Guerra contra o terrorismo

  • 806 Respostas
  • 185745 Visualizações
*

Miguel

  • Investigador
  • *****
  • 2472
  • Recebeu: 36 vez(es)
  • Enviou: 8 vez(es)
  • +38/-385
(sem assunto)
« Responder #105 em: Janeiro 19, 2008, 04:01:03 pm »
Citação de: "André"
Portugal advertido para riscos atentado na próxima semana

Citar
Portugal é um dos países europeus que os serviços secretos espanhóis consideram em risco de sofrer um atentado terrorista ligado à deslocação à Europa na próxima semana do presidente do Paquistão, noticia hoje o El Pais.

Além de Portugal, também a França e o Reino Unido foram alertados pela secreta espanhola para riscos de atentados durante o périplo europeu de Pervez Musharraf, de acordo com a notícia do diário espanhol publicada no seu site da Internet.

Diário Digital / Lusa


Que vem fazer o Musharraf em Portugal?? comprar os nossos futuros submarinos?

Pessoalmente nao acredito nesses riscos no nosso territorio nacional.
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #106 em: Janeiro 19, 2008, 06:49:38 pm »
Polícias procuram em Portugal dois paquistaneses suspeitos de terrorismo

Citar
Dois cidadãos do Paquistão, ligados ao grupo terrorista islâmico detido hoje em Barcelona, Espanha, suspeito de preparar atentados em quatro países europeus, entraram em Portugal. As autoridades estão à procura deles.

Neste momento, as polícias tentam estabelecer se os dois suspeitos de terrorismo ainda permanecem em Portugal, e lançaram uma operação para detectá-los e detê-los.

Os serviços secretos espanhóis alertaram os congéneres de França, Reino Unido e Portugal para o facto de este grupo, composto por células itinerantes, se preparar para cometer atentados nos quatro países europeus.

Mas a troca de informações entre serviços foi ampla, envolvendo europeus e norte-americanos segundo os canais de cooperação estabelecidos, independentemente dos níveis de protocolo político, soube o SOL.

Hoje mesmo, na sequência de uma investigação da Guarda Civil e do Centro Nacional de Inteligência espanhóis (CNI), foram detidas 14 pessoas em Barcelona (12 paquistaneses e dois indianos). Foi encontrado material susceptível de utilização no fabrico de explosivos artesanais: o triperóxido de triacetona , C9H18O6, ou TAPT, já utilizados nos atentados de Londres e Casablanca.

Foram ainda apreendidos quatro temporizadores encontrados durante as buscas aos cinco domicílios que o grupo utilizava.

Apesar de tudo, este grupo não parece ter quaisquer ligações à organização da Al Qaeda no Magrebe, dedução feita por especialistas ouvidos pelo SOL com base da nacionalidade dos suspeitos.

Os atentados deveriam coincidir com a visita do Presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, prevista para os próximos dias, a França, Reino Unido e Suíça – onde decorre o Fórum Económico de Davos.

Portugal terá sido arrastado para os planos de ataque dos terroristas pelo facto de se ter realizado a XXIII cimeira Luso-Espanhola, o que iria garantir maior efeito mediático aos atentados.

A ameaça terrorista dominou ontem, por completo, as conversas de bastidores da cimeira que termina hoje em Braga. O assunto terá também sido objecto de análise na primeira reunião do Conselho Superior de Defesa e Segurança conjunto.

Células em actividade

A propósito da alegada célula terrorista detectada em Espanha, o ministro do Interior, Alfredo Pérez Rubalcaba, informou: «Estamos perante um grupo com um nível de organização importante que daria mais um passo no sentido da radicalização», e que «estaria disposto a realizar uma acção terrorista em solo espanhol, em concreto em Barcelona».

SOL

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #107 em: Janeiro 20, 2008, 11:20:39 pm »
Al Qaeda cria software para codificar mensagens através da Internet

Citar
A Al Qaeda disponibilizou este fim-de-semana num site ligado à organização um software informático que permite codificar todo o tipo de documentos através da Internet, possibilitando a troca segura de mensagens entre terroristas.

De acordo com a agência EFE, o programa intitulado "Os segredos dos mujahedin" permite a compressão e codificação de arquivos de texto, áudio e vídeo, estando já disponível em vários sites usados por diferentes grupos associados à organização.

"Este programa é para aqueles que ajudam a Comunidade [Islâmica] a ficar de cabeça erguida frente aos soldados satânicos sionistas e seus aliados. Esta arma electrónica é a base de comunicações seguras para proteger os segredos dos mujahedin", referem os criadores do software, no documento de apresentação do programa.

O software cria códigos que são depois enviados ao destinatário da mensagem, possibilitando-lhe descomprimir e descodificar o arquivo recebido, além de permitir apagar os arquivos do computador sem deixar qualquer rasto na memória.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #108 em: Janeiro 21, 2008, 09:34:42 am »
Islamistas radicais detidos preparavam atentados suicidas em Espanha

Citar
Islamistas radicais, detidos na madrugada de sexta-feira para sábado, em Barcelona, Espanha, preparavam atentados suicidas em território espanhol, sob ordens da Al Qaeda do Paquistão, refere hoje o diário El Periodico da Catalunha.

"A acção terrorista abortada sábado foi decidida há vários meses no Paquistão pela estrutura central da rede Al Qaeda", adianta o jornal catalão, que cita fontes próximas do inquérito.

"Os que deram as ordens encontram-se no Paquistão", sublinha fonte próxima do inquérito, citada pelo El Periodico.

"Eles estavam a preparar ataques suicidas. Os que se deslocar até aqui, fizeram-no para se suicidarem" adianta a mesma fonte.

O El Periodico especifica que entre as 14 pessoas detidas, das quais 12 paquistanesas e duas indianas, várias tinham efectuado viagens recentes ao Paquistão.

O grupo recebera, da parte de altos responsáveis da rede Al Qaeda, durante uma reunião organizada num campo de treino da região paquistanesa do Waziristão, ordens para cometerem um atentado em Barcelona.

A detenção, num bairro do centro de Barcelona, permitiu apreender vários componentes para o fabrico de explosivos e bombas, anunciou sábado o ministro do Interior, Alfredo Perez Rubalcaba.

"Segundo as provas de que dispomos, estamos a lidar com um grupo de carácter islamita radical, com um nível importante de organização", que estamos prestes a passar da "radicalismo ideológico" a "acções violentas", adiantou.

Lusa
    [/color]

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #109 em: Janeiro 21, 2008, 02:14:52 pm »
Reforçada a atenção em aeroportos e fronteiras Portuguesas

Citar
O ministro da Administração Interna afirmou hoje que foi reforçada a atenção nos aeroportos e nas fronteiras, em consequência das informações das autoridades espanholas de que estaria em preparação um eventual atentado terrorista na Europa.

«Foram-nos transmitidas informações, nós levamos a sério todas as ameaças, foram transmitidas as correspondentes instruções às forças e aos serviços de segurança para reforçarem a atenção nos aeroportos, nas fronteiras, no cumprimento das suas missões, e vamos ter uma reunião (hoje à tarde) para fazer um ponto de situação», disse o ministro Rui Pereira.

«As medidas que estão a ser tomadas são as consideradas adequadas e necessárias. Quanto a informações operacionais não me cabe referi-las», declarou Rui Pereira.

Numa curta declaração aos jornalistas, em Caldas da Rainha, onde se deslocou para a inauguração da esquadra local da PSP, o ministro da Administração Interna disse ainda que a situação está a ser acompanhada em Portugal uma vez que «houve informações em Espanha sobre a eventual preparação de um atentado terrorista na Europa».

«Na Espanha foram detidas pessoas alegadamente ligadas ao terrorismo fundamentalista islâmico», declarou o ministro, adiantando que prestará mais informações após a reunião do plenário do Gabinete Coordenador de Segurança (GCS).

O plenário do Gabinete Coordenador de Segurança (GCS) reúne-se hoje de emergência para fazer o ponto de situação da informação disponível sobre os indícios de ameaça terrorista em Portugal, disse à Lusa o secretário-geral do GCS.

A reunião, convocada domingo depois de informação veiculada pelos serviços secretos espanhóis dar conta de uma ameaça terrorista em Portugal, está prevista para o final da tarde no Ministério da Administração Interna (MAI), disse à agência Lusa o tenente-general Leonel de Carvalho.

