Indústria de Defesa do Brasil

  • 340 Respostas
  • 116345 Visualizações
*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #300 em: Julho 03, 2023, 12:35:12 pm »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: PTWolf

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #301 em: Julho 08, 2023, 01:12:59 pm »
VÍDEO: Mac Jee finaliza testes de bombas das linhas BGB e BP no Centro de Avaliações do Exército


A nova BLU-109 é uma variante da BGB-84 de 2.000lbs porém dotada de "ponta preta" perfurante, e complementa o variado portifólio de bombas produzidas pela Mac Jee.
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #302 em: Julho 08, 2023, 01:16:18 pm »
Plano de Recuperação da Empresa foi APROVADO pelos credores!


Citar
O próximo passo é a homologação do plano de recuperação judicial pelo juiz responsável

O Processo de Recuperação Judicial da Avibras Aeroespacial e Defesa chegou ao seu momento mais importante na última Assembleia Geral de Credores, nesta quinta feira, seis de julho, com o plano de recuperação proposto sendo aceito praticamente por unanimidade.

A Recuperação  Judicial é um procedimento  previsto  na Lei nº 11.101/05/2005 que permite que empresas viáveis suspendam os prazos de pagamento e renegociem suas dívidas. Por meio dela, o devedor pode discutir junto aos credores uma saída para a crise econômico-financeira, de forma a preservar suas atividades.

Ao requerer a Recuperação Judicial o devedor poderá negociar prazos, deságios, encargos e condições especiais para o pagamento de obrigações vencidas e vincendas.

O devedor também terá a possibilidade de reduzir salários e jornada de trabalho por meio de acordo ou convenção coletiva, bem como poderá promover medidas de natureza societária, como cisão, incorporação, fusão ou transformação da sociedade, a constituição de subsidiária integral, ou ainda a cessão de cotas ou ações, bem como a alteração do controle societário. Durante o procedimento, o devedor poderá vender  ativos sem que haja sucessão do adquirente, maximizando o seu valor.

Na Assembleia Geral, realizada virtualmente, participaram os credores da Avibras reunidos em quatro classes:

Classe I – Credores trabalhistas
Classe II – Credores com garantia real (penhor e hipoteca)
Classe III – Credores quirografários (sem garantias)
Classe IV – Credores ME ou EPP (microempresa ou empresa de pequeno porte)

Todas as classes de credores devem aprovar a proposta, de acordo com os seguintes critérios:

Classe I – Maioria simples dos credores presentes, independentemente do valor de seu crédito
Classe II – Mais da metade do valor total dos créditos presentes à assembleia e, cumulativamente, pela maioria simples dos credores presentes
Classe III – Mais da metade do valor total dos créditos presentes à assembleia e, cumulativamente, pela maioria simples dos credores presentes
Classe IV – Maioria simples dos credores presentes, independentemente do valor de seu crédito

Segundo informa Guilherme Marcondes Machado “Geralmente, a Classe III (credores sem garantias) é a que tem mais credores, portanto é natural que alguns votem contrariamente ao plano. Na classe I (trabalhistas), somente um credor votou contrariamente ao plano. O restante aprovou ou se absteve.”


Cumpridas as exigências legais, o juiz concederá a recuperação judicial do devedor cujo plano não tenha sofrido objeção ou que tenha sido aprovado pela Assembleia Geral de Credores. O juiz também poderá conceder a recuperação judicial com base em plano que não obteve aprovação desde que, na mesma Assembleia, tenha obtido, de forma cumulativa:

o voto favorável de credores que representem  mais  da metade do valor de todos os créditos presentes à assembleia, independentemente de classes;
na classe que houver rejeitado o plano, o voto favorável de mais de 1/3 (um terço) dos
a aprovação das demais classes de credores.
Agora é aguardar a sequência do rito processual devido, mas o objetivo declarado por João Brasil, CEO da Avibras, em entrevista e este jornalista, está cada vez mais próximo “Chegar ao ano de 2024 com a empresa em franca recuperação e voltar a trabalhar em níveis que representem a grandeza e o legado da Avibras dentro do ecossitema Base Industrial de Defesa brasileira.”


 :arrow:  https://caiafamaster.com.br/avibras-urgente-plano-de-recuperacao-da-empresa-foi-aprovado-pelos-credores/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #303 em: Julho 28, 2023, 01:34:20 pm »
Turquia e Brasil iniciam acordo de cooperação sobre indústria de defesa tendo os drones como protagonistas


Citar
Os drones da Baykar são utilizados por mais de 31 países e responsáveis por garantir a soberania em combates reais em vários deles

Hoje, 27 de julho de 2023, uma comitiva das Forças Armadas Brasileiras e integrantes da Secretaria de Produtos de Defesa (SEPROD / Ministério da Defesa), em visita oficial a Turquia, conheceu as instalações industriais da empresa turca de defesa Baikar, fabricante de sofisticados drones mundialmente conhecidos, dentre eles o Bayraktar #KIZILELMA, com capacidade stealth, e o #Bayraktar TB-2, sistema que já alcançou a marca de 600 mil horas de voo se somadas as experiências de todos os usuários do modelo!

O Ministério da Defesa (MD), por meio da Secretaria de Produtos de Defesa (SEPROD), ja havia assinado Acordo de Cooperação sobre indústria de defesa com a presidência das indústrias de defesa da Turquia.

A iniciativa garantiu condições apropriadas para pesquisa, desenvolvimento, produção e modernização do setor, intercâmbios, participações em eventos comerciais e outras agendas consideradas reservadas.

Mas com o que Brasil e Turquia podem se beneficiar mutuamente?

Segundo Renato Werner Queiroz, especialista em tecnologias de defesa e representante da Baykar para América Latina , a resposta é simples: DRONES, DRONES E DRONES !

O Brasil, através da Embraer, é mundialmente reconhecido por fabricar excelentes aviões, e agora, e-VTOLS.

A Turquia, através da Baykar, é mundialmente reconhecida como líder de inovação tecnológica no emprego militar de drones, do “pequeno” TB-2 ao “furtivo” Kizilelma, seus projetos rapidamente adquiriram uma sólida reputação.


A iniciativa garantiu condições apropriadas para pesquisa, desenvolvimento, produção e modernização do setor, intercâmbios, participações em eventos comerciais e outras agendas consideradas reservadas.

Mas com o que Brasil e Turquia podem se beneficiar mutuamente?

Segundo Renato Werner Queiroz, especialista em tecnologias de defesa e representante da Baykar para América Latina , a resposta é simples: DRONES, DRONES E DRONES !

O Brasil, através da Embraer, é mundialmente reconhecido por fabricar excelentes aviões, e agora, e-VTOLS.

A Turquia, através da Baykar, é mundialmente reconhecida como líder de inovação tecnológica no emprego militar de drones, do “pequeno” TB-2 ao “furtivo” Kizilelma, seus projetos rapidamente adquiriram uma sólida reputação.

O Comandante-Geral de Apoio da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Pedro Luís Farcic, recebe uma maquete do drone Bayraktar Akıncı. Esse poderia ser o primeiro UCAV da FAB?

Então, a cooperação tem o seu start propondo a união entre o expertise brasileiro na fabricação de aviões de diversos tipos e performances com a excelência turca em aeronaves robot autônomas, pilotadas remotamente e capazes de executar missões de combate mais as tradicionais tarefas de reconhecimento, vigilância, inteligência e designação de alvos.

Alvos que podem ser atacados por diferentes tipos de mísseis e armamentos inteligentes projetados e produzidos na Turquia e atualmente inexistentes nos portifólios do Exército Brasileiro, da Marinha do Brasil e da Força Aérea Brasileira.

Programas das Forças Brasileiras

As convergências ficam mais evidentes quando se sabe que o Ministério da Defesa brasileiro e as três forças nacionais estão conduzindo importantes programas de aquisições de drones/vant/ucav.

O Exército já está operando um híbrido de curto alcance capaz de pousos e decolagens verticais armado com um pequeno míssil (em integração), mas falta algo mais pesado, capaz de designar e atacar alvos em solo empregando armamento de maior poder de fogo e a grandes distâncias.

A Marinha já possui o seu VANT tático de reconhecimento e exploração capaz de operar bem em diversos navios da Esquadra empregando um interessante sistema de recuperação, mas inexiste a capacidade de atacar alvos de superfície usando um drone de combate navalizado armado com mísseis de longo alcance.

Na Força Aérea, as capacidades ISR/ISTAR estão bem desenvolvidas, mas falta um vetor de ataque autônomo de grande capacidade, exatamente o perfil do Bayraktar Akıncı.


 :arrow:  https://caiafamaster.com.br/turquia-e-brasil-iniciam-acordo-de-cooperacao-sobre-industria-de-defesa-tendo-os-drones-como-protagonistas/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #304 em: Agosto 15, 2023, 02:21:42 pm »
Empresas do Brasil e Emirados Árabes vão desenvolver motores para drones e mísseis


Citar
O EDGE, um dos principais grupos mundiais de tecnologia avançada e defesa, assinou nesta semana um acordo estratégico com a Turbomachine, uma das principais desenvolvedoras de turbinas do Brasil. A Turbomachine é especializada em pesquisa, inovação e desenvolvimento de motores de turbina a gás e soluções de combustão assistida por plasma no domínio aeroespacial. O acordo permitirá que EDGE e Turbomachine colaborem estreitamente no desenvolvimento de motores, incluindo turbofan e propellant fan, para o portfólio de UAVs e mísseis da EDGE. A assinatura ocorreu na sede da Turbomachine, na cidade de São José dos Campos.

A visita à Turbomachine fez parte de uma delegação de alto nível da EDGE ao Brasil, onde o grupo tem se encontrado com dignitários locais e grandes players e parceiros da indústria brasileira. As visitas permitem que a EDGE abra caminho para uma maior colaboração em troca de conhecimentos, cooperação em P&D e o codesenvolvimento de sistemas de defesa avançados, entre outros.

“Nossa colaboração com o Grupo EDGE destaca nossas capacidades e o desempenho e eficácia de nossas soluções de motor. A parceria com a EDGE no desenvolvimento inovador de turbinas para UAVs e mísseis traça um caminho para grandes conquistas no futuro”, comentou Alberto Carlos Pereira Filho, CEO/Fundador da Turbomachine.


Lançada em novembro de 2019, a EDGE é um dos principais grupos mundiais de tecnologia avançada. Sua sede é em Abu Dhabi, capital dos EAU, e consolida mais de 25 entidades em cinco clusters principais: Plataformas & Sistemas, Mísseis & Armas, Espaço & Tecnologias Cibernéticas, Comércio & Suporte de Missão e Segurança Nacional.

“A parceria com a Turbomachine marca um passo significativo em direção ao avanço de nossas capacidades tecnológicas e ao fortalecimento de nosso compromisso com a inovação nos setores aeroespacial e de defesa. Juntos, esperamos desenvolver motores de turbina a gás e soluções de combustão assistida por plasma, que aumentarão o poder e desempenho do portfólio de UAVs e mísseis da EDGE”, disse Hamad Al Marar, Presidente do cluster de Mísseis e Armas da EDGE.

 :arrow:  https://www.edrotacultural.com.br/empresas-do-brasil-e-emirados-arabes-vao-desenvolver-motores-para-drones-e-misseis/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #305 em: Setembro 05, 2023, 07:06:27 pm »
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #306 em: Outubro 02, 2023, 05:58:42 pm »
Avibras Establishes Strategic Partnership with New Technologies Global Systems (NTGS)


Citar
Avibras confirmed on September 22nd, its intention to establish a strategic partnership with New Technologies Global Systems (NTGS), a Spanish defence industry focused on expanding its business in the international market. The strategy is to become a multinational company through partnerships with Spanish companies and the consolidation of a European subsidiary. The agreement will allow the company to bid for the new High Mobility Launcher System (SILAM) program for the Spanish Army, with the production of the ASTROS Missile and Rocket Artillery System, which is combat-proven and well established in the world defence market. The technology transfer of the system foreseen in the cooperation will depend on the needs of the Spanish government, and the intellectual property will remain at Avibras’ headquarters in Brazil. In addition to focusing on its economic and financial recovery to increase its participation in the international market, Avibras is adopting a series of strategies and actions to become even more competitive, including the establishment of strategic partnerships to further strengthen its portfolio of high value-added products and further explore export opportunities to expand its presence in the global market.

Astros (Artillery Saturation Rocket System) is a self-propelled multiple rocket launcher produced in Brazil by the Avibras company. It features modular design and employs rockets with calibers ranging from 127 to 450 mm (5–17.72 inches). It was developed on the basis of a Tectran VBT-2028 6×6 all-terrain vehicle for enhanced mobility based on Mercedes-Benz 2028 truck chassis while later versions use Tatra 815-7 chassis. A full Astros system includes 1 wheeled 4×4 Battalion level Command Vehicle (AV-VCC), which commands 3 batteries, and a series of 4×4 and 6×6 wheeled vehicles. In the older version of the system, the fire control vehicle were listed as optional vehicle in a battery. The command vehicles and weather stations are recent additions, designed to improve overall system performance on newer versions. All vehicles are transportable in a C-130 Hercules. The launcher is capable of firing rockets of different calibers armed with a range of warheads. Each rocket resupply truck carries up to two complete reloads.


The next step is an ambitious program, the ASTROS III (ASTROS 2020), based on a 6×6 wheeled chassis. Being a new concept, it will require an estimated investment of R$1.2 billion, of which about US$210 million will be invested solely in development. It will be integrated with the cruise missile AVMT-300 with 300-km range during the stage of testing and certification. It is said that the venture will, for example, enable the Army to integrate the Astros with defense anti-aircraft guns, paving the way for the utilization of common platforms, trucks, parts of electronic sensors and command vehicles. The new tracking radar used by MK6 AV-UCF was later revealed to be the Fieldguard 3 Military Measurement System from Rheinmetall Air Defence. The Astros 2020 will also be equipped with a 180 mm GPS-guided rocket called the SS-AV-40G with a range of 40 km (25 mi) and SS-150 newly developed rockets with a claimed maximum range of 150 km. Four of them are carried. 36 Astros 2020 systems are to be acquired.

Avibrás Indústria Aeroespacial, based in Jacareí, São José dos Campos, Brazil, is a diversified Brazilian company which designs, develops and manufactures defense products and services.[2] Its range of products encompasses artillery and aircraft defense systems, rockets and missiles such as air-to-ground and surface-to-surface weapon systems, including artillery rocket systems; 70 mm air-to-ground systems and fiber optic multi-purpose guided missiles. It makes armoured vehicles as well. It also manufactures civilian transportation through a division called Tectran, telecommunications equipment, electronic industrial equipment (Powertronics), automotive painting and explosives. With more than 60 years of experience and certified as a Strategic Defence Company (EED), Avibras has consolidated its position as one of the world’s leading companies in the Defence and Aerospace segment, with the development and manufacture of special vehicles for military purposes, becoming a reference in Multiple Rocket Launch System (MRLS), ballistic and guided rockets, missiles and pioneering participation in space research programs.

 :arrow: https://militaryleak.com/2023/10/02/avibras-establishes-strategic-partnership-with-new-technologies-global-systems-ntgs/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #307 em: Outubro 02, 2023, 08:14:51 pm »
Força Aérea e Stella Tecnologia assinam memorando em Brasília
.


Citar
O Condor é uma plataforma em desenvolvimento para atender as necessidades de monitoramento persistente de fronteiras com habilidade de embarcar múltiplos sensores e subsistemas (incluindo armamento) com um payload máximo de até 390 kg por 40 horas


Durante concorrida cerimônia realizada no Comando da Força Aérea Brasileira, em Brasília, nesta quinta feira, a FAB, representada pelo seu comandante, Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno, e a Stella Tecnologia, representada pelo seu CEO, Gilberto Buffara, assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) sobre o desenvolvimento conjunto da plataforma MALE UCAV Condor, que quando alçar voo será a maior aeronave remotamente pilotada projetada e construída no Brasil, superando outro projeto da Stella Tecnologia, o Atobá.

O Condor é uma plataforma em desenvolvimento para atender as necessidades de monitoramento persistente de fronteiras com habilidade de embarcar múltiplos sensores e subsistemas (incluindo armamento) com um payload máximo de até 390 kg por 40 horas.

Durante concorrida cerimônia realizada no Comando da Força Aérea Brasileira, em Brasília, nesta quinta feira, a FAB, representada pelo seu comandante, Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno, e a Stella Tecnologia, representada pelo seu CEO, Gilberto Buffara, assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) sobre o desenvolvimento conjunto da plataforma MALE UCAV Condor, que quando alçar voo será a maior aeronave remotamente pilotada projetada e construída no Brasil, superando outro projeto da Stella Tecnologia, o Atobá.

O Condor é uma plataforma em desenvolvimento para atender as necessidades de monitoramento persistente de fronteiras com habilidade de embarcar múltiplos sensores e subsistemas (incluindo armamento) com um payload máximo de até 390 kg por 40 horas.

Além disso, outro diferencial é o alcance do seu datalink quando utilizando informações satelitais.





Dados técnicos:

MTOW: 1400 kg
Comprimento: 9 metros
Envergadura: 15 metros
Motorização: 145 hp
Carga-paga: 390 kg
Autonomía: 40 horas
Alcance do datalink: 250km
Alcance do datalink satelital: ilimitado
Decolagem e pouso: 600 metros

Possibilidade de embarcar múltiplos sensores

 :arrow:  https://caiafamaster.com.br/condor-ucav-o-maior-da-america-latina-forca-aerea-e-stella-tecnologia-assinam-memorando-em-brasilia/
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: PTWolf

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #308 em: Outubro 02, 2023, 08:15:19 pm »
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #309 em: Outubro 04, 2023, 08:59:13 pm »
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 19898
  • Recebeu: 2202 vez(es)
  • Enviou: 254 vez(es)
  • +877/-1459
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #310 em: Outubro 04, 2023, 09:05:06 pm »
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #311 em: Outubro 04, 2023, 09:13:26 pm »
Avibras e seus projetos: Míssil de cruzeiro tático anti-navio, Astros III, Astros AFC e míssil de cruzeiro tático







 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 19898
  • Recebeu: 2202 vez(es)
  • Enviou: 254 vez(es)
  • +877/-1459
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #312 em: Outubro 09, 2023, 09:18:38 pm »
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #313 em: Novembro 06, 2023, 06:54:05 pm »
USV SUPPRESSOR


O SUPPRESSOR é a primeira embarcação autônoma de superfície multipropósito, com tecnologia nacional, do mercado de defesa brasileiro e da América Latina. O Projeto SUPPRESSOR foi desenvolvido pela EMGEPRON, em parceria com a TIDEWISE, startup brasileira que desenvolve, integra e opera sistemas navais autônomos. Ademais, proporciona inovação tecnológica às atividades marítimas complexas realizadas no mar, com redução de custos e de exposição humana a riscos, além de compatibilidade com os sensores mais modernos do mercado e o uso integrado de drones.

O SUPPRESSOR oferece mobilidade estratégica, seja por via terrestre, marítima ou aérea, otimizando custos logísticos e operacionais, proporcionando versatilidade, permanência e resiliência em ambientes operacionais marítimos desgastantes ou de elevado risco humano. Adicionalmente, provê maior viabilidade econômica operacional e sustentabilidade ambiental.

A sua plataforma apresenta um importante aspecto dual, de emprego civil ou militar, pois pode ser configurada de forma a atender ao mercado de defesa, para a guerra de minas, guerra antissubmarino, patrulha naval ou reconhecimento (ISR), mas também às atividades civis de segurança pública, como de vigilância em áreas fluviais ou costeiras de relevado risco, além de monitoramento de ativos offshore, levantamento hidrográficos e pesquisa oceanográfica, inclusive em região polar.

Para tal, visando atender as diversas necessidades de seus clientes, o Projeto oferece duas linhas de produtos, o SUPPRESSOR 7 e o SUPPRESSOR 11, que podem ter suas configurações estabelecidas conforme as respectivas demandas:

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:

SUPPRESSOR 7

Comprimento: 7 m
Boca: 2,5 m
Velocidade máxima: >25 nós
Velocidade de varredura: 5-6 nós
Deslocamento: 5 t
Propulsão: 2 eixos convencionais com motores a diesel
Sensores acima d'água: Radar de navegação, 3D LIDAR e câmera PTZ
Sensores abaixo d'água: Sonar multifeixe de casco


SUPPRESSOR 11

Comprimento: 11 m
Boca: 2,95 m
Velocidade máxima: >35 nós
Velocidade de varredura: 6-8 nós
Deslocamento: 8 t
Propulsão: 2 motores waterjets
Sensores acima d'água: Radar de navegação, 3D LIDAR e câmera PTZ
Sensores abaixo d'água: Sonar multifeixe de casco


ÁREAS DE ATUAÇÃO DO SUPPRESSOR:

Levantamento hidrográfico
Monitoramento Ambiental
Pesquisa oceanográfica
Inspeção de Ativos Offshore
Guerra de Minas
Guerra Antissubmarino
Patrulha Naval
Inteligência, Vigilância e Recoinhecimento (Intelligence, Surveillance & Reconnaissance - ISR)

As primeiras entregas do Suppressor estão programadas para o início de 2026. Por isso a Emgepron está elaborando a lista de pré-reserva, que permitirá um planejamento adequado e o pleno atendimento aos requisitos solicitados por cada cliente. Cada Suppressor sairá com configurações totalmente customizadas. Ao fazer uma “pré-reserva”, sua organização não se comprometerá com garantias ou compromissos.








 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: PTWolf

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 6748
  • Recebeu: 928 vez(es)
  • Enviou: 473 vez(es)
  • +8952/-10215
Re: Indústria de Defesa do Brasil
« Responder #314 em: Novembro 13, 2023, 06:05:14 pm »