Plataforma Naval Multifuncional

  • 527 Respostas
  • 45168 Visualizações
*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17562
  • Recebeu: 2047 vez(es)
  • Enviou: 1701 vez(es)
  • +547/-2028
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 


*

Luis_B

  • Membro
  • *
  • 2
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #512 em: Novembro 23, 2022, 08:47:57 pm »
A Tekever vai lançar o ARX em 2023, o timming bate certo se a marinha quiser incorporar um drone grande e com payload decente a este projecto. Basta saber se há vontade e se o ARX pode ser lançado por catapulta e aterrar numa pista com pouco mais de 100m. Provavelmente estou a sonhar acordado.
 

*

Red Baron

  • Investigador
  • *****
  • 2381
  • Recebeu: 435 vez(es)
  • Enviou: 307 vez(es)
  • +126/-307
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #513 em: Novembro 23, 2022, 09:48:55 pm »
A Tekever vai lançar o ARX em 2023, o timming bate certo se a marinha quiser incorporar um drone grande e com payload decente a este projecto. Basta saber se há vontade e se o ARX pode ser lançado por catapulta e aterrar numa pista com pouco mais de 100m. Provavelmente estou a sonhar acordado.

Onde viu essa informação?
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 6471
  • Recebeu: 2723 vez(es)
  • Enviou: 573 vez(es)
  • +948/-529
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #514 em: Novembro 23, 2022, 10:08:13 pm »
O ARX deverá ter uma envergadura de asas demasiado grande para aterrar num navio tão pequeno. Até o AR5 já tem 7,3 metros de envergadura, o ARX será certamente maior, além de mais pesado.

O navio deverá estar limitado a pequenos UAVs, como o AR3 e os Ogassa, que tenham ou descolagem VTOL, STOVL ou STOL e capazes de serem apanhados com rede.

Quero é ver se com esta história do foco nos drones, vamos de facto vir a adquirir uns Camcopter S100 como primeiro, e provavelmente único, UAV embarcado armado.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Luis_B

*

Luis_B

  • Membro
  • *
  • 2
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #515 em: Novembro 23, 2022, 10:34:00 pm »
A Tekever vai lançar o ARX em 2023, o timming bate certo se a marinha quiser incorporar um drone grande e com payload decente a este projecto. Basta saber se há vontade e se o ARX pode ser lançado por catapulta e aterrar numa pista com pouco mais de 100m. Provavelmente estou a sonhar acordado.

Onde viu essa informação?

Basta saber se há vontade e se o ARX pode ser lançado por catapulta e aterrar numa pista com pouco mais de 100m.

 

*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 2216
  • Recebeu: 764 vez(es)
  • Enviou: 2436 vez(es)
  • +455/-47
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #516 em: Novembro 24, 2022, 06:50:38 am »
Para um navio científico um drone tipo ARX é importante...?
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 6384
  • Recebeu: 503 vez(es)
  • +3273/-495
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #517 em: Novembro 24, 2022, 08:51:33 am »
Citação de: Luis_b
A Tekever vai lançar o ARX em 2023, o timming bate certo se a marinha quiser incorporar um drone grande e com payload decente a este projecto.

Não encontro grande coisa sobre as eventuais capacidades deste ARX além disto ...
https://twitter.com/TEKEVER/status/1581947407637843968
O que sabemos, é que os drones desta empresa se caracterizam por uma velocidade relativamente reduzida e uma capacidade de carga igualmente mínima. Vemos imagens com ceu limpo e mar para turista em férias ...

Este tipo de aeronaves pode ser importante para operações de busca e salvamento, já que podem operar a dezenas de quilometros do navio base.
O problema que vejo aqui, é que este tipo de operações muitas vezes decorre com condições climatéricas muito adversas.
Um drone, que tem uma velocidade de cruzeiro de no máximo 50 nós, como é que enfrenta ventos contrários de 35 nós ?

