F-35A Lightning II na FAP

  • 317 Respostas
  • 16903 Visualizações
*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 19878
  • Recebeu: 2833 vez(es)
  • Enviou: 2166 vez(es)
  • +992/-3435
Re: F-35A Lightning II na FAP
« Responder #315 em: Hoje às 09:38:59 am »
E a Marinha iria prescindir dos seus F35 porquê? Ainda têm muitos FA-18 para substituir, da mesma forma que há muitos F16 e F15 na USAF.

Pessoalmente não acredito nessa hipótese a curto/médio prazo. Se não quiserem modernizar os F16, então terão de adquirir novos caças, sejam eles 4.5+ (F16 V, F15 E, Gripen, Rafale, EFA 2000 ou o KF-21) ou 5ª geração (F35).
« Última modificação: Hoje às 12:30:10 pm por Cabeça de Martelo »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Pescador

  • Investigador
  • *****
  • 3675
  • Recebeu: 2466 vez(es)
  • Enviou: 1922 vez(es)
  • +5686/-2689
Re: F-35A Lightning II na FAP
« Responder #316 em: Hoje às 11:24:34 am »
saab só podes mandar F-16 quando tiveres um substituto...é o que os outros países vão fazer... na paridade...abdicam de F-16 e recebem/compram F-35.

Estou aqui sentado a ver quem dos países europeus se vai descapitalizar em favor da UKR.

A dinamarca já deu os Caesar todos...já não tem mais para dar...e o dar tudo significa que deu...esperava receber entretanto, mas com esta bela industria europeia, ainda não recebeu os novos nem vai receber tão cedo. Ah e foram 19 unidades da plataforma Caesar.
Ah e as munições guiadas Excalibur que este sistema usa são de origem norte-americana...por isso a doação vem no pacote do Biden...aquele que aguarda aprovação.

a Chéquia diz que tem 500k munições de 155mm e umas 300k de 122mm e diz que as dá...se houver financiamento para as transportar de um lado para o outro...financiamento externo entenda-se...

Como é que andam a assinar acordos bilaterais nas obras de reconstrução...se a guerra ainda não terminou...

Em relação aos Leopard a questão dos 6 meses...nem será tanto pelos carros de combate, bom até pode ser por questões de pronto para combate... mas os veiculos não andam sozinhos e tens de aprontar as tripulações... e tudo isso leva tempo.

As FND da RCA têm um aprontamento de 6 meses...e não levam carros de combate...já os têm lá e treinam com os de cá...

Os Leo não é pela paridade é mesmo pela questão das tripulações e o próprio envio das máquinas em si.

Essa da paridade passou-me ao lado.

Dar antes de receber ou pelo menos garantir que recebe não é um bom "negócio"...

"Em relação aos Leopard a questão dos 6 meses...nem será tanto pelos carros de combate, bom até pode ser por questões de pronto para combate... mas os veiculos não andam sozinhos e tens de aprontar as tripulações... e tudo isso leva tempo.

As FND da RCA têm um aprontamento de 6 meses...e não levam carros de combate...já os têm lá e treinam com os de cá..."

Exatamente, todas as missões são precedidas de treinos, avaliações de adaptações às situações conhecidas ou informações recolhidas. Cada missão tem a sua especificidade. Por isso é bom treinar antes procedimentos.
Mas isso só sabe quem anda nisso, não é assunto de revistas com diagramas para avaliação empírica teórica de este ou aquele material.

Os F16 podem bem ser alvo de MLU em vez de enfiar a cabeça no Saab para ficar com geração 4,5 mais 40 anos. O exemplo do Brasil não serve. Eles substituíram agora os F5.
 E depois de ter uma esquadra com F16V, a outra das Esquadras ser substituída pela 5 geração, eventualmente será o F35. Na verdade a 6 ª geração está a ser desenvolvida e daqui a 10 ou15 estará a voar.
Esta gente medita em negócios insististe em algo para justificar empregos. É o tucanito é o saab, tudo serve
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 5273
  • Recebeu: 5160 vez(es)
  • Enviou: 3424 vez(es)
  • +10042/-2630
Re: F-35A Lightning II na FAP
« Responder #317 em: Hoje às 01:16:08 pm »
E a Marinha iria prescindir dos seus F35 porquê? Ainda têm muitos FA-18 para substituir, da mesma forma que há muitos F16 e F15 na USAF.

Pessoalmente não acredito nessa hipótese a curto/médio prazo. Se não quiserem modernizar os F16, então terão de adquirir novos caças, sejam eles 4.5+ (F16 V, F15 E, Gripen, Rafale, EFA 2000 ou o KF-21) ou 5ª geração (F35).

Sem falar dos Marines, que regressaram aos "nuclear flat-tops" com o F-35C após o phase-out do Hornet clássico, com a intenção de aumentarem a sua capacidade expedicionária embarcada e não só.

Citar
(...) The F-35C “is unquestionably the most lethal platform that the Tomcats will fix and fly,” Col. Shannon M. Brown, Marine Aircraft Group 11, told the crowd gathered outside VMFA-314’s hangar along the flight line. While it’s the carrier variant of the F-35, “what we Marines have found is it’s the quintessential expeditionary killing machine. It has an incredible range, payload capability. It’s got brakes that stop on a dime. A tailhook to match.”

“It’s almost as if the engineers who drew up this aircraft on the drawing boards had the First Island Chain in mind when they built it,” Brown said. “And we’re very happy to have it.” (...)

https://news.usni.org/2023/04/17/marines-stand-back-up-tomcats-as-a-f-35c-lighting-ii-squadron

Se por acaso tivessem optado pelo Super Bug a história provavelmente seria outra, naturalmente.
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

"(...) Que, havendo por verdade o que dizia,
DE NADA A FORTE GENTE SE TEMIA
"

Luís Vaz de Camões (Os Lusíadas, Canto I - Estrofe 97)