Presidida pelo ministro da Administração Interna, Rui Pereira, na reunião participam além dos responsáveis máximos do GCS, representantes da Polícia Judiciária (PJ), da Polícia de Segurança Pública (PSP), Guarda Nacional Republicana (GNR), Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e Serviços de Informação e Segurança (SIS).

Durante a reunião será feito «um ponto de situação», analisada a partilhada pelas várias forças de segurança a informação disponível relativamente a ameaças terroristas em Portugal, informação que, segundo Leonel de Carvalho, não aponta até ao momento para um risco maior.

«Não temos qualquer indício que aponte para um risco maior. Estamos numa situação normal e não foi decretado nenhum alerta», disse o secretário-geral do GCS.

Leonel de Carvalho admitiu ainda que durante a reunião, que se realizará após o fim dos compromissos de agenda do Ministro da Administração Interna, possa ser analisada a possibilidade de as forças de segurança aumentarem o nível de alerta para além da situação de prevenção que existe sempre relativamente a eventuais ameaças terroristas.

«Essa questão poderá ser analisada [na reunião] embora não me pareça provável», disse Leonel de Carvalho, acrescentando que o aumento dos níveis de alerta será sempre decretado pelo primeiro-ministro.

A informação sobre indícios de ameaça terrorista em Portugal no âmbito da visita à Europa do chefe de Estado paquistanês foi veiculada pelos serviços secretos espanhóis, que davam ainda conta da presença em Portugal de dois operacionais paquistaneses associados a uma rede terrorista desmantelada em Barcelona.

Relativamente à presença ou passagem por Portugal destes dois operacionais, o secretário-geral do GCS adiantou não «existir qualquer informação da presença dessas pessoas em Portugal».

Diário Digital / Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #110 em: Janeiro 21, 2008, 03:31:47 pm »
Filho de Osama bin Laden diz que pai deveria seguir outro caminho



Citar
O quarto dos 11 filhos de Osama bin Laden, Omar, afirmou domingo em entrevista à CNN que o pai deveria procurar «um outro caminho», salientando que decidiu falar em público porque quer que termine a violência inspirada por Osama.
«Eu tento dizer ao meu pai: tente encontrar outro caminho para alcançar o seu objectivo. Essas bombas, essas armas não podem fazer bem», afirmou Omar.

Omar disse que não conversa com Osama desde 2000, quando deixou um campo de treino da Al Qaeda no Afeganistão, com o consentimento do pai.

«Eu disse que me ia embora, que queria viver a minha vida, porque desde bem jovem estive sempre com meu pai. Eu só o ouvia a ele e aos seus amigos. O meu pai, então, disse-me: «se essa é a tua escolha, a tua decisão, o que posso dizer? Eu gostaria que estivesses comigo, mas essa é tua decisão», afirmou.

Omar disse não ter ideia de onde Osama possa estar. No entanto, considerou que o pai nunca será encontrado, porque tem o apoio dos locais.

Questionado sobre a possibilidade de Osama ter escolhido como esconderijo a fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão, afirmou: «talvez sim, talvez não».

Omar parece ter pouco em comum com o pai. Com 26 anos e cabelos compridos, o filho do arquitecto dos atentados contra o World Trade Center, em Nova Iorque, e o Pentágono, em Washington D.C a 11 de Setembro de 2001, é casado com uma britânica que tem duas vezes a sua idade. Os dois estão a preparar o lançamento de um movimento pela paz.

Fisicamente, porém, a semelhança de Omar com o pai é evidente, embora sem a barba comprida.

«Sou filho de Osama, não escondo isso, não escondo o meu nome», afirmou, acrecentando: «Tenho orgulho no meu nome. Mas as pessoas fogem, ficam com medo».

Omar afirmou que não considera o pai um terrorista. Quando Osama combatia os soviéticos no Afeganistão, Washington considerava-o um herói, disse Omar. «Antes, chamavam a isso guerra, agora chamam terrorismo».

«Pessoalmente, não acho que o 11 de Setembro fosse uma coisa certa, mas aconteceu. Não acho que (a guerra) no Vietnam foi uma coisa certa. Não acho que o que acontece com os palestinianos ou no Iraque esteja certo. Se falarmos sobre o que é certo e o que não é, teremos uma longa lista», disse Omar.

O filho de Osama disse que deixou a Al Qaeda porque não queria associar-se ao assassínio de civis.

Questionado se, ao tomar conhecimento das notícias, sabia que o pai estava por trás do atentado contra as Torres Gémeas, Omar disse: «sim, talvez».

Acrescentou ter sentido tristeza pelas pessoas que morreram. «Não concordo com o 11 de Setembro ou com qualquer guerra em que morrem civis», disse.

Omar afirmou ainda que o relacionamento com o pai era limitado. É o quarto dos 11 filhos de Osama com a sua primeira mulher. «A maior parte do tempo, ele estava muito ocupado, ocupado com os seus amigos. Ele trabalhava demais», disse.

Diário Digital / Lusa
« Última modificação: Janeiro 21, 2008, 10:49:15 pm por André »

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #111 em: Janeiro 21, 2008, 07:16:34 pm »
MAI garante que Portugal está a tomar todas as medidas necessárias e reitera que "não há razões para alarme"

Citar
O ministro da Administração Interna garantiu hoje que Portugal está a tomar todas as medidas necessárias na sequência de informações das autoridades espanholas sobre um eventual atentado terrorista na Europa, reiterando que "não há razão para alarme".

"Estamos a fazer tudo quanto devemos, não há nenhuma razão para alarme", declarou Rui Pereira em declarações aos jornalistas à margem do lançamento da primeira pedra da futura Esquadra da PSP de Camarate.

O titular da pasta da Administração Interna reiterou afirmações feitas esta manhã nas Caldas da Raínha, referindo que "na sequência de uma informação que foi veiculada pelos serviços congéneres na quinta-feira da semana passada, os serviços e forças de segurança portugueses reforçaram a sua actuação ao nível de aeroportos e de fronteiras".

"Levamos a sério qualquer aviso e portanto, como os serviços espanhóis disseram que havia a possibilidade de preparação de um atentado terrorista na Europa, naturalmente, eu dei instruções para que as forças de segurança reforçassem a sua atenção nos aeroportos e fronteiras, para que o SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) também reforçasse a sua actuação", disse.

De acordo com o ministro, o balanço de toda a actuação das forças de segurança portuguesas e da cooperação com os seus congéneres estrangeiros será feita ainda hoje após uma reunião do plenário do Gabinete Coordenador de Segurança (GCS).

A reunião, convocada domingo depois de informação veiculada pelos serviços secretos espanhóis a dar conta de uma ameaça terrorista, está a decorrer esta tarde.

Presidida pelo ministro da Administração Interna, na reunião participam além dos responsáveis máximos do GCS, representantes da Polícia Judiciária (PJ), da Polícia de Segurança Pública (PSP), Guarda Nacional Republicana (GNR), Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e Serviços de Informação e Segurança (SIS).

A informação sobre indícios de ameaça terrorista no âmbito da visita à Europa do Chefe de Estado paquistanês foi veiculada pelos serviços secretos espanhóis, que davam ainda conta da presença em Portugal de dois operacionais paquistaneses associados a uma rede terrorista desmantelada em Barcelona.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #112 em: Janeiro 22, 2008, 04:24:50 pm »
Associação duvida de paquistaneses da Al Qaeda em Portugal

Citar
O presidente da Associação Luso-Paquistanesa, Muhamed Yassin, afastou hoje a hipótese de os cerca de dois mil paquistaneses residentes em Portugal estarem ligados a qualquer movimento terrorista, classificando a comunidade como «extremamente trabalhadora».

«Duvido que vivam em Portugal paquistaneses com ligações à Al-Qaeda ou a grupos fundamentalistas islâmicos», disse à Agência Lusa Muhamed Yassin, acrescentando que - pelo que sabe - aqueles que se deslocam a Portugal também não têm qualquer contacto com grupos terroristas.

De acordo com o responsável, é frequente cidadãos paquistaneses residentes na Europa deslocarem-se a Portugal para encontros religiosos, que geralmente se realizam na mesquita de Lisboa.

Portugal reforçou a atenção nas fronteiras e aeroportos após ter sido alertado pelos serviços secretos espanhóis para o risco de atentados terroristas durante a passagem do presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, pela Europa.

A informação sobre indícios de ameaça terrorista em Portugal foi veiculada pelos serviços secretos espanhóis, que davam ainda conta da presença em Portugal de dois operacionais paquistaneses associados a uma rede terrorista desmantelada em Barcelona.

O responsável disse que estas notícias afectam a imagem da comunidade paquistanesa em Portugal, que apenas está no país com o objectivo de trabalhar.

«São todos trabalhadores e nem sequer têm tempo para pensar em actos terroristas«, frisou, adiantando que está disposto em colaborar com as autoridades policiais portuguesas.

«Caso conheça algum paquistanês com ligações ao terrorismo informo as autoridades», disse.

A maioria dos cerca de dois mil paquistaneses residentes em Portugal trabalha na construção civil e está concentrada, sobretudo, na região de Lisboa, Porto e Algarve.

Segundo Muhamed Yassin, a integração na sociedade portuguesa e falar a língua são as maiores dificuldades da comunidade, que se reúne habitualmente na mesquita de Lisboa para rezar.

Diário Digital / Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #113 em: Janeiro 22, 2008, 05:32:52 pm »
Autoridades da Mauritânia acreditam que terceiro suspeito de morte dos franceses pode estar em Bissau

Citar
A Mauritânia emitiu um mandado de captura internacional contra um terceiro suspeito de envolvimento na morte de quatro turistas franceses no país e que estará refugiado na Guiné-Bissau, noticiou segunda-feira a agência noticiosa PANA.

Segundo a agência noticiosa africana, a polícia emitiu um mandado de captura internacional "contra Maarouf Haiba, 26 anos, que deixou a Mauritânia para se refugiar na Guiné-Bissau, passando pelo Senegal e Gâmbia".

As autoridades da Guiné-Bissau extraditaram em 12 de Janeiro dois mauritanos suspeitos de estarem envolvidos na morte dos quatro turistas franceses na Mauritânia e de estarem envolvidos em actividades terroristas.

Um dos mauritanos extraditados a semana passada ameaçou a Guiné-Bissau por ter sido detido, levando as autoridades guineenses a reforçar as medidas de controlo de presença e entrada de cidadãos estrangeiros no país.

As medidas foram elaboradas por uma comissão especial, presidida pela ministra da Justiça, Carmelita Pires, e incluem, nomeadamente, o reforço do controlo dos edifícios públicos, embaixadas e serviços consulares em Bissau, bem como nos locais de maior concentração de pessoas.

As medidas de segurança também vão ser reforçadas no período das festas de Carnaval a decorrer entre 02 e 06 de Fevereiro.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #114 em: Janeiro 22, 2008, 09:47:42 pm »
Substância encontrada nas rusgas de Barcelona pode ser estabilizador de material explosivo

Citar
A substância química encontrada nas rusgas policiais efectuadas no passado fim-de-semana em Barcelona, aquando da detenção de 14 alegados terroristas islâmicos, pode ser usada como estabilizador de material explosivo, segundo as investigações.

Os cerca de 30 gramas de material encontrado são nitrocelulosa, que pode ser usado em bombas, mas que é também comum a muitos outros produtos, como lacas ou vernizes, explicou à Lusa fonte policial.

As investigações iniciais apontavam para que o material fosse TATP, triperoxido de triacetona, conhecido como "bomba dos pobres", pelo seu poder explosivo e facilidade de aquisição.

No entanto, análises do Laboratório de Criminalística da Guarda Civil confirmam que se trata de nitrocelulosa, usado para elaborar lacas e vernizes, mas também como estabilizador de materiais explosivos.

Especialistas rejeitam no entanto que o material, tal como estava, pudesse ser utilizado como explosivo.

O material foi encontrado numa das casas alvo de rusgas durante a operação de sábado em que agentes da Guarda Civil detiveram 12 paquistaneses e dois indianos pelo seu alegado vínculo a redes terroristas islâmicas.

O ministro do Interior espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba, explicou que os detidos planeavam abastecer-se de explosivos e que se preparavam para cometer um atentado, possivelmente em Barcelona.

"Segundo as provas de que dispomos, estamos a lidar com um grupo de carácter islamita radical, com um nível importante de organização", adiantou, afirmando que este grupo estaria prestes a passar do "radicalismo ideológico" a "acções violentas", adiantou.

Segundo a imprensa da Catalunha, o grupo de detidos recebera ordens para cometer um atentado em Barcelona da parte de altos responsáveis da rede Al Qaeda, durante uma reunião organizada num campo de treino da região paquistanesa do Waziristão.

Já em Outubro de 2003, o FBI tinha alertado os Serviços de Informação espanhóis de que a Al Qaeda pretendia utilizar nitrocelulosa para fabricar bombas com que pudesse atentar em aviões.

O aviso considerava-a uma "substância altamente inflamável" que poderia ser utilizada "como explosivo se confinada num recipiente robusto".

A intenção seria, segundo o FBI, acrescentar nitroglicerina à mistura, tornando-a assim "mais sensível à ignição, e aumentar o seu poder destrutivo".

Nas rusgas foram também encontrados vários temporizadores, três tipos de cabos, pilhas e pequenas bolas de cero, capazes de servir como metralha em artefactos explosivos.

Não foi encontrada no entanto qualquer outra substância que pudesse ser misturada na nitrocelulosa.

Os novos desenvolvimentos surgem na véspera de os 14 detidos começarem a ser interrogados pelo juiz de instrução número 2, Ismael Moreno, da Audiência Nacional em Madrid.

As investigações sobre os verdadeiros planos do grupo desarticulado ainda estão em curso, tendo as rusgas sido precipitadas depois de França alertar as autoridades espanholas sobre a chegada a Barcelona de um suspeito relevante nos grupos de paquistaneses radicais que vivem na Europa.

Essa precipitação tem causado algum mal-estar entre as forças de segurança espanholas, tendo fonte dos Mossos d' Esquadra, a polícia da Catalunha, afirmado à Lusa que esta estrutura já estava a investigar o grupo desde 2004.

A mesma fonte explicou que as investigações começaram após os atentados de 11 de Março, considerando que a Guarda Civil se terá "apressado" sem "respeitar protocolos e as investigações que estavam a ser levadas a cabo pelo departamento da luta anti-terrorista" da polícia regional.

Os islamitas estavam a ser alvo de escutas telefónicas e a ser vigiados desde a sua entrada, durante a permanência e em qualquer saída da capital da Catalunha.

Nessas vigilâncias, elementos dos Mossos d'Esquadra e do Centro Nacional de Inteligência (CNI) encontraram-se "em mais de uma ocasião", mas o CNI, perante a iminência de um atentado, confiou a operação à Guarda Civil em detrimento da polícia autonómica.

Entretanto, o vice-presidente do governo catalão, Josep Lluís Carod-Rovira, insistiu hoje em apelos à sociedade da Catalunha para que evite o "alarmismo" e para que não discrimine ou ataque a comunidade paquistanesa ali residente.

Carod-Rovira disse que o departamento do Interior do governo preparou já um relatório sobre as detenções dos 14 alegados terroristas, deixando claro que, "para o governo, o terrorismo islâmico é prioridade em matéria de segurança na Catalunha".

Considerando que a região "tem o mesmo risco que qualquer outro lugar europeu", o responsável catalão defendeu uma atitude "sensata" e que se evitem "situações de alarmismo que não conduzem a nada".

Notando que a comunidade paquistanesa na Catalunha é de cerca de 35 mil pessoas, Carod-Rovira afirmou que seria "injusto" colocar o grupo "sob suspeita".

"Nunca uma minoria deve manchar o bom nome da comunidade paquistanesa nem das pessoas que tomaram a opção do Islão", disse.

Referindo-se também ao caso, o conselheiro de Interior catalão, Joan Saura afirmou que em situações como esta "é melhor pecar por excesso do que pode defeito", defendendo por isso a operação de detenção.

Saura disse ter sido informado pelo ministro do Interior espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba, sobre a possibilidade de que sectores extremistas viessem a protagonizar alguma acção violenta em Barcelona.

"Perante informações que apontam para a possibilidade de acções violentas importantes, deve-se intervir", comentou.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #115 em: Janeiro 23, 2008, 09:38:46 pm »
Um dos três alegados suicidas entrou em Espanha por Portugal

Citar
Um dos tês paquistaneses detidos no sábado em Barcelona e definidos hoje como suicidas por um juiz espanhol entrou em Espanha nas últimas semanas procedente de Portugal, segundo o auto obtido pela Lusa.

O documento do juiz espanhol Ismael Moreno identifica Imram Cheema como um "elemento suicida", frisando que chegou a Barcelona "entre meados de Dezembro de 2007 e meados de Janeiro de 2008 procedente, ao que parece, de Portugal".

No mesmo texto são igualmente identificados como elementos suicidas os detidos Mohammed Shoaib e Mehmook Khalid, também eles chegados a Barcelona nos últimos meses de 2007.

"Este padrão é comum em organizações extermistas islâmicas, que para executar uma acção terrorista costumam deslocar suicidas pouco tempo antes de a levar a cabo", frisa o auto obtido pela Lusa.

"As chegadas destes três ocorreram aproximadamente dois meses depois de o alegado fabricante de explosivos Hafeez Ahmed regressar de uma viajem de 05 meses ao Paquistão", sublinha.

O juiz diz que as alegadas funções do trio foram identificadas com base num "testemunho protegido".

Isamel Moreno ordenou hoje a prisão preventiva para os três alegados suicidas e para sete outros dos 12 alegados terroristas detidos no sábado passado em rusgas em Barcelona por considerar que pertenciam a um grupo armado.

Moreno, que ouviu hoje os 12 detidos na Audiência Nacional em Madrid, considera que o grupo planeava cometer atentados suicidas em transportes públicos da Catalunha no dia em que foram detidos.

Depois de ouvir os 12 detidos -- dois dos 14 tinham sido libertados já esta madrugada pela polícia -- Moreno determinou a libertação de dois outros.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #116 em: Janeiro 24, 2008, 03:54:20 pm »
Três mortos em operação policial contra a Al Qaeda na Turquia

Citar
Três pessoas, incluindo um polícia, morreram hoje durante uma vasta operação policial contra membros de um presumível célula turca da Al Qaeda no sudeste da Turquia, anunciou a agência Anatolia.
 
A polícia anti-terrorista efectuou às primeiras horas do dia de hoje buscas em numerosos apartamentos na cidade de Gaziantep que alegadamente abrigariam pessoas suspeitas de pertencer à rede terrorista, refere a agência.

Um polícia das forças especiais e dois presumíveis militantes da Al Qaeda foram mortos durante trocas de tiros, registando-se ainda quatro feridos entre as autoridades.

A polícia deteve 18 suspeitos, indica ainda a Anatólia.

Uma presumível célula turca da Al Qaeda foi acusada da autoria dos atentados em Istambul em Novembro de 2003 contra duas sinagogas, o consulado britânico e o banco britânico HSBC, dos quais resultaram 63 mortos e centenas de feridos.

Diário Digital / Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #117 em: Janeiro 24, 2008, 06:10:23 pm »
Portugal é país de trânsito, diz Obs. de Segurança

Citar
O vice-presidente do Observatório de Segurança, Crime Organizado e Terrorismo disse hoje que Portugal não é alvo dos ataques terroristas, mas sim um país de trânsito devido à proximidade com Espanha e o Norte de África.

«Não devemos entrar em pânico, nem ter medo, mas realmente Portugal - devido à proximidade com Espanha e Norte de África - deve ter em conta as ameaças», uma vez que «somos um ponto de movimentação», afirmou à Agência Lusa José Manuel Anes, ex-Director do Laboratório de Polícia Científica da Polícia Judiciária.

O actual vice-presidente do Observatório da Segurança adiantou que Portugal «é um local perigoso de trânsito de apoio» para falsificação de documentos, descanso e movimentos financeiros.

José Manuel Anes realçou ainda que os terroristas quando se sentem vigiados em outros países europeus, encontram em Portugal «um bom local».

Isto porque - segundo o estudioso em terrorismo religioso - «Portugal é menos vigiado que Espanha, Itália, Argélia e França».

Referiu que os terroristas entram no país via aérea e terrestre, mas há indicações que dentro da Europa as deslocações sejam essencialmente feita por carro devido à rota que está referenciada entre Londres e outras capitais europeias.

Apesar de Portugal não ser alvo, José Manuel Anes considerou que as ameaças devem ser levadas a sério, devendo trocar informações com os outros países.

Para o vice-presidente do Observatório da Segurança, Espanha e Norte de África sofreram grandes mudanças e tornaram-se perigosos, sobretudo no último ano.

Como exemplo, referiu que no Norte de África se assiste a um aumento dos ataques terroristas por parte da Al Qaeda e em Espanha aumentam as células oriundas do Magrebe.

O responsável salientou que centenas de milhares de imigrantes paquistaneses estão na Catalunha, apesar de a comunidade não ser problema, tendo em conta que os terroristas já estão referenciados.

Adiantou que o Observatório de Segurança tem informações de que «já estão referenciados em Barcelona elementos operacionais que lutam pela independência de Caxemira».

«Na nossa vizinhança aumentaram os perigos» disse, admitindo que «a situação não vai melhorar a curto prazo».

Sobre a acção do Gabinete Coordenador de Segurança, após Portugal ter sido alertado pelos serviços secretos espanhóis para o risco de atentados terroristas durante a passagem pela Europa do presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, Anes referiu que foram tomadas »as medidas correctas», destacando o facto de terem sido activados um conjunto de entidades.

Na sequência do alerta foi reforçada a vigilância nos aeroportos e fronteiras.

«É fundamental começar a exercitar esta prevenção caso seja necessário», sublinhou.

Sobre os Tabligh Jamaat, grupo a pretexto do qual terão entrado em Portugal dois alegados terroristas paquistaneses, José Anes disse que «não são radicais», nem «terroristas», tendo em conta que «rejeitam a violência».

No entanto, há várias infiltrações de elementos terroristas nos Tabligh Jamaat, sublinhou, acrescentando que «entre os muçulmanos são os mais fundamentalistas e há radicais que parasitam esta organização para encontrar apoios».

Os Tabligh Jamaat estão estabelecidos em Portugal desde 1979.

Diário Digital / Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3555
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +87/-0
(sem assunto)
« Responder #118 em: Janeiro 25, 2008, 05:26:29 pm »
Líder islâmico procurado morre em tiroteio com a polícia

Citar
O alegado cérebro dos atentados terroristas de Novembro que deixaram 13 mortos no norte da Índia, Bashir Ahmad, morreu hoje num tiroteio com agentes da polícia na região indiana de Caxemira, indicou a polícia.

«Bashir era o terrorista mais procurado em Uttar Pradesh (norte da Índia) e no resto do país», disse uma fonte da polícia, citada pela agência Ians.

O líder do grupo jihadista pró-Paquistão Harkat-ul-Jihad Islami (HuJI) foi morto a tiro pela polícia numa localidade do distrito de Kishtawar.

Para encontrá-lo, os agentes tiveram que chegar até a montanhosa região de Chatroo, quase a 2.500 metros de altitude, onde o líder do grupo armado estava escondido.

Bashir Ahmad, conhecido como Sabah, estaria envolvido na contratação e treino de insurrectos no norte da Índia, segundo a polícia.

Os agentes recuperaram vários armas de assalto AK 47 e um telefone satélite do refúgio de Sabah, que foi treinado no Paquistão e Afeganistão, segundo a polícia.

As forças de segurança indianas procuravam Sabah devido à sua ligação com a colocação de uma série de bombas nas cidades indianas de Benares, Faizabad e Lucknow, que em 23 de Novembro deixaram 13 mortos.

Diário Digital / Lusa

 

*

comanche

  • Investigador
  • *****
  • 1779
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #119 em: Janeiro 25, 2008, 07:31:19 pm »
Portugal não é alvo para terroristas


Citar
O vice-presidente do Observatório de Segurança, Crime Organizado e Terrorismo disse, ontem, que Portugal não é alvo de ataques terroristas, mas um país de trânsito devido à proximidade com Espanha e o Norte de África. "Não devemos entrar em pânico, nem ter medo, mas realmente Portugal deve ter em conta as ameaças", afirmou, à agência Lusa, José Manuel Anes, no dia em que o director do Gabinete Coordenador de Segurança, tenente-general Leonel de Carvalho, disse que a eventual passagem por Portugal de um dos paquistaneses detidos no sábado, em Barcelona, está a ser investigada pela Polícia Judiciária e pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

O auto de acusação dos três paquistaneses detidos no sábado, em Barcelona, a que a Lusa teve acesso, considerados "terroristas suicidas" por um juiz espanhol refere que um desses indivíduos entrou em Espanha procedente de Portugal.

"É um local perigoso de trânsito de apoio" para falsificação de documentos, descanso e movimentos financeiros, acrescentou José Manuel Anes. Os terroristas que se sentem vigiados noutros países europeus encontram em Portugal "um bom local", porque o país "é menos vigiado do que Espanha, Argélia e França".