Economia Mundial

  • 194 Respostas
  • 39524 Visualizações
*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 3136
  • Recebeu: 417 vez(es)
  • Enviou: 208 vez(es)
  • +645/-8594
Re: Economia Mundial
« Responder #165 em: Março 18, 2022, 05:23:44 pm »
Exportações de petróleo russo para a Índia disparam
https://www.jornaldenegocios.pt/mercados/materias-primas/detalhe/exportacoes-de-petroleo-russo-para-a-india-disparam
Citar
As exportações de petróleo russo para a Índia quadruplicaram este mês, num momento em que as exportações para a União Europeia estão praticamente congeladas, na sequência das sanções impostas à Rússia após a invasão da Ucrânia.

 Moscovo exportou 360 mil barris de petróleo por dia para a Índia desde o início do mês de março, cerca de quatro vezes a média de 2021, segundo adianta o Financial Times.

 Segundo Alex Booth, responsável pelo "research" da Kpler, citado pelo Financial Times, a Índia tipicamente compra petróleo russo, mas o grande aumento registado em março sugere que o país poderá ter aproveitado grandes descontos, num momento em que o Ocidente procura isolar a Rússia.

 No início da semana já tinha sido noticiado que a Índia poderia aceitar uma proposta russa para comprar crude e outras matérias-primas com desconto no preço, com Deli a manter o apoio comercial a Moscovo.

 "Cargas de petróleo já comprometidas da Rússia que não encontram compradores na Europa estão a ser compradas pela Índia", explica Booth.

 Na terça, a secretária de Imprensa norte-americana Jen Psaki avisou a Índia que ficaria no lado errado da história se comprasse petróleo à Rússia, embora tenha acrescentado que estas compras não violam as sanções dos Estados Unidos.

 Em termos históricos, o petróleo russo representa menos de 5% das importações da Índia, mas o conflito na Ucrânia poderá alterar este panorama, com Deli a mostrar o seu apoio a Moscovo e a aproveitar os saldos, que poderão ser de 25 a 30 dólares por barril.

25 a 30 dólares por barril, maravilha.

Não Daniel, um desconto de 25 a 30 dólares por barril em relação ao preço de mercado, não é o preço final!

Sim percebi a notícia, mas não deixa de ser um grande desconto.
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 12767
  • Recebeu: 3104 vez(es)
  • Enviou: 7602 vez(es)
  • +791/-1315
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Economia Mundial
« Responder #166 em: Abril 03, 2022, 07:33:21 pm »

Ukraine Sits On Raw Materials Worth Trillions. The Country's Chance for Reconstruction?

E as principais potências sempre por detrás do controlo de recursos minerais.
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

legionario

  • Investigador
  • *****
  • 1463
  • Recebeu: 320 vez(es)
  • Enviou: 345 vez(es)
  • +233/-4487
Re: Economia Mundial
« Responder #167 em: Abril 10, 2022, 06:47:47 pm »
In ZeroHedge

As ações tomadas pela Rússia nas últimas semanas podem representar uma enorme mudança de paradigma nas finanças globais. Muitos países estão-se a preparar para isso devido à militarização do dólar pelos Estados Unidos.

De fato, a Rússia colocou o rublo no nível de padrão-ouro agora vinculado ao gás natural.

A Rússia detém as quintas maiores reservas de ouro do mundo. Após uma pausa durante a pandemia do COVID-19, o Banco Central da Rússia retomou a compra de ouro no início de março, antes de suspendê-la novamente algumas semanas depois. O Banco Central Russo voltou a comprar ouro aos bancos locais em 28 de março a um preço fixo de 5.000 rublos (US$ 52) por grama. Como a Rússia insiste em fazer pagar o gás natural em rublos e vinculou o rublo ao ouro, o gás natural agora está indiretamente vinculado ao ouro. Os russos podem fazer o mesmo com o petróleo, segundo ZeroHedge.

