Portugal na realidade não tinha direito de existir

  • 5 Respostas
  • 3211 Visualizações
*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 5269
  • Recebeu: 703 vez(es)
  • Enviou: 692 vez(es)
  • +478/-2593
Portugal na realidade não tinha direito de existir
« em: Outubro 11, 2009, 01:50:13 pm »

A Grande Tentação foca a sua atenção num tema pouco usual, mas fundamental para compreender a atitude de Franco perante a Segunda Guerra Mundial: a sua obsessão por conseguir um Império Colonial para a Espanha no Norte de África.
O livro analisa a dupla via que Franco e o seu governo utilizou para alcançar estes objectivos. Por uma lado, as negociações diplomáticas com Paris, Londres e, mais tarde, Berlim e Roma, por outro lado, a via militar, preparando uma invasão da zona francesa do Protectorado marroquino, e a guerra contra a Inglaterra, atacando Gibraltar e invadindo preventivamente Portugal.
Grande parte desta obra baseia-se em documentação inédita, arquivos militares espanhóis que permaneciam classificados, e que revelam as verdadeiras intenções belicistas de Franco. Esclarece, de maneira definitiva, a verdadeira atitude de Franco e as dúvidas que o assaltaram no momento dessa Grande Tentação, finalmente frustrada.

excerto tirado do livro

"ninguém pode deixar de se dar conta, ao olhar para o mapa da Europa, que geograficamente falando, Portugal na realidade não tinha direito de existir. tinha apenas uma justificação moral e politica para a sua independência pelo facto dos seus quase 800 anos de existência"
Serrano Suñer (ministro dos negócios estrangeiros de Franco) para Joachim Von Ribbentrop (ministro de Hitler)

pergunto-me a mim mesmo se depois deste tipo de afirmações ainda à quem confie nos castelhanos mesmo no dia de hoje???
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

zeNice

  • Membro
  • *
  • 257
  • +0/-0
Re: Portugal na realidade não tinha direito de existir
« Responder #1 em: Outubro 12, 2009, 02:40:35 am »
ele que venha  :G-bigun:

Há algum livro do mesmo tipo mas sobre Salazar?
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 19878
  • Recebeu: 2836 vez(es)
  • Enviou: 2166 vez(es)
  • +999/-3435
Re: Portugal na realidade não tinha direito de existir
« Responder #2 em: Outubro 13, 2009, 11:58:21 am »
Que Franco e ala mais radical de extrema-direita tinha vontade de anexar Portugal, é algo que ninguém dúvida hoje em dia, mas Franco e a realidade pós Guerra civil é uma e a realidade actual é outra.

Zenice ele que venha...quem?
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

zeNice

  • Membro
  • *
  • 257
  • +0/-0
Re: Portugal na realidade não tinha direito de existir
« Responder #3 em: Outubro 13, 2009, 03:16:58 pm »
Foi um desabafo de repúdio por esse senhor, eu sei que já está mais que enterrado  :lol:
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 7285
  • Recebeu: 909 vez(es)
  • +4193/-829
Re: Portugal na realidade não tinha direito de existir
« Responder #4 em: Novembro 07, 2009, 04:14:38 pm »
A realidade actual é exactamente a mesma.

Franco não decidiu «invadir» porque sim, ou porque era Franco, mas sim porque era espanhol.

O problema não é o que Franco pensava (era um generaleco de quinta categoria), mas sim as razões que o levaram a concluir que tinha o direito de invadir e de anexar (eventualmente) Portugal.
O livro de Ros Agudo, tem 15 capítulos e apenas o capítulo XII diz respeito a Portugal. No resto estuda e explica as manias relativamente aos franceses no norte de África. A Espanha sente uma atração pela Europa que Portugal nunca sentiu.
São interessantes as notas e a transcrição dos documentos que provam algumas das teses que já foram aqui defendidas.
Não é, infelizmente especialmente detalhado.
Continuo a coligir dados para um artigo sobre os planos da invasão espanhola para o areamilitar.net com base na constituição das unidades espanholas.
Mas ainda não tenho dados suficientes para isso. Este livro como fonte, é de qualquer forma, muito interessante.

Cumprimentos
É muito mais fácil enganar uma pessoa, que explicar-lhe que foi enganada ...
 

Re: Portugal na realidade não tinha direito de existir
« Responder #5 em: Julho 20, 2012, 10:42:14 pm »
A propósito de planos de invasão espanhóis, creio que a última vez em que esse problema se colocou foi em 1975 aquando do saque e incêndio da embaixada de Espanha em Lisboa. Na época o governo espanhol (ainda com Franco) chegou a colocar de prevenção algumas unidades militares para o que desse e viesse...