Os 30 F16A/B MLU da FAP

  • 2618 Respostas
  • 398985 Visualizações
*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 3665
  • Recebeu: 2732 vez(es)
  • Enviou: 1670 vez(es)
  • +3508/-1589
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2490 em: Julho 12, 2021, 10:25:10 am »
Entretanto o F-16BM 15144 já se encontra na BA5, fotos deste é que ainda não há.

Por acaso até há, mas esperam-se melhores. c56x1


Crédito: Jorge Ruivo, 06/07/2021 a concluir o curto voo de Alverca para Monte Real






Já se conseguiu aumentar o numero de motores disponíveis?

É um Work in Progress com o auxílio da Pratt & Whitney. Isto é como diz o outro: não há dinheiro, não há palhaço, e com a verba decorrente da venda das células excedentárias à Roménia, está a conseguir-se inspeccionar e "revitalizar" uma série de células, inclusivamente algumas paradas há algum tempo como a 12, 31 e 33 por exemplo.

Ah, e para ti Red Baron, que há uns tempos me havias feito esta mesma pergunta e não te havia dado a certeza, aqui tens agora a confirmação: a OFP dos F-16 MLU romenos é actualmente a M5.2R, no entanto está previsto o upgrade da mesma para M6.6 a partir de 2023 pela FAP, com o auxílio da USAF e LM. Para esse efeito duas aeronaves (um monolugar e outro bilugar) deslocar-se-ão para a BA5 para servirem como protótipos, por assim dizer, sendo que no ano seguintes os restantes 15 F-16 romenos serão alvo dessa mesma actualização em Borcea com o apoio dos técnicos da FAP ao abrigo do OSS (On-Site Support) contratualizado. A OFP M6.6 é específica e exclusiva para a Roménia, tendo sido negociada directamente entre este país e os Estados Unidos.

Está confirmado também que com o habitual equipamento adicional (tanques de combustível, TER's, calhas, etc), também seguiram para a Roménia pelo menos 6 pods AN/ALQ-131(V). Esta nação de Leste parece estar igualmente bastante interessada em modernizar os seus MLU para Viper, o que poderá ser benéfico para o nosso caso. Vejamos assim o que é dito, por exemplo, numa das mais recentes edições da revista Mais Alto:

Citar
(...) Importa também relevar que Portugal, através da sua Força Aérea, reforça também o seu contributo para a Defesa Coletiva e Segurança Cooperativa no âmbito da NATO, ao promover o desenvolvimento da capacidade de Defesa Aérea da Roménia, um País Aliado situado numa região particularmente sensível no contexto internacional atual. No quadro de reconfiguração do consórcio restrito de utilizadores F-16 designado por Multinational Fighter Program (MNFP), constituído pela USAF e pelos cinco European Participating Air Forces (EPAF), nos quais a Força Aérea Portuguesa se inclui, a implementação e incremento da capacidade F-16 na Roménia poderá ter ainda um alcance adicional.

Num cenário em que a Noruega, os Países Baixos, a Dinamarca e a Bélgica se encontram já em processo de migração para a plataforma F-35A, de quinta geração, tendo já planeado o phase-out dos seus F-16 MLU (a Noruega já em 2021), a entrada da Força Aérea Romena (a par de outras europeias) para o grupo de utilizadores deste sistema de armas abre novas perspetivas, muito em particular para Portugal. Isto porque a necessidade de desenvolvimento de atualizações permanecerá por 15 ou mais anos, potenciando as oportunidades de sinergias decorrentes da partilha, estruturada ou ad-hoc, dos respetivos objetivos e custos. Uma das eventuais oportunidades poderá surgir já a curto-médio prazo, com a potencial atualização para a configuração F-16V, a qual implica uma modificação profunda das aeronaves F-16 MLU, com a instalação, entre outros equipamentos, de um novo sistema radar, garantindo o prolongamento (uma vez mais) da relevância e vida operacional do sistema de armas F-16.
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

"I'll miss the sea, but a person needs new experiences. They jar something deep inside, allowing him to grow. Without change something sleeps inside us, and seldom awakens. The sleeper must awaken."
Duke Leto Atreides (Dune, Frank Herbert)
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, tenente, dc, Red Baron

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 8573
  • Recebeu: 3895 vez(es)
  • Enviou: 2653 vez(es)
  • +3491/-428
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2491 em: Julho 12, 2021, 11:47:36 am »
Entretanto o F-16BM 15144 já se encontra na BA5, fotos deste é que ainda não há.

Por acaso até há, mas esperam-se melhores. c56x1


Crédito: Jorge Ruivo, 06/07/2021 a concluir o curto voo de Alverca para Monte Real






Já se conseguiu aumentar o numero de motores disponíveis?

É um Work in Progress com o auxílio da Pratt & Whitney. Isto é como diz o outro: não há dinheiro, não há palhaço, e com a verba decorrente da venda das células excedentárias à Roménia, está a conseguir-se inspeccionar e "revitalizar" uma série de células, inclusivamente algumas paradas há algum tempo como a 12, 31 e 33 por exemplo.

Ah, e para ti Red Baron, que há uns tempos me havias feito esta mesma pergunta e não te havia dado a certeza, aqui tens agora a confirmação: a OFP dos F-16 MLU romenos é actualmente a M5.2R, no entanto está previsto o upgrade da mesma para M6.6 a partir de 2023 pela FAP, com o auxílio da USAF e LM. Para esse efeito duas aeronaves (um monolugar e outro bilugar) deslocar-se-ão para a BA5 para servirem como protótipos, por assim dizer, sendo que no ano seguintes os restantes 15 F-16 romenos serão alvo dessa mesma actualização em Borcea com o apoio dos técnicos da FAP ao abrigo do OSS (On-Site Support) contratualizado. A OFP M6.6 é específica e exclusiva para a Roménia, tendo sido negociada directamente entre este país e os Estados Unidos.

Está confirmado também que com o habitual equipamento adicional (tanques de combustível, TER's, calhas, etc), também seguiram para a Roménia pelo menos 6 pods AN/ALQ-131(V). Esta nação de Leste parece estar igualmente bastante interessada em modernizar os seus MLU para Viper, o que poderá ser benéfico para o nosso caso. Vejamos assim o que é dito, por exemplo, numa das mais recentes edições da revista Mais Alto:

Citar
(...) Importa também relevar que Portugal, através da sua Força Aérea, reforça também o seu contributo para a Defesa Coletiva e Segurança Cooperativa no âmbito da NATO, ao promover o desenvolvimento da capacidade de Defesa Aérea da Roménia, um País Aliado situado numa região particularmente sensível no contexto internacional atual. No quadro de reconfiguração do consórcio restrito de utilizadores F-16 designado por Multinational Fighter Program (MNFP), constituído pela USAF e pelos cinco European Participating Air Forces (EPAF), nos quais a Força Aérea Portuguesa se inclui, a implementação e incremento da capacidade F-16 na Roménia poderá ter ainda um alcance adicional.

Num cenário em que a Noruega, os Países Baixos, a Dinamarca e a Bélgica se encontram já em processo de migração para a plataforma F-35A, de quinta geração, tendo já planeado o phase-out dos seus F-16 MLU (a Noruega já em 2021), a entrada da Força Aérea Romena (a par de outras europeias) para o grupo de utilizadores deste sistema de armas abre novas perspetivas, muito em particular para Portugal. Isto porque a necessidade de desenvolvimento de atualizações permanecerá por 15 ou mais anos, potenciando as oportunidades de sinergias decorrentes da partilha, estruturada ou ad-hoc, dos respetivos objetivos e custos. Uma das eventuais oportunidades poderá surgir já a curto-médio prazo, com a potencial atualização para a configuração F-16V, a qual implica uma modificação profunda das aeronaves F-16 MLU, com a instalação, entre outros equipamentos, de um novo sistema radar, garantindo o prolongamento (uma vez mais) da relevância e vida operacional do sistema de armas F-16.

Boas CG,

Com estes dois últimos paragrafos tudo indica que muito mas muito provavelmente iremos para os V ao mesmo tempo que os Romenos, ou até um pouqinho mais cedo .

