Energias Renováveis

  • 269 Respostas
  • 65169 Visualizações
*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: Energias Renováveis
« Responder #255 em: Agosto 02, 2020, 03:54:06 am »
A meu ver não é o investimento no hidrogénio que está mal. São todos os outros!!!!

Ficámos para trás na revolução industrial do séc IXX, ficámos para trás na revolução tecnológica da segunda metade do séc XX, na industria aeronáutica, espacial, informática, automóvel... Em quase tudo!!

Não devemos ficar para trás num sector que que nos pode colocar fora da dependência energética de outros países.

Investir no hidrogénio não é mau, o volume de dinheiro que vamos investir é que me preocupa!!!!!

Ainda por cima parece-me, pelas empresas identificadas, que é o mesmo lóbie que já está metido na produção eólica subsidiada por todos nós. Parece que a mais que evidente sobre-exposição à energia eólica intermitente e que produz essencialmente à noite, vai ser novamente financiada para armazenar esse excesso de energia através do hidrogénio!? Julgo que será isso.

Deixo uma entrevista lúcida de um professor universitário a abordar o assunto e que tanto chateou o Mister Galamba:
Outro pormenor, efectivamente devíamos apostar muito mais na indústria, é uma evidência, mas insisto que quem nunca visitou o norte e o centro (aconselho ver os pólos industriais de Braga, Guimarães, Felgueiras, do Porto que tem vários, Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Aveiro.....
Nós temos muitas milhares de empresas industriais que funcionam muito bem e produzem imenso, não olhem só para a capital ou sul do país que de facto não tem quase indústria nenhuma! O norte e centro litoral tem imensa indústria que produz qualquer coisa (desde a mais simples à mais complexa), desde robótica, máquinas industriais, sector automóvel, aeronáutica, calçado, polímeros e moldes, energia, .........

https://eco.sapo.pt/2019/09/17/industria-no-norte-comercio-no-sul-em-que-setores-trabalham-os-portugueses/
https://www.dinheirovivo.pt/economia/turismo-industria-e-energia-fazem-do-norte-regiao-que-mais-cresceu-em-2018/

Neste período de mais ou menos confinamento, convido-os a visitarem os pólos industriais do norte e centro, vão ficar com outra ideia totalmente diferente do país, não olhem só para a capital que vive dos serviços e função pública (sedes das instituições públicas e das empresas) e que não produz um parafuso  :mrgreen:
« Última modificação: Agosto 02, 2020, 03:56:48 am por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW, perdadetempo

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: Energias Renováveis
« Responder #256 em: Agosto 11, 2020, 01:30:24 am »
Ligar interruptores acima das nossas possibilidades
de José Diogo Quintela

A electrólise portuguesa é superior às outras. Além de separar hidrogénio de oxigénio, consegue ainda separar contribuintes portugueses de 7 mil milhões de euros.

Estou muito entusiasmado com a Estratégia Nacional para o Hidrogénio. Segundo percebo, vamos passar uma corrente eléctrica por água para separar o hidrogénio do oxigénio e ficar assim com combustível. Como a electricidade é gerada por painéis solares, na prática vamos usar energia cara para produzir energia caríssima. É um processo químico chamado electrólise que, pelos preços que têm sido noticiados, nos vai deixar electrolisos. Porque a electrólise portuguesa é superior às outras. Além de separar hidrogénio de oxigénio, consegue ainda separar contribuintes portugueses de 7 mil milhões de euros. (É o valor que o Governo diz que vai ser investido por privados, o que quer dizer que é o valor com que o Governo vai subsidiar os privados, para que possam investir sem risco).

O Governo diz que temos mesmo de apostar no hidrogénio por causa da descarbonização e do clima. Que é a mesma justificação que nos deram para apostarmos nas energias renováveis. Em Portugal, mais renovável do que a energia eólica e solar, só a lábia do Governo a vender banha da cobra. Que, se fosse uma venda literal, acabava por prejudicar menos, porque a banha sempre é uma fonte de energia mais barata.

Entretanto, 15 anos e muitas facturas de electricidade depois, os portugueses já puderam ver o resultado do grande investimento em renováveis que foram obrigados a fazer. Um sacrifício que teve grande impacto no aquecimento global, como sabe toda a gente que se lembra daquele dia, em Maio de 2017, em que esteve frescote de manhã. Fomos nós! Valeu a pena.

Mas não é apenas o imperativo ético que leva o Governo a avançar com o hidrogénio. Parece que também acha que é um bom negócio, porque hoje é uma tecnologia cara, pouco testada e pouco disseminada. E, como é evidente, é muito mais vantajoso meter mais dinheiro agora do que menos dinheiro quando a tecnologia já for barata e de uso corrente. É o raciocínio das pessoas que, numa loja, pedem ao vendedor para fazer “preço de inimigo”.

No fundo, é o equivalente a perguntar a alguém: “Se tivesses de levar um murro do Muhammad Ali, preferias levar a 25 de Fevereiro de 1964, quando ganhou o primeiro título mundial, ou a 3 de Junho de 2016, mesmo antes de morrer de Parkinson?” Está visto que o Governo optava pelo soco do jovem Ali. Custa mais, mas confere mais prestígio. É que dizer “levei um murro do Muhammad Ali” impressiona menos do que “leei uu muu do uaaa aui”, que é a mesma frase dita por alguém sem dentes.

Há outra forma de produzir hidrogénio, através da queima de gás natural. Sucede que é mais barata. Isso, como é obvio, não nos interessa, porque não nos destaca. Queremos a mais cara, a que faz hidrogénio verde. Há quem julgue que se chama “verde” por ser a mais ecológica, mas é por ser a cor do dinheiro que é desperdiçado. É possível que, se queimarmos o dinheiro numa fornalha, a energia produzida seja mais barata.

A ideia que dá é que só estamos a embarcar no hidrogénio para armar ao pingarelho na Europa. Já não bastava termos da energia mais cara da UE, agora temos a mais fina. Quando virem, os países do Norte vão deixar de criticar o que gastamos em vinho e passar a criticar o que esbanjamos em electricidade. Aliás, vão passar a ser compreensivos com o que gastamos em vinho: ao preço que está a energia para aquecedores, é graças ao álcool que nos mantemos quentes. Estamos a ligar interruptores acima das nossas possibilidades. Se o objectivo é sobressair, fomos bem-sucedidos. Portugal mostrou que é um país singular, o único país do mundo em que a Tabela Periódica funciona ao contrário e o hidrogénio só vem depois do ouro. Muito ouro.

Agora, quem diz que o hidrogénio é uma energia limpa, sem resíduos, nunca viu a conta de Twitter do Sec. de Estado da Energia. A sujeira que para ali vai. João Galamba tuíta insultos com uma cadência impressionante. Se calhar, era mais barato aproveitar a fúria com que bate nas teclas como fonte de energia. Em vez de hidrogénio, mau génio. No Twitter, João Galamba apresenta-se com uma foto sua em criança. Faz sentido. Pode estar a falar de assuntos de Estado, mas a postura é de um garoto brigão no recreio. Não tenho acompanhado sempre, mas é provável que já tenha sido usado o argumento “o meu pai é polícia e bate no teu”.

Não é a primeira vez que um profeta salva um povo através de um processo de divisão de água. Tal como João Galamba levará os portugueses até à plenitude energética, separando hidrogénio de oxigénio, há 4 mil anos Moisés conduziu os hebreus até à Terra Prometida, apartando as águas do Mar Vermelho. Moisés e Galamba, dois predestinados. Um acha-se numa missão divina; o outro foi resgatado das águas do Nilo pela filha do Faraó.

Galamba é incansável no ataque a quem discorda dele. Nunca pára. Parece mesmo o coelhinho da Duracel. Dura, dura, dura. A diferença é que a energia que o coelhinho da Duracel vende é barata.

https://observador.pt/opiniao/ligar-interruptores-acima-das-nossas-possibilidades/

Bem apanhado: "João Galamba tuíta insultos com uma cadência impressionante. Se calhar, era mais barato aproveitar a fúria com que bate nas teclas como fonte de energia. Em vez de hidrogénio, mau génio."     :mrgreen:
« Última modificação: Agosto 11, 2020, 01:32:33 am por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

dc

  • Investigador
  • *****
  • 5274
  • Recebeu: 1638 vez(es)
  • Enviou: 412 vez(es)
  • +342/-244
Re: Energias Renováveis
« Responder #257 em: Agosto 11, 2020, 09:53:27 am »
Eu cá acho que esse artigo é algo que o Trump diria contra as energias renováveis. Parece mais anti-energias renováveis, que outra coisa. É também alarmante que qualquer cromo ligado ao negócio das energias não renováveis, pudesse vir opinar o mesmo e o pessoal aceitava logo a opinião.

Se o uso de energia for baseado apenas no factor "preço para o consumidor", estamos bem tramados, já que esta é a única vantagem das energias não renováveis.
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: Energias Renováveis
« Responder #258 em: Agosto 11, 2020, 10:21:22 am »
Eu cá acho que esse artigo é algo que o Trump diria contra as energias renováveis. Parece mais anti-energias renováveis, que outra coisa. É também alarmante que qualquer cromo ligado ao negócio das energias não renováveis, pudesse vir opinar o mesmo e o pessoal aceitava logo a opinião.

Se o uso de energia for baseado apenas no factor "preço para o consumidor", estamos bem tramados, já que esta é a única vantagem das energias não renováveis.

É a função dele, que é humorista.

Eu por exemplo sou a favor do hidrogénio, aliás já coloquei aqui vários artigos sobre o hidrogénio.
A questão não é esse, é o facto de quase todos os projectos que nos vão fazer gastar 7 mil milhões de euros no hidrogénio, vêem dos mesmos lobbies que já estão a ser subsidiados nas eólicas e solar! A brincar o autor coloca o dedo na ferida, quer a eólica quer a solar são subsidiadas e principalmente a eólica produz imenso...... mas à noite!!!!
Gastar energia cara para produzir outra mais cara não me parece uma grande solução e então pelos valores envolvidos!!!!!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10864
  • Recebeu: 1728 vez(es)
  • Enviou: 4732 vez(es)
  • +279/-136
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Energias Renováveis
« Responder #259 em: Agosto 27, 2020, 07:52:09 pm »

É na Austrália mas por cá é parecido...  :o  :mrgreen:
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 9031
  • Recebeu: 1323 vez(es)
  • Enviou: 1457 vez(es)
  • +186/-61
Re: Energias Renováveis
« Responder #260 em: Fevereiro 04, 2021, 01:37:52 am »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 17094
  • Recebeu: 1772 vez(es)
  • Enviou: 1625 vez(es)
  • +296/-1202
Re: Energias Renováveis
« Responder #261 em: Fevereiro 23, 2021, 04:17:48 pm »
Enquanto isso na Dinamarca:

7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 12470
  • Recebeu: 622 vez(es)
  • Enviou: 237 vez(es)
  • +342/-231
Re: Energias Renováveis
« Responder #262 em: Março 02, 2021, 06:20:48 pm »
Produção de energia renovável atingiu máximo desde abril de 1979




A produção de energia renovável em Portugal atingiu em fevereiro o valor mais alto desde abril de 1979, tendo a energia hidráulica atingido o maior valor de sempre, divulgou hoje a REN - Redes Energéticas Nacionais.

De acordo com a REN, "a produção renovável abasteceu 88% do consumo de energia elétrica em fevereiro, incluindo saldo exportador, e a não renovável os restantes 12%", pelo que se trata "da percentagem renovável mais elevada desde abril de 1979".

"O saldo de trocas com o estrangeiro, exportador, equivaleu a cerca de 20% do consumo nacional", de acordo com a empresa energética, que também assinala que "o consumo de energia elétrica apresentou uma contração homóloga de 3,1%, devido fundamentalmente ao efeito de ano bissexto, com menos um dia este ano".

Segundo a empresa liderada por Rodrigo Costa, "com correção de temperatura e dias úteis, a queda atenua-se para 0,8%, não se verificando efeito significativo do confinamento devido à pandemia", com a evolução anual a registar "uma variação marginalmente positiva, com 0,1%, ou menos 1,3% com correção de temperatura e dias úteis".

Em fevereiro, "as condições foram particularmente favoráveis para as energias renováveis. O índice de produtibilidade hidroelétrica situou-se em 1,85 (média histórica igual a 1), com a produção hidráulica a registar a produção mensal mais elevada de sempre, com 2709 GWh [Gigawatt-hora], enquanto o índice de produção eólica registou 1,19 (média histórica igual a 1)", de acordo com a empresa.

Já no período de janeiro e fevereiro "o índice de produtibilidade hidroelétrica situou-se em 1,39 (média histórica igual a 1) e o de produtibilidade eólica em 1,14 (média histórica igual a 1)".

"Nestes dois meses, a produção renovável abasteceu 79% do consumo, repartida pela hidroelétrica com 42%, eólica com 30%, biomassa com 5% e fotovoltaica com 2%", ao passo que a produção não renovável "abasteceu 21% do consumo, fundamentalmente com gás natural, representando o carvão apenas 2%", tendo o saldo de trocas com o estrangeiro, exportador, sido de cerca de 6% do consumo nacional.

A REN destaca que "no mercado de gás natural registou-se em fevereiro uma variação homóloga negativa em 25%", algo explicado devido "ao segmento de produção de energia elétrica, que recuou 77%, condicionado pela elevada disponibilidade de energia renovável", tendo o segmento convencional registado uma evolução positiva de 2,6%, sem efeitos do confinamento.

"No final de fevereiro, o consumo acumulado anual de gás natural regista agora uma variação negativa de 17%, com um crescimento de 2,4% no segmento convencional e uma contração de 52% no segmento de produção de energia elétrica", pode ler-se no final do comunicado da REN.

Em janeiro tinham sido batidos os recordes de consumo de eletricidade, com um crescimento homólogo de 2,7%, tendo a REN registado no mês "uma primeira quinzena muito forte devido às temperaturas baixas e uma segunda quinzena já em queda, com o novo confinamento".


 :arrow: https://www.noticiasaominuto.com/economia/1701036/producao-de-energia-renovavel-atingiu-maximo-desde-abril-de-1979?fbclid=IwAR27KxPiF3_jxsgaV-2wjifDfsnetmo9YE8Dl9PZhH_pkPR3z9u7m1EX9tc
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 10864
  • Recebeu: 1728 vez(es)
  • Enviou: 4732 vez(es)
  • +279/-136
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Energias Renováveis
« Responder #263 em: Outubro 05, 2021, 05:42:28 pm »




 Sistema de Fotovoltaico c/ 158 KWp
 245 MWh / ano
 Evita 62 ton CO2 / ano
 Edifício de Escritórios
Parque das Nações, Lisboa

https://www.facebook.com/solvenag01/photos/pcb.2955329171257789/2955329081257798/
« Última modificação: Outubro 05, 2021, 05:43:58 pm por HSMW »
https://www.youtube.com/user/HSMW/videos

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Viajante

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: Energias Renováveis
« Responder #264 em: Novembro 03, 2021, 04:31:54 pm »
Uma notícia empolgante para os amigos ambientalistas e compadres da Madre Greta do Clima!
Um carregamento de 40 minutos na A1, equivalente para fazer 200km, custou mais de 57€!!!!

Nada como ser ambientalista e pagar mais caro do que o dono de um carro a combustão!

Nada como empurrarmos o país para a vanguarda das energias renováveis....... pagas a peso de ouro! Mas ainda bem que nadamos em dinheiro, também quem é pobretanas e depois de gastar 40 ou 50 000€ na compra de um carro eléctrico, quem é que não consegue pagar 30€ por cada 100km!?!?!?

Reportagem na SIC: https://www.facebook.com/100001497349914/posts/4641560882570444/?d=n

Ah, e já me esquecia, e quando por exemplo, tiverem de substituir as baterias de um Nissan Leaf de 35 ou 40 000€, ao fim de 200 000km...... pela módica quantia de 15 000€!!!!!!
« Última modificação: Novembro 03, 2021, 04:33:43 pm por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 8688
  • Recebeu: 4033 vez(es)
  • Enviou: 2829 vez(es)
  • +4030/-561
Re: Energias Renováveis
« Responder #265 em: Novembro 03, 2021, 07:05:24 pm »
Uma notícia empolgante para os amigos ambientalistas e compadres da Madre Greta do Clima!
Um carregamento de 40 minutos na A1, equivalente para fazer 200km, custou mais de 57€!!!!

Nada como ser ambientalista e pagar mais caro do que o dono de um carro a combustão!

Nada como empurrarmos o país para a vanguarda das energias renováveis....... pagas a peso de ouro! Mas ainda bem que nadamos em dinheiro, também quem é pobretanas e depois de gastar 40 ou 50 000€ na compra de um carro eléctrico, quem é que não consegue pagar 30€ por cada 100km!?!?!?

Reportagem na SIC: https://www.facebook.com/100001497349914/posts/4641560882570444/?d=n

Ah, e já me esquecia, e quando por exemplo, tiverem de substituir as baterias de um Nissan Leaf de 35 ou 40 000€, ao fim de 200 000km...... pela módica quantia de 15 000€!!!!!!

Viajante, essa criança fala muito bem, mas não passa disso, um discurso muito bem alinhavado mas oco !!

E o que se vai fazer às  baterias em fim de vida ?
Reciclagem?
Será que façam o que lhes fizerem no fim de vida será que não acabarão por ter um efeito poluidor mais nefasto que um motor a combustão com vinte anos de funcionamento??

Abraços

« Última modificação: Novembro 03, 2021, 07:07:50 pm por tenente »


Quando um Povo não Respeita as Suas FFAA, Não Respeita a Sua História nem se Respeita a Si Próprio  !!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Viajante

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: Energias Renováveis
« Responder #266 em: Novembro 04, 2021, 05:45:05 pm »
Uma notícia empolgante para os amigos ambientalistas e compadres da Madre Greta do Clima!
Um carregamento de 40 minutos na A1, equivalente para fazer 200km, custou mais de 57€!!!!

Nada como ser ambientalista e pagar mais caro do que o dono de um carro a combustão!

Nada como empurrarmos o país para a vanguarda das energias renováveis....... pagas a peso de ouro! Mas ainda bem que nadamos em dinheiro, também quem é pobretanas e depois de gastar 40 ou 50 000€ na compra de um carro eléctrico, quem é que não consegue pagar 30€ por cada 100km!?!?!?

Reportagem na SIC: https://www.facebook.com/100001497349914/posts/4641560882570444/?d=n

Ah, e já me esquecia, e quando por exemplo, tiverem de substituir as baterias de um Nissan Leaf de 35 ou 40 000€, ao fim de 200 000km...... pela módica quantia de 15 000€!!!!!!

Viajante, essa criança fala muito bem, mas não passa disso, um discurso muito bem alinhavado mas oco !!

E o que se vai fazer às  baterias em fim de vida ?
Reciclagem?
Será que façam o que lhes fizerem no fim de vida será que não acabarão por ter um efeito poluidor mais nefasto que um motor a combustão com vinte anos de funcionamento??

Abraços

Precisamente.
Estava a troçar do episódio porque apesar de compreender que devemos melhorar as condições em que vivemos, através da poluição, mas por outro lado temos de ser mais espertos e inteligentes de não sermos fundamentalistas do ambiente, porque é uma decisão muito cara!!!!!

Não é por acaso que os EUA, a Rússia, a China, a Índia são muito mais comedidos do que a Europa na redução da poluição, e logo os maiores poluidores do globo!!!!!
Eu até compreendo que os países nórdicos tenham metas elevadas, mas Portugal é rico para embarcar no mesmo funeral?
Termos políticos que dizem que devemos acabar com motores de combustão porque poluiem e empurram-nos para alternativas caríssimas (carros eléctricos) ou para os transportes públicos que só quem nunca saíu de um grande centro urbano podia dizer uma asneira destas porque não há transportes públicos no interior do país!
No interior do país, quem não tiver carta de condução e carro, não consegue trabalhar, excepto se for morar para o lado do posto de trabalho!!!!!!

Depois temos as enormes contradições de quererem acabar com os motores a combustão dos carros, mas...... e os camiões? E os aviões (não salvaram a TAP que só tem aviões com motores a combustão)? E os navios? Há alternativas?
Eu não percebo tanta falta de visão e inteligência para prever isto tudo!?!?!?

Mas nada disto admira, quando temos o actual Ministro do ambiente que disse a vários habitantes das margens do rio Mondego que deviam abandonar as terras porque podem ser alagadas........ então comece já a desmontar o apeadeiro que querem construir no Montijo que vai ficar de baixo de água se as águas realmente subirem!!!! Ou pense já em abandonar a capital que pode ser inundada a qualquer momento!!!!!!
Isto é querer fazer passar as pessoas por parvas. Infelizmente temos governantes cada um mais nabo do que o outro!!!!!! Basta irem aos Países Baixos e perguntem-lhes se eles querem abandonar o seu país, já que 60% até está em terras que estavam mais baixas do que o nível do mar!!!!

Depois, temos aqueles temas complexos, ligados a interesses (lítio, volfrãmio......) que foram aprovados de rajada, antes do comentador dissolver a AR: https://www.publico.pt/2021/11/04/economia/noticia/governo-despacha-14-concessoes-mineiras-incluindo-litio-argemela-volframio-montalegre-1983395

Para isto há pressa em aprovar as leis, antes que estejam impedidos de fazer e a população nem se apercebe que os vigaristas xuxalistas aprovaram 14 concessões mineiras na surdina!!!!!!
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: Energias Renováveis
« Responder #267 em: Novembro 21, 2021, 09:40:06 pm »
Continuando a senda da Madre Greta do Clima, sem termos qualquer alternativa energética (e ainda querem acabar com motores a combustão e apostar ainda mais nos eléctricos........)

Matos Fernandes e o fim do carvão: “Vamos criar muito emprego com as renováveis”

O ministro do Ambiente assegura “toda a protecção social” aos cerca de 150 trabalhadores da central termoeléctrica do Pego, em Abrantes.

Use as ferramentas de partilha que encontra na página de artigo.
Todos os conteúdos do PÚBLICO são protegidos por Direitos de Autor ao abrigo da legislação portuguesa, conforme os Termos e Condições.Os assinantes do jornal PÚBLICO têm direito a oferecer até 6 artigos exclusivos por mês a amigos ou familiares, usando a opção “Oferecer artigo” no topo da página. Apoie o jornalismo de qualidade do PÚBLICO.
https://www.publico.pt/2021/11/21/economia/noticia/matos-fernandes-fim-carvao-vamos-criar-emprego-renovaveis-1985818

O fim da produção de electricidade a partir do carvão em Portugal é “muito boa notícia” e não há outra forma de olhar para o encerramento da central termoeléctrica do Pego, em Abrantes. Quem o diz é o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, que promete “apoio social” à transição energética na região do Médio Tejo e anuncia que, até 30 de Novembro, será publicado um aviso para o financiamento de novos projectos nas energias alternativas. “Vamos criar muito emprego nas energias renováveis”, afiança.

Em entrevista neste domingo à RTP, o governante assegurou “toda a protecção social” aos cerca de 150 trabalhadores daquela central termoeléctrica, contrariou a ideia de que o país passa estar mais dependente do exterior em termos de electricidade e garantiu que a factura da luz vai baixar para os portugueses em 2022.

Use as ferramentas de partilha que encontra na página de artigo.
Todos os conteúdos do PÚBLICO são protegidos por Direitos de Autor ao abrigo da legislação portuguesa, conforme os Termos e Condições.Os assinantes do jornal PÚBLICO têm direito a oferecer até 6 artigos exclusivos por mês a amigos ou familiares, usando a opção “Oferecer artigo” no topo da página. Apoie o jornalismo de qualidade do PÚBLICO.
https://www.publico.pt/2021/11/21/economia/noticia/matos-fernandes-fim-carvao-vamos-criar-emprego-renovaveis-1985818

“Hoje é de facto um dia muito relevante”, começou por dizer Matos Fernandes, aludindo à notícia de que sábado, 20 de Novembro, foi o primeiro dia sem produção de electricidade com base no carvão. Lembrando “algum desencanto” que sentia há dias pela falta de um acordo global para o fim do carvão por parte dos países que participaram na COP 26, o governante realçou que “Portugal já acabou” com esse recurso no Pego, que custava 100 milhões ao país, por ano.

“Isto só era possível porque os portugueses pagavam 100 milhões de euros. Ora, 60% do consumo eléctrico já vem das renováveis e os restantes 40% são gás e biomassa”, descreveu. Lembrou depois que a meta nacional é que estes 60% sejam “80% em 2030”, mostrando-se convencido que esse objectivo até vai ser alcançado antes, provavelmente em 2025.

O ministro referiu-se depois à questão do futuro daqueles 150 trabalhadores do Pego, prometendo que “vai mesmo correr bem”, entre duas “bicadas” críticas à Galp pela forma como a petrolífera anunciou o encerramento da refinaria de Matosinhos, a quatro dias do Natal de 2020.

...........

https://www.publico.pt/2021/11/21/economia/noticia/matos-fernandes-fim-carvao-vamos-criar-emprego-renovaveis-1985818
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 2515
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +2189/-828
Re: Energias Renováveis
« Responder #268 em: Novembro 24, 2021, 12:46:36 am »
Continuando com o tema da imbecilidade do encerramento das centrais térmicas a carvão (tínhamos 2), embriagados pela irreverência da Madre Greta do Clima, vale a pela dar uma vista de olhos ao relatório feito pela Direcção-Geral de Energia e Geologia sob a dependência do governo: https://www.dgeg.gov.pt/pt/destaques/energia-em-numeros-edicao-2021/
O relatório propriamente dito: https://www.dgeg.gov.pt/media/32skj5iv/dgeg-aen-2021e.pdf

Para quem tiver paciência de ler o relatório todo..... ou então se saltar para a página 67, temos um resumo das importações e exportações de todas as energias consumidas no país.
A comparação é feita entre 2018, 2019 e 2020 (2020 estivemos parte do ano confinados, é necessário recordar).

Importamos energia eléctrica de 3, 7 e 6,4 GWh (2018, 2019 e 2020) e exportamos no mesmo período: 5,6  3,6  e 5GWh. Ou seja, excepto em 2018, fomos sempre deficitários, mesmo em pandemia!!!!!
O actual governo impõem o fim por decreto dos motores a combustão...... mas só para os veículos ligeiros (camiões, autocarros, aviões e navios são amigos do ambiente  ::)
Incentiva a aquisição de veículos eléctricos (baratinhos como sabemos e já nem falo no insulto dos transportes públicos que só serve uma pequena parte do território nacional........ ), portanto, o consumo energético depois dos confinamentos de 2020 vão subir e bastante, e o que é que o nosso governo faz? Acaba com as centrais a carvão, aumentando ainda mais o déficite energético do país!!!!!!

Bravo! Os socialistas são uns estrategas de primeira!!!!! Vamos estar ainda mais dependentes do fornecimento de energia vinda de França e Espanha!!!!!! Brilhante!
A somar à brilhante decisão de fechar uma das 2 refinarias do país (em Matosinhos), ....... para acelerar a descarbonização!!!!!!!  ::)

Que nomes é que podemos chamar a esta gente?
« Última modificação: Novembro 24, 2021, 12:48:52 am por Viajante »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: HSMW

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 12421
  • Recebeu: 2256 vez(es)
  • Enviou: 2914 vez(es)
  • +1800/-3841
Re: Energias Renováveis
« Responder #269 em: Novembro 24, 2021, 09:29:03 am »
Isto está a saque

E o povinho vai lá pô-los outra vez :bang:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas