente míssil, especialmente pela variedade de plataformas de lançamento. Pode ser lançado por aviões, navios e até de sistemas em terra e por helicóptero. Se algum dia tivéssemos SH-60s, seria uma mais valia.

No entanto apresenta um alcance inferior (pelo menos o que é dado como oficial pelo fabricante) ao JASSM, e muito menos que o JASSM-ER. Mas calculo que seja mais barato que o equivalente norte-americano.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Stalker79 em Junho 16, 2019, 03:01:48 pm
O Delilah é um excelente míssil, especialmente pela variedade de plataformas de lançamento. Pode ser lançado por aviões, navios e até de sistemas em terra e por helicóptero. Se algum dia tivéssemos SH-60s, seria uma mais valia.

No entanto apresenta um alcance inferior (pelo menos o que é dado como oficial pelo fabricante) ao JASSM, e muito menos que o JASSM-ER. Mas calculo que seja mais barato que o equivalente norte-americano.

Apresenta é uma ogiva bastante pequena!
30 kg comparado com os congeneres não é muito, mas é melhor que não ter nada.
 :-P
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Junho 16, 2019, 03:15:04 pm
Para apontar ao Rei de Espanha chega.  :mrgreen:

Fora de brincadeiras, outra vantagem do JASSM face ao Delilah e SLAM-ER, além do alcance, é ter características furtivas.
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Junho 19, 2019, 03:09:16 pm
Voces sonham e muito rapazes 🎼🔕🙄 deixem se disso.
Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Setembro 19, 2019, 06:42:33 pm
Enquanto que as BRR e BrigInt lá vão recebendo algumas dezenas de viaturas recentes, na BriMec, a situação permanece inalterada.

Como se não bastasse que das três Brig existentes a BriMec é a que em termos de efectivos está mais desfalcada, esta Brigada em termos de viaturas de combate, conta com apenas 37 CC's, 18 Obuses AP de 15,5, outras tantas viaturas de comando e transporte de munições, e ainda, cerca de 150 M113 ainda +/- operacionais, mas com enormes limitações em termos de capacidades de combate, pois já tem mais de 35 anos de serviço, sem nunca terem sido alvo de qualquer upgrade, ou seja viaturas VCC!!! :bang:

para quando a substituição da frota dos M113, por um IFV(L) que seja eficaz?
para quando a aquisição de Viats Lança Pontes (L)?
para quando a aquisição de Viats Blindadas de recuperação (L) ?
para quando o reforço do numero de CC's existente, de modo a levantar o 3º ECC do Grupo ??

PS : O reino da Holanda ainda possui cerca de 20, lança pontes Leopard, depois de ter vendido duas unidades á Estónia, A Holanda também ainda possui umas quantas, 16, viat de recuperação Leopard.

(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/922/oflzCk.jpg) (https://imageshack.com/i/pmoflzCkj)
(https://imagizer.imageshack.com/v2/xq90/922/Zerh7G.jpg) (https://imageshack.com/i/pmZerh7Gj)

https://en.wikipedia.org/wiki/Equipment_of_the_Royal_Netherlands_Army

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Major Alvega em Setembro 19, 2019, 07:49:01 pm
 Vocês estão a falar de "delilás" parece que não vivem neste país.
 Que ainda há muito pouco tempo num "exercício" naval da marinha em que estava 2 fragatas e uma corveta. Uma das fragatas que tinha um canhão de 76mm não estava autorizado a disparar fogo real para poupar nas munições. Só quem estava autorizado a disparar eram os navios com canhão de 100mm.

 Sei que a FFG esteve cá em tempos a apresentar o Wisent 2 ao Exército por causa da obsolescência e incapacidade do M-88 operar com o Leopard 2.

 Os M113 foram recebidos dos EUA e nunca lhes tocaram. Foi só canibalizar peças de uns para os outros. Muito menos o tal kit de modernização que era comercializado por vários fornecedores turcos, israelitas ou alemães a um preço quase irrisório. Ainda me recordo há 10 anos de ver na SIC em pleno séc. XXI os "caramelos" lá das oficinas do exército a fabricar blocos de alumínio de forma artesanal para o M113. E aqueles broncos das chefias do exército nem se dignaram em mudar o depósito de combustivel do interior para o exterior da viatura. Pois com um "azar" e sem protecção blindada, aquilo tornava-se facilmente numa incineradora ambulante.

Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: tenente em Novembro 07, 2019, 07:44:53 pm


https://www.facebook.com/BrigadaMecanizada/videos/1266896973493659/

Abraços
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: Red Baron em Novembro 08, 2019, 09:45:59 pm
Qual seria o substituo preferido para o M-113 aqui do forum?
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: dc em Novembro 08, 2019, 11:52:39 pm
Para ser honesto, qualquer IFV minimamente moderno assentava que nem uma luva. Desde o Dardo ou Marder em segunda mão, ao CV-90 ou ASCOD novos.

Acho que depende sobretudo se a ideia é limitar a aquisição à versão IFV apenas, ou se se pretende outras variantes (AA, porta-morteiros, medevac, recuperação, anti-carro).
Título: Re: A Brigada Mecanizada (-) (-) .
Enviado por: NVF em Novembro 09, 2019, 12:26:39 am
CV90!