Abraços


Quando um Povo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Charlie Jaguar

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4767
  • Recebeu: 576 vez(es)
  • Enviou: 1044 vez(es)
  • +1654/-1995
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2492 em: Julho 12, 2021, 11:49:27 am »
Entretanto o F-16BM 15144 já se encontra na BA5, fotos deste é que ainda não há.

Por acaso até há, mas esperam-se melhores. 8)


Crédito: Jorge Ruivo, 06/07/2021 a concluir o curto voo de Alverca para Monte Real






Já se conseguiu aumentar o numero de motores disponíveis?

É um Work in Progress com o auxílio da Pratt & Whitney. Isto é como diz o outro: não há dinheiro, não há palhaço, e com a verba decorrente da venda das células excedentárias à Roménia, está a conseguir-se inspeccionar e "revitalizar" uma série de células, inclusivamente algumas paradas há algum tempo como a 12, 31 e 33 por exemplo.

Ah, e para ti Red Baron, que há uns tempos me havias feito esta mesma pergunta e não te havia dado a certeza, aqui tens agora a confirmação: a OFP dos F-16 MLU romenos é actualmente a M5.2R, no entanto está previsto o upgrade da mesma para M6.6 a partir de 2023 pela FAP, com o auxílio da USAF e LM. Para esse efeito duas aeronaves (um monolugar e outro bilugar) deslocar-se-ão para a BA5 para servirem como protótipos, por assim dizer, sendo que no ano seguintes os restantes 15 F-16 romenos serão alvo dessa mesma actualização em Borcea com o apoio dos técnicos da FAP ao abrigo do OSS (On-Site Support) contratualizado. A OFP M6.6 é específica e exclusiva para a Roménia, tendo sido negociada directamente entre este país e os Estados Unidos.

Está confirmado também que com o habitual equipamento adicional (tanques de combustível, TER's, calhas, etc), também seguiram para a Roménia pelo menos 6 pods AN/ALQ-131(V). Esta nação de Leste parece estar igualmente bastante interessada em modernizar os seus MLU para Viper, o que poderá ser benéfico para o nosso caso. Vejamos assim o que é dito, por exemplo, numa das mais recentes edições da revista Mais Alto:

Citar
(...) Importa também relevar que Portugal, através da sua Força Aérea, reforça também o seu contributo para a Defesa Coletiva e Segurança Cooperativa no âmbito da NATO, ao promover o desenvolvimento da capacidade de Defesa Aérea da Roménia, um País Aliado situado numa região particularmente sensível no contexto internacional atual. No quadro de reconfiguração do consórcio restrito de utilizadores F-16 designado por Multinational Fighter Program (MNFP), constituído pela USAF e pelos cinco European Participating Air Forces (EPAF), nos quais a Força Aérea Portuguesa se inclui, a implementação e incremento da capacidade F-16 na Roménia poderá ter ainda um alcance adicional.

Num cenário em que a Noruega, os Países Baixos, a Dinamarca e a Bélgica se encontram já em processo de migração para a plataforma F-35A, de quinta geração, tendo já planeado o phase-out dos seus F-16 MLU (a Noruega já em 2021), a entrada da Força Aérea Romena (a par de outras europeias) para o grupo de utilizadores deste sistema de armas abre novas perspetivas, muito em particular para Portugal. Isto porque a necessidade de desenvolvimento de atualizações permanecerá por 15 ou mais anos, potenciando as oportunidades de sinergias decorrentes da partilha, estruturada ou ad-hoc, dos respetivos objetivos e custos. Uma das eventuais oportunidades poderá surgir já a curto-médio prazo, com a potencial atualização para a configuração F-16V, a qual implica uma modificação profunda das aeronaves F-16 MLU, com a instalação, entre outros equipamentos, de um novo sistema radar, garantindo o prolongamento (uma vez mais) da relevância e vida operacional do sistema de armas F-16.

Resumindo, como não há dinheiro para F-35A, vamos fazer uma EPAF com os Romenos, e eventualmente os Eslovacos com os F-16 Block 70/72.
Ou isso ou nada não é ?
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5212
  • Recebeu: 1606 vez(es)
  • Enviou: 402 vez(es)
  • +333/-243
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2493 em: Julho 12, 2021, 12:33:17 pm »
Ou isso, ou aguentar os F-16 como estão até apodrecerem. Porque não estou a ver terem dinheiro para F-35 na década de 30, quando há tantos programas planeados para aquela altura.
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 3665
  • Recebeu: 2732 vez(es)
  • Enviou: 1670 vez(es)
  • +3508/-1589
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2494 em: Julho 12, 2021, 12:34:24 pm »
Resumindo, como não há dinheiro para F-35A, vamos fazer uma EPAF com os Romenos, e eventualmente os Eslovacos com os F-16 Block 70/72.
Ou isso ou nada não é ?

É o que parece dar a entender o último parágrafo, sim. Seria uma EPAF 1.1 ou 1.2, com Roménia, Portugal e eventualmente Eslováquia, Bulgária, Grécia e potencialmente a Polónia. Não falo da Turquia porque como as coisas estão neste momento acho difícil que pudessem ser autorizados a dar esse passo, apesar de oficiosamente as relações com os Estados Unidos estarem mais calmas, porém face à opção grega é sabido que os turcos gostariam de poder modernizar a sua enorme frota para o padrão Viper.

Sejamos sinceros e práticos: os custos envolvidos na aquisição do sistema de armas F-35A são incomportáveis no cenário actual e vindouro, e ainda para mais num país onde a classe política se está nas tintas para as Forças Armadas. O F-16V poderá ser um mal menor acharão uns, e mais barato, todavia estará muito longe de ser irrelevante como dizem por aí. E convém não esquecer que a USAF planeia operar as suas aeronaves até 2048, o que face ao MNFP significa que não ficaríamos desamparados.

O que não faz sentido é estarmos em 2021 e continuarem a chegar MLU vindos de Alverca quando já deviam era estar a ser entregues como Viper, isso sim. Mas isso é somente a minha opinião pessoal, e talvez o que se esteja à espera é da recepção de todos os 28 MLU para então avançar para o Viper.
« Última modificação: Julho 12, 2021, 12:44:06 pm por Charlie Jaguar »
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

"I'll miss the sea, but a person needs new experiences. They jar something deep inside, allowing him to grow. Without change something sleeps inside us, and seldom awakens. The sleeper must awaken."
Duke Leto Atreides (Dune, Frank Herbert)
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, HSMW, Stalker79

*

asalves

  • Analista
  • ***
  • 697
  • Recebeu: 257 vez(es)
  • Enviou: 86 vez(es)
  • +48/-13
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2495 em: Julho 12, 2021, 12:45:03 pm »
Resumindo, como não há dinheiro para F-35A, vamos fazer uma EPAF com os Romenos, e eventualmente os Eslovacos com os F-16 Block 70/72.
Ou isso ou nada não é ?

É o que parece dar a entender o último parágrafo, sim. Seria uma EPAF 1.1 ou 1.2, com Roménia, Portugal e eventualmente Eslováquia, Bulgária, Grécia e potencialmente a Polónia. Não falo da Turquia porque como as coisas estão neste momento acho difícil que pudessem ser autorizados a dar esse passo, apesar de oficiosamente as relações com os Estados Unidos estarem mais calmas, porém face à opção grega é sabido que os turcos gostariam de poder modernizar a sua enorme frota para o padrão Viper.

Sejamos sinceros e práticos: os custos envolvidos na aquisição do sistema de armas F-35A são incomportáveis no cenário actual, e ainda para mais num país onde a classe política se está nas tintas para as Forças Armadas. O F-16V poderá ser um mal menor acharão uns, e mais barato, todavia estará muito longe de ser irrelevante como dizem por aí. E convém não esquecer que a USAF planeia operar as suas aeronaves até 2048, o que face ao MNFP significa que não ficaríamos desamparados.

O que não faz sentido é estarmos em 2021 e continuarem a chegar MLU vindos de Alverca quando já deviam era estar a ser entregues como Viper, isso sim. Mas isso é a minha opinião pessoal.

Eu diria até que mesmo que conseguíssemos ter os F-35 não íamos tirar partidos das vantagens em relação ao F-16V, mesmo algumas funcionalidades do F-16V seriam muito pouco utilizadas, isto claro em missões sem parceiros NATO.

Pois algumas das vantagens do F-35 e do F-16V é a integração de dados de diversas fontes, coisa que nós não temos implementada.
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 3665
  • Recebeu: 2732 vez(es)
  • Enviou: 1670 vez(es)
  • +3508/-1589
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2496 em: Julho 12, 2021, 01:01:38 pm »
Eu diria até que mesmo que conseguíssemos ter os F-35 não íamos tirar partidos das vantagens em relação ao F-16V, mesmo algumas funcionalidades do F-16V seriam muito pouco utilizadas, isto claro em missões sem parceiros NATO.

Pois algumas das vantagens do F-35 e do F-16V é a integração de dados de diversas fontes, coisa que nós não temos implementada.

Face aos rumores que já foram aqui recentemente partilhados, dá a sensação que a decisão poderá estar tomada e que ao mesmo tempo se irá querer um maior protagonismo/presença em operações da NATO e não só. Quando a esmola é muito o pobre desconfia, é certo, mas pode ser que de facto a FAP esteja a aguardar pela chegada dos últimos MLU vindos de Alverca para anunciar a opção pelo Viper. Há-que começar a arrumar a casa, ir em frente, e tentar evitar o erro da modernização levar tanto tempo como a MLU - iniciada em 2000 -, sendo que o Viper não invalidará que na próxima década não possa ser suplementado ou substituído pelo F-35A.

É uma questão de não se querer cair na irrelevância e, usando uma metáfora futebolística, termos a consciência de que jogamos numa liga diferente de Noruega, Bélgica, Países Baixos, Dinamarca e Reino Unido. Portanto toca a avançar para o Viper, com o SABR e outras coisinhas mais que nos permitam operar de forma mais abrangente e com a capacidade de interacção e interoperabilidade com parceiros dotados de meios mais avançados.
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

"I'll miss the sea, but a person needs new experiences. They jar something deep inside, allowing him to grow. Without change something sleeps inside us, and seldom awakens. The sleeper must awaken."
Duke Leto Atreides (Dune, Frank Herbert)
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4767
  • Recebeu: 576 vez(es)
  • Enviou: 1044 vez(es)
  • +1654/-1995
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2497 em: Julho 12, 2021, 01:27:36 pm »
Só acredito em FULL VIPER quando vir, radares SABR, AIM-9X, JASSM, GBUs, pods EW Israelitas ?
Vamos ver.... ::)
Como sempre voltamos a 2º linha, como nos bons velhos tempos dos A-7P, pode-se dizer que em 30 anos não se conseguiu economicamente por o país apto a adquirir 30 a 40 F-35A.
Enfim, Sócrates, Salgados,Vieiras deste país...
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5212
  • Recebeu: 1606 vez(es)
  • Enviou: 402 vez(es)
  • +333/-243
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2498 em: Julho 12, 2021, 01:39:58 pm »
Há cenários em que faz falta ter o F-35, outros nem tanto. Por alguma razão a própria USAF optou por manter os F-16 e F-15 em serviço.

Nas missões que estamos habituados a fazer, o F-16V serve perfeitamente. Não é preciso um caça 5G para policiamento aéreo, CAS, ataque a alvos pouco defendidos. Para ASuW e ataque a alvos em terra bem protegidos, a solução passa pela integração do armamento adequado. O F-35 traria sim vantagens em combate BVR face a caças de gerações anteriores, e claro na capacidade de penetração do espaço aéreo inimigo. Também permitia criar um equilíbrio na região, já que Espanha, Marrocos e Argélia pretendem adquirir caças de 5ª geração.

Daí a solução ideal ser o misto dos dois caças.

Entretanto, ter F-35, sem uma aeronave capaz de o abastecer no ar, limita muito o seu raio de acção em configuração "stealth". Para já penso que o upgrade dos F-16 para V fosse a solução certa, pelo menos dos PA I.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: typhonman, Charlie Jaguar

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 4767
  • Recebeu: 576 vez(es)
  • Enviou: 1044 vez(es)
  • +1654/-1995
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2499 em: Julho 12, 2021, 01:59:40 pm »
Há cenários em que faz falta ter o F-35, outros nem tanto. Por alguma razão a própria USAF optou por manter os F-16 e F-15 em serviço.

Nas missões que estamos habituados a fazer, o F-16V serve perfeitamente. Não é preciso um caça 5G para policiamento aéreo, CAS, ataque a alvos pouco defendidos. Para ASuW e ataque a alvos em terra bem protegidos, a solução passa pela integração do armamento adequado. O F-35 traria sim vantagens em combate BVR face a caças de gerações anteriores, e claro na capacidade de penetração do espaço aéreo inimigo. Também permitia criar um equilíbrio na região, já que Espanha, Marrocos e Argélia pretendem adquirir caças de 5ª geração.

Daí a solução ideal ser o misto dos dois caças.

Entretanto, ter F-35, sem uma aeronave capaz de o abastecer no ar, limita muito o seu raio de acção em configuração "stealth". Para já penso que o upgrade dos F-16 para V fosse a solução certa, pelo menos dos PA I.

A solução ideal, seria como já aqui foi dito 1000 vezes, seria o upgrade para V de 19 aparelhos, e adquirir entre 14 a 16 F-35A.
Veremos o futuro....
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5212
  • Recebeu: 1606 vez(es)
  • Enviou: 402 vez(es)
  • +333/-243
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2500 em: Julho 12, 2021, 02:06:19 pm »
Só acredito em FULL VIPER quando vir, radares SABR, AIM-9X, JASSM, GBUs, pods EW Israelitas ?
Vamos ver.... ::)
Como sempre voltamos a 2º linha, como nos bons velhos tempos dos A-7P, pode-se dizer que em 30 anos não se conseguiu economicamente por o país apto a adquirir 30 a 40 F-35A.
Enfim, Sócrates, Salgados,Vieiras deste país...

Nunca estivemos na primeira linha em nada. Mesmo que tivéssemos F-35, o resto das FA continuariam a ser de 2ª ou 3ª linha (e estou a ser simpático, basta ver que não temos sistemas AA para defender as bases de onde os F-35 pudessem operar). Por outro lado, o F-16V não está para o F-35 como o A-7P estava para os caças modernos contemporâneos. Basta olhar para as limitações que o A-7 tinha face aos restantes caças, não tinha capacidade BVR, era muito mais lento, menos ágil, algo limitado nos armamentos. Em contraste, o V leva praticamente todo o armamento que o F-35 pode levar, e tem muita tecnologia baseada no F-35.

A solução ideal, seria como já aqui foi dito 1000 vezes, seria o upgrade para V de 19 aparelhos, e adquirir entre 14 a 16 F-35A.
Veremos o futuro....

Exacto. O tempo que se demoraria a modernizar os 19 do PA I, até dava para decidir se se modernizava o PA II restantes, ou se se vendia estes para investir nos F-35. A decisão dos PA I é que me parece urgente.
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 3665
  • Recebeu: 2732 vez(es)
  • Enviou: 1670 vez(es)
  • +3508/-1589
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2501 em: Julho 12, 2021, 02:38:59 pm »
Só acredito em FULL VIPER quando vir, radares SABR, AIM-9X, JASSM, GBUs, pods EW Israelitas ?
Vamos ver.... ::)
Como sempre voltamos a 2º linha, como nos bons velhos tempos dos A-7P, pode-se dizer que em 30 anos não se conseguiu economicamente por o país apto a adquirir 30 a 40 F-35A.
Enfim, Sócrates, Salgados,Vieiras deste país...

Nunca estivemos na primeira linha em nada. Mesmo que tivéssemos F-35, o resto das FA continuariam a ser de 2ª ou 3ª linha (e estou a ser simpático, basta ver que não temos sistemas AA para defender as bases de onde os F-35 pudessem operar). Por outro lado, o F-16V não está para o F-35 como o A-7P estava para os caças modernos contemporâneos. Basta olhar para as limitações que o A-7 tinha face aos restantes caças, não tinha capacidade BVR, era muito mais lento, menos ágil, algo limitado nos armamentos. Em contraste, o V leva praticamente todo o armamento que o F-35 pode levar, e tem muita tecnologia baseada no F-35.

A solução ideal, seria como já aqui foi dito 1000 vezes, seria o upgrade para V de 19 aparelhos, e adquirir entre 14 a 16 F-35A.
Veremos o futuro....

Exacto. O tempo que se demoraria a modernizar os 19 do PA I, até dava para decidir se se modernizava o PA II restantes, ou se se vendia estes para investir nos F-35. A decisão dos PA I é que me parece urgente.

Como bem disseste são situações completamente distintas, a do A-7P e do F-16V. Atingimos a paridade com os nossos aliados com o F-16 MLU, a primeira vez que na história da FAP isso aconteceu ao nível da aviação de combate, e entrámos no MNFP e EPAF. Com o Viper não iremos fazer má figura ou ficar ultrapassados como aconteceria se explorássemos o MLU até ao limite sem quaisquer upgrades. Ficaremos noutro patamar, que não terá de ser forçosamente abaixo dos restantes, isto porque a NATO desejará utilizar-nos em missões cuja necessidade da presença do F-35A será claramente um overkill por todas as razões e mais algumas.

A opção pelo Viper não implica abdicar-se do Lightning II a médio prazo, como complemento ou substituto directo como temos vindo a ler nos vários ensaios e estudos publicados a esse respeito e que por aqui têm passado. Dará tempo para que aquele sistema de armas amadureça, se baixem significativamente os custos de aquisição, operação e manutenção, não descurando dessa forma a defesa da soberania nacional e a relevância em operações externas da Aliança. Um Full Viper só traria benefícios à FAP e a Portugal, desde que bem equipado e devidamente explorado, e pelo que tenho ouvido tal englobaria todas as 28 aeronaves devido ao potencial ainda existente nos PA II.
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

"I'll miss the sea, but a person needs new experiences. They jar something deep inside, allowing him to grow. Without change something sleeps inside us, and seldom awakens. The sleeper must awaken."
Duke Leto Atreides (Dune, Frank Herbert)
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: dc, JohnM

*

asalves

  • Analista
  • ***
  • 697
  • Recebeu: 257 vez(es)
  • Enviou: 86 vez(es)
  • +48/-13
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2502 em: Julho 12, 2021, 03:00:02 pm »
Só acredito em FULL VIPER quando vir, radares SABR, AIM-9X, JASSM, GBUs, pods EW Israelitas ?
Vamos ver.... ::)
Como sempre voltamos a 2º linha, como nos bons velhos tempos dos A-7P, pode-se dizer que em 30 anos não se conseguiu economicamente por o país apto a adquirir 30 a 40 F-35A.
Enfim, Sócrates, Salgados,Vieiras deste país...

Nunca estivemos na primeira linha em nada. Mesmo que tivéssemos F-35, o resto das FA continuariam a ser de 2ª ou 3ª linha (e estou a ser simpático, basta ver que não temos sistemas AA para defender as bases de onde os F-35 pudessem operar). Por outro lado, o F-16V não está para o F-35 como o A-7P estava para os caças modernos contemporâneos. Basta olhar para as limitações que o A-7 tinha face aos restantes caças, não tinha capacidade BVR, era muito mais lento, menos ágil, algo limitado nos armamentos. Em contraste, o V leva praticamente todo o armamento que o F-35 pode levar, e tem muita tecnologia baseada no F-35.

A solução ideal, seria como já aqui foi dito 1000 vezes, seria o upgrade para V de 19 aparelhos, e adquirir entre 14 a 16 F-35A.
Veremos o futuro....

Exacto. O tempo que se demoraria a modernizar os 19 do PA I, até dava para decidir se se modernizava o PA II restantes, ou se se vendia estes para investir nos F-35. A decisão dos PA I é que me parece urgente.

Como bem disseste são situações completamente distintas, a do A-7P e do F-16V. Atingimos a paridade com os nossos aliados com o F-16 MLU, a primeira vez que na história da FAP isso aconteceu ao nível da aviação de combate, e entrámos no MNFP e EPAF. Com o Viper não iremos fazer má figura ou ficar ultrapassados como aconteceria se explorássemos o MLU até ao limite sem quaisquer upgrades. Ficaremos noutro patamar, que não terá de ser forçosamente abaixo dos restantes, isto porque a NATO desejará utilizar-nos em missões cuja necessidade da presença do F-35A será claramente um overkill por todas as razões e mais algumas.

A opção pelo Viper não implica abdicar-se do Lightning II a médio prazo, como complemento ou substituto directo como temos vindo a ler nos vários ensaios e estudos publicados a esse respeito e que por aqui têm passado. Dará tempo para que aquele sistema de armas amadureça, se baixem significativamente os custos de aquisição, operação e manutenção, não descurando dessa forma a defesa da soberania nacional e a relevância em operações externas da Aliança. Um Full Viper só traria benefícios à FAP e a Portugal, desde que bem equipado e devidamente explorado, e pelo que tenho ouvido tal englobaria todas as 28 aeronaves devido ao potencial ainda existente nos PA II.

CJ, sabe-me dizer que meios permitem a partilha de informação com os F-16V/F-35 é que tenho a ideia que temos pouca o nenhuma capacidade na integração de dados.

Os Data Links (penso que é assim que se chama aos protocolos/sistemas de comunicação) do P3 e das "novas" BD permitem esta integração de dados? E os subs? tem algum Data Link?
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 3665
  • Recebeu: 2732 vez(es)
  • Enviou: 1670 vez(es)
  • +3508/-1589
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2503 em: Julho 12, 2021, 05:04:11 pm »
CJ, sabe-me dizer que meios permitem a partilha de informação com os F-16V/F-35 é que tenho a ideia que temos pouca o nenhuma capacidade na integração de dados.

Os Data Links (penso que é assim que se chama aos protocolos/sistemas de comunicação) do P3 e das "novas" BD permitem esta integração de dados? E os subs? tem algum Data Link?

O F-16V e o F-35 comunicarão através de dispositivos avançados de Link 16, no caso do V não sei ainda a sua designação e no F-35 será o MADL (Multifunction Advanced Data Link). Os nossos P-3C CUP+ possuem capacidade Link 11 e 16, quanto às BD creio que a intenção seria dotá-las de Link 16 e 22 aquando do MLU, porém não sou a pessoa indicada para saber em que pé estará isso agora face à extrema demora na modernização dos navios.
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

"I'll miss the sea, but a person needs new experiences. They jar something deep inside, allowing him to grow. Without change something sleeps inside us, and seldom awakens. The sleeper must awaken."
Duke Leto Atreides (Dune, Frank Herbert)
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 1792
  • Recebeu: 269 vez(es)
  • Enviou: 232 vez(es)
  • +104/-148
Re: Os 30 F16A/B MLU da FAP
« Responder #2504 em: Julho 12, 2021, 05:32:14 pm »
CJ, sabe-me dizer que meios permitem a partilha de informação com os F-16V/F-35 é que tenho a ideia que temos pouca o nenhuma capacidade na integração de dados.

Os Data Links (penso que é assim que se chama aos protocolos/sistemas de comunicação) do P3 e das "novas" BD permitem esta integração de dados? E os subs? tem algum Data Link?

O F-16V e o F-35 comunicarão através de dispositivos avançados de Link 16, no caso do V não sei ainda a sua designação e no F-35 será o MADL (Multifunction Advanced Data Link). Os nossos P-3C CUP+ possuem capacidade Link 11 e 16, quanto às BD creio que a intenção seria dotá-las de Link 16 e 22 aquando do MLU, porém não sou a pessoa indicada para saber em que pé estará isso agora face à extrema demora na modernização dos navios.

A capacidade de Link 16 dos P-3 ]e muito reduzida. Basicamente tem um teclado que permite mandar mensagens Link 16. Por exemplo se um P-3C detectar um contacto no radar, tem de escrever uma mensagem com as coordenadas para que o F-16 possa receber o alvo.