O ouro é completamente privado. É completamente independente do sistema SWIFT ou de qualquer outro sistema bancário. E apesar do aumento das criptomoedas, continua a ser a moeda global mais difundida e viável que não é controlada por nenhuma nação soberana.

Se a Rússia começar a exigir o pagamento das suas exportações de petróleo em rublos, haverá uma vinculação indireta imediata ao ouro (através do preço fixo do rublo - lastreado em ouro). A Rússia poderia então começar a aceitar ouro diretamente como pagamento pelas suas exportações de petróleo. Na verdade, isso pode-se aplicar a todas as commodities, não apenas ao petróleo e ao gás natural.

Ao jogar nos dois lados da equação, ou seja, vinculando o rublo ao ouro e, em seguida, vinculando os pagamentos de energia ao rublo, o Banco da Rússia e o Kremlin estão a mudar fundamentalmente todo o sistema de comércio global e monetário. Uma avalanche de compradores em busca de ouro físico para pagar as commodities certamente fará torpedear os mercados de ouro-papel LBMA e COMEX.

"A indexação fixa entre o rublo e o ouro coloca um patamar na taxa RUB/USD, mas também um quase patamar no preço do ouro em dólares americanos..."
"...se a Rússia começar a aceitar o ouro diretamente como meio de pagamento pelo petróleo, isso significa vincular diretamente o preço do petróleo ao preço do ouro."
« Última modificação: Abril 10, 2022, 06:54:32 pm por legionario »
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 4292
  • Recebeu: 2417 vez(es)
  • Enviou: 1394 vez(es)
  • +7369/-4444
Re: Economia Mundial
« Responder #168 em: Abril 11, 2022, 10:06:16 am »
In ZeroHedge

As ações tomadas pela Rússia nas últimas semanas podem representar uma enorme mudança de paradigma nas finanças globais. Muitos países estão-se a preparar para isso devido à militarização do dólar pelos Estados Unidos.

De fato, a Rússia colocou o rublo no nível de padrão-ouro agora vinculado ao gás natural.

A Rússia detém as quintas maiores reservas de ouro do mundo. Após uma pausa durante a pandemia do COVID-19, o Banco Central da Rússia retomou a compra de ouro no início de março, antes de suspendê-la novamente algumas semanas depois. O Banco Central Russo voltou a comprar ouro aos bancos locais em 28 de março a um preço fixo de 5.000 rublos (US$ 52) por grama. Como a Rússia insiste em fazer pagar o gás natural em rublos e vinculou o rublo ao ouro, o gás natural agora está indiretamente vinculado ao ouro. Os russos podem fazer o mesmo com o petróleo, segundo ZeroHedge.

O ouro é completamente privado. É completamente independente do sistema SWIFT ou de qualquer outro sistema bancário. E apesar do aumento das criptomoedas, continua a ser a moeda global mais difundida e viável que não é controlada por nenhuma nação soberana.

Se a Rússia começar a exigir o pagamento das suas exportações de petróleo em rublos, haverá uma vinculação indireta imediata ao ouro (através do preço fixo do rublo - lastreado em ouro). A Rússia poderia então começar a aceitar ouro diretamente como pagamento pelas suas exportações de petróleo. Na verdade, isso pode-se aplicar a todas as commodities, não apenas ao petróleo e ao gás natural.

Ao jogar nos dois lados da equação, ou seja, vinculando o rublo ao ouro e, em seguida, vinculando os pagamentos de energia ao rublo, o Banco da Rússia e o Kremlin estão a mudar fundamentalmente todo o sistema de comércio global e monetário. Uma avalanche de compradores em busca de ouro físico para pagar as commodities certamente fará torpedear os mercados de ouro-papel LBMA e COMEX.

"A indexação fixa entre o rublo e o ouro coloca um patamar na taxa RUB/USD, mas também um quase patamar no preço do ouro em dólares americanos..."
"...se a Rússia começar a aceitar o ouro diretamente como meio de pagamento pelo petróleo, isso significa vincular diretamente o preço do petróleo ao preço do ouro."

Caro Legionario, mas há vários pormenores que a Rússia não consegue contornar. As exportações da Rússia são na sua maioria para a Europa!!!! E também é da Europa que importa a maior parte de tudo o que consome! O que acontece quando esse elo é cortado ou estrangulado? Quem é mais prejudicado? Normalmente o elo mais fraco (menos poder económico), não é assim?

Outro pormenor, se a Rússia só aceita ouro para as suas exportações..... e as importações, paga também em ouro com a inflação gigantesca sobre um bem que é procurado em situações de conflito?

https://oec.world/en/profile/country/rus

A Rússia está numa armadilha da qual não tem como escapar, a sua fonte de receitas principal diminui a cada dia que passa (até haver um bloqueio total. E a Rússia não tinha ameaçado cortar o gás Russo se não pagassem em rublos? Só os amigos do Putin pagam em rublos......... porque não corta o gás?). Quando deixar de vender à Europa o que quer que seja, acaba de destruír metade da sua riqueza anual e depois? Exporta para os amigos (China e Índia)  a preço de saldo em vez de vender muito mais caro à Europa?

E quanto à China, o seu maior mercado é a Europa, a Rússia são trocos. Eles sabem (chineses) da enorme interdependência entre o ocidente e a China. Mas este conflito só veio demonstrar que o comércio mundial pode estar ou morto ou muito afectado!!!!! Uma coisa é certa, a independência de um país não se mede apenas pela defesa das suas fronteiras, mas também da origem da energia que consome, matérias-primas..... (coisas que os nossos governos não percebem nem querem perceber)!!!!
« Última modificação: Abril 11, 2022, 10:09:20 am por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: legionario

*

legionario

  • Investigador
  • *****
  • 1463
  • Recebeu: 320 vez(es)
  • Enviou: 345 vez(es)
  • +233/-4487
Re: Economia Mundial
« Responder #169 em: Abril 11, 2022, 12:55:14 pm »
Eu publiquei uma opinião expressa no ZeroHedge sem acreditar muito , ou pelo menos em tudo, o que vem lá escrito, mais porque me interesso pelo papel do ouro na economia.
Os prejuízos económicos da Rússia são mais que evidentes mas os europeus também estão a pagar bem caro, nós sentimo-lo todos os dias, esta parte é que me interessa mais.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Viajante

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20853
  • Recebeu: 2473 vez(es)
  • Enviou: 257 vez(es)
  • +1151/-1484
Re: Economia Mundial
« Responder #170 em: Abril 19, 2022, 06:00:09 pm »
FMI baixa para 3,6% a perspetiva de crescimento global em 2022 e 2023


 

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 3136
  • Recebeu: 417 vez(es)
  • Enviou: 208 vez(es)
  • +645/-8594
Re: Economia Mundial
« Responder #171 em: Abril 21, 2022, 05:30:08 pm »
Empresas europeias enfrentam “pesadelo logístico” com lockdown na China
https://executivedigest.sapo.pt/empresas-europeias-enfrentam-pesadelo-logistico-com-lockdown-na-china/
Citar
A pandemia de Covid-19 continua a afetar massivamente a China, impactando os negócios, as exportações e a economia. Com as autoridades chinesas a prometer ajudar mais de 600 empresas a reiniciar as suas operações, Europa enfrenta um verdadeiro “pesadelo logístico” sem fim à vista.

De acordo com a Câmara de Comércio da União Europeia, os problemas com a reposição das cadeias de abastecimento devem durar várias semanas, mostrando-se apreensivos depois de os órgãos empresariais do Reino Unido e dos EUA também terem sublinhado que os seus membros foram atingidos pelo lockdown na China.

Apesar de muitas empresas terem retomado a sua atividade, outras “ainda enfrentam os desafios da escassez de mão de obra e dificuldades logísticas”, disse Bettina Schoen-Behanzin, vice-presidente da Câmara de Comércio da União Europeia na China em declarações à ‘BBC’.

Com o lockdown imposto pelo Governo chinês, a Câmara do Comércio estima que estejam disponíveis menos de 30% da força de trabalho do país, pelo que os esforços para a reposição das operações são insuficientes.

“O consenso é que esse pesadelo logístico continuará até meados de maio”, disse Schoen-Behanzin.

O Presidente da Câmara de Comércio Americana em Xangai, Eric Zheng, tinha já dito à ‘Reuters’ que as autoridades estavam a coordenar o movimento de trabalhadores e mercadorias nas províncias chinesas, por forma a resolver os problemas nas cadeias de abastecimento. “Mas há atrasos que podem levar vários dias a algumas semanas para serem resolvidos”, alerta.

Na fábrica da Tesla foi definido que um trabalho em sistema de circuito fechado, que conta com várias medidas rigorosas e a obrigatoriedade de os funcionários ficarem a “viver” na fábrica, para reduzir a possibilidade de surtos ao mesmo tempo que a produção continua.

Segundo uma nota a que a ‘Bloomberg’ teve acesso, a Tesla vai fornecer a cada trabalhador um saco de cama e um colchão, que serão usados para dormir no chão numa área específica da fábrica, tendo em conta que não existe nenhum dormitório.

 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20853
  • Recebeu: 2473 vez(es)
  • Enviou: 257 vez(es)
  • +1151/-1484
Re: Economia Mundial
« Responder #172 em: Junho 08, 2022, 04:50:01 pm »
OCDE corta previsões do crescimento mundial


 

*

Duarte

  • Investigador
  • *****
  • 2346
  • Recebeu: 144 vez(es)
  • Enviou: 439 vez(es)
  • +597/-322
слава Україна!

“Putin’s failing Ukraine invasion proves Russia is no superpower"

The Only Good Fascist Is a Dead Fascist
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 4292
  • Recebeu: 2417 vez(es)
  • Enviou: 1394 vez(es)
  • +7369/-4444
Re: Economia Mundial
« Responder #174 em: Julho 14, 2022, 02:45:49 pm »
https://investor.vanguard.com/investor-resources-education/news/is-recession-inevitable

Infelizmente há muita incerteza no ar, e com indicadores díspares, mas é possível!

Por exemplo, o Brent (crude indexado e adquirido na Europa) está a caír a pique!!!!!! Quase 4% só hoje: https://pt.investing.com/commodities/brent-oil
O ouro, também está a caír bastante e desde o pico de Março deste ano, já caíu quase 20%!!!!!!
Só estes 2 indicadores levam-nos a crer que o mercado internacional não está muito preocupado com a guerra na Ucrãnia!!!!

Mas..... há sempre um mas...... as bolsas estão praticamente todas no vermelho! Deveriam estar a verde com as quedas a pique do ouro e petróleo!!!!!!

Eu coloco a linha vermelha numa escalada para lá das fronteiras da Ucrãnia. Se ficarem contidas na Ucrãnia, há muitos aspectos que impedem uma queda da economia mundial, se alastrar....... o embate na economia será enorme e com mais intensidade (porque trás muita mais imprevisibilidade).

Também estou curioso com as fragilidades enormes que a economia chinesa mostra (e provavelmente é isso que impede de apoiar claramente a Rússia na guerra da Ucrãnia). Parece-me que é a China quem tem a economia em mais apuros, depois da Rússia!!!!

Têem vários problemas para resolver em empresas falidas de várias dezenas de milhares de milhões de euros, têem um problema com as "caixas de crédito" lá do sítio, com um buraco de 300 mil milhões de euros (maior que a dívida total do estado português) e a China sim tem um problema crónico com o sector imobiliário!!!!!
Para além disso precisam de matérias-primas e precisam de um mercado para as suas exportações...... com um bloqueio global ou escalada da guerra..........
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 4292
  • Recebeu: 2417 vez(es)
  • Enviou: 1394 vez(es)
  • +7369/-4444
Re: Economia Mundial
« Responder #175 em: Setembro 22, 2022, 02:20:27 am »
Não há um caminho sem dor para combater a inflação, avisa Fed após novo aumento de juros

https://www.dn.pt/dinheiro/nao-ha-um-caminho-sem-dor-para-combater-a-inflacao-avisa-fed-apos-novo-aumento-de-juros-15185904.html

https://www.cnbc.com/2022/09/21/fed-rate-hike-september-2022-.html

Más notícias para endividados como nós  :-X
Taxa de juro americana, estipulada pela FED, escalou mais 0,75% para fixar-se em 3-3,25%
E a FED avisa que só pára, em princípio, em 2023, quando a taxa de juro chegar a 4,6%!!!!!!!

Relembro apenas que o BCE está a seguir, com algum desfasamento, os aumentos da mesma magnitude que a congénere americana, e que os principais bens do mundo são vendidos em dólares!!!!

Resumindo, as taxas de juro vão aumentar até rondarem esse valor (pode e julgo que vai ficar mais baixo do lado europeu) e provocarem uma recessão! Só assim se espera que a inflação seja derrotada!

Agora, para tesos como nós..... 2023 vai ser bastante complicado!!!!!

Preparemo-nos para taxas de juro à volta de 4% + spread...............


Mas há uma esperança (se entretanto o conflito na Europa não se agravar, aspecto que o nosso governo visionário ignora e nem espera gastar mais um euro que seja na nossa defesa  :mrgreen:
A FED, com um sentido de responsabilidade mais amplo, também informa que os juros vão descer em 2024 e 2025, quando chegarem a 2,9%, depois de atingirem 4,6% em 2023!

Eu gostava de ter um governo assim, que avisasse com muita antecedência o que vai fazer!!!!!!
« Última modificação: Setembro 22, 2022, 02:29:24 am por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Luso

*

Daniel

  • Investigador
  • *****
  • 3136
  • Recebeu: 417 vez(es)
  • Enviou: 208 vez(es)
  • +645/-8594
Re: Economia Mundial
« Responder #176 em: Setembro 26, 2022, 04:50:47 pm »
Aumento das taxas de juro vai provocar “recessão ainda mais profunda”, diz Stiglitz
https://eco.sapo.pt/2022/09/26/aumento-das-taxas-de-juro-vai-provocar-recessao-ainda-mais-profunda-diz-stiglitz/
Citar
Aperto monetário dos bancos centrais "não vai fazer muito para resolver o problema" da escalada dos preços e vão provocar "uma recessão ainda mais profunda", considera o Nobel da Economia de 2001.

O economista Joseph Stiglitz defendeu esta segunda-feira que as medidas tomadas pelos bancos centrais de aumentar as taxas de juro “não vão fazer muito para resolver o problema” e irão provocar “uma recessão ainda mais profunda”.

“Quase todos os episódios de inflação foram provocados por excesso de procura, isto, tal como as crises do preço do petróleo, há 50 anos, resulta de choques na cadeia de abastecimento”, explicou o Nobel da Economia de 2001, dizendo que estes choques começaram com a pandemia da covid-19 e que agora estão a ser exacerbados pela guerra na Ucrânia.

Na sua intervenção no seminário “Os desafios de Inverno da Europa: energia, economia e política”, iniciativa da ERSTE Foundation, Europe’s Futures-Ideas for Action (IWM), Presseclub Concordia, e do Forum Journalismus und Medien (fjum), o economista referiu que as subidas das taxas de juro pelos bancos centrais “não vão fazer muito para resolver o problema”.

Na semana passada, a Reserva Federal norte-americana (Fed) anunciou uma subida de 75 pontos base na sua taxa de juro, um aumento idêntico ao que tinha decidido nas duas últimas reuniões e o quinto aumento desde março, ficando a taxa dos fundos federais entre 3% e 3,25%, o nível mais alto dos últimos 14 anos.

Em 08 de setembro, o BCE subiu as três taxas de juro diretoras em 75 pontos base, o segundo aumento consecutivo deste ano, já que em 21 de julho, tinha subido em 50 pontos base as três taxas de juro diretoras, a primeira subida em 11 anos, com o objetivo de travar a inflação.

No seminário realizado em Viena e com transmissão virtual, Stiglitz afirmou que o mundo está “numa situação peculiar” em que pode enfrentar, ao mesmo tempo, uma recessão grave e uma inflação elevada.

“Estamos numa situação peculiar em que há um debate sobre se o mundo está prestes a enfrentar uma recessão grave e inflação, e normalmente esses dois fatores estão em lados opostos: se a economia está fraca, há deflação, e se a economia está forte, há inflação, e isto não acontece há muito tempo”, disse, apontando que há muitas variáveis que não são possíveis de antecipar, como a guerra na Ucrânia, a pandemia e os seus efeitos na China.

O Nobel da Economia abordou ainda as preocupações sobre o inverno na Europa, dizendo que muitas das incertezas e do sofrimento “são autoinfligidos”.

Stiglitz defendeu que os EUA e a Europa ainda não perceberam que estão em guerra e que isso desprotege as suas economias.

“A minha preocupação é que EUA e Europa ainda não tenham percebido que estamos em guerra. Quando os países estão em guerra, não deixam as economias como se estivessem em tempos de paz. As economias em guerra e em paz são diferentes. Continuam-se a utilizar os mercados, mas regulam-se muito mais”, sublinhou.

Nesse sentido, o Nobel da Economia referiu que, “ao não admitir que está em guerra, a Europa está a fazer com que as suas pessoas sofram muito mais”.

De igual forma, Stiglitz lançou uma crítica às fragilidades dos mercados, que resultaram do que disse ser a “vista curta” do neoliberalismo.

“Achávamos que o mercado estava muito melhor que o que estava, quando o mercado estava bem pior, e isso é parte da minha crítica ao neoliberalismo, tem vista curta e ninguém conseguia acreditar que tinha pouca resiliência”, referiu.

O economista acrescentou que, ao invés de uma subestimação da inflação, houve uma sobrestimação da resiliência dos mercados.

“Quando nos dizem que ‘subestimaram a inflação’, o que deveriam realmente dizer é que sobrestimaram a competência dos mercados, e os mercados provaram-se estar muito maus”, concluiu, dando o exemplo da escassez de leite em fórmula nas prateleiras de supermercados nos EUA.

A crise energética decorrente do conflito ucraniano é uma das principais preocupações dos países europeus, que se preparam para um inverno difícil.

Nas perspetivas hoje divulgadas, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) melhorou as perspetivas de crescimento da zona euro deste ano para 3,1%, mas piorou as do próximo ano para 0,3%, estimando ainda uma inflação de 8,1% este ano e de 6,2% no próximo.

Já a nível global, a OCDE manteve as perspetivas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial deste ano em 3%, prevendo que as economias do G20 cresçam 2,8% (menos 0,1 ponto percentual (pp.) do que em junho.
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20853
  • Recebeu: 2473 vez(es)
  • Enviou: 257 vez(es)
  • +1151/-1484
Re: Economia Mundial
« Responder #177 em: Outubro 10, 2022, 05:44:16 pm »
Nobel da Economia para três investigadores de crises financeiras


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 20853
  • Recebeu: 2473 vez(es)
  • Enviou: 257 vez(es)
  • +1151/-1484
Re: Economia Mundial
« Responder #178 em: Outubro 11, 2022, 06:07:14 pm »
FMI reduz perspetivas de crescimento para 2023


 

*

Hammerhead

  • Analista
  • ***
  • 783
  • Recebeu: 150 vez(es)
  • Enviou: 590 vez(es)
  • +49/-3124
Re: Economia Mundial
« Responder #179 em: Outubro 13, 2022, 05:06:47 pm »
 Russia takes over "Sakhalin-1 LNG" ...  bye bye ExxonMobile...

O verdadeiro sinal de inteligência não é o conhecimento, mas sim a imaginação.