Em condições climatéricas adversas (muito vento, visibilidade mínima e grande ondulação) como é que isto funciona ?

Um drone pode amarar, para ser recuperado...
Tudo bem ...
Mas quem é que vai tira-lo da água quando as ondas tiverem cinco ou seis metros de altura ?

E qual é o tamanho da rede necessário para apanhar um drone, que pode facilmente ser atirado para o lado por uma rajada de vento ?

Todas estas ideias são muito interessantes, e é importante serem estudadas e testadas.
Tenho algumas dúvidas sobre este tipo de soluções, não porque ache que não são boas, mas essencialmente porque o numero de problemas que vão aparecer pela frente é tão grande, que vejo isto a arrastar-se até ao próximo século.
« Última modificação: Novembro 24, 2022, 08:52:39 am por papatango »
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 6471
  • Recebeu: 2723 vez(es)
  • Enviou: 573 vez(es)
  • +948/-529
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #518 em: Novembro 24, 2022, 11:20:04 pm »
Para um navio científico um drone tipo ARX é importante...?

É irrelevante, pois o navio não vai conseguir operar aquele tipo de drone, nem sequer o AR5. O mais certo é serem UAVs pequenos e na classe dos Ogassa, que sejam ou VTOL ou capazes de serem recuperados com rede, e pouco mais.
 

*

Pedro Monteiro

  • Analista
  • ***
  • 885
  • Recebeu: 122 vez(es)
  • Enviou: 15 vez(es)
  • +21/-19
    • http://www.pedro-monteiro.com
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #519 em: Novembro 25, 2022, 08:01:33 am »
A Tekkever tem excelentes drones. Quando estive em Pristina, o Exército estava a testar alguns AR4 Light Gray com muito bons resultados, segundo o então TCor Pedro Brito Teixeira, comandante da força de reserva da KFOR. Aliás, existe um vídeo online:

Penso que o navio multipropósito pode, noutra escala e no meio naval, servir literalmente de plataforma de testes e divulgação dos drones mais pesados da Tekkever. Algo que não vi referido aqui, mas que li numa entrevista ao responsável da empresa, é que eles têm uma estratégia clara de não armar nenhum dos seus modelos.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
« Última modificação: Novembro 25, 2022, 08:02:18 am por Pedro Monteiro »
 

*

LM

  • Investigador
  • *****
  • 2216
  • Recebeu: 764 vez(es)
  • Enviou: 2436 vez(es)
  • +455/-47
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #520 em: Novembro 25, 2022, 02:33:10 pm »
(...) Tekkever. Algo que não vi referido aqui, mas que li numa entrevista ao responsável da empresa, é que eles têm uma estratégia clara de não armar nenhum dos seus modelos.

Exacto, tb reparei nesse (grande) detalhe!
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Subsea7

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 6384
  • Recebeu: 503 vez(es)
  • +3273/-495
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #521 em: Novembro 26, 2022, 01:10:48 pm »
Esse detalhe salta à vista quando se olha para as características técnicas dos equipamentos.
E nestes casos transformar um drone de vigilância num drone com capacidades de combate, muda demasiada coisa.

Pode ter que se mudar o tipo de motor, a velocidade aumenta e com maior velocidade há que transportar mais combustível senão a aeronave vê a sua autonomia descer vertiginosamente...

Ou seja, é algo completamente diferente, que exige também investimentos mais pesados e mesmo pessoal especializado ou necessidade de disponibilizar parte dos técnicos para uma nova área, quando eles fazem falta para desenvolver o que estão a desenvolver.

Há coisas que são possíveis, mas que na prática apresentam demasiados problemas.

Drones para vigilância e monitorização, podem ser vendidos para uma grande quantidade de potenciais clientes.
Drones com aplicação militar fabricados em Portugal, só têm um cliente, o Ministério da Defesa.

E ninguém quer ficar dependente de um ministério, que tem uma nova politica de longo prazo, sempre que muda o ministro.
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

*

Subsea7

  • Especialista
  • ****
  • 1013
  • Recebeu: 821 vez(es)
  • Enviou: 1354 vez(es)
  • +1742/-1714
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #522 em: Novembro 26, 2022, 05:36:25 pm »
Também tem a haver com o "pacifismo" que vai nalgumas mentes.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Lightning

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 1846
  • Recebeu: 1350 vez(es)
  • Enviou: 889 vez(es)
  • +1650/-1638
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #523 em: Novembro 26, 2022, 06:30:10 pm »
Tomara este País que as FA tivessem drones de vigilância já com a capacidade do AR5 ou o maior ARX que esta em desenvolvimento.
A vigilância também serve para apoiar meios militares, pois aumentam o alcance dos seus sensores, nomeadamente os poucos EO embarcados. Infelizmente.

Radar de abertura sintética e o EO dos drones podem cobrir grandes distancias dado a sua permanência em voo de 16 ou mais de 20 horas consoante modelos AR3 e AR5, aumentando a capacidade de detecção de navios a operar na área, por exemplo. Até podem ser operados a partir de terra e ter ligação aos navios. Aliás o AR5 comunica por satélite com qualquer parte do globo.
O que impedia ter um AR5, ou mesmo o AR3, a operar nos arquipélagos comandado de terra e em ligação a meios navais? 

Claro que tem de ter baixa velocidade, porque assim são econômicos e maior alcance e de qualquer forma são para vigilância e não ataque onde a velocidade é importante. O AR3 tem um payload de 5kg, mas o AR5 de 50 kg que lhe permite levar a jangada que lança a eventuais náufragos.

A FAP se os tivesse, estaria bem melhor equipada que com as trotinetes que tem e onde faz grande alarde de ter voado durante 8,5 horas.
Se o AR5 ou o ARX já não conseguem sequer operar cá porque não temos satélite(para ver a bola não faltam), então o AR3 seria optima solução imediata até isso do satélite estar resolvido.

Claro que para armas tinha de ser algo na linha por exemplo do Saab. Mas tinha de ser comprado no exterior, porque  ninguém cá faz nem está em condições de fazer.

Cada coisa no seu galho e uma não implica não ter a outra, pois tem missões e operações diferentes.

Se ao menos houvesse metade do interesse nestes drones do que existe para os tucas
 

*

Pedro Monteiro

  • Analista
  • ***
  • 885
  • Recebeu: 122 vez(es)
  • Enviou: 15 vez(es)
  • +21/-19
    • http://www.pedro-monteiro.com
Re: Plataforma Naval Multifuncional
« Responder #524 em: Novembro 26, 2022, 10:00:41 pm »
Esse detalhe salta à vista quando se olha para as características técnicas dos equipamentos.
E nestes casos transformar um drone de vigilância num drone com capacidades de combate, muda demasiada coisa.

Pode ter que se mudar o tipo de motor, a velocidade aumenta e com maior velocidade há que transportar mais combustível senão a aeronave vê a sua autonomia descer vertiginosamente...

Ou seja, é algo completamente diferente, que exige também investimentos mais pesados e mesmo pessoal especializado ou necessidade de disponibilizar parte dos técnicos para uma nova área, quando eles fazem falta para desenvolver o que estão a desenvolver.

Há coisas que são possíveis, mas que na prática apresentam demasiados problemas.

Drones para vigilância e monitorização, podem ser vendidos para uma grande quantidade de potenciais clientes.
Drones com aplicação militar fabricados em Portugal, só têm um cliente, o Ministério da Defesa.

E ninguém quer ficar dependente de um ministério, que tem uma nova politica de longo prazo, sempre que muda o ministro.
Excelentes pontos e análise. É isto mesmo: a Tekkever, para mais sendo portuguesa, não tem nem pode apostar no mercado militar e eu, como português, só lhe desejo o maior sucesso. Os modelos que faz são bons, "até" para muitas necessidades de Portugal.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro